Você está na página 1de 30

r

LANCAMENTO HORIZONt4L ,E , , LANÇAMENTO OBLlOUO NO VACUO


-".i, M.'- -:MI:';ii: -" d;,}ii,
1. Princípio
da independência dos movimentos simultâneos (Galileu)
2. Lançamento 3. Lançamento
,,.
horizontal no vácuo oblíquo no vácuo
'lpr,;- ?;-'-'- l!-'- o{' .
"!C. '.;. e.
Analisamos, neste capftulo, os movimentos de corpos lançados horizontalmente e lançados
obliquamente no vácuo, nas proximidades da superfície da Terra, à luz do princfpio da
independência dos movimentos simultâneos.
1. PRINCÍPIO DA INDEPEND ÊNCIA DOS MOVIMENTOS SIMULTÂNEOS (GALILEU)
Estudando os problemas independência relativos a um movimento Galileu simultâneos
composto, isto é, resultante da composida ção de dois ou mais movimentos, propôs o princípio
da simuitaneidade ou princípio
i
I
dos movimentos
(veja pág. 139).
composto, cada um-d-o ovime ;s cornpo-
Se um móvel apresenta
um movimento
nentes se realiza como se os demais não existissem e no mesmo intervalo
de tempo. às margens
I
de
!
Assim, por exemplo, consideremos o caso de um barco que sai perpendicularmente de um rio
e arrastamento
é arrastado
rio abaixo
pela correnteza, atingindo a margem oposta num ponto situado rio abaixo. O
tempo gasto pelo móvel na travessia
é
o mesmo que gastaria sem correnteza.
O movimento do outro.
é
simultâneo
ao movimento
próprio do barco, mas independente
dele. Os
dois movimentos
ocorrem ao mesmo tempo, mas um não interfere na realização
2. LANÇAMENTO HORIZONTAL NO VÁCUO
Quando uma trajetória o resultado movimento um corpo
é
lançado (Fig. 1).
horizontalmente
no vácuo, ele descreve,
em relação
à
Terra, como livre e
parabólica
Esse movimento horizontal.
pode ser considerado,
de acordo com o princípio simultâneos
da simultaneidade, queda
da composição
de dois movimentos
e independentes:
V
o
- A trajetória de um corpo lançado horizontalmente no vácuo é uma parábola.
170
Os
fUNDAMENTOS
DA FíSICA
CAPiTULO
10 -
lANÇRMENTO
HORIZONTnl
E lHNCAMENTO
OAI iQUO
NO
VÁcuo
171
i:'
efoeicio .e otvwo
R.70 Após uma enchente, do horizontalmente um grupo de pessoas ficou ilhado a uma altura
de 720 m e mantendo numa região. Um avião de salvamento, uma velocidade de 50 m/s, deve
deixar na direção A que distância, voancair horido um pacote com medicamentos zontal, o
avião deve abandonar ar e adote g Solução: e víveres para as pessoas isoladas.
ªi
w
o
i
o pacote para que o mesmo atinja o grupo? Despreze a resistência
:i1
=
10 m/s'.
O
A foto mostra a trajetória parabólica descrita por um corpo lançado horizontalmente,
pacote cai e, ao mesmo tempo, avança horicontinuando, por inércia, o movide
zontalmente, donado tempo
-
- -;
mento do avião. Assim, o pacote deve ser abannuma posição tal que, no intervalo que gasta
para cair, ele percorra necessária o tempo a dis-
a) Queda livre É um movimento
uniformemente
tância horizontal
para atingir o gruvertical.
:5
vertical,
sob a ação exclusiva
da gravidade, constante
Trata-se de um movimento (aceleração da gravidade).
po. Calculamos
de queda como se o na direção
variado,
pois sua aceleração
se mantém
pacote caísse livremente
= 720
m
b) Movimento horizontal É um movimento uniforme,
aceleração na direção inércia, mantendo v'do a velocidade
pois não existe nenhuma o móvel o realiza por que foi lançado. resultante é dada que
permódulo verti J'
"u
.
v
Y;"
s = gl'
x-
horizontal;
Vo com
à
'?
)o;:
3
0
Em cada ponto da trajetória, pela soma vetorial da velocidade
a velocidade horizontal
v"
móvel, cuja direção é tangente
trajetória,
ti
oc
'2
v
720 = 101'
2
I'
=
144
11=
12 s
I
na direção horizontal e com velocida-
3
manece constante, e da velocidade vertical varia, pois a aceleração cal (Fig. 2): da gravidade
v)' cujo
.
Durante esses 12 s, o pacote avança com movimento de constante = 50 m/s. Assim: x = vI
uniforme
tem direção
.8
o
x
= 50, 12 quando
:.
I
x
= 600 m
I
medidos na dire-
8
Resposta: O pacote deve ser abandonado ção horizontal.
o avião estiver
a 600 01 do grupo,
Q=vo+;J
Assim, do aumento
em virtude
à
medida que o móvel se movimenta, do módulo de seu vetar componente
o módulo de sua velocidade vertical
v)'
v cresce
I
t8
i
1
R.71
Uma esfera rola com velocidade
constante
de 10 m/s sobre uma mesa horizontal.
Ao abandonar
a
mesa, ela fica sujeita exclusivamente a) b) c) o tempo de queda;
à ação da gravidade
(g = 10 m/s'), atingindo
o solo num ponto
situado a 5 m do pé da mesa. Determine: a altura da mesa em relação ao solo; o módulo da
velocidade da esfera ao chegar ao solo.
Solução: a) Ao abandonar com velocidade
x
a mesa, a esfera apresenta, movimento uniforme
Vo = lü rn/s, Assim:
na direção horizontal,
OCl-=:
=
Vul
:.
5 = 101 .'.
é também
1I
= 0,5 s
I
Esse tempo
o tempo
de queda,
cujo movimento
é simultâneo.
.r. I
x
.
--------
Vo
X
5m
Y
b) Fotos estroboscópicas do movimento de uma esfera Que abandona uma mesa a certa altura
do solo, tiradas de duas posições diferentes, Em (A), tirada de cima, percebe-se o movimento
uniforme na direção horizontal: a mão do operador indica o ponto em Que o corpo abandona a
mesa, Em (8), tirada de frente, destaca-se o movimento da esfera na direção vertical (queda),
após abandonar a mesa, Simultaneamente ao movimento horizontal, a esfera cai de uma altura
s em queda livre:
s=
gIZ
s
=
2
10(0,5)' 2
I
s
=
1,25 m
I
172
Os
FUNDAMENTOS
Da
FíSICA
CAPíTULO
10 -
LAN AMENTO
HORIZONTAL
E LANÇAMENTO
ORlíQUO
NO
VÁcuo
173
c) Ao chegar ao solo, a velocidade vetorial da esfera pode ser considerada resultante da
composição da velocidade horizontal que se mantém constante e da velocidade na direção
vertical (v,), cujo módulo é dado por: v, = Vo + g' t (vo = O; g = 10 m/s'; t = 0,5 s) vy = 0'+ 10 05
't i:. v = 5m/s Aplicando o Teorema de Pitágoras ao triângulo sombreado na figura, obtemos o
módulo da velocidade vetorial da esfera ao chegar ao solo:
v'=v:+v v' = (10)' + (5)' v'
= 125
=
100 + 25
:.
I v:; 11,2 m/s I
1,25 m; c) v:; 11,2 tn] .
Respostas: a) t
= 0,5 s; b) s =
VyL
. :V
P.200 Um avião de socorro voa horizontalmente a uma altura h = 720 rn, a fim de lançar um
fardo de mantimentos para uma população flagelada. Quando o avião se encontra à distância d
= 1.200 m da população, na direção horizontal (veja a figura). o piloto abandona a carga,
(Adote g = 10 m/s',) a) Qual a trajetória do fardo vista pelo piloto, 111 , considerando que o
avião mantenha invariávelo seu movimento? b) Qual a trajetória do fardo vista por um elemento
da população? c) Quanto tempo o fardo leva até chegar aos flagelados? d) Qual o módulo da
velocidade do avião? e) Qual o módulo da velocidade do fardo quando ele chega ao solo?
-;
r
-;'
.I
v
úekoCicio p"Opo to
P.198
. "-"'3s.
I
I
Vo
'r
= 250 m/s
I
o
2.000 m
!
o
P.201 Uma bolinha rola com velocidade de módulo constante v = 5 m/s sobre uma mesa
horizontal ft? :iIi/UlJ@fI de altura h = 1,25 m e. com essa velocidade, abandona a borda da
mesa, (Adoteg = 10 m/s2,) a) Desenhe a trajetória descrita pela bolinha, h após abandonar a
mesa, b) Em quanto tempo a bolinha chega ao chão'? I c) O intervalo de tempo calcuiado no
item anterior seria maior. menor ou igual, se a bolinha fosse apenas abandonada a partir da
borda da mesa? Por quê? d) Localize o ponto em que a bolinha toca o chão, calculando seu
deslocamento tal a partir do instante em que abandona a borda ela mesa, e) Calcule o módulo
da velocidade com que a bolinha chega ao chão,
v
T
I
na direção horizon-
Um avião voa horizontalmente a 2.000 m de altura com velocidade de 250 m/s no instante em
que abandona um pacote. Adote g = 10 m/s2 e despreze a ação do ar. Determine: a) o tempo
de queda do pacote; b) a distância que o pacote percorre na direção horizontal desde o
lançamento até o instante em que atinge o solo; c) o módulo da velocidade do pacote ao àtíngtr
o solo. P.199 Da beira de um barranco situado a 39,2 m em relação ao nível inferior do solo,
um garoto chuta uma bola, ímprimindo-lhe uma velocidade horizontal de 4,0 m/s, como mostra
a figura ao lado. Na parte inferior do barranco, a 40,0 m da vertical do primeiro garoto, um outro
garoto vai tentar pegar a bola. Determine a que distância, à frente ou atrás do segundo garoto,
a bola lançada cairá (adote g = 10 m/s' e despreze a resistência do ar).
1
3. LANÇAMENTO OBLÍQUO NO VÁCUO
Considere um corpo sendo lançado com velocidade rizontal Terra, um ângulo
t
t
;:;0
numa direção A trajetória
que forma com a hode seu descrita, em relação
a,
Desprezada a resistência do ar, o móvel fica sob a ação exclusiva
peso e sujeito apenas, portanto,
à
aceleração
da gravidade.
à
é
uma parábola (Fig, 3),
fi"
"l'-' ' f
39,2 m
'1
Hl
- Lançamento obliquo no vácuo,
li.', -=-' 1 . - . - - : -",!.; :. 'r.
-
,';
tI.
A distância horizontal retoma ao nível horizontal
que o corpo percorre desde o lançamento até o instante em que do lançamento é denominada
alcance (A). O máximo deslocamento como resultado vertical uniforme, da composição de não
do móvel na direção vertical chama-se altura máxima ou flecha (H) do lançamento.
,
:t.
O movimento dois movimentos cuja aceleração há aceleração.
descrito pelo corpo pode ser considerado simultâneos e independentes: é a da gravidade, e um
movimento horizontal
um movimento
uniformemente
variado,
pois na horizontal
40,Om
Vamos analisar separadamente
cada um desses movimentos
componentes.
174
'
Os
FUNDAMENTOS
DR fíSICR
CRPíTUlO
10 -
LRNÇRMENTO
HORIZONTAL
E lRN RMENTO
OBlÍQUO
NO
VÁcuo
175
3.1 -
Movimento vertical (MUV)
um eixo
o
no ponto y
VI'
módulo
da velocidade
horizontal
v,
é
ALCANCE
DO LANÇAMENTO
Consideremos de lançamento
Oy
com origem
dado por:
e orientado
para cima. A aceleração
escalar do movimento Se projetarmos direção do eixo
vertical será: obteremos (Fig. 4)
ex
= - g.
a velocidade
de lançamento
;0 na
Oy,
a velocidade inicial
-;',lÂ
o
- O módulo da velocidade vertical varia como no lançamento vertical para cima'
í-:' :'
velocidade a velocidade vertical
Vo
cos
e
a que
A , na qual não foi representada
vertical
;0' cujo
"
módulo
é
dado por:
;y'
mostra que, qualquer
I
Va" = Vo sen
e]
da veloy
seja o ponto da trajetória
em que o móvel esteja,

