Você está na página 1de 7

=================================================================================

ESCOLA DE LÍDERES MÓDULO 1 – DOUTRINA E ENSINO


=================================================================================
LIÇÃO 02 TEMA: A IMPORTÂNCIA DA ORAÇÃO E DO JEJUM

METAS DE ENSINO:
 Que o aluno defina o que é, e explique as características da oração;
 Que o aluno entenda a importância e como deve ser feita a oração com imposição de mãos;
 Que o aluno perceba qual a importância do jejum e oração para o cristão.
=====================================================================================================================================
Texto Base
“Portanto, vós orareis assim: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome, venha o teu reino, seja feita a tua vontade,
assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia nos dá hoje. Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos
devedores. Não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos
do mal. Porque teu é o reino e o poder, e a glória, para sempre. Amém”. (Mt 6:9-13 EC).
CONHECENDO O PODER DA ORAÇÃO
Um dos maiores privilégios que podemos obter é comunicarmo-nos com o Criador, através da oração. É a
oportunidade que o Senhor Deus nos brinda para nos relacionarmos com Ele.
Em geral, são muitas as pessoas que têm uma idéia distorcida de Deus, imaginando-o um Deus bravo, severo
e intransigente. O escritor aos Hebreus disse: “Cheguemo-nos com verdadeiro coração, em plena certeza de fé, tendo o coração
purificado da má consciência, e o corpo lavado com água limpa” (Hb 10:22 EC).
O Senhor Jesus nunca ensinou os Seus discípulos como pregar, mas os ensinou como orar. Ele os reuniu e
lhes disse: “Portanto, vós orareis assim”, e, lhes deu as devidas instruções de como deveriam desenvolver a oração
eficaz.
Se você é um discípulo de Cristo tem que aprender a comunicar-se com Deus. Quando você chega em sua
casa tem a chave apropriada para poder nela entrar. Da mesma maneira, somente há uma forma para podermos
entrar no coração de Deus, e é através da oração. Esta é a chave-mestre que abre a porta para nos relacionarmos
diretamente com Ele.
TESTE 1. Explique, com suas palavras, por que a oração é considerada a chave-mestre que abre a porta para nos relacionarmos com Deus.

NÍVEIS DA ORAÇÃO
Na oração do Pai-Nosso que Jesus ensinou a seus discípulos aprendemos os dez níveis de uma oração eficaz.
1 – Nível de Redenção (“Pai nosso”).
O Senhor Jesus introduziu um dos pontos doutrinários mais revolucionários daquela época, ao ensinar aos
discípulos que deveriam orar dizendo: “Pai-Nosso”.
Até então nenhum judeu havia se atrevido a chamar Deus de Pai. O pai de todos os israelitas era Abraão (Jo
8:39). Que um judeu pudesse dizer que Abraão era seu pai, representava algo dignificante; mas que alguém fosse
dizer que Deus era seu pai, isto seria considerado uma blasfêmia, visto que seria colocar-se no mesmo nível de
Deus. Agora você pode imaginar como aqueles judeus sectaristas se sentiram ofendidos, quando ouviram estas
palavras de Jesus, chamando o Grande Deus YHVH (JEOVÁ /YAVÉ) de nosso PAI. Jesus podia chamar a Deus de
Pai porque tinha (e tem) a Sua mesma Natureza Divina (“Eu e o Pai somos um” – Jo 10:30).
Quando não conhecíamos a Jesus como o nosso Salvador, tínhamos outro pai, o diabo, e fazíamos os seus
desejos (Jo 8:44).
Nós que cremos em Jesus podemos chamar Deus de Pai porque ao crermos que Jesus é o Cristo, Ele nos deu
o poder de sermos feitos Seus filhos: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que
crêem no seu nome; Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus” (Jo 1:12,13).
2 – Nível de Autoridade (“Que estás nos céus”).
Não há autoridade maior do que Deus. Ele está nos céus, ou seja, acima de tudo e de todos.
O apóstolo Paulo, quando escreve aos Efésios, dá-lhes a conhecer a posição de autoridade que, em Cristo
Jesus haviam adquirido; e pede, em oração que Deus lhes concedesse espírito de sabedoria e de revelação no pleno
conhecimento dEle, tendo iluminados os olhos do vosso coração. (Leia Efésios 1:16 a 23). – O apóstolo anela que
cada crente possa compreender:

