Você está na página 1de 4

16 • Público • Domingo, 22 de Março de 2020

Yuval Noah Harari


sobre a crise
do coronavírus
“Parece não
haver adultos
na sala”
Entrevista Acredita que o mundo pode superar a pandemia
porque “os humanos são hoje muito mais poderosos do que os
vírus”. A solução não é fechar fronteiras, mas mais cooperação.
“Políticos irresponsáveis”, como Trump, “têm minado a conÄança
na ciência e na cooperação. Estamos agora a pagar o preço”, diz
ao P2 o autor do best-seller Sapiens
Por Pedro Rios
Público • Domingo, 22 de Março de 2020 • 17

OLIVIER MIDDENDORP

O custo
de poupar
Para Harari,
“os países que
pouparam
dinheiro nos
últimos anos
cortando nos
serviços de
saúde vão
agora gastar
muito mais
devido à
pandemia”
18 • Público • Domingo, 22 de Março de 2020

P
or estes dias, Yuval Noah
Harari tem uma agenda
muito menos preenchida. Há
poucas semanas, percorria o
mundo em conferências e
palestras. É um dos
pensadores mais
requisitados da actualidade,
com mais de 23 milhões de livros vendidos
(Sapiens — História Breve da Humanidade
tornou-se um enorme best-seller;
seguiram-se-lhe Homo Deus — História Breve
do Amanhã e 21 Lições para o Século XXI).
Personalidades como o Presidente da
França, Emmanuel Macron, ou a chanceler
da Alemanha, Angela Merkel, querem ouvir
este israelita, que olha para o passado e o
presente da espécie humana à procura de
pistas para antecipar o que vem aí.
Em Janeiro, no encontro anual do Fórum
Económico Mundial, em Davos, Suíça, o
pensador e historiador discorreu sobre
“como sobreviver ao século XXI”. Nessa
altura, o novo coronavírus era ainda um
problema da China — ainda não tinham sido
conÆrmados casos em Itália, que é agora o
país mais afectado pela pandemia.
Mas, num instante, tudo mudou. “A crise
realça a fragilidade do nosso sistema global,
mas a reacção correcta é melhorar o sistema
em vez de abandoná-lo”, aÆrma Harari,
numa entrevista ao P2 por email. O que tem
visto, porém, são reacções dos países pouco
concertadas entre si. “Devido à falta de
liderança, não estamos a tirar o máximo
partido da nossa capacidade de
cooperação”, a única solução para esta crise,
que exige a “criação de um sistema de saúde
verdadeiramente global”. Porque, “para o
vírus, não há qualquer diferença entre
chineses, italianos, iranianos e portugueses.
Somos todos Homo sapiens”. Pelo contrário, hoje temos uma ideia disponham de bons cuidados de saúde.
O que mais o assusta nesta crise? muito precisa do que está a acontecer. Os O seu livro Sapiens explica como o poder
Uma coisa que realmente me assusta é que, cientistas levaram apenas duas semanas a da cooperação é o que realmente nos
em nome do combate ao coronavírus, vários identiÆcar o novo coronavírus, sequenciar o distingue dos outros animais. O mundo
homens fortes abolirão todos os controlos e seu genoma e desenvolver um teste conÆável está a explorar plenamente essa força ou
equilíbrios democráticos e estabelecerão a para detectar pessoas infectadas. Se a luta contra o coronavírus é prejudicada
“coronaditadura”. Isto acaba de acontecer conÆarmos na ciência, e se os países pelas agendas nacionais?
em Israel: Israel é agora uma
coronaditadura.
cooperarem efectivamente, não há dúvida
de que venceremos isto.
A crise do A grande vantagem dos seres humanos sobre
os vírus é a capacidade de cooperarem
Os governos em muitas democracias estão
a emitir decretos de emergência. Isto é bom.
Este é talvez um dos poucos momentos
recentes em que muitos de nós nos
coronavírus pode eÆcazmente. Um coronavírus na Coreia [do
Sul] e um coronavírus em Portugal não
