Você está na página 1de 231

Ciências da Natureza

Secretaria de Estado da Educação e do Esporte

MACEIÓ/AL - 2014
CIÊNCIAS DA NATUREZA

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

Teotônio Vilela Filho Profª Msc. Maria Vilma da Silva


GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS PROJETO DE ELABORAÇÃO

José Thomaz Nonô Neto Profª Msc. Maria Vilma da Silva


VICE­GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS Profª Esp. Rosineide Machado Urtiga
COORDENAÇÃO GERAL
Stella Lima de Albuquerque
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE Profa. Dra. Rosaura Soligo
ASSESSORIA TÉCNICO­PEDAGÓGICA
Adriana Araújo Peixoto INSTITUTO ABAPORU DE EDUCAÇÃO E CULTURA
SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA DA EDUCAÇÃO
Alessandro de Melo Omena
Vânia Maria Quintela Lopes Fernandez Antônio Daniel Marinho Ribeiro
SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA DO ESPORTE Allan Manoel Almeida da Silva
Edluza Maria Soares de Oliveira
Maridalva Passos Santos Campos
José Flávio Tenório de Oliveira
SUPERINTENDENTE DE GESTÃO DA REDE ESTADUAL DE
ENSINO Ilson Barboza Leão Júnior
Maria Vilma da Silva
Claudiane Oliveira Pimentel Fabrício Maria da Paz Elias da Silva
SUPERINTENDENTE DE POLITICAS EDUCACIONAIS DE Patrícia Angélica Melo Araújo
ALAGOAS
Renata de Souza Leão
Maria do Carmo Custódio de Melo Silveira Soraia Maria da Silva Nunes
SUPERINTENDENTE DE GESTÃO DO SISTEMA EDUCACIONAL Walkíria Maria Bomfim Costa
DE ALAGOAS EQUIPE TÉCNICO­PEDAGÓGICA DA GEORC

Maria José Alves Costa


DIRETORA DE APOIO PEDAGÓGICO DAS ESCOLAS

Maria Vilma da Silva


GERENTE DE ORGANIZAÇÃO DO CURRICULO ESCOLAR

Rossane Romy Pinheiro Batista


GERENTE DE APOIO A FORMAÇÃO CONTINUADA

Terezinha Barbosa da Fonseca


GERENTE DE DESENVOLVIMENTO DAS PRÁTICAS
PEDAGÓGICAS

CIÊNCIAS DA NATUREZA

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

PROFESSORES COLABORADORES

Arryson André de Albuquerque Barbosa


Genilson Vieira Lins
Glauberto Cesário dos Santos
ARTE E PROJETO GRÁFICO

Maria Angélica Lauretti Carneiro


REVISÃO ORTOGRÁFICA

CATALOGAÇÃO NA FONTE: SEE/AL

ALAGOAS. Secretaria de Estado da Educação e do Esporte – SEE


Referencial Curricular da Educação Básica da Rede
Estadual de Ensino de Alagoas.
222p.
Educação Básica. Referencial Curricular. Ciências da Natureza.
1ª Edição. Maceió­AL, 2014.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE


Av. Fernandes Lima, 580 ­ Farol ­ Maceió/Al. ­ CEP: 57000­025

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

Prezados Professores e Professoras!

Eis o REFERENCIAL CURRICULAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO,


que ora apresentamos à sociedade alagoana e, principalmente, às escolas da rede estadual.
O Referencial Curricular que ora lhes entregamos traz as marcas da coletividade, pois foi
construído democraticamente, com a honrosa participação de professores e técnicos
pedagógicos das 15 Coordenadorias Regionais de Educação ­ CRE e técnicos pedagógicos da
sede administrativa da SEE/AL, coordenado pela Gerência de Organização do Currículo Escolar ­
GEORC, setor ligado à Diretoria de Apoio Pedagógico das Escolas ­ DIAPE e à Superintendência da
Gestão de Rede Estadual ­ SUGER.

Este documento contempla as experiências de Professores que lutam todos os dias na


busca de um ensino e aprendizagem de boa qualidade que possibilite o atendimento das
necessidades de aprendizagem de todos e de cada um dos estudantes matriculados na rede
estadual de ensino.

Vislumbramos com este documento uma educação escolar que considere a realidade dos
estudantes, as diversidades que permeiam a sociedade e, consequentemente, a valorização, e
ampliação dos saberes historicamente construídos pela humanidaade.

Na perspectiva de promover ensino e aprendizagem significativos e consistentes,


consideramos as interfaces entre o conhecimento científico e o escolar a partir dos princípios
pedagógicos da contextualização, da interdisciplinaridade, da pesquisa e dos letramentos.

Assim sendo, este Referencial representa no contexto da educação escolar alagoana, o


anseio de todos os participes do movimento de construção de uma escola pública de boa
qualidade, investindo no desenvolvimento das potencialidades de todos os envolvidos no
processo de ensino de aprendizagem.

Stella Lima de Albuquerque


Secretária de Educação e do Esporte de Alagoas

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

Sumário
INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

CAPÍTULO I ­ O PAPEL DA ESCOLA NA FORMAÇÃO DO SUJEITO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19


1.1 O Papel da Escola Hoje. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.2 Educação Escolar e Direitos Humanos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

CAPÍTULO 2 ­ A ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29


2.1 Educação Infantil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
2.2 Ensino Fundamental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
2.3 Ensino Médio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
2.4 Modalidades e Diversidades da Educação Básica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
2.4.1 Educação de Jovens e Adultos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
2.4.2 Educação Especial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
2.4.3 Educação Profissional e Técnica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
2.4.4 Educação a Distância na Educação Básica da Rede Estadual de Ensino de Alagoas. . . . . . . . . . . . . 42
2.4.5 Educação Escolar Quilombola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
2.4.6 Educação para as Relações de Gênero e Sexual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
2.4.7 Educação Indígena . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
2.4.8 Educação Escolar do Campo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

CAPÍTULO 3 ­ DESAFIOS PARA A REDE ESTADUAL DE ENSINO DE ALAGOAS . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . . 51


3.1 O Desafio de Alfabetizar a todos na Idade Certa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . . 53
3.2 Distorção Idade­Escolaridade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . . 55
3.2.1 Possibilidade de Superação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . . 56
3.2.1.1 Turmas de Progressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . . 56
3.2.1.1.1 Turmas de Progressão I e II (anos iniciais) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . . 56
3.2.1.1.2 Turmas de Progressão III e IV (anos finais) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . . 57
3.3 Espaços/Tempos Complementares de Aprendizagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . . 57
3.3.1 Laboratórios de Aprendizagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . . 58
3.3.2 Outras Possibilidades. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . . 59
3.4 Educação em Tempo Integral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . . 60
3.4.1 Programa Mais Educação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . . 60

CAPÍTULO 4 – COMPROMISSOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA E ORGANIZAÇÃO


DO CONHECIMENTO ESCOLAR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
4.1 Propósitos da Educação Básica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
4.2 Organização do Conhecimento Escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
4.3 A construção de Competências e Habilidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
4.4 Área de Ciências da Natureza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
4.4.1 Organização do Conhecimento Escolar da Área de Ciências da Natureza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
4.4.2 Os Componentes Curriculares da Área de Ciências da Natureza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
4.4.2.1 Organização do Conhecimento Escolar de Ciência da Natureza ­ Ensino Fundamental. . . . . . . . 82
4.5 Biologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
4.5.1 Caracterização do Componente Curricular de Biologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
4.5.2 Organização do Conhecimento Escolar de Biologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
4.6 Física. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
4.6.1 Caracterização do Componente Curricular de Física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
4.6.2 Organização do Conhecimento Escolar de Física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
4.7 Química. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

4.7.1 Caracterização do Componente Curricular de Química . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134


4.7.2 Organização do Conhecimento Escolar de Química. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141

CAPÍTULO 5 ­ ORIENTAÇÕES DIDÁTICO­METODOLÓGICAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 157


5.1 A Questão Metodológica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 159
5.2 Pesquisa e Letramentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 162
5.2.1 A Pesquisa na Escola de Educação Básica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 163
5.2.2 Letramentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 164
5.2.3 A Relação entre Letramento e Escolarização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 165
5.3 O Desenvolvimento das Habilidades de Leitura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 166
5.4 A Gestão de Sala de Aula e as Modalidades Organizativas . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 168
5.4.1 Síntese das Modalidades Organizativas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 171
5.5 Orientações Didático­Metodológicas da Área de Ciências da Natureza . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 172
5.6 Modalidades Organizativas da Área de Ciências da Natureza . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 180
5.6.1 Projeto Didático Interdisciplinar do Ensino Fundamental . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 180
5.6.2 Projeto Didático Interdisciplinar do Ensino Médio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 184
5.6.3 Sequência Didática de Ciências de Ensino Fundamental . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 188
5.6.4 Sequência Didática de Biologia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 191
5.6.5 Sequência Didática de Física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 192
5.6.6 Sequência Didática de Química . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 194
5.6.7 Atividades Permanentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . 195

CAPÍTULO 6 ­ AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197


6.1 Instrumentos e estratégias de avaliação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
6.1.1 Observação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
6.1.2 Trabalho individual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
6.1.3 Trabalho em grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
6.1.4 Debate . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
6.1.5 Painel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
6.1.6 Seminário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
6.1.7 Autoavaliação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
6.1.8 Prova . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
6.1.9 Relatório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
6.2 Registro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
6.2.1 Registro no processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
6.3 Promoção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
6.3.1 Promoção nas etapas e modalidades. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
6.3.1.1 Ensino fundamental 6º ao 9º ano, ensino médio e ensino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
normal (2º segmento) e ensino médio na modalidade educação de jovens e adultos. . . . . . . . . . . . . . . 204
6.3.1.2 Educação especial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
6.4 Turmas de progressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
6.5 Recuperação da aprendizagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
6.5.1 Recuperação paralela . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
6.5.2 Recuperação final . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
6.6 Conselho de classe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
6.7 Classificação e reclassificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
6.8 Considerações finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
REFERENCIAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
PARA SABER MAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
ANEXO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

O Referencial Curricular da Educação Básica da Rede


Estadual de Ensino de Alagoas foi construído coletivamente, tendo
como partícipes professores da rede estadual de ensino, técnicos
pedagógicos da SEE que atuam nas diferentes etapas de ensino,
bem como consultores especialistas em cada área do
conhecimento.
Acreditando que o documento deve oferecer a todos os
professores da rede estadual de ensino orientações para a
organização da sua prática pedagógica, intencionamos que esta
considere a escola como espaço genuíno de aprendizagem, em que
todos aprendem e ensinem; um espaço de gestão democrática e de
vivência dos direitos humanos, fundamentado nos princípios
prescritos no Art. 3º da LDB de nº 9.394/88:
I ­ igualdade de condições para o acesso e permanência na
escola;
II ­ liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a
cultura, o pensamento, a arte e o saber;
III ­ pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas;
IV ­ respeito à liberdade e apreço à tolerância;
V ­ coexistência de instituições públicas e privadas de
ensino;
VI ­ gratuidade do ensino público em estabelecimentos
oficiais;
VII ­ valorização do profissional da educação escolar;
VIII ­ gestão democrática do ensino público, na forma desta
Lei e da legislação dos sistemas de ensino;
IX ­ garantia de padrão de qualidade;
X ­ valorização da experiência extraescolar;
XI ­ vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as
práticas sociais.
XII ­ consideração com a diversidade étnico­racial.
Na perspectiva de que a escola seja, de fato, um espaço de
diálogo e de aprendizagens para todos é que a Gerência de
Organização do Currículo Escolar – GEORC planejou o processo de
construção do Referencial Curricular em três grandes etapas.
A primeira etapa se deu a partir do primeiro semestre de
2011 com os estudos e planejamento do processo de construção do
documento. Na sequência, com a realização de reuniões de
trabalho com todos os representantes das Gerências e Diretorias da
SEE que têm como objeto de trabalho a organização da prática

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 13


CIÊNCIAS DA NATUREZA

pedagógica da Educação Básica, com os relacionados ao processo de construção do


chefes e técnicos das Unidades de Apoio referido documento. Foram inscritos para
Pedagógico às Escolas – UAP e com os participarem do desenvolvimento dessa etapa
Coordenadores das Coordenadorias de construção do documento 375
Regionais de Ensino – CRE, para profissionais, sendo 330 professores oriundos
apresentação do projeto de construção do das 15 CRE e 45 técnicos pedagógicos da SEE e
Referencial Curricular. Essa etapa culminou para oficializar a participação desses
com a inscrição dos professores da rede professores no processo de construção do
Referencial Curricular foi publicada, em 17 de
estadual, oriundos das 15 CRE e da SEE,
maio de 2013, a portaria nº 409 – SEE/2013.
representando todas as etapas de ensino e
Nessa etapa se deu o processo de
áreas do conhecimento; a organização dos
sistematização do conhecimento escolar das
Grupos de Trabalho – GT e com a socialização
diferentes etapas de ensino, realizada em
do projeto de construção do Referencial quatro Encontros de Trabalho, que foram
Curricular para todos os professores inscritos, organizados na perspectiva de garantir aos
em todas as CRE. participantes a compreensão das concepções
A segunda etapa se deu nas e conceitos fundamentais à produção do
CRE, durante o ano de 2012, com a Referencial: o primeiro Encontro, com formato
Fundamentação teórico­metodológica dos de seminário, objetivou alinhar o discurso
Grupos de Trabalho – GT, a partir do estudo entre todos os envolvidos no processo de
dos documentos oficiais que tratam da construção do documento acerca da temática
organização do currículo escolar, das 'Currículo e Diversidade', entendendo que
concepções e diferentes formas de essa discussão perpassa por todas as fases de
organização do currículo. Nessa etapa, foram construção e desenvolvimento do currículo; o
disponibilizados aos GT, um roteiro de estudo Seminário foi intitulado “A abordagem das
orientando o processo de fundamentação diversidades e sua inserção no currículo da
teórico­metodológica, bem como um kit de educação básica da rede estadual de ensino
t e x t o s , c o n s t i t u í d o p e l o s re f e r i d o s de Alagoas”. O segundo e terceiro encontros
discutindo e sistematizando as 'Concepções
documentos oficiais que tratam da
de currículo e as formas de organização do
organização do currículo escolar e, também,
conhecimento escolar' e o quarto discutindo e
por textos teóricos que tratam da concepção
sistematizando as 'Orientações didático­
de currículo e das diferentes formas de
metodológicas e os modelos de organização e
organização do conhecimento escolar. desenvolvimento da prática pedagógica'.
A terceira etapa representa o Na perspectiva de se decidir a
início da escrita do Referencial Curricular. Na concepção e a estrutura ideal para o
perspectiva de otimizar o tempo e os espaços Referencial Curricular da Educação Básica de
de produção do referido documento foi Alagoas a GEORC, diante da sua competência
necessário reorganizar o processo de de coordenar o processo de construção deste
participação dos professores. Foi solicitada documento, realizou­se a análise de alguns
às CRE e à SEE a indicação/sugestão de documentos oficiais publicados pelo CNE
nomes de professores que atuam nas (Conselho Nacional de Educação) e LDB (Lei
diferentes etapas de ensino, especialistas nas de Diretrizes e Bases da Educação Nacional –
diferentes áreas do conhecimento para LDB nº 9.394/96; Diretrizes Curriculares
compor grupos de trabalho, que estivessem Nacionais, PCN, Matrizes de referência dos
participando dos estudos e discussões exames de larga escala (Provinha Brasil, Saeb,

14 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

Prova Brasil, ENEM, entre outros), documentos ·por etapa e modalidade de ensino;
publicados pela própria SEE/AL (Referencial ·por área do conhecimento;
Curricular da Educação Básica de Alagoas – ·por competências e habilidades.
RECEB, Matrizes Curriculares (1996); Nessa perspectiva, o Referencial
Referen ci ai s /Prop os t as C urri culares Curricular da Educação Básica da Rede
publicadas por diferentes unidades da Estadual de Ensino de Alagoas está
federação (São Paulo – SP, Goiás, Espírito organizado em sete capítulos relativamente
Santo, Acre, São Luiz – MA, etc), bem como sintéticos. O capítulo I trata do PAPEL DA
referenciais teóricos publicados por ESCOLA NA FORMAÇÃO DO SUJEITO,
diferentes pesquisadores da área de discorrendo sobre a importância, na escola e
currículo. na vida, da vivência do respeito às diferenças e
A partir dessa análise, identificamos do princípio da solidariedade para a vivência
que as Diretrizes Curriculares Nacionais dos direitos humanos e uma convivência
Gerais e as Diretrizes operacionais de cada pacífica e harmoniosa; o capítulo II explicita A
etapa e modalidade de ensino orientam a ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA e traz a
organização da prática pedagógica de forma caracterização da Educação Básica da rede
interdisciplinar e por área do conhecimento, estadual de ensino de Alagoas, nas suas
com vistas à aprendizagem significativa e etapas, modalidades e diversidades de
contextualizada; que as matrizes de referência ensino, trata da organização e do perfil do seu
dos exames de larga escala (Prova Brasil, público; o Capítulo III reflete acerca de ALGUNS
SAEB, SAVEAL) estão organizadas na DESAFIOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA a serem
perspectiva de identificar capacidades enfrentados pela rede estadual de ensino de
desenvolvidas; que a matriz de referência do Alagoas; o Capítulo IV oferece uma discussão
ENEM está organizada por área do sobre as diferentes concepções e formas de
conhecimento e por competências e ORGANIZAÇÃO DO CONHECIMENTO
habilidades; e que o resultado das avaliações ESCOLAR e propõe a sistematização do
internas e externas evidencia, dentre outras conhecimento escolar das diferentes etapas e
coisas, a ausência de um currículo áreas do conhecimento; o capítulo V traz
sistematizado, em conformidade com os ORIENTAÇÕES DIDÁTICO­METODOLÓGICAS
documentos mencionados. e reflexões acerca do processo de
Isto posto, a GEORC decidiu organização da prática pedagógica,
considerar as orientações dos documentos oferecendo possibilidades de
oficiais que se coadunam e compreendeu que d e s e n v o l v i m e n t o d a a p re n d i z a ge m
o currículo escolar deve estar organizado para significativa, a partir da resolução de
responder as perguntas: o que ensinar?; situações­problema e, também, sugestões de
quando ensinar?; para quem ensinar?; como modalidade organizativas da prática
ensinar e avaliar?. pedagógica e da gestão da sala de aula e, por
Esse movimento está ancorado numa fim, o Capítulo VI apresentando orientações
concepção de currículo vivo, contextualizado, para a AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM trata
q u e c o n s i d e ra a e s c o l a l ó c u s d e das concepções de avaliação que se
aprendizagens significativas, que possibilita o coadunam com as opções feitas para
desenvolvimento das capacidades de todos organização da prática pedagógica e
os envolvidos no processo de ensino e apresenta orientações acerca do processo de
aprendizagem. avaliação contínua e paralela no processo de
Assim sendo, nosso Referencial está ensino e aprendizagem.
organizado da seguinte forma:

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 15


CIÊNCIAS DA NATUREZA

Portanto, a GEORC/DIAPE/SUGER pedagógica dos professores da rede estadual


espera que este documento contribua, de de ensino de Alagoas, bem como para a
forma efetiva, para o processo de melhoria dos resultados da aprendizagem dos
reformulação e revitalização da prática estudantes de todas as escolas estaduais.

16 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


O Papel da Escola na
Formação do Sujeito

Capítulo 1
CIÊNCIAS DA NATUREZA

Ensinar a respeito dos processos de interpretação e


desenvolvimento do mundo que nos cerca é eminentemente uma
qualidade humana. Em todos os espaços contemporâneos essa
propriedade ganha, cada vez mais a nomenclatura e a exigência
moral de ser um dos direitos humanos que o Estado deve garantir ao
cidadão. Dessa forma, a Escola torna­se o locus oportuno para o
desenvolvimento pleno e otimizado das potencialidades humanas
relacionadas à convivência, ao saber, à reflexão, ao diálogo e à
construção mútua. O capítulo que se segue faz algumas reflexões
sobre a relação da escola com o sujeito e com a sociedade,
apontando caminhos profícuos para a discussão acerca da escola e
sua relação com as diversidades.

1.1 O Papel da Escola Hoje1

As mudanças sociais decorrentes de um mundo cada vez


mais complexo e globalizado têm colocado muitos desafios à
escola. Hoje, talvez mais do que nunca, há um compromisso ético e
pedagógico que não podemos deixar de assumir com as crianças e
jovens que são estudantes das nossas escolas: oferecer todas as
possibilidades que estiverem ao nosso alcance para que eles
conquistem o conhecimento sobre as 'coisas do mundo', interessá­
los com propostas desafiadoras e significativas, incentivá­los a
procurar respostas para suas próprias questões, mostrar que as
suas descobertas intelectuais e suas ideias têm importância,
encorajá­los a darem valor ao que pensam, potencializar a
curiosidade em relação às diferentes áreas do conhecimento,
familiarizando­os – desde pequenos e progressivamente – com as
questões da linguagem, da matemática, da física, da biologia, da
química, da tecnologia, da arte, da cultura, da filosofia, da história,
da vida social, do mundo complexo em que vivemos.
Do ponto de vista pedagógico, o desafio, portanto, é propor
boas situações de ensino e aprendizagem, ou seja, situações que de
fato levem em conta as hipóteses e os conhecimentos prévios dos
estudantes sobre o que pretendemos que eles aprendam e que lhes
coloquem novos desafios. Assim, estaremos cumprindo uma tarefa
essencial da educação escolar: favorecer o contato amistoso de
todos com o conhecimento nas diferentes áreas desde pequenos.

1
Texto organizado pela equipe da Gerência de Organização do Currículo Escolar – GEORC com a colaboração da Profa. Dra. Rosaura Soligo ­ Instituto Abaporu de
Educação e Cultura.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 19


CIÊNCIAS DA NATUREZA

Tal como indicam os propósitos da documentos de orientação: respectivamente


educação escolar apresentados mais adian­ o plano de ensino – que deve traduzir a pro­
te, a tarefa política e pedagógica, na Educação posta curricular da escola contextualizada em
Básica, é tornar a escola, de fato, um espaço­ seu projeto educativo – e o planejamento
tempo de desenvolvimento integral dos específico do professor, considerando, por um
estudantes, de ampliação dos processos de lado, esses subsídios e, por outro, a situação
letramento, de múltiplas aprendizagens, de concreta de sua/s turma/s. Por exemplo, se
aquisição do conhecimento considerado nos documentos publicados nacionalmente
necessário hoje e de convívio fecundo entre estiver indicado – como está – a necessidade
eles, o que significa garantir: de organizar as propostas de ensino de modo
acesso aos saberes, práticas e experiências a garantir o desenvolvimento das capacida­
culturais relevantes para o desenvolvimento des de pesquisa e a ampliação dos processos
integral de todos, ou seja, para o desenvolvi­ de letramento para que os estudantes possam
mento de suas diferentes capacidades – dominar os saberes imprescindíveis que são
cognitivas, afetivas, físicas, éticas, estéticas, seus direitos, e a escola avalia que o repertório
de relacionamento pessoal e de inserção deles está muito aquém do que é esperado,
social; será o caso de intensificar as práticas no
·experiências, conhecimentos e saberes sentido de, em qualquer ano de escolaridade
necessários para que possam progressiva­ que estejam, possam conquistar esses
mente participar da vida social como cida­ saberes. É assim que se faz o 'ajuste local': os
dãos; documentos do Conselho Nacional do
·desenvolvimento da personalidade, pensa­ Ministério da Educação e da Secretaria de
mento crítico, solidariedade social e juízo Estado indicam os conhecimentos necessári­
moral, contribuindo para que sejam cada vez os para as crianças, adolescentes e jovens do
mais capazes de conhecer e transformar, país que frequentam a escola e esta, cuja
quando for o caso, a si mesmos e ao mundo em função social é garantir o acesso ao conheci­
que vivem; mento historicamente produzido e considera­
·domínio das ferramentas necessárias para do imprescindível no currículo escolar e
continuar aprendendo para além da escola. planejar os modos de assegurá­los tendo em
Para tanto, há diferentes níveis de conta a realidade.
concretização curricular, conforme apontam Nesse sentido, o Referencial
os Parâmetros Curriculares Nacionais (1997): Curricular da Educação Básica da Rede
dois mais externos, de subsídio, e dois inter­ Estadual de Ensino de Alagoas representa o
nos, de ajuste, no âmbito da escola. O primeiro segundo nível de concretização curricular,
nível é indicado pelos documentos nacionais cujo propósito é subsidiar as escolas no
publicados pelo Ministério da Educação e planejamento pedagógico de um trabalho que
Conselho Nacional de Educação (Diretrizes, de fato assegure aos estudantes as aprendi­
Referenciais e Parâmetros Curriculares zagens a que têm direito.
Nacionais) e o segundo, pelas Secretarias de Já na década de 90 do século passa­
Educação dos Estados e Municípios, quando do, a Unesco instaurou uma comissão cha­
desdobram as proposições nacionais em mada Comissão Internacional sobre
propostas que devem sempre ser localmente Educação para o Século XX, que elaborou um
adequadas à realidade. Já o terceiro e o relatório publicado no Brasil com o título
quarto níveis são desdobramentos desses

20 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

“Educação: um tesouro a descobrir” (1998)2 dessa perspectiva, o cuidado com os saberes


com a indicação dos principais desafios que se referem à profissão docente, pois aos
colocados para o futuro – o presente que hoje professores confere a função de mediar as
vivemos. Desde então, considerando a relações entre os estudantes e o
análise desses desafios, se passou a defender conhecimento. Segundo Tardif (2002, p. 39), o
como “pilares” da educação escolar o que professor é “alguém que deve conhecer sua
prevê esse documento internacional: o matéria, sua disciplina e seu programa, além
aprender a conhecer, o aprender a fazer, o de possuir certos conhecimentos relativos às
aprender a conviver e o aprender a ser, que ciências da educação e à pedagogia e
continuam na base das propostas desenvolver um saber prático baseado em sua
educacionais de vários países do mundo e que experiência cotidiana com os alunos”.
sustentam política e pedagogicamente Cabe à escola se constituir cada vez
também estes Referenciais. mais como espaço propício para o
Essa perspectiva educativa exige que desenvolvimento das potencialidades de
a escola se organize de modo a favorecer e todos – estudantes, profissionais e
melhorar cada vez mais: comunidade escolar – promovendo relações
·A organização de seus espaços e humanas éticas, solidárias, fraternas e
tempos pedagógicos; construtivas; assumindo o compromisso com
·A forma como faz os agrupamentos educação de qualidade, pluralismo de ideias,
dos estudantes; ampliação do universo cultural e exercício da
·A mediação entre o ensino e a cidadania; incentivando o cuidado com a
aprendizagem; natureza e com o espaço público. Isso só é
·A circulação dos estudantes nos possível com um olhar apurado para a
espaços dentro e fora da escola; realidade vivida, um movimento constante de
·A promoção da vida no presente e os ação­reflexão­ação, atualização constante
projetos futuros; dos profissionais e investimento na qualidade
·A organização da prática pedagó­ da aprendizagem de todos. É preciso,
gica a partir da vivência de conteúdos portanto, superar a distância que muitas vezes
significativos; separa a escola da dinâmica social, o
·A utilização pedagógica das descompasso entre o que se ensina e o que, de
tecnologias de informação e comunicação fato, é preciso que os estudantes aprendam.
(TIC); As mudanças inerentes a todas as etapas da
·A formação dos docentes; vida, as mudanças sociais promovidas pelo
·A valorização da profissão docente; avanço da tecnologia, aliadas aos desafios
·A infraestrutura e equipamentos que hoje se colocam em relação ao
necessários para a qualidade do ambiente desenvolvimento de valores éticos nem
escolar. sempre têm adentrado a escola com força
Destacamos a importância da suficiente para produzir as transformações
articulação e priorização das ações que de necessárias, e é urgente que isso ocorra.
fato podem contribuir para a melhoria da O Referencial Curricular é uma
qualidade do ensino e da aprendizagem e, contribuição nesse sentido e, por isso, indica

2
DELORS, Jacques (Coord.). Os quatro pilares da educação. In: Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez. p. 89­102.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 21


CIÊNCIAS DA NATUREZA

uma base de conhecimentos imprescindíveis a ·Criar contextos que favoreçam o


cada etapa e modalidade de ensino, como protagonismo e a profissionalidade dos
proposta para qualificar cada vez mais a ação professores.
educativa nas escolas do Estado de Alagoas. ·Incentivar o desenvolvimento
A iniciativa deste documento decorre da profissional e a ação refletida de todos.
análise dos baixos indicadores educacionais ·Produzir conhecimento sobre a
na Rede Pública de Ensino, conforme dados prática pedagógica e a vida da escola,
obtidos através das avaliações sistemáticas e buscando resposta para os desafios.
em exames de larga escala como, por ·Considerar que a escola e as pessoas
exemplo, a Prova/Provinha Brasil, IDEB, são 'sistemas abertos', isto é, estão em
SAVEAL, ENEM. permanente interação com o ambiente
Nosso entendimento é que a escola é externo.
uma instituição poderosa, porque tanto pode Esses são, segundo nos parece, os
dar à luz o conhecimento e o prazer de principais desafios para garantir educação
aprender para todos como, ao contrário, pode escolar de qualidade, se entendermos que
obscurecer. Se considerarmos que o uma escola boa de fato é aquela que não
magistério é a maior categoria profissional do apenas dá acesso ao conhecimento para
país (são mais de um milhão e seiscentos mil todos que nela convivem, mas cria condições
professores) e que os estudantes passam efetivas para que todos desenvolvam suas
cerca de quatro horas na escola durante 200 diferentes capacidades e ampliem cada vez
dias letivos, por vários anos, teremos a real mais as suas possibilidades de ser, de
dimensão de sua potencialidade como conhecer, de conviver e de fazer o melhor.
instituição educativa. Na perspectiva de construir uma
Para que essa potencialidade se prática pedagógica baseada na vivência dos
converta em realidade concreta, entendemos, direitos humanos e, consequentemente, uma
tal como a pesquisadora portuguesa Isabel escola verdadeiramente inclusiva, apresen­
Alarcão3, que alguns pressupostos são tamos algumas questões inerentes à
essenciais: Educação e aos Direitos Humanos,
·Tomar como princípio que, em uma destacando as relações que devem estar
escola, o mais importante são as pessoas. explícitas na organização do currículo.
·Considerar que liderança, diálogo e
reflexão­ação são fundamentais na gestão 1.2 Educação Escolar e Direitos
escolar. Humanos4
·Construir e consolidar um projeto
educativo próprio, explícito e compartilhado. O Brasil é um país rico em sua
·Compatibilizar a dimensão local e diversidade biológica, cultural, étnica,
universal da educação escolar. religiosa e social. Essa diversidade,
·Garantir o exercício da cidadania no (...) se constitui das diferenças que
interior da própria escola. distinguem os sujeitos uns dos outros –
·Articular as ações de natureza mulheres, homens, crianças, adolescentes,
político­administrativa e curricular­ jovens, adultos, idosos, pessoas com necessi­
pedagógica. dades especiais, indígenas, afrodescenden­
3
In Escola reflexiva e nova racionalidade. Porto Alegre: Artmed, 2001.
4
Texto construído pela equipe de técnicos pedagógicos da Superintendência de Políticas Educacionais – SUPED/SEE­AL.

22 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

tes, descendentes de portugueses e de outros d i f e re n c i a m h o m e n s e m u l h e re s ,


europeus, de asiáticos, entre outros. A heterossexuais e homossexuais, negros,
diversidade que constitui a sociedade índios e brancos, restringindo os direitos e as
brasileira abrange jeitos de ser, viver, pensar oportunidades entre os sujeitos em função da
— que se enfrentam. Entre tensões, entre discriminação e do preconceito.
modos distintos de construir identidades A cultura da discriminação e do
sociais e étnico­raciais e cidadania, os preconceito é introjetada nos sujeitos pelas
sujeitos da diversidade tentam dialogar entre interações sociais que são estabelecidas
si, ou pelo menos buscam negociar, a partir de numa sociedade num determinado tempo.
suas diferenças, propostas políticas. Historicamente, buscou­se entender as
Propostas que incluam a todos nas suas relações sociais de gênero com base nas
especificidades sem, contudo, comprometer diferenças entre os sexos, com ênfase na
a coesão nacional, tampouco o direito especificidade biológica de mulheres e
5
garantido pela Constituição de ser diferente. homens, caracterizada pela dominação de um
(CONFINTEA, 2008, p.12) sexo sobre o outro, estabelecendo uma
Nessa perspectiva, o currículo relação hierarquizada de poder, na qual a
escolar deve abordar a diversidade como masculinidade hegemônica seria a ideal e,
parte integrante das temáticas que portanto, superior (VELOSO, 2000).
constituem as relações sociais brasileiras, É necessário empreender uma
caso contrário, corre­se o risco de reforçar mudança epistemológica que efetivamente
ainda mais a discriminação, negando a rompa com a lógica binária e construa uma
diferença e desconsiderando a diversidade. abordagem que permita “compreender a
A efetivação de uma sociedade heterossexualidade e a homossexualidade
democrática, em que as diferenças sejam como interdependentes, como mutuamente
respeitadas e os direitos dos diferentes necessárias e integrantes de um mesmo
sujeitos e grupos sociais sejam garantidos em quadro de referencia” (LOURO, 2001, p. 549),
suas representações na organização social, questionando o processo pelo qual uma forma
política, econômica e cultural do país, só é de sexualidade (a heterossexualidade)
possível por um processo educativo que acabou por se tornar a norma. A
considere e respeite a diversidade das problematização das fronteiras tradicionais
construções humanas. de gênero põe em xeque as dicotomias
Para tanto, o currículo escolar deve h o m e m / m u l h e r , h e t e ro s s e x u a l i d a ­
incluir na abordagem dos conteúdos de/homossexualidade, questionando as
escolares as discussões sobre questões de próprias categorias e sua fixidez.
gênero, étnico­raciais e religiosas, Esse processo de mudança nas
multiculturalismo, entre outras. É necessário relações sociais nos lança para uma
que a discussão das diferenças faça parte do pedagogia que sugere o questionamento, a
contexto escolar, compreendida a partir de problematização, a desnaturalização6 e a
seus determinantes históricos e sociais e das incerteza como estratégias férteis e criativas
relações que se estabelecem entre os para pensar qualquer dimensão da existência
diferentes sujeitos de uma sociedade. As e suas diferentes formas de expressão.
múltiplas relações sociais no Brasil Outra temática que deve permear as
5
Extraído do documento base da VI Conferência Internacional de Jovens e Adultos – CONFINTEA, realizada em Brasília no mês de março de 2008.
6
Rompimento com o conceito naturalmente posto.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 23


CIÊNCIAS DA NATUREZA

discussões curriculares e potencializar o sociedade democrática em que todos possam


trabalho pedagógico diz respeito às relações ter seus direitos garantidos e sua identidade
étnico­raciais. O estudante negro e/ou valorizada.
indígena, por exemplo, precisa (re)construir A diversidade religiosa é outro tema
sua identidade cultural e, nesse sentido, a da diversidade, sendo papel das escolas o
escola pode contribuir na busca e respeito a todas as formas de expressão e de
compreensão dos referenciais que constituem representação das diversas religiosidades,
sua etnicidade. Isso significa reconhecer a sejam elas matrizes religiosas europeias,
importância e o legado da cultura do povo africanas, asiáticas, indígenas, orientais,
africano e indígena, construindo estratégias e dentre outras. É o reconhecimento e
diretrizes para inclusão no currículo escolar autoafirmação dos sujeitos e do direito de
de conhecimentos sobre a História da África, liberdade de expressão de suas crenças e
da Cultura Afro­Brasileira e Afro­Alagoana e rituais religiosos8. Portanto, as práticas
Indígena, a luta dos povos negros e indígenas pedagógicas devem combater todo tipo de
na formação da sociedade alagoana, intolerância religiosa9 e primar por fomentar a
resgatando as suas contribuições na área tolerância religiosa.
social, econômica e política.7 A prática pedagógica da escola deve
É preciso que o trabalho pedagógico estar conectada com diferentes espaços,
respeite a tradição cultural dos diferentes considerando como referência a comunidade
sujeitos. É necessário apreender e onde se encontra inserida, no entanto, sem se
compreender os elementos da construção limitar a ela. Deve partir da valorização da
histórica dessas culturas, estabelecendo as realidade social dos sujeitos a quem se
relações entre elas e os conteúdos escolares, destina, sejam eles povos da cidade ou do
de forma interdisciplinar e transdisciplinar, a campo.
partir da análise dos aspectos históricos, Esta prática precisa estar vinculada à
culturais, sociológicos, antropológicos, vistos cultura e às relações mediadas pelo trabalho,
sob a ótica dos sujeitos em todas as etapas da entendido como produção material e cultural
educação básica: infantil, fundamental e de existência humana. Essas relações
médio. econômicas e sociais são vividas e
Portanto, faz­se necessário promo­ construídas por sujeitos concretos, de
ver mudanças curriculares que contemplem a diferentes gêneros, etnias, religiões, grupos
pluralidade cultural e a diversidade étnico­ sociais, movimentos populares, vinculadas a
racial, como elementos fundamentais para a diferentes organizações sociais e diferentes
afirmação da identidade ­ pluricultural e formas de produzir e viver individual e
multiétnica ­ do povo brasileiro e que coletivamente.
combatam o racismo e as discriminações. Faz­se necessário desenvolver uma
O currículo deve possibilitar a prática pedagógica em que todos se sintam
formação de atitudes, posturas e valores que incluídos, sem ter que negar a si mesmos e
possibilitem a formação de cidadãos com adotar costumes, ideias e comportamentos
sentimento de pertencimento étnico­racial adversos ao grupo étnico­racial, de gênero,
para interagir na construção de uma classe, religião e/ou orientação sexual ao
7
Implementação das Leis 11.645/2006 (Nacional) e 6.814/2007 (Estadual) que tornam obrigatório o ensino de História e Cultura Afro­Brasileira, Afro­Alagoana e
Indígena nos estabelecimentos de ensino da educação básica.
8
Conforme afirma o artigo 5°, inciso VI da Constituição e artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos
9
Lei Nº 7.028/2009

24 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

qual pertencem. negros, habitantes do campo e da cidade,


É preciso, portanto, garantir o direito criando formas e estratégias para que todos
e o acesso à educação a todos os cidadãos possam ter a oportunidade de construir sua
brasileiros, homens e mulheres, homos­ vida escolar com respeito e sucesso.
sexuais e heterossexuais, índios, brancos e

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 25


A Organização da
Educação Básica
10

Capítulo 2
CIÊNCIAS DA NATUREZA

As condições para o desenvolvimento da multiplicidade de


aspectos e dimensões que constituem a vida humana devem ser
garantidas em lei como direito à cidadania, mas, para que se tornem
direito de fato, devem ser efetivadas pela e na prática social. A
educação é um desses direitos sociais, assegurada na legislação
brasileira a todos os cidadãos.
No entanto, a realidade tem demonstrado que, apesar da
garantia da lei, ainda há uma significativa exclusão das camadas
mais pobres da população ao acesso e, principalmente, à
permanência na educação básica.
A educação básica tem uma tripla finalidade na formação
do estudante: promover a cidadania; qualificar para o mundo do
trabalho e garantir as condições para a continuidade dos estudos.
Proporcionar uma formação básica que possibilite o cumprimento
dessas três finalidades representa um enorme desafio à escola
pública brasileira e maior ainda às escolas públicas de Alagoas, em
virtude de seu distanciamento da realidade nacional.
Essa formação deve ser efetivada a partir de uma base
nacional comum, a qual deve ser complementada por uma parte
diversificada, conforme as necessidades e peculiaridades locais.

2.1 Educação Infantil

A educação infantil – área de competência dos Municípios


11
é definida como a primeira etapa da educação básica , tendo como
finalidade o desenvolvimento integral da criança de zero a cinco
anos de idade12, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e
social, complementando à ação da família e da comunidade.
Apesar de a educação infantil ser mencionada nos textos
legais, sua estruturação, formas de organização e normatização em
âmbito nacional ainda não são contempladas de maneira mais
efetiva, visto que é necessário a ampliação do acesso para o
atendimento da demanda, bem como as condições básicas para
permanência das crianças nas instituições escolares.
Nas últimas décadas, vem sendo observada no Brasil a
expansão da Educação Infantil (CRAIDY; KAERCHER, 2001). Em
termos da legislação brasileira, a Constituição Federal de 1988
reconhece o dever do Estado e o direito da criança de ser atendida
em creches e pré­escolas e vincula esse atendimento à área

10
Texto organizado pela equipe de técnicos pedagógicos da Superintendência de Políticas Educacionais – SUPED/SEE­AL, a partir do Referencial Curricular da Educação
Básica para as Escolas Públicas de Alagoas ­ RECEB ­ SEE­AL/2010.
11
LDB art. 29 e 30, art.22 das DCNGEB e no art. 5 das DCNEI.
12
Lei nº 11.274, 2006.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 29


CIÊNCIAS DA NATUREZA

educacional. Nota­se, na referida Consti­ apresenta atitudes e comportamentos


tuição, a inclusão da creche no capítulo da incomuns do seu dia a dia, incorpora
Educação, sendo ressaltado seu caráter personagens e/ou fatos que podem ter sido
educativo, em detrimento do caráter observados no seu cotidiano em filmes,
assistencialista até então característico novelas, desenhos animados, etc. Por isso, as
dessa instituição. atividades escolares devem propor
A educação infantil tem como desafio dramatizações, imitações, vivências e
uma dupla função: cuidar e educar as crianças experiências significativas para o seu
de 0 até 5 anos de idade. Essa dupla função desenvolvimento.
deve ser trabalhada de forma articulada e As brincadeiras, paulatinamente, vão
integrada no currículo escolar, de acordo com se transformando, acrescentando e/ou
as DCNEI. substituindo elementos não só exteriores.
Refletir sobre a construção do Elas vão promovendo novas capacidades
currículo da educação infantil é pensar que as intelectuais (associação, classificação,
crianças pequenas estão em permanente seriação, generalização, imaginação,
descoberta do mundo e, por isso, as percepção etc.) em atendimento a alguma
atividades curriculares devem estimular e necessidade psicológica, afetiva, biológica ou
possibilitar cada vez mais a busca de social.
entendimento dos questionamentos das Outro princípio teórico­metodológi­
crianças em relação a coisas, seres, objetos, co que precisa ser considerado na
fenômenos e relações. Nesse sentido, a organização curricular é a linguagem.
interação social se constitui em elemento Utilizada pela criança como forma de
direcionador na definição e organização das interação, a linguagem promove o
atividades curriculares a ser desenvolvidas no desenvolvimento das funções cognitivas e
cotidiano dos espaços que atendem crianças psíquicas. Nesse sentido, faz­se necessário
de 0 a 5 anos, uma vez que as crianças que o adulto leia histórias, cante, brinque,
aprendem nas trocas com as outras da mesma converse com as crianças, mesmo com
idade, com as mais experientes e com os aquelas que ainda não se utilizam da
adultos. linguagem verbal.
As interações e as brincadeiras são o Os jogos e as brincadeiras com
fio condutor na organização das atividades gestos, cantigas, rimas, trava­línguas, etc.
curriculares. Estes eixos devem contribuir no contribuem significativamente para o
desenvolvimento das aprendizagens básicas, desenvolvimento da linguagem e são
na construção de conceitos, na incorporação fundamentais no trabalho pedagógico com as
d e v a l o re s e n a c o n s t r u ç ã o d o s crianças pequenas, pois são as primeiras
conhecimentos que promovam uma melhor formas de linguagem, utilizadas por elas como
compreensão das inter­relações que fazem a forma de expressão e de organização do
dinâmica das relações sociais mais próximas pensamento.
das crianças. No atendimento às crianças da
É através das brincadeiras que a educação infantil devem ser considerados
criança pequena representa, imita, alguns aspectos quanto ao desenvolvimento
experimenta e incorpora papéis sociais, especifico de cada fase da infância.
condutas, valores e atitudes observados na Ressaltamos que as crianças de 0 a 3
realidade adulta. Ao brincar, a criança anos, mesmo estando no mesmo espaço

30 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

institucional – a creche – possuem concepções que têm do mundo exterior e as


características distintas. De maneira geral imagens do próprio corpo, mesmo assim,
podemos afirmar que, de acordo com as precisam que essa imagem corporal seja
características do desenvolvimento para essa analisada e, posteriormente, consolidada. O
faixa etária, por exemplo, crianças de 0 a 1 ano desenvolvimento psicomotor permite a
têm dificuldades de sobreviver por recursos exploração dos objetos e tudo o mais que
próprios, situação que deve ser compensada existe ao seu redor. É papel do professor criar
com uma relação de carinho e atenção da mãe situações diversificadas para promoção e
e/ou responsável por seus cuidados básicos. aprimoramento das atividades psicomotoras
Cabe ao professor desempenhar essa função. por meio de jogos simbólicos que ampliem o
Isso leva a um atendimento permanente e desenvolvimento da linguagem e da
individualizado por parte do professor que representação, orientando e intervindo na
deve, no trabalho com os bebês, observar suas realização dos jogos e brincadeiras,
reações e progressos, já que nessa fase o atividades em pequenos grupos (ainda que de
desenvolvimento das crianças ocorre em um curta duração), uma vez que, nessa fase, a
ritmo bastante acelerado. Assim, o professor criança ainda tem dificuldade em socializar
deverá promover situações de aprendizagem brinquedos e objetos.
que propiciem o desenvolvimento das As crianças de 3 a 4 anos estão mais
habilidades psicomotoras das crianças. sociáveis e já conseguem interagir com o
As crianças um pouco maiores, de 1 e grupo de convívio e se interessam cada vez
2 anos, de maneira geral, se movimentam com mais pelas histórias contadas e/ou
mais autonomia, ficam em pé, e, na maioria representadas, interagindo fisicamente e
dos casos, já andam, deslocando­se pelo oralmente com o conhecimento. Por isso, é
espaço físico disponível, repetitivamente. importante encorajá­las a fazer suas próprias
Durante esses movimentos, tornam­se escolhas (alimentos, roupas e brinquedos),
interessantes para elas, os objetos que podem assim como incentivar a autonomia na
ser carregados de um lado para o outro. Essas realização das atividades cotidianas (ir ao
crianças estão na fase egocêntrica e brincam banheiro, comer, arrumar seus pertences
individualmente, mesmo quando estão em etc.). Dessa forma, as crianças aprendem a
grupos. Com frequência acontecem os usufruir de suas conquistas e desenvolvem a
atropelos físicos (mordidas, agarrões, capacidade de enfrentar novos desafios.
empurrões), havendo a necessidade de Nessa fase, é possível e fundamental
atenção e intervenção, por parte do professor, estabelecer a rotina cotidiana: repouso,
às reações de cada criança e do grupo como higiene, alimentação, leitura de histórias,
um todo. Nessa fase surge a fala como um escrita, recreação etc. É preciso que o
novo componente no processo de professor esteja atento às falas, gestos,
desenvolvimento. escolhas, atitudes e hábitos apresentados
Entre 2 e 3 anos, em sua maioria, as pelas crianças, no sentido de identificar seus
crianças já andam e se movimentam desejos, necessidades e desafios.
livremente. São capazes de extraordinárias As crianças de 4 aos 5 anos estão
observações sobre o mundo à sua volta, marcadas pelo aperfeiçoamento da função
procurando, muitas vezes, as causas e simbólica e tornam­se cada vez mais, capazes
explicações para as coisas, relações e fatos. de representar os objetos e os aconte­
Costumam estabelecer relações entre as cimentos e também de estabelecer

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 31


CIÊNCIAS DA NATUREZA

relações entre eles. Nessa fase, a brincadeira estéticas, sociais, históricas, linguísticas,
é uma das principais formas pelas quais matemáticas etc). Nesse processo, o lúdico,
crianças se dispõem a aprender. Ao brincar, presente no faz­de­conta, nas brincadeiras,
por meio do faz­de­conta, elas usam o mundo nos jogos e na fantasia, é pressuposto
da fantasia como forma de interação com seu fundamental no desenvolvimento das
mundo real. crianças pequenas e, portanto, deve ser
Vale lembrar que independente­ considerado como elemento propulsor da
mente da faixa etária, as diferentes formas de aprendizagem.
linguagem, o brinquedo e a interação social As instituições de Educação Infantil
s ã o e l e m e n t o s e s s e n c i a i s p a ra o devem criar procedimentos avaliativos de
desenvolvimento da criança, pois possibilitam acompanhamento do trabalho pedagógico e
sua ação na realidade e promovem a do desenvolvimento das crianças, garantindo
construção das aprendizagens básicas para a a observação das atividades, utilizando
compreensão do mundo que a cerca. múltiplas formas de registros através de
Ao estruturar o currículo da documentação específicos, sem objetivo de
educação infantil é necessário considerar a seleção, promoção ou classificação.
criança como um ser social, integral e, Nessa perspectiva, o processo de
principalmente, como um ser em desenvol­ construção das propostas pedagógicas das
vimento, o que significa ampliar suas instituições de educação infantil precisa
oportunidades de descoberta, investigação, considerar a realidade social em que as
compreensão e explicação das relações que crianças estão inseridas, as necessidades de
constituem o mundo em que vive. Cabe ao desenvolvimento e aprendizagem da infância
professor, cuidar, amparar, intervir, conhecer e as intenções institucionais com relação à
as crianças, proporcionando, assim, formação humana das crianças.
experiências significativas de vida, Em síntese, o currículo da educação
assegurando as condições de desenvolvi­ infantil é um conjunto sistematizado de
mento e de aprendizagem para todas as práticas corporais, culturais, ecológicas e
crianças. sociais, nas quais se articulam os saberes e as
Para tanto, as atividades direciona­ experiências das crianças, de suas famílias,
das para as crianças pequenas precisam dos professores e demais profissionais e de
respeitar seus tempos e considerar seus suas comunidades. Sendo assim, deve
espaços de socialização e de aprendizagem, priorizar elementos e processos que garantam
criar o maior número possível de experiências as condições básicas para a aprendizagem e o
e descobertas, sem, com isso, estabelecer desenvolvimento das crianças, desenvolvidos
rotinas rígidas ou atitudes opressivas às em campos de conhecimentos/experiências,
características próprias dessa fase de articulados entre si, de forma interdisciplinar,
desenvolvimento (alegria, curiosidade, atendendo as especificidades etárias e
espontaneidade, irreverência, iniciativa etc.). necessidades individuais das crianças.
O currículo da educação infantil deve
ser organizado de forma a propiciar a 2.2 Ensino Fundamental
construção das aprendizagens básicas
essenciais à criança para uma melhor O ensino fundamental é o período de
compreensão e interação no mundo em suas escolarização obrigatória que atende às
diversas dimensões (espaciais, ecológicas, crianças e aos adolescentes na faixa etária de