o
Ax
Quando lançamento: Logo:
o móvel retorna ao nível de
v,.
v
horizontal
é
sempre a mesma:
=-
V
Oy
'
Sob a ação da gravidade, cidade vertical sobe, anula-se (apresentando a velocidade Como
o módulo
;y diminui
no ponto
à medida que o corpo
mais alto e aumenta
ALTURA
MÁXIMA
o vetor sentido contrário)
à
medi-
da que o corpo desce. Na representa-se
v,. em
várias
posições na direção
do móvel, vertical
tendo-se omitido uniformemente
a componente variado,
horizontal.
o movimento
éI
Hfn
Vy=
-l
I
[}x
Assim, função ser escrita: sendo horária
CONSTANTE] uniforme, a
v y = Voy
+ oi, onde ex = - g
gt,
g
donde
um movimento
- Vo = Vo ,. y
do movimento
horizontal
pode Durante
o t= Y
esse tempo, o móvel avança a distância A (alcance):
2v
O
x vJl '-
I
= No quadro que nos permite gulo de tiro ao lado, deduzimos determinar de lançamento a
fórmu Ia (A) em
V
horizontalmente
x
=
A.
Como x = v), vem:
valem as funções:
2 -y
r- Y=
,
Vo
t+
-, v, =
'y
o
I
o alcance
função da velocidade No ponto mais alto da trajetória:
Vo
+ eu
I
e:
o e do ân-
A=vx
g
V
2vOy
VOy: { V
Vo V
sen
o-
o cos
ee
r-, -,-., I v; = vã" + 20.y
- . -'
y
=
H
e
v,. =
O
!
Na Equação de Torricelli:
v
r-A =
i
Nessas fórmulas,
como a trajetória escalar a fórmula
foi orien-
=}
v(
+ 2exy r
!
- . .E. ., .
v2 sen o
ze I !
I
A=
o
cos
e 2vo sen e
g
tada para cima, a aceleração mento (H), pode-se utilizar
é o.
=
=s
O=v
'
+
2 0.,.
Mas: 2 sen
e
cos
e
= sen
2e
2(-g)H
Para calcular a altura máxima ou flecha do lançaseguinte, Mas:
Vo
)'
2gH = v
H=-) 2g
v,;.
,
Logo:
I
A=
v6 sen-;j
cuja dedução se encontra
no quadro ao lado:
2'
I
I
I
H = Vo S2 -
e
I
I
Logo:
r-vI
= Vo sen
2
e
-s-e-n-2-e-'
Por essa fórmula, 2g
L- .
.g =.J
.J
I
H
=
-,0,-:-
verifica-se que o alcance máximo (Am) para o lançamento,
com dada ve-
I
I
locidade
VO'
é
obtido quando: sen
3,2 -
Movimento horizontal (MU)
um eixo Ox com origem no ponto de lançamento e orientado no sentido da Nessa condição
tituindo, (e
ze =
1
ze
= 90
I e=
45
I
Consideremos (Fig. 5).
=
45 ), há uma relação simples entre o alcance (Am) e a flecha (H). Subs-
velocidade horizontal ;" dada pela projeção sobre esse eixo da velocidade
de lançamento
v.,
nas respectivas fórmulas,
sen' 45 =
.1 e
2
2 1 vo v2 H= 2=
sen 2 (45 ) = sen 90 = 1, vem:
I
v,
x
2g
2
4g
2
.
- A velocidade horizontal constante durante o movimento.
v,
permanece
A
má.,
=
g
=
Vo
g
- Lançamento com e = 45'
176
Os
FUNDflMENTOS
I)A Fislca
CAPiTULO
10 -
lAN ;AMENTO
HOItI:lONTAl
E LANÇAMENTO
OlllÍQUO
NO VÁCUO
177
I!ijl
Comparando:
A parábola fÂ-'"' L .- .- m,ix O
4H
,. termo parábola designo. hoje, uma CUNa geométrico uma das CUNOSdenorrunodos por um
plano. muito bem definido matematicamente. É cónicos. pOIS pode ser obtida a partir da
secção de um cone
I
"I
Portanto, no lançamento flecha (H) do lançamento. Observação: Considerando
com
e=
45 (Fig. 6), o alcance (Amá) é quatro vezes maior que a
/I
o movimento
resultante parabólico, ,:
a velocidade
do projétil
pela soma das componentes
Vx e
v é sempre
dada
'
l v=v+v x
L-
y
l
i
)
./
y
V,'f - - - -;:;:-
v
)f-2{
Vu
;
v,
I
Entretanto, ge"
etimalogicomente.
a palavra
parábola
provém do grego e significo de um projétil lançado
"lançar 00 lonsob certo bem defini-
Portanto, originalmente
a termo surgiu com base num fenômeno o trajetória assumiu a Slgnificodo
físico e seu significana espaça
e
do foi estendido do que tem hoje.
poro designar
ângulo. Só depors é que o termo parábola
matemático
m
II
'
-o
' - fQ - :
VX
V,'+:
i=igura 7 - Em qualquer ponto da trajetória, a velocidade resultante
:v

