Trabalho de Etnomusicologia I

Música Afro-cubana: Estudo sobre a Rumba

Alexandre Reinalt Magni A59497 Cátia Vanessa Gomes Gonçalves A57265

Universidade do Minho Instituto de Letras e Ciências Humanas

Departamento de Música

Universidade do Minho Instituto de Letras e Ciências Humanas Departamento de Música

Identificação dos Alunos

Nome: Alexandre Reinalt Magni Data de Nascimento: 21 de Janeiro de 1978 Código de Aluno: A59497

Nome: Cátia Vanessa Gomes Gonçalves Data de Nascimento: 14 de Julho de 1991 Código de Aluno: A57265

Área de Formação: Licenciatura em Música - Ciências Musicais Unidade Curricular: Etnomusicologia I Docente: Professora Drª. Elisa Lessa

Contactos dos Alunos e-mail: alexmagni@hotmail.com A59497@alunos.uminho.pt Telefone móvel: 964337229

e-mail: catiavanessafg@gmail.com A57265@alunos.uminho.pt Telefone móvel: 919565411

2

Universidade do Minho Instituto de Letras e Ciências Humanas Departamento de Música

Índice
- Introdução - Aspectos Gerais da República de Cuba - Panorama geral da História da Música em Cuba - As origens da música cubana tradicional e folclórica - A Música Popular Cubana - A Rumba Afro-Cubana - World Music - Entrevista - Panorama da Rumba ou Música Afro-Cubana em Portugal - Análise Musical de uma Rumba Afro-Cubana - Conclusão - Referências Bibliográficas pág. 29 pág. 30 pág. 33 pág. 34 pág. 1 pág. 2 pág. 9 pág. 11 pág. 15 pág. 19 pág. 23 pág. 26

3

jazz. Isto aplica-se especialmente na música popular afrocubana. dentro e fora da Ilha. como veremos mais posteriormente). continua a ser um assunto de perplexidade académica. não eram tocadas de forma consistente na mídia de massas. por exemplo. e ultimamente de fontes comerciais. despertando curiosidade entre as pessoas e o desejo de a aprender mais. a cultura em Cuba está longe de ser homogénea e muitas formas culturais têm alcançado popularidade apenas entre os segmentos limitados da população. bem com culturas latinoamericanas. sendo consideradas não musicais ou até mesmo ofensivo para alguns ouvintes (situação que já reverteu-se nas últimas décadas). e tem desenvolvido muitos géneros sincréticos nacionais que testemunham a originalidade histórica cultural. muitas vezes representa uma síntese complexa de influências. A música cubana atrai pessoas de todas as nacionalidades e esferas sociais. sociais e económicos.Universidade do Minho Instituto de Letras e Ciências Humanas Departamento de Música Introdução A música cubana tem tido um fenomenal impacto cultural a nível global nos últimos setenta anos. Tais atitudes são 4 . A música em Cuba. apreciado por quase todos os cubanos. O interesse mundial nesta música tem aumentado ao longo dos últimos anos. Por outro lado. mas nos últimos anos também regionais e estilos internacionais modernos: a partir de uma linguagem clássica. No entanto. e a fusão destes elementos. incluindo não só espanholas e africanas. e a dinâmica dos acontecimentos políticos. Cuba já existe como uma entidade política a mais de quinhentos anos. resultou num mosaico fascinante de formas e géneros musicais. devido à falta de conhecimentos e habilidades técnicas básicas. Géneros musicais associados ao culto religioso afro-cubano. A mistura de influências africanas e europeias (e não só. havendo também uma escassez de professores qualificados neste domínio. A cultura musical de Cuba tornou-se muito mais exposta devido à sua riqueza. que por sua vez deriva da música folclórica e tradicional. “folk”.

e a leste pela passagem de Barlavento. e em especial da rumba. incluindo muitas ilhas próximas como a ilha da Juventude. O objectivo deste trabalho é contribuir para uma melhor compreensão e apreciação da música afro-cubana. A longa ilha de Cuba é a maior ilha das Caraíbas com uma superfície 104. uma base naval que está alugada aos Estados Unidos da América desde 1903.200 km. em diferentes graus ao longo do tempo.mais comuns entre cubanos/latino-americanos brancos. ilhotas e ilhas. a oeste pelo canal do Iucatão. possui uma superfície de 110 860 km² e uma extensão territorial de 1.945 km². é mais útil vê-la como um conglomerado de diferentes estilos e tendências que têm se modificado gradualmente. Bandeira da República Cubana Banhada a norte pelo estreito da Flórida (Oceano Atlântico Norte). a noroeste pelo Golfo do México. com 5 . a sul pelo mar das Caraíbas. com uma superfície de 2 200 km². A república compreende toda a ilha.195 restingas. O conjunto do arquipélago cubano. A ilha de Cuba esta formada principalmente por planícies onduladas. ignorância e superstição. As maiores são a Ilha de Cuba e a Ilha da Juventude. Universidade do Minho Instituto de Letras e Ciências Humanas Departamento de Música Aspectos Gerais da República de Cuba Aspectos Geográficos A República de Cuba é um arquipélago formado por aproximadamente 4. Ao invés de conceber a música cubana como uma entidade única e monolítica. com a excepção da baía de Guantánamo. alguns dos quais continuam a afirmar que a expressão “africano” está associada a pobreza.

se tornou uma colónia de Espanha.Capital: Sancti Spíritus 9.Capital: Guantánamo Aspectos Históricos. Santiago de Cuba . Matanzas . Cienfuegos . começou a ser registada quando Cristóvão Colombo avistou a ilha durante sua primeira viagem à América. Havana é a maior cidade e a capital. Em 1762 a cidade foi ocupada brevemente 6 .Capital: Santiago de Cuba 15. A ilha. 1.Capital: Nueva Gerona 2. Granma . Holguín .Capital: Pinar del Río 3. Villa Clara . Ciudad de la Habana (Cidade de Havana) . Camagüey . O ponto mais elevado é o Pico Real del Turquino com 2. Guantánamo .colinas e montanhas mais escarpadas situadas maioritariamente na zona sudeste da ilha. La Habana (Havana) .Capital: Bayamo 13.Capital: Cienfuegos 7. embora temperado pelos ventos Alísios.Capital: Matanzas 6. que então era habitada por povos indígenas. O clima é tropical.Capital: Ciego de Ávila 10. Santiago de Cuba e Camaguey são outras cidades importantes.Capital: Santa Clara 8. a maior das ilhas do Caribe.Capital: Camagüey 11. Sancti Spíritus . Las Tunas . Isla de la Juventud (Ilha da Juventude) .005 m. chefiada por um governador espanhol em Havana. Existe uma estação relativamente seca de Novembro a Abril e uma estação mais chuvosa de Maio a Outubro.Capital: Havana 5.Capital: Havana 4.Ciego de Ávila . em 27 de Outubro de 1492.Capital: Holguín 14. Pinar del Río . Sociais e económicos A história de Cuba.Capital: Victoria de Las Tunas 12.

a partir do século XVII a produção açucareira tornou-se a base de sua economia. prolongou-se até 1878. e Céspedes era deposto em 1873. Detido aos 16 anos de idade por ter fundado um jornal revolucionário (o La Patria Libre). a Espanha ampliava o seu contingente militar na ilha. em 24 de Outubro de 1492. foi condenado a trabalhos forçados e depois deportado para a Espanha. em 1514. a chamada Grande Guerra registou-se entre 1868 e 1878. na Venezuela e nos Estados Unidos. viveu no México. proclamando a independência de Cuba. Colombo deu àquele território o nome de La Juana. primeiro governador da colónia. onde 7 . Livre. um latifundiário educado na Europa. primeiro como primeiro-ministro. como presidente. em homenagem à filha dos Reis Católicos. trazidos por espanhóis e portugueses. quando começou a sua colonização. Enquanto isso. quando o líder do país. Em 10 de Outubro de 1868. em 1902. Isto terminou em 1959. a partir de seu engenho de açúcar. de sua mão-de-obra. descendente de Genghis Khan). baseada na monocultura extensiva. proclamou a liberdade de todos os escravos que se unissem ao exército revolucionário. Sebastião de Ocampo provou que Cuba era uma ilha. A deterioração rápida das relações com o país norte-americano levou à aliança cubana com a União Soviética. Fulgencio Batista. Colombo pensava que aquela terra era parte do continente asiático e pertencente aos domínios do Grande Cão (o rei da Ásia. Uma série de rebeliões durante o século XIX não lograram pôr fim ao domínio espanhol. Essa medida teve como resultado imediato o aumento do seu efectivo para doze mil homens. ainda em meados do século XVI. e a oposição dos demais latifundiários.pelo Reino da Grã-Bretanha. quando foi visitada por Cristóvão Colombo na sua primeira viagem. entretanto. quando as tropas espanholas retomaram o controle da ilha. que eventualmente levou à retirada dos espanhóis e. foi deposto pelos revolucionários. e o país exerceu grande influência sobre a ilha. Durante as primeiras décadas do século XX os interesses dos Estados Unidos predominaram em Cuba. Durante quatro séculos. que se viram privados. e a transformação de Cuba numa auto-proclamada república socialista. nos actuais Estados Unidos da América. A cidade de Havana foi fundada por Diego Velázquez de Cuéllar. até ao território. No século XIX. Nesse meio tempo. Céspedes levantou-se contra o governo espanhol. Cuba conquistou a independência formal. No entanto. conduzido por Carlos Manuel Céspedes. Apenas em 1509. por esse meio. Cuba era povoada por índios. porém retornou à posse espanhola depois de uma troca pelo território da Flórida. à frente de duzentos homens. Cuba foi uma colónia explorada pela Espanha. Entre as primeiras providências de seu governo. liderados por Fidel Castro. Após o esgotamento dos metais preciosos. as tensões entre a Espanha e os Estados Unidos provocaram a Guerra Hispano-Americana. surgiu um novo líder revolucionário: José Martí. e na mão-de-obra dos escravos africano. O primeiro movimento de independência de Cuba. A resistência. os Estados Unidos já era o maior comprador do açúcar cubano. que defendia os princípios liberais do Iluminismo. Castro permaneceu no poder desde então. a partir de 1976. os quais chamavam a ilha de Bohío. e depois.

