Você está na página 1de 85

Curso

Comunicação Não Violenta (CNV)

Apresentação
Governador do Distrito Federal
Ibaneis Rocha

Secretário de Economia do Distrito Federal


André Clemente Lara de Oliveira

Diretor-Executivo da Escola de Governo do Distrito Federal


Alex Costa Almeida

Escola de Governo do Distrito Federal


Endereço: SGON Quadra 1 Área Especial 1 – Brasília/DF – CEP: 70.610-610
Telefones: (61) 3344-0074 / 3344-0063

www.egov.df.gov.br
1

Curso
Comunicação Não Violenta (CNV)
Neide Odete Coutinho Saad
Rafael Leonel de Carvalho Evangelista

Aula 1
2

Objetivo
Capacitar os servidores na utilização da Comunicação Não Violenta
(CNV) consigo mesmo, nos relacionamentos pessoais e profissionais,
especialmente em situações de mediação de conflitos.

Objetivos específicos
 Propiciar reflexões acerca do processo de violência invisível.

 Aguçar a capacidade de identificar a violência nas relações intra


e interpessoais.
 Apresentar a técnica da CNV como uma escolha em mediações
de conflitos.
 Apresentara técnica da CNV como uma escolha para o aprimoramento
dos relacionamentos nas relações intra e interpessoais.
 Gerar aprendizagem por meio de vivências em grupo, utilizando
a linguagem da CNV (com dinâmicas e situações-problema).
3

Conteúdo do curso
 CNV geral;

 Observação e sentimentos;

 Necessidades e pedidos;

 Práticar

Nosso diálogo hoje


I. O acordo
II. Check-in
III. A Comunicação Não Violenta (CNV)
a. Histórico
b. Paradigma da dominação
c. CNV – noções gerais
IV. Conclusão do dia
4

Nosso diálogo hoje


I. O acordo
II. Apresentação
III. A Comunicação Não Violenta (CNV)
a. Histórico
b. Paradigma da dominação
c. CNV – noções gerais
IV. Conclusão do dia
5

Adquirir
conhecimento

Como você aprendeu


a andar de bicicleta?

Curso
Aprenda a andar de bicicleta on-line... Aprender

#Juntos

Divirtam-se!
6
7
8
9

Algo mais...
O que mais queremos cuidar?
10

Nosso diálogo hoje


I. O acordo
II. Apresentação
III. A Comunicação Não Violenta (CNV)
a. Histórico
b. Paradigma da dominação
c. CNV – noções gerais
IV. Conclusão do dia

O que vcO vê
quenesta
você vê nesta imagem?
imagem
11
12

“O comportamento das pessoas baseia-se em sua


percepção da realidade, não na realidade em si.”
(ROBBINS, S.P.)

“Não vemos as coisas como elas são, as vemos


como nós somos.”
(ROBBINS, S.P.)
13

“É na maneira como falamos


e ouvimos os outros que está
a chave para o problema das
desavenças e discórdias.”

Marshall Rosenberg
14

Marshall Bertram Rosenberg


 Psicólogo americano;

 Nasceu em Ohio (EUA), em 1934;

 Ph.D em psicologia clínica;

 No começo dos anos 1960, Rosenberg começou a trabalhar como


orientador educacional em escolas e universidades que
abandonavam a segregação racial.

“Felicidade é quando o que você


pensa, o que você diz e o que
você faz estão em harmonia.”

Mahatma Gandhi
15

“Era dessa parede cheia, quando


já não havia mais espaço para
receber feridas silenciosas, que
essa violência que tanto nos
assusta nos jornais transborda.”
Arun Gandhi

“A não violência não é uma estratégia


que se possa utilizar hoje e descartar
amanhã, nem é algo que nos torne
dóceis e influenciáveis.”

Estudava componentes de uma RELAÇÃO DE APOIO

“Ser empático é ver o mundo


com os olhos do outro e não
ver o nosso mundo refletido
nos olhos dele.”

Carl Rogers
16

Girafa e chacal (lobo)

Nosso diálogo hoje


I. O acordo
II. Apresentação
III. A Comunicação Não Violenta (CNV)
a. Histórico
b. Paradigma da dominação
c. CNV – noções gerais
IV. Conclusão do dia
17

Paradigma da dominação x Parceria

 Competição x Colaboração

 Bom/Mau x Não Julgamento


 Dualidade x Unicidade
 Escassez x Abundância

 Única opção x Vários caminhos

 Poder sobre x Poder com

Nosso diálogo hoje


I. O acordo
II. Apresentação
III. A Comunicação Não Violenta (CNV)
a. Histórico
b. Paradigma da dominação
c. CNV – noções gerais
IV. Conclusão do dia
18

Sem conexão, não existe


comunicação.
19

Olá, tudo bem?


