Você está na página 1de 10

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/342217676

A Utilização da Fundação do Tipo Radier

Conference Paper · November 2016

CITATIONS READS

0 1,179

5 authors, including:

Wilson Ramos Aragão Júnior


Federal University of Pernambuco
17 PUBLICATIONS   0 CITATIONS   

SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

Correlação entre resistência mecânica dos blocos cerâmicos estruturais com a velocidade ultrassonora das indústrias de produtos cerâmicos do município de
Itabaianinha/SE View project

Influência do tempo de cura em misturas entre solo e agregado reciclado de resíduo da construção civil View project

All content following this page was uploaded by Wilson Ramos Aragão Júnior on 17 June 2020.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


A UTILIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO DO TIPO RADIER

Matteus Vinicius Santos(1); Paulo Victor Barreto Ramos(2); Wilson Ramos Aragão Júnior(3); Andréa Lins
Teixeira(4); José Resende Goes(5)
(1)
Estudante de Engenharia Civil; Instituto Federal de Sergipe; domatteus@gmail.com
(1)
Estudante de Engenharia Civil; Instituto Federal de Sergipe; paulo@directaengenharia.com.br
(1)
Estudante de Engenharia Civil; Instituto Federal de Sergipe; wilsonramosaragao@hotmail.com
(1)
Professora Mestre; Instituto Federal de Sergipe; andrea.lins@ifs.edu.br
(1)
Professor Doutor; Instituto Federal de Sergipe; resende.goes@ifs.edu.br

Resumo – A construção civil constitui-se como um dos como também pelos ocupantes, pelo vento e pelas
principais subsetores da economia brasileira. Uma obra sobrecargas (FUSCO, 1978).
de edificação composta por um conjunto de elementos O conjunto dos elementos da estrutura pode ser
denominados superestrutura e infraestrutura. subdividido em dois subconjuntos, denominados de
Fundações mal concebidas ou mal projetadas podem superestrutura e de infraestrutura. O primeiro,
aumentar drasticamente o custo total do edifício, além superestrutura, corresponde aos elementos estruturais que
de prejudicar a execução da obra. Nas últimas décadas, estão acima do nível do solo, ou seja, pilares, vigas e lajes,
o avanço no setor da construção civil possibilitou a que são responsáveis por receber as cargas atuantes
promoção da utilização de fundações do tipo radier permanentes e variáveis. Já a infraestrutura é constituída
como recurso construtivo em obras. Assim, esse artigo pelos elementos de fundação que transferem o seu peso
teve como objetivo estudar a utilização da fundação do próprio e os carregamentos oriundos da superestrutura para
tipo radier nas obras de construção civil. São o solo (FUSCO, 1978).
apresentados aspectos relacionados às fundações rasas Toda superestrutura necessita de uma base sólida e
do tipo radier em concreto armado e protendido, estável para ser apoiada. A contínua evolução dos métodos
explorando suas características em relação à construtivos exige, também, o constante acompanhamento
classificação, à aplicação de acordo com o tipo de do desenvolvimento dos elementos que promovem
edificação e o maciço de solo a ser utilizado, ao estabilidade da obra. Assim, a fundação é o elemento
desempenho e às peculiaridades do processo executivo. construtivo destinado a garantir a estabilidade da
Para isso, foram aplicados a engenheiros questionários edificação, recebendo o esforço total e o distribuindo ao
relacionados os comparativos aos inúmeros aspectos da solo, logo é a primeira parte da estrutura a ser construída.
utilização e da necessidade do radier, além da De acordo com Barros (2008), fundações bem
contribuição da literatura de vários autores sobre as projetadas correspondem de três a 10% do custo total do
características desse tipo de fundação. Partindo-se edifício. Porém, se forem mal concebidas e mal projetadas,
desses questionamentos, ao responder as indagações podem atingir de cinco a dez vezes o custo da fundação
propostas e compará-las com a literatura existente, o mais apropriada para o caso.
trabalho contribui apresentando um comparativo entre Devido ao crescimento da população urbana se faz cada
a utilização do radier e de outras fundações, apontando vez mais necessário o desenvolvimento de novos métodos
através dessa comparação a viabilidade econômica e construtivos, por meio de estruturas mais econômicas e de
executiva e capacidade da fundação do tipo radier de simples execução. Uma destas é a laje apoiada no solo,
atender a solos com baixa capacidade de carga. Além comumente conhecida como radier, que, inicialmente, era
disso, o presente trabalho acrescenta à comunidade utilizada somente em edifícios de pequeno porte, mas que
científica, uma vez que serve de consulta àqueles que atualmente é utilizado em edificações de grande porte
se interessarem sobre o tema. devido o surgimento da tecnologia de protensão com
cordoalhas. Atenta-se que, antes de iniciar a construção,
Palavras-Chave: Fundação; radier; concreto armado; deve ser dada atenção aos fatores que influenciam
concreto protendido. diretamente no dimensionamento do radier, como por
exemplo o solo, as cargas e o processo executivo (DÓRIA,
INTRODUÇÃO 2007).
O setor da construção civil é um dos grandes O presente artigo tem como objetivo estudar a
responsável pela constante evolução e pelo utilização da fundação do tipo radier nas obras de
desenvolvimento da sociedade, pois envolve inúmeras construção civil, explorando os tipos, as qualidades e o
atividades de prestações de serviços. Logo, este processo executivo, coletados através de revisão da
mercado apresenta consideráveis fatores que colaboram literatura, de pesquisa semiestruturada qualitativa e de
para o progresso da economia de um país. análise de dados.
Uma edificação é composta de várias etapas Foram realizadas duas entrevistas individuais, uma com
construtivas. A fase produtiva denominada de estrutura um engenheiro civil responsável pelo projeto, pela
tem a função de manter a forma e de sustentar uma execução e pela fiscalização de obras de fundações e outra
edificação, devendo ser capaz de suportar e de resistir a com um engenheiro civil que leciona na área de
todos os esforços oriundos, tanto pelo peso próprio, dimensionamento de estrutura, respectivamente,
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2016 – IFS

