Você está na página 1de 34

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE – UFS

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA – CCET

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL – DEC

NORMAS DA ABNT PARA DESENVOLVIMENTO DE


TRABALHOS ACADÊMICOS

Ricardo de Aragão

SÃO CRISTÓVÃO
2010
2
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

ÌNDICE
APRESENTAÇÃO _______________________________________________________________________ 4
1 APRESENTAÇÃO GRÁFICA ____________________________________________________________ 5
1.1 FORMATO _________________________________________________________________________ 5
1.2 MARGENS _________________________________________________________________________ 5
1.3 PARÁGRAFO _______________________________________________________________________ 5
1.4 ESPAÇAMENTO ____________________________________________________________________ 5
1.5 NUMERAÇÃO DAS PÁGINAS_________________________________________________________ 5
1.6 TÍTULOS DE CAPÍTULOS E SUBSEÇÕES DO TEXTO _____________________________________ 6
1.7 INDICATIVO NUMÉRICO DA SEÇÃO __________________________________________________ 6
1.7.2 Elementos sem título e sem indicativo _________________________________________________ 7
2 ESTRUTURA DE TRABALHO ACADÊMICO______________________________________________ 7
2.1 ESTRUTURA DOS ELEMENTOS_______________________________________________________ 7
2.2 DISPOSIÇÃO DOS ELEMENTOS_______________________________________________________ 8
2.2.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS ______________________________________________________ 9
2.2.1.1 Capa ________________________________________________________________________________10
2.2.1.2 Lombada _____________________________________________________________________________11
2.2.1.3 Folha de Rosto ________________________________________________________________________12
2.2.1.4 Errata________________________________________________________________________________13
2.2.1.5 Folha de Aprovação ____________________________________________________________________13
2.2.1.6 Dedicatória ___________________________________________________________________________14
2.2.1.7 Agradecimentos _______________________________________________________________________14
2.2.1.8 Epígrafe______________________________________________________________________________14
2.2.1.9 Resumo em Língua Vernácula ____________________________________________________________14
2.2.1.10 Listas de Ilustrações, Tabelas, Abreviaturas, Siglas e Símbolos __________________________________15
2.2.1.11 Sumário_____________________________________________________________________________18
3 ELEMENTOS TEXTUAIS ______________________________________________________________ 20
3.1 INTRODUÇÃO_____________________________________________________________________ 20
3.2 DESENVOLVIMENTO ______________________________________________________________ 20
3.3 REVISÃO DE LITERATURA _________________________________________________________ 20
3.4 METODOLOGIA ___________________________________________________________________ 20
3.5 RESULTADOS E DISCUSSÃO ________________________________________________________ 21
3.6 CONCLUSÃO______________________________________________________________________ 21
4 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS _________________________________________________________ 21
4.1 REFERÊNCIAS ____________________________________________________________________ 21
4.1.1 Monografia (Livro, manual, relatório, enciclopédia, etc.)_________________________________ 22
4.1.2 Publicações periódicas____________________________________________________________ 23
4.1.3 Eventos ________________________________________________________________________ 23
4.1.4 Patente ________________________________________________________________________ 24
4.1.5 Documento jurídico ______________________________________________________________ 24
4.1.6 Multimeios (Cd ROM, DVD, Disquete, etc.) ___________________________________________ 25
4.1.7 Documentos exclusivamente eletrônicos ______________________________________________ 25
4.1.8 Trabalhos acadêmicos ____________________________________________________________ 26
4.2 GLOSSÁRIO_______________________________________________________________________ 26
4.3 APÊNDICE(S) ______________________________________________________________________ 26
4.4 ANEXOS __________________________________________________________________________ 27
4.5 ÍNDICE ___________________________________________________________________________ 27
5 CITAÇÕES ___________________________________________________________________________ 27
5.1 CITAÇÃO DIRETA _________________________________________________________________ 27
5.2 CITAÇÃO INDIRETA _______________________________________________________________ 28
5.3 CITAÇÃO DE CITAÇÃO _____________________________________________________________ 28
5.4 DOCUMENTOS ELETRÔNICOS/DIGITAIS _____________________________________________ 28
6 SISTEMA DE CHAMADA ______________________________________________________________ 29
3
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

7 NOTAS DE RODAPÉ __________________________________________________________________ 30


8 FÓRMULAS, EQUAÇÕES, NÚMEROS, HORÁRIOS E DATAS ______________________________ 31
8.1 NUMERAIS _______________________________________________________________________ 31
8.2 HORÁRIOS________________________________________________________________________ 32
8.3 DATAS ___________________________________________________________________________ 33
9 DIMENSÃO E ENTREGA DO ORIGINAL ________________________________________________ 33
8 REFERÊNCIAS _______________________________________________________________________ 33
4
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

APRESENTAÇÃO

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

O presente documento descreve e exemplifica, clara e resumidamente, as diversas normas da Associação


Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) referentes à formatação do trabalho de conclusão de curso. Visa
propiciar a utilização prática e rápida das normas para uma produção científica de qualidade. Dessa forma, todo
o conteúdo deste documento é baseado em normas da ABNT.
Portanto, todos os trabalhos acadêmicos produzidos no Curso de Engenharia Civil da UFS deverão seguir
as normas aqui expostas.
5
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

1 APRESENTAÇÃO GRÁFICA

1.1 FORMATO
O texto deve ser apresentado em papel branco, formato A4 (2,10 cm x 29,7 cm), digitado na cor preta,
com exceção das ilustrações, e impresso apenas no anverso da folha, exceto folha de rosto, que possui ficha
catalográfica em seu verso.
Recomenda-se a utilização de fonte Times New Roman tamanho 12, e de tamanho menor (padronizar)
para citações com mais de três (3) linhas, notas de rodapé, paginação e legendas das ilustrações e tabelas. Em
caso de grandes tabelas poderá ser empregada a fonte Times New Roman tamanho 10.

1.2 MARGENS
As folhas devem apresentar margem esquerda e superior de 3 cm, direita e inferior de 2 cm.

1.3 PARÁGRAFO
O parágrafo (recuo da primeira linha) deve estar a 01 cm da margem.

1.4 ESPAÇAMENTO
O espaçamento entre linhas do texto deverá ser 1,5 cm. No entanto, as citações com mais de três linhas, as
notas, as referências, as legendas das ilustrações e tabelas, a ficha catalográfica, a natureza do trabalho, o
objetivo, o nome da instituição a que é submetida e a área de concentração devem ser digitados em espaço
simples.
O espaçamento entre os parágrafos, entre os capítulos de seções e subseções, e entre as referências, ao
final do documento, deve ser 1,5 cm. Entretanto, também poderá ser efetuado o espaçamento entre parágrafos
utilizando-se na opção FORMATAR – PARÁGRAFO, do Microsoft Word, e nesta, a opção Espaçamento
Antes=6 e Depois = 6, que levará ao mesmo resultado do espaçamento duplo sem, no entanto, tornar o texto
muito longo.

1.5 NUMERAÇÃO DAS PÁGINAS


Começa-se a contar as páginas a partir da folha de rosto numerando-as em algarismo romano no canto
superior direito da folha, a 2 cm da borda superior. A partir da introdução, a numeração deverá ser colocada em
algarismos arábicos, recebendo esta pagina da introdução o número igual a 1 (primeira parte textual).
O apêndice e o anexo devem ter as suas folhas numeradas continuamente e a sua paginação deve dar
seguimento à do texto principal.
6
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

Exemplo de margem, parágrafo, espaçamento e citação longa em um trabalho acadêmico.

Recuo primeira linha (parágrafo) = 1 cm

1
3 cm

Início do texto,
espaço 1,5 entre linhas,

3 cm justificado, fonte Times New


2 cm
Roman, tamanho 12.
Citação direta, com
Citação longa com mais de três linhas:
mais de três linhas:
RECUO DE 2 CM, Recuo do texto 2 cm,
espaço simples
espaço simples entre entre linhas, fonte
linhas, fonte Times 10 Times.
New Roman. New Roman (ABNT,
tamanho 10. 2002).