Como você está hoje?

Exercício de empatia

Uma pessoa traz um conflito para compartilhar com a turma, e sete


deles estarão, em segredo, representando papéis com obstáculos da
escuta empática.
20

Empatia (escute)
Escutar com presença para compreender e não para responder.
 Aconselhar;

 Competir pelo sofrimento;

 Educar;

 Consolar;

 Contar uma história;

 Acabar com a escuta ou mudar de assunto.


21
22

Marcos Raquel

Colocando em prática!
23

“Você é muito folgada, Raquel. Estamos todos te


esperando há um tempão. Você sempre se atrasa
para reunião e parece não estar nem um pouco
comprometida com a nossa equipe! Pronto, falei!”

Marcos “Raquel, a reunião estava marcada para


14h, e você chegou às 14h40.
1o
Eu me senti irritado com isso.
2o Porque comprometimento e respeito são
muito importantes para mim.
3o
Na próxima quinta, teremos outra
reunião. Como é para você chegar às 14h
4o nesse dia?” Raquel

Á RVORE DA CNV
24

Que Que Que


bom! tal! pena!

Aula 2
25

Relembrando...
O que fizemos ontem?
 O acordo;

 Apresentação;

 A Comunicação Não Violenta (CNV);

 Paradigma da dominação.

Exercício/situação de conflite
26

Observação

O que você vê nesta imagem?


27

O que você vê nesta imagem?

O que você vê nesta imagem?


28

O que você vê nesta imagem?

O que você vê nesta imagem?


29

Vocês, de fato, observaram?


Ou também avaliaram?
Julgaram?

APENAS
Observação
30

Observação
 Observar sem avaliar;

 Apenas o que pode ser descrito;

 É objetivo;

 Todos podem ver!

Vamos verificar se é observação ou avaliação?


31

Você tem uma visão pessimista das coisas.


( ) Observação
( ) Avaliação

Meus filhos escovam poucas vezes os dentes.


( ) Observação
( ) Avaliação
32

Um senhor entrou, elogiou os três atendentes e, no quarto, deu


um longo abraço.
( ) Observação
( ) Avaliação

Eduardo é uma pessoa que sempre chega antes do horário.


( ) Observação
( ) Avaliação
33

Ele disse que os funcionários são acomodados.


( ) Observação
( ) Avaliação

Sempre que estamos juntos, você fica no celular.


( ) Observação
( ) Avaliação
34

Paradoxo do limão

Exercício/traga a observação na situação de


conflito
35

Como você vive, enxerga e lida com o


conflito tem a ver com o seu olhar...

Sentimentos
36

Eu sinto medo quando...

Eu sinto raiva quando...


37

Eu sinto tristeza quando...

Eu sinto alegria quando...


38

Sentimento
Identificamos e nomeamos o que estamos sentindo em relação ao que
observamos. Ou seja, falamos que estamos nos sentindo frustrados,
alegres, magoados, irritados, dentre outros;

Exemplo: Eu me sinto irritado(o) quando a sala está bagunçada.

O que não é expressão de sentimentos:

Sinto que...

 Eu sinto que o meu bebê é muito agitado.

 Eu sinto como se estivesse criando um filho sozinha.

 Sinto que tudo isto é inútil.


39

Conhecendo nossos sentimentos...


(Bons e maus – Sentimentos)

Quais estados de sentimento podem


ser empregados quando sua
necessidade é atendida?

E quando a sua necessidade não é atendida?

Rosa dos Sentimentos

Rosa dos Sentimentos


40

Pseudossentimento

PSEUDOSSENTIMENTO
41

Pseudossentimentos

Dinâmica para identificação de sentimentos e necessidades como substituição


dos pseudossentimentos.
A turma passeia pela sala. Cada participante pega uma ficha, volta para o
círculo e pensa em situações que usou ou ouviu a palavra escrita na ficha.
Compartilha com o colega ao lado. Depois, identifica, na Rosa dos Sentimentos,
um SENTIMENTO para substituir o pseudossentimento. Em seguida, identifica,
na Rosa das Necessidades, a necessidade que não foi atendida. Compartilha
com o mesmo colega.

Exercício/traga os sentimentos
42

Linha do tempo de um ESTADO


episódio emocional Ações
ATUAL
construtivas
ou
Mudanças destrutivas
físicas e
psicológicas
PROCESSOS INTERNOS

Base de dados
de percepção,
julgamentos
e crenças

GATILHO

EVENTO

CONDIÇÃO
ANTERIOR
TEMPO

Sequestro
da amígdala
43

#Diquinhas
1. Perguntas que ajudam
Oque me faz achar que ele(a) quer me
machucar?
 Que resultados quero desse diálogo?