mencionados no decorrer do texto como “ENG1” e portanto, não armados, dimensionados de modo que as
“ENG2”. tensões de tração produzidas sejam resistidas unicamente
A partir da análise das entrevistas foram escolhidas pelo concreto;
três categorias de estudo que representam tópicos • Radier: fundação superficial que abrange todos os
relacionados ao tema estudado no artigo, sendo elas: os pilares de uma determinada.
critérios que influenciam na escolha da fundação do
Figura 1 – Fundações superficiais.
tipo radier, os aspectos do solo que determinam a
seleção do radier como solução e a diferença no
comportamento estrutural do radier em concreto
armado (CA) e concreto protendido (CP).
Para Duarte (2005), a vantagem deste exemplo de
entrevista é a capacidade de representar uma estrutura
para confrontar as respostas e os resultados com a
literatura, permitindo a sistematização das informações
fornecidas por diversos informantes.
Ainda segundo o autor, as categorias são estruturas
analíticas construídas pelo pesquisador que reúne e Fonte: Velloso e Lopes (2004).
organizam o conjunto de informações obtidas a partir
do fracionamento e da classificação em temas A NBR 6122 (ABNT, 2010) classifica radier como um
autônomos, mas inter-relacionados. elemento de fundação superficial que abrange todos os
pilares da obra ou carregamentos distribuídos, por
FUNDAÇÕES EM RADIER exemplo: tanques, depósitos, silos, etc. (Figura 2).
O estudo de toda fundação compreende A fundação em radier pode ser executada em CA ou
basicamente em duas partes essencialmente distintas, o CP. Esse tipo de fundação pode ser utilizado em diferentes
cálculo das cargas atuantes sobre a fundação e o estudo tipos de solo, pois a carga recebida da superestrutura é
do terreno (CAPUTO, 1988). distribuída uniformemente pela fundação ao solo, sendo
Para Velloso e Lopes (2004) as fundações são uma alternativa vantajosa em alguns casos ao invés da
convencionalmente separadas em dois grandes grupos: utilização de fundações profundas (GERAB, 2011).
fundações profundas; fundações superficiais (ou rasas Segundo Ribeiro (2010), a fundação tipo radier é
ou diretas). A seguir têm-se as definições apresentadas empregada quando: o solo tem baixa capacidade de carga;
pela Norma Brasileira (NBR) 6122 (ABNT, 2010): deseja-se uniformizar os recalques; as áreas das sapatas se
a) Fundações Profundas: entende-se pelo aproximam umas das outras ou quando a área destas for
elemento de fundação que transmite a carga ao terreno maior que a metade da área de construção.
pela base (resistência de ponta), por sua superfície Figura 2 – Fundação em radier.
lateral (resistência de fuste) ou por uma combinação
das duas, e que está assente em profundidade superior
ao dobro de sua menor dimensão em planta, e no
mínimo 3,0 m, salvo justificativa. Neste tipo de
fundação incluem-se as estacas, os tubulões, os
caixões, etc (ABNT, 2010).
b) Fundações Superficiais: classifica-se como
aquelas em que a carga é transmitida ao solo,
predominantemente pelas tensões distribuídas sob a Fonte: Xavier (2015).
base do elemento estrutural de fundação, estando
assente a uma profundidade inferior a duas vezes o Já na norma do American Concrete Institute (ACI)
valor da menor dimensão do elemento estrutural da 360R-06 (ACI, 2006) compreende-se radier como uma laje
fundação. Ainda de acordo com a NBR 6122 (ABNT, apoiada no solo, cuja finalidade é admitir as cargas
2010), os elementos de fundação superficial (Figura 1) provenientes da superestrutura através da tensão admissível
que se enquadram nesta definição são: de suporte do solo o qual está apoiado.
• Sapatas isoladas: elementos de concreto De acordo com Singer (2014), o radier pode ter
armado dimensionados de forma que as tensões de espessura uniforme ou variável, e pode conter elementos de
tração geradas não sejam resistidas pelo concreto e sim enrijecimento como nervuras ou vigas, que podem ser de
pelo aço; concreto simples, concreto reforçado ou concreto
• Sapatas associadas: sapata comum a vários protendido.
pilares cujos centros gravitacionais não estejam O radier em concreto protendido é muito utilizado em
situados no mesmo alinhamento; edificações as quais são atendidas pelo PAR (Programa de
• Sapatas corridas: sapata sujeita a ação de uma Arrendamento Residencial) por sua simplicidade, rapidez,
carga distribuída linearmente; segurança e flagrantes vantagens técnicas e econômicas
• Vigas de fundação: elemento de fundação “ENG1” (2016, anexo B).
comum a vários pilares cujos centros gravitacionais Para Dória (2007), esse tipo de fundação pode ser
estejam situados no mesmo alinhamento; recomendada a ser utilizada quando o lençol freático
• Blocos: elementos de grande rigidez encontra-se próximo a superfície ou quando está apoiada
executados com concreto simples ou ciclópico, em solos com grandes recalques. As tensões de contato têm