2 cm

1.6 TÍTULOS DE CAPÍTULOS E SUBSEÇÕES DO TEXTO


Utiliza-se a mesma fonte do corpo do texto (Times New Roman, tamanho 14), alinhados à esquerda em
negrito, itálico ou grifo e redondo, caixa alta ou versal.

1.7 INDICATIVO NUMÉRICO DA SEÇÃO


Adotar a numeração progressiva para as seções do documento, a qual deve preceder o título, alinhada à
esquerda, separada por um espaço de caractere.
Ocorre nos agradecimentos, errata, lista de ilustrações, lista de abreviaturas e siglas, lista de símbolos,
resumos, sumário, referências, glossário, apêndice(s), anexo(s) e índice(s). Todos devem aparecer centralizados
na página.

1.7.1 TÍTULO DE PRIMEIRA ORDEM


O título de primeira ordem será em Times New Roman, corpo 14, negrito, alinhado à esquerda, letras
maiúsculas, como no presente texto. Uma linha em branco (12 pts) deve ser deixada antes de iniciar o primeiro
parágrafo da seção.

Ex: 1 PROBLEMAS RELACIONADOS À DRENAGEM URBANA


1.7.2 Título de segunda ordem
Os títulos de segunda ordem serão em Times New Roman, corpo 12, negrito, alinhados à esquerda, letras
minúsculas, exceto pela primeira letra ou palavras que requeiram inicial maiúscula. Meia linha em branco (6 pts)
deve ser deixada antes de iniciar o primeiro parágrafo da seção.

Ex: 1.1 Problemas relacionados a drenagem urbana – o caso do bairro X


7
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

1.7.3 Título de terceira ordem


O título de terceira ordem será em Times New Roman, corpo 12, itálico, alinhado à esquerda, letras
minúsculas, exceto pela primeira letra ou palavras que requeiram iniciais maiúsculas, como no presente texto.
Meia linha em branco (6 pts) deve ser deixada antes de iniciar o primeiro parágrafo da seção.

Ex: 1.1.1 Problemas relacionados a drenagem urbana – o caso do bairro X

1.7.2 Elementos sem título e sem indicativo

Fazem parte desses elementos a folha de aprovação, a dedicatória e a epígrafe. Os respectivos títulos de
cada elemento não aparecem na página.

2 ESTRUTURA DE TRABALHO ACADÊMICO


Ao elaborar qualquer trabalho acadêmico, é necessário, primeiramente, visualizar a sua estrutura geral,
composta de três partes principais, e, em seguida, os seus respectivos elementos, obrigatórios ou opcionais. É
importante conhecer e planejar todos os elementos e, antes de redigir o trabalho, pensar em cada um deles e na
sua localização no documento.
As três partes gerais são:
 Pré-textual;
 Textual e;
 Pós-textual.

2.1 ESTRUTURA DOS ELEMENTOS


Segundo a ABNT 14724 (2002) os elementos que compõem a estrutura dos trabalhos acadêmicos
compreendem:

ELEMENTOS OBRIGATÓRIO OPCIONAL


Lombada
Capa Ficha catalográfica
Folha de rosto Errata
Folha de aprovação Dedicatória
PRÉ-TEXTUAIS Resumo em língua vernácula Agradecimentos
Resumo em língua estrangeira Epígrafe
Sumário Lista de ilustrações
Lista de tabelas
Lista de abreviaturas e siglas
Lista de símbolos
8
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

Introdução
TEXTUAIS Desenvolvimento
Conclusão
Glossário
PÓS-TEXTUAIS Referências Apêndice(s)
Anexo(s)
Índice(s)

2.2 DISPOSIÇÃO DOS ELEMENTOS


Os elementos, obrigatórios e opcionais, devem ser dispostos de acordo com a ordem seqüencial
demonstrada abaixo.
9
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

2.2.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

Elementos pré-textuais são aqueles que antecedem o texto com informações que ajudam na identificação
e utilização da obra. Cada um deve ocupar uma página exclusiva do trabalho. Envolvem os seguintes itens,
listados conforme a ordem na qual devem aparecer no documento:
 Capa (obrigatório);
 Lombada (obrigatório);
 Folha de Rosto (obrigatório)
 Ficha Catalográfica (opcional) – verso da folha de rosto;
 Errata (opcional);
 Folha de Aprovação da Banca Examinadora (obrigatório);
 Dedicatória (opcional);
 Agradecimentos (opcional);
 Epígrafe (opcional);
 Resumo na língua vernácula de até 500 palavras (obrigatório);
10
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

 Abstract ou Résumé - resumo em inglês e francês para doutorado e inglês para mestrado
(obrigatório);
 Lista de ilustrações (opcional) – obrigatória se houver ilustrações;
 Lista de tabelas (opcional) – obrigatória se houver tabelas;
 Lista de abreviaturas e siglas (opcional) – obrigatória se houver abreviaturas e siglas;
 Lista de símbolos (opcional) – obrigatória se houver símbolos;
 Sumário (obrigatório).

Observações:

1) Nenhum item acima deve ser numerado;

2) Os itens em negrito devem aparecer centralizados no texto.

2.2.1.1 Capa

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE


CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

NOME DO AUTOR

TÍTULO DA PESQUISA

São Cristóvão
2010

A capa é um elemento obrigatório e tem a função de proteger e identificar o documento. O curso de


Engenharia Civil adota como padrão a capa em encadernação dura na cor azul médio e em letras cursivas
(maiúsculas). Depois de submetido à banca e feitas às devidas considerações e correções de português o trabalho
deve ser encadernado em uma via (que pode ser em espiral) e também deverá ser gerado um arquivo em formato
PDF, que serão entregues á coordenação do TCC. Posteriormente, o volume impresso será entregue ao
11
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

orientador e o arquivo em PDF será colocado na página da Biblioteca Central (BICEN) da UFS e também na
página do DEC.

A capa deve conter:

 Nome da instituição;
 Nome do autor;
 Título;
 Variações do título, se houver;
 Local (cidade / estado);
 Ano de entrega.

2.2.1.2 Lombada
A lombada, item não obrigatório, é a “parte da capa de um documento que reúne as margens internas ou
dobra das folhas, estando estas mantidas juntas por costura, colagem, grampeamento ou por outra forma”
(PORTELA, p. 11).

As informações devem ser impressas da seguinte maneira:

- nome do autor, impresso de cima para baixo, longitudinalmente;


- título do trabalho, impresso abaixo do nome do autor, da mesma forma
PEIXOTO
CARVALHO
VINICIUS

Lombada
CARGAS TRANSVERSAIS E
EM SOLO ARENOSO SUJEITA A
DE UMA ESTACA EXECUTADA
ANÁLISE E COMPORTAMENTO
12
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

2.2.1.3 Folha de Rosto


A folha de rosto, obrigatória, é a principal fonte de informação sobre um documento, uma vez que
descreve os seus principais dados bibliográficos, essenciais à identificação do trabalho acadêmico. É constituída
de anverso e verso.

No anverso da folha de rosto, os elementos devem figurar na seguinte ordem:

 Nome do autor (centralizado);


 Título (centralizado);
 Subtítulo, se houver (centralizado);
 Natureza do trabalho (alinhado a direita);
 Nome do orientador e, se houver, de co-orientador (alinhado a direita);
 Local (cidade / estado) da Instituição (centralizado);
 Data de defesa (centralizado).

Anverso da folha de rosto

NOME DO AUTOR

TÍTULO DA PESQUISA

Trabalho de Conclusão de
Curso apresentado à
Universidade Federal de
Sergipe – UFS, para
encerramento do componente
curricular e conclusão da
graduação em Engenharia
Civil.

Orientador: Prof.

São Cristóvão - SE
2010

No verso da folha de rosto, encontra-se a ficha catalográfica, localizada na parte inferior da folha,
envolvida por um retângulo de 7,5 cm X 12,5 cm. O título, número de páginas, notas e entradas secundárias
devem ser iniciados abaixo da quarta letra do sobrenome do autor. As palavras-chave a serem inseridas na ficha
catalográfica e no resumo podem ser retiradas no vocabulário disponível na biblioteca central da UFS.
13
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

Modelo da ficha catalográfica

Souza, Maria Bernadete Gomes de.


