Você está na página 1de 6

Tabernáculo

de Davi
Tabernáculo
de Davi
ZOE LILLY -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

É muito comum ouvirmos falar do tabernáculo de Moisés e o de Davi. Apesar de serem parecidos, suas
estruturas os diferem entre si. Enquanto no modelo antigo encontramos três áreas principais – os Átrios, o
Santo Lugar e o Santo dos Santos – no novo tabernáculo, o davídico, temos apenas o lugar onde se era guardada
a arca. O profeta Amós nos revela um pouco sobre esse assunto:

Naquele dia, levantarei o tabernáculo caído de Davi, repararei


as suas brechas; e, levantando-o das suas ruínas, restaurá-
lo-ei como fora nos dias da antiguidade. (Amós 9.11)

Como vemos, esse versículo se refere à restauração do tabernáculo. Entendemos que Amós estava descrevendo
um processo que viria e que continua ativo em nossos dias. Isso diz respeito à nossa intimidade com o Senhor, a
qual foi reconstituída pelo sacrifício de Jesus na cruz. Lembre-se que no momento de sua morte o véu se rasgou
de cima a baixo, ou seja, foi o próprio Deus nos reconectando a Ele.

O profeta Amós também dizia que o tabernáculo de Davi seria restaurado, por nos dar o livre acesso; e não o de
Moisés, que representava a lei. Isso fica muito claro quando vemos que cada elemento dos Átrios e do Santo Lugar
deveria ser manuseado perfeitamente, cumprindo assim a lei, antes que o sumo sacerdote estivesse perante a
presença de Deus. Entretanto, como o tabernáculo de Davi não continha nenhuma divisão para o Santo dos Santos,
os responsáveis pelos serviços da tenda poderiam entrar diretamente em contato com o Senhor.

Mas algo que estava presente nos dois tabernáculos era a arca da aliança. Em Êxodo 25.10-22, vemos como
ela foi construída. Deus deu direções a Moisés para que fizesse uma caixa de madeira de acácia, totalmente
revestida em ouro, com um metro e dez centímetros de comprimento, setenta centímetros de altura e setenta
de largura. A tampa seria forjada em ouro com uma só peça e, sobre ela, dois querubins um em cada extremidade
com suas asas estendidas. Nos quatros pés teriam argolas de ouro e por elas passariam varas para transporte.
Por fim, todo o conjunto receberia uma moldura de ouro.

Ainda que essa arca fosse a mesma, o período entre a época mosaica e davídica teve um intervalo de
aproximadamente mil anos. Nesse ínterim, os filisteus a tomaram para si e o Senhor os castigou até que ela
fosse devolvida aos israelitas. Somente muito tempo depois, quando Davi foi ungido como rei de Israel, ele assim
edificou um novo tabernáculo.

Com muita alegria em seu coração, o rei Davi recebeu a arca, como vemos na Palavra:

Sucedeu que, quando os que levavam a arca do Senhor tinham dado


seis passos, sacrificava ele bois e carneiros cevados. Davi dançava com
todas as suas forças diante do Senhor; e estava cingido de uma estola
sacerdotal de linho. Assim, Davi, com todo o Israel, fez subir a arca
do Senhor, com júbilo e ao som de trombetas. (2 Samuel 6.13-15)

2 TABERNÁCULO DE DAVI
Essa atitude espontânea, expressa que o maior interesse de Davi era valorizar o lugar da presença de Deus.
Por conta disso, até mesmo sua esposa, Mical, desprezou a forma como ele se expôs diante de todo povo. Mas o
rei, não se importando com isso, estabeleceu uma escala com milhares de intercessores e músicos a serviço do
tabernáculo. Essa adoração perdurou por trinta e três anos, vinte e quatro horas por dia. Todos os sacerdotes
e levitas foram definidos como funcionários reais que dia e noite exaltavam ao Senhor. Porém, com a morte de
Davi, o tabernáculo não continuou sendo valorizado por Israel e, aos poucos, foi se perdendo a tradição. É então
que, passados alguns anos, Amós profetiza a restauração daquele lugar.

Alguns estudiosos dizem que o tabernáculo de Davi foi restaurado quando obtivemos o acesso direto a Deus,
através da morte e ressurreição de Jesus. Outros afirmam ainda que esse processo está acontecendo nos dias
de hoje. E existe também a ideia de que, na última vinda de Cristo, ele será reedificado. Sendo assim, é possível
compreendermos que, de fato, o caminho que nos liga diretamente ao Pai foi reconstruído por Jesus na cruz,
mas também essa conexão do relacionamento com a trindade continua sendo forjada por nós ainda hoje em
nossas vidas, dia após dia, até ser concluída na glorificação.