Ao se tornar chefe do exército. um navio de guerra norte-americano ancorado em Havana. repentinamente explodiu. a preços baixíssimos. passando a atacar territórios espanhóis quer no Caribe quer no Pacífico. de entregar o governo e o domínio da Ilha a seu povo (. sendo nomeado um Governador-Geral pelos EUA. a luta pela independência foi abortada.. Batista foi eleito em 1940 presidente da República Cubana. Em 1892 fundou o Partido Revolucionário Cubano. que os revendia por preços maiores. Em 1898. os combates prosseguiram até 1898. O governo americano começou a criar propostas económicas que beneficiavam apenas aos EUA. mesmo após a sua morte. Entretanto. quando a mesma seja atingida. com a entrada dos Estados Unidos no conflito. os Estados Unidos declararam guerra contra a Espanha. e Cuba passou a ser colónia dos EUA. Batista dominou a situação usando uma orientação socialista (segundo alguns). que declarava: “(…) que o povo de Cuba é. e em 1952 conduziu um novo golpe de Estado apoiado por diversos partidos políticos. dentre os quais o Partido Socialista Popular 8 . Derrotados. o General norte-americano John Brooke. um mês após iniciado o conflito. todos os produtos que Cuba produzia eram exportados apenas para os Estados Unidos. Assim. Deste modo. Fulgencio Batista era mulato e pela primeira vez na história cubana os afrodescendentes chegavam ao poder. Sem que se soubesse de imediato qual foi a causa. … que os Estados Unidos por intermédio da presente declaram não ter vontade nem intenção de exercer soberania. que dava o direito aos EUA. na qual pereceu. O presidente William McKinley assinou a Resolução Conjunta em 20 de abril de 1898. portanto oposta às ingerências norte-americanas. em 1895 desembarcou em Cuba. de invadir Cuba a qualquer momento em que os interesses económicos dos Estados Unidos fossem ameaçados. invadindo-os. jurisdição ou domínio sobre esta Ilha. sendo liberada depois da aprovação de uma emenda à Constituição cubana. foi desatada uma guerra contra a Espanha. Sob o pretexto da explosão do navio. e assevera sua determinação. um golpe militar encabeçado pelo sargento estenógrafo Fulgencio Batista derrubou a ditadura de Gerardo Machado. Em 1933. A chamada Emenda Platt permaneceu mantendo Cuba um protectorado estado-unidense até 1933. o USS Maine. livre e independente.passou a articular uma nova revolução para a independência de Cuba. dando início a uma nova guerra de independência.. e por direito deve ser.)”. quando. a imprensa e o governo dos Estados Unidos culparam a Espanha. em busca de recursos para o seu projecto. Promulgou a Constituição Liberal. os espanhóis retiraram-se e Cuba assinou com os Estados Unidos o Tratado de Paris que põe fim a dominação espanhola na ilha. A Resolução Conjunta autorizou o presidente a usar a força para eliminar o governo espanhol em Cuba. que se tornou um protectorado americano. Cuba permaneceu ocupada pelos Estados Unidos até 1902. como por exemplo. excepto para sua pacificação.

foi condenado a 15 anos de prisão. O “guerrilheiro” argentino Chê Guevara ajudou Fidel na formação de um movimento revolucionário chamado “Movimento 26 de Julho”. Fidel Castro não era comunista. A ilha. o palácio presidencial. Os estudantes. muito abaixo do valor real.(ou Partido Comunista Cubano). e um dos países mais pobres das Caraíbas. conhecido como Chê. Etcheverria foi morto e o directório disperso. Além disto. no exercício anterior. havia um total de quinhentas prostitutas em Havana. A prostituição. e. a corrupção e negociatas caracterizaram a era Batista. começou sua marcha para Havana. Outro grupo de estudantes iniciou nova movimentação. que durou 25 meses. Em 1958. havia também um grande desequilíbrio entre a área rural e urbana. capital de Cuba. Fidel Castro mobiliza a juventude cubana e consegue eliminar o analfabetismo que era de 40% . acompanhado por todos os dignitários de sua ditadura. sendo a indústria da prostituição a mais rentável da ilha. mesmo sendo a maior economia das Caraíbas. composto de jovens estudantes que iniciaram uma luta contra Batista. em 1958 era apenas a oitava economia entre os vinte maiores países latino-americanos relativamente ao PIB. (Fidel Castro). Cuba progrediu economicamente. Em 1959. Fidel Castro realizou a reforma agrária. Chê Guevara ou El Chê. desapropriando propriedades dos americanos. começou a haver um descontentamento das classes média e baixa da população cubana. liderados por José António Etcheverria. Em 7 de Novembro de 1958. aliás. alguns dos atacantes foram mortos e Fidel Castro capturado. libertado em seguida por interferência de alguns religiosos. Ernesto Guevara Lynch de la Serna. indemnizados pelo valor que declararam nas finanças. conheceu um médico argentino comunista chamado Ernesto Guevara. em Março de 1953. Julgado. Batista põe-se em fuga. os comunistas apoiavam Batista e não confiavam em Fidel. Na acção. e o capital proveniente do submundo ítalo-americano (dos Estados Unidos) financiava grande parte da economia.em apenas um ano. utilizando-se de cem mil jovens nessa empreitada. Após o golpe de Batista. e o que levou os EUA a 9 . a classe média afastou-se do regime. pouco a pouco. o grupo atacou uma guarnição militar chamada de La Moncada. criaram o “Directório Estudantil Revolucionário” que patrocinou um grupo armado e atacou. Fidel Castro liderou a Revolução Cubana contra o ditador Fulgencio Batista. No dia 1 de Janeiro de 1959. A área urbana possuía forte infra-estrutura. porém sua economia ainda era fraca e tinha forte desequilíbrio na distribuição de renda. considerando o PIB per capita. Numa acção de guerrilha urbana. Lá. provocando descontentamento entre os proprietários mais ricos. viajou para o México. liderados por um estudante de Direito chamado Fidel Alejandro Castro Ruz. os jovens começaram a se mobilizar e a adquirir ideias revolucionárias descendentes do bloco soviético. “A Revolução Cubana” Devido à estrutura político-económica seguida por Batista. Na esteira dos protestos.

Porém. o país vive isolado economicamente. durante a “guerra fria”. em troca do compromisso dos EUA. Foi quando a União Soviética entrou em cena. comprando os produtos que seriam exportados caso não houvesse embargo. Isso obrigou Fidel a se aproximar da União Soviética e dois anos mais tarde instaurar um regime de orientação marxista e partido único. e retirou a sua pretensão de inserir mísseis em território cubano. pois ter um país. que estava em plena “Guerra Fria” com os EUA. que ameaçariam os EUA . primeiramente. de origem russa. Com o fim da União Soviética. assistiu-se a um aumento de tensão entre os países provocado pelo apoio militar declarado pela URSS.considerarem o líder cubano um inimigo e tentarem derrubá-lo. muito inferior ao real. Entre 17 e 21 de Abril de 1961. e julgados pela multidão no estádio em que foram mantidos presos. com indemnização baseada no valor declarado ao fisco no exercício anterior. Foram rechaçados e trezentos deles morreram. e de terras rurais de posse de americanos na ilha cubana. Ameaçando cortar relações com qualquer país que fizesse comércio com Cuba. a Organização dos Estados Americanos (OEA) aprovou por consenso a anulação da resolução de 1962. sendo mil e duzentos. os Estados Unidos impuseram um embargo económico à Cuba. o que impede os cargueiros russos de chegar a Cuba. e sua economia estava em declínio. Khrushchev acabou por ceder. aprisionados. Kennedy optou por decretar um embargo naval à ilha. Cortaram também a compra do açúcar cubano. Kennedy presidente dos Estados Unidos de então. Actualidade Em 3 de Junho de 2009. Devido a aproximação das relações do regime cubano com a URSS. dada a força do bloqueio económico estadounidense. Os EUA mantêm o embargo económico à Cuba até hoje. cerca de 1500 exilados cubanos recrutados. treinando exmilitares de Batista para invadir Cuba. patrocinados e treinados pela CIA dos Estados Unidos tentaram uma invasão frustrada na Baía dos Porcos. embora a ONU não reconheça tais violações (alguns especialista consideram que o embargo é uma forma de pressão. a 120 km de distância. soldados do ex-ditador Batista. pela libertação dos exilados. Cuba acabou por reabrir economicamente o país para o mundo. passando por muitas dificuldades. facto que só foi divulgado recentemente nos EUA. sob a órbita de influência soviética. depois com o fracasso da operação na Baía dos Porcos (1961). Isso causou desespero aos americanos. ponderou invadir a ilha ou bombardear as rampas de lançamento (dos mísseis). Fidel recebeu USS$ 50 milhões em alimentos e medicamentos. de respeitarem a soberania de Cuba e não invadirem a ilha e desmontar bases de mísseis na Turquia. de comunidades anti-castristas residentes em Miami). que expulsava a 10 . O Embargo económico à Cuba Inconformados com a expropriação de corporações americanas. alegando desrespeito contínuo de direitos humanos pelo regime “Castrista”. Eram na maioria. ou seja. Khrushchov decidiu implementar secretamente um conjunto de mísseis soviéticos em Cuba. era intolerável. pois já não dispunha mais do subsídio. Perante a possibilidade de Cuba possuir armas nucleares.