===========================================================================
IGREJA DE CRISTO – MINISTÉRIO NOVO HORIZONTE (PALMAS‐TO) – Manual do Professor  10
=================================================================================
ESCOLA DE LÍDERES MÓDULO 1 – DOUTRINA E ENSINO
=================================================================================
 Qual é a esperança a que Ele nos chamou;
 As riquezas da Sua glória;
 A herança que adquirimos com os santos;
 O extraordinário poder que Ele nos tem dado, que é o mesmo que operou em Cristo, ao ressuscitá-lo dentre os
mortos.
Nós, pela fé em Jesus, fomos levados ao mesmo grau de autoridade que Ele tem: “... e nos ressuscitou juntamente
com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus”. (Ef 2:6). Com isto entendemos que o Senhor nos entregou
toda autoridade espiritual. Alguns não fazem uso dela por pura ignorância, indiferença ou incredulidade.
Se olharmos as coisas de baixo para cima, podemos sentir-nos como pontos no Universo, mas se
contemplarmos as coisas de cima para baixo veremos que as montanhas mais elevadas parecerão pontos
diminutos desdobrados sobre a face da terra. Se tomarmos nossa posição em Cristo, não estaremos jamais debaixo
das circunstâncias, mas sempre sobre elas. Jesus disse: “Eis que vos dou poder para pisar serpentes e escorpiões, e toda a
força do inimigo, e nada vos fará dano algum”. (Lc 10:19). E ainda: “E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome
expulsarão os demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano
algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão”. (Mc 16:17,18).
Quando compreendemos esta revelação, mudamos nosso modo de orar e, passamos a ver o adversário não
mais como um grande gigante, o qual precisa-se fazer um enorme esforço para amarrá-lo e repreendê-lo, mas, ao
entendermos a Palavra de Deus e nossa posição em Cristo, vemos que o inimigo já foi derrotado e está sob os pés
de Jesus. Nós, como Igreja, somos os pés de Jesus na terra, assim o inimigo também está sob os nossos pés.
Usemos, sem temor, toda a autoridade a nós outorgada, pelo nome de Jesus, e desatemos vidas, famílias,
cidades e nações.
3 – Nível de Adoração (“Santificado seja Teu Nome”).
Santificar é separar, é colocar o nome de Deus acima de todo o nome. Jesus começa com uma afirmação da
unicidade de Deus no universo em nossas vidas. Com este conceito firme em nossas mentes, jamais
corromperemos quem Deus é.
Com este início, não estamos dizendo a Deus algo que Ele ainda não sabe. Estamos reconhecendo a
veracidade do Santo ser de Deus. Estamos expressando nossa admiração e louvor pela grandeza de Deus. Estamos
necessariamente contrastando o nome de Deus com todos os outros.
“Santificado seja o Teu nome”, portanto, deve ser uma expressão substancial do coração e não um mero código
de acesso para ganhar entrada na presença de Deus. De fato, no contexto próximo de Mateus cap. 6, Jesus está
fazendo um contraste; Ele está dizendo ao povo que “não digam todas as coisas certinhas para serem vistos pelos homens”.
Em vez disso, temos que nos aproximar sinceramente de Deus, de coração, em nossas orações, para sermos
ouvidos por Ele. Jesus nos mostra que precisamos começar tornando claro que sabemos quem é a criatura e quem
é o Criador.
4 – Nível de Governo (“Venha a nós o teu reino” ).
O propósito Divino é que Seu plano de governo para o ser humano seja entendido por nós, e também aceito e
expandido.
Poderá o homem governar este mundo? Poderá subsistir sem a ajuda de Deus? Jesus Cristo disse: “... porque
sem mim nada podeis fazer”. (Jo 15:5 b).
Deus estabeleceu Sua esfera de governo, em toda a criação, desde o princípio. Precisamos lembrar sempre
que Deus está no controle de tudo.
O último mandamento do Senhor Jesus aos Seus discípulos foi: “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações,
batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis
que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”. (Mt 28:19,20).
O governo de Cristo começou a ser estabelecido em indivíduos. Estes foram os apóstolos que, em menos de
um século, haviam transformado o mundo inteiro com o Evangelho. Aqueles apóstolos estavam dispostos a dar
tudo, até mesmo suas próprias vidas, para que o reino de Deus fosse estabelecido. E esforçaram-se para romper os
moldes do paganismo que se haviam impregnado no meio de várias nações. Este trabalho, que começou com os
apóstolos, continuou com os discípulos da geração seguinte, até que fosse estabelecido nas diferentes nações,
inclusive, chegando a nós. Agora, nós devemos nos esforçar para andarmos nas mesmas pegadas dos apóstolos,