2
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2016 – IFS

elevada intensidade superficial ou penetram nos solos Segundo Dória (2007) a simplicidade da execução é
para uma alta profundidade, ambos os fatores característica deste sistema, no qual, as cordoalhas e seus
contribuem para um aumento do recalque. acessórios requerem trabalho muito simples na obra.
Ainda conforme Dória (2007), durante a fase de De acordo com Hanai (2000), o concreto protendido
concepção de projeto, devem-se levar em conta todos pós-tracionado proporciona as seguintes vantagens quando
os fatores que interferem no desempenho do radier comparado ao radier em concreto armado: menor espessura
como as características do solo, os nivelamentos da das lajes; redução da fissuração; rapidez de construção E
base, a durabilidade e o desempenho do concreto. maior impermeabilidade.
CLASSIFICAÇÃO DO RADIER Em relação ao sistema de protensão utilizando bainhas
Radier em Concreto Armado metálicas, a utilização de cordoalhas engraxadas é mais
A resistência à compressão do concreto, segundo vantajosa pelos seguintes motivos: reduz perdas por atrito,
Dória (2007), tem influência direta na determinação da simplifica a montagem dos cabos, não requer grauteamento
espessura do radier e nas propriedades das suas das bainhas, pode ser construído com maior velocidade e,
superfícies, bem como influência nas deformações de geralmente, é mais barato.
retração e nas deformações devido à variação da CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO
temperatura. A determinação dessa resistência é Segundo Mohr (2013), o cálculo do radier é semelhante
fundamental para o desempenho estrutural do radier ao de uma laje genérica, salvo que o radier está lançado
em concreto armado. diretamente sobre o solo, não necessitando de outros tipos
O radier em CA (Figura 3) geralmente é utilizado de fundação. Ainda o autor diz que, para um correto
para apoiar casas ou edifícios baixos de até oito dimensionamento do elemento, os esforços devem ser
pavimentos “ENG1” (2016, anexo A). calculados de acordo com o porte da estrutura, fazendo
com que os esforços solicitantes presentes no elemento
Figura 3 – Radier em concreto armado.
possam ser suportados. A obtenção dos deslocamentos
reais do radier e dos seus esforços internos pode ser
alcançada através de uma análise da interação solo-
estrutura.
Já para Dória (2007), a partir da análise da interação, os
valores destes esforços podem ser obtidos diretamente,
indiretamente, por meio das pressões de contato. Sendo
assim, a determinação das pressões de contato é necessária
para o cálculo dos esforços internos no radier.
Fonte: Bizerris (2013). Vale lembrar também da importância dos coeficientes
de recalque vertical e horizontal para o dimensionamento.
Radier em Concreto Protendido
Sendo que estes devem estar definidos em consonância
Para Albino (2011), CP é aquele em que as tensões
com o solo existente na obra e seus respectivos estudos
internas (forças) são induzidas por meio de cordoalhas
geotécnicos (MOHR, 2013).
de aço esticadas. Podendo ser realizado por dois
A hipótese de Winkler propõe um modelo admitindo
métodos: protensão pós-tracionada, o estiramento da
que as cargas aplicadas na superfície do solo geram
armadura de protensão é realizado após o
deslocamentos somente no ponto de aplicação da mesma
endurecimento do concreto, e, protensão pré-
(Figura 5).
tracionada, estiramento da armadura de protensão é
feito utilizando-se apoios independentes da peça, antes Figura 5 – Comportamento da laje de fundação no Modelo
do lançamento do concreto. de Winkler.
No Brasil, o uso da tecnologia de protensão com
uso de cordoalhas engraxadas e plastificadas (Figura 4)
em radier começou a ser utilizado em um edifício na
cidade de Fortaleza, em 1999, depois de um seminário
de atualização tecnológica sobre protensão, ocorrido
em Embu/SP em julho de 1996 (CAUDURO, 2000).
Cauduro (2000) cita que a espessura de um
elemento em CP seja da ordem de 70% da altura desse Fonte: Dória (2007).
elemento em CA.
A partir da hipótese de Winkler, entende-se que o solo é
Figura 4 – Cordoalhas de um radier protendido. modelado por molas distribuídas de forma contínua ao
longo da superfície do elemento, e as pressões de contato
são proporcionais aos recalques, até ser atingida a pressão
que leva a plastificação do solo.
Mohr (2013) também afirma que os coeficientes de
recalque vertical e horizontal do solo devem ser
determinados para que se alcance um dimensionamento
adequado da estrutura, assim obtendo comportamento
satisfatório. Se utilizando valores ineficazes, poderá obter
Fonte: Dória (2007). um dimensionamento inadequado podendo gerar problemas
estruturais.

