Você está na página 1de 63

 

SEITAS E HERESIAS

1) A Palavra de Deus prevê o aparecimento

A própria Bíblia Sagrada nos alerta sobre o aparecimento de religiões, seitas e


heresias.

O próprio Jesus é quem nos admoesta:

Mt 24.11,24 - “... levantar-se-ão muitos falsos profetas e enganarão a muitos: porque


surgirão falsos cristos e falsos profetas, operando grandes sinais e prodígios para
enganar, se possível, os próprios eleitos”.

O apóstolo Paulo é quem nos adverte:

ITm 4.1 - “... Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns
apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios”.

O apóstolo Pedro também nos adverte:

IIPe 2.1-3 - “Assim, como no meio do povo surgiram falsos profetas, assim, também
haverá entre vós falsos mestres, os quais introduzirão, dissimuladamente, heresias
destruidoras, até ao ponto de renegarem o Soberano Senhor que os resgatou, trazendo,
sobre si mesmos, repentina destruição. E muitos seguirão as suas práticas libertinas, e,
por causa deles, será infamado o caminho da verdade; também, movidos por avareza,
farão comércio de vós, com palavras fictícias; para eles, o juízo lavrado há longo tempo
não tarda, e a sua destruição não dorme”.

2) O que é uma heresia? Uma religião falsa? Ou uma seita falsa?

Heresia  -

Derivada da palavra grega “haíresis”, significa escolha, doutrina oposta aos ensinos
divinos e que promove divisões.

Seita

Na prática, uma religião ou doutrina fundamentada em heresias. As seitas possuem


características que permitem a sua identificação.

 
3) Que fatores favorecem o seu surgimento e evolução?

O homem é um ser, por natureza, religioso; Deus o fez assim. Onde quer que se
encontrem seres humanos, há vestígios de religião. A Palavra religião vem do latim
“religare”, o que dá idéia de que o homem está separado de Deus. Na sua busca, se o
homem não for conduzido à religião verdadeira, certamente inventará uma para si
próprio, ou se apegará a uma outra que lhe for proposta com entusiasmo e veemência,
por qualquer pessoa.

3.1) A ação diabólica no mundo

O mundo está sendo preparado para o reinado do Anticristo.

IITs 2.7 - “Com efeito, o mistério da iniqüidade já opera e aguarda somente que seja
afastado aquele que agora o detém”.

3.2 A ação diabólica na igreja

Nem todos os que estão na igreja fazem parte do Corpo de Cristo.

Mt 13.25 - “... mas, enquanto os homens dormiam, veio o inimigo dele, semeou o joio
no meio do trigo, e retirou-se”.

At 20.29-30 -  “Eu sei que, depois da minha partida, entre vós penetrarão lobos vorazes
que não pouparão o rebanho. E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando
coisas pervertidas para arrastar os discípulos atrás deles”.

 3.3) A ação diabólica contra a Palavra de Deus

Satanás cega o entendimento do homem, além de roubar-lhe o que foi semeado -


IICo 4.3-4, IITm 4.3-4, Mt 13.

3.4) A falta de ensino da Palavra

A Palavra de Deus tem sido pregada, mas não tem sido tão ensinada como devia.
Jesus pregava e ensinava, e as multidões se maravilhavam com a sua doutrina. Pregar a
Palavra, sem ensiná-la, é preparar o terreno para o surgimento de doutrinas falsas.

Mt 22.29 - ”Respondeu-lhes Jesus: Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de


Deus”.
3.5) A interpretação distorcida das Escrituras

Isso tem levado muitos fiéis a práticas que são contrárias à Palavra de Deus. Há
pregadores que difundem suas próprias idéias, afirmando ser a Palavra do Senhor.

Jr 23.16 - “Assim diz o Senhor dos Exércitos: Não deis ouvidos às palavras dos profetas
que entre vós profetizam, e vos enchem de vãs esperanças; falam as visões do seu
coração, não o que vem da boca do Senhor”.

IIPe 2.3 - “... também movidos por avareza, farão comércio de vós, com palavras
fictícias; para eles o juízo lavrado há longo tempo, não tarda, e a sua destruição não
dorme”.

3.6) A falta de conhecimento da verdade bíblica

O desconhecimento da Palavra de Deus fará com que você nunca conheça,


verdadeiramente, a pessoa de Jesus.

Jo 8.31-32 - “Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós
permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos; e conhecereis a
verdade e a verdade vos libertará”.

3.7) A falta de maturidade espiritual

Muitos têm se aventurado pelo desconhecido; às vezes, por mera curiosidade.

Ef 4.14 -  “... para que não mais sejamos meninos, agitados de um lado para o outro, e
levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia
com que induzem ao erro”.

4) Como se identifica uma heresia?

Estão enganados aqueles que acreditam que o diabo se apresenta de garfo,


chifres, pés de cabras e soltando fogo pelas narinas. Satanás age de acordo com o
ambiente, cultura e determinação de cada um. Inteligente, ardiloso e cheio de astúcia, e
juntamente com seus anjos, os demônios, o diabo procura apresentar-se ao homem por
intermédio do próprio homem, e tem por finalidade afastá-lo cada vez mais do seu
Criador.

Uma das principais estratégias de Satanás é a de, não podendo destruir a Bíblia
Sagrada nem contestá-la, procurar fazer a Palavra de Deus cair em descrédito,
escondendo ou torcendo as suas verdades. Estão aí milhares de religiões e falsas seitas,
todas fundamentadas em filosofias e pensamentos humanos, numa tentativa inútil de
querer realizar aquilo que cabe a Deus – estabelecer as condições e métodos para a
redenção da humanidade.
As heresias são identificadas por quatro aspectos:

4.1) Desarmonia com a Bíblia

Fere, torce, subtrai, acrescenta ou, mesmo, choca-se com as verdades anunciadas
na Palavra do Senhor. Geralmente são baseados em versículos isolados, não se
observando o contexto geral.

4.2) Unilateralidade da apreciação doutrinária

Geralmente, é característica da heresia “escolher” uma doutrina para nela


descarregar suas atenções, em detrimento das outras.

Por exemplo:

- Afirma-se a divindade de Cristo, esquecendo sua humanidade.

Fala-se da unidade de Deus, sem contudo se falar na Trindade.

Anuncia-se o Cristo ressurreto, e despreza-se o Cristo da cruz, o da carne.

4.3) Contradição com os fatos

Muitas doutrinas e histórias com base em fatos insuficientes; desacreditam os


ensinamentos bíblicos, baseados em fatos reais. Infelizmente, muitos bons cristãos têm
mergulhado em situações deste gênero. Pedro chama a isto de fábulas engenhosamente
inventadas  - II Pe 2:16

5) Como se identifica uma seita?

Uma seita é identificada, em geral, por aquilo que ela prega a respeito dos
seguintes assuntos:

- A Bíblia Sagrada, a Pessoa de Jesus, a queda do homem e o pecado, a Pessoa e a obra


de Cristo, a salvação e, por fim, sobre o porvir.
 

Além disso, as seitas têm características que lhe são muito comuns, dentre as
quais destacamos:

5.1) Jesus não é o centro das atenções, ou seja, não são Cristocêntricas

A divindade de Jesus e, conseqüentemente, os seus atributos divinos são


subestimados. Geralmente, Jesus é substituído por um outro deus ou profeta, ficando em
posição secundária.

5.2) Possuem outras fontes doutrinárias além da Bíblia

Crêem, apenas, em parte da Bíblia. A Bíblia, que é um todo, por vezes é dividida.
Outros escritos são aceitos como inspirados divinamente: de seus fundadores ou de
pessoas que repartem com eles boa dose daquilo em que crêem. Por vezes, a Bíblia é
totalmente desacreditada, e muitas restrições a ela são feitas.

5.3) São os únicos certos

Não importa há quanto tempo foram fundadas – há 5, 10, 20 ou 100 anos. São as
únicas certas, e ai daqueles que não se deixarem guiar pelas suas cartilhas! Tais pessoas
deveriam, ao menos, ter o cuidado de serem tão presunçosas. São os únicos que têm a
revelação de Deus.

5.4) Contrariam os princípios de interpretação da Bíblia Sagrada

Esta é uma das formas mais comuns de identificação de uma seita: interpretam um
texto ou versículo isolado da Bíblia, distorcendo a verdade, dando um sentido contrário
à Palavra de Deus. Por vezes, muitas pessoas bem intencionadas são levadas a fundar
seitas, porque não observaram as regras de interpretação ditadas pela “hermenêutica” e
pela “exegese”. O contexto não é levado em conta.

5.5) Ensinam o homem a desenvolver sua própria salvação

Não somente ensinam os homens a se salvarem, mas prometem uma salvação


inteiramente naturalista. Pelo seu bom comportamento e pelas suas obras, o homem
alcançará a sua salvação. Isso é o que ensinam as seitas falsas.

5.6) São proselitistas


Uma das principais características das falsas seitas é “pescar no aquário dos outros”.
Fazem seus neófitos não entre os doentes, aflitos, desesperados ou necessitados.
Aproveitam a fé de que já é possuído aquele que têm em mira e, com um pouco de
sutileza, conseguem desencaminhar para o seu meio, até mesmo, muitos bons cristãos.

6.) Cada cristão precisa se conscientizar de sua responsabilidade

Denunciar que a verdade de Deus foi transformada em mentira, através da


comparação das doutrinas das seitas com o que diz a Bíblia Sagrada, a Palavra de
Deus. 

As seguintes passagens devem ser lidas com muita atenção:

Jo 17.17 -  “Santifica-os na verdade: a tua palavra é a verdade”.

Rm 1.25 - “... pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a
criatura, em lugar do Criador, o qual é bendito eternamente. Amém”.

Pv 30.5-6 - “Toda palavra de Deus é pura;   ele é escudo para os que nele confiam.  


Nada acrescentes às suas palavras, para que não te repreenda e sejas achado mentiroso”.

  

ADVENTISMO DO SÉTIMO DIA

(SABATISMO)

O Sabatismo não é, como muita gente pensa, “uma denominação igual às outras,
com uma única diferença de guardar o Sábado”. É, sim, uma seita falsa, perigosa, que
mistura muitas verdades bíblicas com erros tremendos, no que se refere às doutrinas
cristãs ou interpretações de profecias.

Histórico
Interpretando a profecia

No princípio do século XIX, quando pouca ênfase era dada à Segunda vinda de
Cristo, Guilherme Miller, pastor batista em Nova Iorque, Estados Unidos, dedicou-se ao
estudo e pregação deste assunto. Ao ler Daniel, concluiu: Dn 8.14 - “Ele me disse: Até
duas mil e trezentas tardes e manhãs, e o santuário será purificado”.

Baseado neste versículo, Miller concluiu que cada dia representava um ano, ou
seja, dois mil e trezentos anos, e, tomando o regresso de Esdras do cativeiro, no ano 457
AC, como ponto de partida, entendeu que Cristo voltaria a terra, em pessoa, no ano de
1843, a 21 de março. Tão grande foi o impacto da revelação de Miller que, muitos
crentes, vindo de diversas Igrejas, doaram suas propriedades, abandonaram os seus
afazeres e se prepararam para receber o Senhor, no dia 21 de março daquele ano. O dia
chegou, mas Jesus não veio.

Alegando erro de cálculo (utilizou-se do calendário hebraico, em vez do romano),


Miller fez nova previsão. A nova data seria exatamente um ano depois; 21 de março de
1844. Novamente falhou. Miller fez, então, sua última previsão: 22 de outubro do
mesmo ano. Novamente falhou a previsão de Miller, e Jesus não voltou. Seus
seguidores, aproximadamente 100 mil, sofreram nova decepção.    

Miller reconhece seu erro

      Guilherme Miller deu toda prova de sinceridade, confessando, simplesmente, que
havia se equivocado em seu sistema de interpretação da profecia bíblica.

Nesse tempo, ele mesmo declarou: Acerca da falha da minha previsão, expresso
francamente o meu desapontamento... Esperamos naquele dia, a chegada pessoal de
Cristo; e, agora, dizer que não erramos, é desonesto! Nunca devemos ter vergonha de
confessarmos nossos erros abertamente.

Miller errou, porque não considerou o que está escrito no mesmo livro.

Dn 8.26 -  “A visão da tarde e da manhã, que foi dita, é verdadeira ...”.

E mais: O próprio Jesus disse que, a respeito do dia da sua volta, ninguém sabe.

Mt 24.36,42-44 -  “Mas, a respeito daquele dia e hora, ninguém sabe, nem os anjos dos
céus, nem o Filho, senão somente o Pai; Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia
vem o vosso Senhor. Mas considerai isto: Se o pai de família soubesse a que hora viria
o ladrão, vigiaria e não deixaria que fosse arrombada a sua casa. Por isso, ficai, também,
vós apercebidos; porque, à hora em que não cuidais, o Filho do homem virá”.
Novas tendências

Apesar de Miller reconhecer seu erro, nem todos os seus seguidores estavam
dispostos a abandonar essa mensagem. Dos muitos que o haviam seguido, três se
uniram para formar uma nova igreja, baseada numa nova interpretação da mensagem de
Miller. Segundo a “revelação” que teve Hiram Edson, fervoroso discípulo e amigo de
Miller, este não estava equivocado quanto à data da vinda de Cristo – 22/10/1844 -, mas
quanto ao local. Jesus, segundo esta revelação, havia entrado no santuário celestial, não
no terrenal, para fazer, ali, uma obra purificadora.

Miller se afasta

      Guilherme Miller não aceitou essa interpretação nem seguiu ao novo movimento. E
declarou: “Não tenho confiança alguma nas novas teorias que surgiram no movimento;
isto é, que Cristo veio como Noivo, e que a porta da graça foi fechada; e que, em
seguida, a sétima trombeta tocou, ou que foi, de algum modo, o cumprimento da sua
vinda”. Miller morreu a 20 de dezembro de 1849, permanecendo como cristão humilde
e consagrado, na esperança de estar, em breve, com o Senhor. Miller fez sua previsão da
volta de Jesus em 1818, e morreu com 68 anos incompletos.

A organização da nova seita

      Aqueles que resolveram dar continuidade à revelação de Miller se uniram e


formaram o que, hoje, é conhecido como “Adventismo do Sétimo dia”. Foram três os
grupos que se uniram, sendo que cada qual deu a sua contribuição.

Hiran Edson, com sua revelação a respeito do santuário celestial.

Joseph Bates, com o seu legalismo: guardava o Sábado em vez do Domingo.

E, por fim, a senhorita Helen Harmon (mais tarde, senhora White), que dizia ter o
espírito da profecia. A senhora White exerceu por mais de meio século influência
predominante no estabelecimento e no desenvolvimento da nova Igreja.

 Falsas doutrinas

      Os sabatistas misturam algumas verdades bíblicas com seus abundantes erros. Citam
a Bíblia Sagrada, porém sem o cuidado de examinar o contexto, daí poderem enganar a
muitos que se lançam com sinceridade em busca da verdade. Suas interpretações acerca
de profecias e doutrinas esbarram na hermenêutica e na exegese, pois não respeitam as
regras estabelecidas por estas e crêem naquilo que querem crer, sem aceitar o diálogo.  

Os livros da senhora White são “inspirados” divinamente


Os adventistas, que têm este nome por causa da doutrina da vinda de Cristo, consideram
como inspirados divinamente os livros da Sra. White, e no mesmo nível da Bíblia
Sagrada, a qual citam, apenas para comprovar o que ensinam, sempre em cima de
versículos ou passagens isoladas. O livro “O conflito dos séculos”, que é considerado a
obra-primada Sra. White e recomendado amplamente, já foi editado em 31 idiomas, e
mais de dois milhões de exemplares vendidos. As suas obras de maior destaque são:
Vida de Jesus, Patriarcas e Profetas, Vereda de Cristo e O desejado de Todas as Nações.
Os seus periódicos de maior circulação são: Vida e Saúde e Atalaia.

Pv 30.5-6 - “Toda palavra de Deus é pura: ele é escudo para os que nele confiam. Nada
acrescentes às suas palavras, para que não te repreenda e sejas achado mentiroso”.

A teoria do Santuário

Esta teoria diz que Jesus veio em 22 de outubro de 1844, ao santuário do céu, para
purificá-lo, o que ainda está fazendo; depois, sim, virá a Terra.

- O atual trabalho de Jesus é o de intercessão, e não de purificação.

Hb 9.24 - “Porque Cristo não entrou em santuário feito por mãos, figura do verdadeiro,
porém no mesmo céu, para comparecer, agora, por nós, diante de Deus”.

Hb 7.25 - “Por isso, também, pode salvar totalmente os que por ele se chegam a Deus,
vivendo sempre para interceder por eles”.

Rm 8.34 -  “Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu, ou antes, quem


ressuscitou, o qual está à direita de Deus, e, também, intercede por nós”.

- Jesus, na verdade, entrou no santuário do céu, não em 1844, mas 40 dias após a sua
ressurreição, quando ascendeu ao céu.

At 1.1-3 -  “Escrevi o primeiro livro, ó Teófilo, relatando todas as coisas que Jesus
começou a fazer e a ensinar, até ao dia em que, depois de haver dado mandamentos, por
intermédio do Espírito Santo, aos apóstolos que escolhera, foi elevado às alturas. A
estes, também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas provas
incontestáveis, aparecendo-lhes durante quarenta dias e falando das coisas concernentes
ao reino de Deus”.