===========================================================================
IGREJA DE CRISTO – MINISTÉRIO NOVO HORIZONTE (PALMAS‐TO) – Manual do Professor  11
=================================================================================
ESCOLA DE LÍDERES MÓDULO 1 – DOUTRINA E ENSINO
=================================================================================
para a glória do Senhor Jesus. Ele disse: “Vós sóis o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais
presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens”. (Mt 5:13). – Jamais devemos perder de vista o nosso
propósito: Estabelecer o reino de Deus nesta terra.
5 – Nível de Evangelização (“Seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu” ).
Qual será a vontade do Pai?
O Senhor Jesus Cristo a ensinou: “E a vontade do Pai que me enviou é esta: Que nenhum de todos aqueles que me deu se
perca, mas que o ressuscite no último dia”. (Jo 6:39). – O que moveu Jesus a deixar o seu trono de glória, despojando-se
de tudo para fazer-se homem?
A resposta é: foi o amor a um mundo que se achava submergido em total perdição. Jesus nos deu a maior
lição de amor e misericórdia, fazendo-se servo e esvaziando-se a si mesmo, para vir à terra como homem e nos
salvar, salvação esta cujo preço lhe custou a própria vida.
Conhecer a vontade de Deus é como ter um diamante com múltiplas facetas; mas a que mais brilha é aquela
que nos motiva a buscar e salvar os perdidos.
6 – Nível de Provisão (“O pão nosso de cada dia dá-nos hoje”).
Esta não é uma exigência de abundância e riqueza. Jesus nem praticou, nem ensinou a noção materialista de
que o discípulo pode “dizer e exigir” na oração.
Diferentemente do que fazem algumas pessoas hoje em dia, que se aproximam de Deus como uns mal-
criados exigindo tudo o que querem, Jesus mostrou aqui uma dependência de Deus para as necessidades básicas
da existência diária. Precisamos de Deus todos os dias.
Sabemos que o Senhor não deseja que nos preocupemos com o dia de amanhã, por isso Ele nos orienta para
que peçamos o pão de cada dia, para que não nos esqueçamos dAquele que tudo nos provê. Precisamos entender
que Deus se preocupa com o nosso suprimento.
Não existe nada tão grande que Deus não possa fazer, mas também não existe nada tão pequeno para nós
que não seja também importante para Ele.
7 – Nível de Perdão (“E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores”).
Sabemos que a tarefa mais difícil para muitos se relaciona com o perdão. Muitos são os argumentos de
tais pessoas: “Eu perdôo, mas não esqueço”; “o que me fez, vai me pagar”; “o que ele(a) me fez não tem perdão...” – Quando
oramos sem ter transmitido perdão, nossa oração não tem poder, porque o não perdoar se converte em uma
barreira entre Deus e nós (Mt 18:23 a 35). Jesus nos ensinou que, com a medida que transmitimos perdão,
recebemos igualmente o perdão de Deus.
Certa vez, Pedro perguntou a Jesus: “Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu lhe perdoarei? Até
sete? Jesus lhe disse: Não te digo que até sete; mas, até setenta vezes sete”. (Mt 18:21,22). Somente podem experimentar os
benefícios do perdão aqueles que o tenham praticado, pois o próprio Senhor nos ensina que não podemos
incorrer no pecado da hipocrisia, pretendendo receber o perdão de Deus, sem antes termos perdoado nosso
próximo, porque isto nos exporia ao juízo mais severo de Deus.
8 – Nível de Proteção (“E não nos deixeis cair em tentação”).
Precisamos do auxílio de Deus a cada instante para que não pequemos, para que não caiamos nas
tentações do mundo vil que nos cerca.
Deus não é apenas um guarda-livros que fica registrando os pecados cometidos e apagando-os depois. Ele
tem poder para nos auxiliar a derrotar o inimigo. O apóstolo Paulo garante que há um jeito de escapar de cada
tentação: “Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a
tentação dará também o escape, para que a possais suportar”. (I Co 10:13). Cristo é poderoso para socorrer os que são
tentados: “Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados”. (Hb 2:18). Ele nos
deixou um exemplo perfeito de obediência para encorajar nossa fidelidade. Na hora de sua mais difícil tentação,
Jesus voltou-se para o Pai em oração fervorosa. Depois daquelas orações Ele saiu do Getsêmani preparado para
suportar o poder das trevas, e sofreu o ridículo e a morte para cumprir a vontade dAquele que O enviou. (Leia I
Pedro 2:21).
Jesus foi testado e tentado pelo inimigo, e você, da mesma forma o será. Os testes virão, por isso, prepare-se
para eles. A maneira como você deve se preparar é pedindo a Deus o livramento da tentação e da queda.