o narcotráfico. que suspende o apoio financeiro dos Estados Unidos à organização. Um grupo de trabalho instituído para debater o assunto apresentou a proposta à chanceler hondurenha. A decisão histórica permite que Cuba seja reincorporada caso manifeste vontade.ilha da organização. sem a presença dos EUA. a expulsão ocorreu sob pressão dos Estados Unidos. o ex-presidente Fidel Castro. A proposta então foi aceita por aclamação. sete deputados americanos. governos de esquerda do subcontinente." Nos últimos anos. Contudo todos os governos do continente restabeleceram contacto com a ilha. haviam apresentado um projecto de lei. No mesmo dia 3 de Junho. com excepção dos EUA. quando a ilha se aproximava do bloco socialista soviético. a maioria deles republicanos. Horas antes da resolução da assembleia da OEA. embora o governo cubano já tenha declarado em várias ocasiões não ter interesse em retornar. no contexto da Guerra Fria. que presidia a “Assembleia Geral”. caso Cuba seja readmitida como país-membro do grupo. Na época. o neo-liberalismo. as bases militares e as crises económicas. Patrícia Rodas. em artigo publicado no Granma. também têm defendido a formação de um grupo regional alternativo à OEA. acusava a OEA de ter aberto as portas “ao cavalo de Tróia (Estados Unidos) que apoiou as reuniões de cúpula das Américas. 11 .

salmos. óperas e música de piano. motetos. em 1544. lamentações. após a sua demissão. Francisco José Hierrezuelo. A música na Catedral de Havana parece ter atingido seu pico no início do século XIX. a música colonial começou muito mais tarde. Outro cubano. quando Cuba produziu o seu primeiro compositor importante. que incluem vários vilancetes. um organista nativo. A actividade musical durante os séculos XVI e XVII foi aparentemente limitada. que começou durante a primeira metade do século XVIII. do que nos maiores países da América Latina. embora não tenha havido nenhum estudo específico dos arquivos históricos e musicais de lá. a mais antiga referência à música indica a presença de Miguel Velázquez lá. Sinfonias. geralmente em quatro partes.Universidade do Minho Instituto de Letras e Ciências Humanas Departamento de Música Panorama Geral da História da Música (e seu variados géneros) em Cuba A música erudita em Cuba A história da música erudita em Cuba mostra que superou a de qualquer outra ilha das Caraíbas. ladainhas e numerosos vilancetes em vernáculo. em 1816. com meios limitados. a primeira música publicada em Cuba foi uma contradanza (1803). muito à desaprovação de alguns músicos locais. As tentativas de reviver a música da igreja de Santiago. e a Academia Stª Cecília. Sua extensa produção inclui missas. primeiro em estilo clássico e. e foi preenchido pela primeira vez por Domingos de Flores. Os musicólogos Alejo Carpentier e Pablo Hernández Balaguer descobriram diversas obras de Paris. Naquele tempo a música sacra estava concentrada na Catedral de Santiago. Estéban Salas y Castro. Antes de sua transferência para Santiago em 1764. por Dom Juan García de Palácios. o espanhol Juán de Paris (1759-1845) ocupou o mesmo cargo (1805-1845). O cargo de Mestre de Capela foi fundado em 1682. Salas esteve ligado a música da igreja paroquial de Havana (que se tornou uma catedral em 1788). foram bem sucedidas apenas durante a última parte do século. ocupou o cargo de Salas em Santiago. Até 1830 a música operística e sinfónica estava sendo realizada na catedral. Suas peças litúrgicas são em estilo barroco tardio de transição que combina características do pré-clássico. A Academia de Música foi fundada em 1814. com acompanhamento de cordas. em 12 . embora.

que promoveu a música contemporânea. de piano virtuosístico. cultivou o contradanza com seu típico acompanhamento em figuras pontuadas . Como compositor Ardévol passou de um estilo rigoroso 13 . de 1930 a meados da década de 1950. foi levado a cabo por Ignácio Cervantes (1847-1905). Baldassare. Robredo Manuel Saumell. um prolífico compositor. compositores proeminentes associados com o nacionalismo musical incluía Amadeo Roldán e Alejandro García Caturla. várias sinfonias e música de câmara funcional em uma linguagem clássica. um dos mais influentes. Gaspar Villate estudou no Conservatório de Paris e teve três de suas óperas estreadas na Europa (Zilia.seguida. tendo uma carreira de sucesso como concertista. 1885). Nicolás Ruiz Espadero (1832-1890) escreveu peças virtuosísticas para piano em um estilo derivado de Liszt e Gottschalk. e particularmente pelas suas muitas adaptações as poemas afro-cubanos de Alejo Carpentier e Nicolás Guillén. García Caturla teve vários de seus trabalhos publicados na Europa e nos EUA. António Raffelín (1796-1882) escreveu uma missa. Por um tempo Roldán foi líder da Orquestra Popular de Havana. combinam a música folclórica (elementos de ambos: afrocubanos e tradições Guajiro) num estilo romântico. muitos delas contradanza. um poema sinfónico América. Seu tratamento hábil e original da música afro-cubana está bem representado por sua La rumba (1933). no entanto. José Ardévol (19111981). Entre seus muitos trabalhos estão 45 Danzas cubanas para piano (1875-1895). Mais tarde. peças sacras. a Orquestra Sinfónica de Havana tinha sido estabelecida sob Gonzalo Roig. estudando depois no Conservatório de Paris. uma ópera Seila e várias zarzuelas. fundada em 1924 por Pedro Sanjuán. O manifesto do grupo afirmou. está Eduardo Sánchez de Fuentes. Haia. os dois últimos para instrumentos de percussão afro-cubana e outros. em um estilo predominantemente romântico. Madrid. Estas peças são a contribuição mais original de música erudita cubana do século XIX. ocupou uma posição de destaque como compositor e professor. Após a morte prematura de Roldán e García Caturla. foi reconhecido internacionalmente por suas comédias musicais e muitas canções populares. Ele deu à muitos compositores jovens uma sólida formação técnica e fundando o Grupo de Renovação Musical (1942) em Havana. no sentido de que toda expressão artística ocorre dentro de um contexto cultural". depois do danzón e outros ritmos latino-americanos de dança popular. tais como a sua Canto del guajiro. que encontrou no “Afrocubanismo” a fonte mais adequada de expressão nacional. também defendeu um estilo romântico nacional. compositor da popular zarzuela Cecilia Valdés. que um "factor nacional é indispensável na criação musical. Ernesto Lecuona. o mais importante compositor cubano de sua geração. O primeiro passo decisivo no sentido do nacionalismo musical em Cuba. 1880. 1877. La czarine. Entre os muitos compositores activos durante o início do século XIX. um membro da mesma geração. Ele foi aluno de Gottschalk e Espadero Ruíz de Marmontel. Paris. característica da habanera. As idiossincrasias estilísticas impressionantes de Roldán são melhores observados em sua série de seis Rítmicas (1930) para vários instrumentos. e Tres Danzas (1937) para orquestra. caracterizam a música cubana do século XIX. Laureano Matóns Fuentes (1825-1898) escreveu muitas obras de câmara. Anteriormente.

para um estilo modernista "nacional". na Califórnia. Os movimentos da dança do Areito não estão bem documentados. compositor de obras corais. estabeleceu uma reputação internacional como compositor e pianista. Félix Díaz Guerrero (b 1916) e Aurélio de la Vega (b 1925). um grupo altamente individual de compositores surgiram. Desde a década de 1970 os valores mais significativos da vanguarda cubana foram Héctor Angulo (b 1932). Brouwer trabalhou também sobre as técnicas aleatórias. Gisela Hernández (1912-1971). tabagismo e o consumo de bebidas alcoólicas. Calixto Alvarez (1938 b). um cilindro de madeira oco e com fenda semelhante ao teponaztle. rituais. conhecido também como um etnomusicólogo na década de 1960. Malcolm Carlos (b 1945). Roberto Valera (b 1938). dança. mas parecem ter formação circulares e miméticos. da cultura azteca. O aparecimento substancial destes compositores. José Loyola (b 1941) e Sergio Fernández Barroso (b 1946). Piñera Juan (b 1949). que pode derivar do passado indígena. Dirigiu a escola de música na Universidade de Oriente. um evento religioso comunal envolvendo música. Os instrumentos utilizados pelos grupos indígenas incluiem a mayohuacán. e folclórica a) Música Ameríndia. As maracas parecem ser o único instrumento utilizado em Cuba hoje. em 1976. onde dirige o laboratório de música electrónica (não pude confirmar).Os alunos de Ardévol. Entre outros compositores nascidos nos anos de 1920 e 30.confirmou a riqueza e a diversidade da música erudita contemporânea cubana. pelo menos em parte. Uma pessoa do grupo. flautas. e trombetas de casca de conchas. A canção responsorial. Uma das mais importantes formas de expressão Siboney foi o Areito. Carlos Fariñas (b 1934) e Leo Brouwer (b 1939) que utilizaram técnicas de electrónica e de serialidade. em seguida. incluem Carlo Borbolla (19021990). As origens da música cubana tradicional. O pouco que se sabe sobre as suas práticas musicais foi retirado dos apontamentos dos viajantes. como Bartolomé de las Casas e Gonzalo Fernández de Oviedo. Harold Gramatges (b 1918) e Argeliers León (1918-1991). era um elemento crucial na 14 . O último nome é o compositor mais conhecido fora de Cuba. que foram associados ao grupo e se tornaram proeminentes. Julián Orbón (1925-1991). No início de 1950. desde a década de 1970 . Os primeiros habitantes conhecidos de Cuba foram os grupos indígenas Siboney e Arawak que viviam na ilha na época da conquista espanhola. José Angel Pérez Puentes (b 1951). Magaly Ruiz (b 1941) e Efraín Amador (b 1947). incluindo Jorge Garciaporrúa (b 1938). Outros compositores cubanos do século XX que se desenvolveram independentemente. que ele iniciou em Cuba. esatão Juan Blanco (1929 b). Ele compôs em uma linguagem atonal e virou-se para a música electrónica na década de 1960. Edgardo Martín (b 1915). Com a fundação do Instituto Superior de Arte. inclui Serafin. e matracas semelhante as maracas. conhecidas como Guamos ou Cobos.neo-clássico. ele rompeu com o grupo para desenvolver as suas próprias ideias artísticas. mudouse para os EUA como professor de música na St. Fernando State College.

