Você está na página 1de 4

Nome: Pedro Romão Morais de Matos, nº30, 12ºC

Teste História
GRUPO I
1.A organização responsável pela manutenção da paz no segundo pós-guerra é a ONU.
2.Entre 4 e 11 de Fevereiro de 1945, os líderes das potências mundiais reúnem-se em Ialta com o objetivo
de definirem as regras que devem suportar a nova ordem internacional do pós-guerra. Alguns meses mais
tarde, em Potsdam, os líderes das potenciais mundiais reúnem-se de novo naquela que ficou conhecida
como a Conferência de Potsdam, para aprovarem os aspetos já estabelecidos em Ialta (DOC. 1). Alguns
dos acordos definidos na Conferência de Potsdam foram: (“Durante o período da ocupação, a Alemanha
será tratada como uma entidade económica única”), (“Será criado um conselho composto pelos ministros
dos Negócios Estrangeiros do Reino-Unido, da URSS, da China, da França e dos Estados Unidos”)
(DOC.1). No (DOC.2) é visível uma Europa dividida por uma cortina de ferro, estabeleceu-se a divisão
provisória da Alemanha em quatro áreas de ocupação, geridas pelas potências conferencistas e também pela
França.
3. 1)D 2)B 3)B 4)A

4.A questão alemã (Bloqueio de Berlim 1948) demonstrou um cenário de tensão entre os dois
blocos, visto que foi o primeiro medir forças entre as duas superpotências. Isto acontece logo após
a criação da RFA (zona britânica, zona francesa e zona americana, todas reunidas) que foi vista
como uma violação dos acordos de guerra e é quando acontece o bloqueio da cidade de Berlim
que, depois é solucionado com a ponte aérea entre Berlim Ocidental e a RFA.
Para além deste primeiro medir forças, é observável a segunda crise de Berlim (DOC.4), onde é
preciso construir um muro para evitar migrações de Berlim Oriental para Berlim Ocidental que era
muito desejada pela qualidade de vida superior capitalista à realidade socialista vivida no lado
Oriental.

