Você está na página 1de 2

Música brasileira para o ensino do piano no nível elementar. P.

728 - 737
ZORZETTI, Denise. Música brasileira para o ensino do piano no nível elementar. Rio de
Janeiro: SIMPOM, 2010.

O trabalho da autora sugere a utilização da música brasileira no ensino elementar de piano


trazendo exemplos, e apresenta recursos para que o professor possa escolher um material mais
adequado ao nível do aluno. Sua proposta está na introdução do repertório brasileiro como um
complemento após a aplicação de qualquer método de iniciação ao instrumento.

A ênfase no repertório brasileiro está em fortalecer a ideia de trabalhar com alunos uma
linguagem que está presente em seu universo, assim estimulando mais interesse e motivação
pelo aprendizado por obras pertencentes a cultura nacional.

A autora utilizou como marco para determinar os níveis de dificuldade (elementar,


intermediário e avançado) das peças apresentadas em seu trabalho as definições propostas nos
trabalhos de Gandelman (1997), que utiliza como padrão o Mikrokosmos de Bella Bartók (1881 –
1945), e Uszler (1995 e 2000), que expõe aspectos que devem estar presentes ou que devem
ser evitados em determinados níveis.

Para fomentar ainda mais esta questão acerca dos níveis de progresso do aprendizado no
piano em relação a conceitos, técnica, interpretação, teoria, individualidade do aluno, aspecto
afetivo e outras habilidades a serem adquiridas e trabalhadas, Zorzetti cita outros autores como
Bastien (1995), Lyke (1996), Baker-Jordan (2004), Jacobson (2006), Kaplan (1978), Hollerbach
(2003), Carvalho (2007), Botelho (2002), Waterman (2006) e Reis (2000).

Destacando o autor Jacobson (2006), ele traz que aspectos técnicos que podem aumentar o
grau de dificuldade de uma peça de nível elementar são:

[...] mudanças constantes de posição, grande quantidade de notas tocadas simultaneamente,


utilização de ampla extensão do teclado, andamentos muito rápidos, muitas passagens e mudanças
de dedilhado e uso frequente do pedal.

Já os aspectos musicais e de leitura:

[...] Jacobson (2006) acredita que são mais difíceis de tocar aquelas peças que possuem muitas
indicações de dinâmica e articulação, frases longas, exigência constante do toque legato e a
necessidade de equilíbrio sonoro entre melodia e acompanhamento. As características de leitura
apontadas pela referida autora como determinantes do grau de dificuldade são: mudanças
constantes de direção da melodia, intervalos de grande extensão, muita variação de valores de notas
e padrões rítmicos, grande número de alterações na armadura ou acidentais, grande quantidade de
notas em linhas suplementares e mudanças de clave.

A citação de afirmações destes vários autores serve para confirmar a questão de que a
escolha do repertório para um aluno envolve várias questões, e isto em relação a escolha da
autora pela produção nacional refere-se ao que ela considera como um atrativo a mais. As obras
brasileiras levantadas por Zorzetti que datam ter peças compostas após 1980, são classificadas
desta forma:
AUTOR / OBRA UTILIZAÇÃO DE ASPECTOS DA
ASPECTOS EXECUÇÃO
DA CULTURA PIANÍSTICA
NACIONAL
Dinorá de Carvalho Harmonização de Legato, staccato; nota
(1895-1980) melodias pedal;
11 Peças Infantis folclóricas, populares e intervalos harmônicos;
sobre Motivos infantis apoggiaturas
Populares

Guerra-Peixe (1914- Utilização de ritmos e Escrita na clave de sol;


1993) gêneros polifonia;
1ª Suíte Infantil característicos com a intervalos harmônicos;
criação de temas acordes de 3
originais sons
Ernst Widmer (1927- Harmonização de
1990) melodias Improvisação
Ludus Brasiliensis folclóricas utilizando
Kosmos uma linguagem
Latinoamericano contemporânea

Fonte: Zorzetti, 2010.