Você está na página 1de 17

•••

..•


• • • • es . fik C 0 tA 2

40 CII•tae G,

eco -eiew 0.1be * C te C C,

e , • e et, e fp 0 0 e. e e

CC0.4-0, 4*00* see

prossegue eq,e4§
ceeeeeço,wee,e. 13.

C ***CfP*0* •

e e ezip ice CO*3044, 0.0.4, 41,C 6,

nicaco s. . * . O


_ •

- _ - - •--- • •

••

Orna


a •

-1 e 8
TERC

pera en
ha d F a n da 81, imagem
so or no ta a usa prirneir o he e ece
a do e so mento entre os
orne , -.. • • • •,

o crar o mundo s seres que


ve harmon ia beleza do
ia
odo iznos o ha Gên eh os provi
is on ou s e viu que
cí Formac
era mui
ni a uito bo
go pa se s erte s se o
esa on ia pelo seto
dem e
o. E
o Eeus, cOrn
_e o bem e
o 1, liber e ue c ria tu e

nem semp e o e duzido p


la s a de a o "e O ndo em de e E:
deu a vi da
g as divers as
His 5ria .
a prejudicial. O ho O EuroDa.
mem re on ec gem da
os onflitos causadores dos
e prôprio home m 12 198
-

Pd- nhão
e da os s o e urna e vem desd
Cr
es avé e u sit alab •
do" , e viz em ao
SO en e a torte. •

e e raliberta: os
omenS cio ma de sua consec n
doenças, lar erras, cor ias.
aI e Res re e
os os e s po SS LY* 1 ad
taçHao to tal uni
o rimento hurn o so rr en o
â luz da e ran orma e a oa e
surreicao.
ere iro de 198
a as es d
ULAR
d de p os- gu
as ir ad

96 am en,
on o

aniet
-s ernons
s nomes o
o e

e.
e vonj a
o
a contamos com o
ar
ente. com a ora a
s es s ne
a
servir o or o me
nto ep
VOC
formamos

sos ser
A Orna
1S a
-a o setores : aç eq
a -(1
a
ra oro . munidade
an nos un pa aPs es
he e 3fld O par a o
da oe on a as ni

no

n/ smos es form cons ti as, se


no os traba lh o
dt.
e
s
a certe i em a razão e ano
so edid esp era, convia o s a uniao ina Mara
os para e a nossa P ovin ia OS ri vina Pi ano Co
e am rea ação do P1 us

na dos homens . os N a
oloca ndo-a s otecao om no
acia e do m amor pa
a a
no o
e pro
orno
e

De Gi
bor ou io
as de Goiás, os mese s
f evereiro . ua contrib
A e -

9d a e ais u a
ia a od
Es ai e pessoa e e.

es P
oe te ao
smo S -o _o
a ovo
a si
a
ar oe :er as
a
a
er
_o.
si

lv
S e as. er
ee
e e cre e
ra. ns e C *1 a
e ar e "

e rr
aoe
alc .o
no vos a sai
cte
on
eru ass s.
a a ~3'
oc n
ia no povo .
- ua en Po-
r-a. v el d e
v-sc es e o ras *
UiU ia ou co
pop a
o
e e Pe T

SSS ia
a
S

ob e
P OSP a
a e-
_O

is ci a
nu •

sen o
ane erto ta

xe cu ado a
creta:
ri s coi
e
nd e ONTRO e o
e o e urna
o e com
op ar.
e ea o
aos cu os e a
e o ssi e vac ao o
as.
S ecomensa
a rai de
(I) o
_o
ce
na e
O IN ai
e o os se S
e o "st DA NAO LHE
PREV MENO • inovar s de MAS TR1NSFO 9

s ên t dos refl
m Lo s ,
v
_
SENÇA
com am C entenas
e en eches
o
otto e
ar ã saüde
OS

E nel
A
ODO an oa
a
o

_ •
o
n 4

d
o
n an

a
,
S
* ric
ao ser S S os
ic o e
curati
ai
9

oh, e ac
e a,

ess

eM
e o o.