dada por
v v. + V.
=
f
horizon-
-,e
10'
Observe, tal v" ou seja,
-
pela , que a velocidade vertical é nula
V
alto, como a componente
-
(v
v é sempre
tangente
= Õ), a velocidade o projétil
= vx' Nesse ponto, a velocidade ao nível horizontal da velocidade
y-
v é igual à componente
módulo apresenta mínimo. velocidade escalar
à
trajetória.
No ponto mais
K
g
,1
fl
v tem, portanto,
Ao retornar módulo
de lançamento,
velocidade
Vo
V,
cujo
é igual ao módulo
de lançamento
. Isso equivale
a dizer que a velocicom que
dade escalar v do móvel, no instante de retorno ao solo, é igual foi lançado a partir do solo,
à
1
:E"eet&Cício foe OWWO
R.72
Um corpo é atirado obliquamente ma com a horizontal a) c) os módulos das componentes no
vácuo com velocidade inicial Vo = 100 m/s, numa direção que forum ângulo 9 tal que sen 9
horizontal
=
0,8 ecos 9
=
0,6. Adotando g
=
10 m/s2, determine:
de lançamento;
e vertical
da velocidade
no instante
b) o instante em que o corpo atinge o ponto mais alto da trajetória;
a altura máxima atingida pelo móvel;
d) o alcance do lançamento.
Solução: a) l?0s triângulos retângulos formados por
vo' v,
e
vOy' tiramos: vOr = Vo sen
Como Vo
e
e Vx = Vo cos 9
==
100 m/s, sen 100 - 0,8
e = 0,8 ecos
0)1
:
9 = 0,6, vem:
m/s
v"r Trajetória parabólica descrita por um corpo lançadoobliquamente.
I vOr = 80
I
Vx
I
I
:
H
vx= 100- 0,6 .'.
= 60m/s
O I-:
e
:
,
'
178
Os
FUNDAMENTOS
DA FíSICA
CAPíTULO
10 -
LANÇAMENTO
HORIZONTnl
E LAN AMENTO
OBLíQUO
NO VÁCUO
179
b) No ponto mais alto da trajetória, 0), = O. Como o) = Voy + t, onde a = -g = -10 m/s2, vem:
Como
Vx
= Vo cos
a, vem:
10 = 15,6 cos
a
o = 80 c) Substituindo 1= 8 sem y =
00/
101
2
101= 80
I
I= 8s
I
Portanto: 10
+ a , ondey
= H e a = -g = -10 m/52, vem:
cos 8 =
'i5.6
I
cos 8
=
0,64
I
H = 80 . 8 - 10; 64 = 640 - 320
I
H = 320 m
I
0x
Ou, ainda, vo) = Vo sen e. Daí: 12 = 15,6 sen 8
d) O tempo total do movimento é Ir = 21 = 2 8 = 16 s. Para o movimento horizontal x = 0x' I,
onde x = A, quando I = 165 e A = 60 16 Respostas: a) vo) = 80 tnls;
Vx
sen9= = 60 m/s. Então:
16
[sene
=
0,77
II
I A = 960 m I
-c
d) Para obter o alcance x = A, substituímos
Ir = 2,4 s em x = 0, '1. Assim:
= 60 m/s; b) I = 8 s; c) H = 320 m; d) A = 960 m.
A = 10 2,4
I
A = 24 m
Observação: Os itens c e d podem também ser calculados H =
V
220
pelas fórmulas deduzidas anteriormente:
2
sen 8 . o sen 28 - , para a altura rnaxrma, e A = , , -, para o alcance. 2g g com a horizontal um
ângulo 8, atinda trajetória a velocidade escalar do de sua trajetória (tempo de subida); por uma
de suas funções trigono-
'j. .
:
e
e "ê .
.;
Respostas: a) 1,2 s; b) 2,4 s; c) 15,6 m/s; cos e
= 0,64; sen e = 0,77; d) 24 m.
1:.teeft.eíeio, t'taOt'O,to,
P.202 Um corpo é lançado obliquamente a partir do solo, no vácuo, sob ângulo de tiro de 60' e
com velocidade de 10 m/s, Adotando g = 10 m/s2, sen 60 = sen 1200 = 0,86 ecos 60 = 0,50,
determine: a) a velocidade escalar mínima assumida pelo móvel: b) o instante em que o corpo
atinge o ponto mais alto da trajetória; c) a altura máxima atingida pelo móvel e o alcance do
lançamento, P.203 No lançamento oblíquo de um projétil, a altura máxima é 20 m. No ponto
mais alto da trajetória, a velocidade escalar do móvel é 5 m/s. Desprezando a resistência do ar
e adotando g = 10 m/s2, determine: a) o tempo total do movimento e o tempo de subida; b) a
velocidade escalar de lançamento; c) o ângulo de tiro, expresso por uma de suas funções
trigonométricas; d) o alcance do lançamento, P.204 (F. M. ltajubá-MG) Uma bola está parada
sobre o gramado de um campo horizontal, na posição A. Um jogador chuta a bola para cima,
imprimindo-Ihe velocidade Vo de módulo 8,0 m/s, fazendo com a horizontal um ângulo de 60 ,
como mostra a figura. A bola sobe e desce, atingindo o solo novamente, na posiçâo B.
Desprezando-se a resistência do ar, qual será a distância entre as posições A e B? (Considere
g = 10 m/s2.)
Vo
R.73
Um projétil é lançado obliquamente com velocidade que forma gindo a altura máxima de 7,2 m.
Sabendo que no ponto mais alto projétil é 10 m/s, determine: a) o intervalo de tempo para o
móvel chegar ao ponto mais alto b) o tempo total do movimento; c) a velocidade de lançamento
e o ângulo de tiro 8, expresso métricas; d) o alcance horizontal do lançamento. Solução: a) Em
y = H = 7,2 m, v), = O. Aplicando a Equação de Torricelli, vem: v)' = v + 2ay (com a = -g = -10
m/s')
)'
e g,
fi
.
3
o ,;
l
-c o
m
m
;
a
o
f
oo
]

