Você está na página 1de 1

RESENHA DO FILME “HELEN KELLER E O MILAGRE DE ANNE SULIVAN

O filme retrata o quão difícil é para uma pessoa viver sem comunicação, até mesmo
para os animais é algo muito útil, a personagem do filme a menina Helen Keller cega e surda
porém não sabia falar por falta de prática e conhecimento dos pais da criança em se comunicar
com Helen. Pelo isolamento da criança no mundo normal esta vivia em frenquênte irritação
sendo até mesmo violenta e os pais constumavam para acalmá-la por instantes dar lhe um
pedaço de doce, a criança mais parecia um animal descontrolado, sem saber mais o que fazer
com Helen o pai desta até cojitou mandá-la a um internato, foi lhe sujerido que enviasse uma
carta a um médico que havia curado uma cegueira que talvez ele pudesse curá-la também,
porém, com uma sucessão de indicações, foi até uma escola onde educava crianças com o
meso tipo de problema, como a escola não podia ir até o local onde residiam a família de
Helen, este lhe enviou sua melhor aluna a que havia lhe curado a cegueira hà algum tempo, a
senhora Anne Sullivan.

A família da menina depositava todoas as esperanças na professora em dar um padrão


de comportamento a Helen, portanto o começo foi muito difícil até a criança e desprender dos
seus hábitos constumeiros, com muito trabalho a senhora Anne conseguiu fazê-la comer de
forma normal sentada à mesa e usando colher para se nutrir, até mesmo colocando o
guardanapo em seu dorso, o que foi um grande progresso, mas como apenas a professora
impunha o hábito de limites na criança ficava muito fácil ela abandonar os novos costumes,
pensando nisso Anne pediu ao pai de Helen o “Capitão” que a deixa-se viver na casa de jardim
longe da casa principal para ensiná-la sem obstrução da família. Capitão permitiu e mandou
que arrumassem a referida casa para as duas ocuparem assim como disponibilizou um
empregado seu para que ficasse a disposição da professora para servir a esta.

Duas semanas foi o prazo concedido para que Anne transformasse Helen num ser
racional e convivente, apesar do prazo ser pequeno para reeducar a criança no decorrer deste
prazo Helen fez grandes progressos, aprendeu a falar muitas coisas na língua de sinais e de
conhecer mais o mundo através do tato, esta se surpreendeu muito com tudo que sentia e
aprendia a se comunicar. Passado as duas semanas apesar do imploro da senhora Anne os pais
de Helen decidiram levá-la de volta a casa principal, fizeram um almoço especial e convidaram
a tia da criança que havia indicado o tal doutor, esta por um momento se maravilhou, portanto
a menina teve uma recaída e ensaiou voltar ao comportamento antigo, portanto, a professora
com a resistência dos país não aceitou o comportamento da criança e a corrigiu severamente
quando esta jogou-lhe a água de um jaro em seu rosto, neste momento a senhora Anne pegou
o jarro e levou a criança até o poço onde tirava-se água manualmente e a fez mover a lavanca
que dá pressão para jorar a àgua do poço, quando começou a sair água a menina ficou em
êxtase por começar a descobir o mundo com suas lógicas, neste momento Helen voltou em sí
e até mesmo pronunciou a palavra água, o que foi a melhor sensação para a professora que
depois de tantos esforços se viu recompensada pelo seu trabalho no progresso da criança.

Anne anunciou o feito e todos correram até ela para conferir o fato, ao chegar ao local
os pais se maravilhara com o acontecimento e entenderam a mensagem da professora para
que eles também se comunicassem com a menina a mãe o e pai da criança proferiram as
primeiras palavras em sinais com a filha o que lhes deixaram muito felizes, a senhora Anne
ficou como professora de Helen por sua vida toda e Helen Keller se tornou a primeira cega e
surda no mundo todo a conquistar um bacharelado, escritora e ativista social.

9º período de direito acadêmico Diogo Heriberto Kroetz.