E.E. Prof. Paulo Rossi Ciências Prof.

ª Deborah Nome: Raphael Martimiano Gritti Nº 34 Nome: Matheus Olimpio Paganini N°28
Série: 7º C

Índice
- Arteriosclerose - Varizes - AVC - Infarto - Conclusão - Bibliografia

pois seu desenvolvimento é lento e progressivo.Predominante na faixa de 50 a 70 anos. e é necessário haver uma obstrução arterial significativa. é a principal causa de morte no mundo ocidental. É caracterizada pelo depósito de gordura. é importante diagnosticar precocemente a doença para detê-la e impedir suas manifestações. doença que atinge artérias de grande e médio calibre. com oclusão (entupimento) arterial aguda . Por esta razão. Sexo . Estudos epidemiológicos mostraram que a arteriosclerose incide com maior frequência e intensidade em indivíduos que têm algumas características. pois as mulheres são "protegidas"desviando suas gorduras sanguíneas para a produção de hormônio feminino (estrogênio).Indivíduos que têm altos níveis de gorduras circulantes no sangue. para que surjam os primeiros sintomas isquêmicos (sintomas derivados da falta de sangue). sendo isso apenas a ponta do iceberg. sendo o colesterol a principal delas. Após a menopausa a "proteção"desaparece. Com risco tão elevado. que podem entrar em isquemia (sofrimento) ou necrose (morte).trombose . como as artérias coronárias. . Hiperlipidemia . o primeiro sinal de arteriosclerose pode ser a morte. cálcio e outros elementos na parede das artérias. Manifesta-se clinicamente em 10% da população acima de 50 anos. que foram denominadas "fatores de risco": Idade . depositam este excesso nas artérias obstruindo-as progressivamente. as artérias carótidas e as artérias dos membros inferiores. de cerca de 75% do calibre de uma artéria.Predominante no sexo masculino.Arteriosclerose A arteriosclerose. A superfície interna irregular da artéria com arteriosclerose predispõe à coagulação sanguínea neste local.levando subitamente à falta de sangue para todos os tecidos nutridos por aquela artéria. reduzindo seu calibre e trazendo um déficit sanguíneo aos tecidos irrigados por elas. Um tipo de arteriosclerose é a aterosclerose. termo genérico para espessamento e endurecimento da parede arterial.

facilitando a penetração das gorduras na parede arterial.A hipertensão arterial provoca alterações na superfície interna das artérias. paralisias transitórias e desmaios na evolução crônica ou o derrame (acidente vascular encefálico) na evolução aguda. ultra-sonografia. mas todas passam por um tratamento básico de controle da hiperlipidemia. atrofias da pele. e até mesmo impotência coeundi (dificuldade de ereção peniana) nos casos crónicos e gangrena nos casos agudos. e este é um fator também importante. • Caso sejam as carótidas (artérias do pescoço) se produzirão perturbações visuais.angina de peito .Os indivíduos que fumam têm um risco nove vezes maior de desenvolver a arteriosclerose que a população não fumante. exame Doppler e arteriografia. A arteriosclerose é uma doença sistêmica. História familiar . acometendo simultaneamente diversas artérias do ser humano. por diversos desvios metabólicos.na evolução crônica ou o enfarte na evolução aguda. da hipertensão. queda de pêlos. eletrocardiograma. pelo exame físico com a palpação dos pulsos arteriais e por exames laboratoriais. não podemos mudar nossa herança genética. • Caso sejam as artérias ilíacas e femorais (artérias de membros inferiores) se produzirão claudicação intermitente (dor nas pernas ao caminhar). do diabetes e da obesidade. Sedentarismo . O quadro clínico apresentado pelo paciente vai depender de qual artéria está mais significativamente obstruída: • Caso sejam as coronárias (artérias do coração). . Hipertensão . O diagnóstico da arteriosclerose é dado pela história clínica do paciente. Há famílias que.A atividade física reduz os níveis de colesterol e favorece a circulação. se produzirá a dor cardíaca durante o esforço . unhas e musculares. não devendo ser negligenciado. do tabagismo. A decisão de parar de fumar modifica favoravelmente a evolução dos pacientes sintomáticos. Para cada fase evolutiva da arteriosclerose e para cada órgão acometido pela doença há uma forma diferente de terapia. O angiologista e/ou cirurgião vascular é o médico indicado para este tipo de avaliação. estão mais sujeitos à doença.Assim como a idade e o sexo.Tabagismo .