Conforme o ensino sabatista, Jesus continua ocupado com a obra de expiação. Só


que Jesus já fez todo o trabalho de expiação:

Hb 1.1-3 -  “Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser,


sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação
dos pecados, assentou-se, à direita da Majestade, nas alturas”.
Hb 10.12 -  “Jesus, porém, tendo oferecido, para sempre, um único sacrifício pelos
pecados, assentou-se à destra de Deus”.

Lei moral e cerimonial

Os adventistas dividem a Lei em moral e cerimonial. Ensinam que o cerimonial


foi abolido por Cristo, mas que a moral permanece. Esta distinção não é encontrada na
Bíblia. Em várias passagens bíblicas, chama-se de “lei” tanto o que está no decálogo
como o resto.

Rm 7.7 -  “Que diremos pois? É a lei pecado? De modo nenhum. Mas eu não teria
conhecido o pecado, senão por intermédio da lei; pois não teria eu conhecido a cobiça,
se a lei não dissera: não cobiçarás”.

- O pentateuco é chamado Lei de Moisés

Lc 24.44 -  “A seguir, Jesus lhes disse: São estas as palavras que eu vos falei, estando
ainda convosco, que importava se cumprisse tudo o que de mim está escrito na Lei de
Moisés, nos Profetas e nos Salmos”. É citado do Livro de Números.

Mt 12.5 - “Ou não lestes na lei que, aos sábados, os sacerdotes, no templo, violam o
Sábado e ficam sem culpa? Pois eu vos digo:”. Jesus não perguntou: De qual Lei ?

Mt 22.35-40 -  “E um deles, intérprete da lei, experimentando-o, lhe perguntou: Mestre,


qual é o grande mandamento na lei? Respondeu-lhe Jesus: Amarás o

Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu
entendimento. Este é o grande mandamento e primeiro mandamento. O segundo,
semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos
dependem toda a lei e os profetas”.

Aqui, Jesus cita uma passagem do Salmo 82.6 e chama de “Lei”.

Jo 10.34 - “Replicou-lhes Jesus: Não está escrito na vossa lei: Eu disse sois deuses?”.

A parte mais importante da Lei não é o decálogo, ao qual os adventistas chamam


Lei Moral. Nenhum dos dois mandamentos citados por Jesus se acham no decálogo; o
primeiro se acha em Deuteronômio 6.5, enquanto o segundo, em Levítico 19.18. Jesus
afirma, peremptoriamente, decisivamente, que toda a Lei depende destes dois
mandamentos.

A guarda do sábado

O Adventismo do Sétimo Dia (o próprio nome já é uma referência à guarda do


sábado) ensina que se deve guardar o sábado e não o domingo. A Sra. White ensina que
a observância do sábado é o selo de Deus, enquanto que a do domingo será o selo do
Anticristo.

Essa doutrina foi trazida por Joseph Bates. Contudo, ela ganhou peso quando a
Sra. White alegou ter recebido uma revelação, segundo a qual Jesus descobriu a Arca do
Concerto e ela pôde ver, dentro, as tábuas da Lei. E para sua surpresa, o quarto
mandamento, a guarda do sábado, estava em destaque, no centro, rodeado de uma
auréola de luz.

Só que, dos dez mandamentos registrados em Êxodo 20, o Novo Mandamento


ratifica, cita, confirma, apenas nove, e excetua, exatamente, o quarto mandamento, a
guarda do Sábado. Veja na tabela a seguir:

 Mandamentos Antigo Testamento Novo Testamento

(Êxodo 20)
Primeiro Versículos 2 e 3 ICo 8.4-6 e At 17.23-31
Segundo Versículos 4 a 6 ICo 10.10-14 e IJo 5.21
Terceiro Versículo 7 Tg 5.12
Quarto Versículos 8 a 11 Sem referência
Quinto Versículo 12 Ef 6.1-3
Sexto Versículo 13 Rm 13.9
Sétimo Versículo 14 ICo 6.9-10    e   Rm 13.9
Oitavo Versículo 15 Rm 13.9 e Ef 4.28
Nono Versículo 16 Cl 3.9
Décimo Versículo 17 Rm 13.9 e Ef 5.3

Portanto, em nenhum lugar do Novo Testamento é encontrado o mandamento de


guardar o sábado.
O sábado ou o domingo? É possível alguém cumprir a Lei, sem guardar o sábado?
Quando estudamos a vida e o ministério terreno de Jesus, obtemos a resposta a esta
questão.

Mt 5.17 -  “Não penseis que vim revogar a lei ou os profetas: não vim para revogar, vim
para cumprir”.

Jesus irritava-se diante do legalismo frio e morto dos judeus, para satisfazer a letra
da Lei. Quanto mais o homem buscava a perfeição, através do cumprimento

da Lei, mais imperfeito se manifestava. Até que veio Jesus, como enviado de Deus, para
cumprir a Lei em nosso lugar, o que coroou pelo ato da sua morte vicária na cruz.

Segundo diz a Bíblia, Jesus:

-Teve o seu nascimento prometido, segundo a Lei.

 Dt 18.15-19 - “O Senhor teu Deus te suscitará um profeta do meio de ti, de teus irmãos,
semelhante a mim: a ele ouvirás; segundo tudo o que pediste ao Senhor teu Deus em
Horebe, quando reunido o povo: Não ouvirei mais a voz do Senhor meu Deus, nem
mais verei este grande fogo, para que não morra. Então, o Senhor me disse: Falaram
bem aquilo que disseram. Suscitar-lhes-ei um profeta do meio de seus irmãos,
semelhante a ti, em cuja boca porei as minhas palavras, e ele lhes falará tudo o que eu
lhes ordenar. De todo aquele que não ouvir as minhas palavras, que ele falar em meu
nome, disso lhe pedirei contas”.

- Nasceu sob a Lei.

 Gl 4.4 -  “... vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de
mulher, nascido sob a Lei, ...”.

- Foi circuncidado, segundo a Lei.

 Lc 2.21 -  “Completados oito dias para ser circuncidado o menino, deram-lhe o nome de
JESUS, como lhe chamara o anjo, antes de ser concebido”.

- Foi apresentado no templo, segundo a Lei.

 Lc 2.22-24 -  “Passados os dias da purificação deles, segundo a lei de Moisés, levaram-
no a Jerusalém para o apresentarem ao Senhor, conforme o que está escrito na lei do
Senhor: Todo primogênito ao Senhor será consagrado; e para oferecer um sacrifício,
segundo o que está escrito na referida lei: Um par de rolas ou dois pombinhos”.

- Foi odiado segundo o que está escrito na Lei.


 Jo 15.25 -  “Isto, porém, é para que se cumpra a palavra escrita na sua lei: Odiaram-me
sem motivo”.

- Foi morto, segundo a Lei.

 Jo 19.7 - “Responderam-lhe os judeus: Temos uma lei e, de conformidade com a lei, ele
deve morrer, porque a si mesmo se fez Filho de Deus”.

- Viveu, morreu e ressuscitou, segundo a Lei.

 Lc 24.44-46 -  “A seguir, Jesus lhes disse: São estas as palavras que eu vos falei, estando
ainda convosco, que importava se cumprisse tudo o que de mim está escrito na Lei de
Moisés, nos Profetas e nos Salmos. Então, lhes abriu o entendimento para
compreenderem as Escrituras; e lhes disse: Assim está escrito que o Cristo havia de
padecer, e ressuscitar dentre os mortos no terceiro dia”.

Apesar de Jesus ter cumprido a Lei, e a Lei se cumprir na pessoa d’Ele, lê-se em


Jo 5.16-18, que Jesus era perseguido porque violava o sábado.

Jesus aboliu o sábado, afirmando:

Mc 2.27-28 -  “E acrescentou: O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o
homem por causa do sábado; de sorte que o Filho do homem é Senhor também do
sábado”.

Algumas razões porque guardamos o domingo, em vez do sábado:

- Jesus ressuscitou num domingo.

 Mc 16.9 - “Havendo ele ressuscitado de manhã cedo, no primeiro dia da semana,
apareceu primeiro a Maria Madalena, da qual expelira sete demônios”.

- Ressurreto, Jesus se manifestava aos domingos.

 Jo 20.13-19,26 - “Então lhes perguntaram: Mulher, por que choras? Ele lhes respondeu:
Porque levaram o meu Senhor, e não sei onde o puseram. Tendo dito isto, voltou-se
para trás, e viu Jesus em pé, mas não reconheceu que era Jesus. Perguntou-lhe Jesus:
Mulher, por que choras? A quem procuras? Ela, supondo ser ele o jardineiro, respondeu:
Senhor, se tu o tiraste, dize-me onde o puseste, e eu o levarei. Disse-lhe Jesus: Maria!
Ela, voltando-se, lhe disse, em hebraico: Rabôni! Que quer dizer, mestre. Recomendou-
lhe Jesus: Não me detenhas; porque ainda não subi para meu Pai, mas vai ter com os
meus irmãos, e dize-lhes: Subo para meu Pai e vosso Pai, para meu Deus e vosso Deus.
Então, saiu Maria Madalena anunciando aos discípulos: Vi o Senhor! e contava que ele
lhe dissera estas coisas. Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as
portas da casa onde estavam os discípulos, com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-se no
meio, e disse-lhes: Paz seja convosco! Passados oito dias, estavam, outra vez, ali
reunidos os seus discípulos e Tomé com eles. Estando as portas trancadas, veio Jesus,
pôs-se no meio, e disse-lhes: Paz seja convosco!

- No primeiro dia da semana, num domingo, Cristo veio ao apóstolo João, na Ilha de
Pátmos.

Ap 1.10 -  “Achei-me em espírito, no dia do Senhor, e ouvi por detrás de mim grande
voz, como de trombeta, ...”.

Outras doutrinas

Além da doutrina da guarda do sábado, o Adventismo do Sétimo Dia diverge dos


Evangélicos em mais três pontos de capital importância. E são: O estado da alma após a
morte, o destino final dos ímpios e de Satanás, e a obra da expiação.

- O estado da alma após a morte

Os Adventismo ensina que, após a morte do corpo, a alma é reduzida ao estado de


silêncio, de inatividade e de inteira inconsciência, isto é: entre a morte e a ressurreição,
os mortos dormem. Este ensino contradiz, principalmente, dois textos:

Lc 16.19-30 -  “Ora, havia certo homem rico, que se vestia de púrpura e de linho
finíssimo, e que, todos os dias, se regalava esplendidamente. Havia, também, certo
mendigo, chamado Lázaro, coberto de chagas, que jazia à porta daquele; e desejava
alimentar-se das migalhas que caíam da mesa do rico; e até os cães vinham lamber-lhe
as úlceras. Aconteceu morrer o mendigo e ser levado pelos anjos para o seio de Abraão;
morreu, também, o rico, e foi sepultado. No hades, estando em tormentos, levantou os
olhos e viu ao longe a Abraão e Lázaro, no seu seio. Então, clamando, disse: Pai
Abraão, tem misericórdia de mim! E manda a Lázaro que molhe em água a ponta do
dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama. Disse, porém,
Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro igualmente
os males; agora, porém, aqui, ele está consolado; tu, em tormentos. E, além de tudo, está
posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que querem passar daqui para
vós outros não podem, nem os de lá passar para nós. Então replicou: Pai, eu te imploro
que o mandes à minha casa paterna, porque tenho cinco irmãos; para que lhes dê
testemunho, a fim de não virem, também, para este lugar de tormento.

Respondeu Abraão: Eles têm Moisés e os profetas; ouçam-nos. Mas ele insistiu: Não,
pai Abraão; se alguém dentre os mortos for ter com eles, arrepender-se-ão”.

Este texto registra a história de um rico e de um mendigo, chamado Lázaro; ela


mostra que o rico, estando no hades:

-          Levantou os olhos e viu Lázaro no seio de Abraão (Versículo 23).

-          Clamou por misericórdia (Versículo 24).

-          Teve sede (Versículo 24).

-          Sentiu-se atormentado (Versículo 24).

-          Rogou em favor de seus irmãos que ficaram aqui na Terra (Versículo 27 e 28).

-          Ainda tinha seus irmãos em lembrança (Versículo 28).

Ap 6.9-10 - “Quando ele abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas daqueles que
tinham sido mortos por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho que
sustentavam. Clamaram em grande voz, dizendo: Até quando, ó Soberano Senhor, santo
e verdadeiro, não julgas nem vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?”.

Este texto trata da abertura do quinto selo, quando João viu debaixo do altar “as
almas daqueles que tinham sido mortos por causa da palavra de Deus e por causa do
testemunho que sustentavam”. Segundo o registro de João, elas:

-          Clamavam em grande voz (versículo 10).

-     

  Questionavam o Senhor (versículo 10).

-          Reconheceram a soberania do Senhor (versículo 10).

-          Lembravam de acontecimentos da Terra (versículo 10).


-          Clamavam por vingança divina contra os ímpios (versículo 10).

As expressões dormir ou sono, usadas na Bíblia para tipificar a morte, falam da


total inoperância dos mortos para com os acontecimentos normais da Terra e nunca para
com aquilo que faz parte do ambiente onde estão as almas desencarnadas. Assim como
o subconsciente continua ativo, enquanto o corpo dorme, a alma do homem não cessa
sua atividade, quando o corpo morre.

Ec 9.6 -  “Amor, ódio e inveja, para eles, já pereceram; para sempre não têm eles parte
em cousa alguma do que se faz debaixo do sol”.

A palavra de Cristo, na cruz, ao ladrão arrependido:

Lc 23.43 - "Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso”.

À Uma prova da consciência da alma, imediatamente após a morte. O que dorme, na


verdade, é o corpo e não a alma.

Mt 27.52 - “... abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos, que dormiam,


ressuscitaram;”.

Dn 12.2 -  “Muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão; uns, para a vida eterna,
e outros, para vergonha e horror eterno”.

 - O destino final dos ímpios e de Satanás

Spicer, um dos mais lidos escritores adventistas, escreve: “O ensino positivo da


Sagrada Escritura é que o pecado e os pecadores serão exterminados para não mais
existirem. Haverá um novo Universo limpo, quando estiver terminada a grande
controvérsia entre Cristo e Satanás”.

Não vai acontecer aniquilamento. Morte e separação são coisas distintas de


aniquilamento. Morte física é a separação do espírito do corpo. Morte espiritual é a
separação do espírito do homem de Deus (é o caso de uma pessoa sem Jesus). Morte
eterna é a separação para sempre ou banimento do espírito, no corpo ressuscitado, da
presença e influência de Deus.

- Para os dois primeiros tipos de morte

Gn 2.17 -  “... mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, não comerás; porque
no dia em que dela comeres, certamente morrerás”.

ITm 5.6 -  “... entretanto, a que se entrega aos prazeres, mesmo viva, está morta”.

Ef 2.1 -  “Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, ...”.

Lc 15.32 -  “Entretanto, era preciso que nos regozijássemos e nos alegrássemos, porque
esse teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado”.
- Para a morte eterna

Mt 25.41,46 - “Então, o Rei dirá, também, aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-
vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos. E irão
estes para o castigo eterno, porém os justos, para a vida eterna”.

Mc 9.42-48 - “E quem fizer tropeçar a um destes pequeninos crentes, melhor lhe fora
que se lhe pendurasse ao pescoço uma grande pedra de moinho, e fosse lançado ao mar.
E, se tua mão te faz tropeçar, corta-a; pois é melhor entrares maneta na vida, do que,
tendo as duas mãos, ires para o inferno, para o fogo inextinguível [onde não lhes morre
o verme, nem o fogo se apaga]. E, se teu pé te faz tropeçar, corta-o; é melhor entrares na
vida aleijado, do que, tendo os dois pés, seres lançado no inferno [onde não lhes morre o
verme, nem o fogo se apaga]. E, se um dos teus olhos te faz tropeçar, arranca-o; é
melhor entrares no reino de Deus

com um só dos teus olhos, do que, tendo os dois, seres lançado no inferno, onde não
lhes morre o verme, nem o fogo se apaga”.

IITs 1.8-9 - “Porque de vós repercutiu a palavra do Senhor, não só na Macedônia e


Acaia, mas por toda parte se divulgou a vossa fé para com Deus, a tal ponto de não
termos necessidade de acrescentar cousa alguma; pois eles mesmos, no tocante a nós,
proclamam que repercussão teve o nosso ingresso no vosso meio, e como, deixando os
ídolos, vos convertestes a Deus, para servirdes o Deus vivo e verdadeiro,...”.

Ap 14.10-11 - “... também esse beberá do vinho da cólera de Deus, preparado, sem
mistura, do cálice da sua ira, e será atormentado com fogo e enxofre, diante dos santos
anjos e na presença do Cordeiro. A fumaça do seu tormento sobe pelos séculos dos
séculos, e não têm descanso algum, nem de dia nem de noite, os adoradores da besta e
da sua imagem, e quem quer que receba a marca do seu nome”.

à O destino de Satanás, também, é o sofrimento eterno. Ele não vai ser aniquilado,
destruído. O Diabo, o Anticristo e o Falso Profeta.

