Você está na página 1de 7

CÉSAROBEID

GDlMA-RÃES ROSA
e1l1cordel

[
Com as rimas populares
Numa cadência gostosa
Apresento a linda história
••1 De João Guimarães Rosa

,I Que merece um elogio


E menção sempre honrosa.

Cordisburgo a cidade
Minas Gerais, o estado
Em vinte e sete junho
Num periodo abençoado
Vem ao mundo um leonino
Com palavras, inspirado.

Foi primeiro de seis filhos


Sempre calmo ele cresceu
Mil novecentos e oito
Foi o ano em que nasceu
Amou sempre as palavras
Que ele leu ou escreveu.

1
A mãe era Chiquitinha No seu discurso de posse
Sua mestra, importante Para todos ele leu
Seu pai era "seo" Fulo Disse que a gente morre
Juiz e comerciante ~ Só pra provar que viveu
Também contador de histórias Era a morte antecipando
Uma lembrança de infante. O presente que Deus deu.

Com seis anos começou Nosso membro da ABL


Estudar francês sozinho Foi médico e diplomata
Quem nasceu para as palavras Mas o destino lhe deu
Mesmo sendo um rapazinho Uma estrada tão sensata .
Não teria outro destino Tomou nosso mestre Rosa
A não ser luz no caminho. Das palavras, acrobata.

Guimarães Rosa tomou Inventou muitas palavras


Posse na Academia Ditas ou imaginadas
A brasileira de letras As palavras que escreveu
Prêmio que ele merecia li.
Eram todas encantadas
Mas passados só três dias O oral e o escrito
Nosso Rosa morreria. Sempre foram suas estradas.

2 3
Guimarães era tão bom
Naquilo que ele fazia
Que ele escrevia em prosa
Este homem escreveu Falava bem o alemão
Parecendo poesia Sobre sertão e vaqueiros Espanhol e o francês
Dificil ter outro gênio Sobre os bois e os jagunços Esperanto, italiano
Com essa categoria. Desenhou os seus roteiros Um pouco de russo, inglês
Recriando para os livros Lia sueco e latim
Seus trabalhos mais certeiros. O grego e o holandês.
Anotava num caderno
O que o seu povo falava Tudo o que leu e ouviu Mas no nosso português
Ou o que alguém falou Teve sua maior nota '
As histórias, causos, músicas
Viveu criando palavras Guimarães Rosa, mineiro
Tudo ele observava Que ninguém pronunciou Escritor tão poliglota
Pra sua obra literária Vejam só algumas delas Tudo o que ele compôs
Que o mestre inventou: Voa feito gaivota.
Nosso Rosa Recriava.
"êssezinho, e agrarrante Quem quiser conhecer mais
Uma Rosa para o Rosa Maravilhal, éssezim, Leia um livro sem demora
Rosa é nosso escritor Levantante, cavalanços Entre nesse uni verso
Desfalar, satanazim Que Guimarães Rosa explora
Outra rosa é diferente Gaviãoão e brisbrisa Alguns títulos que escreveu
Tem perfume, é uma flor Retrovão, semblar, salsim. Enumero nesta hora.
Duas rosas tão divinas
Que exalam só amor.

4 5

\
Estrofes de cordel inspiradas em Guimarães Rosa.

o Grande Sertão: Veredas Tem horas que o mundo fica


Tutaméia, Sagarâna
Grande feito um monumento
As primeiras e terceiras Noutras horas, permanece
Cada qual é mais bacana Miudinho como um acento
Manuelzão e Miguilim É por isso que eu espero
Outra obra soberana.
Sempre o terceiro momento.

Criador de cem mil linhas Sobre a morte, o que digo?


Pra um mundo ficcional Não conheço as estradas
Feiticeiro das palavras Mas imagino que sejam
Um caboclo universal Amplamente iluminadas
Transformando para os livros. Pois as pessoas não morrem
Parte do mundo real. Elas ficam encantadas.

Morreu em sessenta e sete Quem inventou a gramática


Aos dnqüenta e nove anos E a tal filosofia
Até hoje o grande Rosa Com certeza era inimigo
Nos alegra com seus planos Da querida poesia
Foi um presente de Deus Tenho meu próprio idioma
Para todos os humanos. O que minha cabeça cria.
7
6
Amo sempre os grandes rios
De profundos movimentos
Na superficie são claros
E vivazes sem tormentos
Mas no fundo são tranqüilos
Como nossos sentimentos.

o sertão é o sozinho
De Deus é obra de arte
Ele é dentro da gente
É inteiro, não reparte
Então digo que o sertão
Ele está em toda parte.

o momento nunca conta


Eu vivo na imensidão
Vivi mais de uma vez
Noutra vida fui então
Como nessa, um brasileiro
Que se chamava João.

8
FAÇA AQUI A SUA ESTROFE!

SEXTILHA (ESTROFES DE SEIS VERSOS)


ESQUEMA DE RIMAS: XAXAXA
X: VERSOS LIVRES
A: RIMAM. ENTRE SI
A métrica é de 07 sílabas poéticas ...

l__ ~ (X)

2 (A)

3 ~-----------------(X)
4 (A)

5 (X)

6 (A)