médio ou de grande calibre. através das artérias. não fumando e praticando regularmente exercícios físicos. de coloração avermelhada. pernas e coxas. Por isto a natureza lança mão de alguns mecanismos para facilitar o retorno do sangue das pernas até o coração: . levam este sangue para todas as partes de nosso corpo. por sua vez. Este caminho que o sangue percorre desde a sua saída do coração pelas artérias até o seu retorno pelas veias para o coração recebe o nome de CIRCULAÇÃO. Andar sobre as duas pernas criou um sério problema para a circulação: o coração fica bem distante dos pés e das pernas. Esta tarefa de retorno venoso é executada pela veias. Varizes O QUE SÃO VARIZES? Varizes são veias dilatadas e tortuosas que se desenvolvem sob a superfície cutânea. E este esforço é desenvolvido contra a força da gravidade. Estes casos costumam ser assintomáticos e provocam apenas desconforto estético em seus portadores. Dependendo da fase em que se encontram.Melhor que tratar é evitar o aparecimento da doença. A palavra variz se origina do latim: VARIX que sigifica SERPENTE. O sangue é bombeado pelo coração para dentro das artérias que. COMO SE FORMAM AS VARIZES? As varizes se constituem num dos problemas mais antigos do ser humano. podem ser de pequeno. Já as veias têm como função drenar o sangue de volta para o coração. Mas precisa desenvolver esforço muito grande para voltar dos pés e pernas até o coração. O sangue desce muito facilmente do coração até as pernas e os pés. Algumas pessoas apresentam minúsculas ramificações. Todas as células de nosso organismo são nutridas por este sangue. Esses pequenos vasos são de localização intradérmica. Isso pode ser alcançado com uma dieta alimentar equilibrada. As veias mais acometidas pela doença varicosa são as dos membros inferiores: nos pés.

A partir daí o sangue passa a refluir e ficar parado dentro das veias. É preciso que estes mecanismos que ajudam no retorno venoso funcionem perfeitamente. porém resistentes. o principal fator de risco para se ter varizes é a presença desta doença na família: a hereditariedade. o mau funcionamento das válvulas venosas está entre as principais causas para a formação das varizes. chamadas de válvulas venosas.Válvulas venosas – a natureza municiou as veias dos membros inferiores com estruturas muito delicadas. as maiores vítimas são as mulheres por causa dos hormònios femininos – principalmente a progesterona que favorece a dilatação das veias. Isto provoca mais dilatação e mais refluxo. Esta atividade se torna mais fácil quando estamos deitados ou com as pernas elevadas. Estas válvulas servem para direcionar o sangue para cima. Com a idade. Por isto é tão importante caminhar. Calcula-se que 18% da população adulta tem varizes. dessas pessoas. Na pessoa normal a válvula se abre para o sangue passar e se fecha para não permitir que o sangue retorne. por anos e anos. as veias podem perder a sua elasticidade. Agora. Algumas pessoas têm veias mais fracas e menos resistentes a este trabalho contínuo de promover o retorno venoso. Por esta razão existem muitas pessoas com varizes dentro de uma mesma família • A bomba plantar – cada vez que pisamos o sangue acumulado nos pés é bombeado para cima. FATORES DE RISCO QUEM TEM VARIZES ? Nem todo mundo tem varizes. • A bomba muscular da panturrilha – a contração dos músculos da batata da perna também serve de bomba para o retorno venoso. Veja agora outros fatores que contribuem para faforecer o aparecimento das varizes ou agravar as varizes de quem já as tem: . Esta característica tem um importante componente hereditário. Mais uma vez se confirma a importância de andar. com o passar do tempo. E. Só no Brasil estima-se que mais de vinte milhões de pessoas carregam esta doença. E este trabalho tem que ser feito permanentemente. váris fatores podem determinar ou provocar um mau funcionamento destas válvulas. Esta dilatação anormal das veias leva à formação das varizes. ou devido a fatores hereditários. Essas veias começam a apresentar dilatação e as válvulas não se fecham mais de forma eficiente. Em algumas pessoas.

muito cuidado com os trabalhos em que somos obrigados a ficar parados muito tempo. portanto. Alguns pesquisadores já responsabilizam os hormônios anticoncepcionais pelo aparecimento de varizes em mulheres jovens. . também chamadas de “vasos”. Entretanto. • Tabagismo – pesquisas revelam que a parede das veias também sofre as agressões das substâncias contidas nos cigarros • Gravidez – Durante a gravidez a quantidade de sangue circulante aumenta e. a sua chance de ter a doença será maior. • Traumatismo nas pernas • Temperatura – exposição ao calor por tempo prolongado pode provocar dilatação das veias. colocando assim um obstáculo para a subida do sangue das pernas para o coração. dos fornos. as microvarizes ou “aranhas vasculares”. • Sedentarismo – o movimento das pernas é muito importante para “bombear” o sangue das veias. • Pílulas anticoncepcionais e reposição hormonal – mais uma vez encontramos o problema dos hormônios atrapalhando as veias da perna. podem aparecer em pessoas bem mais jovens. O Fórum da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (www. Portanto. Aumenta também a quantidade de progesterona.Não é à toa que a incidência de varizes é um pouco menor nos países mais frios.sbacv-nac. Outro fato que acontece na gestação: o útero vai aumentando de tamanho e vai comprimindo as veias do abdômen e da região pélvica da mulher.alguns pesquisadores relatam que as terapias de reposição hormonal e anticoncepcionais aumentam o risco de varizes.• Idade – costumam aparecer a partir de 30 anos de idade e podem ir piorando com o passar os anos.org). • Obesidade – o sobrepeso aumenta a pressão sobre as veias e dificulta o retorno venoso. Os exercícios e o combate ao sedentarismo são muito importantes para a circulação corporal. aumenta o trabalho das veias.fatores hormonais da gestação.org. • Sexo – as mulheres são mais propensas do que os homens.climaterio. das saunas. Portanto. As “varizes” que aparecem durante a primeira gravidez frquentemente desaparecem após o parto. Já aquelas que surgem a partir da segunda gestação costumam permanecer após o nascimento do bebê. Portanto. É pouco freqüente antes dos 30 anos. ficar muito tempo sentado ou em pé parado é muito ruim para o trabalho das veias. aquele hormônio que dilata as veias.br) adverte inclusive para os cuidados que devem ser tomados com os remédios usados para a terapêutica de reposição hormonal (www. etc. menstruação e menopausa parecem ter relação com a maior facilidade de dilatação das veias. cuidado com a exposição excessiva ao calor do sol. • História Familiar – se há uma incidência de varizes na família.

