Você está na página 1de 40

SUAS: vantagens e desafios de

um sistema único de assistência


social
I. Como o Brasil chegou ao
modelo de Sistema Único
adotado na política de
Assistência Social?

II. O que é e como funciona o


SUAS?

III. O que fomos capazes de


fazer nos últimos 10 anos?

IV. Que vantagens a adoção


do modelo de Sistema Único
trouxe à política de
Assistência Social no Brasil?
Como o Brasil chegou ao
modelo de Sistema Único
adotado na política de
Assistência Social
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

Bem-estar Social

Proteção Assistência
Saúde
Social Social

 Ampliação dos direitos sociais, obtendo proteção social não contributiva


(além daqueles relacionados ao trabalho)
 Introduziu um novo conceito de Assistência Social
 Política ligada a direitos, o acesso universal e responsabilidade do Estado
 Garantiu um salário mínimo mensal para pessoas com deficiência e idosos
que não têm meios de autossuficiência;
MODELO DE FEDERALISMO PÓS CF DE 1988
 Entes federados com autonomia administrativa, normativa,
política e competência tributária.

 Predomínio de políticas descentralizadas, incluindo a


Assistência Social.

 Descentralização viabilizada pela adesão do nível


subnacional, o que exige negociações interfederativas.

 Implementação e gastos executados de forma preponderante


pelos municípios.
Fonte: LASSANCE, A. Federalismo à brasileira, IPEA, 2012.
Desigualdades e Diversidades Brasileiras
 89% dos municípios com menos
de 50 mil hab.

 Desigualdades regionais
 Concentração de Renda e
Pobreza
 Densidade Populacional X
Dispersão Populacional
 Acesso a Serviços e Políticas
 Diversidades Culturais e
Socioterritoriais

 Características geográficas
TAMBÉM CONTRIBUÍRAM PARA A
CONSTRUÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DO
SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

LEGISLAÇÕES NACIONAIS QUE ASSEGURAM DIREITOS A


SEGMENTOS ESPECÍFICOS (crianças e adolescentes, idosos,
mulheres, entre outros)

PLANOS E POLÍTICAS NACIONAIS (População em situação


de Rua, Pessoa com Deficiência, Idoso, entre outros)

CONVENÇÕES INTERNACIONAIS RATIFICADAS PELO


BRASIL (Trabalho Infantil, Pessoa com Deficiência, Direitos da
Criança, entre outros)
O desafio de criar um modelo para a política de
Assistência Social:

 Proteção Social não


Contributiva como direito

 Aderente à Organização
Federativa Brasileira e ao
ordenamento jurídico

 Capaz de atender a
realidades tão diversas
ASSISTÊNCIA SOCIAL
METAS Provisões Público

Previdência  Segurança de  Famílias em vulnerabilidade


Social Sobrevivência social (Renda, falta de acesso a
direitos e serviços, falta de infra-
 Segurança de estrutura nos territórios)
 Vigilância Acolhimento
socioassistenci  Famílias e indivíduos em
al  Segurança de situação de risco pessoal ou
vida ou familiar e social, por violação de direitos
 Defesa dos vida comunitária (abandono, violência doméstica,
direitos adolescentes em conflito com a lei,
humanos situação de rua, etc.)
O QUE É SUAS
Sistema que organiza as ofertas da Política de
Assistência Social, com:
- Padronização nacional das ofertas;
- Definição das responsabilidades dos Entes Federados;
- Parâmetros para a gestão em cada um dos níveis da
federação;
Sistema Único de Assistência Social
Organiza o fornecimento de programas,
serviços, projetos e benefícios, garantindo um
controle unificado em cada esfera.
Como funciona o SUAS
Princípios Organizativos do SUAS
(NOB SUAS 2012)

GARANTIA DE ACESSO: a todo cidadão que dela necessitar.

GRATUIDADE: sem exigência de contribuição ou contrapartida.

INTERSETORIALIDADE: integração e articulação intersetorial.

EQUIDADE: respeito às diversidades, com priorização daqueles que


estiverem em situação de vulnerabilidade e risco pessoal e social.
SUAS: Estrutura de Governança

Instâncias de Instâncias de Instâncias de Instâncias de


Gestão negociação e Deliberação e Financiamento
acordo Controle Social
Ministério do Fundo
Desenvolvimento Comissão Conselho National
Social e Tripartite nacional
Combate à Fome Fundos
Comissão Conselhos Estaduais
Secretarias Bipartite estaduais
estaduais Fundos
Conselhos Municipais
Secretarias municipais
municipais