===========================================================================
IGREJA DE CRISTO – MINISTÉRIO NOVO HORIZONTE (PALMAS‐TO) – Manual do Professor  12
=================================================================================
ESCOLA DE LÍDERES MÓDULO 1 – DOUTRINA E ENSINO
=================================================================================
9 – Nível de Libertação (“Mas livra-nos do mal”).
Existem duas forças que operam no mundo espiritual: o bem e o mal. Muitos dizem: “Eu não creio que exista
o mal, só aceito que exista o bem”. Isto é semelhante a dizer: “Só creio que exista o dia e não a noite”, ou “só aceito o quente, e não
o frio”. – O apóstolo Paulo disse: “... pois que sociedade tem a justiça com a injustiça? Ou que comunhão tem a luz com as trevas?
(II Co 6:14 b – grifos acrescentados).
Para o crente poder vencer o mal, tem que primeiro passar por todos os passos explicados anteriormente, ou
seja: ser redimido, possuir autoridade e caminhar na dimensão do Espírito Santo, em santidade de vida. Mas um dos
passos mais importantes é a pessoa não guardar rancor, mas ter um coração perdoador. Com estas características é fácil
levantar um cerco de proteção ao redor de sua vida e de sua família. Aquele que atua de maneira obediente à Palavra
ativa todas as forças do bem que estão no reino espiritual, porém o que opera de maneira indiferente em relação à
Palavra de Deus, e não a obedece, com sua atitude põe a trabalhar todas as forças do mal, ficando completamente
desprotegido e expondo sua vida e de sua família à destruição.
As forças do mal têm se levantado com muita ira contra a humanidade, porque Satanás e os seus demônios
sabem que lhes resta muito pouco tempo, e assim, utilizam toda a classe de engano para confundir e debilitar os
crentes. Por isso, requer-se que o cristão na atualidade seja muito firme em sua fé, não se deixando mover facilmente do
seu modo de pensar, e sabendo como enfrentar sem temor e com muito êxito todas as forças malignas, como diz o
apóstolo João: “Filhinhos, sois de Deus, e já os tendes vencido; porque maior é o que está em vós do que o que está no mundo”. (I Jo 4:4).
10 – Nível de Segurança (“Porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém”).
Reino (riquezas), poder e glória (fama) são as três coisas que a humanidade mais tem buscado nos últimos
dias, mas Jesus deixa claro que elas pertencem a Deus unicamente.
Ninguém poderá encontrar um seguro mais firme e duradouro do que nós encontramos em Jesus Cristo.
O Senhor Jesus disse: “As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; E dou-lhes a vida eterna, e
nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão”. (Jo 10:27,28).
Um dos Salmos mais conhecidos por todos os cristãos, diz: “Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à
sombra do Onipotente descansará. Direi do SENHOR: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei. Porque ele
te livrará do laço do passarinheiro, e da peste perniciosa. Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas estarás seguros; a
sua verdade é escudo e broquel”. (Sl 91:1-4). Todo este Salmo fala da proteção que Deus dá àqueles que têm feito dEle
seu refúgio reconhecendo que só Ele tem o poder, o domínio do mundo e a glória para sempre.
TESTE 2. Com suas próprias palavras faça um breve comentário do que significa para você a oração do Pai-Nosso.