32 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

seis a quatorze anos, assegurado pela e sistematização dos conceitos científicos


Constituição Federal e pela Lei de Diretrizes e previstos para essa etapa da educação básica,
Bases da Educação Nacional como direito utilizando as diferentes linguagens como meio
público subjetivo para todos os cidadãos para representação, comunicação e,
brasileiros, sendo a oferta dever dos principalmente interação nos diversos
Municípios, e, quando necessário, em regime contextos sociais. É preciso compreender
de colaboração com os Estados e assistência que, para cada ano do ensino fundamental, há
da União. Isso significa que sua oferta é expectativas de aprendizagem, as quais
prioridade no atendimento escolar, devem ser estabelecidas em função da
justificando o seu caráter obrigatório e fo r m a ç ã o h u m a n a d e s e j a d a , d a s
gratuito, inclusive para as pessoas que não características dos processos de desen­
tiveram acesso à escolarização em idade volvimento e das necessidades de
própria. aprendizagem dos estudantes e, a partir dessa
Essa etapa de ensino, com duração perspectiva, deve­se planejar e organizar o
de nove anos, é organizada em dois momentos trabalho pedagógico, sem perder de vista o
com características próprias: o primeiro com contexto histórico­social no qual o sujeito está
duração de cinco anos, denominado de anos inserido.
iniciais, de matrícula obrigatória para as Ao ingressar no ensino fundamental,
crianças de 6 (seis) a 10 (dez) anos de idade; e, a criança de 6 (seis) anos vivencia uma nova
o segundo, anos finais, com quatro anos de organização, diferente da educação infantil
duração, para os estudantes de 11 (onze) a 14 em vários aspectos, tais como: rotina,
(quatorze) anos de idade. horários, compromissos e atividades
O primeiro momento (1° ao 5° ano) é escolares e acompanhamento do processo
estruturado em duas fases: a primeira fase de ensino­aprendizagem. O currículo escolar
alfabetização e letramento, que compreende para os estudantes, nessa faixa etária, deve
o 1°, 2º e 3° ano de escolaridade. É considerar as peculiaridades próprias dessa
considerada como o período de construção e fase do desenvolvimento humano.
consolidação das noções, conceitos e Na fase dos 6 (seis) aos 8 (oito) anos
conhecimentos básicos à compreensão da de idade, as crianças desenvolvem a
realidade e se refere, especificamente, ao capacidade de observação e descrição da
processo de alfabetização, bem como aos realidade a partir de referências concretas,
conceitos básicos de lógica, aritmética e vivenciadas por meio dos jogos simbólicos e
geometria, aos aspectos geográficos, das brincadeiras. Elas se encontram imersas
históricos, sociais, culturais, políticos e num universo lúdico, em que a brincadeira e o
econômicos locais e regionais, dentre outros; faz­de­conta contribuem para desenvolver
a segunda fase de alfabetização e letramento, suas aprendizagens, pois é por intermédio
que compreende o 4° e 5° ano, pressupõe a destes que as crianças podem representar
ampliação do processo de alfabetização e dos simbolicamente o mundo dos adultos e
conhecimentos básicos da etapa anterior, aprendem diversas formas de interpretá­lo.
para a compreensão da sua realidade social, Nesse período, faz­se necessário
política e econômica e sua formação cultural e definir caminhos pedagógicos que
humana. considerem os interesses e características da
Os anos finais (6º ao 9º ano) são cultura infantil, ampliem a interação dos
considerados como período de consolidação sujeitos (criança­criança e criança­adulto),

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 33


CIÊNCIAS DA NATUREZA

oportunizem inúmeras vivências sociais e princípios de cooperação e justiça social, além


promovam a expressão das emoções e a de combater todas formas de preconceito e de
manifestação das diversas formas de ver e de discriminação social. Nesse sentido, esses
significar o mundo, utilizando múltiplas aspectos não podem deixar de ser observados
linguagens. Esses aspectos também precisam no desenvolvimento do currículo.
ser considerados na abordagem curricular. Os adolescentes de 13(treze) e 14
As crianças de 9 (nove) e 10 (dez) (quatorze) anos, assim como na fase anterior,
anos de idade apresentam características de também são marcados pelas transformações
desenvolvimento equivalentes às da etapa biológicas e pela formulação de hipóteses
anterior e já fazem uso da linguagem como acerca de sua identidade, autoimagem,
para argumentar e defender seu ponto de afetividade e sexualidade, apresentando uma
vista. É comum o estabelecimento de acentuada capacidade de observação e
“verdades”, tidas como absolutas, as quais criticidade, ou seja, há mais dúvidas do que
são defendidas exaustivamente. Conside­ certezas a respeito de si mesmo, das relações
rando essas características, o trabalho com o outro e com o mundo. Na abordagem
pedagógico deve ampliar a visão de mundo, curricular, é necessário adotar metodologias
promovendo a reflexão sobre as diversas de trabalho diferenciadas que favoreçam o
dimensões que constituem a realidade. Nessa desenvolvimento de sua capacidade de
fase da pré­adolescência, esses sujeitos análise, associação, generalização e síntese
costumam ser bastante competitivos, por na proposição de ideias, na resolução de
isso, atividades, atitudes e jogos de natureza situações­problema e na interação social, tais
cooperativa e solidária são os mais indicados. como: a pesquisa, o trabalho em grupo, a
Nesse sentido, a abordagem curricular deve música, o teatro e outras formas de produção e
estabelecer a articulação dos aspectos manifestação do conhecimento. No entanto,
sócio­afetivos desta fase e dos conhecimen­ essas atividades precisam ser bem
tos científico e escolar a serem trabalhados. planejadas, organizadas, orientadas,
As crianças de 11(onze) e 12 (doze) monitoradas e avaliadas pelos professores.
anos, pré­adolescentes, apresentam a Ao propor um currículo para o ensino
linguagem e as capacidades psíquicas e fundamental a partir dessas perspectivas, é
cognitivas já bem desenvolvidas, demons­ necessário, ainda, garantir na abordagem do
trando capacidade de analisar detalhada­ conhecimento científico e escolar, questões
mente um objeto, fato ou situação, levantar como diversidade, inclusão social,
hipóteses, organizar as ideias a partir de uma preservação ambiental, desenvolvimento
determinada lógica, estabelecer princípios, sustentável, educação sexual, relações
interrelações e argumentos coerentes. As afetivas, tecnologia da informação e
“verdades” da fase anterior e outras, acerca comunicação (TICs), entre outras.
do mundo, são objetos de dúvidas e Além disso, reconhecer e refletir
questionamentos. De modo geral, são sobre a realidade social das crianças e
observadas as primeiras transformações adolescentes, bem como sobre o papel dessa
biológicas e emocionais características do etapa da educação básica, significa
período da puberdade, por isso recomendam­ contemplar a diversidade dos sujeitos de
se atividades de interação social, pois é a partir direito do ensino fundamental, entre os quais:
delas que as crianças podem reconhecer o Crianças, adolescentes e jovens da
outro, respeitar as diferenças, construir os cidade, ampliando as oportunidades de

34 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

acesso e de permanência dos estudantes das compreensão da realidade, a partir das


periferias urbanas; múltiplas possibilidades de interesses, ênfase,
Pequenos agricultores, trabalha­ nível de complexidade, metodologias, formas
dores rurais, sem­terra, populações de interpretação e análise.
ribeirinhas, trabalhadores da pesca, Com isso, além de se garantir o
g a ra n t i n d o t e m p o s e e s p a ç o s d e acesso a essa etapa da educação básica,
aprendizagem escolar diferenciados; inclusive aos que não tiveram acesso em idade
Remanescentes de comunidades própria, é preciso também desenvolver
indígenas e quilombolas, respeitando e políticas, projetos e propostas pedagógicas
valorizando as diversas culturas no processo adequadas ao contexto social e às reais
de escolarização; necessidades dos sujeitos e que
Jovens, adultos e idosos que não desenvolvam, nos estudantes, o prazer em
tiveram acesso à escolarização em idade aprender; que a aprendizagem seja
própria, flexibilizando a estrutura do processo significativa, de forma que se efetive a
escolar, construindo e adequando as permanência e a qualidade tão necessária e
metodologias de ensino; almejada no desenvolvimento de uma
Estudantes com deficiência, trans­ educação básica.
tornos globais do desenvolvimento e altas
habilidades/superdotação nas classes 2.3 Ensino Médio
comuns do ensino regular e no Atendimento
Educacional Especializado (AEE), reconhe­ O Ensino Médio é a etapa final da
cendo as diferenças e propiciando a oferta de Educação Básica e tem como objetivos a
condições diferenciadas de atendimento e de consolidação e o aprofundamento dos
ruptura das limitações impostas. conhecimentos adquiridos no Ensino
O grande desafio para os professores Fundamental. A Lei de Diretrizes e Bases da
contemporâneos está na implanta­ Educação Nacional nº 9394/96 preconiza
ção/implementação de uma proposta sua integração à Educação Básica ampliando
curricular que enfoque o reconhecimento e a suas finalidades essenciais à formação
valorização das práticas culturais de tais cidadã, sendo um direito social de cada
sujeitos, sem perder de vista o conhecimento pessoa e dever do Estado na sua oferta pública
historicamente produzido pela humanidade, o 13
e gratuita a todos .
qual se constitui num patrimônio de todos. Essa etapa possibilita aos jovens
Esse enfoque considera a diversidade humana continuar os estudos, o preparo básico para o
e traz, para a escola, a necessidade de trabalho e para a cidadania e seu
construir coletivamente as condições para o aprimoramento como ser humano integral
atendimento a esses sujeitos. proporcionando a formação ética, a
Os conteúdos da base nacional autonomia intelectual, a criticidade e ainda a
comum e da parte diversificada devem ser compreensão dos fundamentos científico­
articulados com os temas da vida cidadã e de tecnológicos, articulando teoria e prática.
interesse da comunidade. Nessa perspectiva, A identidade do Ensino Médio define­
conhecimentos escolares e saberes da prática se a partir da superação do dualismo entre
social se integram e possibilitam a formação propedêutica e formação
13
DCNEM, Resolução nº 2, de 30 de janeiro 2012

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 35


CIÊNCIAS DA NATUREZA

profissional na busca da “integração entre maneira a ajustar a formação geral, científica,


educação e as dimensões do trabalho, da tecnológica, cultural e conhecimentos
ciência, da tecnologia, da cultura, como base técnicos experimentais, por meio de
proposta do desenvolvimento curricular”. A currículos capazes de corresponder as
consolidação dos conhecimentos deve exigências da sociedade contemporânea.
ocorrer através dos processos produtivos A Educação Básica Noturna, por meio
compondo a integralidade e a indisso­ da instituição pelo MEC do Grupo de Estudo
ciabilidade em suas diferentes modalidades (GT) específico, propõe a necessidade de
e de acordo com suas concepções e conceitos aprofundamento através de investigação
dispostos nas DCNEM (2012). sobre o tema, considerando que as políticas
O Pacto Nacional pelo Fortaleci­ públicas não lhe têm atribuído a importância
mento do Ensino Médio regulamentado pela devida, levando em conta uma faixa da
Portaria nº 1.140, de 22 de novembro de 2013, população que não pode frequentar a escola
estabelece que o Ministério da Educação e as durante o dia e que para qualificar uma
secretarias estaduais e distritais de educação proposta para a educação básica noturna
assumam o compromisso pela valorização da deverão ser contemplados os seguintes
formação continuada dos professores e aspectos: os sujeitos da Educação Básica
coordenadores pedagógicos que atuam no Noturna, os profissionais da educação,
ensino médio público, nas áreas rurais e princípios e concepções teórico­
urbanas. metodológicos, organização política e
O Sistema Nacional de Educação é pedagógica da escola noturna, gestão da
ratificado através do Exame Nacional do escola noturna, infraestrutura e condições
Ensino Médio (ENEM), art. 21 da Resolução nº materiais e a formação dos profissionais da
2, de 30 de janeiro 2012, que assume educação básica noturna.
propriedade de avaliação sistêmica e verifica A opção dos jovens pelo Ensino
at é q u e p o n t o o e s t u d a n t e fo i Médio noturno ou na modalidade 'Educação
instrumentalizado na Educação Básica, com de Jovens e Adultos (EJA) possibilita reflexões
conteúdos e estratégias de aprendizagem que acerca do sentido de estar na escola para
o capacitem para a realização de atividades esses sujeitos singulares e diversos. Eles
nos três domínios da ação humana: a vida em buscam o direito à educação diante de um
sociedade, a atividade produtiva e a histórico de ausência de políticas efetivas que
experiência subjetiva, centrando­se na sejam capazes de promover não apenas sua
avaliação de desempenho por competências expansão, mas sua obrigatoriedade e, acima
e habilidades e, estruturando­se também com de tudo, mudança no quadro educacional.
a função de certificação para aqueles que No Estado de Alagoas, ainda é
e s t ã o fo ra d a e s c o l a a f e r i r s e u s ofertado o Ensino Médio Normal, conforme
conhecimentos construídos em processos de estabelecido na Resolução CEB/CNE nº
escolarização e classificação contribuindo 2/99, Resolução CEP/CEE/AL nº 093/2004,
para o acesso democrático à Educação Plano Estadual de Educação, Lei nº
Superior. 6.757/2006, Portaria SEE nº 65/2007, a
O Programa Ensino Médio Inovador ­ Resolução CEB/CNE nº 2/2009, Portaria/SEE
ProEMI, instituído pela Portaria CNE/CES n. nº 042/2012 visando ao atendimento aos
971/2009, visa desenvolver e reestruturar o estudantes concluintes do Ensino
Ensino Médio não profissionalizante, de Fundamental e Ensino Médio atuantes na

36 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

Educação Infantil e nos anos iniciais que não estudantes. O conhecimento acumulado ao
possuem habilitação conforme a legislação longo da História deve ser transmitido a cada
em vigor. geração, de maneira sistematizada e crítica,
A integração entre a Educação problematizado de modo a produzir
Profissional e o Ensino Médio constitui avanço condições da organização da sociedade e da
na possibilidade de oferta final da Educação apropriação das conquistas da civilização
Básica ao viabilizar as condições de humana. A escola de hoje tem que dialogar
conclusão da escolarização básica e acesso com recursos e paradigmas clássicos e os
ao espaço profissional. A articulação entre o emergentes da vida contemporânea,
Ensino Médio e o Ensino Técnico de nível Médio atentando para as políticas afirmativas
obedece à política que pretende resgatar e (diversidades) e de inclusão. Para tal, o
aprimorar um modelo de formação que currículo deve possibilitar identificações entre
permita aos estudantes concluir o Ensino o capital das experiências e o formal
Médio com qualificação profissional. educativo.
A g a ra n t i a d o s D i re i t o s à As Diretrizes Curriculares do Ensino
Aprendizagem e Desenvolvimento é Médio (2012) estabelecem o compromisso do
assegurada aos cidadãos pelo Estado currículo como um conjunto necessário de
B ra s i l e i ro , at ra v é s d o s s a b e re s e saberes integrados e significativos em
conhecimentos, experiências e práticas atendimento às diversas juventudes no
acumuladas pela humanidade, bem como as prosseguimento dos estudos, para o
presentes na vida cotidiana. As diferentes entendimento e ação crítica no mundo da
Diretrizes Curriculares afirmam que ciência, da cultura, da tecnologia e nas
expectativas de aprendizagem não significam diversas dimensões do trabalho, visto que,
conteúdos obrigatórios de currículo mínimo, para considerável parte dos jovens, a escola e
mas, sim, devem ser um conjunto de o trabalho são realidades combinadas e
condições para acesso, permanência e cotidianas. As DCNEM preconizam também a
aprendizagem na escola para evitar que, mais educação como direito e qualidade social,
uma vez, os estudantes das classes sociais além dos referenciais/conceituais, nos
historicamente excluídas sejam penalizados aspectos orientadores da oferta e da
por não realizarem aquilo que deles se espera. organização; os referencias em seus
As Diretrizes Curriculares Nacionais conceitos básicos do currículo, de sua
Gerais para a Educação Básica apontam para organização, sua oferta e tratamento,
um novo conceito de um projeto de educação especificidades regionais, e dos eixos
orgânico, sequencial e articulado em suas integradores das Áreas de Conhecimentos:
diversas etapas e modalidades, interdisciplinaridade e contextualização.
compreendido como um direito subjetivo de O Ensino Médio é constituído por
todo cidadão brasileiro, concretizando as Áreas de Conhecimento (Linguagens,
disposições da Constituição Federal e da LDB. Matemática, Ciências da Natureza e Ciências
A concepção de currículo disposta Humanas) favorecendo a comunicação entre
nas DCNs é representada por um conjunto de os saberes e conhecimentos, preservados os
valores e práticas que proporcionam a referenciais próprios de cada Área, e podem
produção e a socialização de significados no ser tratados como componentes curriculares
espaço social contribuindo para a construção de maneira integrada, respeitando os direitos
d e i d e n t i d a d e s s o c i o c u l t u ra i s d o s à aprendizagem e desenvolvimento, em

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 37


CIÊNCIAS DA NATUREZA

sintonia com a tarefa coletiva e a reordenação interesses realmente coletivos;


curricular e com a reorganização dos tempos 6. desenvolver qualidades como organização,
escolares. O Art.8, parágrafo 2º da Resolução rigorosidade, seriedade, compromisso,
2012, que institui as DCNEM, afirma que esta flexibilidade e tolerância;
organização por Áreas de Conhecimento 7. a importância do conhecimento e do prazer
implica “no fortalecimento das relações entre de aprender.
os saberes e a sua contextualização para Uma organização curricular que
apreensão e intervenção na realidade, possa fomentar as bases para uma nova
requerendo planejamento e execução escola de ensino médio pressupõe uma
conjugados e cooperativos dos seus perspectiva interdisciplinar voltada para o
professores”. desenvolvimento de conhecimentos, saberes,
Nesse contexto, o Programa Ensino competências, valores e práticas sociais,
Médio Inovador (ProEMI), integra as ações do exigindo novas formas de organização e de
Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), articulação das disciplinas escolares.
como estratégia do Governo Federal para Os pressupostos na organização
induzir o redesenho dos currículos do Ensino curricular do ensino médio devem ser
Médio, compreendendo que as ações assegurados em virtude da finalidade e
p ro p o s t a s i n i c i a l m e n t e v ã o s e n d o especificidade dessa etapa na formação dos
incorporadas ao currículo, ampliando o tempo estudantes, de modo a possibilitar o
na escola e a diversidade de práticas reconhecimento de que os conteúdos
pedagógicas, atendendo às necessidades e escolares não possuem fim em si mesmos,
expectativas dos estudantes do ensino mas se constituem em meios para o
médio. desenvolvimento de competências; a
O ProEMI estabelece em seu percepção das linguagens como formas de
Documento Base um referencial de constituição dos conhecimentos e das
tratamento curricular indicando as condições identidades; o entendimento de que o
básicas para a implantação do projeto de conhecimento é fruto de uma construção
redesenho curricular (PRC). Assim sendo, histórica a partir das relações entre os seres
deve­se pensar um currículo que tenha os humanos e entre estes e a natureza e a
estudantes como foco da aprendizagem, de compreensão de que a aprendizagem se dá
modo que se possam criar as condições para numa relação entre sujeitos e, por isso,
que eles desenvolvam conhecimentos, mobiliza afetos, emoções e relações, além dos
habilidades, hábitos intelectuais e técnicas aspectos cognitivos.
que lhes permitam saber: A formação dos jovens deve
1. buscar, selecionar e interpretar favorecer melhores condições e oportuni­
criticamente informações; dades de participação na vida social e cultural
2. comunicar ideias por meio de diferentes para que se respeitem os direitos, as
linguagens; liberdades fundamentais do ser humano e os
14
3. formular e solucionar problemas com princípios da convivência democrática.
eficiência; Nesse sentido, é necessário que os
4. construir hábitos de estudo; estudantes do ensino médio:
5. trabalhar em grupo, com base nos ·compreendam a cidadania como

14
DCNGEB, Art. 26º § 2º e 3º

38 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

pleno exercício de direitos e deveres; sociedade civil e política de Alagoas tem com
· façam uso do diálogo como forma de os 22,5% da população de alagoanos
mediação de conflitos e também de analfabetos (IBGE, 2010).
posicionamento contra a discriminação e o A superação desse quadro impõe a
preconceito, de qualquer natureza; necessidade do estabelecimento de parcerias
· desenvolvam interesse por diferentes formas entre os diversos segmentos da sociedade
de expressão artística e cultural; civil organizada, das instituições de educação
· percebam­se como integrantes do meio superior, dos setores empresariais, das
ambiente, ao mesmo tempo, dependentes e entidades não governamentais, dos governos
agentes das transformações que nele estadual e municipais, das entidades
ocorrem; religiosas e dos diversos movimentos dos
· apropriem­se do conhecimento científico trabalhadores.
como instrumento de luta por uma sociedade A partir desse contexto, o Governo
mais justa e digna para todos. Federal instituiu, em 2005, no âmbito federal o
primeiro Decreto do PROEJA nº 5.478, de 24
2.4 Modalidades e Diversidades da de junho de 2005, em seguida substituído pelo
Educação Básica Decreto nº 5.840, de 13 de julho de 2006, que
introduz novas diretrizes que ampliam a
abrangência do primeiro com a inclusão da
2.4.1 Educação de Jovens e Adultos oferta de cursos PROEJA para o público do
ensino fundamental da EJA.
Refletir sobre a educação de jovens e O PROEJA tem como perspectiva a
adultos (EJA) em Alagoas significa, proposta de integração da educação
primeiramente, ter que contextualizá­la num profissional à educação básica buscando a
cenário de profundas desigualdades sociais, superação da dualidade: trabalho manual e
resultado de um modelo de desenvolvimento intelectual, assumindo o trabalho na sua
político­econômico que submete a maioria da perspectiva criadora e não alienante. Isto
população à condição de analfabeta e à impõe a construção de respostas para
violação dos direitos humanos garantidos na diversos desafios, tais como, o da formação
Constituição Brasileira: educação, saúde, do profissional, da organização curricular
moradia, saneamento básico e trabalho, integrada, da utilização de metodologias e
como estratégia de perpetuação dos grupos mecanismos de assistência que favoreçam a
governantes. permanência e a aprendizagem do estudante,
A EJA, tendo como referência a da falta de infraestrutura para oferta dos
15
legislação nacional , complementada pela cursos dentre outros.
16
estadual é a forma adequada com que se De acordo com o Decreto nº 5840, 13
reveste a oferta do ensino fundamental e do de julho de 2006, os Documentos Base do
ensino médio a todas as pessoas que não PROEJA e a partir da construção do projeto
tiveram acesso ou a possibilidade de pedagógico integrado, os cursos Proeja
continuar seus estudos na idade própria, c podem ser oferecidos das seguintes formas:
considerando a dívida histórica que a 1 ­ E d u c a ç ã o p ro f i s s i o n a l t é c n i c a

15
Lei 9.394/96, DCNGEB, 2010, art. 27 e 28, Parecer CNE­CEB 11/2000 e Resolução CNE­CEB 01/2000), Parecer CEE­AL 13/2002 e Resolução CEE­AL 18/2002 e a
Proposta Pedagógica para a Educação Básica de Jovens e Adultos (SEE/AL, 2002).Orientações para Implantação e implementação do Ensino Fundamental e do Médio na
Modalidade da Educação de Jovens e Adultos por períodos letivos semestrais na Rede Estadual de Ensino 2012
16
Resolução 18/2002 – CEE/AL

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 39


CIÊNCIAS DA NATUREZA

integrada ao ensino médio na modalidade de · considere o currículo, o planejamento, a


educação de jovens e adultos. avaliação e os conteúdos como elementos de
2 ­ e d u c a ç ã o p ro f i s s i o n a l t é c n i c a transformação social;
concomitante ao ensino médio na · compreenda o ensino e a aprendizagem
modalidade de educação de jovens e adultos. centrados em uma visão de que aprendemos
3­ formação inicial e continuada ou ao longo de toda a vida.
qualificação profissional integrada ao ensino Sendo assim, compreende­se que a
fundamental na modalidade de Educação de escola da EJA deve propiciar aos estudantes a
Jovens e Adultos. compreensão crítica da sociedade alagoana,
4­ formação inicial e continuada ou entendendo as causas das desigualdades e
qualificação profissional concomitante ao injustiças e, ao mesmo tempo, imaginando a
ensino fundamental na modalidade de possibilidade de construir novas relações
educação de jovens e adultos. humanas no trabalho e na vida.
5­ formação inicial e continuada ou É necessário que se estabeleça uma
qualificação profissional integrada ao ensino relação de confiança e de credibilidade entre
médio na modalidade de educação de jovens ambas as partes, pois a relação dialógica que
e adultos. se estabelece entre sujeitos dotados de
6­ formação inicial e continuada ou consciência e capacidade de se posicionar
qualificação profissional concomitante ao criticamente frente ao discurso do outro
ensino médio na modalidade de educação de possibilita a apropriação dos conhecimentos
jovens e adultos. já produzidos e a construção de novos
Dessa forma, o currículo da EJA deve saberes.
se caracterizar por uma abordagem teórica e
metodológica específica e adequada à fase de 2.4.2 Educação Especial
desenvolvimento em que se encontra o
estudante, à base nacional comum e também A educação especial é uma
às temáticas do contexto social mais amplo e modalidade de ensino que perpassa as
às especificidades da realidade local. Deve diversas etapas de escolarização, cujo
ser flexível e organizado para atender às objetivo é promover condições adequadas
necessidades dessa categoria, superando o para o atendimento escolar dos estudantes
improviso e as adequações das metodologias com deficiência,17 transtornos globais do
utilizadas no ensino de crianças ou desenvolvimento e altas habilida­
a d o l e s c e n t e s , c o m u m a p ro p o s t a des/superdotação. Atualmente, configura­
metodológica própria, construída a partir dos se, num sistema complementar ao ensino
interesses e vivências do mundo adulto; o regular, como uma forma diferenciada de
ideal é que se construa na EJA um trabalho atendimento em articulação com instituições
interdisciplinar que: de apoio especializado.
· integre os conteúdos; A educação especial, como parte da
· passe de uma concepção fragmentária para prática educacional inclusiva, oferta atendi­
uma concepção unitária do conhecimento; mento educacional especializado18, disponi­
· supere a dicotomia entre ensino e pesquisa, bilizando recursos pedagógicos e de acessi­
considerando o estudo e a pesquisa a partir da bilidade que minimizem as barreiras e possibili
contribuição das diversas ciências;
17
DCNGEB, 2010, art 27 e 29.
18
Lei nº. 9394/96, Lei nº. 10.098/94, Lei nº. 10.436/02, Lei nº. 7.853/89. Decreto nº 186/08, Decreto nº.6949/07, Decreto nº.6094/07, Decreto nº.5628/05,
Decreto nº.6214/07, Decreto nº. 7.611/2011, Decreto nº. 5296/04, Decreto nº. 3.96/01, Resolução nº.4/09, Resolução nº. 02/01.

40 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

tem o acesso ao currículo, no sentido de de programas de enriquecimento curricular


promover sua formação integral visando que promovam o desenvolvimento do seu
proporcionar a construção da autonomia potencial nas áreas intelectual, acadêmica,
desses estudantes em sua vida escolar, liderança, artes, psicomotricidade e mecâni­
ca.
conforme o Decreto Federal nº. 7.611/2011
A oferta dessa modalidade de ensino
que dispõe sobre o atendimento educacional
reconhece e garante o direito de todos os
especializado, a Portaria nº. 1.793/94 que estudantes a:
orienta sobre a necessidade de complementar ·compartilhar um mesmo espaço escolar, sem
os currículos de formação de docentes e discriminações de qualquer natureza;
outros profissionais que interagem com ·promover a igualdade e valorizar as
pessoas com deficiência, a Resolução nº. diferenças na organização do currículo;
02/01 do Conselho Nacional de Educação, ·favorecer a aprendizagem de todos os
que institui as Diretrizes Curriculares da estudantes;
·estimular as transformações pedagó­
Educação Especial e a Resolução nº 04/2009
gicas das escolas, visando a atualização de
do Conselho Nacional de Educação que suas práticas como meio de atender às
institui as Diretrizes Operacionais para necessidades dos estudantes durante a
Educação Especial. trajetória educacional.
A legislação atual assegura o atendimento Esses pressupostos, ao propor a emancipação
educacional especializado em função das como ponto de partida de todo processo
condições específicas dos estudantes e prevê educacional, rompem com paradigmas que
adaptações dos prédios escolares para sustentam a forma excludente de ensinar.
atendimento de estudantes com deficiência Assim, as práticas curriculares da
motora e/ou mobilidade reduzida, estabele­ educação especial são pautadas nos seguin­
tes princípios:
cendo normas e critérios básicos para a
1. A preservação da dignidade huma­
promoção da acessibilidade.
na da pessoa com deficiência;
Para os estudantes com deficiências 2. A busca e o reconhecimento da
sensoriais, a legislação reconhece a Língua própria identidade;
Brasileira de Sinais – LIBRAS, o sistema de 3. O exercício da sua cidadania.
leitura e escrita BRAILLE e os instrumentos de Enfim, um currículo que atenda a essa
comunicação alternativa como meios ade­ modalidade de ensino deve levar em conside­
quados para a comunicação e expressão, ração os princípios de inclusão, justiça social,
conforme preconizam as Diretrizes Nacionais diversidade, solidariedade e igualdade.
para Educação Especial na Educação Básica,
dentre outras.19 2.4.3 Educação Profissional e
Os estudantes com transtornos globais do Técnica
desenvolvimento podem demandar o ensino
de códigos específicos de comunicação e Em Alagoas, os indicadores socioe­
sinalização, tecnologias assistivas, entre conômicos são os piores do Brasil: o nível
educacional é baixo em todas as faixas etárias,
outros recursos, como ferramentas da cons­
inclusive com taxas de analfabetismo, na
trução do conhecimento e da acessibilidade. população acima de 25 anos, de quase 40%, a
O atendimento educacional especi­ renda per capita é baixa e concentrada, o nível
alizado para estudantes com altas habilida­ de desenvolvimento humano também é muito
des/superdotação requer a implementação
19
LDB, art. 59, § 2º garante o atendimento aos portadores de necessidades especiais e a Lei 10.098/00 garante a acessibilidade, Lei nº 10.436/02 reconhece
a LIBRAS como linguagens, resolução CNE/CEB nº 02/01 institui as Diretrizes Curriculares para Educação Especial.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 41


CIÊNCIAS DA NATUREZA

baixo. aos ambientes virtuais de aprendizagem,


Com relação à educação, segundo a baseados no conceito de integração
pesquisa do IPEA 2005, o Estado de Alagoas midiática.
possui a maior taxa de analfabetismo entre as A EAD fundamenta­se legalmente no Art. 80 da
populações brancas e negras, urbanas e LDB (Lei 9394/96)21, regulamentado pelo
22
rurais, com 15 ou mais anos de idade, que Decreto nº 5.622/2005 , no que diz respeito a
concluem o ensino fundamental, e o menor oferta de EAD nos níveis e modalidades
número médio de anos de estudos: 6,6 anos. educacionais.
A implantação de cursos técnicos é Como modalidade, a EAD possui
uma alternativa, dentre outras ações, que peculiaridades próprias e características
pode auxiliar na superação desse quadro, na diferenciadas, de acordo com a mídia
medida em que cria a oportunidade de qualifi­ adotada. Essa modalidade rompe com as
cação de homens e mulheres. Nesse sentido, noções tradicionais de tempo e de espaço e
a organização da educação profissional com as formas relacionais adotadas na
técnica considera como base para organiza­ modalidade presencial, às quais os
ção da oferta os estudos realizados pelo p ro f i s s i o n a i s m u i t a s v e z e s e s t ã o
SEBRAE/AL das áreas vocacionadas para subordinados. Permite maior flexibilidade ao
determinadas atividades econômicas no processo de formação, já que possibilita a
estado, configuradas como Arranjos adequação do processo à disponibilidade de
Produtivos Locais (APL). Esse aspecto se faz tempo e ao ritmo de aprendizagem de cada
importante, tendo em vista que os cursos pessoa. Todavia, requer um planejamento
implantados devem obedecer à lógica da rigoroso das atividades e do tempo por parte
sustentabilidade socioeconômica dos do profissional, tanto no que se refere à
egressos e, por conseguinte, do seu lócus. A utilização dos recursos tecnológicos
ideia é desenvolver no Estado, a partir das disponíveis quanto ao estabelecimento de
suas aptidões, formação profissional e uma sistemática de estudos.
técnica. Sendo marcada pela distância
Portanto, faz­se necessário oferecer temporal e espacial entre professor e alunos,
alternativas de trabalho paralelas à formação, necessita para seu desenvolvimento da
sendo essencial que as políticas públicas presença de equipe multidisciplinar
caminhem em consonância com esses dois (professores, tutores, especialistas da área
fatores. tecnológica) e possibilita outras formas de
a p re n d i z a ge m , e s p e c i a l m e n t e u m a
2.4.4 Educação a Distância na “aprendizagem autônoma, autorregulada”, na
Educação Básica da Rede Estadual qual os alunos “são capazes de planejar,
20
de Ensino de Alagoas organizar, controlar e avaliar” a si próprios,
enquanto os professores realizam a mediação
23
A Educação a Distância (EAD) é uma do processo (PETERS, 2004, p. 170) .
modalidade que vem se modificando de Em Alagoas, as diretrizes político­
acordo com a evolução tecnológica. pedagógicas para a EAD estão definidas no
Atualmente as tecnologias da informação e Plano Estadual de Educação (PEE – 2006 a
comunicação (TIC) têm sido amplamente 2015)24, entre as quais destacam­se a
usadas na mediação didático­pedagógica democratização do acesso às TIC e o
dos processos de ensino e aprendizagem. Os estabelecimento de uma política integradora
suportes de mediação evoluíram do material de mídias e promotora da formação
impresso aos recursos áudio visuais, e destes permanente dos profissionais da educação.

20
Texto construído por Carmem Lúcia de A. Paiva Oliveira – técnica pedagógica da SUGER e Cristine Lúcia ferreira L. de Mello – técnica pedagógica da SUGES.
21
LDB (Lei 9394/96). Disponível em: . Acesso em 28/02/2014.
22
Decreto nº 5.622/2005. Disponível em . Acesso em 25/02/2014.
23
PETERS, Otto. A educação a distância em transição. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2004.
24
Plano Estadual de Educação. Disponível em: . Acesso em: 25/02/2014.

42 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

Considerando o que está posto na 2.4.5 Educação Escolar Quilombola


legislação, a abordagem da EAD na Educação
Básica tem como objetivo a superação das O primeiro marco legal da Educação
barreiras de tempo e espaço, bem como a Quilombola foi instituído com a Constituição
ampliação de oportunidades, para aqueles
Federal de 1988, com base no Artigo 68 do Ato
impossibilitados de prosseguirem seus
das Disposições Constitucionais Transitórias
estudos no ensino básico presencial. Em
Alagoas, os interesses se voltam para a da Constituição que determinava o reconhe­
inclusão digital e melhoria da prática cimento da propriedade de terras, para
pedagógica. Entretanto, atualmente conferir direitos territoriais “aos remanescen­
podemos visualizar outras possibilidades, tes das comunidades dos quilombos que
dentro do próprio ensino regular: utilização de estejam ocupando suas terras é reconhecida a
ferramentas da web como apoio aos propriedade definitiva, devendo o Estado
estudantes da educação básica, emitir­lhes os títulos respectivos”.
desenvolvimento de projetos didáticos que As comunidades quilombolas no
favoreçam a pesquisa, a criatividade, a Brasil são múltiplas e variadas e se encontram
aprendizagem colaborativa e a autoria de distribuídas em todo o território nacional. Em
professores e estudantes. Por outro lado, a algumas regiões elas são mais numerosas e
EAD pode favorecer a complementação de
em outras não. Há comunidades que ficam no
estudos de disciplinas com carências de
campo (rurais) e outras que ficam nas cidades
professores, numa rede que sofre dessa falta
principalmente na área das ciências. (urbanas); que se constituem por meio de
Os ambientes de aprendizagem fortes laços de parentesco e herança familiar
como o e­Proinfo (desenvolvido pelo MEC e ou não; que receberam as terras como doação
disponibilizado aos estados e municípios) e o e que se organizaram coletivamente e adquiri­
Moodle (com código fonte aberto, o que ram a terra. Para os quilombolas, pensar em
permite sua personalização pelas território é considerar um pedaço de terra
instituições) podem ser utilizados para o como algo de uso de todos da comunidade (é
desenvolvimento de cursos, tanto na uma terra de uso coletivo) e algo que faz parte
formação continuada de professores, quanto deles mesmos, uma necessidade cultural e
na formação de estudantes do ensino política da comunidade que está ligada ao
fundamental e médio, especialmente no que direito que possuem de se distinguirem e se
diz respeito a sua formação profissional. diferenciarem das outras comunidades e de
Entretanto, a decisão política de decidirem seu próprio destino. Eles vivem em
implantar a EAD na Educação Básica do territórios que podemos chamar de tradicio­
Estado de Alagoas, implica na melhoria da nais: “Os territórios tradicionais são espaços
infraestrutura tecnológica, especialmente no necessários à reprodução cultural, social e
que se refere à modernização de econômica dos povos e comunidades tradici­
equipamentos, manutenção e velocidade de onais, sejam eles utilizados de forma perma­
conexão à internet, bem como na preparação nente ou temporária (...)”. (Artigo 3, da Política
das equipes (multidisciplinar e gestora), Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos
necessárias ao seu desenvolvimento como Povos e Comunidades Tradicionais,
modalidade de ensino. i n s t i t u í d a p e l o D e c re t o 6 . 0 4 0 d e

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 43


CIÊNCIAS DA NATUREZA

07 de fevereiro de 2007). para conservação dos alimentos. Instalação


Os estudos sobre as comunidades hidráulica, elétrica e sanitária inadequadas.
remanescentes de quilombo em Alagoas Falta permanente de água ou água
começaram nos anos oitenta através do conservada em local impróprio e escola
Núcleo de Estados Afro­brasileiros­ construída em local distante da residência dos
Neab\Ufal e da Associação Cultural Zumbi, estudantes e de difícil acesso.
entidade negra do movimento negro de O ensino escolar nas comunidades
Alagoas. Em continuidade a estes trabalhos, o re m a n e s c e n t e s d e q u i l o m b o é d a
Estado encaminhou a Fundação Cultural responsabilidade dos gestores municipais que
Palmares – órgão público federal responsável trabalham apenas com o ensino fundamental.
pela certificação das comunidades A maioria dos municípios oferece apenas
quilombolas – uma relação constando nomes ensino dos 03 aos 05 anos de idade. Não
de 65 (sessenta e cinco) comunidades existe, nas escolas ou nas secretarias
remanescentes de quilombo, que foram municipais de educação, projeto político
certificado por este órgão. pedagógico voltado para a realidade
As comunidades remanescentes de quilombola, implicando de forma negativa no
quilombo de Alagoas localizam­se no sertão, processo ensino aprendizagem das\os
no agreste nas regiões que margeiam o Rio São estudantes e em sua autoestima.
Francisco e na região da mata. A maior A s / o s p ro f e s s o ra s / e s n ã o
concentração populacional se dá na região participam de formação continuada e não são
agreste e do sertão, em menor quantidade na quilombolas. Residem em outras localidades,
zona da mata. Esses quilombolas são os desconhecendo assim a história da
atuais habitantes de comunidades negras comunidade, dificultando a incorporação dos
rurais formadas por descendentes de valores culturais que identificam a etnicidade
africanos escravizados, que vivem na sua dos seus habitantes.
maioria, da agricultura de subsistência em As populações quilombolas são uma
terras doadas, compradas ou ocupadas há realidade na sociedade brasileira, mesmo
bastante tempo. sendo negadas ou invisibilizadas por muitos
Estudos realizados recentemente anos pelo poder público e a sociedade em
sobre a situação das comunidades geral. Estavam excluídas de todos os
quilombolas no Estado mostram que existem planejamentos econômicos, habitacional,
aproximadamente 8.150 famílias quilombolas cultural, educacional, saúde etc., elaborados
em Alagoas e aproximadamente uns 15 pelos Municípios, Estado e União. Os projetos
(quinze) mil estudantes quilombolas em idade políticos não atendiam às especificidades
escolar que frequentam as escolas culturais e históricas das comunidades
municipais. remanescentes de quilombo, trazendo sérios
As condições físicas das escolas são prejuízos para essa população.
precárias: falta espaço para recreação; sala de A educação escolar quilombola
aula insuficiente para quantidade de segue a proposta política de um currículo
estudantes, ou seja, sala multisseriadas; construído com os quilombolas e para os
ambiente escolar insalubre, principalmente no quilombolas, baseado nos saberes,
agreste e sertão, com sala de aulas sem conhecimentos e respeito às suas matrizes
ventilação e calor excessivo; copa e cozinha culturais. Trata­se de uma educação
inadequadas para cozinhar e manusear os diferenciada em que se trabalha a realidade a
alimentos e inexistência de equipamentos partir da história de luta e resistência desses

44 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

povos bem como dos seus valores diversidade sexual coloca. Já não podemos
civilizatórios. A educação escolar quilombola mais ignorar o grito das pessoas que são
está fundamentada na vivência e organização discriminadas por conta de preconceito e
coletiva, valores ancestrais; na relação com a discriminação traduzidos no nosso cotidiano
terra e com o sagrado, os quais precisam ser nos altos índices de assassinato, por
incorporados no espaço escolar das escolas possuírem uma orientação sexual diferente do
quilombolas e das que atendem estudantes grupo.
quilombolas. Os modelos impostos pela
É dever do Estado articular meios sociedade de ser feminina ou masculino têm
para que esses estudantes quilombolas como referência o biológico. No entanto, as
tenham suas especificidades atendidas no expressões humanas, assim como toda
espaço escolar, bem como acesso, natureza, têm múltiplas individualidades que
permanência e conclusão de seus estudos, se expressam, apresentando assim novas
permitindo o exercício de uma política configurações de gênero. Com relação às
25
equânime para melhor qualidade educacional identidades de gênero , outro fator
e de vida das populações quilombolas. importante é a diversidade sexual, isto é, como
nos relacionamos afetivamente, como
2.4.6 Educação para as Relações de amamos, se amamos pessoas do mesmo
sexo, ou do sexo oposto, devem ser
Gênero e Sexual
considerados nos trabalhos pedagógicos
para oportunizar uma visibilidade real e
Para trabalhar nos espaços de positiva para todas as expressões efetivas.
educação devemos partir da realidade e, para A educação não pode dar
tanto, necessitamos entender e refletir as continuidade a esse extermínio de pessoas,
variadas formas de vida expressas nas várias simplesmente por terem formas de expressar o
diversidades que emanam do individual e feminino e o masculino de modo particular e
compõem o coletivo das salas de aula. diferente. Essas pessoas desde pequenas são
Nossas bases legais de avanço estão violentadas; sequer junto as suas famílias têm
f i n c a d a s e m a c o rd o s n a c i o n a i s e acolhimento e proteção e em muitos relatos,
internacionais, tratados, normas, e em dizem ser o espaço mais violento.
educação, no documento final de conferência A formação de educadoras/es ainda
nacional de educação entre tantos outros, não tem uma política de transformação dessa
cujo objetivo é promover uma cultura de percepção condenando muitas crianças e
direitos e respeito às diversidades e todas as jovens à negação de compreensão de suas
possíveis expressões subjetivas. identidades comprometendo a saúde física,
A s v a r i a d a s e x p re s s õ e s d a mental e negando o direito constitucional da
diversidade exigem novos comportamentos, educação.
métodos, valores e costumes para o trato em A educação pública no Estado e
sala de aula, isto tudo alicerçado em estudos e Alagoas pode e tem obrigação de ser um lugar
pesquisas para que todo investimento possa de respeito às diversidades, isto é, um espaço
refletir na qualidade da prática pedagógica. em que as identidades são sempre relacionais,
A Rede Estadual de Ensino de Alagoas onde possamos ousar produções curriculares
necessita responder às demandas que a para ouvir denúncias e anseios. Necessita­se,
educação para relações de gênero e
25
A forma de expressar a condição de gênero (entre masculino e\ou feminino)

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 45


CIÊNCIAS DA NATUREZA

para isso, criar espaços de estudos onde a dividida pela metade entre o proprietário e o
liberdade, a criticidade e o respeito ao trabalhador – e em corte de cana nas usinas de
diferente possam fazer parte do cotidiano da Alagoas, Bahia, Minas Gerais e na construção
escola. Ou melhor, a escola deve ser um civil.
espaço onde sentimentos e pensamentos Após centenas de anos de
possam ser socializados e ouvidos. aproximação com a civilização europeia, os
É necessário constituir espaços de indígenas no nordeste têm na religiosidade um
reflexão pedagógica e curricular em que dos seus mais importantes elos culturais.
crianças e jovens tenham oportunidades para Seus ritos formam a concepção que eles têm a
discutir sua realidade, observando as respeito do mundo, nos seus mais diversos
diferenças e as identidades, como processo aspectos notadamente os de natureza
de produção social, que estão presentes na espiritual. Tais celebrações acontecem em
sala de aula, mas que são ignoradas, espaços físicos próprios fechados à visitação
reprimidas e o resultado inevitável é a pública e exclusivas aos indígenas e seus
explosão de conflitos e hostilidades convidados. O cristianismo se faz presente
adoecendo todas as pessoas envolvidas desde a época da colonização aos dias atuais,
nesses processos cotidianos. na tentativa de promover a integração
cultural.
2.4.7 Educação Indígena Nas sociedades indígenas, os mais
velhos sempre tiveram um papel importante na
Os povos indígenas se relacionam transmissão dos conhecimentos aos mais
com uma estrutura política, econômica e jovens, são eles os responsáveis pelo relato
cultural própria e, ao mesmo tempo, das histórias antigas, da memória, das
necessitam das relações externas para re s t r i ç õ e s d e c o m p o r t a m e n t o , d a s
existirem enquanto povo alagoano. É neste concepções de mundo. E são agentes de
contexto que a escola assume papel ligação da memória histórica de grupo, que se
relevante. A educação formal tem também um efetiva por meio das diversas práticas e ritos.
propósito profissional, transrrelacionando a Sendo assim, é possível verificar a capacidade
história dessas populações na tentativa de que os povos indígenas têm de manter viva a
(re)construir uma educação capaz de projetar sua história e memória, mesmo quando estas
um futuro com os povos indígenas pautado no estiveram silenciadas e se insiste em ignorá­
respeito às diferenças étnicas. las ou diminuí­las.
A maioria dos povos indígenas em A Educação Indígena, até meados do
Alagoas vivem na área rural ou próximo às século XX, pautou­se na catequização e
cidades de Joaquim Gomes, Porto Real do integração dos indígenas da União e em
Colégio, Pariconha, Inhapi, São Sebastião, assimilá­los e incorporá­los à sociedade
Feira Grande, Traipú e Palmeira dos Índios. nacional, invisibilizando­os. Em 1970, o
Desenvolvem atividades profissionais assim movimento indígena começou a tomar forma,
como a grande maioria do/a(s) organizando­se para discutir a Educação
alagoano/a(s). Os homens geralmente Escolar, exigindo mudanças, abrindo espaços
trabalham com uma agricultura e pecuária de sociais, políticos para que fossem garantidos
subsistência – quando possuem terra os direitos indígenas na legislação brasileira.
suficiente e adequada para isso – contudo, a A partir da década 1980, o Brasil passou a
grande maioria trabalha em fazendas vizinhas reconhecer que é um país constituído por
como mão de obra paga ou meeira – produção diversidades de grupos étnicos, o que motivou

46 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

a instituição de leis específicas que desses povos e a garantir o respeito pela sua
contemplam os direitos dos povos indígenas, integridade. Nesse sentido, a educação passa
bem como o reconhecimento e a manutenção ser um instrumento fundamental para
das especificidades culturais, históricas e assegurar a efetivação desses direitos.
linguísticas como elementos essenciais à As Diretrizes Curriculares Nacionais
educação escolar indígena. da Educação Escolar Indígena foram
Atualmente há 11 povos indígenas em aprovadas em 14.09.1999, por meio do Parecer
Alagoas reconhecidos oficialmente pelo 14/99 da Câmara Básica do Conselho
Estado, como os Kariri­Xocó, Karapotó, Nacional de Educação.
Aconã, Tingüi­Boto, Wassu Cocal, Xucuru­ O que está evidenciado na LDB é o
Kariri, Jiripancó, Karuazu, Katokinn, regime de colaboração entre as três esferas
Koiupanká, Kalancó, com 17 escolas governamentais. Excluído o Sistema Federal
indígenas atendendo a 9 povos indígenas. No de Ensino da tarefa de promover a Educação
entanto, os Karuazu em Pariconha e os Escolar Indígena, essa atribuição fica por
Kalancó em Água Branca, ambos no alto conta dos Sistemas Estaduais e/ou
Sertão Alagoano, não possuem escolas Municipais de Ensino, que em Alagoas é de
estaduais, sendo atendidos nas escolas responsabilidade do Estado.
convencionais. Nas diretrizes político­pedagógicas
Os povos indígenas e suas 17 escolas (9.2.1) do Plano Estadual de Educação
em Alagoas, reivindicam que os/as estabelece­se que a proposta de uma escola
professores/as sejam também indígenas para indígena diferenciada, de qualidade, exige das
encaminhar seu projeto educacional escolar, instituições e órgãos responsáveis a definição
como tentativa de articular as necessidades de novas dinâmicas, concepções e
do grupo com a sociedade nacional, sem mecanismos, tanto para que esta escola seja
perder de vista suas origens, suas tradições, de fato incorporada e beneficiada por sua
suas culturas, mas também se dando conta inclusão no sistema oficial, quanto para que
das modificações que acontecem em todas as seja respeitada em suas particularidades,
sociedades contemporâneas. Existem democratizando o acesso e garantindo a
indígenas com formação acadêmica em várias permanência com sucesso do/a estudante na
áreas do conhecimento, com um número escola indígena.
significativo em licenciatura. Uma pequena Diante das peculiaridades da oferta
parte de indígenas são servidore/a(s) efetivos dessa modalidade de ensino ­ tais como, um
ou temporários federais, do Estado de Alago­ povo localizado em mais de um município;
as e dos municípios onde moram. Há um formação e capacitação diferenciada de
número reduzido de pequenos comerciantes professores indígenas exigindo a atuação de
nas cidades próximas e nas comunidades especialistas; processos próprios de
indígenas. aprendizagem ­ a responsabilidade pela oferta
No Artigo 2° da Convenção n° 169 da da Educação Escolar Indígena é do Estado.
Organização Internacional do Trabalho (OIT) Ao Sistema Estadual de Ensino cabe a
sobre Povos Indígenas e Tribais, explicita que regularização da escola indígena, isto é, sua
os governos deverão assumir a responsabi­ criação, autorização, reconhecimento,
lidade de desenvolver, com a participação dos credenciamento, manutenção, supervisão e
povos interessados, uma ação coordenada e avaliação, como preconiza a legislação
sistemática com vistas a proteger os direitos federal.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 47


CIÊNCIAS DA NATUREZA

2.4.8 Educação Escolar do Campo vida, de trabalho, de construção de significa­


dos, saberes e culturas.
A Educação Básica para a População A concepção de campo tem o seu
Campesina tem como objetivo garantir o sentido forjado no seio dos movimentos
direto à educação escolar para a diversidade sociais a partir dos anos 90 do século XX,
dos sujeitos campesinos e sua identidade trazendo como referência a identidade e
pluricultural, pluriétnica, plurirreligiosa, cultura dos povos do campo, valorizando­os
presente na realidade territorial de crianças, como sujeitos que possuem laços culturais e
adolescentes, jovens, adultos e idosos, valores relacionados à vida na terra. Nessa
considerando os aspectos históricos, sociais, perspectiva, o campo é reconhecido como
econômicos, políticos, culturais, religiosas, espaço de relações de vida, lugar de trabalho,
ambientais, de Diversidade Sexual e de de emancipação humana e política, de cultura,
Gênero, de Etnia e de Geração. de produção de conhecimento na sua relação
Os povos do campo comportam de existência e sobrevivência.
categorias sociais como agricultores familia­ Desta forma, a compreensão de
res, extrativistas, pescadores, artesanais, campo ultrapassa a definição jurídica, confi­
ribeirinhos, assentados e acampados da gurando­se em um conceito político que
reforma agrária, trabalhadores assalariados considera as particularidades e especificida­
rurais, quilombolas, caiçaras, povos da des dos sujeitos deixando de reduzir o campo,
floresta, caboclos e outros que produzem suas apenas em sua localização espacial e geográ­
condições materiais de existência a partir do fica.
trabalho no meio rural. A educação do campo deve­se articular a um
A igualdade de oportunidades de projeto sócio, político, econômico, cultural,
acesso, a permanência e passagem com religioso e ambiental, a partir dos interesses
sucesso e qualidade da aprendizagem escolar dos povos que nele vivem. Pode­se afirmar
devem ser estendidas a todos/as estudantes, que o que caracteriza o povo campesino é o
independentemente da categoria social a que jeito peculiar de se relacionar com a natureza,
pertençam. Isso significa dizer que é função o trabalho na terra, a organização das ativida­
do Poder Público em definir políticas públicas des produtivas na agricultura familiar e
de educação para todos/as, de modo a camponesa. Deve­se reconhecer a cultura e
assegurar o direito a todas as pessoas sem os valores, considerando as relações familia­
qualquer tipo de discriminação e/ou privilé­ res e de vizinhança, como elementos da
gio. prática pedagógica, que respeitam as festas
Para melhor compreensão da comunitárias e de celebração da colheita e
Educação do Campo, faz­se necessário diversas manifestações religiosas, dinami­
estabelecer uma distinção dos termos “rural” zando a rotina de trabalho livre, em detrimento
e “campo”. A concepção de rural representa das rotinas pedagógicas burocraticamente
uma base política ideológica referendada nos pré­estabelecidas.
documentos oficiais, que historicamente Ao se fazer a reflexão sobre a educa­
apresentam os povos do campo como pesso­ ção dos povos campesinos, deve­se ter o
as que necessitam de assistência e proteção, cuidado para construir uma prática educativa
defendendo que o rural é o lugar do atraso. O que propicie uma compreensão mais ampla
rural nessa ótica está pensado a partir de uma s o b re a s q u e s t õ e s e s p e c í f i c a s d o
lógica economicista, deixa de ser lugar de

48 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

campo: fundamentos do modelo de educação e à saúde;


agricultura capitalista, o agronegócio, os 2. a soberania alimentar, vincula­da à luta por
grandes latifúndios, a expulsão dos uma sociedade economicamente justa,
camponeses das pequenas propriedades, as ecologicamente sustentável com equidade e
dificuldades de incentivo e financiamento dos justiça social;
pequenos produtores, a reforma agrária, a 3. os valores humanistas, a partici­pação
agro ecológica, as bases da agricultura popular, as relações igualitárias: de
familiar, a agricultura camponesa, a pesca, o diversidade sexual e de gênero; Cultural;
artesanato, a agroindústria, extração mineral religiosa; geração; e, etnia.
e vegetal, inter­relação entre educação Nesse sentido, um dos grandes
cidade e campo (função social de cada espaço desafios do currículo para a educação do
territorial) e as políticas de inclusão campo é proporcionar aos seus/as
disponibilizadas para as comunidades estudantes uma cultura produzida no seio de
campesinas e povos tradicionais. suas relações sociais, vivenciada e vinculada à
26
O currículo para a Educação Básica pluriculturalidade e à interculturalidade
nas Escolas do Campo será construído à luz da presentes no mundo do trabalho e nas
base comum nacional contextualizada na relações humanas dinamizado pela cultura, a
realidade dos povos do campo; sendo assim, a partir do campo ecologicamente sustentável,
unidade escolar em sua prática político­ objetivando consolidar um processo de
pedagógica dinamizará as relações sócio, educação escolar fortalecido em seu próprio
política, econômica, cultural, religiosa e ambiente e que supere a dicotomia entre rural
ambiental entre as pessoas, qualificando a e urbano.
produção das condições materiais da Vale ressaltar que o Estado de
existência humana, incorporando em seu Alagoas em seus 102 municípios, apresentam
27
fazer pedagógico as especificidades dos fortes características campesinas, tanto nos
povos do campo, considerando os saberes aspectos culturais, sóciais, ecológicos,
socialmente adquiridos pelos/as estudantes religiosos, bem como, em sua base econômica
em sua história de vida, na íntima relação com em que temos a agricultura e pecuária,
os saberes construídos coletivamente no agricultura familiar e camponesa, pesca, o
espaço escolar. minério (petróleo, sais, ferro), agro indústria, o
Outro desafio à prática escolar diz turismo rural e o artesanato. Portanto,
respeito à construção de relações majoritariamente a Educação escolar de
interdisciplinares e transdisciplinares, a partir Alagoas tem que considerar em sua base
de princípios pedagógicos que fortaleçam curricular a contextualização da realidade do
práticas pedagógicas significativas no e do campo alagoano, mesmo que a unidade de
campo, em consonância com: ensino seja localizada no centro urbano.
1. a luta pelos direitos à cidadania, à terra, à

26
LDBEN 9394/1996: art. 23, 24, 26 (nova redação ­ Leis 10.639/2003 e 11.645/2008), 27, 28; Resolução CNE/CEB Nº 1 – 03 DE ABRIL DE 2002 / DOEBEC: Artigos 5º e 7º; Lei nº.
6.757/2006 ­ PEE/AL ­ Capítulo IV; Resolução Nº 2, de 28 de Abril de 2008; Resolução Nº 4, de 13 de julho de 2010 ­ DCNGEB: Título V (Organização Curricular: Conceito, Limites,
Possibilidades), Capítulo I (Formas para a Organização Curricular); e, DECRETO Nº 7.352, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010.
27
A identidade dos povos do campo comporta categorias sociais como agricultores familiares, os extrativistas, os pescadores artesanais, os ribeirinhos, os assentados e acampados
da reforma agrária, os trabalhadores assalariados rurais, os quilombolas, os caiçaras, os povos da floresta, os caboclos e outros que produzam suas condições materiais de
existência a partir do trabalho no meio rural, conforme Decreto nº 7.352, de 4 de Novembro de 2010, em seu Artigo 1, Parágrafo 1º.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 49


CIÊNCIAS DA NATUREZA

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


Desafios para a Rede Estadual
de Ensino de Alagoas

Capítulo 3
CIÊNCIAS DA NATUREZA

A rede estadual de ensino de Alagoas ainda possui alguns


problemas que exigem o investimento na implementação de
algumas políticas públicas estruturantes para a sua resolução,
dentre eles está a minimização do analfabetismo e do fracasso
escolar. Para resolução desses problemas a rede se propõe a
enfrentar dois grandes desafios: alfabetizar na idade certa e corrigir
a distorção idade­escolaridade.

