Você está na página 1de 10

Índice

A visã o de Presidente sobre a atuaçã o do Treinamento e Desenvolvimento nas


organizaçõ es: O case Natura............................................................................................................. 3
A educaçã o como valor da vida........................................................................................................ 3
Desenvolvimento integral como inspiraçã o............................................................................... 4
Arquitectura de educaçã o da Natura........................................................................................ 5
Formaçã o dos líderes do futuro....................................................................................................... 6
Educaçã o transversal........................................................................................................................... 7
Nossos resultados e novos desafios............................................................................................... 7
Conclusã o.................................................................................................................................................. 9
Referências Bibliográ ficas............................................................................................................... 10
Introdução
Falar de treinamento e desenvolvimento, é falar de uma ferramenta bastante
importante para o crescimento das organizaçõ es e dos indivíduos que nelas fazem
parte. Uma organizaçã o que nã o forma os seus recursos humanos, é uma
organizaçã o estagnada e sem dinamismo fazendo com que posteriormente seja
improdutiva no mercado em que está inserida. Este trabalho visa trazer uma
perspectiva de um presidente acerca do treinamento e desenvolvimento na sua
companhia, companhia esta denominada por Natura, para a sua construçã o usou-
se a revisã o bibliográ ficas fazendo o uso de teses apresentadas por autores em
vista a destacar o tema em destaque neste trabalho.
Portanto, a visã o do presidente acerca do treinamento e desenvolvimento é uma
ó ptica geral da organizaçã o acerca a deste ferramenta aplicada naquilo que é o
recurso mais importante de uma organizaçã o ‘’as pessoas”, portanto, esta visã o do
presidente começa por destacar a educaçã o como um elemento essencial na vida, e
abordando também aspectos inspiracionais no desenvolvimento integral, e
passando também a destacar a formaçã o de seus líderes e por ú ltimo a educaçã o
transversal.

2
A visão de Presidente sobre a atuação do Treinamento e Desenvolvimento
nas organizações: O case Natura
Com uma responsabilidade que ultrapassa a atuaçã o empresarial, acreditamos que
as empresas podem gerar uma influência muito positiva ao formar líderes do
futuro alinhados a valores colectivos para conduzir a transiçã o para um mundo
mais sustentá vel (Abreu, 2006).

Na Natura, a proposta de educaçã o corporativa é fundamentada nos princípios do


desenvolvimento humano e da integralidade, que sã o similares e complementares
aos quatro pilares da UNESCO.

A educação como valor da vida


Na visã o de Boog e Boog (2013), a educaçã o é a força transformadora capaz de
promover a mudança necessá ria para o desenvolvimento mais justo e igualitá rio.
Ela é a chave para construir as bases para um futuro sustentá vel, fazendo emergir
a civilizaçã o mais integrada, que valoriza a convivência, a cooperaçã o e as soluçõ es
colectivas e colaborativas em favor de um bem comum.

Para explicar nossa abordagem em educaçã o é importante reforçar as premissas


que embasam toda actuaçã o da Natura, pois temos um comportamento
empresarial pautado pelo desenvolvimento sustentá vel e pela qualidade das
relaçõ es que estabelecemos com todos os pú blicos com os quais nos relacionamos.
Essa forma de pensar e agir é expressa em essência: nossa razã o de ser é criar e
comercializar produtos que promovam o bem-estar, a relaçã o harmoniosa do
individuo consigo mesmo, e o estar bem, a relaçã o com o outro, a natureza, o todo.
Já nossa visã o nos impulsiona a construir uma marca de expressã o mundial,
identificada com pessoas comprometidas com um mundo melhor, pois
acreditamos que a empresa é um organismo vivo, um dinâ mico conjunto de
relaçõ es (Boog & Boog, 2013).

Esse contexto é um elemento diferenciador da nossa marca e está presente em


nossas acçõ es de educaçã o, de forma que sejamos capazes de atrair e desenvolver
pessoas com valores alinhados aos nossos e identificadas com os objectivos futuros
da Natura.

3
Outro pilar fundamental em nossa plataforma é promover a educaçã o para a
sustentabilidade como forma de impulsionar uma cultura transformadora, quer
promova a excelência em nosso negó cio e ajude a formar indivíduos conscientes e,
portanto, capazes de promover uma sociedade mais justa e sustentá vel. A
compreensã o desses conceitos por toda a Natura, por si só , é um desafio (Boog &
Boog, 2013 e Andrade et al. 2006).

Nosso propó sito de educar tem, ainda uma visã o ampliada e inclui os principais
pú blicos com os quais nos relacionamos. Nosso modelo de negó cio nos coloca em
relacionamento directo com uma rede de 1.5 milhã o de consultoras e consultores
Natura (CNs), que sã o, por sua vez, nossa ligaçã o com os milhõ es de consumidores
da marca. Por esse canal, podemos transmitir nossas crenças, como valor que
damos à sustentabilidade, e, dessa forma, contribuir para a evoluçã o que
desejamos ver na sociedade. Esses sã o de facto, objectivos audaciosos, mas
entendemos que a formaçã o de indivíduos conscientes é o ponto de partida para a
promoçã o das transformaçõ es que esperamos ver no mundo (Andrade et al. 200,
Boog & Boog, 2013).