3
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2016 – IFS

COMPARATIVO ENTRE O CÁLCULO DO Figura 7 - Concretagem radier protendido.


RADIER ARMADO E O PROTENDIDO
Em condições de cálculo, o radier em concreto
protendido por pós-tração se difere no processo de
cálculo em relação ao radier em concreto armado pela
ação positiva que a protensão atribui à estrutura. No
radier de CA, a armadura se apresenta, inicialmente,
sem tensões; as tensões na armadura vão resultar do
carregamento na estrutura. Assim, pode-se declarar que
a armadura trabalha passivamente. Já no caso da
protensão por pós-tração, os cabos são, inicialmente,
tracionados pelos macacos no radier de CP, desta Fonte: Bizerris (2013).
forma se apresentam sob tensão antes da estrutura ser Após a concretagem, inicia-se o processo de cura do
carregada (DÓRIA, 2007). concreto. A cura do concreto é feita com aplicação
PROCESSO EXECUTIVO DO RADIER contínua de água durante o intervalo de mais ou menos sete
O primeiro passo da execução é a preparação do dias entre a concretagem e a protensão. Nesse período,
solo, que consiste em seu nivelamento e compactação. pode-se subir parte da alvenaria, sem prejuízo para a
É exigido o controle do California Bearing Ratio fundação.
(CBR) indicado no projeto e os valores adotados pelo Como pode ser visualizado na Figura 8, após a cura, as
projetista devem sem comprovados por meio de tubulações de instalações elétricas e hidráulicas serão
ensaios. posicionadas sobre o radier, logo depois sendo aterradas e
Depois de compactado o solo e conferido o nível retidas por duas fiadas de blocos de concreto. Este processo
pós-compactação como determinado no projeto, é realizado a fim de evitar patologias futuras, pois, quando
colocam-se as formas de madeira e é lançada uma a tubulação é embutida ou se encontra abaixo da laje de
camada de concreto magro com espessura de cinco radier, se torna difícil visualizar e avaliar sua vida útil,
centímetros para regularizar. Após a cura do concreto além de poder acarretar incômodo se precisar ser realizado
magro, coloca-se uma lona plástica sobre o mesmo. algum tipo de reparo ou ocorrer vazamento na tubulação.
Após a colocação da lona plástica sobre o concreto
magro, as armações ativa e passiva são posicionadas. Figura 8 – Tubulações sobre radier.
Primeiramente é colocada a armadura passiva, em
seguida as cordoalhas ativa e passiva. O cobrimento
mínimo é garantido com espaçadores plásticos e
caranguejos metálicos.
As cordoalhas devem estar com as cadeiras de
suportes para manter os cabos de protensão, na altura
desejada pelo projeto, semelhante ao caso da Figura 6.
Figura 6 – Cabos de protensão.
Fonte: Os autores (2015).

Passados 26 dias após a concretagem, quando o


concreto adquire a resistência solicitada pelo projeto, é
iniciada a protensão dos cabos utilizando macaco
hidráulico (Figura 9). É encostada a peça de fixação da
ancoragem passiva instalada no macaco, no lado de apoio
ao concreto da placa de ancoragem. Posiciona-se o macaco
sobre a cordoalha e o mesmo é acionado em força máxima
Fonte: Gerab (2011). até atingir o alongamento definido pelo projetista.
Ao fim da montagem, é feita uma limpeza para Figura 9 - Macaco hidráulico.
remover as impurezas que possam prejudicar o
desempenho do elemento estrutural. A liberação para a
concretagem (Figura 7) só ocorre depois de inspeção
final realizada por profissionais capacitados. Com
todas as armaduras totalmente posicionadas conforme
o projeto estrutural, respeitando todos os pré-requisitos
de projeto, é lançado o concreto com resistência
mínima de 30 MPa. O recebimento do concreto deve
respeitar as diretrizes da NBR12655 (ABNT, 2006),
garantindo assim parâmetros de qualidade e resistência
do concreto. Fonte: Cauduro (2000).