3.1 O Desafio de Alfabetizar a todos na Idade Certa25

A iniciativa de implementar o Ensino Fundamental de 9


anos, que desde 2006, com a aprovação da Lei no 11.274/2006,
prevê legalmente um ano a mais de escolaridade às crianças
brasileiras, teve como proposta subsequente a formalização de um
ciclo inicial de escolaridade – mesmo nos sistemas seriados – e a
necessidade de se definir um posicionamento claro em relação ao
que fazer nesse “novo” 1º ano, que nem é a antecipação da 1ª série
“antiga” e nem é, simplesmente, o equivalente ao que era antes o
último ano da Educação Infantil. O desafio tem sido a construção da
proposta pedagógica desse novo tempo escolar, que como tal, é um
ganho para as crianças brasileiras.
O cenário educacional dos últimos anos tem algumas
características importantes, que aqui merecem destaque para
favorecer a compreensão das questões que ora se colocam aos
sistemas públicos de ensino.
A partir da década de 90, houve um declínio progressivo
das taxas de reprovação no início do Ensino Fundamental, em
decorrência da adoção, por muitos Estados, de medidas de
redução dos índices de reprovação escolar, tais como: sistema de
ciclos, projetos especiais de alfabetização, reforço escolar no
contra turno, salas de apoio, aceleração de estudos, progressão
continuada, correção de fluxo escolar, dentre outros.
A implantação de um sistema nacional de avaliação da
Educação Básica no Brasil, já nos anos 90, tornou visível um
problema tão sério quanto a retenção: os estudantes não estão
aprendendo o que, por direito, deveriam aprender em cada nível de
ensino. Desse modo, a educação brasileira iniciou um novo século

25
Texto produzido pelas profa. Msc. Nadeje Fidelis Moraes e Especialista Socorro Quirino Botelho – técnicas Pedagógicas da SUPED e Profa. Dra. Rosaura Soligo ­
Instituto Abaporu de Educação e Cultura.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 53


CIÊNCIAS DA NATUREZA

de sua história sem resolver o problema Em Alagoas, com o intuito de


crônico do analfabetismo dos adultos e ainda melhorar a qualidade da aprendizagem dos
amargando o analfabetismo funcional de estudantes e reverter os altos índices de
crianças e jovens em processo de analfabetismo no Estado, teve início em 2009
escolarização. o Programa Estadual de Alfabetização ­
Assim, a questão do analfabetismo ARACÊ26, uma iniciativa do governo de
absoluto e funcional da população brasileira Alagoas, a partir do Projeto de Cooperação
acaba por demonstrar a insuficiência de Técnica entre o Ministério de Educação (MEC),
medidas realmente efetivas para assegurar de o Programa das Nações Unidas para o
fato a alfabetização de crianças e Desenvolvimento (PNUD) e a Secretaria de
adolescentes matriculados nos anos iniciais Estado da Educação e do Esporte de Alagoas
do Ensino Fundamental. (SEE). O ponto de partida do Programa Aracê
Do ponto de vista dos programas foi o estudo e a análise das políticas, diretrizes
propostos com essa finalidade, foram vários e ações propostas para a alfabetização
nos últimos anos: Programa de Formação de contidas nos documentos e legislações
Professores Alfabetizadores – PROFA, Escola nacionais e estaduais, assim como a
Ativa, Programa de Formação de Professores investigação dos dados da realidade
dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental – educacional do Estado (Educacenso, IBGE,
PRÓ­LETRAMENTO, Programa de Apoio à I N E P , S A E B , M E C , S AV E A L ) . F o ra m
Leitura e à Escrita – PRALER, Brasil consideradas as políticas de alfabetização
Alfabetizado, SABER, Proposta Pedagógica de sintetizadas no Plano Nacional de Educação –
EJA­AL, Movimento de Alfabetização de PNE e no Plano Estadual de Educação do
Jovens e Adultos – MOVA, Projeto de Estado de Alagoas – PEE/AL, as ações
Intervenção Pedagógica para Escolas com propostas no Planejamento Estratégico da
Ideb abaixo de 2.5, SESC LER e, mais SEE e no Plano de Ações Articuladas de
recentemente, o Pacto Nacional pela Alagoas ­ PAR­AL e as diretrizes legais da
Alfabetização na Idade Certa­ PNAIC. Constituição Federal, da Constituição
Tendo como base legal o Artigo 210 Estadual, da Lei de Diretrizes e Bases da
da Constituição Federal de 1988 – que prevê a Educação Nacional e das resoluções do
indicação de conteúdos mínimos para o Conselho Estadual de Educação de Alagoas –
Ensino Fundamental, de maneira a assegurar CEE­AL.
formação básica comum, – e a LDB 9.394/96 – O estudo dos dados educacionais
que determina que o direito à Educação Básica revelou a necessidade de ampliação do
para todos os brasileiros e tendo por Programa de Alfabetização aos alunos em
finalidades desenvolver o educando, processo de escolarização, já que as
a s s e g u ra r ­ l h e a fo r m a ç ã o c o m u m avaliações nacionais e do Estado
indispensável para o exercício da cidadania e demonstraram que eles não estão sendo
fornecer­lhe meios para progredir no trabalho alfabetizados no tempo escolar previsto, o que
e em estudos posteriores – o PNAIC apresenta tem como resultado o processo de distorção
nacionalmente, como objetos de ensino, um idade/ano escolar.
conjunto de habilidades tomadas como Várias ações buscam hoje contribuir
direitos de aprendizagem. para o debate acerca dos direitos de
26
Aracê – palavra tupi­guarani que significa aurora, nascer do dia –, se propõe a aglutinar e integrar todas as propostas de alfabetização.

54 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

aprendizagem das crianças do ciclo de na idade certa: a distorção idade­série e a o


alfabetização, por exemplo, para os processos fato da Educação de Jovens e Adultos ser
de avaliação e acompanhamento da ainda, em grande medida, destinada a
aprendizagem das crianças; para o pessoas que passaram pela escola e não
planejamento e avaliação das situações tiveram garantido o seu direito de se tornarem
didáticas; para o conhecimento e uso dos leitores e escritores proficientes no tempo
materiais distribuídos pelo Ministério da apropriado.
Educação, voltados para a melhoria da
qualidade do ensino no ciclo de 3.2 Distorção Idade­Escolaridade27
alfabetização.
Caracterizam­se como um esforço A distorção idade/escolaridade
conjunto com o objetivo de elaborar e surge de diversas formas: estudantes que
apresentar à sociedade alagoana uma chegam à unidade de ensino pela primeira vez
proposta de educação cujo foco é a melhoria com mais de 6 (seis) anos de idade; estudantes
da qualidade da aprendizagem dos que foram reprovados e estão repetindo o ano
estudantes da Educação Básica e a e estudantes que abandonam e retornam à
consequente reversão dos indicadores unidade de ensino.
educacionais do Estado. Com a regulamentação do Ensino
Segundo Freire (1983: 34) “o velho e o Fundamental de 9 (nove) anos no Sistema
novo têm valor na medida em que são válidos”; Estadual de Ensino de Alagoas, através da
é necessário que, face ao novo, não se repita o Resolução CEB/CEE­AL n°08/2007, foi
velho por ser velho, nem se aceite o novo por determinado que as redes de ensino e suas
ser novo, mas que o critério seja a validade. unidades devem iniciar, para melhorar o
São as questões e dilemas da nossa desempenho escolar, a implantação de um
prática que despertam em nós o sentido da processo gradativo de regularização do fluxo
busca de novos caminhos e possibilidades – e escolar, visando à redução do abandono, da
o acesso a novos conhecimentos, repetência e da distorção entre a idade da/o
i n fo r m a ç õ e s e i n i c i at i v a s s ó t ra r á estudante e o ano escolar.
contribuições relevantes de fato à medida que A regularização do fluxo será para
re s p o n d a m à s n e c e s s i d a d e s q u e a/o(s) estudante(s) fora da faixa etária, a partir
identificamos no percurso. de dois anos de distorção idade/escola­
O desafio de alfabetizar a todos na ridade. O processo de regularização do fluxo
idade certa tem sido parte dessas escolar pode acontecer através dos seguintes
necessidades que nos impulsionam em passos:
direção a parcerias profícuas e ações ·Elaborar um quadro da distorção
conjuntas de enfrentamento do fracasso idade/escolaridade da unidade de ensino,
escolar e de empenho para produzir o êxito. identificando quais estudantes que se
Entendemos que assim será possível resolver encontram nessa condição;
também outros problemas graves com os ·Fazer uma avaliação diagnóstica de
quais hoje nos defrontamos, que são, na cada estudante para mapear quais estão em
verdade, consequência da não alfabetização condições de avançar e realizar todos os

27
Texto retirado do texto Orientações para Organização do Ensino Fundamental – SUPED, 2012.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 55


CIÊNCIAS DA NATUREZA

procedimentos para reclassificação de quem aceleração de estudos (estudantes do 1º ao


estiver em condições de acelerar os estudos, 5º ano não alfabetizados e os não aprovados
mediante verificação do aprendizado, de do 3º ano)
acordo com o § 1º do art. 23 e a alínea b, · turmas de progressão II – aceleração de
inciso V, do art. 24 da LDB n° 9.394/1996 e nos estudos (estudantes do 1º ao 5º ano alfabeti­
moldes do Parecer CEB/CEE­AL nº145/2013 e zados e os não aprovados do 5º ano)
Resolução CEE­Al nº34/2013; · turmas de progressão III – aceleração de
·Organizar Turmas de Progressão para que estudos (estudantes do 6º e 7º ano)
a/o(s) estudante(s) receba(m) acompanha­ · turmas de progressão IV – aceleração de
mento pedagógico direcionado para a supe­ estudos (estudantes do 8º e 9º ano).
ração das dificuldades de aprendizagem Essa estrutura visa colocar em
diagnosticadas. Com orientação pedagógica prática a organização que define uma ade­
diferenciada, será possível, mediante a quação das unidades de ensino quanto à faixa
verificação do rendimento escolar, a acelera­ etária e, consequentemente, o agrupamento
ção de estudos, isto é, uma promoção para da/o(s) estudante(s).
anos ou etapas mais adequados à sua idade, A organização de Turmas de
nos termos da alínea b, inciso V, do art. 24 da Progressão no Ensino Fundamental visa
LDB n° 9.394/1996. atender ao estabelecido na legislação em
vigor, pois a rede de ensino e/ou sua unidade
3.2.1 Possibilidade de Superação poderá optar por organizar turmas específicas
com estudantes que não se encontram em
A SEE vem, ao longo do tempo, idade correspondente ao ano letivo do Ensino
buscando alternativas pedagógicas para Fundamental, ofertando orientação pedagó­
minimizar a distorção idade­escolaridade, gica diferenciada, com a possibilidade de,
visto que é um dos fenômenos dos mais mediante verificação de rendimento escolar,
injustos e prejudiciais, tanto à vida dos estu­ promover a aceleração de estudos, isto é, uma
dantes, quanto à saúde da administração promoção para anos ou etapas mais adequa­
escolar. Como alternativa para minimização dos à sua idade, nos termos da alínea b, inciso
desse fenômeno, a SEE orienta a organização V, do art. 24 da LDB n° 9.394/1996 e do art. 13
de Turmas de Progressão e a criação de da Resolução CEB/CEE­AL nº 08/2007.
Espaços Complementares de Aprendizagem:
3.2.1.1.1 Turmas de Progressão I e II
3.2.1.1 Turmas de Progressão28 (anos iniciais)

A/O(s) estudante(s) em distorção A/O(s) estudante(s) dos anos iniciais


idade/escolaridade, matriculada/o(s) no em distorção idade/escolaridade deverão
Ensino Fundamental, poderão ser agrupados ser matriculados de acordo com sua docu­
em turma de progressão, a saber: mentação escolar. Em seguida, devem
· turmas de progressão I – alfabetização e

28
Ver nas Orientações para organização do Ensino fundamental.

56 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

ser submetida/o(s) à avaliação diagnóstica máximo 30 estudantes por sala, da seguinte


para avaliar quem está ou não alfabetizado forma:
para serem agrupados em Turmas de · a/o(s) estudante(s) maiores de 18 anos de
Progressão com no máximo 25 estudantes, da idade poderão ser agrupada/o(s) em Turmas
seguinte forma: de Progressão III (6º e 7º ano) e Turmas de
· a/o(s) estudante(s) não alfabetizados e Progressão IV (8º e 9º ano), com a utilização
a/o(s) não aprovados do 3º ano deverão ser de material didático adequado para sua faixa
agrupados em Turmas de Progressão I. Essas etária e organização curricular específica com
turmas terão organização curricular específi­ foco na aceleração dos estudos. Dessa forma,
ca com foco na alfabetização, visando à deverão ser selecionadas as aprendizagens
aceleração de estudos. Dessa forma, deverão básicas das áreas de conhecimento e de seus
ser selecionadas as aprendizagens básicas respectivos componentes curriculares, com
das áreas de conhecimento e de seus respec­ metodologias para a aceleração de estudos.
tivos componentes curriculares, conforme A avaliação será somativa, conforme o
estabelecido no Referencial Curricular da estabelecido para os anos finais do Ensino
Educação Básica para as Escolas Públicas de Fundamental. Na organização dessas turmas
Alagoas (RECEB). A metodologia deverá ser terão prioridade a/o(s) estudante(s) matricu­
direcionada para a aquisição da língua lado(s) nos 6º e 8º anos.
escrita. · a/o(s) estudante(s) entre 13 a 17 anos de
· a/o(s) estudante(s) alfabetiza­da/o(s) que idade matriculado(s) nos anos finais do Ensino
s e e n c o n t r a m e m d i s t o r ç ã o i d a­ Fundamental também serão agrupados em
de/escolaridade e os não aprovados do 5º Turmas de Progressão. Contudo, a SEE orienta
ano deverão ser agrupados em Turmas de que aconteça de forma gradativa, em virtude
Progressão II. Essas turmas terão organização dos encaminhamentos que estão sendo
curricular específica para a aceleração de providenciados para utilização de material
estudos. Nesse sentido, deverão ser selecio­ didático, com uma organização específica
nadas as aprendizagens básicas das áreas de para a aceleração de estudos.
conhecimento e de seus respectivos compo­
nentes curriculares, conforme estabelecido 3.3 Espaços/Tempos Comple­
no Referencial Curricular da Educação Básica mentares de Aprendizagem
para as Escolas Públicas de Alagoas (RECEB),
visando à conclusão dos anos iniciais. Os resultados das avaliações de
larga escala e os dados do censo escolar de
3.2.1.1.2 Turmas de Progressão III e IV 2013 indicam altos índices de fracasso escolar
(anos finais) na Educação Básica de Alagoas. Dessa forma,
faz­se necessário desenvolver estratégias
A/O(s) estudante(s) dos anos finais pedagógicas para intervir nos resultados do
em distorção idade/escolaridade deverão processo de ensino e de aprendizagem. É
ser matriculados de acordo com sua docu­ necessário oferecer aos professores orienta­
mentação escolar, para em seguida serem ções para diagnosticar as dificuldades de
agrupados em Turmas de Progressão, com no aprendizagem mais acentuadas dos

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 57


CIÊNCIAS DA NATUREZA

estudantes, bem como oferecer espaços e Caderno de Orientações para os Laboratórios


t e m p o s c o m p l e m e n t a re s p a ra o Pedagógicos e de Aprendizagem29.
desenvolvimento dessas estratégias que É importante destacar que as
possibilitam a ampliação do índice de atividades desenvolvidas pelo/a professor/a
aprendizagem desses estudantes. É nessa no LAP são atividades típicas de docência e
perspectiva que a rede estadual de ensino devem ser computadas na carga horária
re g u l a m e n t a o s L a b o rat ó r i o s d e desses profissionais e constar nas atividades
Aprendizagem, conforme prescreve o Art. 8º, regulares da unidade de ensino, conforme
da Resolução nº 08/2007 ­ CEE/AL. determina o § 3º, do art. 9º da Resolução
CEB/CEE­AL nº08/2007.
3.3.1 Laboratórios de Aprendizagem A proposta é oferecer no LAP um
ensino diferenciado para a/o(s) estudante(s)
A partir da regulamentação do Ensino com necessidades/dificuldades de aprendi­
Fundamental de 9 (nove) anos no Sistema zagem. Nesse sentido, devem ser organizadas
Estadual de Ensino de Alagoas em 2007, foi oficinas pedagógicas com atividades
determinado que as redes de ensino e suas diversificadas e o uso de jogos pedagógicos.
unidades devem criar formas de ampliação do Ao ofertarem a recuperação paralela
tempo de estudos para estudantes com através do LAP, as unidades de ensino deverão
dificuldades de desempenho escolar (art. 8º, definir, em seu regimento escolar e no projeto
Resolução CEB/CEE­AL n°08/2007). político pedagógico, a forma de organização
A obrigatoriedade de ofertar formas dessa oferta.
de ampliação do tempo de estudos para
estudantes com baixo rendimento escolar se ­ Estrutura do LAP
caracteriza como recuperação paralela,
prevista na Lei de Diretrizes e Bases da O LAP é um espaço adequado para
Educação Nacional (LDB) (alínea e, inciso V, desenvolver as aprendizagens básicas
art. 24 da LDB, Lei nº 9.394/96). esperadas para o bom desempenho
Segundo os dados do Censo Escolar, acadêmico da/o estudante, descritas no
Alagoas continua a apresentar índices Referencial Curricular da Educação Básica
elevados de evasão, repetência e distorção para as Escolas Públicas de Alagoas (RECEB).
idade/escolaridade no Ensino Fundamental. O LAP visa atender à/ao(s) estudante(s) em
Como proposta de intervenção nessa suas necessidades/dificuldades individuais,
situação educacional, a Secretaria de Estado independentemente dos conteúdos
da Educação e do Esporte (SEE) apresenta o trabalhados na sala de aula.
Laboratório de Aprendizagem (LAP) como uma A unidade de ensino deverá
alternativa para recuperação paralela, disponibilizar um espaço físico para
contribuindo para a melhoria dos resultados implantação/implementação do LAP, o qual
de aprendizagem da educação em Alagoas. deverá contar com um acervo de múltiplos
Na perspectiva de auxiliar o trabalho recursos, nas diversas áreas de conheci­
docente desenvolvido com a/o(s) mento, composto de: literatura infanto­juvenil,
estudante(s) dos anos iniciais do Ensino revistas, jornais, livros, livros didáticos,
Fundamental, a SEE produziu e distribuiu o jogos pedagógicos, instrumentos

29
O Caderno de Orientações para os Laboratórios Pedagógicos e de Aprendizagens está disponível em:<http://www.educacao.al.gov.br/educacao­basica/
ensino­fundamental>.

58 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

de medidas, mapas, fantoches etc. À medida que as dificuldades forem


Esses recursos serão utilizados como superadas, a/o estudante não necessitará
subsídio para que o/a professor/a desen­ mais de estudos complementares e será
volva um trabalho diferenciado do ensino liberado das aulas no LAP, sendo substituído
regular. De forma a propiciar a superação das por outra/o que necessite desse trabalho.
dificuldades da/o estudante, dinamizando O trabalho desenvolvido deverá ser
30
assim, o processo de aquisição de registrado em fichas do LAP, com o
conhecimento. acompanhamento individual de cada
Se não for possível disponibilizar um estudante atendido, devendo constar a
espaço físico, a alternativa é a criação de um avaliação diagnóstica inicial, a frequência, as
LAP móvel, no qual os recursos irão para onde avaliações, as intervenções realizadas no
se fizer necessário. processo e o parecer do/a professor/a
As professoras e os professores que liberando do atendimento no LAP.
atuarão no LAP serão os que estiverem
complementando a carga horária de docência 3.3.2 Outras Possibilidades 31
e/ou estiverem com toda a carga horária no
LAP. “Conforme prescreve o Art. 8º, da Resolução
nº 08/2007 ­ CEE/AL :
­ Funcionamento do LAP As redes de ensino e suas unidades escolares
O LAP deverá ser ofertado para devem criar formas de ampliação do tempo de
turmas de até no máximo 10 (dez) estudantes, estudos para estudantes com dificuldades de
no caso da alfabetização; de até 15 (quinze) desempenho escolar, tais como: salas/aulas
estudantes nos anos iniciais e de até 20 (vinte) de reforço; laboratórios de aprendizagem;
estudantes nos anos finais, priorizando os p ro j e t o s e a t i v i d a d e s d e c a r á t e r
componentes curriculares de Língua interdisciplinar e/ou transversal que
Portuguesa e Matemática. envolvam a comunidade; professores de
Funcionará, preferencialmente, no plantão para atendimento individualizado ao
horário contrário, com duração de 2 horas em estudante; aulas de recuperação paralela;
dias alternados semanalmente. Dessa forma, ampliação do período letivo com aulas
o LAP poderá atender a mais de uma turma por durante o recesso escolar; acompanhamento
turno. Deve ser garantida à/ao estudante psico­pedagógico e apoio psico­social, entre
alimentação nesse período e transporte outros meios”.
escolar se necessário. Como se pode observar, embora a
O período de permanência da/o rede estadual de ensino tenha implantado o
estudante no LAP será estabelecido através de LAP como estratégia pedagógica para
diagnósticos dos níveis de aprendizagem, minimização do fracasso escolar, a escola tem
tendo como referência as aprendizagens autonomia para, a partir da identificação do
básicas previstas no RECEB. Todo esse seu problema, administrar a melhor forma
processo será acompanhado pelo/a para resolvê­lo; fica evidenciado também que,
coordenador/a pedagógico/a através de por vezes, o problema é de fácil solução, sendo
fichas e relatórios. possível resolver com e nas condições

30
Ver nas Orientações para organização do Ensino fundamental.
31
Resolução 08/2007 ­ Art. 8 – CEE/AL.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 59


CIÊNCIAS DA NATUREZA

existentes na própria escola. Educação através da portaria Interministerial


nº 17/2007 e pelo Decreto 7.083 de
32
3.4 Educação em Tempo Integral 27/01/2010.

33
A discussão acerca da escola em 3.4.1 Programa Mais Educação
tempo integral se inicia no século XX e vem
perdurando até o início do século XXI com O Programa Mais Educação propõe
igual força. A demanda é a qualidade da um novo modelo de ensino, os alunos
educação, pois já não basta mais colocar permanecem nas unidades escolares numa
todas as crianças na escola. A equação carga horária mínima de 7 horas diárias,
qualidade X quantidade passa a ser o grande realizando no contra turno atividades
desafio da educação nacional. pedagógicas, esportivas e culturais durante os
Para resolver a problemática do 200 dias letivos. As atividades desenvolvidas
esvaziamento da qualidade da escola pública no decorrer do ano, visam contribuir para um
é que nasce a discussão acerca da melhor desempenho e avanço na
necessidade de ampliação do tempo dos aprendizagem.
estudantes na escola, ao mesmo tempo em Nessa perspectiva, a Secretaria de
que, também, se reflete acerca da garantia de Estado de Educação e Esporte, em 2009
infraestrutura adequada para recebimento implantou o Programa Mais Educação nas
dos estudantes nas escolas com atendimento escolas da Rede Pública Estadual ampliando
em tempo integral. Esse processo de gradativamente o quantitativo de escolas a
implantação da escola de tempo integral vem cada ano.
acompanhado da urgência, segundo Rios, de O Programa Mais Educação vem
“qualificar a qualidade, refletir sobre a integrar as ações do PDDE interativo e tem
significação de que ela se reveste no interior dentre os seus principais objetivos:
da prática educativa” (2001, p.21). · criar hábitos de estudos;
Dessa forma, a escola de tempo · aprofundar os conteúdos vivencia­dos no
integral nasce para possibilitar aos ensino regular melhorando a aprendizagem;
educandos a ampliação do seu tempo na · elevação do IDEB;
escola, oferecendo­lhes maiores e melhores ·a Redução da evasão escolar, reprovação e
possibilidades de aprendizagem. distorção idade/série;
Para Anísio Teixeira (2010), a escola · vincular as atividades pedagógicas, às
deveria ofertar o aumento da jornada escolar, rotinas diárias de alimentação, recreação,
tornando­se escolas em tempo integral, com a esporte e estudos complementares;
finalidade de contribuir para a diminuição das · oportunizar aos estudantes uma vida mais
desigualdades educacionais e sociais. saudável com a prática de atividades
Nessa perspectiva, em 2007, o esportivas;
Governo Federal através do Ministério da ·prevenção no combate do trabalho infantil.
Educação ­ MEC retomou o tema 'Escolas em Com base no Decreto 7.083/2010, os
Tempo Integral' e implantou o Programa Mais

32
Texto produzido pelas técnicas pedagógicas da Diretoria de Gestão Escolar Maria Betânia Santos de Moraes, Suzille de Oliveira Melo Chaves, Kátia Maria do Nascimento Barros.
33
Para saber mais sobre a Escola em tempo integral e sobre o Programa Mais Educação, ver site www.mec.gov.br.

60 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

princípios da Educação Integral são · esporte e Lazer;


traduzidos pela compreensão do direito à · educação em Direitos Humanos,
vida, à saúde, à liberdade, ao respeito, à · cultura e Arte; Investigação do Campo das
dignidade e à convivência familiar e Ciências da Natureza;
comunitária por meio da Educação Integral. · educação Econômica.
O atendimento da jornada escolar para a
indução da Educação Integral tem como Vale ressaltar que, mesmo sendo um
objetivo melhorar o ensino e garantir a programa do Governo Federal, o 'Mais
aprendizagem de crianças e jovens, inseridos Educação' é operacionalizado pela Secretaria
no Ensino Fundamental. Essa estratégia de Educação Básica (SEB) em parceria com as
promove a ampliação de tempos, espaços, Secretarias Estaduais e Municipais que visa
oportunidades educativas, e o compartilha­ fomentar, por meio de sensibilização,
mento da tarefa de educar entre os incentivo e apoio, projetos ou ações de
profissionais da Educação e de outras áreas: articulação de políticas sociais e
as famílias e os diferentes atores sociais, sob implementação de ações socioeducativas,
a coordenação da escola e dos professores. oferecidas gratuitamente às crianças,
As atividades desenvolvidas nas adolescentes e jovens.
unidades escolares estão organizadas em Portanto, a implementação do
macrocampos que são: Programa Mais Educação, em Alagoas, se
constitui como a primeira iniciativa em direção
· acompanhamento Pedagógico; à implantação do formato de escola de tempo
·educação Ambiental e Desenvolvimento integral no Estado, funcionando como projeto
Sustentável; piloto.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 61


Compromissos da Educação
Básica e Organização
do Conhecimento Escolar

Capítulo 4
CIÊNCIAS DA NATUREZA

O Referencial Curricular da Educação Básica da rede


estadual de ensino de Alagoas está ancorado numa concepção de
currículo vivo, contextualizado, que considera a escola como
instituição que deve promover a todos que compõem o processo de
ensino e aprendizagem, aprendizagens significativas,
possibilitando o desenvolvimento das capacidades cognitivas,
psicomotoras, psicossociais e socioafetivas de todos os envolvidos
no processo de ensino e aprendizagem. Para que ela, a escola,
possibilite esse desenvolvimento, faz­se necessário ter clareza de
que o seu fazer deve responder às seguintes perguntas: o quê
ensinar? para quem ensinar? quando ensinar? como ensinar e
avaliar? É nessa perspectiva que, neste capítulo, serão explicitados:
os propósitos da Educação Básica; a forma de organização do
conhecimento escolar adotada; uma discussão sobre a construção
de competências e habilidades como base teórica que ancora toda
prática pedagógica a ser desenvolvida, bem como as competências
e habilidades organizadas por área do conhecimento.

34
4.1 Propósitos da Educação Básica

O que aqui se apresenta são compromissos necessários


para favorecer a ampliação progressiva de experiências de
aprendizagem, competências, habilidades e demais saberes que
são direitos dos estudantes na escola:
­ oferecer progressivamente aos estudantes um conjunto de
conhecimentos, saberes e práticas relevantes, definido a partir de
diferentes ciências e outros campos da cultura, assim como
promover a compreensão do caráter histórico, público, coletivo e
mutante desses tipos de conhecimento.
­ consolidar contextos institucionais apoiados nos valores de
liberdade, diversidade, igualdade, verdade, justiça, solidariedade e
paz, e promover a reflexão do sentido desses valores em contextos
particulares.
­ contribuir para que os estudantes desenvolvam o sentido de
pertencimento social e cívico­político.
­ favorecer o desenvolvimento de atitudes propícias de cuidado
consigo mesmo e com os outros, a partir do conhecimento de
práticas construtivas e de zelo com a saúde.

34
A formulação destes propósitos teve como referência os seguintes documentos: Parâmetros Curriculares Nacionais (MEC, 1997), Diseño Curricular para laEscuela Primária
de laCiudad de Buenos Aires (2004) e Caderno de Orientações Para o Ensino de Língua Portuguesa e Matemática no Ciclo Inicial (Secretaria Estadual do Acre e Secretaria
Municipal de Rio Branco, 2008).

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 65


CIÊNCIAS DA NATUREZA

­criar oportunidades para que os estudantes ­promover o respeito e a valorização das


conheçam e valorizem o patrimônio natural e atividades escolares e a prática de hábitos de
cultural da cidade e do país, tomando­os estudo e trabalho, criando condições para que
como temas de estudo em diferentes os estudantes façam escolhas em relação às
componentes curriculares e incluindo nas formas de trabalho, administração do tempo,
propostas didáticas o acesso ao patrimônio atividades a serem desenvolvidas e áreas de
a r t í s t i c o , a rq u i t e t ô n i c o , re c re at i v o , conhecimento a aprofundar.
informativo e de serviços da cidade/região. ­planejar instâncias que permitam aos
­desenvolver propostas que, partindo do estudantes avaliar suas próprias tarefas e dos
re c o n h e c i m e n t o d a s s i t u a ç õ e s d e demais colegas, bem como o percurso
desigualdade no acesso aos bens materiais e pessoal de aprendizagem, dispondo de
simbólicos, assegurem aprendizagens informações sobre o ponto em que se
fundamentais e enriqueçam a perspectiva encontram em relação às expectativas de
universal da cultura a que todos os estudantes alcance, para poderem analisar seus avanços
t ê m d i re i t o , s e m d e s q u a l i f i c a r o u e suas dificuldades.
desconsiderar suas referências pessoais, ­preservar, ao longo da escolaridade, a
familiares e culturais. continuidade da experiência escolar dos
­garantir o direito de expressão do estudantes, identificando prioridades e
pensamento e das ideias dos estudantes, estabelecendo critérios para a inclusão de
mesmo que divergentes das posições do diferentes projetos que enriqueçam o trabalho
professor e dos colegas, e o exercício de pedagógico.
discutir diferentes pontos de vista; acolher e ­equilibrar as propostas de trabalho individual
considerar as opiniões dos outros, defender e grupal, enfatizando, em todos os casos, a
e fundamentar as próprias opiniões e necessidade e importância de compromisso
modificá­las quando for o caso. com a própria aprendizagem e com a
­fazer de cada sala de aula um ambiente de cooperação entre os pares.
trabalho colaborativo, para que os estudantes ­garantir a participação dos estudantes no
possam enfrentar os desafios colocados, planejamento, realização e avaliação de
sabendo que o erro faz parte do processo de projetos a curto, médio e longo prazo.
aprendizagem e que contam com apoio para ­constituir normas adequadas para a
darem o melhor de si. convivência, o trabalho escolar, o cuidado
­ensinar progressivamente os estudantes com os materiais, equipamentos e espaços
como devem proceder para estudar os textos comuns, zelando para que essas normas
escritos (sublinhar o que é relevante, anotar, sejam efetivamente cumpridas, com a ajuda
comentar na margem, interrogar o texto e nele que se fizer necessária.
encontrar as respostas que precisam ­criar instâncias apropriadas, quando
comparar dados de fontes diferentes, fazer necessário, para o debate de insatisfações,
esquema, mapa conceitual, paráfrase, reivindicações e divergências, utilizando a
fichamento, resumo) e ajudá­los a se discussão fraterna – e dispositivos
c o m p ro m e t e re m c o m s u a p ró p r i a deliberativos, se for o caso – como forma de
aprendizagem, confiarem em seus recursos encontrar respostas para situações de
pessoais e em suas possibilidades e conflito, tendo em conta diferentes
desenvolverem uma adequada postura de alternativas e as respectivas consequências.
estudante. ­contribuir para que os estudantes

66 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

assumam responsabilidades e participem das máxima coincidência possível entre os


decisões coletivas, aceitando os riscos e objetivos de ensino destas práticas na escola
aprendendo a partir dos erros cometidos. e os seus objetivos sociais, ou seja, utilizando
­planejar propostas específicas, relacionadas todo o conhecimento pedagógico para não
aos temas em estudo, e aproveitar situações 'escolarizá­las'.
cotidianas e aconteci­mentos ocasionais ­criar oportunidades para que os estudantes
oportunos, para ajudar os estudantes a conheçam e usem tecnologias de informação
compreenderem as implicações de diferentes e comunicação e que desfrutem de todos os
posições éticas e morais. meios de acesso ao conhecimento e bens
­organizar os tempos e espaços de trabalho culturais disponíveis, como bibliotecas,
que favoreçam o melhor desenvolvimento museus, centros de cultura e lazer, videotecas
possível das propostas. etc.
­promover situações que incentivem a ­assegurar que os estudantes possam exercer
participação dos estudantes em atividades os seus direitos de leitores, escritores e
comunitárias e que lhes permitam estudantes das diferentes áreas do
compreender as problemáticas que afetam os conhecimento. Ou seja, como leitores
diferentes grupos de pessoas, comprome­ podem fazer antecipações quando leem,
tendo­os com propostas que extrapolem os formular interpretações próprias e verificar
limites da sala de aula e 'ganhem a rua': sua validade, perguntar o que não sabem,
campanhas na comunidade, correspondência questionar as intenções do autor, emitir
com os meios de comunicação emitindo opinião sobre o assunto lido, criticar as
opinião sobre problemas que lhes preocupam, mensagens de que é destinatário direto ou
intercâmbio com outras instituições etc. indireto. Como escritores, devem produzir
­criar contextos – projetos, atividades de textos que façam sentido, em situações de
comunicação real, situações de publicação comunicação real, com tempo suficiente para
dos escritos – que evidenciem as produções escrever e revisar conforme a necessidade,
dos estudantes e justifiquem a necessidade da podendo solicitar ajuda quando preciso e
escrita correta e da adequada apresentação elegendo leitores para analisar a qualidade
final dos textos. dos próprios textos. Como estudantes das
­elaborar e desenvolver um amplo programa diferentes áreas do conhecimento, podem
de leitura na escola, articulando todas as expressar suas hipóteses e seus saberes sobre
propostas em andamento e outras qualquer assunto, recebendo ajuda para
consideradas necessárias, ações que fazê­lo e para avançar em seu processo de
envolvam intercâmbio com os familiares e uso compreensão.
dos recursos disponíveis na comunidade, de ­priorizar metodologias pautadas no trabalho
modo a constituir uma ampla rede de leitores com hipóteses, conjecturas ou suposições
que se estenda para além do espaço escolar. que os estudantes possam testar, validar ou
­garantir o acesso permanente dos refutar, experimentando diferentes formas de
estudantes a textos de diferentes gêneros e a pensar, aprender e se expressar.
diferentes portadores, situações de leitura e ­considerar os indicadores das provas
escrita e propósitos sociais que caracterizam externas como uma demanda contextual
essas práticas. necessária, a serem tomados como referência
­preservar o sentido que têm as práticas de na organização do trabalho pedagógico, mas
leitura e escrita fora da escola, buscando a n ã o c o m o ' a ' r a z ã o d a

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 67


CIÊNCIAS DA NATUREZA

educação escolar, porque a função social da também orientar as propostas pelos


escola não pode, em hipótese alguma, se chamados “pilares da educação para o século
confundir com a tarefa exclusiva de preparar XXI”, apontados por Delors (1998): Aprender a
os estudantes para desempenharem se bem conhecer, aprender a fazer, aprender a
nas provas externas. conviver e aprender a ser.
Isso significa que, antes de se
4.2 Organização do Conhecimento aprimorarem em algo específico que tenham o
Escolar35 prazer de desempenhar ao longo de sua vida,
os estudantes precisam aprender a conhecer,
A Lei de Diretrizes e Bases da a adquirir uma compreensão do mundo que os
Educação Nacional – LDB (9394/96), Art. 35, rodeiam, a aprender, descobrir, construir e
estabelece como finalidades para a etapa final reconstruir conhecimentos. Significa
da Educação Básica “o aprimoramento do aprender a fazer, colocar em prática e
educando como ser humano, sua formação transformar os seus conhecimentos, ousar,
ética, desenvolvimento de sua autonomia desenvolver capacidades de comunicação,
intelectual e de seu pensamento crítico, sua trabalho em equipe e autoavaliação. Significa
preparação para o mundo do trabalho e o também aprender a conviver, ser capaz de
desenvolvimento de competências para resolver conflitos adequadamente, respeitar
continuar seu aprendizado”. E os Parâmetros os outros considerando suas diferentes
Curriculares Nacionais (1997) indicam os tipos características, opiniões, crenças, escolhas. E
de capacidades que – por serem direitos de também aprender a ser: sensível ético,
crianças, adolescentes e jovens estético, criativo, autônomo, capaz de
desenvolverem na escola – precisam orientar discernimento, pessoalmente responsável e
o currículo como um todo: são capacidades ator do próprio destino.
cognitivas, afetivas, físicas, éticas, estéticas, As nossas instituições educacionais,
de relacionamento pessoal e de inserção segundo Zabala (1998), representam lugares
social. Para Coll (1996), citado por Zabala privilegiados para os estudantes
(1998), a organização da prática pedagógica desenvolverem inúmeras experiências,
nessa perspectiva implica não atomizar relações e vínculos com os colegas,
excessivamente o que se encontra construindo novos modos de agir, pensar e de
naturalmente interrelacionado; implica a se posicionar diante dos outros. Cabe a elas,
indissociabilidade, no desenvolvimento portanto, garantir essas conquistas para
pessoal, das relações que se estabelecem todos.
com os outros e com a realidade social .
36 Dentre as diferentes formas de
Cabe à escola contribuir amplamente organização do o conhecimento, Zabala
nesse sentido, favorecendo uma formação (1998) apresenta três: multidisciplinar,
integral dos nossos estudantes. Para tanto, interdisciplinar e transdisciplinar37.
conforme indicam os Parâmetros Curriculares ·A organização multidisciplinar
Nacionais do Ensino Médio (PCNEM, 2000), representa a organização dos conhecimentos
isso significa privilegiar três dimensões no por matérias independentes umas das outras,
currículo: a vida em sociedade, a atividade sem aparecer explicitamente, as interrelações
produtiva e a experiência subjetiva. Significa que podem existir entre elas, portanto é

35
Texto produzido pelo Prof. Ilson Barbosa Leão Júnior – licenciado em Física, mestrando em Ensino de Ciências da Natureza e técnico pedagógico da GEORC.
36
Moura & Silva, In Fiep Bulletin ­ The Interdisciplinary and Regular physical and Recreational Activities Minimization in School Failure.
37
Moura & Silva, In Bulletin ­ The Interdisciplinary and Regular physical and Recreational Activities Minimization in School Failure.

68 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

somativa. 4. Área de Ciências Humanas –


· A interdisciplinar representa a interrelação constituída pelas componentes curriculares
entre duas ou mais disciplinas, cujos objetos de História, Geografia, Sociologia e Filosofia;
do conhecimento convergem, e podem ir 5. Área de Ensino Religioso –
desde a simples comunicação de ideias até a constituída pela componente curricular de
integração recíproca dos conceitos Ensino Religioso.
fundamentais das disciplinas envolvidas. O conhecimento organizado por área
· A organização transdisciplinar representa o não desconsidera a importância das
grau máximo de relações entre as disciplinas: disciplinas, ou seja, dos diferentes
pressupõe uma integração global dentro de componentes curriculares, muito pelo
um sistema mais totalizador, o que favorece contrário: estes, na verdade, precisam ser
maior unidade na abordagem metodológica e devidamente planejados como tal, tendo em
na compreensão da realidade. conta suas especificidades, pois são o ponto
A perspectiva considerada mais de partida das abordagens inter e
pertinente, portanto, é de organização transdisciplinares.
curricular inter e transdisciplinar do
conhecimento, para que os conteúdos 4.3 A Construção de Competências e
escolares sejam trabalhados de forma Habilidades
38

contextualizada e significativa, com vistas ao


desenvolvimento de todas as capacidades
A tendência predominante nos
dos estudantes, o que requer trabalho coletivo
referenciais, parâmetros ou propostas
e cooperativo dos professores.
curriculares elaboradas nos últimos anos, não
A organização do Referencial
só no Brasil, têm como pressuposto o
Curricular da Educação Básica da Rede
desenvolvimento das diferentes capacidades
Estadual de Ensino de Alagoas está alicerçada
humanas – também chamadas de
na Lei de Diretrizes e Bases da Educação
competências – e das possibilidades de
Nacional – LDB 9394/96 e nas diretrizes
utilização efetiva do conhecimento em
Curriculares Nacionais Gerais ­ DCNG, que
procedimentos ou habilidades. Por essa
estabelecem a organização da base nacional
razão, são conteúdos escolares privilegiados
comum aos currículos e asseguram a parte
hoje os procedimentos/habilidades, porque
diversificada, incentivando abordagens inter
evidenciam o nível de construção conceitual
e transdisciplinares por áreas do conheci­
que os estudantes conquistaram – são uma
mento. É esta a organização proposta:
espécie de “conhecimento em atos” – e
1. Área de Linguagens – constituída
porque estão a serviço do desenvolvimento
pelas componentes curriculares de Língua
dos diferentes tipos de capacidades
Portuguesa, Inglês, Artes, Educação Física e
humanas: cognitivas, afetivas, físicas, éticas,
Língua Estrangeira Moderna;
estéticas, de relacionamento pessoal e de
2. Área de Matemática – constituída
inserção social.
pela componente curricular de Matemática;
Essa tendência foi afirmada em nosso
3. Área de Ciências da Natureza –
país com a publicação dos Parâmetros
constituída pelas componentes curriculares
Curriculares Nacionais do Primeiro e Segundo
de Biologia, Física e Química;

38
Texto produzido pela Profa. Dra. Rosaura Soligo ­ Instituto Abaporu de Educação e Cultura.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 69


CIÊNCIAS DA NATUREZA

Ciclo do Ensino Fundamental em 1997, o mente “ensinável” e se evidencia em vários


primeiro a ser distribuído nacionalmente pelo procedimentos/habilidades “menores”,
Ministério da Educação. Posteriormente, os específicos e possíveis de ensinar – por isso,
d e m a i s Pa r â m e t ro s e R e f e re n c i a i s são considerados conteúdos escolares, isto é,
Curriculares que se seguiram, bem como as objetos de ensino na escola.
diretrizes nacionais e matrizes dos descritores E n t re t a n t o , n o s d o c u m e n t o s
das provas de desempenho escolar, publicados de 1997 até o momento, nem
consolidaram essa priorização, que até hoje sempre se faz diferenciação entre
se mantém, do “conhecimento em atos”, capacidades/competências e procedimen­
embora a terminologia para nomeá­los tos/habilidades, optando­se, por vezes, pela
apresente diferenças nesses documentos. terminologia “expectativas de aprendizagem”
Assim, deixou de fazer sentido a concepção de ou “direitos de aprendizagem” – como ocorre
currículo como lista de conceitos e fatos a nos documentos mais recentes do Ministério
serem ensinados, como se isso bastasse para da Educação – para nomear esses saberes
a conquista de todos os tipos de saberes que necessários a todos os estudantes. Embora
os estudantes precisam adquirir na escola. nomeados de modo distinto, os tipos de
De modo geral, é possível afirmar que saberes a serem garantidos no currículo
capacidade/competência e procedi­ escolar são semelhantes.
mento/habilidade são da mesma natureza, O esquema a seguir é uma tentativa
porém com uma diferença: o nível de de evidenciar essas equivalências naquilo que
amplitude/especificidade. Uma capacida­ é possível em um quadro assim:
de/competência é ampla, não necessaria­

Tendência afirmada a partir da década de 90 com a publicação dos os PCNs

OBJETIVOS   CONTEÚDOS
(diferentes capacidades) (de diferentes tipos)
 
 FATOS, DADOS,
INFORMAÇÕES
SIMPLES
 CONCEITOS,
SABERES MAIS ESPECÍFICOS
SABERES MAIS AMPLOS

PRINCÍPIOS
TEÓRICOS,
CAPACIDADES 
TEORIAS
   ATITUDES,
NORMAS DE 
CONDUTA,
VALORES
 PROCEDIMENTO
S, HABILIDADES,
TÉCNICAS

 
COMPETÊNCIAS   HABILIDADES
EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
DIREITOS DE APRENDIZAGEM

70 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

Se consideradas as publicações competências e habilidades, que são os


curriculares mais recentes no país, será conhecimentos explicitados em atos. Neste
possível ver que às vezes as capacidades documento, as atitudes dizem respeito a cada
amplas – ou competências – são tomadas componente curricular específico e às áreas, e
como objetivos e as capacidades específicas estão indicadas acima/antes de tudo o mais
– ou procedimentos/habilidades – são porque a perspectiva é que o trabalho
tomadas como conteúdos; e às vezes não. pedagógico se oriente no sentido de ensiná­
Entretanto, a nomenclatura não é exatamente las ou favorecê­las e, também por essa razão,
o mais importante, mas sim a definição justa muitas vezes elas se repetem em vários anos
dos saberes cuja aprendizagem é direito dos de escolaridade.
estudantes. Horizontalmente a relação entre os
No Referencial Curricular da elementos dos quadros curriculares sugere
Educação Básica da Rede Estadual de Ensino que os tópicos apresentados na última coluna
de Alagoas, a opção foi por uma organização são condição para a aprendizagem do que
das informações curriculares como indicam está nas colunas anteriores. Isso, no caso da
os quadros a seguir e as devidas explicações área, pressupõe ensinar as habilidades para
posteriormente. que os estudantes desenvolvam as
competências indicadas como fundamentais
a cada ano. No caso do componente
curricular, pressupõe ensinar conteúdos
conceituais que permitem ampliar cada vez
mais as possibilidades dos estudantes de
aprender as habilidades – também elas
ensinadas – para que possam
p ro g re s s i v a m e n t e d e s e n v o l v e r a s
competências previstas no ano. Nessa lógica
de apresentação dos saberes que são objetos
de ensino e aprendizagem, os eixos são os
organizadores do componente curricular e,
Com esta forma de organização das portanto, não interferem na relação entre
informações, tanto nos quadros dos competências, habilidades e conteúdos
componentes curriculares como das áreas, o conceituais.
que se pretende afirmar com a disposição das No caso do documento de Educação
linhas é que todos os tipos de saberes Infantil, o quadro curricular não apresenta
trabalhados na escola são direitos de uma coluna específica destinada aos
aprendizagem dos estudantes. Esses saberes conteúdos conceituais, pois não se
foram agrupados em atitudes, competências, considerou pertinente incluí­los em separado
habilidades e conteúdos conceituais, sendo nesse segmento da escolaridade, quando as
que os conteúdos conceituais estão sempre a crianças ainda são bem pequenas.
serviço do desenvolvimento de atitudes,

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 71


CIÊNCIAS DA NATUREZA

Assim, temos que: específicas.


