Você está na página 1de 29

1

Centro Universitário de Brasília - UniCEUB


Faculdade de tecnologias e ciências sociais aplicadas - FATECS

M
O
.C
Sarah Carolline Vieira de Andrade
RA: 20937001

Visão do público de Brasília em relação ao Reality Show


“Big Brother Brasil”

Brasília/DF
2012
2

Sarah Carolline Vieira de Andrade

M
O
.C
Visão do público de Brasília em relação ao Reality Show
“Big Brother Brasil”

Trabalho de conclusão de curso (TCC) apresentado ao


Centro Universitário de Brasília – UniCEUB, para a conclusão
do curso de Publicidade e Propaganda, sob a orientação da
Professora Tatyanna Braga.

Brasília/DF
2012
3

Sarah Carolline Vieira de Andrade

Visão do público de Brasília em relação ao Reality Show


“Big Brother Brasil”

M
O
Trabalho de conclusão de curso (TCC) apresentado ao

.C
Centro Universitário de Brasília – UniCEUB, para a conclusão
do curso de Publicidade e Propaganda, sob a orientação da
Professora Tatyanna Braga.

Brasília _______ de _______________________ de 20_______.

Banca examinadora:

________________________________________________
Prof.(a) orientador (a) Tatyanna Braga

________________________________________________
Prof.(a) examinador(a) Bruno Nalon

________________________________________________
Prof.(a) examinador(a) Andréa Cordeiro

Brasília/DF
2012
4

Resumo

O trabalho tem como propósito analisar a opinião do público sobre o reality


show Big Brother Brasil, tendo como objeto de estudo um questionário aplicado no
centro de Brasília-DF. Para facilitar a leitura, o trabalho de conclusão de curso inclui
uma breve introdução sobre o tema, fala um pouco sobre os assuntos marketing,

M
televisão, reality show, Big Brother Brasil, opinião pública e estudo de percepção

O
acerca da opinião e ponto de vista do público brasiliense a respeito do programa.

.C
Reunindo todos os elementos, pretende-se entender um pouco mais sobre a opinião
e ponto de vista do telespectador.

Palavras chave: 1 Big Brother Brasil, 2 reality show, 3 estudo de percepção, 4


opinião pública
5

Sumário

Introdução ................................................................................................................... 6
1 Marketing ................................................................................................................. 8
2 Os 4 P’s ................................................................................................................... 8
3 Ferramentas da comunicação ................................................................................. 9

M
4 A televisão brasileira ............................................................................................ 10

O
5 O fenômeno reality show ....................................................................................... 11

.C
6 A propaganda dentro de um Reality Show ............................................................ 12
7 Opinião pública ...................................................................................................... 13
8 Metodologia e coleta de dados .............................................................................. 14
8.1 Métodos de pesquisa ......................................................................................... 14
8.2 Apresentação dos dados .................................................................................... 15
8.3 Perfil do público e sua percepção a cerca do Reality Show BBB ...................... 15
9 O Big Brother Brasil ............................................................................................... 18
9.1 A audiência ......................................................................................................... 18
10 Referencial teórico X Estudo de percepção ........................................................ 20
Considerações finais ................................................................................................ 22
Referências bibliográficas ........................................................................................ 23
Apêndice ................................................................................................................... 25
Anexo ....................................................................................................................... 27
6

Introdução

Tema: Visão do público de Brasília em relação ao reality show “Big Brother Brasil”.

No papel de comunicóloga é importante falar sobre a explosão do fenômeno


reality show e mostrar qual a visão do público.

M
O
Pergunta problema: a população de Brasília percebe o reality show “Big

.C
Brother Brasil” como entretenimento positivo?

É comum surgir um debate da população em geral quando esse é o assunto,


sendo para falar bem ou mal, se é real ou armação, ou apenas se você assiste ao
programa ou não.