b) Músicas Íbero-derivadas Essas tradições musicais têm existido em Cuba desde os primeiros dias da conquista. Um dos aspectos mais emocionantes da apresentação improvisada da décima é o facto de que muitas vezes ocorrer no contexto das controvérsias. O derivado do romance espanhol. assim como outros inúmeros géneros Ibéricos. É constituída por dez linhas de oito sílabas. pelo contrário. Os colonos era proibidos participar do Areito até 1512. levou à extermínio prematuro de tal actividade cultural. assim como a guitarra e as maracas. norteamericano. programas de televisão e rádio continuam a promovê-los. mas tem sido de fundamental importância para o desenvolvimento da maioria da música popular cubana. A décima foi primeiramente uma forma desenvolvida na Espanha medieval. Eles empregam o alaúde. que os consideram antiquada. Enquanto a maioria dos géneros nacionais demonstram bastante influência de Espanha. A ênfase está principalmente sobre o texto.cerimónia. subsidiada pelo governo Espanhol nas décadas de 1910 e 20. se mantiveram fortes até o século XX. Uma fusão de crenças yorubas com aspectos do catolicismo (os santos). ou em duelos de canções-poéticas entre dois artistas. devido à imigração das Ilhas Canárias. principalmente. Como no caso do gospel negro. música tradicional de instrumentos de corda. refere-se à poesia mais comummente associada a música guajira. ou a balada lírica. Improvisadores da décima são necessários para responder rapidamente aos desafios de seu oponente e cantar suas próprias respostas dentro de rígidas convenções métricas. Podendo esta música ser préconstituída ou espontaneamente improvisada. punto é um termo usado para descrever a música instrumental que geralmente acompanha uma canção. combinado com a conquista de natureza brutal. ou outras percussões de mão. c) Música afro-cubana Adoptando a terminologia do autor Miguel Barnet. o que. Décima. especialmente entre os jovens. O punto e décima é. Estritamente falando. a música e a dança da cerimónia de santeria pode ser considerado como a "fuente viva" de grande parte da inspiração cultural de Cuba. e à força das retenções culturais do “Africano” em geral. com um esquema de rimas chamado espinela (ABBAACCDDC). resultante da dizimação das populações indígenas Caraíbas. também existe em Cuba. o tres e a bandurria (variantes dos instrumentos espanhóis. liderada por um especialista ou tequina musical escolhido pela tribo. Punto e décima perderam a preferência. o punto e décima estão mais estreitamente associados a esse património. com notação musical de apoio. desenvolvidos em Cuba). Estas formas de expressão. a santeria é a maior das várias religiões afro-cubanas. incluindo Arará e Palo 15 . As melodias associadas a música guajira são estilizadas e estereotipadas. No entanto. a música sacra da santeria nunca gozou de popularidade comercial em massa (embora isso esteja mudando). vagamente conhecidos como música guajira (música rural dos agricultores latinoamericanos).

ou um bloco de madeira [guataca]. tanto sacra e como secular. ou outro objecto ressonante golpeado com paus/baquetas). no qual um ekón (campana/choca) e um ou mais “atabaques consagrados” são geralmente tocados. claves e os palitos. por vezes em conjugação com chéqueres (cabaça seca balançadas dentro de uma rede de contas). Os batás. há uma tendência para se tocar alguns instrumentos de forma estática e. Vários tipos de música estão associadas as religiões afro-cubanas. Os nomes mais comuns desses tambores. em forma de ampulheta. bem como o ritual de espiritismo e Abakuá. devoção religiosa envolve tipicamente a performance de Orus. Solos vocais. A rumba também pode ser executada em caixas de madeira chamados “cajones”( originalmente iniciou-se assim a sua prática) ou noutros instrumentos de percussão. ou cáscara (literalmente “a casca”. Em qualquer tipo de cerimónia afro-cubana derivados da cultura yoruba. É praticada nas províncias de Havana e Matanzas. incluem a predominância de instrumentos de percussão. e os seus ritmos dizem-se ser de origem Bantu (mas provavelmente é a fusão desta a outras culturas negras. itótele e okónkolo. no entanto. em ordem decrescente de tamanho. que são estritamente sequências ordenadas de ritmos percussivos e cânticos aos orichás. fechado aos não iniciados. são iyá. tumbador (tres-dos) e quinto (em ordem decrescente de tamanho/largura). este termo se refere o corpo de madeira de um tambor. enquanto noutros improvisam-se figuras variadas. Cantores e membros do coro podem ser homens ou mulheres. A rumba é. Em contraste com a 16 . assim como celebrações mais abertas. no qual os tambores batá (Oru seco: só tambores tocados / Oru cantado: tambores e canções) predominam. Praticamente toda a devoção religiosa afro-cubana envolve música e dança: o orichasò (divindades ancestrais) só pode ser invocado (supostamentes) e adorado através de músicas tocadas e dedicadas a elas. lideram o canto e são respondidos por um coro de iniciados. respectivamente). e de diferentes tamanhos. cantos cíclicos e interligados por segmentos musicais que são repetidos para proporcionar uma textura base para a unidade musical. é composto por um conjunto de três tambores de “duas bocas” (pele dos dois lados do tambor). denominados akpwon. as mulheres. As características musicais da música afro-cubana tradicional. polirritimias complexas.Monte (derivado da Ewe/Dahomey. podem ser utilizados. ou até mesmo violinos. os artistas da rumba (tradicionalmente os homens) na maioria das vezes tocam três tambores/atabaques: salidor. descendente das melodias vocais pentatónicas. Por incorporar muitos dos mesmos instrumentos utilizados em eventos religiosos. a rumba afro-cubana soa similar a música da cerimónia de santeria. canto responsorial. constituem a maioria dos devotos da santeria. existente em outras zonas de Cuba. Como no caso dos tambores Batá. talvez o mais conhecido dos instrumentos da santeria. e dos grupos do Congo. Estas incluem os eventos da performance formal. de diversas origens ocidentais da África) e géneros similares (mais notavelmente a Tumba Francesa do Oriente). imutável. uma actividade cultural distintamente profana/secular. no entanto. Os tambores batá são considerados sagrados e os féis acreditam que estes contém uma força espiritual (añá) que facilita a comunicação religiosa.

Na rumba três subgéneros principais são hoje mais comummente encontrados: a yambú. associado a irmandades secretas (grupos Abakua ñáñigo.) e novas formas estão surgindo constantemente (gurapachanguero. trompetes e outros instrumentos de sopro. bem como movimentos de dança e figurino. etc. as comparsas eram frequentemente contratadas pelos políticos cubanos em uma tentativa de atrair os eleitores negros. Guaguancó. o Carnaval tornou-se um evento mais etnicamente integrado. as bandas foram realmente impedidas da participação no Carnaval entre 1914-1936. desenvolvido em torno do início do século XIX. levado para Cuba por chineses servos contratados). as comparsas do século XX. novamente. Controvérsias sobre as comparsas continuaram por muitos anos. calinda. na rumba os tambores menores (mais agudos) é que improvisam. cada um associado a ritmos distintos e movimentos distintos do corpo. entretanto. uma tradição que derivam da cultura Efik). Este evento era especificamente para os negros cubanos. Elas derivam do século XIX. que teve um impacto significativo sobre as tradições nacionais. Os instrumentos são muitas vezes feitos em casa pelos participantes ou improvisados com materiais baratos. A Comparsa (ou conga) representa ainda um outro género afro-cubano. Bandas de baile tocavam “congas de salão”. Ao término das Guerras de Independência (1868-1898). Comparsas são grupos de músicos de rua. yuka. aros de pneus (jantes de metal). é uma forma mais antiga. e virtuosa. principalmente afro-cubanos. A coreografia representa uma forma estilizada de conquista sexual sugerida por movimentos pélvicos do dançarino (referida como “vacunao”) e a cobertura da virilha pela bailarina (a botao). 17 . Colúmbia é uma forma rápida de ritmo e dança masculina solo. é realizada em um andamento mais lento e envolve gestos miméticos característicos da rumba do século XIX (“rumba del tiempo de España”). de conjuntos de escravos e negros livres que foram autorizados a executar publicamente as suas músicas de tango congo. Atarés. inspiradas por comparsas de rua. Numerosos géneros antecedente são mencionados na literatura (por exemplo tahona. guaguancó. que fornecem a textura musical (rítmicomelódicas). Cada comparsa tem a sua própria música. mais estática. bem como a “corneta china” (um aerofone de palheta dupla. começaram a ganhar popularidade em Cuba e no exterior (onde estavam emigrantes cubanos). frigideiras. As rumbas yambú e guaguancó são danças de casal. nos anos 1930.performance dos batás. provavelmente a variante mais conhecida. papolote. Através da década de 1940. tem inspirado muitas danças comerciais em cabarés e teatros. Enquanto as comparsas no século XIX tendem a ser organizadas pelo cabildo (representando sociedades particulares de grupos étnicos africanos). sendo os tambores maiores (mais graves) do conjunto. sinos. no dia da Epifánia (El Día de Reyes) a cada ano. foram organizadas por distritos da cidade. timba. que executam em desfiles de rua. etc). Bairros com comparsas conhecidas em Havana incluem Belém. Yambú. e a colómbia. juntamente com a clave e a cáscara. Eles incluem tambores (feito com longas tiras de madeira) de várias formas e tamanhos. que muitas vezes não eram autorizados a participar no Carnaval. Jesús María e Cayo Hueso.

