Você está na página 1de 9

162 TODAS AS PROFECIAS DA BÍBLIA

A seguir, Ezequiel receb eu o rdens p ara o rde nar q ue os ossos secos vol
tassem a viver, que se ajuntassem, fossem cobertos de carne, para, final
me nte, rece ber o espírito de vida, tal com o a con teceu com A dão (cf. Gn 2.7).
D epo is disso, Deu s falou a Ezequiel: “Profetiza ao esp írito, profetiza, ó
filho do homem, e dize-lhe: Assim diz o S e n h o r   Deus: Vem dos quatro
ventos, ó espírito, e assop ra sob re estes m ortos, p ara q ue vivam ” (Ez 37.9).
Q uan do Ezequiel ob ed ece u ao Sen hor e profetizou, “o espírito entrou
neles, e viveram e s e pu seram em pé, um exército sobrem odo num eroso"
(v. 10).
Ezequ iel 37.11-14. D epo is de da r a Ezequiel esta visão, o Senh or a re
velou para ele. Na interpretaç ão, o profe ta foi inform ado de qu e os ossos
representavam Israel. Sua condição de sesperadora, de ab soluta secura,
ilustrava a im po ssibilidade d a restauraç ão do povo. Em respo sta a tal si
tuação, Deus prometeu resgatar a nação dentre os mortos e levá-la de
volta a Canaã. O Senhor poria nela o seu Espírito Santo e ela seria
estabelecida em sua pró pria terra.
O Senh or disse: “Filho do ho m em , estes ossos são to da a ca sa de Israel.
Eis que dizem: Os nossos ossos se secaram, e perece u a no ssa esperança;
estam os de tod o exterm inado s. Portanto, profetiza e dize-lhes: Assim diz o
S e n h o r  Deus: Eis qu e a brirei a vossa sep ultura, e vos farei sair dela, ó povo
me u, e vos trarei à terra de Israel. Sabereis que eu so u o S e n h o r , q u a n d o e u
abrir a vossa sepultura e vos fizer sair dela, ó povo meu. Porei em vós o
m eu Espírito, e vivereis, e vos estabelecerei n a vossa p róp ria terra. Então,
sabereis que eu, o S e n h o r , disse isto e o fiz, diz o S e n h o r ” ( w . 11-14).
 N a in te rp re ta çã o bíb lica a tu al, m u it o s a fir m a m q u e Isra el jam ais será r es
taurado. Partilham d a me sm a desesperanç a que dom inou os israelitas qua n
do o povo foi expulso da terra e espalha do pelo m und o, ficando m uitos de 
les na Assíria e Babilônia. Mas, para contrad izer essa situação sem esp era n
ça, Deus prom eteu re staurar Israel e, usa nd o os term os mais fortes que h a
via, indicou q ue traria nova vida à nação, que ela seria restaurada, hab itada
 pelo Esp írito Santo e esta b ele cid a em segu ranç a em su a p ró p ria te rr a.
A predição de q ue Israel seria trazido de volta da sepu ltura é parcial
m ente simbólica, na m edida em que a nação parecia estar m orta e seria
restaura da à vida física. No entanto, tam bé m deve ser conside rada literal
m ente p orque, d e acordo com Daniel 12.1-3, no final da Grande Tribula
ção, quando Cristo vier em sua segunda vinda, haverá uma ressurreição
dos sa ntos do Antigo Testam ento. Tanto figurativa com o literalmen te, Isra
el será restaurado e recebe rá nova vida. Os salvos que tiverem m orrido se
rão ressuscitados, para de sfrutar do reino m ilenar com o san tos ressurretos.
A prom essa de que o Espírito S anto habitaria no m eio de Israel vai
além da ex periência da naçã o com a Lei, quan do o Espírito de Deus es ta
va presente, m as nã o o hab itava ne ce ssariam en te (Jo 14.17). A pa rtir do
dia de Pentecostes (At 2), todas as pessoas genuinamente salvas passa
ram a ser hab itadas pelo Espírito Santo, um a situação q ue c on tinuará a
existir até o arreb atam ento da Igreja. Em bora não h aja um a revelação
L " m a s a q u e l e s q u e e sp
s p e r a m n o S e n h o r re
re n o v a m a s s u a s
f o r ç a s . V o a m b e m a l to
t o c o m o á g u ia
i a s ; c o r re
r e m e n ã o fi
f i ca
ca m e x a u s t o s ,
a n d am
a m e n ão
ã o se
se c a n s a m " .