Sempre me interessei pelo jeito com o qual a mídia consegue influenciar o


pensamento da grande massa, com pequenas atitudes que nem sempre parecem
um jeito de manipular; no caso dos reality shows em especial, por parecer apenas
um programa que mostra sonhos que os participantes desejam atingir, sendo ganhar
milhões, se tornar cantor(a) ou ator(a), conseguir o emprego dos sonhos, ou apenas
ter aqueles famosos 15 minutos de fama.
Será realizado um estudo de percepção sobre a opinião e ponto de vista do
público, acerca da audiência do programa Big Brother Brasil que terá como base
pesquisas em livros, sites e um questionário aplicado ao público no grande centro de
Brasília. Quero conseguir entender o que o público acha do programa “Big Brother
Brasil”.
O estudo de percepção visa compreender o pensamento dessa pequena
parte da população entrevistada e encontrar respostas para algumas indagações.
Segundo Gil (1987, p. 59) ele é recomendável nas fases iniciais de uma investigação
sobre temas complexos, para construção de hipóteses ou reformulação do
problema, ou quando o objeto de estudo já é suficientemente conhecido a ponto de
ser enquadrado em dado tipo ideal.
O objetivo geral será compreender a opinião e ponto de vista de 41 pessoas,
que foram entrevistadas acerca do reality show. Tendo como objetivos específicos
pesquisar a opinião de uma pequena parcela do público que assiste ao “Big Brother
7

Brasil” acerca do reality show, verificar se a audiência continua elevada, e se as


propagandas presentes dentro do programa atingem o público que assiste ao reality.

M
O
.C
8

1 Marketing

É por meio dele que o público em geral recebe a informação do que precisa e
almeja por meio da comunicação. As empresas e marcas de hoje em dia sempre
estão atrás do que o público espera ver ou sentir, procurando realizar os desejos do
público alvo.

M
O
.C
Marketing é fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para transformar o
dinheiro do cliente em valor, qualidade e satisfação. Consiste em
determinadas necessidades e desejos dos mercados alvo oferecerem as
satisfações desejadas de forma mais eficaz e eficiente do que as do
concorrente, assumindo a chave para atingir as metas organizacionais.
(GRACIOSO 1997, p. 47).

Marketing é mais do que vender, propagandear e fazer promoção para ter


algo inovador ou apenas manter o que já se tem, é conseguir idealizar e gerenciar
as carências do mercado.
De acordo com Las Casas (2001, p.23) marketing é a área do conhecimento
que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca, orientadas para
a satisfação dos desejos e necessidades dos consumidores, visando alcançar os
objetivos da empresa.
Um diagnóstico que pode ser feito é que o marketing firma a imagem
institucional, visando rendimento a longo prazo.

2 Os 4 Ps

Segundo Kotler e Armstrong (1998, p. 31 e 32) “várias possibilidades podem


ser reunidas em quatro grupos de variáveis conhecidas como os ‘quatro Ps’:
produto, preço, praça e promoção”.
“Produto é a combinação de bens e serviços que a empresa oferece ao
mercado alvo, para satisfazer uma necessidade ou desejo” (KOTLER, 1998 p. 31).
O produto faz parte de um núcleo de estratégia do marketing; ele tem de
realizar as vontades e desejos dos consumidores em todos os aspectos, trazendo
9

um bem ou serviço que seja o produto ideal ao ponto de vista do consumidor com
satisfação e retorno, de acordo com sua devida utilidade.
Para Kotler (1998, p. 31) “preço significa a soma de dinheiro que os clientes
devem pagar para obter o produto”, ou seja, o volume de dinheiro que os
consumidores trocam pelo benefício de possuírem ou usarem um produto ou
serviço.