Grupo II
1.
1.1) C
1.2) C
1.3) A
1.4) D
1.5) D
1.6) B
2. O (DOC.1) fala sobre uma propaganda ao Plano Marshall positiva, onde vemos os “Os povos
Plano Marshall” juntos num ninho de pombas simbolizando a paz e ajuda conjunta entre os países
europeus assentes no capitalismo. No (DOC.2), vemos um trabalhador a recusar o “Tratado do a
reconstruir uma nova Europa” que oculta uma espingarda, ou seja, associa o plano Marshall a um
desencadear de uma guerra e, para além disso, é visível a elevação da URSS que vai criar o Plano
Molotov para fazer frente ao Marshall.
3. D – C - B – A – E
4. O processo de sovietização dos países de Leste era já inconversível, os partidos comunistas
ganhavam forças e, gradualmente, tomavam o poder. Para coordenar a sua atuação, criou-se o
Kominform, que se tornou um importante organismo de controlo por parte da URSS. Os Estados
Unidos assumem a liderança da oposição aos avanços do socialismo, o presidente Truman expõe
a sua visão de um mundo dividido em duas partes (mundo bipolar): um, baseado na liberdade e
outro na opressão. A América competiria liderar o mundo livre e auxiliá-lo na contenção do
comunismo, a doutrina Truman.
A doutrina Truman clarificava a necessidade de ajudar a Europa a reerguer-se economicamente.
O secretário de estado americano George Marshall anuncia um plano de ajuda económica à
Europa, conhecido como Plano de Marshall, este auxílio foi recebido com entusiasmo pela
generalidade dos países europeus, que viram as suas ligações reforçadas com os EUA. O plano de
Marshall englobou toda a Europa mesmo os países que já se encontravam sob liderança da URSS.
A rotura entre as duas potências levou a que o dirigente soviético Andrei Jdanov afirma-se que o
mundo se divide de facto em dois sistemas contrários: um, imperialista e outro antidemocrático,
liderado pelos Estados Unidos; o outro em que reina a democracia, liderado pela URSS. Moscovo
lança também o Plano Molotov, que define as estruturas de cooperação económica da Europa
Oriental. No âmbito deste plano criou-se o COMECON, destinado a promover o desenvolvimento
integrado dos países comunistas, sob abrigo da URSS.
A doutrina Truman, os EUA empenharam-se por todos os meios na contenção do comunismo. O
Plano de Marshall foi o primeiro grande passo, uma vez que não só permitiu a reconstrução da
economia europeia, como estreitou os laços entre a Europa Ocidental e os EUA. Em termos
político militares, a aliança entre os ocidentais não tardou também a se tornar oficial. A tensão
provocada pelo Bloqueio de Berlim acelerou as negociações que conduziram ao Tratado do
Atlântico Norte, este tratado deu origem a Organização do Tratado do Atlântico Norte.
A expansão do mundo comunista fez-se, em grande parte, sob abrigo da URSS, começando pela
Europa Oriental. Os novos países socialistas receberam a designação de democracias populares,
estas defendem que a gestão do Estado pertence, em exclusivo, as classes trabalhadoras. Estas
exercem o poder através do partido comunista. Os laços entre as democracias populares foram
reforçados com a constituição do Pacto de Varsóvia, aliança militar que previa a resposta conjunta
a qualquer agressão. Este Pacto de Varsóvia tornou-se oposto a OTAN. Uma das preocupações
dos dirigentes comunistas da Europa era a situação de Berlim em que milhares de cidadãos da
Alemanha utilizavam Berlim Oriental como forma de alcançar a república federal alemã, este
problema foi solucionado com a construção pela RDA, do Muro de Berlim.
Fora da Europa, o único país que se ficou a dever a intervenção da URSS foi a Coreia, libertada
pelos soviéticos e os americanos que não se entenderam em relação ao futuro da Coreia ficando
assim dividida em dois Estados: a norte, a república popular da coreia, comunista, apoiada pela
URSS e do outro lado, a sul, a república democrática da coreia, conservadora, sustentada pelos
Estados Unidos. O ponto fulcral da expansão comunista centrou-se na América Latina foi cuba,
cuba também desempenhou um papel ativo na proliferação do comunismo.
O crescimento económico estruturou-se em bases solidas: os governos não só assumiram grandes
responsabilidades económicas como delinearam planos de desenvolvimento, que permitiram
estabelecer prioridades, rentabilizar a ajuda de Marshall e definir diretrizes futuras. O capitalismo
atingiu o seu auge na década 30, as economias cresceram de forma continua havendo uma
prosperidade material sem precedentes ficaram conhecidos como os “Trinta gloriosos”.
Entre isto podemos destacar: aceleração do progresso tecnológico; o recurso ao petróleo como
energética por excelência; o aumento da concentração industrial e do número de multinacionais; o
aumento da população ativa; a modernização da agricultura e o crescimento do setor terciário.
O efeito dos (“trinta gloriosos”) levou aos salários altos, o pleno emprego e a produção maciça de
bens e preços acessíveis conduziram a sociedade de consumo. A reconstrução dos países no após
guerra deu-se rapidamente, as taxas de crescimento económico ultrapassaram os países
capitalistas. Depois do fim da guerra a URSS retomou o modelo de planificação económica, a
indústria pesada e as infraestruturas recebem prioridade absoluta. Esta industrialização foi um dos
maiores êxitos das economias planificadas. No entanto, o nível de vida das populações não
acompanha esta evolução económica: as jornadas de trabalho mantem-se excessivas, os salários
vão subindo lentamente.
Passado o primeiro impulso industrializador, as economias planificadas começam a mostrar, de
forma mais evidente, as suas debilidades. A planificação excessiva entorpece as empresas, na
seleção das produções, do equipamento e dos trabalhadores, na fixação de salários e preços ou na
escolha de fornecedores e clientes. Face a estes sintomas de marasmo económico, implementou-
se um vasto conjunto de reformas em praticamente todos os países da Europa socialista.

Grupo III
1. O Expansionismo soviético, a expansão do mundo comunista fez-se em grande parte pela égide
da URSS, após a guerra mundial o reforço da posição militar soviética e o desencadear do processo
de descolonização. A Europa na primeira vaga da extensão do comunismo atinge a Europa Oriental
com a exceção da Jugoslávia, fez-se sob a pressão direta da URSS; os novos países socialistas
receberam a designação de democracias-populares (designe atribuição aos regimes em que o
Partido Comunista afirma representar os interesses dos trabalhadores. Em suma de Leste
reconstrói-se de acordo com a ideologia marxista e a interpretação que dela faz o regime soviético
no (DOC.2) "estabelecer que os planos das empresas. sejam completamente elaborados pelas
empresas".
2. B-5
C-2
D-6
E-1

Você também pode gostar