Riso Collor (ido): Representações Cômicas da Era Collor no Jornal do Dia (1989-1992)
/ Maria Bernadete Gomes de Souza.
Aracaju, 2007.
40 p. : il.

Trabalho de Conclusão de Curso. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia,


Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão.

1. Política – Representações. I. Universidade Federal de Sergipe. CCET/DEC.


II. Título.

Acima da ficha catalográfica deverá estar a declaração de direitos autorais.

É concedida à Universidade Federal de Sergipe


permissão para reproduzir cópias desta monografia e
emprestar ou vender tais cópias somente para
propósitos acadêmicos e científicos. O autor reserva
outros direitos de publicação e nenhuma parte deste
trabalho acadêmico pode ser reproduzida sem a
autorização por escrito do autor.

Assinatura

Declaração de
direitos autorais.
Marinho, Maria Clara.
Alimentos geneticamente modificados. / Maria Clara Marinho.
Brasília, 2003.
80 p. : il.

Dissertação de mestrado. Centro de Desenvolvimento


Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília.

1. Alimentos – Modificados. I. Universidade de Brasília. CDS.


II. Título.

2.2.1.4 Errata
Após a confecção do trabalho, geralmente são constatados alguns erros gráficos, de digitação e de outros
tipos que interferem na compreensão do trabalho. A função da errata, elemento opcional, é listar os itens errados
no documento, indicando o seu local no texto e a sua correção.

ERRATA

Pagina Linha Parágrafo Onde se lê Leia-se

4 5 2 genetics genética

12 10 1 algum alguns

2.2.1.5 Folha de Aprovação


A folha de aprovação, a ser inserida na versão final, é um item obrigatório. Deve conter os seguintes
dados: autor, título do trabalho, natureza, objetivo, nome da instituição à qual está sendo submetido, termo de
aprovação, nome e instituição de vínculo dos integrantes da Banca Examinadora.
14
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

Exemplo:
NOME DO AUTOR

TÍTULO DA PESQUISA

Trabalho de Conclusão de
Curso apresentado à
Universidade Federal de
Sergipe – UFS, para
encerramento do componente
curricular e conclusão da
graduação em Engenharia
Civil.

Aprovada em: ___de __________de ___.

BANCA EXAMINADORA
__________________________________Nota_____
Titulação – Nome - Instituição
(Presidente – Orientador)

___________________________________Nota_____
Titulação – Nome - Instituição
(1º Examinador)

___________________________________Nota_____
Titulação – Nome - Instituição
(2º Examinador)

2.2.1.6 Dedicatória
Página opcional na qual o autor presta homenagem ou dedica o seu trabalho a outras pessoas, como
amigos e parentes.
Se houver, o texto respectivo deve figurar à direita, na parte inferior da folha.

2.2.1.7 Agradecimentos
Página opcional na qual o autor agradece àqueles (orientador, instituições e/ou pessoas) que contribuíram,
de maneira relevante, para a elaboração do trabalho.
Se houver, deve ser mencionada a palavra “Agradecimentos” centralizada na parte superior da página.

2.2.1.8 Epígrafe
Citação de um pensamento que, de certa forma, serviu de fundamento para a obra. É seguida da indicação
de sua autoria. Elemento opcional.
Se houver, o texto deve figurar à direita, na parte inferior da folha.

2.2.1.9 Resumo em Língua Vernácula


Descrição breve e precisa acerca do conteúdo abordado no trabalho. O resumo deve ser redigido em
apenas um parágrafo, abordando sucintamente (sem mencionar) introdução – temática, objetivos e metodologia
– discussão – argumentação teórica/empírica/experimental – e conclusão – considerações relevantes advindas da
discussão. Deve-se evitar o uso de fórmulas, equações, abreviaturas etc. que, se imprescindíveis, devem ser
escritas por extenso. O resumo de trabalhos acadêmicos deve conter de 200 a 400 palavras (utilizar no menu
“ferramentas” o recurso “contar palavras”). Recomenda-se a inclusão de palavras-chave (mínimo de duas,
máximo de três) após o resumo, conforme indicado abaixo:
15
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

Acima do resumo deve constar obrigatoriamente:


 Linha de pesquisa – conforme o projeto pedagógico do curso, precedido pelo código do curso e
da linha de pesquisa.
 Título da monografia – inclusive o subtítulo, se houver.
 Autor da monografia – e seu referencial (curso, departamento e centro).
 Orientador – titulação, departamento e instituição.
 Componentes da Banca – titulação, departamento e instituição.
Exemplo:

História Local e Cultura Regional


Riso Collor(ido): Representações Cômicas da Era Collor no Jornal
Jornal do
da dia
Paraíba (1989-1992)
Autor: Maria Bernadete Gomes de Souza.
Orientador: Ms. José Luciano de Queiroz Aires
Examinadores: Ms. Faustino Teatino Cavalcante Neto
Ms. Luíra Freire Monteiro

RESUMO
A conscientização por parte da população sobre a importância dos recursos
hídricos para a manutenção da vida e dos ecossistemas fez crescer a procura por
informações sobre os processos hidrossedimentológicos. Para tanto, várias
metodologias estão disponíveis e dentre estas a aplicação de modelos de
distribuídos e de base física tem sido efetuada dada à capacidade destes em
trabalhar com diferentes usos e características da bacia. Neste sentido o modelo
KINEROS2 foi aplicado a sub-bacia do rio Japaratuba-Mirim, secção Fazenda
Pão de Açúcar, com o objetivo de quantificar a geração de escoamento e a
produção de sedimentos para eventos consecutivos de chuva considerando duas
discretizações para a bacia em análise. Os resultados mostram que apesar de não
ter sido desenvolvido para as condições desta bacia, o modelo consegue simular
o hidrograma observado e fornecer uma produção de sedimentos compatível
com estudos em bacias de mesmas dimensões

Palavras-chave: modelo KINEROS2, rio Japaratuba, Sergipe

2.2.1.10 Listas de Ilustrações, Tabelas, Abreviaturas, Siglas e Símbolos


Correspondem as páginas que contém as relações das ilustrações, tabelas, abreviaturas, siglas e símbolos
usados no texto. São considerados elementos opcionais. No entanto, tornam-se obrigatórias se tais componentes
estiverem presentes no texto. Cada item é seguido de seu título, seu número exatamente igual ao que consta no
texto, e da respectiva página onde se encontra no documento. Devem ser elaboradas de acordo com a ordem
apresentada no texto. O tamanho da fonte deverá ser menor que o corpo do texto.

Tabelas

As tabelas deverão ser “chamadas ou citadas” no texto antes de aparecerem e não servem somente para
apresentar resultados e sim para resumi-los de forma lógica. Todo e qualquer conteúdo das tabelas deverão ser
comentados, de outra forma a apresentação da tabela perderá o seu sentido. O título da tabela deverá ficar acima
16
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

da mesma. A chamada da tabela no texto deverá ser efetuada com a inicial T em maiúscula e o restante da
palavra em minúscula da seguinte maneira: A Tabela 1 lista a série histórica relativa ao índice de cesta básica.

As fontes dos dados usados na tabela devem ser escritas abaixo dela. “Para tabelas extraídas de
documentos publicados é necessário referenciar tais documentos” (PORTELA, p. 40). A referência da fonte só
precisa estar completa quando aparecer pela primeira vez no texto. Elas não devem ser fechadas lateralmente,
tendo somente uma linha horizontal superior e outra inferior. “Deve-se restringir o uso de traços tanto na
horizontal, como vertical, usando-os apenas para separar os títulos das colunas nos cabeçalhos” (PORTELA, p.
40-41).