M
Escolher o preço que agrade ao público em foco é algo de grande

O
importância. É preciso que seja justo e atrativo. O preço é o elemento de maior

.C
flexibilidade dentro do marketing.
Kotler (1998, p. 31) considera que “praça envolve as atividades da empresa
que tornam o produto disponível para os consumidores-alvos”.
Além de ser necessário levar o produto certo, ao lugar certo e com um tempo
eficiente é possível ver que a distribuição é de grande importância quando o assunto
é fazer a diferença no bom atendimento aos clientes.
Para Cobra (1992, p. 44) “é preciso utilizar com efetiva criatividade as
ferramentas promocionais, como a propaganda, a força de vendas (venda pessoal),
a promoção de vendas, as relações públicas e o merchandising”.
Promoção significa as atividades que comunicam os atributos do produto e
persuadem os consumidores-alvos a adquiri-lo (KOTLER, 1998 p. 31).
Promoção é como a marca/empresa conversa com o público.
Após ler sobre o assunto, é possível dizer que um marketing eficiente traz
todos os ‘4 Ps’, para que possa ser criado um forte posicionamento dentro do
mercado.

3 Ferramentas da comunicação

A comunicação se utiliza de diversas maneiras para falar com as pessoas.


Segundo Nakamura (2009, p. 48) “cada meio de comunicação tem uma forma
de definir os formatos. Para maior facilidade para a elaboração do plano de
veiculação elaborado pelos publicitários, estes formatos são padronizados.”
Seja através de propaganda em outdoor, rádio, televisão, cartaz, jingles,
revistas, jornais, eventos ou qualquer outro meio de comunicação, a propaganda
sempre está presente na vida do público.
10

4 A Televisão Brasileira

A televisão é um dos principais meios de entretenimento do público Brasileiro,


principalmente os canais abertos. Os canais de TV a cabo tem uma maior variedade
de programas, e uma maior quantidade de opções, ou seja, o assinante pode
escolher aquilo o que quer consumir. Nos canais abertos existe uma programação

M
bastante semelhante entre eles, o que deixa o público sem muitas saídas. De acordo

O
com Duarte (2004), a TV é muito importante quando se trata da formação de opinião

.C
do brasileiro.

Diferentemente de outros países, a televisão foi introduzida no Brasil, nos


anos 50, já como uma empresa privada e de caráter comercial. E, se de
início, seu consumo ficou restrito a muitos poucos brasileiros, hoje,
cinqüenta anos depois, ele é partilhado praticamente por toda a população,
representando, para a grande maioria, uma das poucas opções, oferecidas
por um país de terceiro mundo como o nosso, de entretenimento,
informação e cultura (DUARTE, 2004, p. 17).

A televisão brasileira é o meio de entretenimento de várias famílias. Em frente


à televisão as pessoas discutem todo tipo de assunto, desde algo irrelevante à
assuntos de grande repercussão, o que acaba se tornando comum no dia a dia das
famílias. Esses assuntos acabam saindo de dentro de casa e sendo levados à vários
lugares, escola, trabalho, festas, e a televisão acaba repercutindo ainda mais.
Passar aquele momento em frente ao aparelho eletrônico tornou-se um hábito
dentro da casa de muitos brasileiros. Para Duarte (2004), a programação da
televisão faz parte do cotidiano dos brasileiros.

As televisões, principalmente as comerciais, visam ao entretenimento e, só


bem depois, à informação. É seu comprometimento com o mercado em que
a concorrência é acirrada e com a audiência cada vez mais disputada que
define seu caráter marcadamente lúdico: tevê é entretenimento. É sob sua
chancela que informações – noticiários, entrevistas, reportagens,
documentários – acontecem. E entretenimento é leveza, superficialidade,
humor; é espetáculo. Assim, a televisão tem compromisso com o tom.
Errando o tom, perde o telespectador que, em meio às diferentes tarefas e
11

problemas do cotidiano, não costuma estar a fim de coisas sérias e


pesadas, que, além disso, exigem sua total atenção, o que é incompatível
com o ambiente familiar. O telespectador, quando se dispõe à dedicação
exclusiva, vai ao cinema (DUARTE, 2004, p. 50).

A rede Globo de televisão é reconhecida como uma das principais emissoras


de TV do Brasil.