[
o
y
Vo),4:
---
o
O = o'Oy - 20 72 ,
-1f: Vo
H
v,
t
'
'J
1
o = 144 :. )'
Substituindo
Vo = 12 m/s Y em 0f = VOy - g . I:
0= 12 - 101, b)
101, = 12
I
=
I,
=
1,2 s
II
01
v,
A
r:
x
o tempo
'= 8,0
in/s
de subida é igual ao tempo de descida. Então, o tempo total do movimento será:
Ir
21,
Ir
=
2 . 1,2
Ir = 2,4 s
I
; Vx
". tt,., ro . , ,'-i,
e
VOy'
c) A velocidade de lançamento figura, obtemos:
Vo
é obtida a partir da soma vetorial de suas componentes
Da
1
't'.
A'
0- -.,-"'-r;-; ' 8'
,
c.,
:-1'
f,.
,.
lJI "
v = v + v;., onde Voy = 12 m/s e v, = 10 m/s )
Então: o = 144 P.205 (AFA-RJ)Um projétil é lançado com velocidade inicial de 100 ttil ,
formando um ângulo de 45 com a horizontal. Supondo g = 10,0 m/s2, qual será o valor do
alcance e a altura máxima atingidos pelo projétil? Despreze a resistência do ar.
0
+
100
v = 244
I 0= 15,6 m/s I
180
Os
FUNDAMENTOS
DA FíSICA
CAPíTULO
10 -
LANÇAMENTO
HORIZONTAL
E lAN AMENTO
OBLíQUO
NO VÁCUO
181
Sen-
P.206 Um corpo é lançado de um ponto O do solo com velocidade inicial li., que forma com a
horizontal um ângulo 9, como indica a figura, tal que cos 9 = 0,80 e sen e = 0,60. Sendo Vo =
100 m/s e g = 10 m/s' e desprezando a resistência do ar, determine: r a) o instante em que o
corpo atinge o ponto mais alto da trajetória; b) o instante em que o corpo está de volta ao solo;
c) o alcance horizontal A; d) a altura máxima H; e) a velocidade escalar do corpo no ponto o de
altura máxima; f) a velocidade escalar da partícula no instante em que toca o solo.
P.214 (Unicamp-SP) Um habitante do planeta Bongo atirou urna flecha e obteve os gráficos
mostrados. do x a distância horizontal e y a vertical:
x(mj
y ün)
!
(
5
tIs)
O
4
5
x(m)
a) qual a velocidade horizontal da flecha? b) qual a velocidade vertical inicial da flecha? c) qual
o valor da aceleração da gravidade no planeta Bongo? P.207 No exercício anterior, trace o
gráfico em função do tempo das componentes velocidade do corpo. horizontal e vertical da
g
-c o
.
Teete f'fa.0f'0 to
Nos testes seguintes, caso seja necessário, use os valores das funções trigonométricas dos
ângulos envolvidos. A resistência do ar é sempre considerada desprezível. Quando necessário,
adote g = 10 m/s'. T.lS6 (UFMG) Um corpo P é lançado horizontalmente de uma determinada
altura. No mesmo instante, um outro corpo Q é solto em queda livre, a partir do repouso, dessa
mesma altura, como mostra a figura . Sejam vp e "o os mõdulos das velocidades dos corpos P
e Q, respectivamente, imediatamente antes de tocarem o chão, e t; e IQ os tempos
despendidos por cada corpo nesse percurso. Despreze os efeitos da resistência do ar. Nessas
condições, pode-se afirmar que: a)
b) p Q
P.208 Um canhão dispara projéteis num ângulo de 30 em relação à horizontal, com velocidade
de 720 krn/h. Qual o alcance do projétil? Qual sua velocidade no ponto mais alto da trajetória?
Desprezam-se as resistências opostas pelo ar ao movimento. (Dados: sen 30
= cos
60
=;
sen 60
=
f.
J
o
j
o
Adote g
=
10m/s'.)
o
;
;
úefa.c.ício t'fa.Of'O to õe fa.ec.ç.f'itu.te.ç o
P.209 Um corpo é lançado horizontalmente a partir de um ponto A, com velocrdade de módulo
50 tti! , atingindo o solo no ponto a, conforme mostra a figura. Desprezando a resistência do ar
e adotando g = 10 m/s', determine: a) as funções horárias dos movimentos horizontal e vertical;
b) a equação da trajetória do movimento; c) as coordenadas (x. y) do ponto a, que foi atingido
10 s após o lançamento; d) a velocidade resultante do corpo no ponto a.
A,
=
v. -+- -
x
. ! tI
1l
" .!'
.
":
o
.-Y
.!' g,
V
.; õ. ,
Ko
r
B
l
:i
e
vI' I)Q e I" = v"
10 10
c) vp
d)
=
Vo e Ir
=
10
"o
e
Ip
vI' =
"o
e I" IQ
P.2 O (UFPR) Uma bola rola sobre uma mesa horizontal de 1,225 m de altura e vai cair num
ponto do solo situado à distância de 2,5 m, medida horizontalmente a partir da beirada da
mesa. Qual a velocidade da bola, em m/s, no instante em que ela abandonou a mesa? Adote g
= 9,8 m/s'. P.211 Um projétil é lançado obliquamente para cima com velocidade de 100 m/s
numa direção que forma um ângulo de 60 com a horizontal. Desprezando a resistência do ar e
adotando g = 10 m/s', determine o módulo da velocidade vetorial do projétil 4 s após o
lançamento. (Dados: sen 60
=
f;
cos 60
= .)
P.212 (Faap-SP) Um projétil lançado para cima, com ângulo de tiro 60', tem velocidade de 30
m/s no ponto culminante de sua trajetória. Calcule a velocidade do projétil ao retomar ao solo.
(Dados: sen 60' = 0,87; cos 60 = 0,50.) P.213 (FEI-SP) Uma bola é arremessada para um
garoto, distante 60 rn, a uma velocidade de 20 m/s e fazendo ângulo de 45' com a horizontal.
Com que velocidade e em qual direção e sentido o garoto deve correr para conseguir apanhar
a bola na mesma altura em que foi lançada? Adote g = 10 m/s' e despreze os efeitos do ar.
(Dado: sen 45
T.157 (FGV-SP) Dois blocos, A e a, são lançados sucessivamente, na horizontal, de urna
plataforma de altura h com velocidades vA e vs' atingindo o solo nos pontos A e a, como indica
a figura. Os tempos decorridos desde que cada bloco abandona a plataforma até atingir o S910
são IA e Ia. Pode-se afirmar que: a) Ia = IA e vA = vn b) IA = 18 e vA = 2vo c) 18 = IA e Vil =
