Você está na página 1de 8

TEOLOGIA - A DOUTRINA DE

DEUS

01-QUEM É DEUS?
Deus é Espírito, o Criador de todas as coisas. Criador do Universo, Criador dos
homens, dos anjos, dos animais, de todos os elementos da Natureza, exemplos de
água, ar e luz (Gênesis 1; João 4.24).

02 - QUAIS OS ATRIBUTOS DE DEUS ?


Atributos são as qualidades inerentes a Deus, próprias dEle. Dividem-se em dois:
atributos incomunicáveis, que não podem ser transferidos ao homem
(ONIPRESENÇA, ONISCIÊNCIA, ONIPOTÊNCIA, INFINITUDE e
IMUTABILIDADE); atributos comunicáveis, os que podem ser transferidos ao
homem (AMOR, SANTIDADE, JUSTIÇA, VERDADE). (Êxodo 3.14; Provérbios
5.21; 15.3; Atos 15.17-18; Tiago 1 17; Salmos 139.1-12; 147.13-18).

03 - QUER DIZER QUE DEUS NÃO TEM MÃE?


Nem pai. Deus é um Ser incriado, isto é, que existe sem Ter sido criado.

04 - COMO PROVAR A EXISTÊNCIA DE DEUS?


Conforme nos mostra Paulo em Romanos. 1.20, todas as coisas criadas sejam seres
animados ou inanimados e o próprio Universo, mostram que somente um ser
superior poderia criar todas estas coisas. Ainda no Salmos. 19. 1, o salmista
declara que "Os céus proclamam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra
de suas mãos".

05 - COMO PODEMOS FALAR COM DEUS?


Em Mateus. 6.6 Jesus nos diz; "Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto, e,
fechada a porta, orarás a Teu Pai,..." Orar é falar com Deus e não apenas falar
mas também ouvi-lo. Devemos falar com Ele como se fala a um Pai, pois Ele é
nosso Pai (João. 1.12). A oração é a forma de nos comunicarmos com Deus.

06 - O QUE SIGNIFICA SANTÍSSIMA TRINDADE ?


Há um só Deus em três pessoas distintas: o Pai é Deus; o Filho é Deus; o Espírito
Santo é Deus. Embora na Bíblia não haja a expressão "Santíssima Trindade", a
doutrina cristã do Deus trino está evidente em várias passagens das Escrituras. No
batismo de Jesus, por exemplo, ouviu-se a voz do Pai: "Tu és o meu Filho amado
em quem me comprazo" (Marcos 1.11). João Batista disse: "Eu vi o Espírito
descer do céu como pomba e permanecer sobre Ele" (sobre Jesus) (João 1.32). Aí
temos, portanto a manifestação das três pessoas da Trindade. A Trindade, ou seja,
as três pessoas subsistentes em um só Deus, constitui um dos maiores mistérios da
Divindade. Não pode ser entendida nem explicada à luz da lógica humana. A
infinitude de Deus não cabe na finitude do homem.(Gênesis 1.1-2; 1.26; 3.15; João
1.1-14
07- QUAL A DIFERENÇA ENTRE CRIATURAS DE DEUS E FILHOS DE
DEUS?
Deus é o Criador de todas as coisas, Criador dos homens e de tudo que há no
Universo. Logo, os homens são CRIATURAS DE DEUS. Os homens somente
passam à condição de FILHOS DE DEUS quando nascem de novo, ou seja, quando
se arrependem de seus pecados e os deixam, crêem no Senhor Jesus e O aceitam
como Senhor e Salvador: "Mas a todos os que O receberam, aqueles que crêem no
Seu nome, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, filhos nascidos não do
sangue, nem da vontade do homem, mas de Deus" (João 1.12-13; Mateus 5.9; 5.45;
Romanos 8.14; 1 João 3.1).

08- QUAIS AS ALIANÇAS DE DEUS?