desde que não estejam muito comprometidas com a doença varicosa. mais precisamente sobre a panturrilha. • Agrupamentos de finos vasos avermelhados que alguns pacientes referem como “pequenos rios e seus afluentes”. Muitas cirurgias de varizes podem ser realizadas sem retirar as safenas. É por este motivo que algumas pessoas pensam que a safena é uma veia do coração! Por esta razão a safena se tornou uma veia muito importante e só deverá ser retirada se estiver muito doente e não servir para a confecção de pontes também chamadas de bypass. especialmente nos tornozelos ao final do dia. QUAIS OS SINTOMAS QUAIS OS SINAIS E SINTOMAS DAS VARIZES? Na grande maioria das vezes a queixa principal é a estética: na posição de pé as veias ficam dilatadas. • Inchação. outros sinais e sintomas podem estar presentes. Pelas suas características a veia safena é muito utilizada para substituir artérias entupidas em varias regiões do nosso corpo. Há uma outra veia safena de tamanho menor. • Prurido ou coceira • Cansaço ou sensação de fadiga nas pernas.A IMPORTÂNCIA DAS VEIAS SAFENAS A veia Safena Interna é a veia superficial mais longa do nosso corpo. Alguns desses sinais e sintomas são: • Presença de veias azuladas e muito visíveis abaixo da pele. • Sensação de peso nas pernas. Além disso. chamada de Safena Externa. • “Pernas inquietas” • Câimbras . e que se localiza na parte de trás da perna. indo desde a parte interna do tornozelo até a virilha (figura 1). • Queimação nas pernas e planta dos pés. principalmente as artérias coronárias ( no coração ) e artérias da própria perna. tortuosas e muito visíveis.

•Úlceras – a complicação mais temida pela população é a formação de feridas nas pernas denominadas úlceras. Nos casos mais avançados ou em que há necessidade de avaliação mais acurada o seu médico poderá solicitar exames mais sofisticados.COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO O diagnóstico de varizes é relativamente fácil na medida em que pode ser feito pela simples inspeção visual. No início cicatrizam com certa facilidade mas. vão se . através do exame físico e de algumas manobras. Este exame inicial é feito com o paciente em pé. O Doppler pode também auxiliar na busca de trombos venosos e de alterações no fluxo do sangue venoso. Entre estas podemos citar: • Eczema – geralmente se inicia com prurido (coceira) • Dermatite • Flebite e trombose – flebite significa inflamação da veia. Quando não tratadas de forma correta as varizes podem progredir e desenvolver severas complicações. com o passar do tempo. Esta inflamação pode vir acompanhada da formação de trombo decorrente do sangue que coagula. O mapeamento de todos os segmentos varicosos pode ser feito também com a ajuda da ultra-sonografia venosa realizada com o Doppler. os tecidos das pernas passam a ser menos oxigenados e menos nutridos. Em consequência. O oxigênio e os nutrientes são utilizados por todas as células do nosso organismo. COMPLICAÇÕES DAS VARIZES O sangue que é bombeado pelo coração para todo o corpo é rico em oxigênio e nutrientes. Quando temos VARIZES este sangue tende a ficar represado nas pernas. verificar quais as veias que estão comprometidas e se as suas safenas estão normais. com o tempo e se tratadas de forma indevida. Quando isto acontece pode ocorrer uma importante perda de sangue. Esta trombose superficial pode progredir para as veias profundas e aumentar o risco de embolia pulmonar. Este episódio é chamado de varicorragia (hemorragia proveniente de varizes). como o Ecodoppler. O seu medico poderá. e o sangue que volta pelas veias para o coração é pobre em oxigênio e em nutrientes. Varicoflebite consiste na inflamação da varizes. • Pigmentação e escurecimento da pele • Hemorragias – a pele e a parede das varizes muitas vezes ficam tão finas que facilmente se rompem.