2vA d) IA = 218 e vA = vB e) 18 = 21Á e VÁ = 2vo
-,-
J
,
I
f
"t A
,
B
d 2d
=
cos 45
=
f.)
T.158 (UFMG) Urna pessoa observa o movimento parabólico de urna pedra lançada
horizontalmente velocidade v . A pessoa poderia ver a pedra cair verticalmente se se
deslocasse: a) com velocidade v' = 2vo' paralela a Vo e no mesmo sentido. b) com velocídade
v' = v paralela a v. e no sentido oposto. c) com velocídade v' = v paralela a Vo e no mesmo
sentido. d) com velocidade v' = 2vo' paralela a Vo e no sentido oposto. e) com velocidade v' =
vo' em qualquer direção e em qualquer sentido.
com
11
'1
182
Os
FUNDAMENTOS
DA FiSI :A
1
CAPÍTULO
10 -
lRNçnMEN1'o
HOrHZONrAi.
E lRNÇRMENTO
OBlíQUO NO VÁcuo
183
T.159 (PUC-PR) De um lugar situado a 125 m acima do solo lança-se um corpo,
horizontalmente, com velocidade igual a 10 m/s e g = 10 m/s'. Podemos afirmar que o alcance
e o tempo gasto para o corpo atingir o solo valem respectivamente: a) 100 meiO s c) 100 m e 5
s e) 75 m e 5 s b) 50 m e 5 s d) ISO m e 20 s T.160 (PUC-MG) A figura desta questão mostra
uma esfera lançada com velocidade horizontal de 5,0 m/s de uma plataforma de altura 1,8 m.
Ela deve cair dentro do pequeno frasco colocado a uma distância x do pé da plataforma. A
distância x deve ser de, aproximadamente: a) 1,0m d) 3,Om b) 2,0 m e) 3,5 m c) 2,5 m
T.165 (Mackenzie-SP) Arremessa-se podemos afirmar que:
obliquamente
uma pedra, como mostra a figura. Nessas condições,
c
8
o
-:-[-;
V
o
'-J' - ;J .
a) b) c) d) e) a a a a a
A
E
-i;-x
,:
componente horizontal da velocidade da pedra é maior em A do que nos pontos B, C, D e E.
velocidade da pedra no ponto A é a mesma que nos pontos B, C e D. componente horizontal
da velocidade tem o mesmo valor nos pontos A, B. C. D e E. componente vertical da
velocidade é nula no ponto E, componente vertical da velocidade é máxima no ponto C
T.161 (lJEMA) Imagine-se em um barranco de 5 m acima de um lago de 4 m de largura
infestado de piranhas. Para você nâo ser devorado pelas piranhas, qual deve ser a velocidade
horizontal necessária para pular o lago? (Dado: g = 10 m/s'.) a) 4 m/s c) 5 m/s e) 6 m/s b) 2 m/s
d) 3 m/s T.162 (lJFGO) Uma esfera rola sobre uma mesa horizontal, abandona essa mesa com
uma velocidade horizontal Vo e toca o solo após I s. Sabendo que a distância horizontal
percorrida pela bola é igual à altura da mesa, a velocidade vo' considerando g = 10 m/s2, é de:
a) 1,25 m/s c) 20,00 m/s e) 2,50 m/s b) 10,00 m/s d) 5,00 m/s (PUC-SP) Testes T.163 e T.164 -
O esquema apresenta uma correia que transporta minério, lançandoo no recipiente R. A
velocidade da correia é constante e a aceleração local da gravidade é 10 m/s2,
-;
T.166 (FEI-SP) Um projétil é lançado com velocidade O' formando um ângulo e com um plano
horizontal. em uma região onde a aceleração da gravidade é g. O projétil atinge a altura h e
retorna ao plano horizontal de lançamento. à distância d do ponto em que foi lançado. Pode-se
afirmar que: a) o alcance d será tanto maior quanto maior for e, b) no ponto de altura h. a
velocidade e a aceleração do projétil são nulas. c) no ponto de altura h. a velocidade do projétil
é nula. mas a sua velocidade não o é, d) no ponto de altura h. a aceleração do projétil é nula.
mas a sua velocidade não o é, e) nenhuma das afirmativas anteriores é correta. T.167 (Univali-
SC) Um canhão dispara um projétil com inclinação de 45'. acima do solo plano e horizontal.
Durante o movimento do referido projétil. livre de resistência do ar, a alternativa. contendo a
afirmação verdadeira. é: a) A aceleração muda de sentido durante a trajetória. b) O vetor
velocidade permanece constante. c) A intensidade do vetor velocidade permanece constante.
porém a direção é variável. d) A componente horizontal da velocidade mantém-se constante, e)
A aceleração é nula no ponto mais alto da trajetória, T.168 (lJnivest-SP) y(ml
A 18
v
.,' -1/
!.) )
c=;
I
I
5m
4m-oll
L
R
'
T.163 Para que todo o minério caia dentro do recipiente, a velocidade v da correia, dada em
tnis, deve satisfazer a desigualdade: a) 2 v 3 c) 1 u 3 e) 1 v 5 b) 2 v 5 d) I u 4 T.164 Se for
aumentado o desnível entre a correia transportadora e o recipiente R, o intervalo de variação
das velocidades-limite para que todo o minério caia em R: a) permanece o mesmo, assim como
os valores das velocidades-limite. b) permanece o mesmo, mas os valores das velocidades-
limite aumentam, c) permanece o mesmo, mas os valores das velocidades-limite diminuem. d)
aumenta, e) diminui.
o
12
24
x(ml
Um projétil é lançado a partir de um ponto O do solo. com velocidade o de módulo 30 m/s e
inclinação a, descrevendo a parábola indicada na figura acima, Considere g = 10 m/s2, Ao
atingir a altura máxima (ponto A), o módulo da sua aceleração centrípeta vale, em m/s2: a) 10
c) 50 e) 90 b) 20 d) 75
v
184
Os
FUNDAMENTOS
DA FíSICA
CAPiTULO
10 -
LANÇAMENTO
HORIZONTAL
E LANÇAMENTO
OBlíQUO
NO VÁCUO
185
'.;,
(F. M.ltajubá-MG) Testes T.169 e T.l70 - Uma pedra é lançada para cima, fazendo ângulo de
60' com a horizontal e com uma velocidade inicial de 20 m/s, conforme a figura. (Considere g =
10 m/s")