ORAÇÃO COM IMPOSIÇÃO DE MÃOS


Um aspecto importante para o desenvolvimento da vida cristã, é a disposição do crente para crescer no
conhecimento da doutrina bíblica, a fim de permanecer firme no caminho de Deus e, ao mesmo tempo, contar com
a suficiente autoridade para ajudar outros na área espiritual.
Os aspectos doutrinários básicos que você deve conhecer na área espiritual encontram-se relatados em
Hebreus 6:1,2, que diz: “Por isso, deixando os rudimentos da doutrina de Cristo, prossigamos até à perfeição, não lançando de
novo o fundamento do arrependimento de obras mortas e de fé em Deus, e da doutrina dos batismos, e da imposição das mãos, e da
ressurreição dos mortos, e do juízo eterno”. Neste texto se menciona a imposição de mãos como uma das doutrinas
fundamentais, que a Igreja não pode descuidar.
Através da imposição de mãos, que implica em um contato físico, o Senhor Jesus Cristo realizou inúmeros
milagres ao logo de Seu ministério. Em II Timóteo 1:6,7 e em I Timóteo 5:21,22, o apóstolo Paulo relatou a Timóteo a
importância da oração com imposição de mãos, mostrando também os cuidados que devia ter durante a sua prática.
Aplicando esta doutrina com o conhecimento e autoridade delegada por Deus, uma pessoa pode ser usada
para ministrar a outra as bênçãos do Alto. Mas se a prática é usada fora do contexto bíblico, produz-se o efeito
contrário.
TESTE 3. I Tm. 5:22 – Em sua opinião por que Paulo sugeriu a Timóteo que não impusesse as mãos sobre as pessoas precipitadamente?
1. O QUE SE ENTENDE POR IMPOSIÇÃO DE MÃOS?
É uma doutrina fundamental da fé cristã, que consiste em um ato, mediante o qual uma pessoa com
autoridade espiritual coloca suas mãos sobre a outra, para transmitir bênção, acompanhando de oração e palavra
profética.

===========================================================================
IGREJA DE CRISTO – MINISTÉRIO NOVO HORIZONTE (PALMAS‐TO) – Manual do Professor  13
=================================================================================
ESCOLA DE LÍDERES MÓDULO 1 – DOUTRINA E ENSINO
=================================================================================
TESTE 4. Por que se diz que a imposição de mãos é uma doutrina fundamental para a Igreja? (Hb 6:1,2).

