Você está na página 1de 62

Apostila de

E LETRICIDADE B ÁSICA

Prof. Rodrigo Santos de Souza


Prof. Alvacir Alves Tavares

Outubro de 2010
2
Sumário

1 Princı́pios da Eletrostática 5
1.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.2 Teoria Eletrônica da Matéria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.3 Condutores e Isolantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.4 Carga Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.5 Processos de Eletrização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.5.1 Atrito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.5.2 Contato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.5.3 Indução Eletrostática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.5.4 Indução Eletromagnética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.6 Campo Elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.6.1 Intensidade do Campo Elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.6.2 Direção e Sentido do Campo Elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.7 Lei de Coulomb . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

2 Princı́pios da Eletrodinâmica 13
2.1 Diferença de Potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
2.1.1 Diferença de Potencial entre dois pontos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
2.1.2 Tipos de tensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
2.1.3 Potencial Elétrico de um Ponto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
2.2 Corrente Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
2.2.1 Intensidade da Corrente Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
2.2.2 Sentido da Corrente Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
2.2.3 Tipos de Corrente Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
2.2.4 Efeitos da Corrente Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
2.3 Medições Elétricas com Multı́metro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
2.3.1 Resolução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
2.3.2 Erro de Paralaxe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
2.3.3 Tolerância de Erro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
2.3.4 Uso do Multı́metro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm 23


3.1 Resistência Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
3.1.1 Lei de Ohm . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
3.1.2 Fatores que determinam a resistência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
3.2 Resistores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
3.2.1 Especificação de Resistores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
3.2.2 Código de Cores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
3.2.3 Tipos de Resistores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
3.3 Multı́metro como Ohmı́metro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

4 Potência Elétrica 35
4.1 Noções de Potência Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
4.2 Definição de Potência Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
4.3 Valores Nominais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
4.4 Fórmulas de Potência Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
4.5 Efeito Joule . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

3
4 SUMÁRIO

4.6 Medição de Potência Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

5 Circuito Elétrico 43
5.1 Circuito Elétrico Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
5.2 Circuito Elétrico Série . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
5.3 Circuito Elétrico Paralelo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
5.4 Circuito Elétrico Misto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
5.5 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

6 Fontes Elétricas 57

7 Leis de Kirchhoff 59
Capı́tulo 1

Princı́pios da Eletrostática

1.1 Introdução A eletrosfera possui várias camadas. Em cada ca-


mada existem alguns elétrons, sendo a mais importante
Para o estudo da Eletricidade são indispensáveis certas para o estudo das propriedades elétricas, a camada mais
noções mı́nimas a respeito da estrutura da matéria. As- externa, chamada “camada de valência”. O núcleo é o
sim, devemos recorrer a uma análise das caracterı́sticas responsável pela manutenção dos elétrons no átomo, de-
das partı́culas elementares que compõem a matéria, bem vido à força exercida entre os prótons do núcleo e os
como da maneira com que elas se arranjam. elétrons da eletrosfera.
O princı́pio fundamental da eletrostática é conhecido
como Regra de Du Fay que diz o seguinte:
1.2 Teoria Eletrônica da Matéria
CARGAS ELÉTRICAS DE MESMO SINAL SE
Sabe-se que toda matéria é formada de moléculas e esta
REPELEM E DE SINAIS OPOSTOS SE ATRAEM.
é formada por átomos. Os átomos constituem a menor
porção da matéria, que conserva as propriedades do ele-
A força de atração exercida pelo núcleo sobre os
mento em seu estado normal. Cada átomo possui uma
elétrons depende muito da distância, pois, quanto mais
zona central e uma região que a circunda, sendo ambas
distante do núcleo estiverem os elétrons, menor será
denominadas de, respectivamente, núcleo e eletrosfera.
a força de atração e mais facilmente eles poderão
No núcleo existem os prótons e os nêutrons e na ele-
deslocar-se para outro átomo.
trosfera situam-se os elétrons. Estas três partı́culas ele-
Os elétrons, fracamente ligados ao seu respectivo
mentares, apesar de não serem as únicas, são as princi-
núcleo, que estão situados na última camada (camada
pais para o estudo da eletricidade e magnetismo.
de valência), são chamados de elétrons livres.
Como os prótons são partı́culas que estão fixas no
núcleo e os elétrons podem se transferir de um átomo
para outro, no nosso estudo vamos nos preocupar sem-
pre com a falta ou o excesso de elétrons nos átomos ou
nos corpos.
Em condições normais, o átomo é eletricamente neu-
tro, pois possui o mesmo número de prótons e elétrons.
Quando um átomo ganha elétrons, ficando com pre-
domı́nio dessas partı́culas ele passa a ser chamado de
“ı́on negativo” (ânions). Já os átomos com elétrons em
falta, ou seja, com predomı́nio dos prótons, são chama-
dos de “ı́on positivo” (cátion).

1.3 Condutores e Isolantes


Figura 1.1: Átomo
Quanto mais afastado do núcleo está um elétron, mais
Ao elétron foi atribuı́da uma carga negativa e aos fracamente ligado ao átomo ele está. Os materiais con-
prótons carga positiva. Os neutrons, por sua vez, não dutores são aqueles que conduzem facilmente eletri-
possuem carga elétrica. cidade, como o cobre e o alumı́nio. Nos condutores
metálicos, os elétrons da última camada são tão fraca-
• ELÉTRON : CARGA NEGATIVA (-) mente ligados ao núcleo que, à temperatura ambiente, a
energia térmica é suficiente para liberá-los dos átomos,
• PRÓTON : CARGA POSITIVA (+) tornando-os elétrons livres. Isso significa que nos con-

5
C AP ÍTULO 1. P RINC ÍPIOS DA E LETROST ÁTICA

dutores metálicos, a condução de eletricidade se dá pelo elétrica existente no corpo.


movimento dos elétrons.
np = 100
ne = 80
q =?
n = np − ne = 100 − 80 = 20
q = 20 × 1, 6 × 10−19
Figura 1.2: Condutor q = 32 × 10−19C

Os materiais isolantes são aqueles que não conduzem


a eletricidade, como o ar, a borracha e o vidro. Nos iso- Exemplo 1.2 : Um determinado corpo foi eletrizado
lantes, os elétrons da última camada são fortemente li- por atrito, ficando com uma quantidade de carga final
gados ao núcleo, de modo que, à temperatura ambiente, de q = (−)480 × 10−6C. Determine qual o tipo e qual
poucos elétrons conseguem se liberar. A existência de o número de partı́culas que predominam neste corpo.
poucos elétrons livres praticamente impede a condução
de eletricidade em condições normais. q = (−)480 × 10−6C
Como a carga é negativa, predominam os elétrons.
q = n×e
q 480 × 10−6
n= = = 300 × 1013 elétrons
e 1, 6 × 10−19

Figura 1.3: Isolante


1.5 Processos de Eletrização
Podemos eletrizar um corpo através da ionização dos
1.4 Carga Elétrica seus átomos, isto é, retirando ou inserindo elétrons em
suas órbitas, tornando-os ı́on positivos (cátions) ou ı́ons
Sabe-se que em módulo (valor sem sinal) a carga negativos (ânions).
elétrica de um próton é igual a carga elétrica de
um elétron. Esta quantidade de carga elétrica, por
constituir-se na menor porção de eletricidade existente
num corpo é denominada “Carga Elétrica Elementar”, a
qual será representada pela letra e.
Assim, todas as outras quantidades de cargas elétricas
serão múltiplos inteiros da quantidade de carga elétrica
elementar. Por isso, dizemos que a carga elétrica é quan-
tizada, isto é, é formada por um número inteiro de cargas
elementares.

Carga Elétrica Elementar ⇒ e = 1, 6 × 10−19C


Figura 1.4: Eletrização dos corpos
A diferença entre o número de prótons e de elétrons
é que determina a carga elétrica de um corpo. Assim,
podemos calcular a carga elétrica de um corpo através
da equação 1.1:
1.5.1 Atrito
Atritando dois materiais isolantes diferentes, o calor ge-
rado pode ser suficiente para transferir elétrons de um
q = n×e (1.1) material para o outro, ficando ambos os materiais eletri-
zados, sendo um positivo (o que cedeu elétrons) e outro
onde: negativo (o que recebeu elétrons).
Como exemplos práticos de eletrização por atrito, po-
q : carga elétrica do corpo - unidade: Coulomb ou C demos citar os seguintes casos: uma caneta de plástico
eletriza-se ao ser atritada com seda e atrai pedacinhos de
n : diferença entre o número de prótons e elétrons
papéis; um pente se eletriza ao ser atritado nos cabelos
e : Carga elétrica Elementar de uma pessoa que atrai estes cabelos ou um filete de
água; uma roupa de nylon eletriza-se ao atritar-se com
nosso corpo; um veı́culo em movimento se eletriza pelo
Exemplo 1.1 : Um certo corpo possui 100 prótons e atrito com o ar; um tubo de PVC atritado com lã se car-
80 elétrons. Determine o valor da quantidade da carga rega e atrai pedacinhos de isopor.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 6 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 1. P RINC ÍPIOS DA E LETROST ÁTICA

corpo negativo será transferido para o neutro até que


ocorra o equilı́brio eletrostático. Assim, o corpo neu-
tro fica eletrizado negativamente.

Figura 1.5: Eletrização por Atrito

Eletricidade Estática Figura 1.6: Eletrização por contato


Corpos podem acumular carga elétrica após terem so-
frido algum processo de eletrização, muito comum nos No processo de eletrização por contato, a quantidade
casos de eletrização por atrito, principalmente nos dias de carga total (considerando todos os corpos envolvidos)
em que a umidade do ar está baixa. O contato des- antes do contato é igual a quantidade da carga depois do
ses corpos eletricamente carregados com outros corpos contato.
pode ocasionar um processo chamado de descarga ele-
trostática.
Você já deve ter percebido esse efeito, por exemplo, 1.5.3 Indução Eletrostática
ao ligar um aparelho de TV: os pelos do seu braço ficam
eriçados se você estiver próximo da tela. Também, você Aproximando-se um corpo eletrizado positivamente (in-
deve ter notado alguns estalos e até faı́scas (no escuro) dutor) de um condutor neutro isolado (induzido), seus
ao despir uma blusa, após usá-la por algum tempo. Estes elétrons livres serão atraı́dos para a extremidade mais
fenômenos são descargas eletrostáticas e, podem tornar- próxima do corpo positivo.
se extremamente perigosos em ambientes industriais, Dessa forma o corpo neutro fica polarizado, ou seja,
em áreas onde se utilizam materiais inflamáveis e em com um excesso de elétrons em uma extremidade (polo
bancadas de produção de placas de circuitos eletrônicos negativo) e falta de elétrons na outra (polo positivo).
onde são usados componentes ultra-sensı́veis como os Aterrando o polo positivo desse corpo, ele irá atrair
circuitos integrados. A descarga eletrostática pode cau- elétrons da Terra, até que a extremidade fique nova-
sar tanto a destruição total de um componente, como da- mente neutra.
nificá-lo parcialmente, diminuindo o seu tempo de vida Desfazendo o aterramento e afastando o corpo com
útil. carga positiva, o corpo, inicialmente neutro, fica eletri-
Existe uma série de dispositivos que podem ser uti- zado negativamente.
lizados como proteção contra descargas eletrostáticas.
Como exemplos, podemos citar a pulseira de aterra-
mento ajustável e a calcanheira, utilizados em bancadas
para a proteção de circuitos eletrônicos.
Automóveis, caminhões e aviões podem adquirir car-
gas estáticas em consequência do atrito de sua estru-
tura com o ar. Quando um veı́culo está conduzindo
um lı́quido inflamável como a gasolina ou quando um
avião está reabastecendo de combustı́vel, haverá a pro-
babilidade de incêndio ou explosão, se a carga estática
se descarregar sob a forma de faı́sca. Para evitar que
isto aconteça, os veı́culos que transportam combustı́vel
dispõem de uma corrente ou de uma tira impregnada
de metal, ligada à carroceria e que se arrasta pelo solo
para descarregar, continuamente, a carga acumulada. Os
aviões, antes de serem reabastecidos, são ligados ao solo Figura 1.7: Eletrização por Indução Eletrostática
por meio de um dispositivo especial que propicia esta
descarga. Um fenômeno semelhante irá ocorrer se o corpo ini-
cialmente eletrizado (indutor) estiver carregado com
1.5.2 Contato carga elétrica negativa. Porém, nesse caso o efeito será
contrário, carregando o corpo inicialmente neutro (indu-
Se um corpo eletrizado negativamente é colocado em zido) com carga elétrica positiva, pois os elétrons irão
contato com outro neutro, o excesso de elétrons do fluir do mesmo para a Terra.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 7 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 1. P RINC ÍPIOS DA E LETROST ÁTICA

1.5.4 Indução Eletromagnética A carga Q é chamada de carga criadora do campo e a


carga elétrica (+)q utilizada para o ensaio é denominada
Quase toda a energia elétrica utilizada atualmente, é ori- de carga de prova.
ginada nos geradores rotativos das usinas de força. O Normalmente, a carga de prova (+)q possui um va-
gerador pode ser acionado por turbinas hidráulicas, por lor infinitamente pequeno, em relação a carga (+)Q cri-
turbinas eólicas, por turbinas a vapor ou por um mo- adora do campo. Assim, o campo elétrico no ponto ana-
tor de combustão interna. Qualquer que seja o método lisado sofre uma influência desprezı́vel em função da
usado para acionar o gerador, a energia elétrica que ele introdução desta carga de prova.
produz é resultante da ação entre condutores e campo
magnético.
Um dos métodos pelos quais o magnetismo pro-
duz eletricidade é pelo movimento de um imã nas
proximidades de um condutor fixo. Ligando-se um
medidor sensı́vel nas extremidades do condutor e
movimentando-se um ı́mã nas proximidades, o ponteiro
do medidor sofre uma deflexão, que só ocorre quando
o imã estiver em movimento. A deflexão do ponteiro Figura 1.9: Campo Elétrico no ponto P
indica a produção de eletricidade no condutor.
Quando o movimento cessa, mesmo que exista um Se a carga elétrica (+)q for retirada do ponto P, con-
grande campo magnético dentro da bobina, não é ge- tinuará existindo campo elétrico neste ponto, pois con-
rada nenhuma eletricidade. Portanto a causa dessa ele- forme foi explicado anteriormente, o campo elétrico em
tricidade no condutor é a variação do campo magnético questão (que age) é produzido por (+)Q.
dentro da bobina e não a existência do campo magnético O Campo Elétrico diminui à medida que o ponto de
dentro da mesma. análise (P) se afasta da carga geradora do Campo.

Figura 1.10: Campo Elétrico diminui com a distância

1.6.1 Intensidade do Campo Elétrico


A força que age sobre um corpo carregado, colocado
num ponto determinado de um campo elétrico, é direta-
mente proporcional ao valor da carga elétrica colocada
Figura 1.8: Eletrização por Indução Eletromagnética em P.
Assim, para um certo ponto de um campo elétrico a
relação entre a força elétrica e o valor da carga de prova
é um valor constante. Esta constante caracteriza quanti-
tativamente o campo elétrico naquele ponto e é chamada
1.6 Campo Elétrico de intensidade de campo elétrico ( E ) .
Uma carga cria ao seu redor um Campo Elétrico (E) que
irá atuar em outras cargas que estiverem em seu entorno. F
Quando uma carga elétrica de prova é colocada numa E= (1.2)
q
região onde existe um campo elétrico, ela sofrerá a ação
de uma força elétrica, a qual tenderá a movimentá-la. E : Campo Elétrico - unidade: N/C (New-
No esquema abaixo temos uma carga elétrica (+)Q. ton/Coulomb)
Desejando-se analisar o campo elétrico no ponto P, F : Força que age sobre a carga de prova - unidade:
coloca-se aı́, uma carga (+)q. N (Newton)
Logo, se a carga de prova (+)q colocada em P ficar
submetida a uma força elétrica, podemos afirmar que no q : Carga que sofre a ação do Campo Elétrico, carga
referido ponto existe um campo elétrico. de prova - unidade: C (Coulomb)

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 8 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 1. P RINC ÍPIOS DA E LETROST ÁTICA

1.6.2 Direção e Sentido do Campo Elétrico tes da interação dos campos elétricos produzidos pelas
mesmas. Essas forças atuam em ambas as cargas e pos-
O campo elétrico é uma grandeza vetorial, isto é, ele
suem o mesmo módulo (intensidade) e mesma direção,
possui um módulo ou intensidade, uma direção e um
porém sentidos opostos.
sentido. Para representar a direção e o sentido do Campo
A intensidade da força é diretamente proporcional ao
Elétrico são utilizadas linhas de força.
produto das cargas e inversamente proporcional ao qua-
O sentido do vetor campo elétrico depende do sinal
drado da distância entre elas. Essas propriedades resul-
da carga que origina o campo.
tam na equação 1.3.
Se a carga criadora Q do campo é positiva, o Campo
Elétrico é divergente, isto é, as linhas de força saem da
carga.
Se a carga criadora Q do campo é negativa, o Campo
Elétrico é convergente, isto é, as linhas de força entram K0 × q1 × q2
F= (1.3)
na carga. d2

F : Força - unidade: N (Newton)

q1 ; q2 : Cargas elétricas - unidade: C (Coulomb)

d : Distância entre as cargas - unidade: m (metros)

K0 : Constante de Proporcionalidade do Vácuo


K0 = 9 × 109 N.m2 /C2
Figura 1.11: Linhas de Campo Elétrico

Na figura Referênciascomportamento pode ser obser-


vado o comportamento das linhas de força em quatro
diferentes situações.