T.176 (Unip-SP) Em uma região onde o efeito do ar é desprezível e o campo de gravidade é


uniforme, dois projéteis, A e B, são lançados a partir de uma mesma posição de um plano
horizontal. O intervalo de tempo decorrido desde o lançamento até o retorno ao solo horizontal
é chamado de tempo de vôo,
Projétil A
I
1 60'
Vo
-,
. - -H
,
Solo horizontal .
Projétil B
,I .

T.169 Qual o gráfico que melhor representa a variação do módulo de sua aceleração vetorial
com o tempo enquanto ela permanece no ar? Despreze a resistência do ar. b) c) d) e) a)
k hkk,
A que distância x do ponto de lançamento, na horizontal, a pedra tocou o solo? a) 35m d) 17m
b) 40 m e) Não se pode calcular por insuficiência de dados. c) 17,3 m
,.
Sabendo que os projéteis A e B atingem a mesma altura máxima H e foram lançados no
mesmo instante, podemos concluir que: a) os projéteis foram lançados com velocidades de
mesma intensidade. b) as velocidades dos projéteis no ponto mais alto da trajetória são iguais.
c) os ângulos de tiro (ângulo entre a velocidade de lançamento e o plano horizontal) são
complementares. d) a cada instante os projéteis A e B estavam na mesma altura e o tempo de
vôo é o mesmo para os dois. e) durante o vôo os projéteis têm acelerações diferentes .

(PUC-SP) Testes T.177 e T.178 - Um projétil é lançado em certa direção com velocidade inicial
o' cujas projeções vertical e horizontal têm módulos, respectivamente, de 100 m/s e 75 ttil , A
trajetória descrita é parabólica e o projétil toca o solo horizontal em B. y
100 m/s
T.l70
j
m
e
,I
,I'
n

T.171 (UECE) Num lugar em que g = 10 m/s', lançamos um projétil com a velocidade inicial de
100 tnts, formando com a horizontal um ângulo de elevação de 30'. A altura máxima será
atingida após: a) 3 s b) 4 s c) 5 s d) 10 s T.I72 (PUC/Campinas-SP) Um projétil é lançado numa
direção que forma um ângulo de 45' com a horizontal. No ponto de altura máxima, o módulo da
velocidade desse projétil é 10 m/s. Considerando que a resistência do ar é desprezível, pode-
se concluir que o módulo da velocidade de lançamento é, em m/s, Igual a: a) 2,5.[2 b) 5 ./2. c)
10 d) JO.J2 e) 20
fi/.
o ai o
v
s ,;
3 {l
o
8
x
T.I77
"a
,;
'lJ.
Desprezando a reslsténcía do ar: a) no ponto de altura máxima, a velocidade do projétil é nula.
b) o projétil chega a B com velocidade nula. c) a velocidade vetorial do projétil ao atingir B é
igual à de lançamento, d) durante o movimento há conservação das componentes horizontal e
vertical da velocidade. e) durante o movimento apenas a componente horizontal da velocidade
é conservada.
]

T.173 (U. Católica de Salvador-BA) Uma bola é lançada com velocidade Vo = 25 m/s, formando
ângulo de 37' com a horizontal. O alcance horizontal da bola é, em metros, de
aproximadamente: (Dados: g = 10 m/s2; sen 37' = 0,60; cos 37' = 0,80 - despreze a resistência
do ar.) a) 90 b) 60 c) 40 d) 20 e) 10 T.174 (UERJ) Um projétil é lançado segundo um ângulo de
30' com a horizontal e com uma velocidade de 200 m/s. Supondo a aceleração da gravidade
igual a 10 m/s2 e desprezando a resistência do ar, concluímos que o menor tempo gasto por
ele para atingir a altura de 480 m acima do ponto de lançamento será de: a) 8 s b) 10 s c) 9 s
d) 14 s e) 12 s T.175 (Mackenzie-SP) Seja To tempo total de vôo de um projétil disparado a 60'
com a horizontal, e seja Vo = 200 m/s o valor da componente vertical da velocidade inicial.
Desprezando a resistência do ar e cÓ'nsiderando a aceleração da gravidade g = 10m/52, os
valores da componente vertical da velocidade nos instantes I a) zero; zero b) zero; 200 m/s c)
200 m/s; zero
s
T.17S Quanto ao módulo da velocidade, tem valor mlnlmo Igual a: a) 125 m/s b) 100 m/s c) 75
m/s d) zero
) 25 m/s
EXERCíCIOS ESPECIAIS DE LANÇAMENTO HORIZONTAL E oauouo
uefaCicio otvwo
R.74 Um homem com um rifle faz pontaria num objeto situado a 500 m e a uma altura de 100
m do solo, como mostra a figura. No instante em que o projétil sai do cano da arma, o objeto
inicia um movimento de queda. Sendo 200 m/s a velocidade inicial do projétil, determine: a) o
instante em que o projétil atinge o objeto; b) a altura do objeto em relação ao solo no instante
em que é atingido. f)rsp(C'l,C'i (C'Rlst( !1vtn nr C'urlnlr li 10 IIl/R', f rio
,-
c-
.
=
Te I
=
f
são, respectivamente: d) 200 tnls; 200 m/s e) 200 m/s; 100 m/s
186
'1
Os FUNDAMENTOS DA fíSICA
CAPiTULO
10 -
LANÇAMENTO
HORIZONTAL
E LANÇAMENTO
OBLíQUO
NO VÁCUO
187
Solução: a) Observe que, se o objeto não caísse, mantendo-se na sua posição inicial, ele não
seria atingido pelo projétil. Isso porque, à medida que avança horizontalmente, o projétil vai
caindo sob a ação da gravidade. Então ele passaria sob o objeto, que não se moveu. No caso,
objeto e projétil caem simultaneamente com movimentos verticais idênticos e se encontram na
vertical de queda do objeto, como é mostrado no esquema. Para calcular o instante de
encontro, basta considerar o movimento horizontal do projétil, que é admitido uniforme: x = vot
com x = 500 m; Vo = 200 m/s
j :; , , , , , , j
x
b) A posição do ponto de impacto na direção vertical (altura) pode ser obtida substituindo-se de
( na função horária do movimento na direção vertical (MUV):
2
o valor
y=y+VI+QL
o o,
2
Y Para ( = 3 s. temos:
=
17,41- 5/'
Y = 17,4' 3 - 5 (3)' Respostas: a) 3 s; b) 7,2 m.
, , , ) ; ; ; ) :; ) ; ) , , , , , ,
IY
= 7,2 m
I
úet-eício, pfcOpO,tO'