na
ine emn aC
ar e rn

-
a et SS
ra
e
'Ne0
as e. AI li a
es Resem era a, a-
er CO • e Co
TO E
sar e pa ti v ao, e t os
ai da F. Bi
o

sa ei o Co açao ci a MO
evo
es e en e tos ara p e nç-
ao ua e stao a a o
c.
pr e 1
ab n s e SCC es tra s nigiene,
do
ei os a e .ece se
CO o
este serviço.
irir o ma teri CF/8 BB (manual,
ue o
car os, estu co udo e re
ova
outro s

ao a e -e
ar as s •

to
ar solic ac raçãode pessoa
ue
ra o ambi ar conhecedora
es pa
as pa otunciarn ri
a conjun no
au o as e sa s.
da ducaço pa
or a ueus , so as o

re dor, d s a e in ente outra da- nossa SS O e is


des, pa ra e todos ecebam, p de iana de o vore urna
h omens, os ui dados ecessãrios a pre se o OSO e o S A
cuperaçao e. a melhor e maio a
ossuTmos a terra. e anej a n: ao e a a.
serão e alid ncre se a cal, ni
on Po
p og
e compro id o
SE
e
-h

para fl nvo
e- :o do- a urna e I e de
o s e ITssima a nos
o
se - ar ac
sao total de nos sas
na, tudo façamos, pa e
ar e e a vontade de combate
pe eia melhoria
o OSS
SE
aconteça
E a om muito amo
ara o
ia ori es e a
a e e ara atua
e car isa
nha o S e co tu am
en no e OS oen-
á zeo as u ca
a a E

nvolvcr, para isto comunidade hosDita e

g •
e os enfe rmei os, i s
entes e toda aps hospita
e o za a
s

eto d ai
as,
o p omo e a
1
o
ee


en
A e o

E as
o
corno C
O s es fl

S 1 as ho IS

S lo TI

en az, o

a e
a
a
s,
ara e
ais urna aa
an nece
c

oram nc
in
_

2 e
Dectivos e
,

14 - a ri a UT
18 - Ge •

ca e.

8
Fo
o e
ar a
#4.0

0 4,
ocor end e-
04 a
*

08 e

13 e

e aa ,en a do corrente , as
e se es reas:
Cirür.icQ, com 4 sa

2
o
C

E
O

1.000,
e

,ffS -e

e
ENCONT

*
*

•-•-• 5. • , •
OFERECE ES

de
o a

e e terece
ap a Oferec aux].
e Deus lhe a Oferéce

.• o

or do Pai do num louv ad


o e brota d do r.
o

das pessoa e expressam


s o capa e nio s
os as rid ou aprov eu se

o vivo que c
nos_ avorec oterece
. . ,.

dos, Oferece e

de ee Oferece
ofe

pa
gação e cul
si religiosas o
ab adores
4
Vi muita confusão religiosa por este
Brasil afora. Porém, uma coisa é certa: o mun
do esta sedento de Deus. E, isto é, para mim,
úm Sinal dos Tempos. Como não repartir o que
se tem com os que precisam? Nós religiosas te
mos tudo para esclarecer a fé destes nossos
irmãos que nos acolhem de coração aberto. Não
há mais tempo para se omitir.
Irmã, uno-me a você que taxuém sente
os Apelos do Senhor. Juntemos nossas mãos e

onde Ele quer que estejamos, procuremos dar-


Ihe r espaço, sermos canais condutores de sua
~
graça e seu amor aos nossos irmaosm porque:
vi itQyampr!,.
Irmã, parabéns, a você, peias boas a -
75'es dp cada di.a,e,obrigada PtovIncr-aripela
oportunisdade
, de gastar minhas férias co1abo-
• ranclo com a Igreja de Goiás.
Ir. Deomira

•••

- 18 -
o SS
ne a a ped emovida. Ac e amos
SSU o LA NOV
s oz inhas, tando com nossas

ao de perce
e CA,0
nosso lado ara a d as que esco
'terno ui:da"
iam o os de n as .
porta a a mens
do oxi a S
de d
o e aconte ci rito marque
e muitas ale portan e d su e
OM Vida No
s e as
••
a Cris o escondia. a en
Tudo s - alegrias,
ge DA.
tudo isto go marcado
pa s e es
se 1,

o os a certeza que Ress o


e s re
nosso lado para e
Esperanç
do. flOSS a os a .ecr
A verdade
,a a* e S
ai a ,
i•
41,

os s , '),T •

a somos pes a
0.0

inem pelo a coraçao da da iOnãr


nais e u De Jabriniana co
e

O Evangelho. o do grande obras grandios


as e es e a do ao s no tr h de cad as vezes
removida, Qa e do as aiecíra s
e havia acontecido e e o coa q e - da V
ato e e sa
em a nós. Se a os nos OM rf?
_e

Onzi
o d ua s vezes nos iora Provi
oerceb n as ezes encontramos