Figura 1.13: Lei de Coulomb

Rigidez Dielétrica
Quando um campo elétrico é aplicado a um isolante,
uma força elétrica atuará sobre seus elétrons, tendendo
a arrancá-los de seus respectivos átomos. Isto ocorrerá
quando a intensidade do campo elétrico atingir um valor
Figura 1.12: Comportamento das linhas força elevado, o qual, ocasionará uma força de valor suficiente
para arrancar alguns elétrons dos átomos. Isso faz com
que o material isolante passe a ter um número elevado
de elétrons livres, transformando-se, portanto, num bom
1.7 Lei de Coulomb condutor de eletricidade.
“R IGIDEZ D IEL ÉTRICA É O MAIOR VALOR DE
O fenômeno da atração (ou repulsão) que ocorre entre C AMPO E L ÉTRICO QUE PODE SER APLICADO EM UM
caragas elétricas se dá devido a ação de forças decorren- ISOLANTE SEM QUE ELE SE TORNE CONDUTOR ”.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 9 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 1. P RINC ÍPIOS DA E LETROST ÁTICA

Tabela 1.1: Múltiplos e submúltiplos das unidades le-


gais de medida
Prefixo Sı́mbolo Fator multiplicador
Tera T 1012
Giga G 109
Mega M 106
quilo k 103
hecto h 102
deca da 101
deci d 10−1
centi c 10−2
mili m 10−3
micro µ 10−6
nano n 10−9
pico p 10−12

Poder das Pontas


Figura 1.14: Para-raios tipo Franklin
Um fenômeno interessante relacionado com o conceito
de rigidez dielétrica é o poder das pontas.
A quantidade de carga existente por unidade de tado final de equilı́brio eletrostático, isto é, suas cargas
área (densidade) num condutor depende de sua forma elétricas em excesso ficam em repouso.
geométrica e é maior nas regiões mais afastadas do cen- Se as cargas estão em repouso, a força resultante que
tro. atua sobre eles é nula. Se a força é nula, o campo
Assim, em uma esfera eletrizada, a concentração das elétrico também será nulo.
cargas é a mesma em todos os pontos de sua superfı́cie, “O CAMPO EL ÉTRICO NO INTERIOR DE UM CON -
mas em um condutor cuja superfı́cie apresenta formato DUTOR EM EQUIL ÍBRIO ELETROST ÁTICO É SEMPRE
variável a densidade de cargas é muito maior nas regiões NULO ”.
pontiagudas. Em eletricidade, blindar significa isolar um corpo de
Se for aumentada a carga elétrica no condutor influências elétricas (ver figura 1.15). Assim, se que-
metálico, a intensidade do campo elétrico em torno dele remos proteger um aparelho contra essas influências
também irá aumentar. É fácil percebermos que na região (campo E1), colocamos sobre ele uma capa ou uma rede
mais pontiaguda o valor da rigidez dielétrica do ar será metálica. Como no interior da capa ou da rede o campo
ultrapassado antes que isto ocorra nas demais regiões. elétrico é nulo, o aparelho não será afetado por nenhum
O poder das pontas encontra uma importante efeito elétrico exterior. Isto se deve ao fato que o deslo-
aplicação na construção dos para-raios tipo Franklin. camento de cargas na capa gera um outro campo elétrico
Este dispositivo consiste essencialmente numa ponta (E2) que cancela o campo elétrico no local onde está o
metálica, que deve ser colocada no ponto mais elevado objeto a ser protegido.
do local a ser protegido. O para-raios é ligado a Terra
por meio de um bom condutor. Quando uma nuvem
elétrica passa sobre o local, o campo elétrico estabe-
lecido entre a nuvem e a Terra torna-se muito intenso.
Então, o ar se ioniza, tornando-se condutor, fazendo
com que a descarga elétrica (raio) se processe através
da ponta do para-raios, e assim as cargas elétricas po-
dem ser transferidas para a Terra ou para as nuvens sem
causar danos. Figura 1.15: Blindagem Eletrostática
Existe maior probabilidade do raio cair no para-raios
do que em outro local da vizinhança. Uma aplicação prática deste fenômeno consiste no
uso de sacos de blindagem contra eletricidade estática
Blindagem Eletrostática para transporte de componentes eletrônicos sensı́veis.
Em redes de TV a cabo, existe uma capa metálica ex-
Em corpos carregados eletricamente, as cargas elétricas terna, que também tem a função de efetuar uma blin-
em excesso se repelem, permanecendo o mais afastado dagem, ou seja, ela isola os fios internos de alguma in-
possı́vel uma das outras. Estas cargas se distribuem na fluência elétrica que poderia perturbar a transmissão de
superfı́cie dos corpos, que rapidamente adquirem seu es- informações.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 10 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 1. P RINC ÍPIOS DA E LETROST ÁTICA

(b) Retirando-se do local a carga de prova, o


campo da esfera (1) deixa de existir? Por
quê?
13. A que distância uma da outra é preciso dispor,
no vácuo, duas cargas q1 = 3 × 10−5C e q2 =
4 × 10−5C, para que elas se exerçam mutuamente
uma força de 2 × 102 N?
Figura 1.16: Blindagem em Cabo Coaxial
14. Qual é o valor de duas cargas iguais que se repelem
com uma força de 3, 5N quando postas à distância
Exercı́cios de 0, 5m?
15. Duas cargas pontuais negativas, q1 = 4, 3µC e q2 =
1. Enuncie a Regra de Du Fay.
2, 0µC, estão situadas no ar, separadas por uma
2. Cite e explique os principais processos de distância r = 30cm.
eletrização.
(a) Desenhe em uma figura, a força que q1 exerce
3. Cite o processo de eletrização usado na geração de sobre q2. Qual é o valor desta força?
eletricidade para uso urbano. (b) Desenhe, na figura, a força que q2 exerce so-
bre q1. Qual é o valor desta força?
4. Dê o significado da expressão “carga elétrica ele-
mentar”. 16. Verifica-se que uma carga positiva de 1, 5µC, colo-
cada num ponto P. fica sujeita a uma força elétrica
5. Determinado corpo contém 80 prótons e 50 de 0, 6N. Qual é a intensidade do campo elétrico
elétrons. Calcular o valor da quantidade de carga em P?
elétrica existente no corpo.
17. Num ponto do espaço existe um campo elétrico
6. Ao se eletrizar, um corpo recebeu 60 × 1020 de 5 × 104 N/C, horizontal, para a esquerda.
elétrons. Qual é o valor da quantidade de carga Colocando-se uma carga q neste ponto, verifica-se
elétrica adquirida pelo corpo? que ela tende a se mover para a direita, sujeita a
uma força elétrica de 0, 2N.
7. Um átomo de cobre (29 elétrons em condições nor-
mais) foi ionizado ao ganhar 7 elétrons. Qual é o (a) Qual é o sinal da carga q?
valor da quantidade de carga elétrica do átomo? (b) Determine, em microCoulomb (µC), o valor
de q?
8. Se em vez de ganhar 7 elétrons, o átomo do
exercı́cio anterior, tivesse perdido 12 elétrons, qual
seria o novo valor da quantidade de carga elétrica Respostas dos exercı́cios numéricos
adquirida pelo átomo?
5. q = (+)48 × 10−19C
9. Um corpo adquiriu uma carga negativa de 640 ×
10−19C. Determinar o número de elétrons res- 6. q = (−)960C
ponsáveis por esta carga.
7. q = (−)11, 2 × 10−19C
10. Um corpo adquiriu uma carga positiva de 900µC. 8. q = (+)19, 2 × 10−19C
O corpo ganhou ou perdeu elétrons? Quantos?
9. n = 400 elétrons
11. Calcule o valor da força elétrica entre duas peque-
nas esferas (cargas puntiformes) que distam 0, 2m, 10. Perdeu 562, 5 × 1013 elétrons
estão no vácuo e possuem quantidades de cargas 11. F = 9N
q1 = (+)5, 0 × 10−6C e q2 = (−)8 × 10−6C. Faça
um esquema onde apareçam as duas cargas e o ve- 12. a)d = 94, 87mm; b)Não, o campo elétrico só de-
tor força elétrica que atua em cada uma. pende de q1 e da distância à mesma

12. Perto de uma pequena esfera (1) eletrizada positi- 13. d = 0, 232m
vamente com uma quantidade de carga (+)2, 0µC, 14. q = 9, 86µC
é posta uma outra esfera (2) como carga de prova.
A força elétrica de interação entre elas vale 0, 4N. 15. a) F = 0, 86N; b) F = 0, 86N

(a) Sabendo que a quantidade de carga na es- 16. E = 0, 4 × 106 N/C


fera (2) é (+)0, 2µC, determine o valor da 17. a) Negativa; b)q = 4µC
distância entre as esferas.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 11 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 1. P RINC ÍPIOS DA E LETROST ÁTICA

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 12 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


Capı́tulo 2

Princı́pios da Eletrodinâmica

2.1 Diferença de Potencial Uma grandeza muito importante no estudo dos


fenômenos elétricos está relacionada com este trabalho.
Sabe-se que ocorre um movimento de elétrons através Esta grandeza é denominada “diferença de potencial ou
de um condutor quando o mesmo for submetido a um tensão” entre os pontos a e b, (Vab) e pode ser definida
campo elétrico. Isso ocorre porque esses elétrons fi- como:
cam sujeitos a forças elétricas, os quais deverão persistir
A D IFERENÇA DE P OTENCIAL ENTRE DOIS PON -
se entre as extremidades do condutor for mantida uma
TOS CORRESPONDE AO TRABALHO REALIZADO PELO
diferença de potencial.
CAMPO EL ÉTRICO AO MOVER UMA CARGA DE 1C DE
UM PONTO PARA O OUTRO .

2.1.1 Diferença de Potencial entre dois Em homenagem ao fı́sico e professor italiano Ales-
pontos sandro G. Volta (1745-1827), que foi o inventor da pilha
elétrica, a unidade de medida de diferença de potencia é
Suponhamos um conjunto de corpos eletrizados está cri- o volt (v).
ando um campo elétrico vertical para baixo, no vácuo ou
dentro de um condutor. Consideremos dois pontos a e A grandeza Diferença de Potencial elétrico também é
b neste campo elétrico de acordo com a figura 2.1. Se chamada de Tensão Elétrica, Força Eletromotriz e ainda
o campo elétrico deslocar uma carga de prova (+)q do voltagem.
ponto a para o ponto b, haverá a realização de um tra-
balho Wab sobre a carga porque, durante todo o trajeto,
o campo elétrico está aplicando uma força Fe sobre a
carga. Convém lembrar que trabalho é definido como o Interpretação fı́sica
produto da força aplicada em um objeto com uma certa
massa pelo deslocamento realizado.
Percebe-se, pelo que foi exposto, que a diferença de po-
tencial é maior onde o campo elétrico é mais intenso
pois são geradas forças maiores sobre as cargas a serem
transportadas e consequentemente é realizado um maior
trabalho.
Assim a diferença de potencial entre dois pontos de
um campo elétrico existe mesmo que nenhuma carga
seja transportada entre os mesmos.
Na prática, em vez de pensar que o campo elétrico é
a fonte do movimento das cargas, é melhor considerar
Figura 2.1: Realização de trabalho elétrico a diferença de potencial (ou tensão) como a causa do
movimento das mesmas.
Em outras palavras, Wab representa uma certa quanti- Para facilitar o entendimento do conceito de diferença
dade de “energia” que a força externa Fe transfere para de potencial elétrico, faremos uma analogia com a
a carga (+)q em seu deslocamento de a para b. Se for diferença de potencial gravitacional. No sistema
transportada uma carga com o dobro do valor anterior hidráulico da figura 2.2, a água de desloca da caixa
haverá o dobro da força agindo sobre a carga, logo o d’água A para a caixa B por causa da diferença de altura
trabalho realizado será o dobro. Na verdade, para qual- ∆h. Cada ponto do espaço possui um potencial gravita-
quer valor de carga transportada entre estes mesmos dois cional que é proporcional à sua altura. Portanto o fluxo
pontos, teremos sempre a mesma relação entre o traba- de água existe devido à diferença de potencial gravitaci-
lho realizado e a carga transportada. onal existente entre as duas caixas.

13
C AP ÍTULO 2. P RINC ÍPIOS DA E LETRODIN ÂMICA

modo que o movimento de cargas no instante t1 possui


um sentido contrário ao movimento de cargas no instan-
tes t3.

Figura 2.2: Analogia entre Eletricidade e Hidráulica

2.1.2 Tipos de tensão


Tensão contı́nua (CC ou DC)
A tensão ou ddp contı́nua origina um movimento unidi-
recional de cargas elétricas, isto é, a mesma quantidade
de carga se movimenta sempre com o mesmo sentido.
Figura 2.4: Tensão Alternada
Este tipo de ddp é fornecido por pilhas ou baterias, por-
tanto o fio ligado ao polo positivo é denominado de “fio
positivo”, enquanto que o fio ligado ao polo negativo da A ddp alternada representada no mesmo gráfico é
fonte é denominado de “fio negativo”. chamada de senoidal, sendo que entre os instantes t0 e t4
Num gráfico do comportamento da ddp em função existe um ciclo completo, ao longo do qual a grandeza
do tempo (figura 2.3), obtém-se uma linha reta, indi- elétrica atinge todos os valores instantâneos possı́veis.
cando que para instantes diferentes de tempo, corres- Nos terminais das tomadas de nossas casas, temos uma
ponde sempre um único valor de ddp. Por comparação ddp alternada de frequência igual a 60Hz. ( 1 Hertz = 1
com a corrente contı́nua, usa-se chamá-la de tensão CC ciclo por segundo).
ou tensão DC.
2.1.3 Potencial Elétrico de um Ponto
É comum o cálculo da ddp entre dois pontos de um
campo elétrico. Entretanto, costuma-se empregar, com
frequência, o conceito de “potencial de um ponto”. Mas
o potencial num ponto nada mais é do que a ddp entre
este ponto e um outro tomado como referência. Então,
para calcularmos o potencial num ponto “a”, devemos
inicialmente escolher, arbitrariamente, um outro ponto
“P”, denominado “potencial de referência”, ao qual se
atribui um potencial nulo (Vp = 0). Calculando-se, em
seguida, a ddp entre “a” e “P”, obtemos o “potencial de
a (Va) em relação a P”.
Os potenciais elétricos no campo elétrico nos permi-
Figura 2.3: Tensão Contı́nua tem prever o sentido em que tendem a mover-se as car-
gas elétricas abandonadas nesse campo. Consideremos,
por exemplo, um caso em que se tem duas placas eletri-
zadas como na figura 2.5, entre as quais existe uma ddp,
Tensão alternada (CA ou AC)
Vab ou Va-Vb cujo valor é de 300V. Se escolhermos a
A ddp alternada, conforme o próprio nome sugere, ori- placa “b” como potencial de referência teremos Vb = 0
gina um movimento de cargas que varia, em quantidade e, então, virá Va = 300V, isto é, o potencial de “a” é de
e em sentido. Nas tomadas elétricas residenciais, que 300V em relação a “b” (o potencial de “a” está 300V
são alimentadas por alternadores, existem tensões alter- acima em relação a “b”).
nadas. Um dos fios é o “fio fase” e o outro é o “fio Também é correto afirmar que o potencial de “b” é de
neutro”. -300V em relação a “a” (Vba), pois Vb-Va = 0-300 =
O gráfico da figura 2.4 representa a variação desta ddp -300V.
em função do tempo. Nota-se que, para instantes di- Portanto o potencial num ponto não tem um valor
ferentes de tempo, correspondem valores diferentes de único, mas sim este valor depende do potencial de re-
ddp. Por exemplo, nos instantes t1 e t3 existem ddp ferência. Em geral considera-se a Terra como elemento
de mesmo valor, porém com polaridades invertidas, de de referência, ao qual atribui-se o valor zero (Vt = 0).

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 14 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 2. P RINC ÍPIOS DA E LETRODIN ÂMICA

2.2.2 Sentido da Corrente Elétrica


Sentido Eletrônico

É considerado o sentido real da corrente elétrica, pois


corresponde ao sentido do movimento dos elétrons, ou
seja, a corrente circula do potencial menor (-) para o
potencial maior (+) no consumidor.

Figura 2.5: Potencial de um ponto

“U MA CARGA EL ÉTRICA POSITIVA TENDE A SE


DESLOCAR DE PONTOS ONDE O POTENCIAL É MAIOR
PARA PONTOS ONDE ELE É MENOR . U MA CARGA
NEGATIVA TENDER Á A SE MOVER EM SENTIDO
CONTR ÁRIO ”.

2.2 Corrente Elétrica


Como foi visto em Eletrostática, quando uma carga
elétrica é colocada numa região onde atua um campo
elétrico, tenderá a se movimentar, pois estará sujeita à
ação de uma força de origem elétrica. Figura 2.6: Sentido Eletrônico
Em materiais condutores metálicos (fios de co-
bre), os elétrons pertencentes à camada de valência
(última camada) são fracamente atraı́dos pelos respecti-
Sentido Convencional
vos núcleos, de forma que são considerados “elétrons li-
vres”. Na ausência de um campo elétrico, estes elétrons Por convenção, é o deslocamento das cargas positivas,
movem-se desordenadamente, logo o deslocamento é ou seja, a corrente circula do potencial maior (+) para
praticamente nulo. A presença de um campo elétrico o potencial menor (-). Este sentido foi adotado há mais
altera a trajetória destes elétrons, apresentando um des- de um século, antes que o elétron fosse descoberto, e
locamento maior em sentido oposto ao campo, devido à continua firmemente estabelecido na literatura de Ele-
força exercida. tricidade. Na verdade, não faz diferença alguma con-
O conceito de corrente elétrica num condutor pode siderar cargas positivas hipotéticas movendo-se em um
então ser entendido como sendo o movimento ordenado sentido, ou cargas negativas reais movendo-se em sen-
de suas cargas elétricas, devido à ação de um campo tido oposto. No nosso estudo será adotado o sentido
elétrico estabelecido em seu interior pela aplicação de convencional da corrente por ele ser mais compatı́vel
uma ddp entre suas extremidades. com a bibliografia disponı́vel.

2.2.1 Intensidade da Corrente Elétrica


Denomina-se intensidade da corrente elétrica (I) através
de um condutor, a relação entre a quantidade de carga
(q) que passa por uma seção do mesmo e o intervalo de
tempo considerado (t).

q
I= (2.1)
t
I : Intensidade da corrente elétrica - unidade: A
(Ampère)
q : carga elétrica que passa pela seção transversal de
um condutor - unidade: C (Coulomb)
t : Intervalo de tempo considerado - unidade: s (se- Figura 2.7: Sentido Convencional
gundo)

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 15 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 2. P RINC ÍPIOS DA E LETRODIN ÂMICA

2.2.3 Tipos de Corrente Elétrica Em alguns casos o Efeito Joule é indesejável por-
que, além de representar perda de energia elétrica, causa
Corrente Contı́nua (CC ou DC)
também danos nos geradores, motores, transformadores
Se uma lâmpada for alimentada por uma ddp contı́nua, e linhas de transmissão.
por exemplo de uma pilha, ela será percorrida por uma Noutras situações ele é bastante útil como nos chuvei-
corrente contı́nua, a qual é unidirecional, tendo sempre ros, estufas, ferros de passar roupa, secadores de cabelo,
o mesmo sentido e mesmo módulo em todos os instantes fornos elétricos, solda elétrica, etc.
de tempo, conforme a figura 2.8.

Figura 2.10: Usos do Efeito Joule

Dimensionamento de condutores
Um dos critérios mais usados para dimensionamento
de condutores é a máxima corrente admissı́vel por um
Figura 2.8: Corrente Contı́nua
condutor, que é limitada pela máxima temperatura que
o mesmo pode suportar. Quando um condutor é per-
corrido por corrente elétrica, o calor gerado provoca
Corrente Alternada (CA ou AC) elevação de temperatura no condutor.
Se uma lâmpada for alimentada por uma ddp alternada, A seguir, está indicada uma tabela com a capacidade
por exemplo de uma tomada residencial, ela será per- de condução de corrente, de fios condutores de cobre,
corrida por uma corrente alternada, a qual muda, pe- em função da área de suas seções transversais. Este
riodicamente, sua intensidade e seu sentido, conforme exemplo serve para cabos com dois condutores isolados
gráfico 2.9. com PVC, à temperatura ambiente de 30oC colocados
em eletroduto circular embutido em parede de alvenaria.
Para outras situações devem ser consultados manuais de
instalações elétricas.