Desenvolvimento integral como inspiração


Para dar conta dessa complexidade, construímos uma nova arquitectura de
educaçã o em 2010, redefinindo todos os componentes de educaçã o corporativa da
Natura (princípios e direcionadores, modelo pedagó gico, mapa de educaçã o e
governança). Trata-se, em suma, de uma grande matriz educacional que aponta os
temas a serem trabalhados e a proposta de educaçã o na qual devemos atuar.
Inspirados pela teoria integral, desenvolvida pelo pensador norte-americano Ken
Wilber, uma visã o que encontrou muita sinergia com a nossa razã o de ser e nossas
crenças, desenvolvemos uma estratégia de educaçã o corporativa que considera o
ser humano em toda sua complexidade. Wilber integra todas as á reas de
conhecimento tais como ciência, arte, ética, espiritualidade e autoajuda para
definir as premissas que devem ser consideradas para compreender e melhor
desenvolver todos os potenciais humanos (Boog & Boog, 2013).

Qualquer intervençã o de educaçã o na Natura também deve considerar que


teremos participantes de diferentes níveis de maturidade e forma de
aprendizagem, por isso, sã o elaboradas acçõ es que proporcionam o crescimento

4
nos diversos temas ou competências para todos. Ao respeitar o nível de
aprendizado de cada colaborador, nó s o valorizamos como indivíduo, criando um
ambiente propicio para que ele possa alcançar resultados ainda melhores (Abreu,
2006).

Na ideia de Boog e Boog (2013), A nossa pedagogia considera a existência de


inteligências mú ltiplas (cognitiva, emocional, musical e sinestésica). Estudos
apontam que a maioria das pessoas se sobressai em apenas uma ou duas dessas
dimensõ es da inteligência, e devemos identificar os pontos que necessitam ser
trabalhados para podermos planejar nosso desenvolvimento futuro.

É difícil encontrar uma base comum, principalmente em grupos heterogêneos


unidos unicamente pelo facto de trabalharem em uma mesma empresa ou por
serem fornecedores de uma mesma companhia. Esse direcionamento e
especialmente relevante para a Natura, que valoriza as relaçõ es e actua com
pú blicos de diferentes perfis em busca de novas soluçõ es e incentiva o pensar de
forma inovadora.

O resultado final foi uma proposta abrangente que baliza nossos valores e
estratégias. A arquitectura foi construída de forma colaborativa, com a
participaçã o de colaboradores e parceiros externos, também nos apoiamos em
teorias de diversos educadores para subsidiar a fundamentaçã o, de entre os quais
Lev S. Vigotsky, Paulo Freire, Celestin Freinet, Edgar Morin, Fritjof Capra e já
citado, Ken Wilber. Levamos em consideraçã o também os 4 pilares de educaçã o da
Unesco: saber fazer, saber ser, saber conviver e saber conhecer ( Boog & Boog,
2013).

Arquitectura de educação da Natura

Princípios
- Criaçã o de ambientes e conteú do de aprendizagem em linha com e essência
Natura.
- Criaçã o de ambientes que propiciem a aceleraçã o d aprendizagem por meio da
cocriaçã o e do desafio continuo.
- O processo de aprendizagem integral para os indivíduos permite o
aperfeiçoamento continuo da organizaçã o na conquista de resultados
econô micos, sociais e ambientais superiores.

5
- Garantia de que a aprendizagem se entrelace de forma indissociá vel aos
negó cios.
- A conexã o entre o aprendizado e o desafio prá tico deve nortear a educaçã o.
- A educaçã o extrapola as fronteiras da organizaçã o.
- Autoconhecimento como base do desenvolvimento.
- O aprendizado deve ser transversal (entre hierarquias e publicos), em que
todos ensinam e aprendem, fazendo e experimentando de forma simples e
rá pida.
- Educaçã o é um veículo de desenvolvimento e expansã o do nível de maturidade
e consciência, da atitude e da atuaçã o para as relaçõ es, a organizaçã o e
processos.
Direcionadores
- Sermos diferenciados em nossa aprendizagem porque nossas acçõ es mplicam
resultados para o negó cio, conexã o para s demais stakeholders,
autoconhecimento como pilar, inovaçã o nas abordagens e excelência
operacional.
- Nosso papel é desenvolver indivíduos alinhados a essência Natura, com
oportunidades para cocriaçã o, inclusã o e negó cios.
- Desejamos ter na natura um estrutura especifica para dar diretrizes sobre
educaçã o e um conselho de educadores, que atuará como guardiã o da estratégia,
dos princípios e dos direcionadores.
- As acçõ es de educaçã o da Natura, como funçã o de investimento social privado,
que tiverem interseçã o com acçõ es de interesses corporativos devem estar
integradas a arquitectura de educaçã o.
- Desejamos estabelecer e formar uma equipe de educadores com papekl de
buscar parcerias e desenvolver conteú dos específicos e diferenciadores da
Natura.
- Avançar na utilizaçã o da tecnologia de informaçã o como canal de
aprendizagem em especial para treinamentos com grande abrangência.
Fonte: Boog e Boog, 2013.

Formação dos líderes do futuro


Investimos fortemente na formaçã o e no desenvolvimento constante das nossas
lideranças, de forma que eles se tornem referência dos comportamentos desejados
pela empresa, inspirando, mobilizando e capacitando nossa rede de
relacionamentos a buscar resultados individuais e colectivos.

6
Na ó ptica de Boog e Boog (2013) e Andrade et al. (2006), Para fazer frente ao
desafio de sustentar nosso crescimento e à necessá ria formaçã o de lideranças e
sucessores sem nos distanciarmos da nossa essência e da nossa razã o de ser,
elaboramos um programa pró prio de desenvolvimento de líderes: O cosmos, que
teve início em 2011 e já treinou 60% dos gestores da companhia. Alinhado a nossa
arquitectura de educaçã o, o programa prevê o acesso dos nossos colaboradores a
uma diversidade de pensamentos e estilos, de maneira a contribuir para a
qualificaçã o das competências e, também, gerar ampliaçã o da consciência de cada
indivíduo.

Por sua relevâ ncia estratégica, o cosmos foi desenvolvido por um grupo de cerca
de 80 pessoas, entre profissionais e executivos da Natura, o conselho de
administraçã o e uma consultoria externa. De forma paralela também
desenvolvemos programas de coaching e mentoring. Nestes ú ltimos os gestores
sã o acompanhados e aconselhados pela diretoria executiva e pelo conselho de
administraçã o, mantemos ainda um programa de trainees para atrair e
desenvolver talentos e líderes globais (Boog & Boog, 2013).

Educação transversal
O facto de trabalharmos por meio de venda directa envolve em nossos negó cios,
além dos cerca de 7 mil colaboradores, mais de 1.5 milhã o de consultoras e
consultores da Natura, no Brasil. O desenvolvimento das consultoras vai além de
mó dulos de capacitaçã o técnica e inclui uma vivencia mais profunda dos conceitos
atrelados a nossos produtos e serviços e, também acçõ es de conscientizaçã o sobre
impostos socioambientais da empresa e da nossa atuaçã o como cidadã os (Boog &
Boog, 2013).

Nossos resultados e novos desafios


Com uma trajectó ria de quase 50 anos, reforçamos a ligaçã o dos princípios e
valores da Natura ao seu comportamento empresarial. Esses conceitos sã o
diferenciadores do nosso negó cio, e transmiti-los é tã o fundamental para a
perenidade da empresa como alcançar metas estratégicas e financeiras (Boog &
Boog, 2013).

Evoluímos significativamente em nossos processos de educaçã o nos ú ltimos 3 ano.


O investimento em desenvolvimento de pessoas vem apresentando avanços, como

7
aceleraçã o da carreira dos líderes com alto potencial e a aquisiçã o de novas
competências. Também temos indicadores que nos ajudam a criar programas de
educaçã o mais eficientes, como avaliaçã o de satisfaçã o dos colaboradores em os
treinamentos, segundo dados de 2012, nossos treinamentos foram bem recebidos,
com índices de satisfaçã o em cerca de 90%.

8
Conclusão
A visã o do presidente da Natura sobre a actuaçã o do treinamento e
desenvolvimento é das melhores, com o treinamento e desenvolvimento dos
colaboradores, a Natura conseguiu superar-se no seu mercado de actuaçã o,
melhorando os seus serviços significativamente e subindo os índices dos níveis de
satisfaçã o face aos seus pú blicos.

Estes resultados obtidos pela Natura, mostram que a arquitectura de educaçã o da


Natura foi bem desenhada e supriu as necessidades enfrentadas pela Natura e
pelos usuá rios dos seus serviços, sendo assim, é importante que os programas de
educaçã o corporativa sejam bem projetados e no momento da sua projeçã o,
estejam envolvidos indivíduos de todos os níveis da organizaçã o. A Natura adopta
vá rias formas de educaçã o, fazendo o uso racional destas formas de educaçã o e
tudo em busca de resultados melhores e qualidade naquilo que ela faz, portanto
treinar e desenvolver pessoas é investir no futuro da empresa e construir uma
grande vantagem face a concorrência.

9
Referências Bibliográficas
Abreu, R. C. L. (2006). Treinamento e desenvolvimento: uma abordagem
organizacional por gerenciamento de projectos. Rio de Janeiro, Brasil:
QualityMark.
Andrade, J. B., Abbad, G. S., e Mourã o, L. (2006). Desenvolvimento e educação em
organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas. Sã o Paulo,
Brasil: Artmed Editora.
Boog, G. G., & Boog, M. (2013). Manual de treinamento e desenvolvimento e
desenvolvimento: gestão e estratégias (6ª. ed.). Sã o Paulo, Brasil: Pearson.

10