Posições das tabelas na página:


Tabelas pequenas ficam centralizadas, e tabelas grandes podem:
 Ficar na horizontal;
 Ficar isoladas numa página;
 “Desmembrá-la em partes, colocando uma abaixo da outra, separadas por traço horizontal duplo
(...)” (PORTELA, p. 42);
 “Dividir a tabela, inserindo a expressão ‘continua’ repetindo o cabeçalho, para facilitar ao leitor
saber sobre quais elementos se está referindo sem ter que voltar a página (...)” (PORTELA, p.
42).
Tabela 1 – Série Histórica: índice da cesta básica - ICB

VARIAÇÃO (%)
MÊS NÚMERO ÍNDICE
(abril de 1990 = 100) NO MÊS 3 MESES SEMESTRAL NO ANO

agosto 147,98 47,98(*) _ _ _


setembro 166,66 12,62 _ _ _
outubro 191,84 15,11 _ _ _
novembro 223,69 16,60 _ _ _
dezembro 267,58 19,62 _ _ _
janeiro 325,27 21,56 _ _ _
fevereiro 313,18 20,32 _ _ _
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Departamento de Índices de Preços, Sistema Nacional de Índices de Preços
ao Consumidor

Quadros
“Os quadros compreendem ilustrações que contêm informações textuais e geralmente com os quatro
lados fechados” (PORTELA, p. 40). Títulos e fontes devem aparecer abaixo dos quadros.
17
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

Quadro 2 - Erro padrão aproximado para alguns tamanhos de estimativas para características de pessoas e domicílios do
Acre.
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Senso Demográfico 2000: migração e deslocamento.

OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: Existe entre os diversos autores divergências quanto aos formatos
acima citados, de modo que, quando for necessária a apresentação de informações em forma tabelar,
deverá ser empregada a tabela com fechamento nas laterais e entre linhas. Assim, não deverá ser utilizado
Quadros. Lembrar também que a chamada da tabela e de seu conteúdo deverá ser feita antes do
aparecimento da referida tabela, utilizando-se para tanto o T maiúsculo seguindo do restante do nome em
minúscula (Tabela).

Ilustrações
Compreendem mapas, fotografias, desenhos, fórmulas, diagramas, fluxogramas etc. Títulos e fontes
devem aparecer embaixo das ilustrações. “Para ilustrações extraídas de documentos publicados é necessário
referenciar tais documentos” (PORTELA, p. 40). A referência da fonte só precisa ser completa quando aparecer
pela primeira vez no trabalho.

Figura 3 - Superfícies de projeção desenvolvidas em um plano.


Fonte: IBGE. Noções básicas de cartografia (2006).
18
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

Gráficos
Eles “facilitam as demonstrações de dados em um trabalho” (PORTELA, p. 41). Títulos e fontes devem
aparecer abaixo do gráfico. É muito importante que o gráfico apresente as respectivas legendas.

Figura 4 – Proporção de pessoas de 18 anos e mais de idade filiada a Sindicato e associada a Órgão
Comunitário.
Fonte: IBGE, Suplemento PME 1996.

OBSERVAÇÃO: Todas as informações visuais (fotos, gráficos, ilustrações) receberão o nome de Figura
devendo ser citado no texto a sua existência antes do aparecimento da mesma. A citação (chamada)
deverá ser feita com o F maiúsculo, seguindo do restante da palavra em minúsculo (Figura).

OBSERVAÇÃO 2: Como no caso das Tabelas, não basta apenas apresentar os Quadros, Figuras,
Ilustrações e deixá-los soltos no texto. Estes são meios de apresentação de resultados e deverão ser
comentados no capítulo RESULTADOS e DISCUSSÃO, de outra forma, perderão o sentido de serem
apresentados.

2.2.1.11 Sumário

Consiste na enumeração das principais divisões e/ou seções do trabalho, na mesma ordem em que
aparecem no texto. Havendo mais de um volume, cada um deve conter o sumário completo do trabalho.
(ABNT/NBR6024; NBR6027, 1989). A estruturação do sumário deve seguir as seguintes regras:

 Elementos como dedicatória, agradecimentos, epígrafe e resumos não aparecem no sumário;

 Não se pontua o último algarismo do título (1.2 Introdução e não 1.2. Introdução);

 Deve-se centralizar o termo “sumário” e formatá-lo com o tipo, o estilo e o tamanho da fonte
usados nas seções primárias;

 Cada divisão e/ou seção deve ser seguida do número da primeira página que ocupa no texto
19
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

SUMÁRIO

LISTA DE ILUSTRAÇÕES
LISTA DE TABELAS
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS
LISTA DE SÍMBOLOS
INTRODUÇÃO................................................................................................................................................................................................................3
1 MODELAGEM MATEMÁTICA I ............................................................................................................................................................................................... 8
1.1 MODELO FÍSICO ....................................................................................................................................................................................................................... 11
1.2 ESCOAMENTO ENTRE PLACAS PARALELAS SEM GRADIENTE DE PRESSÃO E SEM GERAÇÃO INTERNA DE CALOR ....................................... 18
1.3 ESCOAMENTO ENTRE PLACAS PARALELAS COM GRADIENTE DE PRESSÃO E SEM GERAÇÃO INTERNA DE CALOR ...................................... 27
1.3.1 Escoamento entre placas paralelas com gradiente de pressão e com geração interna de calor .................................................................................................... 31
2 MODELAGEM MATEMÁTICA II .............................................................................................................................................................................................. 35
2.1 MODELO FÍSICO ....................................................................................................................................................................................................................... 41
2.2 DISTRIBUIÇÃO DE VELOCIDADE E PRESSÃO ENTRE DISCOS COAXIAIS .................................................................................................................... 47
3 MATERIAIS E MÉTODOS ......................................................................................................................................................................................................... 50
4 RESULTADOS ............................................................................................................................................................................................................................ 52
4.1 PERFIS DE VELOCIDADE E TEMPERATURA PARA PLACAS PARALELAS..................................................................................................................... 57
4.2 PERFIS DE VELOCIDADE, PRESSÃO E TEMPERATURA PARA DISCOS COAXIAIS ...................................................................................................... 60
CONCLUSÃO ................................................................................................................................................................................................................................... 69
REFERÊNCIAS ................................................................................................................................................................................................................................ 82
APÊNDICE
ANEXOS
GLOSSÁRIO
20
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

3 ELEMENTOS TEXTUAIS

3.1 INTRODUÇÃO
Mostra claramente o propósito e o alcance do trabalho. Indica as razões da escolha do tema. Apresenta o
problema e as hipóteses que conduziram a sua realização. Lista os objetivos da pesquisa.

Consiste na descrição genérica de todo o conteúdo tratado ao longo do trabalho. É feita a apresentação do
problema investigado e são informados os motivos que justificam a pesquisa. Item não numerado. Deve aparecer
no sumário. É a parte do trabalho que tem o objetivo de situar o leitor quanto ao tema tratado e aos
procedimentos utilizados.

Nela devem constar:


 Delimitação do assunto;
 Justificativa da escolha do tema;
 Referencial teórico-metodológico;
 Procedimentos adotados (fontes, problemas, hipóteses, técnica de coleta e análise de dados);
 Limitações à realização do trabalho;
 Forma como o texto está organizado.

3.2 DESENVOLVIMENTO
Parte principal do texto, também chamado corpo do trabalho, que contém a exposição ordenada e
pormenorizada do assunto. Geralmente divide-se em Capítulos, Seções e Subseções, que variam em função da
natureza do problema e da metodologia adotada.
O título da seção primária deve ser grafado em letras maiúsculas, em negrito e fonte Times New Roman
tamanho 14. O título da seção secundária deve ser grafado em letras maiúsculas, sem negrito e fonte Times New
Roman tamanho 12, enquanto que o da seção terciária deve ter somente a primeira letra do título em maiúsculo,
sem negrito e fonte Times New Roman tamanho 12. Os títulos das subseções terão apenas a primeira letra da
primeira palavra grafada em maiúscula, sem destaque e sem negrito. Todos os títulos devem estar alinhados na
margem esquerda e separados do texto por espaço duplo.
OBS: Cabe ao orientador a recomendar a divisão adequada do texto em andamento.