•direitos de aprendizagem são todos •conteúdos conceituais são os
os saberes, de diferentes tipos, a serem conceitos e fatos a serem ensinados para
garantidos aos estudantes (e que, no caso favorecer o desenvolvimento das habilidades
deste Referencial, reúne tudo o que se segue). e competências previstas a cada ano de
•atitudes são tendências ou escolaridade.
predisposições para atuar de certo modo, de •eixos são organizadores gerais do
acordo com determinados valores. componente curricular.
•competências são capacidades Em todos os quadros curriculares
amplas. esses elementos estão assim distribuídos e
•habilidades são capacidades relacionados:

DIREITOS DE APRENDIZAGEM
São todos os saberes, de diferentes tipos, a serem garantidos aos estudantes.
ATITUDES
São tendências ou predisposições para atuar de certo modo, de acordo com determinados
valores, apresentadas por componente e por área, pois são aquelas favorecidas pelo trabalho
pedagógico no componente e da área.
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEITUAIS
São capacidades amplas São organizadores São capacidades
relacionadas ao gerais do específicas que São os conceitos e
componente curricular componente contribuem para o fatos a serem
e à área. curricular que desenvolvimento das ensinados para
dizem respeito à competências. favorecer o
sua natureza. desenvolvimento das
habilidades e
competências previstas
a cada ano de
escolaridade.

A perspectiva é que estes quadros – e subsídio, e como parte de um Referencial,


o Referencial como um todo – se constituam evidentemente estas propostas não são
em um subsídio importante no segundo nível prescrições rígidas, mas, ao contrário,
de concretização curricular (tal como contribuições cuidadosamente elaboradas
abordado anteriormente, na explicitação do com o propósito de garantir o direito de
papel da escola hoje), de modo a contribuir aprendizagem de todos os estudantes.
para a concretização dos dois níveis principais No próximo tópico estão tratadas as
do currículo, que são os que acontecem na áreas curriculares, cada qual com um texto de
escola: o plano de ensino e o trabalho diário do caracterização e as respectivas competências
professor com os estudantes. Na qualidade se e habilidades.

72 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

4.4. Área de Ciências da Natureza ele não tinha razão. É bem característico das
ciências o debate racional de ideias.
Fundamentos Histórico­Filosóficos Demócrito foi o primeiro a propor que a
da Área de Ciências da Natureza matéria era composta por átomos, partículas
As Ciências da Natureza são indivisíveis que formavam tudo o que existia.
frequentemente definidas como o conjunto de Uma das preocupações de Platão
conhecimentos teóricos sobre os fenômenos (428­348 a.C.) foi diferenciar a verdadeira
naturais baseados em metodologia científica ciência e os conhecimentos científicos de
e fundamentação experimental. É difícil meras opiniões ou crenças. Dentre os
determinar uma data de surgimento destas problemas que atormentaram os filósofos
Ciências, pois os seres humanos vêm gregos em geral, e Platão em particular, estão
acumulando conhecimentos e técnicas desde os fluxos da natureza, que sofrem mudanças
que surgiram na Terra. Costuma­se atribuir constantes: as estações do ano se sucedem,
sua fase inicial aos pensadores que viveram na as sementes transformam­se em árvores, os
Grécia por volta do século V a.C. pois ali surgiu planetas e estrelas percorrem o céu noturno.
uma mentalidade crítica, de anseio pelo Aristóteles representou um avanço
conhecimento racional e lógico dos importante para a História das Ciências. Além
fenômenos da natureza (ROSA, 2012). de ter fundado várias disciplinas científicas
Referindo­se ao surgimento das (como a taxionomia biológica, a cosmologia, a
coisas, Tales de Mileto (VI a. C.) observando e meteorologia, a dinâmica e a hidrostática),
refletindo sobre a importância da água para os através da observação sistemática da
seres vivos e a existência de grandes natureza deu um passo a mais na direção da
quantidades deste líquido, cuja presença Ciência tal como hoje é conhecida (AIRES,
determinava a vida ou a morte, dizia que o 2013).
princípio de todas as coisas era algo que podia A Idade Média no Ocidente foi
ser diretamente observado na natureza: a marcada pelo domínio da religião cristã e o
água. Apesar de sua afirmação não ser conhecimento a respeito da natureza passou a
totalmente embasada em observações ser alinhado pelas sagradas escrituras. As
sistemáticas, estudos e análises racionais teorias dos antigos filósofos gregos deixaram
com métodos adequados de prova, que são de suscitar tanto interesse. A sabedoria
características fundamentais das ciências da encontrava­se fundamentalmente na Bíblia,
natureza, parece ter sido este o primeiro passo pois esta era a palavra divina e Deus era o
em direção ao desenvolvimento científico e criador de todas as coisas (AIRES, 2013).
um grande passo na busca de explicações das Discordar de algumas ideias estabelecidas
coisas do mundo que não envolvessem podia ser caso para severas punições. A
apenas mitos e religiões (PARANÁ, 2008). Idade Média trouxe também o
Tales, juntamente com outros filósofos desenvolvimento da Alquimia, precursora da
designados pré­socráticos, como Química e a criação das primeiras
Anaximandro, Heráclito, Demócrito e outros Universidades.
são chamados de pensadores originários Durante muitos anos as pesquisas
porque pensavam e refletiam sobre a origem científicas foram realizadas por um número
de todas as coisas (CARVALHO et al, 2006). muito restrito de pessoas, pois para fazê­las
Consta que Tales desafiava aqueles que havia necessidade de uma boa formação, o
discordavam de suas ideias a demonstrar que que era raro na época, além de muito tempo e

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 73


CIÊNCIAS DA NATUREZA

de recursos financeiros, o que era ainda mais moderna foi iniciado com os estudos
raro. Em geral apenas pessoas de muitas desenvolvidos pelos alquimistas na idade
posses podiam se dar ao “luxo” de pesquisar. média e mais recentemente por Lavoisier
Atualmente as pesquisas científicas se (século XVIII) com a realização de estudos
desenvolvem em grandes centros e são aprofundados sobre combustão e pelas
geralmente financiadas pelos poderes grandes contribuições para o
públicos e instituições privadas, muitas vezes, desenvolvimento dos conhecimentos da
como resultado de parcerias entre países. Química e organização da linguagem
Na História das Ciências as ideias e simbólica desta Ciência. Com a descoberta
teorias se sucederam especialmente a partir das partículas subatômicas no final do século
do século XVI, quando começa a surgir a XIX, a maior compreensão dos fenômenos
Ciência Moderna, cujo início é marcado pelos químicos permitiu um avanço na
trabalhos de Copérnico, Kepler e Galileu na transformação e síntese de novas substâncias
Astronomia, os quais, de posse de dados mais e materiais que teve o seu esplendor no século
precisos obtidos pelo aperfeiçoamento dos XX. Os seres humanos passaram a dispor de
métodos e instrumentos, reinterpretaram as uma gama de novos materiais que os
observações celestes e propuseram o modelo permitiram darem saltos mais altos, inclusive
heliocêntrico, que deslocou definitivamente a para fora do planeta Terra. As pessoas usam
Terra do centro do Universo. diariamente materiais como plásticos, fios
Dentre os grandes nomes que sintéticos, resinas para fabricar produtos. Os
impulsionaram as Ciências está o de Isaac conhecimentos tecnológicos permitiram a
Newton (século XVII) que formulou a Mecânica fabricação de fertilizantes, medicamentos,
apoiada em um modelo matemático rigoroso, aditivos alimentares e inúmeros outros
que foi preponderante durante muitos anos. produtos que mudaram a forma de viver das
Os conhecimentos da Termodinâmica foram pessoas, alterando os padrões de consumo e,
fundamentais para a primeira revolução muitas vezes, afetando o meio ambiente.
industrial (século XVIII) com a sistematização Lyell (século XIX) contribuiu de forma
da operação de máquinas térmicas. O significativa para o desenvolvimento da
desenvolvimento do Eletromagnetismo e as Biologia com a teorização acerca da crosta
equações de Maxwell são de suma terrestre, entendida como camadas
importância para a segunda revolução geológicas de diferentes idades, colaborando
industrial durante os séculos XVIII e XIX, que para a concepção de que os ambientes da
provocou a disseminação da iluminação e dos Terra se formaram por uma evolução contínua
motores elétricos. A Física moderna, com a em longos períodos de tempo. Charles Darwin
grande contribuição de Planck e seus estudos elaborou uma teoria da evolução que
da radiação do corpo negro provocaram o possibilitou uma interpretação geral para o
surgimento da Mecânica Quântica, e fenômeno da diversidade da vida, fundada
posteriormente Einstein realizou estudos nos conceitos de adaptação e seleção
sobre efeitos fotoelétricos, além de propor a natural. Sua teoria levava em consideração
teoria da Relatividade (século XX), que conhecimentos de Geologia, Botânica,
constituíram a base da terceira revolução Zoologia, Paleontologia e Embriologia. Ainda
industrial, com a microeletrônica, a robótica e no século XIX, Pasteur faz avançar o
os computadores (BRASIL, 1998). conhecimento sobre a reprodução de micro­
O desenvolvimento da Química organismos ao desenvolver novas técnicas de

74 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

conservação de bebidas fermentadas. No de compreender as coisas partindo do macro,


século XX, com os estudos sobre o até chegar ao micro, a fim de ter uma visão
desenvolvimento da Genética e da Biologia mais profunda do todo. Com o passar do
Molecular, surge a engenharia genética e suas tempo, o avanço dos estudos e o aumento na
aplicações diretas na agricultura, pecuária, quantidade de informações fez surgir os
bem como em pesquisas relacionadas ao cientistas especialistas. Assim, partindo do
desenvolvimento de tecnologia que garantem século XV, quando somente existia a Ciência,
melhor qualidade e expectativa de vida (Brasil, se chegou às diversas especializações
1998). existentes atualmente. Essa fragmentação é
A evolução das teorias e explicações sentida nas escolas, pois resultou no ensino
dos fenômenos naturais é notada em disciplinar. As disciplinas surgiram da
diferentes campos das Ciências. Verificou­se possibilidade de se organizar o conhecimento
que elétrons, por exemplo, consagrados como com linguagens, metodologias e teorias
partículas, comportam­se como ondas ao próprias. Articular todas estas disciplinas
atravessar um cristal, assim como a luz, para a interpretação de fenômenos naturais é
reconhecida como onda, pode se comportar fundamental para a educação científica.
como partícula. O desenvolvimento da Física (Morin, 2002).
Quântica mostrou uma realidade que As Ciências Naturais, em seu
demanda outras representações revelando conjunto, incluindo inúmeros ramos da
regularidades das propriedades dos materiais Astronomia, da Biologia, da Física, da Química
e contribuindo para desvendar a estrutura e das Geociências, estudam diferentes
microscópica da matéria e da vida (Brasil, conjuntos de fenômenos naturais e geram
1998). Foram muitos os avanços na área representações do mundo ao buscar
científica. Apesar de tantas descobertas e compreensão sobre as grandes questões do
explicações, temas como a origem da vida e do Universo. Ao descobrir e explicar os
Universo ainda são bastante debatidos e fenômenos, organizam­se e sintetizam­se
várias questões científicas continuam conhecimentos em teorias continuamente
abertas, demonstrando a construção das debatidas, modificadas e validadas pelas
Ciências como processo dinâmico. comunidades científicas. A evolução do
As Ciências Naturais objetivam o desenvolvimento científico mostra a relação
estudo da natureza em seus aspectos mais cada vez mais forte entre Ciência, Tecnologia,
gerais e fundamentais, ou seja, o universo S o c i e d a d e e A m b i e n t e . O g ra n d e
como um todo, com suas regras ou leis que desenvolvimento de conhecimentos teóricos
regem todos os acontecimentos físicos, e aplicados vem provocando otimismo e
químicos e biológicos. Os diferentes ramos da confiança em relação a esses fazeres e
ciência foram durante muitos anos estudados saberes humanos, que são significativos, mas
de forma única e sem fragmentação. que devem ser tratados com cuidado e
Descartes propôs no seu livro “Discurso do controlados pela sociedade.
Método” que para se resolver uma questão Fundamentos Teórico­Metodoló­
complexa deve­se decompô­la em partes gicos da Área
menores a fim de simplificá­la. A união da O Ensino de Ciências ganhou
resolução das partes daria a resolução do importância nos últimos anos na medida em
todo. Assim, os fundamentos científicos que a Ciência e a Tecnologia passaram a ser
foram desenvolvidos tendo como base a ideia consideradas essenciais para o

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 75


CIÊNCIAS DA NATUREZA

desenvolvimento socioeconômico mundial. evolução deste ensino nestas três décadas


Essa importância impôs às instituições de destacando inúmeros aspectos. Nos anos 50,
ensino um novo posicionamento de vivência e após a segunda guerra mundial, foi
convivência com os conhecimentos a fim de influenciado pela industrialização e pela
permitir às pessoas acompanharem estes corrida espacial, apoiado na necessidade de
processos. A tecnologia, por meio de formar cientistas e uma elite bem preparada.
invenções marcantes como a do relógio, Na década de 60, a chamada Guerra Fria
imprensa, máquinas a vapor, aparelhos atinge seu ápice e no Brasil surgem os projetos
elétricos, telefone, internet, aviões e tantas curriculares influenciados por outros países
outras, modificou profundamente a maneira (principalmente os Estados Unidos) – e a
de ser, agir e viver dos seres humanos. A aplicação do método científico, assim como a
educação científica é fundamental para introdução de experimentos com o objetivo de
garantir uma formação crítica/reflexiva do preparar o estudante para ser cientista,
sujeito, permitindo o desenvolvimento de uma tomaram força. O objetivo era desenvolver o
visão ampla dos benefícios e riscos advindos espírito crítico e tornar capaz de tomar
destas mudanças. decisões através da análise de informações e
O Ensino de Ciências atravessa uma dados. Com a LDB nº 4024 de 1961, a carga
série de modificações e ajustes. Em seu início horária das disciplinas científicas aumentou e
se valorizavam os aspectos lógicos da o surgimento dos Centros de Ciências
aprendizagem e a quantidade de conteúdos provocou o desenvolvimento de uma gama de
conceituais transmitidos aos estudantes. A materiais educativos, o que trouxe grandes
Ciência era tratada de forma neutra e toda contribuições para a modernização do
influência política e social era ensino.
desconsiderada. Com o passar dos anos, A reestruturação política do país e o
valorizou­se a participação do estudante no golpe militar provocaram novas mudanças no
processo de ensino e aprendizagem por meio sistema educacional brasileiro. A LDB nº
diversas atividades, com destaque para a 5692 de 1971 passou a valorizar a formação
realização de atividades experimentais. de mão de obra qualificada. O país precisava
S u rg i ra m a s p re o c u p a ç õ e s c o m o de pessoas preparadas para se desenvolver
desenvolvimento tecnológico e sua economicamente. O período de 1970 a 1980
repercussão social resultou num movimento trouxe um interesse maior pelas questões
pedagógico conhecido como “Ciência, ambientais, além de incentivar a discussão e
Tecnologia e Sociedade” (CTS) (HENN et al, as implicações sociais do desenvolvimento
2011). Essa tendência continua atual visto que científico. Foi dado maior foco na importância
leva em conta essa estreita relação que não dos valores e no reconhecimento da não
pode ser excluída de um ensino que visa neutralidade das ciências. Com o passar dos
formar cidadãos. tempos, os currículos ficaram
De acordo com Krasilchik, nas três sobrecarregados de disciplinas chamadas
últimas décadas do século XX, o ensino das instrumentais ou profissionalizantes
disciplinas científicas emerge como campo de prejudicando, assim, o tratamento adequado
conhecimento e passa a ser incentivado por das disciplinas científicas.
instituições acadêmicas e outros órgãos Já nos anos 80, a atenção passou a
(KRASILCHIK, 1987). ser dada ao processo de construção do
Essa autora fez um levantamento da conhecimento científico pelo estudante,

76 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

expressa em inúmeras pesquisas como o considerados como prontos, verdadeiros e


modelo de aprendizagem por mudanças acabados. Além disso, esses conhecimentos
conceituais, núcleo de diferentes correntes são adaptados através do que se chama
construtivistas (BRASIL, 2002). As ideias de “transposição didática” e transformados em
interdisciplinaridade foram propostas visando conhecimentos escolares.
superar a fragmentação do conhecimento em Os conhecimentos científicos que
diversas áreas. Com o desenvolvimento de são tomados como conteúdos escolares
pesquisas na área do ensino de ciências, podem ser reconhecidos como aqueles
diversos educadores trouxeram novas ideias, produzidos pelos homens no processo
com predominância das contribuições de histórico de produção de sua existência
Piaget que tem como princípio a construção material e imaterial, valorizados,
do conhecimento pelo sujeito e que selecionados e organizados a fim de que
pressupõe, do ponto de vista pedagógico, possam ser ensinados e aprendidos, por
instigá­lo a relacionar as suas próprias contribuírem para o desenvolvimento
concepções com os conceitos científicos. cognitivo do estudante, bem como para sua
Em 1996, uma nova Lei de Diretrizes e formação geral (BRASIL, 2013). As novas
Bases da Educação, nº 9.394/96, determinou Diretrizes Curriculares para o Ensino Básico
que a função da Educação Básica é a rejeitam o currículo enciclopédico, repleto de
aquisição e consolidação dos conhecimentos informações e de conhecimentos, formado
e a preparação para o trabalho e para a por disciplinas isoladas, com fronteiras
cidadania. Esse aprendizado inclui a demarcadas e preservadas, sem relações
formação ética, a autonomia intelectual e a entre si. A defesa é que se estabeleça um
compreensão dos fundamentos científico­ conjunto necessário de saberes integrados e
tecnológicos dos processos produtivos. significativos para o prosseguimento dos
Diversos documentos oficiais como as estudos, para o entendimento e ação crítica
Diretrizes Curriculares Nacionais, os acerca do mundo e para o mundo do trabalho.
Parâmetros Curriculares Nacionais e várias O desafio é ensinar o estudante “aprender a
orientações foram organizadas e divulgadas aprender”, isto é, a dominar procedimentos
pelo Ministério da Educação, além do básicos de investigação e de produção de
surgimento de vários instrumentos de conhecimentos científicos por meio da busca
avaliação do ensino. Estes documentos foram de informações em diversas fontes e
alicerçados nas pesquisas feitas em âmbito desenvolver a capacidade de pesquisar e de
nacional nas escolas, universidades, centros buscar e (re) construir conhecimentos.
de ciências etc e formam um significativo Dentre as recomendações para o
acervo de informações e conhecimentos ensino de Ciências trazidas nos documentos
sobre o que acontece na área do ensino das oficiais publicadas pelo Ministério da
várias disciplinas científicas (KRASILCHIK, Educação Brasileiro entre 1997 e 2002
2000). (Parâmetros Curriculares Nacionais e
Segundo Delizoicov (2007) é preciso Parâmetros Curriculares Nacionais +)
clareza para entender que os conhecimentos destacam­se a necessidade do tratamento
científicos são frutos de processos de interdisciplinar e contextualizado que possa
p rodução di n âm i cos q ue en v olv em responder às necessidades da vida
transformações na compreensão dos contemporânea e o desenvolvimento de
conceitos e teorias e que não podem ser conhecimentos mais amplos e abstratos, de

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 77


CIÊNCIAS DA NATUREZA

forma a levar os estudantes à aquisição de à área de Ciência da Natureza está agrupado


cultura geral e a uma visão global do mundo. em três grupos: investigação e compreensão
Os componentes da área de Ciências da científica e tecnológica (desenvolver a
Natureza devem interagir, buscando a capacidade de questionar processos naturais
explicação de fenômenos e problemas e tecnológicos, identificando regularidades,
complexos, naturais ou criados pelos seres apresentando interpretações e prevendo
humanos. A crescente valorização do evoluções; desenvolver o raciocínio e a
conhecimento e da capacidade de inovar capacidade de aprender); representação e
demanda cidadãos capazes de aprender comunicação (desenvolver a capacidade de
continuamente, para o que é essencial a uma comunicação); contextualização
formação geral e não apenas como um sociocultural e histórica (compreender e
treinamento específico. utilizar a ciência como elemento de
De acordo com as Diretrizes interpretação e intervenção, e a tecnologia
Curriculares Nacionais (BRASIL, 2013), a como conhecimento sistemático de sentido
interdisciplinaridade, importante para o prático). (BRASIL, 2002).
aprendizado científico, não elimina a As novas diretrizes para a Educação
indiscutível disciplinaridade do Básica brasileira indicam que a organização e
conhecimento. Além disso, o conhecimento gestão do currículo, as abordagens
científico disciplinar é parte tão essencial da disciplinar, pluridisciplinar, interdisciplinar e
cultura contemporânea que sua presença na transdisciplinar requerem atenção criteriosa,
Educação Básica é quase unanimidade. Os porque revelam a visão de mundo que orienta
Parâmetros Curriculares Nacionais (BRASIL, as práticas pedagógicas dos educadores e
2002) denominam “Área de Conhecimentos” organizam o trabalho do estudante. As
sinalizando que, em cada uma de suas abordagens dos conceitos devem estar
disciplinas, pretende­se promover um impregnadas de valores que buscam
conjunto de competências e habilidades que promover determinadas condutas, atitudes e
sirvam para a compreensão dos fenômenos e determinados interesses, como, por exemplo,
para o exercício de intervenções e opiniões a valorização e preservação da cidadania e do
sobre tema atuais e relevantes. Em muitos meio ambiente, os cuidados com a saúde, a
casos, distinguir as disciplinas de Ciências atenção à diversidade, a inserção no mundo
Naturais não é uma tarefa fácil, uma vez que do trabalho entre outros (BRASIL, 2013).
elas compartilham muitos campos Os componentes curriculares da área
interdisciplinares, principalmente quando se de Ciências da Natureza devem articular seus
estudam as interações dos componentes conteúdos por meio da abordagem de temas
físicos, químicos e biológicos com o ambiente. abrangentes e contemporâneos, que fazem
Elas têm em comum a investigação da parte da vida humana em escala global,
n a t u re z a e d o s d e s e n v o l v i m e n t o s regional e local, bem como na esfera
tecnológicos e compartilham linguagens para individual. Temas que envolvam questões da
a representação e sistematização do s o c i e d a d e b ra s i l e i ra c o m o , s a ú d e ,
conhecimento de fenômenos ou processos sexualidade e gênero, vida familiar e social (os
naturais e tecnológicos. direitos das crianças, adolescentes, idosos e
Nos Parâmetros Curriculares das pessoas com deficiência), preservação do
Nacionais para o Ensino de Ciências o meio ambiente, educação para o consumo,
desenvolvimento de competências atribuíveis educação fiscal e de trânsito, educação

78 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


CIÊNCIAS DA NATUREZA

alimentar e nutricional, trabalho, ciência e operações de manipulação, mas devem servir


tecnologia, diversidade étnica e cultural para provocar reflexões e análises. A
devem permear o desenvolvimento dos pesquisa, associada ao desenvolvimento de
conteúdos científicos, e sempre que possível, projetos contextualizados e interdisciplinares,
vir relacionados com conteúdos específicos articuladores de saberes é fundamental. As
ou em outros momentos adequados. A tecnologias da informação e comunicação
abordagem desses temas deverá contribuir modificaram ­ e continuam modificando ­ o
para evitar ou atenuar toda forma de comportamento das pessoas e essas
preconceito e discriminação. mudanças devem ser incorporadas e
A aproximação do currículo com a processadas pelo ensino de Ciências a fim de
vida cotidiana torna os conhecimentos preparar os estudantes para os contextos
abordados mais significativos para os sociais atuais.
estudantes e favorece sua participação ativa Os conhecimentos científicos e
trazendo para as salas de aula suas tecnológicos abordados devem se aproximar
habilidades e experiências de vida, o mais possível da cultura e produção
conhecimentos prévios e do senso comum. contemporânea, em estreita relação com
Evita­se, assim, a transmissão mecânica de outras áreas, considerando sua relevância
um conhecimento que termina por obscurecer social e sua produção histórica. O ensino de
o seu caráter provisório e que não leva ao Ciências deve se distinguir do ensino
envolvimento ativo do estudante no processo unicamente voltado para formação de
de aprendizagem (MOREIRA et al, 2007). Além supostos cientistas e ser direcionado para
disso, as práticas experimentais devem ser todos os estudantes, independentemente da
utilizadas, pois são bastante motivadoras, profissão que terão no futuro: uma formação
embora devam ser vistas não apenas como para todos e para a vida.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 79


CIÊNCIAS DA NATUREZA
80

4.4.1 Organização do Conhecimento Escolar da Área de Ciências da Natureza

ÁREA DE CI ÊNCIAS DA NATUREZA


DIREITOS DE APRENDIZAGEM
ATITUDES
◦ Exercício da cidadania com responsabilidade, considerando os conhecimentos da área de ciências da natureza e suas aplicações associados às
implicações de ordem econômica, social, ambiental, ao lado de argumentos científicos, visando à tomada de decisões acertadas a respeito de ações e
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

comportamentos individuais e coletivos.


◦ Percepção da interferência das ciências naturais e suas tecnologias no mundo natural e no cotidiano, com atenção e respeito à defesa do ambiente,
dos seres vivos, dos direitos humanos e da qualidade de vida.
◦ Disposição para o trabalho em grupo, para argumentação e debate de ideias, respeitando as diversas opiniões e buscando o cons enso.
◦ Interesse pela leitura, pela busca de informaç ões em diversas fontes e recursos tecnológicos visando à aquisição e construção de conhecimentos.
◦ Empenho em desenvolver o espírito crítico, reflexivo e investigativo, o gosto pelo conhecimento e pela pesquisa.
◦ Disposição para utilizar o pensamento lógico, a criatividade, a capacidade de análise crítica, selecionando procedimentos experimentais e verifica ndo
sua adequação para o enfretamento de desafios e situações problemas relacionadas aos conteúdos da área de ciências da natureza.

COMPETÊNCIAS HABILID ADES


◦ Compreender a cidadania como participação social e política, ad otando ◦ Reconhecer e avaliar o desenvolvimento científico e tecnológico
atitudes de solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças, respeitando o contemporâneo, seu papel na vida humana, sua presença no mundo
outro e exigindo para si o mesmo respeito, posiciona ndo-se de maneira crítica, cotidiano e seus impactos na vida social, considerando as implicações de
responsável e construtiva nas diferentes situações sociais, utilizando o diálogo caráter ético.
como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas. ◦ Compreender os fenômenos naturais, estabelecendo e
◦ Reconhecer as Ciências da Natureza e suas tecnologias como criações identificando suas correlações, regularidades e as transformações a eles
humanas, inseridas na História em diferentes épocas, percebe ndo o papel associadas.
desempenhado e a complexa relação entre ciência, tecn ologia, sociedade e ◦ Reconhecer, utilizar, interpretar e propor possíveis modelos
ambiente, percebendo os limites éticos e morais envolvidos no explicativos para fenômenos naturais e tecnológicos.
desenvolvimento científico e tecnológico. ◦ Compreender o conhecimento científico e o tecnológico como
◦ Compreender que os conhecimentos científicos são necessários para resultados de construções humanas, inseridos nos processos históricos e
compreensão da natureza e seus fenômenos através de ideias, explicações, socioeconômicos.
modelos e teorias. ◦ Reconhecer, articular, interpretar e utilizar adequadamente na
◦ Utilizar e articular as diferentes linguagens – científica, matemática e forma oral e escrita, símbolos, códigos, nomenclatura e representações tais
CIÊNCIAS DA NATUREZA

81
COMPETÊNCIAS HABILIDADES
gráfica – como meio para produzir, expressar e comunicar ideias, interpretar e como sentenças, equações, esquemas, diagramas, tabelas, gráficos e
usufruir das produções culturais, em contextos públicos e privados, atendendo representações geométricas, próprios da área de ciências da natureza.
a diferentes intenções e situações de comunicação. ◦ Analisar, interpretar e elaborar textos científicos que possibilitem
◦ Perceber-se integrante, dependente e agente transformador do as diversas formas de comunicações entre as diferentes áreas do
ambiente, reconhecendo seus elementos (vivos e não vivos) e as interações conhecimento.
entre eles, contribuindo ativamente para sua preservação. ◦ Utilizar diferentes fontes de informação e recursos tecnológicos
◦ Conhecer e cuidar do próprio corpo, valorizando e adotando hábitos para adquirir, ampliar e construir conhecimentos científicos.
saudáveis como um dos aspectos básicos da qualidade de vida e agindo com ◦ Realizar observações, registrar e analisar medidas e dados,
responsabilidade em relação à saúde individual e coletiva. interpretar resultados, propor hipóteses e exprimir conclusões e previsões
◦ Articular o conhecimento científico e o de outras áreas do através de argumentação, textos, relatórios, tabelas e gráficos, fazendo uso
conhecimento no enfrentamento de situações-problema utilizando-se do correto da linguagem científica.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


pensamento lógico, criatividade, capacidade de análise crítica e de seleção de ◦ Utilizar instrumentos de cálculo e medidas para representar e
procedimentos adequados a ações de investigação. estimar grandezas científicas utilizando escalas apropriadas.
◦ Articular, integrar e sistematizar fenômenos e teorias científicas
com as demais áreas de conhecimento humano.
◦ Entender que o desenvolvimento científico-tecnológico vem
afetando o meio ambiente e a vida das pessoas, trazendo à tona
importantes questões tais como consumo, poluição, desenvolvimento
sustentável etc.
◦ Identificar situações-problemas relativas à área de Ciências da
Natureza, selecionando e analisando informações relevantes a fim de criar
estratégias para possíveis soluções.
CIÊNCIAS DA NATUREZA
82

4.4.2 Os Componentes Curriculares da Área de Ciência da Natureza

4.4.2.1 Organização do Conhecimento Escolar de Ciência da Natureza - Ensino Fundamental

COMPONENTE CURRICULAR DE CIÊNCIAS DA NATUREZA – 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

DIREITOS DE APRENDIZAGEM
ATITUDES
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

◦ Uso dos conhecimentos adquiridos de forma responsável na defesa do ambiente, dos seres vivos e dos direitos humanos.
◦ Exercício da cidadania com responsabilidade, avaliando os conhecimentos científicos e suas aplicações, levando em consideraçã o implicações de ordem
econômica, social, ambiental ao lado de argumentos científicos, para tomar decisões a respeito de ações e comportamentos individuais e coletivos.
◦ Consciência das perspectivas e influência das Ciências Naturais no mundo e dedicação à defesa do ambiente e dos seres vivos.
◦ Reconhecimento das responsabilidades sociais decorrentes da aquisição de conhecimentos científicos.
◦ Disposição para o trabalho em grupo, argumentação e debate de ideias, respeitando as diversas opiniões e buscando o cons enso.
◦ Empenho em desenvolver o espírito crítico, reflexivo e investigativo, o gosto pelo conhecimento e pela pesquisa.
◦ Interesse pela leitura, pela busca de informações em diversas fontes visando à aquisição e construção de conhecimentos cientí ficos.
◦ Disposição para utilizar o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise crítica, selecionando procedime ntos experimentais e
verificando sua adequação no enfretamento de desafios e situações problemas.
◦ Disposição para resolver situações-problemas, principalmente às relacionadas aos conteúdos das áreas de Física, Química, Biologia, Geologia e
Astronomia.

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
◦ Compreender a natureza de ◦ Através da observação, entender o movimento ◦ O Sistema Solar
forma global, com fenômenos TERRA E UNIVERSO diurno associando-o ao movimento de rotação
- Satélites
CIÊNCIAS DA NATUREZA

83
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEITUAIS
que se inter-relacionam da Terra – conceito de dia e noite.
- Planetas do Sistema Solar
formando um todo dinâmico.
◦ A partir da observação com um relógio solar
- Movimento de Rotação da Terra: Dia
◦ Compreender as Ciências e as (gnomon) determinar a duração do dia, das
e Noite.
tecnologias a ela associadas estações e do ano.
como criações humanas, - Movimentos e Fases da Lua.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


◦ A partir a observação com o gnomon
entendendo sua importância na - Movimento de Translação da Terra
identificar os pontos cardeais.
evolução da sociedade.
◦ Aprender a reconhecer as constelações - Estações do Ano
◦ Articular o conhecimento
brilhantes (Cruzeiro do Sul, Órion, Escorpião, - Fusos Horários
científico e o de outras áreas
Ursa Maior) identificando-as no céu. Saber
no enfrentamento de - Eclipses Solar e Lunar.
associar as constelações e estrelas brilhantes
situações-problema.
com as direções determinadas pelos pontos - Big Bang
◦ Compreender a formação do cardeais(As atividades podem ser programadas
TERRA E UNIVERSO - Constelações
universo, seus elementos e em um observatório ou planetário).
influência no movimento da - Estrelas
◦ Através da observação da Lua compreender
Terra.
suas fases e movimentos de rotação e - Galáxias
◦ Ler, interpretar, argumentar e translação. (A atividade pode ser realizada em
comunicar-se sobre o tema “O um planetário, contudo a observação celeste é - O Universo
Universo”, utilizando a recomendada). - Instrumentos Astronômicos
linguagem científica apropriada.
◦ Saber reconhecer e entender, a partir da - Físicos e Astrônomos
◦ Compreender que os seres observação celeste, das constelações, o
humanos se relacionam com movimento de translação da Terra.
os demais seres vivos e com o
◦ Observar e compreender o deslocamento
ambiente natural e, por serem
aparente do Sol no nascer ou no ocaso
agentes de transformações,
durante o ano (A atividade pode ser facilitada
têm responsabilidade em
com a utilização de um planetário).
relação ao equilíbrio do
Planeta Terra. ◦ Compreender como se deu a descoberta da
forma quase esférica da Terra.
CIÊNCIAS DA NATUREZA
84

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
◦ Compreender a importância ◦ Entender as definições da linha do equador e
dos gases que formam a dos trópicos a partir da observação dos
Atmosfera Terrestre e como equinócios e solstícios. (A atividade pode ser
ela pode ser afetada por realizada em um planetário, mas , a observação
fenômenos naturais ou por celeste é recomendada).
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

atividades humanas que


◦ Compreender e saber a estação do ano a
provoquem emissão de gases
partir da observação do Sol (relógio solar),
poluentes com reflexos sobre
relacionando esse fato a inclinação do eixo de
o meio ambiente e sobre o
rotação da Terra.
clima das regiões.
◦ Reconhecer as grandezas relacionadas aos
◦ Compreender os
corpos celestes comparando-as com a Terra,
conhecimentos científicos
utilizando maquetes.
como processos humanos
desenvolvidos ao longo da TERRA E UNIVERSO ◦ Conhecer os tipos de instrumentos utilizados
História. na observação astronômica (binóculos,
telescópios refratores, refletores e
◦ Ler, int erpretar, argumentar e
catadióptricos).
comunicar-se sobre o tema
“Ar Atmosférico”, utilizando a ◦ Conhecer os principais astrônomos e físicos,
linguagem científica apropriada. suas teorias e descobertas (Aristóteles,
Ptolomeu, Nicolau Copérnico, Johannes
◦ Compreender a Hidrosfera
Kepler, Tycho Brahe, Galieu Galilei, Isaac
como conjunto das Águas do
Newton, Albert Eisntein).
Planeta Terra, as relações que
existem entre a água presentes ◦ Conhecer os veículos de exploração do espaço
em mares, rios, lagos, ar e (foguetes, sondas, naves e satélites).
solo, bem como sua ◦ Entender a importância do sensoriamento
importância para os seres remoto, transmiss ão de informação e como os
vivos. satélites estão associados com as tecnologias
◦ Elaborar e utilizar modelos usadas em nosso cotidiano.
CIÊNCIAS DA NATUREZA

85
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEITUAIS
macroscópicos para
◦ Observar as imagens geradas pelos satélites.
interpretar e compreender as
mudanças de estados físicos e ◦ Conhecer características fundamentais dos
o ciclo da água, reconhecendo planetas – tamanho, massa, temperatura média,
este como fenômeno natural períodos orbitais e de rotação, que compõe m

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


essencial para a permanência o sistema solar a partir da construção ou
da vida na Terra. observação de maquetes.
◦ Compreender a importância ◦ Através da observação em planetários (ou
da água para os seres vivos, maquetes e programas de computador)
relacionando uso e Compreender a variação no horário local em
propriedades, percebendo que várias regiões do planeta.
as sociedades humanas sempre ◦ Compreender as classes de objetos de um
necessitaram captar água para sistema planetário (estrela, planetas, planetas -
TERRA E UNIVERSO
diferentes atividades, e que anões, satélites e corpos menores – asteroides
atualmente, o tratamento de e cometas).
água, as tecnologias envolvidas
e os cuidados para se evitar a ◦ Entender a equivalência entre o Sol e as
poluição são cada vez mais estrelas, relacionando seus brilhos aparentes,
importantes. distâncias, tamanhos e luminosidades.
◦ Ler, interpretar, argumentar e ◦ Conhecer nebulosas, aglomerados estelares,
comunicar-se sobre questões galáxias e aglomerados de galáxias.
envolvendo o tema “A (recomenda-se a observação destes corpos
Hidrosfera do Planeta Terra”, celestes através de telescópios, planetários
utilizando a linguagem científica e/ou programas de computador).
apropriada. ◦ Conhecer as teorias de origem do universo.
◦ Compreender a ação da gravidade na formação
do Universo.
O AR ATMOSFÉRICO ◦ Reconhecer a existência do Ar Atmosférico ◦ A Atmosfera e suas camadas.
CIÊNCIAS DA NATUREZA
86

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
através do estudo de sua constituição e
◦ O Ar Atmosférico: Mistura de
propriedades.
Gases que formam a Atmosfera
◦ Saber que o Ar é uma mistura composta por Terrestre.
vários gases (Oxigênio, Gás Carbônico,
◦ Umidade do Ar: V apor de Água.
Nitrogênio e Vapor de Água etc), fundamentais
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

para a vida no planeta Terra. ◦ Características do Ar


Atmosférico: Massa, Pressão,
◦ Reconhecer que o Oxigênio, um dos
Expansibilidade,
componentes do Ar, é essencial para a
Compressibilidade.
respiração dos seres vivos e para os processos
de combustão. ◦ Principais cientistas e
experimentos que marcaram a
◦ Conhecer as principais propriedades dos gases
História dos conhecimentos sobre
que compõem o Ar Atmosférico.
a Atmosfera.
O AR ATMOSFÉRICO
◦ Entender que o ar tem massa e exerce pressão
◦ Poluição Atmosférica.
influenciando em vários fenômenos naturais.
◦ Efeito Estufa: gases que o
◦ Saber que algumas atividades humanas podem
intensificam-Metano e Gás
alterar a composição do Ar Atmosférico
Carbônico.
causando danos aos seres vivos.
◦ A Importância da Camada de
◦ Relacionar a Atmosfera Terrestre com a
Ozônio.
manutenção da temperatura do Planeta Terra.
◦ O Fenômeno da Chuva Ácida.
◦ Diferenciar Efeito Estufa e Intensificação do
Efeito Estufa. ◦ Ar em Movimento: Pressão
atmosférica, Brisas, Correntes de
◦ Reconhecer que algumas atividades humanas
Convecções,
tais como as queimadas nas plantações de
cana-de-açúcar, os incêndios florestais, certas ◦ Furacões, Tornados e Tufões.
atividades industriais etc. poluem a atmosfera, ◦ Previsão do tempo.
agravando o efeito estufa.
CIÊNCIAS DA NATUREZA

87
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEITUAIS
◦ Identificar e debater sobre formas alternativas ◦ A Energia Eólica.
para as atividades humanas que liberam gases
◦ Contaminação do Ar por micro-
provocando poluição, visando amenizar os
organismos e doenças associadas.
efeitos nocivos.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


◦ Reconhecer que a Energia Cinética do Ar
Atmosférico em movimento pode se
transformar em Energia Elétrica.
◦ Saber utilizar diferentes fontes de informação e
recursos tecnológicos para adquirir e construir
conhecimentos sobre as diferentes questões
relacionadas ao Ar Atmosférico e aos
fenômenos naturais como tufões, furacões,
tornados, erupção de vulcões etc.
◦ Realizar procedimentos experimentais sobre
diversos fenômenos e situações problemas, tais
como o movimento do ar, formação dos
ventos, fenômenos meteorológicos, poluição,
efeito estufa etc. apresentando resultados
obtidos em forma de pequenos textos ou
relatórios.
◦ Discutir sobre as hipóteses propostas para a ◦ A Água na Terra:
existência da Água no Planeta Terra.
A IMPORTÂNCIA DA Oceanos, Mares, Rios, Lagos,
ÁGUA NO PLANETA ◦ Reunir informações por meio de pesquisa em Lagoas, Lagunas, Geleiras e
diversas fontes, leitura de textos, sobre o Lençóis Freáticos.
TERRA
caminho da água na natureza e sua natureza
◦ Origem da Água no Planeta Terra.
cíclica.
◦ Estados Físicos da Água.
◦ Saber como está distribuída a Hidrosfera do
CIÊNCIAS DA NATUREZA
88

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
Planeta Terra.
◦ O Ciclo da Água.
◦ Saber que o Brasil tem uma das maiores
◦ Propriedades da Água (Capacidade
reservas de água doce do mundo (bacias
Térmica, Calor Específico,
hidrográficas e aquíferos).
Densidade, Pressão, Empuxo,
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

◦ Identificar as principais propriedades da água e Tensão Superficial, Dissolução e


sua existência nos três estados físicos da Transporte de Nutrientes no
matéria: sólido, líquido e gasoso. Corpo Humano).
◦ Identificar e caracterizar diferentes modos de ◦ Principais cientistas e
captação da água: poços artesianos, represas, experimentos que marcaram a
redes de distribuição e cisternas, numa História e a evolução dos
A IMPORTÂNCIA DA
perspectiva histórica. conhecimentos sobre as
ÁGUA NO PLANETA propriedades da Água.
TERRA ◦ Identificar as etapas de tratamento de água nas
estações de saneamento, relacionando as ◦ A Água: Solvente Universal.
técnicas empregadas e os tipos de impurezas Fórmula da Água.
eliminadas.
◦ A Importância e Diferentes Usos
◦ Identificar principais causas de poluição e da Água.
contaminação das Águas em Alagoas, no Brasil
◦ Poluição da Água.
e no Mundo.
◦ Saneamento Básico, Tratamento e
◦ Fazer experimentos envolvendo fenômenos
Purificação de Água.
relacionados ao tema Água, relatando os
passos da investigação e os resultados obtidos ◦ Doenças transmitidas por Águas
em forma de relatório ou pequenos textos Contaminadas.
descritivos. ◦ A Água e seus Movimentos:
◦ Coletar informações em diversas fontes e Produção de Energia.
junto a órgãos públicos que cuidam do
fornecimento de água e do saneamento, sobre
maneiras de se resolverem os problemas de
CIÊNCIAS DA NATUREZA

89
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEITUAIS
poluição e contaminação da água.
◦ Escrever textos, construir cartazes ou painéis
sobre as pesquisas realizadas, visando a sua
divulgação.
◦ Relacionar a ocorrência de doenças veiculadas
pela água ao descuido com o saneamento
ambiental e à existência de esgotos não
tratados nas cidades.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


◦ Reconhecer as Hidrelétricas como principais
Fontes de Energia no Brasil, apontando as
vantagens e desvantagens perante outras
formas de geração de Energia.
◦ Compreender o funcionamento de Usinas
Hidrelétricas e a importância destas para a
economia brasileira.
CIÊNCIAS DA NATUREZA
90

COMPONENTE CURRICULAR DE CIÊNCIAS DA NATUREZA – 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL


DIREITOS DE APRENDIZAGEM
ATITUDES
◦ Uso dos conhecimentos adquiridos de forma responsável na defesa do ambiente, dos seres vivos e dos direitos huma nos.
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

◦ Exercício da cidadania com responsabilidade, avaliando os conhecimentos científicos e suas aplicações, levando em consideraçã o implicações de ordem
econômica, social, ambiental ao lado de argumentos científicos, para tomar decisões a respeito de ações e comportamentos individuais e coletivos.
◦ Consciência das perspectivas e influência das Ciências Naturais no mundo e dedicação à defesa do ambiente e dos seres vivos.
◦ Reconhecimento das responsabilidades sociais decorrentes da aquisição de conhecimentos científicos, atentando para a defesa da qualidade de vida e
direitos do consumidor.
◦ Disposição para o trabalho em grupo, argumentação e debate de ideias, respeitando as diversas opiniões e buscando o consenso.
◦ Empenho em desenvolver o espírito crítico, refl exivo e investigativo, o gosto pelo conhecimento e pela pesquisa.
◦ Interesse pela leitura, pela busca de informações em diversas fontes visando à aquisição e construção de conhecimentos cientí ficos.
◦ Disposição para utilizar o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise crítica, selecionando procedimentos experimentais e
verificando sua adequação no enfretamento de desafios e situações problemas.
◦ Disposição para resolver situações-problemas, p r incipalmente às relacionadas aos conteúdos das áreas de Física, Química, Biologia, Geologia e
Astronomia.

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS CONCEITUAIS


◦ Apropriar-se do conhecimento ◦ Conhecer diferentes ecossistemas e a relação ◦ Ecologia
científico e da produção entre os seres e esses meios;
MEIO AMBIENTE ◦ A classificação dos seres vivos
tecnológica, fundamentais para
◦ Visitar diferentes ecossistemas de regiões
melhoria da qualidade de vida; ◦ Componentes dos seres não vivos
alagoanas reconhecendo seres vivos e seu
e dos seres vivos
◦ Utilizar o conhecimento das papel dentro do ecossistema;
CIÊNCIAS DA NATUREZA

91
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS CONCEITUAIS
Ciências Naturais na resolução
◦ Entender como acontece a organização
dos problemas do cotidiano;
científica dos seres vivos;
◦ Desenvolver a criticidade a
partir da valorização do
trabalho em grupo,

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


respeitando os diferentes
saberes;
◦ Ser um cidadão integrado no
contexto social, participativo,
responsável, crítico, ético e
que respeite e valorize o meio
ambiente e as diversas formas
de vida;
◦ Identificar na estrutura de
diferentes seres vivos a
organização celular como a
base fundamental de todas as
formas de vida;
◦ Entender como a relação entre
os seres vivos é importante
para o equilíbrio na natureza;
◦ Compreender como os seres
vivos se relacionam com seu
meio ambiente;
◦ Conhecer a fauna, a flora e os
principais ecossistemas
alagoanos;
CIÊNCIAS DA NATUREZA
92

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS CONCEITUAIS


Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

◦ Identificar e caracterizar o grupo dos vírus;


◦ Caracterizar e reconhecer a ◦ Seres vivos
diferenciação entre os cinco ◦ Identificar e caracterizar os seres presentes no
reinos dos seres vivos, reino monera; ◦ Reino monera
especialmente no tocante a ◦ Identificar e caracterizar os seres presentes no
organização celular, autotrofia, reino protista; ◦ Reino protista
aerobiose, importância
ecológica e para a saúde ◦ Identificar e caracterizar os seres presentes no
reino fungi; ◦ Reino fungi
humana; SERES VIVOS
◦ Identificar e caracterizar os seres presentes no ◦ Reino vegetal
◦ Identificar e saber fazer a reino vegetal;
profilaxia dos principais
◦ Identificar e caracterizar os seres presentes no ◦ Reino animal
parasitas causadores de
reino animal.
doenças em humanos, dentro
dos cinco reinos. ◦ Vertebrados

◦ Invertebrados
CIÊNCIAS DA NATUREZA

93
COMPONENTE CURRICULAR DE CIÊNCIAS DA NATUREZA – 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
DIREITOS DE APRENDIZAGEM
ATITUDES
◦ Uso dos conhecimentos adquiridos de forma responsável na defesa do ambiente, dos s eres vivos e dos direitos humanos.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


◦ Exercício da cidadania com responsabilidade, avaliando os conhecimentos científicos e suas aplicações, levando em consideraçã o implicações de ordem
econômica, social, ambiental ao lado de argumentos científicos, para tomar decisões a respeito de ações e comportamentos individuais e coletivos.
◦ Consciência das perspectivas e influência das Ciências Naturais no mundo e dedicação à defesa do ambiente e dos seres vivos.
◦ Reconhecimento das responsabilidades sociais decorrentes da aquisição de conhecimentos científicos, atentando para a defesa da qualidade de vida e
direitos do consumidor.
◦ Disposição para o trabalho em grupo, argumentação e debate de ideias, respeitando as diversas opiniões e buscando o consenso.
◦ Empenho em desenvolver o espírito crítico, reflexivo e investigativo, o gosto pelo conhecimento e pela pesquisa.
◦ Interesse pela leitura, pela busca de informações em diversas fontes visando à aquisição e construção de conhecimentos cientí ficos.
◦ Disposição para utilizar o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise crítica, selecionando procedimentos experimentais e
verificando sua adequação no enfretamento de desafios e situações problemas.
◦ Disposição para resolver situações-problemas, p r incipalmente às relacionadas aos conteúdos das áreas de Física, Química, Biologia, Geologia e
Astronomia.

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS CONCEITUAIS


◦ Apropriar-se do conhecimento ◦ Estabelecer relações de inclusão entre as ◦ Célula
científico e da produção estruturas do organismo humano: sistemas,
O CORPO HUMANO ◦ Tecido
tecnológica, fundamentais para órgãos, tecidos e células.
melhoria da qualidade de vida. ◦ Órgãos
◦ Reconhecer os processos comuns a todas as
CIÊNCIAS DA NATUREZA
94

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS CONCEITUAIS


células do organismo humano e de outros
◦ Utilizar o conhecimento das ◦ Sistema digestório
seres vivos como crescimento, respiração,
Ciências Naturais na resolução
síntese de substâncias e eliminação de ◦ Sistema Respiratório
dos problemas do cotidiano;
excretas. ◦ Sistema Circulatório
◦ Desenvolver a criticidade a
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

◦ Identificar as partes do tubo digestório e Sistema Endócrino


partir da valorização do ◦
órgãos anexos em representações figurativas.
trabalho em grupo, ◦ Sistema Nervoso
respeitando os diferentes ◦ Avaliar complementaridade entre os processos
saberes; químicos e mecânicos da digestão dos ◦ Sistema Muscular
alimentos.
◦ Reconhecer os sistemas do
corpo humano, estabelecendo ◦ Descrever o processo respiratório associando-
as relações entre as várias o ao sistema circulatório.
funções vitais de modo a O CORPO HUMANO
◦ Distinguir os papéis fisiológicos de veias,
favorecer a saúde e qualidade
artérias e capilares com relação à distribuição
de vida.
de materiais pelo corpo.
◦ Conhecer os componentes do sistema
circulatório e o seu funcionamento.
◦ Identificar os principais hormônios humanos e
suas respectivas funções.
◦ Conhecer o processo que envolve transmissão
do impulso nervoso.
◦ Entender o processo do trabalho muscular
como necessário à sustentação e locomoção
humana.
CIÊNCIAS DA NATUREZA

95
COMPONENTE CURRICULAR DE CIÊNCIAS DA NATUREZA – 9º ANO DO ENSINO FUNDAMEN TAL
DIREITOS DE APRENDIZAGEM
ATITUDES
◦ Uso dos conhecimentos adquiridos de forma responsável na defesa do ambiente, dos seres vivos e dos direitos humanos.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


◦ Exercício da cidadania com responsabilidade, avaliando os conhecimentos científicos e suas aplicações, levando em consideração implicações de
ordem econômica, social, ambiental ao lado de argumentos científicos, para tomar decisões a respeito de ações e comportamento s individuais e
coletivos.
◦ Consciência das perspectivas e influência das Ciências Naturais no mundo e dedicação à defesa do ambiente e dos seres vivos.
◦ Reconhecimento das responsabilidades sociais decorrentes da aquisição de conhecimentos científicos, atentando para a defesa da qualidade de vida e
direitos do consumidor.
◦ Disposição para o trabalho em grupo, argumentação e debate de ideias, respeitando as diversas opiniões e buscando o consenso.
◦ Empenho em desenvolver o espírito crítico, reflexivo e investigativo, o gosto pelo conhecimento e pela pesquisa.
◦ Interesse pela leitura, pela busca de informações em diversas fontes visando à aquisição e construção de conhecimentos científicos.
◦ Disposição para utilizar o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise crítica, selecionando proce dimentos experimentais e
verificando sua adequação no enfretamento de desafios e situações problemas.
◦ Disposição para resolver situações-problemas, p r incipalmente às relacionadas aos conteúdos das áreas de Física, Química, Biologia, Geologia e
Astronomia.