Ap 20.10b -  “... serão atormentados, de dia e de noite, pelos séculos dos séculos”.

Portanto, a Bíblia deixa claro que não haverá nenhum tipo de aniquilamento, e,
sim, o lago de fogo com enxofre, que estará esperando por todos aqueles que
desobedecerem ao Evangelho de Jesus Cristo, os que serão banidos da face do Senhor e
da glória do seu poder.

Conclusão

Como pudemos observar, o Adventismo do Sétimo Dia é uma seita perigosa para
o cristão desinformado, desconhecedor das verdades bíblicas, isso porque os sabatistas
fazem uso da Bíblia com um só propósito: confirmar as suas doutrinas através da
“escolha” (heresia) de algumas passagens e versículos, fugindo totalmente das verdades
bíblicas, conduzindo muitos ao engano, à condenação eterna.

Adventismo, Sabatismo, não é uma denominação cristã. Jesus não tem nada a ver
com Satanás.

Jo 14.30 -  “Já não falarei muito convosco, porque aí vem o príncipe do mundo; e
ele nada tem em mim”.

Cuidado, aí vêm os adventistas, os sabatistas, eles nada têm em nós, os


evangélicos, os amantes da Bíblia Sagrada.

SEITAS PENTECOSTAIS

Os dias que estamos vivendo são dias muito perigosos, espiritualmente falando.
Há um sem número de igrejas, que se dizem levantadas pelo poder do Espírito Santo,
portadoras de uma nova revelação e que procuram base nas Escrituras Sagradas. E, por
vezes, até têm a aparência de uma Igreja Evangélica.

Todavia, quando paramos para analisar as suas doutrinas e práticas, logo podemos
constatar que são seitas falsas, repletas de heresias destruidoras e têm, também, aquela
característica de se considerarem as únicas certas – todas as demais estariam desviadas
da verdade do Evangelho.

A CONGREGAÇÃO CRISTÃ

O movimento das Congregações Cristãs surgiu entre os imigrantes italianos e


americanos, e, no começo, restringia-se aos mesmos. Em 1910, Luigi Francescon, um

italiano, trouxe a mensagem pentecostal, estabelecendo dois núcleos: um no Paraná,


com membros de origem católica, em Santo Antônio, e outro em São Paulo, com
membros de origem evangélica.
Para melhor conhecermos a Congregação Cristã do Brasil, é necessário
analisarmos as suas doutrinas, à luz da Palavra de Deus, e, então, poderemos tirar as
nossas conclusões.

Doutrinas

Passaremos a analisar algumas doutrinas da Congregação Cristã do Brasil, sempre


refutando com a Espada do Espírito, a Palavra de Deus.

O Pastor

A Congregação Cristã não possui pastores como seus líderes. Possui apenas
anciãos e diáconos. Não assalaria seus líderes. Para eles, não há pastor, senão Jesus
Cristo. Os seus líderes não estudam, pois o Espírito Santo coloca na boca as palavras
certas, no momento preciso, baseando-se em Mateus 10.19-20.

Contudo, as Sagradas Escrituras têm ensinamentos contrários a essas


interpretações:

1) A Bíblia diz que Jesus constitui uns para pastores, outros para evangelistas, apóstolos,
profetas e mestres.

Ef 4.11 - “E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para
evangelistas e outros para pastores e mestres,”.

2) Na Bíblia, a Palavra, pastor, tem alguns sinônimos: Bispo e Presbítero.

IPe 5.1-2 - “Rogo, pois, aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles, e
testemunha dos sofrimentos de Cristo, e, ainda, co-participante da glória que há de ser
revelada: Pastoreai o rebanho de Deus que há entre vós, não por constrangimento, mas
espontaneamente, como Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa vontade;”.

At 20.28 -“Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos
constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu
próprio sangue.”

 3) Paulo exortou Timóteo a que se dedicasse ao estudo.

ITM 4.13 - “Até à minha chegada, aplica-te à leitura, à exortação, ao ensino”.

IITm 2.15 - “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que
se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade”.
IITm 4.13 - “Quando vieres, traze a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo, bem
como os livros, especialmente os pergaminhos”.

ITm 5.17 - “Devem ser considerados merecedores de dobrados honorários, os


presbíteros que presidem bem; com especialidade, os que se afadigam na palavra e no
ensino”.

Dessa forma, podemos concluir que, se não tivesse havido dedicação por parte dos
primeiros pastores, através do estudo da Palavra, oração e consagração, dificilmente,
muitos conhecimentos e revelações da Palavra estariam disponíveis para nós, hoje.

A Bíblia

Não aceitam toda a Bíblia. Dizem que devem se prender, apenas, aos quatro
Evangelhos, e, principalmente, às palavras ditas diretamente por Jesus. Ora, Jesus Cristo
não escreveu nenhum dos quatro Evangelhos; se não aceitam o que os apóstolos ou
discípulos nos aconselham como inspirados por Deus, como crêem no que escreveram?

IITm 3.16 - “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a
repreensão, para a correção, para a educação na justiça,”.

* O Dízimo

Para os adeptos da Congregação Cristã, a prática do dízimo está restrita ao


cumprimento da Lei do Antigo Testamento, não se aplicando, dessa forma, aos crentes
da atual dispensação.

Ora, o dízimo é anterior à Lei de Moisés.

Gn 14.18-20 - “Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; era sacerdote


do Deus Altíssimo; abençoou ele a Abrão e disse: Bendito seja Abrão pelo Deus
Altíssimo, que possui os céus e a terra; e bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os
teus adversários nas tuas mãos. E, de tudo, lhe deu Abrão o dízimo”.

Gn 28.20-22 - “Fez, também, Jacó um voto, dizendo: Se Deus for comigo, e me guardar
nesta jornada que empreendo, e me der pão para comer e roupa que me vista, de
maneira que eu volte em paz para a casa de meu pai, então, o Senhor será o meu Deus; e
a pedra, que erigi por coluna, será a Casa de Deus; e, de tudo quanto me concederes,
certamente, eu te darei o dízimo”.

Também, chama de ladrão aquele que não dá o dízimo, mas, mesmo sendo
obrigação, promete bênçãos àquele que trouxer os dízimos e as ofertas.

Ml 3.8-10 - “Roubará o homem a Deus? Todavia, vós me roubais e dizeis: Em que te


roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. Com maldição, sois amaldiçoados, porque, a
mim, me roubais, vós, a nação toda. Trazei todos os dízimos à casa do Tesouro,

para que haja mantimento na minha casa; e provai-me nisto, diz o Senhor dos Exércitos,
se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar, sobre vós, bênção sem medida”.

A Pregação

Não admitem a pregação nas ruas. Jesus pregou na beira do mar, na montanha;
pregava nas ruas, e Paulo nos alertou para aproveitarmos as oportunidades.

Cl 4.3-5 - IITm 4.2 -

Não existe limitação geográfica para a pregação do Evangelho; onde houver


alguém que não conhece a Jesus; a esse, Jesus nos enviou.

Como pudemos observar, à luz das Escrituras, estamos diante de seitas heréticas
que estão preocupadas em deturpar as verdades da Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada.

 
ESPIRITISMO

O que é o espiritismo? É, na prática, a suposta comunicação dos vivos com


aqueles que já morreram. Digo suposta, porque o que ocorre é uma manifestação
demoníaca, que, enganosamente, personifica os mortos. O espiritismo é um engano
diabólico, sendo chamado doutrina de demônios.

 ITm 4.1 - “Ora, o Espírito afirma, expressamente, que, nos últimos tempos,
alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensino de
demônios”.

 O espiritismo é, sem dúvida, uma das falsas religiões que mais cresce no mundo,
hoje. O Brasil tem se tornado o maior reduto espírita do mundo. Que triste recorde! Um
título apropriado para esta falsa religião seria diabolismo ou satanismo; porque, alheio à
Palavra de Deus, e distante de toda a verdade, o espiritismo se constitui numa espécie de
profundezas de Satanás, pronto a tragar pessoas incautas, menos avisadas, que estão a
buscar a Deus em todo e qualquer lugar e por todos os meios.

Histórico

O espiritismo é a mais antiga de todas as falsas religiões. A primeira sessão


espírita teve lugar no Jardim do Éden, onde a serpente serviu de médium, Satanás, de
guia e Eva, de assistente. E, até hoje, as sessões espíritas são feitas com estes três
elementos: os médiuns, os demônios e os assistentes.

O triste resultado da primeira sessão espírita realizada foi a entrada do pecado na


raça humana e a sua conseqüente queda, afastamento de Deus. Tudo devido à mentira e
engano que existem na pessoa de Satanás.

Jo 8.44 - “Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele
não há verdade. Quando ele profere a mentira, fala do que lhe é próprio, porque é
mentiroso e pai da mentira”.

Dt 18.9-12 - “Quando entrares na terra que o Senhor teu Deus te der, não aprenderás a
fazer conforme as abominações daqueles povos. Não se achará entre ti quem faça passar
pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem
agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem
consulte os mortos; pois todo aquele
que faz tal cousa é abominação ao Senhor; e por estas abominações o Senhor teu Deus
os lança de diante de ti”.

Deus proíbe a consulta a mortos, não porque eles atendam, mas pelo mal que há
por trás; Deus, também, proíbe a idolatria, não porque os “ídolos” ouçam as preces ou
atendam às promessas . A idolatria embota a inteligência e tolhe o raciocínio; daí cultos
e incultos se prostrarem diante de uma imagem de escultura e fazerem preces e
promessas.

Agora, quanto às conseqüências da invocação dos mortos, falam as autoridades


competentes.

Eis o veredicto dos doutores Juliano Moreira, Afrânio Peixoto e Franco da Rocha,
citados no “Evangelho e o Espiritismo”, de A. Ernesto da Silva.

Fala o Primeiro: Tenho visto muitos casos de perturbações mentais e nervosas,


evidentemente despertadas por sessões espíritas.

Diz o Doutor Afrânio: Dois terços dos doidos do Hospital Pedro II, no Rio de
Janeiro, chegaram a esse estado, devido às práticas do espiritismo.

Por fim, afirma o terceiro: Os exemplos de pessoas, sobretudo de moças,


anteriormente sãs, que se tornaram histéricas e epiléticas, em conseqüência de terem
tomado parte nas cenas de invocação de espíritos, são freqüentíssimos.

A evocação de espíritos de pessoas falecidas, prática do espiritismo, não é uma


coisa recente. O espiritismo, que hoje conhecemos, é, na verdade, um prolongamento,
uma

continuação da magia e necromancia dos tempos antigos, praticadas, inclusive,


pelos hebreus, contrariando a determinação de Deus. O vocabulário mudou, mas, em
síntese, é a mesmíssima coisa:

1)    Hoje se chama espiritismo, umbanda ou macumba; antes era conhecido por magia,
necromancia;

2)    O que se conhece como médium, macumbeiro, pai de santo, babalaô ou cavalo,
chamava-se mago, pitonisa, adivinho, bruxo ou feiticeiro;

3)    Oráculos, cavernas e antros são, hoje, centros, terreiros, tendas e etc.

O espiritismo moderno é o desenvolvimento das práticas espíritas antigas. Em


dezembro de 1847, em Hydesville, no Estado de Nova Iorque, as irmãs Margaret e Kate,
respectivamente, de 12 e 10 anos, que começaram a ouvir ruídos estranhos em casa,
arranjaram um meio de se comunicarem com o autor dos barulhos, o qual
respondia as perguntas, através de pancadas, um número determinado.

A partir desse episódio, propagaram-se sessões espíritas por toda a América do


Norte e Inglaterra, onde a consulta aos mortos já era popular nas camadas sociais mais
elevadas, e pela Europa.

Na França, a figura de Allan Kardec é a principal. Leon Hippolyte Rivail (o


verdadeiro nome de Allan Kardec), nascido em Lion, em 1804, filho de um advogado,
tomou o pseudônimo de Allan Kardec, por crer ser ele a reencarnação dum poeta celta,
com esse nome.

A 30 de abril de 1856, Allan Kardec começou a pregar uma nova religião, que
dizia ter recebido como missão. Kardec, que se dizia guiado por espíritos protetores,
publicou em 1857, o Livro dos Espíritos, que ajudou a propagar a doutrina espírita.
Notabilizou-se por introduzir no espiritismo a idéia de reencarnação. De 1861 a 1867,
publicou mais quatro livros: Livro dos Médiuns, O Evangelho Segundo o Espiritismo,
Céu e Inferno e Gênesis.

Antes de morrer, em 1869, Allan Kardec assentou as bases da Sociedade


Continuadora da Missão de Allan Kardec. Fundou, também, a Revista Espírita,
periódico mensal, editado em diversos idiomas.

 Suas Divisões

Podemos, para efeito de estudo, dividir o espiritismo, da seguinte forma:


Espiritismo Comum, Baixo Espiritismo, Espiritismo Científico e Espiritismo
Kardecista.

Espiritismo Comum

É o espiritismo disfarçado, camuflado, que até parece inofensivo, infantil, mas,


que na verdade, tem a presença do diabo por trás de suas atividades. Suas práticas são:

Quiromancia - Adivinhação pela leitura das linhas das mãos; leitura do passado e
do futuro.

Cartomancia   - Adivinhação pela decifração de combinações de cartas de jogar.


Grafologia       - Leitura do caráter de uma pessoa através do exame de sua
caligrafia.

Hidromancia   - Arte de adivinhar por meio da água num vaso ou globo.

Astrologia       - Através da posição dos astros, no instante do nascimento de


alguém, é possível prever, predizer, pelo exame do céu, o seu futuro, favorável ou
desfavoravelmente. É o que pretende a astrologia. A astrologia é colocada, pela Bíblia,
como adivinhação, o que é terminantemente proibido, pois é, também, um tipo de
idolatria.

Dt 4.19 Is 47.13 -Dt 17.3 - IIRs 23.5 - Lv 19.26 

O Espiritismo Comum, também é visto na forma disfarçada de figas, amuletos,


patuás, talismãs, mau olhado, “seguranças”, e simpatias. Há muita superstição aqui,
mas, também, está presente o espiritismo disfarçado. Em todo o Espiritismo Comum,
há, às vezes, charlatanismo, fraude e mistificação”.

Baixo Espiritismo

O Baixo Espiritismo, também conhecido como espiritismo pagão, é, sem disfarce,


um culto direto ao diabo. Suas práticas são demoníacas, com sacrifícios aos demônios.

Vodu, Umbanda, Quimbanda   -

A Umbanda e a Quimbanda são semelhantes.

A Umbanda prática o “bem” e o mal;

A Quimbanda preocupa-se muito mais em fazer o mal, a pedido de seus adeptos ou


admiradores;

Candomblé - É nitidamente de origem africana. Chamam aos espíritos demoníacos,


“caboclos”. Chamam aos seus deuses, “orixás”. Exu é o diabo.

No Candomblé, não se invocam “pretos velhos ou almas”. Os orixás constituem


sua principal veneração. Fazem oferendas aos exus, mas só para afastá-los. A prática de
“fazer cabeça” é uma maneira de se vender a alma ao orixá. É uma chantagem diabólica
que obriga a pessoa a renunciar, enquanto vive, à sua própria salvação. Daí, os seus
adeptos crerem que nunca mais poderão deixar o Candomblé. Para estes, a Palavra de
Deus tem uma resposta à altura: Jo 8.36 - “Se, pois, o Filho vos libertar,
verdadeiramente sereis livres,”.

Macumba - É uma maneira liberal da prática do espiritismo. Não tem normas,


doutrinas ou proibições. Misturam as práticas da Umbanda, Quimbanda e Candomblé

 Espiritismo Científico
Também chamado Alto Espiritismo, Espiritismo Ortodoxo, Espiritismo
Profissional ou Espiritualismo. Nesta linha do espiritismo, encontramos inclusive
“sociedades” que se dizem filosóficas, teológicas, científicas ou beneficentes, como a
LBV (Legião da Boa Vontade). Esta classe de espiritismo tem sido conhecida também
como:

Ecletismo - Sistema filosófico dos que não seguem sistema algum, escolhendo de
cada um a parte que lhe parece mais próxima da verdade.

Esoterismo - Doutrina ou atitude de espírito que preconiza que o ensinamento da


verdade deve reservar-se a um número restrito de iniciados, escolhidos por sua
influência ou valor moral.

Teosofismo-Conjunto de doutrinas religiosa
filosófica que tem por objetivo a união do homem com a divindade, mediante a
elevação progressiva do espírito até a iluminação.

 Espiritismo Kardecista

O Espiritismo Kardecista está apoiado nos princípios de Allan Kardec. Hippolyte


Leon Denizard Rivail (1804-1869) tomou o pseudônimo de Allan Kardec, porque
acreditava ser ele a reencarnação de um poeta celta com esse nome. Os espíritas
afirmam que o “Espírito da Verdade” prometido por Jesus, em João 16.13, é o espírito
que se comunicou com Allan Kardec. Por isso, chamam o Espiritismo de a “Terceira
Revelação”. A primeira foi a que veio por Moisés; a segunda por Jesus, e que
completou a primeira; e a terceira é o Espiritismo, a qual completa a segunda.

Gl 1.8-9 - “Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho
que vá além do que vos temos pregado, seja anátema. Assim como já dissemos, e agora
repito, se alguém vos prega evangelho que vá além daquele que recebestes, seja
anátema”.