Realizado todo o processo de protensão, o cabo


excedente é cortado por meio de uma solda de oxi-

4
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2016 – IFS

acetileno e seu nicho preenchido com graute, radier através da contribuição vinda da experiência e do
concluindo a fase de execução. conhecimento passados pelos entrevistados.
RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS EXECUTIVAS CRITÉRIOS NA ESCOLHA DA FUNDAÇÃO DO
Dória (2007) afirma que, para se obter o melhor TIPO RADIER
desempenho neste tipo de fundação devem-se ter os Conforme o “ENG2” (2016, anexo B), os principais
seguintes cuidados: critérios de seleção para uma solução de fundação em
• Conferir o cálculo estrutural; radier em relação a outras fundações é a análise do solo e
• Preparar o tanto no nivelamento e quanto na da planta de carga. Um bom exemplo de escolha do tipo de
compactação; fundação em radier é quando se tem um solo que possui
• Controlar o valor do CBR empregado pelo alto coeficiente de recalque, ou seja, necessita-se de uma
projetista; fundação que possua uma baixa deformabilidade ou que
• Colocar fôrma nas quatro laterais, fechando a tenha uma deformabilidade que seja compatível com as
área que será concretada, com altura entre 10 cm e 15 tensões oriundas do carregamento que serão estabelecidas
cm; na fundação.
• Se as instalações ficarem sob a placa de radier, A alta densidade de construções na zona urbana é outra
devem-se posicioná-las já com saídas através da laje. situação que implica na escolha da fundação do tipo radier,
Mesma observação é pertinente para as saídas das pois se torna cada vez mais complicada a implantação de
armaduras de escadas e pilares, para evitar cortes fundações que possam interferir nas edificações vizinhas.
indesejáveis numa laje já concretada; Deste modo, tendo em vista o processo construtivo do
• Deve-se colocar uma manta plástica para radier, observa-se a ausência de vibrações procedentes da
isolar o terreno do concreto após a colocação das execução desse tipo de fundação.
instalações. ASPECTOS DO SOLO RELACIONADOS À
Já para Cauduro (2000), no caso do radier em FUNDAÇÃO DO TIPO RADIER
concreto protendido as recomendações são: Baseado na afirmação de “ENG1” (2016, anexo B),
• Utilizar concretos de resistência característica radier é uma fundação que distribui muito bem as cargas de
de concreto à compressão (fck) de no mínimo de 30 projeto no solo. Sendo assim, é recomendável para diversos
MPa; tipos de solo, salvo os devidos cuidados com solos
• Espaçar as cordoalhas entre 80 e 120 cm umas colapsáveis e expansivos. No caso de solos mais
das outras e deve-se a altura ser no eixo da forma; deformáveis, outros tipos de fundações não respondem da
• O comprimento dos cabos não deve mesma forma, logo, nestes casos o radier apresenta-se
ultrapassar 40 m. Acima desse valor, devem-se adotar compatível, pois ele aplica baixas tensões ao solo e,
ancoragens intermediárias, criando-se juntas de consequentemente, gera menores recalques.
concretagem; Uma possível solução para utilização da fundação do
• Proceder a protensão das cordoalhas com uma tipo radier é o melhoramento do solo a ser aplicada a
força de 150 kN em cada cabo; fundação, isto altera o coeficiente Kv, que vai afetar o
• Quando utilizadas monocordoalhas recalque do solo. Com um menor recalque, consegue-se um
engraxadas, utilizar-se como ancoragem passiva uma menor coeficiente de reação, e, por conseguinte, menores
ancoragem igual à ativa pré-encunhada; áreas de aço e de concreto serão necessárias. Em
• O pré-encunhamento das ancoragens passivas conformidade, o “ENG2” (2016, anexo B) diz que a
deve ser feito com o macaco hidráulico para a força escolha da fundação do tipo radier é mais vantajosa quando
total de protensão prevista no projeto, pois, caso se tem um solo com alto coeficiente de recalque.
contrário, ocorrerá o risco de escorregamento durante a Ribeiro (2010) complementa ao dizer que a fundação
protensão na extremidade ativa; do tipo radier é empregada quando o solo tem baixa
• Dependendo da topografia, pode ser capacidade de carga e se deseja uniformizar os recalques
necessária a construção de uma contenção ao longo do do solo.
perímetro da edificação, inclusive como elemento de DIFERENÇA NO COMPORTAMENTO
proteção à erosão; ESTRUTURAL DO RADIER
• As pontas excedentes dos cabos devem ser “ENG2” (2016, anexo B) expõe que, para um radier em
cortadas com oxi-acetileno; concreto protendido a tendência é que haja menores
• Fechar o nicho com graute; deformabilidades, uma vez que a região que o concreto
• Aconselha-se o uso de capitéis ou nervuras gera contração há a tração devido à carga. Já o radier em
invertidas quando cargas concentradas ou lineares de concreto armado, trabalhará normalmente como uma laje
grande valor. suportando as tensões aplicadas, resistindo à compressão e
à tração ajudada pelo aço.
RESULTADOS E DISCUSSÃO
Os dados coletados foram estudados e CONCLUSÕES
detalhadamente descritos. Como a análise de discurso Esse trabalho demonstra a utilização da fundação do
foi escolhida para base da pesquisa semi-estruturada tipo radier nas obras de construção civil, com o intuito de
qualitativa, as entrevistas foram estudadas e mostrar os critérios na escolha desta fundação.
relacionadas com a revisão da literatura. Os resultados obtidos permitem concluir que um dos
Após esse estudo, os resultados do artigo são critérios mais relevantes para a escolha da fundação é a
apresentados neste capítulo, com o intuito de viabilidade econômica.
enriquecer a literatura acerca da fundação do tipo

