Você está na página 1de 4
1) – Aspectos Gerais: 2º ANO BRASIL  Território: 8 547 403 Km 2 .

1) Aspectos Gerais:

2º ANO

BRASIL

Território: 8 547 403 Km 2.

5 0 maior país do mundo em extensão e população.

“País continental” devido a sua dimensão territorial.

Ocupa 47% da América do Sul.

Localiza-se na porção centro-oriental da América do Sul.

1.1) O atual território do Brasil é resultado dos seguintes fatores:

Colonização de exploração mercantilista européia (Portugal e Espanha);

Ocupação do território por índios, brancos e negros;

Exploração do território com atividades agrícolas, pecuárias e mineradoras;

Trabalho escravo.

Estas atividades econômicas provocaram deslocamento populacional, ocupação territorial e surgimento de povoamento, vilas e cidades;

Cada atividade econômica provocou a expansão de diferentes partes territoriais do país:

Litoral do Nordeste

Pau-brasil;

Cana-de-açúcar, fumo e cacau. Agreste e Sertão do Nordeste

Pecuária

Algodão, milho, mandioca. Centro-Oeste

Mineração

Sudeste

Café

Industrialização.

Sul

Pecuária

Policultura (por causa do parcelamento da terra).

Norte

Drogas do sertão

Conflitos e acordos também contribuíram para a formação do atual território brasileiro; tais como:

Acre;

Rio Grande do Sul

A colonização e o desenvolvimento de atividades econômicas contribuíram para uma maior povoação do litoral brasileiro.

1.2) Marcas da Colonização no Território, na Economia e na Sociedade:

Povoamento mais intenso na faixa atlântica, onde se localizam os portos;

Utilização dos melhores solos para agricultura destinada ao mercado externo;

Formação de uma sociedade dividida em classes sociais com grandes disparidades sócio- econômicas;

Dependência econômica em relação aos centros mundiais do capitalismo;

FORMAÇÃO TERRITORIAL DO BRASIL

Desde o inicio do século XVIII, a extensão geográfica da colônia nada mais tinha a ver com a incerta linha de Tordesilhas. A expansão das bandeiras paulistas para o oeste, dos criadores de gado e forças militares para sudoeste ampliaram de fato as fronteiras do país. O Avanço minerador a partir do século XVIII deu mais um empurrão, de modo que a fisionomia territorial do Brasil já se aproximava bastante da atual. Restava fazer reconhecer de direito às novas fronteiras, uma questão a ser definida principalmente com a Espanha. Isso ocorreu através do Tratado de Madri. Firmado entre as coroas portuguesa e espanhola, onde se reconheceu o princípio do uti possidetis, beneficiando os portugueses

(Extraído de: Boris Fausto. Historia concisa do Brasil. São Paulo, Edusp 2001).

1) - Expansão Territorial no Brasil Colônia

A ocupação e a exploração da América latina, da áfrica e da Ásia ocorreram no período do capitalismo

comercial (séculos XV a XVIII), isto é, a retirada de produtos primários (agrícolas e extrativistas) dessas áreas e sua comercialização permitiram que as metrópoles européias acumulassem capital. Portanto, o Brasil, como colônia portuguesa, vinculou-se à clássica divisão internacional do trabalho (DIT)

como área exportadora de matérias-primas e importadora de bens manufaturados.

Tratado de Tordesilhas

Espanha e Portugal foram os pioneiros na expansão marítimo-comercial iniciada no século XV, resultando na conquistas de novas terras para os dois países. Essas “descobertas” geraram tensões e conflitos entre ambos, e na tentativa de evitar uma guerra foi assinado o Tratado de Tordesilhas, que passou a definir nosso primeiro limite territorial. Esse tratado, assinado em 7 de junho de 1494, em Tordesilhas, na Espanha, estabeleceu uma linda imaginária que passava a 370 léguas a oeste do arquipélago de cabo verde (África). Esse meridiano dividiu o mundo entre Portugal e Espanha: as terras a leste seriam portuguesas e as terras a oeste seriam espanholas.

Tratado de Madri

O

Tratado de Madri, assinado em 1750, praticamente garantiu a atual extensão territorial do Brasil.

O

novo acordo anulou o Tratado de Tordesilhas e determinou que as terras pertenceria a quem de fato as

ocupasse (principio do uti possidetis). Portanto, a Espanha reconheceu os direitos dos portugueses sobre as áreas dos atuais estados de Mato Grosso do Sul, Goiás, Tocantins, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Amazonas, Rondônia, Pará, Amapá,

entre outras.

2) - A Importância das Atividades Econômicas

As atividades econômicas brasileiras até o desenvolvimento da economia cafeeira no século XIX eram regionais, isoladas umas das outras. Podia-se dizer que economicamente o Brasil era formado por “ilhas” desarticuladas entre si e voltadas para o exterior. Assim ocorria com a cana-de-açúcar no Nordeste e a mineração no Sudeste. Esses “arquipélagos” encaixavam-se perfeitamente no conceito do capitalismo comercial, que visava ao acúmulo de capital e metais preciosos para fortalecer o poder real.

As Atividades econômicas foram fator essencial para a expansão territorial brasileira. Nossa economia colonial girava em torno da produção de gêneros primários voltados, em sua maior parte, para a exportação e para as necessidades da metrópole portuguesa. Daí o caráter litorâneo e periférico da ocupação do território brasileiro durante os primeiros séculos. Depois do pau-brasil, a cana-de-açúcar fez do litoral do Nordeste a mais importante região econômica da colônia até o inicio do século XVIII, transformando a atividade açucareira em empresa e o Brasil em colônia do açúcar. A população e as atividades econômicas nessa época se concentravam no litoral nordestino. Paralelamente à economia canavieira, a expansão da pecuária, da mineração, as bandeiras, as missões dos jesuítas e a coleta das drogas do sertão (produtos como cacau, pimenta, sementes oleaginosas, castanhas, madeira de lei, salsaparrilha, baunilha, anil e outros, explorados na Amazônia

durante o período colonial), provocaram a interiorização e o alargamento do território português em áreas que pertenciam à Espanha.

A Pecuária foi a responsável pelo povoamento do Sertão nordestino, onde complementou a lavoura de

cana-de-açúcar que dominava o litoral fornecendo a carne para alimentação e animais de tração para o trabalho nos engenhos. Mais tarde, as tropas de muares e o gado foram fundamentais para o povoamento do sul das regiões dos atuais estados de São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul, ao mesmo tempo que forneciam animais para as áreas de mineração. Em função da atividade mineradora, várias vilas e cidades foram fundadas, e o território da coroa portuguesa ficou maior. Nessa fase, tiveram fundamental importância o bandeirantismo apresador, que

eram

bandeirantismo

prospector, que eram as expedições que visavam descobrir ouro e pedras preciosas. Muitas vezes, as

bandeiras tinham os dois objetivos. As Missões que catequizavam indígenas estiveram presentes no sul e no norte do território. Com as missões, outra atividade econômica incorporou grande parte da Amazônia ao domínio português: a exploração e a comercialização das drogas do sertão.

as

expedições

organizadas

com

o

objetivo

de

escravizar

indígenas,

e

o

3) - Expansão das Fronteiras no Império e na República

Depois de sua independência, foram incorporados ao território brasileiro aproximadamente 1 milhão de

km

2

(área equivalente a Bolívia, Egito ou Colômbia).

A

Maior alteração em nosso mapa ocorreu em 1903 e 1909, com a anexação das terras que hoje formam

o

estado do Acre. Os conflitos que envolveram essa área estiveram ligados à extração da borracha por

migrantes nordestinos no fim do século XIX. Em 1903, a questão do Acre resolveu o problema criado pelo fato de seringueiros brasileiros vindos no Nordeste terem ocupado uma grande área pertencente à Bolívia e ao Peru. Com a mediação do barão do Rio Branco, que representou o Brasil, foi assinado o Tratado de Petrópolis, que tornou brasileira a área ocupada, mediante pagamento de 2 milhões de libras esterlinas. Em 1909, foram definidos os 1546 km de fronteiras do Acre com o Peru. Em acordos semelhantes, nosso país já havia ampliado seu território com áreas de Uruguai (1850), Venezuela (1859), Bolívia (1867), Paraguai (1870), Argentina (1893-1895), Amapá (1899-1900) e Guiana Francesa (1901). Depois da Questão do Acre, foram anexados trechos conseguidos por acordos com Equador (1904), Suriname (antiga Guiana Holandesa 1906), Colômbia (1909).

QUESTÕES

1) (UFBA) Em uma canção dos anos 80, a cantora Baby do Brasil denunciava que:

Todo dia, era dia de índio. Todo dia, era dia de índio. Mas agora eles só têm o dia dezenove de abril

Julgue os itens abaixo sobre a atual situação do povo indígena no Brasil:

0 0 A partir da década de 70, intensificou-se a preocupação do Estado em evitar que grandes projetos

agroindustriais se instalassem na região amazônica, como forma de preservar a floresta e as nações indígenas.

1

1 Ao longo da história, predominou uma política expansionista de nossas fronteiras internas, levando

à

destruição de amplas áreas de floresta, com o extermínio e/ou aculturação de várias nações indígenas.

2

2 Os grandes projetos de mineração e agropecuários instalados em regiões mais isoladas

conseguiram conviver harmonicamente com as nações indígenas lá existentes.

3 3 As políticas do Estado brasileiro sempre se preocuparam com a manutenção dessas comunidades

indígenas, e das áreas em que viviam, em estado de permanente isolamento e preservação.

4 4 O número de índios no Brasil vem aumentando nas últimas décadas, graças ao esforço do governo

em impedir o uso predatório da floresta amazônica e das demais áreas de reserva indígena no país.

2) (UFPE) A formação das regiões brasileiras é um processo no qual diferentes fatores estão em

relação mútua. Não se pode estudar essa formação, sob a ótica geográfica, sem se fazer uma retrospectiva histórica da evolução regional do País. A propósito deste tema, podemos afirmar:

00 O ciclo econômico concentrado na faixa costeira atlântica caracterizou-se pela constituição de uma

zona rural que abastecia a metrópole.

11 O ciclo econômico, ligado às descobertas minerais na primeira metade do século XVIII, na região de

Minas Gerais, contribuiu para a instalação de uma população muito heterogênea, bem como para uma série de formas econômicas decorrentes da mineração.

22 As marcas deixadas pela colonização ainda são visíveis em nossos dias. Podemos atestar isso com

a enorme concentração de renda e terras que verificamos no Brasil.

33 O desenvolvimento da região Sudeste esteve ligado fundamentalmente ao cultivo do café, que

colaborou para o desenvolvimento do transporte ferroviário e da indústria.

44 O desenvolvimento da produção cafeeira e a abolição da escravatura propiciaram a promoção da

imigração, sobretudo de europeus que serviram como mão-de-obra nas fazendas.

3) (UEFS) Quanto à formação do território brasileiro, podemos afirmar que:

a) A mineração, no século XVIII, foi importante na integração do território devido às relações com o Sul,

provedor de charque e mulas, e com o Rio de Janeiro, por onde escoava o ouro.

b) A pecuária no rio São Francisco, desenvolvida a partir das numerosas vilas da Zona da Mata, foi um

elemento importante na integração do território nacional.

c) A economia baseada, no século XVI, na exploração das drogas do sertão integrou a porção Centro-

Oeste à região Sul.

d) A economia açucareira do Nordeste brasileiro, baseada no binômio plantation e escravidão, foi a

responsável pela incorporação, ao Brasil, de territórios pertencentes à Espanha.

e) A extração do pau-brasil, promovida pelos paulistas, por meio das entradas e bandeiras, foi importante

na expansão das fronteiras do território brasileiro.

4) (UFAL). O Brasil apresenta uma extensão de 8,5 milhões de km² e é o 5º país do mundo em

extensão. Para atingir essa proporção, e ocupar todo esse território foram necessários 5 séculos de história. Sobre o processo de organização do espaço brasileiro, nos últimos 150 anos, considere as seguintes proposições;

0 0 A partir de meados do século XIX, o café passou a organizar o espaço de parte da região Sudeste;

graças a ele várias cidades foram criadas pelo interior da região e ferrovias passam a cruzar seu território. Nas demais regiões brasileiras, outras atividades primárias também organizavam espaços, como o cacau

no sul da Bahia e a borracha na Amazônia.

1

1 Até o fim do século XIX, enormes extensões do país eram praticamente despovoadas; os meios de

transporte eram escassos e, de modo geral, as estradas eram construídas para fazer a ligação das áreas produtoras de bens primários aos portos de exportação.

2 2 A partir do inicio do século XX, com a implantação de grandes parques industriais iniciou-se um

processo de integração do território. O país deixou de apresentar uma economia de arquipélago para se transformar em um território integrado.

3 3 Durante o século XX, muitos apontavam a industrialização como uma das responsáveis pelas

desigualdades regionais no país, mas isso não é correto. As desigualdades foram resultantes do processo

de povoamento do território ao longo de nossa história. Como o Sudeste apresentava maiores densidades demográficas desde o século XIX, a região assumiu a liderança política e econômica nacional, empobrecendo as outras regiões.

4 4 Já na segunda metade do século XX, a ocupação e organização do espaço nacional tinha se

completado graças a construção de Brasília. O povoamento da região central expandiu-se rumo à Amazônia através das fronteiras agrícolas. Assim, pode-se afirmar que a nova capital encerrou o processo de construção do espaço brasileiro.

Poucos de nós podem fazer grandes coisas, mas todos nós podemos fazer pequenas coisas com muito amor. Madre Tereza de Calcutá