INDICAÇÃO" PRESBÍTERO

ATENÇÃO
ESTA É SOMENTE UMA INDICAÇÃO, QUANDO PUDERES ADQUIRA
A OBRA EM UMA LIVRARIA DE SUA PREFERÊNCIA
PROFECIAS
DA BÍBLIA
John
John F. Walvoord
Tradução
Carlos Osvaldo Cardo
Ca rdoso
so Pinto, Th.M.
Th.M.

 Pr azer
az er,, em o çã o e co n h ec im en to
ISBN 85-7367-417-2 - Capa Dura
ISBN 85-7367-611-6 - Brochura

Categoria:
Categoria: R eferência

Esta obra foi pub licada em inglês co m o título


título
The Prophecy
Prophecy Knowledge Handboo k  po  po r 
Victor Books

© 1990 por SP Publications, Inc.


© 2000 por Editora Vida

 I a impressão,
impressã o, 200
20000
2a impressão, 2002

Todos os direitos reservados na língua portuguesa por 


Editora Vida, rua Júlio de C astilhos,
astilhos, 280
03059-000 São Paulo, SP — Telefax: (11) 6096-6814

As citações bíblicas
bíblicas foram ex traídas da Edição A tualizada
da Tradução de João Ferreira de Almeida, publicada pela
Editora Vida, salvo quando outra fonte for indicada.
indicada.

Gerên cia editorial


editorial:: R eginaldo de Souza
Preparação de textos: Mardônio Nogueira
Revisão de Provas: Josué Ribeiro e Rosa M. Ferreira
Diagramação: Imprensa da Fé
Capa: Douglas Lucas

Filiado a:

 Impress
 Imp ressoo no Brasil, na Impren
Imp rensa
sa da Fé 
SUMÁRIO <.