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CO NTEÚDOS


CONCEITUAIS
◦ Reconhecer as Ciências da AS CIÊNCIAS, A ◦ Identificar a importância dos conhecimentos ◦ As Ciências da Natureza e
Natureza e suas Tecnologias TECNOLOGIA, A científicos e sua contribuição para o sua contribuição para
como criações humanas, SOCIEDADE E O desenvolvimento científico e tecnológico. explicação do mundo
CIÊNCIAS DA NATUREZA
96

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CO NTEÚDOS


CONCEITUAIS
portanto inseridas na história natural e para o
◦ Conhecer aspectos da História das Ciências
em diferentes épocas; desenvolvimento
Naturais através da leitura de textos, livros e
tecnológico.
◦ Perceber o papel demais fontes de informações.
desempenhado pela Física e ◦ Aspectos históricos do
◦ Entender o Método Científico.
pela Química e a complexa desenvolvimento científico.
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

relação entre Ciência, ◦ Diferenciar conhecimento científico e senso


AS CIÊNCIAS, A ◦ Conhecimento científico e
Tecnologia, Sociedade e comum.
TECNOLOGIA, A senso comum.
Ambiente, reconhecendo os ◦ Perceber a influência do desenvolvimento da
limites éticos e morais SOCIEDADE E O ◦ O desenvolvimento
AMBIENTE Química e da Física na criação de processos,
envolvidos no científico e sua influência em
máquinas, novos materiais e produtos, em
desenvolvimento científico e questões atuais como
questões da atualidade tais como consumo,
tecnológico; consumo, poluição e
poluição e desenvolvimento sustentável.
desenvolvimento
◦ Compreender que os
sustentável e
conhecimentos da Física e da
comportamento social.
Química são necessários para
compreensão do mundo, pois ◦ Identificar a Física como uma Ciência que ◦ O que é Física.
ajudam a entender a natureza estuda os fenômenos naturais e suas
◦ Aspectos históricos do
e seus fenômenos, propondo regularidades através de métodos
desenvolvimento da Física.
ideias, explicações, modelos e experimentais, bem como sua contribuição
teorias; para o desenvolvimento científico e ◦ Grandezas físicas escalares e
tecnológico. vetoriais, suas medidas e
◦ Articular o conhecimento da A FÍSICA, UMA
estimativas.
Física e da Química e o de CIÊNCIA ◦ Reconhecer a Física como uma Ciência
outras áreas no enfrentamento EXPERIMENTAL Fundamental que, através de conceitos ◦ Sistema internacional de
de situações-problema. Por desenvolvidos com base em observações, medidas (SI).
exemplo, identificar e experimentações, ideias e teorias, busca ◦ Notação científica.
relacionar aspectos químicos, explicação para os fenômenos naturais.
físicos e biológicos em estudos ◦ Medidas.
◦ Conhecer aspectos básicos da História da
sobre temas tais como a Potência de dez.
Física e a contribuição de vários cientistas, ◦
CIÊNCIAS DA NATUREZA

97
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CO NTEÚDOS
CONCEITUAIS
produção, destino e entre eles Galileu Galilei, Isaac Newton e
tratamento de lixo ou sobre a Albert Einstein.
composição, poluição e
◦ Reconhecer e saber interpretar as diferentes
tratamento das águas e os
grandezas físicas, escalares e vetoriais.
aspectos sociais, eco nômicos e

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


ambientais envolvidos; ◦ Entender o uso de instrumentos de medidas de
A FÍSICA, UMA acordo com cada situação, observando sua
◦ Elaborar e utilizar modelos CIÊNCIA evolução.
para interpretar e EXPERIMENTAL
compreender os fenômenos ◦ Construir diferentes instrumentos de medidas.
Físicos, percebendo seu o ◦ Fazer medidas e estimativas com diversos
papel fundamental nos equipamentos, analisando-as e exprimindo as
processos de produção e no conclusões utilizando argumentação, textos,
desenvolvimento econômico e relatórios (podendo conter tabelas e gráficos),
social da humanidade; e fazendo uso correto da linguagem da Física.
◦ Elaborar e utilizar modelos
◦ Compreender o conceito de Matéria. ◦ A Matéria e suas
macroscópicos para
características.
interpretar e compreender as ◦ Identificar as Propriedades da Matéria.
transformações químicas, ◦ Corpo e Objeto.
◦ Saber lidar com as diferentes formas de
percebendo o papel medidas para volume, massa e densidade da ◦ Propriedades Gerais da
fundamental dessas Matéria. Matéria.
transformações nos processos
de produção e no A MATÉRIA E SUAS ◦ Compreender a relação entre Matéria e ◦ Propriedades Físicas
desenvolvimento econômico e PROPRIEDADES Energia. (Densidade, Temperatura
social da humanidade; de Fusão e Ebulição,
◦ Caracterizar e diferenciar Fenômenos Físicos e
Solubilidade,
◦ Compreender a importância Químicos pelas evidências macroscópicas.
Condutibilidade Elétrica).
do uso de instrumentos de ◦ Explicar e fazer diagramas e gráficos
medidas associados às diversas ◦ Propriedades
descrevendo as mudanças de Estado Físicos da
grandezas e sua importância na Organolépticas.
Matéria.
CIÊNCIAS DA NATUREZA
98

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CO NTEÚDOS


CONCEITUAIS
descrição e explicação dos
◦ Como medir a Matéria
fenômenos da Física e da
(Volume, Massa, densidade).
Química no cotidiano;
◦ Estados Físicos da Matéria.
◦ Apropriar-se dos
conhecimentos e da linguagem A MATÉRIA E SUAS ◦ Matéria e Energia.
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

da Física e da Química com PROPRIEDADES ◦ Mudanças de Estados


seus códigos e símbolos e que Físicos.
descrevem os fenômenos;
◦ Fenômenos Físicos e
◦ Reconhecer que alguns Fenômenos Químicos-
elementos químicos Evidências Macroscópicas.
representados na Tabela
Periódica são os mesmos ◦ Identificar os movimentos na natureza e os ◦ Movimento.
presentes na constituição dos produzidos pelo homem.
◦ Repouso.
diferentes tipos de substâncias ◦ Reconhecer, observar, compreender e
e materiais que formam a ◦ Referencial.
diferenciar os conceitos de movimento e
biosfera, hidrosfera, atmosfera repouso. ◦ Tempo.
e litosfera do Planeta Terra.
◦ Compreender o conceito de referencial. ◦ Conceitos básicos:
◦ Relacionar os movimentos com o ◦ Trajetória
MOVIMENTOS E SUAS desenvolvimento de transportes e com a ◦ Localização
CAUSAS prática de esportes.
◦ Posição
◦ A relação dos movimentos com o tempo.
◦ Espaço
◦ Conceituar trajetória e localização.
◦ Distância percorrida
◦ Conceituar posição, espaço, distância
percorrida e deslocamento. ◦ Deslocamento
◦ Conceituar ponto material e corpo extenso. ◦ Ponto Material
◦ Corpo Extenso
CIÊNCIAS DA NATUREZA

99
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CO NTEÚDOS
CONCEITUAIS
◦ Conceituar velocidade, velocidade média e ◦ Velocidade.
instantânea.
◦ Movimento Uniforme.
◦ Saber calcular velocidade média.
◦ Movimentos Variados.
◦ Reconhecer, observar, compreender e
◦ Movimentos

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


diferenciar os vários tipos de movimentos.
Uniformemente Variados.
◦ Conceituar movimento uniforme.
◦ Utilizar em modelos físicos a equação da
posição do movimento uniforme – M.U.
◦ Conceituar movimento uniformemente variado
MOVIMENTOS E SUAS – M.U.V.
CAUSAS
◦ Utilizar em modelos físicos as equações da
posição, da velocidade e de Torriceli do
movimento uniformemente variado – M.U.V.
◦ Saber representar graficamente os movimentos
uniforme e uniformemente variado.
◦ Realizar observações, experimentos, analisá -los
e exprimir as conclusões utilizando
argumentação, textos, relatórios (podendo
conter tabelas e gráficos), e fazendo uso
correto da linguagem da Física.
◦ Saber utilizar diferentes fontes de informação e
recursos tecnológicos para adquirir e construir
saberes.
A QUÍMICA, UMA ◦ Identificar a Química como uma Ciência que ◦ A Ciência Química e sua
CIÊNCIA estuda as Substâncias e suas Transformações contribuição para
CIÊNCIAS DA NATUREZA
100

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CO NTEÚDOS


CONCEITUAIS
compreendendo sua contribuição para o explicação do mundo
Desenvolvimento Científico e Tecnológico. natural e para o
desenvolvimento
◦ Conhecer aspectos da História da Química por
tecnológico.
meio da leitura de textos, livros e demais
A QUÍMICA, UMA fontes de informações. ◦ Da Alquimia à Química:
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

CIÊNCIA aspectos históricos.


◦ Perceber a influência do desenvolvimento da
EXPERIMENTAL Química e a criação de Novos Materiais e ◦ O desenvolvimento da
Produtos em questões da atualidade tais como Química e sua influência em
Consumo, Poluição e Desenvolvimento questões atuais como
Sustentável. consumo, poluição e
desenvolvimento
◦ Identificar a presença do conhecimento
sustentável.
químico em procedimentos domésticos e
industriais.
◦ Reconhecer e diferenciar Substâncias e ◦ Propriedades Químicas da
Misturas por suas características e Matéria.
propriedades.
◦ Materiais homogêneos e
◦ Propor soluções para separação de Misturas heterogêneos. Substâncias e
selecionando procedimentos experimentais e Misturas.
estratégias adequadas.
SUBSTÂNCIAS, ◦ Processos de separação de
MISTURAS E ◦ Realizar observações, medidas e dados, analisá- misturas através de
MATERIAIS. las e exprimir as conclusões utilizando Filtração, Decantação,
argumentação, textos, relatórios (podendo Centrifugação, Flotação,
conter tabelas e gráficos), e fazendo uso Destilação, Sublimação,
correto da linguagem da Química. Recristalização, Extração.
◦ Prever quais os melhores materiais para ◦ Os Materiais mais utilizados
fabricar determinados objetos de acordo com no cotidiano (utensílios
as propriedades e utilidades desejadas. domésticos, embalagens
CIÊNCIAS DA NATUREZA

101
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CO NTEÚDOS
CONCEITUAIS
etc.) e suas propriedades.
◦ Entender que as transformações da Matéria ◦ Transformações Químicas
dependem do estado de agregação e das suas em processos do cotidiano.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


propriedades físico-químicas.
◦ Substâncias e
◦ Reconhecer as Transformações Químicas que Transformações.
acontecem em nosso cotidiano.
A MATÉRIA SE ◦ Interpretação e linguagem
TRANSFORMA: ◦ Entender que algumas Transformações da das Transformações
TRANSFORMAÇÕES Matéria podem ser revertidas. Químicas: as Equações
QUÍMICAS NA Químicas.
◦ Reconhecer que as Transformações Químicas
NATUREZA E NO envolvem troca energética. ◦ Aspectos Energéticos das
SISTEMA PRODUTIVO Transformações Químicas.
◦ Representar e interpretar informações sobre
variáveis nas Transformações Químicas por ◦ A Reversibilidade das
meio de tabelas e gráficos. Transformações Químicas.
◦ Descrever uma Transformação Química em
diferentes linguagens e representações.
◦ Caracterizar e diferenciar os diversos Modelos ◦ Estrutura Atômica.
Atômicos e a História a eles associada.
◦ Evolução da ideia de Átomo
◦ Compreender a Evolução Tecnológica e sua (dos gregos ao átomo de
importância para o avanço do Conhecimento Dalton).
EM BUSCA DE
Científico.
EXPLICAÇÕES: ◦ Natureza elétrica da
MODELOS ATÔMICOS ◦ Realizar leituras, interpretações e construir Matéria e evolução dos
resumos de textos relativos à História da Modelos Atômicos
Química e dos Modelos Atômicos. (Modelos Atômicos de
Thomson, Rutherford e
Rutherford-Bohr).
CIÊNCIAS DA NATUREZA
102

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CO NTEÚDOS


CONCEITUAIS
◦ Identificação do átomo
EM BUSCA DE (Número Atômico,
EXPLICAÇÕES: Número de Massa, Massa
MODELOS ATÔMICOS Atômica) e representação
dos Elementos Químicos.
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

◦ Isótopos.
◦ Reconhecer os fatos históricos envolvidos na
◦ A Linguagem da Química:
origem dos nomes e símbolos dos principais
Símbolos e Fórmulas.
Elementos Químicos.
◦ Compreender que a Tabela Periódica não foi ◦ História da descoberta de
proposta por acaso, mas é fruto da Elementos Químicos e da
sistematização de conhecimentos e busca por uma organização
propriedades dos Elementos Químicos. destes em forma de tabelas.
◦ Compreender a Lei Periódica. ◦ Classificação Moderna dos
◦ Identificar os Elementos Químicos por suas Elementos Químicos: A
ELEMENTOS simbologias.
QUÍMIC OS: Tabela Periódica Atual.
◦ Entender que os Elementos Químicos na
ORGANIZAÇÃO E Tabela Periódica estão organizados em ordem ◦ A Lei Periódica e as
CLASSIFICAÇÃO/ crescente de seus Números Atômicos e de Propriedades Periódicas.
TABELA PERIÓDICA acordo com suas características.
◦ Perceber que Elementos Químicos estão
presentes nos Compostos e Substâncias do
cotidiano.
◦ Saber utilizar a Tabela Periódica na busca de
dados e informações.
◦ Saber utilizar diferentes fontes de informação e
recursos tecnológicos para adquirir e construir
saberes.
CIÊNCIAS DA NATUREZA

4.5. Biologia organismos ao desenvolver novas técnicas de


conservação de bebidas fermentadas. (PCN,
1998).
4.5.1.Caracterização do Com­ponente
Em 1809, Lamarck deu um passo à
Curricular de Biologia frente quando publicou um livro sobre a
evolução das espécies, e em 1859, Darwin
Fundamentos Histórico­Filosó­ também evolucionista, publicou um livro sobre
ficos da Área de Biologia a origem das espécies, que é aceita até hoje
como explicação para a evolução das
A história da Biologia remonta à pré­ espécies. Em 1866, Gregor J. Mendel, em
história a partir das observações e apreensões experimentos com ervilhas, descobriu a
sobre o ciclo vegetal no que se refere à época hereditariedade, e hoje é considerado o pai da
de frutificação, quais vegetais podiam ser Genética. Watson e Crick tiveram a
consumidos ou não, dentre outras práticas oportunidade de descobrir sobre a dupla
diárias realizadas pelo homem. No antigo hélice do DNA e o código genético.
Egito, a técnica de embalsamamento exigia Na metade do século XX tem­se a
um conhecimento sobre as propriedades de concepção tecnicista na educação e o
alguns vegetais. Aristóteles, séc IV a.C., já desenvolvimento científico e tecnológico
estudava sobre a classificação animal e sobre demandou que a sociedade tivesse uma
a adaptação dos seres vivos. Escritos sobre formação baseada na alfabetização
observações de seres vivos datam da Idade científica. A partir desse contexto, várias
Média e, no século XIV, cientistas fazem pesquisas na área da educação debatiam
dissecações em cadáveres humanos, levando sobre os desafios encontrados no ensino e
ao avanço dos estudos sobre anatomia aprendizagem das Ciências e, ainda nos dias
humana. atuais, é de fundamental importância que a
A descoberta do microscópio no final alfabetização científica seja contemplada
do séc. XVI contribuiu para o avanço de durante a formação do sujeito.
estudos da Biologia Celular e dos seres Segundo Bastos et al. (2012), existem
microscópicos, estudados por Antonie von vários entraves epistemológicos nas
Leeuwenhoek. Em 1735, Lineu, baseado nas situações de aprendizagem em Ciências e,
semelhanças morfológicas de plantas e de consequentemente em Biologia, que
animais, criou o sistema taxonômico e a dificultaram compreender as concepções
nomenclatura dos seres vivos, utilizado até científicas na Educação Básica; destacam­se
hoje, com algumas modificações. Lyell abaixo algumas delas:
(século XIX) contribuiu de forma significativa ­ as concepções alternativas a respeito do
para o desenvolvimento da Biologia com a mundo natural e seus componentes, ou seja,
teorização acerca da crosta terrestre, muitas vezes o conhecimento prévio que o
entendida como camadas geológicas de estudante traz sobre alguns conceitos
diferentes idades o que colaborou para a científicos são errados e necessitam de uma
concepção de que os ambientes da Terra se (re)construção do saber;
formaram por uma evolução contínua ­ a falta de sentido para o estudante da Ciência
atuando por longos períodos de tempo. Ainda apresentada na escola, fria e metódica,
no século XIX, Pasteur faz avançar o distante dos interesses dos estudantes;
conhecimento sobre a reprodução de micro­ ­ a fragmentação no processo de ensino;

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 103
CIÊNCIAS DA NATUREZA

Apesar de o ensino de Biologia ainda sofreu alterações entre as décadas de 1950 e


considerar o conhecimento como algo pronto 1985, porém, “não se discutia a relação da
e acabado, caracterizando um ensino que foi Ciência com o contexto econômico, social e
se tornando tradicional na escola, é político e tampouco os aspectos tecnológicos
fundamental que o conhecimento em e as aplicações práticas” (KRASILCHICK,
Biologia, assim como em várias outras áreas, 2004).
seja trabalhado possibilitando a argumen­ Os eixos estruturantes que compõem
tação, valorizando os conhecimentos prévios a proposta curricular do ensino de Biologia
e os questionamentos, envolvendo os são os seguintes: a) Origem e evolução da
estudantes em ações para reconstruir os seus vida; b) Biologia celular; c) Diversidade da vida;
saberes a partir de conceitos científicos, para d) Qualidade de vida das populações
que os confrontem com o que já sabiam, humanas, e) Transmissão da vida,
exercitando a reflexão, a interpretação própria manipulação gênica e ética e f) Interação entre
e a autonomia (DEMO, 2002). os seres vivos. Os referidos eixos
Hoje, a Biologia faz parte dos estudos estruturantes estão fundamentados no objeto
de Ciência, Tecnologia, Sociedade e Ambiente de estudo da Biologia – a vida – pois esse
(CTSA) e a perspectiva metodológica é instigar fenômeno é caracterizado “por um conjunto
a construção do conhecimento de forma de processos organizados e integrados, no
contextualizada e interdisciplinar. nível de uma célula, de um indivíduo, ou ainda
Fundamentos teórico­metodoló­ de organismos no seu meio.” (BRASIL, 1999),
gicos: cita ainda que,
O campo de estudo da Biologia é [...] ao estudar o indivíduo, estar­se­á
essencialmente a “vida” (do grego ­ bios = vida estudando o grupo ao qual ele pertence e
e ­ logos = estudo). O estudo da Biologia é vice­versa; o estudo aprofundado de
abrangente e requer conhecimentos de outras determinados grupos de seres vivos em
áreas do conhecimento como: bioética, particular – anatomia, fisiologia e
biotecnologia, biofísica, bioquímica, dentre comportamentos – pode se constituir em
outras, as quais tratam de conteúdos projetos educativos, procurando verificar
conceituais que dão suporte ao hipóteses sobre a reprodução/evolução de
conhecimento biológico de forma integral. peixes, samambaias ou seres humanos.
A Biologia é uma das áreas das (BRASIL, 1999).
ciências que vem se desenvolvendo devido às Algumas finalidades do ensino de
diversas pesquisas e aos estudos nesse Biologia previstas nos currículos escolares é
campo a partir de novos conhecimentos. A desenvolver a capacidade de pensar lógica e
questão ambiental, a genética e a criticamente, bem como dominar conceitos
biotecnologia são exemplos de assuntos biológicos a fim de compreender e participar
contemporâneos e necessários para que a das discussões referentes à área biológica.
sociedade conheça, compreenda e participe Existem outras finalidades. A função social do
de debates sobre as referidas temáticas. A ensino da Biologia é contribuir para ampliar o
construção do conhecimento científico na entendimento que o indivíduo tem da sua
área da biologia na Educação Básica própria organização biológica, do lugar que
possibilita ao estudante tornar­se um sujeito ocupa na natureza e na sociedade, e da
autônomo, ativo, reflexivo e crítico. Krasilchick possibilidade de interferir na dinamicidade
(2004) revela que o currículo de ciências não dos mesmos, através de uma ação mais

104 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

coletiva, visando à melhoria da qualidade de abordagem do cotidiano seja valorizada e


vida (KRASILCHIK, 2004). contemplada nas estratégias didáticas de sala
Sabe­se que o ensino de Biologia é de aula de modo a possibilitar a construção e
importante para a vida de todos(as), cabendo ampliação dos conceitos biológicos, a fim de
à escola, por meio do ensino formal, instigar os estudantes a desenvolverem
possibilitar a construção do conhecimento, os competências e habilidades. Ou seja, mostrar
quais devem “contribuir, também, para que o aos estudantes a função da Ciência e como a
cidadão seja capaz de usar o que aprendeu ao Biologia pode contribuir para as necessidades
tomar decisões de interesse individual e humanas, levando para a sala de aula
coletivo, no contexto de um quadro ético de assuntos do cotidiano, dando oportunidade
responsabilidade e respeito que leva em conta para eles conhecerem os aspectos
o papel do homem na biosfera” (KRASILCHIK, relacionados à ciência, à tecnologia e à
2004). sociedade (DEMO, 2004).
Obter a visão de mundo, ou seja, O ensino de Biologia deve possibilitar
perceber a realidade que nos cerca, permite uma formação cidadã, crítica e reflexiva, de
compreender como a natureza funciona, bem forma que o sujeito saiba lidar com situações
como entender como ocorrem as inter­ c o t i d i a n a s d e fo r m a c o n s c i e n t e e
relações entre os seres vivos e os elementos responsável.
abióticos. Dessa forma, é preciso que a

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 105
CIÊNCIAS DA NATUREZA
106

4.5.2 Organização do Conhecimento Escolar de Biologia

COMPONENTE CURRICULAR DE BIOLOGIA – 1º ANO – ENSINO MÉDIO

DIREITOS DE APRENDIZAGEM

ATITUDES
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

· Empenho em conhecer as várias formas de se obter informações acerca dos conhecimentos biológicos.
· Disponibilidade para trabalhar em grupo, respeitando a diversidade de opiniões.
· Postura investigativa e o gosto pela pesquisa.
· Percepção dos aspectos biológicos, sociais, econômicos, ambientais e culturais relacionados ao conhecimento biológico.
· Reconhecimento do aspecto interdisciplinar na área biológica.
· Consciência da influência da Biologia no mundo natural.
· Reconhecimento da estrutura orgânica com respeito e compromisso à manutenção da vida.
· Utilização dos conhecimentos obtidos de forma responsável na defesa da qualidade de vida.
· Reconhecimento da diversidade orgânica e dedicação à defesa do meio ambiente e dos seres vivos.
· Empenho em utilizar instrumentos tecnológicos para entendimento do mundo microscópico.
· Curiosidade diante dos fenômenos biológicos, físicos e químicos.

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEIT UAIS

Classificação dos Seres Vivos:


· Entender os mecanismos que
• Descrever processos e Origem e evolução da embasam as teorias das origens da critérios taxonômicos e
características do ambiente ou de vida na Terra através das reações
CIÊNCIAS DA NATUREZA

107
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEIT UAIS

seres vivos, observados em químicas e físicas. filogenéticos


microscópio ou a olho nu.
· Objeto de estudo da Biologia.
• Perceber e utilizar os códigos · Níveis de organização.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


intrínsecos da Biologia.
· Características dos seres vivos.

• Apresentar suposições e · Métodos científicos


hipóteses acerca dos fenômenos · Relações entre os seres vivos e o
biológicos em estudo. meio ambiente

Origem e evolução da · Fatores bióticos e abióticos


• Conhecer diferentes formas de
obter informações (observação, vida · Ecossistema
experimento, leitura de texto e · Biosfera
imagem, entrevista), selecionando
aquelas pertinentes ao tema · Equilíbrio biológico
biológico em estudo. · Fluxo de energia
· A formação da Terra
• Utilizar critérios científicos para
realizar classificações dos seres · Abiogênese\biogênese
vivos. · Abiogênese: Aristóteles Biogênese:
Redi
· Spallanzani, Pasteur
· Criacionismo
· Teorias modernas sobre a origem da
vida
· Panspermia cósmica e evolução
química
CIÊNCIAS DA NATUREZA
108

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEIT UAIS

· Oparin e Haldane
· Terra primitiva: Stanley Miller
Origem e evolução da · Hipóteses (heterotrófica x
vida
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

autotrófica).

· Entender os processos de sínteses, Mecanismos celulares


degradação e distribuição dos biofísicos e bioquímicos
principais componentes da matéria
viva: água, sais minerais, glicídios,
lipídios, proteínas, vitaminas e
ácidos nucleicos. · A Química e a vida
· Compreender a inter-relação entre a · Constituintes da matéria viva
energia e os fenômenos físicos e
químicos na manutenção do · A água e os seres vivos
metabolismo celular. · Sais minerais
Biologia Celular · Apresentar, de forma organizada, o · Carboidratos
conhecimento biológico apreendido,
através de textos, desenhos, · Lipídios
esquemas, gráficos, tabelas,
· Proteínas
maquetes.
· Vitaminas
· Entender os processos metabólicos
nos organismos vivos através das · Ácidos nucleicos
reações químicas e físicas.
· Microscopia: tipos de microscópios,
Reconhecer a Biologia como um partes e funcionamento
fazer humano e, portanto,
· A célula observada ao microscópio
CIÊNCIAS DA NATUREZA

109
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEIT UAIS

histórico, fruto da conjunção de


fatores sociais, políticos, · Revestimentos celulares: membrana
econômicos, culturais, religiosos plasmática permeabilidade celular e
e tecnológicos. envoltórios celulares

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


· Relacionar o conhecimento das · O citoplasma
diversas disciplinas para o · Organelas celulares
entendimento de fatos ou processos
biológicos (lógica externa). · Aspectos gerais do núcleo celular
· Componentes do núcleo celular
· Características gerais dos
cromossomos
· Cromossomos e genes
Biologia Celular
· Cariótipo
· Natureza química do gene
· Estrutura molecular do DNA
· Genes e RNA: a transcrição gênica
· Mecanismo de síntese das proteínas:
tradução gênica
· Divisão celular: mitose e meiose
· A importância da divisão celular
· Metabolismo energético (I):
respiração celular e fermentação
· Metabolismo energético (II):
Fotossíntese e quimiossíntese
CIÊNCIAS DA NATUREZA
110

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEIT UAIS

· Sistemas biológicos: anatomia,


morfologia e fisiologia
· A diferenciação celular e a
caracterização dos tecidos
· Tecido epitelial
Biologia Celular
· Tecido conjuntivo
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

· Tecido sanguíneo
· Tecido muscular
· Tecido nervoso
CIÊNCIAS DA NATUREZA

111
COMPONENTE CURRICULAR DE BIOLOGIA – 2º ANO – ENSINO MÉDIO

DIREITOS DE APRENDIZAGEM

ATITUDES

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


· Empenho em conhecer as várias formas em obter informações acerca dos conhecimentos biológicos.
· Disponibilidade para trabalhar em grupo, respeitando a diversidade de opiniões.
• Reconhecimento da estrutura orgânica com respeito e compromisso com a manutenção da vida.
• Utilização dos conhecimentos obtidos de forma responsável na defesa da qualidade de vida.
• Reconhecimento da diversidade orgânica e dedicação à defesa do meio ambiente e dos seres vivos.
• Consciência da influência da Biologia no mundo natural.
• Interesse em desenvolver a criticidade, reflexão, a ação investigativa e o gosto pela pesquisa.
· Consciência sobre o conceito de saúde sob os aspectos biológicos, sociais, econômicos e ambientais e culturais.

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS

Classificação dos Seres Vivos:


· Construir a noção de saúde levando
em conta os condicionantes critérios taxonômicos e
• Conhecer diferentes formas de biológicos, sociais, econômicos e filogenéticos
obter informações (observação, ambientais e culturais.
experimento, leitura de texto e
imagem, entrevista),
Diversidade da Vida
selecionando aquelas pertinentes • O desenvolvimento da classificação
ao tema biológico em estudo. biológica
• A sistemática moderna
• Características gerais dos vírus
CIÊNCIAS DA NATUREZA
112

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS

• A estrutura dos vírus


• Ciclo de um vírus bacteriófago
· Reconhecer a importância da • Ciclo do vírus de gripe
classificação biológica para a • Ciclo do HIV
· Identificar e comparar a organização e compreensão da • Reservatórios virais
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

diversidade dos seres vivos. • Formas de transmissão de doenças


Organização e
funcionamento dos virais tratamento e prevenção de
· Estabelecer as relações entre as doenças virais
diferentes organismos, várias funções vitais dos organismos. • Viroides
reconhecendo os
· Reconhecer os princípios básicos e • Príons
principais critérios de
classificação mediante a as especificidades das funções vitais
enorme diversidade de dos seres vivos que ocupam
Diversidade da Vida diferentes ambientes. Sistemas biológicos: anatomia,
vida. morfologia e fisiologia e
· Entender o funcionamento e as Mecanismos de
reações químicas dos sistemas vitais.
desenvolvimento embriológico
• Identificar na estrutura de
diferentes seres vivos e a
organização celular como a
base fundamental de todas as • Reino Monera: características e
formas de vida. organização morfológica das
arqueobactérias e eubactérias
• Comparar as estruturas • Reino Protista: características e
morfofisiológicas entre os organização morfológica de
organismos unicelulares e
seres vivos e suas principais
pluricelulares
características evolutivas.
• Reino Fungi: características e
organização anatomorfofisiológica dos
• Julgar ações de intervenção, fungos e liquens
identificando aquelas que visam • Reino Animal: características e
à preservação e à implementação organização anatomorfofisiológica dos
CIÊNCIAS DA NATUREZA

113
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEITUAIS

da saúde individual, coletiva e Qualidade de vida das grupos de invertebrados e vertebrados


do ambiente. populações humanas • Fisiologia: processos
metabólicos dos seres humanos
• Embriologia animal
• Reino Vegetal: características e

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


organização anatomorfofisiológica dos
grupos vegetais

COMPONENTE CURRICULAR DE BIOLO GIA – 3º ANO – ENSINO MÉDIO

DIREITOS DE APRENDIZAGEM

ATITUDES

• Reconhecimento da importância da preservação da saúde e do meio ambiente.


· Empenho em conhecer as várias formas em obter informações acerca dos conhecimentos biológicos.
• Consciência da ação humana ativa e passiva no meio ambiente.
• Interesse em desenvolver a criticidade, reflexão, a ação investigativa e o gosto pela pesquisa.
• Consciência da influência da interação biótica e abiótica no meio ambiente.
· Disponibilidade para trabalhar em grupo, respe itando a diversidade de opiniões.
• Respeito à diversidade genética (fenótipo e genótipo).
• Valorização dos conhecimentos tecnológicos no desenvolvimento de pesquisas genéticas.
· Criticidade ante os temas atuais como: transgenia, biotecnologia, terapia gênica, etc.
CIÊNCIAS DA NATUREZA
114

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS

• Compreender o impacto da Transmissão das


medicina, agricultura e farmacologia características hereditárias
• Julgar ações de intervenção, no aumento da expectativa de vida
identificando aquelas que visam à humana, na preservação da espécie e
preservação e à implementação da
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

manutenção de genótipos com


saúde individual, coletiva e do
funções biológicas alteradas e no • As bases da hereditariedade
ambiente.
processo evolutivo da espécie. • Descoberta dos cromossomos e
• das divisões celulares
Reconhecer os fundamentos • A descoberta da lei da segregação
da hereditariedade como • Bases celulares da segregação dos
forma de manutenção da vida fatores genéticos
e repasse do material genético. • Primeira Lei de Mendel
Evolução • Os conceitos de genótipo e
fenótipo
• Interação entre alelos de um
Identificar as mesmo gene
• Conhecer diferentes formas de se obter relações entre o • Variação na expressão dos genes
informações (observação, experimento, • Herança dos grupos sanguíneos
leitura de texto e imagem, entrevista),
conhecimento
científico e o • A base celular da segregação
selecionando aquelas pertinentes ao
tema biológico em estudo.
independente
desenvolvimento
• Interações de genes não
tecnológico,
alelos.
Reconhecer o ser humano como considerando a preservação da vida, as
agente e paciente de condições de vida e as concepções de
transformações intencionais por desenvolvimento sustentável
ele produzidas no seu ambiente. • Herança quantitativa
• Reconhecer que os seres vivos em • Teoria cromossômica da herança
um ecossistema, independentemente • Ligação gênica
• Mapeamento de cromossomos
CIÊNCIAS DA NATUREZA

115
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEITUAIS

de ser um lago, uma floresta, um • Herança de genes localizados em


campo ou um simples jardim, cromossomos sexuais
mantêm entre si múltiplas relações • Tipos de herança relacionada ao
de convivência indiferente ou de

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


sexo
ajuda mútua com alguns e de • Anomalias na espécie humana
conflito com outros, a ponto de
prejudicá-los ou de se prejudicar.
Organismos Geneticamente
Modificados
· Identificar diferentes
explicações sobre alguns • Biotecnologias
Evolução fatores – migração, • Nanotecnologias
mutações, seleção, deriva. Dinâmica dos ecossistemas:
relação entre os seres vivos
e interdependência com o
ambiente.

• Conceitos básicos em ecologia


• Fluxo de energia e níveis
• Ciclos biogeoquímicos
• Biomas terrestre e aquático
• O impacto da espécie humana
sobre a natureza
• Interferência humana em
ecossistemas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

4.6 Física Copérnico apresentou em 1543 sua teoria


heliocêntrica, o que representou uma
revolução na compreensão do Universo e
4.6.1 Caracterização do Com­
provocou uma nova Física. Galileu Galilei
ponente Curricular de Física inaugurou a Física que se conhece hoje e criou
o método científico em contraponto ao
A humanidade, inicialmente, método descritivo de Aristóteles, junto com
entendia os fenômenos naturais através de Kepler, Snell, Descartes, Pascal, Bartholin,
explicações como sendo sobrenaturais Boyle, Huygens, Hooke, Newton, Leibniz e
atribuídos aos deuses. Não existia uma tantos outros os quais contribuíram para o
explicação racional desses fenômenos. Os desenvolvimento teórico e experimental desta
gregos foram os primeiros a buscarem Ciência a partir do século XVII (ROSA, 2012). Já
explicações lógicas e racionais sobre os Isaac Newton unificou a Física da Terra e dos
fenômenos naturais a partir do século VI a.C. e Céus em seus estudos da gravitação
são considerados os criadores da ciência e os universal. No surgimento da termodinâmica e
iniciadores do espírito científico. Criaram a do eletromagnetismo, nos séculos XVIII e XIX,
filosofia natural com o objetivo de estudar e se destacaram James Prescott Joule, Rudolf
compreender a natureza (Rosa, 2012). Clausius, e Michael Faraday. Outro marco
Justamente os estudos dos fenômenos importante foi a segunda unificação da Física,
naturais, que em grego significa physiké, quando James Clerk Maxwell uniu a
deram origem ao termo physica em latim. A eletricidade e o magnetismo, contemplando
Física era conhecida como a Filosofia Natural e toda a óptica na teoria do eletromagnetismo
surgiu após a Matemática e a Astronomia com de Maxwel.
as partes da mecânica (estática e dinâmica), E quando todos pensavam que a
óptica e a acústica, e depois de muitos anos, o Física não teria mais nada a descobrir, ainda
eletromagnetismo e a termodinâmica. Por no século XIX, Max Planck, em seus estudos da
isso, se tornou junto com a Astronomia, radiação do corpo negro, introduziu o
academicamente, a disciplina mais antiga da conceito de quantum de energia. Em 1905,
humanidade. Albert Einstein apresentou a teoria da
O processo de construção da Física relatividade e a mecânica quântica, fato que a
como ciência ocorreu ao longo da história da tornou ainda mais a Ciência responsável por
humanidade (PCN+, 2001) a partir de alavancar as atuais tecnologias, reforçando a
contribuições de diversos filósofos, com atuação desse campo de conhecimento tão
destaque para Aristóteles, cujos relevante para o nosso cotidiano. Com toda
ensinamentos influenciaram o pensamento sua influência no mundo contemporâneo, a
da humanidade por vários anos sobre a Física tem seus espaços garantidos como
formação do Universo e que propôs algumas Ciência estabelecida, e como fonte de muitas
teorias como as dos quatros elementos aplicações tecnológicas que vêm
formadores das coisas e a teoria geocêntrica. modificando a sociedade até os dias atuais.
No olhar aristotélico, a Física se concentrava A inserção da Física como disciplina
na observação da natureza, com a escolar brasileira na educação básica, na
interpretação conceitual dos fenômenos não então chamada escola secundária, iniciou em
havendo a quantificação matemática e 1838 atendendo a uma solicitação da família
comprovação experimental deles. Nicolau real, regulamentando a nova escola da corte o

116 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

“Imperial Colégio de Pedro II”, que objetivava a estuda as ondas, a óptica que estuda os
obtenção de um ambiente intelectual para os fenômenos da luz, e a eletricidade e o
filhos dos nobres e funcionários da corte, magnetismo que são basicamente os
tornando­se padrão para outras escolas a responsáveis pela tecnologia atual.
serem criadas (Lorenz, 1986). A Física To d o s e s s e s c a m p o s d e
ensinada era muito próxima da matemática e conhecimentos da Física são relevantes no
com ênfase na transmissão e aquisição de nosso cotidiano, porém o que sempre ocorreu
conhecimentos fortemente ligados à tradição e ainda ocorre é a persistência da ideia de se
europeia. Ao final da década de 40, a ensinar a Física partindo da percepção de
disciplina de Física, bem como as outras aprender o modelo microscópico para ser
ciências, sofreram algumas alterações a partir capaz de entender o fato macroscópico
de 1946 com a criação do Instituto Brasileiro (MENEZES, 1977), o que irá promover um
de Educação, Ciência e Cultura (IBECC) que, na distanciamento das situações reais
década de 50, contribuiu com a construção de vivenciadas pelos estudantes. Dentro dessa
livros textos, equipamentos e material de ótica, o Ensino Médio, por um longo período,
apoio para atividades práticas de laboratório, teve como norte preparar o estudante para o
objetivando melhorar o ensino de ciências ingresso no ensino superior. O Ensino Médio
através da adoção do método experimental atual, ou seja, o novo Ensino Médio, desde a
(LORENZ e BARRA, 1986). promulgação da Lei de Diretrizes e Bases da
A partir da década de 50, surgem os Educação ­ LDB, em 1996, sofreu e ainda
projetos de ensino, que inicialmente foram sofrerá modificações e indica que consiste em
traduzidos de projetos americanos e ingleses uma etapa conclusiva da Educação Básica a
e posteriormente houve a produção de partir da qual desenvolverá competências e
projetos nacionais. Na década de 70 surgem habilidades para a cidadania, continuidade do
as primeiras teses de mestrados sobre o aprendizado e para o trabalho, “oferecendo
ensino de Física centradas nos projetos uma formação humana integral, evitando a
desenvolvidos anteriormente, o que orientação limitada da preparação para o
contribuiu de forma significativa para a vestibular...” (DCN, p. 155, 2011). Terrazan
inserção da Física como componente (1994) reforça a necessidade do ensino de
curricular da escola brasileira (PERNAMBUCO Física para a vida do estudante como um todo
e SILVA, 1985). e não apenas direcionada aos vestibulares:
A Física no ambiente escolar tem “A Física desenvolvida na escola
como objeto de estudo todos os fenômenos média deve permitir aos estudantes pensar e
naturais presentes no universo e é constituída interpretar o mundo que os cerca (...) Nesse
de uma linguagem própria, que de acordo com nível de escolaridade devemos estar
os PCN+ (2001), “faz uso de conceitos e formando um jovem, cidadão pleno,
terminologia bem definidos, além de suas consciente e sobretudo capaz de participação
formas de expressão que envolvem, muitas na sociedade. Sua formação deve ser o mais
vezes, tabelas, gráficos ou relações global possível, pois sua capacidade de
matemáticas”. Classicamente, a Física é intervenção na realidade em que está imerso
subdividida em campos de conhecimento, tem relação direta com sua capacidade de
como a mecânica que estuda os movimentos, leitura, de compreensão, de construção dessa
a termodinâmica que estuda a temperatura, mesma realidade.” (TERRAZAN, 1994, p. 39)
calor e suas relações, a ondulatória que Os PCN+, que apresentam

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 117
CIÊNCIAS DA NATUREZA

orientações complementares aos Parâmetros do conhecimento, como a Matemática e suas


Curriculares Nacionais, descrevem que a nova tecnologias, Linguagens e Códigos e Ciências
visão da Física para o Ensino Médio está Humanas.
“voltada para a formação de um cidadão Portanto, interessa que o estudante
contemporâneo, atuante e solidário, com aprenda a Física do seu cotidiano, explorando
instrumentos para compreender, intervir e os conceitos dos diversos fenômenos físicos e
participar na realidade”. Ainda reforça que a utilizando os recursos matemáticos nos
Física deve revelar­se “como um conjunto de momentos essenciais. Os PCN+ de Ciências
competências específicas que permitam d a N a t u re z a d e t a l h a m c o m m a i s
perceber e lidar com os fenômenos naturais e especificidade os instrumentos a serem
tecnológicos, presentes tanto no cotidiano utilizados pelo professor de Física, e
mais imediato quanto na compreensão do apresentam orientações complementares
universo distante, a partir de princípios, leis e aos Parâmetros Curriculares Nacionais,
modelos por ela construídos” e que seu informando os caminhos de aproximação
conhecimento seja “compreendido como um entre o que é proposto nas diretrizes
instrumento para a compreensão do mundo”. nacionais.
Dessa perspectiva, os PCN+ alertam Sugerimos ao professor de Física
para que os professores deixem de pensar em uma organização do conteúdo com cinco
“o que ensinar de Física” evoluindo a “para que eixos estruturadores: MOVIMENTOS E SUAS
ensinar Física”. Quando se privilegia “o que CAUSAS, CALOR E O AMBIENTE, SOM, LUZ E A
ensinar”, corre­se “...o risco de apresentar algo INFORMAÇÃO, ELETRICIDADE E MAGNETISMO,
abstrato e distante da realidade”, podendo MATÉRIA E RADIAÇÃO.
produzir no estudante um conhecimento não Apesar de o conteúdo estar
significativo para sua vida. E, se tomarmos estruturado por eixos, estes se assemelham
como referência o “para que”, estaremos muito com a organização clássica, justamente
“preparando o jovem para ser capaz de lidar para que as mudanças na forma de ensinar
com situações reais, crises de energia, sejam feitas com critério e cautela. Tais
problemas ambientais, manuais de aparelhos, orientações relativas a essas mudanças
concepções de universo, exames médicos, constam nas orientações metodológicas, o
notícias de jornal, e assim por diante”, que permitirá entender melhor essa estrutura.
favorecendo o desenvolvimento de Em todos os eixos sugeridos, a perspectiva é
competências que contribuem para o priorizar os estudos conceituais dos
enfrentamento de situações­problema do fenômenos físicos e utilizar o formalismo
cotidiano. matemático quando for estritamente
O ensino de Física nos tempos atuais necessário, com indicações mais específicas
deve privilegiar uma integração com os nas orientações metodológicas.
componentes curriculares de Biologia e A primeira série do Ensino Médio traz
Química, através da contextualização e uma revisão dos conceitos de movimentos
interdisciplinaridade, tendo em vista que os unidimensionais (propostos para serem
objetos de estudo são convergentes, trabalhados com detalhes em Ciências da
estabelecendo a área de Ciências da Natureza no 9º ano do Ensino Fundamental),
Natureza. Também essa relação deve ser os movimentos bidimensionais – como os que
estendida nos diversos eixos abordados com acontecem sob a ação da gravidade, circular,
os componentes curriculares das outras áreas planetário e dos satélites –, os estudos de

118 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

forças, quantidade de movimento, equilíbrio e estudados no eixo eletricidade e magnetismo,


desequilíbrio nos objetos, líquidos e gases, e e os conceitos básicos da física moderna são
os estudos de energia mecânica e sua abordados no eixo matéria e radiação. A
conservação, constituem­se nos conceitos seguir estão descriminados os
que devem ser priorizados. Na segunda série, conhecimentos de Física a partir das
os conceitos de temperatura e calor são competências a serem adquiridas pelos
abordados no eixo calor e ambiente, os estudantes conforme os eixos estruturadores,
fenômenos relacionados às ondas e à luz no bem como as habilidades e os conceitos a
eixo som, luz e informação. Na terceira série, serem estudados.
os fenômenos elétricos e magnéticos são

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 119
CIÊNCIAS DA NATUREZA
4.6.2 Organização do Conhecimento Escolar de Física
120

COMPONENTE CURRICULAR DE FÍSICA – 1º ANO DO ENSINO MÉDIO


DIREITOS DE APRENDIZAGEM
ATITUDES
◦ Uso dos conhecimentos adquiridos de forma responsável na defesa da qualidade de vida e dos direitos humanos.
◦ Exercício da cidadania com responsabilidade, avaliando os conhecimentos f ísicos e suas aplicações, levando em consideração implicações de ordem
econômica, social, ambiental ao lado de argumentos científicos, para tomar decisões a respeito de ações e comportamentos individuais e coletivos.
Percepção da interferência da Física no mundo natural e dedicação à defesa do ambiente e dos seres vivos.
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

◦ Disposição para o trabalho em grupo, respeitando as diversas opiniões e buscando o consenso.


◦ Empenho em desenvolver o espírito crítico, reflexivo e investigativo, o gosto pelo conheciment o e pela pesquisa.
◦ Interesse pela leitura, pela busca de informações em diversas fontes visando à aquisição e à construção de conhecimentos físicos.
◦ Disposição para utilizar o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise crítica , selecionando procedimentos experimentais e
verificando sua adequação no enfretamento de desafios e situações problemas relacionadas aos conteúdos da componente curricular de Física.
◦ Disposição para argumentação e debate de ideias, sempre respeitando opin iões divergentes e buscando o entendimento.

COM PETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
◦ Compreender a Física e as ◦ Reconhecer a relação da Física ◦ O que é Física.
tecnologias a ela associada como com a tecnologia e os impactos
◦ O Universo e sua origem:
criações humanas, entendendo das invenções do mundo.
MOVIMENTOS E SUAS concepções humanas.
sua importância na evolução da CAUSAS ◦ Reconhecer os diferentes
sociedade. ◦ Revisão dos Movimentos
modelos de universo ao longo da
Unidimensionais: uniforme,
◦ Articular o conhecimento físico e história das Ciências.
uniformemente Variado e outros
CIÊNCIAS DA NATUREZA

121
COM PETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEITUAIS
o de outras áreas no tipos.
◦ Reconhecer, observar,
enfrentamento de situações-
compreender e diferenciar os ◦ Movimentos Bidimensionais: sob
problema.
vários tipos de movimentos. ação da gravidade, circular,
◦ Compreender como funcionam MOVIMENTOS E SUAS planetário e dos satélites.
CAUSAS ◦ Reconhecer as leis do
os diversos equipamentos

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


movimento planetário e sua
tecnológicos utilizados para
relação com as regularidades do
avaliação de dados nos
universo.
fenômenos físicos.
◦ Reconhecer que os movimentos ◦ Força
◦ Ampliar o conhecimento relativo
são causados por interações.
aos movimentos e suas ◦ Inércia
condições impostas no cotidiano. ◦ Reconhecer as forças, suas
◦ Os tipos de forças: de atrito,
especificidades e influências no
◦ Perceber as diferentes interações peso, normal de contato, tração,
nosso cotidiano.
em situações de equilíbrio e centrípeta e a de atração
desequilíbrio nos objetos e ◦ Entender o conceito de torque. gravitacional entre corpos e
fluidos que ocorrem no planetas.
◦ Entender mecanismos de
cotidiano.
transmissão de movimentos nos ◦ As Leis de Newton
◦ Compreender as formas de MOVIMENTOS E SUAS motores.
◦ Quantidade de Movimento e
energia e suas transformações, CAUSAS
◦ Entender a presença e a ação da momento linear.
analisando de forma crítica a sua
gravidade no cotidiano.
influência na sociedade. ◦ Eixos de rotação, torque,
◦ Compreender as forças momento de inércia.
envolvidas entre os planetas e o
◦ Equilíbrio estático e dinâmico.
sistema planetário.
◦ Observar e analisar os
movimentos utilizando os
conceitos de forças, quantidade
de movimento e equilíbrio.
CIÊNCIAS DA NATUREZA
122

COM PETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
◦ Entender e explicar o conceito ◦ Hidrostática:
de pressão, densidade, empuxo e
- Densidade;
suas aplicações em situações-
problema no cotidiano. - Pressão;
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

◦ Calcular pressão, densidade, - Empuxo;


empuxo. - Princípios Fundamentais: Pascal,
◦ Conhecer o conceito de pressão Arquimedes e Stevin (flutuação,
hidrostática e o experimento de diferença de pressão e pressão
Torricelli. hidrostática).
MOVIME NTOS E SUAS
CAUSAS ◦ Calcular a pressão hidrostática.
◦ Compreender e aplicar os
Princípios de Arquimedes, de
Pascal e Stevin em modelos ou
situações reais.
◦ Observar e Estabelecer as
condições de situações de
equilíbrio no ar e na água.

◦ Identificar as diferentes formas e ◦ Trabalho em física


transformações de energia e
◦ Potência e Energia
trabalho.
MOVIMENTOS E SUAS ◦ Formas de Energia Mecânica:
◦ Relacionar a utilização da
CAUSAS Cinética e Potencial.
potencia com a energia.
◦ Conservação e dissipação de
◦ Reconhecer a conservação da
Energia
energia no cotidiano.
CIÊNCIAS DA NATUREZA

123
COMPONENTE CURRICULAR DE FÍSICA – 2º ANO DO ENSINO MÉDIO
DIREITOS DE APRENDIZAGEM
ATITUDES
◦ Uso dos conhecimentos adquiridos de forma responsável na defesa da qualidade de vida e dos direitos humanos.
◦ Exercício da cidadania com responsabilidade, avaliando os conhecimentos f ísicos e suas aplicações, levando em consideração implicações de ordem

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


econômica, social, ambiental ao lado de argumentos científicos, para tomar decisões a respeito de ações e comportamentos individuais e coletivos.
◦ Percepção da interferência da Física no mundo natural e dedicação à defesa do ambiente e dos seres vivos.
◦ Disposição para o trabalho em grupo, respeitando as diversas opiniões e buscando o consenso.
◦ Empenho em desenvolver o espírito crítico, reflexivo e investigativo, o gosto pelo conheciment o e pela pesquisa.
◦ Interesse pela leitura, pela busca de informações em diversas fontes visando à aquisição e construção de conhecimentos físico s.
◦ Disposição para utilizar o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise crítica, selecionando procedimentos experimentais e
verificando sua adequação no enfretamento de desafios e situações problemas relacionadas aos conteúdos da componente curricular de Física.
◦ Disposição para argumentação e debate de ideias, sempre respeitando opiniõ es divergentes e buscando o entendimento.