Aliança significa pacto, acordo, ajuste, concerto. Teologicamente, diz respeito a
concerto entre Deus e o seu povo. O Antigo Testamento é chamado Antiga Aliança.
E o Novo Testamento, Nova Aliança. O nosso Deus é Deus de alianças. Através
delas, Ele, pelo seu imenso amor, nos dá a garantia de muitas bênçãos, se houver fé
e obediência. A iniciativa do concerto sempre foi de Deus, que estabelece as
condições. Vejamos:

CONCERTO COM ADÃO


A primeira aliança Deus fez com Adão e Eva, no Éden: deu-lhes a Terra e pleno
domínio sobre os animais; deu-lhes fartura de alimento, abençoou-os e disse-lhes
que deveriam frutificar e multiplicar. Mas estabeleceu condições: Não deveriam
comer do fruto da árvore da ciência do bem e do mal. O princípio da obediência
estava criado. Se comessem da árvore proibida, morreriam. Desobedeceram,
quebraram a aliança, e experimentaram imediatamente a morte moral e espiritual,
e, depois, a morte física. Convém lembrar que em todos os concertos há promessas
de bênçãos, mas há a contrapartida da fé e fiel obediência. (Gênesis 1.27-30; 2.16-
17; 3.2-20). Aliança adâmica ou edênica é como é conhecida a aliança com Adão.

CONCERTO COM NOÉ


Após o dilúvio, do qual se salvaram Noé e sua família, num total de oito pessoas
(Gênesis 7.13), Deus falou: "Convosco estabeleço o meu concerto, que não será
mais destruída toda carne pelas águas do dilúvio e que não haverá mais dilúvio
para destruir a terra". Como sinal perpétuo dessa aliança Deus deixou o arco
sobre as nuvens, conhecido como arco-íris. (Gênesis 9.11-17). Chamada aliança
noética.

CONCERTO COM ABRAÃO


O concerto entre Deus e Abraão - aliança abraâmica - foi chamado "concerto
perpétuo", porque extensivo às gerações vindouras e já apontando para o Reino
Eterno de Cristo (Gênesis 17.7). Como parte da aliança Deus prometeu fazer de
Abraão uma grande nação, e abençoar todas as famílias da terra através dele
(Gênesis 12.2-3); dar a terra de Canaã aos seus descendentes, que seriam
grandemente multiplicados: "E te farei frutificar grandissimamente e de ti farei
nações, e reis sairão de ti" (Gênesis 12.7,15; 13.16; 15.5; 17.2,6,7,8,9). O concerto
foi feito com Abrão, nome mudado por Deus para Abraão (pai da multidão)
(Gênesis 17.39). Como parte da aliança, Abraão deveria circuncidar todos os
machos, filhos e servos sob sua autoridade, como selo do conserto, e de aceitação de
Deus como Senhor (Gênesis 17.10-14, 23). Deus prometeu estender a aliança a
Isaque, o filho da promessa que iria nascer (Gênesis 17.16,19).

CONCERTO COM ISAQUE


Os termos da aliança foram renovados em Isaque: "Serei contigo e te abençoarei...
multiplicarei a tua semente como as estrelas dos céus e darei à tua semente todas as
terras. E em tua semente serão benditas todas as nações da terra. Eu sou o Deus de
Abraão, teu pai. Não temas, porque eu sou contigo, e abençoar-te-ei, e
multiplicarei a tua semente por amor de Abraão, meu servo" (Gênesis 26.2-5,24).

CONCERTO COM JACÓ


"Eu sou o SENHOR, o Deus de Abraão, teu pai, e o Deus de Isaque. Esta terra em
que estás deitado te darei a ti e à tua semente. E tua semente será como o pó da
terra... e em ti serão benditas todas as famílias da terra" (Gênesis 28.13-14). As
alianças de Deus com seu povo provam que Ele é fiel à sua palavra. Para
recebermos as bênçãos prometidas, fé e obediência são indispensáveis.

CONCERTO COM OS ISRAELITAS


Passados uns três meses da saída do Egito, Deus falou ao seu povo através de
Moisés, ao sopé do monte Sinal (Horebe), para, basicamente, renovar e relembrar
os termos do concerto com Abraão, Isaque e Jacó: a) a terra de Canaã seria deles;
b) Deus seria o único Deus de Israel; o povo assumiria o compromisso de guardar
suas leis e mandamentos; c) seriam castigados em caso de desobediência (Êxodo
6.3-8; 19.4-6; 23.20-25). Uma promessa que deve ser guardada no coração:
"Agora, se diligentemente ouvirdes a minha voz, e guardardes a minha aliança,
sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos...vós me sereis reino
sacerdotal e nação santa" (Êxodo 19.5-6). O pacto foi fechado quando o povo
declarou: "Tudo o que o Senhor falou, faremos" (Êxodo 24.3). Deus requer de nós
o firme propósito de acatarmos os termos de sua aliança. As leis que deveriam ser
obedecidas eram a lei moral (aqui incluídos os Dez Mandamentos), a lei civil, a lei
cerimonial.