Mas em Israel, um golpe antidemocrático
acaba de acontecer. Quando Angela Merkel
sentimos definitivamente parte de uma
espécie, os sapiens do seu livro. Na
ser o ponto de podem trocar dicas sobre como infectar os
humanos. Mas a Coreia pode ensinar a
emite decretos de emergência, fá-lo como
líder democraticamente eleita da Alemanha.
reacção global e nas cadeias de
solidariedade e vizinhança. O viragem da batalha Portugal muitas lições valiosas sobre o
coronavírus e como lidar com ele. Mais do
Mas Netanyahu não é um líder
democraticamente eleito. Perdeu as recentes
sentimento de ameaça dá-nos essa noção
de espécie? Uma epidemia ou pandemia da nossa que isso: a Coreia pode até enviar
especialistas e equipamento para ajudar
eleições e os seus rivais agora têm maioria no
Parlamento e estão a formar um novo
é uma coisa terrível, mas pode
mostrar-nos a nossa natureza humana? privacidade. Isto directamente Portugal. Os vírus não podem
fazer nada disso.
governo. Assim, sob o pretexto de lutar É mesmo isso. A epidemia deve lembrar-nos Infelizmente, devido à falta de liderança,
contra o coronavírus, Netanyahu fechou o
Parlamento israelita, ordenou que as pessoas
de que todos nós partilhamos a mesma
natureza humana e os mesmos interesses
porque, quando as não estamos a tirar o máximo partido da
nossa capacidade de cooperação. Nos
Æcassem em suas casas e está a emitir os
decretos de emergência que quer. A isto
básicos. Para o vírus, não há qualquer
diferença entre chineses, italianos, iranianos
pessoas têm de últimos anos, políticos irresponsáveis têm
deliberadamente minado a conÆança na
chama-se “uma ditadura”. Coisas destas
podem também acontecer noutros países.
e portugueses. Somos todos Homo sapiens.
As pessoas falam muito sobre a
escolher entre ciência e na cooperação internacional.
Estamos agora a pagar o preço por isso.
E o que é que lhe dá esperança?
Os humanos são agora muito mais poderosos
necessidade de proteger as fronteiras
nacionais contra a epidemia. Mas a
privacidade e Parece não haver adultos na sala. Já devia
ter havido há semanas uma reunião de
do que os vírus. Temos o conhecimento
cientíÆco necessário para superar esta
fronteira realmente importante que
precisamos de guardar é a fronteira entre o
saúde, geralmente emergência dos líderes globais para
apresentar um plano de acção comum para
epidemia. Quando epidemias como a Peste
Negra se espalharam no passado, uma das
mundo humano e a esfera do vírus. Esta
fronteira passa dentro do corpo de cada ser
escolhem a saúde combater tanto a epidemia como a crise
económica. Mas só esta semana os líderes do
piores coisas foi a ignorância. Havia imensas
mortes e ninguém sabia porquê. O que as
humano. Se um vírus perigoso consegue
penetrar nesta fronteira em qualquer parte
Yuval Noah Harari G7 conseguiram organizar uma
videoconferência, que não resultou num
estava a matar? Como se espalhava? O que da Terra, coloca toda a espécie humana em plano desse tipo.
podia ser feito para o contrariar? As pessoas perigo. Se um vírus salta de um morcego Durante a epidemia de ébola de 2014 e a
sentiam que qualquer pessoa podia morrer a para o corpo de um ser humano na China, crise Ænanceira de 2008, os EUA
qualquer momento. Acreditavam que talvez isso também é uma ameaça directa à funcionaram como líder global. Reuniram-se
fosse Deus que os estivesse a punir ou que minha vida. Por isso, é do meu interesse atrás dos EUA países suÆcientes para evitar
alguém usou magia negra contra eles. que as pessoas em todos os países uma catástrofe global. Mas, nos últimos
Público • Domingo, 22 de Março de 2020 • 19

