Você está na página 1de 7

CADASTRAR EMPRESA

NOME DA EMPRESA
CNPJ
AREA DE ATUAÇÃO
NÚMERO DE
FUNCIONÁRIOS
NOME DO RESPONSÁVEL
(PROJETO NA EMPRESA)
EMAIL DO RESPONSÁVEL
TELEFONE DO
RESPONSÁVEL
ESCOLA PARCEIRA SENAI JUIZ DE FORA – JOSE FAGUNTES
NETTO

CADASTRAR DEMANDA (PROBLEMA)


NOME DA Desperdício de óleo de no processo de trefilação de
DEMANDA cânulas.

DESCRIÇÃO Instalar um reservatório abaixo do já existente, maior do


RESUMIDA que o primeiro e com um mostrador a fim de indicar
quando for necessário retirar o óleo.
Colocar uma proteção em acrílico no plugue para evitar o
respingo de óleo no chão e entorno do equipamento.
Solicitar ao eletricista que verifique o cabo de alimentação
do equipamento pois o mesmo contem emendas.

BENEFÍCIOS Evitar que o óleo transborde, mantendo o ambiente limpo e


ESPERADOS reduzindo riscos de acidente.

Evitar que a fábrica seja notificada pelo o comitê de boas


praticas de fabricação (5S), gerando não conformidades.
Evitar que ocorra um curto circuito no cabo de alimentação,
pois o cabo pode entrar em contato com o óleo.

DETALHAMENTO Contextualização:
A empresa está situada na região da zona da mata mineira há mais de 60
anos, é reconhecida no mercado pela fabricação de produtos cirúrgicos. Os
principais itens produzidos na unidade são: cânulas, materiais descartáveis
para injeções e insights.

A produção de cânulas é sequenciada por vários processos, sendo que


necessário a utilização de óleo XX no processo de trefilagem do material. O
óleo utilizado atualmente é armazenado em recipiente automático com
capacidade para XXX litros para transporte até o equipamento. O operador
insere o óleo no recipiente através de galões com auxílio de um funil.

Este recipiente de óleo

O recipiente (bandeja) de óleo localizado abaixo do engate


rápido é fixo e atualmente pequeno para a demanda de
trabalho do setor, o que gera alguns transtorno quando o
mesmo está cheio, pois transborda e causa contaminação
do solo, além de elevar os riscos de acidentes.
Como a empresa possui inspeção constante de qualidade,
através de seu comitê de boas práticas de fabricação, as
auditorias tem penalizado este ambiente, já que sempre
encontra o chão com resíduos de óleo.
A utilização deste óleo é realizada através da ligação entre
máquina de óleo e a conexão que vai até tubo desejado
antes do forno. O processo é realizado por um operador que
precisa acompanhar o começo e fim do trabalho, quando o
óleo chega ao tubo, preenchendo toda a mangueira interna
percebe-se uma pressão no início o que gera um pouco de
vazamento dentro do recipiente fixo, devido à falta de um
visor no recipiente de óleo e a dificuldade de remoção gera
o transbordo para o solo, já que a remoção é realizada por
equipamentos específicos e não disponível aos operadores.
A higienização é realizada quando algum colaborador do
setor ou da limpeza estão com tempo disponível.
A empresa espera melhorar este processo, minimizando os
impactos deste vazamento de óleo e aprimorar a utilização
deste equipamento.

A
Fechamento: Com isso o colaborador não consegue
visualizar transbordo de óleo no chão devido o tipo de
operação. Porque ele tem que fazer o acompanhamento
do material até fazer a ligação de um tubo a outro tubo.
Este óleo fica no chão ate que vem o colaborador
responsável pela limpeza do local, ou próprio
colaborador que faz essa operação.
Podendo geral um acidente de trabalho caso o óleo
fique no chão por um período maior que o uso do
equipamento. Podendo gerar um curto-circuito devido o
cabo de alimentação que passa no chão, mais o
desperdício de óleo.

RESTRIÇÕES O material que deve ser usado no processo deve ser em


aço inox e o acrílico.
IMAGENS

EXEMPLOS DE DEMANDAS CADASTRADAS NO SITE:

DESLOCAMENTO EXCESSIVO NA OFICINA DE USINAGEM MECÂNICA


Descrição resumida:
Excesso de deslocamento para preparação das máquinas operatrizes na oficina de
usinagem mecânica.

Benefícios esperados:
- Otimizar o uso das ferramentas na oficina de usinagem;

- Diminuir o tempo gasto na preparação das máquinas proveniente do excesso de


deslocamento até o local de armazenagem dos ferramentais.

Detalhamento:
O SENAI de Divinópolis se encontra no centro oeste do estado de Minas Gerais e
possui em seu entorno, aproximadamente, 5.648 empresas que empregam em torno de
61.359 empregados, sendo a área metalmecânica responsável pela ocupação de 4.120
empregados. A Unidade teve 841 alunos em 2019 distribuídos 18 áreas industriais nas
modalidades técnico e aprendizagem. Dos cursos oferecidos pela Unidade, o Técnico
em Mecânica e Aprendizagem em Usinagem Mecânica são os com maior número de
matrículas com 177 alunos matriculados no ano de 2019, que corresponde a 21% de
todas as matrículas nessas modalidades.

