Você está na página 1de 7

1.

Dignidade da pessoa humana


2. Conceito
3. Fundamentação

1 –Pessoa Humana e sua dignidade

As primeiras referências acerca da dignidade na história da humanidade se encontram


na Bíblia Sagrada, em seu Antigo e Novo Testamento, ao mencionar que o homem foi
feito a imagem e semelhança de Deus, ligando a figura do homem a uma divindade
suprema dotada de reverência e valor.
E não só no cristianismo, mas também no pensamento clássico com Kant na
"Fundamentação da Metafísica dos Costumes" , que defendia que as pessoas deveriam
ser tratadas como um fim em si mesmas, e não como um meio (objetos).

Séc XVII e XVIII – Bastava ser humano.

Cerne dos direitos humanos.

2 –Conceito

Alexandre de Moraes: É um conjunto institucionalizado de direito e garantias do ser


humano, tem por finalidade básica o respeito a sua dignidade por meio de proteção
contra o arbítrio do poder estatal, e o estabelecimento de condições mínimas devidas e
desenvolvimento da personalidade humana.

Pérez Luno: É um conjunto de faculdades e instituições que em casa momento


histórico caracteriza as exigências da dignidade da liberdade e da igualdade humana,
as quais devem ser reconhecidas positivamente em nível nacional e internacional.

Terminologia

Direitos do homem: é a expressão de cunho jusnaturalista, significa um rol de


direitos naturais ainda não positivados.

Direitos fundamentais: Expressão voltada para o direito constitucional, compreendendo


direitos e garantias positivadas na ordem interna de determinado estado. Ex:
Constituição brasileira de 88

Direitos humanos: são direitos e garantias inseridas em tratados internacionais.

3 –Fundamentação

Positivismo
Jusnaturalismo

Moralismo (Perelman)

Teoria Positiva: Fundamenta na ordem normativa, enquanto legitima manifestação


da soberania. Os direitos humanos são expressamente previstos na ordem jurídica
positiva.

Teoria Jusnaturalista: Fundamenta em uma ordem superior e imutável e


inderrogável. Os direitos humanos não são criados por lei, então consequentemente
não podem desaparecer.

Teoria Moralista: Fundamenta na própria experiência e consciência moral de


determinado povo.
A partir de uma consciência social (teoria moralista) baseada principalmente em
valores fixados na crença de uma ordem superior e imutável (teoria jusnaturalista) é
que o legislador encontra substrato político para reconhecer a existência de
determinados direitos humano como integrantes do ordenamento jurídico.
*As teorias coexistem e se completam

Evolução Histórica

- Idade Antiga = 4000 a.C. à 476 d.C. Marco inicial da positivação dos direitos
humanos.
Código de Hamurabi XVIII a.C. – separação em 3 classes e penas cruéis com a
lei de talião e as ordálias, as penas eram diferentes para as pessoas de cada
classe.
Lei das XII tábuas – 12 peças de madeira diante do fórum romano – Diferente
do código de Hamurabi a pena era igual para todas as classes, e com isso
surge o princípio da igualdade. Como as peças estavam expostas para todos, se
da também o princípio da publicidade das leis. Foi o gênese do direito romano.

- Idade Média = 476 à 1453 –Trouxe maior proteção.


Magna Carta 1215 – existência do “habeas corpus”, direito de propriedade e
devido processo legal. *Monarquia com a igreja

- Idade Moderna = 1453 à 1789


Tratado de westfália (1648) – Configuração do estado = soberania
Bill of rights (1689) – Princípio da separação dos poderes.
Declaração dos direitos da Virgínia (1776) – Na concepção iluminista e de
liberdade.

- Idade contemporânea = 1789 até os dias atuais


Declaração de direitos do homem e cidadão (século XX) - Estado laico e
princípio da legalidade
Século XX – Constituição do México (1917) e Constituição Alemã (1919) –
elegeu e elevou os direitos sociais
Direitos humanos e a 2ª guerra mundial
1939 - invasão da polônia e com isso o fim de inúmeros tratados:
1948 – Declaração universal dos direitos humanos
Pacto internacional dos direitos civis e políticos + pacto internacional

1945 – Criação da ONU

Inicia-se a Idade Moderna com a tomada de Constantinopla.

Tratado de Westefália –Acaba com a briga entre os católicos e os protestantes


(guerra dos 30 anos católicos x protestantes) e da ao estado poder soberano.
Bill Of Rights – Trás o príncipio da separação dos poderes.
Declaração de Virgínia – “todo poder emana do povo”

1945 – Criação da ONU com o propósito de manter a paz entre os países.


1948 – Declaração universal dos direitos humanos – 3 dimensões/gerações do direito.
1966 – Pacto internacional dos direitos civis e políticos (no Brasil só em 1992) –
Princípios de igualdade, direito a vida, etc, porém havia uma pena para os estados que
descumprissem o pacto.
1966 – Pacto internacional dos direitos econômicos, sociais e culturais – Importante
para reconstrução das doutrinas nos direitos humanos; igualdade para homens e
mulheres.

Classificação dos Direitos Humanos

Geração Dimensão
Tecnicamente imperfeita pois pressupõe É a expressão mais adequada. Traduz a
uma sobreposição de direitos em que o ideia de junção, interatividade. Não
subsequente suplanta o anterior, havendo encerramento de umas ou
eliminando-o do universo jurídico. outras, mas sim uma relação interativa.
Cadeia em linha 1ª 2ª 3ª Cadeia circular.

1ª Dimensão/Geração
Liberdades públicas
Direitos subjetivos
Direitos de resistência - Representam os direitos Civis e Políticos
Valor: Liberdade
São aqueles direitos públicos básicos que vem a partir da Magna Carta (1215). Direitos
são assegurados aos indivíduos por isso direito subjetivo (são individuais). Segundo a
classificação de Jellinek são direitos negativos, aqueles sem intervenção do estado.

2ª Dimensão/Geração
Representam os direitos sociais, culturais e econômicos
São direitos positivos, pois reclamam ações voltadas a minoração dos
problemas sociais.
São recorrentes da revolução industrial, houve uma necessidade de melhorar os
direitos sociais, e a situação precária que os trabalhadores se encontravam.
São normas programáticas.
Valor: Igualdade

3ª Dimensão/Geração
Direitos que direcionam-se a preservação da qualidade de vida

Direitos difusos, transindividuais


Valor: Fraternidade/solidariedade pois há a preocupação com o a
sociedade em âmbito global

A globalização trás esse período nefasto, então deixa-se de pensar somente em


direitos individuais e sociais e começa a se pensar em direitos de toda sociedade, do
meio ambiente, da comunicação.

4ª Dimensão/Geração
Caracterizou-se pela contemporaneidade
Direitos de preservação do ser humano

Com os avanços da engenharia genética (clonagem, inseminação), surgem esses


direitos para proteger nossa “espécie”. Ex: Bio direito, eutanásia, biossegurança.

Características dos Direitos Humanos


1 - Historicidade 6 – Imprescritibilidade
2 – Universalidade 7 – Inviolabilidade
3 – Irrenunciabilidade 8 – Limitabilidade
4 – Essencialidade 9 – Vedação de retrocesso
5 – Inalienabilidade 10 - Concorrência

1. Historicidade: Os direitos humanos tem natureza histórica. Eles superara


diversas revoluções até chegarem aos dias atuais.
2. Universalidade: Quer dizer que os direitos humanos são universais, atingem a
todos os indivíduos em qualquer tempo, qualquer lugar, sem discriminação
proveniente de sexo, raça, religião ou qualquer outra forma de discriminação.
3. Irrenunciabilidade: Os direitos humanos não podem ser objeto de renuncia,
ou seja, não se pode abrir mão deles, não se pode abdicar e muito menos
rejeita-los.
4. Essencialidade: Os direitos humanos são inerentes aos seres humanos, tendo
por base os valores supremos do homem e sua dignidade.
5. Inalienabilidade: Os direitos humanos não tem possibilidade de transferênia
nem a título gratuito ou a título oneroso, ou seja, não podem ser alienados.
6. Imprescritibilidade: Os direitos humanos não podem prescrever, não
incidem prazo prescricional, eles não perdem seus efeitos com o passar do
tempo, podendo ser exigidos a qualquer instante.
7. Inviolabilidade: os direitos humanos não podem ser violados por nenhuma lei
(já que os mesmos se encontram na constituição, uma lei que viola od Dh’s
seria anticonstitucional) e nem pelo estado.
8. Limitabilidade: os direitos humanos não são absolutos, ele são relativos,
havendo muitas vezes no caso concreto, confronto, conflito de interesse.
9. Vedação de retrocesso: Os direitos humanos não podem ser diminuídos e
nem
10. Concorrência: Os direitos humanos podem ser exercidos cumulativamente,
juntamente.

Direitos Fundamentais CF/88


Posição – Arts 5º a 17 – Direitos e deveres individuais
CF/88: <
Cláusulas pétras – Art 60 § 4, IV
֝
Tit. II – direitos fundamentais

1 - Direito a vida – inviolabilidade – art. 5º “caput”


l֝ É o mais fundamental de todos os direitos.
Direito de continuar vivo e o direito de ter uma vida digna.
Pena de morte? – Art 84, XIX CF
O direito a vida é imprescindível, essencial.

2 - Direito a igualdade – respeito ao próximo


l֝ princípio da isonomia – dever de não discriminar.

3 - Direito de liberdade –
Gênero – Liberdade locomoção XV
Liberdade de crença e de religião – XIII
Liberdade de profissão XIII
Liberdade de reuniões e associação XVII
Liberdade de expressão IV, IX
Direito a “Habeas Corpus” quando detido por autoridade judiciaria (quando tirada a
liberdade do indivíduo).

4 - Direito a segurança – trata de segurança jurídica


Acesso ao poder judiciário XXXV
Devido processo legal LXXIV
Juiz natural – LIII Contraditório e ampla defesa – LV

5 – Direito de propriedade– XVII, XXXIII, XXVII


Função social
Material
Intelectual – direitos autorais

Tratados Internacionais

Definição: são acordos internacionais regulados pelo regime jurídico de direito


internacional.

Tratados de direitos humanos: são aqueles que visam a promoção e a proteção dos
direitos humanos dos Estados.

Formação

1. Negociação: ajustes preliminares


2. Assinatura ou adoção: autenticação
3. Aprovaçãoparlamentarou“referendum”: Ratificação
(concordância que deve ser feita pelo Presidente da República)
No Brasil – Promulgação ou publicação

Incorporação dos tratados internacionais de direitos humanos no nosso ordenamento

Natureza jurídica diversa:


a) Supralegais – são considerados normas supralegais por estarem aima das leis
comuns, mas abaixo da CF/88
b) Emenda constitucional – equivalem à emendas constitucionais (Art 5º §3 CF)
Para se tornar uma emenda constitucional é necessário votação de 2 turnos em cada
casa (câmara dos deputados e senado federal), se for aprovado torna-se emenda
constitucional, se não, torna-se supralegal. (EC 45/04)
P.s. Atualmente o único que encontrou como emenda foi a convenção dos direitos da
pessoa com deficiência.

Sistema de proteção dos Direitos humanos

Dois sistemas na atualidade: Global e Regional.


Global: Caráter mais geral. Contém princípios básicos de proteção -> ONU
Regional: Complementar e reflete as peculiaridades das regiões correspondentes,
complementando a normatização geral.
Sistema Europeu
Sistema Americano ou Interamericano
Sistema Africano

1 - Global – ONU – 1945 – “Carta das Nações Unidas”


Objetivo: Estabelecer uma cooperação internacional para promover e consolidar
respeito aos direitos humanos de todos.
Instrumentos internacionais:
Carta das nações unidas

Declaração universal dos direitos humanos – 1948


Estatuto de roma (IPI) – Tribunal penal de Nuremberg – 1945; Tóquio,
Iugoslávia, Ruanda.

2 – Regional:
Europeu – Convenção Europeia de Direitos Humanos – 1950
Americano – OEA – Bogotá -> Convenção Americana dos direitos humanos ->
“Pacto de São José da Costa Rica”
Africano – origem: Carta africana dos direitos humanos e dos povos.