M
O
.C
5 O fenômeno Reality Show

De acordo com Alves (2006), uma questão intrigante é porque o público se


interessa tanto pelo formato Reality Show. A partir desse pensamento, o autor
propõe “ajudar a pensar o lugar estratégico que ocupa a televisão nas dinâmicas
cotidianas da vida dos grupos sociais, na transformação das sensibilidades e nos
modos de construir imaginários e identidades” (Alves 2006, p. 8).
Quando se cria uma nova ideia sempre surge o medo do desconhecido, um
exemplo disso é quando foi criada a comunicação digital, quando o povo já estava
acostumado com a comunicação escrita, ou seja, todos os meios de comunicação
compartilham dessa carasterística.

Enquanto a escrita marcou o passo de uma cultura oral para uma cultura
literária, a linguagem audiovisual reintroduziria mais tarde uma ‘segunda
oralidade’ por seu caráter massivo, sua forma narrativa e pela possibilidade
de apropriação de saber através do som e/ou da imagem” (Alves 2006, p.
11).

De acordo com Alves (2006) o fenômeno reality show é uma mistura de


diversos formatos de programas reconhecidos pelo público, que são eles novelas,
talk shows, programas de concursos, documentários, programas de confessionário e
de jornalismo. Ele diz que é essa mistura que gerou esse novo formato de sucesso,
o “Reality Show”.

“É essa mistura de gêneros que traz a sensação de algo novo, pela mescla
de vários formatos já conhecidos e aprovados pela população” (Alves 2006,
p. 29).
12

Além dessa soma citada os realities ainda trazem algo novo, que é o fato do
público poder participar do programa de forma real, não só como alguém que
assiste, mas como alguém que faz parte do programa, através da internet, sms e
telefone.

“Os roteiros dos programas são adaptados “à cultura, à realidade de cada


país, utilizando participantes do país onde o programa é transmitido, o que
lhes garante o caráter, o tom cultural e a ‘cor’ local” (Alves 2006, p. 32).

M
O
6 A propaganda dentro de um reality show

.C
As propagandas presentes na televisão são as de maior poder promocional,
chamam bastante a atenção e atraem o púbico ao produto, repetidas inúmeras
vezes dentro da programação, fazem que a propaganda fique marcada na mente do
telespectador.

A televisão aberta é o meio de maior impacto entre as mídias, seja pela


cobertura de público alvo ou pelo alcance geográfico, cria status para
marcas pouco conhecidas, ela é adequada para todos os tipos de
campanhas, inclusive promocional e institucional. Mais adequado ainda
para produtos e serviços em geral. (NAKAMURA 2009, p. 88)

Percebendo o poder que a televisão exerce sobre o público, as


marcas/empresas resolveram mostrar também seus produtos e serviços dentro de
programas com alta audiência, alguns exemplos são: em novelas, programas de
auditório e reality shows.
Blessa (2003, p. 78) afirma que quando um produto, marca, empresa ou
serviço aparece citado, consumido ou utilizado sutilmente (sem a devida
identificação ao público) em um veículo de comunicação, é chamado de
merchandising editorial.
Programas que têm grande audiência na televisão, como novelas e
programas do tipo reality show, ocupam o horário nobre, além de chamadas e
pequenas propagandas durante o dia. Existem vários motivos que levam as
pessoas a assistirem esses programas, quer seja para tirar o estresse do dia a dia,
se esquecerem dos problemas, apenas por distração ou tempo ocioso. Qualquer
13

que seja o motivo, grande parte da população procura a televisão como meio de
entretenimento.

“a qualidade de um produto cultural, a partir do ponto de vista da recepção,


não pode ser pensada como algo único e universal” (Alves 2006, p. 22).