P.215 Um homem sobre uma plataforma aponta sua arma na direção de um objeto parado no
ar e situado na mesma horizontal a 200 m de distância, como mostra o esquema. No instante
em que a arma é disparada, o objeto, que inicialmente se encontrava a 80 m do solo, inicia seu
movimento de queda. Desprezando a resistência do ar e adotando g = 10 m/52, determine a
velocidade mínima que deve ter a bala para atingir o objeto. Um atirador aponta sua
espingarda para um objeto parado no ar a uma altura de 525 rn, como indica a figura.
Despreze a resistência do ar e considere a aceleração da gravidade g = 10 m/s'. Admitindo
que, no momento em que a bala sai da arma com velocidade 200 m/s, o objeto inicia seu
movimento de queda, determine: a) o instante em que a bala atinge o objeto; b) a altura,
relativamente ao solo, em que a bala atinge o objeto. (Dados: sen 45' = cos 45' = 0,7.) Num
parque de diversões um dos brinquedos consiste em usar um canhão fixo, inclinado, fazendo
um ângulo igual a 45' com o solo, para atingir uma pequena bola suspensa a 3,0 m de altura e
a uma distância horizontal de 5,0 m do canhão. Determine a velocidade inicial que deve ser
imprimida ao projétil para se conseguir acertar o alvo. (Dados: g = 10 m/s'; sen 45'
500
=
200t
:.
I / = 2,5 s I
10 m/s2
t- - - -. - - -'fl Fi
t
.;
b) A posição de encontro em relação ao ponto de partida do objeto pode ser obtida
substituindo-se esse valor de t na função horária do movimento de queda: s
!i!
g
j
-o
m
=
so + v/o + a(2 2
2
com s o
=
Ovo
I
=
O' a
=
+g
=
.
P.216
S = 5/ S = 5 . (2,5)' :. s = 31,25 m No entanto, pergunta-se a altura em relação ao solo em que
ocorreu o encontro. ho = 100 m a altura inicial do projétil, temos:
o
Então, sendo
õ
ci
3
o
h = ho - s Respostas: a) 2,5 s; b) 68,75 m. R.75
h
=
100 - 31,25
I
h = 68,75 m
I
E8
II
..
;
;
D
'0
1l 8: o
ri 525 rn
Uma bola é lançada com velocidade 20 m/s numa direção que faz um ãngulo de 60' com a
horizontal. A bola, em sua trajetória, choca-se contra um muro vertical, situado a 30 m do ponto
de lançamento. Desprezando a resistência do ar, determine: a) o instante em que a bola atinge
o muro; b) a altura do ponto do muro atingido pela bola. (Dados: g = 10 m/s2; sen 60' = 0,87;
cos 60' = 0,5.) Solução: O esquema representa o ocorrido. Para as origens e as orientaçóes
escolhidas para as trajetórias, temos: a= -g= -10m/s2 Yo = O exo = O " = 20 m/s e 8 = 60' As
componentes horizontal e vertical da velocidade inicial valem:
:o
'õ o -e
J;.
01.
-v,
"
a:
-il.
"
.r:
,
(
45 525 rn
cr
!
P.217
T-c3,0 m
,T
30m
,I
x
=
cos 45'
=
1)
;o -;' - -,-I
v,
vo,
= Vo cos 60' = 20 0,5
:. :.
v,
= 10 m/s vo,
=
Vo
sen 60'
=
20 0,87
=
17,4 m/s P.218 (PUC-SP) Um garoto parado num plano horizontal, a 3 m de uma parede, chuta
uma bola, comunicandolhe velocidade de 10 m/s, de tal modo que sua direção forma, com a
horizontal, um ângulo de 45'. A aceleração da gravidade no local é 10 m/s' e a resistência do ar
pode ser desprezada. Determine: a) o instante em que a bola atinge a parede; b) a altura do
ponto da parede atingido pela bola; c) a velocidade da bola no instante do impacto. (Dados:
sen 45' = cos 45' = 0,7.)
a)
O impacto com o muro ocorre após a bola ter percorrido x = 30 m na direção horizontal. Como
o movimento horizontal é uniforme: x = Xo + x = IOt 30 = 10/
Vi
I/
=3s
I
r
fll j
188
Os
FUNDAMENTOS
DA FíSICA
CAPiTULO
10 -
lANÇAMENTO
HORIZONTAL
E lANÇRMENTO
OBLlQUO
NO VÁCUO
189
P.219

(E. E. Mauá-SP) De um ponto A, situado à altura h de um plano horizontal, abandona-se um


corpo, sem velocidade inicial. Nesse mesmo instante é disparado um projétil do ponto e,
situado no plano à distância L de B. Desprezam-se as resistências passivas aos movimentos.
Determine o ângulo e (pelo seu seno, cosseno ou tangente) com que o projétil deve ser
disparado para atingir o corpo.
A
Atividade ExperilTlental
Determinação da velocidade no lançamento horizontal
Usando um pedaço de trilho de cortina devidam nte encurvado, realize a experiência
esquernatizada na figura.
V
o
"
I
L
c(
I,
L
D
í
-A-
,[8
'leae pfoOpO,to,