Prefácio 5
Introdução 7
1. A profe cia no Pe ntate uc o 17
2. A profe cia no s livros
livros histórico s 37
3. A profe cia nos livros
livros po éticos 65
4. A pro fec ia em Isaías 81
5. A profec ia em Jerem ias 10
1077
6. A profec ia em Ezequ iel 13
1377
7. A pro fec ia em D anie l . 18
1855
8. A profecia nos profetas m eno res 245
9. A pro fecia no s Evang elhos 295
10.. A pro fec ia no livro
10 livro de Atos 379
11. A profe cia nas epístolas pa ulina s 385
12
12.. A profe cia na s epístolas gerais 435
13
13.. Intro du çã o geral e pro fecia sob reare a igreja
igreja em A poca lipse 45
4511
14. A profecia sobre a visão visão joa nin a do
docéu
céu e dostem
dos tem po s do fim
fim 47
4711
15. A profecia sobre a seg und a vinda,o
vinda, o m ilênio
ilênio eo
eo estado etern o 53
5355
A pênd ice A: As profe cias do Antigo Te stam ento 56
5611
A pên dice B: As profe cias do Novo Te stam ento 623
índ ice remissivo 669
Quadros
O tem plo m ilenar 17
1755
O temp lo m ilenar
ilenar prop riam ente ditodito 1 78
O pportão
ortão de aces
acesso
so ao tem plo m ilenar
il enar 18
1800
Im périos m un diais da Bíblia
Bíblia na história de Israel
Israel 19 1
As seten ta sem ana s de Daniel:
Daniel: Da niel 9.24-
9.24-27
27 217
Os 483 ano s nos calend ários judaico e gregoriano 222
O rdem pred ita dos even tos proféticos relati relativos
vos a Israel
Israel 330
Ordem dos eventos na profecia
profecia bíblica
bíbl ica 33
3333
Eventos pred itos em relação às naç ões 345
Eventos pred itos em relação à igreja
igreja 364
Aparições de Jesus
Jesus após a ressurreição 377
As principa is ressurreições 404
Os principa is julgam ento s divinos 407
O Dia do Senh or 422
Ordem dos selos,
selos, trom be tas e taças 480
Principai
Princ ipaiss aco ntecim entos proféticos
proféticos ainda não cum pridos 48
4811
PREFÁCIO
Por m uitos anos, fui fui estimu
estimu lado a com pilar um a list listaa de toda s as profecias
profecias
 b íb li c a s e o f e r e c e r u m a e x p o s i ç ã o d e c a d a u m a d e la s . E m b o r a e la s e s t e 
 ja
 j a m e m m u i to s d e m e u s liv li v ro s, a n e c e s s i d a d e d e c o m b i n á - la s n u m só
volume tornou-s tornou-see evidente.
U m d o s p r o b le l e m a s n a i n t e r p re r e t a ç ã o d a p ro r o f e c ia
ia é q u e c a d a u m a d e la la s
é relacionada
relacionada às dem ais com o pe daço s de u m mosaico. Assim, Assim, é precisoprecis o
utili
uti lizar
zar um sistemasistema de interpretação que de sdobre a profecia prof ecia de man eira
ord en ad a e relacionerelacione as profecias um as às outras. Para conseg uir isso isso,, o