3.3 REVISÃO DE LITERATURA


Mostra, por meio da compilação crítica e retrospectiva de várias publicações, o estágio de
desenvolvimento do tema da pesquisa (Azevedo, 1998) e estabelece um referencial teórico para dar suporte ao
desenvolvimento o trabalho.

3.4 METODOLOGIA
Deve:
21
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

1. Fornecer o detalhamento da pesquisa. Caso o leitor queira reproduzir a pesquisa, ele terá como
seguir os passos adotados;
2. Esclarecer os caminhos que foram percorridos para chegar aos objetivos propostos;
3. Apresentar todas as especificações técnicas materiais e dos equipamentos empregados;
4. Indicar como foi selecionada a amostra e o percentual em relação à população estudada;
5. Apontar os instrumentos de pesquisa utilizados (questionário, entrevista, etc.);
6. Mostrar como os dados foram tratados e como foram analisados.

3.5 RESULTADOS E DISCUSSÃO


Descrevem analiticamente os dados levantados, por uma exposição sobre o que foi observado e
desenvolvido na pesquisa. A descrição pode ter o apoio de recursos estatísticos, tabelas e gráficos, elaborados no
decorrer da tabulação dos dados. Na análise e discussão, os resultados estabelecem as relações entre os dados
obtidos, o problema da pesquisa e o embasamento teórico dado na revisão da literatura. Os resultados podem
estar divididos por tópicos com títulos logicamente formulados.

3.6 CONCLUSÃO
Parte final do trabalho em que os resultados alcançados e as recomendações são expostos de forma
pontual e concisa. Trata-se da recapitulação sintética dos resultados da pesquisa, ressaltando o alcance e as
conseqüências de suas contribuições, bem como seu possível mérito, e a autocrítica, onde você fará um balanço
dos resultados obtidos pela pesquisa. Deve ser breve e basear-se em dados comprovados. Item não numerado.
Deve aparecer no sumário.

4 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS
São os elementos que sucedem à conclusão do trabalho. Devem encontrar-se centralizados na página e
receber paginação seqüencial à paginação do texto. São os seguintes:

 Referências (obrigatório);
 Glossário (opcional);
 Apêndices (opcional);
 Anexo(s) (opcional);
 Índice(s) (opcional).

4.1 REFERÊNCIAS
Elemento obrigatório que se constitui em uma lista alfabética dos documentos efetivamente citados no
texto. (NBR 6023, 2002). A sua fonte principal é a folha de rosto dos materiais utilizados. Caso esta seja
insuficiente, é possível examinar outras partes do documento. Informações não citadas explicitamente no
trabalho, mas cuja validade haja certeza, podem ser referenciadas, desde que entre colchetes. A seguir estão
22
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

exemplos de referências feitas de acordo com o tipo de documento usado. Os exemplos, retirados da norma
ABNT NBR 6023 de 2002, estão seguidos de um asterisco.

PAULA, Maria Carlota de Souza (Coord.); ALVES, Isabel Teresa Gama; ROITMAN, Celina. Centro
brasileiro argentino de biotecnologia: 16 anos de atuação: 1987-2002. Brasília: MCT, 2004. 90 p.

BONDI, Herman et al. Problemas da revolução científica: incentivos e obstáculos ao progresso das ciências.
2. ed. rev. e aum. Belo Horizonte: Itatiaia, 1976. 125 p. (Coleção O Homem e a Ciência, 1).

MACIEL NETTO. Hugo de. Desenvolvimento sustentável. [S.l.: s.n.], 1956. 30 p.

Caso não haja autor, a primeira palavra do titulo (exceto artigos) deverá estar em caixa alta.

PERFIL da administração publica paulista. 6. ed. São Paulo: FUNDAP, 1994. 317 p. ISBN 85-7285-026-0. *

4.1.1 Monografia (Livro, manual, relatório, enciclopédia, etc.)

A referência de uma monografia compõe-se dos principais elementos bibliográficos descritos a seguir:
1°. Autor (es) – o último sobrenome deverá preceder o restante do nome e estar redigido em caixa alta. Quando
houver mais de três autores, indicar somente o sobrenome do primeiro, acrescentando-se a expressão et al.;
2°. Título e variações do título – se houver, somente o título deverá estar em negrito; o subtítulo não. Se não
houver autor, a primeira palavra do título ficará toda em caixa alta e sem negrito;
3°. Edição – se houver, o termo edição deve estar abreviado e o número que o antecede seguido de um ponto
final (.), como em 24. ed.;
4°. Local de publicação – caso seja desconhecido, colocar [S.l.]; se o local for encontrado fora da folha de rosto,
colocar o nome da cidade entre colchetes [];
5°. Editora – caso seja desconhecida, colocar [s.n.]; se for encontrada fora da folha de rosto, colocar o nome da
editora entre colchetes [];
6°. Data de publicação – caso seja:
 Desconhecida - estipular data aproximada [1994 ou 1995];
 Provável - acrescentar um ponto de interrogação [1994?];
 A correta, mas não citada no documento. Fica apenas entre colchetes [1994];
 Intercalada [entre 1990 e 1999];
 Aproximada [ca. 1999];
 De década certa [198-] e provável [198-?];
 De século certo [19--] e provável [19--?].
Exemplos de referências de livros no todo:
23
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

PAULA, Maria Carlota de Souza (Coord.); ALVES, Isabel Teresa Gama; ROITMAN, Celina. Centro
brasileiro argentino de biotecnologia: 16 anos de atuação: 1987-2002. Brasília: MCT, 2004. 90 p.

BONDI, Herman et al. Problemas da revolução científica: incentivos e obstáculos ao progresso das ciências.
2. ed. rev. e aum. Belo Horizonte: Itatiaia, 1976. 125 p. (Coleção O Homem e a Ciência, 1).

MACIEL NETTO, Hugo. Desenvolvimento sustentável. [S.l.: s.n.], 1956. 30 p.

Caso não haja autor, a primeira palavra do titulo (exceto artigos) deverá estar em caixa alta.

PERFIL da administração publica paulista. 6. ed. São Paulo: FUNDAP, 1994. 317 p. ISBN 85-7285-026-0. *

Exemplos de referências de partes de livros:

BODMER, W. F. Conquistas biomédicas: uma benção? In: BONDI, Herman et al. Problemas da revolução
científica: incentivos e obstáculos ao progresso das ciências. 2. ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1976. cap. 3, p.
41-57.

OBS: Caso a parte do livro possua autoria igual ao do livro no todo, após o In: deverá ser colocado um
traço da seguinte forma:

BONDI, Herman et al. Conquistas biomédicas: uma benção? In:_____. Problemas da revolução científica:
incentivos e obstáculos ao progresso das ciências. 2. ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1976. cap. 3, p. 41-57.

4.1.2 Publicações periódicas

A referência de periódicos abrange: título do periódico, local de publicação, editora, periodicidade,


volume, número e data dos fascículos. O título do periódico deverá estar em negrito.
Exemplo de referência de fascículo de REVISTA no todo:

INFOCAPES. Brasília: Capes, 1998-. Trimestral.

Exemplo de referência de artigo de REVISTA:

SPAGNOLO, Fernando; CALHAU, Maria Gladis. Observadores internacionais avaliam a avaliação


da CAPES. Infocapes, Brasília, v. 10, n. 1, p. 7-34, 2002.

Exemplo de referência de JORNAL no todo:

LEAL, L. N. MP fiscaliza com autonomia total. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 3, 25 abr. 1999.
*
Exemplo de referência de artigo de JORNAL:

SILVA, José Roberto. A greve da UNB permanece. Correio Braziliense, Brasília, 22 nov. 2005.
Caderno 5, p. 10.