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS

◦ Saber diferenciar os conceitos de ◦ Temperatura


◦ Compreender a Física e as
temperatura e calor.
tecnologias a ela associada como
◦ Calor
criações humanas, entendendo
◦ Perceber as formas de
sua importância na evolução da CALOR E O AMBIENTE
transmissão de calor. ◦ Escalas termométricas
sociedade.
◦ Diferenciar os bons e maus ◦ Os processos de transmissão de
◦ Articular o conhecimento físico e calor: condução, convecção e
materiais condutores de calor
CIÊNCIAS DA NATUREZA
124

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
o de outras áreas no para melhor utilização destes no radiação.
enfrentamento de situações- dia a dia.
problema. ◦ O calor específico.
◦ Medir e calcular temperatura e
◦ Compreender como funcionam calor em situações cotidianas. ◦ A capacidade térmica.
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

os diversos equipamentos
tecnológicos utilizados para ◦ Identificar as fontes de energia ◦ Mudanças de estado físicos da
avaliação de dados nos relacionadas ao calor, tais como matéria.
fenômenos térmicos. energia solar e a lenha.
◦ Calor latente
◦ Compreender a importância do ◦ Reconhecer que o calor e seus
calor para a vida humana, processos são essenciais no ◦ Fenômenos físicos relacionados à
reconhecendo suas influências funcionamento de máquinas temperatura e calor no
nos fenômenos climáticos e nas térmicas presentes no nosso cotidiano, como por exemplos:
diferentes tecnologias CALOR E O AMBIENTE cotidiano como motores, Efeito Estufa, Aquecimento
produzidas. refrigeradores, fogões e etc... Global, Inversão Térmica,
Dilatação Térmica, Chuvas e
◦ Compreender e relacionar os ◦ Utilizar e instalar aparelhos em Ciclo da Água.
conceitos de ondas e suas ambientes para atenuar a ação
diferentes formas presentes na do calor e da temperatura. ◦ Estudos dos Gases: pressão,
natureza, seus efeitos na vida volume, temperatura, gases
humana e no meio. ◦ Perceber os processos que ideais, numero de moléculas e
envolvem temperatura e calor transformações térmicas.
nos diversos fenômenos
climáticos observados ◦ Leis da Termodinâmica: entropia
diariamente.
◦ Principio de Carnot
◦ Realizar leituras, interpretações
e construir resumos de textos ◦ Máquinas Térmicas
relativos às máquinas térmicas.
CIÊNCIAS DA NATUREZA

125
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEITUAIS
◦ Observar os modelos de ◦ Movimento Oscilatório e
movimento oscilatório e Vibratório.
vibratório para possíveis
◦ O que é uma onda?
utilizações no cotidiano.
◦ Características das ondas:

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


◦ Compreender o conceito de
onda, os elementos - Frequência
característicos e suas formas de - Período
propagação.
- Velocidade
◦ Visualizar os tipos de ondas e
suas presenças nos fenômenos - Comprimento de onda.
ondulatórios do cotidiano, ◦ Formas e os meios de
relacionando com as propagação das Ondas.
telecomunicações e ambiente.
SOM, LUZ E A INFORMAÇÃO ◦ Tipos de Ondas
◦ Compreender como os sons se
propagam em diferentes meios e ◦ Fenômenos Ondulatórios:
situações. - Reflexão
◦ Conhecer os conceitos e - Refração
fenômenos que são importantes
no estudo do som. - Difração.
◦ Relacionar os conceitos e ◦ Ondas Sonoras
fenômenos do som com os ◦ Qualidades fisiológicas de uma
limites e cuidados com a nossa onda sonora.
audição.
◦ Sons musicais:
◦ Entender os conceitos que
qualificam uma onda sonora. - Notas musicais

◦ Conhecer os princípios que - Timbre


CIÊNCIAS DA NATUREZA
126

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
norteiam a tecnologia presente
- Ressonância
nos instrumentos musicais.
- Efeito Doppler-Fizeau.
◦ Entender a natureza da luz. ◦ O que é luz?
◦ Compreender como são ◦ Princípios de Propagação da Luz
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

formadas as sombras, penumbras


◦ Reflexão da Luz
e eclipses.
◦ O que são espelhos?
◦ Compreender a formação de
imagens nos espelhos e lentes, ◦ Os Espelhos Planos e Esféricos
bem como ampliação e redução ◦ Refração da Luz
destas e sua utilização em
questões de segurança. ◦ O que são Lentes Esféricas?
◦ Entender como os objetos são ◦ Instrumentos Ópticos
enxergados. ◦ Óptica Ondulatória
SOM, LUZ E A INFORMAÇÃO ◦ Compreender a formação das ◦ Polarização
cores.
◦ Interferência
◦ Entender o porquê das imagens
distorcidas em ambiente ◦ Difração da Luz
diferentes do ar, como por ◦ Emissão e absorção de Luz e as
exemplo, a água. cores.
◦ Compreender o que são e como
funcionam as fibras ópticas.
◦ Explicar a formação das cores e
do arco-íris.
◦ Entender como a união de lentes
podem gerar imagens.
CIÊNCIAS DA NATUREZA

127
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEITUAIS
◦ Compreender o funcionamento
dos instrumentos ópticos no
nosso cotidiano.
◦ Compreender a visão humana,

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


sua estrutura, seu
funcionamento, seus defeitos e
suas relações com os
dispositivos tecnológicos ligados
diretamente a ela.
◦ Compreender o espectro
magnético presente no nosso
cotidiano como as ondas de
SOM, LUZ E A INFORMAÇÃO rádio e TV, micro ondas,
radiação ultravioleta, raios X e a
luz visível.
◦ Explicar os fenômenos
luminosos como difração,
interferência e polarização.
◦ Entender e utilizar de forma
adequada as diferentes formas de
gravar e reproduzir os sons e
imagens.
◦ Entender os processos de
transmissão de informação
através do som e das imagens
por antenas, satélites, cabos e
fibra ópticas, compreendendo
CIÊNCIAS DA NATUREZA
128

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
seus impactos sociais,
econômicos ou culturais.

SOM, LUZ E A INFORMAÇÃO ◦ Compreender a luz como fótons


e a dualidade onda-partícula e
seu entendimento aplicado na
tecnologia atual.
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

129
COMPONENTE CURRICULAR DE FÍSICA – 3º ANO DO ENSINO MÉDIO
DIREITOS DE APRENDIZAGEM
ATITUDES
◦ Uso dos conhecimentos adquiridos de forma responsável na defesa da qualidade de vida e dos direitos humanos.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


◦ Exercício da cidadania com responsabilidade, avaliando os conhecimentos físicos e suas aplicações, levando em consideração im plicações de ordem
econômica, social, ambiental ao lado de argumentos científicos, para tomar decisões a respeito de ações e comportamentos individuais e coletivos.
◦ Percepção da interferência da Física no mundo natural e dedicação à defesa do ambiente e dos seres vivos.
◦ Disposição para o trabalho em grupo, respeitando as diversas op iniões e buscando o consenso.
◦ Empenho em desenvolver o espírito crítico, reflexivo e investigativo, o gosto pelo conhecimento e pela pesquisa.
◦ Interesse pela leitura, pela busca de informações em diversas fontes visando à aquisição e construção de conhec imentos físicos.
◦ Disposição para utilizar o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise crítica, selecionando proce dimentos experimentais e
verificando sua adequação no enfretamento de desafios e situações problemas relacionadas aos conteúdos da componente curricular de Física.
◦ Disposição para argumentação e debate de ideias, sempre respeitando opiniões divergentes e buscando o entendimento.

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
◦ Compreender a Física e as ◦ Compreender os fenômenos ◦ Fenômenos elétricos da
tecnologias a ela associada como elétricos como raios, relâmpagos Natureza: Raios, Relâmpagos e
criações humanas, entendendo e trovões. Trovões.
sua importância na evolução da ELETRICIDADE E
MAGNETISMO ◦ Entender a ocorrência de ◦ Carga Elétrica
sociedade.
choques elétricos e como evitá-
◦ Processos de eletrização
◦ Articular o conhecimento físico e los na utilização de materiais
o de outras áreas no condutores ou não. ◦ Força Elétrica
CIÊNCIAS DA NATUREZA
130

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
enfrentamento de situações-
◦ Entender como se dá a interação ◦ Campo Elétrico
problema.
à distância devido a presença de
◦ Potencial Elétrico
◦ Compreender os fenômenos cargas elétricas.
elétricos e magnéticos, suas ◦ Corrente Elétrica.
◦ Compreender a existência da
ações no meio, seus efeitos, as
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

força elétrica no cotidiano. ◦ Tensão.


tecnologias e as influências na
vida dos sujeitos oriundos de ◦ Descobrir o comportamento das ◦ Resistores e suas associações.
suas aplicações. cargas elétricas em diferentes ◦ Tensão
superfícies.
◦ Utilizar racionalmente o uso da ◦ Potência Elétrica
energia elétrica nas indústrias e ◦ Compreender o conceito de
residências, avaliando os seus potencial elétrico presente em ◦ Geradores
impactos sobre a vida econômica residências e indústrias nos ◦ Receptores
e social da sociedade. ELETRICIDADE E equipamentos e tomadas.
MAGNETISMO ◦ Capacitores.
◦ Compreender o comportamento
de cargas elétricas em materiais, ◦ O que é um imã?
conhecendo algumas aplicações ◦ Campo magnético
práticas.
◦ Força magnética
◦ Entender como funcionam os
equipamentos elétricos. ◦ Indução eletromagnética;
◦ Contribuir para a economia ◦ Motores Elétricos
doméstica, calculando o ◦ Aparelhos Elétricos (medidas e
consumo elétrico residencial. cálculo de consumo de energia
◦ Entender os princípios que os elétrica)
eletrodomésticos funcionam, ◦ Produção e consumo de energia
visualizando as diversas elétrica
transformações de energia de
um tipo em outra.
CIÊNCIAS DA NATUREZA

131
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEITUAIS
◦ Conhecer os diversos tipos de
associação de resistores
visualizando suas utilizações nos
circuitos elétricos.
◦ Conhecer como são feitos os

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


circuitos residenciais, seus
funcionamentos e como evitar
acidentes.
◦ Entender como funcionam os
geradores e receptores e suas
utilizações no cotidiano.
◦ Entender como se pode
ELETRICIDADE E
armazenar energia elétrica
MAGNETISMO
através de capacitores e seu
funcionamento em diversos
aparelhos elétricos e eletrônicos
no cotidiano e na medicina.
◦ Entender como se dá a interação
à distância devido aos ímãs.
◦ Compreender o funcionamento
e as possibilidades da utilização
dos ímãs no desenvolvimento
tecnológico durante toda a
humanidade e atualmente.
◦ Utilizar as bússolas e
compreender sua importância no
desenvolvimento tecnológico.
CIÊNCIAS DA NATUREZA
132

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
◦ Compreender a interação
magnética.
◦ Conhecer o funcionamento do
motor elétrico.
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

◦ Compreender que a força


magnética rege mecanismos
importantes para as ciências
como aceleradores de partículas,
formação de imagens de TV.
◦ Explicar os fenômenos das
auroras boreais e austrais.
ELETRICIDADE E
◦ Compreender o funcionamento
MAGNETISMO
de dínamos e turbinas que
transformam energia mecânica
em elétricas.
◦ Entender o funcionamento dos
transformadores.
◦ Entender a influência do
eletromagnetismo para a
revolução das comunicações e
no funcionamento de aparelhos
como raios X, micro-ondas,
radares e outros equipamentos.
◦ Compreender as formas de
energia disponíveis e suas
aplicações na vida moderna.
CIÊNCIAS DA NATUREZA

133
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEITUAIS
◦ Modelos atômicos
◦ Compreender que tudo é ◦ Explicar como os objetos são ◦ Partículas elementares
formado por matéria e como é formados.
constituída, entendendo os ◦ Organização dos átomos e
◦ Compreender as novas moléculas da matéria
processos de organização.
interpretações dos conceitos
◦ Observar os processos físicos oriundos da física ◦ Diferentes tipos de radiações
radioativos presente no moderna ◦ Processos de interação das
cotidiano, explicando-os e radiações

saogalA ed odatsE od onisnE ed laudatsE edeR ad acisáB oãçacudE ad ralucirruC laicnerefeR


◦ Compreender a constituição e
avaliando os efeitos biológicos e
função dos semicondutores, ◦ Estudo dos efeitos biológicos da
ambientais em seu cotidiano.
conhecendo parte da tecnologia radiação
◦ Identificar e utilizar MATÉRIA E RADIAÇÃO que deu origem a alguns
equipamentos eletrônicos que componentes eletrônicos. ◦ Energia Nuclear
contém semicondutores, ◦ Transformações Nucleares
◦ Conhecer e compreender as
compreendendo como se dá o
partículas elementares a fim de ◦ Radiação ionizante e não
processamento de informação.
enriquecer o conhecimento dos ionizante
componentes dos átomos.
◦ Semicondutores: transistores,
◦ Intervir na sociedade através de ◦ Entender o que é radioatividade circuitos integrados e chips.
análises sobre o impacto social e e suas aplicações, favorecendo
econômico dos equipamentos de uma avaliação consciente do uso ◦ Elementos constituintes da
informática na sociedade atual. da tecnologia nuclear. microinformática.
◦ Nanotecnologia.
CIÊNCIAS DA NATUREZA CIÊNCIAS DA NATUREZA

4.7. Química as primeiras noções do átomo e com teorias


sobre a composição da matéria. Uma destas
teorias defendia que toda matéria advém de
4.7.1.Caracterização do Com­
quatro elementos: Água, Fogo, Ar e Terra, e que
ponente Curricular de Química vigorou durante muitos anos. Estes filósofos
buscavam o conhecimento “puro”, sem
Breve Histórico da Química interesse técnico. Alguns historiadores
afirmam que os gregos “ensinaram os homens
Fundamentos histórico­filosóficos a pensar”. (CHASSOT, 2004). Mas sabe­se
da Química hoje que a história das Ciências está ligada ao
A História da Química está desenvolvimento de muitos povos entre eles
diretamente ligada ao desenvolvimento dos os egípcios, mesopotâmios, fenícios, hebreus,
seres humanos e à busca pela compreensão e hindus, chineses, japoneses, romanos etc.
descrição do mundo real, tanto o natural como Com o desenvolvimento de
o construído através de tantas modificações experimentos, surgiu a Alquimia carregada de
provocadas pelas atividades da humanidade, movimentos espirituais, esotéricos, místicos e
visto que esta Ciência estuda a constituição da secretos, a busca pela imortalidade (elixir da
matéria, as transformações e as explicações longa vida) e da riqueza (transmutação de
propostas ao longo dos tempos através de metais em ouro). Para realizar seus
teorias e leis. A Química está presente em experimentos, os alquimistas projetaram
todas as etapas do desenvolvimento das diversos aparelhos como fornos, vasos e
civilizações, partindo das primeiras vidrarias, tubulações, balanças criando assim
necessidades dos grupos humanos, tais como os primeiros laboratórios e contribuindo para
o domínio e utilização do fogo como fonte de o avanço científico.
luz e calor e, posteriormente, o cozimento de N a I d a d e M é d i a , g ra ç a s a o
alimentos necessários à sobrevivência. A Absolutismo e ao poder da Igreja, a Ciência
utilização do fogo também permitiu a criação evoluiu com dificuldade tendo sido mais
de um conjunto de objetos feitos de cerâmica próspera no Oriente. No entanto, no final do
e possibilitou o desenvolvimento da primeiro milênio, a civilização ocidental criou
metalurgia, que consiste na transformação de as primeiras Universidades, instituições que
minérios em metais (bronze, aço, latão etc.), até hoje são grandes produtoras e difusoras
técnicas que resultaram na fabricação de do conhecimento.
tantos objetos e artefatos decisivos para a Os séculos XVII e XVIII trouxeram
história da humanidade. Da Pré­história à novas técnicas e análises baseadas em
Antiguidade, os conhecimentos da química e x p e r i m e n t a ç õ e s , a rg u m e n t a ç õ e s ,
foram advindos da prática e da necessidade e discussões, e com isso o desenvolvimento da
transmitidos oralmente através de gerações. química dos medicamentos e o estudo da
Processos como tingimento de tecidos, chamada química pneumática (estudo dos
fermentação de bebidas, curtição do couro e gases), realizado por diversos cientistas como
tantos outros, que foram aperfeiçoados e são Boyle, Priestley, Cavendish etc. Com todas
utilizados até hoje. estas pesquisas associadas ao rigor
Filósofos gregos como Leucipo, metodológico de Lavoisier, definiu­se um
Demócrito, Thales, Empédocles, Platão, novo saber, que passou a ser conhecido como
Aristóteles e tantos outros contribuíram com Química, e que foi dividido em diferentes

134 Referencial Curricular da Educação


Referencial
Básica
Curricular
da RededaEstadual
Educação
de Ensino
Básica do
da Estado
Rede Estadual
de Alagoas
de Ensino do Estado de Alagoas 69
CIÊNCIAS DA NATUREZA

ramificações procedimentais, dentre elas: Com seu cérebro singular, pensa, observa,
alquimia, boticários, iatroquímica e estudo planeja, cria, elabora, modifica suas ideias,
dos gases (PARANÁ, 2008). explica, registra, reflete, ensina a seus
No século XIX, houve um avanço descendentes. A Química e seus
considerável e se formou um apanhado conhecimentos científicos e tecnológicos são
teórico de explicações sobre átomos e frutos de toda essa inquietação (PIATTI e
moléculas, composição e características das RODRIGUES, 2005). Dada a importância
substâncias, com a contribuição dos estudos destes conhecimentos e das substâncias e
realizados por Dalton, Avogadro, Berzelius, produtos desenvolvidos a partir deles,
Proust, entre outros. Foi nesse cenário que a presentes nos mais variados setores da
Química ascendeu ao fórum das Ciências. O economia e da vida em sociedade, tornou­se
avanço de seus conhecimentos estava necessário a introdução do estudo da
vinculado às investigações da estrutura da Química nas escolas da Educação Básica.
matéria, estudos estes partilhados com a O ensino das Ciências da Natureza, e
física, que buscava entender as forças em especial de Química, tem por objetivo
internas que regem a formação da matéria contribuir para a construção de uma
(PARANÁ, 2008). representação racional e coerente do mundo,
Antoine Lavoisier ficou conhecido através dos conhecimentos adquiridos ao
como pai da química com a publicação em longo dos tempos sobre as leis e teorias que
1789 de um livro intitulado "Traité Élémentaire buscam explicá­lo, para a aquisição de uma
de Chimie", obra esta considerada por muitos cultura científica e tecnológica (BRASIL,
um marco do nascimento da química moderna 1998). Segundo FREIRE­MAIA (2000), a Ciência
(CHASSOT, 2004). Lavoisier propôs uma como disciplina é o conjunto de descrições,
nomenclatura universal para os compostos interpretações, leis, teorias, modelos, etc. que
químicos, que foi aceita internacionalmente. visa ao conhecimento de uma parcela da
A Química experimentou grande realidade e que resultou da aplicação de uma
desenvolvimento teórico e metodológico metodologia especial, chamada metodologia
durante o século XX, especialmente pelo científica.
estabelecimento da mecânica quântica, Esta aprendizagem é fundamental
métodos espectroscópicos e metodologias para a compreensão do meio em que se vive,
de síntese orgânica, que impulsionaram o próximo ou longínquo, das modificações que
descobrimento de novos fármacos, novos este meio sofre, sejam elas naturais ou
materiais, provocando mudanças profundas p ro m o v i d a s p e l o s s e re s h u m a n o s ,
no modo de vida das pessoas. Segundo PETER contribuindo para o entendimento do
ATKINS (1987) na virada do século XX, físicos, verdadeiro lugar que os indivíduos ocupam
químicos e biólogos colaboraram num esforço neste meio e as responsabilidades
excepcional para revelar a identidade das decorrentes deste conhecimento.
moléculas, principalmente através da A legislação brasileira atual
espectroscopia, cristalografia de raios X e da determina componentes curriculares que são
microscopia eletrônica, o que levou ao que se obrigatórios e que, portanto devem ser
buscou durante tanto tempo: imagens de tratados em uma ou mais das áreas de
moléculas e átomos individuais. conhecimento para compor os currículos das
Durante sua longa caminhada o ser escolas de ensino básico (BRASIL, 2012).
humano vem modificando o meio em que vive. Dentre estes componentes definidos pelas

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 135
CIÊNCIAS DA NATUREZA

novas Diretrizes estão os conhecimentos formação de cientistas em cursos


sobre o mundo físico e natural, mais universitários. Nesta época ainda se
especificamente a Física, a Biologia e a valorizava mais o Latim que as disciplinas
Química, chamadas de Ciências da Natureza, científicas. A Química enquanto disciplina só
e que fazem parte da base nacional comum, aparecia no curso ginasial. De 1960 a 1970 foi
visando promover a compreensão da natureza a época mais intensa da chamada guerra fria,
em seus aspectos mais gerais e fundamentais período marcado por grandes transformações
juntamente com as Ciências da Terra e politicas e sociais e como consequência deste
Astronomia, em todo o Ensino Fundamental e movimento cultural ocorreu uma significativa
nos três anos do Ensino Médio. mudança na estrutura do currículo do ensino
Nem sempre foi assim. No Brasil, a de ciências. O ensino foi caracterizado pelo
química se tornou uma disciplina em uma série uso do método científico visando promover a
de instituições somente após a chegada da formação de cidadãos e não se restringindo
corte portuguesa ao país em 1808. A primeira mais à formação de futuros cientistas. Nessa
destas disciplinas foi ministrada em cursos década os projetos curriculares inspirados em
existentes na Real Academia Militar, no Rio de outros países atingiram seu auge. O método
Janeiro criada pelo príncipe regente João VI de científico positivista de ensinar ciências por
Portugal, sendo que a disciplina de Química meio da descoberta e redescoberta tomou
no ensino secundário no Brasil foi implantada força, sob influência dos programas norte­
em 1862, passando a ser ministrada de forma a m e r i c a n o s , c o m a i n t ro d u ç ã o d e
regular somente em 1931, com a Reforma experimentos com o objetivo de preparar o
educacional Francisco Campos. Esta reforma estudante para ser cientista. Com o
indicava que os objetivos do ensino de surgimento dos Centros de Ciências, foi
Química seria proporcionar aos estudantes o desenvolvida uma gama de materiais
conhecimento da composição e da estrutura educativos. Com a LDB nº 4024 de 1961, a
íntima dos corpos, das propriedades que delas carga horária das disciplinas científicas
decorrem e das leis que regem as suas aumentou. O cenário era de dominação
transformações, orientando­o por raciocínio científico­cultural norte­americana, ênfase no
lógico e científico de valor educativo e ensino experimental e focando temáticas do
coordenando­o pelo interesse imediato da estudo atômico­molecular.
utilidade, e com as aplicações da vida A reestruturação política do país e o
quotidiana (MACEDO e LOPES, 2002). golpe militar provocaram novas mudanças no
Segundo KRASILCHIK (1987), nas três sistema educacional brasileiro. A LDB nº 5692
últimas décadas do século XX, o ensino das de 1971 passou a valorizar a formação de mão
disciplinas científicas emerge como campo de de obra qualificada. O período de 1970 a 1980
conhecimento e passa a ser incentivado por trouxe um interesse maior pelas questões
instituições acadêmicas e outros órgãos. Esta ambientais além de incentivar a discussão e as
autora fez um levantamento da evolução implicações sociais do desenvolvimento
deste ensino nessas décadas destacando científico. Foi dado maior foco à importância
inúmeros aspectos. O período de 1950 a 1960 dos valores e ao reconhecimento da não
foi fortemente marcado pela segunda guerra neutralidade das Ciências. Com o passar dos
mundial. A industrialização e a corrida tempos, os currículos ficaram atravancados
espacial que se seguiram influenciaram os de disciplinas chamadas instrumentais ou
currículos escolares, direcionando­os para a profissionalizantes prejudicando assim o

136 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

tratamento adequado das disciplinas social e seus processos produtivos. As


científicas. Na década de 1970 vários práticas escolares devem garantir a
cientistas e educadores trouxeram novas permanência e o sucesso no processo de
ideias, com predominância das contribuições aprendizagem, constituição da cidadania,
de Piaget que tem como princípio a construção uma formação integral que possibilite o
do conhecimento pelo sujeito e pressupõe, do acesso a conhecimentos científicos, mas
ponto de vista pedagógico, instigá­lo a também promova a reflexão crítica sobre o
relacionar as suas próprias concepções com mundo.
os conceitos científicos. Nos anos 80 Fundamentos teórico­metodoló­
destacam­se os estudos de Vygostky e Wallon gicos da Química
cuja matriz epistemológica é fundada no Segundo o relatório da UNESCO
materialismo histórico e dialético e que (DELORS, 1999), se é verdade que cada um
marcaram os currículos de Ciências (PARANÁ, deve utilizar todas as possibilidades de
2008). aprender e se aperfeiçoar, também é verdade
Em 1996 uma nova Lei de Diretrizes e que para estar apto a utilizar corretamente
Bases da Educação, nº 9.394/96 determinou estas potencialidades, o indivíduo deve estar
que a função do Ensino Médio fosse a na posse de todos os elementos de uma
consolidação dos conhecimentos e a educação básica de qualidade. Para isso,
preparação para o trabalho e para a nada ainda pode substituir o sistema formal de
cidadania. Esse aprendizado inclui a educação, que inicia as pessoas nos vários
formação ética, a autonomia intelectual e a domínios das disciplinas e o diálogo entre
compreensão dos fundamentos científico­ professor e estudante. Embora as rápidas
tecnológicos dos processos produtivos. transformações por que passa o mundo
Surgem diversos documentos oficiais como as exijam o conceito de educação ao longo de
Diretrizes Curriculares Nacionais, os toda a vida, é fundamental que o indivíduo
Parâmetros Curriculares Nacionais e várias tenha uma educação inicial sólida.
orientações divulgadas pelo Ministério da A Educação Básica deve propiciar ao
Educação além de diversos instrumentos de cidadão a compreensão do essencial da
avaliação. Estes documentos foram atividade científica, conhecimentos básicos
alicerçados nas pesquisas feitas em âmbito sobre seu corpo e sobre o meio que vive
nacional nas escolas, universidades, centros (BRASIL, 2000). O mundo atual tem produzido
de ciências etc. e que formam um significativo uma série de inovações tecnológicas que vêm
acervo de informações e conhecimentos transformando a vida cotidiana das pessoas.
sobre o que acontece na área do ensino das A economia global é atualmente muito
várias disciplinas científicas (KRASILCHIK, dependente da tecnologia e esta passou a ser
2000). indispensável e onipresente. Com o aumento
As novas Diretrizes Curriculares da da utilização e dependência da tecnologia,
Educação Básica, publicadas em 2013, indivíduos, comunidades e países tomam
afirmam que a Educação Básica deve decisões, e enfrentam as consequências
possibilitar às crianças, adolescentes, jovens destas decisões, cada vez mais baseadas em
e a d u l t o s t ra b a l h a d o re s a c e s s o a conceitos científicos (UFAL, 2007).
conhecimentos que permitam a compreensão As mudanças no Ensino de Química
das diferentes formas de explicar o mundo, propostas por pesquisadores que se
seus fenômenos naturais, sua organização debruçaram sobre esta questão, muitas delas

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 137
CIÊNCIAS DA NATUREZA

registradas em documentos oficiais, são U m a g ra n d e d i f i c u l d a d e n a


importantes e podem revolucionar o ensino aprendizagem de Química é a realização de
dessa disciplina. Para que estas mudanças se experimentação, que é um importante suporte
concretizem faz­se necessário uma melhor para a compreensão de conceitos desta
formação inicial e continuada dos Ciência. A realização de experimentos é
professores, que devem estar preparados para fundamental para a compreensão dos
fazer uso de diversos materiais e recursos fenômenos químicos e deve ser priorizada,
didáticos, e ser capazes de realizar avaliações embora o trabalho de laboratório, seja ele de
coerentes e significativas. que natureza for (demonstração, experiência
Apesar dos esforços em elaborar direta ou relato de experimentos), deve ser
novas propostas para o ensino de Química, acompanhado de reflexões sobre os
este ainda continua sendo baseado conceitos envolvidos, sob o risco de servir
principalmente no cumprimento de um apenas para desenvolver habilidades de
conteúdo programático longo e exaustivo, no manipulação ou de tornar as aulas mais
qual se enfatiza a memorização, com prejuízo estimulantes e menos cansativas. O professor
na compreensão dos fenômenos químicos. deve fazer uso do trabalho experimental para,
Desta forma, a Química vem sendo além de motivar seus estudantes, criar
considerada pelos estudantes uma disciplina oportunidades nas quais eles possam
de difícil compreensão. O ensino de Química manifestar o que sabe sobre conceitos já
no Brasil, e em especial em Alagoas, ainda é conhecidos, explorá­los e reconstruí­los, o
bastante tradicional. Ele enfoca a explicação que favorecerá o processo de aprendizagem.
dos fenômenos químicos centrados na Os objetivos principais do ensino
interpretação no nível microscópio, em experimental são: aprender a respeito da
detrimento do nível macroscópico, com o qual natureza da Ciência e Tecnologia; adquirir
os estudantes teriam uma compreensão habilidades ou instrumentos cognitivos
alternativa e complementar, o que facilitaria a relacionados aos processos básicos das
relação destes fenômenos com seu dia­a­dia. Ciências; aprender os principais conceitos e
Este ensino prioriza a memorização de princípios científicos; desenvolver interesses,
informações, fórmulas, nomes e regras (UFAL, atitudes e valores (BRASIL, 2002).
2007). O s Pa r â m e t ro s C u r r i c u l a re s
Com as alterações que vêm sendo Nacionais publicados em 1998 foram
propostas pelos pesquisadores do Ensino de apresentados como documento para as
Química, espera­se que o estudante da escola reformulações curriculares que deveriam
b á s i c a a l é m d e c o m p re e n d e r a s ocorrer nos estados brasileiros e recomenda a
transformações químicas que ocorrem nos busca pelo significado do conhecimento
processos naturais e tecnológicos e perceber escolar, pela contextualização dos conteúdos
o papel importante que elas representam na e pela interdisciplinaridade, a fim de evitar a
sociedade moderna, usem os conhecimentos compartimentação do conhecimento
aprendidos para pensar e se posicionar (BRASIL,1998).
criticamente acerca das questões da Segundo MORTIMER (2000), o ensino
atualidade atendendo aos princípios éticos e de Química deve estar fundamentado na
percebendo os benefícios, mas também as exploração de três temas fundamentais:
desvantagens e limitações (ROSA e ROSSI, propriedades, constituição e transformações
2008). das substâncias e materiais. Os Parâmetros

138 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

Curriculares Nacionais destacam os modelos estudante desenvolva a capacidade de


explicativos para estes temas e que eles devem aprender, de pesquisar e de buscar e
ser tratados de forma contextualizada e (re)construir conhecimentos (BRASIL, 2012).
interdisciplinar de modo a promover uma série Portanto, os professores devem
de competências, habilidades e atitudes investir em metodologias de ensino
relacionadas à investigação e compreensão, inovadoras, evitando aquelas usadas nas
contextualização sócio­cultural e salas de aula mais tradicionais, oferecendo
representação e comunicação (BRASIL, assim aos estudantes oportunidades de uma
1998). atuação mais ativa, interessada e
Mais do que o acúmulo de comprometida com a aprendizagem, que
informações e conhecimentos, deve­se incluir incluam não só conhecimentos, mas, também,
no currículo um conjunto de conceitos e sua contextualização, experimentação,
categorias básicas. Evitar um currículo vivências e convivência em tempos e espaços
enciclopédico, repleto de informações, escolares e extraescolares, mediante aulas e
formado por disciplinas isoladas, com situações diversas, tais como visitas técnicas,
fronteiras demarcadas e preservadas, sem entrevistas etc.
relações entre si (BRASIL, 2012). O ensino de Química deve contribuir
Segundo as novas Diretrizes para formação ética dos estudantes,
Curriculares Nacionais para a Educação procurando desenvolver atitudes de
Básica, junto à integração de saberes confiança na capacidade de cada um e na
significativos, deve­se evitar a prática, ainda construção de conhecimentos em um
frequente, de um número excessivo de trabalho conjunto professor/estudantes. A
componentes em cada tempo de organização realização de atividades em grupo incentivará
do curso, gerando não só fragmentação como o respeito pela opinião e modo de ser e pensar
o seu congestionamento. Além de uma dos colegas, promovendo o diálogo, a
seleção criteriosa de saberes, em termos de interação e a troca de conhecimentos,
quantidade, pertinência e relevância, e de sua fazendo com que os estudantes percebam a
equilibrada distribuição ao longo dos tempos dependência das pessoas, umas em relação
de organização escolar, vale possibilitar ao às outras.
estudante as condições para o Aprender a enxergar o mundo com os
desenvolvimento da capacidade de busca olhos da Química é abrir novas perspectivas e
autônoma do conhecimento e formas de oportunidades que contribuem para a efetiva
garantir sua apropriação. Isso significa ter participação no mundo contemporâneo e
acesso a diversas fontes, de condições para para cidadania. Como aprender Química sem
buscar e analisar novas referências e novos abordar os diferentes materiais e substâncias
conhecimentos, de adquirir as habilidades criadas artificialmente pelo homem e que se
necessárias à utilização adequada das novas encontram nas prateleiras dos
tecnologias da informação e da comunicação, supermercados? Que substâncias preparadas
assim como de dominar procedimentos artificialmente prejudicam nossa saúde? De
básicos de investigação e de produção de que maneira as indústrias químicas vêm
conhecimentos científicos. É precisamente no afetando o meio ambiente, a oferta de
aprender a aprender que deve se centrar o trabalho, o consumo? Como os
esforço da ação pedagógica, para que, mais conhecimentos da Química podem ajudar a
que acumular informação sobre conteúdos, o resolver as diferentes questões que afligem o

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 139
CIÊNCIAS DA NATUREZA

mundo, como a escassez de alimentos e a devem ser trabalhados, pois são a base de
necessidade de mais energia? São tantas todo conhecimento químico (vale lembrar que
questões como essas que podem e devem ser muitos conceitos fundamentais e o estudo da
abordadas nas salas de aula. Tabela Periódica são abordados no nono ano
A Química exerce um papel do Ensino Fundamental, cabendo ao
preponderante na sociedade industrializada e professor, através de uma avaliação do nível
globalizada atual. Compreendê­la pode de conhecimentos dos alunos, promover ou
ajudar o cidadão a participar mais e influenciar não aulas de revisão sobre os assuntos
nas decisões políticas. Neste Referencial anteriormente trabalhados). No segundo ano,
Curricular para o Ensino Médio, os conteúdos os constituintes da hidrosfera e atmosfera
foram organizados a partir das atitudes, devem ser abordados e se aprofunda o estudo
competências e habilidades a serem das transformações químicas em aspectos
desenvolvidas em torno de eixos temáticos. cinéticos, de equilíbrio e energéticos.
Dando sequência ao estudo da Química já Finalmente no terceiro ano são abordadas as
iniciado no Ensino Fundamental, relações entre Química e Energia com os
principalmente no nono ano (ver Referencial temas, Eletroquímica e Radioatividade, e a
Curricular para o Ensino Fundamental), para o Química Orgânica. O quadro exposto abaixo
primeiro ano do Ensino Médio são sugeridos traz as atitudes, competências e habilidades
conceitos básicos sobre as substâncias sugeridas para as diferentes etapas de ensino,
químicas, sua constituição e classificação, e associadas aos conteúdos específicos do
sobre as interações químicas. Estes conceitos componente curricular.

140 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

141
4.7.2 Organização do Conhecimento Escolar de Química
COMPONENTE CURRICULAR DE QUÍMICA – 1º ANO – ENSINO MÉDIO
DIREITOS DE APRENDIZAGEM
ATITUDES
◦ Exercício da cidadania com responsabilidade, avaliando os conhecimentos químicos, suas aplicações e interferência no mundo na tural, levando em
consideração implicações de ordem econômica, social, ambiental ao lado de argumentos científicos, para tomar decisões a respeito de ações e

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


comportamentos individuais e coletivos.

◦ Reconhecimento das responsabilidades sociais decorrentes da aquisição de conhecimentos científicos, especialmente no que concerne à introdução
da enorme gama de produtos químicos, atentando para a defesa da qualidade de vida e direitos do consumidor.

◦ Uso dos conhecimentos adquiridos de forma responsável na defesa do ambiente, dos seres vivos e d os direitos humanos.

◦ Empenho em desenvolver o espírito crítico, reflexivo e investigativo, o gosto pelo conhecimento e pela pesquisa.

◦ Disposição para o trabalho em grupo, argumentação e debate de ideias, com respeito às diversas opiniões e buscando consens os.

◦ Interesse pela leitura, pela busca de informações em diversas fontes visando à aquisição e construção de conhecimentos.

◦ Disposição para resolver situações-problemas relacionadas aos conteúdos da área de Química.

◦ Disposição para utilizar o pensamento lógico, a criatividade, a capacidade de análise crítica, selecionando procedimentos experimentais e verificando
sua adequação no enfretamento de desafios e situações problemas.

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
◦ Entender que a Química é ◦ Saber como os elementos químicos ◦ Os Compostos Químicos e
Compreendendo as
uma Ciência e que seus interagem para obter estabilidade suas propriedades.
Interações Químicas
conhecimentos associados originando novas substâncias. ◦ Ligações Químicas: o que são
CIÊNCIAS DA NATUREZA
142

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
aos de outras Ciências ◦ Associar as diferentes interações e porque acontecem.
abordam os fenômenos intermoleculares e as propriedades das ◦ Ligações Iônicas, Covalentes
para explicá-los e descrevê- substâncias resultantes destas interações. e Metálicas.
los através de conceitos e ◦ Compreender as leis que regem a ◦ Configuração eletrônica.
modelos, na busca da estabilidade das reações químicas. ◦ A Regra do Octeto e suas
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

compreensão da natureza. ◦ Saber representar uma interação química, restrições.


selecionando e fazendo uso correto das ◦ Previsões sobre o tipo de
◦ Compreender os modelos linguagens e formas de representação. ligação química partir das
das ligações químicas como ◦ Ter conhecimentos sobre a utilização de posições que os elementos
resposta as questões minérios e sua transformação (metalurgia) ocupam na Tabela Periódica.
surgidas na busca da para produção de metais e ligas metálicas, ◦ Moléculas: Polaridade das
Ciência para explicar tão essenciais nas sociedades mais antigas e moléculas, Forças
porque um pequeno na sociedade contemporânea. intramoleculares e Forças
Compreendendo as
número de elementos ◦ Reconhecer ou propor a investigação de Intermoleculares.
Interações Químicas
químicos deu origem às um problema relacionado às interações Representação das
milhares de substâncias químicas, selecionando procedimentos moléculas: Fórmulas e
existentes no mundo atual. experimentais pertinentes. Geometria.
◦ Características e
◦ Reconhecer e propriedades das substâncias
compreender fenômenos iônicas, moleculares e
envolvendo interações metálicas (temperatura de
químicas, identificando fusão e ebulição, solubilidade,
regularidades e regras, condutibilidade elétrica).
prevendo-as com base nas ◦ Forças de interação entre as
informações sobre partículas (átomos, íons e
propriedades dos moléculas) nos estados
elementos e na estabilidade sólido, líquido e gasoso.
dos produtos formados. ◦ Relação entre estrutura,
propriedades e aplicações
◦ Compreender que das substâncias e materiais.
CIÊNCIAS DA NATUREZA

143
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEITUAIS
substâncias químicas
◦ Metais e Ligas Metálicas:
podem ser agrupadas de
Compreendendo as Metalurgia e sua importância
acordo com suas
Interações Químicas no sistema produtivo
características e
(principalmente Ferro, Cobre
propriedades e como isto
e Alumínio e Ligas Metálicas).
se deu ao longo dos

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


◦ Reconhecer os principais Compostos ◦ A necessidade de agrupar as
tempos.
Inorgânicos, suas propriedades, substâncias químicas de
nomenclatura e utilização no cotidiano e no acordo com suas
◦ Reconhecer as
setor produtivo. características e
características e
◦ Compreender a organização de substâncias propriedades- aspectos
propriedades das principais
inorgânicas de acordo com suas históricos.
substâncias inorgânicas
características e propriedades: Ácidos, ◦ As Funções Inorgânicas:
utilizadas no cotidiano e
Bases, Sais e Óxidos. Ácidos, Bases, Sais e Óxidos.
nos processos de
◦ Entender o conceito de Ácido de ◦ Indicadores Ácidos e Bases.
produção, percebendo sua
Arrhenius, e os fenômenos de ionização, ◦ Escala de pH.
importância e contribuição
dissociação e neutralização. ◦ Ácidos e Bases de Arrhenius.
para o desenvolvimento Classificação das
◦ Entender os conceitos para Ácidos e Bases ◦ Ionização e Dissociação
socioeconômico. Substâncias: Os
de Brönsted – Lowry e Lewis. Iônica. Condutibilidade
Compostos
◦ Utilizar os conhecimentos químicos Elétrica.
◦ Ler e interpretar Inorgânicos
adquiridos para interpretar rótulos de ◦ Produção e uso de Ácido
informações e dados
produtos utilizados no cotidiano. Sulfúrico, Ácido Nítrico,
relativos às interações
◦ Identificar os compostos inorgânicos Cloro, Ácido Clorídrico e
químicas em diferentes
usados cotidianamente na forma de Hidróxido de sódio.
linguagens (símbolos,
produtos de limpeza e higiene pessoal, na ◦ Reações de Neutralização.
fórmulas, equações
indústria alimentícia, na agricultura (adubos ◦ Reações envolvendo Metais e
químicas) ou formas de
e fertilizantes), em materiais para a Ácidos.
representação (tabelas,
construção civil etc. ◦ Ácidos e Bases de Brönsted
gráficos, esquemas) e a
◦ Saber utilizar diferentes fontes de – Lowry.
relação entre quantidades
informação e recursos tecnológicos para ◦ Ácidos e Bases de Lewis.
de substâncias envolvidas.
adquirir e construir conhecimentos. ◦ Sais: propriedades,
CIÊNCIAS DA NATUREZA
144

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
◦ Realizar procedimentos experimentais nomenclatura e exemplos
◦ Identificar a presença do envolvendo situações problemas, tais como mais comuns de aplicação no
conhecimento químico na determinação de pH de Ácidos ou Bases, cotidiano.
cultura humana Classificação das Reações de Neutralização etc. ◦ Óxidos: propriedades,
contemporânea, em Substâncias: Os ◦ Fazer relatórios concernentes às visitas nomenclatura e exemplos
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

diferentes âmbitos e Compostos técnicas, observações, expe rimentações, mais comuns de aplicação no
setores, reconhecendo os Inorgânicos entrevistas etc. visando à socialização e cotidiano.
princípios éticos e aspectos divulgação dos resultados obtidos.
relevantes para evitar o
esgotamento dos recursos
naturais não renováveis do ◦ Compreender as reações químicas e suas ◦ Reações Químicas e as Leis
Planeta Terra. leis, fundamentais para realização de de Lavoisier e Proust.
cálculos químicos. ◦ Balanceamento de Equações
◦ Realizar cálculos estequiométricos para Químicas.
determinar a quantidade de reagentes ◦ Relações entre Massa,
necessários e de produtos obtidos numa Quantidade de Matéria e
Cálculos químicos: determinada reação química. Energia.
melhores ◦ Resolver situações-problemas envolvendo ◦ Quantidade de Matéria- Mol
rendimentos na cálculos estequiométricos, reconhecer sua e Número de Avogadro.
produção importância nos processos produtivos. ◦ Estequiometria.
◦ Selecionar e utilizar materiais e ◦ Rendimento de uma reação
equipamentos adequados para fazer química.
medidas, cá lculos e realizar experimentos.
◦ Impactos sociais e ambientais
◦ Discutir e argumentar sobre formas de decorrentes da extração de
poupar o uso de recursos naturais não matérias-primas na natureza.
renováveis.
CIÊNCIAS DA NATUREZA

145
COMPONENTE CURRICULAR DE QUÍMICA – 2º ANO – ENSINO MÉDIO
DIREITOS DE APRENDIZAGEM
ATITUDES
◦ Exercício da cidadania com responsabilidade, avaliando os conhecimentos químicos, suas aplicações e interferência no mundo na tural, levando em
consideração implicações de ordens econômica, social, ambiental ao lado de ar gumentos científicos, para tomar decisões a respeito de ações e
comportamentos individuais e coletivos.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


◦ Reconhecimento das responsabilidades sociais decorrentes da aquisição de conhecimentos científicos, especialmente no que concerne à introdução
da enorme gama de produtos químicos, atentando para a defesa da qualidade de vida e direitos do consumidor.

◦ Uso dos conhecimentos adquiridos de forma responsável na defesa do ambiente, dos seres vivos e dos direitos humanos.

◦ Empenho em desenvolver o espírito crítico, reflexivo e investigativo, o gosto pelo conhecimento e pela pesquisa.

◦ Disposição para o trabalho em grupo, argumentação e debate de ideias, respeitando as diversas opiniões e buscando o consenso.

◦ Interesse pela leitura, pela busca de informações em dive rsas fontes visando à aquisição e construção de conhecimentos.

◦ Disposição para resolver situações-problemas relacionadas aos conteúdos da área de Química.

◦ Disposição para utilizar o pensamento lógico, a criatividade, a capacidade de análise crítica, selec ionando procedimentos experimentais e verificando
sua adequação no enfretamento de desafios e situações problemas.

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
◦ Construir uma visão
◦ Identificar em situações reais ou hipotéticas as ◦ Soluções:, Coloides, ;
sistematizada das diferentes A Hidrosfera do soluções diluídas, concentradas, saturadas, Agregados.
linguagens e campos de Planeta Terra insaturadas, dispersões, coloides e agregados.
CIÊNCIAS DA NATUREZA
146

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
estudo da Química,
◦ Entender e interpretar graficamente a ◦ Concentração de Soluções e
estabelecendo conexões
influência da temperatura e da pressão na suas unidades.
entre seus diferentes
solubilidade.
conceitos e os de outras
disciplinas, notadamente no ◦ Compreender as relações entre soluto e
caso do estudo da Atmosfera, solvente para determinação de concentração e
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

◦ Composição de produtos
Hidrosfera, das Fontes e no processo de diluição.
comerciais usados no
Produção de Energia, cotidiano.
buscando integrar
conhecimentos da Física, da ◦ Identificar e relacionar unidades de medidas
Biologia e demais Ciências. usadas para diferentes grandezas envolvendo
◦ Diluição de Soluções.
massa, volume, quantidade de matéria na
◦ Identificar as informações e composição de produtos e na concentração de
dados relevantes para propor A Hidrosfera do soluções.
soluções de situações- Planeta Terra ◦ Compreender a solubilidade dos gases em ◦ Aspectos qualitativos das
problemas envolvendo água. Propriedades Coligativas das
temáticas atuais como a Soluções.
poluição do ar atmosférico, ◦ Compreender a importância da Hidrosfera do
da água, a produção de Planeta Terra para os seres vivos.
energia e o esgotamento dos ◦ Conhecer a composição das águas naturais, ◦ Ocorrência e importância da
combustíveis fósseis. bem como as diferentes propriedades da água Água para a vida.
pura (ponto de fusão, ponto de ebulição,
◦ Compreender a importância densidade, pH).
dos gases que formam a
Atmosfera Terrestre e como ◦ Avaliar a potabilidade da água através da ◦ Propriedades da Água e
esta pode ser afetada pelas determinação de suas propriedades, da Solubilidade.
variações de pressão e presença de vetores patogênicos etc.
temperatura ou pela emissão ◦ Reconhecer e compreender símbolos, códigos
de gases poluentes. e nomenclatura próprios da Química para ◦ Ciclo da Água.
interpretar rótulos de águas minerais e outros
CIÊNCIAS DA NATUREZA

147
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEITUAIS
◦ Entender a Hidrosfera do produtos do cotidiano.
Planeta Terra, como
◦ Aprender sobre gestão de recursos hídricos e
acontecem os ciclos naturais, ◦ Poluição das Águas: causa s e
poluição das águas.
as questões que envolvem a consequências.
poluição, a gestão de ◦ Aprender como as propriedades coligativas das

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


recursos hídricos e o substâncias influenciam em suas características
tratamento e fornecimento Físico-Químicas e sua aplicação no cotidiano. ◦ Gestão de Recursos Hídricos.
de Água à população. ◦ Saber utilizar diferentes fontes de informação e
A Hidrosfera do recursos tecnológicos para adquirir e construir
◦ Elaborar e utilizar modelos conhecimentos.
macroscópicos e Planeta Terra ◦ Processos de Tratamento de
microscópicos para ◦ Realizar procedimentos experimentais Água: Filtração, Flotação,
interpretar os diferentes envolvendo situações problemas, tais como Cloração e Correção de Ph.
aspectos das transformações determinação de pH e determinação de
químicas, tais como a cinética diferentes propriedades da água.
e o equilíbrio e aspectos ◦ Fazer relatórios concernentes a visitas
energéticos das reações e a técnicas, observações, experimentações,
importância da otimização realização de entrevistas etc. visando à sócia-
dos processos de produção lização e divulgação dos resultados obtidos.
para o desenvolvimento
econômico e tecnológico. ◦ Saber a composição da atmosfera terrestre, os ◦ A Composição da Atmosfera
principais gases necessários ao desenvolvimento da Terrestre.
◦ Compreender e avaliar a vida no planeta Terra.
◦ Os Gases essenciais para a
Ciência e Tecnologia Química ◦ Compreender como as ações humanas (emissão vida: O 2, N 2, H 2, CO 2.
sob o ponto de vista ético Gases do Planeta
de gases poluentes) e fenômenos naturais (erupção
para exercer a cidadania com Terra: A Atmosfera ◦ Tipos de Poluição
de vulcões) podem afetar a Atmosfera terrestre.
responsabilidade, integridade Atmosférica.
e respeito no debate sobre ◦ Compreender as relações entre volume,
◦ Perturbações na Atmosfera:
fontes de energia e a queima temperatura e pressão e sua influencia no
comportamento dos gases associados aos -A Camada de Ozônio.
CIÊNCIAS DA NATUREZA
148

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
de combustíveis fósseis conhecimentos da Física.
-Efeito Estufa.
julgando implicações de
◦ Compreender como variações da pressão e
ordem econômica, social, -Chuva Ácida.
temperatura atmosféricas afetam a solubilidade dos
ambiental, ao lado de Estudo dos Gases:
gases na água e consequentemente a vida aquática, ◦
argumentos científicos Propriedades físicas.
associados aos conhecimentos da Biologia.
visando à tomada de decisões.
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

◦ Perceber a Atmosfera como fonte de substâncias ◦ Teoria Cinética dos Gases.


úteis para a vida e para o sistema produtivo e ◦ Sistemas Gasosos: variáveis
como a mistura de gases que compõem a de estado de um Gás, Lei de
Gases do Planeta atmosfera terrestre pode ser separada em seus Boyle, Charles e Gay - Lussac.
Terra: A Atmosfera componentes para utilização em vários setores
(indústria, medicina etc.). ◦ Equação Geral dos Gases
Ideais, Volume Molar,
◦ Saber utilizar diferentes fontes de informação e Princípio de Avogadro.
recursos tecnológicos para adquirir e construir
conhecimentos.
◦ Realizar procedimentos experimentais envolvendo
situações problemas, tais como chuva ácida, efeito
estufa e propriedades dos gases, e apresentar
resultados em forma de relatório.