KIM KYUNG HOON/REUTERS ANDREW KELLY/REUTERS


entre os países, mas também dentro dos de ignorar os piores cenários. Os países que
países. Infelizmente, nos últimos anos, pouparam dinheiro nos últimos anos
assistimos à ascensão de líderes populistas, cortando nos serviços de saúde vão agora
como Donald Trump e Jair Bolsonaro, que gastar muito mais devido à epidemia. Da
incitam ao ódio não só contra os mesma forma, se tentarmos poupar dinheiro
estrangeiros, mas até mesmo contra não fazendo nada em relação às alterações
concidadãos. Estes líderes têm feito tudo ao climáticas, isso também causará enormes
seu alcance para dividir a sociedade em prejuízos a longo prazo.
campos hostis, retratando a oposição não O que devemos fazer nessa frente?
como rivais legítimos, mas sim como Algumas pessoas imaginam que, para pôr
traidores perigosos. Desta forma, ganharam Æm às alterações climáticas, teremos que
a lealdade de uma metade da sociedade, ao parar completamente todo o crescimento
mesmo tempo que alienaram económico e voltar a viver em cavernas e a
completamente a outra. comer raízes. Isso é um disparate. Consegue
Nos Estados Unidos, por exemplo, os adivinhar quanto vai custar evitar alterações
americanos odeiam-se agora muito mais uns climáticas catastróÆcas? O número mágico é
aos outros do que odeiam os russos ou os 2%. E é tudo. Se investirmos 2% do PIB global
chineses. Parte da América acredita que no desenvolvimento de melhores tecnologias
Trump é um génio infalível. A outra parte e infra-estruturas, isso é suÆciente para
não acredita numa palavra que Trump diz. evitar alterações climáticas catastróÆcas. É
ADRIANO MACHADO/REUTERS
Isso torna extremamente difícil gerir a crise claro que 2% do PIB global ainda é muito
actual. Em tempos normais, Trump pode dinheiro. Mas certamente está dentro da
governar os Estados Unidos com o apoio de nossa capacidade de o fazer. Se amanhã
apenas metade dos cidadãos. Mas, para rebentar uma nova guerra mundial, os
superar a epidemia e a crise económica, ele governos vão gastar muito mais do que
deveria conquistar a cooperação de todos. apenas 2% do PIB a combater e a tentar
Como é que ele vai fazer isso? Se ele der ganhar esse conÇito. Portanto, gastar 2%
alguma orientação através da televisão, para salvar o mundo da catástrofe das
metade dos americanos pode segui-la, mas a alterações climáticas parece muito razoável.
outra metade terá muita diÆculdade em A propósito da actual pandemia, tem
conÆar nele. Diriam para si mesmos: “Este lançado alertas sobre o que pode
tipo mente-me há três anos. Por que haveria acontecer à nossa privacidade em nome
de acreditar nele agora?” da saúde pública. Está à espera que isso
Espero que líderes como Trump aconteça no Ocidente?
abandonem as suas tácticas de dividir para Há um perigo que aconteça, sim. A epidemia
reinar e façam tudo ao seu alcance para do coronavírus pode ser um momento
reconquistar a conÆança de todos os marcante na história da vigilância. Pode
cidadãos. legitimar e normalizar a implantação de
Esta crise põe a nu a fragilidade do ferramentas de vigilância em massa em
mundo moderno globalizado? De países democráticos que até agora as
repente, muita coisa mudou. A rejeitaram. Os governos podem argumentar
anos, os EUA renunciaram ao seu papel de Pandemia e controlo pandemia vai afectar a nossa noção de que esta é apenas uma medida temporária
líder global. A actual Administração Para o escritor e professor de um mundo interligado? tomada durante um estado de emergência.
americana cortou o apoio a entidades História, esta crise “pode legitimar De facto, a crise realça a fragilidade do nosso Mas as medidas temporárias têm o péssimo
internacionais como a Organização Mundial e normalizar a implantação de sistema global, mas a reacção correcta é hábito de viver para além das emergências,
da Saúde e deixou muito claro ao mundo que ferramentas de vigilância em melhorar o sistema em vez de abandoná-lo. especialmente porque há sempre uma nova
os EUA não têm mais amigos de verdade — massa”. À esquerda, Coreia do Sul, O custo económico de desmantelar emergência à espreita no horizonte. Mesmo
têm apenas interesses. Quando a crise do onde a vigilância através de permanentemente o sistema global de quando os casos de coronavírus estiverem
coronavírus eclodiu, os EUA Æcaram à geolocalização individual tem sido comércio e transportes seria imenso e não reduzidos a zero, alguns governos podem
margem e, até agora, abstiveram-se de usada. Sobre os EUA, Harari não nos protegerá verdadeiramente de argumentar que precisam de manter os