4.1.3 Eventos
24
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

A referência de documentos, como atas, anais, proceedings, ou seja, dos produtos de congressos,
conferências, fóruns, entre outros, deve indicar essencialmente:
1º. Nome do evento (em caixa alta);
2°. Numeração (se houver);
3°. Ano e local de ocorrência do evento;
4°. Título do documento (em negrito);
5°. Local de publicação, editora e data de publicação.
Exemplo de referência de evento no todo:

CONFERENCIA NACIONAL DE CIENCIA E TECNOLOGIA, 3., 2005, Brasília. Anais... Brasília: MCT,
2005.

Exemplo de referência de trabalhos apresentados no evento:

COUTINHO, Jorge. et al. Economia do conhecimento. In: CONFERENCIA NACIONAL DE CIENCIA E


TECNOLOGIA, 4., 2005, Brasília. Anais... Brasília: MCT, 2005.

Exemplo de referência de trabalhos apresentados em meio eletrônico:

CANDIDO, Elza. Educação. In: CONFERENCIA NACIONAL DE CIENCIA E TECNOLOGIA, 4., 2005,
Brasília. Anais... Brasília: MCT, 2005. 1 CD-ROM.

CANDIDO, Elza. Educação. In: CONFERENCIA NACIONAL DE CIENCIA E TECNOLOGIA, 4., 2005,
Brasília. Anais... Brasília: MCT, 2005. Disponível em: <http://www.cgee.org.br>. Acesso em: 23 nov. 2005.

4.1.4 Patente

É um tipo de documento não-convencional, ou seja, não comercializado no mercado livreiro, mas que
cada vez mais está ganhando valor intelectual. Sua referência deve indicar essencialmente: entidade responsável
e/ou autor, título (em negrito), número da patente e datas (do registro).

Exemplo de referência de patente:

EMBRAPA. Unidade de Apoio, Pesquisa e Desenvolvimento de Instrumentação Agropecuária (São


Carlos, SP). Paulo Estevão Cruvinel. Medidor digital multissensor de temperatura para solos. BR
n. PI 8903105-9, 26 jun. 1989, 30 maio 1995. *

4.1.5 Documento jurídico

Legislação: representada pela Constituição, emendas constitucionais, textos legais infraconstitucionais


(leis complementar e ordinária, medida provisória, decretos, resolução do Senado Federal) e normas de entidades
públicas e privadas (ato normativo, resolução, circular, etc.) (ABNT NBR 6023, 2002, p. 8). Sua referência deve
indicar essencialmente: jurisdição, título, numeração, data e dados da publicação.
25
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

SÃO PAULO (Estado). Decreto nº. 42.822, de 20 de janeiro de 1998. Lex: coletânea de legislação e
jurisprudência, São Paulo, v. 62, n. 3, p. 217-220, 1998. *

BRASIL. Código civil. 46. ed. São Paulo: Saraiva, 1995. *

BRASIL. Constituição (1988). Emenda constitucional nº 9, de 9 de novembro de 1995. Lex: legislação federal
e marginalia, São Paulo, v. 59, p. 1966, out./dez. 1995. *

Jurisprudência: representada pelas súmulas, enunciados, acórdãos, sentenças e outras decisões judiciais.
Sua referência deve indicar essencialmente: jurisdição e órgão judiciário competente, título, número, partes
envolvidas (se houver), relator, local, data e dados da publicação.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Súmula nº 14. In: ____. Súmulas. São Paulo: Associação dos Advogados
do Brasil, 1994. p. 16. *

Doutrina: representada por documentos que abordam conteúdo jurídico, tais como artigos de periódico e
livros.

BARROS, Raimundo Gomes de. Ministério Público: sua legitimação frente ao Código do Consumidor. Revista
Trimestral de Jurisprudência dos Estados, São Paulo, v. 19, n. 139, p. 53-72, ago. 1995. *

4.1.6 Multimeios (Cd ROM, DVD, Disquete, etc.)

ALCIONE. Ouro e cobre. São Paulo: RCA Victor, p1988. 1 disco sonoro. *

BRASIL e parte da América do Sul. São Paulo: Michalany, 1981. 1 mapa. Escala 1:600.000. *

GEDDES, Anne. Geddes135.jpg. 2000. Altura: 432 pixels. Largura: 376 pixels. 51 Kb. Formato JPEG. 1
disquete, 5 ¼ pol. *

KOBAYSHI, K. Doença dos xavantes. 1980. 1 fotografia, color., 16 cm x 56 cm. *

OS PERIGOS do uso de tóxicos. Produção de Jorge Ramos de Andrade. São Paulo: CERAVI, 1993. 1
videocassete. *

MARINHO, Alessandra. Bibliometria. Brasília, 2004. 15 slides, color.

4.1.7 Documentos exclusivamente eletrônicos (obtidos via Internet, inclusive)

São representados pelos bancos de dados on-line, listas de discussão, sites, programas, mensagens
eletrônicas, arquivos em disco rígido, etc.
26
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

MICROSOFT Project for Windows 95. Version 4.1. [S.l.]: Microsoft Corporation, 1995. 1 CD-ROM.*

AVES do Amapá: banco de dados. Disponível em: <http://www.bdt.org/bdt/avifauna/aves>.


Acesso em: 30 maio 2002. *

MARINHO, Ana. Programa do seminário [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por msilva@hotmail.com
em 20 abr. 2000.

4.1.8 Trabalhos acadêmicos

Tese:
Documento que representa o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo
científico de tema único e bem delimitado. Deve ser elaborado com base em investigação original,
constituindo-se em real contribuição para a especialidade em questão. É feito sob orientação de um
pesquisador (doutor) e visa a obtenção do título de Doutor ou similar. (ABNT/NBR14724, 2002,
p. 2).

MARINHO, Maria Clara. Alimentos geneticamente modificados. 2003. 250 p. Tese (Doutorado em
Desenvolvimento Sustentável) - Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília.

Dissertação:
Documento que representa o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo
científico retrospectivo, de tema único e bem delimitado em sua extensão, com o objetivo de
reunir, analisar e interpretar informações. Deve evidenciar o conhecimento da literatura existente
sobre o assunto e a capacidade de sistematização do candidato. É feito sob a coordenação de um
orientador (doutor), visando a obtenção do título de mestre (ABNT/NBR14724, 2002, p. 2).

DE’CARLI, Carlos Ricardo. EMBRAPA: precursora da parceria público-privada no Brasil. 2005. 166 p.
Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Centro de Desenvolvimento Sustentável,
Universidade de Brasília, Brasília.

Monografia: É o principal tipo de texto científico que procura analisar e pesquisar um determinado
assunto muito específico. Consiste no trabalho individual de conclusão de curso referente a uma reflexão
sistemática e científica sobre um problema.

4.2 GLOSSÁRIO
Elemento opcional que define e apresenta, alfabeticamente, os termos técnicos empregados no decorrer
do texto. Item não numerado.

4.3 APÊNDICE(s)
“Material (is) complementar (es) que quando necessário, servem para esclarecer e/ou completar um
raciocínio” (PORTELA, p. 29). Importante ressaltar que são feitos pelo autor. Item não numerado. Elemento
opcional. Exemplo:
27
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

APÊNDICE A – Modelos de Questionários

4.4 ANEXOS
São informações demonstrativas e complementares, não elaboradas pelo autor, anexadas opcionalmente
ao trabalho “para fundamentar, comprovar ou ilustrar” (PORTELA, p. 29). Exemplo:
ANEXO A – Abreviatura dos meses

4.5 ÍNDICE
Elemento opcional, o índice é uma lista de palavras ou frases ordenadas alfabeticamente, que localizam e
remetem para as informações contidas no texto.

5 CITAÇÕES
São formas de fazer menção, em um texto, de informações retiradas em outras fontes (livros, revistas,
etc.). São trechos retirados de texto alheio a fim de complementar o estudo ou reforçar um conhecimento já
sabido e descoberto por outro indivíduo. As citações em trabalho escrito são feitas para apoiar uma hipótese,
sustentar uma idéia ou ilustrar um raciocínio por meio de menções de trechos citados na bibliografia consultada.
As citações localizam-se no texto ou em notas de rodapé. Há três tipos de citação:

5.1 CITAÇÃO DIRETA


É a transcrição idêntica de um trecho da fonte consultada. Até três linhas de citação, ela ficará inserida no
parágrafo entre aspas duplas (“). Com mais de três linhas, deve encontrar-se a 2 cm da margem esquerda do
texto, terminando na margem direita, com espaçamento simples entre as linhas e espaço duplo entre a citação e
os parágrafos anterior e posterior, sem aspas duplas e com o tamanho da fonte menor que a do texto (fonte = 10).
A indicação da página é obrigatória.