2. ANTECEDENTES BÍBLICOS DA PRÁTICA DE IMPOSIÇÃO DE MÃOS.


No Velho Testamento:
a) Jacó abençoa a Efraim e a Manassés (Gn 48:12 a 19 / Nm 27:22,23).
b) Moisés unge a Josué, seu sucessor (Dt – cap. 34).
c) Eliseu outorga autoridade ao rei Jeoás (II Rs 13:14 a 17).
No Novo Testamento
a) Jesus curando a filha de Jairo (Mc 5:21 a 24).
b) Jesus abençoando as criancinhas (Mt 19:13 a 15).
c) Ananaias para curar a visão de Paulo (At 9: 15 a 17).
d) Apóstolos – para separação no ministério (At 13:1 a 3).
3. PROPÓSITOS DA ORAÇÃO COM IMPOSIÇÃO DE MÃOS.
a) Transmitir bênção;
b) Transmitir cura física;
c) Transmitir cura interior e libertação;
d) Transmitir o batismo no Espírito Santo;
e) Transmitir dons e comissionar a outros;
f) Transmitir autoridade.
O JEJUM: UMA ARMA ESPRITUAL
Em certa ocasião, Jesus orientando seus discípulos a respeito do expulsar demônios disse: “Esta casta não
pode sair com coisa alguma, a não ser com oração e jejum”. (Veja Mc 9:28,29).
Estas palavras do Senhor Jesus nos ensinam a importância do jejuar como um aspecto do guerrear
espiritual. Aqueles que têm lutado batalhas espirituais contra os poderes das trevas sabem por experiência a
preciosa verdade da qual Jesus está falando. Oração é um poderoso recurso espiritual, mas há fortificações
demoníacas que não podem ser quebradas somente por oração, sem o jejum.
É interessante observarmos que a Bíblia não contém nenhum mandamento que obrigue a prática do jejum.
Entretanto, ela nos mostra que o jejum é um ato de humilhação diante de Deus. É uma forma de colocar a carne
submissa ao Espírito. É um tipo de exercício espiritual, quando decidimos que, durante um espaço de tempo,
vamos deixar de dar atenção à nossa necessidade física para nos dedicarmos aos interesses espirituais.
Jejum não é simplesmente abstinência de alimento ou de alguma coisa. Acima de tudo é colocar Deus no
lugar supremo. É colocar a oração em primeiro lugar.
O jejum manifesta a intensidade de um desejo, a grandeza de uma determinação e da fé. O jejum, pois, revela
o fervor e a seriedade da busca da reposta à oração.
Alguns exemplos bíblicos nos mostram que Deus valoriza o jejum, quando o mesmo é feito de coração como
uma oferta ao Senhor e não com a intenção de fazer negócio com Deus. Vamos jejuar e oferecer o nosso jejum
como culto ao Senhor. Se Ele quiser nos abençoar pelo que fizemos, amém e graças a Deus. Mas jamais devemos
jejuar com a intenção de fazer “comércio espiritual”.
Na Bíblia, encontram-se muitos relatos e ensinamentos sobre o jejum:
 O povo de Nínive jejuou, ao mesmo tempo em que se arrependeu dos seus pecados e chamou pela misericórdia Divina.
Resultado: Deus perdoou o povo daquela cidade, livrando-os da destruição que lhes sobreviria (Jonas cp. 3).
 O profeta Joel convoca o seu povo para um jejum, com pranto e choro. Resultado: Depois disso, Deus se compadeceria
de seus servos e sobre eles derramaria o Espírito Santo. (Joel 2:10 a 29).
 Durante um jejum de 40 dias, Moisés recebeu uma grande revelação de Deus: os Dez Mandamentos. (Êxodo 34:28).
 O Senhor Jesus iniciou o Seu Ministério terreno após um jejum de 40 dias. (Mt 4:1,2).
 Cornélio, o centurião romano jejuou por 4 dias e a sua oração foi prontamente ouvida por Deus. (At 10:1,2 e vs. 30,31).
 Durante um período de jejum, Daniel recebeu a revelação sobre as setenta semanas do fim dos tempos. (Daniel cap. 9).
 Após um jejum de 21 dias, Daniel recebeu a visita de um anjo que lhe trouxe grandes revelações de Deus (Dn. cap. 10).
 O salmista Davi tinha o jejum como uma prática constante na sua vida. (II Sam 12:16 / Salmos 69:10 / Salmos 109:24).
 O apóstolo Paulo tinha o costume de jejuar e isto o fortalecia nas batalhas da fé. (II Co 11:27 e II Co 6:5).
===========================================================================
IGREJA DE CRISTO – MINISTÉRIO NOVO HORIZONTE (PALMAS‐TO) – Manual do Professor  14
=================================================================================
ESCOLA DE LÍDERES MÓDULO 1 – DOUTRINA E ENSINO
=================================================================================
Precisamos urgentemente de uma ação mais intensa do Espírito Santo em nossas vidas e em nossas igrejas.
Vamos jejuar e orar e humilhar-nos diante do Criador. Ele disse: “Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar,
e orar e buscar a minha face, e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a
sua terra”. (II Cr 7:14).
TESTE 5. Defina o que é jejum.