assumir um papel de liderança. Mesmo que tem dúvidas: é um país que deixou epidemias futuras. novos sistemas de vigilância por temerem
acabem por tentar assumir a liderança, a de ter “amigos”, só tem Epidemias como a Peste Negra uma segunda vaga de coronavírus ou porque
conÆança na actual Administração dos EUA “interesses”. Em cima, Bolsonaro, espalharam-se mesmo na Idade Média, há uma nova estirpe de ébola a evoluir na
foi de tal forma corroída que poucos países que tem desvalorizado a pandemia muito antes da era da globalização. Portanto, África Central ou porque querem proteger as
estariam dispostos a segui-la. Seguiria um mesmo que reduzíssemos as ligações globais pessoas da gripe sazonal. Porquê parar com
líder cujo lema é “Eu primeiro”? para níveis medievais, aterrássemos todos os o coronavírus?
Há alternativas a essa liderança aviões e voltássemos a viajar em mulas, Uma grande batalha tem sido travada nos
americana? ainda sofreríamos de epidemias. A única últimos anos em torno da nossa privacidade.
Esperemos que outros países possam tanto para ajudá-los como para adquirir época em que os humanos estavam tão A crise do coronavírus pode ser o ponto de
preencher o vazio deixado pelos EUA. experiência valiosa. O centro da epidemia isolados que não tiveram epidemias foi na viragem da batalha. Isto porque, quando as
Veríamos mais e melhor cooperação em pelo continua a mudar. Antes era a China, agora é Idade da Pedra, antes da Revolução Agrícola pessoas têm de escolher entre privacidade e
menos cinco campos. a Europa, talvez no próximo mês sejam os e da ascensão das primeiras cidades. Acha saúde, geralmente escolhem a saúde. Mas
Primeiro: compartilhar informações EUA e mais tarde o Brasil. Se o Brasil enviar que podemos voltar à Idade da Pedra? pedir às pessoas para escolherem entre
conÆáveis. Os países que já experimentaram ajuda para a Itália hoje, talvez em dois A verdadeira protecção contra epidemias privacidade e saúde é, na verdade, a própria
a epidemia devem dar lições aos novatos. meses, quando a Itália recuperar e o Brasil será obtida através de mais investigação raiz do problema. Isto é uma falsa dicotomia.
Dados de todo o mundo devem ser estiver em crise, a Itália retribuirá o favor. cientíÆca, de uma troca de informações mais Nós podemos e devemos ter direito tanto à
partilhados aberta e rapidamente com os Quarto: criar uma rede de segurança aberta e da criação de um sistema de saúde privacidade como à saúde. Podemos
objectivos de conter a epidemia e económica global para salvar os países e verdadeiramente global. escolher proteger a nossa saúde e
desenvolver medicamentos e vacinas. sectores mais atingidos. A urgência associada a esta pandemia interromper a epidemia do coronavírus, não
Segundo: coordenar a produção global e a E quinto: formular um acordo global que não tem paralelo, por exemplo, na instituindo regimes totalitários de vigilância,
distribuição justa de equipamentos médicos permita que os viajantes prioritários resposta às alterações climáticas. mas educando e capacitando os cidadãos.
essenciais, tais como kits de teste e continuem a atravessar as fronteiras. Perante a covid-19, não há espaço para a Quando as pessoas têm uma boa educação
ventiladores pulmonares. A coordenação Existe um perigo real de os políticos negação, os cidadãos sentem o perigo à cientíÆca, e quando conÆam nas autoridades
global pode superar estrangulamentos na usarem esta crise para fechar fronteiras sua volta, a ameaça. Como podemos tirar públicas para lhes dizer a verdade, as
produção e pode garantir que o e aumentar a polarização e a xenofobia, algumas lições disto que possamos pessoas podem agir de forma correcta por
equipamento vá para os países que mais uma tendência que já vinha de trás? Ou, aplicar na luta contra as mudanças sua própria iniciativa. Uma população
precisam dele — e não para os países mais pelo contrário, irá a pandemia fomentar climáticas? automotivada e bem informada é geralmente
ricos. os laços e a solidariedade entre os Espero que possamos aplicar as lições da muito mais poderosa e eÆcaz do que uma
Terceiro: os países menos afectados países? epidemia do coronavírus na luta contra o população policiada e ignorante.
devem enviar médicos, enfermeiros e Depende de nós. Espero sinceramente que a colapso ecológico. Em particular, a crise do
especialistas para os países mais afectados, pandemia fomente a solidariedade, não só coronavírus deveria ensinar-nos o alto custo pedro.rios@publico.pt