ITm 4.1 - “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos alguns
apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios,”.

Kardec escreveu “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, afirmando ter sido ditado


pelo “espírito da verdade”. Além deste, ele também escreveu: “O Livro dos Médiuns”,
“O Céu e o Inferno” e “Gênesis”.

 As Doutrinas

As duas principais estacas de manutenção do espiritismo são o dogma da


reencarnação e a alegada possibilidade de os vivos se comunicarem com os espíritos dos
mortos.
Deus

Deus existe, mas está longe demais e só se manifesta por meio de intermediários,
ou “guias”.

A Bíblia nos ensina que Deus nos busca, quer comungar conosco e nos é
inteiramente acessível.

Jo 14.23 - “Respondeu Jesus: Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o
amará, e viremos para ele e faremos nele morada”.

Lv 19.31 - “Não vos voltarei para os necromantes, nem para os adivinhos; não os
procurareis, para serdes contaminados por eles: Eu sou o Senhor vosso Deus”.

Lv 20.6 - “Quando alguém se virar para os necromantes e feiticeiros para se prostituir


com eles, eu me voltarei contra ele e o eliminarei do meio do seu povo”.

Jesus

Kardec ensinou abertamente que Cristo não é Deus (“Obras Póstumas”). Para os
espíritas, Jesus Cristo é, atualmente, apenas um espírito aperfeiçoado da sexta esfera.

Jesus nunca foi médium, como querem os espíritas. A Bíblia o apresenta como
Profeta, Sacerdote, Rei e como o próprio Deus.

At 3.19-24 - “Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos


pecados, a fim de que, da presença do Senhor, venham tempos de refrigério, e que envie
ele o Cristo, que já vos foi designado, Jesus, ao qual é necessário que o céu receba até
aos tempos da restauração de todas as cousas, de que Deus falou por boca dos seus
santos profetas desde a antiguidade. Disse, na verdade, Moisés: O Senhor Deus vos
suscitará dentre vossos irmãos um profeta semelhante a mim; a ele ouvireis em tudo
quanto vos disser.

Acontecerá que toda alma que não ouvir a esse profeta será exterminada do meio
do povo. E todos os profetas, a começar com Samuel, assim como todos quantos depois
falaram, também anunciaram estes dias”.
Hb 7.26-27 - “Com efeito, nos convinha um sumo sacerdote, assim com este, santo,
inculpável, sem mácula, separado dos pecadores, e feito mais alto do que os céus, que
não tem necessidade, como os sumos sacerdotes, de oferecer todos os dias sacrifícios;
primeiro, por seus próprios pecados; depois, pelos do povo; porque fez isto, uma vez
por todas, quando a si mesmo se ofereceu”.

Fp 2.9-11 - “Pelo que, também, Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está
acima de todo nome, para que, ao nome de Jesus, se dobre todo joelho, nos céus, na
terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de
Deus Pai”.

Jo 1.1,14 - “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua
glória, glória como do unigênito do Pai”.

Rm 9.5 - “... deles são os patriarcas e também deles descende o Cristo, segundo a carne,
o qual é sobre todos, Deus bendito para todo o sempre. Amém”.

Os Anjos

“Os anjos são as almas dos homens chegados ao grau de perfeição que a criatura
comporta, fluindo, em sua plenitude, a prometida felicidade”, Allan Kardec (O Céu e o
Inferno). “Os anjos são as almas que galgaram o último grau da escala, grau que todos
podem adquirir”, Allan Kardec (O Livro dos Médiuns).

Hb 1.14 - “Não são todos eles espíritos ministradores, enviados para serviço, a favor dos
que hão de herdar a salvação?”.

ICo 4.9 - “Porque a mim, me parece que Deus nos pôs a nós, os apóstolos, em último
lugar, como se fôssemos condenados à morte; porque nos tornamos espetáculo ao
mundo, tanto a anjos, como a homens”.

Mt 13.41 - “Mandará o Filho do homem os seus anjos, que ajuntarão, do seu reino,
todos os escândalos e os que praticam a iniqüidade”.

Mt 24.31 - “E ele enviará os seus anjos, com grande clangor de trombeta, os quais
reunirão os seus escolhidos, dos quatro ventos, de uma a outra extremidade dos céus”.

O Espírito Santo

O espiritismo afirma que o Espírito Santo não existe como pessoa.

Vemos o Espírito Santo nas seguintes passagens, agindo como uma pessoa

At 8.29 - “Então, disse o Espírito a Filipe: Aproxima-te desse carro, e acompanha-o”.

Rm 8.26-27 - “Também o Espírito, semelhantemente, nos assiste em nossa fraqueza;


porque não sabemos orar como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós
sobremaneira com gemidos inexprimíveis. E aquele, que sonda os corações, sabe qual é
a mente do Espírito, porque, segundo a vontade de Deus, é que ele intercede pelos
santos”.

Ef 4.30 - “E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes selados para o dia da
redenção”.

At 13.2 - “E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o Espírito Santo: Separai-me,
agora, a Barnabé e a Saulo, para a obra a que os tenho chamado”.

At 16.6-7 - “E, percorrendo a região frígio-gálata, tendo sido impedidos pelo Espírito
Santo de pregar a palavra na Ásia, defrontando Mísia, tentavam ir para Bitínia, mas o
Espírito de Jesus não o permitiu”.

A Queda do Homem

Precisamos rejeitar o conceito de criaturas caídas. Pela queda, deve-se entender a


descida do espírito à matéria(The True Light).

“Toda falta cometida, todo mal realizado é uma dívida que deverá ser paga; se o
não for em uma existência, sê-lo-á na seguinte ou nas seguintes”, Allan Kardec (O Céu
e o Inferno). Por isso, negam a redenção em Cristo Jesus; o homem é o seu próprio
salvador.

O que diz a Bíblia a respeito do pecado?

Rm 6.23 - “... porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a
vida eterna, em Cristo Jesus, nosso Senhor”.

Rm 3.23 - “... pois todos pecaram e carecem da glória de Deus”.

A Salvação

Os espíritas crêem que a salvação vem pelas boas obras e através do sofrimento,
como conseqüência do comportamento em outras vidas. É a lei do carma. A Bíblia
responde:

At 4.11-12 -“Este Jesus é pedra rejeitada por vós, os construtores, a qual se tornou a
pedra angular. E não há salvação em nenhum outro; porque, abaixo do céu, não existe
nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos”.

Ef 2.8-9 - “Porque, pela graça, sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom
de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie”.

Necromancia (Evocação dos mortos)


A doutrina espírita ensina que os espíritos de pessoas já falecidas podem
comunicar-se com os que permanecem vivos, aqui, na Terra. Tal ensino é falso:

Ec 9.5-6 -“Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem cousa
nenhuma ... ...para sempre não têm eles parte em cousa alguma que se faz debaixo do
sol”.

IISm 12.23 - “Porém, agora que é morta, por que jejuaria eu? Poderei eu fazê-la voltar?
Eu irei a ela, porém ela não voltará para mim”.

Contudo, os espíritas, por conveniência própria, tomam o Primeiro Livro de


Samuel, capítulo 28, para contradizer a doutrina cristã.

ISm 28 - “Sucedeu, naqueles dias, que, juntando os filisteus os seus exércitos para a
peleja, para fazer guerra contra Israel, disse Aquis a Davi: Fica sabendo que comigo
sairás à peleja, tu e os teus homens. Então, disse Davi a Aquis: Assim, saberás quanto
pode o teu servo fazer. Disse Aquis a Davi: Por isso, te farei minha guarda pessoal, para
sempre. Já Samuel era morto, e todo o Israel o tinha chorado e o tinha sepultado em
Ramá, que era a sua cidade; Saul havia desterrado os médiuns e os adivinhos.
Ajuntaram-se os filisteus e vieram acampar-se em Suném; ajuntou Saul a todo o Israel,
e se acamparam em Gilboa. Vendo Saul o acampamento dos filisteus, foi tomado de
medo, e muito se estremeceu o seu coração. Consultou Saul ao Senhor, porém o Senhor
não lhe respondeu, nem por sonhos, nem por Urim, nem por profetas. Então, disse Saul
aos seus servos: Apontai-me uma mulher que seja médium, para que me encontre com
ela e a consulte. Disseram-lhe os seus servos: Há uma mulher em Em-Dor que é
médium. Saul disfarçou-se, vestiu outras roupas e se foi, e com ele, dois homens, e, de
noite, chegaram à mulher; e lhe disse: Peço-te que me adivinhes pela necromancia e me
faças subir aquele que eu te disser. Respondeu-lhe a mulher: Bem sabes o que fez Saul,
como eliminou da terra os médiuns e adivinhos; por que, pois, me armas cilada à minha
vida, para me matares? Então, Saul lhe jurou pelo Senhor, dizendo: Tão certo como vive
o Senhor, nenhum castigo te sobrevirá por isso. Então, lhe disse a mulher: Quem te farei

subir? Respondeu ele: Faze-me subir Samuel. Vendo a mulher a Samuel, gritou em alta
voz; e a mulher disse a Saul: Por que me enganaste? Pois, tu mesmo, és Saul.
Respondeu-lhe o rei: Não temas; que vês? Então, a mulher respondeu a Saul: Vejo um
deus que sobe da terra. Perguntou ele: Como é a sua figura? Respondeu ela: Vem
subindo um ancião e está envolto numa capa. Entendendo Saul que era Samuel,
inclinou-se com o rosto em terra e se prostrou. Samuel disse a Saul: Por que me
inquietaste, fazendo-me subir? Então, disse Saul: Mui angustiado estou, porque os
filisteus guerreiam contra mim, e Deus se desviou de mim e já não me responde, nem
pelo ministério dos profetas, nem por sonhos; por isso, te chamei para que me reveles o
que devo fazer. Então, disse Samuel: Por que, pois, a mim me perguntas, visto que o

Senhor te desamparou e se fez teu inimigo? Porque o Senhor fez para contigo, como,
por meu intermédio, ele te dissera; tirou o reino da tua mão e o deu ao teu companheiro
Davi. Como tu não deste ouvidos à voz do Senhor e não executaste o que ele, no furor
da sua ira, ordenou contra Amaleque, por isso, o Senhor te fez, hoje, isto. O Senhor
entregará, também, a Israel contigo, nas mãos dos filisteus, e, amanhã, tu e teus filhos
estareis comigo; e o acampamento de Israel, o Senhor entregará nas mãos dos filisteus.
De súbito, caiu Saul, estendido por terra, e foi tomado de grande medo, por causa das
palavras de Samuel; e faltavam-lhe as forças, porque não comera pão todo aquele dia e
toda aquela noite. Aproximou-se de Saul a mulher e, vendo-o assaz perturbado, disse-
lhe: Eis que a tua serva deu ouvidos à tua voz, e, arriscando a minha vida, atendi às
palavras que me falaste.

Agora, pois, ouve também tu as palavras da tua serva e permite que eu ponha um
bocado de pão diante de ti; come, para que tenhas forças e te ponhas a caminho. Porém,
ele o recusou e disse: Não comerei. Mas os seus servos e a mulher o constrangeram; e
atendeu. Levantou-se do chão e se assentou no leito. Tinha a mulher em casa um
bezerro cevado; apressou-se e matou-o, e, tomando farinha, a amassou, e a cozeu em
bolos asmos. E os trouxe diante de Saul e de seus servos, e comeram. Depois, se
levantaram e se foram, naquela mesma noite”.

Analisemos, profundamente, o que, realmente, a passagem nos diz, para, então,


tirarmos as nossas conclusões. Vamos ver por partes:

1 – Saul encontrava-se desaprovado por Deus, já não tinha a Unção de Deus, além de já
estar, até endemoninhado.

ISm 16.14 - “Tendo-se retirado de Saul o Espírito do Senhor; da parte deste, um espírito
maligno o atormentava”.

ISm 18.10a,12 - “No dia seguinte, um espírito maligno, da parte de Deus, se apossou de
Saul, que teve uma crise de raiva, em casa; Saul temia a Davi, porque o Senhor era com
este e se tinha retirado de Saul”.

2 – Enquanto Saul tinha a graça de Deus, foi um perseguidor do espiritismo.

ISm 28.9 - “Respondeu-lhe a mulher: Bem sabes o que fez Saul, como eliminou da terra
os médiuns e adivinhos; por que, pois, me armas cilada à minha vida, para me
matares?”.

3 – Depois, já sem o Espírito Santo, e porque Deus não lhe respondia, foi consultar a
necromante.
ISm 28.5-6 - “Vendo Saul o acampamento dos filisteus, foi tomado de medo, e muito se
estremeceu o seu coração. Consultou Saul ao Senhor, porém o Senhor não lhe
respondeu, nem por sonhos, nem por Urim, nem por profetas”.

4 – A necromante não disse ter visto Samuel, mas um deus que subia da terra.

ISm 28.13 - “Respondeu-lhe o rei: Não temas; que vês? Então, a mulher respondeu a
Saul: Vejo um deus que sobe da terra”.

5 – A mulher conhecia Samuel e fez a sua descrição. Saul, sim, entendeu que era Samuel.

ISm 28.14 - “Perguntou ele: Como é a sua figura? Respondeu ela: Vem subindo um
ancião e está envolto numa capa. Entendendo Saul que era Samuel, inclinou-se com o
rosto em terra e se prostrou”.

6 – As palavras do versículo 15, “Samuel disse a Saul”, não são uma declaração da Bíblia,
mas um registro de declaração, feito pelo escritor do livro, quanto à cena que ali se
passou.

7 – As previsões feitas por “Samuel” não se cumpriram.

-          Saul não morreu no dia seguinte:

ISM 30.1,10,13,17 - “Sucedeu, pois, que, chegando Davi e os seus homens, ao terceiro
dia, a Ziclague, já os amalequitas tinham dado com ímpeto contra o Sul e Ziclague e a
esta, ferido e queimado; 10Davi, porém, e quatrocentos homens continuaram a
perseguição, pois que duzentos ficaram atrás, por não poderem, de cansados que
estavam, passar o ribeiro de Besor. 13Então, lhe perguntou Davi: De quem és tu e de
onde vens? Respondeu o moço egípcio: Sou servo de um amalequita, e meu senhor me
deixou aqui, porque adoeci

há três dias. 17Feriu-os Davi, desde o crepúsculo vespertino até a tarde do dia seguinte,
e nenhum deles escapou, senão só quatrocentos moços que, montados em camelos,
fugiram”.

-          Saul não foi entregue nas mãos dos filisteus. Suicidou-se:

ISm 31.4 - “Então, disse Saul ao seu escudeiro: Arranca a tua espada, e atravessa-me
com ela, para que, porventura, não venham os incircuncisos, e me traspassem e
escarneçam de mim.
Porém, o seu escudeiro não o quis, porque temia muito; então, Saul tomou da espada, e
se lançou sobre ela”.

-          O seu corpo foi entregue a outros povos:

ISm 31.11-13 - “Então, ouvindo isto os moradores de Jabes-Gileade, o que os filisteus


fizeram a Saul, todos os homens valentes se levantaram e caminharam toda a noite, e
tiraram o corpo de Saul e os corpos de seus filhos do muro de Bete-Seã e, vindo a Jabes,
os queimaram”.

       Não morreram todos os seus filhos.

ISm 28.19 - “O Senhor entregará, também, a Israel contigo, nas mãos dos filisteus, e,
amanhã, tu e teus filhos estareis comigo; e o acampamento de Israel, o Senhor entregará
nas mãos dos filisteus”.

- Permaneceram vivos: Is-Bosete

IISm 2.8-10 - “Abner, filho de Ner, capitão do exército de Saul, tomou a Is-Bosete,
filho de Saul, e o fez passar a Maanaim, e o constituiu rei sobre Gileade, sobre os
assuritas, sobre Jezreel, Efrain, Benjamim, e sobre todo Israel. Da idade de quarenta

anos era Is-Bosete, filho de Saul, quando começou a reinar sobre Israel, e reinou dois
anos; somente a casa de Judá seguia a Davi”.

- Armoni e Mefibosete

IISm 21.8 - “Porém, tomou o rei os dois filhos de Rispa, filha de Aia, que tinha tido de
Saul, a saber a Armoni e a Mefibosete, como, também, os cinco filhos de Merabe, filha
de Saul, que tivera de Adriel, filho de Barzilai, meolatita;”.

-          Morreram: Jônatas, Abinadabe e Malquisua.

ICr 10.2 - “Os filisteus perseguiram a Saul e a seus filhos, e mataram a Jônatas, a
Abinadabe e a Malquisua, filhos de Saul”.

Podemos concluir que Samuel não apareceu. Aliás, a morte de Saul se deve, em
parte, pelo que ele fez:

ICr 10.13-14 - “... e, também, porque interrogara e consultara uma necromante, e não ao
Senhor, que, por isso, o matou e transferiu o reino a Davi, filho de Jessé”.
Se Saul não consultou ao Senhor, antes a uma necromante, quem lhe respondeu?
Será que foi Deus? Não, obviamente que não. É o caso de alguém pedir uma graça a um
ídolo. Quem concedeu a graça?