Meditando nisso, responda o que se pede a seguir:

1. Como a diferença entre os tabernáculos de Moisés e


Davi afeta seu relacionamento com Deus?

2. Por que a Palavra sempre relaciona adoração com reverência?

3. Como seu relacionamento com Deus pode afetar a adoração?

3 TABERNÁCULO DE DAVI
O TABERNÁCULO DE DAVI EM NOSSAS VIDAS
O significado mais comum que encontramos para a arca do concerto, é a representação do trono de Deus
na Terra, ou seja, Sua presença manifesta. Além disso, ela também apontava para a plenitude do Deus triúno,
revelada a nós por Jesus.

Atualmente não sabemos onde ela está, se enterrada em algum lugar de Israel ou se talvez já tenha sido
destruída. De todo modo, ela não permanece tão importante quanto foi no Velho Testamento, uma vez que o
Senhor não habita mais em tendas ou templos, e sim em nossas vidas. Assim, já não precisamos estar em um
lugar ou outro para acessar a presença de Deus, mas aonde quer que formos, podemos estar ligados a Ele.

Contudo, temos que aprender a aplicar diariamente esse conhecimento em nossas vidas, fazendo dele uma
ferramenta para conhecermos mais sobre a natureza de Deus. É sobre isso que se trata o tabernáculo. Nele
encontramos um lugar de autorreflexão para julgarmos se temos vivido como Davi, porque dele diziam o seguinte:

E, tendo tirado a este, levantou-lhes o rei Davi, do qual também,


dando testemunho, disse: Achei Davi, filho de Jessé, homem segundo
o meu coração, que fará toda a minha vontade. (Atos 13.22)

Logo, ser como Davi significa ser uma pessoa que anda segundo o coração de Deus. Quando nos
comprometemos a viver dessa forma, tudo o que move o Pai, passa a nos mover também, e os Seus pensamentos
se tornam dominantes em cada atitude que tomamos. Diferente do tabernáculo de Moisés, a nova aliança nos
mostra que podemos adorar ao Senhor sem o peso das leis, como vimos o exemplo de Davi em 2 Samuel 6.14.
As Escrituras nos dizem que esta é a forma como devemos fazer:

Mas vem a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores


adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes
que o Pai procura para seus adoradores. (João 4.23)

Além de revelar um modelo aperfeiçoado de culto, o tabernáculo de Davi é a nítida expressão da graça de
Cristo. Por meio de Jesus, não temos mais que ir até a presença de Deus, uma vez que, agora, nós somos feitos
a arca que contém a Sua glória. Essa verdade soa para nós como um chamado ininterrupto de adoração, visto
que se estamos o tempo todo mergulhados no Santo dos Santos, então cada ato de nossas vidas é também um
ato espiritual ao serviço do Reino. Os rituais da época mosaica foram apenas vislumbres do plano de redenção
pelo qual fomos lançados no interior do Santíssimo Lugar.

Em nossos dias, já não dependemos de tabernáculos, pois a presença de Deus continua manifesta. Ela sim
deve ser valorizada com o máximo de empenho que temos. Isso pode acontecer tanto através de afazeres
naturais quanto em cultos com a igreja, ou nos momentos de intimidade, os quais temos individualmente com
o Senhor. Cada etapa do nosso dia abre uma possibilidade diferente de servirmos a Ele com todo o coração.

À medida que crescemos no zelo pela presença de Pai, recebemos revelações mais profundas sobre o
quanto ela é importante. Além também de compreendermos tudo aquilo que os profetas fizeram antes de nós e,
principalmente, o que Jesus fez na cruz, para que pudéssemos ter acesso direto ao lugar de perfeita intimidade.

Por fim, responda o que se pede abaixo:

4 TABERNÁCULO DE DAVI
1. Por que a nova aliança era representada pelo tabernáculo de Davi, e não pelo de Moisés?

2. Além do tabernáculo de Davi, como o de Moisés nos ajuda no conhecimento do Senhor?

3. De que forma Jesus era representado em cada tabernáculo?

4. Se não estamos limitados a adorar em um local específico, o que significa


adorar em espírito e verdade? Tenha como base o trecho de João 4.20-24.

5 TABERNÁCULO DE DAVI
5. Reflita se sua adoração é motivada pela lei ou pelo que Jesus fez. Agora
pense: Como você pode aplicar o testemunho de Davi em sua vida?

6. Uma vez que a glória de Deus já não habita em tendas, mas em


nós, qual é o seu compromisso com as pessoas à sua volta?

DESAFIO PESSOAL: Do mesmo modo que Davi e a mulher de Lucas 7.36-50, faça algo intencional em seu tempo
de devocional nesta semana, como forma de valorizar a presença do Senhor. Peça a Ele direções de como isso
pode ser feito e compartilhe com ao

6 TABERNÁCULO DE DAVI