RENOVAÇÃO DA ALIANÇA NAS PLANÍCIES DE MOABE


Antes da entrada na terra prometida, e após percorrerem o deserto durante 39
anos, os termos do concerto foram relembrados. A finalidade era de dar
conhecimento das promessas divinas aos que nasceram durante a peregrinação, e
fortalecer espiritualmente o povo para enfrentar o desafio conquistar a nova terra
(Deuteronômio 4.44-26.19; 31.1-33.29). Os capítulos 27 e 28 tratam das maldições e
das bênçãos decorrentes da rebeldia ou da obediência.

CONCERTO COM DAVI


O resultado mais imediato da aliança davídica foi o estabelecimento do reino do
filho de Davi, Salomão, que deveria edificar um templo para o Senhor (2 Samuel
7.11-13); o reinado de Davi passaria aos seus descendentes: "Fiz aliança com o
meu escolhido; jurei ao meu servo Davi: a tua descendência estabelecerei para
sempre e edificarei o teu trono de geração em geração" (Salmos 89.3-4). A
condição para o cumprimento dessas bênçãos seria a fiel obediência de Davi e de
seus descendentes. A vinda de um Rei messiânico e eterno, da linhagem de Davi,
estava implícito nesse concerto (Isaías 9.6-7). "Do trono de Jessé brotará um
rebento, e das suas raízes um renovo frutificará (Isaías 11.1; Miquéias 5.2-4). Esse
novo Rei seria chamado "O SENHOR, Justiça Nossa" (Jeremias 23.5-6).

A NOVA E ETERNA ALIANÇA EM CRISTO


A promessa de uma nova aliança está em Jeremias 31.31-33: "Vêm dias, diz o
Senhor, em que farei uma aliança nova com a casa de Israel e com a casa de Judá...
porei a minha lei no seu interior, e as escreverei no seu coração. Eu serei o seu
Deus, e eles serão o meu povo." A nova aliança foi selada com o sangue de Jesus,
com seu sacrifício voluntário, com sua morte expiatória: "Isto é o meu sangue, o
sangue da nova aliança, que é derramado por muitos, para remissão de pecados"
(Mateus 26.28). A nova aliança é superior à antiga: "Mas agora alcançou ele
ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de UM MELHOR
CONCERTO, que está confirmado em melhores promessas" (Hebreus 8.6). E as
melhores promessas são: os que se arrependem têm seus pecados totalmente
perdoados (Hebreus 8.12); um novo coração e uma nova natureza recebem aqueles
que verdadeiramente amam e obedecem a Deus (Ezequiel 11.19-20); são recebidos
como filhos de Deus (Romanos 8.15-16); têm experiência maior em relação ao
Espírito Santo (Joel 2.28; Atos 1.5,8).

Como vimos, de aliança em aliança Deus prosseguiu na execução do seu plano de


salvação dos homens, sempre oferecendo novas oportunidades. A primeira
manifestação desse plano está em Gênesis 3.15: "E porei inimizade entre ti e a
mulher, e entre a tua descendência e o seu descendente; este te ferirá a cabeça, e tu
lhe ferirás o calcanhar." Para isso, "Deus mandou o seu Filho unigênito, para que
todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna."(João 3.16). Já não é
mais necessário sacrifício de animais para reparar nossas culpas, como no antigo
concerto. O sangue do "Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo"
manifestou-se por um ato único, perfeito e eficaz; o sacrifício voluntário de uma
pessoa sem pecado - Jesus Cristo, que abriu o caminho da reconciliação do
pecador com Deus.

09- DEUS TEM SETE ESPÍRITOS? QUAIS SÃO?