ICo 10.19-20 - “Que digo, pois? Que o sacrificado ao ídolo é alguma coisa? Ou que o
próprio ídolo tem algum valor? Antes, digo que as coisas que eles sacrificam, é a
demônios que as sacrificam e não a Deus; e eu não quero que vos torneis associados aos
demônios”.

Observe que quem atua, por detrás das imagens de escultura, são os demônios e
não Deus.

Reencarnação

Mais uma vez, os espíritos escolhem um texto da Bíblia Sagrada para defenderem
a doutrina da reencarnação. Baseados em João, capítulo três, e versículo três, defendem
a reencarnação como sendo uma coisa bíblica. É o velho erro de analisar versículos
isolados.

Jo 3.3-6 - “A isto, respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que se alguém não
nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. Perguntou-lhe Nicodemos: Como pode
um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre materno e nascer
segunda vez? Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: Quem não nascer da
água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus”.

Na passagem, Jesus não está tratando do nascimento segundo a carne, isto é,


reencarnação; pois diz no versículo 6: “O que é nascido da carne, é carne; e o que é
nascido do Espírito, é espírito”. Logo, estava falando do nascimento espiritual, como
afirma no versículo 5: “... Quem não nascer da água e do Espírito(Santo), não pode
entrar no reino de Deus”.

Os espíritas citam e afirmam que João Batista era o profeta Elias reencarnado.
Citam as passagens abaixo para defenderem sua posição.

Ml 4.5 - “Eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível dia
do Senhor”;

Mt 11.14 - “E, se o quereis reconhecer, ele mesmo é Elias, que estava para vir”.

Lc 1.17 -“... e irá adiante dele o espírito de Elias, para converter os corações dos pais
aos filhos, converter os desobedientes à prudência dos justos e habilitar, para o Senhor,
um povo preparado”.
àJoão teve uma missão similar a de Elias:

1 – Apareceram de modo repentino, à nação judaica.

IRs 17.1 - “Então Elias, o tesbita, dos moradores de Gileade, disse a Acabe: Tão certo
como vive o Senhor, Deus de Israel, perante cuja face estou, nem orvalho nem chuva
haverá”.

Mt 3.1 - “Naqueles dias, apareceu João Batista, pregando no deserto da Judéia, e


dizia:”.

2 – Viveram em épocas de grande decadência espiritual.

IRs16.29 - “Acabe, filho de Onri, começou a reinar sobre Israel, no ano trigésimo oitavo
de Asa, rei de Judá; e reinou Acabe, filho de Onri, sobre Israel, em Samaria, vinte e dois
anos”.

Mt 3.7 - “Vendo ele, porém, que muitos fariseus e saduceus vinham ao batismo, disse-
lhes: Raça de víboras, quem vos induziu a fugir da ira vindoura?”.

3 – Pareciam-se nos trajes.

IIRs 1.8 - “Eles lhe disseram: Era homem vestido de pelos, com os lombos cingidos
dum cinto de couro. Então, disse ele: É Elias, o tesbita”.

Mt 3.4 - “Usava, João, vestes de pêlos de camelo, e um cinto de couro: a sua


alimentação era gafanhotos e mel silvestre”.

4 – Repreenderam reis perversos.

IRs 18.16-18 - “Então, foi Obadias encontrar-se com Acabe, e lho anunciou; e foi
Acabe ter com Elias. Vendo-o, disse-lhe: És tu, ó perturbador de Israel? Respondeu
Elias: Eu não tenho perturbado a Israel, mas tu e a casa de teu pai, porque deixastes os
mandamentos do Senhor, e seguistes os Baalins”.

Mt 14.3-4 -“Porque Herodes, havendo prendido e atado a João, o metera no cárcere por
causa de Herodias, mulher de Filipe, seu irmão; pois João lhe dizia: Não te é lícito
possuí-la”.

5 – Foram perseguidos por rainhas malvadas.

IRs 19.2-3 - “Então, Jezabel mandou um mensageiro a Elias a dizer-lhe: Façam-me os


deuses como lhes aprouver se, amanhã, a estas horas, não fizer eu à tua vida, como
fizestes a cada um

deles. Temendo, pois, Elias, levantou-se e, para salvar sua vida, se foi e chegou a
Berseba, que pertence a Judá; e, ali, deixou o seu moço”.

Mt 14.6-8 - “Ora, tendo chegado o dia natalício de Herodes, dançou a filha de Herodias
diante de todos e agradou a Herodes. Pelo que prometeu, com juramentos, dar-lhe o que
pedisse. Então, ela, instigada por sua mãe, disse: Dá-me, aqui, num prato, a cabeça de
João Batista”.

6 – Passaram por crises espirituais.

IRs 19.4-5 à “Ele mesmo, porém, se foi ao deserto, caminho de um dia, e veio e se
assentou debaixo de um zimbro; e pediu, para si, a morte e disse: Basta; toma agora, ó
Senhor, a minha alma, pois não sou melhor do que meus pais. Deitou-se e dormiu
debaixo do zimbro; eis que um anjo o tocou e lhe disse: Levanta-te e come”.

Lc 7.18-22 à “Todas estas coisas foram referidas a João pelos seus discípulos. E João,
chamando dois deles, enviou-os ao Senhor para perguntar: És tu aquele que estava para
vir ou havemos de esperar outro? Quando os homens chegaram junto dele, disseram:
João Batista enviou-nos para te perguntar: És tu aquele que estava para vir ou
esperaremos outro? Naquela mesma hora, curou Jesus muitas moléstias, e de flagelos, e
de espíritos malignos; e deu vista a muitos cegos. Então, Jesus lhes respondeu: Ide e

anunciai a João o que vistes e ouvistes: Os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são
purificados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e aos pobres, anuncia-lhes o
evangelho”.

à João Batista não era Elias:

1 – O próprio João Batista declarou, quando perguntado, que não era Elias.

Jo 1.21 - “Então lhe perguntaram: Quem és, pois? És tu Elias? Ele disse: Não sou. És tu
o profeta? Respondeu: Não”.

2 – Como João poderia ser a reencarnação de Elias, se este não morreu?

IIRs 2.11 - “Indo eles, andando e falando, eis que um carro de fogo, com cavalos de
fogo, os separou um do outro; e Elias subiu ao céu, num redemoinho”.

3 – Se Elias estivesse reencarnado em João, este é quem deveria ter aparecido no monte, em
Mateus 17, e não Elias, como se deu, pois João já era morto.

Conclusão

Baseados no que o espiritismo ensina nas suas doutrinas, e no que a Bíblia


assevera, podemos, enfaticamente, afirmar que a proposta espírita é um caminho de
morte; mais um caminho que Satanás tem posto diante do homem, para este se
aproximar de Deus. Quando o homem envereda pelo espiritismo, está, na verdade,
dando o braço para Satanás, que é o criador do espiritismo, bem como de toda religião e
seita falsas, que estão, sim, e cada vez mais, afastando o homem de Deus, que abomina
todas estas práticas, como:

-          O sacrifício de animais.

-          A negação da obra vicária de Jesus Cristo, que morreu em nosso lugar.

-          A consulta aos mortos.

à Jesus tem as chaves da morte e do inferno.

A esta tentativa, em vão, de alcançar a salvação, através do mérito humano – as


obras – e as suas feitiçarias.

Ap 21.8 - “Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos
assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte
que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte”.

 Todos pecamos e carecemos da glória de Deus. TODOS!

  

MAÇONARIA

A Maçonaria, como se encontra agora, surgiu em meados do século XVII, na


Inglaterra. Por volta de 1650, ocorreu um grande declínio na construção civil de então,
principalmente de catedrais, o que trouxe reflexos negativos nas associações de
pedreiros, conhecidos como pedreiros-livres. Essas associações passaram, então, a ter
um cunho social.

Essa nova forma de organização deu origem a cerca de 1.700 Lojas ou Oficinas,
como são chamados os locais de reunião da Maçonaria. E, já em 1730, os ingleses
introduziram as Lojas nos EUA, onde está o maior número de maçons no mundo.

Alguns historiadores fazem provir a Maçonaria dos antigos mistérios pagãos


religiosos do velho Egito e da antiga Grécia. Outros, admitem que ela tenha se
originado,
por ocasião da construção do Templo de Jerusalém, no reinado de Salomão, rei dos
israelitas (IRs 6 e 7), e lhe dão como fundador Hiram Abifm, sugerido como arquiteto
do citado templo.

A maioria dos escritores maçons, contudo, é de opinião que a Maçonaria deve sua
origem e existência a uma confraria de pedreiros, criada por Numa, em 715 a.C.. Com o
passar dos tempos, porém, essa sociedade perdeu o seu caráter primitivo e muitas
pessoas, estranhas à arquitetura, nela foram admitidas.

No Brasil, a Maçonaria teve início nos tempos do Império. Conta a sociedade


maçom no Brasil com dezenas de milhares de adeptos. Em todo o mundo, são mais de
seis milhões de maçons (dados de 1963).

A Estrutura da Maçonaria

A Maçonaria é organizada em ritos, sendo estes, divididos em graus. Há dois ritos


principais, o ESCOCÊS e o YORK. O escocês tem 33 graus e equivalem aos 10 graus
do rito York. Cada grau procura ensinar um moral. Os graus de 1 a 3 são iguais nos dois
ritos, devendo o maçom escolher, ao alcançar o grau 3, qual rito seguirá, se o escocês ou
o York.

O rito escocês tem 33 graus que são conhecidos por números ou títulos, ao passo
que os graus do York são conhecidos, apenas, por títulos.

São os seguintes os graus do sistema maçônico nos ritos escocês e York,


respectivamente:

Grau 01 e Grau 02, - Aprendiz Maçom;

Grau 02 – Companheiro;

Grau 03 – Companheiro e Mestre Mom;

Grau 04 – Mestre Secreto, Mestre Eminente;

Grau 09 – Mestre Eleito dos Nove, Pós-Mestre;

Grau 13 – Mestre do Arco Nono, Mestre Excelentíssimo;

Grau 17 – Cavaleiro do Leste e Oeste, Mestre do Arco Real;

Grau 25 – Cavaleiro da Serpente de Bronze, Ordem da Crus Vermelha;

Grau 29 – Cavaleiro de Santo André, Ordem dos Cavaleiros de Malta;

Grau 33 – Grande Soberano Inspetor Geral, Ordem dos Cavaleiros Templários.

 
O maçom visa obter, através do galgar dos diversos graus da Maçonaria, o estado
de purificação, de perfeição; contudo, nós sabemos como alcançar a purificação.

IJo 1.9 - “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os
pecados e nos purificar de toda injustiça”.

Pv 20.9 - “Quem pode dizer: Purifiquei o meu coração, limpo estou do meu pecado?”.

Sl 19.12 - “Quem há que possa discernir as próprias faltas? Absolve-me das que me são
ocultas”.

Admissão

Não é maçom quem quer, e, sim, quem pode. No seu livro “O que é a Maçonaria”,
diz A. Tenório d’Albuquerque: “A Maçonaria só deve admitir em seu seio quem é livre
e de bons costumes, quem dispõe de recursos financeiros e tem qualidades morais
consideráveis e um grau de instrução que lhe permita compreender, interpretar as
belezas incomparáveis que a

Maçonaria apresenta, os seus elevados fins humanitários e o seu simbolismo”. O


iniciante precisa de um padrinho da Maçonaria, alguém que o apresente.

Na proposta de filiação à Maçonaria, o profano é obrigado a declarar quanto


ganha mensalmente, e, ainda, vai sofrer uma sindicância, por parte de três membros da
Loja, que averiguarão os hábitos do candidato, se tem vícios, o seu conceito na
sociedade, o seu grau de instrução e, até, se possui algum defeito físico.

Como se vê, não é maçom quem quer, mas quem pode, ou seja, quem dispõe de
certa soma de requisitos morais, intelectuais e financeiros.

4) A Maçonaria aceita pessoas de todo credo.

A Palavra de Deus proíbe ao cristão qualquer tipo de união, comunhão, sociedade


ou harmonia com pessoas incrédulas.

IICo 6.14-15 - “Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que
sociedade pode haver entre a justiça e a iniqüidade? Ou, que comunhão, da luz com as
trevas? Que harmonia, entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente com o
incrédulo?”.

 Conclusão

 Estamos a cada estudo, desmascarando, com a Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada, a


espada do Espírito, as seitas e religiões falsas com as suas heresias.

Na Maçonaria, Jesus não é o centro das atenções. Ensinam o homem a


desenvolver a sua própria salvação. Estas são características que permitem a
identificação da Maçonaria como uma religião falsa, uma seita herege.

Oremos por aqueles cristãos que se encontram no seio da Maçonaria sejam livres;
e não são poucos; até pastores estão lá. Só a misericórdia de Deus poderá arrancá-los de
lá.

  

O MORMONISMO

O mormonismo é uma das piores seitas falsas de que se tem conhecimento. São
verdadeiros lobos vestidos de cordeiro. Nas suas investidas, apresentam-se como
membros da Igreja de Jesus Cristo. E, na visitação de lar em lar – seu método predileto
– usam terminologia cristã, causando confusão e dúvida acerca das doutrinas cristãs,
bem como da integridade das igrejas evangélicas.

Os mórmons fazem uso da Bíblia Sagrada para “começar”, e quando o prosélito já


está em condições de entender, aí, sim, passam para o livro de Mórmon, que consideram
como tendo a mesma autoridade da Bíblia Sagrada, mas, que na prática, é a quem
dedicam muito mais honra.

Para melhor conhecermos a história do mormonismo, necessário se torna estudá-


lo, partindo da sua base, ou seja, a vida de Joseph Smith, fundador da seita.

Histórico

Fundador – Joseph Smith nasceu em 23 de dezembro de 1805, Condado de Windsor,


Estado de Vermont, Estados Unidos da América do Norte. Foi criado na pobreza e
superstição. Smith faleceu assassinado a tiros, por enfurecida multidão, em 27 de junho
de 1844, em Carthage, Illinóis, EUA.

Primeira Visão – Ainda moço, Joseph Smith se decepcionou com as igrejas que
conhecia. Quando estava com quinze anos, já residindo em Palmyra, Estado de Nova
Iorque, e havendo um grande movimento evangelístico nessa região, Smith foi orar num
bosque e perguntar a Deus em qual igreja ele deveria se congregar.

Smith conta que, numa visão, apareceram o Pai e o Filho denunciando o desvio de
todas as igrejas, de então. E Deus disse, apontando para Cristo: Joseph, esse é o meu
filho, ouve-o. E disse mais: Em breve, o Evangelho de Cristo será restaurado, contou
Smith.

Segunda Visão – Enquanto orava, conta Smith, foram banhados em luz os seus
aposentos, aparecendo-lhe um anjo, de nome Moroni, que afirmava haver vivido
naquela região há uns 1.400 anos. Moroni, filho do profeta Mórmon, contou que seu pai
havia gravado a história de seu povo em placas de ouro.

Essas placas, também, continham, segundo o anjo, o puro evangelho, que teria
sido transmitido aos primitivos habitantes do continente americano. As placas, que
poderiam ser encontradas no Monte Cumorah, perto de Palmyra, para serem traduzidas,
ou seja,

para que Smith pudesse entender seus registros, seria necessário que ele fizesse uso de
um certo tipo de lentes, chamadas “Urim” e “Tumim”.

De posse das placas e das lentes, Joseph, sentado por detrás de uma cortina, ditou
a um amigo a tradução, ao fim do que devolveu as placas ao anjo Moroni. Uma vez
traduzida, a obra foi publicada pela primeira vez, em 1829, recebendo o título de “O
Livro de Mórmon”.

Fundação da Igreja – Joseph Smith, cedo, encontrou quem o aceitasse como profeta,
pelo que fundou “A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”. Desde então,
ficou estabelecido que esta era a única igreja verdadeira e que, fora dela, não havia
outro meio de salvação para o homem.

Foi em 6 de abril de 1830, em Fayette, Estado de Nova Iorque, que Josepf Smith
fundou a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, quando tinha 24 anos. Em
15 de maio de 1829, portanto, pouco antes da fundação, Smith batizou seu secretário, o
senhor Oliver Cowdery, e este batizou e ordenou o Sr. Smith. Agiram, assim, por causa
de uma visão que tiveram, na qual João Batista teria dito para agirem assim. Por ocasião
da fundação, Smith teve uma “revelação” de que se tornara Vidente, Profeta e Apóstolo
de Jesus Cristo. Foi dessa forma que as coisas começaram...

Depois de muitas perseguições, Smith e os seus seguidores encontraram acolhida


em Illinóis, onde erigiram a cidade de Nauvoo. Aí, acusado de imoralidade e
falsificação, Smith foi preso, juntamente com seu irmão Hiram, e, a seguir, uma
multidão enfurecida os matou a tiros, em 27 de junho 1844.
A Divisão da Igreja – Com a morte de Smith, a igreja se dividiu. A primeira facção
seguiu a liderança de Brigham Young, fiel discípulo do “profeta” Smith. Fundaram,
então, onde hoje é a cidade de Salt Lake, a sede da igreja, uma espécie de quartel-
general, de onde o mundo seria alcançado pelos apóstolos do mormonismo.

A maioria, contudo, optou por ficar sob a direção de um filho de Joseph Smith.
Reorganizaram a igreja e estabeleceram sua sede em Independence, Missouri. Esta
igreja tem prosperado, embora seja menor que a anterior, e é conhecida como “Igreja
Reorganizada de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”.