Não pode ser aplicada em todos os tipos de pele e ainda não dá bom resultado nos vasos de calibre maior. • Laser escleroterapia – a escleroterapia com laser está em evolução e ainda não substitui a escleroterapia química. TRATAMENTO DAS VARIZES Existem diferentes tipos de tratamentos para as varizes. Embora essas injeções precisem ser repetidas em algumas veias. elevar a perna e colocar bandagens compressivas sobre o local. a escleroterapia costuma ser muito eficaz e com excelentes resultados quando realizada por médicos experientes. É uma técnica ainda em fase experimental. . Quando isto ocorrer. Novas tecnologias com laser em desevolvimento poderão ampliar a sua utilização. é importante o acompanhamento de uma especialista. Muito utilizada para as microvarizes ou vasos e para as varizes de calibre muito pequeno. Consiste na injeção de substancias esclerosantes que expulsam o sangue para as veias normais e entopem as veias que estão sendo tratadas. No Brasil alguns médicos fazem o tratamento misto: laser e injeções.tornando mais complexas. • Radiofreqüência – é a mesma técnica anterior usando o calor produzido por cateteres dotados de dispositivo de RF (radio-freqüência). procure imediatamente o seu médico. • Cirurgia – as cirurgias de varizes estão cada vez menos agressivas. Como existem vários tipos de úlceras ns pernas. uma vez que as outras veias normais e o sistema venoso profundo normal se encarregam de garantir o fluxo de retorno. Feito isto. procure deitar-se. As varizes retiradas numa cirurgia não provocam danos à circulação. O mais importante são as medidas preventivas. o seu médico poderá indicar um ou vários dos tratamentos abaixo: • Escleroterapia química– É provavelmente a técnica usada há mais tempo. • Laser endovenoso – consiste na introdução de cateter com laiser dentro das varizes com a intenção de destruí-las pelo calor. A grande maioria das varizes pode ser realizada hoje através de mini-incisões e o tempo de internação hospitalar raramente precisa passar de 24 horas. Quando estas medidas de precaução não são suficientes.

AVC (ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL) O acidente vascular cerebral é uma doença caracterizada pelo início agudo de um deficit neurológico (diminuição da função) que persiste por pelo menos 24 horas. quando o deficit dura além de 24 horas. produzindo uma sintomatologia ou deficits característicos. No acidente vascular hemorrágico existe hemorragia (sangramento) local. hiperlipidemia. refletindo envolvimento focal do sistema nervoso central como resultado de um distúrbio na circulação cerebral que leva a uma redução do aporte de oxigênio às células cerebrais adjacentes ao local do dano com consequente morte dessas células. levando a sinais nem sempre focais. começa abruptamente. diabete. Em torno de 80% dos acidentes vasculares cerebrais são isquêmicos. Outros fatores que podemos citar são: o uso de pílulas anticoncepcionais. O termo ataque isquêmico transitório (AIT) refere-se ao deficit neurológico transitório com duração de menos de 24 horas até total retorno à normalidade. tabagismo. sendo o deficit neurológico máximo no seu início. Como se desenvolve ou se adquire? Vários fatores de risco são descritos e estão comprovados na origem do acidente vascular cerebral. entre eles estão: a hipertensão arterial. álcool. fibrilação atrial. doença cardíaca. interferindo com as funções neurológicas dependentes daquela região afetada. com outros fatores complicadores tais como aumento da pressão intracraniana. entre outros. e podendo progredir ao longo do tempo. O que se sente? . Em torno de 20% dos acidentes vasculares cerebrais são hemorrágicos. com retorno ao normal é dito como um deficit neurológico isquêmico reversível (DNIR). ou outras doenças que acarretem aumento no estado de coagulabilidade (coagulação do sangue) do indivíduo. Podemos dividir o acidente vascular cerebral em duas categorias: O acidente vascular isquêmico consiste na oclusão de um vaso sangüíneo que interrompe o fluxo de sangue a uma região específica do cérebro. edema (inchaço) cerebral.

os sintomas podem se manifestar como os já descritos acima. Familiares e amigos podem descrever ao médico este sintoma como um ataque de confusão ou estresse. do acidente vascular dito hemorrágico. Perda sensitiva: A dormência ocorre mais comumente junto com a diminuição de força (fraqueza). Distúrbios Visuais: A perda da visão em um dos olhos. assim alguns pacientes apresentam fala curta e com esforço. Linguagem e fala (afasia): É comum os pacientes apresentarem alterações de linguagem e fala. a sensibilidade é subjetiva. alarma os pacientes e geralmente os leva a procurar avaliação médica. fazendo pouco sentido. Estas diferenças dependem da localização da isquemia.Geralmente vai depender do tipo de acidente vascular cerebral que o paciente está sofrendo se isquêmico ou hemorrágico. O paciente pode ter uma sensação de "sombra'' ou "cortina" ao enxergar ou ainda pode apresentar cegueira transitória (amaurose fugaz). Pode acontecer uma hemiparesia (diminuição de força do lado oposto ao sangramento) . confundindo o paciente. geralmente mais graves e de rápida evolução. ou ainda a fraqueza pode se acompanhar de outros sintomas. Pode significar a isquemia de todo um hemisfério cerebral ou apenas de uma área pequena e específica. fluentes. perna) ou face é o sintoma mais comum dos acidentes vasculares cerebrais. com grande dificuldade para compreensão da linguagem. Os principais sintomas do acidente vascular cerebral incluem: Fraqueza: O início súbito de uma fraqueza em um dos membros (braço. principalmente aguda. da extensão e da circulação cerebral acometida. acarretando muita frustração (consciência do esforço e dificuldade para falar). Convulsões: Nos casos da hemorragia intracerebral. além de . Os sintomas podem depender da sua localização e da idade do paciente. Podem ocorrer de diferentes formas apresentando-se por fraqueza maior na face e no braço que na perna. alguns pacientes apresentam uma outra alteração de linguagem. falando frases longas. ou fraqueza maior na perna que no braço ou na face.

