Você está na página 1de 2

Rute: Uma Viúva Abençoada

O livro de Rute relata a história de uma família, com ênfase em


duas mulheres, da época dos juízes. A história nos lembra que,
mesmo nos períodos mais tristes da história, Deus não deixa de
agir a favor dos fiéis. Apesar de toda a maldade em Israel no
período dos juízes, ainda houve pessoas boas que demonstravam
o amor para com seus próximos.

Elimeleque, um homem da tribo de Judá, levou a sua família a


morar em Moabe por causa das condições precárias na sua própria
terra. Quando Elimeleque morreu, sua viúva, Noemi, ficou com
seus dois filhos naquela terra estranha. Seus filhos se casaram
com mulheres moabitas mas, alguns anos depois, a situação da
família se complicou mais ainda com a morte dos filhos de
Noemi. Ela decidiu voltar para sua terra onde esperava achar o
apoio de parentes. Uma das noras, Rute, insistiu em voltar com
ela, afirmando sua lealdade à sogra e, mais importante, ao Deus
que ela servia.

É fácil ler e entender este pequeno livro, que narra esta


experiência de Noemi e Rute.

Capítulo 1 trata do tempo da família em Moabe, fornecendo o


pano de fundo para entender o resto do livro, e termina com a
volta de Noemi para sua terra.

Capítulos 2 e 3 explicam como Rute conheceu Boaz, parente da


família de Noemi. Este homem mostrou compaixão e percebeu o
bom caráter desta viúva jovem. O respeito mútuo levou ao
interesse romântico.

Capítulo 4 descreve o casamento e a família construída por Boaz


e Rute. Descobrimos, aqui, a importância deste casal na história
da nação de Israel e da humanidade, pois entra na lista dos
antepassados do rei Davi e, consequentemente, de Jesus Cristo.

Vale a pena refletir sobre as lições valiosas deste livro. Entre elas:
1) A lealdade. Quando Noemi decidiu voltar para sua terra, Rute
insistiu em acompanhá-la e demonstrou sua lealdade à sogra e,
mais importante, a Deus (lembre-se de que ela veio de outra terra
e de um povo idólatra). Rute disse: “Disse, porém, Rute: Não
me instes para que te deixe e me obrigue a não seguir-te;
porque, aonde quer que fores, irei eu e, onde quer que
pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus
é o meu Deus. Onde quer que morreres, morrerei eu e aí serei
sepultada; faça-me o SENHOR o que bem lhe aprouver, se
outra coisa que não seja a morte me separar de ti” (Rute 1:16-
17).

2) A bondade. Antes de nascerem sentimentos românticos entre


os dois, Boaz demonstrou compaixão para com Rute e foi
generoso para com ela e Noemi.

3) O cumprimento de dever. Observamos ao longo do livro uma


atitude de cumprir deveres impostos pela Lei que governava os
judeus. Boaz cumpriu suas obrigações em deixar espigas no
campo para os pobres recolherem, e respeitou os direitos de um
outro parente quando pensou em casar-se com Rute.

4) Deus usa meios surpreendentes para cumprir a sua palavra.


Noemi sofreu quando perdeu o marido e os filhos. Rute, uma
estrangeira, também sofreu a morte do primeiro marido. Poderiam
ter sido esquecidas lá em Moabe. Mas Deus não se esqueceu
delas, e foram especialmente abençoadas em entrarem na
linhagem que traria ao mundo todos os reis de Judá e, mais
importante ainda, o próprio Jesus Cristo!

Rute conta uma história linda e cheio de significado. Além de


fornecer informações históricas interessantes, apresenta ricas
lições sobre o verdadeiro amor.

Você também pode gostar