COMO DEVE SER FEITO O JEJUM?


Há momentos em que devemos comer e beber com alegria e gratidão; momentos em que devemos dormir, gozar
os prazeres da família... Toda bênção vem de Deus, e deve ser desfrutada para que, por elas Deus seja glorificado. Mas
há momentos que devemos voltar as costas para tudo isso e buscar somente a face do Senhor. Para tantos somos
levados a voltar toda a nossa atenção e energia para o Senhor, orando e esperando em Sua presença.
A abstinência pode ser só de comida. Mas também há ocasiões em que o jejum é completo (Ester 4:16). Há jejuns
parciais, em que se come só o indispensável (Dn 10:2,3). Às vezes há abstinência do relacionamento sexual entre marido
e mulher (I Co 7:3 a 5 / Êx 19: 14,15).
Em Mateus 6, Jesus fala a respeito do jejum, dizendo que os fariseus, quando jejuavam, queriam que todos
soubessem disso, a fim de serem considerados bons religiosos. Por isso, Jesus os reprovou e disse que o jejum deve ser
discreto. Quem está jejuando não deve fazer propaganda disso com a intenção de exibir sua “espiritualidade”. Quem faz
assim não está jejuando, mas passando fome. Mas também não significa que seja pecado dizer a alguém que se está
jejuando, desde que não seja feito com o objetivo de vanglórias. Aliás, em algumas situações isso pode até mesmo
ser necessário. Por exemplo, nada impede que o marido diga à esposa que ele está jejuando, caso isso seja
necessário, até mesmo para ela não passar por constrangimentos no momento das refeições. Nos exemplos que
mencionamos, de pessoas que jejuaram na Bíblia, vimos casos de jejuns coletivos. Logo, não eram jejuns secretos.
O problema existe quando o revelamos com a intenção de tirar alguma vantagem em cima disso.
TESTE 6. Dê três exemplos de como pode ser feito o jejum.

