Você está na página 1de 70

Referencial Curricular

de Alagoas

Ensino Fundamental
Ensino Fundamental
2019
2019
CIÊNCIAS HUMANAS
GEOGRAFIA

MARIA EDUARDA BATISTA DOS SANTOS – ESCOLA ESTADUAL DE XINGÓ II


GEOGRAFIA
1. APRESENTAÇÃO .............................................................................................. 555
2. MARCO REGULATÓRIO.................................................................................... 557
3. A ÁREA DE CIÊNCIAS HUMANAS...................................................................... 558
4. COMPETÊNCIAS GERAIS DA BNCC.................................................................. 560
5. CONCEPÇÕES HISTÓRICAS E EVOLUÇÃO DO COMPONENTE
CURRICULAR DE GEOGRAFIA.......................................................................... 562
6. CONHECENDO OS PRINCÍPIOS DO RACIOCÍNIO GEOGRÁFICO....................... 563
7. CONCEITOS GEOGRÁFICOS............................................................................ 566
Espaço.................................................................................................................................566
Lugar....................................................................................................................................567
Paisagem.............................................................................................................................567
Território.............................................................................................................................567
Região..................................................................................................................................568
8. COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO COMPONENTE
CURRICULAR DE GEOGRAFIA.......................................................................... 568
9. O CURRÍCULO DE GEOGRAFIA......................................................................... 570
9.1 O currículo de geografia e alfabetização cartográfica................................................572
9.2 O currículo de geografia e as expectativas de aprendizagens x compromisso a
educação integral.........................................................................................................572
9.2.1 Aspecto estruturante em currículo da educação integral.......................................573
10. O PAPEL DO EDUCADOR NO PROCESSO CURRICULAR................................... 575
11. O PAPEL DO ESTUDANTE NO PROCESSO CURRICULAR.................................. 576
12. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO COMPONENTE DE GEOGRAFIA.................. 577
13. TRANSIÇÃO ENTRE AS ETAPAS........................................................................ 580
14. OBJETOS DO CONHECIMENTO APLICADO AO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS
INICIAIS............................................................................................................ 581
15. OBJETOS DO CONHECIMENTO APLICADO AO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS
FINAIS.............................................................................................................. 582
Objeto de conhecimento 6º ano........................................................................................583
Objeto de conhecimento 7º ano........................................................................................583
Objeto de conhecimento 8º ano........................................................................................584
Objeto de conhecimento 9º ano........................................................................................584
16. APRESENTANDO O ORGANIZADOR CURRICULAR DE GEOGRAFIA.................. 585
17. ORGANIZADOR CURRICULAR DE GEOGRAFIA ANOS INICIAIS......................... 590
ORGANIZADOR CURRICULAR DE GEOGRAFIA ANOS FINAIS........................... 603
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...................................................................... 620
1. APRESENTAÇÃO
Este caderno é direcionado aos pro-
fessores de Geografia e foi produzido
com a intenção de auxiliar o trabalho pe-
dagógico de forma dinâmica, objetivan-
do garantir o direito de aprendizagem
dos estudantes, a fim de que estes pos-
sam ingressar no ano subsequente com
as habilidades necessárias e específicas
do componente curricular que lhes são
pertinentes em cada etapa e modalidade
de ensino. Para a construção e elabora-
ção deste documento, percorremos al-
gumas etapas para que essa construção
se efetivasse. A primeira delas teve início
em Fevereiro de 2018, com as escolhas
dos nomes dos redatores de currículos.
Em seguida teve início os encontros
formativos para receber orientações
sobre como se daria o processo de im-
plementação da BNCC com os Coorde-
nadores Regionais. Após vários encon-
tros regionais, foi realizada, em Brasília,
no período de 26 a 28 de março de 2018,
a primeira Oficina com os Redatores de
Currículos, cuja finalidade era assessorar
as escolas no dia D de estudo da BNCC.
Após retorno de Brasília, foram realiza-
554 - GEOGRAFIA -

dos Encontros Formativos com os Secretaria Básica do Ministério da


Coordenadores Regionais para es- Educação.
tudos e orientações voltados para Destacamos também a parceria
a construção da primeira versão SEDUC/UNDIME- AL, que possibi-
preliminar da proposta do organi- litou a socialização do Referencial
zador curricular de Geografia. Curricular de Alagoas na maioria dos
Durante os momentos de estu- municípios do Estado. Cabe ressal-
dos, deparamo-nos com currículos tar ainda a parceria com a UNCME,
de Geografia de alguns municípios sendo esta essencial na construção
alagoanos, o que nos possibilitou da primeira versão preliminar do do-
fazer comparações em suas di- cumento. Portanto, este documen-
mensões, de modo que tivésse- to é construído por várias mãos, isto
mos condições de traçarmos linhas fica evidenciado durante o período
que nos permitisse a reelaboração de consulta pública no qual os pro-
deste documento que ora está fessores puderam contribuir para a
sendo apresentado aos professo- sua construção.
res do Estado de Alagoas. Dito isto, busca-se trabalhar no
Para isto, primou-se pelo prin- componente curricular de Geogra-
cípio da coletividade na construção fia, o conhecimento geográfico a
deste documento, o que fica eviden- partir de três vertentes: primeira, o
ciado pela criação de um Grupo de pensamento espacialgeográfico,
Trabalho - formado por professores este deve ser considerado pela sua
de Geografia da rede estadual, mu- relevância, visto que o estudante
nicipal e privada. Ressalte-se que, deve aprender a pensar de forma
durante os encontros do GT, foi rea- própria. A segunda vertente, o de-
lizada oficina, ciclo de palestra sobre senvolvimento do raciocínio geo-
a implementação da Base Nacio- gráfico que, de acordo com Callai
nal Comum Curricular, intitulada: A (2013), traduz-se em olhar o mun-
Geografia para Além da Base. do para compreender a nossa his-
Dando continuidade ao pro- tória e a nossa vida. Este olhar traz
cesso formativo dos Redatores a especificidade da disciplina que
de Currículos, nos dias 21 e 22 de tem o conceito de espaço como
agosto de 2018, aconteceu em foco primordial, visto que, o espaço
Brasília/DF, o II Encontro de Forma- possibilita a concretização e a ma-
ção do Programa de apoio à Imple- terialização das ações humanas e a
mentação da Base Nacional Co- vida social por meio dos embates
mum Curricular, promovido pela entre os grupos. A terceira verten-
Referencial Curricular de Alagoas - Educação Infantil 555

te, na ordem, mas não em impor- nológico...). E no Plano Nacional de


tância, é a leitura de mundo, pela Educação, as metas 2, 3, 7 são es-
qual o estudante deverá ser levado tabelecidas como estratégia para o
e estimulado a ler e a interpretar o cumprimento dessas 3 metas.
mundo nas mais variadas formas O Parecer CNE/CEB nº 7/2010
de escalas, partindo do âmbito lo- também fundamenta a imple-
cal, nacional e mundial. mentação da BNCC e a Lei nº
Além disso, o componente Cur- 13.005/20147 promulgou o Pla-
ricular de Geografia dentro do seu no Nacional de Educação (PNE),
objeto do Conhecimento tem por que reitera a necessidade de es-
finalidade estimular o estudante tabelecer e implantar, mediante
a pensar, ler e observar a ação hu- pactuação interfederativa [União,
mana nos espaços, tanto nas áreas Estados, Distrito Federal e Municí-
rurais como nas áreas urbanas, nos pios], diretrizes pedagógicas para a
seus mais variados espaços de vi- Educação Básica e a Base Nacional
vências, a partir da relação sujeito Comum dos currículos, com direi-
e espaço. tos e objetivos de aprendizagem
e desenvolvimento dos educan-
2. Marco Regulatório dos para cada ano do Ensino Fun-
damental e Médio, respeitadas as
Prevista na Constituição de 1988 diversidades regional, estadual e
(Art. 210, serão fixados conteúdos local (BRASIL, 2014).
mínimos para o Ensino Fundamen- Portanto, todos esses marcos
tal, de maneira a assegurar formação regulatórios possibilita a BNCC a
básica comum…). Na LDB (Artigo. primar pelos princípios éticos, polí-
26, os currículos da Educação Infan- ticos e estéticos que visam à forma-
til, do Ensino Fundamental e Médio ção humana integral e à construção
devem ter Base Nacional Comum, a de uma sociedade justa, democrá-
ser complementada em cada siste- tica e inclusiva, fundamentada nas
ma de ensino e em cada estabeleci- Diretrizes Curriculares Nacionais
mento escolar). Nas DCNs (Art. 14, da Educação Básica (DCN).
define Base Nacional Comum como De igual modo a BNCC, o Refe-
conhecimentos, saberes e valores rencial Curricular do Estado de Ala-
produzidos culturalmente, expres- goas está fundamentado no Art. 3º
sos nas políticas públicas e que são da LDB de nº 9.394/96, nas Dire-
gerados nas instituições produtoras trizes Curriculares Nacionais, nos
do conhecimento científico e tec- PCNs, Lei nº 13.005/20147 pro-
556 - GEOGRAFIA -

mulgou o Plano Nacional de Edu- mento autônomo, mas os torna


cação (PNE), na Constituição de aptos a uma intervenção mais res-
1988, Artigo 205, e na Lei Nº 7.795, ponsável no mundo em que vivem.
de 22 de janeiro de 2016, que insti- Nesse sentido as Ciências Huma-
tuiu o Plano Estadual de Educação nas devem, assim, estimular uma
de Alagoas – PEE. formação ética, elemento funda-
mental para a formação das novas
gerações, auxiliando os estudantes
3. A Área de Ciências a construir um sentido de respon-
Humanas sabilidade para valorizar: os direitos
humanos; o respeito ao ambiente e
Busca-se com a organização à própria coletividade; o fortaleci-
de um caderno para o componen- mento de valores sociais, tais como
te da Área de Ciências Humanas a a solidariedade, a participação e o
consolidação de uma proposta de protagonismo voltados para o bem
trabalho coletivo e interdiscipli- comum; e, sobretudo, a preocupa-
nar. Disto compreende-se que um ção com as desigualdades sociais.
Currículo para a área de Ciências
Humanas pressupõe politicamen- A BNCC orienta que,
te nos vislumbrarmos frente aos Os conhecimentos específicos na área
problemas sociais, econômicos, de Ciências Humanas exigem clareza
políticos, ambientais e culturais na definição de um conjunto de objetos
pelos quais passam o planeta, nos- de conhecimento que favoreçam o
so país, nosso Estado e, respecti- desenvolvimento de habilidades e
vamente, cada município. que aprimorem a capacidade de os
O currículo das Ciências Huma- estudantes pensarem diferentes
nas, trabalhado no Ensino Funda- culturas e sociedades, em seus tempos
mental Anos Iniciais e Finais, tem históricos, territórios e paisagens
por finalidade contribuir para o (compreendendo melhor o Brasil, sua
desenvolvimento de sujeitos autô- diversidade regional e territorial). E
nomos, conscientes e capazes de também que os levem a refletir sobre
conviver e respeitar as diferenças. sua inserção singular e responsável na
Os componentes curriculares de história da sua família, comunidade,
Geografia e História, ao estimular
os estudantes a desenvolverem nação e mundo (2017, p. 352).
uma compreensão do mundo, não Dessa forma, ela permite aos
favorece apenas seu desenvolvi- educandos conhecimentos que lhes
Referencial Curricular de Alagoas - Educação Infantil 557

possibilitem conviver em sociedade A educação escolar deve propi-


participando das tomadas de deci- ciar, além da transmissão sistemáti-
sões de forma crítica nas questões ca dos conteúdos de ensino, histori-
sociais, éticas e políticas, condições camente produzidos e acumulados,
basilares para uma atuação crítica e assegurar que os educandos se
orientada por valores democráticos. apropriem desses conteúdos de
No Ensino Fundamental, os forma ativa, para que possam reela-
procedimentos de investigação em borar esses conhecimentos e, com
Ciências Humanas devem propiciar isso, obter um senso crítico mais
nos estudantes a capacidade de concreto, embasado na compreen-
observação, na Geografia e na His- são científica e tecnológica da rea-
tória, espera-se nessa etapa de en- lidade social e política na qual estão
sino, que seja trabalhado “o reco- inseridos socialmente.
nhecimento do Eu e o sentimento Um dos grandes problemas da
de pertencimento dos estudantes Geografia do século XXI é estimu-
à vida da família e da comunidade” lar o estudante a sua criatividade,
(BNCC, 2017, p. 209). sua imaginação, sua curiosidade, o
As competências e habilida- raciocínio do pensamento geográ-
des propostas neste documento fico e, consequentemente, levá-lo a
dizem respeito à formação para o compreender que o espaço geográ-
exercício da cidadania. Por isso, é fico ao longo dos tempos foi sendo
essencial que os estudantes com- modificado e transformado pela
preendam que são sujeitos capa- ação humana, e que, acima de tudo,
zes de interferir na realidade em seja capaz de tornar esse estudante
que vivem e que os conhecimentos um cidadão autônomo e crítico para
adquiridos na escola podem con- atuar e mediar conflitos.
tribuir para seu desenvolvimento O componente de História, não
intelectual e social. pode ser tratado apenas como ma-
Cabe ainda às Ciências Humanas téria a ser ensinada e aprendida,
cultivar a formação de estudantes isto impediria que ela dialogasse
intelectualmente autônomos, com com outras disciplinas. A História é
capacidade de articular categorias uma ciência viva, construída pelos
de pensamento histórico e geográ- homens nos mais variados está-
fico em face de seu próprio tempo, dios da sociedade. O componente
percebendo as experiências huma- de História apresentado aqui nes-
nas e refletindo sobre elas, com base te documento apresenta-se como
na diversidade de pontos de vistas. uma ciência que analisa o tempo,
em suas várias idades e períodos cas de cada componente Curricular
cronológicos. Sendo assim, o seu Geografia/História. Assim, eles de-
objeto de estudo é a relação do pre- vem contribuir para a ampliação de
sente com o passado no decorrer conhecimento sobre o mundo social
do tempo histórico das sociedades, e as questões políticas, éticas e so-
buscando contribuir, com a forma- ciais e desenvolver nos educandos
ção do cidadão autônomo e integral. a autonomia intelectual, princípio
Portanto, os conhecimentos es- fundamental para atuação reflexiva
pecíficos abordados na Área de Ciên- e aquisição de valores democráticos.
cias Humanas no Ensino Fundamen- O quadro nº 01 mostra as
tal, dialogam diretamente, com as Competência Específicas da Área
10 Competências Gerais da BNCC, de Ciências Humanas para o Ensi-
e com as Competências Específi- no Fundamental:

Compreender a si e ao outro como identidades diferentes, de forma a exercitar o respeito à diferença em uma
01
sociedade plural e promover os direitos humanos.

Analisar o mundo social, cultural e digital e o meio técnico-científico- informacional com base nos conhe-
02 cimentos das Ciências Humanas, considerando suas variações de significado no tempo e no espaço, para
intervir em situações do cotidiano e se posicionar diante de problemas do mundo contemporâneo.

Identificar, comparar e explicar a intervenção do ser humano na natureza e na sociedade, exercitando a curio-
03 sidade e propondo ideias e ações que contribuam para a transformação espacial, social e cultural, de modo a
participar efetivamente das dinâmicas da vida social.

Interpretar e expressar sentimentos, crenças e dúvidas com relação a si mesmo, aos outros e às diferentes
culturas, com base nos instrumentos de investigação das Ciências Humanas, promovendo o acolhimento e a
04
valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais, seus saberes, identidades, culturas e potenciali-
dades, sem preconceitos de qualquer natureza.

Comparar eventos ocorridos simultaneamente no mesmo espaço e em espaços variados, e eventos ocorridos
05
em tempos diferentes no mesmo espaço e em espaços variados.

Construir argumentos, com base nos conhecimentos das Ciências Humanas, para negociar e defender, ideias
e opiniões que respeitem e promovam os direitos humanos e a consciência socioambiental, exercitando a
06
responsabilidade e o protagonismo voltados para o bem comum e a construção de uma sociedade justa,
democrática e inclusiva.

Utilizar as linguagens cartográfica, gráfica e iconográfica e diferentes gêneros textuais e tecnologias digitais
07 de informação e comunicação no desenvolvimento do raciocínio espaço-temporal relacionado à localização,
distância, direção, duração, simultaneidade, sucessão, ritmo e conexão.
Fonte: (BNCC, 2017, p. 355)

4. Competências Gerais Informal, Competência é “formada


da Base Nacional pelo conjunto de habilidade, atitude
Comum Curricular e conhecimento, é a capacidade de
mobilizar conhecimentos, valores e
Qual o significado da palavra com- decisões para agir de modo pertinen-
petência? De acordo com o Dicionário te numa determinada situação”.
A Base Nacional Comum Cur- Preconiza a BNCC que as com-
ricular define um conjunto de 10 petências gerais “explicitam o
competências gerais que devem compromisso da educação brasi-
ser desenvolvidas de forma inte- leira com a formação humana in-
grada ao longo de toda a educa- tegral e com a construção de uma
ção básica. As competências fo- sociedade justa, democrática e
ram definidas a partir dos direitos inclusiva”. Isso está evidenciado
éticos, estéticos e políticos as- no capítulo introdutório da Base,
segurados pelas Diretrizes Cur- que também apresenta os funda-
riculares Nacionais e de conhe- mentos pedagógicos que orientam
cimentos, habilidades, atitudes e todo o documento.
valores essenciais para a vida no O quadro nº 02 mostra as Com-
século 21. petência Gerais da BNCC

Valorizar e utilizar os conhecimentos historicamente construídos sobre o mundo físico, social, cultural e digital
01 para entender e explicar a realidade, continuar aprendendo e colaborar para a construção de uma sociedade justa,
democrática e inclusiva.

Exercitar a curiosidade intelectual e recorrer à abordagem própria das ciências, incluindo a investigação, a reflexão,
02 a análise crítica, a imaginação e a criatividade, para investigar causas, elaborar e testar hipóteses, formular e resol-
ver problemas e criar soluções (inclusive tecnológicas) com base nos conhecimentos das diferentes áreas.

Valorizar e fruir as diversas manifestações artísticas e culturais, das locais às mundiais, e também participar de
03
práticas diversificadas da produção artístico-cultural.

Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visual-motora, como Libras, e escrita), corporal, visual, sonora e digital –,
04 bem como conhecimentos das linguagens artística, matemática e científica, para se expressar e partilhar informações,
experiências, ideias e sentimentos em diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao entendimento mútuo.

Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, refle-
05 xiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares) para se comunicar, acessar e disseminar informa-
ções, produzir conhecimentos, resolver problemas e exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva.

Valorizar a diversidade de saberes e vivências culturais e apropriar-se de conhecimentos e experiências que lhe
06 possibilitem entender as relações próprias do mundo do trabalho e fazer escolhas alinhadas ao exercício da cida-
dania e ao seu projeto de vida, com liberdade, autonomia, consciência crítica e responsabilidade.

Argumentar com base em fatos, dados e informações confiáveis, para formular, negociar e defender ideias, pontos
de vista e decisões comuns que respeitem e promovam os direitos humanos, a consciência socioambiental e o
07
consumo responsável em âmbito local, regional e global, com posicionamento ético em relação ao cuidado de si
mesmo, dos outros e do planeta.

Conhecer-se, apreciar-se e cuidar de sua saúde física e emocional, compreendendo-se na diversidade humana e
08
reconhecendo suas emoções e as dos outros, com autocrítica e capacidade para lidar com elas.

Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fazendo-se respeitar e promovendo o


09 respeito ao outro e aos direitos humanos, com acolhimento e valorização da diversidade de indivíduos e de grupos
sociais, seus saberes, identidades, culturas e potencialidades, sem preconceitos de qualquer natureza.