m étodo geral de es tud tudoo das passagens proféticas proféticas foi foi abordado do pon to
de vista bíbli bíblico,co, desd e G ênesis até Apocalips Apocalipse. e. Nos evang elhos, a ab or 
dagem cronológica
cronol ógica foi foi mod ificada if icad a p ara lidar com as principais profecias prof ecias
nos sinóticos
s inóticos e analisar analis ar sepa radam ente as men sagens regist regi stradas
radas em JJooão ão..
Para oferecer ao estudioso da Bíblia Bíblia acessoacesso a c ad a profecia, vários vários gráfi
cos foram incluídos, bem com o u m índice remissivo. remissivo. As citações bíblicas bíblicas
são da Edição Revista e A tua lizad a (SBB). SBB).
Um a lista lista de profecias signifi significati cativasvas e de seu cum prim en to é ofere
c i d a n e s t e li li v ro
ro . À m e d i d a q u e e s t a s c e n t e n a s d e m e n s a g e n s s ã o e s t u 
d a d a s , rer e v e la
l a - se
s e u m p a d r ã o l it it e ra
ra l d e p r o f e c ia ia c o m o c u m p r i m e n t o l i t e 
ral já obtido.
obtido. Inegavelm ente, a evidência de que D eus qu er dizer ex ata
m e n t e o q u e f a l o u é a v a s s a la la d o r a , e n q u a n t o p r o f e c ia i a a p ó s p r o f e c ia
ia a p a 
r e c e c u m p r i d a li l i te
t e r a l m e n t e c o m o p a s s a r d o t e m p o . Q u a n d o a h is i s t ó r ia
ia
c h e g a r a o s e u fi f i m , t o d a a m e n s a g e m b í b li li c a t e r á o s e u c u m p r i m e n t o .
Embora seja impossível em um só volume tratar detalhadamente
d e c a d a i n t e r p r e t a ç ã o , n o s s o a lv lv o é o f e re r e c e r u m a e x p o s i ç ã o e x p l i c a ti ti v a
d e c a d a p r o f e c i a s i g n if i f ic
i c a t iv
iv a d a s E s c r it i t u r a s e fafa z e r a i n d a m e n ç ã o d e
i n t e r p r e t a ç õ e s a l t e r n a ti t i v a s . D e s s a m a n e i r a , o le le i t o r t e r á a s e u d i s p o r  
u m a i n t e r p r e t a ç ã o p r á t i c a e in in t e l ig
ig e n t e d e c a d a p r o f e c i a q u e s e a j u s ta ta
a o e s q u e m a t o ta t a l d a s p r o f e c ia i a s j á c u m p r i d a s o u a s e c o n c r e ti t i z a r , e te te r á
u m a c o m p r e e n sã s ã o i n tr t r o d u t ó r i a d e c a d a p r of o f e ci
cia c o m o b a s e p a r a s e u
f u t u r o e s t u d o p e s s o a l. l.
O com peten te trabalho tr abalho de K aren ar en Grassmick com o estenógrafa con tri
 b u i u e m m u i to p a r a a p e r f e i ç o a r o livr li vro.
o. S o u g r a to a i n d a à a d m i n i s tr a ç ã o
do Sem inário inário Teológi
Teológico co de Dallas,Dallas, que co ope rou com o projeto, projeto, ao co n
ceder-me tempo livre para escrever.