M
O
Como os reality shows têm um alto nível de audiência, aos poucos eles se

.C
tornaram alvos publicitários. Ao usar um shampoo ou participar de uma prova que
envolva um determinado carro, os participantes passam a ser “garotos propaganda”
de grandes marcas. Deixando assim o conceito de que para se sentir como um
verdadeiro brother, você pode comprar acessórios iguais ao do seu ídolo.
Com o aparecimento do BBB a nova modelagem de publicidade invadiu a
casa dos brasileiros persuadindo indiretamente os telespectadores.

7 Opinião Pública

A opinião pública pode ser vista de diversas maneiras, Habermas (1984)


acredita que só houve realmente opinião pública no período de pré revolução, ele
classifica a opinião como “opinião quase-pública” e “opinião não-pública”. Mesmo o
autor se lamentando, ele considera a opinião pública perdida, é como se a partir de
dado momento, as pessoas não pudessem ter essa opinião “própia” que não fosse
induzida de por algo.

A ficção constitucional dita opinião pública não pode mais ser


identificada no comportamento real do próprio público; mas
computá-la em determinadas instituições políticas também não
lhe tira o caráter fictício caso se faça abstração do nível do
comportamento do público de um modo geral. (Habermas,
1984, p.278)
14

Pensando nesse ponto, a opinião pública deixa de ser só um "eco


plebiscitário", como diz Habermas (1984), e começa a ser também um modo de
expressar o poder. É em consequência à uma característica representativa que
quando tem necessidade, o Estado tende a se inserir sobre os interesses, opiniões e
vontades dos cidadãos.

M
O
"o consenso fabricado não tem a sério muito em comum com a
opinião pública, com a concordância final após um laborioso

.C
processo de recíproca 'Aufklärung' (Esclarecimento), pois o
'interesse geral', à base do qual é que somente seria possível
chegar a uma concordância racional de opiniões em
concorrência aberta, desapereceu exatamente à medida que
interesses privados privilegiados a adotaram para si a fim de se
auto-representarem através da publicidade" (Habermas, 1984,
p.228).

8 Metodologia e coleta de dados

8.1 Métodos de pesquisa

Tendo em vista o objetivo de perceber a opinião do público sobre o tema


reality show, foi decidido aplicar um questionário em local de grande movimento na
cidade de Brasília para obter respostas às indagações.
O presente estudo buscou diagnosticar a opinião de uma pequena parcela do
público que assiste ao “Big Brother Brasil” acerca do reality show, verificando junto
com o público e fontes de pesquisa a audiência do programa, e se as propagandas
presentes dentro do programa atingem o público de maneira positiva.
Depois de realizada a pesquisa através de questionários foi feito um estudo
de percepção focado na opinião e ponto de vista do público, sobre o programa Big
Brother Brasil baseado na resposta dos telespectadores.
15

8.2 Apresentações dos dados

No dia 11 de outubro de 2012 foi aplicado um questionário no centro de


Brasília, próximo à rodoviária do Plano Piloto. Ao todo foram aplicados 41
questionários com um público entre 18 e 60 anos de idade entre 11h30min e 16h e
foi respondido por homens e mulheres.

M
O
.C

8.3 Perfil do público e sua percepção a cerca do reality show Big Brother
Brasil

Com a pesquisa de opinião pública realizada no centro da capital do Brasil, no


dia 11 de outubro de 2012, com 41 telespectadores obtiveram-se os seguintes
resultados;
16

Faixa etária do público entrevistado

18 a 25 anos

M
O
26 a 40 anos

.C
41 a 55 anos
acima de 56 anos
17

53,65% dos telespectadores acreditam que o programa é farsa ou que possa


haver armações advindas da produção do programa; 39,2% dos entrevistados
conhecem alguém que já se inscreveu e 9,75% já se inscreveram anteriormente.
Cerca de 82,9% dos entrevistados considera o Big Brother Brasil um
programa fraco em termos de conteúdo, mas em contrapartida 73,17% considera o
programa um bom entretenimento.

