Você está na página 1de 2

Além do simulador de retroescavadeira, apresentado na Expo-MS Industrial, serão

produzidos simuladores de escavadeira, trator esteira, caminhão basculante e


motoniveladora.

Para promover a inovação e o desenvolvimento de soluções tecnológicas integradas


para a indústria, o Senai de Mato Grosso do Sul, por meio da Escola de Produção,
está desenvolvendo simuladores para a capacitação de operadores de máquinas
pesadas. De acordo com o gerente de Educação e Desenvolvimento Tecnológico do
Senai, Jesner Escandolhero, no total serão cinco modelos de simuladores.

"Durante a Expo-MS Industrial apresentamos o simulador de retroescavadeira, que


já está na Escola de Produção do Senai para passar por alguns ajustes. Além dele,
produziremos outros quatro modelos de simuladores para atender a demanda de
empresas no treinamento dos operadores em máquinas pesadas", explicou Jesner
Escandolhero, acrescentando que, enquanto a produção está em andamento, serão
definidos os planos dos cursos e as estratégias de atendimento.

O simulador de retroescavadeira da Escola de Produção Senai é o segundo


adquirido no País. "Ele pode ser transportado para outros locais onde não têm a
oficina da Escola de Produção e, por meio das simulações, os operadores podem ser
qualificados", explicou o técnico da Escola de Produção do Senai, Leandro de
Medeiros Barbosa, ressaltando a necessidade de qualificar a mão-de-obra para essa
área de atuação em Mato Grosso do Sul.

Novidades

Jesner Escandolhero informou que serão construídos simuladores para treinar


operadores de escavadeira, de trator esteira, de caminhão basculante e de
motoniveladora. "Os softwares utilizam o princípio da realidade virtual, simulando
os comandos das máquinas e reproduzindo virtualmente as condições de operação
de cada uma dessas máquinas citadas", disse.

Segundo o gerente de Educação e Desenvolvimento Tecnológico do Senai, os


simuladores são softwares que parecem vídeo games e permitem o aprendizado
por meio de atividades virtuais, na tela do computador, como um jogo sério e que
requer habilidade. "Com o software, o aluno faz o primeiro contato com a máquina,
mas por meio do computador. Dessa forma, ele fixa o conhecimento e adquire as
primeiras habilidades, que, posteriormente, serão aprimoradas na máquina real",
explicou.

Ele acrescenta que com os simuladores será possível reduzir o tempo de utilização
da máquina, gerando economia e reduzindo os riscos de acidentes de uma
operação real. "Os simuladores permitem a prática exaustiva, além da possibilidade
de errar sem sofrer as conseqüências de uma falha com uma máquina de verdade",
reforçou, completando que a simulação também permite a redução do custo do
treinamento e a aceleração da capacitação, diminuindo o número de máquinas reais
envolvidas.

Você também pode gostar