Os géneros de música de salão europeias têm sido dançadas em Cuba ao longo dos séculos (por exemplo. a gavotte e a valsa) e ao longo dos anos têm se misturado com influências afro-cubanas. clarinete. Os conjuntos de música de salão de meados do século XIX. eram conhecidos como Orquestras Típicas. são fusões do danzón com influências do son. lo sostenido e el cedazo.A Música Popular Cubana a) A Música de salão. Esse padrão é conhecido como o cinquillo (Ex. deparou-se com uma oposição semelhante algumas décadas mais tarde. esta prática foi considerada imoral em Cuba. produzindo novos estilos. o piano. sendo o repertório das bandas de charanga. A estrutura do danzón mais típico consiste de um rondó (ABACAD). trompete. Pouco distingue o danzón das danza e contradanza em um sentido musical. Sua instrumentação incluíam o reco-reco (uma cabaça com raspador. o minueto. que denunciaram o cinquillo como um “africanismo selvagem”. envolvendo uma série de etapas distintas: lo paseo. fagote e tuba. das orquestras sinfónicas e bandas militares. e violinos começaram a substituir os instrumentos de sopro. O danzonete e Cha cha cha do século XX. a predominância de músicos afro-cubanos a realizá-los. timbales (derivado do tímpano espanhol.1). Na virada do século. Entre os primeiros géneros sincréticos de salão a ganhar popularidade no início do século XIX foram as fusões da danza e contradanza. O danzón. A crescente popularidade da contradanza e danza reuniu-se com uma oposição feroz por muitos críticos de classe média. em 1870. e sua incorporação do casal dançando-o (muito sensual). a sua singularidade reside principalmente na sua coreografia complexa. b) Géneros de música sentimental. desenvolveu-se entre a classe média de negros e mulatos da província de Matanzas. Sua popularidade está intimamente associada com a Guerra da Independência de Cuba e do sentimento nacionalista gerado durante a luta pela autonomia de Espanha. mas uma adaptação menor). o contrabaixo. formas musicais predominantemente europeias com acompanhamento de percussão leve e com um padrão isorrítmico transladados a Cuba por refugiados haitianos nos anos 1790. sucessor directo a esses géneros. Considerado por muitos como a primeira forma muito popular de música nacional. 18 . la cadena. trombone. a flauta. O líder da banda Miguel Faílde (1852-1921) é especialmente lembrado como um dos seus importantes inovadores. Los Danzones permaneceram controversos por muitos anos por causa do padrão cinquillo. a quadrilha.

Influências operísticas também são visíveis nas zarzuelas (operetas nacionalistas) muitos populares. son montuno. apesar da sua origem como música regional da província de Oriente. A natureza cíclica. As zarzuelas cubanas derivam do género espanhol do mesmo nome. devido a tão numerosas sub-classificações existentes (por exemplo. son. Segmentos instrumentais curtos executados no tres (violão/guitarra popular) ou trompete. e mambo). Na década de 1920 tornou-se um importante símbolo da identidade nacional em Cuba. enquanto que as secções estróficas iniciais (conhecido como “canto” ou “tema”) se assemelham mais a 19 . e a trova tradicional (também conhecido como la trova vieja). O montuno. o son tradicional tende a estar em compasso binário. o que representa uma fusão de influências culturais hispânicas e africanas. embora o género foi inicialmente destinado a dança. tende a ser lenta. Estruturalmente. Géneros sentimentais incluem o bolero canción. durante um movimento simultâneo com (e em alguns aspectos muito semelhante) ao renascimento do Harlem (bairro novaiorquino colonizado por caribenhos) conhecido como zarzuela afro-cubana. Compositores famosos cubanos incluem Ernesto Lecuona. I-IV-V) descendentes europeus. e a música salsa. influências estilísticas dos Lieder alemães ou operetas italianas. changüí. Eles são caracterizados por prorrogadas harmonias cromáticas. O son é difícil definir com precisão. As frases nesta secção são geralmente referidos como inspiraciones. entre outros géneros derivados dele. Jaime Prats e Gonzalo Roig. Uma série de composições habaneras da passagem do século XIX para o XX são também essencialmente canções de amor. uma quantidade significativa de música popular em Cuba. mas suas temáticas são baseadas em temas e imagens específicas de Cuba. son-pregón. demonstrou fortes influências da música erudita em suas composições. afro-son e guaracha-son). O son é altamente sincrético. e continuam bem representados. com base em simples padrões harmônicos (I-V. que ganharam popularidade na virada do século. sucu sucu. antifonal e altamente improvisada do montuno carrega uma semelhança notável com a organização formal de muitas músicas tradicionais do Oeste africano. guaracha.guajira. é realizado a um ritmo mais rápido e envolve alternâncias relativamente rápidas entre um coro e um solista (improvisação vocal ou instrumental). verso e refrão. bem como características formas híbridas que se fundem derivados do son misturados com outras músicas (por exemplo. e compasso binário moderado. e alternância entre as secções. canção sentimental.Como é o caso na maioria dos outros países latino-americanos. sem nenhum treinamento formal que. A tradição cubana da trova vieja é de particular interesse. também são frequentemente incluídos entre as repetições estróficas. O pico de sua popularidade veio nas décadas de 1920 e 1930. são reconhecidos como as formas mais importantes da música das Caraíbas do século XIX. c) El Son El son de Cuba (não confundir com o seu homólogo mexicano). e letras alusivas ao amor e relacionamentos pessoais. contudo. uma vez que envolveu principalmente negros e mulatos artistas da classe trabalhadora em Santiago de Cuba. parte final de alguns sones. em vez de música de dança.

O son.2). Os padrões de clave afro-cubanas vem do repertório religioso. O termo clave é confuso já que pode se referir tanto a uma diversidade de ritmos característicos de dois compassos. cuartetas e décimas. bem como o tocar de duas “claves” (fig) em que alguns ritmos de clave são executados. geralmente referido como um “baixo antecipado” (Ex. Apoio à cultura e às artes em diversas formas tem sido uma prioridade para o governo. marímbula (Kalimba grande). a ENA (Escola Nacional de Arte) e ENIA (Escola Nacional de Instrutores de Arte) foram criados pelo governo de Fidel Castro em 1961. e uma tendência para o bongó enfatizar o quarto tempo do compasso (mais forte do que o primeiro). Bandas modernas geralmente usam um baixo eléctrico. Como no caso da maioria dos estados “marxistas”. guitarra. Com excepção de algumas músicas guajira. figuras altamente sincopadas. enquanto outras foram marginalizadas. A música “Socialista” de Cuba. bem como uma secção de sopros. a expressão “estar na clave” é usado para indiar a consciência de uma clave. Dentre as características mais marcantes do género musical esta o seu padrão de clave. trova tradicional e boleros. maracas (fig. 20 . descendente europeu. tendem a estar em compasso 6/8. As mudanças políticas decorrentes da revolução socialista em 1959 tiveram um impacto dramático sobre a actividade musical cubana. ou padrão de tempo (não necessariamente realizado) que relaciona a execução rítmica e melódica dos músicos. e adicionam tumbadoras (congas) e timbales. enquanto os géneros seculares são mais frequentemente executados em compasso binário ou quaternário. virtualmente toda a música cubana contém uma figura conhecida por clave que fornece uma base rítmica para a peça. teclado eléctrico substituto para a guitarra e o tres.1d. reforçados pelos tres e / ou teclado que definem a estrutura de acordes da peça. Em um sentido mais geral. e um único ritmo no baixo. ou um outro objecto de metal. a cultura tem sido altamente politizada em Cuba. canciones. O son acústico utiliza diversos instrumentos. ou baixo acústico.música europeia. bem como o seu padrão ambivalente de tensão foi fundamental para a criação da salsa moderna. incluindo o tres. censuradas e perseguidas. reco-reco. bongó. geralmente executado em um sino. O padrão de baixo sincopado do son. utilizam formas poéticas como coplas. O panorama musical é complexo e contrastante. botija baixo (jarro). Inúmeras formas de expressão musical floresceram com o generoso apoio de órgãos governamentais.