M
O
.C

Mais da metade crê que a audiência do programa vem caindo nas últimas
edições, mas acham que isso não será um motivo para o fim do programa, pois pela
proporção do público que o assiste ele ainda é sucesso a nível nacional.
24,4% acha que a Globo deve mudar o formato do programa adequando-o
como um programa livre para crianças, pois a linguagem que os participantes
adotam e as edições feitas pela Globo incomodam parte dos telespectadores.
Percebida a publicidade pela maioria dos entrevistados, em vários momentos
eles citaram as marcas divulgadas no programa. Eles afirmam ainda que os
merchandisings presentes na Prova do Líder surtem mais efeito nesta ocasião, uma
18

vez que o programa lidera a audiência tendo em vista a expectativa do público para
conhecer o novo líder da casa.

9 O Big Brother Brasil

M
O Big Brother Brasil é um dos pioneiros em se tratando do formato reality

O
show. Ele foi criado pelo produtor e dono da produtora holandesa Endemol, John De

.C
Mol, em 1998. O modo como é apresentado o programa surgiu em um bar durante
uma conversa informal sobre a necessidade de criar um novo tipo de entretenimento
para uma emissora de TV. No ano seguinte ao seu lançamento, o reality show se
espalhou por 19 países, entre eles Alemanha, Espanha, Estados Unidos, Inglaterra,
Portugal, Suíça, Suécia e Bélgica.
O programa consiste no confinamento de indivíduos anônimos de vários perfis
sociais e econômicos selecionados a partir de vídeos enviados à produção na fase
de inscrição. Escolhidos, estes convivem por aproximadamente três meses em uma
casa isolada sem contato com o mundo exterior. O objetivo do programa é entreter o
público brasileiro com um formato diferenciado do tradicional.
. O Big Brother Brasil teve sua primeira temporada exibida em 2002 e
sustenta elevados índices de audiência desde seu lançamento, entretanto nas
últimas edições percebeu-se a considerável queda da audiência conquistada ao
longo dos anos.
Em 2008 a Rede Globo renovou o contrato com a Endemol para a exibição
dos programas até 2014, esse contrato originalmente previa edições até 2008.
Essas, entre outras informações sobre a história do programa, foram retiradas
do site globo.com.

9.1 A audiência

A audiência do Big Brother Brasil está longe dos melhores dias do reality, o
último BBB teve a segunda pior marca da história do BBB, perdendo apenas para o
do ano passado que chegou à 24.8 pontos na audiência
19

M
O
.C
Fonte: http://f5.folha.uol.com.br/colunistas/ricardofeltrin/

O BBB 12 exibido em 2012 só não foi pior em questão de audiência que o


BBB 11 exibido no ano passado, pelo fato de que possa ter ocorrido um estupro,
dentro da casa, logo no início do programa, que fez criar uma curiosidade no
público. Aumentando assim a quantidade de pessoas assistindo. Ocorreu também
que a novela das nove “Fina Estampa” estava em sua reta final, aumentando assim
a quantidade de televisores ligados no horário do reality show.

Fonte: http://f5.folha.uol.com.br/colunistas/ricardofeltrin/
20

A melhor época da história do reality show é o de 2005, com 47,5 pontos.


Naquela época, no entanto, a novela das nove marcava 50 pontos frequentemente e
o percentual de televisores ligados era bem maior.
De acordo com o site O FUXICO mesmo o BBB tendo a queda na audiência,
o programa continua sendo o líder no momento que o reality show é exibido.