Em Apocalipse 3.1 lê-se: “E ao anjo da igreja que está em Sardes escreve: Isto diz
o que tem os sete Espíritos de Deus e as sete estrelas”. É evidente que Deus não
possui sete Espíritos. Em algumas versões a palavra ESPÍRITOS está no singular e
em minúsculas. Esta passagem não pode ser interpretada em sua forma literal. O
Novo Comentário da Bíblia, volume II, Edições Vida Nova, registra o seguinte
comentário de Kiddler: “Quando reconhecemos que o ‘sete’ em cada caso tem a
idéia de unidade e integridade, ao invés de diversidade, de tal modo que devemos
pensar dum só Espírito e de uma só Igreja, em vez dos sete Espíritos e das sete
igrejas, então temos em vista uma possível solução... Os sete Espíritos e as sete
estrelas desta forma significam o Espírito profético e o caráter celeste da Igreja,
que o Espírito vivifica”.

10- QUEM EXISTE NO CÉU? NO LUGAR QUE DEUS ESTÁ?


O Céu é a habitação de Deus ( Pai, Filho e Espírito Santo), dos santos anjos e dos
que morreram na fé em Cristo. Para lá irão também todos os crentes em Jesus,
pois a Palavra diz: “Todo aquele que vive e crê em mim, nunca morrerá” (João
11.26). Jesus disse ao ladrão na cruz: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo
no Paraíso” (Lucas 23.43). Paulo declara: “Mas de ambos os lados estou em
aperto, tendo desejo de partir e estar com Cristo, porque isto é ainda muito
melhor” (Filipenses 1.23). Somos cidadãos do Céu. A Terra é uma morada
provisória. Nossa verdadeira cidadania está no Céu (1 Pedro 2.11). Embora ainda
estejamos nesta vida terrena, temos estreita ligação com o Céu, nossa última
morada: conversamos diariamente com nosso Pai; nossos nomes estão escritos nos
livros do Céu; somos protegidos pelos anjos de Deus; o Espírito Santo está em nós;
somos o Corpo de Cristo; Cristo nos outorgou poderes para fazermos as mesmas
obras que Ele fez na Terra; nossos atos são regulados segundo o padrão da Palavra
de Deus; somos filhos de Deus, “e, se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros
também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele
padecemos, para que também com ele sejamos glorificados” (Romanos 8.17).

11- COMO ENTENDER O JULGAMENTO DE DEUS?

Seremos julgados e/ou justificados (salvos) somente por Deus?


Romanos 8:33: "É Deus quem os justifica".
Efésios 2:8-9: "É pela graça que sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é
Dom de Deus - não das obras, paraque ninguém se glorie.

RESPOSTA:
É claro que somente Deus pode julgar. Jesus é o Justo Juiz que julgará com justiça
(Atos 10.42). Veja o exemplo de um rio: é preciso que exista o leito (a fé) para a
água fluir (a graça).

somente pela fé?


Romanos 3:20-28:"Por isso ninguém será justificado diante dele pelas obras da lei
(...) pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus, e são justificados
gratuitamente pela sua graça (...) concluímos pois que o homem é justificado pela
fé, sem as obras da lei".

Gálatas 2:16: "Sabemos que o homem não é justificado pelas obras da lei, mas pela
fé em Jesus Cristo, também temos crido em Jesus Cristo para sermos justificados
pela fé em Cristo, e não pelas obras da lei, porque pelas obras da lei ninguém será
justificado".

RESPOSTA:
A fé é indispensável: Quem nEle crê [em Jesus] não é condenado; mas quem não
crê já está condenado, porque não crê no unigênito Filho de Deus (Jo 3.18).

Somente pelas obras?


Romanos 2:6: "Deus recompensará a cada um segundo as suas obras".

Pela fé e pelas nossas obras?


Tiago 2:24,26: "Vedes então que o homem é justificado pelas obras e não somente
pela fé (...) Assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem
as obras é morta".

RESPOSTA:
As más obras revelam uma vida não regenerada por Jesus Cristo. Logo, as obras
revelam a fé, porque a fé sem obras é inoperante (Tiago 2.14,17, 20). Ademais
somos salvos para as boas obras (Efésios 2.10). Não valem para a salvação as obras
não decorrentes da fé no Senhor Jesus, fé que compreende reconhecer Sua
divindade, morte e ressurreição. É por isso que Efésios 2.8 diz que ninguém
compra sua salvação com seu próprio esforço (obras). A fé salvífica que produz
salvação leva ao arrependimento, que leva ao perdão, que leva à salvação.