 Quaissão meus sentimentos, emoções


e necessidades agora?
2. Estimular o lado lógico do cérebro
3. Mindfulness (Presença)
PENSE NISSO

Se conseguir se responsabilizar pelos seus


sentimentos, vai conseguir agir sobre eles.
44

Aula 3

Necessidades
humanas universais
45

Como as suas necessidades estão ligadas


às suas emoções?
46

Rosa das Necessidades

Necessidades básicas
honestidade autonomia realização segurança
autenticidade escolha evolução estabilidade
integridade liberdade esperança apoio
presença espaço aprendizado suporte
lazer espontaneidade desafio afeto
divertimento autenticidade descoberta conforto
humor expressão criatividade confiança
facilidade significado conexão sustentabilidade
variedade compreensão empatia proteção
paz celebração aceitação bem-estar físico
beleza clareza pertencimento ar – água
comunhão contribuição cooperação alimento
bem-estar sentido comunicação movimento
equidade luto interdependência descanso/sono
harmonia inspiração coerência expressão sexual
inspiração comprometimento reconhecimento abrigo
ordem respeito toque
expressão espiritual saúde
47

 Necessidades são diferentes de estratégias/desejos;

 Necessidades não precisam ser atendidas, mas precisam ser escutadas.

NÓS

Já sabemos que existe eu e existe você,


mas será que pode existir nós?
Sem deixar de existir eu e você?
Coexistir
Eu, você e nós?
48

Dizer
não!

Descascar cebola...
O que eu ganho com isso?
49

Exercício/quais as necessidades envolvidas

Pedindo aquilo que enriquecerá nossa vida.


50

Você realmente sabe o que quer?

Ação
Por que pedir é tão difícil?
Às vezes sabemos o que não queremos, mas não
sabemos o que queremos!

Eu queria te pedir para não esquecer de


colocar o lixo na porta!
Por favor, não chegue atrasado!
51

Pedidos podem ser...

Ação

Conexão Clareza

Conexão

Como isso chega pra você?

O que você sente ao me ouvir dizer isso?

Isso faz sentido pra você?


52

Clareza
Você pode repetir o que eu disse?

Você pode me dar um exemplo?

Ação
#Importante
 Ser específico;

 Ser claro;

 Fazer ações concretas;

 Usar linguagem positiva;


53

Exemplos
 Por favor, não se atrase para o jantar.
 Você poderia chegar às 19 horas para o jantar?

 Ajude-me nos cuidados com as crianças.

 Como é, para você, colocar as crianças para tomar banho, às 17 horas,


e as auxiliar nas tarefas da escola, às segundas-feiras e às quartas-feiras?
54

Qual é o meu objetivo ao fazer pedidos?


Se antes de fazer um pedido, eu penso: “Ele deveria…”; “Eu mereço”;
“Tenho o direito…”

Isto é uma Exigência/Ordem?


Pensamento exigente!

Pedidos para...

Mim Ele Terceiro


55

Exercício/faça um pedido

Orelhas
56
57

Aula 4

Como estamos?
58
59

Conectando-se compassivamente
consigo mesmos.

Um tour por nós mesmos.


60

 Lembrem-se de uma situação, de alguma ocasião em que


fizeram alguma coisa que gostariam de não ter feito.

Como vocês falaram?

Culpa – Vergonha – Medo

Eu deveria ter…
Tenho que…

Não deveria…

Eu sou…
61

It’s not just about the visuals, but strengthening

YOUR
MESSAGE.

AUTOEMPATIA

1. Pensamentos 2. Sentimentos
(tocar a cabeça) (tocar o peito) Nomear as
Nomear as histórias, sensações no corpo e as
julgamentos, emoções que sentimos.
interpretações
e crenças que
carregamos.

Antes de cada momento,


respire profundamente.
62

AUTOEMPATIA
4. Pedidos
3. Necessidades (mãos abertas p/
(tocar a barriga) receber) Nomear os
Dizer as necessidades pedidos que surgirem
que estão por traz da conexão com as
e que estão sendo necessidades.
expressas pelos
pensamentos
e sentimentos.

Antes de cada momento,


respire profundamente.
©2010 Jesse Wiens and Catherine Cadden • ZENVC.ORG
Based on the work of Marshall Rosenberg

Cultivando a consciência da energia por trás de nossas ações.