M
O
10 Referencial Teórico X Estudo de Percepção

.C
Quem produz publicidade não tem interesse em mudar a opinião do
telespectador e sim mudar o modelo de aquisição, ou seja, a intenção é fazer com
que o produto/serviço seja passado para que as pessoas possam adquiri-los,
contudo, a publicidade fantasia o consumismo da população e tem como objetivo
criar sempre novas necessidades.
A grande audiência do BBB em todas as suas edições, como também a
influência que ele atualmente exerce sobre os telespectadores, fez com que o
mercado publicitário investisse cada vez mais nesse tipo de mídia diferenciada,
Armando Sant’Anna deixa explícito o fenômeno que o “merchandising” exerce no
Brasil:

No Brasil há um fenômeno merchandising, que é a utilização simulada de


produtos ou serviços por atores principalmente em filmes ou novelas. Nesse
setor liderado pela rede globo de televisão as emissoras constituíam
departamentos de merchandising que vendem espaços em suas novelas ou
outros programas para empresas que queiram veicular seus produtos como
parte dos hábitos ou costumes dos personagens da ficção ou
apresentadores. (SANT’ANNA, 2009, p.28)

O reality show BBB tem uma grande percepção de marketing: em todas as


provas do líder, do anjo, os afazeres domésticos e as festas envolvam marcas
patrocinadoras do programa, mas nem todas as ações tem o efeito desejado,
algumas passaram despercebidas e outras foram vistas como propaganda negativa.
Por meio dos questionários aplicados e conversas com os entrevistados foi
possível observar que o principal meio para se manter informado deixou de ser a
21

televisão e passou a ser a internet, sendo que das novas mídias, os sites de notícias
se superaram em relação à informação sobre o BBB, mais até que o próprio canal
da Globo.
Sobre as marcas mais percebidas pelos telespectadores que responderam ao
questionário, a mais citada foi o Guaraná Antárctica de maneira negativa e a Fiat de
maneira positiva. Confirma-se assim que a publicidade inserida no reality show surte

M
efeito como um poder de influência na mente do público para que ele se torne um

O
potencial consumidor. As marcas são lembradas pelos telespectadores no ato da

.C
compra de um produto.
Na ocasião de uma das Provas do Anjo o Guaraná Antárctica fez um alto
investimento, na qual pagaram ao jogador de futebol Ronaldo Fenômeno para
participar do quadro como juiz da competição. No decorrer da prova alguns
participantes não quiseram terminá-la alegando sentir mal-estar depois de tomar três
ou quatro copos do refrigerante, ou seja, a AmBev fez um alto investimento para
promoção da marca e teve seu produto difamado em rede nacional pelos
participantes do reality.
Foi possível perceber que existe uma influência midiática com as
propagandas presentes no reality show, sobre os telespectadores através do Big
Brother Brasil. Visto de maneira positiva ou negativa, 98% do público sabe o que
acontece no programa, mesmo as pessoas que não o assistem ouvem comentários
ou recebem, indiretamente, informações nas chamadas dos principais sites de
notícias da internet e na televisão. O Big Brother Brasil ainda continua sendo um
programa de enorme sucesso dentro da televisão brasileira.
22

Considerações finais

A população de Brasília percebe o reality show “Big Brother Brasil” como


entretenimento positivo?
De acordo com a pesquisa de campo feita foi possível concluir que o público
considera o conteúdo do programa fraco, mas gostam do atual formato, é

M
considerado um entretenimento positivo se for comparado aos outros formatos de

O
programas contidos na televisão brasileira.

.C
O estudo feito não deixa dúvidas sobre a audiência do programa Big Brother
Brasil, ele é conhecido por todos os entrevistados. Sendo mencionados de forma
positiva ou negativa, todos os telespectadores que responderam ao questionário
sabem o que é e conhecem o funcionamento do reality show.
O Big Brother Brasil se tornou conhecido mundialmente, um show de
realidade que mostra ações íntimas de pessoas anônimas. O isolamento de forma
espontânea é como se fosse uma experiência de laboratório de uma sociedade
televisivamente modificada. Os telespectadores parecem gostar da ideia de abrir
mão de algo tão valioso, como a própria liberdade e privacidade. O público gosta de
ser vigiado, e gosta de vigiar o outro, ter acesso a privacidade do próximo.
O consumismo é a base desse tipo de programa, que funciona como uma
revista de propagandas na televisão. Mesmo com a queda de audiência nas últimas
edições, o programa continua sendo um sucesso, e este modelo da programação na
televisão brasileira continuará em alta, pois a aceitação do público é maior que a
rejeição.
23

Referências bibliográficas

ALVES, Cosette Castro. Por que os reality shows conquistam audiência? São Paulo:
Paulus, 2006.