◦ Observar e identificar que as transformações ◦ Rapidez de uma Reação


químicas ocorrem em diferentes escalas de tempo. Química (Velocidade de
Aspectos das reação).
◦ Reconhecer as variáveis que podem modificar a
Transformações rapidez de uma transformação química. ◦ Teoria das Colisões.
Químicas: Cinética
Química ◦ Compreender os modelos explicativos da relação ◦ Energia de Ativação.
entre consumo de reagentes, formação de
◦ Fatores que modificam a
produtos e tempo.
rapidez de uma transformação
CIÊNCIAS DA NATUREZA

149
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEITUAIS
química (concentração
◦ Propor e realizar procedimentos experimentais
temperatura, pressão, estado
para determinar, observar e controlar a rapidez de
de agregação, superfície de
uma transformação química.
contato e catalisadores).
Aspectos das ◦ Aplicar os conhecimentos da cinética química para
Transformações controlar fenômenos do cotidiano, como por

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


Químicas: Cinética exemplo, a conservação de alimentos.
Química
◦ Selecionar e fazer uso apropriado de diferentes
linguagens e formas de representação, como
esquemas, diagramas, tabelas, gráficos, traduzindo
umas nas outras.
◦ Compreender aspectos das reações químicas ◦ Reações Químicas e
como as relações entre reagentes e produtos e a Reversibilidade.
reversibilidade das reações químicas.
◦ Equilíbrio Químico.
◦ Entender que o estado de equilíbrio pode ser
◦ Alterações do Estado de
alterado pelo efeito da temperatura, da pressão e
Equilíbrio: efeito d a
da concentração dos reagentes.
temperatura, da
Aspectos das ◦ Entender o processo de produção de amônia e concentração, da pressão.
Transformações suas relações com os conceitos de equilíbrio
◦ Princípio de Le Chatelier.
Químicas: Equilíbrio químico e aspectos produtivos e econômicos.
Químico ◦ Síntese da Amônia pelo
◦ Compreender os conceitos e as razões pelo qual
processo Haber-Bosch.
ocorrem os equilíbrios iônicos e seus
deslocamentos. ◦ Constante de equilíbrio
químico para expressar a
◦ Aprender a relação entre as concentrações
relação entre as
hidroxiliônica e hidrogeniônica (pH e pOH) e a
concentrações de reagentes e
força dos ácidos e bases.
produtos em uma
◦ Entender as vantagens do controle de variáveis na transformação química.
CIÊNCIAS DA NATUREZA
150

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
busca de maiores rendimentos das reações
Aspectos das ◦ Equilíbrio iônico da água.
químicas.
Transformações ◦ Constante de ionização.
Químicas: Equilíbrio
Químico ◦ pH e pOH.
◦ Força de Ácidos e Bases.
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

◦ Reconhecer a importância socioeconômica dos ◦ Transformações Químicas e


processos termoquímicos. Energia.
◦ Identificar reações que liberam e absorvem calor. ◦ Reações de Combustão.
◦ Estabelecer correlação do tema termoquímica com ◦ Queima de Combustíveis
os conhecimentos da área de Física e da Biologia, Fósseis e sua relação com
nas quais também estão presentes ideias sobre poluição e aquecimento
energia. global.
◦ Entender a linguagem gráfica, os diagramas de ◦ Calor de reação: Entalpia.
energia e utilizá-los na interpretação e cálculos de
◦ Reações Exotérmicas e
Aspectos das entalpia de reação.
Endotérmicas.
Transformações
◦ Compreender o poder calorífico dos diferentes
Químicas: Energia ◦ Equações Termoquímicas.
combustíveis e aplicar os conhecimentos da
termoquímica na determinação dos melhores ◦ Entalpia de formação e de
combustíveis bem como as implicações ambientais ligação.
advindas de sua utilização. ◦ Lei de Hess.
◦ Buscar e organizar informações sobre ◦ Reações espontâneas.
transformações químicas que produzem a energia
que é utilizada nos sistemas produtivos. ◦ Entropia.
◦ Compreender a produção e consumo de energia
térmica e elétrica nas transformações químicas,
avaliando as implicações sociais e ambientais.
CIÊNCIAS DA NATUREZA

151
COMPONENTE CURRICULAR DE QUÍMICA – 3º ANO – ENSINO MÉDIO
DIREITOS DE APRENDIZAGEM
ATITUDES
◦ Exercício da cidadania com responsabilidade, avaliando os conhecimentos químicos, suas aplicações e interferência no mundo na tural, levando em
consideração implicações de ordem econômica, social, ambiental ao lado de argumentos científicos, para tomar decisões a respe ito de ações e
comportamentos individuais e coletivos.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


◦ Reconhecimento das responsabilidades sociais decorrentes da aquisição de conhecimentos científicos, especialmente no que concerne à introdução
da enorme gama de produtos químicos, atentando para a defesa da qualidade de vida e direitos do consumidor. Uso dos conhecime ntos adquiridos
de forma responsável na defesa do ambiente, do s seres vivos e dos direitos humanos.

◦ Empenho em desenvolver o espírito crítico, reflexivo e investigativo, o gosto pelo conhecimento e pela pesquisa.

◦ Disposição para o trabalho em grupo, argumentação e debate de ideias, respeitando as diversas opiniões e buscando o consenso.

◦ Interesse pela leitura, pela busca de informações em diversas fontes visando à aquisição e construção de conhecimentos.

◦ Disposição para resolver situações-problemas relacionadas aos conteúdos da área de Química.

◦ Disposição para utilizar o pensamento lógico, a criatividade, a capacidade de análise crítica, selecionando procedimentos experimentais e verifican do
sua adequação no enfretamento de desafios e situações problemas.

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
◦ Compreender a importância das ◦ Aprender os conceitos de oxidação e ◦ Reações de Oxidação e Redução.
interações entre Matéria e Eletroquímica redução e determinar números de
Energia e reconhecer como os oxidação.
◦ Número de Oxidação.
CIÊNCIAS DA NATUREZA
152

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
conhecimentos sobre os
processos eletroquímicos, ◦ Associar os processos de oxidação e de
alcançados ao longo dos tempos redução a par r das ideias sobre a
através da pesquisa científica, estrutura da matéria, aplicando seus ◦ Pilhas Eletroquímicas.
contribuíram para criação de conhecimentos nos diferentes processos
pilhas e baterias cada vez mais químicos e bioquímicos.
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

eficientes e para o ◦ Ler e interpretar informações e dados na ◦ Potencial padrão de redução.


desenvolvimento tecnológico área da eletroquímica em diferentes
mundial. linguagens ou formas de representação,
tais como símbolos, fórmulas e equações ◦ Leis de Faraday.
eletroquímicas, tabelas, gráficos,
◦ Interpretar informações e dados
esquemas.
nas áreas de Eletroquímica,
Radioatividade e Química ◦ Conhecer a evolução histórica dos ◦ -Potencial Elétrico de Pilhas.
Eletroquímica
Orgânica em diferentes conceitos rela vos à eletroquímica e de
linguagens ou formas de suas aplicações.
representação, tais como
símbolos, fórmulas e equações ◦ Compreender os processos eletroquímicos ◦ Geração de energia: Pilhas e
eletroquímicas, tabelas, gráficos, e o mecanismo de ação das pilhas e Baterias.
esquemas. baterias, percebendo sua importância no
desenvolvimento tecnológico e implicações
sociais e ambientais. ◦ Eletrólise.
◦ Reconhecer as responsabilidades
◦ Prever a energia elétrica envolvida numa
sociais e princípios éticos
transformação química a par r dos
decorrentes da aplicação dos
conhecimentos para produção de potenciais-padrões de eletrodo das ◦ Corrosão do Ferro (Aço) e
energia, em defesa da qualidade transformações de oxidação e redução. meios de proteção.
de vida e dos direitos do ◦ Compreender o processo de reves mento
consumidor e nas implicações de super cies metálicas com outros ◦ Eletrodeposição (Galvanoplastia).
ambientais advindas, por metais, por via eletrolí ca e sua
CIÊNCIAS DA NATUREZA

153
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEITUAIS
exemplo, no descarte de pilhas e importância econômica.
baterias consideradas como lixo
tóxico. ◦ Estabelecer diferenças entre eletrólise
ígnea e eletrólise aquosa.
◦ Realizar procedimentos experimentais
◦ Compreender os fenômenos

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


envolvendo situações-problemas rela vas
radioativos e os riscos advindos Eletroquímica aos assuntos abordados.
da utilização das tecnologias
desenvolvidas para o uso de ◦ Fazer relatórios concernentes às visitas
radiações em diversas áreas tais técnicas, observações, experimentações,
como a medicina, arqueol ogia, realização de entrevistas etc. visando à
indústria, produção de armas socialização e divulgação dos resultados
nucleares, produção de energia ob dos.
etc.
◦ Reconhecer a importância dos isótopos ◦ Descoberta dos raios X.
radioativos e de sua utilização nos campo
◦ Reconhecer aspectos relevantes da medicina, agricultura e geologia,
do conhecimento químico e suas avaliando riscos e benefícios. ◦ Radioatividade: Radiações α, β e
tecnologias, principalmente no γ.
◦ Realizar cálculos para determinar a meia
que concerne a síntese e vida dos elementos radioativos;
utilização de compostos
Radioatividade ◦ Reconhecer os processos de fusão e fissão ◦ Isótopos Radioativos.
orgânicos no cotidiano, na
nucleares como fontes de energia.
interação individual e coletiva do
ser humano com o ambiente. ◦ Avaliar implicações sociais, ambientais e/ou ◦ Decaimento e séries radioativas.
econômicas na produção ou no consumo
de energia nuclear observando os riscos e
◦ Compreender os processos de os benefícios.
transformação do Petróleo,
◦ Saber utilizar diferentes fontes de ◦ Transformações Nucleares.
Carvão Mineral e Gás Natural
informação e recursos tecnológicos para
em materiais e substâncias
adquirir e construir conhecimentos.
CIÊNCIAS DA NATUREZA
154

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
utilizados no sistema produtivo.
◦ Fissão e Fusão Nuclear.

◦ Compreender as formas pelas


◦ Usinas Nucleares.
quais a Química influencia nossa
Radioatividade
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

interpretação do mundo atual,


condicionando formas de pensar ◦ Lixo Atômico.
e interagir, resultante da síntese
de inúmeros produtos usados
indiscriminadamente em nosso
dia a dia, modificando hábitos de
vida, estimulando o consumo. Classificação das ◦ Compreender a evolução da Química ◦ Introdução à Química Orgânica:
Substâncias: Os Orgânica. Aspectos Históricos.
Compostos Orgânicos
◦ Entender as características do átomo de ◦ O Átomo de Carbono e
◦ Articular, integrar e sistematizar Carbono e seus compostos. características de seus
o conhecimento químico e o de compostos.
outras áreas no enfrentamento ◦ Reconhecer e classificar as cadeias
de situações-problema, carbônicas. ◦ Classificação das cadeias
identificando e relacionando carbônicas.
◦ Identificar algumas das principais funções
aspectos químicos, físicos e orgânicas, suas nomenclaturas e principais ◦ Isomeria.
biológicos da produção e do uso aplicações.
de combus veis, plás cos, ◦ Hidrocarbonetos: classificação,
medicamentos e demais ◦ Construir fórmulas estruturais e propriedades e nomenclatura.
moleculares dos compostos orgânicos
substâncias principalmente ◦ Combustíveis fósseis como fonte
estudados.
aquelas que envolvem as de energia: Derivados do
questões sobre alimentação e ◦ Aprender como ocorrem as reações Petróleo, Carvão e Gás Natural.
saúde humana. orgânicas: combustão, fermentação, Biocombustíveis.
saponificação, esterificação, hidrogenação.
◦ Funções Orgânicas Oxigenadas:
◦ Identificar os tipos de isomeria Alcoóis, Fenóis, Éteres, Ésteres,
CIÊNCIAS DA NATUREZA

155
COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS
CONCEITUAIS
apresentadas em compostos orgânicos. Aldeídos, Cetonas, Ácidos
Carboxílicos.
◦ Compreender a importância dos
combustíveis fósseis para o ◦ Funções Orgânicas Nitrogenadas:
desenvolvimento da sociedade industrial os Amidas, Aminas, Nitrilas.
impactos ambientais associados.
◦ Reações de Fermentação.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas


◦ Entender e argumentar sobre matriz
◦ Reações de Hidrogenação.
energética e produção e uso dos
combustíveis fósseis e suas implicações ◦ Reações de Esterificação.
ambientais. ◦ Reações de Saponificação.
◦ Compreender os processos de ◦ Óleos e Gorduras
transformação do petróleo, carvão mineral
Classificação das e gás natural em materiais e substâncias ◦ Sabões e Detergentes.
Substâncias: Os utilizados no sistema produtivo: refino do
Compostos Orgânicos ◦ Macromoléculas Naturais e
petróleo, destilação seca do carvão mineral Sintéticas.
e purificação do gás natural.
◦ Polímeros Naturais e suas
◦ Realizar procedimentos experimentais propriedades: Amido,
envolvendo situações-problemas relativas Glicogênio, Celulose.
aos compostos orgânicos.
◦ Polímeros Sintéticos e suas
◦ Saber utilizar diferentes fontes de propriedades: PE, PS, PVC, PET,
informação e recursos tecnológicos para PTFE (Teflon), Náilon.
adquirir e construir conhecimentos.
◦ Produção do PVC a partir do
◦ Compreender a importância dos polímeros Sal-gema.
(plásticos e borracha) para a sociedade
moderna. ◦ Características, produção
industrial e utilização dos
◦ Perceber os principais compostos Plásticos.
utilizados em nossa vida para alimentação,
higiene pessoal, na cura de doenças etc. ◦ Características, produção
CIÊNCIAS DA NATUREZA
156

COMPETÊNCIAS EIXOS HABILIDADES CONTEÚDOS


CONCEITUAIS
industrial e utilização da
◦ Analisar e argumentar sobre a associação
Borracha Natural e Sintética.
irrefletida de produtos químicos como algo
sempre nocivo ao ambiente ou à saúde. ◦ Principais Componentes dos
Classificação das Alimentos e suas propriedades e
Substâncias: Os ◦ Refletir sobre a existência de substâncias
funções no organismo:
Compostos Orgânicos tóxicas e saber como se proteger contra
elas. -Carboidratos, Lipídios,
Vitaminas, Proteínas, Enzimas.
Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas

◦ Fármacos, Medicamentos,
Drogas, Cosméticos.
Orientações Didático­
metodológicas

Capítulo 5
CIÊNCIAS DA NATUREZA

A definição de boas estratégias metodológicas a serem


adotadas durante o processo de ensino e aprendizagem, em todas
as etapas de ensino, é condição sine qua non ao planejamento e
desenvolvimento de uma prática pedagógica significativa e
profícua. Nessa perspectiva, este capítulo abordará a questão
metodológica como ponto central à estruturação do currículo
escolar.

5.1 A questão metodológica37

A perspectiva teórica adotada neste Referencial Curricular


é coerente com a tendência predominante hoje nas concepções de
currículo escolar e tem o foco no uso dos conhecimentos
adquiridos, não no acúmulo de informações que se somam ano a
ano, sem que os estudantes efetivamente trabalhem com elas. Não
são poucos os estudos a evidenciar que informação e
conhecimento são muito diferentes e que, do ponto de vista da
aprendizagem, as informações que contam de fato são aquelas que
se convertem em conhecimento próprio.
Esse tipo de concepção pressupõe abordagens
metodológicas compatíveis e, atualmente, as que são consideradas
mais adequadas são as metodologias centradas no trabalho
pedagógico com situações­problema: situações desafiadoras,
porque difíceis e possíveis ao mesmo tempo, em que se articulam
atividades desenvolvidas pelos estudantes e intervenções
pedagógicas adequadas às necessidades e possibilidades de
aprendizagem que eles têm. Essa forma de trabalhar os conteúdos
escolares é chamada por alguns estudiosos de modelo
metodológico de resolução de problemas e por outros de
aprendizagem baseada em problemas.
Trata­se de uma prática pedagógica assim pressupõe:
· favorecer a construção da autonomia intelectual dos estudantes;
· considerar e atender às diversidades na sala de aula;
· favorecer a interação e a cooperação;
· analisar o percurso de aprendizagem e o conhecimento prévio dos
estudantes;
· mobilizar a disponibilidade para a aprendizagem;
· compatibilizar objetivos de ensino e objetivos de

37
Texto produzido por Rosaura Soligo

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 159
CIÊNCIAS DA NATUREZA

realização dos estudantes; · atualizar­se em relação aos componentes e


· criar situações que aproximem, o mais áreas curriculares com as quais trabalha."38
possível, "versão escolar" e "versão social" das
práticas e conhecimentos tomados como O que garante os resultados
conteúdos na escola;
· organizar racionalmente o tempo; A observação da realidade e algumas
· organizar o espaço em função das propostas pesquisas sobre o ensino e a aprendizagem
de ensino e aprendizagem; vêm indicando que há um conjunto de fatores
·selecionar materiais adequados ao que, de modo geral, interferem nos resultados
desenvolvimento do trabalho; (positivos ou negativos) do trabalho
· avaliar os resultados obtidos e redirecionar pedagógico. Os principais são os seguintes:
as propostas, se eles não forem satisfatórios.
Para realizar um trabalho pedagógico · a concepção de ensino e aprendi­zagem do
orientado por esses propósitos, é preciso professor e o nível de conhecimento
desenvolver cada vez mais os saberes profissional de que dispõe;
docentes para: · a crença do estudante na sua própria
· analisar a realidade, que é o contexto da capacidade de aprender e o reconhecimen­
atuação; to/ a valorização dos seus próprios saberes;
· planejar a ação a partir da realidade à qual se · o contexto escolar em que as situações de
destina; ensino e aprendizagem acontecem;
· antecipar possibilidades que permitam 39
· o contrato didático que rege as situações de
planejar intervenções com antecedência; ensino e aprendizagem;
· identificar e caracterizar problemas · a relação professor­estudante;
(obstáculos, dificuldades, distorções, · o planejamento prévio do trabalho
inadequações); pedagógico;
· priorizar o que é relevante para a solução dos · as condições de realização das atividades
problemas identificados e tomar as medidas propostas;
que ajudam a solucioná­los; · a intervenção do professor durante as
· buscar recursos e fontes de informação que atividades;
se mostrem necessários; · a gestão da sala de aula;
· compreender a natureza das diferenças · a relação da família com a aprendizagem dos
entre os estudantes; estudantes e com a proposta pedagógica.
· estar aberto e disponível para a
aprendizagem; E, quando a perspectiva metodoló­
· trabalhar em colaboração com os pares; gica é a da resolução de situações­problema,
· refletir sobre a própria prática; as propostas são consideradas situações de
· utilizar a leitura e a escrita em favor do aprendizagem de fato sempre que: há desafios
desenvolvimento pessoal e profissional; que exigem dos estudantes o uso do que

38
O 'contrato didático' é uma espécie de 'script' relacionado à natureza e ao modo de funcionamento da escola enquanto instituição que configura papéis, expectativas,
direitos e deveres – geralmente implícitos – que dizem respeito aos professores, estudantes e situações de ensino e aprendizagem.
39
In: Guia de Orientações Metodológicas Gerais ­ PROFA, SEF­MEC, 2001.

160 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

sabem e pensam; o conteúdo alternativas para dar conta do problema, já


trabalhado mantém suas características de que precisa encontrar os meios para isso;
objeto sociocultural real, sem transformar­se · tem um grau de dificuldade compatível com
em objeto escolar vazio de significado social; a as possibilidades do estudante, ou seja,
organização da tarefa pelo professor garante 'obriga­o' a mobilizar seus conhecimentos
a máxima circulação de informação possível prévios e a produzir outros;
entre todos (WEISZ: 1997). · configura­se como algo instigante, que vale a
pena: uma situação­problema não é uma
Difícil e possível: é este o problema situação 'problemática' e tão complexa que
desmobiliza o estudante pela grandiosidade;
Tal como outros estudiosos têm ·possibilita a antecipação dos resultados e a
defendido com formulações bem parecidas, o socialização, antes de se chegar ao final –
pesquisador Philippe Meirieu40 afirma que, do arriscar faz parte do 'jogo';
ponto de vista didático, uma situação­ · potencializa a argumentação, a discussão, a
problema pressupõe uma tarefa que não se fundamentação, o embate produtivo das
pode realizar sem que ocorra uma ideias, quando realizada em parceria;
a p re n d i z a ge m p re c i s a e q u e e s s a ·comporta 'internamente' as formas de
aprendizagem – verdadeiro objetivo da validação da solução (ou das soluções,
proposta – acontece ao ser vencido o desafio quando for o caso) – o caminho para a
que está posto. resposta ao desafio se encontra de algum
Uma situação de ensino é situação­ modo na proposta;
problema quando41: · favorece a análise coletiva do percurso,
· tem como proposta a resolução de um desde o contato com a proposta até a solução,
desafio; o que favorece a tomada de consciência das
· organiza­se em torno de uma atividade estratégias e das habilidades utilizadas, a
concreta, que permite efetivamente a generalização e a estabilização que serão
formulação de hipóteses, suposições, úteis para o desempenho em outras
conjecturas, estimativas; situações.
· funciona como um desafio que o estudante Como se vê, uma situação­problema
se sente capaz de encarar, mesmo se precisar se define principalmente em função dos
de algum tipo de ajuda para tanto o problema, sujeitos para os quais está posta, tendo em
apresentado inicialmente como uma proposta conta o conhecimento que eles têm ou não.
didática, é assumido pelo estudante como A tarefa de encontrar resposta para
uma questão sua, o que potencializa o “quanto é 3 mais 2?”, por exemplo, só será um
empenho, o engajamento na resolução da problema (um bom problema a resolver)
tarefa; quando for difícil e possível ao mesmo tempo
· apresenta um 'obstáculo real' a ser para uma criança pequena. Se ela tiver dois
necessariamente transposto é o que faz com anos de idade e/ou não dispuser de recursos
que o estudante busque os recursos para chegar a esse resultado, não será um
intelectuais disponíveis e/ou construa novas p ro b l e m a a re s o l v e r , s e r á u m a

40
In Aprender... Sim, mas como? Porto Alegre: Artmed, 1998
41
Essas dez características de uma situação­problema foram sistematizadas a partir do que apresenta Philippe Perrenoud em Dez novas competências para ensinar,
(2000), baseado no que propõe Jean Pierre Astolfi em vários trabalhos.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 161
CIÊNCIAS DA NATUREZA

impossibilidade; se ela já souber, será antecipações, se mobilizá­los a buscar uma


uma proposta tola, que não reverte em resposta (por se sentirem capazes para tanto,
aprendizagem. No entanto, se ela não souber, mesmo que precisem discutir com os colegas
mas tiver meios para chegar a uma resposta, aí ou receber ajuda do professor), se puderem
então será uma situação­problema por si mesmos considerar que o resultado a
adequada, por apresentar um desafio que chegaram é razoável ou válido, se
compatível com suas possibilidades de puderem usar o que aprenderam em outras
aprender. situações.
O mesmo ocorre em se tratando de O ingrediente principal de uma
uma equação complexa. Se o estudante não prática pedagógica com esse enfoque
tiver os conhecimentos prévios necessários metodológico é considerar o aprendiz um
para resolvê­la, não será um problema, será sujeito de fato. Como dizia Karl Marx há muito
uma impossibilidade. E se já souber resolvê­la tempo e por outras razões: “de cada um de
sem a menor dificuldade não será um acordo com suas capacidades, a cada um, de
problema que funciona como situação de acordo com suas necessidades”. Essa
aprendizagem, será um mero exercício. Para máxima vale, também, para a educação
que seja uma situação­problema adequada, escolar.
precisará apresentar um desafio compatível
com as possibilidades de aprender do 5.2 Pesquisa e Letramentos
estudante, isto é, precisará, ao mesmo tempo,
ser difícil e possível. A perspectiva deste Referencial
Observando rapidamente as dez Curricular é também conceitualmente afinada
características relacionadas acima, pode com a tendência que vem se tornando
parecer que a formulação de situações­ predominante nos últimos anos quanto à
problema é de uma enorme complexidade necessidade de ampliação do processo de
para os professores, que jamais daríamos letramento e das habilidades de pesquisa.
conta de planejá­las, o que não é exatamente Há quase duas décadas, desde a
real. O mais importante é saber que publicação dos Referenciais e Parâmetros
conhecimento os estudantes têm (ou não) Curriculares Nacionais nos anos 90, e de
sobre o que a proposta pede. Por exemplo, a forma incisiva nos recentes documentos do
depender do grupo de estudantes, a busca de Ensino Médio – como, por exemplo, o
resposta para a pergunta “Por que está Programa Ensino Médio Inovador (ProEMI) –
havendo aquecimento global?” pode são enfatizados alguns pressupostos
representar uma situação­problema valiosa. curriculares importantes para a ampliação
Mas se todos já souberem 'a priori' a resposta, das capacidades de leitura, estudo, pesquisa e
porque já estudaram o assunto e letramento. Alguns deles são os seguintes:
compreenderam as razões do aquecimento, “foco na leitura e letramento como elementos
será apenas uma conversa. de interpretação e de ampliação da visão de
Mesmo que aparentemente muito mundo, basilar para todas as áreas do
simples, uma proposta didática será sempre conhecimento; atividades teórico­práticas
uma situação­problema se apresentar um que fundamentem os processos de iniciação
desafio real, com um grau de dificuldade científica e de pesquisa, utilizando
adequado ao conhecimento dos estudantes, laboratórios das ciências da natureza, das
se instigar a formulação de hipóteses e

162 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

ciências humanas, das linguagens, uma concepção que pode ser observada e
de matemática e outros espaços que empregada em contextos diversos,
potencializem aprendizagens nas diferentes quer sejam relacionados a vivências mais
áreas do conhecimento; atividades em pragmáticas, quer sejam aos contextos
Línguas Estrangeiras/Adicionais, científicos.
desenvolvidas em ambientes que utilizem Mas existe pesquisa na escola de
recursos e tecnologias que contribuam para a Educação Básica? Professores e estudantes
aprendizagem dos estudantes; fomento às da Educação Básica são pesquisadores?
atividades de produção artística que Muito se tem discutido sobre esta temática,
promovam a ampliação do universo cultural uma vez que a pesquisa é sempre colocada
dos estudantes; fomento às atividades como prática apenas da academia.
esportivas e corporais que promovam o Universidade e Escola são colocadas sob uma
desenvolvimento integral dos estudantes; lógica hierárquica, pois a primeira produz
fomento às atividades que envolvam conhecimento para a segunda reproduzir.
comunicação, cultura digital e uso de mídias e Assim, a universidade detém as competências
tecnologias, em todas as áreas do de pesquisar e produzir conhecimento.
conhecimento; propostas de ações que Todavia a pesquisa é elemento
poderão estar estruturadas em práticas decisivo na formação inicial e continuada de
pedagógicas multi ou interdisciplinares, qualquer profissional. O ato de pesquisar
articulando conteúdos de diferentes desencadeia um processo emancipatório. A
componentes curriculares de uma ou mais pesquisa deve perpassar todo percurso
áreas do conhecimento” (ProEMI). educativo do indivíduo, seja durante a
A rigor, em se tratando dessas Educação Básica, a graduação ou pós­
capacidades, não há nada de muito diferente graduação. O objetivo é propiciar a formação
ou contraditório entre o que recomendam os de profissionais reflexivos e críticos­
documentos mais atuais e o que defendiam os investigadores da realidade, desenvolvendo
documentos publicados pelo Ministério da sua autonomia. Cada vez mais se faz
Educação na última década do século necessária a descentralização de processos
passado. O desafio é, cada vez mais, que revelem necessidades e descobertas. A
converter esses pressupostos curriculares em escola da Educação Básica, além de espaço
ações efetivas nas salas de aula. de vivências de estudantes e professores,
pode ser campo de pesquisa para esses
5.2.1 A pesquisa na Escola de mesmos que a compõem.
Educação Básica
42 Demo (2000) chama atenção para
prática de um ensino pela pesquisa,
O dicionário Aurélio define Pesquisa desmistificando a ideia de que esta prática só
como ato ou efeito de pesquisar, investigação pode ser realizada pela academia. Assim, a
e estudo, minuciosos e sistemáticos com o fim escola da Educação Básica pode realizar
de descobrir fatos relativos a um campo do pesquisa desde a Educação Infantil ao Ensino
conhecimento. Dessa forma, a organização Médio, considerada como uma atividade de
de uma sistemática ou metodologia ajudará processo educativo e democrático.
na consecução de objetivos e descobertas. É Sendo assim, estudantes precisam
42
Texto produzido pelo prof. Ricardo Lisboa Martins – licenciado em Filosofia e Matemática, mestre em Educação Matemática – técnico
pedagógico da Superintendência de Políticas Educacionais.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 163
CIÊNCIAS DA NATUREZA

redescobrir o encantamento das diversas ao mesmo tempo, se renova como


ciências. A escola deve ser promotora de profissional. Também permite que construa
situações motivadoras e problematizadoras, um ensino que os estudantes aprendam e
que permitam a descoberta do conhecimento confrontem com as vivências de sua
e, acima de tudo, fascinação por aprender. comunidade.
Através da pesquisa estudantes observarão
43
que as ciências não estão acabadas, são 5.2.2 Letramentos
dinâmicas e que cada época histórica e
cultural produziu conhecimento. Na sociedade atual a escrita é meio
Da mesma forma, os professores de comunicação preponderante, circula
p re c i s a m t a m b é m re d e s c o b r i r o através dos mais diversos suportes e
encantamento de sua prática como propósitos comunicativos, exigindo que todos
professor. Valorizar sua ação profissional, os cidadãos façam uso situado dela. A este
entendendo que um envolvimento mais uso situado das funções da escrita, para
estreito com a comunidade escolar se faz alguns autores (Soares, 2010; Kleiman, 2008;
necessário. A inserção do professor no Mortatti, 2004), dá­se o nome de letramento.
contexto escolar não se resume à tarefa de
transmitir conteúdos, mas conhecer e O conceito de letramento aqui
participar das vivências da comunidade explicitado está diretamente relacionado à
escolar. É ele quem vivencia e observa, de mais língua escrita e seu lugar, suas funções e seus
perto, as situações que cada estudante tem usos nas sociedades letradas, isto é,
como experiência. Portanto, é aquele sociedades organizadas em torno de um
problematizador do conhecimento escolar. É sistema de escrita e em que esta, sobretudo
o promotor direto de um conhecimento que por meio do texto escrito e impresso, assume
precisa ser cada vez mais significativo para importância central na vida das pessoas e em
aquele que aprende. suas relações com os outros e com o mundo
Quando falamos de Ensino em que vivem.
recorremos a Paulo Freire, que diz de uma Nessa perspectiva, cabe à escola
busca incessante no ato de ensinar: instrumentalizar os estudantes para que
tenham condições de fazer, cada vez maior e
Enquanto ensino continuo buscando, melhor, uso da função social da escrita,
reprocurando. Ensino porque busco, porque atendendo as suas necessidades de
indaguei, porque indago e me indago. comunicação dentro e fora da escola,
Pesquiso para constatar, constatando, tornando­se, consequentemente, sujeitos
intervenho, intervindo educo e me educo. mais letrados. Para formar sujeitos cada vez
Pesquiso para conhecer o que ainda não 44
mais letrados Maria Vilma(2013) afirma que
conheço e comunicar ou anunciar a novidade. faz­se necessário realizar uma prática
(FREIRE, 1996, p.32) pedagógica que invista no desenvolvimento
de capacidades relacionadas à compreensão
A pesquisa permite que o professor e à valorização da cultura escrita, que são:
redescubra formas de promover uma ciência ·Conhecer, utilizar e valorizar os
encantadora, um conhecimento significativo e modos de produção e de circulação da escrita
43
Texto produzido pela profa. Maria Vilma da silva ­ licenciada em Pedagogia, especialista em Formação de professores da Educação Básica e Mestra em Educação e
Linguagem – técnica pedagógica e Gerente da Organização do currículo escolar – GEORC/SEE­AL.
44
In . Revista Eletrônica da educação de Alagoas – REDUC – ler artigo A organização de uma prática pedagógica de alfabetização sociointeracionista.

164 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

na sociedade; comunicativa, definindo, com antecedência, o


· conhecer os usos e funções sociais da que dizer, para quem dizer e como dizer;
escrita; · a orientação à produção de textos a partir,
· conhecer os usos da escrita na cultura inicialmente, da organização de um esquema
escolar: lógico das ideias a serem registradas e de
­ saber usar objetos de escrita presentes na rascunhos, garantindo a possibilidade de
cultura escolar; construção de diferentes versões do mesmo
­ desenvolver capacidades específicas para texto.
escrever.
A autora afirma ainda que, para estas Como se pode perceber, embora o
capacidades serem desenvolvidas, faz­se desenvolvimento da habilidade de ler e de
necessário a escola se organizar para o escrever seja da competência da escola, o uso
desenvolvimento de atividades que permitam, das suas funções extrapola a esfera escolar,
de fato, o uso significativo da função social da assim, concordamos com Kleiman (2008, p.
escrita e, consequentemente, a ampliação do 20) quando afirma que o “[...] fenômeno do
processo de letramento. Pois, se letramento é letramento extrapola o mundo da escrita tal
o “Resultado da ação de ensinar e aprender as qual ele é concebido pelas instituições que se
práticas sociais de leitura e escrita. O estado encarregam de introduzir formalmente os
ou condição que adquire um grupo social ou sujeitos no mundo da escrita”; letramento
um indivíduo como consequência de ter­se seria um conjunto de práticas com objetivos
apropriado da escrita e de suas práticas específicos e em contextos específicos, que
sociais (SOARES, 2009, p. 39)”, a condição de envolvem a escrita. Assim sendo, a escola,
letrado está ligada diretamente ao maior ou dentre várias outras instituições se constitui
menor uso, das práticas de leitura e de escrita. como agência de letramento.
Objetivando que a escola favoreça a
ampliação do processo de letramento dos 5.2.3 A Relação entre Letramento e
seus estudantes, acreditamos que as ativida­ Escolarização
des abaixo relacionadas favorecem a forma­
ção de leitores e escritores proficientes e, Ancoramo­nos em Masagão(2001) e
consequentemente, de sujeitos mais letra­ Soares(2004), para afirmar que há uma
dos: relação direta entre escolarização e grau de
· a disponibilização de diferentes textos, de letramento, ou seja, conforme aumentam os
diversos gêneros para que manuseiem e anos de escolarização, aumenta, também, o
observem o propósito comunicativo e a nível de letramento em que os sujeitos são
estrutura composicional dos referidos textos; classificados.
· a exploração da estrutura dos diferentes Dessa forma, há uma grande respon­
suportes textuais, tais como: livro (capa, autor, sabilidade da escola na ampliação do nível de
ilustrador, contracapa, sumário, paginação, letramento dos seus estudantes. É preciso
estilo do(s) autor(es) e ilustrador(es) ­ tipo de que a escola aproxime cada vez mais a sua
linguagem utilizada, tipo de público para o qual prática pedagógica das necessidades de uso
a obra está destinada etc.), jornal e revista; do conhecimento, pois, segundo Soares
· a orientação para produção de diferentes (2004), na escola, eventos e práticas de
gêneros textuais a partir de uma necessidade

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 165
CIÊNCIAS DA NATUREZA

letramento são planejados e instituí­ efetive definitivamente a interrelação entre o


dos, selecionados por critérios pedagógicos, letramento escolar e o letramento social a
com objetivos predeterminados, visando à partir do uso situado da leitura e da escrita e
aprendizagem e quase sempre conduzindo a dos conhecimentos que circulam no mundo.
atividades de avaliação, e na vida cotidiana, Nessa perspectiva, apontamos a
eventos e práticas de letramento surgem em pesquisa escolar como atividade propulsora
circunstâncias da vida social ou profissional, para a realização dessa relação, pois a pes­
respondendo a necessidades ou interesses quisa exige uso situado das diferentes fontes
pessoais ou grupais; são vividos e interpreta­ de informações através da busca incessante
dos de forma natural, até mesmo espontânea. de elementos que elucidem os seus questio­
Diante disso, a autora afirma que namentos. Isto obrigará a escola fazer a
existe o letramento escolar e o letramento relacionar com as diferentes agências de
social. Para ela, letramento escolar se refere letramentos, se constituindo como agência
às habilidades de leitura e de escrita desen­ formadora de sujeitos cada vez mais letrados.
volvidas na e para a escola. Já o letramento
social se refere às habilidades demandadas 5.3 O Desenvolvimento das
pelas práticas sociais. Habilidades de Leitura
A hipótese aqui é, então, que letra­
mento escolar e letramento social, embora Quanto mais a escolaridade avança,
situados em diferentes espaços e em diferen­ maior é a habilidade que se exige dos estudan­
tes tempos, são parte dos mesmos processos tes para aprender diferentes conteúdos por
sociais mais amplos, o que explicaria por que meio da leitura e para demonstrar por escrito o
experiências sociais e culturais de uso da que aprenderam. Eles devem escrever o que
leitura e da escrita proporcionadas pelo entenderam do que leram, localizar informa­
processo de escolarização acabam por ções, expressar com suas palavras o que
habilitar os indivíduos à participação em sabem, selecionar aspectos relevantes, fazer
experiências sociais e culturais de uso da resumos, dentre outras habilidades.
leitura e da escrita no contexto social extraes­ É preciso considerar, entretanto, que
colar (SOARES, 2004, p. 111). aprender a partir da leitura exige não apenas a
retenção de informações, mas sua transfor­
Em se tratando de práticas e eventos mação em conhecimento de fato. E é aí que
de letramentos com características distintas, reside a tarefa fundamental e intransferível da
o letramento escolar e o letramento social escola: ensinar aos estudantes as habilidades
fazem parte de um mesmo processo. Em que todo leitor competente pode utilizar
decorrência disso, supõe­se que o sujeito que quando precisa aprender com os textos. Além
vivencia práticas de letramento escolar, via de de esse ser um aprendizado essencial para
regra, acaba por habilitar­se para a vivência de avançar na escolaridade, é também uma
práticas que exijam o letramento fora do necessidade do mundo atual, se considerar­
contexto escolar. mos que a grande quantidade de informações
Diante disso, entendemos que a produzidas e veiculadas em diferentes meios
escola é uma das principais agências de de comunicação requer do leitor relativa
letramentos e que é necessário alargar a autonomia para selecionar e interpretar de
relação entre letramento e escolarização. forma adequada aquilo que responde às suas
Dessa forma, defendemos que ela, a escola, necessidades.

166 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

Portanto, não é suficiente que os Dentre a variedade de gêneros que os


estudantes aprendam os conteúdos a partir estudantes precisam aprender a ler, há alguns
do texto, mas sim que desenvolvam habilida­ prioritários, que são os predominantemente
des que lhes permitam compreendê­lo e expositivos: textos cuja finalidade é fazer
aprender com ele. É necessário ensinar os compreender um assunto, apresentar um
estudantes a estudar e a tomar consciência do tema novo ou expor um conceito em que o
que é preciso fazer efetivamente para estudar autor apresenta informações sobre um
um texto. Tal como afirma Délia Lerner45(1999, conteúdo supostamente desconhecido ou
p.11): pouco familiar aos leitores, com as explica­
“Tornar objeto de ensino os usos da ções necessárias para favorecer o entendi­
leitura e da escrita em diversos componentes mento do que é tratado. Em geral, quem
curriculares significa oferecer a todos os produz esses textos pretende ensinar algo
estudantes maiores oportunidades para que pela escrita – como ocorre com os que se
se apropriem desses usos para aprender, encontram nos livros didáticos.
significa habilitá­los a utilizar essas ferramen­ Os gêneros de natureza expositiva
tas de forma competente e eficaz, significa possuem uma forma própria de organização
contribuir positivamente para seu êxito das informações e apresentam recursos
escolar no presente e no futuro.” linguísticos e marcadores textuais específicos
Se a situação de estudo estiver que dão uma determinada ordem lógica às
relacionada à História, por exemplo, será ideias para favorecer o entendimento do que é
importante que os estudantes saibam lidar tratado.
com textos de diversos gêneros em que os Para que os estudantes compreen­
conhecimentos históricos estão presentes, o dam esses textos é preciso saber lidar com
que exigirá, entre outros aprendizados, eles, é preciso saber estudá­los. E, para tanto,
conhecer suas diferentes formas de organiza­ será preciso receber ajuda para aprender a:
ção para poder compreendê­los, construir • relacionar as informações novas com os
sentidos e aprender com eles. conhecimentos prévios sobre o assunto;
Esses gêneros são cartas, diários de • resolver dificuldades de compreensão
viagem, notícias de jornais e revistas, certi­ encontradas durante a leitura;
dões, leis, fichas de identificação pessoal, • discutir aspectos relevantes;
documentos pessoais, letras de músicas •reorganizar informações para recordar o que
populares e de hinos, gráficos e tabelas, foi aprendido: marcar a página onde se
crônicas de costumes, propagandas de encontra a informação; registrar a fonte
produtos/eventos e são também os textos pesquisada para que, caso necessário, se
que figuram nos livros didáticos. E para que os possa recorrer novamente a ela; sublinhar o
estudantes possam ter familiaridade e se que for relevante; fazer comentários na
relacionar adequadamente com esses textos, margem dos textos; anotar o que for preciso;
será preciso conhecê­los na escola, o que resumir; fazer esquemas; fichamentos;
significa que é tarefa dos professores dos paráfrases; ou mesmo ler outros textos que
diferentes anos/séries e componentes ajudem a compreender melhor o que está
curriculares garantir o acesso a eles. sendo estudado.

45
LERNER, Délia. Preparar para a vida acadêmica por intermédio da leitura e da escrita. In: Seminário Internacional – curso Ler e escrever para estudar: uma análise
didática. Centro de Estudos da Escola da Vila. São Paulo, 10 e 11 de setembro de 1999.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 167
CIÊNCIAS DA NATUREZA

Essas são habilidades que, de implementar diferentes modalidades


certamaneira, apoiam a leitura e fazem da organizativas que coexistem e se articulam ao
escrita uma poderosa ferramenta para longo do ano escolar: projetos didáticos,
aprender a estudar, além do que, a ampliação sequências didática,atividades permanentes
dos diferentes letramentos e da capacidade e atividades independentes (BRASIL,2001).
de pesquisa passa necessariamente pela A partir do que é orientado pela
conquista dessas habilidades. proposta curricular das unidades escolares,
os professores são informados sobre o que
5.4 A Gestão de Sala de Aula e as devem ensinar e o que os estudantes devem
46 aprender, contudo devem, também, tomar as
Modalidades Organizativas
decisões e organizar um planejamento que
informa o como fazer para que a proposta
A prática docente é uma prática de
curricular seja colocada em prática no dia­a­
gestão em que o professor se configura num
dia da sala de aula. A pesquisadora argentina
gestor de sala de aula, que motiva e
Délia Lerner classificou o trabalho de gestão
desencadeia atividades didático­
de sala de aula em: projetos didáticos,
pedagógicas. Assim, é o professor que toma
sequências didáticas, atividades
decisões frente aos processos de ensino e de
permanentes e atividades independentes, que
aprendizagem (LIMA, 2009). Dentre os muitos
hoje são conhecidos como modalidades
encaminhamentos e tomadas de decisão
organizativas (ANDRADE; GUIMARÃES, 2013).
geridos pelo professor, o trabalho com o
tempo didático é determinante na prática
Projetos
dessa gestão.
Não tem sentido discutir se com mais
Os projetos, também chamados de
ou menos tempo se ensina ou se aprende
projetos didáticos, que não devem ser
determinado conhecimento escolar, mas o
confundidos com os Projetos de Escola, são
como utilizar ou melhor aproveitar este tempo
formas organizativas do ensino cuja principal
é o que de fato importa na gestão de sala de
característica é ter início em uma situação­
aula. No contexto de ressignificação do
problema e se articular em função de um
tempo didático, estratégias e propostas de
propósito, um produto final, que pode ser um
atividades bem planejadas efetivam o
objeto, uma ação ou os dois (SIGNORELI, 2013;
desenvolvimento do conhecimento. Portanto,
LERNER, 2002).
a prática de gestão do professor deve produzir
Suas principais características são a
mudança qualitativa, não simplesmente
existência de um produto final e de objetivos
quantitativa.
mais abrangentes. Os erros mais comuns em
Essa mudança sugere rompimento sua execução são certo descaso pelo
com a correspondência linear entre processo de aprendizagem, com um excessivo
conhecimento e tempo, assim duas condições cuidado em relação à chamada culminância
são necessárias: manejar com flexibilidade a (ANDRADE; GUIMARÃES, 2013).
duração das situações didáticas e viabilizar o O s p ro j e t o s p e r m i t e m u m a
retorno aos mesmos conhecimentos em organização muito flexível do tempo, em
diferentes oportunidades, sob diferentes função de um objetivo que se queira alcançar.
perspectivas. Criar essas condições exige Podem ocupar somente uns dias ou se
46
Texto produzido pelo prof. Ricardo Lisboa Martins – licenciado em Filosofia e Matemática, mestre em Educação Matemática – técnico pedagógico da Superintendência
de Políticas Educacionais.

168 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

desenvolver ao longo de vários de certos objetivos educacionais, que têm um


meses. Tendo maior duração oferecem a princípio e um fim conhecidos tanto pelo
oportunidade de compartilhar com os p ro f e s s o r c o m o p e l o s e s t u d a n t e s
estudantes o planejamento das tarefas e sua (ZABALA,1998).
distribuição no tempo. Assim, fixada a data em A diferença em relação aos projetos, é
que o produto final deve estar pronto, é que esses se organizam em torno de um
possível discutir um cronograma e definir as produto tangível, e que as sequências didáti­
etapas necessárias, as responsabilidades que cas incluem situações estruturadas, objetivos
cada grupo deve assumir e as datas que terão bem definidos alcançados a curto prazo.
de ser respeitadas para que o objetivo seja As sequências didáticas pressupõem
alcançado no prazo previsto. um trabalho pedagógico organizado em uma
Uma qualidade importante dos determinada sequência, durante um
projetos é oferecer um contexto no qual o determinado período estruturado pelo
esforço de estudar tenha sentido, e no qual os p ro f e s s o r , c r i a n d o ­ s e , a s s i m , u m a
estudantes realizem aprendizagens com alto modalidade de aprendizagem mais orgânica
grau de significação. É a modalidade (SIGNORELI, 2003; LERNER, 2002). Os planos
organizativa do ensino que mais se afina com de aula, em geral, seguem essa organização
os trabalhos interdisciplinares. didática. Em cada sequência se inclui, assim
como nos projetos, atividades coletivas,
Sequências Didáticas grupais e individuais.

A sequência didática é um conjunto Atividades Permanentes


de propostas de atividades interligadas e com
ordem crescente de dificuldade. Cada passo As atividades permanentes ou
permite que o próximo seja realizado. Os habituais se repetem de forma sistemática e
objetivos são focados em conhecimentos previsível, diária, semanal ou quinzenalmente,
escolares mais específicos, com começo, e oferecem a oportunidade de contato intenso
meio e fim. Em sua organização, é preciso com um conhecimento escolar em cada ano
prever esse tempo e como distribuir as da escolaridade. Normalmente, não estão
sequências em meio às atividades permanen­ ligadas a um projeto e, por isso, têm certa
tes e aos projetos. É comum confundir essa autonomia. As atividades servem para
modalidade com o que é feito no dia­a­dia. A familiarizar os estudantes com determinados
questão é: há continuidade? Se a resposta for conteúdos e construir hábitos, isto é, são
não, você está usando uma coleção de situações propostas com regularidade.
atividades com a cara de sequência Podem ser utilizadas quando um dos objetivos
(ANDRADE; GUIMARÃES, 2013). do trabalho é construir atitudes (SIGNORELI,
Pode­se, ainda destacar, que 2003; LERNER, 2002).
sequência didática é um instrumento de Por exemplo, uma atividade
ensino e gestão da sala de aula, que define permanente que se pode realizar é A hora dos
p ro c e d i m e n t o s , p a s s o s , o u e t a p a s contadores de contos, em que os estudantes
encadeados para tornar mais eficazes os se responsabilizam, em rodízio, por contar ou
processos de ensino e de aprendizagem. É um ler um conto que eles mesmos tenham
conjunto de atividades ordenadas, escolhido e cuja apresentação tenha
estruturadas e articuladas para a realização preparado previamente, de tal modo que seja
clara e compreensível para quem ouve.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 169
CIÊNCIAS DA NATUREZA

curiosidades científicas, destinada a Atividades de Sistematização: estas


dar resposta às indagações dos estudantes são consideradas “independentes” apenas
sobre o funcionamento da natureza e a pelo fato de não ajudarem a alcançar objetivos
intensificar seu contato com as discussões colocados em relação à ação imediata.
científicas. Guardam sempre uma relação direta com os
Ainda como exemplo de atividades objetivos didáticos e com os conteúdos que
permanentes, pode­se encaminhar A hora das estão sendo trabalhados, porque se destinam
notícias, atividade destinada a formar leitores justamente à sistematização dos
críticos. conhecimentos construídos através de outras
Outro exemplo refere­se a um modalidades organizativas.
professor de Matemática de 1ª série do Ensino Como exemplo cita­se: professores
Médio, que tem quatro encontros semanais preparam um debate, a partir de um
com uma classe e que desenvolve o estudo documentário em vídeo, em função da
de funções em três desses encontros, por ocorrência nas imediações da escola de
meio de atividades sequenciadas, e uma vez algum fato que envolve questões de violência,
por semana, desenvolve estudos estatísticos ética e que pede uma intervenção educativa;
relacionados a um projeto interdisciplinar que ou ainda, durante uma discussão sobre
a turma está realizando, em colaboração com notícias de jornal, um estudante traz um artigo
os professores de Geografia e História. Esse de jornal comentando uma descoberta
encontro passa, então, a ser uma atividade científica e a partir do grande interesse pelo
habitual, relativa ao desenvolvimento do conhecimento, então, o professor sugere a
projeto (SIGNORELI, 2003). uma equipe de estudantes que prepare um
seminário sobre o tema e marca uma atividade
Atividades Independentes independente para a apresentação.
Esses exemplos nos fazem lembrar
As atividades independentes são que o planejamento do ensino deve ser
aquelas que, geralmente, correspondem a construído com flexibilidade, tendo um
necessidades didáticas surgidas no decorrer espaço para que atividades independentes
dos processos de ensino e de aprendizagem. possam ser realizadas.
Configura uma aula em que o professor C o m b i n a n d o a s d i f e re n t e s
sistematiza um conhecimento escolar que modalidades, o professor tem condições de
esteve em jogo no desenvolvimento de um organizar seu plano de ensino de modo a
projeto recém terminado, e que não tratava proporcionar aos estudantes processos de
dos objetivos desse projeto (SIGNORELI, 2003; ensino e de aprendizagem mais significativos,
LERNER, 2002). Estas podem se classificar em articulando os diferentes conhecimentos
dois subgrupos: escolares com as diferentes modalidades
Atividades Ocasionais: em algumas organizativas e, dessa forma, evitando a
oportunidades, o professor considera alguma f ra g m e n t a ç ã o d o c o n h e c i m e n t o e
atividade valiosa e a compartilha com os respondendo melhor ao desafio de ensinar.
estudantes, ainda que não pertença ou se A a r t i c u l a ç ã o d e d i f e re n t e s
relacione às atividades que no momento estão modalidades organizativas torna possível
sendo realizadas. Assim, se é algum desenvolver situações didáticas que tenham
conhecimento escolar significativo, a diferentes durações, que podem ser
organização ou proposta de uma atividade permanentes ou acontecer em determinados
independente se justifica. períodos, algumas que se sucedem no tempo,

170 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

ou etapa. Desse modo, a distribuição A depender do tipo de aprendizagem


do tempo didático, em vez de se confundir com que se pretende favorecer, os conteúdos
a justaposição de pedaços do objeto de podem ser trabalhados na forma de atividades
conhecimento que seriam sucessiva e permanentes, atividades sequenciadas,
47
cumulativamente aprendidos pelo sujeito, atividades de sistematização ou projetos .
favorece a apresentação do conhecimento, A seguir há uma breve síntese das
pela escola, como uma prática social características de cada uma dessas
complexa e a apropriação progressiva dessa modalidades de organização do trabalho
prática por parte dos estudantes. pedagógico.

5.4.1 Síntese das modalidades


organizativas

47
Essas formas (ou modalidades) de organização dos conteúdos são defendidas por Delia Lerner e constam do texto “É possível ler na escola?”,presente no livro Ler e
escrever na escola ­ o real, o possível e o necessário (Artmed, 2002).