EU ESCOLHO__________.

PORQUE QUERO__________.
63

Quais as minhas motivações?


1. Dinheiro;
2. Aprovação;
3. Evitar punição;
4. Evitar vergonhar;
5. Evitar culpa;
6. Por dever.

“Queremos agir motivados


pelo desejo de contribuir para
a vida, e não por medo, culpa,
vergonha ou obrigação.”

Marshall Rosenberg.
64

“A pessoa que não está em paz


consigo mesma será uma pessoa
em guerra com o mundo inteiro.”
65

O que é EMPATIA?
66

Empatia
1. Escuta silenciosa (e ativa);
2. + Escuta silenciosa (presente);
3. Parafrasear.

Presença
67

Empatia cognitiva

Empatia Empatia
cognitiva emocional

E a compaixão?

Empatia que cura


 Pergunte antes de oferecer conselhos ou estímulo;

 Procure escutar sentimentos e necessidades;

 Quando a dor bloqueia nossa capacidade de oferecer empatia;


68

Empatia que cura


 Empatia e a capacidade de ser vulnerável;

 Empatia ao ouvirmos um “Não!” de alguém;

 Empatia para reanimar uma conversa morna.

On-line tem mais


 Meditação Bondade Amorosa;

 Estória do martelo;

 Nosso maior medo.


69

Aula 5
70

Centramento

Criando ambientes de trabalho efetivo-afetivos


71

Importância de cuidar das


relações no ambiente de trabalho
(Instituto Gallup)
 87% acham que o trabalho é uma
fonte de frustração;
 63% não se sentem engajados;

 84% dos que pediram demissão


tinham problema de comunicação/
conflito com a equipe ou chefia.

Como vejo o conflito?


72

Visão negativa/destrutiva

 Guerra;
 Briga;

 Insulto;

 Violência;

 Tristeza;

 Mágoa;

 Agressão.

Como meu corpo reage ao conflito, quando tenho


uma visão negativa?
Sensações negativas e tóxicas
 Transpiração;

 Dispersão;

 Tensão muscular;
 Hostilidade;

 Pessimismo;

 Descuido verbal;
 Raiva.
73

Normalmente como resolvo o conflito?


Visão negativa e destrutiva
 Atribuir culpa – apontar para o outro;

 Julgar – criar rótulo;

 Reprimir comportamento – não é assim


que se faz;
 Polarizar – alguém está certo e alguém
errado;
 Centralizar poder decisório – eu decido.

Vamos nos mexer?


74

Que jogo queremos jogar?

Vilão
x
Vítima

Vida maravilhosa

Olhando o conflito de forma positiva e construtiva.


 Paz;

 Solução;

 Aproximação;

 Entendimento;

 Alegria;

 Realização;

 Oportunidade.
75

Como meu corpo reage com o olhar positivo?


 Equilíbrio;

 Atenção;

 Agilidade;

 Benignidade;
 Otimismo;

 Racionalidade.

Como resolvo o conflito?


 Buscar soluções;
 Compreender comportamentos;

 Construir juntos;
 Compartilhar soluções;

 Resolver com agilidade;

 Não deixar o problema crescer.


76

Benefícios
 Melhorar o clima;

 Melhorar a gestão e a resolução dos conflitos;

 Evitar o estresse – liberação de cortisol;

 Gerenciar os conflitos de forma mais produtiva;

 Manter relações mais saudáveis;

 Ter satisfação e realização pessoal;

 Entre outros...

"A paz não significa ausência de conflitos.


As diferenças sempre estarão lá. Paz significa
resolver essas diferenças pelos meios pacíficos,
pelo diálogo, pela educação, pelo conhecimento
e pelas formas de compaixão."
77

Á RVORE DA CNV

Podemos buscar compreender as necessidades


dos outros e cocriar esse ambiente.
E MPATIA
78

Expressão autêntica

Identificar
Parar e
nossos
A UTOEXPRESSÃO

respirar.
pensamentos.

Conectar com as
nossas Expressar
necessidades. usando CNV.

Quando tomamos consciência de qual necessidade não foi


atendida, abrimos espaço para o que serve à vida.
79

CNV na prática
ambiente de trabalho?

Colocando em prática!
80

Show do lobo

Observação

Sentimento

Necessidade

Caminho da compreensão e da expressão


Pedido
81

Rede de apoio e sistema de apoio

Somos muitos...
82

Certificado

EU __________(seu nome)____________________________________________________

aprendi que _________________________________________________________________ .

Comprometo-me a __________________________________________________________ .

Agradeço a __________________________________________________________________ .
83

http://egov.df.gov.br