Agir pessoal e coletivamente com autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação, tomando
10
decisões com base em princípios éticos, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários.
Fonte: (BNCC, 2017, p. 11)
560 - GEOGRAFIA -

5. Concepções De acordo com a BNCC, estu-


históricas e evolução dar Geografia,
do componente
Curricular de é uma oportunidade para compreender
Geografia o mundo em que se vive, na medida
em que esse componente curricular
A Geografia é uma ciência que aborda as ações humanas construídas
estuda o espaço geográfico e suas nas distintas sociedades existentes
composições, analisando a intera- nas diversas regiões do planeta. Ao
ção entre sociedade e natureza. O mesmo tempo, a educação geográfica
estudo da Geografia possibilita aos contribui para a formação do conceito
educandos compreender melhor de identidade, expresso de diferentes
o espaço onde vive e as suas con- formas: na compreensão perceptiva
tradições. Deve possibilitar ainda da paisagem, que ganha significado
condições para que este faça uma à medida que, ao observá-la, nota-
leitura interpretativa, reflexiva e crí- se a vivência dos indivíduos e da
tica do mundo e das relações entre a coletividade; nas relações com os
sociedade e a natureza e, ao mesmo lugares vividos; nos costumes que
tempo, dá condições de compreen- resgatam a nossa memória social; na
der que a sociedade se encontra em identidade cultural; e na consciência de
constante transformação, e que os que somos sujeitos da história, distintos
grandes avanços dos meios de co- uns dos outros e, por isso, convictos das
municação e a intensificação das nossas diferenças.
redes comerciais que aproximam
países fragilizam também fronteiras. Para que os estudantes da Edu-
O conhecimento Geográfico cação Básica adquiram essa visão
abrange o estudo de um povo, de de mundo, eles precisam ser in-
uma civilização sobre um território, centivados e estimulados a pensar
e também a relação entre homem espacialmente, ou seja, precisam
e o meio natural, mediante a ação desenvolver seu raciocínio geográ-
do trabalho tendo como resultado fico. Sobre o pensamento espacial
o espaço geográfico. Assim, a Geo- podemos encontrar no documento
grafia é definida como ciência que da BNCC a seguinte descrição:
estuda as relações entre a socie-
dade e o meio natural, sendo o es- O pensamento espacial está associado
paço geográfico resultado da ação ao desenvolvimento intelectual que
humana ao longo do tempo. integra conhecimentos não somente
da Geografia, mas também de outras
Referencial Curricular de Alagoas - Educação Infantil 561

áreas (como Matemática, Ciência, Arte Geografia. Portanto, o conhecimen-


e Literatura). Essa interação visa à to geográfico atualmente deve res-
resolução de problemas que envolvem ponder as exigências da sociedade
mudanças de escala, orientação contemporânea, possibilitando ao
e direção de objetos localizados educando a aquisição de conheci-
na superfície terrestre, efeitos de mentos mais aprofundados dessa
distância, relações hierárquicas, ciência promovendo-lhe uma for-
tendências à centralização e à mação crítica frente ao mundo.
dispersão, efeitos da proximidade e
vizinhança etc. 6. Conhecendo
os princípios
Sobre o raciocínio Geográfico do Raciocínio
que os estudantes devem ter, o do- Geográfico
cumento aponta que
A palavra raciocínio pode nos
O raciocínio geográfico, uma maneira de remeter, inicialmente, ao termo
exercitar o pensamento espacial, aplica “raciocínio lógico”, entretanto,
determinados princípios para compreender segundo o dicionário, raciocínio é
aspectos fundamentais da realidade: uma operação lógica mental, onde
a localização e a distribuição dos fatos o pensamento humano faz compa-
e fenômenos na superfície terrestre, o rações entre ideias, fatos e aconte-
ordenamento territorial, as conexões cimentos para chegar a respostas
existentes entre componentes físico- e conclusões (https://www.meus-
naturais e as ações antrópicas. dicionarios.com.br/raciocinio).
Assim, as várias definições de
Castrogiovanni (2009) apon- raciocínio, em suas variáveis con-
ta que há muito tempo se fala em tribuem para a compreensão do
trazer o ensino da Geografia para o conceito de raciocínio no âmbito da
cotidiano do estudante. Para isso, Geografia, mobilizando estudiosos
ele propõe uma forma de estudar o a pensar sobre a importância do de-
lugar para compreender o mundo, senvolvimento do raciocínio – espa-
estimulando-se assim, a instigar o cial ou geográfico – nas disciplinas
senso crítico através das mudan- escolares e também para as ações
ças ocorridas no espaço vivido e, da vida cotidiana, como atravessar
assim, passar a observar com mais a rua, decidir qual o melhor meio de
frequência às alterações na paisa- transporte a ser utilizado, calcular o
gem, estabelecendo relações com a caminho mais curto dentre outras.
562 - GEOGRAFIA -

Quadro nº 03 Princípios do Raciocínio Geográfico


PRINCÍPIO DESCRIÇÃO

Um fenômeno geográfico sempre é comparável a outros. A identificação das seme-


ANALOGIA
lhançasentrefenômenosgeográficoséoiníciodacompreensãodaunidadeterrestre.

Umfenômenogeográficonuncaaconteceisoladamente,massempreeminteração
CONEXÃO
com outros fenômenos próximos ou distantes.

É a variação dos fenômenos de interesse da geografia pela superfície terrestre (por


DIFERENCIAÇÃO
exemplo, o clima), resultando na diferença entre áreas.
DISTRIBUIÇÃO Exprime como os objetos se repartem pelo espaço.
EXTENSÃO Espaço finito e contínuo delimitado pela ocorrência do fenômeno geográfico.

Posição particular de um objeto na superfície terrestre. A localização pode ser ab-


LOCALIZAÇÃO
soluta (definida por um sistema de coordenadas geográficas) ou relativa (expressa
por meio de relações espaciais topológicas ou por interações espaciais).

Ordem ou arranjo espacial é o princípio geográfico de maior complexidade. Re-


ORDEM fere-se ao modo de estruturação do espaço de acordo com as regras da própria
sociedade que o produziu
Fonte: FERNANDES, José Alberto Rio; TRIGAL, Lourenzo López; SPÓSITO, Eliseu Savério. Dicionário de Geografia aplicada.
Porto Editora, 2016.

De acordo com a BNCC: Enfatiza o documento que:


Essa é a grande contribuição da Geografia Ao utilizar corretamente os conceitos
aos estudantes da Educação Básica: geográficos, mobilizando o pensamento
desenvolver o pensamento espacial, espacial e aplicando procedimentos
estimulando o raciocínio geográfico de pesquisa e análise das informações
para representar e interpretar o mundo geográficas, os estudantes podem
em permanente transformação e reconhecer: a desigualdade dos usos dos
relacionando componentes da sociedade recursos naturais pela população mundial;
e da natureza. Para tanto, é necessário o impacto da distribuição territorial em
assegurar a apropriação de conceitos disputas geopolíticas; e a desigualdade
para o domínio do conhecimento fatual socioeconômica da população mundial
(com destaque para os acontecimentos em diferentes contextos urbanos e
que podem ser observados e localizados rurais. Desse modo, a aprendizagem da
no tempo e no espaço) e para o exercício Geografia favorece o reconhecimento da
da cidadania (2017, p. 358). diversidade étnico-racial e das diferenças
Referencial Curricular de Alagoas - Educação Infantil 563

dos grupos sociais, com base em Nesse sentido, a BNCC enquan-


princípios éticos (respeito à diversidade to documento norteador do Currí-
e combate ao preconceito e à violência culo em todo país aponta que:
de qualquer natureza). Ela também
estimula a capacidade de empregar é preciso superar a aprendizagem com base
o raciocínio geográfico para pensar e apenas na descrição de informações e fatos do
resolver problemas gerados na vida dia a dia, cujo significado restringe-se apenas
cotidiana, condição fundamental para ao contexto imediato da vida dos sujeitos. A
o desenvolvimento das competências ultrapassagem dessa condição meramente
gerais previstas na BNCC. (2017, p. 359). descritiva exige o domínio de conceitos
e generalizações. Estes permitem novas
Assim, a partir do estudo da formas de ver o mundo e de compreender, de
Geografia o estudante deverá de- maneira ampla e crítica, as múltiplas relações
senvolver vários campos de conhe- que conformam a realidade, de acordo com
cimentos tais como: ter capacida- o aprendizado do conhecimento da ciência
de crítica de argumentar, discorrer geográfica (2017, p.359).
de forma coesa sobre o mundo e
sua sociabilidade, desenvolver boa Desse modo destaca-se o papel
cognição, além de poder intervir de fundamental que tem o professor
forma crítica e consciente no mun- como agente mediador do proces-
do, tudo isso mediante a concep- so de ensino e aprendizagem. Visto
ção a aquisição de conhecimentos que, cabe a ele conhecer de forma
e habilidades adquiridos mediante significativa o aporte teórico e me-
os conhecimentos geográficos. todológico da Geografia que irá em-
Com esse empoderamento eles basar toda a sua prática pedagógica,
podem tornar-se sujeitos capazes atuando perante seus educandos de
de fazer intervenções no espaço forma crítica e construtiva. É preciso
em que vivem, visto que a incor- que ele tenha condições de desen-
poração dos conhecimentos e ha- volver ações organizativas dentro e
bilidades adquiridas desenvolvem fora da sala de aula. Contudo, é pre-
novas qualidades nos sujeitos. Em ciso que a escola esteja preparada
síntese, o que precisa ser trabalha- essa abordagem, e que o professor
do em Geografia no Ensino Funda- passe a assumir o papel de mediador
mental, é a capacidade de desen- do conhecimento, que instigue a re-
volver no estudante um raciocínio lação local/global visando à reflexão
baseado em percepções, e um en- do estudante para com as transfor-
tendimento da realidade espacial. mações do seu espaço de vivência.
564 - GEOGRAFIA -

Neste contexto, Callai aponta 7. Conceitos


que o ensino de Geografia deve,“ler Geográficos
o mundo da vida, ler o espaço e com-
preender que as paisagens que pode- A Geografia, assim como outras
mos ver são resultado da vida em so- ciências, utiliza-se de categorias para
ciedade, dos homens na busca da sua basear os seus estudos. Trata-se da
sobrevivência e da satisfação das suas elaboração e utilização de conceitos
necessidades” (2005, p. 228-229). básicos que orientem o recorte e a
O intuito é fazer com que os análise de um determinado fenô-
estudantes se percebam em seu meno a ser estudado. Os conceitos
cotidiano, na paisagem da sua rua, geográficos são importantes instru-
e nas desigualdades que se apre- mentos de análise do espaço geográ-
sentam nos lugares em que vivem, fico, constituído a partir das relações
e, a partir daí, se posicionem com humanas com a natureza, entre eles
autonomia, criatividade e criticida- podemos citar: espaço, território, lu-
de diante da realidade. gar, região e paisagem.

ESPAÇO
Dentre os conceitos da Geografia, o espaço geográfico é o mais abran-
gente, apresentando-se como “um todo” do qual derivam os demais
conceitos e com o qual eles se relacionam: território, paisagem e lugar. O
Espaço geográfico é um termo utilizado pela Geografia para caracterizar
o lugar onde se realizam as modificações no meio ambiente feitas pelo
homem ao longo da história.
Espaço este que foi transformado pela organização social, técnica e
econômica daqueles que habitaram e habitam diferentes lugares, ou seja,
o espaço geográfico é apropriado de diferentes formas por diferentes
povos em diferentes momentos históricos. Ele também abriga todas as
partes do planeta possíveis de serem analisadas, catalogadas e classifica-
das pelas especialidades da ciência geográfica. Assim para compreender
melhor o espaço geográfico, alguns conceitos são necessários para que
se determine e se defina melhor o meio do qual falamos.
LUGAR
Muitos autores utilizam o termo lugar para se referir à ideia de per-
tencimento (Tuan, 1983; Scarlato, 2005; Oliveira, 2000; Furlan, 2004).
Lugar seria a expressão do espaço vivido, percebido e representado.
Nesta abordagem, a categoria lugar ganha sentido de leitura perceptiva
e de campo simbólico. Uma pessoa vive num local, mas o lugar seria sua
identificação afetiva, a sua ligação e vínculo com a paisagem. Para outros
autores, lugar seria a função que uma localidade exerce no território (San-
tos, 2000). Em síntese, ele é considerado o espaço onde vivemos e cons-
truímos nossa identidade, possibilitando compreender as relações entre
o local e o global.

PAISAGEM
A paisagem pode ser entendida como um conjunto de objetos que
definem arranjos espaciais que combinam diferentes tempos (Santos,
1996). Mas a paisagem pode também adquirir o significado de produto de
experiência vivida e herança da natureza (Ab ´Saber, 2003). Na visão eco-
lógica da paisagem, ela é um conjunto estruturado e funcional de forma
que permitem identificar unidades homogêneas (Monteiro, 2001).

TERRITÓRIO
Diversas áreas do conhecimento utilizam o conceito de território de
acordo à sua própria perspectiva predominante. Por exemplo, a Ciência
Política tende a valorizar a perspectiva ligada às relações de poder, prin-
cipalmente no que diz respeito aos Estados; a Antropologia tende a valo-
rizar aspectos ligados à cultura e ao simbolismo dos povos; a Biologia, os
aspectos naturais, e a Psicologia, as dimensões da construção da identi-
dade do indivíduo.
Mas classicamente ele é conhecido enquanto um espaço delimitado.
Na Geografia, território é o produto da materialidade técnica das so-
ciedades. É também campo de forças políticas onde as ações humanas
constroem as marcas de sua produção e projetam sua cultura. De acordo
com Andrade, “a formação de território dá às pessoas que nele habitam a
consciência de sua participação, provocando o sentido da territorialidade
que, de forma subjetiva, cria a consciência de confraternização entre elas”
(2004, p. 20). Isso significa dizer que, o território é formado por vários in-
divíduos. Sendo o território construído por diferentes tempos e espaços,
a territorialidade pode ser entendida como o processo que marca a cons-
trução cultural, política e econômica dos territórios.
566 - GEOGRAFIA -

REGIÃO
O conceito de região, e o exercício de regionalização faz parte do te-
mário de muitas ciências, como a matemática, a biologia, a geologia e etc.
(GOMES, P. 2012 apud SILVA, J. C. p.41). No senso comum, o termo região
é associado à localização e extensão. No âmbito da Geografia, o uso deste
conceito é mais complexo visto que, trata-se de uma categoria analítica.
Ele surge na Geografia Tradicional, no início do século XX, considerada um
elemento da Geografia Física e, portanto, região natural.
Entretanto, as regiões podem ser criadas para realizar estudos sobre as
características gerais de um território (por exemplo, as regiões brasileiras) ou
para entender determinados aspectos do espaço, (regiões geoeconômicas).

8. Competências tos geográficos são muito impor-


especificas do tantes, ele auxilia os estudantes
componente de a compreenderam a dinâmica do
Geografia para o mundo ao seu redor e lhes dão
Ensino Fundamental condições de agir enquanto cida-
dão para tomada de decisões na
Na Educação Básica, o ensino de construção da melhoria do espaço
Geografia visa formar o estudante no qual estão inseridos.
para se localizar dentro da sua es- Assim, de acordo com o com-
pacialidade, compreender e atuar ponente curricular de Geografia
no mundo complexo, problematizar descrito na BNCC, as competências
a realidade, formular proposições, Específicas devem garantir o desen-
reconhecer as dinâmicas existen- volvimento global dos estudantes a
tes no espaço geográfico pensar e partir de desenvolvimento de com-
atuar criticamente, tendo em vista petências e habilidades. Isso por
a sua transformação. que, ao longo do Ensino Fundamen-
Destarte, o ensino de Geografia tal, os estudantes devem desen-
não se limita apenas as categorias volver determinadas competências
descritas acima, ela busca a com- específicas do componente curricu-
preensão da espacialidade geográ- lar de Geografia, são essas compe-
fica contemporânea, e também a tências que irão garantir o direito de
análise das transformações do es- aprendizagem dos educandos.
paço geográfico em suas diversas Nesse sentido, em articulação
temporalidades. Os conhecimen- com as competências Gerais da
Referencial Curricular de Alagoas - Educação Infantil 567

BNCC, as competências específi- A partir da observação do quadro


cas da área de Ciências Humanas, nº 04, que trata das Competências
aliadas as setes competências es- Específicas do componente Curricu-
pecíficas de Geografia, podemos lar de Geografia, podemos perceber
perceber que há uma lógica dialo- que há um diálogo entre os quadros
gal entre a tríade. 02 (p, 10) e o quadro 03 (p.12).

Utilizar os conhecimentos geográficos para entender a interação sociedade/


01 natureza e exercitar o interesse e o espírito de investigação e de resolução
de problemas.

Estabelecer conexões entre diferentes temas do conhecimento geográfico, reco-


02 nhecendo a importância dos objetos técnicos para a compreensão das formas
como os seres humanos fazem uso dos recursos da natureza ao longo da história.

Desenvolver autonomia e senso crítico para compreensão e aplicação do ra-


ciocínio geográfico, na análise da ocupação humana e produção do espaço,
03
envolvendo os princípios de analogia, conexão, diferenciação, distribuição, ex-
tensão, localização e ordem.

Desenvolver o pensamento espacial, fazendo uso das linguagens cartográficas


04 e iconográficas, de diferentes gêneros textuais e das geotecnologias para a
resolução de problemas que envolvam informações geográficas.

Desenvolver e utilizar processos, práticas e procedimentos de investigação


para compreender o mundo natural, social, econômico, político e o meio téc-
05 nico-científico e informacional, avaliar ações e propor perguntas e soluções
(inclusive tecnológicas) para questões que requerem conhecimentos científi-
cos da Geografia.

Construirargumentoscombaseeminformaçõesgeográficas,debateredefender
06 ideiasepontosdevistaquerespeitemepromovamaconsciênciasocioambiental
e o respeito à biodiversidade e ao outro, sem preconceitos de qualquer natureza.

Agir, pessoal e coletivamente, com respeito, autonomia, responsabilidade, flexi-


07 bilidade,resiliênciaedeterminação,propondoaçõessobreasquestõessocioam-
bientais, com base em princípios éticos, democráticos, sustentáveis e solidários.
Fonte: BNCC, 2017, p. 364
568 - GEOGRAFIA -

9. O Currículo de historicamente produzidos e as


Geografia formas de assimilá-los, portanto,
produção, transmissão e assimilação
Pensar em uma concepção de são processos que compõem uma
currículo, ou em uma nova reformu- metodologia de construção coletiva
lação curricular de Geografia para do conhecimento escolar, ou seja, o
a Educação Básica no Ensino Fun- currículo propriamente dito. (VEIGA,
damental Anos Iniciais e Finais para 2002, p.7).
o Estado de Alagoas, traz para nós
professores uma questão muito A organização do currículo deve
importante a ser enfrentada, o que garantir maior interdisciplinaridade,
é essencial para ser ensinado aos contextualização e transdisciplina-
estudantes de geografia? Que con- ridade de modo a assegurar a livre
teúdos estão sendo acrescidos ou comunicação entre todas as áreas
estão sendo retirados do compo- do conhecimento. O currículo de
nente curricular mediante a luz da Geografia expresso aqui deve con-
BNCC? Por que primar para o ensino ter desde situações corriqueira da
destes Objetos do Conhecimento? vida do estudante, aos mais varia-
Ou então, por que essa forma de co- dos conceitos geográficos distribuí-
nhecimento deve ser privilegiada? dos pelas 5 (cinco) Unidades Temá-
Assim, as habilidades elencadas ticas, de modo a desenvolver nele o
neste documento são instrumen- raciocínio do pensamento geográ-
tos basilares para a aquisição e o fico e o pensamento crítico á sua
desenvolvimento de competências inserção na produção e reprodução
nos educandos. Portanto, é neces- do espaço na sua totalidade.
sário que o professor seja capaz de Nesse sentido, a Geografia
selecioná-los a partir de necessi- pode contribuir para o fortaleci-
dades e particularidades de cada mento da visão de mundo do es-
contexto, relacionando-os à rea- tudante, visto que ela disponibiliza
lidade imediatamente vivenciada instrumentos fundamentais para
pelos educandos. a compreensão e intervenção na
Veiga concebe o currículo como: realidade social, entre eles o es-
paço, que possibilita melhor com-
uma construção social do conhecimento, preensão da dinâmica espacial a
pressupondo a sistematização dos meios exemplo da cidadania, enquanto
para que esta construção se efetive; forma de participação social e po-
a transmissão dos conhecimentos lítica, que poderá desenvolver no
Referencial Curricular de Alagoas - Educação Infantil 569

estudante atitudes como: soli- e escolas que fazem parte da di-


dariedade, cooperação e repúdio versidade dos povos acima men-
as injustiças, entre outros. Desse cionados no sentido de incenti-
modo, a leitura de mundo não fica var a pluralidade e a diversidade
restrita apenas as descrições dos das múltiplas programações cur-
elementos da natureza, mas pode riculares dos projetos históricos
levá-los a perceber e analisar as in- e étnicos dessas comunidades
ter-relações entre os diversos ele- dentro do território alagoano.
mentos e em diversas escalas. Por isso, na construção deste
Sendo importante acrescer ao Referencial, primou por respei-
currículo de Geografia a noção de tar a participação de educadores
pertencimento, visto que na Uni- não-índios, índios, quilombolas e
dade temática “O Sujeito e seu lu- cidadãos do campo, dando-lhes
gar no mundo”, há essa condição, vozes no sentido de legitimar
então preciso que o estudante seja ideais e práticas construídas pe-
estimulado a conhecer a realidade los diversos atores sociais.
local partindo para o global. Para Portanto, é preciso avançar nas
isso, é mister o aprofundamento discussões em torno do currículo
dos conhecimentos sobre as ca- e apresentar uma forma de ressig-
racterísticas do território brasileiro nificação curricular que possa ga-
em todas as suas dimensões (cul- rantir o direito de aprendizagem de
turais, sociais e econômicas), do nossos educandos. Pensar em um
estado de Alagoas, de seu municí- sujeito consciente de seus direitos
pio e de sua localidade. a partir da escolarização pressupõe
Ressalte-se aqui, uma preo- pensar em um currículo que consi-
cupação com a questão da terri- dere fundamentalmente a forma-
torialidade no estado alagoano, ção para a vida, sendo necessário
principalmente com os povos In- enxergar os sujeitos individualmen-
dígenas, Quilombola e os sujeitos te e também como cidadãos per-
que estão inseridos no campo. tencentes a agrupamentos sociais.
Isto porque o Referencial Curri- É preciso que se leve em consi-
cular de Geografia surge dentro deração que valores como a vida, a
de um contexto com os Objetos ética, o respeito, a responsabilida-
do Conhecimento geral e abran- de, o bem comum, a criticidade e
gente. Daí reside nossa preo- outros, indissociáveis da formação
cupação em apontar questões humana, sejam as bases inegociá-
comuns a todos os professores veis desse fazer curricular.
570 - GEOGRAFIA -