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 171
CIÊNCIAS DA NATUREZA

5.5. Orientações Didático­ competências e habilidades para realizar


Metodológicas da Área de Ciências diversos trabalhos e tarefas, aprenda a
aprender, para continuar aprendendo.
da Natureza
Para atender a todas essas
exigências, os professores devem estar bem
O Ensino da área de Ciências da preparados deixando para trás o papel de
Natureza, bem como o de todas as outras simples transmissores de conhecimentos
áreas deve atender às orientações trazidas para serem mediadores, facilitadores da
pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação aprendizagem. O estímulo à realização de
Brasileira (BRASIL, 1996) e pelas novas pesquisas, à produção de conhecimentos e ao
Diretrizes para a Educação Básica trabalho em grupo é fundamental. A pesquisa
recentemente publicadas (BRASIL, 2013). incentiva a curiosidade, a inquietação, as
Cabe à Educação Básica oferecer às crianças descobertas, o gosto pela busca e aquisição
e jovens do Brasil acesso aos conhecimentos de informações, e através dela o estudante
acumulados pela humanidade e autonomia age e interage, além de desenvolver diversas
intelectual, para que possam exercer seus capacidades tais como interpretar, analisar,
direitos sociais, propiciando uma formação aprender, criticar, refletir, aceitar ou rejeitar
para a cidadania e para o mundo trabalho. A ideias, buscar soluções e propor alternativas.
escola atenderá a todas as crianças, jovens e Tudo isso deverá dotá­lo de autonomia e
adultos brasileiros, com seus valores, senso crítico para a resolução de problemas. A
comportamentos e anseios singulares. Como pesquisa escolar, motivada e orientada pelos
o país ainda passa por sérios problemas professores, implica na identificação de uma
econômicos, muitos estudantes oriundos de dúvida ou problema, na seleção de
famílias pobres obtêm, através da escola e da informações de fontes confiáveis, na
apropriação de conhecimentos escolares, interpretação e elaboração dessas
maiores oportunidades de inserção social e informações e na organização e relato sobre o
no mundo do trabalho. É necessário atender conhecimento adquirido, propiciando a
com qualidade estudantes adultos, indígenas, atitude científica (BRASIL, 2013).
os que vivem no campo, quilombolas e aqueles A área de Ciências da Natureza
portadores de necessidades especiais. apresenta um conjunto de conceitos básicos.
No mundo atual é enorme a Uma seleção cuidadosa de conteúdos em
quantidade de novos conhecimentos termos de quantidade, pertinência e
científicos e tecnológicos que surgem e que a relevância e sua equilibrada distribuição ao
cada momento são divulgados de alguma longo dos tempos de organização escolar é
forma pelas rádios, televisões, internet, indicada, evitando­se assim o chamado
revistas, livros etc. Consequentemente a currículo enciclopédico, com excesso de
instituição escolar deixou de ser o único conteúdos a serem trabalhados em pouco
centro de construção e divulgação de tempo. É necessário que se estabeleça um
informações e conhecimentos, para ser mais c o n j u n t o d e s a b e re s i n t e g ra d o s e
um no meio de tantas instituições, significativos, que possibilite o
movimentos e ações culturais, além dos meios prosseguimento dos estudos, e também o
de comunicação. Esse novo mundo requer entendimento e ação crítica a respeito das
que o estudante, além de adquirir questões da vida e do mundo. Além disso, é
determinadas informações e desenvolver preciso levar em conta o que os estudantes já

172 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

sabem e o que eles gostariam de aprender. tendo como fio condutor as conexões com o
Neste Referencial Curricular do Estado de mundo do trabalho e com a sociedade em
Alagoas foram organizados quadros geral.
contendo as principais atitudes, Há muitos anos estudos vêm sendo
competências e habilidades a serem realizados para discutir mudanças no ensino
desenvolvidos nos componentes curriculares de Ciências que corrijam algumas distorções
de Ciências da Natureza, Biologia, Física e, que acontecem quando os professores não
Química nos quais é sugerida uma lista de levam em consideração o que os estudantes já
conteúdos para cada ano de escolaridade. sabem, pois supõem que eles sabem pouco ou
C a b e a o s p ro f e s s o re s , at ra v é s d o têm informações distorcidas sobre os
conhecimento sobre seus estudantes (quem conteúdos (VILANNI e MENEZES, 1980). Outra
são, do que são capazes em determinados distorção é aquela que prioriza a aplicação de
momentos da escolaridade), do tempo de fórmulas e a resolução de exercícios, e o
trabalho disponível na escola, adaptar os incentivo à memorização de nomes e
conteúdos sugeridos as suas necessidades. classificações em detrimento da
Nessa perspectiva, é importante compreensão. Este tipo de ensino em que os
adotar metodologias de ensino inovadoras, conteúdos não são contextualizados e as
diferentes das que se encontram nas salas de aplicações práticas e tecnológicas são
aula mais tradicionais e que ofereçam ao deixados de lado continua a ser praticado
estudante a oportunidade de uma postura diariamente em muitas escolas brasileiras.
ativa, interessada e comprometida no Nos últimos anos, o estado de Alagoas vem
processo de aprender, que incluam não só apresentando resultados insatisfatórios, com
conhecimentos, mas, também, sua altos índices de retenção e evasão, além de
contextualização, experimentação, notas baixas nas diversas avaliações
integração entre disciplinas e áreas de nacionais. É urgente a necessidade de
conhecimento, vivências e convivência em melhoria da Educação Básica no Estado de
tempos e espaços escolares e extraescolares, Alagoas, em todas as áreas, inclusive na área
mediante aulas e situações diversas (BRASIL, de Ciências Naturais. Os estudantes das
2013). escolas públicas alagoanas em geral são de
As propostas voltadas para a famílias pobres, carentes de oportunidades de
Educação Básica, em geral, estão baseadas desenvolvimento social e cultural, e
em metodologias mistas (SANTOMÉ apud necessitam de apoio e atenção especial que
BRASIL, 2013), as quais são desenvolvidas em permitam o sucesso da aprendizagem.
pelo menos dois espaços e tempos. Um deles Restringir as atividades escolares e os
destinado ao aprofundamento conceitual no exercícios a meras aplicações de fórmulas e
interior das disciplinas, e outro, voltado para regras desprovidas de reflexão não é uma boa
as denominadas atividades integradoras. As opção. Deve­se ampliar o leque de atividades
atividades integradoras podem ser que favoreçam a compreensão dos
desenvolvidas a partir de várias estratégias ou fenômenos e o conhecimento e uso da
temáticas. Elas poderão ser propostas na linguagem científica com seus símbolos,
organização do projeto pedagógico da escola fórmulas, equações, além de incentivar a
privilegiando as relações entre situações reais construção e interpretação de tabelas,
existentes nas práticas sociais (ou simulações esquemas e gráficos.
de situações) e os conteúdos das disciplinas, Várias estratégias inovadoras e

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 173
CIÊNCIAS DA NATUREZA

materiais didáticos vêm sendo propostos. Os permear o ensino de cada disciplina,


avanços tecnológicos trouxeram aparatos lembrando que a prática não se reduz a
técnicos modernos e a possibilidade de se experimentos de laboratório ou observações,
conseguir informações rapidamente, mas ela acontece sempre que conhecimentos
principalmente através do uso da internet. Os são mobilizados para entender a realidade e
professores da área de Ciências devem se sempre que sai do plano das abstrações
atualizar constantemente, buscando novas conceituais para o plano real (RIO GRANDE DO
alternativas que possam contribuir para que SUL, 2006).
as aulas sejam mais atraentes e prazerosas. Uma das formas de se realizar um
Mídias digitais, manuais, filmes e ensino contextualizado e interdisciplinar é por
documentários, artigos de jornais e revistas, meio do desenvolvimento de projetos de
simulação de experiências etc. podem e trabalhos que organizam os conhecimentos
devem ser utilizados. Tais métodos ou dando­lhes um aspecto global, promovendo a
estratégias didáticas não podem ser abordagem por múltiplas perspectivas,
entendidos como receitas prontas, pois contribuindo para a aprendizagem,
devem ser adaptadas e ajustadas à realidade favorecendo a participação ativa dos
e projetos da escola e da comunidade, bem estudantes, pois estes são incentivados a agir,
como ao desenvolvimento de competências e buscar, pesquisar, organizar, numa postura
habilidades consideradas fundamentais e participativa, investigativa, crítica e
estabelecidas no Referencial Curricular. autônoma, propícia para o desenvolvimento
Os professores ao prepararem suas de competências e habilidades em diferentes
aulas devem considerar o ambiente em que os domínios.
estudante estudantes vivem, para que P ro j e t o s I n t e rd i s c i p l i n a re s
visualizem os objetos, coisas e fenômenos pressupõem um conjunto de ações voltadas à
com os quais os mesmos interagem, visando elaboração de um produto final que faça
facilitar o diálogo e as relações interpessoais. sentido para os estudantes e, de preferência,
Outro fator importante consiste em tenha utilidade na comunidade escolar. Uma
considerar o que o estudante já conhece sobre de suas características é a necessidade de
os fenômenos estudados, as chamadas envolver a turma em todas as etapas do
concepções prévias ou concepções de planejamento. A proposta é reunir conteúdos
mundo. Segundo Campos e Nigro (1999), é abrangentes, atingindo propósitos didáticos e
preciso considerar aquilo que o estudante sociais. Para sua materialização é necessário
pensa a respeito de determinado assunto, prever os momentos de planejamento e de
suas ideias e conhecimentos já adquiridos discussão em grupo e os de trabalhos
fora do ambiente escolar. Os estudantes não individuais. Estabelecer justificativas,
podem ser considerados “páginas em branco” aprendizagens desejadas, etapas do
ou “tábulas rasas”. Eles chegam à escola com desenvolvimento, produção, maneiras de
ideias prévias e do senso comum que devem divulgar o produto final, duração e avaliação
ser ressignificadas num trabalho articulado final. Como a duração de um projeto é variada,
pelo professor que abordará os conceitos, podendo ser longa, faz­se necessário definir
fatos, teorias e demais informações, quantos projetos podem ser realizados
buscando a reconstrução dos conhecimentos durante o ano, embora eles possam ser
(VILLANI, 1981). desenvolvidos sem que seja necessário
A articulação teoria­prática deve abandonar outras atividades como

174 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

s e q u ê n c i a s d i d á t i c a s e at i v i d a d e s de duração dependerão da resposta da turma


permanentes, de forma simultânea. e do alcance dos objetivos estabelecidos.
O desenvolvimento de projetos A t i v i d a d e s Pe r m a n e n t e s s ã o
contextualizados e interdisciplinares favorece propostas de realização de
a pesquisa e a articulação de saberes trabalhos/atividades regulares
contribuindo para a aprendizagem. Sempre (semanalmente, quinzenalmente ou
que possível, deve­se associar os temas m e n s a l m e n t e ) p a ra c o n t e ú d o s q u e
escolhidos à realidade vivida pelos necessitam de um tratamento constante. A
estudantes, e aos problemas que afetam a escolha dos conteúdos e do tipo de atividades
comunidade em que vivem. Na área de que serão realizadas em cada grupo de
Ciências da Natureza diversos temas podem estudantes deve ser bem planejada e
ser abordados: “Fontes de Energia”, “Viagens dependerá das prioridades estabelecidas no
Espaciais”, “Ameaças à Biodiversidade”, plano de ensino, tendo em vista as atitudes,
“Desmatamento”, “Alimentação Saudável”, competências e habilidades que se quer
“ Tr a t a m e n t o d e Á g u a ” , “ Po l u i ç ã o desenvolver. Um exemplo pode ser a criação e
Atmosférica”, “Efeito Estufa” e tantos outros o cuidado com uma Horta na Escola. Nos
que são tão atuais e relevantes como os já momentos pré­estabelecidos, além de limpar,
citados. adubar e regar as plantas os estudantes
Sequência didática é um termo usado podem estudar o solo, as plantas e seu
para definir um conjunto de procedimentos crescimento e aprender sobre ecologia e
encadeado em passos, ou etapas ligadas sustentabilidade. Outra atividade
entre si visando tornar o processo de permanente interessante é a instituição de um
aprendizagem mais significativo para os Clube de Ciências, em que o estudante inicia
estudantes. Seu objetivo principal é ensinar seus projetos experimentais, investiga e é
conteúdos que exijam um aprofundamento estimulado para a pesquisa. São muitas as
gradual e tempo para serem aprendidos, como possibilidades e neste documento há o
por exemplo, a realização de uma série de detalhamento de alguns exemplos, que
atividades e experiências para aprender quem podem, inclusive, motivar a realização de
são e como agem os micro­organismos. É projetos muito instigantes, se o planejamento
preciso planejar, prevendo a ordem em que as inicial de como acontecerão as propostas for
ações serão propostas, os objetivos, os compartilhado com os estudantes.
conteúdos, os materiais, as atividades, as A construção de conhecimentos é
etapas de desenvolvimento, a duração e a favorecida pela abordagem de conceitos a
maneira como será feita a avaliação. A partir de situações reais ou idealizadas, que
maioria dos conteúdos da área de Ciências envolvam análise qualitativa e quantitativa,
Naturais e das demais áreas exige tempo e leitura e produção de textos (RIO GRANDE DO
esforço de aprendizagem, portanto as SUL, 2006). O desenvolvimento da leitura e do
sequências didáticas representam uma letramento está relacionado a todas as áreas
modalidade organizativa muito presente nos de conhecimento. A Área de Ciências da
planejamentos escolares. Cabe aos Natureza pode promover a leitura através do
professores selecionar os conteúdos mais uso de diferentes tipos de textos da
importantes, organizá­los, garantir a atualidade, além de estimular a produção
continuidade e o avanço gradual. O número destes em salas de aulas através de relatos de
de atividades de cada sequência e seu tempo experimentos, observações, visitas,

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 175
CIÊNCIAS DA NATUREZA

entrevistas etc. Divulgar trabalhos e explicá­los e muitas vezes apenas memorizam


resultados obtidos é fundamental. Os alguns fragmentos, com prejuízo à visão global
estudantes podem organizar seminários, (BRASIL, 1998). Ainda é muito comum nas
exposições, feiras, apresentando seus salas de aula encontrar professores de
trabalhos para os colegas da escola, pais, Ciências que priorizam os aspectos
estudantes de outras escolas etc. matemáticos em detrimento dos conceitos.
Propor situações desafiadoras, O objetivo principal do ensino de
possíveis de serem resolvidas através da Ciências é levar o estudante a compreender os
articulação de atividades desenvolvidas pelos fenômenos, perceber como e em que
estudantes e através das intervenções condições eles acontecem e que explicações
pedagógicas é importante. A resolução de a Ciência propõe. A abordagem conceitual
problemas permite a mobilização dos deve ser privilegiada. Os Parâmetros
conhecimentos adquiridos garantindo a Curriculares Nacionais (PCN+) afirmam que
aprendizagem, além de favorecer a troca de não é preciso abrir mão das fórmulas, pois a
ideias e hipóteses, o respeito pelas diferentes formalização matemática é essencial, mas
opiniões, à busca pelas informações, a que ela deve ser desenvolvida como síntese
disposição para enfrentar desafios e a tomada dos conceitos e relações compreendidos
de decisões. É necessário oferecer aos anteriormente de forma fenomenológica e
estudantes ocasiões em que eles possam qualitativa (BRASIL, 2002).
mobilizar recursos internos (conhecimentos, Em Ciências o conhecimento das
capacidades e atitudes) e externos (recursos e diferentes unidades de medidas associadas
fontes de informações disponíveis, fichas, à s g ra n d e z a s c o r re s p o n d e n t e s é
protocolos e manuais técnicos etc.) para fundamental. Os estudantes devem utilizar
resolver questões e desafios. Esta iniciativa vários equipamentos para a realização de
favorece a articulação entre conhecimentos medidas, levando em consideração a precisão
prévios e novos e a compreensão de diferentes e a exatidão, compreendendo a relação entre
interações presentes em determinadas os fenômenos e a linguagem matemática que
situações­problema, contribuindo para o se aplica e que ajuda a descrevê­los.
desenvolvimento da autonomia e do espírito
crítico. Abordagem CTSA (Ciência, Tecnologia,
Sociedade e Ambiente)
Abordagem Conceitual e a Utilização da
Matemática As atividades de cunho científico
devem buscar a interface com o mundo do
Nos últimos anos o ensino de trabalho na sociedade contemporânea, com
Ciências nem sempre tem priorizado a as tecnologias sociais e sustentáveis, com a
compreensão dos conceitos envolvidos nos economia solidária e criativa, com o meio
fenômenos apresentados como conteúdos na ambiente, com a cultura e demais questões
escola. É preciso ter em mente que apenas presentes no contexto dos estudantes.
reproduzir modelos dos fenômenos e usar (BRASIL, 2013). Alfabetizar os cidadãos em
fórmulas matemáticas para provar a Ciência e Tecnologia é hoje uma necessidade
veracidade das explicações propostas pelas do mundo contemporâneo (SANTOS e
Ciências não é suficiente para promover a SCHNETZLER, 1997). A abordagem CTSA
aprendizagem. Pesquisas têm mostrado que estimula a realização de um ensino de
em geral, os estudantes não compreendem os Ciências capaz de promover reflexões sobre a
fenômenos trabalhados, não conseguem e s t re i t a re l a ç ã o q u e e x i s t e e n t re

176 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

conhecimentos científicos e as aplicações O Uso de Atividades Experimentais


tecnológicas, os aspectos econômicos,
políticos, sociais e ambientais. Inúmeras pesquisas na área de
Segundo SANTOS e MORTIMER Ensino de Ciências destacam o uso de práticas
(2002), propostas para este tipo de aborda­ experimentais como importante ferramenta
gem não podem ser confundidas com simples pedagógica para a compreensão dos fenô­
ilustrações das aulas com exemplos do menos científicos. Segundo CAMPOS e NIGRO
cotidiano, sendo muito diferentes das pro­ (1999), as atividades práticas podem ser
postas de currículos convencionais. As classificadas em demonstrações práticas,
mudanças a serem efetivadas no ensino são experimentos ilustrativos, experimentos
muito mais profundas do que a mera adoção descritivos e experimentos investigativos. As
de temas da atualidade. Estas propostas demonstrações práticas são aquelas ativida­
trazem a preocupação com a formação de des realizadas pelo professor, às quais o
atitudes e valores em contraposição ao ensino estudante assiste sem poder intervir, mas que
memorístico de pseudopreparação para o possibilitam maior contato com fenômenos já
ensino superior; a abordagem temática em conhecidos e o contato com equipamentos,
contraposição aos extensos programas de instrumentos etc. Os experimentos ilustrati­
ciências alheios ao cotidiano do estudante; o vos têm a mesma finalidade, mas estimulam a
ensino que leve o a participar, em oposição ao ação dos estudantes. Os experimentos
ensino em que o ele é passivo. Enfim é uma descritivos são aquelas atividades que o
abordagem que implica mudanças de con­ estudante realiza e que não são obrigatoria­
cepções do papel da educação e do ensino mente dirigidas o tempo todo pelo professor.
das Ciências (SANTOS e MORTIMER, 2002). A partir delas, ele tem contato direto com
A abordagem CTSA possibilita o coisas ou fenômenos que precisa apurar,
tratamento das questões da vida dos estu­ sejam ou não comuns no seu dia a dia. São
dantes e de suas comunidades, a tomada de atividades que se aproximam das atividades
decisões e as intervenções necessárias a fim investigativas, porém não implicam a realiza­
contribuir para melhorar as condições de ção de testes de hipóteses. Os experimentos
vida. Além disso, promove a alfabetização investigativos são aquelas atividades práticas
científica, propiciando o consumo consciente, que exigem grande participação do estudante
a clareza dos direitos frente às inovações e a durante sua execução. Diferem das outras por
industrialização, um posicionamento crítico a envolverem obrigatoriamente discussão de
respeito dos impactos ambientais etc. Nesse ideias, elaboração de hipóteses explicativas e
sentido, promover palestras sobre os temas experimentos para testá­las. Possibilitam
trabalhados, visita a indústrias, instituições percorrer um ciclo investigativo, sem, contudo,
governamentais, museus e espaços científi­ trabalhar nas áreas de fronteira do conheci­
cos é estimulante e contribui para a apren­ mento, como fazem os cientistas. (CAMPOS e
dizagem. As visitas técnicas devem ser NIGRO, 1999)
realizadas sempre que possível, seja como A escolha das atividades experimen­
motivação para os estudos, seja como facili­ tais dependerá de inúmeros fatores. As
tadora da aprendizagem, ou como fonte de demonstrações práticas geralmente são
reflexão sobre os processos científicos e sua feitas quando o material disponível não é
influência no mundo, de modo a inserção dos suficiente para todos na sala
estudantes no mundo do trabalho.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 177
CIÊNCIAS DA NATUREZA

de aula. Nesse tipo de prática experimental é baixo custo. A observação, o questionamen­


importante que o estudante participe cogniti­ to, a manipulação, formulação de hipóteses,
vamente, sendo um observador ativo e não argumentação e a experimentação são
apenas um mero expectador. Já os experi­ essenciais. A elaboração de textos descritivos
mentos ilustrativos consistem um meio das ações desenvolvidas, relatórios, esque­
importante para propor atividades avaliativas mas, deve ser incentivado sob a orientação do
em que os estudantes possam apresentar aos professor.
colegas de turma uma demonstração prática. Os professores devem estar sempre
Os experimentos descritivos são os atentos às noções de segurança durante a
que atualmente predominam nas aulas de realização dos experimentos, principalmente
Ciências. Se esses experimentos forem aqueles que envolvem uso de eletricidade,
conduzidos como uma receita pronta e fontes de calor, substâncias químicas tóxicas.
determinada pelo professor, sem reflexões e
questionamentos, os resultados serão pífios, Contextos Históricos e Filosóficos
pois a Ciência é apresentada como uma
verdade absoluta, incontestável. Já os As Ciências Naturais têm um longo
experimentos investigativos são mais acon­ percurso histórico, que se deu através de
selháveis, pois propiciam a participação acúmulo de conhecimentos, mas também
efetiva do estudante. Neste tipo de atividade através de mudanças e rupturas. Estes
os conceitos científicos são compreendidos processos não podem ser esquecidos ou
de forma mais produtiva porque há discussão descartados. O uso da História e da Filosofia
de ideias, reflexão e interação estudante­e das Ciências contribui para a compreensão de
professor­estudante, confronto de concep­ como os conhecimentos da Física, Química,
ções prévias com teorias científicas, favore­
Biologia, Astronomia, Geologia e demais
cendo a aprendizagem. Partir de uma situa­
Ciências foram produzidos ao longo dos
ção­problema estimula a construção do
tempos com a contribuição de muitos cientis­
conhecimento, pois o estudante vai buscar,
tas, e suas relações sociais, políticas e econô­
através de pesquisas e diálogos com os outros
micas, em cada época e seus contextos. Este
estudantes e o professor, as possíveis solu­
ensino leva à percepção da estreita relação
ções, num trabalho ativo e criativo.
existente entre Ciência e Tecnologia e possibi­
A realização de experimentos deve
lita a visão das Ciências como construções
ser priorizada, embora o trabalho de laborató­
rio, seja ele de que natureza for, não deva humanas (OCEM, 2006).
prescindir de um trabalho conceitual corres­
pondente, sob o risco de servir apenas para Uso de Livros Didáticos, Paradidáticos e
desenvolver habilidades de manipulação ou demais Fontes de Pesquisa e Informação
de tornar as aulas menos cansativas (UFAL,
2007). Cabe ao professor fazer uso do traba­ É fundamental que os estudantes
lho experimental para, além de motivar seus desenvolvam habilidades de leitura, interpre­
estudantes, criar oportunidades nas quais tação e produção de textos em diversos
eles possam manifestar seus conceitos já gêneros, assim é necessário privilegiar a
conhecidos, explorá­los e reconstruí­los. É criação de estratégias para desenvolvimento
papel da escola é propiciar as condições da leitura crítica e da organização da escrita
materiais e o tempo necessário para essas em formas mais complexas, incluindo estudos
atividades. É possível realizar um experimento científicos e literários, obras e autores locais,
usando equipamentos simples e materiais de

178 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

nacionais e internacionais. Na área de análises e interpretações. São importantes as


Ciências Naturais, a leitura e o letramento leituras sobre a vida de determinados
fundamentam a chamada “alfabetização cientistas, sobre acontecimentos históricos
científica” com vistas à capacidade de uso do ou recentes onde a sociedade e o ambiente
raciocínio lógico e do pensamento reflexivo. foram afetados por alguma tecnologia,
É sabido que o Livro Didático ainda é a invenção, descoberta etc.
principal referência para os professores sendo
considerado seu principal instrumento de Avaliação
trabalho (DELIZOICOV, 2007). As sucessivas
avaliações realizadas pelo Ministério da A avaliação precisa ser coerente com
Educação, através do Plano Nacional do Livro a concepção do currículo proposto e com as
Didático­PNLD vêm trazendo resultados metodologias adotadas, considerando o
positivos, pois eliminaram uma série de desenvolvimento das atitudes, competências
equívocos tanto de ordem conceitual como e habilidades. Ela deve informar ao professor
metodológica, e atualmente é possível ter o que foi aprendido, quais avanços foram
acesso (os livros didáticos são distribuídos alcançados e o que precisa ser modificado. Os
gratuitamente para os estudantes da rede resultados obtidos servem para reflexão e
pública após análise e escolha feita pelos re o r i e n t a ç ã o d o s t ra b a l h o s e d o
professores das diversas áreas) a livros de planejamento, na busca por melhores
qualidade. Alguns deles são produzidos por resultados. É fundamental que o professor
pesquisadores da área de ensino de Ciências e utilize vários instrumentos de avaliação que
são de grande ajuda no trabalho dos possibilitem o acompanhamento de todo o
professores. Entretanto, é preciso ter clareza processo de ensino e aprendizagem e um
que o Livro Didático não pode ser a única fonte acompanhamento contínuo e sistemático de
utilizada nas aulas. todas as tarefas desempenhadas pelos
A oferta de livros paradidáticos tem estudantes – escrita de textos, organização
crescido e é possível escolher vários que de dados em forma de tabelas, gráficos,
contribuam com os temas abordados nas expressão oral e gráfica sobre os temas
s e q u ê n c i a s d i d á t i c a s e p ro j e t o s trabalhados, resolução de exercícios,
interdisciplinares. Outros textos extraídos de apresentação de seminários, debates e
revistas, jornais, cartilhas, folhetos argumentações, resolução de problemas,
informativos podem ser cuidadosamente provas etc. É necessário avaliar o processo e
escolhidos pelo professor. É importante os resultados, visando o sucesso da
trabalhar com fontes confiáveis. Este aprendizagem.
Referencial Curricular traz uma lista com Visando facilitar o trabalho do
sugestões de alguns livros paradidáticos e professor, este Referencial Curricular traz a
indicação de alguns sites de órgãos seguir, como sugestões, exemplos de
governamentais, instituição de pesquisa e Sequências Didáticas, Projetos
divulgação científica que podem contribuir no I n t e rd i s c i p l i n a re s e d e A t i v i d a d e s
trabalho de seleção das diferentes leituras. Permanentes para a Área de Ciências da
As leituras podem ser feitas coletivamente ou Natureza.
individualmente seguida de discussões,

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 179
CIÊNCIAS DA NATUREZA

5.6 Modalidades Organiza­tivas da Área de Ciências da Natureza

5.6.1 Projeto Didático Interdisciplinar do Ensino Fundamental

180 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 181
CIÊNCIAS DA NATUREZA

182 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 183
CIÊNCIAS DA NATUREZA

184 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 185
CIÊNCIAS DA NATUREZA

186 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 187
CIÊNCIAS DA NATUREZA

5.6.3 Sequência Didática de Ciências do Ensino Fundamental


Unidades de Medidas
9º 12 horas

Autor: Ilson Barbosa Leão Júnior; Alda Maria da Silva

188 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 189
CIÊNCIAS DA NATUREZA

190 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 193
CIÊNCIAS DA NATUREZA

5.6.6 Sequência Didática de Química

194 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

5.6.7 Atividades Permanentes Painel Informativo

Atividades Permanentes são aquelas Construção de um Painel Informativo


re a l i z a d a s d e fo r m a s i s t e m á t i c a na Escola, a ser alimentado pelos estudantes
semanalmente, quinzenalmente ou quinzenalmente, com notícias e curiosidades
mensalmente durante vários meses ou ao ligadas em especial à área de Ciências da
longo de todo o ano escolar. Elas oferecem a Natureza. Essa atividade requer a realização
oportunidade de professores, estudantes e, de pesquisas em diversas fontes de
eventualmente, outras pessoas convidadas, informação (sites da internet, revistas, jornais
interagirem intensamente a respeito de e livros), organização e edição das notícias e
determinado tema a cada ano da demais textos. É importante que o painel seja
escolaridade. Essas atividades são propícias visualmente atraente, ilustrado com figuras,
para o desenvolvimento do hábito de fotografias, gráficos e esquemas, para
pesquisa, leitura e produção de textos. Além incentivar e facilitar a leitura. O professor
de ampliar os conhecimentos, contribuem pode dividir a turma em grupos e a cada quinze
para o desenvolvimento de dias um grupo se encarregará de renovar o
procedimentos/habilidades na área de painel.
comunicação e expressão, além de favorecer Essa atividade potencializa a leitura e
a contextualização e a visão interdisciplinar interpretação de textos, a produção textual e a
dos conteúdos e promover a autonomia dos divulgação científica na escola.
estudantes.
Seguem quatro sugestões para BLOG “CIÊNCIAS HOJE”
realização de atividades permanentes: um Criação de um blog com conteúdos
painel/mural informativo, um blog, uma horta ligados principalmente à área de Ciências da
na escola e uma roda de leitura sobre a vida de Natureza, a ser alimentado pelos estudantes
cientistas que contribuíram para o c o m re g u l a r i d a d e , c o m n o t í c i a s e
desenvolvimento científico. Na verdade, a curiosidades da área. Essa atividade requer a
organização inicial dessas propostas (projetar realização de pesquisas em diversas fontes de
o painel, o blog, a horta) são quatro projetos informação (sites da internet, revistas, jornais
capazes de despertar interesse e empenho e livros), organização e edição das notícias. É
dos estudantes e que, depois de prontos, necessário que o blog seja visualmente
constituem­se em espaço de realização de atraente, bem ilustrado com figuras,
atividades permanentes. fotografias, gráficos e esquemas, para

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 195
CIÊNCIAS DA NATUREZA

incentivar e facilitar a leitura. O professor irrigação, a Matemática com os cálculos de


pode dividir a turma em grupos e a cada produtividade, área de plantio etc. e a Língua
semana um grupo se encarrega de alimentar o Portuguesa com os registros, anotações,
blog. relatórios etc. Todas as áreas do
Esta atividade também potencializa a conhecimento podem se envolver num
leitura e interpretação de textos, a produção verdadeiro esforço integrado.
textual e a divulgação científica na escola.
Conhecendo os Cientistas
HORTA NA ESCOLA
A construção de uma Horta na Escola A proposta é que, uma vez por
depende de vários fatores tais como: espaço, semana, os estudantes interessados se
disposição da direção da escola em contribuir reúnam em uma sala ou na biblioteca da
com os insumos necessários para escola para realizar leituras e debates sobre a
manutenção da horta etc. Se as condições vida de cientistas. Filmes ou documentários
materiais forem atendidas, a criação de uma podem ser utilizados. Cada mês pode ser
horta pode ser uma excelente oportunidade dedicado à vida de um cientista famoso e
de aprendizado. Conhecimentos sobre o solo, reconhecido nacional e internacionalmente –
clima, sobre as plantas, adubação e por exemplo, a vida e os trabalhos de Marie
compostagem etc. são muito importantes e Curie, cientista que tanto colaborou para o
podem ser bem trabalhados com os desenvolvimento da Química e da Física,
estudantes. As questões sobre alimentação notadamente no que concerne aos
saudável e cuidados com o meio ambiente fenômenos radioativos. Existem livros
também podem ser abordadas. paradidáticos, biografias e filmes sobre essa
Para a construção da horta para cientista. Os professores de diversos
escolas com pouco espaço ou recursos, componentes e áreas (Linguagens, História,
pode­se usar material reciclado (por exemplo, Filosofia etc.) podem se unir nesta atividade,
garrafas PET), abrindo­se assim espaço para escolhendo os materiais a serem utilizados e
se debater questões de sustentabilidade, lixo, organizar juntos a atividade. Especialistas
reciclagem e reaproveitamento. Os vegetais podem ser convidados para fazer uma
produzidos na Horta podem ser aproveitados palestra ou conduzir um debate (professores
na preparação da merenda escolar. universitários, jornalistas, etc.). Ao final de
Todos os professores da escola cada etapa, cartazes e textos podem ser
podem se envolver na criação da horta que construídos visando à divulgação para toda a
será um espaço para se desenvolver a escola, integrando o painel e o blog.
interdisciplinaridade. Poderão ser integrados Outros cientistas igualmente
conhecimentos da Biologia e da Química importantes como Charles Darwin, Albert
s o b re a s p l a n t a s e o s a l i m e n t o s , Einstein, Antoine Lavoisier e tantos outros que
conhecimentos históricos e geográficos sobre foram fundamentais para o progresso das
os alimentos e solos, conhecimentos da Física Ciências podem ser estudados.
relacionada a máquinas simples e sistemas de

196 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
Avaliação da Aprendizagem

Capítulo 6
CIÊNCIAS DA NATUREZA

A avaliação, entendida como processo contínuo de


apropriação, construção e reconstrução da ação educativa, se dará
de forma contínua e cumulativa. Contínua, porque ocorrerá ao
longo do processo de ensino e de aprendizagem, no qual o professor
deverá selecionar e elencar os instrumentos avaliativos que serão
utilizados a partir das competências e habilidades básicas de cada
componente curricular. Cumulativa, por ser um processo gradativo
de aprendizagem, fortalecendo o conhecimento construído pelo
estudante e, servindo de “ponte”, para novas aprendizagens.
Essas concepções de avaliação deverão ser vivenciadas
em todas as etapas e modalidades da Educação Básica,
observando as especificidades de cada uma, exceto na Educação
de Jovens e Adultos quando ofertada de forma não presencial,
através de Exames Supletivos, que por se tratar de uma avaliação de
caráter certificativo, assume uma concepção cumulativa e pontual,
atendendo a um público específico.
Nesse contexto, não se pode, nem se deve avaliar sob uma
única visão, mas com um olhar político­pedagógico, que possibilite
a todos o êxito escolar e o prosseguimento nos estudos,
conduzindo os estudantes a oportunidades de tornarem­se seres
conscientes, éticos e críticos, inserindo­os no mundo das
tecnologias da informação e da comunicação.
A avaliação que possibilite a formação integral deve estar
ancorada em um ensino que tenha por objetivo o desenvolvimento
de todas as capacidades da pessoa, e não apenas voltada para os
aspectos cognitivos.
Dessa forma, a avaliação faz sentido nas aprendizagens de
natureza sociocultural, quando envolve as dimensões afetivas,
emocionais, biológicas, simbólicas, éticas, estéticas e outras que
contribuem para a formação humana. Nessa forma de verificação
de aprendizagens há uma conversão dos métodos de correções
tradicionais (verificação de erros e acertos) em métodos
investigativos, capazes de indicar as alternativas de solução e tipos
de intervenções pedagógicas necessárias em cada situação de
aprendizagem do sujeito envolvido no processo.

6.1 Instrumentos e estratégias de avaliação

A avaliação da aprendizagem escolar, nas diferentes


etapas e modalidades de ensino da Educação Básica da Rede
Estadual de Ensino, ocorrerá de forma contínua e cumulativa, no

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 199
CIÊNCIAS DA NATUREZA

desenvolvimento das atividades ou trabalhos respeitando seus ritmos de aprendizagens,


realizados durante o processo, pois, somente, considerando os aspectos sócio­político­
através da análise reflexiva dos avanços e econômico e cultural.
dificuldades dos estudantes que os A observação, enquanto instrumento
professores poderão rever e redefinir sua de avaliação:
prática pedagógica, para que possam realizar Eleger o objeto de investigação ­ o
quê? Um estudante, uma dupla, um grupo, a
intervenções coerentes com o desenvol­
realização de uma atividade;
vimento dos estudantes.
Estabelecer objetivos claros ­ para
Nessa perspectiva a avaliação quê? Descobrir as dúvidas, os avanços, os
contemplará os aspectos qualitativos sobre tipos de relações estabelecidas pelos
os quantitativos da aprendizagem do estudantes;
estudante, considerando a sua realidade Identificar contextos e momentos
sócio­histórico­cultural a partir das específicos ­ quando e onde? Durante a aula,
competências e habilidades previstas para as no recreio, em assembleias e outros; e,
etapas e modalidades da Educação Básica. Estabelecer formas de registros
É sabido que não existem apropriadas ­ como? Vídeo, anotações,
instrumentos específicos de avaliação fotografia, filmagem.
capazes de identificar a totalidade do
desenvolvimento e da aprendizagem dos 6.1.2 Trabalho individual
estudantes. E, é diante da limitação que cada
instrumento de avaliação comporta que se faz O trabalho individual possibilita ao
necessário pensar em instrumentos diversos e estudante um maior espaço de tempo para
enriquecimento e sistematização de suas
mais adequados para suas finalidades, que
ideias, mais liberdade para a escolha das
deem conta, juntos, da complexidade do
fontes de pesquisa, oportunizando­lhe o
processo de aprender. desenvolvimento de diversas habilidades e a
Para a realização do processo de de diversas formas de expressão de suas
avaliação no âmbito da Rede Estadual de ideias. E ao professor, favorece a verificação
Ensino, sugere­se a utilização de diferentes do nível de conhecimento, através das
tipos de instrumentos de avaliação ao longo competências e habilidades de cada
do ano letivo, que podem ser: (1) observação; estudante possibilitando­lhe melhores
(2) trabalho individual; (3) trabalho em grupo; condições para que reorganize seu trabalho e
(4) debate; (5) painel; (6) seminário; (7) realize as possíveis intervenções.
autoavaliação; (8) prova; (9) relatórios; e, (10) No trabalho individual é importante
registro. considerar:
• o tempo de realização e os prazos para
6.1.1 Observação entrega;
• o nível de conhecimento e de compromisso
A observação permite ao professor do estudante;
conhecer melhor os estudantes e analisar, • as fontes de informações e recursos materi­
qualitativamente, seu desempenho nas ais utilizados; e,
atividades propostas em sala de aula e • a forma como as ideias são expressas.
compreender seus avanços e dificuldades,

200 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

6.1.3 Trabalho em grupo participação em debates exige:


• posicionamento do(a) estudante ao
expressar suas ideias; e,
Entende­se por trabalho em grupo
• estabelecimento de relações dialéticas que
todo tipo de produção coletiva, orientada pelo contribuem para construção de novos
professor, tais como: pesquisas, jogos, conceitos.
desenhos, exercícios, relatórios, maquetes,
vídeos, dentre outros. Constitui­se num 6.1.5 Painel
espaço para compartilhar, confrontar, nego­
ciar ideias e construir novos conhecimentos. O painel permite a visualização dos
Para o professor, a observação dos conhecimentos, levando­se em consideração
os processos de construção deste
estudantes em atividades de grupo, permite
instrumento, tendo como princípios nortea­
u m c o n h e c i m e n t o m a i o r s o b re a s dores a observação e a análise do grupo.
possibilidades de verbalização e ação, em Esse instrumento de avaliação
relação às atividades propostas. favorece ao estudante e ao professor(a) a
Na avaliação do trabalho em grupo é reflexão norteada pelas questões abaixo:
importante considerar: • quais recursos utilizados para produzi­los?
• o tempo de realização; • que fontes de informações foram consulta­
das?
• os tipos de parcerias estabelecidas;
• quais objetivos alcançados, ou não, e por
• o nível de conhecimento e de compromisso quê?
dos estudantes; • que novos encaminhamentos e intervenções
• as fontes de informações e recursos materi­ pedagógicas poderão ser realizados a partir
ais utilizados; desse trabalho?
• a troca dos pontos de vista; e,
• o confronto e o comprometimento entre os 6.1.6 Seminário
componentes do grupo.
É imprescindível que o trabalho em O seminário tem por finalidade a
reflexão do trabalho coletivo e o
grupo venha acompanhado de uma dinâmica
aprofundamento das temáticas sob diferentes
interna de relações sociais, mediada por perspectivas. É uma ação pensada por
alguma situação problematizadora que professores e estudantes, que juntos, definem
permita ao estudante obter informações e metas de conhecimentos a serem alcançadas
explicitar suas ideias. e as formas necessárias para adquiri­las.
Esse procedimento de avaliação
favorece ao professor e aos estudantes a
6.1.4 Debate
reflexão norteada pelas seguintes questões:
• quais foram os objetivos iniciais do trabalho a
O debate constitui­se num procedi­ ser realizado?
mento de avaliação para o professor e o(a)
• que avanços foram evidenciados no proces­
estudante uma vez que, debatendo, o(a)
so de aprendizagem?
estudante expõe sua visão de mundo, seus
conhecimentos para compreensão das • que fontes de informações foram consulta­
temáticas em questão. das?
Organizar debates é uma situação • quais os objetivos alcançados ou não e por
favorável para que estudantes e professores quê? e,
construam novos conhecimentos. A • quais os novos encaminhamentos e inter

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 201
CIÊNCIAS DA NATUREZA

venções pedagógicas poderão ser feitos a conteúdos mais recorrentes nos anos iniciais.
partir desse trabalho? Diferentes procedimentos podem ser
utilizados para aplicação da prova, tais como:
6.1.7 Autoavaliação Prova individual: visa dar ao(à)
estudante a oportunidade para mostrar como
pensa e raciocina; é o momento em que
A autoavaliação permite que os
elae(a), individualmente, argumenta e
estudantes reflitam sobre as ações que
a p re s e n t a c o n c e i t o s e c o n t e ú d o s
realizam, possibilitando a construção de uma
apreendidos.
consciência crítica, a partir da autorreflexão,
Sendo a prova individual um
tanto em relação às suas atitudes e
instrumento que possibilita medir, com maior
habilidades, como em relação ao seu
precisão, o quantitativo de aprendizagem do
desenvolvimento intelectual.
estudante, nomeado­o como nota ou
O exercício de autoavaliação é
conceito, esta pode se constituir como um
fundamental no processo de aprendizagem no
caminho para redirecionar o planejamento e o
sentido de ajudar o professor a melhor
desenvolvimento da prática pedagógica, pois
conhecer o estudante e avaliar seu próprio
permite a todos os envolvidos no processo de
trabalho.
ensino e de aprendizagem a visualização do
Esse instrumento favorece:
seu próprio desempenho.
• o caminho percorrido pelo(a) es­tudante
Prova em dupla e/ ou em grupos é
para chegar as suas respostas e resultados;
uma forma de avaliação que permite a troca de
• as evidências das dificuldades que ainda
ideias e de opiniões sobre determinadas
enfrentam e, a partir delas, o reconhecimento
questões, desenvolvendo várias habilidades,
dos avanços;
tais como as de: organizar suas ideias para
• a relação entre professor e estudante; e,
expô­las ao grupo; ouvir os elementos do
• o esforço pessoal conduzindo a um maior
próprio grupo e dos outros; respeitar ideias
desenvolvimento.
veiculadas nas discussões; interpretar as
ideias dos outros elementos do grupo;
6.1.8 Prova relacionar suas ideias com as dos outros; tirar
conclusões dessa comparação, e avançar no
A prova é um dos instrumentos de conhecimento sobre o tema colocado em
avaliação que tem como finalidade analisar e questão.
refletir junto com os(as) estudantes, Prova com consulta direciona o(a)
professores(as) e pais os resultados obtidos estudante, para a busca e seleção de
ao longo do processo ensino e aprendizagem. informações prioritárias, as quais são
A p ro v a é a p e n a s u m d o s pesquisadas a partir das questões colocadas.
instrumentos possíveis de avaliação, e não o Nesse tipo de instrumento, o(a) estudante
único e nem o mais adequado, a depender do trabalha com várias fontes: jornais, livros,
tipo de conteúdo. Se bem planejada, a prova é revistas, internet, dicionários, “cola” ou
um recurso que pode ser oportuno para avaliar resumo etc., os quais poderão ser consultados
o conhecimento do aluno sobre fatos e no momento da prova. As questões
conceitos, mas nem sempre servirá para apresentadas, nesse instrumento, não podem
avaliar atitudes e procedimentos, que são os ser objetivas, mas deverão envolver

202 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

habilidades de análise e síntese. Na elaboração do relatório, podem­


Prova oral utilizada para que o(a) se utilizar diferentes formas de estruturação.
estudante responda, oralmente, às questões Por exemplo, um relatório pode ser composto
feitas pelo professor. Esse tipo de avaliação da seguinte estrutura: identificação da
leva o professor a identificar como o instituição de ensino, componente(s),
estudante percebe determinado assunto. Por orientador, objetivo geral e específico(s),
meio de suas interferências, o professor material e método, registro de observações
consegue diagnosticar o nível de (resultados), conclusão e referências
entendimento desse(a) estudante. É utilizada bibliográficas.
como diagnóstico complementar sobre o
desempenho de alguns estudantes que 6.2 Registro
apresentam algumas dificuldades na
aprendizagem. Além disso, este tipo de prova Os registros no processo de ensino e
possibilita a verificação da sua expressão oral: de aprendizagem devem oferecer condições
“Fala com clareza?”; “Expressa­se com de acompanhar e informar sobre o
naturalidade?”; “Organiza suas ideias ao desempenho dos estudantes. A partir dessa
falar?” etc. finalidade, podem ser utilizados diversos
instrumentos, como os sugeridos no item
6.1.9 Relatório anterior, que permitam ao professor
identificar dificuldades e avanços,
O relatório é composto de um possibilitando o planejamento e o (re)
conjunto de informações. É utilizado para planejamento de sua prática pedagógica.
reportar resultados parciais ou totais de uma Os registros no processo deverão
determinada atividade, experimento, projeto, seguir os procedimentos abaixo descritos:
ação, pesquisa, ou outro evento que
caracterize um fenômeno em estudo e/ou 6.2.1 Registro no processo
investigação. O relatório pode ser estrutura­
do como um registro de pesquisa, de visita O registro deverá ser efetivado a
técnica, científica ou de aulas. É um partir de anotações realizadas ao longo do
instrumento que visa: processo de ensino e de aprendizagem, sendo
Melhorar a capacidade de questionar a de caráter diagnóstico, formativo e
realidade formulando­se problemas e informativo. A sua utilização permite ao
tratando de resolvê­los; professor uma visão e análise abrangente de
• possibilitar o desenvolvimento do pensa­ sua prática pedagógica e da situação de
mento lógico, a criatividade, a intuição, a aprendizagem em que se encontram os
capacidade de análise crítica, selecionando estudantes.
procedimentos e verificando sua adequação; Assim, o registro do processo de
• utilizar­se de diferentes linguagens: verbal, ensino e da aprendizagem, nas diferentes
matemática, gráfica etc; e, etapas e modalidades de ensino, deverá ser
• proporcionar ao estudante, saber utilizar feito: em diário de classe, ficha individual, ficha
conceitos científicos básicos, associados a descritiva de avaliação individual, parecer
qualquer área do conhecimento, bem como descritivo final, e impreterivelmente na ata
conhecer novas tecnologias e utilizá­las. de resultados finais.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 203
CIÊNCIAS DA NATUREZA

6.3 Promoção de comprometimento mental. Estes(as)


deverão prosseguir a escolarização, sendo
O termo "promoção" reflete a lógica que a ênfase, no processo avaliativo, não deva
do ensino no qual o(a) estudante ascende de centrar­se nos aspectos cognitivos, mas nas
um ano, série, período e de uma etapa para competências necessárias à sua inclusão
outra até complementar a Educação Básica. social. Essas observações deverão constar na
Pensar em promoção significa colocar a ficha de acompanhamento do(a) estudante. E
escola como espaço de ensino e aprendiza­ os (as) estudantes que precisam de um
gem sob a concepção do desenvolvimento acompanhamento mais direcionado, como
humano, considerando­se que a passagem de um intérprete para viabilizar sua aprendiza­
um ano/série/período e de uma etapa para gem e sua avaliação, ou um instrumento como
outra implica possibilitar ao (a) estudante uma lupa, ou qualquer outra proposta de
alternativas de avanço escolar, respeitando ferramenta, que sejam avaliados mediante
os ritmos de aprendizagem, que ocorrem de suas capacidades individuais, e não mediante
forma diferenciada no cotidiano escolar. uma padronização universal dos (as) estu­
dantes com suas competências individuais
6.3.1 Promoção nas etapas e moda­ determinadas, o que fortificaria o fracasso de
lidades todos no processo avaliativo.

Na promoção nas etapas e modali­ 6.4 Turmas de progressão


dade considera­se o nível de desenvolvimento
As turmas de progressão oportuni­
do conhecimento, a frequência e os resulta­
zam o avanço dos(as) estudantes(s) que se
dos obtidos ao longo do processo, para a
encontram em distorção idade/escolaridade
aprovação dos (as) estudantes. Assim, a
matriculada/o(s) na Educação Básica. Para a
promoção dar­se­á da seguinte forma:
organização das Turmas de Progressão, é
6.3.1.1 Ensino Fundamental 6º ao 9º necessário uma organização curricular
específica na perspectiva da aceleração de
ano, Ensino Médio e Ensino Normal
estudos, contemplando todas as áreas de
(2º segmento) e Ensino Médio na conhecimento.
modalidade Educação de Jovens e Essas turmas devem ser organizadas
Adultos da seguinte forma:
• Ensino Fundamental – anos finais
Para estes níveis de escolarização, a • Turmas de Progressão III – aceleração de
promoção efetiva­se por meio do cumpri­ estudos (estudantes do 6º e 7º ano);
mento, por parte do (a) estudante, de fre­ • Turmas de Progressão IV – aceleração de
quência igual ou superior a 75% do total da estudos (estudantes do 8º e 9º ano).
carga horária anual, conforme sistemática de
avaliação vigente. Ensino Médio

6.3.1.2 Educação Especial Turma de Progressão V – aceleração


de estudos (estudantes da 1ª e 2ª série).
Para os (as) estudantes com necessi­ Essa estrutura visa colocar em
dades educativas especiais, a promoção prática a organização que define uma ade­
ocorrerá com base nos mesmos moldes do quação das unidades de ensino quanto à faixa
Ensino Fundamental e Médio, salvo aqueles­ etária e, consequentemente, o agrupamento
(as) estudantes que apresentam graus severos dos(as) estudantes.

204 Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas
CIÊNCIAS DA NATUREZA

A organização de Turmas de 2­ Ensino Médio:


Progressão na Educação Básica visa a atender No máximo três componentes curriculares por
ao estabelecido na legislação em vigor, pois a ano letivo;
rede de ensino e/ou sua unidade poderá optar A organização da oferta dos componentes
por organizar turmas específicas com estu­ terá como base o preconizado no Parecer
dantes que não se encontram em idade CEB/CEE­AL nº 236/2013, alíneas a,b,c,d,e,f ,
correspondente ao ano letivo do Ensino g.
Fundamental, ofertando orientação pedagó­
gica diferenciada, com a possibilidade de, 3­ Educação de jovens e adultos
mediante verificação de rendimento escolar, No máximo três componentes curriculares por
promover a aceleração de estudos, isto é, uma ano letivo;
promoção para anos ou etapas mais adequa­ A organização da oferta dos componentes
dos à sua idade, nos termos da alínea b, inciso terá como base o preconizado no Parecer
V, do art. 24 da LDB n° 9.394/1996 e do art. 13 CEB/CEE­AL nº 236/2013, alíneas a,b,c,d,e,f
da Resolução CEB/CEE­AL nº 08/2007 (para e g.
o ensino Fundamental).
Os (as) estudantes(s) enturmados em Para tanto, as unidades de ensino ao
Turmas de Progressão poderão ser promovi­ ofertarem o regime de progressão parcial
dos em qualquer período do ano letivo, desde deverão definir em seu regimento escolar e no
que superadas as dificuldades de aprendiza­ projeto político pedagógico a forma de
gem. organização dessa oferta, estabelecendo
Serão promovidos os(as) estudantes
horários de funcionamento, carga horária
que obtiverem frequência igual ou superior a
semanal, professor (a), direcionamento
75% do total da carga horária anual, conforme
pedagógico, bem como a adequação e
sistemática de avaliação vigente.
definição dos espaços físicos.
Destacamos que os procedimentos
Progressão Parcial
para implementação da Progressão Parcial
remetem à matrícula escolar para o ano
O regime de progressão parcial é uma
seguinte, pois, para a sua efetivação, é neces­
política que possibilita prosseguir com os
sário que a unidade de ensino tenha o mapea­
estudos na Educação Básica, oportunizando
mento do(a) estudante que serão promovidos
ao estudante o direito de cursar, paralela­
em progressão e paralelamente cursarão
mente ao ano subsequente, os componentes
estudos sobre a forma da oferta da progressão
curriculares nos quais teve resultado insufici­
parcial.
ente para aprovação. A implanta­
ção/implementação configura­se como
obrigatória na rede estadual de ensino. 6.5 Recuperação da aprendizagem
O procedimento para a organização
da Progressão Parcial considera­se: Os estudos de recuperação serão
oportunizados aos(as) estudantes que não
conseguirem desenvolver as competências e
1­ Ensino Fundamental a partir do 6º ano, habilidades dos diversos componentes
conforme Resolução CEB/CEE­AL nº08/2007 curriculares, durante o processo de ensino e
e Parecer CEB/CEE­AL nº 236/2013; aprendizagem.

Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino do Estado de Alagoas 205
CIÊNCIAS DA NATUREZA

A recuperação é uma intervenção responsabilidade de rever as particularidades,


deliberada, intencional e uma consequência no caso da não observância de quaisquer mo­
do processo de avaliação continuada. Para tivos que venham provocar o impedimento de
tanto, deve acontecer todas as vezes em que aplicação da recuperação final, ao(a) estu­
as estratégias de ensino trabalhadas pelos(as) dante.
estudantes, não forem suficientes para Terão, ainda, direito a segunda
propiciar a aprendizagem.
chamada os (as) estudantes do 9º ano do