5
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2016 – IFS

Destaca-se também que o crescimento das CRESPO, V. A. S. Estudo da Sensibilidade de Edificações em


construções na zona urbana torna cada vez mais Relação ao Solo. 2004.
complicado a implantação de fundações profundas, DÓRIA, L. E. S. Projeto de Estrutura de Fundação em
visto que esse tipo de fundação provoca vibrações que Concreto do tipo Radier. 2007. 93 f. Dissertação (Mestrado) -
podem provocar patologias nas edificações vizinhas. Curso de Engenharia Civil, Centro de Tecnologia, Universidade
Dessa forma, prefere-se o radier já que o sistema Federal de Alagoas, Maceió/AL, 2007.
construtivo deste não gera grandes vibrações. DUARTE, J. Entrevista em profundidade. In: BARROS,
Quanto aos aspectos relacionados ao solo, ressalta- Antonio; DUARTE, Jorge. Métodos e técnicas de pesquisa em
se a eficiência das fundações do tipo radier, pois comunicação. São Paulo: Atlas, 2005.
distribuem de forma eficaz as cargas da superestrutura FUSCO, P. B.. Estruturas de Concreto - Fundamentos do
aos solos que possuem baixas capacidades de carga. Projeto Estrutural. Sao Paulo: Editora USP e Editora
Pode-se afirmar ainda que outro fator relevante para MCGRAW-HILL DO BRASIL, 1978. 298 p. 2.
a utilização do radier é o fácil e o rápido procedimento GERAB, N. Radiers. Equipe de Obra, Ed. Pini. São Paulo. nº 42,
executivo, já que não são necessárias grandes p.16-18, dezembro/2011. Entrevista concedida a revista.
escavações e nem montagem de formas complexas. GUIMARÃES, G. S Fundações em Presença de Solos Moles –
Análise de Caso. São Paulo, Universidade Anhembi Morumbi,
REFERÊNCIAS 2003.
HANAI, J. B..Lajes de Edifícios em Concreto Protendido com
ALBINO, F. S. O que é laje sobre o solo (radier)?. 2011. Cabos Pós-Tracionados – Manual de Projeto, 2000. Tradução
Disponível em do Relatório Técnico nº 43, Concrete Society. São Carlos.
<http://www.radierprotendido.com.br/radier_protendido.htm Mohr, M. M. Lançamento de radier, 2013. Disponível em:
>. Acessado em 20 de julho de 2016. <http://faq.altoqi.com.br/content/192/1068/pt-
AMERICAN CONCRETE INSTITUTE. ACI 360R-92: br/lan%C3%A7amento-de-radier.html>. Acessado em 23 abril de
Design of slabs on grade, 2006. 57 p. 2016.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, RIBEIRO, M. A. A. Análise Comparativa de Métodos
2006. NBR 12655: Concreto de cimento Portland - Preparo Utilizados no Cálculo da Interação Solo-Radier. 2010. 101 f.,
controle e recebimento - Procedimento. Rio de Janeiro, 2006. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.
_________________, 2010. NBR 6122: Projeto e Execução SINGER, M. F. Análise de Solução Para Radier: Estudo Sobre
de Fundações. Rio de Janeiro, 2010. o Uso de Concreto Reforçado Com Fibras de Aço.
BARROS, M.. Sapatas de Concreto. Revista Téchne. Ed. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014.
Pini. São Paulo. Nº 137, p.54-57, agosto/2008. VELLOSO, D. A.; LOPES, F. R. Fundações. Rio de Janeiro:
BIZERRIS, R. Radier, 2013. Disponível em: Oficina de Textos, 2004. 226 p.
<http://blog.construir.arq.br/radier/>. Acessado em: 23 julho XAVIER, A. Você conhece as lajes radiers? Confira agora
de 2016. tudo sobre este tipo de fundação e como elas são usadas no
CAPUTO, H. P. Mecânica dos Solos e suas Aplicações. 6. Brasil, 2015. Disponível em: <http://www.brz-
Ed. Rio de Janeiro: LTC, 1988. 233 p. experts.com.br/news/voce-conhece-as-lajes-radiers-confira-agora-
tudo-sobre-este-tipo-de-fundacao-e-como-elas-sao-usadas-no-
CAUDURO, E. L. Execução de Radiers Protendidos: brasil>. Acessado em: 23 julho de 2016.
Simplicidade e Economia. In: CONGRESSO BRASILEIRO
DO CONCRETO, 42., 2000, Fortaleza. TRABALHO II-B-
026. Fortaleza, 2000. p. 1 - 14.