. A chance de recuperação aumenta quanto mais rápida for a ação terapêutica nestes casos. a suspensão do tabagismo e o uso de determinadas drogas (anticoagulantes) que contribuem para a diminuição da incidência de acidentes vasculares cerebrais. Outros estudos: ultrassom de carótidas e vertebrais. Os sintomas podem desenvolver-se rapidamente em questão de minutos. ecocardiografia e angiografia podem ser feitos. O tratamento preventivo inclui a identificação e controle dos fatores de risco. O tratamento agudo do acidente vascular cerebral isquêmico consiste no uso de terapias antitrombóticas (contra a coagulação do sangue) que tentam cessar o acidente vascular cerebral quando ele está ocorrendo. A reabilitação pós-acidente vascular cerebral ajuda o indivíduo a superar as dificuldades resultantes dos danos causados pela lesão.desvio do olhar.Entretanto. Em alguns casos selecionados. mesmo sem fatores de risco associados. Como o médico faz o diagnóstico? A história e o exame físico dão subsídios para uma possibilidade de doença vascular cerebral como causa da sintomatologia do paciente. Como se trata e como se previne? Geralmente existem três estágios de tratamento do acidente vascular cerebral: tratamento preventivo. Inicialmente deve-se diferenciar entre acidente vascular isquêmico ou hemorrágico. tratamento do acidente vascular cerebral agudo e o tratamento de reabilitação pós-acidente vascular cerebral. pode ser usada a endarterectomia (cirurgia para retirada do coágulo de dentro da artéria) de carótida. o início agudo de sintomas neurológicos focais deve sugerir uma doença vascular em qualquer idade. O acidente vascular cerebral em evolução constitui uma emergência médica. atingindo outras estruturas adjacentes. A avaliação e o acompanhamento neurológicos regulares são componentes do tratamento preventivo bem como o controle da hipertensão. causar edema (inchaço). por meio da rápida dissolução do coágulo que está causando a isquemia. A avaliação laboratorial inclui análises sanguíneas e estudos de imagem (tomografia computadorizada de encéfalo ou ressonância magnética). da diabete. levando a pessoa ao coma. O hematoma pode crescer. devendo ser tratado rapidamente em ambiente hospitalar.

a cirurgia é mandatória com o objetivo de se tentar a retirada do coágulo e fazer o controle da pressão intracraniana.O uso de terapia antitrombótica é importante para evitar recorrências. O acidente vascular cerebral pode produzir problemas emocionais com o paciente apresentando dificuldades de controlar suas emoções ou expressálas de forma inapropriada. julgamento e memória. o que pode levar . Muitos pacientes apresentam depressão. ele sofre uma injúria irreversível e. Com a supressão total ou parcial da oferta de sangue ao músculo cardíaco. A repetição do acidente vascular cerebral é frequente. devendo-se obter leito em uma unidade de terapia intensiva (UTI) para o rigoroso controle da pressão. Em torno de 25 por cento dos pacientes que se recuperam do seu primeiro acidente vascular cerebral terão outro dentro de 5 anos. cognição. úlceras de pele) onde a instituição de fisioterapia previne e tem papel importante na recuperação funcional do paciente. infecções. Isso acontece quando uma artéria coronária está contraída ou obstruída. Em alguns casos. Uma sequela comum é a paralisia completa de um lado do corpo (hemiplegia) ou a fraqueza de um lado do corpo (hemiparesia). O acidente vascular cerebral pode causar problemas de pensamento. Infarto O que é? O infarto do miocárdio se dá quando o suprimento de sangue a uma parte do músculo cardíaco é reduzido ou cortado totalmente. As medidas iniciais para o acidente vascular hemorrágico são semelhantes. atenção. principalmente em pacientes acamados (pneumonias. o acidente vascular cerebral pode afetar o organismo todo. tromboembolismo. deve-se controlar outras complicações. Qual é o prognóstico? Mesmo sendo uma doença do cérebro. parando de funcionar. Além disso. aprendizado. parcial ou totalmente.