9.1 O Currículo rísticas do território, ou seja, está


de Geografia e limitado apenas aos registros de
Alfabetização imagens do espaço vivido, o que o
Cartográfica impossibilita de realizar a opera-
A 4ª Competência Específica do ção elementar de situar localidades
Componente Curricular de Geo- desconhecidas.
grafia menciona que o estudante
deverá “desenvolver o pensamen- 9.2 O Currículo de
to espacial, fazendo uso das lingua- Geografia e as
gens cartográficas e iconográficas, expectativas de
de diferentes gêneros textuais e aprendizagens X
das geotecnologias para a resolu- compromisso com a
ção de problemas que envolvam in- Educação Integral
formações geográficas”. Para isso, Abordar o currículo de Geogra-
a Cartografia deve ser posta como fiaou da estrutura curricular dessa
uma ferramenta para os estudos disciplina requer mais do que sim-
geográficos, cujo conhecimentos plesmente compreender listas de
devem fazer uso da leitura e análise conteúdos a seremm trabalhados
do espaço e da sua organização. pelo professor em sala de aula.
Recomenda a BNCC que, ao Trata-se de compreender tanto as
longo do Ensino Fundamental, os evoluções do pensamento geográ-
estudantes deverão dominar a lei- fico e a influência deste sobre o en-
tura de mapas, gráficos e ao mesmo sino de Geografia, como as trans-
tempo elaborá-los, iniciando, as- formações das diferentes  teorias
sim, sua alfabetização cartográfica. curriculares ao longo do tempo.
A alfabetização cartográfica tem Pensar em currículo para a Geo-
início no ensino fundamental Anos grafia voltada para atender os es-
Iniciais com o desenvolvimento de tudantes da era digital, faz-se ne-
noção de orientação e localização cessário pensar em uma educação
no espaço. Para desenvolver essa voltada para o ser integral, ou seja,
percepção, a BNCC orienta que uma educação integral. Partindo
tomemos como ponto de partida o dessa premissa, a formação inte-
“próprio corpo do estudante”. gral é uma proposta desafiadora
O sujeito que não sabe fazer para toda comunidade escolar, isto
uso de um mapa, não consegue porque cabe a ela preparar o estu-
pensar sobre as várias caracte- dante para enfrentar os desafios,
de forma a contribuir para que este
Referencial Curricular de Alagoas - Educação Infantil 571

desenvolva habilidades e compe- to de caráter normativo que define


tências exigidas no tempo atual e o conjunto orgânico e progressivo
outras para tempos futuros. de aprendizagens essenciais que
E isso nos remete algumas inda- todos os estudantes devem de-
gações como, por exemplo, como a senvolver ao longo das etapas e
escola pode contribuir para a for- modalidades da Educação Básica,
mação dos estudantes mediante de modo que tenham assegurados
essa perspectiva? Como organizar seus direitos de aprendizagem e
as instituições de ensino seja pú- desenvolvimento, em conformi-
blica ou privadas e os professores dade com o que preceitua o Plano
para desenvolverem em seu fazer Nacional de Educação (PNE). Mas
pedagógico a educação integral? como garantir de forma efetiva es-
Partindo desse princípio, faz- sas aprendizagens essenciais aos
-se necessário uma ruptura com as estudantes?
estruturas curriculares que isolam De acordo com a BNCC,
as disciplinas em si e possibilitar
a integração dos conhecimentos No novo cenário mundial, reconhecer-
de forma articulada e dinâmica, in- se em seu contexto histórico e cultural,
corporando as diversas áreas dos comunicar-se, ser criativo, analítico-
componentes curriculares. A pedra crítico, participativo, aberto ao novo,
de toque, nesse caso, reside em colaborativo, resiliente, produtivo e
fazer com que os docentes com- responsável requer muito mais do que
preendam que não há ciência ou o acúmulo de informações (2017, p. 14).
conhecimento que se desenvolva
de forma isolada e independente. Percebe-se que estamos nos
O professor que tem essa percep- referindo a um tipo de educação
ção sabe que ela é o caminho para a que trate o estudante a partir des-
construção de uma nova forma de se viés acima mencionado, assim,
conhecimento. o caminho a ser trilhado será na
perspectiva de uma Educação In-
9.2.1 Aspectos tegral. Portanto, esse documento
Estruturantes em um caminha no sentido de uma Edu-
currículo de Educação cação Integral em todas as áreas
Integral de conhecimento dialogando com
Já foi exposto neste documen- as transdisciplinaridades, interdis-
to que a Base Nacional Comum ciplinaridades, Projetos Didáticos
Curricular (BNCC) é um documen- Pedagógico, Sequências Didáticas,
572 - GEOGRAFIA -

no sentido de garantir o direito de seus anseios e projetos de vida,


aprendizagem nos mais variados como finalidade da educação. (Ins-
campos de conhecimentos e nas tituto Airton Sena, 2015).
relações sociais que acontecem Quando o professor ignora a
cotidianamente no interior da es- educação em sua forma integral,
cola. Ou seja, uma concepção con- conscientemente ou inconsciente-
temporânea de educação integral mente, ele está priorizando deter-
busca superar: a educação centra- minado objeto de conhecimento na
da exclusivamente na dimensão expectativa de que os estudantes
cognitiva e enfatizar a dimensão o absorvam, recorrendo à memo-
socioemocional; a fragmentação rização, modelo que inibe a criati-
das disciplinas isoladas em si mes- vidade, falta de expressão, falta de
mo, e explicitar a relação do co- criticidade e a aquisição do saber
nhecimento aliado a experiência e elaborado.
finalmente superar a abordagem O quadro nº 05 detalha os As-
massificada dos estudantes e pro- pectos Estruturantes em um Currí-
porcionar-lhes a concretização de culo de Educação Integral

A fim de evitar determinismos, antes da construção das


aprendizagens é necessário identificar a quem se destina o
VISÃO DE ESTUDANTE currículo. Quais são suas características, desejos, projetos,
identidade, que tipo de escola querem etc. Promover prota-
gonismo não significa concordância plena com aspirações.

Uma vez conhecida à visão do estudante pode-se selecionar


as competências a serem desenvolvidas, a fim de auxiliá-los
DESENVOLVIMENTO
naconcretizaçãodeseusprojetosdevida.Odesenvolvimento
PLENO (CSE +
pleno não se dá numa estrutura compartimentada, sem co-
COGNITIVAS)
municação entre seus elementos e sem objetivos comparti-
lhados. Não exclui o sujeito reflexivo.

Promover a integração curricular, considerando desenvolvi-


mento socioemocional, requer um expediente que exceda a
INTEGRAÇÃO interdisciplinaridade por meio de temas. Faz-se necessária
CURRICULAR uma estratégia metodológica e, da própria gestão escolar, em
que os aspectos socioemocionais possam ser intencional-
mente desenvolvidos em diferentes tempos e espaços.
Fonte: Instituto Airton Sena
Referencial Curricular de Alagoas - Educação Infantil 573

Portanto, a BNCC, propõe a su- versas atividades propostas, tra-


peração da fragmentação que per- balhando na perspectiva de dar um
meia o conhecimento, o estímulo a significado real as aprendizagens
sua aplicação na vida real dos estu- significativas, nos níveis: cognitivo,
dantes, o protagonismo juvenil, sen- motor, afetivo, moral e social.
do que esses parâmetros são essen- Assim, esse processo de cons-
ciais para sua aprendizagem e para a trução ou (re) construção do
construção de seu projeto de vida. currículo possibilita aos profes-
sores a capacidade de interpre-
10. O papel do educador tar, alterar e proceder à revisão e
no processo adaptação do currículo prescrito,
curricular de acordo com sua realidade. É
importante que o professor leve
O currículo não pode ser consi- em consideração o conhecimen-
derado como algo pronto e acaba- to adquirido pelos educandos no
do, ou ainda estático, e indepen- seu dia a dia, e não unicamente o
dente. O currículo é vivo, ele ganha conhecimento adquirido didatica-
forma na ligação que estabelece mente no ambiente escolar.   Im-
professor/estudante, ambos são portante salientar que o professor
parte integral do currículo. Com- não deve apenas repassar para os
preende-se que ele é um conjunto estudantes os conteúdos prontos
de valores, significados, padrões e acabados, ele deve levar os es-
de vida, fonte de conhecimentos, tudantes a desenvolver o pensa-
visão de mundo, necessárias para mento crítico acerca da realidade
o desenvolvimento tanto pessoal na qual estão inseridos.
como social do sujeito. É notório que o professor as-
Para que se materialize todos sume um papel muito importante
esses conjuntos de valores, o pro- com a implementação da BNCC,
fessor tem um papel determinante isto fica evidenciado nas habilida-
no processo de ensino e aprendi- des socioemocionais que ele deve
zagem, uma vez que depende dele, ter, portanto, é essencial que ele
em grande parte, os modelos como conheça e reflita que tipo de edu-
se idealizam e concretizam os pro- cação socioemocional pretende
cessos educativos, através de sua desenvolver em sua sala de aula,
prática pedagógica. isso é fundamental. A BNCC des-
É na sala de aula que ele dá vida creve as habilidades que se espera
ao currículo, materializando as di- dos estudantes, vejamos:
574 - GEOGRAFIA -

O quadro nº 06 explicita as habilidades que devem ser desenvolvidas


pelos estudantes

HABILIDADES QUE DEVEM SER DESENVOLVIDAS PELOS ESTUDANTES

Resolver problemas, planejar, tomar decisões, estabelecer conclu-


COGNITIVA sões lógicas, investigar e compreender problemas, pensar de for-
ma criativa, fortalecer a memória, classificar e seriar.

Lidar com as emoções, com o ganhar e o perder, aprender com o


EMOCIONAL
erro,desenvolverautoconfiança,autoavaliaçãoeresponsabilidade.

Cooperar e colaborar, lidar com regras, trabalhar em equipe, comu-


SOCIAL nicar-se com clareza e coerência, resolver conflitos, atuar em um
ambiente de competição saudável.

Respeitar, tolerar e viver a diferença, agir positivamente para o bem


ÉTICA
comum.
Fonte: BNCC, 2017, p. 08

Em observância ao quadro acima abordagem dos conteúdos com a


podemos fazer a seguinte indagação, avaliação (CAVALCANTI, 1998).
será que um professor que não tem Nesse sentido, é preciso pro-
essa percepção, terá condições de piciar a esse profissional formação
trabalhar com tais habilidades com continuada. Formação esta que
os estudantes? O professor é o elo retirar-lhe, o possibilite trilhar por
importante nesse processo. Cabe a esse caminho, que o permita traba-
ele, de acordo com sua percepção, lhar com situações nas quais possa
adaptar o currículo prescrito, apre- mobilizar os seus próprios valores,
sentando uma nova ressignificação habilidades e competências so-
para os seus educandos. Portanto, cioemocionais.
o processo de apropriação e cons-
trução dos conceitos fundamentais 11. O papel do
do conhecimento geográfico se dá estudante no
a partir da intervenção intencional processo curricular
própria do ato docente, median- A escola tem um papel deci-
te um planejamento que articule a sivo na formação do estudante,
Referencial Curricular de Alagoas - Educação Infantil 575

ela deve propiciar uma formação dados de forma contextualizada,


que seja capaz de estimular o de- ou seja, além de relacioná-los à
senvolvimento das habilidades e realidade vivida do estudante, é
competências. É preciso levá-los preciso situá-los no contexto his-
a aperfeiçoar as próprias caracte- tórico, nas relações políticas, so-
rísticas e descobrir recursos para ciais, econômicas, culturais e em
lidar com suas dificuldades e/ou manifestações espaciais concre-
inabilidades.  O currículo voltado tas, utilizando diversas escalas
para a construção de um sujeito geográficas.
autônomo deve considerar: os co-
nhecimentos prévios; a formação 12. Organização
integral; as habilidades e compe- Curricular do
tências; capacidade de superação, Componente de
e as competências socioemocio- Geografia/nos
nais e cognitivas dos educandos. Iniciais e Finais
O currículo escolar precisa ser
elaborado a partir do seu Projeto Para dar conta desse desafio
Político Pedagógico, e nele deverá que é (re) organizar o Componen-
está expresso, de forma clara, uma te Curricular de Geografia de Ala-
proposta educativa que orientará goas, tomou-se como referência a
o trabalho pedagógico no dia a dia BNCC, desse modo, estruturou-se
da escola, dos trabalhos realizados, o componente curricular de Geo-
principalmente na sala de aula com grafia em 5 Unidades Temáticas
os estudantes. Isto significa dizer (O sujeito e seu lugar no mundo;
que, o currículo escolar vai muito Conexões e escalas; Mundo do tra-
além do simples rol de disciplinas e balho; Formas de representação e
conteúdos programáticos a serem pensamento espacial e Natureza,
cumpridos em determinada carga ambientes e qualidade de vida),
horária ou de uma matriz curricular. que se estendem desde o Ensino
O ensino da Geografia deve Fundamental Anos Iniciais até os
possibilitar ao estudante a com- Anos Finais, em uma progressão
preensão do mundo em que vive das habilidades distribuídas des-
tornando-lhe em um agente de de o 1º ano até o 9º ano. Vejamos
transformação social. Dessa forma como estão distribuídas as Unida-
os conteúdos precisam ser abor- des Temáticas:
Quadro nº 08 O sujeito e seu lugar no mundo
OBSERVAÇÃO Nesta Unidade focalizam-se as noções de pertencimento e identidade dos sujeitos.

Busca-se ampliar as experiências com o espaço e o tempo vivenciadas pelas crianças em jogos e brin-
cadeiras na Educação Infantil, por meio do aprofundamento de seu conhecimento sobre si mesmas e
de sua comunidade, valorizando-se os contextos mais próximos da vida cotidiana. Espera-se que as
ENSINO
crianças percebam e compreendam a dinâmica de suas relações sociais e étnico-raciais, identificando-
FUNDAMENTAL
-se com a sua comunidade e respeitando os diferentes contextos socioculturais. Ao tratar do conceito
Anos Iniciais
de espaço, estimula-se o desenvolvimento das relações espaciais topológicas, projetivas e euclidianas,
além do raciocínio geográfico, importantes para o processo de alfabetização cartográfica e a apren-
dizagem com as várias linguagens (formas de representação e pensamento espacial) (BNCC, p.361).

Procura-se expandir o olhar para a relação do sujeito com contextos mais amplos, considerando temas
políticos, econômicos e culturais do Brasil e do mundo. Dessa forma, o estudo da Geografia constitui-
ENSINO
-se em uma busca do lugar de cada indivíduo no mundo, valorizando a sua individualidade e, ao mes-
FUNDAMENTAL
mo tempo, situando-o em uma categoria mais ampla de sujeito social: a de cidadão ativo, democrático
Anos Finais
e solidário. Enfim, cidadãos produtos de sociedades localizadas em determinado tempo e espaço,
mas também produtores dessas mesmas sociedades, com sua cultura e suas normas. (BNCC, p.361)

Fonte: BNCC, 2017.


Quadro nº 09 Conexões e Escala
A conexão é um princípio da Geografia que estimula a compreensão do que ocorre entre os componentes
OBSERVAÇÃO da sociedade e do meio físico natural. Conexões e escalas explicam os arranjos das paisagens, a localização
e a distribuição de diferentes fenômenos e objetos técnicos, por exemplo. (BNCC, p. 362).

ENSINO
FUNDAMENTAL Anos Iniciais, as crianças compreendem e estabelecem as interações entre sociedade e meio físico natural.
Anos Iniciais

ENSINO No decorrer desse processo, os estudantes devem aprender a considerar as escalas de tempo e as perio-
FUNDAMENTAL dizações históricas, importantes para a compreensão da produção do espaço geográfico em diferentes
Anos Finais sociedades e épocas. (BNCC, p. 362).

Fonte: BNCC, 2017.


Quadro nº 10 Mundo do Trabalho
OBSERVAÇÃO São abordado nessa Unidade Temática as questões inerentes ao mundo do trabalho e a sociedade.

Anos Iniciais abordam-se os processos e as técnicas construtivas e o uso de diferentes materiais


ENSINO
produzidos pelas sociedades em diversos tempos. São igualmente abordadas as características das
FUNDAMENTAL
inúmeras atividades e suas funções socioeconômicas nos setores da economia e os processos produ-
Anos Iniciais
tivos agroindustriais, expressos em distintas cadeias produtivas (BNCC, p. 363).

Essa unidade temática ganha relevância: incorpora-se o processo de produção do espaço agrário e
industrial em sua relação entre campo e idade, destacando-se as alterações provocadas pelas novas
tecnologias no setor produtivo, fator desencadeador de mudanças substanciais nas relações de traba-
ENSINO
lho, na geração de emprego e na distribuição de renda em diferentes escalas. A Revolução Industrial,
FUNDAMENTAL
a revolução técnico-científico-informacional e a urbanização devem ser associadas às alterações no
Anos Finais
mundo do trabalho. Nesse sentido, os estudantes terão condição de compreender as mudanças que
ocorreram no mundo do trabalho em variados tempos, escalas e processos históricos, sociais e étni-
co-raciais, (BNCC, p. 363).

Fonte: BNCC, 2017.


Quadro nº 11 Formas de Representação e Pensamento Espacial
Espera-se que, no decorrer do Ensino Fundamental, os estudantes tenham domínio da
leitura e elaboração de mapas e gráficos, iniciando- -se na alfabetização cartográfica.
Fotografias, mapas, esquemas, desenhos, imagens de satélites, audiovisuais, gráficos,
entre alternativas, são frequentemente utilizados no componente curricular. Quanto
OBSERVAÇÃO mais diversificado for o trabalho com linguagens, maior o repertório construído pelos
estudantes, ampliando a produção de sentidos na leitura de mundo. Compreender as
particularidades de cada linguagem, em suas potencialidades e em suas limitações,
conduz ao reconhecimento dos produtos dessas linguagens não como verdades, mas
como possibilidades. (2017, P. 361).

Os estudantes começam, por meio do exercício da localização geográfica, a desen-


ENSINO
volver o pensamento espacial, que gradativamente passa a envolver outros princípios
FUNDAMENTAL
metodológicos do raciocínio geográfico, como os de localização, extensão correlação,
Anos Iniciais
diferenciação e analogia espacial (2017, P. 361).

Espera-se que os estudantes consigam ler, comparar e elaborar diversos tipos de


mapas temáticos, assim como as mais diferentes representações utilizadas como
ENSINO
ferramentas da análise espacial. Essa, aliás, deve ser uma preocupação norteadora
FUNDAMENTAL
do trabalho com mapas em Geografia. Eles devem, sempre que possível, servir de
Anos Finais
suporte para o repertório que faz parte do raciocínio geográfico, fugindo do ensino do
mapa pelo mapa, como fim em si mesmo (2017, P. 361).

Fonte: BNCC, 2017.

Quadro nº 12 Natureza, Ambientes e Qualidade de Vida


Busca-se a unidade articular Geografia física e Geografia humana, com destaque para
a discussão dos processos físico-naturais do planeta Terra. Em todas essas unidades,
destacam-se aspectos relacionados ao exercício da cidadania e à aplicação de conhe-
OBSERVAÇÃO cimentos da Geografia diante de situações e problemas da vida cotidiana, tais como:
estabelecer regras de convivência na escola e na comunidade; discutir propostas de
ampliação de espaços públicos; e propor ações de intervenção na realidade, tudo
visando à melhoria da coletividade e do bem comum.

As crianças devem ser desafiadas a reconhecer e comparar as realidades de diversos


ENSINO
lugares de vivência, assim como suas semelhanças e diferenças socioespaciais, e
FUNDAMENTAL
a identificar a presença ou ausência de equipamentos públicos e serviços básicos
Anos Iniciais
essenciais (como transporte, segurança, saúde e educação). (2017, P.362).

