Você está na página 1de 10

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

CÁLCULO II - PROJETO NEWTON


AULA 08

Assunto:Funções de várias variáveis reais a valores reais, domínio e imagem, curvas de nível,
gráco da função de duas variáveis reais a valores reais
Palavras-chaves: função de várias variáveis, domínio, imagem, curvas de nível, gráco

Funções de várias variáveis reais a valores reais (Funções de Rn em R)

Uma função de n variáveis reais a valores reais é uma regra que associa cada n_upla de um subconjunto
do Rn um único número real.

Se B denota o subconjunto e f a regra, a função é denotada por

f : B ⊂ Rn −→ R

ou

f : B ⊂ Rn −→ R
(x1 , x2 , ..., xn ) 7−→ f (x1 , x2 , ..., xn )

ou, simplesmente, por

f (x1 , x2 , ..., xn )

Quando n = 2 escrevemos

f (x, y) ou z = f (x, y)

Quando n = 3

f (x, y, z)

Muitas grandezas são escritas por funções de várias variáveis reais a valores em reais. Por exemplo,

1. A temperatura T de uma chapa metálica pode depender das coordenadas x e y de cada ponto da chapa.
2. A densidade de um sólido pode depender das coordenadas x, y, e z de cada ponto do sólido.

3. O volume contido em um reservatório, que tem a forma de um cone circular reto, que está sendo enchido
de água, depende da altura h do "cone de água"e do raio da base r de tal cone.

4. O lucro obtido por uma empresa com a venda de um produto, por ela produzido, pode depender de

2
x1 = custo com matéria prima
x2 = custo com pessoal
x3 = custo com impostos
x4 = custo com propaganda
x5 = valor venal do produto
l(x1 , x2 , x3 , x4 , x5 ) = lucro

As funções com as quais trabalharemos serão expressas por fórmulas, tais como

f (x, y) = x2 − 2xy 3
f (x, y) = ex cos y
x−y
f (x, y, z) =
z
f (x1 , x2 , x3 , x4 ) = x21 + x22 + x23 + x24

Consideremos mais este exemplo

x2
f (x, y) =
x−y

Temos que

22 4
f (2, 3) = = = −4
2−3 −1

Podemos interpretar essa função como sendo uma "máquina".

Dizemos que

• −4 é o valor da função f no ponto (2, 3)

ou que

3
• −4 é a imagem da função f no ponto (2, 3)

Observemos que f (2, 2) não existe.

Dizemos então que a função não pode ser calculada no ponto (2, 2).

O conjunto dos pontos nos quais podemos calcular uma função f de várias variáveis reais a valores reais é
chamado de domínio da função e é denotado por Df .

O domínio de uma função de várias variáveis reais a valores reais pode ser especicado ou não.

Exemplo 1 (Funções em que o domínio está especicado)

1. f (x, y) = xy − y 2 , x2 + y 2 < 1.

Essa função só deve ser calculada nos pontos do R2 que satisfazem x2 + y 2 < 1, ou seja, os pontos que
estão no interior da circunferência de centro na origem e raio 1.

Portanto,

Df = {(x, y) ∈ R2 ; x2 + y 2 < 1}

2. f (x, y, z) = x + y − z, x ≥ 0, y ≥ 0, z ≥ 0.

Essa função só pode ser calculada nos pontos do R3 que estão no primeiro octante.

Quando o domínio da função f não é especicado, tomamos como domínio de f o conjunto dos pontos do
R para os quais a fórmula da expressão de f fornece um número real bem denido.
n

Exemplo 2 Determine o domínio das seguintes funções:



1. f (x, y) = y − x

4
Df = {(x, y) ∈ R2 ; y − x ≥ 0}
= {(x, y) ∈ R2 ; y ≥ x}


y−x
2. f (x, y) =
ln(x − 1)

Df = {(x, y) ∈ R2 ; y − x ≥ 0, x − 1 > 0, x − 1 6= 1}
= {(x, y) ∈ R2 ; y ≥ x, x > 1, x 6= 2}