As manifestações paralelas não costumam ser tão intensas como no infarto. A dor surge com o esforço e passa com a parada. mas. caminhar no vento frio. Esse tipo de espasmo também pode acontecer em vasos já comprometidos pela ateroesclerose. contraindo-se violentamente e também produzindo um déficit parcial ou total de oferecimento de sangue ao músculo cardíaco irrigado pelo vaso contraído. A dor ou opressão retroesternal passa com o uso de comprimidos sublinguais de nitro derivados. Angina do Peito A angina do peito apresenta-se sob duas formas.geralmente é de mais curta duração. atividade sexual. Os sintomas da angina de peito estável variam de pessoa para pessoa. Se a dor não ceder provavelmente se trata de um infarto. com o repouso. e num mesmo indivíduo costumam ter os seus fatores desencadeantes bem conhecidos. subir escadas. Tanto a instável como a estável têm manifestações ou sintomas semelhantes aos do infarto do miocárdio. O infarto do miocárdio pode também acontecer em pessoas que têm as artérias coronárias normais. costumam ser semelhantes. . e outras. morte tardia ou insuficiência cardíaca com conseqüências desde severas limitações da atividade física até a completa recuperação. como fazer força.à morte súbita. Saiba mais lendo sobre ateroesclerose nesse mesmo site. a estável e a instável. Elas podem evoluir para um infarto do miocárdio quando não tratadas. A angina do peito estável se diferencia do infarto por algumas das características abaixo: Duração da dor . Isso acontece quando as coronárias apresentam um espasmo. O infarto do miocárdio é a causa mais freqüente de morte nos Estados Unidos. num mesmo indivíduo. se durar mais do que 15 minutos provavelmente se trata de infarto.

evoluem rapidamente para um estágio em que há um aumento no desconforto e na dor. Alerta! A angina de peito pode ser considerada uma dor amiga. mesmo sem dor no peito Ansiedade inexplicável.Os sintomas da angina de peito instável costumam surgir em repouso ao levantar pela manhã. Náusea ou vômitos sem dor no peito. pescoço e braços. mas que avisa estar acontecendo algo de errado e grave com o coração. suores frios ou palidez. fazendo com que a pessoa atingida procure recurso médico antes que a doença se agrave. Nas mulheres é mais freqüente sentir náuseas. sensação de desmaio. Os menos comuns são: Dores atípicas. fraqueza ou fadiga. Sinais de Alarme Os mais comuns são: Pressão e desconforto. Dor do centro do peito que irradia para os ombros. que às vezes vão e voltam. Curiosidades Nos homens a dor pré-cordial é o sintoma mais freqüente. já nas mulheres o cansaço e fadiga extrema são os sintomas mais encontrados. dores no epigástrio. suores e falta de ar. mais freqüentemente para o braço esquerdo. uma manifestação desagradável. queixo. . ou nas costas. e são de aparecimento súbito. Desconforto no peito com sensação de cabeça leve. vagas. pescoço ou queixo. tanto na intensidade como severidade. Respiração curta ou dificuldade de respirar. na boca do estômago. com dores e desconforto moderado a severo. Palpitações. dor em aperto no centro do peito que dura mais do que alguns minutos ou que vai e volta. peito ou barriga.

Logo. mas em 15% dos atingidos irradia para o braço direito. vá ou chame imediatamente um serviço de emergência. enquanto o doente sentir dor resta tecido cardíaco viável que pode se recuperar por si ou com tratamentos adequados. Muitos sintomas de doença das coronárias são ignorados pelos pacientes e também pelos médicos. Nos últimos anos. portadores de insuficiência cardíaca e portadores de insuficiência renal. A curto prazo. que são revelados ao eletrocardiograma ou outros exames por ocasião de exames rotineiros. Cerca de 1 milhão e meio de pessoas sofrem um infarto nos Estados Unidos por ano.Muitas vezes. tem aumentado a incidência de infartos em mulheres. Exija do seu médico que investigue a causa de seus sintomas. principalmente se pertencer a um grupo de risco. 50% DAS PESSOAS QUE MORREM DE UM INFARTO O FAZEM NAS PRIMEIRAS HORAS E NÃO CHEGAM A RECEBER ASSISTÊNCIA MÉDICA Prognóstico do Infarto do Miocárdio O prognóstico quanto à qualidade de vida e a duração da vida após um infarto do miocárdio depende da gravidade. são sentidos já há muito tempo antes do infarto ocorrer. A incidência de choque não tem diminuído nos últimos anos. morrer. . por outro lado a sobrevida tem aumentado devido à mais eficazes meios de tratamento. sintomas outros que não a dor. diabéticos. A causa mais freqüente de morte em infartados é o choque que acontece em 7% dos casos. da extensão do infarto e de outras doenças que acompanham o paciente. A dor não necessita ser intensa. A intensidade da dor do infarto varia muito de doente para doente. o prognóstico é pior em pessoas idosas. por ocasião de um infarto não é mais viável e não produzirá sintomas como dor. não espere. A parte do coração que necrosar. Se isso acontecer. A dor geralmente irradia para o braço esquerdo. Quanto antes esse tecido doente for tratado. maiores as chances de ser recuperado. Existem infartos silenciosos. se notar uma ou mais de uma das manifestações acima.