“Obstáculos ao progresso encontram-se na própria ciência ou fora dela”. (BONDI, 1976, p.


17).
Há trezentos anos, a maioria das pessoas – ou, pelos menos, muitíssimas pessoas – acreditavam na
existência de bruxas. Entretanto, ao que me consta, ninguém jamais refutou a existência de bruxas.
Dá-se, apenas, que bruxas não se acomodam á espécie de clima intelectual em que vivemos.
(BONDI, 1976, p. 23).

Podem-se utilizar símbolos e destacar palavras (em negrito ou itálico) na citação, desde que estejam de
acordo com a norma. Os Símbolos são: [...] para fazer supressões e [ ] para interpolações, acréscimos ou
comentários.

“Obstáculos ao progresso encontram-se na própria ciência ou fora dela”. (BONDI, 1976, p.


17, grifo nosso).
Há trezentos anos, a maioria das pessoas [...] acreditavam na existência de bruxas. Entretanto, ao
que me consta, ninguém jamais refutou a existência de bruxas. Dá-se, apenas, que bruxas não se
acomodam á espécie de clima intelectual em que vivemos. (BONDI, 1976, p. 23).
28
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

5.2 CITAÇÃO INDIRETA


É a reprodução de idéias do autor. É uma citação livre, usando as suas palavras para dizer o mesmo que o
autor disse no texto. Contudo, a idéia expressa continua sendo de autoria do autor que você consultou, por isso é
necessário citar a fonte: dar crédito ao autor da idéia.
“Texto baseado na obra do autor consultado” (PORTELA, p. 31). A indicação da página é obrigatória.

Segundo Lancaster (2004), o indexador deve ser imparcial no momento de analisar o documento e selecionar seus
descritores.

O valor da informação está relacionado com o poder de ajuda aos tomadores de decisões a atingirem os objetivos
da empresa (VIEIRA, 1998).

5.3 CITAÇÃO DE CITAÇÃO


Ocorre quando o autor transcreve um trecho de um documento que pertence a um terceiro documento, ou
seja, cita idéias que pertencem a outra fonte que não a consultada no momento.
É a menção de um documento ao qual você não teve acesso, mas que tomou conhecimento por citação em
um outro trabalho. Usamos a expressão latina apud (“citado por”) para indicar a obra de onde foi retirada a
citação. Sobrenome (es) do Autor Original (apud Sobrenome(es) Sobrenome(es) do Autor(es) da obra que
retiramos a citação, ano de publicação da qual retiramos a citação). É uma citação indireta.

“O objetivo de promover um sistema internacional para controle e intercâmbio de informações bibliográficas”

(ANDERSON, 1974, p. 10 apud OLIVEIRA, 1990, p. 50).

5.4 DOCUMENTOS ELETRÔNICOS/DIGITAIS


A ABNT (2000) fixou recomendações para a referenciação de documentos eletrônicos/digitais. Os
exemplos que constam da NBR6023: 2000 são:
Monografia em meio eletrônico
Enciclopédia
KOOGAN, A.; HOUAISS, A. (Ed.). Enciclopédia e dicionário digital 98. São Paulo: Delta: Estadão,
1998. 5 CD-ROM.

Parte de Monografia
SÃO PAULO (Estado). Secretaria do Meio Ambiente. Tratados e organizações ambientais e matéria de
meio ambiente. In: ___. Entendendo o meio ambiente. São Paulo, 1999. v.1. Disponível em:
<http://bdt.org.Br/sma/entendendo/atual.htm>. Acesso em: 8 mar. 1999.

Publicações em meio eletrônico


Artigo de Revista
29
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

RIBEIRO, P. S. G. Adoção à brasileira: uma análise sócio-jurídica. Datavenia, São Paulo, ano 3, n. 18,
ago. 1998. Disponível em: <http:// www.datavenia.informação.br/frameartig.html>. Acesso em: 10 set.
1998.

Artigo de Jornal Científico


KELLY, R. Eletronic publishing at APS: its not just on-line journalism. APS News On-line, Los Angeles,
nov. 1996. Disponível em: <http:// www.aps.org/apsnews/1196/11965.html>. Acesso em: 25 nov. 1998.

Trabalho de Congresso
SILVA, R. N.; OLIVEIRA, R. Os limites pedagógicos do paradigma da qualidade total na educação. In:
CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPE, 4, 1996, Recife. Anais eletrônicos... Recife:
UFPE, 1966. Disponível em: <http://www.propesq.ufpe.br/anais/ anais/educ/ce04.htm> Acesso em: 21
jan. 1997.

Programa (Software)
MICROSOFT Project for Windows 95, version 4.1: project planning software, [S.I.]: Microsoft
Corporation, 1995. Conjunto de programas. 1CD-ROM.

Software Educativo CD-ROM


PAU no Gato! Por que? Rio de Janeiro: Sony Music Book Case Multimídia Educacional, [1990]. 1 CD-
ROM. Windows 3.1.

6 SISTEMA DE CHAMADA
Responsável pela indicação das citações no texto. Poder ser numérico ou autor-data (o adotado pela UFS).
No sistema autor-data, as citações aparecem no texto e os seus elementos (último sobrenome do autor, data e
número da página) ficam dentro dos parênteses, caso o autor não esteja citado na frase da citação.

“Obstáculos ao progresso encontram-se na própria ciência ou fora dela” (BONDI, 1976, p. 17).

Segundo Lancaster (2004), o indexador deve ser imparcial no momento de analisar o documento e selecionar seus
descritores.

Há situações nas quais as formas de citações variam. São elas:

 Para obras que possuam até três autores, colocar a palavra et al. (que significa e outros)
seguidos da data do documento. Exemplos: caso o trabalho seja de SILVA; GOMES; FERREIRA, 2000
deverá ser escrito entre parênteses (SILVA et al., 2000) ou Para Silva et al. (2000);
 Se a obra possui mais de três colocar o sobrenome do primeiro autor seguido de et al.;
 Caso haja mais de uma citação cujo autor seja o mesmo, mas que ocorrem em documentos
distintos, e com a mesma data, acrescentar uma letra à data das obras na ordem cronológica. Exemplo:
Segundo Silva (2002a), Segundo Silva (2002b);
30
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

 Caso sejam feitas várias citações de obras de datas distintas, mas da mesma autoria, o
sobrenome do autor é citado uma só vez e seguido das datas. Exemplo: (SILVA, 1999, 2000);
 Caso a obra não possua autoria, colocar a primeira palavra do título. Exemplo: (A
PROBLEMÁTICA, 2000) ou A problemática... (2000);
 Para citar entidades, escreve-se o nome da mesma por extenso até o primeiro sinal de
pontuação. Exemplo: Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (2005).

7 NOTAS DE RODAPÉ

São “anotações colocadas preferencialmente ao pé da página e separadas do texto por um traço horizontal
de 3 cm aproximadamente, iniciado na margem esquerda [...]”. (PORTELA, p. 36). Podem ser explicativas (para
comentários, esclarecimentos ou explanações, que não possam ser incluídos no texto) ou de referência (para
designar a fonte consultada ou demais partes que citam o tema tratado). Utilizam o sistema numérico cuja
numeração deve ser única, consecutiva e em algarismos arábicos. As notas de rodapé devem ser alinhadas, a
partir da segunda linha da mesma nota, abaixo da primeira letra da primeira palavra, sem espaço entre elas e com
fonte menor. As notas devem limitar-se ao mínimo necessário.