Atualmente, na oficina de usinagem mecânica da escola, o cenário de práticas


desenvolvidas pelos alunos exige um deslocamento excessivo dos alunos das máquinas
operatrizes (tornos, furadeiras, fresadoras, retificadora) até o armário fixo onde são
armazenados os ferramentais utilizados na preparação das máquinas, acarretando num
significativo acréscimo no tempo de setup dessas máquinas, comprometendo a
produtividade dos alunos nas tarefas desenvolvidas. Em dezembro de 2017, foi
implantado na oficina de usinagem mecânica da escola o Programa LEAN
MANUFACTURING, promovendo uma mudança no lay out da oficina, que acarretou
em melhorias de tempo e movimento na utilização das máquinas. Apesar da melhoria
significativa proporcionada com a implantação do sistema lean na oficina da escola,
ainda é perceptível a necessidade de ganhos de produtividade nas aulas práticas com a
redução da movimentação dos alunos na oficina.

Conforme análise do Diagrama de Espaguete, anexo, desenvolvido durante a


implementação do sistema lean, percebemos que o aluno ainda se desloca
excessivamente durante as tarefas desenvolvidas na oficina da escola. Os alunos passam
em média 10,5 horas das aulas práticas deslocando dentro da oficina, o que contribui
negativamente para as atividades que não agregam valor para o aprendizado dos alunos.
Todas as atividades que não agregam valores correspondem em média a 100 horas do
total de 545 horas de aulas práticas do curso, realizadas na oficina de usinagem
mecânica da escola. Portanto, cerca de 18 % das horas disponíveis para realização das
práticas são perdidas em atividades que não agregam valor, dentre elas, o deslocamento
excessivo na oficina.

Cabe informar ainda, que o acesso ao armário de armazenagem das ferramentas pode
ser realizado por mais de um aluno ao mesmo tempo. O próprio aluno se abastece dos
materiais e ferramentas no armário. Não existe uma pessoa com a função de almoxarife,
o próprio instrutor das aulas práticas orienta e supervisiona os alunos na aquisição de
materiais e ferramentas. O aluno é orientado a pegar no início das aulas práticas todas as
ferramentas e materiais a serem utilizados nas máquinas. Mas cabe ressaltar que muitas
ferramentas são compartilhadas entre eles. Não temos número suficiente de ferramentas
para todas as máquinas operatrizes que compõem a oficina de usinagem da Escola.

As principais máquinas operatrizes da oficina de usinagem mecânica da escola são: 12


tornos mecânicos convencionais, 01 torno CNC, 01 retificadora plana, 03 fresadoras e
03 furadeiras de coluna. Como as oficinas são compartilhadas com outros cursos da
escola, a disposição atual das máquinas foi o resultado do estudo do layout que atende
de forma mais eficiente a todas as necessidades.

Escola:
SENAI DIVINOPOLIS - CFP/ANIELO GRECO

Restrições (O que a solução não pode ter):


- Alto investimento;
- Alteração no atual lay out das máquinas da oficina de usinagem.
Processo de aquecimento de trilho para soldagem em tempo chuvoso ou à noite
Descrição resumida:
Durante a manutenção dos trilhos na via férrea, às vezes é necessário a substituição de
algumas peças de trilho, e muitas vezes esta operação está condicionada a um dia com
bom tempo, ou seja, um dia ensolarado pois uma boa soldagem depende de um pré
aquecimento dos trilhos a serem soldados o que pode elevar o custo da operação.

Benefícios esperados:
• Reduzir o tempo de soldagem dos trilhos;
• Reduzir os custos da operação de soldagem;
• Prevenir riscos de acidente;
• Reduzir o tempo de interrupção da via férrea para a substituição dos trilhos;
• Desenvolver um processo de baixo custo e maior eficácia.

Detalhamento:
Devido ao intenso tráfego na Estrada de Ferro Carajás (EFC) para o escoamento de
vários produtos como o minério de ferro, grãos variados, combustíveis, ferro gusa, entre
outros, torna-se necessário manter uma estrutura capaz de sanar de forma rápida e
eficiente as inúmeras situações que envolvem a manutenção dos trilhos.
Quando a equipe de manutenção precisa fazer a substituição de algumas peças de trilho,
muitas vezes esta operação está condicionada a um dia com bom tempo, ou seja, um dia
ensolarado pois uma boa soldagem depende de um pré aquecimento dos trilhos a serem
soldados o que pode elevar o custo da operação.
Este processo de soldagem, também conhecido como soldagem aluminotérmica ou
termítica, engloba um grupo de processos que utiliza o calor liberado por uma reação
exotérmica para viabilizar a soldagem. A exotermia da redução de um óxido metálico é
utilizada como fonte de energia para a soldagem, sendo que os óxidos usados são os que
possuem um baixo calor de formação, enquanto os agentes redutores são aqueles que
possuem alto calor de formação. As extremidades dos componentes a serem soldados
são colocados dentro de um molde, especialmente construído para as peças a serem
soldadas.
Para executar a soldagem aluminotérmica de trilhos, os topos destes devem apresentar
uma folga pré-determinada, em função do processo utilizado, bem como ser envolvidos
por fôrmas pré-fabricadas. Após o assentamento e vedação das fôrmas com massa
refratária, faz-se um pré- aquecimento com maçarico específico posicionado de tal
forma, que a chama penetre no topo da junta. O aço produzido em cadinho refratário, a
temperaturas acima de 2000ºC, é conduzido aos topos dos trilhos, dissolvendo-os e
unindo-os de forma homogênea. Depois de 4 a 5 minutos as fôrmas são retiradas e o
material excedente é rebarbado. Após o resfriamento a solda é esmerilhada de forma a
reproduzir o perfil do trilho.
A Vale S/A lançou um desafio aos alunos do SENAI para que propusessem melhorias
que venham a dinamizar os processos de soldagem à noite ou em dias chuvosos,
reduzindo custos e proporcionando aos colaboradores um ambiente satisfatório para a
execução de suas atividades.
Escola:
Centro de Educação Profissional e Tecnológica Rafael Lucchesi Ramacciotti

Restrições (O que a solução não pode ter):


As melhorias não podem causar impactos ambientais.