Essas noções ganham dimensões conceituais mais complexas, de modo a levar os


estudantes a estabelecer relações mais elaboradas, conjugando natureza, ambiente e
atividades antrópicas em distintas escalas e dimensões socioeconômicas e políticas.
ENSINO Dessa maneira, torna-se possível a eles conhecer os fundamentos naturais do planeta
FUNDAMENTAL e as transformações impostas pelas atividades humanas na dinâmica físico-natural,
Anos Finais inclusive no contexto urbano e rural. Espera-se que os educandos compreendam os
processos que resultaram na desigualdade social, assumindo a responsabilidade de
transformaçãodaatualrealidade,fundamentandosuasaçõesemprincípiosdemocrá-
ticos, solidários e de justiça. (2017, P.363).

Fonte: BNCC, 2017.



578 - GEOGRAFIA -

Nas Unidades temáticas, na so de assegurar aos educandos o


proporção em que os estudantes desenvolvimento das competên-
formulam perguntas sobre o que cias relacionadas à alfabetização
se observam espacialmente, cabe na perspectiva do letramento. A
aos professores dar suporte em respeito dessa progressividade a
relação aos conteúdos, conceitos e BNCC estabelece que
as categorias geográficas, os cha-
mados “Objetos dos Conhecimen- A transição entre essas duas etapas
tos”. Em particular a BNCC, prima da Educação Básica requer muita
que os objetos do conhecimento atenção, para que haja equilíbrio
sejam direcionados as “aprendi- entre as mudanças introduzidas,
zagens essenciais que devem ser garantindo integração e continuidade
asseguradas aos estudantes, de dos processos de aprendizagens
modo que, o “que ensinar” esteja das crianças, respeitando suas
relacionado ao “por que ensinar“? singularidades e as diferentes
relações que elas estabelecem com os
13. Transição entre conhecimentos, assim como a natureza
etapas das mediações de cada etapa. Torna-
se necessário estabelecer estratégias
A progressividade não está de acolhimento e adaptação tanto para
expressa apenas no Ensino Fun- as crianças quanto para os docentes,
damental, ela tem início com a de modo que a nova etapa se construa
Educação Infantil, visando garantir com base no que a criança sabe e é
o direito de ampliação de conheci- capaz de fazer, em uma perspectiva de
mento do educando. Ao ingressar continuidade de seu percurso educativo
no Ensino Fundamental, nos Anos (2017, p.51).
Iniciais, as crianças vivenciam a
transição de uma orientação cur- O documento faz menção
ricular estruturada por campos de também a forma de acolhimento
experiências da Educação Infantil, destinado a esse público, nes-
em que as interações e as brin- sa fase de adaptação por qual irá
cadeiras norteiam o processo de passar a criança. Esse acolhimen-
aprendizagem e desenvolvimento, to deve acontecer levando em
para uma organização curricular consideração o conhecimento
estruturada por áreas de conheci- prévio do estudante, na perspec-
mento e componentes curricula- tiva de haver continuidade em seu
res, tendo em vista o compromis- percurso educativo.
Referencial Curricular de Alagoas - Educação Infantil 579

Portanto, uma educação que do Ensino Fundamental adequado


visa preparar o estudante para ser às especificidades dos diferentes
autônomo, conhecedor de seu pa- componentes curriculares. Cada
pel diante do mundo em que vive, unidade temática contempla uma
perpassa por várias mudanças e em gama maior ou menor números
quebra de paradigmas entre eles a de objetos de conhecimento, assim
construção de um currículo que não como cada objeto de conhecimen-
seja engessado, que tenha condi- to se relaciona a um número va-
ções de oferecer-lhe o desenvol- riável de habilidades, (BNCC, p.28
vimento de habilidades e compe- 2017).
tências, que uma vez apreendido No contexto da aprendizagem
tenham condições de desenvolver do Ensino Fundamental – Anos
autonomia na resolução de proble- Iniciais, será necessário conside-
mas de ordem geográfica. rar o que as crianças aprenderam
Para que os estudantes supe- na Educação Infantil. O estudo da
rem com sucesso os desafios da Geografia permite atribuir sen-
transição, é indispensável um equi- tidos às dinâmicas das  relações
líbrio entre as mudanças introdu- entre pessoas e grupos sociais, e
zidas, a continuidade das aprendi- desses com a natureza,  nas ativi-
zagens e o acolhimento afetivo, de dades de trabalho e lazer.
modo que a nova etapa se construa É importante, na faixa etária as-
com base no que os educandos sa- sociada a essa fase do Ensino Fun-
bem e são capazes de fazer, evitan- damental, o desenvolvimento  da
do a fragmentação e a descontinui- capacidade de leitura por meio de
dade do trabalho pedagógico. fotos, desenhos, plantas, maque-
tes e as mais diversas represen-
14. Objetos do tações cartográficas. Nessa fase,
Conhecimento é fundamental que os estudantes
aplicado ao Ensino consigam saber e responder algu-
Fundamental Anos mas questões a respeito de si, das
Iniciais pessoas e dos objetos como:

Respeitando as muitas possi- 1. Onde se localiza?


bilidades de organização do co- É uma indagação que os leva a
nhecimento escolar, as unidades mobilizar o pensamento espacial e
temáticas definem um arranjo dos as informações geográficas para in-
objetos de conhecimento ao longo terpretar as paisagens e compreen-
580 - GEOGRAFIA -

der os fenômenos socioespaciais, mentos geográficos. Mas o apren-


tendo na alfabetização cartográfica dizado não deve ficar restrito
um importante encaminhamento. apenas aos lugares de vivência.
Outros conceitos articuladores,
2. Por que se localiza? como paisagem, região e territó-
Permite a orientação e a apli- rio vão se integrando e ampliando
cação do pensamento espacial em as escalas de análise.
diferentes lugares e escalas de Estas aprendizagens servem
análise. Como se distribui? É uma de base para o desenvolvimen-
pergunta que remete ao princípio to de atitudes, procedimentos
geográfico de diferenciação espa- e elaborações conceituais que
cial, que estimula os educandos a potencializam a construção das
entender o ordenamento territorial identidades e a participação em
e a paisagem, estabelecendo rela- diferentes grupos sociais.
ções entre os conceitos principais
da Geografia. 15. Objetos do
Conhecimento
3. Quais são as características aplicado ao Ensino
socioespaciais? Fundamental Anos
Permite que reconheçam a di- Finais
nâmica da natureza e a interferên-
cia humana na superfície terrestre, Para o Ensino Fundamental Anos
conhecendo os lugares e estabele- Finais, nessa fase pretende-se ga-
cendo conexões entre eles, sejam rantir a continuidade e a progressão
locais, regionais ou mundiais, além das aprendizagens do Ensino Fun-
de contribuir para a percepção das damental – Anos Iniciais em níveis
temáticas ambientais. Ênfase nos crescentes de complexidade da
lugares de vivência, dada no En- compreensão conceitual a respei-
sino Fundamental – Anos Iniciais, to da produção do espaço. Assim,
oportuniza o desenvolvimento de faz-se necessário que o educan-
noções de pertencimento, locali- do tenha garantindo a ampliação
zação, orientação e organização de seus conhecimentos sobre o
das experiências e vivências em di- espaço geográfico em diferentes
ferentes locais. concepções geográficas. Para isso
é preciso que eles compreendam a
Essas noções são fundamen- transformação do espaço, e como
tais para o trato com os conheci- se deu essa transformação ao longo
Referencial Curricular de Alagoas - Educação Infantil 581

dos anos, levando em consideração Objetos de


as desigualdades sociais. Conhecimentos no 7º ano
De modo que os Objetos do Os objetos de conhecimento
Conhecimento nos Anos Finais na abordados partem da formação
BNCC encontra-se disposto da se- territorial do Brasil, sua dinâmica
guinte forma: sociocultural, econômica e política.
Objetiva-se o aprofundamento e a
Objetos de compreensão dos conceitos de Es-
Conhecimentos no 6º ano tado-nação e formação territorial, e
Propõe-se a retomada da iden- também dos que envolvem a dinâ-
tidade sociocultural, do reconheci- mica físico-natural, sempre articu-
mento dos lugares de vivência e da lados às ações humanas no uso do
necessidade do estudo sobre os di- território. Espera-se que os estu-
ferentes e desiguais usos do espaço, dantes compreendam e relacionem
para uma tomada de consciência so- as possíveis conexões existentes
bre a escala da interferência humana entre os componentes físico-natu-
no planeta. Aborda-se também o rais e as múltiplas escalas de análise,
desenvolvimento de conceitos es- como também entendam o proces-
truturantes do meio físico natural, so socioespacial da formação terri-
com destaque para as relações entre torial do Brasil e analisem as trans-
os fenômenos no decorrer dos tem- formações no federalismo brasileiro
pos da natureza e as profundas alte- e os usos desiguais do território e
rações ocorridas no tempo social. suas contradições.
Compreender os conceitos Nesse contexto, as discussões
de paisagem e a transformação é relativas à formação territorial
essencial aos educandos dos 6º contribuem para a aprendizagem
anos para que eles possam fazer a respeito da formação da Améri-
inferências nas diversas formas de ca Latina, em especial da América
ocupação espacial em diferentes portuguesa, que são apresentadas
momentos históricos, e que dessa no contexto do estudo da Geografia
ocupação resulta vários conflitos brasileira. Ressalta-se que o concei-
ao longo da história dos homens. O to de região faz parte das situações
Objeto do Conhecimento está as- geográficas que necessitam ser de-
sentando também no processo de senvolvidas para o entendimento da
evolução dos seres humanos. formação territorial brasileira.


582 - GEOGRAFIA -

Objetos de tos de pequenas e grandes magni-


Conhecimentos no 8º ano tudes, como terremotos, tsunamis e
O objeto de Conhecimento nes- desmoronamentos devidos a chuvas
se ano faz uma análise mais profunda intensas e falta da cobertura vegetal.
dos conceitos de território e região,
por meio dos estudos da América e Objetos de
da África. Pretende-se, com as pos- Conhecimentos no 9º ano
síveis análises, que os estudantes Para o último ano do Ensino Fun-
possam compreender a formação damental, os Objetos do Conheci-
dos Estados Nacionais e as implica- mento estão voltados para a consti-
ções na ocupação e nos usos do ter- tuição da nova (des) ordem mundial
ritório americano e africano. e a emergência da globalização/
As relações entre como ocorre- mundialização, assim como suas
ram às ocupações e as formações consequências. Por conta do estu-
territoriais dos países podem ser do do papel da Europa na dinâmica
analisadas por meio de compara- econômica e política, é necessário
ções, por exemplo, de países africa- abordar a visão de mundo do ponto
nos com países latino-americanos, de vista do Ocidente, especialmen-
inserindo, nesse contexto, o pro- te dos países europeus, desde a ex-
cesso socioeconômico brasileiro. pansão marítima e comercial, con-
Destaca-se também a relevância solidando o Sistema Colonial em
do estudo da América do Norte, diferentes regiões do mundo.
com ênfase no papel dos Estados É igualmente importante abor-
Unidos da América na economia do dar outros pontos de vista, seja o
pós-guerra e em sua participação dos países asiáticos na sua relação
na geopolítica mundial na contem- com o Ocidente, seja dos coloni-
poraneidade, pode-se abordar tam- zados, com destaque para o papel
bém a questão do Imperialismo. econômico e cultural da China, do
Nos estudos regionais, sejam da Japão, da Índia e do Oriente Médio.
América, sejam da África, as infor- Entender a dimensão sociocultural
mações geográficas são fundamen- e geopolítica da Eurásia na formação
tais para analisar geoespacialmente e constituição do Estado Moderno e
os dados econômicos, culturais e so- nas disputas territoriais possibilita
cioambientais – tais como GINI, IDH, uma aprendizagem com ênfase no
saneamento básico, moradia, entre processo geo-histórico, ampliando
outros –, comparando-os com even- e aprofundando as análises geopo-
Referencial Curricular de Alagoas - Educação Infantil 583

líticas, por meio das situações geo- direitos com equidade, valorizan-
gráficas que contextualizam os te- do a identidade do povo alagoano
mas da geografia regional. e suas especificidades, garantindo
Destarte, espera-se, que os a democratização do acesso, per-
Objetos do Conhecimento alia- manência e sucesso, na busca pela
do às habilidades e as competên- melhoria da qualidade de vida e su-
cias possibilitem aos educandos peração das desigualdades sociais.
a condução de uma autonomia in- Nesse viés, é necessário com-
telectual e critica necessária para preender o complexo processo
compreender o espaço no qual ele de construção social e cultural de
está inserido e sua complexidade, identidades e subjetividades que
para que de forma consciente pos- permeiam o território alagoano,
sa fazer inferência a respeito dessa entretanto, a pesar de ser a segun-
complexidade. da menor unidade da federação, o
Estado de Alagoas conta com al-
16. Apresentando gumas comunidades que precisam
o Organizador ser retratadas nesse documento
Curricular de como: indígenas, quilombola, co-
Geografia munidades do campo, ribeirinhos
e ciganos. Assim, devemos ter um
O Organizador Curricular de olhar especial para essas comuni-
Geografia aqui proposto, tem a fina- dades, respeitadas suas especifici-
lidade de auxiliar os professores no dades e diversidades culturais.
planejamento de suas aulas, na aná- Deve-se também levar em con-
lise e seleção de materiais didáticos sideração a diversidade dos sujei-
e recursos tecnológicos que possi- tos e sua identidade pluricultural,
bilite aos estudantes relacionar os pluriétnica e plurirreligiosa presen-
conceitos específicos da Geografia te na realidade territorial (urbana e
com o conhecimento produzido a rural) de crianças, adolescentes, jo-
sua volta, em especial, que possa vens, adultos e idosos, consideran-
contribuir para a formação de um do os aspectos históricos, sociais,
cidadão crítico e reflexivo. econômicos, políticos, culturais,
De acordo com o Plano Estadual religiosos, ambientais, de diversi-
de Educação de Alagoas – PEE, é dade sexual e de gênero, e etnia.
imperativo e ético desenvolver uma Assim, ao se considerar com-
educação pautada na igualdade de petências como sendo os conhe-
584 - GEOGRAFIA -

cimentos, habilidades e atitudes gógicos estão atrelados às habili-


que os educandos devem adquirir dades a serem desenvolvidas pelos
ao longo da educação básica, bus- educandos e esta, por sua vez, está
cou-se para auxiliar o trabalho do ligada aos objetos de conhecimen-
professor e o seu fazer pedagógico, tos estabelecidos na BNCC.
acrescentar aqui, nesse documen- Cabe ressaltar que as Habili-
to, uma coluna intitulada de “Des- dades expressam as aprendiza-
dobramentos Didático Pedagógico” gens essenciais que devem ser
– DesDP, por entender que esse ins- garantidas aos estudantes. Assim
trumento possibilita ao professor os modificadores devem ser en-
um olhar específico para o compo- tendidos como a explicitação de
nente Curricular de Geografia, além uma situação ou condição em que
do mais, apresenta várias possibili- cada habilidade deve ser desen-
dades didáticas de apoio à prática volvida, considerando a faixa etá-
docente em sala de aula, e, ao mes- ria dos educandos. Importante
mo tempo, possibilita uma visão salientar que os Desdobramentos
pedagógica voltada para o território Didático-Pedagógicos não des-
alagoano e suas particularidades. crevem ações ou condutas espe-
Portanto, cabe ressaltar que as radas do professor, nem induzem
sugestões expressas neste docu- à opção por abordagens ou meto-
mento não engessam em nada o dologias. Essas escolhas estão no
trabalho dos professores de Geo- âmbito dos currículos e dos pro-
grafia, ela apenas sugere ativida- jetos pedagógicos, que, como já
des diversificadas ligadas aos Ob- mencionado, devem ser adequa-
jetos dos Conhecimentos, fazendo dos à realidade de cada sistema
uma ligação em certo momentos ou rede de ensino e a cada insti-
entre esses objetos, partindo do tuição de ensino.
todo, para o regional ou local do Observemos como se apresen-
Estado de Alagoas. Ou seja, os ta as Habilidades de Geografia den-
Desdobramentos Didático-Peda- tro de seu Organizador Curricular:
Referencial Curricular de Alagoas - Educação Infantil 585

O primeiro par de letras indica a


etapa de Ensino Fundamental GE67EF01 O último par de números indica a
posição da habilidade na
numeração sequencial do ano
O primeiro par de números ou do bloco de anos
indica o ano (01 a 09) a que
se refere a habilidade, ou, no caso O segundo par de letras
de Língua Portuguesa, Arte e indica o componente curricular
Educação Física, o bloco de anos,
como segue: AR = Arte
CI = Ciências
Língua Portuguesa / Arte EF = Educação Física
15 = 1o ao 5o ano ER = Ensino Religioso
69 = 6o ao 9o ano GE = Geografia
Língua Portuguesa / Educação Física HI = História
15 = 1o e 2o ano LI = Língua Inglesa
35 = 3o ao 5o ano LP = Língua Portuguesa
67 = 6o e 7o ano MA = Matemática
89 = 8o e 9o ano
Fonte:BNCC,2017.

Além dos códigos alfas numé- cada ano (ou bloco de anos), pode
ricos, o Organizador Curricular de tanto estar relacionada aos pro-
Geografia apresenta também as cessos cognitivos em jogo – sendo
unidades temáticas, os objetos de expressa por verbos que indicam
conhecimento e as habilidades de- processos cada vez mais ativos ou
finidas para cada ano (ou bloco de exigentes – quanto aos objetos de
anos). Vale destacar que o uso de conhecimento – que podem apre-
numeração sequencial para iden- sentar crescente sofisticação ou
tificar as habilidades de cada ano complexidade –, ou, ainda, aos mo-
ou bloco de ano não representa dificadores – que, por exemplo, po-
uma ordem esperada das aprendi- dem fazer referência a contextos
zagens no âmbito daquele ano ou mais familiares aos educandos e,
bloco de anos. aos poucos, expandir-se para con-
A progressão das aprendiza- textos mais amplos.
gens, que se explicita na compa- Também é preciso enfatizar
ração entre os quadros relativos a que os critérios de organização
586 - GEOGRAFIA -

das habilidades descritas nesse ao DesDP na hora de elaborar seu


organizador (com a explicitação plano de aula isto por que é muito
dos objetos de conhecimento aos importante que o educando co-
quais se relacionam e do agru- nheça os aspectos, geográficos,
pamento desses objetos em uni- sociais, econômicos e culturais
dades temáticas) expressam um do território alagoano e que, aci-
arranjo possível(dentre outros). ma de tudo, tenha condições de
Importante esclarecer que os ob- observar, analisar e interferir de
jetos de conhecimento do compo- forma crítica nas questões locais
nente curricular de Geografia que mediante uma postura cidadã.
tratam da questão do território Posto isso, vejamos como está
alagoano encontram-se diluído de disposto o organizador curricular
acordo com as unidades temáticas de Geografia Anos Iniciais e Finais
de cada ano. Assim, é importante do Estado de Alagoas, conforme
que o professor (a) fique atento exposto nos quadros a seguir.
QUADRO
ORGANIZADOR
CURRICULAR
Anos Iniciais - Organizador Curricular | 1º Ano
Conhecimento
Objeto De
Temática

Habilidades Desdp - Desdobramentos Didáticos Pedagógicos


Unidade

Descrever as características dos espaços de mo-


O modo de vida das crianças em

(EF01GE01) Descrever caracterís-


radia e vivência em diferentes ambientes locais
ticas observadas de seus lugares
(apartamento, casas entre o campo e a cidade).
de vivência (moradia, escola etc.) e
Investigar as fontes de recursos naturais locais
identificar semelhanças e diferen-
dos materiais usados nas construções (noção de
ças entre esses lugares.
matéria prima);
diferentes lugares

(EF01GE02) Identificar semelhan-


ças e diferenças entre jogos e Valorizar o saber local na produção de objetos na
brincadeiras de diferentes épocas construção de brinquedos.
e lugares.
O SUJEITO E SEU LUGAR NO MUNDO

(EF01GE03) Identificar e relatar


Identificar e nomear os diferentes usos dos espa-
semelhanças e diferenças de
ços de vivência (casa residencial, escola, espaço
Situações de convívio em

usos do espaço público (praças,


público/privado, bairro de uso coletivo, comércio,
parques) para o lazer e diferentes
praça, rua etc.).
manifestações.
diferentes lugares

(EF01GE04) Discutir e elaborar, Elaborar regras de convívio para ser usado em


coletivamente, regras de convívio sala de aula;
em diferentes espaços (sala de Relatar como se dão as regras de convívio em
aula, escola etc.). casa.
Ciclos naturais e a vida
CONEXÕES E ESCALAS

Comparar e registrar as características do dia de


(EF01GE05) Observar e descrever
hoje com o de ontem, por exemplo, no que diz
ritmos naturais (dia e noite, varia-
respeito à temperatura, claridade, umidade, auxilia
ção de temperatura e umidade etc.)
o estudante a compreender a temporalidade dos
em diferentes escalas espaciais
acontecimentos.
cotidiana

e temporais, comparando a sua


Observar através de infográficos a percepção do
realidade com outras.
tempo (dia, noite, calor e frio).
Diferentes tipos de trabalho existentes no seu dia a dia (EF01GE06) Descrever e comparar
diferentes tipos de moradia ou ob-
Identificar tipos de trabalhos e profissões e sua
jetos de uso cotidiano (brinquedos,
representação em diferentes materiais (folders,
roupas, mobiliários), considerando
livros, fotos na internet etc.);
técnicas e materiais utilizados em
sua produção.