no entanto. e que a “ilha” continua a produzir artistas de excepcional qualidade. e outras fontes. Foram artistas mais fortemente influenciados pelo rock e têm criticado as políticas do governo. Eduardo Saborit. assistência médica e relativamente altos salários para muitos artistas (com limitações à expressão pessoal). os músicos procuraram activamente gravações. Cuba continua a ser um local dinâmico de criação musical. entre outras formas de minimizar o “fosso” entre o intérprete e platéia. sexismo. roupa 'hippie' e interesse em rock uma manifestação de decadência capitalista. muitos dos mesmos artistas tinham conseguido um amplo apoio e se transformaram em ícones internacionais do socialismo. e rumba tornaram-se bastante comuns. hip hop e música brasileira. uma relação tensa com representantes do governo. e outras figuras. A nova trova representa parte de um fenómeno de canção panamericana de protesto latino-americanas que se estendeu aos EUA e à Europa. colonialismo e questões relacionadas. Após o início da crise económica em 1989. 21 . entre artistas jovens. Para contornar o embargo económico norte-americano de diversas maneiras.tais como a educação gratuita. Uma das formas mais conhecidas de expressão musical associado a Cuba revolucionária é referido como la nueva trova. Silvio Rodríguez. rock. cedo apareceram no palco com roupas de rua. Amaury Pérez e Gerardo Alfonso. com influências internacionais. mantiveram. música clássica europeia. Artistas de jazz. em meados de 1970. principalmente após o colapso da União Soviética (grande apoiante da reforma socialista cubana). por outro lado a falta de materiais adequados para o estudo e a dificuldade em viajar (já há mudanças positivas neste panorama). e contratos no exterior. incluindo rap. As letras das músicas do repertório da nueva trova podem variar no estilo. No final de 1970. criando de formas inovadoras. tornando seu trabalho mais acessível internacionalmente. utilizou a música como um meio de gerar divisas. Ele surgiu como um movimento reconhecido no final dos anos 1960. na ilha (e no exílio) têm recebido amplo reconhecimento por sua excelência. apesar de severas dificuldades económicas e isolamento político experimentado por seu povo. Deve-se ressaltar. turnées. assim como bandas de baile. Fusões exclusivas dos ritos religiosos afro-cubanos (percussão e canto) com son. Noel Nicola. combinadas com géneros cubanos. apesar de que seus antecedentes directos podem ser encontrados em composições de Carlos Puebla. no entanto. e artistas da trova tradicional. na esteira das liberalizações políticas para praticantes religiosos. A nova trova é uma forma de música de protesto incorporando influências estilísticas dos géneros cubanos tradicionais e populares e géneros externos como: jazz. que a actividade artística em geral aumentou após 1959. Artistas da nueva trova. nome dado a de compositores/guitarristas do início do século XX. Grupos como Los Van Van e Los Angelitos Negros. mais abertamente. muitas vezes referindo a injustiça política. cantores de protesto. tanto eles quanto o partido comunista cubano. incluindo Carlos Varela. mas representam uma tentativa de escapar da banalidade comercial. O termo trova deriva de trovador. que considerava seus cabelos longos. Pablo Milanés. Pedro Luís Ferrer. salsa.

fica a cidade portuária de Matanzas. Como no caso dos tambores batá. A rumba também pode ser executada em caixas de madeira chamados “cajones” (originalmente iniciou-se assim a sua prática) ou noutros instrumentos de percussão. existente em outras zonas de Cuba. Desenvolveu-se e tornou-se um dos mais importantes géneros de música e dança tradicionais. na rumba os tambores menores (mais agudos) é que improvisam. alguns trabalhavam nos engenhos de açúcar e outros nos portos. Segundo o especialista e etnomusicólogo cubano. de diversas origens ocidentais da África). ou cáscara (literalmente “a casca”. tumbador (tres-dos) e quinto (em ordem decrescente de tamanho/largura). a rumba foi originada no cenário urbano (nas “cuartearías e solares”). ou outro objecto ressonante golpeado com paus/baquetas). que fornecem a textura musical (rítmico-melódicas). e outros géneros similares (mais notavelmente a Tumba Francesa do Oriente – próximo do Haiti).Universidade do Minho Instituto de Letras e Ciências Humanas Departamento de Música A Rumba afro-cubana A cerca de cem kilómetros de Havana. A rumba surgiu de uma combinação vistosa de estilos de percussão congolesa (e de outras regiões do noroeste africano) e influências das canções flamencas (árabes) espanholas. uma actividade cultural distintamente profana/secular. os artistas da rumba (tradicionalmente os homens) na maioria das vezes tocam três tambores/atabaques: salidor. no entanto. A rumba é. Em contraste com a performance dos batás. a outras culturas negras. este termo se refere o corpo de madeira de um tambor. e semi-rural. ou um bloco de madeira [catá]. a rumba afro-cubana soa similar a música da cerimónia de santeria. onde abundavam negros pobres. e os seus ritmos dizem-se ser de origem Bantu e Kongo (mas provavelmente é derivado da fusão destas. claves e os palitos. juntamente com a clave e a cáscara. entre a inúmera variedade de géneros tradicionais afro-cubanos. sendo os tambores maiores (mais graves) do conjunto. 22 . em direcção a leste. de maneira mais estática. " Por incorporar muitos dos mesmos instrumentos utilizados em eventos religiosos. É praticada nas províncias de Havana e Matanzas. Fernando Ortiz. onde a rumba emergiu no final do século XVIII (mais tarde também em Havana).

23 .Os instrumentos da rumba afro-cubana Os três tambores usados na rumba: “Quinto. Tres dos e Salidor “ As Claves. onde se toca “ La Clave” o ritmo (estático) que guia a rumba. “El Catá” onde se toca um ritmo complementar a clave.

a rumba guaguancó. é uma forma mais antiga. As rumbas yambú e guaguancó são danças de casal. na dança. provavelmente a variante mais conhecida. etc.O “chequeré” e a “guataca” são instrumentos de percussão complementares a todo complexo rítmico da rumba. Exemplo musical de uma rumba yambú: ♪01. 24 . etc). três subgéneros principais.Grupo Afro-Cuba Matanzas – “Yambú con Melodia” A rumba Guaguancó.) e novas formas estão surgindo constantemente (gurapachanguero. que é mais lenta e geralmente dançada pelos mais velhos. cada um associado a ritmos distintos e movimentos distintos do corpo. A coreografia representa uma forma estilizada de conquista sexual sugerida por movimentos pélvicos do dançarino (referida como “vacunao”) e a cobertura da virilha por parte da bailarina (o botao). tem inspirado muitas danças comerciais em cabarés e teatros. Na rumba. é realizada em um andamento mais lento e envolve gestos miméticos característicos da rumba do século XIX (“rumba del tiempo de España”). Numerosos géneros antecedentes são mencionados na literatura (por exemplo tahona. e a rumba colúmbia. são hoje mais comummente encontrados: a rumba yambú. Yambú. timba. yuka. Rumba Yambú “Del tiempo España”. papolote. calinda.

O Guaguancó. a rumba é mais do que um género musical e de dança.Grupo Afro-Cuba Matanzas – “Enigue Nigue” Colúmbia é uma forma rápida de ritmo. mas principalmente devido a emigração de cubanos para outros países caribeños e Estados Unidos (Miami e Nova York). virtuosa. Para muitos. Assume uma rítmica em 6/8. a rumba começava a misturar-se com o son para formar o início da do género conhecido como salsa. ritmo mais popular da rumba afro-cubana. associado a irmandades secretas (grupos Abakua ñáñigo. muito devido a imigração de americanos para o país. 25 . Exemplo musical de uma rumba guaguancó: ♪02. é a expressão colectiva da natureza crioula da ilha em si. Bailarino improvisando em uma sessão de rumba Colúmbia Exemplo musical de uma rumba Colúmbia: ♪03 – Grupo Afro-Cuba Matanzas: “Aguado Koloya” Em meados século XX. e dança masculina solo. de onde derivam a maioria dos ritmos africanos. uma tradição que deriva da cultura Efik).

como a música tradicional ou popular de uma cultura. O termo foi creditado ao etnomusicólogo Robert E. que o cunhou em 1960 na Universidade de Wesleyan. Para melhorar o processo de aprendizagem. e começou uma série de concertos de “músicas do mundo”. Brown. Portanto. e era geralmente usado para classificar qualquer tipo de música não ocidental. Pode referir-se às formas clássicas nativas de várias regiões do mundo. que é criada e tocada por músicos nativos. e estilos de música moderna. de vanguarda (ou pop) também. aplicado as “músicas do mundo”. estando intimamente relacionado a música das suas regiões de origem. em Connecticut. Existem várias definições conflituantes para a música mundial.Universidade do Minho Instituto de Letras e Ciências Humanas Departamento de Música World Music World music é um termo geral e categórico. a world music não é considerada exclusivamente música folclórica ou tradicional. que combina estilos ocidentais de música popular modernos (jazz por exemplo) com algum dos muitos géneros de música não ocidental que foram previamente descritos como a música folclórica ou música étnica. onde ele fez a sua graduação através de programas de doutorado na disciplina. O termo se tornou corrente na década de 1980 como um dispositivo de marketing classificatório na mídia e na indústria da música. . embora tal definição torna-se tão ampla que a palavra fica quase sem sentido. Uma delas é que ela consiste em "todas as músicas do mundo". ele convidou mais de uma dúzia de artistas da África e da Ásia. O termo também é tido como uma classificação de música. 26 .

tais como a kora (harpa Oeste africano). Como exemplo temos a rumba flamenca. Colonos espanhóis ou hispanodescendentes que retornavam a Espanha pelos portos do Sul (mais perto e mais acessível) e acabaram por influenciar a música Flamenca. estudos de performance. da qual podemos afirmar ser o género híbrido mais antigo da rumba. a categoria world music também inclui a música popular de comunidades não ocidentais urbanas (por exemplo "township". desde a altura dos descobrimentos e colonizações. As amplas categorias da world music incluem formas isoladas de música étnica. entre os artistas e o público em geral. ver e ouvir os músicos visitantes de outras culturas. as do chamado “terceiro mundo” (por exemplo. e as formas de música não europeias que foram influenciadas por outras músicas. a cítara (Índia) ou o didgeridoo (Austrália). as viagens aéreas internacionais de baixo custo. a indefinição das identidades regionais. assim como outros géneros da ilha. e instrumentos étnicos. Quase podemos considerar uma dinâmica de “Ida e Volta”na aculturação. tem dado origem a um fenómeno interligado. por força de suas raízes nativas. chamado Crossover ou "cruzamento" de músicas. e muitas vezes traços distintivos tradicionais. pode ser encontrado em disciplinas como a antropologia. e a extinção gradual das práticas de músicas tradicionais locais. América do Norte. Embora primariamente descrevesse a música tradicional. e na última década. a música afro-cubana). os modos e/ou inflexões musicais. e visitar outros países para tocar suas próprias músicas. Alguns estudiosos chegam a afirmar que o próprio flamenco espanhol influenciou primeiramente a rumba (estilo dos cânticos e letras). Embora as tecnologias de comunicação permitirem um maior acesso a desobscurecer as formas de música. como estilos que naturalmente influenciam-se mutuamente. em si mesmo. de várias regiões geográficas. mas que ao estabelecerem-se desenvolveram identidade própria. já estabelecida na região a cerca de cem anos. com os quais tem sido associada. quase já não são associados a rumba tradicional cubana. as pressões de comercialização também apresentam o risco de aumentar a homogeneidade musical. bem como os géneros musicais. a invenção da gravação de som. ou dupla aculturação em períodos diferentes. Música de todo o mundo exerce uma influência transcultural larga. A rumba tornou-se conhecida de uma forma modificada nos EUA. e nos últimos anos a world music também tem sido comercializada como um género de sucesso. O estudo académico da world music. por volta 27 . o steel drum (República Dominicana). Ao longo do século XX.A world music pode incorporar distintas escalas não ocidentais. Dando origem a géneros híbridos. criando um caldeirão de influências estilísticas. Músicos de diversas culturas e locais podem facilmente ter acesso (nas últimas décadas) a música gravada de todo o mundo. Neste contexto podemos afirmar que a rumba afro-cubana. pelo mundo todo. focloricismo. Europa. Estas estirpes diferentes de música étnica são comummente classificadas em conjunto. e o acesso comum a comunicação global. de tal forma que alguns destes. e artistas individuais. e principalmente a etnomusicologia. música Sul africana). espalhou-se pelas Caraíbas.

O ritmo continuou a ser muito explorado como uma dança de salão. Brahms. até hoje muito explorado e corrente pelo mundo todo. A rumba também tem sido utilizada na música erudita. Na Europa e nos EUA da década de 1930 a rumba absorveu elementos do jazz (be bop). Outra vertente moderna e fruto da “reinterpretação” cultural é a adaptação da rumba como uma dança de salão. no qual músicos cubanos (ou músicos que tocam música afro-cubana) compõem rumbas usando melodias de clássicos eruditos (principalmente dos períodos Barroco e Clássico) como motivos para as suas adaptações. S. E o projecto “Klazz Brothers & Cuba Percussion” que seu no álbum “Symphonic Salsa” interpretam obras de Mozart. até que foi restabelecida nos EUA em uma versão menos sugestiva. cha cha cha e outras danças latino-americanas de salão espalhadas pelo mundo. não tornando-se muito popular nesta altura.e realizado por um bailarino a solo.Bach aos géneros afro-cubanos. tornando-se muito popular na década de 1970. e logo a rumba (entre outros géneros e subgéneros) e espalharam pela Europa.Tiempo Libre – “Clave en C minor” (Rumba Guaguancó – Baseada no Prelúdio nº 2 em Dó menor BWV 847 – do Cravo Bem Temperado I de J. Entre muitos outros compositores que utilizaram-se da rumba para as suas composições. a um ritmo rápido-lento-rápido. em 1931(segunda leva de emigração cubana). ou por um casal. nomeadamente por Darius Milhaud em La création du monde. e no último andamento de seu segundo concerto para piano. A melodia é repetitiva e muitas vezes o carácter da música deriva do ostinato do padrão rítmico tocado nas claves e outros instrumentos de percussão cubana. e tem sido o modelo para o mambo. Como exemplo temos: o grupo de Miami “Tiempo Libre” (formado por cubanos e descendentes) que no seu álbum “Bach in Havana” adaptam obras de J. O movimento é uma característica de balanço dos quadris. Beethoven. criando frequentemente ritmos cruzados com o acompanhamento.S. Quem sabe futuramente não podemos ter aqui um novo género híbrido destas combinações? Exemplos musicais: ♪04 . Mendelshon. 28 . fazendo também esta adaptação aos estilos afrocubanos. entre outros compositores. Há também o movimento contrário.de 1914 (primeira leva emigração cubana para Miami e Nova York). Bach). nascendo o subgénero latin jazz.

que é cubano de nascimento e “português” de coração.♪05 . em minha sala. de cinema e televisão. devido ao tempo que já está cá.A. tenho uma escola de dança no Contagiarte aqui no Porto. aos séniors. já vivo aqui a um certo tempo.Qual é a tua actividade aqui em Portugal? Angel: .Estou aqui com meu amigo Angel. obrigado nós! Angel: . venho de Havana. Ele trabalha aqui com música e dança. e adoro Portugal! Entrevista: Alex: .Aqui dou aulas de cinema.Olá a todos e obrigado! Alex: .Mozart) Universidade do Minho Instituto de Letras e Ciências Humanas Departamento de Música Entrevista com Angel “El Maestro de la Rumba” (ver vídeo em anexo) Apresentação Alexandre:.Klazz Brothers & Cuba Percussion – “Mambozart” (baseada na Sinfonia em Sol menor nº40 de W. que é onde estamos. e também faço o que mais gosto que é dançar.Chamo-me Angel. Cuba. um Cubano de verdade. dou aulas também no Exempolar aqui do Porto.Amigo por favor apresenta-te para nós? Angel: . Também danço e canto com 29 . .Bom. a quase dez anos.Olá a todos! .

Yoruba. a rumba. é tudo música.É muita mistura. como se forma uma rumba? Angel: .E sobre a rumba. pois nós fomos colonizados pela Espanha. e cada vez que ouvimos música. misturaram muita melodia deles com a música e os ritmos africanos para “disfarçar” e assim nasceu muitos ritmos. e os escravos negros que chegavam para trabalhar na plantação da cana do açúcar que era a maior fonte económica.Então fala um pouco para nós dessa mistura. os cantores. o que podes nos dizer? Descrevas para nós o que é uma rumba: os instrumentos. e eu sem a música não posso viver! Alex: . depois os criolos foram criando (nascidos em Cuba). formando toda a música cubana. por espanhóis de toda parte.Na música campezina cubana nota-se muito mais a mistura espanhola com a africana. Angel: . a música para os cubanos é tudo. os campezinos. Bantu.Há alguma influência musical do povo local. vem no sangue é. com cajones. a indígena quase não se nota. a rumba guaguancó. essa parte é africana. entre outras. A partir desta mistura dos escravos começaram a formar a sua religião e sua cultura. pois os espanhóis no princípio dizimaram os indígenas que viviam em Cuba. dos indígenas que habitavam Cuba antes dos espanhóis chegarem? Na música campezina por exemplo? Angel: . mas a música em geral espanhola enraizou-se na música cubana. a maioria entra um pouco com os cânticos e com o baixo cigano. os bailarinos. então havia muitos espanhóis que castigavam os negros para que não tocassem a sua música típica.Então tudo parte desse primeiro choque cultural entre os africanos escravos com a música espanhola. o guaguancó. e foram desenvolvendo. mas os espanhóis ouviram e juntaram. Carabali.A música Cubana. Eu vou explicar: os espanhóis em Cuba faziam suas festas com a guitarra. acho que noventa e nove porcento para não dizer cem porcento dos cubanos. que eram os verdadeiro cubanos.Existem diferentes tipos de músicas em Cuba.Isto influenciou muito a música Cubana. com sua religião yoruba. vida para os cubanos. pois somos das Caraíbas e temos aquele calor bom. faziam as suas festas com tambores com sua música. Alex: . entre muitos outros. Alex: . que os escravos trouxeram. com a música. adoram a música. e disso começa a rumba. como ciganos mesmo. Alex: . com os tambores dos africanos.meus amigos de vez em quando uma Rumbita que nós fazemos. a rumba é música com muito síncopa. tudo isso provem da junção da música dos negros do Congo.O que você pode nos dizer sobre a música cubana? Qual a importância da música para o povo cubano? Angel: . fusão dos ritmos africanos com a melodia espanhola na música Cubana? Angel: . mas depois entra 30 . então tudo isso foi se juntando dando origem a música cubana. A rumba é a fusão da música espanhola. Alex: .

todos tocam a rumba. dança-se o guaguancó. cada ritmo que em Cubana se faz. é folclórica. isto nunca mudou. faz parte do nosso dia-a-dia.Vamos mostrar a base da rumba que é a clave. faz parte da cultura. o de outras práticas musicais em Portugal? Angel: . Alex: . sim? Angel: . a Salsa a dança Salsa que não se chamava assim. ou seja a salsa. é a nossa cultura. que se ouve desde pequenino. toque piano. todos que conheço. mesmo que nós toquemos rumba. é a rumba. é tradicional. ou ainda uma reinterpretação. o tempero . mesmo não sabendo tocar o instrumento. mambo. Alex: . outra história. tem que ter sempre a clave cubana. já é uma aculturação. O toque africano e o canto espanhol. tocamos Salsa. tocada da forma original. para cada estilo e ritmo que se faz. é a espinha dorsal.Tu aqui tocas mais aquela música cubana mais popular. mas depois com a influência americana passou a chamar-se Salsa. Alex: . a fusão dos povos. etc? Angel: . já é outra coisa.Sim. mas no toque dos tambores.É muito mais avançado. fazemos uma clave e acrescentamos outras coisas. o molho tudo isso é Salsa. sempre damos uns toques.E também há a dança? Angel: . pois isso nasce connosco. merengue. que é o tambor mais grave.Então podemos afirmar que a rumba ainda é cultuada. dançamos salsa. a salsa é clave. chamava-se son. e sempre a música cubana é acompanhada da dança. uma força. Alex: . ou outros instrumentos. isso vem dos pretos.Agora vamos demonstrar um pouco: “Vamos a Rumbiar”? Alex: . é a rumba.Exactamente é um dos mais populares. Angel: . e muito agradecidos estamos a eles. já é diferente daquela época. a mistura. Alex: . é folclórica? Angel: . cubanos.Salidor. muito mais duro. dos escravos. cha-cha-cha. (exemplo) 31 . E se tocamos Salsa. mesmo que cante. é mesmo uma coisa típica. como para um brasileiro o samba. na clave. podendo haver alguma influência na forma de cantar.Sim. foi o que nos deixaram.O guaguancó é um dos tipos mais populares da rumba. se tocamos cha-cha-cha dançamos cha-cha-cha. e aos espanhóis.o canto espanhol e o baixo. assim é para o Cubano.Como vez o panorama da rumba. o sabor.Sim. Alex: . mesmo na salsa há rumba. (exemplo) Alex: .Todos os músicos cubanos que estão a morar aqui em Portugal. já nascemos com isso.Que já é fruto da mistura comercial com a cultura tradicional. Alex: . cha-cha-cha. há sempre uma dança específica para o acompanhar. a rumba em Cuba é muito tradicional.