6
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2016 – IFS

APÊNDICES

Apêndice A – Questionário aplicado ao “ENG1”

1. Quais são os critérios na escolha do radier (armado/protendido) de acordo com o ponto de vista de
projetista geotécnico? Como esta escolha é afetada pelas cargas de projeto? Como esta escolha é afetada
pelo terreno a ser trabalhado? Quais são as vantagens e as desvantagens da fundação do tipo radier em
relação às demais fundações?

2. Qual seria o tipo de solo mais viável para esse tipo de fundação?

3. Entre fundação rasa em radier armado e protendido, quando cada uma das duas é considerada mais viável?
Qual destas possui uma execução mais fácil? Por quê? Qual seria o tempo estimado pra projetar/executar
cada uma delas?

4. Existe alguma relação da espessura das placas de fundação do radier com a quantidade de pavimentos da
superestrutura?

5. Qual seria a aceitabilidade desse tipo de fundação no mercado?

6. Quais são os métodos utilizados para ponderar a viabilidade da execução da fundação em radier? Existe
algum indicador de viabilidade?

7. Existe algum parâmetro que relacione número de pavimentos e área construída com a viabilidade da
fundação do tipo radier?

8. Como é feita a verificação de área de aço neste tipo de fundação?

9. Qual seriam as possíveis soluções para reduzir o fator peso/volume de concreto na fundação do tipo radier?

10. Quais seriam os critérios de dimensionamento deste tipo de fundação?

Apêndice B - Questionário aplicado ao “ENG2”

Quanto a radier em Concreto Armado e Concreto Protendido, questiona-se:

1. Entre radier em concreto armado e em concreto protendido, qual seria o critério de seleção entre os dois?

2. Qual a diferença no comportamento estrutural dos dois, se aplicados a uma mesma edificação?

3. No cálculo, o que difere entre eles?

4. Qual seria o comportamento do momento fletor e cortante nos casos? Como ficam os diagramas? Quem
responderia pra cada fator?

7
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2016 – IFS

ANEXOS

Anexo A – Respostas do questionário aplicado ao “ENG1”

1. O uso de alvenaria estrutural para estruturas de pequeno e médio porte (entre quatro a oito pavimentos) leva à
escolha da fundação do tipo radier. As vantagens da utilização da alvenaria estrutural na fundação do tipo radier ao
invés pilares e alvenaria de vedação é que neste último caso, a melhor distribuição de cargas é sacrificada devido
ao peso da estrutura se concentrar nas cargas pontuais dos pilares, levando também a possível necessidade de uso
de capitéis para vencer o esforço de punção. Em relação à escolha entre radier de concreto armado ou protendido,
esta se dá em sumo pela opção do cliente e pelo resultado de custo após o dimensionamento e projeto das duas.
É uma fundação que distribui muito bem as cargas de projeto no solo, sendo assim, é recomendável pra diversos
tipos de solo, salvos os devidos cuidados com solos colapsáveis e expansivos. Solos mais deformáveis que outras
fundações não aceitariam, são aceitas pelo radier, pois ele aplica baixas tensões e consequentemente gera um
menor recalque.

2. Em termos práticos, não haveria preferência em relação à escolha da fundação aplicada ao determinado solo. Seria
levado em conta o fator econômico na hora da escolha.

3. Não há entre os dois tipos de fundação em radier, uma diferenciação clara entre facilidades e tempo de execução,
apenas a preferência do solicitante do projeto. Pode-se levar em conta que o detalhamento de um projeto de radier
protendido é mais delongado do que o de radier armado, devido à necessidade de detalhar cada cordoalha
separadamente.
Quanto ao tempo de execução, é citado que para uma placa de uma edificação de cerca de quatro pavimentos,
demora cerca de três a quatro dias para montagem e cerca de uma manhã para ser concretada. No caso do radier
protendido, é necessário levar em conta também o tempo de execução da protensão e o corte dos cabos excedentes.

4. Por empirismo, existe uma média de espessura das placas de fundação de radier de acordo com a quantidade de
pavimentos da edificação a ser construída sobre o mesmo, a qual seria:
15 a 20 cm para estruturas de quatro pavimentos;
18 a 20 cm para estruturas de cinco pavimentos;
20 a 25 cm para estruturas de seis pavimentos;
30 a 35 cm para estruturas de sete pavimentos;
Acima de 30 cm para estruturas de oito pavimentos.

1. É uma fundação de grande aceitabilidade no mercado por sua facilidade no processo construtivo. Este tipo de
fundação veio substituir o uso da alvenaria de pedra e a de sapata corrida em suas principais utilizações.