Apoiar o estudante em investigação sobre os


materiais usados em construções e suas origens
por meio de seleção e observação de figuras,
MUNDO DO TRABALHO

passeios nas proximidades da escola fazendo


(EF01GE07) Descrever atividades perguntas e objetos (escolher um objeto acessível
de trabalho relacionadas com o dia na região, como, exemplo tijolos ou barro, palha
a dia da sua comunidade. de coqueiros);
Pesquisar formas de trabalho na construção de
moradias (ouvindo narrativas de construtores,
pessoas que construíram suas próprias casas
etc.);

(EF01GE08) Criar mapas mentais e Mostrar representações das construções feitas


desenhos com base em itinerários, por diferentes povos indígenas, quilombolas e
FORMAS DE REPRESENTAÇÃO E

contos literários, histórias inventa- ribeirinhos de Alagoas, do Nordeste e do Brasil e


das e brincadeiras. conversar sobre as diferenças e semelhanças;
PENSAMENTO ESPACIAL

Pontos de referências

(EF01GE09) Elaborar e utilizar


Criar situações onde as crianças possam parti-
mapas simples para localizar
cipar em conversas coletivas sobre os tipos de
elementos do local de vivência,
moradias do entorno da escola, quanto à forma,
considerando referenciais espaciais
tamanho e materiais, para produzir desenhos a
(frente e atrás, esquerda e direita,
partir da apreciação das fachadas (desenho de
em cima e embaixo, dentro e fora)
posição lateral).
e tendo o corpo como referência.

Observar e descrever como os lugares e sujeitos


Condições de vida nos lugares de

(EF01GE10) Descrever caracterís-


NATUREZA, AMBIENTES E QUA-

se comportam diante da chuva, do sol ou outras


ticas de seus lugares de vivência
manifestações naturais (por exemplo, com per-
relacionadas aos ritmos da natureza
guntas como: Quando está chovendo as brincadei-
(chuva, vento, calor etc.).
ras são no pátio coberto ou aberto.
LIDADE DE VIDA

(EF01GE11) Associar mudanças de


vestuário e hábitos alimentares em Criar um painel com as diferenças das condições
sua comunidade ao longo do ano, naturais e a sua interferência do vestuário e ali-
vivência

decorrentes da variação de tempe- mentação no cotidiano.


ratura e umidade no ambiente.
Anos Iniciais - Organizador Curricular | 2º Ano
Temática
Unidade

Objeto De Desdp - Desdobramentos Didáticos


Habilidades
Conhecimento Pedagógicos

Comparar os modos de vida dos grupos so-


ciais distintos, relacionando a diferença entre
(EF02GE01) Descrever a histó-
cidade e campo;
ria das migrações no bairro ou
Conhecer como se deu a formação organiza-
comunidade em que vive.
ção populacional de seu estado/município e
Convivência e comunidade;
interaçõesentre
pessoas na
comunidade (EF02GE02) Comparar costu-
Conhecer relação cultural existente entre
mes e tradições de diferentes
os modos de vida e também reconhecer as
O SUJEITO E SEU LUGAR NO MUNDO

populações inseridas no bairro


mudanças dos hábitos de vida de um mesmo
ou comunidade em que vive,
lugar, apresentando a importância da técnica
reconhecendo a importância do
para a transformação do local.
respeito às diferenças.

(EF02GE03) Comparar diferen-


Reconhecer que os meios de transportes e
Riscos e cuida- tes meios de transporte e de
comunicação são capazes de interferir no
dos nos meios comunicação, indicando o seu
processo de conexão entre os povos;
de transporte papel na conexão entre lugares,
Identificar que a má utilização dos meios e
e de comuni- e discutir os riscos para a vida
transportes e comunicação pode trazer séria
cação e para o ambiente e seu uso
consequências à vida.
responsável.

Reconhecer os diferentes hábitos das pessoas


em diferentes lugares e comparar as particu-
(EF02GE04) Reconhecer se-
Experiências laridades entre a vida na cidade, no campo, na
melhanças e diferenças nos
da comunidade praia etc.;
hábitos, nas relações com a
no tempo e no Compreender como é estabelecida a relação
natureza e no modo de viver de
espaço entre o homem do campo e da cidade e as
pessoas em diferentes lugares.
CONEXÕES E ESCALAS

demais comunidades (indígenas, quilombola,


ribeirinhos entre outros).

(EF02GE05) Analisar mudanças Propiciar vivência com relatos orais de sujeitos


Mudanças e e permanências, comparando da comunidade sobre o cotidiano na paisagem
permanências imagens de um mesmo lugar (brincadeiras de rua de antigamente e de hoje,
em diferentes tempos. as paisagens de outros tempos).
Identificar, apontar as características das
(EF02GE06) Relacionar o dia e
atividades realizadas durante o dia e durante
a noite a diferentes tipos de ati-
a noite;
vidades sociais (horário escolar,
Relacionar as atividades cotidianas com cada
comercial, sono etc.).
um desses períodos;

Tipos de traba- Conhecer através de pesquisa e construção de


lho em lugares mural as relações de trabalho nos diferentes
e tempos dife-
MUNDO DO TRABALHO

setores sociais;
rentes (EF02GE07) Descrever as ati-
Propiciar conversa sobre o trabalho na produ-
vidades extrativas (minerais,
ção e na extração de recursos da natureza.
agropecuárias e industriais) de
Identificando através de imagens as alterações
diferenteslugares,identificando
feitas, e quais fatores contribuíram para essa
os impactos ambientais.
mudança o crescimento urbano no entorno da
escola, (da comunidade Quilombola, indígena,
ribeirinhos entre outros).

(EF02GE08) Identificar e
elaborar diferentes formas Representar a escola, o bairro ou a casa em
de representação (desenhos, desenhos com os componentes da paisagem:
mapas mentais, maquetes) elementos naturais (árvores, matas, praças
FORMAS DE REPRESENTAÇÃO E PENSAMENTO ESPACIAL

para representar componentes etc.) e elementos culturais (carros, casas,


da paisagem dos lugares de prédios, comércios, parques etc.).
vivência.

(EF02GE09) Identificar objetos Identificar a escola como lugar de estudo


Localização, e lugares de vivência (escola e investigativo que utiliza procedimentos de
orientação e moradia) em imagens aéreas e pesquisa com estudantes de outros anos mais
representação mapas (visão vertical) e foto- adiantadas, funcionários, famílias e sujeitos da
espacial grafias (visão oblíqua). comunidade para conhecer o modo de viver.

(EF02GE10) Aplicar princípios


de localização e posição de
Participar em situações de brincadeiras para
objetos (referenciais espaciais,
elaboração de desenho de mapas mentais
como frente e atrás, esquerda
(mapas da escola, do deslocamento casa
e direita, em cima e embaixo,
escola, casa locais de brincadeira, de uma
dentro e fora) por meio de
viagem que realizou ou realizará).
representações espaciais da
sala de aula e da escola.

Reconhecer a importância do solo para a


NATUREZA, AMBIENTES E QUALIDADE

sobrevivência dos diferentes seres vivos, e


também a relação da vida com a água;
(EF02GE11) Reconhecer a
Reconhecer os diferentes tipos de solo,
importância do solo e da água
Os usos dos relacionando-os ao desenvolvimento de de-
para a vida, identificando seus
recursos na- terminadas culturas (alimentação e plantio —
diferentes usos (plantação e ex-
turais: solo e campo e cidade);
tração de materiais, entre outras
água no campo Investigar a importância que o solo e a água
possibilidades) e os impactos
e na cidade têm para a produção de alimentos (comuni-
desses usos no cotidiano da
dade Quilombola, indígena, ribeirinhos entre
cidade e do campo.
outros), assim como reconhecer, levantar e
DE VIDA

listar questões ambientais relacionadas ao


desperdício da água e ao uso irregular do solo.
Anos Iniciais - Organizador Curricular | 3º Ano

Conhecimento
Objeto De
Temática

Habilidades Desdp - Desdobramentos Didáticos Pedagógicos


Unidade

(EF03GE01) Identificar e comparar


aspectos culturais dos grupos Identificar no mapa do Estado de Alagoas, as comu-
sociais de seus lugares de vivência, nidades (Quilombola, indígenas, ribeirinhos etc).
seja na cidade, seja no campo.
A cidade e o campo: aproximações e diferenças

(EF03GE02) Identificar, em seus


Analisar imagens paisagens de lugares de vivência
lugares de vivência, marcas de
de outras crianças brasileiras e do mundo para
O SUJEITO E SEU LUGAR NO MUNDO

contribuição cultural e econômica


indagações sobre seu modo de vida.
de grupos de diferentes origens.

Reconhecer e relatar aspectos culturais dos grupos


sociais a partir de suas características e locais de
moradia: cidade, campo, floresta, ribeirinhos etc.;
(EF03GE03) Reconhecer os dife-
Reconhecer questões relacionadas aos povos indíge-
rentes modos de vida de povos
nas, quilombolas, ribeirinhos, extrativistas, ciganos,
e comunidades tradicionais em
e que vivem em diferentes espaços: cidade, campo,
distintos lugares.
florestas, comunidades, grupos, comparando as
diferenças e as semelhanças entre os seus lugares
de vivência.

Comparar uma mesma paisagem em diferentes


Paisagens naturais e antrópicas em trans-

momentos do ano, identificando seus estados e


levantando hipóteses sobre sua transformação.
Compreender através de pesquisas a transformação
(EF03GE04) Explicar como os da paisagem, relação das sociedades indígenas e
processos naturais e históricos quilombolas com o meio ambiente, relação socieda-
atuam na produção e na mudança de e meio ambiente das comunidades indígenas e
CONEXÕES E ESCALAS

das paisagens naturais e antrópicas quilombolas de Alagoas.


nos seus lugares de vivência, com- Descrever que a cultura engloba vários aspectos da
parando-os a outros lugares. produção humana oriunda de diferentes povos, gru-
pos, comunidades, etc..como vestimentas, culiná-
formação

rias, códigos de condutas, crenças, danças, músicas


e que esses aspectos devem ser respeitados.
Diferenciar paisagem natural e cultural.

Compreender os modos de vida e exploração dos


MUNDO DOTRABALHO

recursos naturais cultivados em escala local, regio-


Matéria-prima e in-

(EF03GE05) Identificar alimentos,


nal e o seu aproveitamento na indústria.
minerais e outros produtos cultiva-
Identificar ao produtos extraídos da natureza de
dos e extraídos da natureza, com-
ordem alimentar, vegetal e animal;
parando as atividades de trabalho
Reconhecer e organizar em colunas diferentes
dústria

em diferentes lugares.
matéria-prima da produção que fazem parte do seu
cotidiano.
Realizar atividades de desenhos para desenvolver
FORMAS DE REPRESENTAÇÃO E PEN-

(EF03GE06) Identificar e interpretar noções de alfabetização cartográfica: orientação,


imagens bidimensionais e tridi- localização, rosa dos ventos, legenda, escala.
Representações cartográficas mensionais em diferentes tipos de Interpretar diferentes tipos de representação car-
representação cartográfica. tográfica a partir do plano bidimensional (mapa) e
tridimensional (maquete).
SAMENTO ESPACIAL

Confeccionar placas com diferentes símbolos asso-


(EF03GE07) Reconhecer e elaborar ciando os símbolos aos seus significados;
legendas com símbolos de diversos Identificar e diferenciar as legendas das represen-
tipos de representações em diferen- tações a partir de símbolos padrões como: casas,
tes escalas cartográficas. hospitais, escolas, e até padrões de legendas com
rachurados para áreas agrícolas, matas, rios.

(EF03GE08) Relacionar a produção


Identificar o destino de diferentes tipos de lixo no
Produção, circulação e con-

de lixo doméstico ou da escola aos


ambiente doméstico e da escola, relacionar a pro-
problemas causados pelo consumo
dução e destino do lixo aos problemas ambientais
excessivo e construir propostas
nos espaços urbanos e no campo, assim como
para o consumo consciente,
apresentar e problematizar os princípios da redução,
considerando a ampliação de
reciclagem e reuso para lixos e resíduos.
hábitos de redução, reúso e
Identificar os hábitos de consumo na família e entre
reciclagem/ descarte de materiais
os colegas de escola para relacionar a produção do
sumo

consumidos em casa, na escola e/


lixo com os problemas de consumo.
ou no entorno.

Investigar informações quantitativas e qualitativas


(EF03GE09) Investigar os usos dos
sobre usos dos recursos da vegetação em nosso co-
recursos naturais, com destaque
tidiano (alimentos, vestimenta, medicamentos etc.);
para os usos da água em atividades
Analisar e interpretar textos expositivos sobre os
cotidianas (alimentação, higiene,
diferentes tipos de rios e usos da água em diferentes
cultivo de plantas etc.), e discutir
contextos do modo de vida em Alagoas;
os problemas ambientais provoca-
Identificar problemas ambientais relacionados à
dos por esses usos.
água.

(EF03GE10) Identificar os cuidados


necessários para utilização da
NATUREZA, AMBIENTES E QUALIDADE DE VIDA

água na agricultura e na geração Valorizar as alternativas acessíveis para colaborar


de energia de modo a garantir a com a melhoria do consumo de água.
manutençãodoprovimentodeágua
potável.
Impactos das atividades humanas

Compreender noções das fontes de energias con-


vencionais e alternativas, recursos renováveis e não
(EF03GE11) Comparar impactos renováveis.
das atividades econômicas urbanas Identificar as alterações que ocorrem no campo e
e rurais sobre o ambiente físico nas cidades, como erosão, deslizamento, escoa-
natural, assim como os riscos mento superficial, intemperismo etc., e relacionar os
provenientes do uso de ferramentas impactos ambientais provocados pela ação humana,
e máquinas. bem como comparar os impactos em ambientes
rurais e urbanos, relacionando-os com as atividades
econômicas: indústria, agropecuária, comércio.
(EF03GE08) Relacionar a produção
Identificar o destino de diferentes tipos de lixo no
Produção, circulação e con-

de lixo doméstico ou da escola aos


ambiente doméstico e da escola, relacionar a pro-
problemas causados pelo consumo
dução e destino do lixo aos problemas ambientais
excessivo e construir propostas
nos espaços urbanos e no campo, assim como
para o consumo consciente,
apresentar e problematizar os princípios da redução,
considerando a ampliação de
reciclagem e reuso para lixos e resíduos.
hábitos de redução, reúso e
Identificar os hábitos de consumo na família e entre
reciclagem/ descarte de materiais
os colegas de escola para relacionar a produção do
sumo

consumidos em casa, na escola e/


lixo com os problemas de consumo.
ou no entorno.

Investigar informações quantitativas e qualitativas


(EF03GE09) Investigar os usos dos
sobre usos dos recursos da vegetação em nosso co-
recursos naturais, com destaque
tidiano (alimentos, vestimenta, medicamentos etc.);
para os usos da água em atividades
Analisar e interpretar textos expositivos sobre os
cotidianas (alimentação, higiene,
diferentes tipos de rios e usos da água em diferentes
cultivo de plantas etc.), e discutir
contextos do modo de vida em Alagoas;
os problemas ambientais provoca-
Identificar problemas ambientais relacionados à
dos por esses usos.
água.

(EF03GE10) Identificar os cuidados


necessários para utilização da
NATUREZA, AMBIENTES E QUALIDADE DE VIDA

água na agricultura e na geração Valorizar as alternativas acessíveis para colaborar


de energia de modo a garantir a com a melhoria do consumo de água.
manutençãodoprovimentodeágua
potável.
Impactos das atividades humanas

Compreender noções das fontes de energias con-


vencionais e alternativas, recursos renováveis e não
(EF03GE11) Comparar impactos renováveis.
das atividades econômicas urbanas Identificar as alterações que ocorrem no campo e
e rurais sobre o ambiente físico nas cidades, como erosão, deslizamento, escoa-
natural, assim como os riscos mento superficial, intemperismo etc., e relacionar os
provenientes do uso de ferramentas impactos ambientais provocados pela ação humana,
e máquinas. bem como comparar os impactos em ambientes
rurais e urbanos, relacionando-os com as atividades
econômicas: indústria, agropecuária, comércio.
Anos Iniciais - Organizador Curricular | 4º Ano
Conhecimento
Objeto de
Temática
Unidade

Habilidades Desdp - Desdobramentos Didáticos Pedagógicos

(EF04GE01) Selecionar, em Selecionar elementos das culturas indígenas, afro-brasi-


seus lugares de vivência e em leiras, quilombola, ribeirinhas e de outras regiões do país,
Território e diversidade cultural

suas histórias familiares e/ou latino-americanas, europeias, asiáticas etc. que participam
da comunidade, elementos de do cotidiano das famílias e da escola (como em hábitos ou
distintas culturas (indígenas, comidas típicas, por exemplo), e que são parte da cultural
afro-brasileiras, de outras local, regional e brasileira;
regiões do país, latino-america- Conhecer como se deu o processo de demarcação do terri-
nas, europeias, asiáticas etc.), tório;
valorizando o que é próprio em Criar situações em que as crianças possam ouvir e indagar
cada uma delas e sua contribui- sobre vivência de grupos sociais diferenciados: o modo de
ção para a formação da cultura vida de comunidades sertanejas, pescadores artesanais,
local, regional e brasileira. quilombolas, indígenas entre outros.

Ler mapas de deslocamentos migratórios identificando época e


Processos migrató-

pesquisando sobre os motivos o êxodo do espaço vivido;


(EF04GE02) Descrever pro-
Criar situações em que as crianças possam mapear os deslo-
cessos migratórios e suas
rios no Brasil

camentos das famílias de migrantes utilizando ferramentas da


contribuições para a formação
internet;
da sociedade brasileira.
Pesquisar o número de pessoas aldeadas e desaldeadas na
O SUJEITO E SEU LUGAR NO MUNDO

comunidade.
Instâncias do poder público e
canais de participação social

(EF04GE03) Distinguir funções


e papéis dos órgãos do poder Compreender o papel dos vereadores, prefeito e juízes em
público municipal e canais de uma cidade, qual a função dos conselhos de participação
participação social na gestão do popular e como funciona a organização do município;
Município, incluindo a Câmara Conhecer a hierarquização social na comunidade e conhecer
de Vereadores e Conselhos o papel do Conselho tribal.
Municipais.
Reconhecer a interdependência atual entre campo e cidade;
(EF04GE04) Reconhecer
Identificar características da produção e fluxos de matéria-
especificidades e analisar a
-prima e produtos, considerando o avanço das técnicas, da
interdependência do campo e
comunicação e da informação, além de avaliar a dinâmica
da cidade, considerando fluxos
das indústrias considerando a relação campo e cidade;
econômicos, de informações,
Conhecer os produtos de subsistências produzidos na comu-
de ideias e de pessoas.
nidade e sua importância como fonte de renda.

É importante distinguir funções e papéis dos órgãos do


(EF04GE05) Distinguir unidades
poder público municipal, executivo, judiciário e legislativo;
político- administrativas oficiais
Reconhecer o papel de cada poder responsável pela admi-
nacionais (Distrito, Município,
nistração municipal, estadual e nacional — poder executivo,
Unidade da Federação e grande
legislativo e judiciário.
região), suas fronteiras e sua
Conhecer e descrever as principais funções dos órgãos
hierarquia, localizando seus
municipal e relacionar ao modo de vida da comunidade em
lugares de vivência.
relação a hierarquização tribal.
Territórios étnico- culturais

(EF04GE06) Identificar e
CONEXÕES E ESCALAS

descrever territórios étnico- Descrever como foi formado os territórios indígenas e qui-
-culturais existentes no Brasil, lombolas do Brasil e descrever suas características;
tais como terras indígenas e de Reconhecer os territórios étnicos como símbolo de resistên-
comunidades remanescentes cia (Quilombo);
de quilombos, reconhecendo Identificar o processo de demarcação das terras e reconhecer
a legitimidade da demarcação como se deu esse processo.
desses territórios.

