Você está na página 1de 9

GEOGRAFIA A GRUPO I

Nas respostas aos itens de escolha múltipla, selecione a opção correta.


A estrutura etária de um país ou região está em permanente evolução.
A Figura 1 mostra as pirâmides etárias de Portugal e dos municípios de Ferreira do Alentejo e de Lousada, em 2015.
Figura 1 – Pirâmides etárias de Portugal, Ferreira do Alentejo e Lousada, 2015
Fonte: www.pordata.pt
(consultado em agosto de 2016)

1. Em 2015, a percentagem de população jovem do sexo masculino do município de Ferreira do Alentejo era de cerca
de…
(A) 4,5%.
(B) 8,2%.
(C) 11,3%.
(D) 12,5%.

2. Considerando a pirâmide etária do município de Lousada, é possível verificar a existência de duas classes ocas na
população feminina…
(A) dos 0 aos 4 anos e dos 25 aos 29 anos.
(B) dos 0 aos 4 anos e dos 75 aos 79 anos.
(C) dos 20 aos 24 anos e dos 25 aos 29 anos.
(D) dos 45 aos 49 anos e dos 75 aos 79 anos

3. É possível observar, na pirâmide etária da população portuguesa, um duplo envelhecimento:


(A) envelhecimento pela base, devido ao aumento da proporção de jovens, e envelhecimento pelo topo, devido
ao aumento da proporção de idosos.
(B) envelhecimento pela base, devido à redução da proporção de jovens, e envelhecimento pelo topo, devido à
redução da proporção de idosos.
(C) envelhecimento pela base, devido à redução da proporção de jovens, e envelhecimento pelo topo, devido ao
aumento da proporção de idosos.
(D) envelhecimento pela base, devido ao aumento da proporção de jovens, e envelhecimento pelo topo, devido à
redução da proporção de idosos.

4. A pirâmide etária de Ferreira do Alentejo classifica-se como uma pirâmide etária…


(A) jovem ou crescente.
(B) adulta ou de transição.
(C) rejuvenescente.
(D) idosa ou decrescente.

5. Para contrariar o fenómeno observado no topo da pirâmide etária portuguesa, deverá apostar-se numa política
natalista, através de medidas como o…
(A) aumento da licença de parentalidade e o alargamento da rede de infantários e creches públicos.
(B) aumento dos impostos para as famílias numerosas e o alargamento da rede de infantários e creches públicos.
(C) aumento da licença de parentalidade e a redução do abono de família a partir do segundo filho.
(D) alargamento da rede de infantários e creches públicos e a redução do abono de família a partir do segundo
filho.
6. A pirâmide etária que representa uma população mais jovem é a pirâmide etária do município de…
(A) Lousada, porque tem uma base mais estreita.
(B) Lousada, porque tem maior percentagem de população jovem.
(C) Ferreira do Alentejo, porque tem maior percentagem de população idosa.
(D) Ferreira do Alentejo, porque tem uma base mais estreita.

GRUPO II

O gráfico da Figura 2 destaca a evolução da taxa de atividade total, da taxa de atividade masculina e da taxa de
atividade feminina, em Portugal, entre 1983 e 2015.

Figura 2 – Evolução da taxa de atividade, Portugal, 1983-2015

1. A taxa de atividade traduz a relação, expressa em percentagem, entre


a população…
(A) ativa e a população inativa.
(B) total e a população ativa.
(C) ativa e a população total.
(D) inativa e a população ativa.

2. Em 2015, a taxa de atividade total foi cerca de 60%, o que significa que havia…
(A) 60 pessoas em idade ativa por cada 100 habitantes.
(B) 100 pessoas em idade ativa por cada 60 habitantes.
(C) 60 pessoas em idade ativa por cada 60 pessoas em idade não ativa.
(D) 60 pessoas em idade não ativa por cada 60 pessoas em idade ativa.

Página 3 de 10
3. A população desempregada faz parte da população ativa. Esta afirmação é…
(A) verdadeira, porque constitui mão de obra disponível.
(B) verdadeira, porque gera riqueza.
(C) falsa, porque não está a exercer uma profissão remunerada.
(D) falsa, porque não gera riqueza.

4. A análise do gráfico da Figura 2 permite constatar que, entre 1983 e 2015, é visível…
(A) uma redução da participação da mulher no mercado de trabalho.
(B) uma diferença cada vez mais significativa entre os sexos na participação no mercado de trabalho.
(C) um aumento da participação do homem no mercado de trabalho.
(D) a crescente participação da mulher no mercado de trabalho.

5. A taxa de atividade total registou uma evolução…


(A) positiva, entre 1991 e 1992.
(B) nula, entre 1996 e 1997.
(C) negativa, entre 1996 e 1997.
(D) nula, entre 2010 e 2011.

6. A evolução da taxa de atividade total, no período considerado, é explicada, entre outras razões,…
(A) pela diminuição da natalidade e pelo prolongamento da escolaridade obrigatória.
(B) pela redução da mortalidade e pelo prolongamento da escolaridade obrigatória.
(C) pelo aumento da mortalidade e pelo aumento da idade da reforma.
(D) pela diminuição da natalidade e pelo aumento da idade da reforma.

GRUPO III

A Figura 3 mostra dois diagramas triangulares relativos à composição da população ativa em Portugal, em 1960 e em
2011.

Figura 3 – Repartição da população ativa por setores de atividade económica, por regiões da NUTS II, 1960 e 2011

1. Integram o setor secundário as seguintes atividades:


(A) prestação de serviços e transformação industrial.
(B) extração de matérias-primas e transformação industrial.
(C) transformação industrial e distribuição de água.
(D) prestação de serviços e distribuição de eletricidade.

2. Em 2011, verificava-se uma grande expressão do setor secundário na região…


(A) Norte, devido à existência de muitas indústrias ligadas a setores tradicionais, como o têxtil e o calçado, que
empregam mão de obra numerosa.
(B) Norte, devido à existência de indústrias modernas, como as de máquinas e veículos de transporte, que
possuem automação na produção, dispensando mão de obra.
(C) Centro, devido à existência de muitas indústrias ligadas a setores tradicionais, como a cortiça e o mobiliário,
que empregam mão de obra numerosa.
(D) da Área Metropolitana de Lisboa, devido à existência de muitas indústrias modernas, como a de máquinas e
veículos de transporte, que registam automação na produção, dispensando mão de obra.

3. Em 1960, a região do país onde a expressão «terciarização da economia» era mais notória era a região…
(A) do Algarve.
(B) da Madeira.
(C) da Área Metropolitana de Lisboa.
(D) dos Açores.

4. Em 1960, a percentagem de população da Região Autónoma dos Açores que trabalhava no setor primário era
cerca de…
(A) 17%.
(B) 23%.
(C) 60%.
(D) 76%.

5. De 1960 a 2011, verificou-se uma profunda alteração na composição da população ativa portuguesa por setores
de atividade económica, de que são exemplo…
(A) a diminuição da importância do emprego primário na Região Autónoma dos Açores e o aumento da
importância do emprego secundário na região do Algarve.
(B) a diminuição da importância do emprego primário na região da Área Metropolitana de Lisboa e o aumento da
importância do emprego secundário na Região Autónoma da Madeira.
(C) o aumento da importância do emprego secundário na região do Centro e o aumento da importância do setor
primário na região do Alentejo.
(D) o aumento da importância do emprego terciário em todas as regiões do país.

6. Em 2011, na região do Algarve, a percentagem de pessoas que trabalhavam em atividades não primárias era de,
aproximadamente,…
(A) 4%.
(B) 30%.
(C) 81%.
(D) 96%.

GRUPO IV

Os mapas das Figuras 4 e 5 representam, respetivamente, o índice de dependência de idosos e o índice de dependência
de jovens em Portugal, por NUTS III, em 2014.

Figura 4 – Índice de dependência de idosos, NUTS III, Figura 5 – Índice de dependência de jovens, NUTS III,
Portugal, 2014 Portugal, 2014

onte: www.pordata.pt (consultado em novembro de 2015)

1. As três NUTS III que apresentavam, em 2014, maior proporção de população jovem eram:
(A) Área Metropolitana de Lisboa, Região Autónoma dos Açores e Oeste.
(B) Área Metropolitana do Porto, Oeste e Algarve.
(C) Área Metropolitana do Porto, Área Metropolitana de Lisboa e Algarve.
(D) Área Metropolitana de Lisboa, Beira Baixa e Tâmega e Sousa.

2. Em Portugal Continental, três das unidades da NUTS III que registaram, em 2014, valores do índice de
dependência de idosos iguais ou superiores a 40% foram:
(A) a Beira Baixa, o Alto Tâmega e o Alto Alentejo.
(B) o Alto Minho, a Beira Baixa e o Alto Tâmega.
(C) o Douro, o Alto Tâmega e o Alto Alentejo.
(D) o Alto Tâmega, o Baixo Alentejo e o Algarve.

3. Em 2014, na unidade administrativa do Algarve, o índice de dependência total estava compreendido entre…
(A) 0,0 e 38,5%.
(B) 18,5 e 38,5%.
(C) 43,6% e 64,5%.
(D) 62,6% e 64,6%.
4. O índice de dependência de idosos mostra, para um dado território, a relação, expressa em percentagem, entre…
(A) a população ≥ 65 anos e a população 15-64 anos.
(B) a população ≥ 65 anos e a população 0-14 anos.
(C) a população 0-14 anos e a população ≥ 65 anos.
(D) a população ≥ 65 anos e a população total.

5. O índice de dependência de jovens traduz, para um dado território, a relação, expressa em percentagem, entre…
(A) a população 15-64 anos e a população 0-14 anos.
(B) a população 0-14 anos e a população ≥ 65 anos.
(C) a população 0-14 anos e a população total.
(D) a população 0-14 anos e a população 15-64 anos.

6. A análise dos mapas das Figuras 4 e 5 permite concluir que a realidade demográfica da Região Autónoma dos
Açores contribui, sobretudo, para…
(A) o aumento da taxa de desemprego.
(B) o aumento da emigração.
(C) o incremento das despesas com lares e com a assistência médica.
(D) o incremento das despesas com creches e escolas do ensino básico e secundário.
GRUPO V

Os contrastes nos níveis de instrução entre os Estados-membros da União Europeia (UE) são notórios, conforme está
patente no mapa da Figura 6.

Figura 6 – Percentagem de pessoas com idade entre 30 e 34 anos que concluiu o ensino superior, UE,
NUTS II, 2014

1. Indique dois países da Europa Ocidental com três ou mais regiões da NUTS II com uma percentagem de pessoas
com idade entre 30 e 34 anos que concluiu o ensino superior igual ou superior a 50%.
R: França e Reino Unido
2. Apresente dois fatores que expliquem a reduzida percentagem de pessoas com idade entre 30 e 34 anos com
ensino secundário completo na região do Alentejo.
R: Insuficiência dos rendimentos para o pagamento de propinas, vontade de ingressar mais cedo no mercado de
trabalho, necessidade de sustentar o agregado familiar, maior taxa de abandono escolar.

3. Exponha as consequências, para Portugal, da realidade evidenciada no mapa da Figura 6, tendo em


consideração os seguintes tópicos de orientação:
• o desenvolvimento económico; • a competitividade no contexto da Europa comunitária.
R: DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO: os menores níveis de instrução prejudicam o crescimento económico, pois
constituem um entrave à produção de riqueza. Os baixos níveis de qualificação de mão-de-obra são um obstáculo
à atração de investimento estrangeiros. A baixa qualificação de mão-de-obra traduz falta de versatilidade e adaptação à
mudança. Menores níveis acarretam falta de preparamento técnico e preparação física.
COMPETITIVIDADE NO CONTEÚDO DE EUROPA COMUNITÁRIA: Os baixos níveis de qualificação de mão-de-obra
impedem que os trabalhadores sejam menos produtivos, retirando competitividade a Portugal. Os baixos níveis de
instrução dificultam aquisição permanente de novos conhecimentos e competências necessárias no mundo atual,
reduzindo competitividade de Portugal. Os baixos níveis de escolaridade constituem um obstáculo à transformação de
uma economia baseada principalmente em trabalho pouco qualificado e salários baixos, como é ainda a portuguesa,
numa economia desenvolvida assente em trabalho qualificado e salários elevados.

GRUPO VI

A distribuição da população portuguesa é marcada por fortes assimetrias, conforme mostra o mapa da Figura 7.

Figura 7 – Densidade populacional, NUTS III, Portugal, 2011

Fonte: Censos 2011 – resultados definitivos, INE


1. Apresente dois fatores (um natural e um humano) que justifiquem a desigual repartição da população português
FATORES NATURAIS:
. Clima + ameno no litoral
. Relevo + plano no litoral
. Maior fertilidade dos solos nas áreas do litoral
FATORES HUMANOS
. Maior oferta de emprego no litoral
. Rede de transportes + densa no litoral
. Maior n.º de imigrantes nas regiões do litoral

2. Refira duas características da distribuição da população em Portugal Continental, visíveis no mapa.


Litoralização, Bipolarização, despovoamento do interior

3. Exponha a necessidade que Portugal tem de reforçar a coesão territorial, tendo em consideração os seguintes
tópicos de orientação:
• os problemas da desigual distribuição da população; • as medidas de atenuação desses problemas.
OS PROBLEMAS DA DESIGUAL DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO
. sobrelotação dos equipamentos e das infraestruturas nas áreas + populosas do litoral, porque foi ultrapassada a
capacidade de carga humana dessas áreas,
. aumento do desemprego e do subemprego, pelo facto de as áreas urbanas do litoral não terem capacidade de
oferecer emprego a todos os habitantes,
. aumento da erosão dos solos e da desertificação devido ao despovoamento do interior
AS MEDIDAS DE ATENUAÇÃO DESSES PROBLEMAS
. atribuição de incentivos à fixação de população jovem e com níveis de formação e qualificação profissional +
elevados nas regiões do interior,
. melhoria dos serviços de apoio à população das regiões do interior,
. melhoria da acessibilidade nas regiões do interior