Você está na página 1de 4

Figura 1 - NIST

A Arquitetura de Negócio é o domínio mais importante da Arquitetura Corporativa (Domínios


são as diferentes partes da Arquitetura Corporativa). É através dela que o Arquiteto entende e
mapeia os aspectos mais relevantes da Organização, permitindo uma visão holística e unificada
dos componentes que a formam.

O Arquiteto de Negócio lida com diversos assuntos e visões da Organização, incluindo a


Estratégia Corporativa, suas Capacidades (Capabilities), sua Estrutura Organizacional, seus
Processos, Produtos, Informações, Iniciativas e Distribuição Geográfica.

Figura 2 - Organização Empresarial

Arquitetura de negócio é um conjunto de elementos organizado com relacionamentos claros


entre si, que juntos formam um conjunto definido por sua funcionalidade. Os elementos
representam a estrutura organizacional e comportamental de um sistema de negócio e
mostram as abstrações dos processos e estruturas chave do negócio.
Figura 3 - Domínio da Arquitetura de Negócios

A definição da arquitetura abrange equilibrar forças e fazer tradeoffs para criar uma solução
que satisfaça de forma ideal os requisitos conflitantes. Isso significa que a arquitetura de
negócio define as metas e restrições que descrevem o suporte que ela requer da arquitetura
de TI. Quando surgirem conflitos, como sempre ocorre, será necessário encontrar as soluções
menos adequadas localizadas para assegurar uma solução geral ideal. Quando essas decisões
tiverem um grande impacto, elas serão denominadas problemas arquiteturais e deverão ser
formalmente acordadas pelos investidores representados por um conselho de arquitetura.

As diferentes arquiteturas devem ser sempre consideradas ao comunicar qualquer alteração.


Discutir apenas uma delas com uma pessoa que não entenda seu formato, aplicativo ou
notação resulta em comunicação ineficaz. Ademais, isso pode fazer com que a pessoa entenda
mal as consequências de suas decisões relacionadas a outras arquiteturas. O impacto das
decisões em uma das arquiteturas deve ser convertido em outras arquiteturas. Isso ajuda os
investidores a entenderem as vantagens e desvantagens de tradeoffs, o que leva ao
alinhamento arquitetural. O alinhamento arquitetural ajuda-nos a entender as consequências
das decisões.

Figura 4 - Visão da Arquitetura de Negócios

Visualizações Arquiteturais do Negócio

Como a arquitetura de negócio é complexa e difícil de medir, a dividi em uma série de


diferentes visualizações.

Cada visualização descreve um aspecto do negócio todo. Portanto, ela contém um


subconjunto arquiteturalmente significativo do que seria uma definição completa. Em outras
palavras, uma visualização arquitetural contém os 20% que realmente interessam para esse
aspecto do negócio (lembrar do princípio de Pareto afirma que, para muitos eventos,
aproximadamente 80% dos efeitos vêm de 20% das causas).

Figura 5 - CDAN

As visualizações arquiteturais são úteis na discussão da arquitetura de negócios com diferentes


clientes. Como cada cliente possui uma ou várias visualizações que sejam de interesse
particular, ele poderá concentrar-se nos aspectos da organização que estejam associados a
essas visualizações, de modo que não será necessário entender algo mais.

Observe que nem todas as visualizações se aplicam a todas as situações. Algumas visualizações
poderão ser ignoradas se não adicionarem nenhum valor e, às vezes, poderá ser necessário
definir novas visualizações. Aqui estão algumas visualizações arquiteturais típicas do negócio:

 Visualização de Mercado descreve os mercados nos quais o negócio opera, os perfis e


ofertas dos clientes ou os produtos e serviços que o negócio oferece aos clientes nos
mercados alvo.
 Visualização do Processo de Negócio descreve as metas significativas do negócio e
esboça os casos de uso de negócios principais que suportam essas metas. Quando os
casos de uso de negócios são utilizados para documentar processos de negócios, essa
visualização é denominada Visualização de Caso de Uso de Negócios.
 Visualização da Organização descreve os agrupamentos de funções e
responsabilidades do negócio e a realização de casos de uso de negócios.
 Visualização de Recursos Humanos descreve os perfis de remuneração e mecanismos
de incentivo, características e mecanismos culturais principais, perfis de competência e
mecanismos de educação e treinamento.
 Visualização Domínios descreve os principais conceitos de negócio e estruturas de
informações utilizados pelo negócio.
 Visualização Geográfica descreve a distribuição de estrutura organizacional, função e
recursos em locais físicos como cidades e países.
 Visualização de Comunicação descreve os caminhos de comunicação do negócio.

O Arquiteto de negócios
O arquiteto de negócio tem a responsabilidade global pela a arquitetura de negócio. Isso inclui
identificar e documentar arquiteturalmente aspectos significativos do sistema de negócio que
caem no escopo do exercício de modelagem de negócio.

A base racional para as decisões principais do design de negócio tem de ser o resultado da
localização do equilíbrio correto entre fatores de competição, incluindo as preocupações de
vários envolvidos, riscos e restrições. As decisões precisam ser concordadas, validadas e
comunicadas a todas as partes interessadas.

Habilidades

Uma pessoa que atua nessa função deve ser um bom facilitador e ter excelentes habilidades
de comunicação. Ter conhecimento do domínio de negócios é essencial para os que atuam
nesta função. O arquiteto de negócio precisa estar familiarizado com as ferramentas utilizadas
para capturar os modelos de negócio e com os principais aspectos tecnológicos das soluções
potenciais.

Um arquiteto de negócio deve estar preparado para:

 avaliar a situação da organização de destino na qual o produto final do projeto será


implementado
 entender os requisitos do cliente e do usuário, suas estratégias e suas metas
 facilitar a modelagem da organização de destino
 discutir e facilitar um esforço de engenharia de negócios, se necessário
 entender o lado técnico do conjunto de soluções
 tomar parte na definição de requisitos nos sistemas resultantes