Analisar a interdependência entre o rural e o urbano, conside-


rando fluxos econômicos, de produção, circulação da produ-
ção, dinâmica de informações, de ideias e de pessoas;
(EF04GE07) Comparar as
Analisar a partir da escala local e regional, o processo de
características do trabalho no
produção (transformação de matérias-primas), circulação e
campo e na cidade.
consumo de diferentes produtos;
Compreender a dinâmica da cultura de subsistência e o
processo de comercialização.

Compreender a importância dos meios de transportes para a


circulação dos produtos industriais;
Descrever a produção agropecuária, extrativa e industrial a
partir do cotidiano, reconhecendo diferentes produtos e pro-
cessos de produção (desde os materiais didáticos, alimentos,
vestuários, casas etc.).
Reconhecer os passos para a transformação da matéria-pri-
(EF04GE08) Descrever e dis-
ma em produção de bens e alimentos;
Trabalho no campo e na cidade

cutir o processo de produção


Comparar as características do trabalho no campo e na
(transformação de matérias-pri-
cidade, a partir da escala local e regional, para discutir o
mas), circulação e consumo de
MUNDO DO TRABALHO

processo de produção, circulação e consumo de diferentes


diferentes produtos.
produtos a partir da sua região.
Discutir a questão do espaço urbano e rural a partir das mu-
danças visíveis na paisagem, percebendo quais as marcas se
podeidentificarnelaapartirdaproduçãoagrícolaedaprodução
extrativa;
Identificar os tipos de matérias-primas(sementes, penas,
argila, etc.) extraídos na comunidade e sua finalidade.
Localizar, utilizando os pontos cardeais, casas, escola, esta-

Sistema de orientação
FORMAS DE REPRESENTAÇÃO E PENSAMENTO ESPACIAL
belecimentos comerciais, entre outros componentes físicos
(EF04GE09) Utilizar as direções de sua comunidade;
cardeais na localização de com- Aplicar os pontos cardeais para a localização em seus espa-
ponentes físicos e humanos nas ços de vivência, nas paisagens rurais e urbanas, em dese-
paisagens rurais e urbanas. nhos e representações cartográficas;
Construir a rosa dos ventos e propor desafios para uma
maior compreensão das noções de representações espaciais.
Elementos constitutivos dos

Construir mapas e croquis, para conhecer os elementos


principais: título, orientação, legenda e fonte;
(EF04GE10) Comparar tipos Reconhecer e identificar diferentes formas de representar um
variados de mapas, identifican- mesmo lugar: imagem de satélite, planta pictórica, planta,
do suas características, elabo- croqui cartográfico etc.;
radores, finalidades, diferenças Reconhecer a função de cada tipo de mapa e identificar dife-
e semelhanças. renças e semelhanças entre o que cada um representa;
Identificar os limites territoriais da comunidade e o seu
mapas

processo de demarcação.
Conservaçãoedegradaçãodanatureza
NATUREZA, AMBIENTES E QUALIDA-

Construir maquetes identificando o relevo, hidrografia, clima


(EF04GE11) Identificar as e vegetação do Brasil e do seu município.
características das paisagens Identificar mudanças associadas ao uso das máquinas no
naturais e antrópicas (relevo, plantio, na colheita e na produção em geral;
cobertura vegetal, rios etc.) no Identificar os impactos na transformação das paisagens
ambiente em que vive, bem urbanas e rurais frente aos avanços tecnológicos;
como a ação humana na con- Identificar no relevo local a importância do mesmo para a
servação ou degradação dessas comunidade;
DE DE VIDA

áreas. Confeccionar mapa/croqui e comparar no mapa a paisagem


no entorno da comunidade atual no mapa físico.
Anos Iniciais - Organizador Curricular | 5º Ano

Conhecimento
Objeto de
Temática

Habilidades Desdp - Desdobramentos Didáticos Pedagógicos


Unidade

(EF05GE01) Descrever
Dinâmica populacional

Identificar, a partir de mapas políticos, a localização da cidade


e analisar dinâmicas
onde vive no Estado, no Brasil e na América do Sul.
populacionais na Uni-
Identificar as principais características da população brasileira a
dade da Federação em
partir, sobretudo, dos fluxos migratórios, movimentos de migra-
quevive,estabelecendo
ção interna e imigração no país;
relações entre migra-
Analisar através de mapas e gráficos as desigualdades socioeco-
ções e condições de
nômica brasileira.
infraestrutura.
O SUJEITO E SEU LUGAR NO MUNDO

Diferenças étnico- raciais e étnico-

Identificar as condições de educação, saúde, produção e acesso


-culturais e desigualdades sociais

a bens e serviços de grupos quilombolas, indígenas e tradicio-


nais;
(EF05GE02) Identificar
Analisar as condições de desigualdade social a partir das dife-
diferençasétnico-raciais
renças de gênero, etnia, crença e origem;
e étnico-culturais e
Relacionar a desigualdade social à distribuição de renda e cida-
desigualdades sociais
dania.
entre grupos em dife-
Orientar a leitura de mapas dinâmicos – uso da terra, fluxos
rentes territórios.
migratórios, evolução numérica e espacial da população.
Propor relatos orais de experiência em seus grupos sobre o
modo de vida nas sub-regiões do território alagoano.

Investigar empiricamente a organização do espaço geográfico


(EF05GE03) Identificar
a partir das interações entre a sociedade e os processos da
as formas e funções
natureza em suas múltiplas relações, de modo a compreender o
das cidades e analisar
papel das sociedades na construção e produção da paisagem da
as mudanças sociais,
cidade e do campo;
econômicas e ambien-
Identificar e registrar em textos, tabelas e gráficos as mudanças
tais provocadas pelo
econômicas de sua cidade pesquisando dados sobre as princi-
seu crescimento.
pais atividades econômicas de cidades do Estado de Alagoas.

Criar situações em que os estudantes possam utilizar métodos


de pesquisa para adquirir as noções da espacialidade do ambien-
te urbano por meio de leitura e produção de mapas.
Relacionar a integração entre diferentes cidades (próximas ou
(EF05GE04) Reconhe- distantes) e a distribuição da oferta de bens e serviços, além de
Território, redes e urbanização

cer as características apontar o papel das redes entre cidades e nas interações urba-
da cidade e analisar nas entre campo e cidade.
as interações entre a Utilizar a linguagem gráfica para obter informações e representar
CONEXÕES E ESCALAS

cidade e o campo e a espacialidade dos fenômenos urbanos, tais como o desloca-


entre cidades na rede mento de pessoas e mercadorias.
urbana. Comparar diferentes paisagens urbanas a partir de dados em
mapas, tabelas e gráficos, fotografias, ilustrações e textos.
Criar situações de leitura de mapas sobre população
urbana no Brasil e o processo de urbanização do território bra-
sileiro.
(EF05GE05) Identi-
ficar e comparar as
mudanças dos tipos Compreender o uso das tecnologias nas atividades econô-
de trabalho e desen- micas;
volvimentotecnológico Pesquisar as fontes de energia renováveis e não renováveis
na agropecuária, na (alternativas).
indústria, no comércio e
nos serviços.

Estabelecer conexões e hierarquias entre diferentes cidades,


(EF05GE06) Identificar utilizando mapas temáticos e representações gráficas;
e comparar transfor- Identificar as características das redes de comunicação a partir
mações dos meios de dos jornais, revistas, televisão, fax, e-mails e redes sociais,
transporte e de comu- destacando a importância que as redes de circulação e comu-
nicação. nicação possuem para interligar campo e cidade e promover a
Trabalho e inovação tecnológica

distribuição da produção.
MUNDO DO TRABALHO

(EF05GE07) Identificar
os diferentes tipos de
Reconhecer os diferentes tipos de energia utilizados pelo ser
energia utilizados na
humano (fogo, carvão mineral, água, petróleo, sol, vento, ener-
produção industrial,
gia nuclear) e à identificação dos que são utilizados na produção
agrícola e extrativa e
de alimentos e bens.
no cotidiano das popu-
lações.

(EF05GE08) Analisar
FORMAS DE REPRESENTAÇÃO E PENSAMENTO ESPACIAL

Paisagens: naturais e

transformações de
paisagens nas cidades,
Descrever as transformações causadas pelas ações antrópicas.
comparando sequência
humanizadas

Estabelecer conexões e hierarquias entre diferentes cidades,


de fotografias, fotogra-
utilizando mapas temáticos e representações gráficas.
fias aéreas e imagens
de satélite de épocas
diferentes.

Investigar e descrever os diferentes tipos de cidades e suas


Representação das cidades e

funções.
(EF05GE09) Estabelecer Utilizar os recursos cartográficos de representação de cidades,
conexões e hierarquias como mapas, croquis, plantas, imagens de satélites e fotografias
do espaço urbano

entre diferentes cida- áreas;


des, utilizando mapas Estabelecer ligações existentes entre cidades pela estrutura de
temáticos e representa- transportes e meios de comunicação;
ções gráficas. Compreender que as conexões podem ser pela produção e
consumo, pela dependência da oferta de serviços (hospitais
especializados), pela rede de empregos versus moradia etc.
(EF05GE10) Reco-
nhecer e comparar
Qualidade ambiental
atributos da qualidade Identificar e relacionar os principais problemas ambientais dos
ambiental e algumas municípios alagoanos.
formas de poluição Analisar o impacto das ações humanas sobre a natureza do
dos cursos de água e ponto de vista ambiental comparando as ações domésticas às
dos oceanos (esgotos, industriais;
efluentes industriais,
marés negras etc.).

(EF05GE11) Identificar
Compreender o crescimento das cidades e suas consequências
e descrever problemas
Diferentes tipos de poluição

ambientais;
ambientaisqueocorrem
Reconhecer a questão da poluição da água e dos impactos
no entorno da escola e
ambientais;
da residência (lixões,
Relacionar e avaliar os problemas ambientais urbanos, com
indústrias poluentes,
destaque para a questão do lixo;
destruição do patri-
Analisar o impacto das ações humanas sobre os componentes
mônio histórico etc.),
físicos e humanos que constituem a cidade:
propondo soluções
Levantar e propor ações para mitigar os problemas ambientais
(inclusive tecnológicas)
das cidades.
para esses problemas.
NATUREZA, AMBIENTES E QUALIDADE DE VIDA

(EF05GE12) Identificar
órgãos do poder públi-
co e canais de participa-
Gestão pública da qualidade de vida

ção social responsáveis Investigar sobre quais parâmetros representam qualidade de


por buscar soluções vida urbana e informações sobre o saneamento básico do mu-
para a melhoria da qua- nicípio;
lidade de vida (em áreas Investigar sobre os agentes governamentais responsáveis pelos
como meio ambiente, serviços públicos e mapear propostas sobre a melhoria da quali-
mobilidade, moradia dade de vida da cidade;
e direito à cidade) e Conhecer divisão de poderes e funções do poder legislativo,
discutir as propostas executivo e judiciário criando canais de comunicação com o
implementadas por poder público.
esses órgãos que afe-
tam a comunidade em
que vive.
Anos Finais - Organizador Curricular | 6º Ano

Conhecimento
Objeto de
Temática

Habilidades Desdp - Desdobramentos Didáticos Pedagógicos


Unidade

(EF06GE01)Comparar Comparar as modificações que ocorrem nos lugares e no


modificações das pai- ambiente de vivência do educando;
sagens nos lugares Descrever elementos representativos de mudanças e perma-
de vivência e os usos nências em uma dada paisagem, reconhecendo as diferentes
desses lugares em formas de manifestações culturais, naturais e sociais pre-
diferentes tempos. sentes no espaço geográfico.
O SUJEITO E SEU LUGAR NO MUNDO

Identificar e interpretar as mudanças ocorridas nas paisa-


gens (rurais e urbanas), no tempo e no espaço, sobretudo
a partir das suas transformações pelos povos originários.
(EF06GE02)Analisar Como era a sua região antes da colonização? Quem foram
Identidade sociocultural

modificações de pai- os primeiros habitantes e como ocorreu a mudança da


sagens por diferentes paisagem;
tipos de sociedade, Analisar uso de pinturas, fotografias e imagens do Google
com destaque para os Earth que apoiem o questionamento das condições ambien-
povos originários. tais, bem como a problematizando das identidades e multi-
culturalidades presentes nos espaços e das modificações ao
longo do tempo em decorrência da ocupação de diferentes
tipos de sociedades.
Conhecer os planetas do sistema solar, nomear os seus
movimentos e relacioná-los com a circulação geral da at-
mosfera;
Reconhecer os elementos climáticos que interferem na
circulação geral da atmosfera, (como latitude, altitude, mas-
(EF06GE03) Descre-
sas de ar, continentalidade, maritimidade, vegetação, relevo
ver os movimentos
e correntes marítimas e urbanização);
do planeta e sua rela-
Compreender as influências dos elementos sobre o clima;
ção com a circulação
Compreender a importância do relevo local e os fatores
geral da atmosfera,
climáticos que influência o clima
o tempo atmosférico
Compreender a distribuição de temperaturas e zonas climá-
e os padrões climá-
ticas — polar, tropical e temperada. Há, aqui, oportunidade
ticos.
de trabalho interdisciplinar com a habilidade (EF06CI14), de
Ciências, no que se refere a observação e compreensão dos
movimentos da Terra;
Criar situação de leitura do mapa de climas do Estado de
Alagoas.
Relações entre os componentes físico- naturais

(EF06GE04) Descre-
ver o ciclo da água,
comparando o escoa-
Explicar os processos hidrológicos que ocorrem em bacias
mento superficial no
(chuvas em ambientes com vegetação e sem vegetação);
ambiente urbano e
Compreender como se dá as interações homem/natureza;
rural, reconhecendo
Compreender o processo de impermeabilização dos espaços
os principais compo-
urbanos e as consequências para os cursos hídricos, para o
nentes da morfologia
solo e para a qualidade de vida das populações;
das bacias e das
Conhecer a importância dos rios para a comunidade;
redes hidrográficas e
Compreender a rede hidrográfica de Alagoas e de seu mu-
a sua localização no
nicípio.
modelado da super-
fície terrestre e da
cobertura vegetal.

Analisar mapas climáticos, de solos, relevo e formações


vegetais da Região do estado de Alagoas;
Relacionar e identificar as características de cada bioma
brasileiro (cerrado, caatinga, mata atlântica, pampa, panta-
(EF06GE05) Relacio-
nal, Amazônia, entre outros) e conhecer as características
CONEXÕES E ESCALAS

nar padrões climá-


dos principais biomas;
ticos, tipos de solo,
Conhecer e explicitar às características físico-climáticas dos
relevo e formações
seis principais biomas terrestres do Brasil;
vegetais.
Compreenderoconceitodebioma,identificandofragilidades
ambientais a partir do reconhecimento de características da
distribuição de flora e fauna, associadas a relevo, solos e
macroclimas.
Reconhecer as transformações ocorridas nas paisagens a

Transformação das paisagens


(EF06GE06) Identifi- partir do trabalho do homem, seja pelo desenvolvimento da
car as características agropecuária, seja pela indústria;
naturais e antrópicas das paisagens trans- Identificar e analisar o papel da indústria e atividades agro-
formadas pelo traba- pecuárias frente às questões ambientais, considerando
lho humano a partir problemas trazidos e as necessidades dessas atividades
do desenvolvimento para a sociedade, sempre articulando as escalas local/global;
da agropecuária e do (Agroindústria de Alagoas);
processo de indus- Compreender as modificações, os impactos e as transforma-
trialização. ções na paisagem a partir da ação humana e do desenvolvi-
mento da indústria, da agropecuária e do comércio em geral.
MUNDO DO TRABALHO

Relacionar o surgimento das cidades ao início da vida urba-


(EF06GE07) Explicar na e reconhecer as principais mudanças que ocorreram com
as mudanças na a natureza;
interação humana Pesquisar em sua comunidade como eram as casas antes
com a natureza a e como elas são hoje, quais os hábitos alimentares e as
partir do surgimento transformações que ocorreram, entre outros elementos que
das cidades. modificaram a interação do homem com a natureza ao longo
do tempo.

Comparar imagens, mapas, textos de diferentes épocas


Fenômenos naturais e sociais representados de diferentes maneiras

buscando interpretar as transformações sócio espaciais da


(EF06GE08) Medir
natureza;
distâncias na super-
Reconhecer que a escala é a razão entre a distância medida
fície pelas escalas
no mapa e a distância real correspondente e que a escala de
FORMAS DE REPRESENTAÇÃO E PENSAMENTO ESPACIAL

gráficas e numéricas
um mapa é sempre uma redução e não uma ampliação;
dos mapas.
Confeccionar mapas de pequenas e grandes escalas, além
de representações variadas que permitam ao compreender a
medida de distâncias na superfície terrestre;

Conhecer a história da cartografia e o uso dos seus instru-


mentos de navegação;
(EF06GE09) Elaborar Compreender a noção de proporcionalidade/escala para a
modelos tridimensio- elaboração de mapas e croquis;
nais, blocos-diagra- Confeccionar mapas que mostre seu lugar de vivência;
mas e perfis topográ- Identificar através de mapa as transformações ocorridas no
ficos e de vegetação, meio ambiente em torno da comunidade;
visando à represen- Construir maquetes, utilizando preferencialmente escalas
tação de elementos e gráficas e partindo de cartas topográficas, favorecerão
estruturas da superfí- a compreensão das diferentes expressões do relevo, da
cie terrestre. localização e origem dos cursos de água, da disposição da
vegetação, tudo isso relacionado à ocupação da superfície
da Terra.
(EF06GE10) Explicar
Orientar sobre procedimentos para selecionar informações
as diferentes formas
sobre a dinâmica do uso do solo: Processos de degradação
de uso do solo (ro-
e recuperação;
tação de terras, ter-
Reconhecer a importância do uso do solo através do seu
raceamento, aterros
processo de rotação;
etc.) e de apropriação
Compreender a relação dos elementos da biosfera para
dos recursos hídricos
explicar as diferentes utilizações do solo e da água ao longo
(sistema de irrigação,
do tempo;
tratamento e redes
Compreender as formas de uso do solo, relacionando-o com
de distribuição), bem
as apropriações para o plantio e cultivo;
como suas vantagens
Compreender a importância da rotação de culturas para
e desvantagens em
repor os nutrientes do solo e conservar o espaço agrícola;
diferentes épocas e
Compreender que a técnica do terraceamento evita erosões.
lugares.
Biodiversidade e ciclo hidrológico

Identificar e analisar as áreas de maior ocupação popula-


(EF06GE11) Analisar
cional e econômica considerando as condições de relevo,
distintas interações
hidrografia, vegetação e solo;
das sociedades com
Analisar a distribuição da população na ocupação e na rela-
a natureza, com base
ção com a biodiversidade na sua localidade e vivência e no
na distribuição dos
mundo;
componentes físico-
Identificar como se dá a relação do ser humano com a na-
naturais, incluindo as
tureza no ambiente onde vive e trabalha. Sugestão trabalho
transformações da
interdisciplinar com a habilidade (EF06MA32), da Matemá-
biodiversidade local e
tica, no que se refere à utilização e compreensão de dados
do mundo.
socioambientais.

Compreender a dinâmica de Ciclo da água, bacias hidrográ-


(EF06GE12) Identifi- ficas, lençóis freáticos, geleiras, mares, oceanos, poluição,
car o consumo dos revitalização;
recursos hídricos e Reconhecer a relação de consumo dos recursos hídricos
NATUREZA, AMBIENTES E QUALIDADE DE VIDA

o uso das principais com o uso das bacias hidrográficas;


bacias hidrográficas Identificar as principais transformações nos ambientes e
no Brasil e no mun- construir a consciência de que os recursos naturais são de
do, enfatizando as fundamental importância para as sociedades, mas podem
transformações nos esgotar-se caso não sejam utilizados corretamente;
ambientes urbanos. Reconhecer e identificar quais são as características de
relevo, solo e clima de sua região.
Atividades humanas
e dinâmica climática

(EF06GE13) Analisar
consequências,vanta-
Compreender que as ilhas de calor são fenômenos de cará-
gens e desvantagens
ter climático que acontecem em razão de altas temperaturas
das práticas humanas
em uma determinada região urbana;
na dinâmica climática
(ilha de calor etc.).
Anos Finais - Organizador Curricular | 7º Ano
Conhecimento
Objeto de
Temática

Habilidades Desdp - Desdobramentos Didáticos Pedagógicos


Unidade

Discorrer as características da formação do território brasi-


leiro abordando semelhanças e diferenças regionais a partir
de imagens que mostrem a diversidade no Brasil.
Organizar atividades de resolução de problemas a partir de
hipóteses levantadas pelos estudantes sobre as razões das
migrações de nordestinos ao longo no século XX;
Pesquisar sobre sociedades indígenas que não vivem o
Ideias e concepções sobre a formação territorial do Brasil

modelo capitalista de produção na região Nordeste.


Utilizar várias formas de registro (escrito, áudio, vídeo) em
(EF07GE01) Avaliar, relação a como as pessoas do lugar veem a sua participação
por meio de exemplos no mundo e como o mundo ‘participa’ do seu lugar;
extraídos dos meios Comparar mapas de diferentes épocas e as modificações na
de comunicação, divisão política do Estado-Nação;
ideias e estereótipos Reconhecer as características do processo de formação
O SUJEITO E SEU LUGAR NO MUNDO

acerca das paisagens territorial do Brasil, com destaque para as questões históri-
e da formação territo- co-geográficas;
rial do Brasil. Analisar os processos suas características migratórias popu-
lacionais diante da diversidade étnico-cultural nos distintos
territórios, utilizando, para isso, a linguagem cartográfica,
gráficos e imagens.
Compreender as categorias da paisagem e região, rela-
cionando-as ao sentido e as diversas possibilidades de se
regionalizar um espaço;
Trabalho interdisciplinar com as habilidades (EF07HI10) e
(EF07HI11), da História, associadas ao estudo da formação
territorial do Brasil.
Comparar mapas sobre diferentes fronteiras agrícolas que já
(EF07GE02) Analisar
existiram no Brasil desde o Brasil colônia;
a influência dos fluxos
Conhecer e avaliar criticamente a formação do território
econômicos e popu-
brasileiro (povo, nação, país, Estado, sociedade e cidadania)
lacionais na formação
caracterizando os fluxos econômicos e populacionais e suas
socioeconômica e
tensões históricas e contemporâneas;
territorial do Brasil,
Identificar as principais características naturais e culturais
compreendendo os
do território brasileiro, assim como os aspectos do processo
conflitos e as tensões
histórico de sua formação;
históricas e contem-
Identificar as principais características naturais e culturais do
porâneas.
território alagoano, e os aspectos histórico de sua formação.

(EF07GE03) Sele-
Organizar leitura de imagens, mapas, tabelas e gráficos
cionar argumentos
sobre a regionalização e a distribuição territorial da popula-
que reconheçam as
ção brasileira;
territorialidades dos
Compreender e analisar que as territorialidades são com-
O SUJEITO E SEU LUGAR NO MUNDO

povos indígenas ori-


preendidas como o poder exercido por um grupo em dado
ginários, das comuni-
espaço geográfico, resultado da junção das características
dades remanescentes
Formação territorial do Brasil

culturais desse grupo;


de quilombos, de
Compreender que as comunidades remanescentes de
povos das florestas
quilombos, indígenas e ribeirinhos são grupos sociais cuja
e do cerrado, de
identidade étnica os distingue do restante da sociedade
ribeirinhos e caiçaras,
brasileira e que, sua identidade é base para sua organização,
entre outros grupos
sua relação com os demais grupos e sua ação política;
sociais do campo e da
Reconhecer e respeitar os territórios dos povos indígenas,
cidade, como direitos
quilombolas, ribeirinhos, e demais grupos sociais do campo
legais dessas comu-
e da cidade.
nidades.

Resolver problemas a partir de hipóteses levantadas pela tur-


(EF07GE04) Analisar a
Características da população bra-

ma sobre as razões das migrações nordestinas para outras


distribuição territorial
regiões do Brasil e migrações de retorno;
da população brasi-
Analisar criticamente a distribuição da população no espaço
leira, considerando
brasileiro considerando os diferentes grupos étnicos que
a diversidade étnico-
constituem o país;
-cultural (indígena,
Analisar e associar a distribuição da população com os
africana, europeia e
aspectos de renda, sexo e idade, apresentada a partir de
asiática), assim como
gráficos, tabelas e mapas;
aspectos de renda,
Relacionar as comunidades indígenas, quilombola e po-
sexo e idade nas
sileira

pulação do campo aos dados dos indicadores sociais do


regiões brasileiras.
território alagoano.
Organizar leitura de mapa e textos informativos sobre a pro-
dução, circulação e consumo de mercadorias, considerando
a posição do Estado de Alagoas;
(EF07GE05) Analisar
Organizar leitura de textos didáticos sobre o período mercan-
fatos e situações
tilista e o advento do capitalismo;
representativas das
Analisar a superação do modo de produção feudal, o renas-
alterações ocorridas
cimento comercial e a expansão do comércio através do mar,
entre o período mer-
para compreender as alterações ocorridas no período de
Produção, circulação e consumo de mercadorias

cantilista e o advento
transição do mercantilismo para o capitalismo;
do capitalismo.
Compreender a formação do capitalismo para identificar as
relações que se seguem no mundo atual. Trabalho interdisci-
plinar (EF07HI17).

(EF07GE06) Discutir
em que medida a pro- Organizar leitura compartilhada de textos informativos sobre
MUNDO DO TRABALHO

dução, a circulação e a cadeia produtiva da cana de- açúcar no estado de Alagoas;


o consumo de mer- Analisar e discutir os impactos socioambientais das ações
cadorias provocam do homem nas esferas da produção, circulação e consumo,
impactos ambientais, alertando para a necessidade de se adotar um uso conscien-
assim como influem te dos recursos;
na distribuição de Relacionar a produção de mercadorias com a distribuição
riquezas, em diferen- desigual de riquezas para o consumo.
tes lugares.

Produzir textos em que os estudantes possam utilizar in-


formações sobre os estudos da regionalização do Brasil,
ciclos econômicos, formação territorial e as consequências
(EF07GE07) Analisar
socioambientais;
a influência e o papel
Analisar criticamente como os meios de transporte e comu-
das redes de trans-
nicação alteram a configuração do território brasileiro da
porte e comunicação
produção;
na configuração do
Analisar a influência dos meios de transporte na atual confi-
território brasileiro.
guração do território brasileiro;
Discutir como se dá a concessão e autorização dos transpor-
Desigualdade social e o trabalho

tes em sua localidade.

(EF07GE08) Estabele-
cer relações entre os Analisar e apontar os fatores (condicionantes) que impulsio-
processos de indus- naram os fluxos migratórios, como os conflitos e as guerras,
trialização e inovação a necessidade de áreas de cultivo e pastagens, a busca por
tecnológica com melhores condições físico-climáticas etc.;
as transformações Compreende e explicar os fatores naturais e humanos que
socioeconômicas do influenciam a repartição mundial da população.
território brasileiro.
(EF07GE09) Inter-
pretar e elaborar
Organizar leitura de imagens, mapas, tabelas e gráficos
mapas temáticos e
sobre a divisão socioeconômica do Brasil (Amazonas, Centro
históricos, inclusive
Sul e Nordeste).
utilizandotecnologias
Ler, interpretar e confeccionar mapas temáticos e históricos,
digitais, com infor-
referentes à população e à economia brasileira;
mações demográficas
Confeccionar mapas temáticos referentes a população e a
e econômicas do
FORMAS DE REPRESENTAÇÃO E PENSAMENTO ESPACIAL

economia alagoana e de seu município;


Brasil (cartogramas),
Conhecer e diferenciar os códigos de representação carto-
identificandopadrões
gráfica, (relação entre escala e a possibilidade de representa-
espaciais, regiona-
ção dos gráficos).
lizações e analogias
espaciais.

Criar situações de investigações sobre as pirâmides etárias,


distribuição populacional no Brasil, relacionando ao PIB e a
(EF07GE10) Elaborar PEA;
e interpretar gráficos Conhecer o Plano Plurianual de seu município;
Mapas temáticos do Brasil

de barras, gráficos Produzir e interpretar gráficos, tabelas e histogramas refe-


de setores e histo- rentes a dados socioeconômicos, relacionando os temas e
gramas, com base conteúdos com a leitura gráfica;
em dados socioeco- Compreender a importância do multiletramento e da cultura
nômicos das regiões digital na de interpretação de dados;
brasileiras. Associar as seguinte habilidades (EF07GE09 (EF07GE02),
(EF07GE03), (EF07GE05) e (EF07GE06)). Trabalho interdisci-
plinar (EF07MA37).

(EF07GE11) Caracte- Propor fotointerpretação de imagens dos biomas para ana-


rizar dinâmicas dos lisar a extensão de territorial de cada um deles, em especial
componentes físico- os que compõem o nosso estado;
-naturais no território Conversar sobre os problemas urbanos decorrentes da falta
nacional, bem como de infraestrutura;
sua distribuição e bio- Compreender e analisar as dinâmicas dos componentes
diversidade (Florestas físico-naturais do Brasil e associar as alterações desses
Tropicais, Cerrados, componentes com a distribuição no território nacional;
NATUREZA, AMBIENTES E QUALIDADE DE VIDA

Caatingas, Campos Comparar as principais alterações espaciais ocorridas ao


Sulinos e Matas de longo do tempo no território alagoano com relação a sua
Araucária). biodiversidade.

(EF07GE12) Com-
parar unidades de
conservação exis- Construir mapas de problemas socioambientais decorrentes
Biodiversidade brasileira

tentes no Município da expansão urbana e propostas de resolução nas cidades;


de residência e em Identificar no Estado de Alagoas e no seu município áreas de
outras localidades Conservação (Parques, Reservas Extrativas, reservas indí-
brasileiras, com base genas e quilombola), e relacionar a criação dessas unidades
na organização do ambientais à condição socioeconômica e ao respeito cultural
Sistema Nacional de das populações.
Unidades de Conser-
vação (SNUC).
Anos Finais - Organizador Curricular | 8º Ano

Conhecimento
Objeto de
Temática

Habilidades Desdp - Desdobramentos Didáticos Pedagógicos


Unidade

Ler e interpretar diferentes representações cartográficas para


compreender questões contemporâneas da regionalização eco-
nômica mundial.
Descrever os fatores (condicionantes) que impulsionaram os flu-
Distribuição da população mundial e deslocamentos populacionais

(EF08GE01) Descrever as xos migratórios, como os conflitos e as guerras, a necessidade


rotas de dispersão da popula- de áreas de cultivo e pastagens, a busca por melhores condições
ção humana pelo planeta e os físico-climáticas etc.;
principais fluxos migratórios Explicar os fatores naturais e humanos que influenciam a reparti-
em diferentes períodos da ção mundial da população em diferentes períodos da história;
história, discutindo os fatores Descrever as principais rotas de migração e compreender a
históricos e condicionantes natureza distinta de cada processo;
físico-naturais associados Relacionar a diferença entre os processos dos europeus para
à distribuição da população a América e dos africanos para a América, a migração forçada
humana pelos continentes. durante a Segunda Guerra Mundial;
O SUJEITO E SEU LUGAR NO MUNDO

Analisar as migrações recentes dos refugiados na Ásia e na


Europa;
Analisar as migrações decorrentes da Venezuela para outros
países da América Latina. Trabalho interdisciplinar (EF08HI03).

(EF08GE02) Relacionar fatos


e situações representativas
da história das famílias do Relacionar as histórias familiares a partir de movimentos dos
Município em que se localiza a fluxos migratórios e ocupação de terras do município e da es-
escola, considerando a diver- cola.
sidade e os fluxos migratórios
da população mundial.

Conhecer e analisar os indicadores que compõem a dinâmica,


Diversidade e dinâmica da população mundial e local

(EF08GE03) Analisar aspectos


sendo eles: população absoluta, natalidade, índice sintético de
representativos da dinâmica
fecundidade, índice de renovação de gerações, mortalidade, taxa
demográfica, considerando
de mortalidade infantil, crescimento natural, taxa de crescimento
características da população
natural, saldo migratório, crescimento efetivo, esperança de vida
(perfil etário, crescimento
e índice de envelhecimento;
vegetativo e mobilidade es-
Identificar através do DATASUS, os principais indicadores so-
pacial).
ciais do seu município;

Analisar gráficos sobre os indicadores demográficos do mundo,


(EF08GE04) Compreender os da América e do Brasil.
fluxos de migração na Améri- Caracterizar os grandes ciclos migratórios internacionais, por
ca Latina (movimentos volun- meio da interpretação de mapas com os fluxos migratórios,
tários e forçados, assim como relacionando esta habilidade com a (EF08GE18) e a (EF08GE19).
fatores e áreas de expulsão e Identificar as principais regiões/países de origem e destino
atração) e as principais políti- da população migrante, assim como caracterizar a população
cas migratórias da região. migrante, com destaque para a América Latina, e relacionar os
fatores atrativos/repulsivos que influenciam as migrações.
(EF08GE05) Aplicar os
Compreender e analisar os conceitos de Estado, nação, territó-
conceitos de Estado, nação,
rio, governo e país na compreensão de conflitos contemporâ-
território, governo e país para
neos;
o entendimento de conflitos
Compreenda a geopolítica enquanto um conjunto de ações e
e tensões na contempora-
práticas realizadas no âmbito do poder, geralmente envolvendo
neidade, com destaque para
os Estados Nacionais no sentido de promover o gerenciamento e
as situações geopolíticas na
o controle de seus territórios;
América e na África e suas
Conhecer e descrever os grandes conflitos mundiais e tensões
múltiplas regionalizações a
na América e na África.
partir do pós-guerra.

(EF08GE06) Analisar a
Analisar criticamente o trabalho das organizações mundiais para
atuação das organizações
a América e a África;
mundiais nos processos de
Conhecer e relacionar o papel das instituições internacionais no
integração cultural e econômi-
cenário mundial nos aspectos geopolítico, econômico e huma-
ca nos contextos americano
nístico global;
e africano, reconhecendo,
Pesquisar em diversos meios de comunicação notícias e/ou
em seus lugares de vivência,
reportagens que tratem desses organismos.
marcas desses processos.

Compreender e avaliar e forma crítica os efeitos do expansionis-


mo dos EUA no mundo e na relação com o Brasil e a China;
Analisar as relações geoeconômico, geoestratégico e geopolítico
(EF08GE07) Analisar os
dos Estados Unidos da América, em relação a situação e a posi-
impactos geoeconômicos,
ção da China e do Brasil;
geoestratégicosegeopolíticos
Corporações e organismos internacionais e do Brasil na ordem econômica mundial

Descrever sobre a questão geopolítica relacionada às questões


da ascensão dos Estados
políticas, econômicas e estratégicas do cenário mundial;
Unidos da América no cenário
Compreende e descrever o cenário mundial sobe a liderança dos
internacional em sua posição
E.U.A;
de liderança global e na rela-
Identificar quais as relações existentes entre a China e o Brasil, e
ção com a China e o Brasil.
entre China, Brasil e Estados Unidos;
Analisar qual o sentido da regionalização mundial frente às
questões estratégicas, políticas e econômicas.

(EF08GE08) Analisar a si- Compreender e analisar criticamente os países da América


tuação do Brasil e de outros Latina, incluindo o Brasil e países do continente africano, frente
países da América Latina e da à nova ordem mundial (globalização — meio técnico-científico-
África, assim -informacional);
como da potência estaduni- Ler e interpretar o mapa do mundo e o jogo político entre os
dense na ordem mundial do países latino-americanos e africanos com as grandes potências
pós-guerra. mundiais, em especial os Estados Unidos.

(EF08GE09) Analisar os
padrões econômicos dos
Compreender e analisar criticamente os países da América
mundiais de produção, distri-
CONEXÕES E ESCALAS

Latina, incluindo o Brasil e países do continente africano, frente


buiçãoeintercâmbioprodutos
à nova ordem mundial (globalização — meio técnico-científico-
agrícolas e industrializados,
-informacional);
tendo como referência os
Ler e interpretar o mapa do mundo e o jogo político entre os
Estados Unidos da América
países latino-americanos e africanos com as grandes potências
e os países denominados de
mundiais, em especial os Estados Unidos.
Brics (Brasil, Rússia, Índia,
China e África do Sul).
(EF08GE10) Distinguir e
Corporações e organismos internacionais e do Brasil na ordem econômica mundial
analisar conflitos e ações dos Compreender e analisar criticamente ações dos movimentos
movimentos sociais brasilei- sociais no Brasil, e comparar a9os movimentos sociais dos
ros, no campo e na cidade, países latino-americanos;
comparando com outros Analisar os conflitos, tensões e ações das questões existentes
movimentossociaisexistentes no campo e da cidade, e as pautas e reivindicações.
nos países latino-americanos.

Compreender e avaliar criticamente os conflitos e tensões que


surgem a partir do Estado enquanto organização regionais e
(EF08GE11) Analisar áreas de
internacionais;
conflito e tensões nas regiões
Conhecer as funções dos organismos internacionais e regionais
de fronteira do continente
de cooperação nas regiões de conflitos e tensões no continente
latino-americano e o papel de
latino-americano, com destaque para o trabalho realizado pela
organismos internacionais
ONU (Organização das Nações Unidas), pela FAO (Organização
e regionais de cooperação
das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) e pelas
nesses cenários.
Associações de Ajudas Humanitárias que prestam assistência e
suporte aos imigrantes e refugiados.

(EF08GE12) Compreender Compreender a formação dos blocos regionais de integração no


CONEXÕES E ESCALAS

os objetivos e analisar a continente americano;


importância dos organismos Entender como os blocos estão organizados economicamente;
de integração do território Compreender a formação dos blocos e qual a importância des-
americano (MERCOSUL, ses organismos de integração do território americano na atuali-
OEA, OEI, Nafta, Unasul, Alba, dade, além de compreender os objetivos dos blocos Mercosul,
Comunidade Andina, Aladi, OEA, OEI, Nafta, Unasul, Alba, Comunidade Andina, Aladi, entre
entre outros). outros.

Reconhecer e analisar as características do mundo do trabalho


na atualidade, a partir da análise da dinâmica e da influência do
Os diferentes contextos e os meios técnico e tecnológico na

(EF08GE13) Analisar a in- desenvolvimento científico e tecnológico que altera as relações


fluência do desenvolvimento e os tipos de trabalho do campo e da cidade no mundo e, em
científico e tecnológico na especial, na América e na África;
caracterização dos tipos de Compreender no processo de análise do mundo do trabalho, as
trabalho e na economia dos novas configurações de empregos em tempos flexíveis e suas
espaços urbanos e rurais da implicações nas retiradas de direitos sociais e trabalhistas;
América e da África. Identificar as características e a dinâmica do mundo do trabalho
na atualidade, em especial nos países do continente americano
e africano.

(EF08GE14) Analisar os
Analisar os processos da produção e das atividades econômicas
MUNDO DO TRABALHO

processos de desconcen-
na escala global;
tração, descentralização e
Compreender que o processo de desconcentração é resultante
recentralização das atividades
da industrialização de vastas regiões do mundo, em especial
econômicas a partir do ca-
no Sudeste Asiático e na América Latina, e que ocupam fatias
pital estadunidense e chinês
significativas da produção industrial mundial em muitos setores:
produção

em diferentes regiões no
têxtil (China e Índia), automobilístico (Estados Unidos, América
mundo, com destaque para o
do Sul, Coréia do Sul e México) etc.
Brasil.
Identificar os principais mananciais de água da América Latina
(EF08GE15) Analisar a impor-

Transformações do espaço na sociedade urbano-industrial na


(por exemplo: rios, lagos, represas e lençóis freáticos) para que
tância dos principais recursos
o educando possa compreender e avaliar criticamente a impor-
hídricos da América Latina
tância dos recursos hídricos;
(Aquífero Guarani, Bacias do
Compreender a dinâmica do rio S. Francisco para o abasteci-
rio da Prata, do Amazonas
mento de água no Estado e no seu município;
e do Orinoco, sistemas de
Identificar os principais problemas relativos ao abastecimento
nuvens na Amazônia e nos
da água na região, como esgotamento e poluição das fontes de
Andes, entre outros) e discutir
água, conflitos no uso dos recursos, dentre outros;
os desafios relacionados à
Reconhecer os sistemas de recursos hídricos da América Latina
gestão e comercialização da
e as maiores dificuldades relacionadas à gestão e comercializa-
água.
ção da água.

(EF08GE16) Analisar as prin- Analisar os problemas, de ordem estruturacional da população e


cipais problemáticas comuns de condições de vida e de trabalho existentes nas grandes cida-
às grandes cidades latino-a- des da América Latina;
América Latina

mericanas, particularmente Compreender que a América Latina representa uma das regiões
aquelas relacionadas à distri- com maior riqueza do planeta, em sua biodiversidade e ecossis-
buição, estrutura e dinâmica temas, e também sociocultural;
da população e às condições Compreender que as políticas destinadas á América Latina vem
de vida e trabalho. colocando sua riqueza em situação de risco.

Analisar criticamente a segregação urbana – também chamada


de segregação socioespacial –, que refere-se à periferização ou
(EF08GE17) Analisar a segre-
marginalização de determinadas pessoas ou grupos sociais por
gação socioespacial em am-
fatores econômicos, culturais, históricos e até raciais no espaço
bientes urbanos da América
das cidades;
Latina, com atenção especial
Identificar as formas de segregação (favelas, cortiços e áreas de
ao estudo de favelas, alagados
invasão);
e zona de riscos.
Conhecer as características da questão urbana na América Latina
e analisar essa segregação a partir da questão socioespacial.

(EF08GE18) Elaborar mapas


FORMAS DE REPRESENTAÇÃO E PENSAMENTO ESPACIAL

Cartografia: anamorfose, croquis e mapas temáticos da

ou outras formas de repre- Construir infográficos e outras formas de representação sobre


sentação cartográfica para as representações ocorridas nas transformações no espaço ao
analisar as redes e as dinâ- longo do tempo;
micas urbanas e rurais, orde- Confeccionar mapas ou outras representações cartográficas que
namento territorial, contextos apresentem as dinâmicas do campo e da cidade;
culturais, modo de vida e usos Analisar as redes e o ordenamento territorial de uso e ocupação
e ocupação de solos da África do solo na África e na América;
e América.

Compreender que a forma de representação do espaço geográ-


fico há a distorção da proporcionalidade entre os territórios para
(EF08GE19) Interpretar carto-
adequá-los aos dados quantitativos que norteiam o mapa;
gramas, mapas esquemáticos
Compreender que o cartograma é uma modalidade específica,
América e África

(croquis) e anamorfoses
dentro da cartografia, que consiste em representar um território
geográficas com informações
indicando de maneira proporcional os valores de determinado
geográficas acerca da África e
assunto;
América.
Ler e reconhecer e ler diferentes representações de informações
geográficas sobre a África e a América.
(EF08GE20) Analisar caracte-

Estados Unidos da América, América espanhola e portuguesa e África


rísticas de países e grupos de
países da América e da África
no que se refere aos aspectos
Comparar os aspectos populacionais, urbanos, políticos e eco-
populacionais, urbanos, polí-
nômicos dos países da América e da África para compreender e
ticos e econômicos, e discutir
avaliar criticamente as desigualdades sociais e econômicas e a
as desigualdades sociais e
situação de produção e circulação de produtos e economia;
NATUREZA, AMBIENTES E QUALIDADE DE VIDA

econômicas e as pressões so-


Compreender e debater sobre as questões de desigualdade dos
Identidades e interculturalidades regionais:

bre a natureza e suas riquezas


povos nesses países;
(sua apropriação e valoração
na produção e circulação),
o que resulta na espoliação
desses povos.

(EF08GE21) Analisar o papel Refletir sobre a importância da Antártica no contexto geopolítico,


ambiental e territorial da ressaltando a relevância dos países da América do Sul, jun-
Antártica no contexto geopo- tamente com a Antártica, nas pesquisas sobre o ambiente global;
lítico, sua relevância para os Compreender que, 70% das reservas de água doce do planeta
países da América do Sul e está localizada nessa área;
seu valor como área destinada Compreender que a preservação dessa região é fundamental
à pesquisa e à compreensão para a manutenção da vida de espécies que habitam os oceanos
do ambiente global. quanto para manter o nível dos oceanos.

Conhecer que a economia dos países da América Latina tem suas


(EF08GE22) Identificar os
principais atividades produtoras voltadas para o setor primário,
principais recursos naturais
(produtos agropecuários, extração vegetal, animal e mineral);
dos países da América Latina,
Identificar os recursos naturais renováveis e compreender os
analisando seu uso para a
aspectos relativos à capacidade de produção de energia (energia
produção de matéria-prima e
hidrelétrica, solar, eólica, geotérmica, maremotriz, biocombustí-
energia e sua relevância para
veis) dos países da América Latina;
a cooperação entre os países
Compreender a funcionalidade do Bloco MERCOSUL na América
Diversidade ambiental e as transformações nas paisagens na América Latina

do MERCOSUL.
Latina.

(EF08GE23) Identificar pai-


sagens da América Latina e Reconhecer paisagens da América Latina e relacionar essas
associá-las, por meio da carto- paisagens aos seus povos e lugares;
grafia, aos diferentes povos da Identificar e distinguir diferentes paisagens existentes na Améri-
região, com base em aspectos ca Latina (cadeia de montanhas Andes, florestas tropicais (Ama-
da geomorfologia, da biogeo- zônia), pradarias, desertos etc.
grafia e da climatologia.

(EF08GE24) Analisar as
principais características
produtivas dos países latino-
americanos (como exploração
mineral na Venezuela; agricul-
Analisar criticamente as características produtivas dos países
tura de alta especialização e
latino-americanos;
exploração mineira no Chile;
Conhecer o processo histórico de formação da América Latina;
circuito da carne nos pampas
Analisar criticamente a questão sócio política na América Latina
argentinos e no Brasil; circuito
com um foco voltado à Venezuela.
da cana de- açúcar em Cuba;
polígono industrial do sudeste
brasileiro e plantações de soja
nocentro-oeste;maquiladoras
mexicanas, entre outros).
Anos Finais - Organizador Curricular | 9º Ano

Conhecimento
Objeto de
Habilidades Desdp - Desdobramentos Didáticos Pedagógicos
Temática
Unidade

Organizar tabelas e gráficos sobre a constituição e a forma-


A hegemonia europeia, na economia e na cultura

ção do continente Europeu;


Pesquisar em diferentes portadores de informação sobre o
papel da União Europeia no cenário global da economia;
O SUJEITO E SEU LUGAR NO MUNDO

(EF09GE01) Analisar critica- Analisar criticamente a hegemonia europeia;


mente de que forma a hege- Compreender que o continente europeu teve papel pre-
monia europeia foi exercida ponderante na organização do mundo contemporâneo,
em várias regiões do planeta, com relevante atuação na Guerra Fria e nos momentos
notadamente em situações de posteriores;
conflito, intervenções milita- Analisar a reestruturação da economia global após os anos
res e/ou influência cultural em 1980, da organização toyotista da produção e da organi-
diferentes tempos e lugares. zação da economia atual (que inclui blocos econômicos,
hegemonia compartilhada e domínio do capital financeiro),
a fim de reconhecer o percurso do continente europeu
diante das adversidades de conflitos, guerras e disputas e
sua influência cultural.

Pesquisar na Internet sobre a ONU, sua origem e missão


Corporações e organismos

(EF09GE02) Analisar a atua- institucional e atuações recentes em conflitos internacio-


ção das corporações inter- nais;
nacionais e das organizações Compreender e avaliar criticamente a atuação das corpora-
econômicas mundiais na vida ções internacionais e das organizações econômicas mun-
internacionais

da população em relação ao diais na vida da população.


consumo, à cultura e à mo- Analisar as organizações internacionais enquanto órgãos
bilidade. multilaterais responsáveis pela integração, inter-relação e
acordos envolvendo diversos países.

Conhecer os diferentes grupos sociais e as manifestações


As manifestações culturais na formação populacional

(EF09GE03) Identificar culturais de cada um, a fim de reconhecer a multiplicidade


diferentes manifestações cultural desses grupos em escala mundial e defender o
culturais de minorias étnicas princípio do respeito às diferenças;
como forma de compreender Identificar os principais grupos étnicos chamados de “mi-
a multiplicidade cultural na norias sociais”;
escala mundial, defendendo Identificar os grupos étnicos que sofrem exclusão social,
o princípio do respeito às desigualdade, preconceito e discriminação e reconhecer
diferenças. que tais desigualdades sociais podem causar hostilidades
entre setores de uma sociedade.

Reconhecer que um grupo étnico é uma categoria social


(EF09GE04) Relacionar di-
de pessoas que têm a mesma ancestralidade e cultura:
ferenças de paisagens aos
língua, religião, normas, práticas, valores, história etc.;
modos de viver de diferentes
Reconhecer que os grupos étnicos possuem senso de iden-
povos na Europa, Ásia e Ocea-
tidade – o sentimento de pertencer a algum subgrupo – e
nia, valorizando identidades e
se diferenciam de outros subgrupos pelos distintos valores,
interculturalidadesregionais.
crenças e comportamentos.
Integração mundial e suas interpreta-
ções: globalização e mundialização
Conhecer e analisar criticamente os aspectos da Nova
Ordem Mundial e suas consequências no mundo, além de
(EF09GE05) Analisar fatos e identificar as diferenças e semelhanças entre suas interpre-
situações para compreender tações distintas;
CONEXÕES E ESCALAS

a integração mundial (eco- Reconhecer as características do meio técnico-científico-in-


nômica, política e cultural), formacional, levando em consideração que a globalização é
comparando as diferentes o ápice do capitalismo e de um processo de internacionali-
interpretações: globalização e zação do mundo;
mundialização. Identificar os fatos que levaram a uma aldeia global;
Identificar a analisar como o reflexo da globalização está
ligada ao seu cotidiano.
em Ocidente e Oriente
A divisão do mundo

Reconhece que o colonialismo consistia em um sistema


(EF09GE06) Associar o cri-
bipolar, onde o polo colonizador era a Metrópole e o polo
tério de divisão do mundo
colonizado, as Colônias;
em Ocidente e Oriente com o
Associar o sistema colonial, as origens, as estruturas eco-
Sistema Colonial implantado
nômicas, sociais, políticas e ideológicas como fator impor-
pelas potências europeias.
tante para a formação e os interesses de suas metrópoles.
rais entre Europa, Ásia e Oceania
Intercâmbios históricos e cultu-

Identificar no mapa mundi a Eurásia enquanto um conjunto


de países que formam a Europa e a Ásia;
Identificar no mapa mundi as cordilheiras que separam o
(EF09GE07) Analisar os com-
continente europeu;
ponentes físico-naturais da
Analisar o quadro físico da Eurásia comparando com as
Eurásia e os determinantes
diversas paisagens naturais que se estabelecem ao longo
histórico-geográficos de sua
do continente europeu e conhecer;
divisão em Europa e Ásia.
Conhecer, distinguir, caracterizar e comparar os componen-
tes — relevo, hidrografia, clima, vegetação — para analisar
os determinantes das divisões e regionalizações.

Analisar as transformações territoriais ocorridas na Europa,


na Ásia e na Oceania, com base nas tensões e no mapa dos
(EF09GE08) Analisar trans-
conflitos desses locais;
formações territoriais, con-
Identificar focos de tensão que colocam em risco a paz dos
siderando o movimento de
povos que ali vivem;
fronteiras, tensões, conflitos
Compreende e analisar que as divergências estão ligadas às
e múltiplas regionalidades na
questões religiosas, econômicas, territoriais e étnicas, e os
Europa, na Ásia e na Oceania.
conflitos, movimentos de fronteiras e as tensões regionais
acabam transformando o mapa.

(EF09GE09) Analisar caracte-


rísticas de países e grupos de
países europeus, asiáticos e
Identificar principais características dos países europeus,
da Oceania em seus aspectos
asiáticos e da Oceania sobre as questões sociais, políticas
populacionais, urbanos, polí-
e econômicas;
ticos e econômicos, e discutir
Analisar e comparar sobre as condições de vida da popula-
suas desigualdades sociais e
ção e a desigual distribuição de riqueza no mundo.
econômicas e pressões sobre
seus ambientes físico-natu-
rais.
Compreender e avaliar criticamente o impacto do processo
Transformações do espaço na sociedade
de industrialização na Europa, na Ásia e na Oceania;
Identificar o papel dos setores primário, secundário e
terciário na economia dessas regiões e compreender a im-
(EF09GE10) Analisar os portânciadatecnologiaparaodesenvolvimentoeconômico
impactos do processo de dos países europeus e asiáticos;
industrialização na produção Relacionar a estrutura econômica ao desenvolvimento
e circulação de produtos e regional da Ásia e o perfil produtivo dos Tigres Asiáticos no
urbano-industrial

culturas na Europa, na Ásia e contexto global.


na Oceania. Analisar como o desenvolvimento do capitalismo industrial
na Europa, inicialmente na Inglaterra, gerou transformações
intensas, que passaram a ocorrer de modo mais amplo no
espaço geográfico, incluindo o aumento da exploração de
recursos naturais, com o uso cada vez maior de máquinas.
MUNDO DO TRABALHO

(EF09GE11) Relacionar as
mudanças técnicas e científi- Associar a industrialização com as mudanças no trabalho e
cas decorrentes do processo suas consequências para a classe trabalhadora;
de industrialização com as Conhecer e Explicar os novos formatos de trabalho do
transformações no trabalho mundo frente às exigências da indústria, identificando e
em diferentes regiões do comparando as concepções de trabalho nos mais diversos
mundo e suas consequências estádios da sociedade capitalista.
no Brasil.

(EF09GE12) Relacionar o Associar as questões atuais do campo (rural) ao campo


Cadeias industriais e inovação no uso dos recursos naturais e

processo de urbanização às tecnológico em que opera a partir dos avanços tecnológi-


transformações da produção cos, com cada vez menos trabalhadores;
agropecuária, à expansão do Identificar as causas do desemprego estrutural no Brasil;
desemprego estrutural e ao Analisar à expansão do desemprego estrutural no mundo
papel crescente do capital fi- e, especialmente, no Brasil, com a extinção de postos de
nanceiro em diferentes países, trabalhos a partir da automação de algumas atividades;
com destaque para o Brasil. Pesquisar sobre o emprego no seu município.

Reconhecer que as mudanças e as transformações técnicas


e científicas trouxeram ao mundo rural aumento signifi-
cativo da produção agropecuária na sociedade urbano-in-
(EF09GE13) Analisar a impor-
dustrial, mas que esse aumento de produção de alimentos
tância da produção agrope-
não se traduziu na extinção da fome, ou da desigualdade
cuária na sociedade urbano-
de acesso aos recursos alimentares e à matéria-prima pela
-industrial ante o problema
população em geral;
matérias-primas

da desigualdade mundial de
Analisar o problema da desigualdade mundial de acesso
acesso aos recursos alimenta-
aos recursos alimentares, ao problema da concentração de
res e à matéria-prima.
renda e da produção como uma das causas do aumento da
pobreza estrutural e da falta de condições dignas de vida e
moradia para a população em geral.
(EF09GE14) Elaborar e inter- Ler e Interpretar textos a partir de questões dirigidas sobre

formas de representação para analisar informações geográficas


Leitura e elaboração de mapas temáticos, croquis e outras pretar gráficos de barras e a exclusão social no mundo (quem são os pobres na atua-
FORMAS DE REPRESENTAÇÃO E PENSAMENTO ESPACIAL

de setores, mapas temáticos lidade);


e esquemáticos (croquis) e Confeccionar informações geográficas em representações
anamorfoses geográficas para cartográficas, gráficos, tabelas, esquemas e outras formas
analisar, sintetizar e apresen- de representação a partir de dados sobre desigualdade
tar dados e informações sobre social, produção agropecuária, concentração de renda etc;
diversidade, diferenças e Analisar mapas temáticos e anamorfoses geográficas que
desigualdadessociopolíticase apresentam informações sobre diversidade, desigualdades
geopolíticas mundiais. sociopolíticas e geopolíticas no mundo.

(EF09GE15) Comparar e
classificar diferentes regiões Analisar e estabelecer diferenças entre lugares do mundo
do mundo com base em no que concerne a informações populacionais, econômicas
informações populacionais, e socioambientais;
econômicasesocioambientais Analisar mapas de diferentes projeções cartográficas a
representadas em mapas fim de encontrar melhor projeção para cada finalidade de
temáticos e com diferentes representada.
projeções cartográficas.

Comparar as diferenças e semelhanças entre os diversos


Diversidade ambiental e as transformações nas paisagens na Europa, na Ásia e na

domínios morfoclimáticos e os aspectos físico-naturais


dos biomas existentes na Europa, Ásia e Oceania, como as
Florestas Tropicais (Ásia), as Florestas Temperadas (Euro-
(EF09GE16) Identificar e pa), as Savanas (Oceania), Desertos (Oceania e Ásia), entre
comparar diferentes domínios outros;
morfoclimáticos da Europa, Descrever as características físico-naturais dos domínios
da Ásia e da Oceania. morfoclimáticos existentes no mundo, e pensar se há
ocorrência dos mesmos domínios brasileiros nas regiões
da Europa, Ásia e Oceania;
Reconhecer que há a existência das Savanas no Brasil e na
Austrália, e a Floresta Tropical no Brasil e na Índia.
NATUREZA, AMBIENTES E QUALIDADE DE VIDA

(EF09GE17) Explicar as carac-


Descrever o processo de ocupação e a utilização dos recur-
terísticas físico-naturais e a
sos naturais e energéticos da Europa, Ásia e Oceania;
forma de ocupação e usos da
Identificar as características físico-naturais da Europa, Ásia
terra em diferentes regiões da
e Oceania;
Europa, da Ásia e da Oceania.

(EF09GE18) Identificar e anali-


sar as cadeias industriais e de
Analisar criticamente os usos de recursos naturais a partir
inovação e as consequências
das diferentes fontes de energia (termoelétrica, hidrelétrica,
dos usos de recursos naturais
eólica e nuclear) em diferentes países, a fim de analisar os
e das diferentes fontes de
impactos e as consequências desses usos na produção
energia (tais como termoe-
Oceania

industrial e de inovação;
létrica, hidrelétrica, eólica e
nuclear) em diferentes países.
618 - GEOGRAFIA -

17. Referências retoria de Currículos e Educação


Bibliográficas Integral. – Brasília: MEC, SEB, DI-
CEI, 2013.

AB’SABER, Aziz Nacib. Os do- ______. Ministério da Educação.


mínios de natureza no Brasil: po- Base Nacional Comum Curricular,
tencialidades paisagísticas. São 2017.
Paulo: Ateliê Editorial, 2003. ______. portal. mec.gov.br/
ANDRADE, Manoel C. ANDRA- docman/dezembro-2010-pdf/
DE, Manuel Correia de. Caminhos e 7246-rceb007-10.
descaminhos da Geografia. Campi- ______. Diretrizes e Bases da
nas, São Paulo: Papirus, 2004. Educação Nacional, lei nº 9.394.
APPLE, M. et al. Currículo, poder Presidência da ______. Diretrizes
e lutas educacionais: com a palavra, Curriculares Nacionais para o Ensi-
os subalternos. Tradução de Ro- no Fundamental de 9 anos Resolu-
naldo Catado Costa. Porto Alegre: ção CNE/CEB nº 7/2010.
Artmed, 2000. ______. Parâmetros Curricula-
ALAGOAS. Secretaria de Esta- res Nacionais: ciências humanas/
do da Educação e do Esporte – SEE Ministério da Educação. Secretá-
Referencial curricular da educação ria da CIÊNCIAS HUMANAS, 2001.
básica da rede estadual de ensi- epública. Brasília, 1996.
no de Alagoas: ciências humanas/ CASTROGIOVANNI, A. C.
Secretaria de Estado de Educação Apreensão e compreensão do
e Esportes. – 1ª ed. Maceió, 2014. espaço geográfico. In: CASTRO-
Referencial Curricular da Educação GIOVANNI, A. C.; CALLAI, H. C.;
Básica da Rede Estadual de Ensino KAERCHER, N. A. (Org). Ensino de
do Estado de Alagoas. Geografia: práticas e textualiza-
Artigo http://queconceito.com. ções no cotidiano. Porto Alegre:
br/natureza. Pesquisa feita em Mediação, 2009.
22/052018. CALLAI, Projetos Interdiscipli-
BRASIL. Diretrizes Curricula- nares e a Formação do Professor
res Nacionais Gerais da Educação em Serviço: in Geografia em Pers-
Básica/ Ministério da Educação. pectiva, São Pulo. Contexto, 2002.
Secretária de Educação Básica. Di- CAVALCANTI, L. de S. Geogra-
Referencial Curricular de Alagoas - Educação Infantil 619

fia, Escola e Construção de Conhe- VEIGA Neto, Alfredo. De Geo-


cimentos. Campinas – SP: Papirus, metrias, Currículo e Diferenças IN:
1998. Educação Sociedade, Dossiê Dife-
renças-2002.
DAVID P. Ausubel. https://no-
vaescola.org.br/conteudo/262/ https://www.meusdicionarios.
david-ausubel-e-a-aprendiza- com.br/raciocinio
gem-significativa. Pesquisa em
20/05/2018.
Dicionário. https://www.meus-
dicionarios.com.br/raciocinio. Pes-
quisa em 20/06/2018.
GOMES, Paulo Cesar da Cos-
ta. Os fundamentos filosóficos da
geografia científica. p.127-148.
In: GOMES, Paulo Cesar da Cos-
ta.  Geografia e Modernidade. 5.
ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,
2012.
GONÇALVES, Antonio Sérgio.
Reflexões sobre educação integral
e escola de tempo integral. 2006.
SANTOS, Milton. Por uma geo-
grafia nova. São Paulo: EdUSP,
2000.
SCARLATO, Francisco C. Popu-
lação e Urbanização Brasileira. In:
ROSS, J. (org.) Geografia do Brasil.
São Paulo: Editora da Universidade
de São Paulo (Edusp), 2005.
OLIVEIRA, Lívia. Estudo meto-
dológico e cognitivo do mapa. São
Paulo: Instituto de Geografia/USP,
1978. 128p.

Você também pode gostar