Ou pelos caminhos?
Ezequiel 7:3... "te julgarei conforme os teus caminhos ..."
Ezequiel 7:27: "Conforme o seu caminho lhes farei, e com os seus próprios juízos
os julgarei".
Ezequiel 18:30: "Portanto, eu vos julgarei, a cada um conforme os seus caminhos,
ó casa de Israel, diz o Senhor Deus".

RESPOSTA:
O homem tem o livre-arbítrio para escolher o caminho bom ou mau. O bom
caminho temor a Deus, obediência à Sua palavra, etc,- o levará à Vida Eterna. O
outro, à morte eterna. De acordo com o caminho escolhido, será o homem julgado.

Ou pelo proceder e pelo mérito das obras?


Jr 17:10 "Eu sou o Senhor que esquadrinho o coração, e que sondo os afetos; eu
dou a cada um segundo o seu proceder, e segundo o mérito das suas obras".

RESPOSTA:
As boas obras são as que se originam no coração do homem temente a Deus e
crente no Senhor Jesus. A Deus ninguém engana porque Ele esquadrinha o
coração. Às vezes o homem pensa que está operando boas obras, mas Deus diz:
Enganoso é o coração... (Jeremias 17.9).

Ademais, não devemos nos preocupar sobre o nosso julgamento porque, como
disse, o Justo Juiz julgará com justiça. Cabe a Ele sopesar o mérito ou demérito. É
SÓ CRER EM JESUS CRISTO; ACEITÁ-LO COMO SENHOR E SALVADOR;
DEIXAR OS PECADOS, E DORMIR TRANQÜILO. Não devemos ficar ansiosos
quanto ao nosso julgamento. O justo viverá pela fé. A verdade é que as obras
isoladas não salvam. Fosse assim, um ateu caridoso iria para o céu.

12- COMO COMPREENDER O ARREPENDIMENTO DE DEUS?

Deus nunca muda de idéia nem se arrepende do que faz?


(Malaquias 3:6) "Eu, o Senhor, não mudo. (Números 23:19) Deus não é homem
para que minta, nem filho do homem para que se arrependa. (1Samuel 15:29)
Aquele que é a Glória de Israel não mente nem se arrepende; pois não é homem
para que se arrependa...".

Volta atrás e se arrepende?


(Êxodo 32:14) "Então o Senhor se arrependeu do mal que dissera havia de fazer ao
seu povo. (Gênesis 6:6-7) Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem
sobre a terra, e isso lhe pesou no coração (...) pois me arrependo de os haver feito.
(Jonas 3:10) Deus se arrependeu do mal que tinha dito lhes faria, e não o fez.
(2Reis 20:1-7) Ezequias adoeceu e o profeta Isaías disse: Assim diz o Senhor: Põe a
tua casa em ordem, porque morrerás e não viverás. Ezequias orou ao Senhor e
chorou muitíssimo. Então o Senhor fez Isaías voltar e falar para Ezequias que
tinha ouvido as orações e o curou"
(Gênesis 18:23-33) Abraão consegue convencer a Deus que não deveria destruir a
cidade de Sodoma se lá encontrasse pelo menos 10 justos. No início todos seriam
destruídos, justos e ímpios, mas com a interferência de Abraão, que demonstrou
ser um excelente argumentador, o Senhor amoleceu o coração e passou a ser mais
condescendente. Dos 50 justos que havia falado anteriormente, se conformou em
procurar apenas dez.