 Jo
 J o h n F. W a lv o o r d 
INTRODUÇÃO
A IMPORTÂNCIA DA PROFECIA
 N a h i s t ó r i a d a I g r e ja , a s p o r ç õ e s e s c a t o l ó g i c a s o u p r o f é t i c a s d a s E s c r i 
turas sofreram mais com interpretações inadequadas do que qual
q u e r o u t ro r o i m p o r t a n t e a s s u n t o t e o ló l ó g ic
ic o . A r a z ã o d e s s e f a t o é q u e a
I g re
r e ja
j a ses e d e s v i o u d e u m a i n t e r p r e t a ç ã o n o r m a l , g r a m a t ic i c a l e li li te
te r a l d a
 p r o f e c i a , e a d o t o u o u t r a , n ã o - l i t e r a l e s u j e i t a a o s c a p r i c h o s d o i n t é r 
 p r e te .
 N o s p r i m e i r o s d o i s s é c u l o s d a e r a c r is t ã , a I g r e ja e r a p r e d o m i n a n 
t e m e n t e p r é - m i le le n i s ta
t a , p o i s e n s i n a v a q u e C r is is to
t o c u m p r i r ia i a a p r o f e c ia ia
d e s u a s e g u n d a v i n d a e in i n a u g u r a r i a s e u re re i n a d o d e m i l a n o s s o b r e a
Terra antes que começasse a eternidade. Embora esta interpretação
n e m s e m p r e f o s s e c o e r e n t e e às à s v e z e s fa f a n t a s i o s a , e m g e r a l a p r o f e c ia ia
e r a t r a t a d a d a m e s m a m a n e i r a q u e a s d e m a i s p o r ç õ e s d a s E s c r it it u r a s.
s.
A pa rtir de 190 d.C. d.C . e du ran te o terceiro século, século , a esco la he rética de
A l e x a n d r ia ia , n o E g it it o , t r o u x e a l u m e e d e f e n d e u o p r i n c í p i o e r r ô n e o d e
que a Bíblia deveria ser interpretada em um sentido não-literal ou
a le
l e g ó r ic
ic o . A o a p l i c a r e s se s e c o n c e i tot o à s E s c r i tu tu r a s , o s a l e x a n d r i n o s s u b 
v e r t e r a m a s d o u t r in i n a s m a i s i m p o r t a n t e s d a fé fé , i n c lu
l u s i v e a p r o f e c ia ia . O
r e s u lt
l t a d o f oi o i q u e h o u v e p o u c o p r o g r e ss s s o n a t e o lo l o g ia
ia , e s p e c i a l m e n t e
n a á r e a p ro r o f é ti
t i c a , a té
t é q u e e s s e p r o b l e m a d e i n t e r p r e ta t a ç ã o f o ss s s e r e s o l
l
vido.
A gostinho (354- (3 54-430) 430) res resgg atou a Igreja Igre ja de sse princ ípio errôn eo, pelo
m e n o s n o q u e d i z ia i a rer e s p e i to
t o à s p a s s a g e n s n ã o - p r o f é t ic ic a s , m a s c o n t i 
n u o u a tr tr a t a r a p r o f e c ia ia d e m a n e i r a n ã o - li l i te
te r a l,
l, c o m o p r o p ó s i t o d e
e l im
i m i n a r a id i d é i a d e u m r e i n o m i le l e n a r s o b r e a T er e r ra
ra .
P el
e l o f a to to d o a m i le l e n i s m o , q u e n e g a u m r e in i n o m i le l e n a r lil i te
te r a l a p ó s
a s e g u n d a v i n d a d e C r i st s t o , se
s e r u m s i s te t e m a e s s e n c i a l m e n t e n e g a t iv iv o
e dificultar a interpretação literal inteligente da profecia, houve
 p o u c o p r o g r e s s o n e s s a á r e a . E m b o r a a I g r e j a n ã o d e i x a s s e d e c r e r 
no Céu e Inferno, negligenciou ou racionalizou longas passagens
 p r o f é t i c a s q u e t i n h a m q u e v e r c o m I s r a e l e o r e i n o t e r r e n o , f r e q ü e n 
t e m e n t e m e n c i o n a d o s n o A n t ig ig o T e s ta t a m e n to t o . M e sm sm o d u r a n t e a
Reforma pro testan te a profecia não foi resga tada desse entrave à sua
interpretação.
E m b o r a r e m a n e s c e n t e s d a I gr g r ej
e j a d e f e n d e s s e m u m a p o s iç iç ã o p r é -
m i lele n i st
s t a , fofo i a p e n a s n o s s é c u lo l o s XI
X IX e XX XX q u e c o m e ç o u a t o m a r f o r m a
e a s e f i rm r m a r u m m o v i m e n t o p a r a r e s t a u r a r a v e r d a d e l it i t er
er a l d a p r o f e 
cia.
cia. O século s éculo XX XX foi pa rticularm en te signifi signi ficat cativoivo no progresso da in
terpretação profética e aquele no qual muitos detalhes das profecias
foram debatidos e esclarecidos de maneira que nunca fora possível
8 TODA S A S PROFECIAS D A BÍB LIA