O Diagnóstico das Doenças de Coronárias Para o diagnóstico das doenças das coronárias. um diagnóstico. O Eletrocardiograma O eletrocardiograma realizado em repouso é útil para diagnosticar arritmias. o seu médico pedirá exames complementares. aumento de cavidades. que. Anamnese e Exame Clínico Denomina-se anamnese a história da doença relatada pelo paciente ou familiares. o prognóstico. outros em serviços especializados e outros ainda em hospital. Os médicos sabem que 66% dos pacientes não mudam o seu estilo de vida e não seguem as prescrições e conselhos médicos para evitar um novo infarto. Os achados encontrados nessa avaliação. mais os dados da história da doença. Como segundo passo. tanto para a duração quanto para a qualidade de vida. são os que se seguem. existem diversos métodos a disposição do médico delimitando o quanto suas coronárias estão doentes. Para confirmar o diagnóstico. A longo prazo.O bloqueio aurículo ventricular é freqüente e pode ser tratado com marcapassos. permitem ao médico fazer uma hipótese diagnóstica ou mesmo um diagnóstico. As informações colhidas pelo médico podem sugerir. no caso de uma doença do coração. também dependem da severidade do infarto e das medidas preventivas tomadas. Admite-se que até 30% de novos ataques fatais e de cirurgias cardíacas podem ser evitadas com a adoção de um estilo de vida saudável e adesão ao tratamento. o médico realiza o que se denomina o exame clinico. manifestações . com maior ou menor certeza. distúrbios de condução. Não existem testes para prever quando um novo ataque vai ocorrer. Alguns são feitos em consultório.

O Cateterismo Cardíaco O cateterismo cardíaco. Um eletrocardiograma feito durante o teste fornece as mesmas informações que o teste feito com a esteira ou bicicleta. Se a pessoa tiver outras doenças e não for capaz de realizar o teste de esforço físico. um cateter é introduzido através de uma artéria do braço ou perna e é dirigido até o coração onde. mas não mostram o local exato do coração onde se localiza a doença. Realiza-se com o paciente pedalando uma bicicleta estacionária ou caminhando sobre uma esteira. Para a sua realização. Se existirem no coração zonas menos irrigadas pelo sangue lá haverá menor fixação do radioisótopo. Se a história clinica do paciente for sugestiva de doença isquêmica do coração e se o eletrocardiograma de repouso for normal. qual a artéria bloqueada e qual o grau de obstrução. angiograma ou cinecoronariografia são termos relacionados. Através da cinecoronariografia podemos analisar as artérias coronárias. O Teste de Esforço É um teste para verificar a tolerância do coração a um esforço. Pode-se observar com esse teste como o coração se comporta em repouso e ao esforço. poderá ser feito o teste com um medicamento que ative o seu coração e dilate as artérias coronárias. de distúrbios metabólicos ou medicamentosos. Esses testes de esforço ou estresse mostram como o coração está funcionando. pela injeção de um contraste nas cavidades cardíacas. se pode analisar as cavidades e as válvulas . enquanto o médico observa ou registra o eletrocardiograma. A fim de esclarecer essa dúvida recorre-se ao cateterismo cardíaco. Por esse teste se pode ver como o coração se move e como o sangue se distribui pelo músculo cardíaco. deve-se prosseguir na investigação. ainda que não signifiquem a mesma coisa.sugestivas de distúrbios de perfusão. Uma outra possibilidade de testar a capacidade do coração é a que se faz administrando-se uma substância radioativa que se fixa no músculo cardíaco.

Os medicamentos têm efeitos colaterais que podem até agravar uma situação clinica. Mostra o local e o grau de obstrução de uma artéria e o número de vasos atingidos. Ouça o seu médico sobre qual medicamento é o mais conveniente para o seu caso. que têm o seu aproveitamento alterado em função de medicamentos ingeridos para outras doenças. em três dimensões e se pode obter uma boa informação sobre deficiências circulatórias.cardíacas. Basicamente os tratamentos das doenças de coronárias são de três ordens: Tratamento médico Angioplastia Cirurgia de bypass Tratamento Médico O tratamento médico se compõe de medicamentos. Todos esses dados são importantes para que o médico possa fazer um prognóstico baseado na sua experiência. Outro resultado desses exames é o fato de que permitem orientar o tratamento. Medicamentos . Para o diagnóstico de doença isquêmica esse exame não tem maior utilidade. Existem drogas que são contra-indicadas para algumas pessoas e não para outras e drogas que competem entre si.O seu médico irá decidir qual é o mais indicado para o seu caso. . medidas dietéticas e medidas sócioigiênicas. Injetando o contraste nos orifícios de abertura das coronárias podemos analisar o seu estado. O Que Podemos Esperar desses Testes Os testes de esforço permitem ao seu médico saber quanto do coração está a perigo ou quanto já foi destruído. Angiotomografia Por este método conseguimos estudar os vasos do coração. O Ecodopplercardiograma Através desse exame colhem-se informações sobre a anatomia e a função do coração.