M
BLESSA, Regina. Merchandising no Ponto de Venda. São Paulo: Atlas, 2003.

O
.C
CHALMERS, Ruy B. Marketing. São Paulo: Atlas, 2001.

COBRA, Marcos. Administração de Marketing. São Paulo: Atlas, 1992.

DORDOR, Xavier. Mídia/Mídia Alternativa. Nobel, 2007.

DUARTE, Elizabeth Bastos. Televisão: ensaios metodológicos. Porto Alegre: Sulina,


2004.

ETZEL, Michael; WALKER, Bruce; STANTON, William. Marketing. São Paulo:


Makron Books, 2001.

GIL, Antonio. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1987.

GORDON, Ian. Marketing de relacionamento: estratégias, técnicas e tecnologias


para conquistar clientes e mantê-los para sempre. 5 ed. São Paulo: Futura, 2002.

GRACIOSO, F. Marketing: o sucesso em 5 movimentos. São Paulo: Atlas,1997.

KOTLER, Philip. Administração de Marketing: Análise, Planejamento,


Implantação e controle. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1998.

KOTLER, Philip; ARMSTRONG, Gerry. Princípios de Marketing. 7. ed. Rio de


Janeiro: LTC, 1998.
24

KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração em Marketing. 12a. ed. São Paulo:


Pearson Prentice Hall, 2006.

LAS CASAS, A. L. Marketing. São Paulo: Atlas 2001.

NAKAMURA, Rodolfo. Como fazer um planejamento de mídia na prática - São

M
Paulo: Farol do Forte, 2009.

O
.C
PALADINI, E. P. Qualidade Total na Prática – Implantação e Avaliação de Sistemas
de Qualidade Total. 2 ed. São Paulo: Atlas S.A., 1997.

SANT’ANNA, Armando. et al. Propaganda Teoria, Técnica e Prática. 8 ed. São


Paulo: Cengage Learning, 2009.

http://f5.folha.uol.com.br/colunistas/ricardofeltrin/1049385-bbb-cai-35-desde-2002-
edicao-atual-e-segundo-pior-ibope-do-reality.shtml , acessado em 10/11/12 às
13:20h.

http://ofuxico.terra.com.br/arquivo/bbb12/noticias/2012/03/30/bbb-12-termina-com-a-
menor-audiencia-da-historia-do-reality-136182.html , acessado em 10/11/12 às
13:35h
25

Apêndice

Modelo do questionário aplicado:

1-Sexo

M
( ) Fem.

O
( ) Mas

.C
2-Faixa etária
( ) 18 a 25 anos
( ) 26 a 40 anos
( ) 41 a 55 anos
( ) a cima de 56 anos

3-Conhece o BBB?
( ) Sim
( ) Não

4-Você acompanha o programa?


( ) Sim
( ) Não

Se sim: Gosta do que vê no programa?


___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________

Se não: Te incomodam as propagandas relacionadas ao BBB passadas pela rede


globo?
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
26

5-Acha que o programa é uma farsa?


( ) Sim
( ) Não

6-Já se inscreveu, ou conhece alguém que sim?


( ) Sim

M
( ) Não

O
.C
7-Gostaria de participar?
( ) Sim
( ) Não

8- Acha o programa um entretenimento positivo ou negativo? Por quê?


( ) Sim
( ) Não
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________

9-Em sua opinião a audiência do BBB está diminuindo?


( ) Sim
( ) Não

10-Em sua opinião a globo poderia trocar o modelo do programa?


( ) Sim
( ) Não

Se sim: Alguma sugestão?


___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
27

Anexo

Imagens do programa Big Brother Brasil

M
O
.C
.C
28

O
M
.C
29

O
M