Redes Governamentais e Não-governamentais de Serviços de Assistência Social

Beneficiários / usuários
ARRANJO FEDERATIVO DO SUAS (LOAS e NOB/SUAS)
COMPETÊNCIAS COMUNS
 Coordenação e gestão da política em seu âmbito de
abrangência (planejamento, monitoramento e avaliação; gestão de
Recursos Humanos e financeira; regulação, etc);
 Cofinanciamento de Serviços, Programas, Projetos e
Gestão do SUAS.
COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS
UNIÃO ESTADOS MUNICÍPIOS
 Parâmetros Nacionais;  Ofertas regionalizadas;  Implantação do SUAS e
 Financiamento do BPC  Benefícios Eventuais; oferta de atendimento;
e PBF;  Apoio Técnico e  Benefícios Eventuais;
 Apoio técnico; Capacitação;  Calamidade pública e
 Calamidade pública e  Calamidade pública e emergência.
emergência (apoio). emergência.
FORNECIMENTO DE SERVIÇOS

Benefícios
Assistenciais e
transferências
condicionais de Programas
Serviços Projetos
dinheiro

Diretamente Transferência Transferência Transferência


para os entre Fundos, entre Fundos, Voluntária
beneficiários regular e regular e (Acordo)
automática, automática
usando
transferência
contínua

Suporte Administrativo
NÍVEIS DE PROTEÇÃO
Escala de Risco e Vulnerabilidade

Proteção Social Ações preventivas; Fortalecimento de laços


Básica
Público: Famílias que vivem em condições de vulnerabilidade
social e/ou de enfraquecimento dos laços familiares e de
inserção social.
Proteção Social Acompanhamento especializado; Prevenção da
Especial - Média institucionalização
Complexidade
Público: Famílias e indivíduos em situação de risco pessoal e
social, por violação dos direitos decorrentes de abandono,
abuso físico ou mental, abuso e exploração sexual,
adolescentes em conflito com a lei, sem-teto, etc.
Proteção Social Abrigo personalizado; Resgate do convívio social
Especial - Alta
Complexidade Público: Famílias e indivíduos em situação de risco pessoal e
social, por violação de direitos e ruptura dos laços familiares.
AS OFERTAS DO SUAS

Serviços Benefícios

Família

Projetos Programas
Serviços Unidades
Proteção Social Básica
 Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família; CRAS
 Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos; Unidades referenciadas
ao CRAS
Proteção Social Especial de Média Complexidade
 Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e CREAS
Indivíduos;
 Serviço Especializado em Abordagem Social; Unidades
 Serviço de Proteção Social a Adolescentes em Cumprimento de referenciadas
Medida Socioeducativa de LA e PSC ao CREAS
 Serviço de Proteção Social Especial para Pessoas com
Deficiência, Idosas e suas Famílias; Centro POP
 Serviço Especializado para Pessoas em Situação de Rua.
PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL - ALTA COMPLEXIDADE
 Serviços de Acolhimento: Institucional; República; Família Unidades de
Acolhedora. Acolhimento
 Serviço de Proteção em Situações de Calamidades Públicas e de
Emergências.
BENEFÍCIOS SOCIOASSISTENCIAIS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA


 Garantia de 01 salário-mínimo mensal à pessoa com deficiência
e ao idoso com 65 anos ou mais que comprove não possuir
meios de prover a própria manutenção nem de tê-la provida pela
família

 Direito constitucional, individual e intransferível, não-vitalício,


independe de contribuições prévias

BENEFÍCIOS EVENTUAIS
 Provisões suplementares e provisórias, prestadas aos cidadãos e
às famílias em virtude de nascimento, morte, situações de
vulnerabilidade temporária e de calamidade pública.
Programas que Articulam Ações
Intersetoriais

 PETI

 BPC ESCOLA

 ACESSUAS TRABALHO/
BPC TRABALHO

Fonte: http://www.hojemais.com.br/
TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS

ACESSO À RENDA ACESSO A SERVIÇOS


BPC SOCIOASSISTENCIAIS
PBF

ARTICULAÇÃO
INTERSETORIAL
para Acesso a
Direitos e Serviços
de outras Políticas
A REDE DE ATENDIMENTO DO SUAS
Proteção Social Básica: CRAS

Unidade Pública do Estado;


Unidade Municipal
Apoio as famílias e ações
preventivas;
Busca Ativa de famílias em situação
de pobreza e de vulnerabilidade
social – Beneficiários do Programa
Bolsa Família e do Benefício de
Prestação Continuada;
Coordenação e Gestão do Território

SERVIÇOS:
Serviço de Proteção e Atendimento
Integral para famílias;
Serviço de Convivência e
Fortalecimento de Vínculos ;
Serviço Móveis.
Proteção Social de Média Complexidade: CREAS