antes. Embora o amilenismo continue a ser a posição majoritária da


I gr
gr ej
ej a , e n t r e o s q u e a d o t a m u m a v is i s ã o e le l e v a d a d a i n e r r â n c i a d a s E s c ri ri 
t u r a s a p o s iç i ç ã o p r é - m i le l e n i s t a r e c e b e u e x p o s i ç ã o d e t a l h a d a , q u e s e rv rv i u
 p a r a o f e r e c e r u m a v is ã o i n t e l i g e n t e d o p r e s e n t e e f u t u r o , d o p o n t o d e
vista
vist a da profecia bíblica. bíblica.
A i m p o r t â n c i a d a p r o f e c ia ia d e v e r ia i a s e r e v i d e n te te , m e s m o n u m e x a 
m e s u p e r f i c ia i a l d a f é c r is i s tã
t ã , p o i s c e r c a d e u m q u a r t o d a B í b li li a e r a p r o 
f ec
e c ia
ia , q u a n d o a P a l a v ra ra d e D e u s f oi oi t r a n s m i t id id a . É e v i d e n t e q u e o S e 
n h o r t e n c i o n a v a le l e v a n t a r o v é u d o f u t u ro r o , a fi
fi m d e n o s c o n c e d e r a l g u 
m a in in d i c a ç ã o d e q u a i s e r a m s e u s p la la n o s e p r o p ó s i t o s p a r a a r a ç a h u 
m a n a e o u n i v e rs r s o c o m o u m t o d o . P a s sa s a g e n s q u e a p ó i a m a in in t e r p r e 
t a ç ã o p r é - m i le l e n i s ta t a , n e g l i g e n c i a d a s e m a l i n t e r p r e t a d a s , fo fo r a m
c o r r ig
ig i d a s , e m c e r t a m e d i d a , n o d e c o r r e r d o s é c u l o XX XX.
 N a n a t u r e z a d a fé c r is t ã , u m a f i r m e e s p e r a n ç a q u a n t o à e s c a t o l o g i a
é e s ses e n c i al a l . U m c r is i s ti
t i a n is
i s m o s e m f u t u ro r o n ã o s e r ia ia a u t ê n t icic o . E m c o n 
t ra
r a s t e , e n t r e t a n t o , c o m a e s c a t o l o g i a d a s r e li li g iõ
iõ e s p a g ã s , q u e p i n t a m
u m q u a d r o s o m b r i o d o fu f u t u ror o , a e s p e r a n ç a d o c r i s ti ti a n is
i s m o é lí lí m p i d a
e b r il i l h a n t e , e o fe f e r e c e a o c r is i s tã
tã o a v e r d a d e f u n d a m e n t a l d e q u e , p a r a
e le
le , a p r ó x i m a v i d a é m e l h o r q u e a p r e s e n t e . C o m o P a u l o d i ss ss e e m
2 C o r í n t io io s 5 .8 .8 : “ E s t a m o s e m p l e n a c o n f i a n ç a , p r e f e r i n d o d e i x a r o c o r 
 p o e h a b i t a r c o m o S e n h o r ”. N a fé c r i s t ã , o f u t u r o é p i n t a d o c o m t o n s
d e b ê n ç ã o e f e li li ci
c i d ada d e n a p r e s e n ç a d o S e n h o r, r , s e m o s m a l es es p e r t e n 
c e n t e s a e s t a v id id a .
A r e v el e l aç
a ç ã o d a p r o f e c ia ia n a E s c r it i t u ra
r a s e rv
rv e c o m o i m p o r t a n t e p r o 
v a d e q u e a B í b li l i a é e x a t a e m s u a i n t e r p r e t a ç ã o d o f u t u r o . O fa f a to
to d e
q u e a p r o x i m a d a m e n t e m e t a d e d a s p r o f e c ia ia s b í b li l i c as
a s j á tete v e o s eu eu
c u m p r i m e n t o d e f o rm r m a li li te
te r a l c o n c e d e - n o s u m a b a s e i n te t e l e c tu
tu a l
a d e q u a d a p a r a p r e s u m i r q u e a p ro r o f e cic i a q u e a in in d a a g u a r d a u m d e s 
f e c ho
h o t e rá r á , d e i gu g u a l m o d o , c u m p r i m e n t o i n t eg e g r a l.l. Ao
Ao m e s m o t e m p o ,
 ju
 j u s t i f i c a - s e a c o n c l u s ã o d e q u e a B í b li a é i n s p i r a d a p e l o E s p í r i t o S a n t o
e a p r o fe f e c ia
i a , a q u a l f o g e a o c o n t r o le le d e q u a l q u e r e s q u e m a h u m a n o ,
é d e fa f a to
t o u m a r e v e la la ç ã o f ei eit a p o r D e u s s o b r e o q u e a i n d a a c o n t e c e 
r á.
á . O c u m p r i m e n t o d e d iv i v e r s a s p r o f e c ia ia s s e rvrv e c o m o g u i a p a r a a i n 
t e rp
r p r e t a ç ã o d a s q u e a i n d a a g u a r d a m s u a r ea e a li
l i z a ç ão
ão .
A p r o f e c ia i a b íb í b li
lic a , a d e q u a d a m e n