3. f (x, y, z) =
p
z 2 − x2 − y 2

Df = {(x, y, z) ∈ R3 ; z 2 − x2 − y 2 ≥ 0}
= {(x, y, z) ∈ R3 ; z 2 ≥ x2 + y 2 }

5
Imagem

O conjunto imagem de uma função f : A ⊂ Rn −→ R é o subconjunto de R constituído pelos valores


f (x1 , x2 , ..., xn ) de f conforme (x1 , x2 , ..., xn ) percorre o domínio de f , ou seja,

Imf = {f (x1 , x − 2, ..., xn ) ∈ R; (x1 , x − 2, ..., xn ) ∈ Df }

Exemplo 3 Determine o conjunto imagem da função dada.

1. f (x, y, z) = x + y + z

Imf = R

2. f (x, y) = x2 + y 2

Img = [0, +∞)


1
3. f (x1 , x2 , x3 , x4 ) =
x21 + x22 + x23 + x24

Img = (0, +∞)

Como uma função f : A ⊂ Rn −→ R transforma pontos do Rn em números reais, uma maneira de


descrevê-la é como segue

6
Consideremos a seguinte função constante de uma variável real a valores em R.

f (x) = 2

Na expressão dessa função, não consta a variável x.

Isso também ocorre com funções de várias variáveis reais a valores reais. Por exemplo,

f (x, y, z) = 5

é uma função constante de três variáveis reais a valores reais.

Também pode acontecer de não constarem todas as variáveis x1 , x2 , ..., xn na expressão da função f (x1 , x2 , ..., xn ).
Dizemos, neste caso, que f é independente das variáveis ausentes.Por exemplo,

f (x, y) = x2

é independente da variável y , e

f (x, y, z) = 1 − z

é independente das variáveis x e y .

7
Agora, nos restringiremos, momentaneamente, às funções de duas variáveis reais a valores em R. Estabe-
leceremos as curvas de nível e o gráco de tais funções.

Curvas de nível

Seja a função

p
f (x, y) = x2 + y 2

Temos que Df = R2 e Imf = [0, +∞). Portanto, 2 ∈ Imf .

Queremos encontrar todos os pontos (x, y) do R2 que tem como valor 2 pela função f , ou seja,

(xy) = ? t.q. f (x, y) = 2 ⇒


p
x2 + y 2 = 2 ⇒ x2 + y 2 = 22

que é a circunferência de centro na origem e raio 2.

Os pontos da circunferência x2 + y 2 = 4 são levados no 2 pela função f .

Dizemos então que x2 + y 2 = 4 é a curva de nível de f (x, y) = x2 + y 2 correspondente ao nível 2.


p

Da mesma maneira, x2 + y 2 = 9 é a curva de nível de f correspondente ao nível 3.

De um modo geral, dados f : A ⊂ R2 −→ R e c ∈ Imf , a equação

f (x, y) = c

(e o conjunto dos pontos de Df satisfeitos por essa equação) é chamada de curva de nível de f correspon-
dente ao nível c.

Nem sempre a curva de nível de uma função f correspondente a um nível c é de fato uma curva. A curva
de nível pode ser um ponto ou uma reta.

8
Por exemplo, a curva de nível da função f (x, y) = x2 + y 2 correspondente ao nível zero é um ponto, a
p

saber, a origem; a curva de nível da função f (x, y) = y − x + 1 correspondente ao nível 1 é a reta y = x.

Exemplo 4 Determine e esboce as curvas de nível da função dada

1. x2 + y 2 .
p

As curvas de nível são a origem e as circunferências concêntricas de centro na origem.

2. f (x, y) = y − x + 1, Imf = R.

y − x + 1 = c ⇒ y = x − 1 + c, c∈R

Retas paralelas à bissetriz do primeiro e terceiro quadrante

c = −1 ⇒ y =x−2
c=0 ⇒ y =x−1
c=1 ⇒ y=x
c=2 ⇒ y =x+1

9
3. z = y − x2 .

As curvas de nível são parábolas.

c ∈ R, y − x2 = c ⇒ y = x2 + c

Pergunta: Duas curvas de nível de uma função f correspondentes a níveis diferentes podem ser intercep-
tar?

10

Você também pode gostar