 Unidade Pública do Estado


 Cobertura municipal ou
regional

SERVIÇOS :
 PAEFI – Serviço de Proteção e
Atendimento Especializado a
Famílias e Indivíduos;
 Serviços para adolescentes
em conflito com a lei;
 Serviço Especializado em
Abordagem Social
 Monitoramento Especializado
de famílias em situação de risco
pessoal ou social, por violação de
direitos
Proteção Social de Média Complexidade: CENTROS PARA
POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA
• Unidade Pública do Estado
• Municípios com mais de 100.000 habitantes ou mais de 50.000 habitantes
em regiões metropolitanas
• Serviços Especializados para população em situação de rua
• Serviço Especializado em Abordagem Social
• Atendimentos individuais e coletivas, workshops, incentivo à liderança e
envolvimento social
• Lugares individuais e coletivos para o armazenamento de pertences
pessoais, alimentação e higiene pessoal
Proteção Social de Alta Complexidade :
Serviços de hospedagem
Atenção integral de pessoas isoladas da
família e/ou comunidade por abandono,
abuso, violência ou decisão judicial

• Ciclos de Vida:
- crianças e adolescentes
- adultos e famílias (emigrantes, imigrantes
em situação de rua)
- mulheres em situação de violência
- jovens e adultos com deficiência

• Hospedagem Institutional:
Abrigo residencial
Abrigo institucional
Casa de recuperação
Habitação inclusiva
República
• Família Acolhedora
ORGANIZAÇÃO DA REDE
SOCIOASSISTENCIAL NOS TERRITÓRIOS

Unidades
referenciadas

CRAS,
Equipes que se CREAS e
deslocam pelo Centro
Território POP
(PAIF, Abordagem
Social)
Unidades Unidades
referenciadas Referenciadas
O que fomos capazes de
fazer nos últimos 10 anos
Alguns destaques
GESTÃO

 Instituímos o modelo de
Governança do SUAS em
todo o território nacional
 Asseguramos
Financiamento Público
 Profissionalizamos a área

Foto: Acervo / MDS


2005: 24,5% DOS MUNICÍPIOS 2015: 99,3% DOS MUNICÍPIOS

(Rede Cofinanciada pelo MDS. Dez/2005) (Rede Cofinanciada pelo MDS. Nov/15)

Ofertas apoiadas pelo Governo Federal.


2005: 41% dos Municípios com mais 2015: 95% dos Municípios com
de 20 mil habitantes
mais de 20 mil habitantes

(Rede Cofinanciada pelo MDS. Dez/2005)


(Rede Cofinanciada pelo MDS. Nov/15)

Ofertas apoiadas pelo Governo Federal.


89% dos municípios com
mais de 50 mil habitantes

Total de
Unidades de
Acolhimento
CENSO SUAS 2014
REDE DE ATENDIMENTO: ESFORÇOS PARA
ATENDER ESPECIFICIDADES DOS TERRITÓRIOS

 2.149 municípios
com Abordagem
Social
Fonte: Censo SUAS 2014; RMA 2014

 1.158 municípios com equipe


volante.
 257 municípios com embarcação.
Fonte: Censo SUAS 2014.

Foto: Ubirajara Machado/MDS


REDUÇÃO DA POBREZA E EXTREMA POBREZA,
Brasil, 1992-2014
Percentual da população em situação de extrema pobreza (%)
31,1 Percentual da população em situação de pobreza (%)

13,5

7,0
2,5

Fonte: IBGE/PNAD. Elaboração: SAGI/MDS


Evolução da pobreza crônica multidimensional
Brasil, 2002 - 2014 (%)

Fonte: IBGE/PNAD. Elaboração: SAGI/MDS


Que vantagens a adoção do
modelo de Sistema Único
trouxe à política de
Assistência Social
Comando Único: parametrização das provisões;
organização da gestão e das ofertas; articulação
público/privado

Parâmetros nacionalmente definidos e oferta


descentralizada/próxima da população
Gestão compartilhada, com corresponsabilidades dos
entes federativos, inclusive no financiamento público

Controle social, com participação dos


usuários/sociedade civil nas diferentes esferas
(conselhos)

Gestão do Cadastro Único em todo território nacional e


cobertura de atendimento com capilaridade robusta e
possibilidades de adaptação à realidade dos territórios.
MODELO DE TOMADA DE DECISÃO

Parâmetros nacionais, critérios para a


destinação de recursos públicos,
direcionamento e planejamento da política:
 definidos com a participação dos entes
e dos usuários/sociedade civil

COMO ISSO É VIABILIZADO?


 espaços institucionalizados de negociação
interfederativa e de participação dos
usuários/sociedade civil;
 processos com ritos democráticos e
transparentes
 retroalimentação por meio do processo
conferencial (avaliação e novas demandas);
OBRIGADA!

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate


à Fome

CENTRAL DE RELACIONAMENTOS DO MDS:


0800 707 2003
www.mds.gov.br

Você também pode gostar