RESPOSTA:
De fato, na Sua essência, Deus não muda. Deus perfeitíssimo não poderia melhorar
a Sua perfeição ou piorá-la. O que mudam são as circunstâncias. Com o vento
soprando em uma única direção o navegador poderá mudar a direção do seu
barco, para a esquerda ou para direita, dependendo da posição que toma. Uma
casa não muda de lugar, mas podemos dizer que ela está ora à esquerda, ora à
direita, dependendo da posição de quem a observa. É grosseira a comparação, mas
auxilia na compreensão da natureza de Deus, no caso sob comentário. Em todos os
casos sob análise o que mudou não foi Deus, mas as circunstâncias mudaram. Às
vezes o arrepender-se de Deus é sinônimo de tristeza, como no caso da criação do
homem (Gênesis 6). Após criar o homem, Deus disse que tudo que tinha feito era
muito bom (Gênesis 1.31). Depois da queda, o homem mudou, as circunstâncias
mudaram, e Deus se entristeceu da lastimável situação de sua criatura. Deus é
Justiça e Misericórdia. A intercessão de Abraão, no caso da destruição de Sodoma
e Gomorra, moveu a misericórdia de Deus. O clamor do rei Ezequias moveu a
misericórdia de Deus. O clamor de Moisés moveu a misericórdia de Deus e todos
não foram eliminados no caso do bezerro de ouro. A intercessão de Jonas, o
arrependimento e jejum dos ninivitas mudaram as circunstâncias, então houve
mudança da atitude de Deus com relação àquela cidade (Livro de Jonas). Da
mesma forma, hoje acontece a mesma coisa. Todos os homens estão sob
condenação eterna, porque todos pecaram e destituídos estão da salvação
(Romanos 3.23). Todavia, se houver arrependimento e séria intenção de deixar o
pecado; se houver fé no Senhor Jesus, na Sua morte e ressurreição, ou seja,
mudadas as circunstâncias, muda a atitude de Deus, e o homem será salvo. O
princípio é este: mudando as circunstâncias, Deus poderá mudar suas atitudes.
Lembremo-nos de que Deus é soberano na Sua vontade. Uma casa é um bem
imóvel, mas ela poderá nos abrigar dependendo do lado em que estejamos. Dentro
dela é o melhor lugar. A mesma coisa não ocorre se estivermos em cima dela ou do
lado direito, esquerdo, na frente ou detrás. Estes esclarecimentos são apenas uma
ajuda para quem está em dificuldade de compreender como Deus age em
determinadas circunstâncias. A verdade é que nunca iremos compreender
plenamente os mistérios de Deus e Sua natureza, mas sabemos que Ele é bom e nos
ama, e está sempre pronto a socorrer-nos em nossas dificuldades. Todavia, veja o
que Ele diz: SE O MEU POVO, QUE SE CHAMA PELO MEU NOME, SE
HUMILHAR, E ORAR E BUSCAR A MINHA FACE, E SE CONVERTER DOS
SEUS MAUS CAMINHOS, ENTÃO EU OUVIREI DOS CÉUS, E PERDOAREI
OS SEUS PECADOS, E SARAREI A SUA TERRA (2 Crônicas 7.14).

13- O QUE É COMO SE MANIFESTA O REINO DE DEUS?


O REINO DE DEUS é a manifestação do poder de Deus aqui na Terra. Jesus
disse: "Mas, se eu expulso os demônios pelo Espírito de Deus, é conseguintemente
chegado a vós o Reino de Deus" (Mateus 12.28). Não é um reino vinculado ao
domínio social ou político sobre as nações ou reinos deste mundo, que continuará
inimigo de Deus e do seu povo. Somente na plenitude dos tempos é que o Reino de
Deus se manifestará com força e com juízo. Os milagres, as curas, a renovação
espiritual (novo nascimento) são manifestações do Reino, algumas visíveis, outras
invisíveis aos nossos olhos. Somos soldados desse Reino; somos participantes desse
Reino. A condição para entrar nesse reino é: "Arrependei-vos e crede no
evangelho" (Marcos 1.15). O Reino de Deus está na Terra para destruir as obras
do diabo (Lucas 4.18). A máxima evidência de que pertencemos a esse Reino é
termos uma vida de justiça, paz, e alegria no Espírito Santo, com o que somos luz
do mundo e sal da terra e damos testemunho, como nosso exemplo, das nossa fé no
Senhor Jesus, fé obediente. Assim, o Reino de Deus está em nós e nós estamos nele.
Mas para entrarmos nesse Reino é preciso um esforço. Precisamos romper com o
pecado, com os prazeres mundanos, com as práticas pecaminosas, e exercer pleno
domínio sobre os desejos da carne (Mateus 11.12). Os participantes desse Reino
possuem uma procuração passada por Jesus, com poderes plenos para, em Seu
nome, destruir as obras de Satanás (Marcos 16.17-18).