Seção(mm2 ) Corrente (A)


1,5 17,5
2,5 24
4 32
6 41
10 57
16 76
25 101
35 125
50 151
70 192
Figura 2.9: Corrente Alternada

t0 a t2 = semiciclo positivo; t2 a t4 = semiciclo nega-


tivo; t0 a t4 = 1 ciclo Observando a tabela acima e considerando uma cor-
rente de I=18A, deverı́amos escolher um fio cuja área
fosse de 2, 5mm2 .
2.2.4 Efeitos da Corrente Elétrica
Efeito Térmico (Efeito Joule) Fusı́veis
Como consequência das colisões entre os elétrons livres Quando um circuito é percorrido por corrente elétrica,
e os átomos dos condutores, a passagem de corrente provoca aquecimento dos condutores. Quando esta
elétrica eleva a temperatura desses condutores. corrente se torna exagerada precisamos proteger as

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 16 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 2. P RINC ÍPIOS DA E LETRODIN ÂMICA

instalações contra o possı́vel sobreaquecimento. Recor- Esses cátions e ânions provêm da ionização das
remos então aos “fusı́veis”, dispositivos de baixa tem- moléculas do gás. Essas moléculas, porém, não se io-
peratura de fusão (chumbo: 327oC; estanho: 323oC), os nizam sozinhas, como no caso dos condutores lı́quidos.
quais podem “queimar”, interrompendo a passagem da A ionização começa, em geral, com o movimento de
corrente elétrica. No corpo dos fusı́veis está escrito o elétrons livres que se chocam com as moléculas do gás
valor de corrente que ele suporta. e, arrancam elétrons delas, ionizando-as. Os ı́ons for-
mados, por sua vez encontram novas moléculas, que são
Efeito Magnético ionizadas pelo choque entre elas. Estes novos ı́ons par-
ticipam do movimento de cargas, e assim por diante.
Se colocarmos uma bússola próxima a um condutor
percorrido por corrente elétrica, notaremos que ocorre
um desvio na sua agulha, evidenciando que existe a Lâmpada Fluorescente
presença de um campo magnético em torno do condutor. Uma lâmpada fluorescente constitui-se de um tubo de
Este é um dos efeitos mais importantes da corrente, vidro cujo comprimento é determinado pela potência da
uma vez que se constitui na base do princı́pio de funci- mesma e, em cada extremidade, possui um filamento
onamento dos eletroı́mãs, instrumento de medição, mo- de tungstênio, em forma de espiral e recobertos com
tores, transformadores, etc. uma camada de óxidos emissores de elétrons. O in-
terior do tubo de vidro é revestido com uma camada
de pó fluorescente, cuja natureza influencia o espectro
do fluxo luminoso produzido. Também no interior da
lâmpada existe um gás raro (argônio) e certa quantidade
de mercúrio que, no momento da partida, será vapori-
zado. Uma das principais vantagens que a lâmpada flu-
orescente apresenta é, além de poder ser fabricada em
várias tonalidades de cor, a de possuir um alto rendi-
mento luminoso pelos watts consumidos para o seu fun-
cionamento.
Figura 2.11: Efeito Magnético

Campainha ou Cigarra
Apesar da inumerável quantidade de exemplos será dada
atenção a uma das aplicações mais simples do campo
magnético produzido pela corrente elétrica: a cigarra
elétrica. A cigarra é composta de um núcleo de ferro,
em torno do qual há uma bobina, e uma lâmina de ferro
flexı́vel. Quando pressionamos o botão acionador passa
uma corrente alternada na bobina da campainha cri- Figura 2.12: Lâmpada Fluorescente
ando um campo magnético no núcleo que atrai a lâmina.
Quando a corrente alternada passa por zero a lâmina é
solta e, logo em seguida, atraı́da novamente causando
a vibração da lâmina de ferro gerando o ruı́do carac- Efeito Fisiológico
terı́stico.
Quando uma corrente elétrica atravessa um organismo
vivo, além dos efeitos térmico e quı́mico, ocorrem
Efeito Luminoso
também efeitos sobre nervos e músculos. Uma corrente
Este efeito baseia-se no fato de gases ionizados emiti- da ordem de 10mA, atravessando o organismo de uma
rem luz quando atravessados por uma corrente elétrica. pessoa, provoca uma sensação de desconforto, sendo
Como exemplo, temos as lâmpadas fluorescentes, as que, acima desse valor, a corrente ocasiona uma perda
lâmpadas de vapor de mercúrio (usadas na iluminação do controle sobre os músculos, provocando contrações
de quadras esportivas), as lâmpadas de vapor de sódio conhecidas como “choques”.
(para iluminação de túneis e estradas), etc. O socorro a uma vı́tima de choque começa pelo
Nos condutores gasosos, campos elétricos intensos corte da ddp causadora do mesmo. Isto deve ser feito
poderão provocar o deslocamento ordenado de ı́ons po- interrompendo-se o circuito. Na impossibilidade dessa
sitivos e negativos e elétrons (corrente elétrica), sendo interrupção, sugere-se puxar ou empurrar a pessoa com
que os ânions e elétrons tenderiam a deslocar-se no sen- um material isolante como, por exemplo, uma corda, um
tido contrário ao do campo e os cátions tenderiam a pedaço de madeira seca, etc. Este primeiro socorro deve
deslocar-se no mesmo sentido do campo elétrico. ser feito o mais rápido possı́vel, pois a resistência da

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 17 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 2. P RINC ÍPIOS DA E LETRODIN ÂMICA

pele na região do contato elétrico diminui, o que pro- sistência. Eles podem ser de dois tipos: analógicos e
voca elevação da intensidade de corrente. digitas (ver figura 2.13).
Entretanto, deve-se tomar o cuidado de não provocar No instrumento analógico, o resultado é mostrado por
contatos indevidos com a pessoa afetada pelo choque, um ponteiro que deflexiona sobre uma escala graduada,
pois a reação instintiva de puxá-la manualmente pode sendo que a leitura é feita por meio da analogia entre o
provocar mais uma vı́tima. valor indicado e o fundo de escala selecionado.
Se, após livrar-se da corrente elétrica, a pessoa esti- No instrumento digital, o resultado é mostrado direta-
ver inconsciente e sem respirar, devemos proceder da mente no display, conforme o valor do fundo de escala
seguinte maneira: selecionado.

1. verificar se a lı́ngua da pessoa não está dobrada;


2. realizar a respiração boca-a-boca ou boca-nariz;
3. se a pessoa estiver sem batimento cardı́aco
(coração para de bater), é realizado, interca-
lado com a respiração artificial, uma massagem
cardı́aca. A respiração e a massagem devem ser
feitas por pessoas diferentes.

Todas as funções do corpo humano são controladas


eletricamente. Através de sinais elétricos que viajam
pelo sistema nervoso, o cérebro (computador central) re-
cebe estas impressões e envia instruções para o resto do
corpo. Neste processo todo os neurônios são fundamen-
tais.
A tensão elétrica dos impulsos nervosos é da or-
Figura 2.13: Multı́metro Digital(esq.) e Analógico(dir.)
dem de 100mV e os sinais transmitidos (cérebro ao sis-
tema acionado) levam em torno de 0,04s. Inclusive,
utilizam-se exames clı́nicos de natureza elétrica, como
eletrocardiograma e eletroencefalograma, para se efe- 2.3.1 Resolução
tuar investigações médicas. As correntes elétricas que
acompanham a atividade cerebral podem ser registradas Resolução é a menor medida que o instrumento é capaz
por aparelhos especiais. de distinguir com certeza.
Verifica-se que a nossa sensibilidade à corrente Se o instrumento for analógico, a sua resolução é dada
elétrica é muito acentuada, isto é, correntes relativa- pelo valor da menor divisão da escala graduada, con-
mente pequenas podem causar dor e, até mesmo, a forme a escala selecionada.
morte. De fato, para a maioria das pessoas observa-se Se o instrumento for digital, a sua resolução é dada
que: pela unidade do digito menos significativo em relação
ao ponto decimal, conforme a escala selecionada.
• uma corrente de 1mA já é perceptı́vel, causando
um certo “formigamento”;
• uma corrente de 10mA pode causar dores e espas-
mos musculares, não sendo, porém, fatal;
• uma corrente de 100mA pode levar á morte, por-
que faz o coração bater de maneira irregular e sem
coordenação (fibrilação cardı́aca);
• correntes mais elevadas provocam a parada com-
pleta do coração, danos irreversı́veis ao sistema
nervoso e queimaduras intensas em virtude do Figura 2.14: Resolução do instrumento
efeito térmico (joule) da corrente.

2.3 Medições Elétricas com 2.3.2 Erro de Paralaxe


Multı́metro Um cuidado importante a ser tomado com o instru-
mento analógico é que a leitura da medida deve ser feita
O multı́metro é um instrumento utilizado para a medição olhando o ponteiro de frente, evitando o erro de para-
de grandezas elétricas, tais como: tensão, corrente e re- laxe.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 18 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 2. P RINC ÍPIOS DA E LETRODIN ÂMICA

2.3.3 Tolerância de Erro que sua introdução não altera o funcionamento do refe-
rido circuito.
Nenhum instrumento de medida é perfeito, da mesma
Se a tensão medida for contı́nua (CC), o polo positivo
forma que nenhum dispositivo fabricado é perfeito. Por
do multı́metro ao ponto de maior potencial e o polo ne-
isso, os fabricantes fornecem a margem de erro prevista
gativo ao ponto de menor potencial. Assim o multı́metro
para o seu produto, que é denominada tolerância. A to-
irá indicar um valor positivo de tensão (ver figura 2.15).
lerância pode ser dada percentualmente ou em valores
absolutos.

2.3.4 Uso do Multı́metro


O multı́metro possui dois terminais nos quais são liga-
das as pontas de prova (ponteiras):

• A ponteira preta deve ser conectada ao terminal ne-


gativo do multı́metro, identificado pela cor preta ou Figura 2.15: Medição de tensão CC positiva
pelo sinal de (-) ou ainda como COMUM (COM).
O que indica que este terminal é comum para todos Se a ligação dos terminais do multı́metro estive-
os tipos de medições possı́veis. rem invertidas, o display indicará um valor negativo
de tensão (no caso de um multı́metro digital). Caso o
• A ponteira vermelha deve ser ligada ao terminal
multı́metro seja analógico, o ponteiro tentará deflexi-
positivo do multı́metro, identificada pela cor ver-
onar no sentido contrário, podendo danificá-lo (ver fi-
melha ou pelo sinal (+). Podem existir mais de um
gura 2.16).
terminal positivo dependendo do tipo de medição
a ser realizada: corrente, tensão ou resistência.
Nesse caso, deve-se observar os sı́mbolos existen-
tes junto a cada borne (A −V − Ω) que identificam
a unidades das grandezas as quais o borne deve ser
utilizado.

Os multı́metros possuem alguns controles, sendo que


Figura 2.16: Medição de tensão CC negativa
o principal é a chave rotativa (seletor) ou conjunto de
tecla para a seleção da grandeza a ser medida (tensão,
Se a tensão medida for alternada (CA), os polos posi-
corrente ou resistência) com os respectivos valores de
tivo e negativo do voltı́metro podem ser ligados ao cir-
fundo de escala.
cuito em qualquer posição, resultando em uma medida
sempre positiva. (ver figura 2.17).
Multı́metro como Voltı́metro
O Voltı́metro é o instrumento usado para medir tensão
elétrica entre dois pontos. Para que o multı́metro fun-
cione como voltı́metro basta selecionar uma das escalas
de tensão do instrumento.
As posições do seletor do multı́metro, para medição
de tensão, são divididas pelo tipo de tensão a ser medida
(DC ou AC). Cada posição do seletor também indica o Figura 2.17: Medição de tensão alternada
valor máximo de tensão que poderá ser medido naquela
posição (fundo de escala).
É importante que salientar que se o multı́metro Multı́metro como Amperı́metro
for utilizado em uma tensão maior que o fundo de
escala selecionado, o instrumento poderá queimar. O Amperı́metro é o instrumento utilizado para medir
Portanto se o valor de tensão a ser medido for desco- corrente elétrica. Para que um multı́metro funcione
nhecido, deve-se escolher a maior escala disponı́vel. como amperı́metro, basta selecionar uma das escalas de
O valor absoluto da resolução do multı́metro varia corrente do instrumento.
de acordo com a escala utilizada, portanto quanto mais Assim como na função voltı́metro, cada posição do
próxima do fundo de escala estiver a tensão medida, seletor do multı́metro para medição de corrente indica
mais precisa será a medição. o valor máximo de corrente que poderá ser medido na-
Para medir a ddp entre dois pontos de um circuito, quela posição (fundo de escala).
os terminais do medidor devem ser conectados a esses É importante que salientar que se o multı́metro for
pontos. Desse modo, o medidor fica em paralelo com o utilizado em uma corrente maior que o fundo de es-
trecho do circuito compreendido entre os pontos, sendo cala selecionado, o instrumento poderá queimar. O

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 19 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 2. P RINC ÍPIOS DA E LETRODIN ÂMICA

mesmo pode ocorrer se for aplicada uma ddp entre surge em torno do condutor pela passagem da corrente
suas ponteiras. elétrica. A principal vantagem desse instrumento é que
O valor absoluto da resolução do multı́metro varia não é necessário abrir o circuito para realizar a medida,
de acordo com a escala utilizada, portanto quanto mais permitindo que se faça medições de corrente sem in-
próxima do fundo de escala estiver a corrente medida, terromper o funcionamento dos equipamentos, o que
mais precisa será a medição. é muito conveniente em aplicações industriais. Além
Para medir uma corrente, o circuito deve ser aberto no disso ainda oferece maior proteção ao operador.
ponto desejado, ligando o amperı́metro em série, para
que a corrente passe por ele. A corrente que passa por
um dispositivo pode ser medida antes ou depois dele. Exercı́cios
Se a corrente medida for contı́nua (CC), o polo posi-
tivo do multı́metro deve ser ligado ao ponto pelo qual a 1. Assinale, dentro dos parênteses, verdadeiro (V) ou
corrente entra (no sentido convencional), e o polo nega- (F) falso. Justifique as falsas.
tivo ao ponto que ela sai. Assim o multı́metro irá indicar ( ) A ddp, tensão e força eletromotriz possuem a
um valor de corrente positivo (ver figura 2.18) mesma unidade.
( ) Para que exista movimento de elétrons numa
lâmpada é necessária a aplicação de uma ddp
entre seus extremos.
( ) Sempre que tem uma diferença de poten-
cial entre dois pontos também existe corrente
elétrica circulando de um ponto ao outro.
( ) Diferença de potencial é uma grandeza sem-
pre positiva.
Figura 2.18: Medição de corrente cc positiva
( ) A ddp entre um corpo eletrizado e a Terra é
Se a ligação dos terminais do multı́metro estiver in- igual ao valor do potencial do próprio corpo.
vertida, o display indicará uma corrente negativa (no ( ) Se dois corpos estão eletrizados com cargas
caso de multı́metro digital). Se o multı́metro for de mesmo sinal, podemos afirmar que a ddp
analógico, o ponteiro tentará deflexionar no sentido entre eles é nula.
contrário, podendo danificá-lo. ( ) O sentido da corrente elétrica corresponde ao
Em geral os multı́metros não possuem escalas es- sentido de deslocamento dos elétrons.
pecı́ficas para medição de corrente CA. Nesse caso, é
conveniente utilizar o amperı́metro alicate, muito co- ( ) O brilho de uma lâmpada independe do valor
mum para aplicação em instalações elétricas residenci- da ddp.
ais e industriais (ver figura 2.19). O amperı́metro alicate 2. No esquema da figura 2.20, estão representados al-
também opera como multı́metro, realizando medições guns nı́veis de potenciais. Determine o valor:
de outras grandezas elétricas, como tensão e resistência.
(a) do potencial do ponto “a” em relação à Terra;
(b) do potencial do ponto “a” em relação ao
ponto “e”;
(c) da diferença de potencial entre os pontos “d”
e “b”;
(d) da diferença de potencial entre os pontos “c”
e “f”.

Figura 2.19: Amperı́metro alicate Figura 2.20:

O amperı́metro alicate faz a leitura da corrente


de forma indireta, a partir do campo magnético que

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 20 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 2. P RINC ÍPIOS DA E LETRODIN ÂMICA

3. Complete as lacunas a seguir: 7. Considere três pontos com potenciais diferentes,


“a”, “b” e “c”. O potencial do ponto A é Vac=10v
(a) Cargas elétricas positivas, abandonadas em (potencial de “a” em relação a “c”) e do ponto “b”
repouso num campo elétrico e sujeitas apenas é Vbc=15v (potencial de “b” em relação a “c”).
a uma força elétrica, deslocam-se, espontane- Qual o valor do potencial Vab (potencial de “a” em
amente, para pontos de ............ potencial. relação a “b”)?
(b) Cargas elétricas negativas, abandonadas em
repouso num campo elétrico e sujeitas apenas 8. Um elétron é deslocado de “b” para “a” (Va e
a uma força elétrica, deslocam-se, espontane- Vb são potenciais positivos), dentro de um campo
amente, para pontos de ............ potencial. elétrico, o qual o potencial maior, “a” ou “b”?

4. Na figura 2.21, temos uma esfera carregada positi- 9. Defina Tensão Contı́nua. Dê exemplos.
vamente, sendo que no campo elétrico criado por 10. Defina Tensão Alternada. Dê exemplos.
ela existem vários nı́veis de potenciais, ou seja,
Va=80V, Vb=70V, Vc=60 V e Vd=50 V. 11. Explique os procedimentos a serem tomados para
medir uma ddp com um multı́metro.
(a) Qual será o sentido de deslocamento de uma
carga de prova positiva abandonada entre “a” 12. Esquematize uma fonte de tensão contı́nua ligada
e “b”? a uma lâmpada e mostre como deve ser conectado
(b) Qual será o sentido de deslocamento de uma um voltı́metro para medir a ddp na lâmpada.
carga de prova negativa abandonada entre “c” 13. Conceitue corrente elétrica.
e “d”?
(c) Qual é a ddp Vac? 14. Escreva a equação que define intensidade da cor-
rente elétrica e diga sua unidade.
(d) Qual é a ddp Vda?
(e) Qual é a ddp Vbc? 15. Explique o sentido eletrônico e convencional da
corrente elétrica.
16. Assinale, dentro dos parênteses, verdadeiro ou
falso e justifique as falsas.
( ) Numa lâmpada de lanterna circula uma cor-
rente contı́nua.
( ) Num chuveiro elétrico circula uma corrente
alternada.
( ) Na corrente alternada os elétrons se deslocam
sempre no mesmo sentido.
( ) O fusı́vel é um dispositivo que fornece cor-
rente elétrica.
Figura 2.21: ( ) O fusı́vel e o disjuntor têm a mesma função
num circuito elétrico.
5. Assinale a afirmativa errada. Justifique. ( ) A vantagem que o amperı́metro alicate apre-
senta sobre o amperı́metro comum é que não
(a) Uma pilha gera uma ddp e a mantém devido há a necessidade de se abrir o circuito para se
à ocorrência de reações quı́micas internas. efetuar a medição.
(b) Se duas barras com eletrizações diferentes fo-
17. Escreva efeito da corrente elétrica associado a cada
rem colocadas em contato, a ddp entre elas
caso abaixo.
tenderá a anular-se.
(c) Dois corpos idênticos, com a mesma (a) ferro elétrico
eletrização, possuem o mesmo potencial, em (b) lâmpada fluorescente acesa
relação a um determinado referencial. (c) pessoa “tomando um choque”
(d) A ddp entre um corpo eletrizado positiva-
(d) eletroı́mã sendo acionado
mente e um corpo neutro é nula.
(e) chuveiro elétrico
6. Dois pontos “a” e “b” de um campo elétrico (f) motor elétrico
possuem potencial positivos de, respectivamente,
1.000V e 600V. Uma carga elétrica negativa, aban- 18. Um campo elétrico E, apontando para a esquerda, é
donada entre estes pontos, tenderá a se deslocar, aplicado em um fio condutor, como mostra a figura
espontaneamente, para “a” ou para “b”? Justifique. 2.22.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 21 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 2. P RINC ÍPIOS DA E LETRODIN ÂMICA

(a) Qual será o sentido de movimento dos (b) O número de elétrons que passou através
elétrons no fio? desta seção.
(b) Qual é a denominação deste sentido da cor- 25. Qual o instrumento utilizado para medir corrente
rente? elétrica e como ele deve ser ligado ao circuito?
(c) Qual é o sentido convencional da corrente
26. Explique os procedimentos a serem tomados para
neste fio?
medir uma corrente elétrica com um multı́metro.

27. Esquematize uma fonte de tensão contı́nua ligada


a uma lâmpada e mostre como deve ser conec-
tado um voltı́metro para medir a corrente elétrica
na lâmpada.

Figura 2.22: Respostas dos exercı́cios numéricos


19. Nos vários circuitos elétricos existentes, podemos 4. (a)“a” para “b”; (b)“d” para “c”; (c)20V; (d)-30V;
ter tipos diferentes de corrente, ou seja: corrente (e)10V;
contı́nua pura fornecida por uma pilha; corrente 6. para “a”
alternada fornecida pelos alternadores das grandes
usinas geradoras e também corrente retificada (cir- 7. -5v;
cuito retificador transforma CA em CC). Imagine,
por exemplo, três circuitos diferentes: circuito 8. o potencial “a” é maior;
de alimentação das lâmpadas de uma instalação 20. 4mA;
elétrica residencial, circuito de fornecimento de
energia elétrica para um rádio portátil e circuito de 21. o fusı́vel irá quimar;
um carregador de bateria. Identifique qual o tipo
de corrente associada a cada circuito consumidor 22. 36C;
citado acima. 23. (a) 32C; (b) 3,2 A
20. Uma carga de 1200mC deslocou-se através de um 24. (a) 24C (b) 1, 5 × 1018 elétrons
condutor durante 5 minutos. Determine o valor da
intensidade da corrente elétrica.

21. Vamos supor que se utilize um fusı́vel de 3mA


para proteger o circuito citado no exercı́cio ante-
rior. Diga se ele irá queimar ou não, justificando.

22. Certo condutor é percorrido por uma corrente de


10mA.Qual será a carga transportada através do
condutor durante uma hora?

23. Suponha que fosse possı́vel contar o número de


elétrons que passam através de uma seção de um
condutor, no qual se estabeleceu uma corrente
elétrica. Se durante um intervalo de tempo t = 10s
passam 2 × 1020 elétrons nesta seção, determine:

(a) A quantidade de carga q, em coulombs, que


corresponde a este número de elétrons.
(b) A intensidade da corrente (em ampère) que
passa na seção transversal do condutor.

24. A intensidade da corrente que foi estabelecida em


um fio metálico vale 400 mA. Supondo que esta
corrente foi mantida, no fio, durante 1 minuto, cal-
cule:

(a) A quantidade total de carga que passou


através de uma seção do fio.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 22 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


Capı́tulo 3

Resistência Elétrica e Lei de Ohm

3.1 Resistência Elétrica • uma ddp VAB2 provocava uma corrente I2 ;

A energia elétrica que chega em nossas residências é • uma ddp VAB3 provocava uma corrente I3 etc.
transportada por fios constituı́dos de materiais bons con-
dutores e mesmo assim, ocorre uma certa perda de ener- A tabela 3.1 representa simbolicamente um dos resul-
gia. Esta perda ocorre devido à resistência dos fios, onde tados obtidos pelas experiências de Ohm.
existe um aquecimento e por isto nem toda a energia ge-
rada é utilizada pelos consumidores.
Tabela 3.1:
As cargas elétricas que constituem a corrente ao pas- Vab (V) 5 10 15 20
sarem por um condutor realizam “colisões” com os I (A) 0,2 0,4 0,6 0,8
átomos ou moléculas do mesmo. Isto ocasiona uma
oposição oferecida pelo fio à passagem de corrente. Evi-
dentemente a corrente no condutor será maior ou menor, Utilizando os dados da tabela, obtém-se o gráfico da
dependendo desta oposição. A oposição que um con- figura 3.1.
dutor oferece à passagem de corrente através dele, re-
presenta uma grandeza denominada “resistência elétrica
(R)”.
“R ESIST ÊNCIA EL ÉTRICA É A MEDIDA DA
OPOSIÇ ÃO À PASSAGEM DA CORRENTE EL ÉTRICA ,
OU SEJA , REPRESENTA A DIFICULDADE DAS CAR -
GAS SE MOVIMENTAREM NO INTERIOR DE UM
CONDUTOR ”.
O fato da temperatura de um condutor sofrer uma
elevação quando uma corrente elétrica circula por ele é
a evidência da oposição enfrentada pelo movimento dos
elétrons. Figura 3.1:
Nos metais, onde existem vários elétrons livres, estes
entram em movimento quando é aplicada uma ddp. Di- Ohm verificou então que, para muitos materiais, prin-
zemos que os metais, de um modo geral, são bons con- cipalmente os metais, a relação entre a ddp e a corrente
dutores, pois oferecem pequena resistência. Enquanto mantinha-se constante.
isso, o carbono por exemplo, possui menos elétrons li-
vres, portanto a passagem de corrente se torna mais Vab1 Vab2 Vab3 Vab4
difı́cil, logo a resistência é maior. = = = = constante
I1 I2 I3 I4

3.1.1 Lei de Ohm Esse valor constante é a Resistência Elétrica do mate-


rial, portanto, a lei de ohm pode ser expressa matemati-
O cientista alemão Georg Simon Ohm (1789-1854), camente através da seguinte equação:
no século IXX, realizou, pela primeira vez, várias ex-
periências, medindo tensões e as correntes correspon-
dentes em diversos condutores feitos de substâncias di-
ferentes. V
Variando o valor da ddp aplicada a cada condutor, ve- R= (3.1)
I
rificou que a corrente que passava por ele também se
modificava. Assim: R : Resistência Elétrica - unidade: Ω (ohm)

• uma ddp VAB1 provocava uma corrente I1 ; V : Tensão - unidade: V (Volt)

23
C AP ÍTULO 3. R ESIST ÊNCIA E L ÉTRICA E L EI DE O HM

I : Intensidade da corrente elétrica - unidade: A


(Ampère)
Enunciado da Lei de Ohm:
“PARA UM GRANDE N ÚMERO DE CONDUTORES ,
MANTIDOS A UMA MESMA TEMPERATURA , O VA -
LOR DA RESIST ÊNCIA EL ÉTRICA PERMANECE CONS -
TANTE , N ÃO DEPENDENDO DO VALOR DA DDP APLI -
CADA AO CONDUTOR .”

Maiteriais ôhmicos
São os condutores que obedecem à Lei de Ohm, ou seja, Figura 3.3:
os valores de suas resistências serão sempre os mesmos,
independentes dos valores de ddp aplicadas.
Uma resistência linear (resistência ôhmica) é aquela O VDR tem como principal caracterı́stica a “redução
que apresenta uma caracterı́stica volt/ampère represen- no valor de sua resistência elétrica, quando submetidos
tada por uma linha reta, como exemplificado pelas li- a uma tensão elétrica crescente”.
nhas 1 e 2 da figura 3.2. Esse comportamento é interessante principalmente
Em uma resistência linear, cada unidade de variação como recurso para proteger circuitos com elementos se-
de tensão provoca uma unidade de variação de corrente. micondutores, que são muito sensı́veis a sobrecargas de
Isto significa que dobrando a tensão dobrarı́amos, por tensão.
exemplo, a corrente; triplicando a tensão triplicarı́amos Outra aplicação de varistores ocorre nos para-raios de
a corrente; dividindo a tensão por dois dividirı́amos a linha que são usados na transmissão e distribuição de
corrente por dois. energia elétrica. Durante um surto de tensão de origem
Por definição, sabemos que a razão entre a tensão e atmosférica, por exemplo, a tensão da linha, ao crescer,
a corrente é igual à resistência e que essa é constante faz diminuir bruscamente a resistência interna do para-
para toda faixa de valores, suficiente para as aplicações raio descarregando o excesso de cargas para a terra e
práticas, de maneira que podemos considerá-los como protegendo os aparelhos e equipamentos próximos.
sendo lineares.
Exemplo: Condutores metálicos em geral

Figura 3.4: Varistor

Figura 3.2:
3.1.2 Fatores que determinam a re-
sistência
Maiteriais não ôhmicos A resistência elétrica de um condutor depende, basica-
São aqueles materiais que não obedecem à Lei de Ohm, mente, de quatro fatores: o seu comprimento, a área de
ou seja, o valor de suas resistências varia conforme a sua seção transversal, o material de que ele é feito e da
ddp aplicada. temperatura.
Uma resistência não-linear (resistência não-ôhmica)
é aquela que apresenta uma caracterı́stica volt/ampère Comprimento de um condutor (l)
curvada, como mostrado pelas curvas 1 e 2 na figura 3.3.
Em condutores feitos do mesmo material e com mesma
Em uma resistência não linear uma mesma variação
área de seção transversal, mantidos a mesma tempera-
na tensão produz diferentes variações na corrente. Em
tura, a resistência elétrica é diretamente proporcional
outras palavras, a razão tensão/corrente não é constante,
ao comprimento (l), ou seja, será verificada maior re-
ou seja, essa resistência pode ter vários valores diferen-
sistência no condutor de maior comprimento.
tes.
Um exemplo de resistor não ôhmico é o varistor, que
Rαl
também é conhecido como VDR, abreviatura do termo
Voltage Dependent Resistors. sendo α sı́mbolo de proporcionalidade

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 24 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 3. R ESIST ÊNCIA E L ÉTRICA E L EI DE O HM

Área de Seção Transversal (A)


Tabela 3.2:
Em condutores feitos do mesmo material e com o Material Resistividade (Ω.m)
mesmo comprimento, mantidos a uma mesma tempera- Prata 1, 6 × 10−8
tura, a resistência elétrica é inversamente proporcional à Cobre 1, 7 × 10−8
área da seção transversal, ou seja, será verificada maior Ouro 2, 4 × 10−8
resistência no condutor de menor área de seção trans- Alumı́nio 2, 6 × 10−8
versal. Tungstênio 5, 5 × 10−8
1 Zinco 6 × 10−8
Rα Ferro 10 × 10−8
A
Estanho 12 × 10−8
Assim sendo, podemos afirmar que, para um fio
condutor de um dado material e a uma certa tempera- Chumbo 22 × 10−8
tura, sua resistência elétrica será proporcional ao seu Mercúrio 94 × 10−8
Niquelina 40 × 10 −8 a 44 × 10−8
comprimento e inversamente proporcional à área de sua
seção transversal. Manganina 42 × 10−8
Constantan 50 × 10−8
Área dos condutores Nicromo 100 × 10−8
Grafite 40 × 10 −8 a 75 × 10−8
Algumas vezes conhecemos o raio ou diâmetro dos
Soluções Eletrolı́ticas 10−2 a 10
fios e necessitamos calcular as suas áreas. Para tal,
utilizamos uma das fórmulas abaixo:

d π × d2 Temperatura
A = π × r2 r= A=
2 4
A resistividade de um material pode sofrer variações
A : área do condutor conforme a temperatura. Pode-se admitir como linea-
res as variações de resistividade, para valores até cerca
r : raio do condutor
de 100oC, porém nem todos os materiais se comportam
d : diâmetro do condutor de mesma maneira.
Analisando a estrutura interna dos sólidos, é possı́vel
Resistividade (ρ) entender por que a resistência elétrica destes corpos va-
ria com a temperatura. Sob o ponto de vista da Fı́sica
Resistividade é a constante de proporcionalidade que Moderna, a resistência elétrica de um sólido depende
depende exclusivamente do material que é constituı́do o basicamente de dois fatores: do número de elétrons li-
condutor e da temperatura em que ele se encontra. Essa vres existentes em sua estrutura e da mobilidade destes
constante é indicada pela letra grega ρ (Rô). elétrons ao se deslocarem através de sua rede cristalina.
Pelo exposto anteriormente podemos escrever que:
• Caso 1: Materiais com coeficiente de temperatura
positivo. Estes materiais são conhecidos pela sigla
PTC (Positive Temperature Coefficient).
ρ×l
R= (3.2) Os metais e alguns outros materiais sofrem um
A
acréscimo da resistividade quando a temperatura
R : Resistência Elétrica - unidade: Ω (ohm) cresce. Esse fenômeno é bastante significativo no
tugstênio (usado em filamento de lâmpadas incan-
l : comprimento do condutor - unidade: m (metros)
descentes), por exemplo.
A : Área da seção transversal do condutor - unidade:
• Caso 2: Materiais com coeficiente de temperatura
m2
negativo. São conhecidos como NTC (Negative
ρ : Resistividade do material - unidade: Ω.m Temperature Coefficient).
Em alguns materiais, como a grafita e muitos se-
Pela relação R = ρ.l/A podemos ver que, tomando-
micondutores, o fenômeno ocorrido é diferente do
se vários fios de mesmo comprimento e de mesma área,
citado no primeiro caso, ou seja, quando aqueci-
porém feitos de materiais diferentes, haverá menor re-
dos, estes materiais sofrem uma redução da resisti-
sistência naquele que possuir menor resistividade. Por-
vidade.
tanto, quanto menor for a resistividade de um material,
menor será a oposição que este material oferecerá a pas- • Caso 3: O terceiro caso agora é a combinação dos
sagem de corrente através dele. dois casos anteriores, isto é, a resistividade do con-
Na tabela 3.2, estão indicados os valores de resistivi- dutor não varia com a temperatura. Um dos bons
dade de alguns materiais, para temperaturas em torno de exemplos é o constantan. Se a resistividade não va-
20oC. ria a resistência elétrica também não varia.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 25 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 3. R ESIST ÊNCIA E L ÉTRICA E L EI DE O HM

A expressão para calcular a resistividade em função


da temperatura é dada por:

ρ = ρ0 (1 + α × ∆t) (3.3)

ρ : resistividade do material na temperatura t - uni-


dade Ω.m Figura 3.5: Sı́mbolos de Resistores

ρ0 : resistividade do material em uma temperatura de


referência t0 - unidade Ω.m 3.2.1 Especificação de Resistores
Os resistores têm três importantes especificações: re-
∆t : variação da temperatura (∆t = t − t0 ) - unidade:
oC sistência (Ω), tolerância (%) e potência (Watts - W ).
Pelo exame visual do resistor é possı́vel descobrir estas
especificações.
α : coeficiente de temperatura do material - unidade:
oC−1
Resistência
Nos resistores de fio os valores estão normalmente ins-
Exemplo 3.1 : Calcule o valor da resistência elétrica de critos no corpo do componente; nos de carvão, o valor é
um fio de cobre de 40m de comprimento e 0, 25mm2 de identificado por um código de cores.
área de seção transversal.
Tolerância
R =?
l = 40m A resistência raramente é um valor exato indicado no re-
A = 0, 25mm2 sistor. Seria extremamente difı́cil e caro fabricar resisto-
ρ = 1, 7 × 10−8 Ω.m (através da tabela 3.2) res exatamente com o valor marcado. Por essa razão, os
resistores possuem uma especificação de tolerância. Por
Para satisfazer as unidades de acordo com o SI, a área exemplo, um resistor de 100Ω pode ter uma tolerância
deve ser convertida para m2 . Isso pode ser feito de duas de 10%. Portanto, o valor real do resistor pode ser qual-
formas: quer um entre 90Ω e 110Ω.
Tolerâncias de 5%, 10% e 20% são comuns para re-
1. através a tabela de conversão: sistores de carvão. Resistores de precisão (mais caros)
têm tolerância de 2%, 1% ou ainda menor.
m2 dm2 cm2 mm2
0, 0 0 00 00 25 Potência
A especificação de potência se refere ao valor máximo
de potência (medida em watt) ou calor que o resis-
2. através do multiplicador: tor pode dissipar sem queimar-se ou alterar seu va-
0, 25mm2 = 0, 25(10−3 m)2 = 0, 25 × 10−6 m2 lor. Quanto maior o tamanho fı́sico do resistor, maior
potência ele pode dissipar. Os resistores de carvão, em
resolvendo a equação temos: geral, possuem baixas especificações de potência; são
comuns especificações de 2, 5W , 2W , 1W , 1/2W , 1/4W
ρ×l 1, 7 × 10−8 × 40 e 1/8W .
R= = = 2, 72Ω Os resistores de fio podem suportar potências muito
A 0, 26×−6
maiores, como por exemplo, 5W , 7W , 10W , 25W , 50W ,
etc.
3.2 Resistores Em geral, a potência do resistor está associado ao seu
tamanho.
Resistor é um componente fı́sico que possui a propri-
edade denominada de resistência elétrica e que se des-
3.2.2 Código de Cores
tina a limitar a corrente em certas partes de um circuito
elétrico. No corpo dos resistores de carvão são impressos anéis
Considera-se um componente como resistor quando coloridos que obedecem a uma codificação (tabela 3.3).
ele transforma a energia elétrica consumida integral- O código de cores é constituı́do, normalmente, de quatro
mente em calor. anéis coloridos, sendo que os três primeiros indicam o

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 26 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 3. R ESIST ÊNCIA E L ÉTRICA E L EI DE O HM

valor da resistência do resistor, enquanto que o quarto 5% de 4700 é igual a 235.


anel indica a tolerância do mesmo. Existem resistores com cinco anéis coloridos, sendo
A ordem dos anéis, tem como referência o anel 1, o que a única diferença do código citado anteriormente é
mais próximo de um dos terminais do resistor, sendo que, o terceiro anel representa o 3o algarismo. O quarto
este anel o primeiro, conforme a figura 3.6. Cada cor e o último representam, respectivamente, o multiplica-
corresponde a um valor que depende do anel em que dor e a tolerância. Estes resistores são de maior precisão
está, segundo a tabela 3.3. Na ausência do quarto anel, (2% e 1%).
a tolerância é de 20%. Supondo que temos um resistor cujas cores, na ordem
sejam laranja, amarelo, cinza, preto e marrom, terı́amos,
então, um resistor de 348Ω (1%).

Série comercial de resistores


Os resistores são fabricados de acordo com a porcen-
tagem de tolerância, de tal modo que seus valores cu-
bram todos os valores previstos pela porcentagem, sem
necessidade de se fazerem valores individuais. Como
exemplo, citamos a tabela 3.4 abaixo, onde mostramos
os valores existentes na série E24 .
Figura 3.6: Identificação dos anéis
Tabela 3.4: Série comercial de resistores E24 - 5% - uni-
dade em Ω
Tabela 3.3: Código de cores de Resistores
1.0 10 100 1.0K 10K 100K 1.0M 10M
cor 1a faixa 2a faixa 3a
faixa 4a faixa 1.1 11 110 1.1K 11K 110K 1.1M 11M
1.2 12 120 1.2K 12K 120K 1.2M 12M
preto – 0 ×1 –
1.3 13 130 1.3K 13K 130K 1.3M 13M
marrom 1 1 ×101 1%
1.5 15 150 1.5K 15K 150K 1.5M 15M
vermelho 2 2 ×102 2%
1.6 16 160 1.6K 16K 160K 1.6M 16M
laranja 3 3 ×103 –
1.8 18 180 1.8K 18K 180K 1.8M 18M
amarelo 4 4 ×104 –
2.0 20 200 2.0K 20K 200K 2.0M 20M
verde 5 5 ×105 –
2.2 22 220 2.2K 22K 220K 2.2M 22M
azul 6 6 ×106 – 2.4 24 240 2.4K 24K 240K 2.4M
violeta 7 7 ×107 – 2.7 27 270 2.7K 27K 270K 2.7M
cinza 8 8 – – 3.0 30 300 3.0K 30K 300K 3.0M
branco 9 9 – – 3.3 33 330 3.3K 33K 330K 3.3M
prata – – ×10−2 10% 3.6 36 360 3.6K 36K 360K 3.6M
ouro – – ×10−1 5% 3.9 39 390 3.9K 39K 390K 3.9M
4.3 43 430 4.3K 43K 430K 4.3M
4.7 47 470 4.7K 47K 470K 4.7M
5.1 51 510 5.1K 51K 510K 5.1M
Exemplo 3.2 : Considere um resistor cujas cores, na 5.6 56 560 5.6K 56K 560K 5.6M
ordem, sejam: AMARELO, VIOLETA, VERMELHO e 6.2 62 620 6.2K 62K 620K 6.2M
OURO . Qual o valor da resistência e tolerância do 6.8 68 680 6.8K 68K 680K 6.8M
resistor? 7.5 75 750 7.5K 75K 750K 7.5M
Os dois primeiros anéis fornecem os dois primeiros 8.2 82 820 8.2K 82K 820K 8.2M
algarismos que formam a resistência do componente: 9.1 91 910 9.1K 91K 910K 9.1M

AMARELO = 4; VIOLETA = 7 ⇒ Primeiros dois


algarismos = 47
O terceiro anel nos dá o fator de multiplicação:
VERMELHO indica que se devemos multiplicar o valor 3.2.3 Tipos de Resistores
por 10 2
Quanto ao material
Juntando, temos: 47 × 102 = 4700Ω ou 4, 7kΩ, ou ainda
4k7, que é o valor do resistor. • carvão: Os resistores de carvão, carbono ou gra-
Como o quarto anel é o ouro, a tolerância do resistor fite como também são conhecidos, são facilmente
será de 5%. Isto significa que o resistor pode ter um identificados, pois em seu corpo são pintadas fai-
valor entre 4465 (4700-235 ) e 4935 (4700+235), pois xas coloridas que obedecem a um código de cores.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 27 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 3. R ESIST ÊNCIA E L ÉTRICA E L EI DE O HM

Num tubo de porcelana é depositada uma fina ca- ajustável, denominado “reostato”. Com o re-
mada de grafite cuja espessura e largura (ela forma ostato é possı́vel variar a resistência de um
um espiral) determina a resistência que o resistor circuito e, assim, torna-se possı́vel aumentar
terá. ou diminuir a corrente neste circuito.
A grafite apresenta uma resistividade considerável,
de modo que podemos obter com certa facilidade
resistências numa faixa muito grande de valores.
Podemos encontrar resistores com valores que po-
dem variar de 10Ω, ou menos, a mais de 20MΩ.
Sobre a capa de grafite existe uma tinta protetora
que impede que elementos externos possam influir
na resistência.

• fio: Se enrolarmos uma pedaço de fio condutor


num corpo não condutor, teremos um componente Figura 3.8: Reostato
com uma resistência determinada.
O fio geralmente usado é uma liga de nı́quel e
cromo chamada nicromo, que tem a resistividade
muito maior do que a do cobre. O corpo que serve
de suporte é normalmente um tubo de cerâmica.
Depois, são acrescentados terminais condutores e
todo resistor é coberto com uma camada protetora.
A faixa de valores de resistência pode variar de me-
Figura 3.9: Reostato toroidal
nos de 1Ω a vários milhares de ohms. A técnica de
fio é também utilizada para produzir resistores de
valor preciso. Tais resistores de precisão são muito – de carvão (trimpot): São resistores que pos-
requisitados em circuitos medidores. suem um cursor, e este pode ser movido por
meio de um botão plástico, ou ainda por meio
de uma chave de fenda introduzida numa
abertura que tem a finalidade de ajustar a re-
sistência desejada. Nos trimpot o terminal
central corresponde ao cursor. Esse cursor se
movimenta sobre uma trilha de grafite. Con-
forme a posição dele podemos ter uma re-
sistência diferente entre ele e um dos extre-
mos.
A trilha de grafite apresenta uma certa re-
sistência fixa de ponta a ponta, que da o va-
lor nominal do trimpot. Geralmente, uma vez
Figura 3.7: Resistores: de fio (esq.) e de carvão (dir.)
ajustado, sua resistência deverá permanecer
fixa.

Quanto ao funcionamento
• fixos: São resistores que apresentam um valor fixo
de resistência.

• ajustáveis: São resistores cuja resistência elétrica


pode ser ajustada dentro da faixa nominal do
mesmo. Uma vez ajustado, sua resistência deverá
permanecer fixa.

– de fio (reostato): Esse resistor possui um con-


tato cuja posição pode ser alterada, pois é fi- Figura 3.10: Trimpot
xado com um parafuso permitindo o ajuste do
valor da resistência desejada.
A dependência da resistência de um fio • variáveis (potenciômetros): São resistores com
com seu comprimento resulta numa aplicação três terminais, cuja resistência depende da ação ex-
importante em um resistor de resistência terna.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 28 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 3. R ESIST ÊNCIA E L ÉTRICA E L EI DE O HM

Tem-se um elemento de grafite (ou enrolamento Eles diferem dos NTC em dois aspectos fun-
de fio) que, apresenta certa resistência de ex- damentais: o coeficiente de temperatura de
tremo a extremo, e que dá o valor do compo- um PTC é positivo apenas dentro de certas
nente, sobre o qual corre um cursor acionado por faixas de temperatura, fora dessa limitação o
um eixo. Girando este cursor, podemos variar a coeficiente é negativo ou nulo e o valor abso-
resistência entre zero e o valor máximo. Os po- luto do coeficiente térmico dos PTC normal-
tenciômetros são usados quando precisamos alterar mente é bem maior que o dos NTC.
o valor da resistência a qualquer momento de ma- É notável, ainda que dentro de sua faixa
neira acessı́vel. Existem potenciômetros miniatura, de operação térmica eles podem apresentar
para aparelhos de pequeno porte (rádios portáteis, variação na resistência ao nı́vel de várias
etc.) e também potenciômetros maiores que pos- potências de dez.
suem uma trilha de fio de nicromo enrolado em Os PTC são empregados como limitadores de
espiral, permitindo assim trabalhar com correntes corrente, sensores de temperatura e proteto-
maiores. res contra sobreaquecimento em equipamen-
tos tais como motores elétricos. Também en-
contram aplicação como termostatos.

3.3 Multı́metro como Ohmı́metro


O instrumento utilizado para medir Resistência Elétrica
Figura 3.11: Potenciômetro é o ohmı́metro, porém o multı́metro, além de medir
tensão e corrente elétrica, também pode operar como
ohmı́metro.
Para medir a resistência elétrica de uma re-
Resistores não lineares
sistência fixa ou variável, ou mesmo de um conjunto
• Lumistor (LDR - light dependent resistor): Os re- de resistores interligados, é preciso que eles não este-
sistores LDR, também chamados de fotoresistores jam submetidos a qualquer tensão, isto é, o circuito
tem seu comportamento condicionado pela luz in- deve estar obrigatoriamente desenergizado. Caso
cidente sobre eles. Apresentam uma resistência contrário, isso poderia acarretar um erro de medida ou
elevada no escuro e, quando expostos à luz, tem sua até danificar o instrumento. O ideal é desconectar o dis-
condutividade aumentada, isto é, oferecem baixa positivo do circuito para realizar a medida.
resistência elétrica sob iluminação. Para realizar a medição, os terminais do multı́metro
devem ser ligados em paralelo com o dispositivo ou cir-
• Termistor: Os termistores são resistores não line- cuito a ser medido, sem se qualquer preocupação em
ares em que a sua resistência varia com a variação relação à polaridade dos terminais do multı́metro, con-
da temperatura. Em muitos circuitos eletrônicos de forme a figura 3.12.
funcionamento crı́tico é exigido um controle apu-
rado de parâmetros como a temperatura. Para isso
é necessário detectar as variações térmicas o que
pode ser feito pelos termistores. Esses resistores
são classificados conforme o seu comportamento:

– NTC: Os termistores NTC são resistores de


coeficiente térmico altamente negativo, o que
significa que sua resistência diminui quando
aumenta a temperatura . São feitos a partir de
Figura 3.12: Ligação do ohmı́metro
óxidos metálicos de elementos como o ferro,
cromo, manganês, cobalto e nı́quel.
Para que não ocorram erros de medição, nunca segure
Dentre as aplicações práticas dos NTC ci- os terminais do ohmı́metro segurando com as mãos em
tamos sua utilização como elemento básico ambos os terminais, pois a resistência do corpo pode
dos termômetros eletrônicos, na estabilizaçãointerferir na medida. Esse problema é mais expressivo
do funcionamento de determinados circuitos nas medições de resistências elevadas, na faixa dos kΩ.
sensı́veis a temperatura, etc. No multı́metro digital o procedimento é mais simples.
– PTC: São termistores que possuem um coe- Após a escolha do fundo de escala adequado, a leitura é
ficiente térmico de resistência altamente po- feita diretamente no display do aparelho. Deve-se ape-
sitivo, o que significa que sua resistência au- nas cuidar para não utilizar um fundo de escala muito
menta quando aumenta a temperatura. maior do que a resistência a ser medida, pois a resolução

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 29 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 3. R ESIST ÊNCIA E L ÉTRICA E L EI DE O HM

da escala acarretará em um erro percentual muito ele- de potencial, obteremos, em correspondência, uma
vado. O ideal é selecionar a escala com o fundo de es- corrente elétrica de intensidade igual a:
cala mais próximo possı́vel do valor a ser medido.
No multı́metro analógico, a escala graduada é inver- (a) três vezes o valor anterior.
tida e não linear, que pode ser observado na figura 3.13. (b) um sexto do valor anterior.
Na extremidade esquerda da escala é indicada uma re- (c) nove vezes o valor anterior.
sistência infinita (R = ∞), que corresponde aos terminais
(d) um terço do valor anterior.
do ohmı́metro em aberto e o ponteiro em repouso. Já na
extremidade da direita, a resistência é nula (R = 0), o (e) um nono do valor anterior.
que corresponde aos terminais em curto (uma ponteira
2. De acordo com os esquemas da figura 3.14, identi-
encostada na outra) e o ponteiro totalmente deflexio-
fique os instrumentos 1, 2 e 3.
nado.

Figura 3.13: Escala do ohmı́metro analógico Figura 3.14:

3. Enuncie, com suas palavras, a Lei de Ohm.


Procedimento de medição com ohmı́metro
4. O valor da resistência elétrica de um condutor
analógico:
ôhmico não varia se mudamos somente:
1. Escolhe-se a escala desejada, que é um múltiplo
dos valores da escala graduada: X1, X10, X1K e (a) o material de que ele é feito.
X10K; (b) a área de sua seção transversal.
(c) a ddp a que ele é submetido.
2. Curto-circuitam-se os terminais do multı́metro,
provocando a deflexão total do ponteiro; (d) o seu diâmetro.
(e) o seu comprimento.
3. Ajustam-se o potenciômetro de ajuste de zero até
que o ponteiro indique R = 0; 5. Para um certo condutor, mantido a temperatura
constante, obtivemos o gráfico (VAB x I) da
4. Abrem-se os terminais e os conectando ao ele-
figura 3.15. Considere, agora, as três afirmativas
mento então mede-se sua resistência;
abaixo, cada uma das quais pode estar certa ou
5. A leitura é feita multiplicando-se o valor indicado errada. Leia-as com atenção e assinale a alternativa
pelo ponteiro pelo múltiplo da escala selecionada; correta:

Observações
• Por causa da não-linearidade da escala, as leitura
mais precisas no ohmı́metro são feitas na região
central da escala graduada.

• No procedimento de ajuste de zero, caso o ponteiro


não atinja o ponto zero, significa que a bateria do
multı́metro está fraca e deve ser substituı́da;.
Figura 3.15:
• O ajuste de zero deve ser feito a cada mudança de
escala.
I - A resistência desse condutor é constante e
independente da ddp.
Exercı́cios II - A resistência desse condutor aumenta com o
aumento da ddp.
1. Se um resistor ôhmico for substituı́do por outro re- III - A resistência desse condutor diminui com o
sistor, também ôhmico, de resistência três vezes aumento da ddp.
maior, e que esteja submetido à mesma diferença

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 30 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 3. R ESIST ÊNCIA E L ÉTRICA E L EI DE O HM

(a) só a afirmativa I está correta.


(b) só a afirmativa II está correta.
(c) as afirmativas I e II estão corretas.
(d) só a afirmativa III está correta.
(e) nenhuma das afirmativas está correta.

6. De acordo com o gráfico de R1 e R2 da figura 3.16, Figura 3.18:


diga qual o resistor tem maior resistência. Justifi-
que.
10. Observando a tabela da figura 3.19, determine
quais são os resistores ôhmicos e quais são os não
ôhmicos e construa os gráficos (VAB x I) para cada
resistor.

Figura 3.16:

7. No gráfico da figura 3.17, temos a representação


Figura 3.19:
do comportamento de dois condutores. Eles são
ôhmicos ou não-ôhmicos? Existe alguma diferença
entre eles? Justifique. (forneça valores arbitrários 11. Conceitue resistência elétrica.
para a tensão e corrente de modo a realizar a refe-
12. A resistência elétrica de um fio condutor metálico
rida análise)
de comprimento l e área de seção transversal A é:
(a) diretamente proporcional a A e l.
(b) independe de A e l.
(c) diretamente proporciona a l e inversamente
proporcional a A.
(d) diretamente proporcional a A e inversamente
proporcional a l.

Figura 3.17: 13. Num chuveiro elétrico, tem-se uma chave que in-
dica as posições verão e inverno. Sabendo-se que a
tensão aplicada ao chuveiro é constante, responda:
8. Quando um dado resistor ôhmico é ligado a uma
bateria que lhe aplique uma tensão de 6V, verifica- (a) circula maior corrente no resistor do chuveiro
se que ele é percorrido por uma corrente de 2A. quando a chave está na posição verão ou in-
verno?
(a) Qual a resistência elétrica deste resistor? (b) com a chave na posição inverno, a resistência
(b) Se este resistor for ligado a uma pilha, que lhe do chuveiro deve ser maior ou menor? E o
aplica uma tensão de 1,5V, qual será a cor- comprimento do fio que constitui a mesma re-
rente que o percorre? sistência?

(c) Quando este resistor é ligado a uma certa ba- 14. A figura 3.20 mostra um cabo telefônico formado
teria, uma corrente de 1,5A passa por ele. por dois fios, sendo que esse cabo tem compri-
Qual é a tensão que esta bateria aplica sobre mento de 5km. Constatou-se que, em algum ponto
o resistor? ao longo do comprimento desse cabo, os fios fi-
zeram contato elétrico entre si, ocasionando um
9. O gráfico da figura 3.18, mostra como varia a cor- curto-circuito. Para descobrir o ponto que causa o
rente elétrica que passa por um resistor, em função curto-circuito, um técnico mede as resistências en-
da tensão aplicada a ele. Determine o valor da re- tre as extremidades P e Q, encontrando 20Ω, e en-
sistência elétrica desse resistor. tre as extremidades R e S, encontrando 80Ω. Com

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 31 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 3. R ESIST ÊNCIA E L ÉTRICA E L EI DE O HM

base nesses dados, é correto afirmar que a distância (b) qual a intensidade de corrente que passará
das extremidades PQ até o ponto que causa o curto- pelo segundo fio?
circuito é de:
19. No circuito mostrado na figura 3.22, estando li-
(a) 1,25km gado entre os pontos M e N um fio de nı́quel-
(b) 4,00km cromo, a leitura do amperı́metro é de 1,5A. Diga
se a indicação desse amperı́metro será maior, me-
(c) 1,00km nor ou igual a 1,5A se o fio de nı́quel-cromo for
(d) 3,75km substituı́do por outro:
(e) 2,50km (a) de mesmo material, de mesma área da seção
reta e de maior comprimento;
(b) de mesmo material, de mesmo comprimento
e mais grosso que o primeiro;
(c) de mesmo comprimento e de mesmo
Figura 3.20:
diâmetro que o primeiro, mas feito de
alumı́nio.
15. Na figura 3.21 temos um circuito denominado de
“lâmpada série”, que serve para identificar a con-
tinuidade de um componente. Qual a diferença no
funcionamento da lâmpada, quando fizermos a co-
nexão na tomada, considerando que o fusı́vel do
circuito esteja inteiro ou interrompido?

Figura 3.22:

20. Classifique os resistores quanto ao material


e quanto ao funcionamento e diga quais as
especificações relativas a um resistor.

21. Determinar a intensidade de corrente que circula


Figura 3.21: por uma torradeira elétrica que tem 16Ω de re-
sistência elétrica e que funciona com uma tensão
de 220V.
16. Um valor elevado de resistividade de um material
indica que este material é bom ou mau condutor de 22. Utiliza-se o método do voltı́metro e do am-
eletricidade? Que valor de resistividade teria um perı́metro para medir uma resistência desconhecida
condutor perfeito? E um isolante perfeito? R. Liga-se o amperı́metro em série com o resis-
tor e lê-se 0,3A; o voltı́metro, ligado em paralelo
17. Consultando a tabela de resistividades da apostila,
com o resistor R, indica 1,5V. Calcule o valor da
responda:
resistência R. Esquematize, usando a simbologia
(a) Considerando o cobre e o tungstênio, qual adequada, o voltı́mtro e o amperı́metro de modo a
deles é melhor condutor de eletricidade? medir corretamente a tensão e a corrente no resistor
Porquê? R mencionado.
(b) Suponha que o único critério para a escolha 23. Para um receptor de rádio é necessário construir
do material a ser usado na confecção dos fios um resistor de 30Ω, usando-se um fio de constan-
de ligação fosse o fato de ele ser bom condu- tan de 2, 45mm2 de seção. Calcule o comprimento
tor. Neste caso, qual seria o material da fiação do fio.
elétrica em nossas residências?
24. Um fio de cobre de resistência igual a 4Ω e tem
18. Uma bateria mantém uma tensão constante em um comprimento de 120m. Calcule a área do condutor.
fio de cobre no qual é estabelecida uma corrente de
2A. Este fio é substituı́do por outro, também de co- 25. Determine a resistência de um fio de ferro que tem
bre, de mesmo comprimento mas de diâmetro duas raio de 2mm e comprimento de 62,8m.
vezes maior que o primeiro. Pergunta-se:
26. Um condutor de prata tem diâmetro de 2mm e com-
(a) a resistência do segundo fio é maior ou menor primento de 314m. Calcule a resistência elétrica do
do que do primeiro? Quantas vezes? condutor.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 32 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 3. R ESIST ÊNCIA E L ÉTRICA E L EI DE O HM

27. Uma tensão de 20V é aplicada aos terminais de


um fio de alumı́nio de 500m de comprimento e
2, 6mm2 de área de seção transversal. Determine
a corrente elétrica que percorre este fio.
28. Aplica-se uma tensão de 100V nas extremidades de
um fio de 20m de comprimento, cuja área de seção
transversal é igual a 2mm2 . Sabendo-se que a cor-
rente elétrica que percorre o fio é de 10A, calcule a
resistividade do material que constitui o condutor.

Respostas dos exercı́cios numéricos


8. (a) R = 3Ω; (b) I = 0,5A; (c)Vab = 4,5V
9. R = 400Ω

10. Ôhmicos: 1 e 2; Não ôhmico: 3


21. I = 13,75A
22. R = 5Ω

23. l = 147m
24. A = 51x10−8 m2
25. R = 0, 5Ω
26. R = 1, 6Ω

27. I = 4A
28. ρ = 1 × 10−6 Ω.m

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 33 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 3. R ESIST ÊNCIA E L ÉTRICA E L EI DE O HM

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 34 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


Capı́tulo 4

Potência Elétrica

4.1 Noções de Potência Elétrica


No estudo da diferença de potencial, vimos que a ener-
gia está associada a trabalho, ou seja, energia é a ca-
pacidade que um sistema possui em realizar trabalho.
Quando uma força de qualquer tipo produz movimento
diz-se que está sendo feito um determinado trabalho.
Muitas vezes a grandeza mais importante não é o tra-
balho realizado, que equivale à energia dispendida, mas
sim a rapidez com o sistema realiza suas atribuições.
Esta rapidez em realizar um determinado trabalho é
o que chamamos de “POTÊNCIA”. Um sistema é tanto
mais potente quanto menor é o intervalo de tempo que
utiliza na execução de uma mesma tarefa. Dependendo
do sistema em estudo, a potência recebe denominações
diferentes. Falamos, por exemplo, de potência elétrica
nos geradores, de potência térmica nos aquecedores e de Figura 4.1:
potência mecânica nas máquinas que envolvem forças
mecânicas.
Quando existe uma ddp entre dois pontos quaisquer
numa barragem é transformada em energia cinética ao
de um circuito elétrico e, os dois pontos são interligados
descer pela tubulação. Essa energia, por sua vez, é trans-
através de um fio condutor, aparece um campo elétrico
ferida para as hélices da turbina do gerador que, ao girar
no interior do fio. Nesse campo os elétrons ficam su-
seus condutores através de um campo magnético, pro-
jeitos a forças que tendem a deslocá-los de uma forma
voca o aparecimento de uma corrente elétrica. Levada
ordenada criando a corrente elétrica. Ao se deslocar, os
por fios condutores, essa corrente percorre a lâmpada,
elétrons livres chocam-se com os átomos do fio, sendo
sendo que uma energia elétrica é transformada em ener-
que estas colisões representam perda de energia. Logo,
gia térmica e finalmente em energia luminosa.
estes choques provocam a liberação de uma certa quan-
tidade de calor, dando lugar a uma elevação de tempera- Hoje em dia dependemos de várias formas de ener-
tura. Diz-se, então, que está ocorrendo uma dissipação gia encontradas na natureza, como a energia cinética
de potência. das águas dos rios, da obtida na queima de combustı́veis
Quando se fala em corrente elétrica, é evidente que fósseis (carvão, petróleo e gás natural). Devido ao es-
existe força produzindo movimento e, assim, produ- gotamento destas fontes de energia teme-se uma futura
zindo trabalho. Deduz-se que este “trabalho elétrico” é crise energética. Para satisfazer as necessidades futu-
realizado porque existe “energia elétrica” na fonte. A ras de energia é vital desenvolvermos fontes alternati-
quantidade de energia elétrica consumida por um re- vas, idealmente não-poluentes e renováveis.
sistor é sempre igual ao valor do trabalho realizado na As formas alternativas que vêm sendo estudadas
obtenção desta energia. abrangem a energia das marés, a dos ventos (eólica), a
“P OT ÊNCIA E L ÉTRICA É A GRANDEZA QUE EX - geotérmica (do interior da Terra) e a de origem vegetal
PRESSA A RAPIDEZ COM QUE A E NERGIA E L ÉTRICA (da madeira e outras materiais orgânicos) e da luz do
É CONVERTIDA EM UMA OUTRA FORMA DE ENER - sol.
GIA .” A descoberta e o desenvolvimento de novas fontes
Por exemplo, para acender uma lâmpada, existe uma constituem apenas uma parte da solução para a crise
série de transformações de energia. de energia. Para ampliar a vida das fontes existentes
A energia potencial de uma certa quantidade de água também precisamos economizar e reutilizar a energia.

35
C AP ÍTULO 4. P OT ÊNCIA E L ÉTRICA

4.2 Definição de Potência Elétrica 1kW h = 1kW × 1h


1kW h = 1000W × 3600s
Potência elétrica é definida pelo quociente entre a ener- 1kW h = 3600000 ×W.s
gia elétrica consumida e o intervalo de tempo em que o
aparelho elétrico permaneceu ligado.
1kW h = 3, 6 × 106 J

Não faça confusão entre potência e energia. A


E potência de uma lâmpada (40W, 60W, 100W, etc) é algo
P= (4.1) caracterı́stico dela porém a energia elétrica consumida
t
pela lâmpada vai depender do intervalo de tempo em
P : Potência Elétrica - unidade: W (Watt) que ela permanecer acesa. No caso, por exemplo, de
uma energia elétrica igual a 1 kWh, poderı́amos afirmar
E : Energia elétrica consumida ou trabalho elétrico que este nı́vel de consumo ocorrerá necessariamente no
realizado - unidade: J (Joule) tempo de 1 hora? Claro que não, pois irá depender da
potência elétrica do aparelho analisado.
t : Tempo gasto na realização do trabalho - unidade: Se for um aparelho elétrico de 1000W (1kW), consu-
s (segundos) mindo uma energia de 1kWh, certamente, ele precisaria
ficar ligado durante 1 hora. Mas, se fosse um aparelho
Outra unidade de potência, também muito usada na de 2kW, consumindo a mesma quantidade de energia,
prática, é 1 cavalo-vapor (CV). Esta unidade foi pro- bastaria que ele permanecesse ligado durante 0,5 hora.
posta por James Watt e equivale, aproximadamente, a No caso de um aparelho elétrico consumindo também
736 W. James Watt comparou a potência da máquina 1kWh no tempo de 4 horas, qual deveria ser o valor de
a vapor, inventada por ele, com a dos cavalos que, sua potência elétrica? Logicamente, a potência deveria
na época, eram usados para retirar água das minas de ser igual a 250W (0,25kW).
carvão. Verificou que um cavalo forte era capaz de sus-
pender um peso de 75 kgf a 1m de altura em 1 segundo. Exemplo 4.1 : Um aquecedor elétrico foi ligado numa
Nos paı́ses de lı́ngua inglesa usa-se uma unidade, pra- certa rede, de modo que ele desenvolveu uma potência
ticamente igual a 1cv, denominada 1hp (horse power). elétrica de 5000W. Sabendo-se que ele permaneceu li-
Nos motores importados destes paı́ses a potência vem gado durante 30 minutos, determine o valor:
em HP.
1. da energia elétrica em joules;
1CV = 736W 2. da energia elétrica em kWh;
3. do custo dessa energia, considerando que a tarifa
1HP = 746W vale R$0, 45/kW h.

A potência elétrica é medida por um instrumento cha- P = 5000W = 5kW


mado wattı́metro que indica a potência instantânea em E =?
Watts. Custo =?
Tomando-se a equação 4.1 e colocando em evidência t = 1800s = 0, 5h
a energia tem-se: E = P × t = 5000W × 1800s
E = 9000 × 103 J
E = P×t
E = 5kW × 0, 5h
Para cálculo da energia consumida ( em J ) multiplica- E = 2, 5kW h
se a potência (em W) pelo tempo de operação do apare-
lho ( em s ). No entanto, para cálculo de energia, para CUST O = E × Tari f a
fins de comerciais, usa-se o Quilowatt.hora (kWh) no CUST O = 2, 5kW h × R$0, 50/kW h = R$1, 25
lugar do Joule.
Esta unidade (kWh) é obtida, multiplicando-se a
potência em Quilowatts (kW) pelo tempo em horas (h),
4.3 Valores Nominais
conforme a seguir: Na maioria dos equipamentos elétricos existe a
indicação de valores de tensão e potência (VOLTS E
J =W ×s WATTS). Equipamentos elétricos cuja “tensão nominal”
é 220V foram projetados para trabalhar em redes de
kW h = kW × h 220V. O valor nominal em WATTS, significa a razão se-
gundo a qual, a energia elétrica é transformada noutra
Existe uma relação entre o kWh e o joule, ou seja: forma de energia, tal como calor e luz.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 36 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 4. P OT ÊNCIA E L ÉTRICA

Quanto mais rápida uma lâmpada transforma ener- o trabalho elétrico W para deslocar uma carga elétrica q
gia elétrica em luz, maior será o brilho. Assim, uma do ponto A para o ponto B é dado pala seguinte equação:
lâmpada incandescente de 100W fornecerá mais luz que
uma outra lâmpada incandescente de 75W. W =V ×q
No caso de lâmpadas, os valores nominais são a sua
Sabendo-se que potência é a relação entre o trabalho re-
potência e tensão adequada. Mas se você for comprar
alizado (ou energia consumida) e o tempo transcorrido
um resistor, quais seriam os valores que devem ser for-
(P = Wt ) tem-se:
necidos ao vendedor? Os resistores são especificados
em WATTS e em OHMS. Resistores de mesmo valor W V ×q
de resistência são disponı́veis em diferentes valores de P= =
t t
potência. Resistores de carvão, por exemplo, são nor-
malmente feitos para 1/8, 1/4, 1/2, l e 2 watts. Considerando que: I = qt :
Quanto maior for o tamanho do resistor de carvão,
maior será a sua potência nominal, uma vez que uma
grande quantidade de material absorverá e dissipará ca-
P =V ×I (4.2)
lor mais facilmente.
P : Potência Elatrica - unidade: Watt ou W
V : Tensão - unidade: volt ou V
I : Corrente - unidade: Ampère ou A

Com já foi estudado, a relação entre tensão e corrente


no resistor é dado pela lei de ohm: R = VI
Isolando-se a tensão: V = R × I
Substituindo-se V na equação 4.2 temos:

P = (R × I) × I

Logo:

P = R × I2 (4.3)

Agora, se na equação da lei de ohm for isolada a cor-


rente: I = VR
Substituindo-se na equação 4.2 temos:
V
P=V ×
Figura 4.2: Alguns resistores e suas potências nominais R
Logo:
Quando se usa energia elétrica em um material com
resistência, ela é transformada em calor. Quando há
maior potência no material, a razão segundo a qual a V2
energia elétrica é transformada em calor aumenta e a P= (4.4)
R
temperatura do material cresce. Se a temperatura cres-
cer muito, o material poderá queimar devido ao ca-
lor. Por esta razão, todos os tipos de equipamentos 4.5 Efeito Joule
elétricos são especificados para uma potência máxima.
Esta especificação pode ser em WATTS ou muitas vezes Num circuito composto apenas de fios condutores e re-
em TENSÃO E CORRENTE máximas, o que efetiva- sistores (circuito resistivo), a energia elétrica absorvida
mente dá a especificação em watts. é transformada em energia térmica (calor). Quando a
corrente elétrica produz calor, diz-se que estamos na
presença do Efeito Joule.
4.4 Fórmulas de Potência Elétrica Como exemplos de aplicação do efeito Joule, pode-
mos citar alguns aparelhos eletrodomésticos de aqueci-
Considere um resistor de resistência elétrica R, subme- mento tais como a torradeira, o chuveiro, o secador de
tido a uma diferença de potencial V e percorrido por cabelos, o ferro de passar roupas e a estufa. Em geral
uma corrente elétrica I. Sabemos, da eletrostática, que são constituı́dos de uma liga metálica (nicromo), a qual

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 37 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 4. P OT ÊNCIA E L ÉTRICA

não se oxida (e não se torna quebradiça) quando a cor- WATTÍMETRO. Alguns exemplos podem ser observa-
rente elétrica a aquece ao rubro. dos na figura 4.4.
Já sabemos que a potência depende da resistência e
da corrente (P = R × I 2 ). Se dobrarmos a resistência
poderı́amos pensar que a potência aumentaria porém
isto causa a redução da corrente à metade e, como ela
está elevada ao quadrado (I 2 ), este fator diminuirá a um
quarto, fazendo com que a potência diminua à metade.
Lâmpada incandescente: Consta de um filamento de
tungstênio espiralado que se aquece quando percorrido
por uma corrente elétrica, até tornar-se incandescente.
Quanto maior a temperatura do filamento, maior a quan-
tidade de energia elétrica transformada em energia lumi-
nosa.
Por essa razão utiliza-se o tungstênio como filamento
já que possui alto ponto de fusão (3400oC). Figura 4.4: Wattı́metro: digital (esq.) e analógico (dir.)
Na lâmpada vem gravada a potência e a tensão nomi-
nal (Ex: 40W-220V). A luminosidade da lâmpada está Na figura 4.5 temos a representação de um
relacionada com a tensão que recebe, sendo que uma wattı́metro. Percebe-se que ele possui quatro terminais,
lâmpada de filamento transforma, no máximo, 10% da sendo dois terminais de corrente e os outros dois, termi-
energia elétrica consumida em luz enquanto que os res- nais de tensão.
tantes 90% transformam-se em calor. Para se medir a potência dissipada por um aquece-
dor elétrico comum, podemos utilizar o WATTÍMETRO
(método direto) ou então, um VOLTÍMETRO e um AM-
4.6 Medição de Potência Elétrica PERÍMETRO (método indireto).

As residências, geralmente, recebem energia elétrica da


rede urbana. Entretanto, antes dessa energia ser dis-
tribuı́da pela casa, ela deve passa pelo medidor de ener-
gia, o qual registra a quantidade de energia elétrica con-
sumida pela instalação.
Na figura 4.3 é apresentado um medidor de energia
o qual é denominado de WATT-HORÂMETRO. Neste
instrumento de medição de energia elétrica existe um
disco que gira num plano horizontal. A frequência de Figura 4.5: Medição de potência
rotação deste disco está associada à energia consumida
pelo usuário, medida em kWh. A “conta de luz“ é
cobrada mensalmente em função do consumo, que é a
diferença entre as duas leituras, feitas com um intervalo Exercı́cios
de tempo de trinta dias.
1. Uma pessoa verifica que o seu chuveiro elétrico
não está aquecendo suficientemente a água.
Sabendo-se que a tensão aplicada ao chuveiro é
constante, responda:

(a) Para aumentar a potência do chuveiro, a cor-


rente que passa através dele deve ser aumen-
tada ou diminuı́da?
(b) Então para que haja maior aquecimento da
água, a pessoa deverá aumentar ou diminuir
a resistência do chuveiro?
(c) Assim, quando a chave de um chuveiro é
deslocada da posição “inverno” para “verão”,
Figura 4.3: Watt-horâmetro
estamos aumentando ou diminuindo sua re-
sistência?
Em alguns casos, o que interessa é a energia por se-
gundo, ou seja, o valor da potência elétrica e, nestes 2. Um jovem mudou-se da cidade de Rio Grande
casos recorre-se ao medidor de potência denominado (110V) para Pelotas (220V), trazendo consigo um

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 38 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 4. P OT ÊNCIA E L ÉTRICA

aquecedor elétrico, cuja ddp nominal é 110V. (c) substituir o resistor por outro de maior re-
Sabendo-se que a tensão da rede de Pelotas é o do- sistência.
bro da tensão da rede de Rio Grande, ele substituiu (d) substituir o fio do resistor por um de mesmo
o resistor do aquecedor por outro. Qual deve ser comprimento e mesma seção transversal, mas
a relação entre as resistências para que a potência de menor resistividade.
não se altere?
(e) substituir o fio do resistor por outro de
3. Duas lâmpadas L1 e L2 possuem valores nominais mesmo material e mesmo comprimento, mas
de respectivamente, 100W-110V e 100W - 220V. de maior seção transversal.
Considerando-se o exposto, assinale com “V” as
afirmativas verdadeiras e com “F” as afirmativas 6. Zezinho, querendo colaborar com o governo no
falsas: sentido de economizar energia elétrica, trocou seu
chuveiro de valores nominais 110V - 3000W por
(a) ( ) se L1 for ligada na rede de Pelotas outro de 220V - 3000W. Sabendo-se que em sua
(220V), ela irá queimar. casa existe uma única rede de 110V, podemos di-
(b) ( ) se L2 for ligada na rede de Porto Alegre zer que ele terá um consumo de energia elétrica:
(110V) ela irá queimar.
(a) idêntico ao anterior
(c) ( ) se L1 for ligada em Porto Alegre e L2
em Pelotas, elas terão a mesma potência. (b) duas vezes maior
(d) ( ) ligando-se L2 na rede de Porto Alegre, (c) a metade do valor anterior
sua potência será inferior a 100W. (d) quatro vezes maior
4. A figura 4.6 mostra, esquematicamente, o sistema (e) um quarto do valor anterior.
de aquecimento de um chuveiro elétrico, onde a
chave S permite selecionar o modo de operação 7. Um jovem casal instalou em sua casa uma ducha
(frio, morno ou quente) do chuveiro. Para tal, o elétrica moderna de 7700W/ 220V. No entanto, os
posicionamento correto da chave será dado por: jovens verificaram, desiludidos, que toda vez que
ligavam a ducha na potência máxima, desarmava-
frio morno quente
se o disjuntor. Pretendiam até recolocar no lugar o
(a) I II III velho chuveiro de 3300W/220V, que nunca falhou.
Felizmente, um amigo, que era técnico, os socor-
(b) III I II
reu. Substituiu os condutores e o velho disjuntor
(c) II III I por outro, de maneira que a ducha funcionasse nor-
(d) I III II malmente. Assinale a única alternativa que des-
(e) III II I creve corretamente o procedimento do amigo.

(a) Substituiu o velho disjuntor de 30A por um


novo, de 20A.
(b) Substituiu o velho disjuntor de 20 A por um
novo, de 40A.
(c) Substituiu o velho disjuntor de 10A por um
novo, de 40A.
(d) Substituiu o velho disjuntor de 20A por um
novo, de 30A.
Figura 4.6: (e) Substituiu o velho disjuntor de 40A por um
novo, de 20A.
5. O proprietário de uma cantina verificou que os ali-
mentos colocados no interior de uma estufa elétrica 8. Para obter a potência de um aparelho elétrico, um
eram aquecidos em demasia. Para diminuir a estudante seguiu estes procedimentos:
temperatura dessa estufa, ele poderá fazer várias
• desligou todos os aparelhos elétricos de sua
modificações na resistência de seu resistor. Entre
casa, exceto uma lâmpada de 100W e outra
as opções seguintes assinale aquela que o levará a
de 60W; observou, então, que o disco do me-
obter o resultado desejado:
didor, levou 8s para efetuar 10 voltas;
(a) cortar um pedaço que fio que constitui o re- • apagou as duas lâmpadas e ligou apenas o
sistor. aparelho de potência desconhecida. Com isso
(b) substituir o resistor por outro de menor re- verificou que o disco do medidor levou 4s
sistência. para realizar 10 voltas.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 39 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 4. P OT ÊNCIA E L ÉTRICA

O estudante calculou corretamente a potência do 14. Uma certa lâmpada possui os seguintes valores
aparelho, encontrando: nominais: 100W-220V. Admitindo que sua re-
sistência seja constante, determine o valor desta re-
(a) 80 W sistência, da potência elétrica e da corrente que cir-
(b) 160W cula, supondo que a lâmpada está conectada a uma
(c) 240 W rede de:
(d) 320 W
(a) 220V
(e) 480 W
(b) 200V
9. A potência P de um chuveiro elétrico, ligado a uma
rede doméstica de tensão V = 220V, é dada por 15. Um fio de resistência elétrica igual a 500Ω é sub-
2
P = VR , onde a resistência elétrica R do chuveiro é metido a uma diferença de potencial de 20V. Qual
proporcional ao comprimento do resistor. A tensão a energia dissipada no fio em um minuto?
V e a corrente I no chuveiro estão relacionadas pela
relação V = R × I. Deseja-se aumentar a potência 16. Um forno elétrico (resistência constante) é vendido
do chuveiro mudando apenas o comprimento do re- com a seguinte indicação:4kW-110V.
sistor.
(a) Determine a energia (em joules e em kWh)
(a) Ao aumentar a potência, a água ficará mais consumida pelo forno, quando ele for ligado,
quente ou mais fria? durante 30 minutos, numa rede de 110V.
(b) Para aumentar a potência, o que deve ser feito
(b) Refaça o problema, admitindo que a tensão
com o comprimento do resistor?
caiu para 80V.
(c) O que acontece com a intensidade da corrente
I quando a potência do chuveiro aumenta? 17. Um chuveiro elétrico ligado a uma rede de 220V
(d) O que acontece com o valor da tensão V tem resistência de 22Ω. Sabendo que ele é utili-
quando a potência do chuveiro aumenta? zado durante 1h por dia, todos os dias, determine o
consumo mensal (30 dias) desse chuveiro, em reais
10. Uma certa lâmpada é percorrida por uma corrente (1kWh equivale a R$ 0,45).
de 2A, quando entre seus extremos existe uma
diferença de potencial de 110V. Determine a sua 18. Por um chuveiro elétrico circula uma corrente de
potência elétrica nesta situação. 15A quando ele está ligado em 220V. Conside-
11. Um estudante em cuja casa a tensão é 110V, com- rando que o kWh custa R$0,45, determine o custo
prou uma lâmpada com os seguintes valores nomi- de um banho de 20min.
nais: 60W-110V. Determine:
19. Um chuveiro elétrico ligado, em média, 0,5h por
(a) o valor da resistência elétrica da lâmpada. dia gasta R$40,50 de energia elétrica por mês (30
(b) o valor da corrente que irá circular, quando a dias). Sabendo-se que a tarifa cobrada é de R$0,45
lâmpada for conectada a rede elétrica. por kWh, determine o valor da potência elétrica do
aparelho.
12. Nas instalações residenciais de chuveiros elétricos,
costumam-se usar fusı́veis ou interruptores de 20. Os valores nominais de um resistor são: 10Ω e
proteção (disjuntores) que desligam automatica- 5W . Determine os valores da ddp máxima e da cor-
mente quando a corrente excede um certo valor rente máxima que poderão existir sobre o resistor,
pré-escolhido. Qual o valor do disjuntor que você de modo que ele não queime.
escolheria para instalar um chuveiro de 3500W-
220V? 21. Os valores nominais de um resistor são 270Ω e
1/4W. Este resistor pode ser ligado numa bateria
(a) 10A
de 12V, sem risco de queimar? Justifique.
(b) 15A
(c) 30A 22. Um chuveiro elétrico projetado para 220V possui
(d) 70A um resistor cuja resistência elétrica pode assumir
dois valores: 11Ω e 22Ω. Sabe-se que o chuveiro
(e) 20A
está ligado em uma rede de 220V e que funciona
13. Um fusı́vel de 30A foi instalado numa residência durante 20 minutos por dia. Considerando que
alimentada por uma tensão de 220V. Quantas 1kWh custa R$0,45, determine o custo mensal (30
lâmpadas de 100W-220V poderão ser ligadas si- dias) relativo a cada uma das posições do resistor
multaneamente, de uma forma adequada, sem pe- e identifique a posição de banho morno (verão) e a
rigo de queimar o fusı́vel? posição onde o banho quente (inverno).

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 40 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 4. P OT ÊNCIA E L ÉTRICA

Respostas dos exercı́cios numéricos


10. P = 220W;
11. (a) R = 201, 67Ω; (b) I = 0,545A
12. I = 20A;

13. n = 66 lâmpadas;
14. a) R = 484Ω; P = 100W; I = 0,455A; (b) R = 484Ω;
P= 82,64W; I = 0,413A
15. E = 48J;

16. (a) E = 2kWh; 7,2MJ; (b) E = 1,06kWh; 3,808MJ


17. Custo=R$29,70;
18. Custo=R$0,495;

19. P=6kW
20. Vmáx=7,07V; Imáx=0,707A;
21. Não, ele dissiparia 0,53W que é maior do que ele
suporta que é 0,25W ou 1/4W

22. Custo = R$ 19,80 (inverno); (b) custo = R$ 9,90


(verão)

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 41 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 4. P OT ÊNCIA E L ÉTRICA

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 42 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


Capı́tulo 5

Circuito Elétrico

5.1 Circuito Elétrico Simples aconteça, os fusı́veis do circuito devem estar em boas
condições para que, tão logo a temperatura do trecho
Um circuito elétrico é um caminho fechado formado “em curto” se eleve, o fusı́vel se funda e interrompa a
por, no mı́nimo, 3 componentes, ou seja, um compo- passagem da corrente.
nente que cria e mantém uma ddp (fonte); um outro que
irá consumir a energia fornecida pela fonte (resistor ou
lâmpada) e um componente que irá interligar a fonte e a 5.2 Circuito Elétrico Série
lâmpada (condutores).
Numa associação série, os resistores ficam posiciona-
dos um após o outro, sendo percorridos pela mesma cor-
rente, conforme a figura 5.3, a seguir.

Figura 5.1: Circuito Elétrico Simples

Curto-circuito:
Na figura 5.2, a corrente sai por um dos terminais
da fonte, percorre o fio condutor de resistência elétrica
desprezı́vel e penetra pelo outro terminal. Ela per-
corre o circuito sem passar por nenhum aparelho ou
instrumento que tenha alguma resistência considerável.
Quando isto ocorre, dizemos que há um curto-circuito.

Figura 5.3: Circuito Elétrico Série

Um circuito série de resistores apresenta as seguintes


caracterı́sticas:
Figura 5.2: Curto-circuito
1. Num circuito série, os componentes são dependen-
Quando ocorre um curto-circuito, a resistência tes entre si, ou seja, para que o circuito funcione
elétrica do trecho percorrido pela corrente é muito pe- perfeitamente, todos os elementos devem estar em
quena (lembre-se de que a resistência elétrica dos fios boas condições de funcionamento. No caso de
de ligação é, praticamente, desprezı́vel). Assim, pela lâmpadas, se uma queima (o filamento rompe) as
relação I = VR , se V é constante (ddp da pilha ou bate- outras irão apagar, pois o circuito ficará aberto.
ria) e R tende a zero, então, necessariamente, I assume
valores relativamente elevados (“tende a infinito”) e é 2. O circuito série possui uma única malha fechada
chamada de corrente de curto-circuito. (trajetória elétrica) por este motivo a intensidade da
Com o aumento da intensidade da corrente, ocorre corrente é a mesma em todos os pontos do circuito.
também o aumento da temperatura (efeito Joule). As-
sim, o circuito em “curto”pode-se aquecer exagerada-
mente e dar inı́cio a um incêndio. Para evitar que isto I1 = I2 = ... = In = I

43
C AP ÍTULO 5. C IRCUITO E L ÉTRICO

somando-se as potências individuais de cada re-


sistor, obtém-se o valor da potência total dissipada
pela associação.

Exemplo 5.1 : Dois resistores são ligados em série (fi-


gura 5.6). Sabendo-se que R1 = 47Ω, R2 = 33Ω e que
a associação é alimentada por uma fonte de 8V , deter-
mine as quedas de tensão (ddp) sobre os resistores e a
Figura 5.4: Circuito Elétrico Série com Lâmpadas potência dissipada em cada um.

3. Num circuito série, a resistência total ou equiva-


lente (Rt ) é igual à soma das resistências do cir-
cuito.

Rt = R1 + R2 + ... + Rn (5.1)

4. No circuito série a tensão aplicada ao circuito é Figura 5.6:


igual à soma das tensões parciais sendo que estas
são proporcionais às resistências dos componentes. Podemos calcular a resistêncioa total por:
Costuma-se chamar a tensão em cada componente
de um circuito série de “queda de tensão”. Rt = R1 + R2 = 47 + 33 = 80Ω

V
Pela relação I = R calculamos a corrente do cir-
Vt = V1 +V2 + ... +Vn cuito:
Onde: V1 = R1 × I1 ; V2 = R2 × I2 ; Vn = Rn × In VAB 8
I= = = 0, 1A = 100mA
Rt 80
De posse da corrente, podemos calcular as quedas
de tensão:

V = I ×R

VAC = I × R1 = 0, 1 × 47 = 4, 7V

VCB = I × R2 = 0, 1 × 33 = 3, 3V
Figura 5.5:
Sabendo-se as tensões e as correntes, podemos
Pela lei de Ohm verificamos que o valor da intensi- calcular o valor da potência dissipada em cada resistor.
dade da corrente que percorre o circuito dependerá
da tensão aplicada ao mesmo e da resistência total P =V ×I
que o circuito oferece.
Os resistores do circuito são percorridos pela P1 = VAC × I = 4, 7 × 0, 1 = 0, 47W
mesma corrente e, como têm resistências diferen-
tes, aparecerão sobre eles quedas de tensão diferen- P2 = VCB × I = 3, 3 × 0, 1 = 0, 33W
tes.
Assim sendo, a tensão aplicada ao circuito divide-
se sobre os resistores associados, ficando a maior Resumo das caracterı́sticas do circuito série
tensão sobre o resistor de maior valor.
• Um componente depende do outro para que o cir-
5. A dissipação de potência será maior no resistor de cuito funcione.
maior resistência.
• Os componentes são percorridos pela mesma cor-
Como a intensidade da corrente é a mesma em to- rente.
dos os resistores e, sabendo-se que P = R × I 2 ,
nota-se que a maior potência ocorre no resis- • A resistência total do circuito é obtida através da
tor de maior resistência. Nota-se também que, soma das resistências do circuito.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 44 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 5. C IRCUITO E L ÉTRICO

• A tensão aplicada é igual à soma das quedas de


tensão nos resistores associados. V1 = V2 = V3 = ...Vn = VAB

• As quedas são proporcionais às resistências dos re-


sistores.

• A potência dissipada em cada resistor é proporcio-


nal à sua resistência.

5.3 Circuito Elétrico Paralelo


Temos uma associação em paralelo de resistores quando
todos os resistores associados ficam ligados aos mes-
Figura 5.9:
mos pontos, portanto, submetidos a uma mesma tensão
elétrica, conforme exemplos da figura 5.7, a seguir.
3. A corrente total do circuito é a soma das corren-
tes parciais as quais, por sua vez, são inversamente
proporcionais às respectivas resistências.

I1 = I1 + I2 + I3 + ... + In

4. Vamos agora obter as relações que nos permitem


calcular o valor da resistência total de um circuito
paralelo.
V
Pela lei de Ohm tem-se para cada resistor: I =
R
No nó tem-se a seguinte relação:

I1 = I1 + I2 + I3 + ... + In
Figura 5.7: Circuito Elétrico Paralelo
VAB VAB VAB
Um circuito paralelo apresenta as seguintes carac- I1 = ; I2 = ; I3 =
R1 R2 R3
terı́sticas:
Simplificando VAB nos dois lados tem-se:
1. No circuito paralelo, os componentes não depen- VAB VAB VAB VAB
dem uns dos outros para funcionar, ou seja, quei- = = + ... +
R1 R2 R3 Rn
mando a lâmpada L3 no circuito abaixo, apenas
VAB 1 1 1 1
ela se apaga, sendo que L1 e L2 permanecem ace- = VAB × ( + + + ... + )
sas, pois estão em bom estado de funcionamento R1 R1 R2 R3 Rn
e continuam recebendo a tensão da rede (220V). Simplificando VAB nos dois lados tem-se:
O exemplo desse tipo de ligação é verificado em
nossa instalação elétrica residencial. Em casa ve-
rificamos que, se uma lâmpada queima, as outras
permanecem acesas e também os eletrodomésticos 1 1 1 1 1
ficam funcionando normalmente. = + + + ... + (5.2)
Rt R1 R2 R3 Rn

No caso de apenas dois resistores, temos o se-


guinte:
1 1 1 R2 R1 R1 + R2
= + = + =
Rt R1 R2 R1 × R2 R2 × R1 R1 × R2
Então isolando-se Rt , temos:

Figura 5.8: Circuito Paralelo com Lâmpadas

R1 × R2
2. No circuito paralelo, como os resistores estão liga- Rt = (5.3)
dos nos mesmos pontos, recebem a mesma tensão. R1 + R2

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 45 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 5. C IRCUITO E L ÉTRICO

Se tivermos n resistores iguais (R1 = R2 = Rn ) ob-


temos a resistência equivalente por: Pt = P1 + P2 = 0, 96 + 1, 44 = 2, 4W

Resumo das Caracterı́sticas do Circuito Paralelo


R1
Rt = (5.4)
n • Os componentes são eletricamente independentes
entre si.
5. Como no circuito paralelo a tensão é a mesma so-
2
bre todos os resistores e, sabendo-se que P = VR , • A tensão é a mesma para todos os resistores, pois
podemos concluir que o resistor de maior re- os mesmos são ligados aos mesmos pontos.
sistência irá dissipar menor potência. Isto é facil-
• A corrente total é igual à soma das correntes dos
mente observado na fórmula citada.
resistores.
V2
Como P = R e R1 < R2 logo, P1 > P1
• A corrente divide-se na razão inversa das re-
sistências.
Exemplo 5.2 : Um circuito paralelo é constituı́do de
dois resistores (figura 5.10), sendo R1 = 150Ω, R2 = • A resistência total do circuito é menor do que a
100Ω e é alimentado por 12V . Determine a corrente e a menor das resistências associadas.
potência dissipada em cada resistor.
• A potência dissipada por cada resistor é inversa-
mente proporcional à sua resistência.

5.4 Circuito Elétrico Misto


Circuitos compostos de três ou mais resistores podem
ser ligados num arranjo complexo, com partes em série e
partes em paralelo. Tal arranjo é denominado de circuito
misto ou circuito série-paralelo.
Figura 5.10: Nenhuma fórmula nova é necessária para determinar
a resistência total de uma associação mista de resistores.
R1 × R2 150 × 100 Você divide o circuito complexo em partes compostas de
Rt = = = 60Ω elementos em série e em paralelo.
R1 + R2 150 + 100
Neste tipo de associação se verificam caracterı́sticas
Pela relação I = VR , determinamos as correntes.
do circuito série (corrente é a mesma) e do paralelo
VAB 12 (tensão é a mesma). Os dois tipos básicos de circuitos
It = = = 0, 2A = 200mA mistos estão indicados na figura 5.11.
Rt 60
VAB 12
I1 = = = 0, 08A = 80mA
R1 150
VAB 12
I2 = = = 0, 12A = 120mA
R2 100
No circuito paralelo It se divide, então:

It = I1 + I2 = 0, 08 + 0, 12 = 0, 2A

Pade-se obter as potências da seguinte forma:


2
VAB 122
P1 = = = 0, 96W
R1 150
V2 122
P2 = AB = = 1, 44W
R2 100
V2 122
Pt = AB = = 2, 4W
Rt 60
Podemos comprovar a potência total através da
soma das potências em cada um dos resistores: Figura 5.11: Circuito Elétrico Misto

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 46 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 5. C IRCUITO E L ÉTRICO

Exemplo 5.3 : Calcule a resistência total nos circuito


das figuras 5.12 e 5.13.

Figura 5.15:

Exemplo 5.4 : No circuito dado (figura 5.16), calcule


It, I2, I3 e VAC .

Figura 5.12:

Figura 5.13: Figura 5.16:

No primeiro circuito (figura 5.12), primeiramente Como conhecemos todas as resistências do circuito,
determinamos a resistência equivalente do paralelo de podemos calcular Rt. Antes, porém, calculamos R4.
R1 e R2, que poderemos chamar de R4, pois não existe
R4 no circuito. R1 + R3 150 × 100
R4 = = = 60Ω
R1 × R3 150 + 100
R1 + R2 6 × 3
R4 = = = 2Ω Assim:
R1 × R2 6 + 3
Ficamos com o circuito equivalente abaixo (fi- Rt = R1 + R4 = 10 + 60 = 70Ω
gura 5.14).
Pela relação I = VR , podemos calcular as incógnitas.
VAB 7
It = = = 0, 1A = 100mA
Rt 70
Figura 5.14: através da Lei de Ohm, calcula-se a tensão VAC :
V = R×I
Basta agora somar R4 com R3 e encontrar Rt pois as
duas estão em série. VAC = R1 × It = 10 × 0, 1 = 1V

Rt = R4 + R3 = 2 + 4 = 6Ω Para calcularmos I2 e I3, primeiro devemos deter-


minar VCB , pois é a ddp existente sobre R2 e R3.
No segundo circuito (figura 5.13), vamos primeiro
resolver a série de R2 com R3, que podemos chamar de Como: VAB = VAC +VCB
R4.
Logo: VCB = VAB −VAC = 7 − 1 = 6V
R4 = R2 + R3 = 8 + 4 = 12Ω
A tensão VCB também pode ser calculada por:
Ficamos com um circuito equivalente abaixo (fi-
gura 5.15). VCB = R4 × It = 60 × 0, 1 = 6V
Para finalizar, utilizamos a fórmula para calcular Rt,
para resistores em paralelo. Pela relação I = VR teremos, então, para I2 e I3,
os seguintes valores:
R4 + R1 8 × 12 VCB 6
R4 = = = 4, 8Ω I2 = = = 0, 04A = 40mA
R4 × R1 8 + 12 R2 150

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 47 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 5. C IRCUITO E L ÉTRICO

(a) ( ) Para diminuirmos a corrente que per-


VCB 6 corre um circuito podemos ligar em série com
I3 = = = 0, 06A = 60mA
R3 100 ele um resistor.
Observamos, então, que a soma de I2 com I3 deu (b) ( ) Num chuveiro com a chave no inverno,
exatamente o valor de It. Isso prova que a corrente poderı́amos considerar como se fossem dois
elétrica, ao chegar a um nó, divide-se pelos resistores resistores ligados em série e no verão seria
associados em paralelo. apenas um único resistor percorrido por cor-
rente.

5.5 Exercı́cios (c) ( ) Sempre ligamos o fusı́vel em série com


o circuito, de modo que, se ele queimar, o cir-
cuito ficará aberto.
Circuito Série
(d) ( ) No circuito série, o resistor de maior
1. Um circuito é constituı́do de 3 resistores e os mes- resistência aquece mais.
mos estão ligados em série. O que deverá ocorrer
com a corrente e a resistência total do circuito, se 8. Um resistor de 4Ω e um de 2, 5Ω são associados
provocarmos um curto-circuito sobre um dos resis- em série e, à associação, aplica-se uma tensão de
tores? 19,5V.

2. Dez lâmpadas ligadas em série iluminam uma (a) Qual a resistência total da associação?
árvore de Natal. O que ocorrerá com o circuito se (b) Qual a corrente que percorre o circuito?
alguma das lâmpadas queimar? (c) Qual a queda de tensão existente sobre cada
3. Duas lâmpadas de resistências iguais, fabricadas resistor?
para funcionar em 110V, poderão ser ligadas em (d) Qual a potência dissipada em cada resistor?
série, formando um circuito alimentado por 220V?
Justifique. 9. Um circuito série é constituı́do de 3 resistores R1,
R2 e R3, que valem, respectivamente, 2Ω, 4Ω
4. Duas lâmpadas foram fabricadas para funciona- e 6Ω. Sabe-se que a queda de tensão sobre R2
rem, individualmente, numa rede de 220V, sendo vale 10V. Determine a corrente que percorre o cir-
que a primeira teria uma potência maior do que a cuito, as quedas de tensão sobre os resistores e as
segunda. Considerando que elas foram ligadas em potências em cada resistor.
série e que existe uma tensão de 220V entre as ex-
tremidades da associação, explique o que irá ocor- 10. Ligam-se em série, três resistores com resistências
rer com cada uma das lâmpadas. elétricas, respectivamente, de 200Ω, 500Ω e 300Ω.
Sendo a corrente no circuito 100mA, calcule a
5. Um resistor de resistência R1 que está conec- tensão aplicada à associação e a potência total dis-
tado a uma fonte de tensão constante dissipa uma sipada pela associação.
potência P1. Associando em série um outro resis-
tor de resistência R2, o que acontecerá com o valor 11. Três resistores são associados em série e o circuito
da: é alimentado por 30V. Sabendo-se que a potência
total dissipada pelo circuito é 60W, e que R1 = 5Ω
(a) resistência total do circuito? e R2 = 7Ω, determine as tensões nos resistores o
(b) corrente que circula no circuito? valor de R3.
(c) potência dissipada por R1? 12. São associados três resistores em série. Sendo
6. Um circuito série é formado por uma fonte de R1 = 10Ω, R2 = 15Ω e R3 = 5Ω e a potência dis-
tensão constante (12V) e duas lâmpadas iguais sipada em R2 igual a 33,75W, determine:
(L1=L2).
(a) a corrente do circuito;
(a) considerando que em L1 passa 40mA, qual o (b) a queda de tensão sobre cada resistor;
valor da corrente em L2?
(c) a tensão aplicada ao circuito.
(b) qual o valor da tensão em cada uma das
(d) a potência total do circuito.
lâmpadas?
(c) considerando que uma terceira lâmpada L3 13. No circuito elétrico ilustrado abaixo (figura 5.17),
foi acrescentada em série com as demais, a a tensão da fonte vale 25V, enquanto que as re-
corrente em L1 será igual, maior ou menor sistências elétricas valem R1 = 7Ω, R2 = 8Ω e
do que 40mA? R3 = 5Ω. Determine:
7. Analise as afirmativas a seguir e coloque “V” se (a) a corrente que atravessa o circuito e a
verdadeiras ou “F” se falsas. Justifique as falsas. potência dissipada em R1;

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 48 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 5. C IRCUITO E L ÉTRICO

(b) a corrente que circula no circuito, se for pro- 18. Um jovem comprou um aparelho elétrico com os
vocado um curto-circuito sobre R3 e a nova seguintes valores nominais: 55W-220V. Como a
potência em R1. rede elétrica em sua casa era 380V, pensou em uti-
lizar um resistor em série com o aparelho para li-
mitar a corrente e provocar uma queda de tensão.
Calcule o valor da resistência que deverá ter o re-
sistor e da potência que ele dissipará de modo que
o aparelho funcione corretamente.

Circuito Paralelo
19. Duas lâmpadas e uma estufa estão todas ligadas em
paralelo e recebem uma tensão de 220V. Conside-
Figura 5.17:
rando que a primeira lâmpada queimou, diga o que
ocorrerá com a segunda lâmpada? E com a estufa?
14. No circuito abaixo (figura 5.18), os voltı́metros V1 Justifique.
e V2 medem, respectivamente, 5V e 3V, respecti-
vamente. Determine: 20. Um circuito paralelo é composto de um ferro
elétrico, um forno elétrico e uma lâmpada. Para
(a) a corrente no circuito ; medirmos as correntes It, I1, I2 e I3, introduzimos
amperı́metros no circuito, conforme figura 5.19. Se
(b) o valor da resistência Rl. queimar a lâmpada L, o que deverá acontecer:

(a) com a medição do amperı́metro 1?


(b) com a medição dos amperı́metros 2 e 3?
(c) com a medição do amperı́metro 4?
(d) com a resistência total do circuito?

Figura 5.18:

15. Temos um circuito série formado por dois resisto-


res R1 = 22Ω e R2 = 68Ω, sendo que na associação
é aplicada uma tensão de 9V. Sabendo-se que as
potências máximas que podem ser dissipadas pelos Figura 5.19:
resistores são, respectivamente, 1/8W e 1W , deter-
mine se os resistores irão queimar ou não, justifi- 21. Dispõe-se de duas lâmpadas L1 e L2 sendo L1:
cando sua resposta com cálculos. 100W-220V e L2: 40W-220V. Desejando-se o
máximo de potência e dispondo-se também de uma
16. Uma fonte de alimentação de 10V/20W deve fonte de 220V, devemos montar um circuito série,
alimentar 5 lâmpadas pequenas e coloridas de paralelo ou o resultado é o mesmo nos dois circui-
1V/200mW para enfeitar uma árvore de Natal. Sa- tos? Justifique.
bendo que as lâmpadas queimam, caso a tensão so-
bre elas seja maior do que a especificada, resolver 22. Assinale verdadeiro (V) ou falso (F). Justifique as
este problema usando um resistor em série com o falsas.
conjunto de lâmpadas. Qual o valor do resistor e
(a) ( ) No circuito paralelo, teremos uma
de sua potência dissipada?
maior dissipação de potência no resistor de
17. Para uma fileira de lâmpadas de Natal foram es- menor resistência.
colhidas lâmpadas de 20Ω. Tal fileira está dimen- (b) ( ) Num circuito com dois resistores,
sionada para uma intensidade de corrente igual a sempre teremos uma maior dissipação de
300mA. Quantas lâmpadas deste tipo devem ser li- potência no resistor de maior resistência, in-
gadas em série para que seja possı́vel fazer a co- dependentemente, se o circuito é série ou pa-
nexão à uma rede de 220V ? ralelo.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 49 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 5. C IRCUITO E L ÉTRICO

(c) ( ) Os circuitos série e paralelo, (a) ( ) Conforme aumentamos o número de


constituem-se, respectivamente, em cir- aparelhos ligados numa residência, aumenta
cuito divisor de tensão e circuito divisor de o valor da potência elétrica total instalada no
corrente. circuito.
(d) ( ) No circuito paralelo a resistência total (b) ( ) Nós são pontos de um circuito onde se
é sempre menor do que o menor valor de re- unem 3 ou mais condutores havendo neles
sistência associada. uma divisão de corrente.
(e) ( ) Num circuito paralelo de resistores (c) ( ) Sempre ligamos o fusı́vel em paralelo
iguais, basta dividirmos o valor da resistência com o circuito , de modo que, se ele queimar,
de um deles pelo no de resistores, para obter- o circuito ficará aberto.
mos o valor de Rt . (d) ( ) Um circuito paralelo formado por um
resistor de 55Ω e uma lâmpada de 440W-
23. Dispondo-se dos cinco terminais existentes no
220V, poderia ser protegido por um fusı́vel de
bloco da figura 5.20, faça as ligações necessárias
5A quando a associação for ligada em 220V.
de modo que as lâmpadas funcionem corretamente.
Considere que as lâmpadas são iguais, cujos valo- 27. Um circuito paralelo é constituı́do de R1 = 12Ω
res nominais são 12V-5W e que a tensão entre o e R2 = 8Ω sendo alimentado por uma tensão de
positivo e o negativo da fonte vale: 24V. Calcule a corrente total do circuito, as corren-
tes que circulam através de R1 e R2 e a potência
(a) 24V em cada resistor.
(b) 12V
28. Três resistores (R1 = 9Ω, R2 = 6Ω, R3 = 18Ω)
são associados em paralelo, sendo que, através de
R2, circula uma corrente de 1, 5A. Determine a
tensão da fonte, as correntes através de R1 e R3
e as potências dissipadas nos resistores.

29. Três resistores de resistências elétricas iguais a


R = 10Ω, R2 = 15Ω e R3 = 30Ω, estão associa-
dos em paralelo e ligados a uma fonte que fornece
uma corrente total de 900mA. Determine o valor
Figura 5.20: da:

(a) corrente que percorre cada um dos resistores;


24. Tendo somente dois resistores, usando-os um por
vez, ou em série, ou em paralelo, podemos obter (b) potência dissipada em cada resistor;
resistências de 3, 4, 12 e 16Ω. As resistências dos (c) potência total dissipada pelo circuito;
resistores são:
(d) potência total dissipada pelo circuito, se R1
(a) 3 e 4 queimar (abrir).
(b) 4 e 8 30. Três aparelhos iguais, com resistência de 480Ω
(c) 12 e 3 cada um, estão ligados em paralelo numa rede de
110V . Determine:
(d) 12 e 4
(e) 8 e 16 (a) a corrente total do circuito;
(b) o valor de It, se introduzirmos em paralelo
25. Quando ligamos em paralelo, dois resistores, cada com os aparelhos duas lâmpadas iguais, com
um com resistência igual a R, o resistor eqüivalente resistência de 220Ω cada uma.
da associação é:
31. Três aparelhos com resistências de 18Ω, 100Ω e
(a) R/2 32Ω são ligados em paralelo em 220V.
(b) R/4
(a) Para o funcionamento deste circuito, é mais
(c) 2R indicado utilizar-se um fusı́vel de 5A, 15A ou
(d) 4R 30A? Justifique.

(e) NDR (b) Se, no lugar da resistência de 18Ω, introduzir-


mos uma lâmpada de 100Ω, deveremos utili-
26. Analise as afirmativas a seguir e coloque “V” se zar no circuito um fusı́vel de 10A, 15A ou
verdadeiras ou “F” se falsas. Justifique as falsas. 30A? Justifique.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 50 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 5. C IRCUITO E L ÉTRICO

32. Numa indústria onde a rede é 220V, é utilizado um (a) o televisor, o aquecedor, o liquidificador e
fusı́vel de 50A para controlar a entrada de corrente. vinte lâmpadas;
Nesta indústria existem 100 máquinas, todas liga- (b) o chuveiro e o aquecedor;
das em paralelo. Se a resistência elétrica de cada
máquina é de 330Ω, qual é o número máximo de (c) o chuveiro, cinco lâmpadas e o aquecedor.
máquinas que podem funcionar simultaneamente?

33. Temos um circuito paralelo formado por dois re- Circuito Misto
sistores R1 = 1kΩ e R2 = 330Ω, onde se aplica
37. De acordo com o circuito abaixo (figura 5.23),
15V. Sabendo-se que as potências máximas que po-
diga:
dem ser dissipadas pelos resistores são, respectiva-
mente, 1/2W e 1/4W , determine se os resistores (a) qual das lâmpadas tem o brilho maior.
irão queimar ou não, justificando sua resposta com
(b) o que acontecerá com o brilho de cada uma
cálculos.
das lâmpadas se queimar L3.
34. No circuito dado (figura 5.21), considerando que
It = 250mA, determine as correntes que indicam
os amperı́metros 1, 2 e 3, e o valor de R3.

Figura 5.23:
Figura 5.21:
38. Na figura 5.24, as lâmpadas 1, 2 e 3 são idênticas
e o circuito é alimentado por uma fonte de tensão
35. No circuito abaixo (figura 5.22) determine Rt e It
contı́nua. O que acontece com o brilho das
nas seguintes condições:
lâmpadas 1 e 2 ao se fechar o interruptor da
(a) Ch1, Ch2 e Ch3 fechadas. lâmpada 3?
(b) Chl e Ch2 fechadas; Ch3 aberta. LÂMPADA 1 LÂMPADA 2
(c) Chl e Ch3 fechadas; Ch2 aberta. (a) aumenta diminui
(d) Ch2 e Ch3 fechadas; Chl aberta. (b) aumenta aumenta
(c) diminui não varia
(d) não varia diminui
(e) não varia aumenta

Figura 5.22:

36. Em uma residência (circuito paralelo) são usados


eventualmente diversos aparelhos elétricos, nos
quais encontra-se especificada a potência nominal
de cada um. São eles: televisor (220W), lâmpadas
(100W cada uma), aquecedor (1kW), liquidificador Figura 5.24:
(300W) e chuveiro (5000W). A ddp nominal de to-
dos os aparelhos é 220V e a ddp da rede elétrica 39. No circuito abaixo (figura 5.25), quando se fecha a
da casa é 220V, sendo que existe um fusı́vel geral chave “S”, provoca-se:
de 25A. Diga e justifique com cálculos se o fusı́vel
queimará ou não quando forem ligados simultane- (a) aumento da corrente em R2
amente: (b) diminuição do valor de R3

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 51 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 5. C IRCUITO E L ÉTRICO

(c) aumento da corrente em R3


(d) aumento de tensão em R2
(e) aumento da resistência total do circuito

Figura 5.27:
Figura 5.25:

40. Cada resistor da figura 5.26 possui uma resistência


R. O resistor equivalente à associação da figura en-
tre os pontos A e B é igual a:

(a) R/4
(b) R/2
(c) R
(d) 4R
(e) 2R

Figura 5.28:

Figura 5.26:

41. No circuito da figura 5.27 abaixo, existem três


lâmpadas iguais, três chaves, um fusı́vel e uma
fonte. Sabendo-se que existem vários tipos de cir-
cuitos (simples, série, paralelo e misto), responda
as seguintes perguntas:

(a) Com as três chaves abertas, qual o tipo de cir-


cuito obtido?
(b) Fechando-se apenas ch2, o circuito se trans-
forma? Em caso afirmativo, qual o novo cir-
cuito?
(c) Se apenas ch1 e ch2 estiverem fechadas, qual
o circuito obtido?
(d) Quais as chaves que devem ser fechadas de
modo que o fusı́vel queime?

42. Determine a resistência total ou equivalente das Figura 5.29:


associações de resistores das figuras 5.28 (A e B) e
5.29 (C e D).

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 52 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 5. C IRCUITO E L ÉTRICO

Figura 5.30:

43. No circuito da figura 5.30, determine: P1 , I2 , I3 ,


VAC e P4 .
44. No circuito da figura 5.31, determine: I1 , P2 , It e
VCB .
Figura 5.33:

Figura 5.31:

45. No circuito da figura 5.32, determine: VCB , Pt , Ix e


R3 .

Figura 5.34:
Figura 5.32:

46. No circuito da figura 5.33, determine: Ix , VCD , P1 ,


R4 e P4.
47. No circuito da figura 5.34, determine: I1 , P1 , R3 , P4
e Pt .

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 53 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 5. C IRCUITO E L ÉTRICO

48. No circuito da figura 5.35, determine: Iy , Ix , R1 , P4


e VCB .

Figura 5.37:

Figura 5.35:

49. No circuito da figura 5.36 Calcule It e Pt , se:


(a) todas as lâmpadas estiverem em bom estado;
(b) queimar apenas L2;
(c) queimar apenas L5.
Dados: RL1 = 8Ω; RL2 = 2Ω; RL3 = 4Ω; RL4 = 3Ω;
RL5 = 15Ω

Figura 5.38:

Respostas dos exercı́cios numéricos

Circuito Série
8. a) Rt = 6, 5Ω; b) I = 3A; c) VAC = 12V ; VCB =
7, 5V ; d) P1 = 36W ; P2 = 22, 5W

9. a) I = 2, 5A; b)VAC = 5V ; VCD = 10V ; V DB =


15V ; c)P1 = 12, 5W ; P2 = 25W ; P3 = 37, 5W
Figura 5.36:
10. VAB = 100V ; Pt = 10W

50. No circuito da figura 5.37, dispõe-se dos seguin- 11. a) VAC = 10V ; VCD = 14V ; V DB = 6V ; b) R3 =
tes elementos: dois resistores idênticos (100Ω 3Ω
cada um), uma fonte de tensão (28V), um am-
perı́metro, uma lâmpada (3V-1,5W) e fios de 12. a) I = 1, 5A; b) VAC = 15V ; VCD = 22, 5V ;
ligação. Pretende-se montar um circuito em V DB = 7, 5V ; c) VAB = 45V ; d) Pt = 67, 5W
que a lâmpada funcione de acordo com as suas
especificações, e o amperı́metro acuse a corrente 13. a) I = 1, 25A; P = 10, 93W ; b) I = 1, 67A; P =
que passa por ela. 19, 52W
(a) Qual é a corrente que o amperı́metro indi-
14. a) I = 0, 5A; b) R1 = 3, 5Ω
cará?
(b) Monte o circuito, incluindo os elementos ne- 15. P1 = 0, 22W (queima); P2 = 0, 68W (não queima);
cessários.
16. R = 25Ω; P = 1W
51. Para o circuito de corrente contı́nua da figura 5.38,
temos: V = 34V , R1 = 4Ω, R2 = 4Ω, R3 = 3, 2Ω, 17. n = 37 lâmpadas
R4 = 2Ω, R5 = 6Ω e R6 = 2Ω. Determine o valor
da queda de tensão indicada pelo voltı́metro V 4. 18. R = 640Ω; P = 40W

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 54 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 5. C IRCUITO E L ÉTRICO

Circuito Paralelo
27. a) It = 5A; b) I1 = 2A; I2 = 3A; c) P1 = 48W ;
P2 = 72W

28. a) VAB = 9V ; b) I1 = 1A; I3 = 0, 5A; c) P1 = 9W ;


P2 = 13, 5W ; P3 = 4, 5W
29. a) I1 = 0, 45A; I2 = 0, 3A; I3 = 0, 15A; b) P1 =
2, 025W ; P2 = 1, 35W ; P3 = 0, 675W c) Pt =
4, 05W ; d) Pt = 2, 025W

30. a) I = 0, 6875A; b) I = 1, 6875A


31. a) Fus ==¿ 30A, pois a corrente que circula vale,
aproximadamente, 21, 3A. b) Fus ==¿ 15A, pois
a corrente que circula vaie, aproximadamente,
11, 3A.
32. n = 75 máquinas
33. P1 = 0, 225W (não queima); P2 = 0, 682W
(queima);

34. I1 = 0, 1A; I2 = 0, 067A; I3 = 0, 083A; R3 = 120Ω


35. a) Rt = 30, 56Ω; It = 3, 6A; b) Rt = 68, 75Ω; It =
1, 6A c) Rt = 35, 48Ω; It = 3, 1A; d) Rt = 44Ω; It =
2, 5A
36. a) Não; I = 16A; b) Não; I = 27A; c) Sim; I =
32, 7A

Circuito Misto
42. a) Rt = 2, 4Ω; b) Rt = 17Ω; c) Rt = 9Ω; d) Rt =
15Ω
43. P1 = 27W ; I2 = 0, 6A; I3 = 2, 4A; VAC = 9V ;
P4 = 72W

44. I1 = 0, 12A; P2 = 0, 384W ; It = 0, 4A; VCB =


5, 2V
45. VAB = 3V ; Pt = 3W ; Ix = 0, 25A; R3 = 5Ω
46. Ix = 1, 6A; VCD = 32V ; P1 = 40W ; R4 = 5Ω;
P4 = 12, 8W

47. I1 = 0, 2A; P1 = 0, 12W ; R3 = 20Ω; P4 = 0, 9W ;


Pt = 1, 5W
48. Iy = 0, 6A; Ix = 0, 4A; R1 = 35Ω; P4 = 5, 4W ;
VCB = 10V

49. a) It = 2A; Pt = 24W b) It = 1, 89A; Pt = 22, 68W


c) It = 1, 2A; Pt = 14, 4
50. I = 0, 5A
51. V 4 = 1V

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 55 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


C AP ÍTULO 5. C IRCUITO E L ÉTRICO

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 56 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


Capı́tulo 6

Fontes Elétricas

57
C AP ÍTULO 6. F ONTES E L ÉTRICAS

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 58 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


Capı́tulo 7

Leis de Kirchhoff

59
C AP ÍTULO 7. L EIS DE K IRCHHOFF

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 60 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL


Referências Bibliográficas

[1] ARCIPRETI, Nicolangelo Dell’ e GRANADO, [17] GONÇALVES, Aurélio Filho e TOSCANO, Car-
Nelson Vilhena - Fı́sica 3. São Paulo: Ática, 1981. los - Fı́sica e Realidade. Vol.3. São Paulo: Scipione,
1997.
[2] ARNOLD, Robert. Fundamentos de Eletrotécnica.
São Paulo: EPU, 1975. [18] GOZZI, Giusepe Giovani Massimo - Circuitos
magnéticos. São Paulo: Érica, 1996.
[3] BOCHETTI, Paulo e MENDEL, Carlos Alberto.
Eletrodinâmica e Eletromagnetismo. Rio de Janeiro: [19] GRAY, A. & WALLACE, G.A. - Eletrotécnica
Exped, 1971. - Princı́pio e Aplicações. Rio de Janeiro: Livros
Técnicos e Cientı́ficos, 1976.
[4] BOYLESTAD, Robert & NASHELSKI, Louis. Dis-
positivos Eletrônicos e Teoria de Circuitos. 3 ed. Rio [20] GUERRINI, Délio Pereira - Eletrotécnica. São
de Janeiro: Prentice Hall, 1984. Paulo: Érica, 1990.

[5] CAVALCANTI, P.J. Mendes - Fundamentos de Ele- [21] GUERRINI, Délio Pereira - Instalações Elétricas
trotécnica para Técnicos em Eletrônica, 16 ed. Rio de Prediais. São Paulo: Érica, 1990.
Janeiro: Livros Técnicos e Cientı́ficos, 1985.
[22] GUSSOW, Milton - Eletricidade Básica -
[6] CENAFOR - Programa de Educação Técnica - En- SãoPaulo: McGraw-Hill, Col. Schaum, 1985.
sino Industrial - Habilitação em Eletrotécnica. São
[23] HALLIDAY, David, RESNICK, Robert e
Paulo: Cenafor, 1985.
KRANE, Kenneth - Fı́sica 3 - 4 ed. Rio de Janeiro:
[7] CHAVES, Roberto - Manual de Instalações LTC, 1996.
Elétricas. Rio de Janeiro: Tecnoprint, 1981.
[24] KASATKIN - Fundamentos de Eletrotécnica -
[8] CHRISTIE, Clarence V. - Elementos de Ele- Moscou, Mir.
trotécnica - Porto Alegre: Globo, 1969. [25] MARKUS, Otávio. Circuitos Elétricos: Corrente
[9] CIPELLI, Marco e MARKUS, Otávio - Circuitos Contı́nua e Corrente Alternada. São Paulo. Érica,
em Corrente Contı́nua. São Paulo: Érica, 1999. 2004.

[26] MARTIGNONI, Alfonso. Eletrotécnica. Porto


[10] CREDER, Hélio - Instalações Elétricas. 9a ed.-
Alegre. Globo, 1971.
Rio de Janeiro: LTC, 1984.
[27] MÁXIMO, Antônio e ALVARENGA, Beatriz -
[11] CUTLER, Phillip - Análise de Circuitos CA. São
Curso de Fı́sica, vol. 3.São Paulo: Scipione, 1997.
Paulo, McGraw-Hill, 1976.
[28] NEVES, Eurico Guimarães de Castro - Ele-
[12] DAWES, Chester L.- Curso de Eletrotécnica. Porto
trotécnica Geral. Pelotas: Ed. Univ. Ufpel, 1999.
Alegre: Globo, 1977. vol.1-2.
[29] REZENDE, Ernani da Motta - Materiais Usados
[13] EDMINISTER, Joseph A. - Circuitos Elétricos, 2a
em Eletrotécnica. Rio de Janeiro: Interciência. 1977.
ed. São Paulo: McGraw-Hill, 1985.
[30] SALMERON, Roberto A. - Introdução à Eletrici-
[14] FERENCE Jr., LEMON & STEPHENSON - dade e ao Magnetismo. São Paulo, 1971.
o
Curso de Fı́sica - Eletromagnetismo, 4 vol. São
Paulo, Edgard Blücher. [31] SARAIVA, Delcyr Barbosa - Materiais Elétricos.
Guanabara Dois.
[15] FITZGERALD, A.E. - Máquinas Elétricas. São
Paulo, McGraw-Hill, 1975. [32] SCHMIDT, Walfredo - Materiais Elétricos. São
Paulo: Edgard Blücher, 1979.
[16] FOWLER, Richard J. - Eletricidade- Princı́pio e
Aplicações - vol. 1.São Paulo: Makron, McGraw- [33] TURNER, L.W. - Manual Básico de Eletrônica. 4a
Hill, 1992. ed.São Paulo: Hemus, 1988.

61
R EFER ÊNCIAS B IBLIOGR ÁFICAS

[34] VAN VALKENBURGH, NOOGER & NEVILLE


- Eletricidade Básica. Rio de Janeiro: Editora Ao Li-
vro Técnico, 1982.
[35] VAN VALKENBURGH, NOOGER & NEVILLE
- Eletrônica Básica do Estado Sólido. vol.1, Rio de
Janeiro: Editora Ao Livro Técnico, 1985.

RODRIGO S OUZA E A LVACIR TAVARES 62 C URSO DE E LETROMEC ÂNICA /IFSUL

Você também pode gostar