um pequeno balão é insuflado e a parte estreitada é dilatada. Os medicamentos mais usados são a aspirina. Para pacientes que foram internados em crise e que responderam bem ao tratamento e repouso realizado durante a internação. que é uma pequena mola de metal que é contraída e introduzida até a parte estreitada. Permite o retorno às atividades normais. Só use medicamentos sob a orientação de um médico. Depois se retira o balão e se avalia se o fluxo do sangue se restabeleceu parcial ou totalmente. Obstruções menos severas. No local estreitado. ela se dilata e junto alarga a zona estreitada da artéria.Recomenda-se tratamento médico para os seguintes casos: Obstrução de somente uma artéria. os nitro-derivados e os betabloqueadores. Menor consumo de medicamentos. Benefícios da angioplastia Alivio da angina Permite um aumento da atividade física livre de angina. A Angioplastia Assim como no cateterismo. Possíveis riscos da angioplastia . Pode-se também deixar no local da obstrução um stent. um cateter é introduzido pela coronária até o local onde está a obstrução. Uma vez colocada no lugar certo a contração da mola é liberada. Um medicamento mal indicado ou mal usado pode até causar a morte de quem o recebe. Menos temor e medo. Para os pacientes que não tenham crises de angina muito freqüentes.

Outra indicação da colocação de pontes é a de quando os pacientes não melhoram com o tratamento clínico. Reduzir o medo e ansiedade. A angioplastia está indicada para os pacientes com obstruções graves. Lesão da artéria. Riscos possíveis com a cirurgia de bypass . A cirurgia de bypass coronário oferece uma boa oferta de sangue para as regiões anteriormente mal perfundidas. Reduzir o consumo de medicamentos. principalmente as da artéria coronária esquerda principal ou nas obstruções múltiplas. Pode ser uma medida de urgência quando acontecem acidentes durante a angioplastia. exigindo nova angioplastia ou cirurgia. Reobstrução do vaso que foi dilatado.Piora da angina Exigir cirurgia de bypass de urgência. Benefícios possíveis com a cirurgia de bypass Prolongar a vida. Permitir o retorno às atividades prévias. Cirurgia de Revascularização A cirurgia de revascularização usa uma veia da perna ou uma artéria do peito para fazer uma união da aorta até um ponto além daquele em que a coronária está obstruída. a fim de permitir uma passagem do sangue. Morte durante o procedimento. Infarto do miocárdio durante o procedimento. Aliviar os sintomas. Isso acontece em 2 a 5% dos casos. Acontece em cerca de 40% dos casos nos seis meses que se seguem ao procedimento. Aumentar a atividade física.

Infarto do miocárdio. De um modo geral a angioplastia é mais recomendada por ser: Menos invasiva do que a cirurgia. Permite um retorno precoce às atividades. Falência de órgãos. . Hospitalização mais breve. que podem exigir nova cirurgia. siga as suas orientações. Menor custo. Tome os medicamentos com regularidade. Infecções. O que é melhor – Angioplastia ou Cirurgia? Quem deve decidir isso é o seu médico. fígado e pulmões. Siga as condutas recomendadas para controlar os fatores de risco da ateroesclerose. a ateroesclerose. Os dois procedimentos podem melhorar a função do seu coração. Nem sempre essa melhora é de 100%. Formação de coágulos e embolias. O que fazer depois da Angioplastia ou Cirurgia de Bypass? Os dois procedimentos não curam a doença básica.Sangramentos. Morte. Ouça o seu médico. Acidente vascular cerebral. Os dois procedimentos têm a mesma finalidade. tais como rins. Os dois procedimentos visam melhorar a perfusão de zonas isquêmicas do coração.

Não faça diagnósticos em você mesmo. as alterações de comportamento.php?6 http://www. Evite obter informações em revistas leigas ou pessoas leigas.varizes. Comunique-se com o seu médico. Conclusão: Praticar exercícios regularmente. não ser sedentário. A sua doença pode ser diferente da de outras pessoas embora os sintomas e diagnósticos sejam semelhantes.org.med. Volte ao seu médico quando tiver dúvidas. Entenda a sua doença.br www. as trocas de medicamentos que acontecerem.br/artigo.arteriosclerose. pergunte a ele o que está lhe preocupando.com.php?300 . Mesmo as que já passaram pela mesma situação não são fontes fidedignas. busque informações com o seu médico. cuidar da alimentação e não esconder os sintomas dos familiares Bibliografia: www.com.abcdasaude.abcdasaude.br/artigo.br http://www. Mude o seu estilo de vida. Não esconda os sintomas.Faça dieta e exercícios conforme orientação médica. corrigindo o que estiver errado. Se acontecer algo de diferente pergunte ao seu médico se isso tem algum significado ou não.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful