Você está na página 1de 1

Gustavo Luís Menin

Engenharia Civil, Noturno A.


Geologia do Brasil
A distribuição geográfica dos diferentes tipos de rochas no território brasileiro é consequência de
processos tectônicos na crosta terrestre, que ocorrem desde os primórdios da história (Arqueano) até o
presente. Os antigos núcleos ou placas, através dos processos mencionados, limitam-se pelas zonas de
fraqueza crustal, conhecidas por geossuturas (suturas), das quais ocorreram rupturas (Proterozoico),
causando desagregação parcial do megacontinente primitivo. Estes processos de colisões e desagregação
ocorrem até hoje, onde no período Mesozoico, redundou a atual distribuição dos continentes do planeta.
Como consequências desse conjunto de fenômenos, as rochas pré-cambrianas consolidaram-se servindo
de substratos à acumulação e deposição das rochas fanerozoicas nas bacias sedimentares, na qual é
caracterizadas de duas províncias geotectônicas, o Embasamento Cristalino ou Pré-Cambriano e as Bacias
Sedimentares.
Quantos ao Embasamento Pré-Cambriano pelo ambiente tectônico e do grau de metamorfismo, podem
ser:
Complexos de Alto Grau (Cinturões Granulíticos): provém de grandes profundidades, rochas de
alto grau de metamorfismo, apresentam textura equigranular grossa com cristais de feldspato e piroxênios
ou anfibólios. Quando sãs e pouco fraturadas, constituem maciços de boa qualidade, mecânica e
hidráulica, para obras de barragens de concreto. Desprovidas de quartzo, causam menos desgaste às
ferramentas, prestando ainda como materiais pétreos de construção.
Escudos Gnáissico-Granitoides de Médio Grau: cristais mais antigos, consolidados na superfície
terrestre, são blocos crustais primevos. A constituição predominante é gnáissica, migmatítica e granitoide,
existindo xistos, quartzitos, calcários, entre outros. Tendo em vista suas boas qualidades geomecânicas e
hidráulicas, quando sãs e pouco fraturadas, são usadas como maciços de fundações de engenharia e como
material pétreo, porém se alteradas causam grandes problemas. Possuem característica anisótropas, sendo
poucas propícias à utilização de agregados.
Sequências de Xistos Verdes: primeiras bacias sedimentares, quando ocorrem em regiões como o
Quadrilátero Ferrífero, possui alto potencial em recursos minerais, cuja exploração demanda drenagens,
barramentos, escavações a céu aberto e subterrâneas, etc. Há presença de rochas como, filitos, gnaisses,
granitos, conglomerados, ácidas, básicas, etc.
Faixas Vulcano- Sedimentares Dobradas e Metamorfizadas: preenchimento Vulcano- sedimentar
de bacias crustais. Possui constituição litológica diversificada como, micaxistos, quartzitos, filitos,
calcários, mármore, entre outras. A maioria dessas rochas é portadora de forte anisotropia.
As Bacias fanerozoicas podem ser:
Bacia do Amazonas: Composta por duas sequências de rocha, uma paleozoica, e outra mesozoica,
constituídas por arenitos, folhelhos e siltitos.
Bacia do Alto Tapajós: Constituídas por arenitos, arcósios, siltitos, folhelhos, argilitos, entre outras.
A baixa qualidade dessas rochas pode ser pouco atenuada, os quais poderão constituir fontes de matéria
pétrea e áreas de empréstimo.
Bacia Parecis- Alto Xingu: Sequência de arenitos, conglomerados, siltitos e argilitos, podem ser
introduzidas obras de engenharia como, estradas e pequenos aproveitamentos hidrelétricos.
Bacias do Parnaíba e Recôncavo- Tucano: Constituídas por arenitos, folhelhos e calcários com
níveis de sílex. Usadas como material pétreo e enrocamento, quando fortemente silicificados.
Bacia do Paraná: Possui potencial hidro energético, possuindo a segunda maior usina hidrelétrica do
mundo - Itaipu, constituída de rochas basálticas, arenitos grosseiros, conglomerados e siltitos.
Bacias Costeiras: Constituídas de calcários, vazas argilitos e evaporitos. Os interessas da engenharia
estão aos problemas geotécnicos decorrentes da exploração petrolífera submarina, relativos à estabilidade
das plataformas exploratórias e dutos.
Os Depósitos Cenozoicos recobrem vastas regiões do Brasil, e podem ser:
Depósitos e coberturas terciárias: Encontram-se na Região Norte, sustentados por baixos relevos
com drenagem encaixada, esculpidos em argilitos, siltitos e arenitos, oferecem condições favoráveis ao
seu aproveitamento, como areias e argilas à construção civil.
Depósitos Quaternários: Estão associados aos atuais processos de sedimentação, constituídos pelo
mar, lagos e rios, podendo transpor suas áreas de atuação. Caracterizados por baixo grau de consolidação,
constituem a principal fonte de areia para construção e, na falta de áreas para instalação de pedreiras, o
agregado pode ser obtida partir de cascalhos aluvionares.
A Atividade Sísmica é a manifestação neotectônica mais marcante e melhor documentada, na qual
ocorre liberação de energia mecânica, decorrente dos esforços intraplaca, pode ser induzida por cargas de
reservatórios de água, ondas sísmicas, etc. A sismicidade intraplaca representa riscos às construções,
podendo provocar rachaduras ou movimentação das estruturas.

Você também pode gostar