Outra facção que merece destaque é a “Igreja de Cristo do Lote do Templo”, com
sede em Bloomington, Illinóis. Segundo as “revelações” recebidas, convenceram-se de
que Sião, o lugar de regresso de Cristo a Terra, será em Bloomington, e não na

Palestina. Crêem que Ele terá o seu templo em certo lote da área onde está a sede dessa
igreja.

Onde Predominam – Os maiores núcleos mórmons pelo mundo ficam nos E.U.A.,
Canadá, sul e ocidente da Europa, sul da África, Japão, Brasil e Argentina. No Brasil,
concentram-se nos estados do sul, mas, a partir de 1967, começaram a se estabelecer no
Norte e Nordeste do país.

O Livro de Mórmon

O Livro de Mórmon é, também, a Palavra de Deus? Tem o Livro o significado e o


valor que os mórmons dizem ter?

A verdade acerca do Livro de Mórmon é a seguinte:

História Fictícia – Em 1812, um pastor presbiteriano aposentado, chamado Salomão


Spaulding, escreveu uma história fictícia dos primeiros habitantes americanos. Este
pastor morreu, sem ver sua obra publicada.

O manucristo, no entanto, veio a cair nas mãos de um ex-pastor batista, chamado Sidney
Rigdon. Este era homem douto e inteligente, e veio a ser o teólogo de Smith. Rigdon,
em conluio com Smith, fundou, tomando por base o tal livro, uma nova religião. Ambos
foram auxiliados por Parley Pratt. Esse trio, portanto, compôs o Livro dos Mórmons.
O que é o Livro de Mórmon – A primeira edição do livro de Mórmon para o
português, apareceu no ano de 1938, e até 1975, já existiam seis edições. O Livro de
Mórmon compõe-se de 15 livros, divididos em capítulos, como o é a Bíblia Sagrada.

No seu todo, o Livro de Mórmon soma um total de 239 capítulos e 6.533


versículos. Nele são citados capítulos inteiros da Bíblia Sagrada. Por exemplo: INefi 20
é igual a Isaías 49; IINefi 12.24 é igual a Isaías 2.1; IINefi 24 é igual a Malaquias
3; IIINefi 12.14 é igual a Mateus 5-7; Moroni 10 é igual a I Coríntios 12.

O Livro de Mórmon condena a Bíblia como um Livro mutilado e repleto de erros,


que Satanás usa para escravizar os homens. Isto é dito, textualmente, em INefi 13.28-29
e IINefi 29.3,6. Todavia, a primeira edição do livro de Mórmon, em 1830, tinha péssima
pontuação e erros sem conta. E, de lá para cá, já sofreu mais de 10.000 correções na
pontuação, e umas 3.000 na parte de ortografia e regras gramaticais, em geral. Isso, sem
falar nas seções inteiras que foram suprimidas e outras tantas, acrescentadas. Tudo para
cobrir os erros de Joseph Smith. É tal livro que eles declaram inspirado por Deus.

O livro de Mórmon, além de conter vários trechos do Antigo Testamento


adulterados, é uma fraca imitação da Bíblia. Contém, também, vários trechos dos livros
litúrgicos das Igrejas Anglicana e Metodista. Como explicar isso, se essas igrejas foram
organizadas em 1539 e 1739,

respectivamente? Ele contém ainda expressões e idéias modernas que não podiam ser
conhecidas pelo seu suposto autor, em 420 d.C..

Solapa a Bíblia, declarando-a insuficiente, mas faz acréscimos e alterações nos


trechos bíblicos. Traz ainda extensas citações da Bíblia, na Tradução Inglesa, do ano de
1611.

Oliver Cowdery, David Whitmer e Martins Harris, que são citados em “O


Testemunho do Profeta Joseph Smith”, como tendo visto as placas de ouro, donde
Smith traduziu o Livro de Mórmon, foram chamados pelo próprio Smith de “ladrões e
mentirosos, demasiadamente maus para serem mencionados”, (Smith, HISTORY OF
THE CHURCH, vol. 4, pág. 461).

Agora, para tão volumoso conteúdo do livro de Mórmon, as placas de ouro que
Joseph Smith descreveu, requereriam um trabalho microscópio ou, então, algo
miraculoso.

Diante de tão evidentes fatos e testemunhos, podemos concluir, e sem medo de


errar, que o Livro de Mórmon é obra da mão do homem e não é Palavra de Deus.

 A Salvação – O homem não é salvo pela obra redentora de Jesus, mediante o


derramamento de Seu sangue remidor na cruz do Calvário; antes, ela vem pela
obediência aos preceitos e às cerimônias da Igreja Mórmon. Contudo, após a morte, o
homem ainda pode se salvar pelo batismo pelos mortos.

Batismo Pelos Mortos – Baseados em:

ICo 15.29 – “Doutra maneira, que farão os que se batizam por causa dos mortos? Se,
absolutamente, os mortos não ressuscitam, por que se batizam por causa deles?”.

       Praticam o batismo pelos mortos, como se a Bíblia ensinasse isso. Se quisermos
salvar as pessoas mortas do inferno, devemos tomar seus nomes e, num templo
mórmon, receber o batismo. Contam que há mórmons que já foram batizados milhares
de vezes.

Casamento – Os que forem realizados, segundo os preceitos da Igreja Mórmon,


perdurarão pela eternidade.

Poligamia – Smith recebeu a revelação divina sobre a poligamia, em 1842. Ele mesmo
teve 27 esposas e 44 filhos. Os mórmons afirmam que, pela necessidade de corpos para
ocuparem as almas que são geradas nos céus, (pois, afirma Smith, que há muitos deuses
cuja ocupação principal é a de gerar almas para ocuparem corpos gerados na terra) a
poligamia é uma necessidade.

 Precisamos fazê-los calar com a verdade da Bíblia Sagrada, que é Lâmpada para
os nossos pés e Luz para os nossos caminhos. A doutrina Mórmon é herege, já na sua
origem. A “revelação” da restauração do Evangelho de Jesus Cristo foi dada através de
um anjo, supostamente. Só que a Bíblia traz, em Gálatas, uma séria advertência para
este tipo de revelação. Gl 1.8-9 - “Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu
vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema. Assim,
como já dissemos, e agora repito, se alguém vos prega evangelho que vá além daquele
que recebestes, seja anátema”.

Outro tipo de advertência, a respeito do perigo de aparições de anjos, é que “... o


próprio Satanás se transforma em anjo de luz”, trazendo, naturalmente, seus ensinos
demoníacos que têm infestado os nossos dias com tantas seitas hereges, tantos desvios
da verdade das Escrituras, arrastando todo aquele que não tem o devido conhecimento
da pessoa de Jesus Cristo, justo por não conhecer a Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada.

É imperioso que o cristão adquira um crescimento, na graça e no conhecimento do


Senhor Jesus, a fim de que, primeiramente, ele não venha a se desviar de tão grande
salvação, e, também, para ser um instrumento do Senhor Jesus. ITm 2.3-4 - “Isto é bom
e aceitável diante de Deus, nosso Salvador, o qual deseja que todos os homens sejam
salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade”.

O cristão que não tem conhecimento das doutrinas bíblicas pode facilmente ser a
próxima vítima desta seita maligna, o mormonismo, ou, pelo menos, ficar envenenado.

Oremos pelos mórmons. O Senhor Jesus também morreu por eles e deseja
conduzi-los, da sombra maligna de Joseph Smith para a Sua gloriosa presença, das
trevas para a luz, do engano para a verdade. Só a Palavra de Deus pode livrar o homem
da morte, Sl 107.20 - “Enviou-lhes a sua palavra, e os sarou, e os livrou do que lhes era
mortal”.

   

SEITA ORIENTAL - PERFECT LIBERTY

A Perfect Liberty (PL) é uma seita japonesa que tem como tema central de sua
doutrina o princípio “VIDA É ARTE”.

Afirmam que, se alguém viver de acordo com os princípios ensinados pelos


patriarcas da PL, que dizem ter sido recebidos por “iluminação”, uma imitação flagrante
do Budismo, poderão viver a liberdade verdadeira, para progredir, desenvolver-se e
alcançarem a felicidade, a perfeita liberdade.

Através de preces, juras, conselhos, promessas, trabalho em prol da seita e


contribuição financeira, prometem ao adepto que este receberá graças maravilhosas.

Histórico

Tokuharu Miki, afirmam os seguidores da Perfect Liberty, foi o fundador da seita.


Nascido em Matsuyama, província de Ehime, Japão, desde os oito anos de idade, fez-se
monge budista da seita Zen. Miki fez várias tentativas de fundar, organizar uma seita.
Aos 41 anos, Miki conheceu um homem, a quem chamavam

“Mestre Kanada”. Este dizia ter recebido de Deus ensinamentos profundos que,
segundo ele, poderiam abalar o mundo.

Miki ingressou na tal seita e, após cinco anos, já era um mestre. Kanada, por
ocasião de sua morte, nomeou Miki seu sucessor, e a este transmitiu os 18 preceitos que
iriam, mais tarde, constituir as bases da PL.

Após anos de meditação, Miki afirmou ter, também, recebido outros preceitos,
três ao todo, da parte de Deus, que, com aqueles 18 iniciais, viriam a formar os 21
preceitos sagrados da seita que ele sempre teve desejo de fundar.

Miki, enfim, fundou a sua seita, a ordem HitoDNo-Michi (O Caminho da


Humanidade), que alcançou um crescimento espantoso, atingindo, em 10 anos, a marca
de 1 milhão de adeptos. O governo japonês, contudo, condenou a doutrina, perseguiu as
comunidades, havendo dissensões e desentendimentos, o que ocasionou o fim da seita.
Dois anos depois, em 1938, Miki morreria.
Em 1946, Toruchira Miki, filho de Tokuharu, resolveu ressuscitar a seita de seu
pai na cidade de Tossu, em Saga, no Japão. Ajuntou, aos 21 preceitos sagrados, um sem
número de dogmas, juramentos e cerimônias, dando forma à nova seita, a PL como
conhecemos hoje. Toruchira Miki tem o cognome de OSHIEOYbDSMb, que significa
“o pai dos ensinamentos”; é o atual patriarca da PL.

A sede principal da PL está situada em Tondabayashi, próxima a Osaka, no Japão.


No Brasil, afirmam haver mais de 300 mil adeptos distribuídos pelas mais de 120 sedes.
E no mundo, estima-se que haja cerca de 3,5 milhões de seguidores.

A PL tem por base fazer com que o homem alcance a perfeição; isso através do
esforço humano. É uma religião humana que despreza a salvação como dom de Deus.

Com suas juras, posições marciais para determinados tipos de preces; imposições
enganosas para recolherem dinheiro dos adeptos e abundantes promessas de “graças
maravilhosas”, “vida agraciada por Deus”, “paz universal”, “força e fé” e coisas
semelhantes, a Perfect Liberty vive iludindo os incautos e ensinando uma fé diferente
daquela encontrada na Bíblia e vivida pelos seguidores de Jesus Cristo.

 Conclusão

Verificamos que as propostas do Perfect Liberty encontram-se muito distantes da


mensagem do Evangelho de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Não se fala de Jesus,
no poder do Seu Sangue, no Espírito Santo. A pessoa do homem é ressaltada mais uma
vez. Mas Jesus disse:

Jo 15.5 - “Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá
muito fruto; porque, sem mim, nada podeis fazer”.

Nós temos a verdadeira liberdade, pois somos Templo do Espírito Santo.

TESTEMUNHAS DE JEOVÁ – RUSSELISMO


 As Testemunhas de Jeová são uma seita falsa. Fazem uso da Bíblia, mas na
verdade não seguem os seus ensinamentos. Deturpam a Palavra de Deus (têm a sua
própria tradução), e negam a divindade de Cristo. Negam, também, as doutrinas básicas
do Cristianismo.

Por ser uma seita proselitista, e pelos males causados por seus ensinos à vida do
crente, necessário se faz estudá-la.

A “Bíblia” que usam (Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas) é


arranjada para as doutrinas que pregam; e, graças a Deus, não tem o nome de Bíblia.

Os russelitas não são evangélicos. O único grupo que tem certa semelhança com
eles são os adventistas, de onde saiu Russel, seu fundador.

Histórico

A origem do fundador

Charles Taze Russel, fundador da seita, era do Estado da Pensilvânia, Estados


Unidos. Nascido em 1852, Russel foi criado na Igreja Presbiteriana, indo depois para a
Igreja Congregacional e, finalmente, ingressou no Adventismo, onde não ficou muito
tempo.

Dizendo-se profundo conhecedor das línguas originais da Bíblia, e denominando-


se “Pastor Russel”, passou a reunir seus discípulos para, regularmente, estudar a Bíblia,
em 1872.

A seita foi fundada em 1874, com o nome de “Torre de Vigia de Sião; hoje,
Testemunhas de Jeová (Russelismo).

As idéias de Russel

Russel vivia em freqüentes choques com as autoridades e tribunais, dos quais nem
sempre se saía bem. Para melhor preparar os seus discípulos, Russel escreveu uma obra
intitulada “Estudos nas Escrituras”, e, por meio dela, divulgou suas idéias e doutrinas
falsas. Na introdução, declara Russel: “É melhor não ler a Bíblia, mas ler estes
comentários, do que não ler os mesmos e ler a Bíblia”.

“Quem é, pois, o servo fiel e prudente a quem o Senhor confiou os seus conservos
para dar-lhes o sustento a seu tempo? Esse, sou eu mesmo, dizia Russel”.

Russel foi um homem de mau procedimento. Casou-se em 1879, e, várias vezes,


foi levado aos tribunais, inclusive pela esposa. Ela assim agia, devido aos maus tratos
recebidos, e por causa dos casos imorais entre Russel e a empregada Rose Ball. Vivia
envolvido em escândalos financeiros.
Russel morreu a nove de novembro de 1916, quando já estava separado da esposa,
desde 1897, e divorciado, a partir de 1913.

Rutherford, o sucessor

Joseph Franklin Rutherford, nascido em 1896, advogado praticante, tomou a


direção da seita e somente a deixou por ocasião de sua morte, em 1942. Autor do
volume “O Mistério Concluído”, que rejeita alguns ensinamentos de Russel, Rutherford
provocou uma cisão no movimento, que se dividiu em dois grupos. O maior, tomou o
título de “Testemunhas de Jeová”, e o outro, “Estudantes da Bíblia da Aurora”, que
conta atualmente com menos de trinta mil adeptos. Divergem na administração, mas não
nas crenças: são os mesmos!

Rutherford faleceu a oito de janeiro de 1942. Com sua morte, assumiu Nathan H.
Knorr.

Crescimento

Rutherford foi o homem que imprimiu um grande crescimento à seita. Através da


sua literatura – livros, folhetos, material de impressão, da venda de discos e de
constantes visitas a países de todos os continentes, a seita experimentou uma grande
expansão. A maior parte dos seus esforços é gasto procurando alcançar pessoas já
membros de Igrejas Evangélicas, os quais tentam subverter, através dos seus falsos
ensinos. W. J. Schenell, ex-Testemunha de Jeová, declara: As testemunhas demonstram
zelo, uma dedicação máxima à venda de livros e revistas, de porta em porta; pois vivem
sob constantes pressões e sentem um medo mortal dos seus líderes, porque se não
venderem suficiente literatura, serão rebaixados à “classe de maus servos”, ou “servos
inúteis”.

Falsas doutrinas

As Testemunhas de Jeová preenchem todos os requisitos básicos que caracterizam


uma seita falsa. Jesus não é o centro das atenções, possuem outras fontes doutrinárias,
além da Bíblia (ali só têm suas próprias escrituras), são os únicos que se salvarão, são os
únicos certos, contrariam os princípios de interpretação da Bíblia e, o mais perigoso, são
proselitistas ao extremo.

A literatura da seita

Os russelistas só fazem uso da Bíblia (a Tradução do Novo Mundo das Escrituras


Sagradas) para apoiar, sempre em cima de versículos isolados, nunca observando o
contexto, suas falsas doutrinas, que são ditadas pelos demais componentes de sua
literatura. São eles:

-          Estudos nas Escrituras, livro básico por Russel e Rutherford

-          A Verdade nos Tornará Livres

-          Filhos

-          A Harpa de Deus

-          Religião

-         

Salvação

-          Seja Deus Verdadeiro (que contém grande parte dos falsos ensinos)

-          Inimigos

-          Jeová

-          Qualificados Para o Ministério (para preparação de obreiros)

-         

Estas Boas Novas do Reino (livreto que contém um resumo das doutrinas da seita)

-          Do Paraíso Perdido ao Paraíso Restaurado

-         

E os periódicos:

- A Sentinela, desde 1879 (tem agora uma tiragem anual de quase quatro milhões)

- Despertai (com três milhões de exemplares)

Transfusão de sangue

O livreto Sangue, Medicina e a Lei de Deus, é uma apologia da posição que


assumem contra a transfusão. Baseados em que o Sangue é a Alma, não se pode passar a
alma através de uma transfusão de sangue, para outra pessoa, pois como amaríamos a
Deus com toda a nossa alma? ...

Para responder esta questão, quero usar uma palavra de Jesus.