Exemplo de uma nota explicativa:


No texto:
A economia atual deve se basear no conhecimento (informação verbal).¹
Em notas:
¹Informação fornecida por Luciano G. Coutinho na 3º Conferencia de Ciência, Tecnologia e Inovação, em
Brasília, novembro de 2005.

Exemplo de notas de referência:


²SILVA; PONTES (2000, p. 10)
³Id., 2000, p. 30.

¹SILVA; PONTES (2000, p. 10)


²MENEZES (1999, p. 12)
³SILVA; PONTES op. cit., p. 30

As subseqüentes citações da MESMA OBRA podem ser referenciadas de forma abreviada, desde que não
haja referências intercaladas de outras obras do mesmo autor, utilizando as seguintes expressões latinas:

Exemplo:

a) apud = citado por, segundo


31
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

b) confira, confronte – cf.


c) ibidem ou Ibid = na mesma obra
d) idem ou Id. = mesmo autor
e) loco citato - loc. cit. = mesma página já citada
f) opus citatum - op. cit. = obra citada
g) passim = aqui e ali, em vários trechos ou passagens
h) sequentia - et seq. = seguinte ou que se segue

As expressões citadas nas alíneas b), c), d) e f), só podem ser usadas na mesma página ou folha da citação
a que se referem. A expressão citada na alínea a) – pode, também, ser usada no texto.

OBS: as expressões Id., Ibid., op. cit. e Cf. devem estar na mesma página ou folha da citação a que se referem.

8 FÓRMULAS, EQUAÇÕES, NÚMEROS, HORÁRIOS E DATAS


Devem aparecer bem destacadas no texto, de modo a facilitar a leitura, sendo numeradas
consecutivamente, exceto as fórmulas simples, que podem aparecer no próprio texto, sem numeração. O número
da equação ou fórmula deve ser colocado na margem direita, entre parênteses. Quando localizadas:
 Ao longo do texto, pode-se usar uma entrelinha maior que abranja os seus elementos
(expoentes, etc.);
 Fora do parágrafo, devem ser centralizadas e, se preciso, numeradas;
 Em mais de uma linha, devido à falta de espaço, “devem ser interrompidas antes do sinal de
igualdade ou depois dos sinais de adição, subtração, multiplicação e divisão”.
EX:
x² + y² = z² (1)
As chamadas das equações, expressões e fórmulas, no texto, devem ser feitas da seguinte forma:
Equação (1), Expressão (1) , Fórmula (1)

8.1 NUMERAIS
Os números devem ser escritos em algarismos arábicos. Devem ser escritos por extenso quando:
 De zero a nove: oito livros, cinco mil, três milhões etc.;
 As dezenas redondas: trinta, noventa, vinte mil, sessenta milhões etc.;
 As centenas redondas: quatrocentos, trezentos mil, seiscentos milhões etc.
Nos demais casos só se usam palavras quando não houver nada nas ordens ou classes inferiores: 13 mil,
13.700 (e não 13 mil e setecentos); 247.320 e não 247 mil e trezentos e vinte. Acima do milhar, todavia, é
possível recorrer a dois procedimentos:
 Aproximação do número fracionário, como em 23,6 milhões;
 Desdobramento dos dois termos numéricos, como em 23 milhões e 635 mil.
32
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

As classes separam-se por pontos, exceto nos casos de anos e de numeração de páginas, como 1.750
livros, ano 1999 e página 1230.

a) Frações

Indicadas por algarismos, exceto quando ambos os elementos estão entre um e dez e em frações decimais:
dois terços; um quarto; 3/15; 5/12; 1,25 etc.

b) Porcentagem

Indicada por algarismos sucedidos do símbolo %, sem espaçamento: 10%, 35%.

c) Ordinais

São escritos por extenso somente do primeiro ao décimo: segundo, quinto, 21º.

d) Quantias

As quantias se escrevem por extenso somente de um a dez: seis reais, dez mil dólares. Daí em diante em
algarismos: 11 reais, 235 mil dólares, 48 milhões de francos. Entretanto, quando ocorrem frações (pence,
centavos etc.), registra-se a quantia exclusivamente de forma numérica, acompanhada do símbolo respectivo: por
exemplo, US$ 326,40.

e) Algarismos romanos

São usados normalmente nos seguintes casos:


 Séculos: século XIX, século IV a.C. etc.;
 Reis, imperadores, papas etc. de mesmo nome: Filipe IV, Napoleão II, João XXII etc.;
 Grandes divisões das forças armadas: I Exército, II Zona Aérea, IV Distrito Naval etc.;
 Conclaves, reuniões, acontecimentos etc. repetidos periodicamente: IX Bienal de São Paulo, XII
Copa do Mundo etc.;
 Dinastias reais, convencionalmente estabelecidas em seqüência: II dinastia, VII dinastia etc.
Essa norma não se aplica aos episódios que não sejam periódicos: Segunda Guerra Mundial, Terceira
República, Segundo Reinado etc.

8.2 HORÁRIOS
As horas são indicadas de 0h às 23h, seguidas, quando for o caso, dos minutos e segundos.
Exemplo: 12h21min32s
33
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

8.3 DATAS
O ano deve ser escrito com algarismo arábico, sem o uso de ponto para separar as classes. Exemplo: 07 de
setembro de 2000.

9 DIMENSÃO E ENTREGA DO ORIGINAL


Sugere-se que as monografias devem conter cerca de 30 a 60 páginas, excluídos os complementares
(anexo (s), apêndice (s), glossário e índice).

A forma de reprodução fica a critério do autor. As cópias devem ter a mesma legibilidade do original e as
ilustrações e cores devem constar em todos os exemplares entregues.

Os números de exemplares do texto, para fins de defesa e análise das Bancas Examinadoras, são três.

Após a defesa e as correções necessárias, os números de exemplares exigidos para entrega na


Coordenação do TCC, são dois.

8 REFERÊNCIAS

ARENA, Alejandro Pablo et al. Avaliação do ciclo de vida: a ISO 14040 na América Latina. Brasília: Abipti,
2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e documentação:


referências: elaboração. Rio de Janeiro, 2002.

______. NBR 6024: informação e documentação: numeração progressiva das seções de um documento escrito:
apresentação. Rio de Janeiro, 2003.

______. NBR 6027: informação e documentação: sumário: apresentação. Rio de Janeiro, 2003.

______. NBR 6028: resumos. Rio de Janeiro, 2003.

______. NBR 6029: informação e documentação: livros e folhetos: apresentação. Rio de Janeiro, 2002.

______. NBR 6034: preparação de índice de publicações. Rio de Janeiro, 1989.

______. NBR 10520: informação e documentação: citações em documento. Rio de Janeiro, 2002.

______. NBR 12225: informação e documentação: lombada: apresentação. Rio de Janeiro, 2004.

______. NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, 2002.

BONDI, Herman et al. Problemas da revolução científica: incentivos e obstáculos ao progresso das ciências. 2.
ed. rev. e aum. Belo Horizonte: Itatiaia, 1976. 125 p. (Coleção O Homem e a Ciência, 1).

DE’CARLI, Carlos Ricardo. EMBRAPA: precursora da parceria público-privada no Brasil. 2005. 166 p.
Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Centro de Desenvolvimento Sustentável,
Universidade de Brasília, Brasília.

PAULA, Maria Carlota de Souza (Coord.); ALVES, Isabel Teresa Gama; ROITMAN, Celina. Centro brasileiro
argentino de biotecnologia: 16 anos de atuação: 1987-2002. Brasília: MCT, 2004. 90 p.
34
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - DEC

PORTELA, Patrícia de Oliveira. Apresentação de trabalhos acadêmicos de acordo com as normas de


documentação da ABNT: informações básicas. Uberaba, 2005.

SILVA, Edna Lucia e MENEZES, Estera Muskate. Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação 3ª
edição revisada e atualizada. Florianópolis, 2001. 121 p.

SPAGNOLO, Fernando; CALHAU, Maria Gladis. Observadores internacionais avaliam a avaliação da CAPES.
Infocapes, Brasília, v. 10, n. 1, p. 7-34, 2002.