Você está na página 1de 2

Fui bem liderado por ela, lider igual não tinha na SNT (Mais de 11 anos só

observando a igreja evangélica e eu afirmo, lider igual não vi, ela não tinha medo
de pregar as Escrituras, não se importava muito com quantidade de pessoas na
célula, se tivesse uma pessoa ela ensinava com o mesmo fervor. Inteligente, não se
limitava a apostila mastigada que qualquer retardado que se tornasse líder
repetiria igual um papagaio. Sempre foi honesta e sempre deixou claro seu lado
humano, nunca nos instigou a persuadir as pessoas com coisas que fossem atrair
novos e futuros cristãos. Sempre foi simples no falar e no ensinar. Além de mãe,
trabalhadora e lider de célula na época, tinha disposição pra aprender mais e mais,
pois não usou dos entretenimentos que o movimento gospel propõe aos jovens
atrofiando seus intelectos, mas buscou se aplicar no conhecimento não só de Deus,
mais de história, filosofia, tudo para instruir os novos na fé.

Enquanto alguns tomados de soberba e vaidade buscavam métodos pra entreter os novos
na fé, ela pelo contrario, como uma boa leitora de Nietzsche moia nossa
religiosidade quando era necessário, para nos tornar maduros e calejados em relação
as coisas que poderiam abalar nossa fé no Cristo das Escrituras.

Nossa ela é "ignorante", "homofóbica"e "religiosa"...

Eu duvido muito que tenha algum líder mais respaldado nas Escrituras do que ela (na
hirarquia a qual ela pertencia), pelo contrario, misturam experiencias passadas de
espiritismo para fundamentar sua antítese em detrimento do simples ensinamento do
Evangelho, fazendo com que nossa vida gire em torno de uma interpretação empírica e
subjetiva de uma realidade idealizada em oposição imediata a "velha criatura". E o
pior ainda é quando um lider desse se forma em psicologia e tenta teorizar sua
realidade paralela. É claro que tem uns mais moderados, mas ainda assim confundem o
Evangelho de Cristo com diversas maneiras de interpretar a realidade nos levando a
um relativismo de tudo aquilo que a tradição cristã se propos a ensinar, desde as
doutrinas mais basicas que mal são compreendidas por quem se propõe a instruir
alguem na fé.

Eu diria que dificilmente a Gleici é uma religiosa pois, pelo tempo que pude
observa-la percebi que ela conseguia manter de forma simultanea o nietzscheanismo
dela junto com a piedade eo temor a Deus. Eu não conseguia compreender muito bem
isso, porém para um leitor de Nietzsche sabemos que a primeira reação é sim ir
contra tudo que é cristão, todo padrão, toda formalidade e moralidade que se diz
absoluta, coisas que ela não fez, pois ela poderia muito bem tacar o foda-se e
jogar tudo no colo das pessoas (dos irmão em cristo), mas não, usou para
autoreflexão por isso consegue ser quem é, e sabe exatamente a quem serve, se é a
si mesmo se camuflando na vitimização (seja para quais fins) de si ou serve a
Cristo que nos exorta e nos ensina o bom caminho. Sei que é ofensivo ouvir "você
não sabe a quem serve", mas para pra refleir e faz um comparativo. Se eu o fize-se
diria que sirvo a mim mesmo, mas por graça e misericordia de Deus eu compreendo o
amor de Cristo na cruz e posso ter relances de sensatez que, o unico caminho para
por em ordem minhas inclinações sejam elas politicas, religiosas é Cristo, é Ele
quem sabe o profundo do nosso coração e também sabe quais inclinações de cunho
religioso nosso coração está proposto a seguir mesmo não tendo nada haver com
religião, pode ser uma ideia politica uma causa e etc... Mediante a isso tudo, eu
digo, Gleice sempre foi honesta e nunca tentou impor sua visão cristã sob os
demais, porém dava umas lições e os

Você também pode gostar