Finalizamos a entrevista tocando e cantando uma rumba improvisada. ao que os imigrantes cubanos obrigam-se a se adaptar quando se vive neste país. aulas de música afro-cubana. não só afro-cubanas. mas de todas as Caraíbas ou América-latina. (exemplo) Alex: Clave. abandonando o carácter lúdico e de convívio existente entre os seus. as actividades artísticas/culturais originárias da sua pátria. salidor e tres dos. da melhor maneira possível. As aulas de dança. aulas de instrumento. Mas não podemos deixar de relatar que o artista cubano. no seu país de origem. tentando encaixar os improvisos. 32 . A manifestação cultural de seu país acaba muitas vezes por se tornar o seu meio de sustento. (ver vídeo em anexo) Alexandre Magni e Angel Universidade do Minho Instituto de Letras e Ciências Humanas Departamento de Música Panorama da rumba ou da música afro-cubana em Portugal (ver vídeo em anexo) A rumba em Portugal é praticada de maneira diferente. em um formato muito comercial. descaracterizando a originalidade cultural afro-cubana.Alex: Tres dos que é o tambor médio. todos juntos de uma forma adaptada para só um percussionista tocar. ocupa a maior parte da prática musical cubana em Portugal. actuações musicais e dança. é muito talentoso e esforça-se para demonstrar. Aos quais aproveitamos para dedicar este humilde trabalho de pesquisa na área da etnomusicologia. entre raras excepções. principalmente devido ao contexto social e económico distinto.

que começa com a percussão a entrar por camadas. tambor que improvisa intercala com as frases vocais (executadas primeiramente por um só cantor). no seu contexto tradicional. Divididos por: Uma primeira secção. rítmico e melódico. O cantor improvisa um fragmento melódico (lalaleo) como uma preparação para a formação do coro. sem vocal onde só os tambores “falam”. caracterizando também o aumento dos movimentos dos dançarinos através do “vacunao”. Esta secção é chamada de “Diana"”.Apresentação do Grupo La Habana Universidade do Minho Instituto de Letras e Ciências Humanas Departamento de Música Análise musical de uma rumba afro-cubana (Guaguancó) A execução da rumba Guaguancó. criando polirritmias complexas. num ápice rítmico até um final determinado por uma convenção rítmica geralmente prédeterminada. Como já vimos a formação do ritmo tem elementos de origem africana 33 . seguindo determinadas convenções. chamada de “Güiro” onde se começa um acelerar gradualmente do ritmo. Na segunda secção o cantor principal desenvolve o tema da canção. consiste em dois grupos principais interligados. que virá a seguir. O quinto. seguindose uma quarta secção. Em um determinado momento sinaliza para começar a ser respondido por um coro no típico estilo africano de “chamada e reposta”. Isso sinaliza o início da terceira secção. geralmente repetindo um refrão curto.

de sonoridade aguda. o ritmo da clave é tocado por um percussionista que usa um par de claves (instrumento). de sonoridade média. Quinto . Congo e Carabalí). Seguem-se três percussionistas em tambores e padrões rítmicos diferentes. É responsável por tecer os toques entre o Salidor e o Tres dos. tres dos (Fig. A seguir outro percussionista toca o ritmo chamado cascara ou palito em um instrumento chamado Catá (Fig.1º tambor.1). improvisa frases respondendo ao cantor. que interligados formam a “melodia” de tambores característica da rumba Guaguancó: Salidor . com traços gitanos/árabes. como um contrabaixo. Tres dos . 34 .3º tambor. harmonia(vocal) são claramente de origem espanhola. seu toque é livre. improvisado. de sonoridade grave. Secção rítmica/melódica (percussão): Primeiro. mas respeita algumas figuras rítmicas típicas.3). muitas vezes forma um padrão em ostinato com o 2º tambor.2).2º tambor.(Yorubá. a melodia. completa a “melodia” básica dos tambores. enquanto o texto. encarregado de sustentar a base. e após cada movimento dos passos dos bailarinos . com seu padrão sincopado característico (Fig. respondendo ao Salidor .

mas sim determinadas frases rítmico/melódicas. ou uma receita para a rumba. etc. 35 . amor. mas como é óbvio não há uma fórmula. pode-se incluir instrumentos de sopro. e acontecimentos que compõem a vida negra: política. protesto social.Em um contexto mais actual os três tambores também podem ser tocados por um percussionista só.5). tais como: Clave y Guaguanco. Afro-cuba Matanzas. Sem contar que no contexto de crossover da world music tudo é possível. Os textos são geralmente alusivos a assuntos característicos do seu dia-a-dia. recomenda-se ouvir gravações de grupos folclóricos importantes. que canta texto e melodias pré-definidas devido ao extenso repertório. É característico destes cantos cíclicos serem interligados por segmentos musicais. repetidos para proporcionar uma textura base para a unidade musical. o trompete. Pode haver outros instrumentos de percussão envolvidos na execução rítmica da rumba . Yorubá Andabo. mas que pode variar de acordo com o estilo ou região cubana (Havana ou Matanzas – principalmente). enxadas. andamentos. possibilidades de instrumentação. amizade. como por exemplo o chequeré e a guataca. descendente das melodias vocais pentatónicas africanas. jantes de carro. o patriotismo. Rumberos de Cuba. sátira e muito mais. etc. Secção Melódica (vocal): O canto. entre outros objectos que podem ser adicionados conforme se tenha disponível a mão. como: talheres de cozinha. Para uma abordagem mais profunda da essência da rumba. muitas vezes em forma de ostinato. e tudo mais o que a liberdade criativa musical permitir. Los Papines. Ensemble Nacional de Folclore. ou de corda (como a flauta. geralmente realizado por um vocalista principal. que tenha destreza para executá-los ao mesmo tempo (fig. morte. Esta análise seguiu-se de uma maneira generalizada. havendo inúmeras formas. havendo a possibilidade de misturar partes pré-definidas (conhecidas) com improvisos. ou muitas vezes improvisa. Los Muñequitos de Matanzas. ou o tres). Legenda dos Tambores: P= Palma / T= Tapa ou “Slap” / D= Dedos / A= Golpe Aberto. o canto responsorial.

e continua a influenciar compositores e interpretes eruditos no século XXI. uma entrada sobre o assunto na internet. cada vez que ouvimos uma rumba. árabe/cigana (através do espanhóis colonizadores) e até muçulmanas (através dos africanos oriundos do Norte de África) que se fundiram.Universidade do Minho Instituto de Letras e Ciências Humanas Departamento de Música Conclusões acerca deste trabalho A partir de todas pesquisas realizadas para elaborar este trabalho. um livro. como vimos exemplos. etc). retornando ao país colonizador deu origem a rumba flamenca. africanas. contexto cultural. Influenciou também alguns compositores de música erudita do século XX. influências distintas. 36 . descobrimos características novas (diferenças de estilo derivado: a localidade. etc. concluímos que a cultura da rumba afro-cubana é muito mais complexa do que aquilo que se pode imaginar a primeira vista. Vimos que a rumba influenciou a própria música popular afro-cubana. Cada que vez lemos um artigo. como a Salsa e a Timba. ou principalmente. país. Há uma enorme riqueza multicultural envolvida na música afro-cubana. dando origem a outros géneros cubanos. fruto da mistura de culturas europeias. Que a misturar-se com o Be-bop americano deu origem a Latin Jazz. fundiu-se com a música pop dando origem a géneros híbridos comerciais com Rap afro-cubano e o Reggaeton. influenciou as danças de salão espalhadas por todo mundo.

Podemos afirmar que mesmo em Cuba. “La Musica Afrocubana”. ou reinterpretações. através de influências (externas e internas).org/wiki/Cuba . “La africanía de la música folklórica de Cuba” Segunda edicion. Fernando. Fernando. Trabalho realizado pelos alunos: Alexandre Magni e Cátia Gonçalves Universidade do Minho Instituto de Letras e Ciências Humanas Departamento de Música Referências Bibliográficas: • Ortiz. 37 . • Ortiz. mas ao mesmo tempo consegue se manter forte e presente as origens de suas tradições.Pesquisado nos dias 10 e 12 de Janeiro de 2011. 1975. muito aproximado a maneira que se praticava a quatro séculos atrás.wikipedia. • SADIE. New Grove Dictionary of Music and Musicians. Londres: MacMillan. • http://pt.Stanley – ed. 1965. Madrid: Ediciones Jucar. 29 Volumes. (2001). (Original 1952). a rumba ainda hoje sofre mutações. Havana: Editora Universitaria.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful