Você está na página 1de 5

“Como a alimentação interfere nas suas emoções”

Cátia Simionato- Coach de alimentação

Introdução

Quando trabalhei em um consultório como terapeuta holística, com


diversas modalidades de terapias energéticas, percebi que os meus clientes
vinham com um determinado problema, que em geral se traduzia em uma
questão emocional. Então, a pessoa tinha uma situação mal resolvida de
relacionamento, se trabalhava energeticamente, no entanto, após uma certa
melhora, a pessoa voltava ao consultório e a queixa era a mesma. Um dia,
resolvi conhecer uma casa chamada “Casa do Jejum”, na qual se faziam muitos
tratamentos, como lavagem intestinal, ingestão de chás, entre outras práticas
que promoviam a desintoxicação do organismo, por meio de uma dieta líquida.
Ao voltar desse lugar, notei que havia melhorado nas minhas questões
emocionais, algumas haviam desaparecido e outras estavam muito melhores
nesse quesito. Como deu certo para mim, comecei a propor para os meus
clientes uma desintoxicação, ao se fazer um detox, por uns dias, com uma dieta
líquida. Com o tempo percebi a relação, na prática, entre a desintoxicação e a
estabilidade emocional.
Em um certo momento de minha vida, tive um sério problema de saúde
e descobri, através de uma pessoa, que ingerindo alimentos vivos, de origem
vegetal apenas, os quais não chegam ao processo de total cozimento, sendo
consumidos ou crus ou até a temperatura de 40 a 42 graus, era um grande passo
para a saúde. Dessa forma, estudei mais sobre a alimentação viva e fiz algumas
modificações na minha própria dieta: tirei os produtos de origem animal que eu
consumia, tais como o leite, queijo, e comecei a consumir mais alimentos crus.
De fato, com tais mudanças melhorei do meu problema de saúde. Assim,
resolvi estudar a fundo o assunto e fui para os Estados Unidos estudar com um
médico que é considerado um dos Papas dessa vertente da alimentação viva, o
Doutor Gabriel Cousens. Após todo esse estudo eu comecei a entender que, de
fato, até mesmo cientificamente existe uma relação entre aquilo que você come
e como você se sente, como por exemplo, os problemas psicossomáticos, os
quais são gerados quando uma pessoa é muito negativa, tem pensamentos
autodestrutivos e assim acaba ficando doente, afetando seu ciclo somático.

3 Casos Somatopsíquicos

Ainda, se o indivíduo não se nutre direito, se vive uma vida de “cidade


grande”, dentro da poluição, tomando qualquer água, consumindo alimentos
que são cozidos em panela de alumínio, os quais são muito tóxicos, e se
nutrindo de produtos industrializados, o corpo fica em um estado constante de
estresse, porque ele tem que lidar com e esse nível alto de toxinas e o nível
baixo de nutrientes o tempo todo. É como se tivesse uma tensão constante na
questão física, o que interfere no estado emocional e mental. Assim, se
instauram os distúrbios psicossomáticos, cujo teor se inicia na psique e passa
para o corpo. E o contrário também é possível: problemas do corpo que passam
para a psique, para suas emoções, no chamado somatopsíquico. Nesse sentido,
vou compartilhar três estudos de caso, situações reais que aconteceram:

Caso número 1:

Uma mulher com aproximadamente 55 anos, chega no consultório com


crises de ansiedade que a levavam a ser uma pessoa agressiva, a ponto dela
agredir os outros; não só agressão verbal mas também agressão física. O
tratamento consistiu em uma terapia com um trabalho energético, sessão de
reiki e uma desintoxicação do organismo, por meio da alimentação viva: sucos
verdes, tais como o suco de clorofila. Ela ficou tomando suco de clorofila, caldo
de clorofila, durante uma semana e, depois de 5 dias, se fez um procedimento
específico chamado “limpeza do fígado e vesícula”. Durante o processo, não foi
fácil para ela, teve diversas crises de irritabilidade iniciais; no entanto, o
resultado desse tratamento fez ela parar de ter essas crises de agressividade
completamente, a ponto do companheiro dela me telefonar e dizer que se havia
feito um milagre.

Caso número 2:

Um homem perto dos 50 anos, com depressão e desânimo. Ele tinha


muita dificuldade de ir para o trabalho, se sentia cansado o tempo todo e,
apesar de ter uma companheira e família, o homem tinha aquele desânimo. No
final do dia, ele chegava em casa e sempre tomava algum tipo de álcool, sendo
alcoolismo mesmo, para quem bebe todos os dias. No caso dele, a
desintoxicação teria que ser do álcool e também no sentido de haver uma forte
desnutrição. Porque era uma pessoa que não tinha muito cuidado com a
comida, consumia muitos produtos industrializados, além do álcool todos os
dias. Dessa forma, a desintoxicação feita foi mais leve, simplesmente com
substituição de alguns alimentos. Por exemplo, se substituiu o consumo de
álcool por uma bebida que tem uma dosagem mínima de álcool, e que dá uma
sensação da pessoa ter tomado um álcool, chamada kombuchá, uma espécie de
chá (ou seja, uma bebida probiótica obtida tradicionalmente a partir da
fermentação do chá adoçado das folhas da planta Camellia Sinensis). Com isso,
foi um passo importante para melhorar sua alimentação, tirando os produtos
industrializados, para consumir mais produtos orgânicos, como os vegetais
crus. Ele começou a tomar também um suco verde todas as manhãs, antes do
café da manhã. O resultado: o estado de desânimo e depressão foi
gradativamente melhorando, com o acompanhamento de uma terapia, até sair
completamente da depressão, dispensando a medicação que ele tomava, ao que
se estabilizou ao longo de aproximadamente um ano.

Caso número 3:

Um homem perto do 53 anos, com Déficit de Atenção e acúmulo de


coisas, na casa, no escritório. Era um acumulador de coisas compulsivo: caixas,
livros, revistas e jornais. E por causa do Déficit de Atenção, ele possuía muita
dificuldade de terminar um trabalho iniciado. Qual era alimentação dele? Essa
pessoa consumia um pote de sorvete por dia, ao longo do dia, e de noite ele
comia pipoca e refrigerante. Também mascava chiclete e consumia balinhas.
Assim, era impossível que essa pessoa estivesse nutrida com tantos produtos
industrializados. Dessa forma, se removeu completamente o açúcar de sua dieta
alimentar, bem como ele reduziu o consumo de produtos animais. Os vegetais
crus foram a base da substituição, e se tirou ao máximo carne, leite e ovos. Após
30 dias, a esposa me ligou super feliz que o seu marido tinha organizado o
escritório e jogado fora muitas das suas caixas.
Em resumo, esses 3 casos são exemplos do somatopsíquico, de se estar
desorganizado em termos de emoções, por causa de uma base alimentar sem a
nutrição adequada. De fato, tudo está interligado no nosso corpo. Hoje em dia
há uma tendência de se compartimentar tudo, como as especializações médicas.
Só que o ser humano é um grande e complexo organismo, que tem um corpo
físico visível, mas tem também uma camada a mais, uma camada energética, do
ponto de vista mais holístico. O corpo físico pode estar com muita energia, pode
estar vibrando, animado, ou ele pode estar cansado, desanimado, sem
vitalidade. Por essa razão, somos corpo físico, com vitalidade, o qual se
emociona e pensa. E para aqueles que acreditam temos ainda um algo a mais
que é o espírito, o qual anima tudo isso. Todos são interligados. E, às vezes, só
em se fazer alguma mudança na alimentação, a mesma interfere no todo.
Além do mais, nós vivemos hoje uma era muito importante para a
humanidade, chamada de “A era da informação”. Porque está tudo muito fácil
de se conseguir, basta ir no famoso Google, e ele resolve praticamente todos os
nossos problemas. Portanto, há uma avalanche de informações com um
propósito: para que se tenha mais consciência de todas as coisas. Será a um
preparo para a próxima era: “A era da consciência”. Pela qual se vai começar a
entender que não adianta compartimentar, pois tudo é uma só grande unidade
o mundo é uma grande unidade e o ser humano também, em uma visão mais
holística e mais consciente de tudo.
Então, o modo como você trata o seu corpo se relaciona com outras áreas
da sua vida: o que você come interfere no modo como você se emociona e pens
e, ainda, se relaciona com a quantidade de vitalidade que você tem. E se a
pessoa se alimentar de produtos industrializados, os quais saíram de fábricas,
dentro de uma embalagem em que foram adicionados uma série de produtos
químicos, quando esse alimento chega na casa da pessoa ele não tem mais
vitalidade, mesmo que tenha sido adicionado vitaminas e minerais. A vida
desse alimento já sumiu. Assim, como fica a sua vitalidade? Um exemplo é se
alimentar de frango e ovos. Esse frango foi submetido à indústria do consumo
de aves, colocado numa sala muito pequena, sob estresse. E é dado a esse
animal uma série de antibióticos, ração, hormônios. As emoções desse animal
vão junto para seu prato porque tudo está interligado. Será que meu corpo se
sente pesado, intoxicado? Será que eu preciso de um pouco mais de vitalidade,
nutrição porque eu não tomei nutrindo direito o que que eu preciso e que
pequena?

“Seja um pesquisador de si mesmo, faça


da sua alimentação e do seu estado
emocional um pequeno laboratório que
você explora”
Segundo o Doutor Gabriel Cousens, há estudos que comprovam que, no
caso de crianças hiperativas, quando você tira completamente os produtos
industrializados da alimentação delas, naturalmente essas crianças se acalmam.
Então tudo isso é para se pensar um pouco, e elevar a consciência de nossas
vidas, no que tange à alimentação saudável.