Mt 10.28 - “Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; ...”.

Logo, a alma é imortal! A alma não é o corpo e muito menos o sangue.

ITs 5.23 - “O mesmo Deus da paz vos santifique em tudo; e o vosso espírito, alma e
corpo, sejam conservados íntegros e irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus
Cristo”.

Muitas vezes, sentimos dificuldade de separar a alma do espírito; mas a Palavra de


Deus faz isso:

Hb 4.12 - “Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer
espada de dois gumes, e penetra até o ponto de dividir alma e espírito”.

A imortalidade da alma negada

Os russelitas ensinam que, após a morte do homem, nada resta. Mas Jesus ensina
que os mortos não sabem o que se passa na Terra, mas se lembram perfeitamente do
tempo em que viviam aqui na Terra, mesmo depois de falecidos.

Lc 16.19-31 - “Ora, havia certo homem rico, que se vestia de púrpura e de linho
finíssimo, e que, todos os dias, se regalava esplendidamente. Havia, também, certo
mendigo, chamado Lázaro, coberto de chagas, que jazia à porta daquele; e desejava
alimentar-se das migalhas que caíam da mesa do rico; e até os cães vinham lamber-lhe
as úlceras. Aconteceu morrer o mendigo e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão;
morreu, também, o rico, e foi sepultado. No hades, estando em tormentos, levantou os
olhos e viu ao longe a Abraão e Lázaro, no seu seio. Então, clamando, disse: Pai
Abraão, tem misericórdia de mim! E manda a Lázaro que molhe em água a ponta do
dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama. Disse, porém,
Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro igualmente
os males; agora, porém, aqui, ele está consolado; tu, em tormentos. E, além de tudo, está
posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que querem passar daqui para
vós outros não podem, nem os de lá passar para nós. Então replicou: Pai, eu te imploro
que mandes à minha casa paterna, porque tenho cinco irmãos; para que lhes dê
testemunho, a fim de não virem, também, para este lugar de tormento. Respondeu
Abraão: Eles têm Moisés e os profetas; ouçam-nos. Mas ele insistiu: Não, pai Abraão;
se alguém dentre os mortos for ter com eles, arrepender-se-ão. Abraão, porém, lhe
respondeu: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tão pouco se deixarão persuadir,
ainda que ressuscite alguém dentre os mortos”.

O profeta Elias, certa vez, orou a Deus para que a alma de um menino morto
tornasse a entrar nele (menino); “O Senhor atendeu”.
IRs 17.21-22 - “E estendendo-se três vezes sobre o menino, clamou ao Senhor, e disse:
Ó Senhor meu Deus, rogo-te que faças a alma deste menino tornar a entrar nele. O
Senhor atendeu à voz de Elias; e a alma do menino tornou a entrar nele, e reviveu”.

Se a alma é o sangue, nesta hora creio que Deus fez uma espécie de injeção; Deus
deve ter-lhe re-injetado o sangue que fora guardado por ocasião da morte do

menino, baseado em que o sangue é a alma, e estava retornando ao menino – muito


complicado, não acham?

Inferno não existe

Os russelitas afirmam que a sepultura e a morte física são o único inferno. Crêem
que a morte é um estado de inconsciência, sem conhecimento de nada.

A Palavra de Deus fala, isso sim, de um inferno real, verdadeiro.

Mt 25.41-46 -“Então, o Rei dirá, também, aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-
vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos. Porque
tive fome e não me destes de comer; tive sede e não me destes de beber; sendo
forasteiro, não me hospedaste; estando nu, não me vestistes; achando-me enfermo e
preso, não fostes ver-me. E eles lhe perguntarão: Senhor, quando foi que te vimos com
fome, com sede, forasteiro, nu, enfermo ou preso, e não te assistimos? Então, lhes
responderá: Em verdade vos digo que, sempre que o deixastes de fazer a um destes mais
pequeninos, a mim o deixastes de fazer. E irão estes para o castigo eterno; porém os
justos, para a vida eterna”.

Ap 20.10 -“O diabo, o sedutor deles, foi lançado para dentro do lago do fogo e enxofre,
onde, também, se encontram não só a besta como o falso profeta; e serão atormentados,
de dia e de noite, pelos séculos dos séculos”.

Ap 14.11 - “A fumaça do seu tormento sobe pelos séculos dos séculos, e não têm
descanso algum, nem de dia, nem de noite, os adoradores da besta e da sua imagem, e
quem que receba a marca do seu nome”.

Jd 7 - “... como Sodoma e Gomorra e as cidades circunvizinhas que, havendo-se


entregue à prostituição, como aqueles, seguindo após outra carne, são postas, para
exemplo do fogo eterno, sofrendo punição”.

A segunda vinda de Cristo


As Testemunhas de Jeová aprendem que Jesus já veio, em 1914; contudo, negam
a sua vinda corporal. Afirmam isso, baseados no seguinte cálculo: partindo de
Apocalípse 12.6,14, tomam 1260 anos do versículo seis, e um tempo, dois tempos e
metade de um tempo, do versículo catorze (três anos e meio, ou 1260 dias), e somam
um com o outro, o que dá 2520 dias. Como os Adventistas, entendem que um dia
equivale a um ano. São, portanto, 2520 anos. E, tomando como base para o cálculo da
Segunda Vinda de Cristo o ano de 606 a.C., ano do início do cativeiro babilônico, a ele
somam os 2520 anos, chegando, assim, a 1914 d.C..

Só que a Bíblia diz que a vinda do Filho do homem será um fato visível a todo
olho; além disso, será precedida de alguns fatos e seguida de outros.

Mt 24.27 - “Porque assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até no ocidente,
assim há de ser a vinda do Filho do homem”.

Ap 1.7 - “Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até quantos o traspassaram. E
todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Certamente. Amém”.

Mt 24.30 - “Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; todos os povos da terra
se lamentarão e verão o Filho do homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e
muita glória”.

ITs 4.13-17 - “Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes com respeito aos
que dormem, para não vos entristecerdes como os demais, que não têm esperança. Pois
cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim, também, Deus,

mediante Jesus, trará juntamente em sua companhia os que dormem. Ora, ainda vos
declaramos, por palavra do Senhor, isto: nós, os vivos, os que ficarmos até a vinda do
Senhor, de modo algum precederemos os que dormem. Porquanto o Senhor mesmo,
dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo e ressoada a trombeta de Deus,
descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os vivos, os
que ficarmos, seremos arrebatados, juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro
do Senhor nos ares, e, assim, estaremos, para sempre, com o Senhor.

ICo 15.50-55 - “Isto afirmo, irmãos, que carne e sangue não podem herdar o reino de
Deus, nem a corrupção herdar a incorrupção. Eis que vos digo um mistério: nem todos
dormiremos, mas, transformados, seremos todos, num momento, num abrir e fechar de
olhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão
incorruptíveis, e nós seremos transformados. Porque é necessário que este corpo
corruptível se revista da incorruptibilidade, e que o corpo mortal se revista da
imortalidade, quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é
mortal se revestir de imortalidade; então, se cumprirá a palavra que
está escrita: “Tragada foi a morte pela vitória. Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde
está, ó morte, o teu aguilhão?”.

O milênio já começou

Para os seguidores de Russel, o início do Milênio foi previsto para 1914. Cristo
veio, espiritualmente, em 1874, ano de fundação da seita, e viria, literalmente, em 1914,
para instalar o reino milenar da paz. “Em 1914, findará o governo do Anticristo e o
Milênio será uma realidade”, afirmou Russel.

Justo, em 1914, teve início a primeira Guerra Mundial, trazendo no seu bojo
morte, destruição, horror, desespero, miséria e toda sorte de sofrimento. Quase que a
seita se desfaz.

Novamente uma mentira para cobrir outra. “A guerra não era outra coisa senão
Satanás, sendo expulso e destruído”, foi o que declarou Russel. Com a morte de Russel,
em 1916, Rutherford, para novamente tomar o pulso da situação, trouxe uma nova
revelação: “Jesus não virá corporalmente, e a data da ressurreição dos mortos e do início
do Milênio, será 1925”, foi o que afirmou Rutherford.

à Ninguém sabe a data da vinda de Cristo.

Mt 24.36 à“Mas a respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus,
nem o Filho, senão somente o Pai”.

E mais: Durante o Milênio, Satanás estará preso.

Ap 20.2,7 -  “Ele segurou o dragão, a antiga serpente, que é o diabo, Satanás, e o


prendeu por mil anos; quando, porém, se completarem os mil anos, Satanás será solto da
sua prisão”.

Quem, pois, está agindo no lugar do diabo para continuar espalhando doutrinas
como estas das Testemunhas de Jeová? Onde está a paz prometida para o Milênio? É
evidente que ainda não estamos no Milênio...

No Milênio, uma segunda chance de salvação

A doutrina russelita ensina que os ímpios que já morreram reviverão durante o


Milênio, e que estes poderão, então, se salvar. Senão, serão aniquilados: É o juízo final,
a Segunda Morte. Agora, quem já é Testemunha de Jeová, esse não terá nenhum tipo de
dificuldade, pois, ao reviver, já estará salvo.
Não existe na Bíblia Sagrada nada que possa sustentar este tipo de ensino. Pelo
contrário, a Bíblia nos alerta para o perigo de deixarmos escapar tão grande salvação,
nos fala que, após a morte, segue-se o juízo, e eis, agora, o dia da salvação.

Hb 2.3 - “Como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação? A qual,


tendo sido anunciada, inicialmente, pelo Senhor, foi-nos, depois, confirmada pelos que a
ouviram;”.

Hb 9.27 - “E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez e, depois
disto, o juízo, ...”.

IICo 6.2 -“... (porque ele diz: Eu te ouvi no tempo da oportunidade e te socorri no dia da
salvação; eis, agora, o tempo sobremodo oportuno, eis, agora, o dia da salvação);”.

Os 144.000

Russel começou ensinando que apenas 144.000 iriam para o céu:, as fiéis
Testemunhas de Jeová, os seus seguidores da época. Só que Russel não contava com o
rápido crescimento da seita. E, em 1935, Rutherford teve que apresentar uma nova
doutrina para explicar a situação, pois a seita já tinha mais de 144.000 adeptos. Criou-se
a doutrina da Grande Multidão. Os servos escolhidos para reinar com Cristo, no reino
celeste, seriam apenas 144.000, o Pequeno Rebanho; as demais Testemunhas viveriam
aqui na Terra, sob o domínio de Cristo e Sua Igreja no céu. Os que ficarem na Terra não
são considerados como Igreja. A Palavra de Deus não faz acepção entre salvos e salvos.

Mt 11.11 - “Em verdade vos digo: Entre os nascidos de mulher, ninguém apareceu
maior do que João Batista; mas o menor no reino dos céus é maior do que ele”.

At 10.34-35 - “Então falou Pedro, dizendo: Reconheço por verdade que Deus não faz
acepção de pessoas; pelo contrário, em qualquer nação, aquele, que o teme e faz o que é
justo, lhe é aceitável”.

ICo 15.51 - “Eis que vos digo um mistério: Nem todos dormiremos, mas transformados
seremos todos”.

ITs 4.16-17 - “Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz
do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo
ressuscitarão primeiro; depois, nós, os vivos, os que ficarmos (os que não morreram),
seremos arrebatados, juntamente com eles (os que morreram e ressuscitaram), entre
nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos, para sempre, com o
Senhor”.

Sl 2.7-12 - “Proclamarei o decreto do Senhor: Ele me disse: Tu és meu Filho, eu hoje te


gerei. Pede-me, e eu te darei as nações por herança, e as extremidades da terra por tua
possessão. Com vara de ferro as regerás, e as despedaçarás como um vaso de oleiro.
Agora, pois, ó reis, sede prudentes; deixai-vos advertir, juízes da terra. Servi ao Senhor
com temor, e alegrai-vos nele com tremor. Beijai o Filho para que se não irrite, e não
pereçais no caminho; porque, dentro em pouco, se lhe inflamará a ira. Bem-aventurados
todos os que nele se refugiam”.

Fp 3.20-21 - “Pois a nossa pátria está nos céus, de onde, também, aguardamos o
Salvador, o Senhor Jesus Cristo, o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para
ser igual ao corpo da sua glória”.

A Trindade

Outra mentira, inventada e espalhada por Satanás, para enganar a humanidade é a


falsa doutrina da Trindade, “Satanás é o originador da doutrina da Trindade”. Essas são
algumas afirmações do ensino russelita a respeito da Trindade.

Dizem que a palavra Trindade não consta das Escrituras. É verdade! Newton
inventou a Lei da Gravidade ou, simplesmente, elucidou-a? Tertuliano inventou a
doutrina da Trindade ou, simplesmente, interpretou-a?

A idéia da Trindade se faz presente em muitos textos bíblicos:

Gn 1.26 - “Também, disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa
semelhança”.

A criação do homem. Note que o verbo está no plural. A palavra Deus, aí, é, no
original, ELOHIM, um plural.

Gn 3.22 - “Eis, que o homem se tornou como um de nós”. Afirmou Deus.

Gn 11.7 - “Vinde, desçamos, e confundamos”. A Torre de Babel.

Is 6.3,8 - “E clamavam uns para os outros, dizendo: Santo, santo, santo é o Senhor dos
Exércitos...; ... e quem há de ir por nós?”. O chamado de Isaías.

Mt 3.16-17 - “Batizado Jesus, saiu logo da água, e, eis que, se lhe abriram os céus, e viu
o Espírito de Deus descendo como pomba, vindo sobre ele. E, eis, uma voz dos céus,
que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo”. O Filho, o Espírito Santo
e o Pai falando.

Mt 28.19 - “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do


Pai e do Filho e do Espírito Santo”.

ICo 12.4-6 - “ Ora, os dons são diversos, mas o Espírito é o mesmo. E, também, há
diversidade nos serviços, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade nas realizações,
mas o mesmo Deus é quem opera tudo em todos”.
IICo 13.13 - “A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do
Espírito Santo sejam com todos vós”.

Ef 4.4-6 - “Há somente um corpo e um Espírito, como, também, fostes chamados numa
só esperança da vossa vocação; há um só Senhor, uma só fé, um só batismo; um só
Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, age por meio de todos e está em todos”.

IPe 1.2 - “... eleitos, segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito,
para a obediência e a aspersão do sangue de Jesus Cristo: Graça e paz vos sejam
multiplicadas”. Jd 20-21 - “Vós, porém, amados, edificando-vos na vossa fé santíssima,
orando no Espírito Santo, guardai-vos no amor de Deus, esperando a misericórdia de
nosso Senhor Jesus Cristo, para a vida eterna”.

Nm 6.24-26 - “O Senhor te abençoe e te guarde; o Senhor faça resplandecer o seu rosto


sobre ti, e tenha misericórdia de ti; o Senhor sobre ti levante o seu rosto, e te dê a paz”.

Ap 4.8 - “E os quatro seres viventes, tendo cada um deles, respectivamente, seis asas,
estão cheios de olhos, ao redor e por dentro; não têm descanso, nem de dia, nem de
noite, proclamando: Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-poderoso, aquele que
era, que é e que há de vir”.

Ap 5.1,6-7 - “Vi na mão direita daquele, que estava sentado no trono, um livro escrito
por dentro e por fora, de todo selado com sete selos. Então vi, no meio do trono e dos
quatro seres viventes e entre os anciãos, de pé, um Cordeiro, como tinha sido morto. Ele
tinha sete chifres, bem como sete olhos, que são os sete espíritos de Deus enviados por
toda a terra. Veio, pois, e tomou o livro da mão direita daquele que estava sentado no
trono;”.

Jo 8.16-18 com Jo 14.16

“Se eu julgo, o meu juízo é verdadeiro, porque não sou eu só, porém eu e aquele que me
enviou. Também, na vossa lei está escrito que o testemunho de duas pessoas é
verdadeiro. Eu testifico de mim mesmo, e o Pai, que me enviou, também testifica de
mim”.

“E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre
convosco”.

Os russelitas, baseiam a sua doutrina, de que não existe a Trindade, em Dt 6.4. Na


verdade Deus inspirou Moisés a escrever esta passagem, em face do grande número de
deuses pagãos das nações vizinhas do Seu povo.

 
ATRIBUTOS O PAI O FILHO O ESPÍRITO SANTO
Onipresente Jr 23.24 Ef 1.20-23 Sl 139.7
Onipotente Gn 17.1 Ap 1.8 Rm 15.19
Onisciente At 15.18 Jo 21.17 ICo 2.10
Criador Gn 1.1 Jo 1.3 Jo 33.4
Eterno Rm 16.26 Ap 22.13 Hb 9.14
Santo Ap 4.8 At 3.14 Jo 1.33
Santificador Jd 24,25 Hb 2.11 IPe 1.2
Fonte da vida eterna Rm 6.23 Jo 10.28 Gl 6.8
Mestre Is 48.17 Mt 23.8 Jo 14.26
Ressuscita mortos ICo 6.14 Jo 2.19 IPe 3.18
Inspirador dos profetas Hb 1.1 IICo 13.3 Mc 13.11
Salvador Tt.3.4 Tt 3.6 Jo 3.8
Supridor de ministros Jr 3.15 Ef 4.11 At 20.28

O Espírito Santo

Dizem que o Espírito Santo é um poder ou influência de Deus para a execução da


Sua vontade. É um fluído que emana do Deus Jeová; não co-existe com Ele, afirmam.

A tabela de atributos comuns a Deus-Pai, Deus-Filho e Deus-Espírito Santo serve


para refutar este ensinamento perverso. Além dela, vemos em:

At 5.3-4 - “... para que mentisses ao Espírito Santo... ...Não mentiste aos homens, mas a
Deus”.

Vemos o Espírito Santo agindo como uma pessoa nas seguintes passagens:

Falando

– At 8.29 - “Então disse o Espírito a Filipe: Aproxima-te desse carro, e acompanha-o”.

Intercedendo –

Rm 8.26-27 - “Também o Espírito, semelhantemente, nos assiste em nossa fraqueza;


porque não sabemos orar como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós,
sobremaneira, com gemidos inexprimíveis. E aquele que sonda os corações sabe qual é
a mente do Espírito, porque, segundo a vontade de Deus, é que ele intercede pelos
santos”.

Sendo entristecido – Ef 4.30 - “E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes


selado para o dia da redenção”.
Dando ordens – At 16.6-7 - “E, percorrendo a região frígio-gálata, tendo sido impedido
pelo Espírito Santo de pregar a palavra na Ásia, defrontando Mísia, tentavam ir para
Bitínia, mas o Espírito de Jesus não o permitiu”.

At 13.2 - “E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o Espírito Santo: Separai-me
agora a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado”.

Tendo vontade – ICo 12.11 - “Mas um só e o mesmo Espírito realiza todas estas cousas,
distribuindo-as, como lhe apraz, a cada um, individualmente”.

Enfim, a pessoa de Jesus

A doutrina de Russel ensina que Jesus não é Deus. Que Jesus é um ser criado, e
que, depois de ter sido criado, foi usado pelo Deus Jeová para auxiliá-lo na criação. Por
isso, Jesus é chamado de o Primogênito, porque foi o primeiro a ser criado.

IJo 4.1-3 -“Amados, não deis crédito a qualquer espírito: antes, provai os espíritos se
procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora. Nisto
conhecereis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em
carne é de Deus; e todo espírito que não confessa a Jesus, não procede de Deus; pelo
contrário, este é o espírito do anti-cristo, a respeito do qual tendes ouvido que vem, e
presentemente já está no mundo”.

Como devemos agir para provar os espíritos, se procedem de Deus?

IJo 2.22-23 - “Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é Cristo? Este é o
anti-cristo, o que nega o Pai e o Filho. Todo aquele que nega o Filho, esse não tem o
Pai; aquele que confessa o Filho, tem igualmente o Pai”.

Jo 10.30 - “Eu e o Pai somos um”.

Jo 14.9 -“... Filipe, há tanto tempo estou convosco, e não me tens conhecido? Quem me
vê a mim, vê o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai?”.

Hb 1.1-3 - “Havendo Deus, outrora falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais,
pelos profetas, nestes últimos dias nos falou pelo Filho a quem constituiu herdeiro de
todas as cousas, pelo qual, também, fez o universo. Ele, que é o resplendor da glória e a
expressão exata do seu Ser, sustentando todas as cousas pela palavra do seu poder,
depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade nas
alturas, ...”.

Cl 2.8-9 - “... está escrito: Cuidado que ninguém vos venha enredar com sua filosofia e
vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo, e
não segundo Cristo: Porquanto nele habita, corporalmente, toda a plenitude da
divindade”.

Lc 10.22 - “Tudo me foi entregue por meu Pai. Ninguém sabe quem é o Filho, senão o
Pai; e, também, ninguém sabe quem é o Pai, senão o Filho, e aquele a quem o Filho o
quiser revelar”.

Afirmando que Jesus Cristo é Deus.

Hb 1.8 - “... mas, acerca do Filho: O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre”.

Outras passagens bíblicas afirmam que Jesus Cristo é Deus. E são:

IIPe 1.1 - “Simão Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo, aos que conosco obtiveram
fé, igualmente, preciosa na justiça do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo:”.

IJo 5.20 - “Também sabemos que o Filho de Deus é vindo, e nos tem dado
entendimento para reconhecermos o verdadeiro; e estamos no verdadeiro, em seu Filho
Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna”.

Mt 1.23 - “Eis que a virgem conceberá e dará a luz um filho, e ele será chamado pelo
nome de Emanuel (que quer dizer: Deus conosco)”.

Is 9.6 - “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os
seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da
Eternidade e Príncipe da Paz;”.

Tt 2.13 - “... aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande


Deus e Salvador Cristo Jesus”.

Rm 9.5 -”... deles são os patriarcas e também deles descende o Cristo, segundo a carne,
o qual é sobre todos. Deus bendito para todo o sempre. Amém”.

 Assim, as Testemunhas de Jeová estão, na verdade, recusando a grande salvação


que é oferecida pelo Pai, que eles chamam de o único Deus. “Ninguém vem ao Pai
senão por mim”; “Aquele que não tem o Filho, não tem o Pai”. Como poderão eles se
salvar, se o Pai é revelado na pessoa do Filho?

Jo 3.36 - “Por isso quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém
rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus”.

Cuidado, aí estão as Testemunhas de Jeová, os Russelistas, eles nada têm em nós,


os evangélicos, os amantes da Bíblia Sagrada.
 

ISLAMISMO

É uma religão e um projeto de organização da sociedade expresso na palavra árabe islã,


a submissão confiante a Alá (Allah, em árabe - Deus, ou "a divindade", em abstrato).
Seus seguidores chamam-se muçulmanos (muslimun, em árabe): os que se submetem a
Deus para render-lhe a honra e a glória que lhe são devidas como Deus único. Fundado
por Maomé, o islamismo reúne hoje cerca de 850 milhões de fiéis e é a religião que
mais cresce em todo o mundo.

          Maomé (570 d.C.-632 d.C.) (corruptela hispânica de Mohammed, nome próprio


derivado do verbo hâmada e que significa "digno de louvor") nasce em Meca na tribo
árabe coraixita, e trabalha como mercador. Segundo a tradição, aos 40 anos recebe a
missão de pregar as revelações trazidas de Deus pelo arcanjo Gabriel. Seu monoteísmo
choca-se com as crenças tradicionais das tribos semitas e, em 622, Maomé é obrigado a
fugir para Iatribe, atual Medina, onde as tribos árabes vivem em permanente tensão
entre si e com os judeus. Maomé estabelece a paz entre as tribos árabes e com as
comunidades judaicas e começa uma luta contra Meca pelo controle das rotas
comerciais. Conquista Meca em 630. Morre dois anos depois, deixando uma
comunidade espiritualmente unida e politicamente organizada em torno aos preceitos do
Corão.

          Comunidade do Islã - A fuga de Maomé de Meca para Medina, em 622,


chamada hégira (busca de proteção) marca o início do calendário muçulmano e indica a
passagem de uma comunidade pagã para uma comunidade que vive segundo os
preceitos do Islã. A doutrina do profeta e a idéia de comunidade do Islã (al-Ummah)
formam-se durante a luta pelo controle de Meca: todos os muçulmanos são irmãos e
devem combater todos os homens até que reconheçam que só há um Deus.

          Corão - Livro sagrado do islamismo, o Alcorão (recitação) é revelado a Maomé


pelo arcanjo e redigido ao longo dos cerca de 20 anos de sua pregação. É fixado entre

644 e 656 sob o califado de Uthman ibn Affan: são 6.226 versos em 114 suras
(capítulos). Traz o mistério do Deus-Uno e a história de suas revelações de Adão a
Maomé, passando por Abraão, Moisés e Jesus, e também as prescrições culturais,
sociais, jurídicas, estéticas e morais que dirigem a vida individual e social dos
muçulmanos.

          Suna - A segunda fonte doutrinal do islamismo. É um compêndio de leis e


preceitos baseados nos ahadith (ditos e feitos), conjunto de textos com as tradições
relativas às palavras e exemplos do Profeta.
          Deveres dos muçulmanos - Todo muçulmano deve prestar o testemunho
(chahada), ou seja, professar publicamente que Alá é o único deus e Maomé é seu
profeta; fazer a oração ritual (salat) cinco vezes ao dia (ao nascer do Sol, ao meio-dia,
no meio da tarde, ao pôr-do-sol e à noite), voltado para Meca e prostrado com a fronte
por terra; dar a esmola legal (zakat) para a purificação das riquezas e a solidariedade
entre os fiéis; jejuar do nascer ao pôr-do-sol, durante o nono mês do calendário
muçulmano (Ramadan); e fazer uma peregrinação (hadjdj) a Meca ao menos uma vez
na vida, seja pessoalmente, se tiver recursos, ou por meio de procurador, se não tiver.

          Festas islâmicas - A Grande Festa ou Festa do Sacrifício (Eid Al-Adha) é


celebrada no dia 10 do mês de Thul-Hejjah (maio/junho). A Pequena Festa (Eid Al-
Fitr), celebrada nos três primeiros dias do mês de Shaual (março/abril), ao final do
jejum do mês de Ramadan , comemora a revelação do Alcorão. Celebra-se ainda a
Hégira, o Ano-novo do calendário muçulmano, no dia 1º do mês de Al-Moharam
(junho/julho), e o aniversário de nascimento do Profeta, no dia 12 do mês de Rabi'I
(agosto/setembro).

Calendário muçulmano - Mede o ano pelas 12 revoluções completas da Lua


em torno da Terra e é, em média, 11 dias menor do que o ano solar. A hégira, fuga de
Maomé de Meca, marca o Ano-novo.

DIVISÕES DO ISLAMISMO

Os muçulmanos estão divididos em dois grandes grupos, os sunitas e os xiitas. Essas


tendências surgem da disputa pelo direito de sucessão a Maomé. A divergência
principal diz respeito à natureza da chefia: para os xiitas, o líder da comunidade (imã) é
herdeiro e continuador da missão espiritual do Profeta; para os sunitas, é apenas um
chefe civil e político, sem autoridade espiritual, a qual pertence exclusivamente à
comunidade como um todo (umma). Sunitas e xiitas fazem juntos os mesmos ritos e
seguem as mesmas leis (com diferenças irrelevantes), mas o conflito político é
profundo.

        Sunitas - Os sunitas são os partidários dos califas abássidas, descendentes de all-


Abbas, tio do Profeta. Em 749, eles assumem o controle do Islã e transferem a capital
para Bagdá. Justificam sua legitimidade apoiados nos juristas (alim, plural ulemás) que
sustentam que o califado pertenceria aos que fossem considerados dignos pelo consenso

da comunidade. A maior parte dos adeptos do islamismo é sunita (cerca de 85%). No


Iraque a maioria da população é xiita.

        Xiitas - Partidários de Ali, casado com Fátima, filha de Maomé, os xiitas não
aceitam a direção dos sunitas. Argumentando que só os descendentes do Profeta são os
verdadeiros imãs: guias infalíveis em sua interpretação do Corão e do Suna, graças ao
conhecimento secreto que lhes fora dado por Deus. São predominantes no Irã e no
Iêmen. A rivalidade histórica entre sunitas e xiitas se acentua com a revolução iraniana
de 1979 que, sob a liderança do aiatolá Khomeini (xiita), depõe o xá Reza Pahlevi e
instaura a República islâmica do Irã.

       Outros grupos - Além dos sunitas e xiitas, existem outras divisões do islamismo,
entre eles os zeiitas, hanafitas, malequitas, chafeitas, bahais, sunitas, hambaditas.
Algumas destas linhas surgem no início do Islã e outras são mais recentes. Todos esses
grupos aceitam Alá como deus único, reconhecem Maomé como fundador do Islamismo
e aceitam o Corão como livro sagrado. As diferenças estão na aceitação ou não da Suna
como texto sagrado e no grau de observância das regras do Corão.

HINDUÍSMO

O Hinduísmo é uma das religiões mais antigas – alguns dos seus manuscritos sagrados
são de 1400 a 1500 A.C. Também é uma das religiões mais diversas e complexas,
possuindo milhões de deuses. Os hindus possuem uma grande variedade de crenças
básicas e contêm muitas seitas diferentes. Apesar de ser a terceira maior religião do
mundo, o Hinduísmo existe primeiramente na Índia, Nepal e em menor escala em
alguns países ao redor.

Os textos principais do Hinduísmo são: Veda (considerado o mais importante),


Upanishadas, Mahabharata e o Ramayana. Essas escrituras contêm hinos,
encantamentos, filosofias, rituais, poemas, e histórias nas quais os hindus baseiam suas
crenças. Outros textos usados pelo Hinduísmo são os Brahmanas, Sutras e os
Aranyakas.

Apesar de o Hinduísmo ser conhecido como uma religião politeísta, com cerca de 330

milhões de deuses, também tem um "deus" que é supremo: Brahma. Acredita-se que
Brahma seja uma entidade que habita em toda área da realidade e existência, por todo o
universo. Acredita-se que Brahma seja um deus impessoal que não pode ser conhecido e
que ele existe em três formas separadas: Brahma—Criador; Vishnu—Preservador e
Shiva – Destruidor. Essas "facetas" do Brahma são também conhecidas através de
muitas encarnações de cada uma. É extremamente difícil descrever a teologia hindu
exatamente, já que praticamente todo sistema de teologia é influenciado de uma forma
ou outra pelo Hinduísmo. O Hinduísmo pode ser:

1) Monístico – Apenas uma coisa existe; a escola de Sankara


2) Panteísta – Apenas uma coisa divina existe, por isso Deus é idêntico ao mundo;
Brahmanismo

3) Panenteísmo – O mundo faz parte de Deus; a escola de Ramanuja


4) Teísta – Apenas um Deus, distinto da Criação; Hinduísmo Bhakti

Ao observar outras escolas do Hinduísmo, alguém pode defender a ideia de que o


Hinduísmo seja ateísta, deístico ou até mesmo niilista. Com tanta diversidade sob o
título "hindu", é preciso perguntar: o que faz uma religião "hindu" em primeiro lugar? O
ponto principal em questão é se um sistema de crença enxerga os Vedas como sagrado
ou não. Se sim, então é hindu. Se não, então não é. O assunto mais importante, no
entanto, é intangível. Os Vedas são mais do que simples livros de teologia. Eles contêm
uma rica e colorida "theo-mitologia", quer dizer, uma mitologia religiosa que
deliberadamente se mistura com mitos, teologia e história para atingir uma base em
forma de histórias. Essa "theo-mitologia" é tão bem fixada à história e cultura da Índia,
que rejeitar os Vedas pode ser encarado como rejeitar a Índia. Portanto, um sistema de
crença é rejeitado pelo Hinduísmo se não adotar a cultura indiana de uma forma ou
outra. Se aceitar a cultura indiana e sua história theo-lendária, então pode ser enxergado
como "hindu", mesmo se sua teologia for teísta, niilista, ateísta ou outra. Essa aceitação
simultânea de tantas contradições pode ser uma dor de cabeça para as pessoas ocidentais
que tentam achar consistência lógica e defesa racional nas opiniões religiosas do
Hinduísmo. No entanto, é bem verdade que Cristãos não são mais lógicos do que os
hindus quando clamam uma fé no Yahweh, mas ao mesmo tempo vivem suas vidas
como ateus praticantes, negando a Cristo com suas vidas. Para o hindu, o conflito é uma
contradição lógica e genuína. Para o Cristão, o conflito é provavelmente uma questão de
hipocrisia.
O Hinduísmo também tem uma visão diferente da humanidade. Porque Brahma é tudo,
o Hinduísmo acredita que todos são divinos. Atman, ou cada ser, é um com Brahma.
Toda realidade fora do Brahma é considerada uma simples ilusão. O objetivo espiritual
de um hindu é se tornar um com o Brahma, deixando então de existir em sua forma
ilusória de "ser individual". Essa liberdade é conhecida como “moksha”. Até o estado
“moksha” ser alcançado, o hindu acredita que essa pessoa vai continuar reencarnando
para que possa trabalhar em se tornar a auto-realização da verdade (a verdade de que
apenas Brahma existe, nada mais). A forma em que cada pessoa reencarna é
determinada pelo Carma, o qual é um princípio de causa e efeito governado pelo
equilíbrio da natureza. O que uma pessoa fez no passado afeta e corresponde com o que
acontece no futuro, incluindo o passado e futuro de diferentes vidas.
Apesar de esse ser um simples resumo, é fácil ver que o Hinduísmo se opõe ao
Cristianismo bíblico em quase todas as áreas do seu sistema de crença. O Cristianismo
tem um Deus que é pessoal e conhecível (Deuteronômio 6:5; 1 Coríntios 8:6); um só
livro conhecido como as Escrituras; ensina que Deus criou a terra e tudo que nela existe
(Gênesis 1:1ff; Hebreus 11:3); acredita que o homem foi criado à imagem de Deus e
vive apenas uma vez (Gênesis 1:27; Hebreus 9:27-28) e ensina que a salvação é
somente através de Jesus Cristo (João 3:16; 6:44; 14:6; Atos 4:12). O Hinduísmo como
um sistema religioso falha porque deixa de reconhecer Jesus como o Deus-homem e
Salvador, a única fonte suficiente de salvação para toda a humanidade.

Você também pode gostar