T.179 (Mackenzie-SP) Um corpo, A, é lançado obliquamente para cima de um ponto P do solo


horizontal, com velocidade que forma 60' com o solo. No mesmo instante, outro corpo, B,
apoiado no solo, passa por P com velocidade constante de 10 m/s. Despreze todas as forças
resistivas e adote g = 10 m/s'. Para que o corpo A se encontre novamente com o B, a sua
velocidade inicial deve ter módulo igual a: a) 20 m/s b) 15 m/s c) tO m/s d) 8 m/s
h
r.
e) 5 m/s e) 16,2 e) 1.051,16 8
li'
I,
(UFPA)Testes T.180 e T.181- A figura representa um projétil, que é lançado do ponto A
segundo um ângulo de 30' com a horizontal, com uma velocidade Vo = 100 m/s, atingindo o
ponto D. (Dados: AB = 40 m; Be = 55 rn: g = 10 rn/s"; sen 30' = 0,50; cos 30' = 0,866.)
o
Em experimentos sucessivos, abandone uma esfera de aço dos pontos A, B e C do trilho. Ao
bater no solo, a esfera deixa marcados os pontos A', B' e C'. numa folha de papel sobre a qual
se colocou um papel-carbono. Meça a altura de queda (h) e calcule o tempo de queda da
esfera de aço, utilizando a fórmula h = Medindo as distâncias AO', 08' e
.
t gr'-
oe
(abscissas
.r), calcule a velocidade v, horizontal com a qual a esfera
!
o
abandona a mesa em cada um dos experimentos
(v,
= -;) .
i
co
I
Responda: Por que o tempo de queda o mesmo nos três experimentos? Qual das velocidades
obtidas é maior? Por quê? Não se levou em conta na experiência a resistência do ar. Por quê?
Que alterações ocorreriam nos resultados se essa resistência fosse considerada? A
componente horizontal da velocidade da esfera em cada um dos três trajetos se mantém
constante? Por quê? Qual o valor em cada caso?
é

T.180 O tempo que o projétil levou para atingir o ponto D, em segundos, vale: b) 7,8 c) II d)
12,6 a) 5,3 T.181 A distância Cl), em metros, vale: a) 418,98 b) 458,98
c) 692,86
d) 912,60

T.182 (Unip-SP) Em um local onde o efeito do ar é desprezível e g = 10 m/s', uma bola de tênis
é golpeada por um tamboréu, adquirindo uma velocidade de módulo tO tnls, quando estava a
uma altura de 1,0 m acima do chão. A altura máxima atingida pela bola, medida a partir do
chão, foi de 4,75 m. A velocidade da bola, no ponto mais alto de sua trajetória, tem módulo
igual a: a) 5,0 m/s b) 10 m/s c) zero
VO.
--
A
1- /
..
I 4,75
m
t 1,0 m-d) 2,5 m/s
e) 1,0 m/s
Solo
l
RESOLUÇÃO
DOS EXERcfclOS
485
486
P.208 2,000.J3 m; 100.J3 m/s P.209 a) x = 50i; y = 5t (SI);
22
Os
FUNDAMENTOS
DA FlslCA
P.185 v:; 1,1 . 104 krn/h P.186 40 rad/s e 6,4 Hz. P.187 637 rpm P.188 3,18 rad/s' P.189 20,7
voltas P.190 1.500 rn/s P.191 :; 2,6 m/s P.192 a) 40 m; b) 60 s 31t 1t P.193 a) 20 radls; lã rad/s;
b)
c)
P.200 a) segmento de reta vertical; b) arco de parábola; c) 125; d) 100 m/s; e) ;: 156,2 rn/s
P.201
a)
P.223 Por inércia o corpo tende a permanecer em repouso e, com a retirada do papel, ele cai
verticalmente. IP.224 a) 5 m/s2; b) 3 m/s' P.225 10 m/s2 P.226 a) 2.500 N; b) 400 m P.227 1,5'
10 N do local do P.228 a) 0,50 kg; b) 1,6 m/s2 P.229 a) A afirmação está errada,pois a força F
está aplicada na mesa e - F age na pessoa que aplicou a força F na mesa. Desse modo, F e -
F não se equilibram, por estarem aplicadas em corpos distintos. b) A Terra atrai o corpo com a
força-peso P e o corpo atrai a Terra com a força
b)
y= :00;
c) 500 m; 500 m;
d) ;: 112 rn/s
r
.itIj
P.210 5,0 m/s P.211 :; 68,3 rn/s P.212 60 m/s P.213
5.fi rn/s, aproximando-se
arremesso. c) 2 rn/s'
P.214 a) 1,5 m/s; bl zero;
b)
40 3 s; 20 s; 61t cm/s; 21t cm/s
,
P.194 a) :; 52 s; b) 0,1 m/s2 P.195 a) 0,10 mm; b) :; 24,4 cm/s P.196 a) 5,0 c:m/s; b) 2,5 rad/s
P.197 18 rps (18 hertz)
0,5 5; c) igual, em vista do princípio de independência dos movimentos; d) 2,5 m; e) ;: 7 rn/s
ci a 3,7 m e 8,6 m
b) 0,86 s;
P.215 50 m/s P.216 a) 3,75 s; b) ;: 454,7 m P.217 ;: 11,2 rn/s P.218 a) ;: 0,43 s; bl a 2,1 m;
P.219 tge = c) :; 7,5 m/s
I
1
P.202 a) 5,0 m/s; P.203 a) b) c) d)
-P.
.
'o -c o ai
;
4,05; 2,0 s; ;: 20,6 m/s; e:; are cos 0,24; 20 m
f
cac
bb
c, s
.
..
oo
P.204 5,6 m
,te . pq,tR
c) 960 m;
-e
c d e a a c T.159 T.163 T.167 T.171 T.175 T.179 b d d c c a
.14- ', I ; 1,
T.135 c T.139 e T.143 a T.147 e T.151 d T.155 b T.136 b T.140 e T.144 e T.148 b T.152 c
T.137 a T.141 c T.145 b T.149 b T.153 e T.138 d T.142 d T.146 a T.150 b T.154 b
P.205 1.000 m; 250 m P.206 a) 6 s; b) 12 s; P.207 v, (m/s)
e) 80 m/s:
f)
dl 180 m;
100 rn/s
BO+I-
T.156 a T.160 d T.164 e T.168 a T.172 d , T.176 d T.180 c
T.157 T.161 T.165 T.169 T.173 T.l77
e
T.158 T.162 T.166 T.170 T.174 T.178
" :õ
-c 's õ.
o
Terra
íl a:
P.230 a) 1 rn/s':
b) 4 N;
c)
FRA = 6 N; FR8 = 4N 10 N
T.181 d
T.182 a
P.231 a) 2 m/s2;
b) 6 N;
c)
o
12
1(5)
Cap ulo 10- Lançamento horizontal e
Capítulo 11 - Os princípios fundamentais
í
P.220 Partícula B P.221 111
P.232 2,5 N P.233 300 N P.234 Pelo corpo de massa maior, pois menor será a intensidade da
força de tração no fio. P.235 a) 6 rn/s': b) 12 N P.236 a) 2,5 rn/s": b) 150 N; P.237 a) 2 m/52;
bl 6 N
lançamento oblíquo no vácuo
,s; i i , M , .P.198 a) 20 5;
b)
Vy
(m/s)
60
.
o
-60
6.
c) :; 320 m/s
12 , :-.1
1(5)
5.000 m;
P.222 Princípio da Inércia (Primeira Lei de Newton): um corpo livre da ação de forças tende a
manter constante sua velocidade
c) 125 N
P.199 28,8 m na frente
I
vetorial.
‘