2. Não há indicador de viabilidade nesse caso, apenas o benefício econômico. Há quem prefira não subcontratar o
serviço de execução, nesse caso não seria viável o uso de radier protendido em nossa região, já que a mão de obra
especializada em protensão é escassa e o serviço necessita ser locado. Ainda existe um pequeno receio do uso de
concreto protendido, mas que a cada dia diminui diante a quantidade de obras aonde o mesmo vem sendo
executado.

3. Sim. Depois de quantificadas as cargas totais da edificação e a área da placa de fundação são calculadas as tensões
exercidas sobre o solo.
Ao dividir essa tensão encontrada pelo número de pavimentos da edificação, é encontrada uma taxa dessa tensão
exercida que pode ser mensurada com qualquer tipo de empreendimento. De acordo com ENG1, a taxa ótima
esperada se encontra em torno de 1,0 a 1,2 tf/m²/pavimento. Uma taxa abaixo de 1,0tf/m²/pav significaria que as
cargas do empreendimento provavelmente não foram bem mensuradas e significaria uma fundação
subdimensionada. Já uma taxa acima de 1,2tf/m²/pav. significa uma fundação superdimensionada.

4. A partir do Método dos Elementos Finitos, realiza-se uma analogia de colchão de molas, aonde considera-se o
elemento estrutural de fundação apoiado em meio elástico.

5. Como não é considerável pensar em reduzir as cargas da edificação, a solução é o melhoramento do solo a ser
aplicada a fundação. Isto altera o coeficiente Kv, que vai afetar o recalque do solo. Com um menor recalque, é
conseguido um menor coeficiente de reação e assim menores áreas de aço e concreto serão necessárias.

10. De início, são recebidas pela empresa as informações da sondagem. Após isso são encontrados os carregamentos e
sobrecargas de utilização da superestrutura.
Com esses dados em mão, se calcula a capacidade de carga para assim buscar a tensão admissível do solo. Então
são estimados os recalques a partir do Método semiempírico de Schmertmann, calculando assim os recalques
imediatos.

8
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2016 – IFS

Caso o recalque seja admissível, se dá continuidade para a parte de dimensionamento estrutural da placa de
fundação.

Anexo B - Resposta questionário aplicado ao “ENG2”

1. Os principais critérios de seleção para uma solução de fundação em radier em relação a outras fundações são a
análise do solo e da planta de carga. Um bom exemplo de escolha é quando tem-se um solo que possui alto
coeficiente de recalque, entendendo-se então baixa deformabilidade ou com deformabilidades que são compatíveis
com as tensões que serão estabelecidas nele vindas do carregamento.
Com o crescimento de construções na zona urbana, se torna também cada vez mais complicado a implantação de
fundações que possam interferir em edificações vizinhas, como a execução de uma estaca pré-moldada, por
exemplo. Este é outro ponto favorável para a fundação do tipo radier, tendo em vista que a execução da mesma
não envolve percussão, evitando grandes magnitudes de vibrações nas edificações vizinhas.
Já entre radier em concreto armado e protendido, um dos critérios de seleção seria o custo de investimento em
cada fundação, levando em conta a análise das cargas a serem recebidas no solo. A fundação em concreto armado,
por exemplo, se torna mais pesada do que a em protendido por necessitar maior espessura e maior área de aço,
para vencer uma mesma carga, num mesmo tipo de solo por exemplo. Em compensação, a fundação em radier
protendido, mesmo com os benefícios da protensão, tem aspecto material e mão de obra geralmente mais caros.
Entende-se então que a escolha entre cada uma das duas pode ser compensada a depender do tipo de solo e planta
de carga a serem aplicados.

2. Para um radier em concreto protendido a tendência é que se tenham menores deformabilidades uma vez que a
região que o concreto gerará contração aonde houver tração devido à carga.
A cordoalha vai ser mais eficiente quando colocada na excentricidade, pois provocará compressão aonde existir
tração, tanto a compressão axial [P/a], Quanto compressão pela tensão [My/I].
Já o radier em concreto armado, trabalhará normalmente como uma laje suportando as tensões aplicadas,
resistindo à compressão e à tração ajudada pelo aço.

3. O que difere nos cálculos é o que cada um dos elementos resistentes vai provocar nos elementos estruturais. A
magnitude que se quer para o tipo de protensão e de acordo com a agressividade do meio.

4. O diagrama de momento fletor não alteraria de forma no caso de um radier sem aço ou de concreto armado, afinal
o comportamento seria o mesmo, salvo os benefícios das armaduras.
Já em relação ao concreto protendido, os esforços de compressão gerados pela protensão alteram os diagramas de
momento fletor, podendo diminuir, zerar ou até ser inverter as direções do diagrama, a depender da magnitude da
protensão.
Em termos de cortante, na pós-protensão, a contraflecha gerada pode causar até a inversão dos esforços cortantes,
invertendo no sentido do cisalhamento.

View publication stats

Você também pode gostar