Você está na página 1de 5

Trindade

Antes de começarmos nossa aula sobre a Trindade é importante ressaltarmos algumas heresias
a esse respeito. Existem duas teorias:

Modalismo: tenta explicar a Trindade como se fosse um Deus só, que se revela de diferentes
modos: às vezes como Pai, às vezes como filho e às vezes como Espírito Santo. Essa teoria é
facilmente desconstruída, pois se Deus é um como estava presente no batismo de Jesus? Em Marcos
1:9 vemos os 3 juntos: Jesus sendo batizado, Deus Pai por meio da voz que fala para Jesus e o Espírito
Santo como pomba vindo sobre Jesus. Logo, não há como eles serem um Deus só.

Triteísmo: tenta explicar a Trindade como se fossem 3 deuses separados: Deus Pai, Deus Filho
e Deus Espírito Santo, que atuam em cooperação. Também é uma teoria fácil de ser desconstruída.
Servimos a um só Deus como podemos ver em Deuteronômio 6:4, onde está escrito que nosso Deus é
o único Senhor. O Pai não pode ser visto como um terço de um Deus, nem Jesus e nem o Espírito
Santo.

Na verdade, a Trindade são pessoas diferentes que juntas compõem a plenitude de Deus.

Em Gênesis 1: 26 vemos Deus dizendo: “Façamos o homem à nossa imagem e semelhança”,


onde o verbo “fazer” está no plural. A trindade está presente desde o princípio, porque Deus quando
criou o universo estava acompanhado.

Existem mais algumas passagens bíblicas que enfatizam a Trindade: Gênesis 11:6, Isaías 6:8 e
1 João 5:7. Mas a que nos mostra a Trindade de uma maneira mais clara é a do batismo de Jesus, em
Marcos 1:9.

“​Naqueles dias, veio Jesus de Nazaré da Galiléia e por João foi batizado no rio Jordão. Logo ao
sair da água, viu os céus rasgarem-se e o Espírito descendo como pomba sobre ele. Então, foi ouvida
uma voz dos céus: Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo.”

A figura de cada um na trindade:

Deus Pai
O Pai é mencionado 256 vezes somente no Novo Testamento. Não resta dúvida de que o Pai é
Deus. No Antigo Testamento, o profeta Isaías se relaciona com o Senhor desta forma: "Senhor, tu és o
nosso Pai" (Isaías 64:8). Alguns Salmos Messiânicos também profetizavam que esse seria o
relacionamento entre Jesus e Deus (Salmos 2:7; Salmos 89:26). O conceituado teólogo R. C. Sproul
afirma que a doutrina da Trindade afirma a triunidade de Deus, não sendo essa uma contradição, uma
vez que Deus é um em essência e três em pessoa. A bíblia afirma tanto a unidade de Deus como a
divindade do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Deus Filho/Jesus Cristo


Jesus Cristo é o único e verdadeiro Deus que se fez carne, o Messias e Ungido de Deus. Jesus
Cristo é o Verbo que habitou entre nós. O ponto principal da nossa fé repousa no fato de Jesus ser
realmente Deus em carne humana e não simplesmente um homem acima da média.
Jesus tem natureza divina, uma vez que João afirma que o Verbo estava com Deus desde o
princípio e era Deus. Além de ser Eterno, Jesus fez diversas afirmações durante o seu ministério que
apenas Deus poderia fazer, ou seja, declarações que comprovam sua natureza divina. Jesus afirmou
ser Onipresente (Mateus 28:20), Onisciente (João 1:48), Onipotente (Mateus 28:18), ter poder sobre a
morte (João 5:28,29), ter poder para perdoar o pecado (Mateus 26:28), que era fonte de toda vida (João
5:26), único caminho para o Pai (João 14:6), não ter pecado (João 8:58), dentre outras.
Apesar de ser Deus, Jesus é também verdadeiramente homem, tendo natureza humana, uma
vez que é nascido de mulher. É importante lembrar que Jesus também tinha sentimentos e ações
humanas como fome (Mateus 4:2), sono (Marcos 4:38) e sede (João 19:28). Além disso, até mesmo
após a ressurreição Jesus aparece aos discípulos em corpo humano (Lucas 24:39).

Deus Espírito Santo


Diversas são as analogias bíblicas em relação à pessoa do Espírito Santo, bem como: Vento,
Fogo, Óleo, Pomba, Selo, Chuva, Orvalho, Água. No entanto, não podemos confundir o Espírito Santo
com uma manifestação ou poder, uma vez que o Espírito Santo é verdadeiramente Deus, sendo a
terceira pessoa da Trindade. Paulo ainda nos ensina que o Espírito Santo pode ser entristecido (Efésios
4:30), corroborando a pessoalidade do Espírito Santo.
O Espírito Santo já se movia na Terra mesmo no princípio, ou seja, Ele participou da criação do
mundo (Gênesis 1:2). Jesus reforçou aos discípulos a necessidade do batismo ser feito em nome do
Pai, do Filho e do Espírito Santo (Mateus 28:19), reforçando a Triunidade de Deus e igualando o
Espírito Santo às outras duas pessoas da Trindade em glória, majestade e importância.
Assim como Deus, o Espírito Santo possui atributos Divinos. A Palavra nos mostra que Ele é
Onipresente, uma vez que o salmista não poderia de maneira alguma fugir da Sua face (Salmos
139:7-10). O Espírito Santo também é Onisciente, conhecendo a mente dos homens e podendo até
mesmo penetrar nas profundezas do coração de Deus (1 Coríntios 2:10); e é também Onipotente (Atos
1:8). Além disso, Ele é Eterno (Hebreus 9:14), portanto, não é uma energia utilizada por Deus para Sua
manifestação na Terra, como muitos acreditam.

Na verdade Deus é um e três, os três são Deus e não deuses. Um único Deus composto de Pai,
Filho e Espírito Santo e isso é uma coisa que não iremos entender completamente com a nossa mente
humana. É algo que precisamos condicionar a Deus e pedir a Ele que nos dê revelação.

1. Revisão

1. Quais foram as revelações que você recebeu na aula de hoje?

2. Ficou claro o conceito de Trindade para você?


3. Quais versículos citados na aula deixam isso mais claro para você?

2. Reflexão
1. Qual a importância de entendermos as 3 pessoas da Trindade?

2. Como está seu relacionamento com Deus Pai?

3. Como está seu relacionamento com Jesus?

4. Como está seu relacionamento com o Espírito Santo?

3. Aplicação Prática
1. Retire um tempo depois dessa aula para em seu tempo de devocional pedir revelação sobre a
Trindade. Escreva sua experiência.
​4. Criando a Cultura
1. Como você poderia passar todo esse conhecimento aprendido na aula para alguma pessoa que
você conheça?

Você também pode gostar