PASSOS PARA O JEJUM


PASSO Nº 1 – Defina seu objetivo.
Por que você vai jejuar? É para a sua renovação espiritual? Por direção? Cura? Solução dos problemas? Graça
especial para enfrentar uma situação difícil? Será intercessão por uma vida que você quer ganhar para Jesus? –
Peça ao Espírito Santo que mostre claramente a sua direção e os objetivos para o seu jejum e oração. Isto irá
capacitá-lo a orar mais específica e estrategicamente.
PASSO Nº 2 – Faça o seu compromisso.
Ore sobre o tipo de jejum que você deve adotar. Jesus deu a entender que todos os Seus discípulos deveriam
jejuar. (Mt 6:16 a 18 e Mt 9:14,15). Para Ele a questão não era se os crentes iriam ou não jejuar, mas quando o
fariam.
Antes de jejuar decida:
 Qual será a duração do seu jejum;
 Que tipo de jejum Deus quer que você adote;
 Que atividades ou coisas você irá restringir-se para dedicar seu tempo à oração à leitura da Palavra.
Fazer estes compromissos com antecedência irá ajuda-lo a sustentar o jejum quando as tentações físicas e as
pressões da vida quiserem fazê-lo abandonar o seu jejum.
PASSO Nº 3 – Prepare-se espiritualmente.
O fundamento básico do jejum e oração é o arrependimento. Pecados não confessados irão bloquear as suas
orações. Portanto, antes do jejum, prepare-se espiritualmente:
 Confesse e peça o perdão de Deus a cada pecado que o Espírito Santo trouxer à sua mente;
 Procure obter o perdão de todos os que o ofenderam e libere perdão;
 Peça a Deus para enchê-lo com o Seu Espírito Santo de acordo com a Sua ordem em Efésios 5:18 e a Sua
promessa em I João 5:14,15.
 Medite sobre os atributos de Deus: Seu amor, soberania, poder, sabedoria, fidelidade, Sua graça, Sua
misericórdia... (Sl 48:9,10 / Sl 103:1 a 8 v. 13).

===========================================================================
IGREJA DE CRISTO – MINISTÉRIO NOVO HORIZONTE (PALMAS‐TO) – Manual do Professor  15
=================================================================================
ESCOLA DE LÍDERES MÓDULO 1 – DOUTRINA E ENSINO
=================================================================================
 Comece o seu tempo de jejum e oração com uma expectativa no seu coração. (Hb 11:6).
 Não subestime a oposição espiritual. Satanás intensifica a batalha natural entre o corpo e o espírito quando
jejuamos. (Gl 5:16,17).
PASSO Nº 4 – Prepare-se fisicamente.
Jejum requer precauções conscientes. Algumas pessoas nunca devem jejuar sem a supervisão de um
profissional.
Preparação física faz com que uma mudança drástica na sua rotina alimentar seja mais fácil, de tal modo que
você possa concentrar toda a sua atenção para o Senhor em oração.
 Não comece o seu jejum de modo repentino, principalmente se for prolongado;
 Peça ajuda a Deus quanto ao tempo que você vai jejuar. Veja suas limitações físicas. (Oséias 6:6).
TESTE 7. Quais são os quatro passos que é aconselhável observarmos antes de fazer o jejum?

ATIVIDADE AVALIATIVA:
1. Escreva quatro formas pelas quais devemos nos aproximar de Deus na oração, segundo Hebreus 10:22.
2. Quais são os três requisitos que devemos observar ao orar? (Mateus 6: 5 a 7).
3. Quais são os dez níveis que compõem a oração do Pai-Nosso?
4. Explique qual é a importância da oração para a sua vida como líder de uma Célula de Multiplicação.
5. Transcreva os versículos à frente de cada referência sobre oração:
a) Salmos 88:13
b) Mateus 21:22
c) Jeremias 33:3
6. O que se entende por imposição de mãos?
7. Quais são os propósitos da oração com imposição de mãos?
8. Cite alguns exemplos de pessoas na Bíblia que obtiveram o favor de Deus pelo jejum.
9. Cite algumas razões bíblicas do por que o cristão deve jejuar.
10. Explique qual é a importância do jejum para a sua vida como líder de uma Célula de Multiplicação.

===========================================================================
IGREJA DE CRISTO – MINISTÉRIO NOVO HORIZONTE (PALMAS‐TO) – Manual do Professor  16

Você também pode gostar