Você está na página 1de 2

Gerenciamento de configurações de software

De acordo com Sommerville (2011, p. 475), o gerenciamento de configurações está


relacionado com as políticas, processos e ferramentas para gerenciamento de
mudanças dos sistemas de software. Ainda segundo Sommerville (2011, p. 475),
você precisa gerenciar os sistemas em evolução, pois é fácil perder o controle de
quais mudanças e versões de componentes foram incorporadas em cada versão do
sistema. Nesse sentido, entende-se que o gerenciamento de configuração é o
desenvolvimento e a aplicação de padrões e procedimentos para gerenciar um
software em evolução, onde pode-se controlar todas as modificações por meio de
métodos e ferramentas que veremos a seguir. Logo, a gerência de configuração tem
como objetivo identificar, controlar e garantir que a mudança seja implementada
corretamente, e relatar a todos os envolvidos no processo.

Dentro da gerência de configurações de software temos algumas atividades:

 Gerenciamento de mudanças: O foco dessa atividade é de permitir que as


mudanças dos itens de configuração sejam propostas, avaliadas, aceitas e
aplicadas de forma que os custos e os benefícios das mudanças sejam
adequadamente analisados e as alterações em um sistema sejam feitas de
maneira controlada. Um pedido de modificação deve ser registrado com a
proposta desejada, a partir daí uma equipe de responsáveis avalia a
probabilidade de fazer essa alteração. As propostas aprovadas, serão
transformadas em ordem de serviço para realização da tarefa. A partir dessa
ordem de serviço, os técnicos preparam o projeto de modificação, que
descreve como será a execução da tarefa, descobrindo as alterações a
serem feitas. Após, a ordem de serviço alterada será encaminhada para a
aprovação, que será encaminhada para os responsáveis técnicos fazerem a
busca dos objetos no repositório e realizar as verificações e testes
necessários. A partir disso, será encaminhado para auditoria e assim
submetidos ao repositório novamente com sua nova versão gerada.
 Gerenciamento de versões: Por aqui é feito o acompanhamento das várias
versões do software na medida em que são finalizadas. Um software, em
desenvolvimento, evolui até que atinja o estado em que atenda os seus
propósitos para o qual foi criado. Dentro da gerência de versões
encontramos alguns processos de gerenciamento como por exemplo:
codeline (sequência de versões de código-fonte com versões posteriores na
sequência derivadas de versões anteriores) e baseline (especifica a versão
de cada componente incluída no sistema, mais uma especificação das
bibliotecas usadas, arquivos de configuração etc.).
 Gerenciamento de releases: Nada mais é do que a versão do software
distribuída aos clientes. Nos releases de sistema incluem: documentação,
arquivos de dados, códigos executáveis e arquivos de configuração. As
tomadas de decisão sobre datas dos releases, preparação das informações
e documentação dos releases de sistema é feito nessa atividade
propriamente dita.
 Construção do sistema: Define-se como, de acordo com Sommerville (2011,
p. 476), sendo o processo de montagem de componentes de programas,
dados e bibliotecas e, em seguida compilação e ligação destes, para criar
um sistema executável. As ferramentas de construção do sistema
juntamente com as ferramentas de gerenciamento de versões devem se
comunicar na medida em que o processo de construção envolve a
realização de checkout.

Concluímos que, a gerência de configuração de software é extremamente


importante nas diversas etapas do desenvolvimento do software. Isso se dá, pois a
preocupação estende-se não só ao código-fonte, mas ao gerenciamento das
diversas versões de todos os artefatos importantes para o entendimento e
manutenção do software. O software deve ser reconstruído e testado
frequentemente, para posteriormente facilitar a detecção de bugs e problemas.

Referências

SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de software. 9. ed. Tradução Ivan Bosnic e


Kalinka G de O. Gonçalves. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

Você também pode gostar