Você está na página 1de 9

Provas de Concursos e do Vestibular

Prova e Gabarito - Professor de Filosofia - Secretaria de Ensino


  (26/Out)
- Colégio Pedro II - Rio de Janeiro - 2008
  PROVA PRELIMINAR - FILOSOFIA

Questão 01
Heráclito e Parmênides são, costumeiramente, apresentados como filósofos cujos pensamentos
se opõem: o primeiro seria o pensador da mudança, da contradição, enquanto o outro seria o
precursor da metafísica, na sua defesa da constância, da unicidade e da imobilidade do ser.
Contudo, há vários de seus fragmentos que parecem nos trazer o mesmo conteúdo. Assinale
quais dos fragmentos a seguir apresentam, respectivamente, as concepções ontológicas de
Heráclito e de Parmênides.
(Tradução dos fragmentos: Gerd Bornheim. Os filósofos pré-socráticos. Ed. Cultrix)
A) "O mesmo é pensar e o pensamento de que o ser é". / "O pensamento é comum a todos".
B) "Desta via de investigação eu te afasto; mas também daquela outra, na qual vagueiam os
mortais que nada sabem, cabeças duplas. Pois é a ausência de meios que move, em seu peito,
seu espírito errante." / "Homens que não sabem escutar nem falar".
C) "...afasta, portanto, o teu pensamento dessa via de investigação, e nem te deixes arrastar a
ela pela múltipla experiência do hábito, nem governar pelo olho sem visão, pelo ouvido
ensurdecedor ou pela língua;...". / "Maus testemunhos para os homens são os olhos e os
ouvidos, se suas almas são bárbaras".
D) "É sábio que os que ouviram, não a mim, mas as minhas palavras, reconheçam que todas as
coisas são um" / "... a diversidade das aparências deve revelar uma presença que merece ser
recebida, penetrando tudo totalmente".

Questão 02
Pode-se dizer que o conjunto das idéias sofistas (tal como apresentado por Platão) se opõe ao
propósito teórico dos pré-socráticos no tocante a que:
A) os sofistas não defendem a possibilidade de verdades universais e os pré-socráticos buscam
o princípio de todas as coisas.
B) os sofistas especulam sobre a origem de todas as coisas e os pré-socráticos admitem a
possibilidade da verdade.
C) os sofistas investigam o nomos buscando saber por que tudo é como é e os pré-socráticos
voltam-se para a physis ocupando-se com saber como o princípio perpassa o múltiplo.
D) os sofistas entendem que a linguagem representa a realidade e os pré-socráticos buscam as
regras da linguagem.

Questão 03
Em sua alegoria da caverna, Platão indica que a última forma (eidos) a ser contemplada no
mundo inteligível é a forma do:
A) Bem.
B) Belo.
C) Ser.
D) Sol.

Questão 04
Ao final de sua conversa com o escravo de Mênon, no diálogo platônico de mesmo nome,
Sócrates afirma ter demonstrado que:
A) as vidas passadas pela alma do escravo tornaram-lhe possível chegar à solução a respeito de
como obter o quadrado com o dobro da área do quadrado inicial.
B) o escravo já conhecia a solução do problema de aritmética apresentado, pois já aprendera a
respeito nas outras vidas pelas quais sua alma passara.
C) a alma do escravo contemplara, no Mundo das Idéias, as formas geométricas, e por isso
tinha ele conseguido resolver o problema apresentado.
D) as sucessivas reencarnações de Sócrates possibilitaram a ele induzir o escravo a chegar à
solução do problema sobre o cálculo da área do retângulo.

Questão 05
A questão apresentada no início do Mênon, de Platão, é:
A) de que modo a virtude seria adquirida.
B) como se chega ao conhecimento das formas geométricas.
C) como se adquire o conhecimento em geral.
D) se a escravidão deveria ter lugar na cidade ideal.

Questão 06
A palavra "ética" tem origem em dois termos gregos que, pela falta de uma letra em língua
portuguesa para designar como fonemas distintos o "e" longo e o "e" curto são referidos como
"ethos". Os sentidos que mais bem expressam os significados destes termos são:
A) Finalidade e Dever.
B) Costumes e Normas.
C) Bem e Dever.
D) Costumes e Caráter.

Questão 07
Em relação à ética de Aristóteles, podemos afirmar que:
A) trata-se de uma deontologia, pois visa à felicidade.
B) é baseada nas virtudes dianoéticas que dependem do hábito.
C) tem por finalidade última o exercício da virtude da justiça.
D) considera a instrução e o hábito fundamentais para a virtude.

Questão 08
Aristóteles, na Ética a Nicômaco, acerca da phronesis, que pode ser traduzida como prudência
ou discernimento, afirma que:
A) é uma qualidade racional que leva à verdade no tocante às ações relacionadas aos bens
humanos.
B) é uma virtude moral que leva ao meio termo entre duas formas de deficiência moral.
C) é impossível ser uma virtude intelectual porque não é conhecimento científico nem arte.
D) é a virtude intelectual que permite contemplar a idéia de bem e aplicá-la às situações
humanas.

Questão 09
No Livro I da República, Sócrates refuta as definições e opiniões de Trasímaco sobre a justiça.
Essas definições e opiniões refutadas são:
A) a justiça é o que está no interesse do mais forte; a injustiça é mais vantajosa do que a
justiça.
B) a justiça consiste em dizer a verdade e restituir o que se tomou; a injustiça é mais vantajosa
do que a justiça.
C) a justiça significa fazer o bem aos amigos e mal aos inimigos; portanto, ela nem sempre é
mais vantajosa do que a injustiça.
D) a justiça significa dar a cada um o que se lhe deve; ela é mais vantajosa do que a injustiça.

Questão 10
Em sua obra Política, Aristóteles afirma que:
A) os governantes da pólis, cuja finalidade é o bem comum, devem ser virtuosos porque
refletem a virtude dos cidadãos.
B) a linguagem permite ao homem exprimir em comum as noções de bem e mal, justo e injusto.

C) a comunidade política é anterior às famílias e aldeias, do ponto de vista ontológico, mas, do


ponto de vista lógico e cronológico, é posterior.
D) a aristocracia é a melhor forma de governo por permitir que os melhores homens conduzam
a cidade.

Questão 11
Na República, Livro X, Platão, ao considerar a relação entre arte, mímese e verdade, afirma que:

A) a verdade na arte depende da natureza do objeto imitado.


B) a arte de imitar está bem longe de produzir a verdade.
C) o artista que imita a realidade produz o belo e revela a verdade.
D) a arte é verdade por ser imitação que tem inspiração nas musas.

Questão 12
As duas formas de arte comparadas por Aristóteles na obra Poética são:
A) a epopéia e a tragédia, afirmando o igual valor de ambas.
B) a comédia e a tragédia, afirmando o caráter mais filosófico da primeira.
C) a tragédia e a epopéia, afirmando a superioridade da primeira.
D) o mito e a comédia, afirmando o caráter mais filosófico do primeiro.

Questão 13
Qual das afirmações abaixo melhor expressa a fórmula de Agostinho "Crê para compreender;
compreende para crer"?
A) Apenas pela fé, e não pela razão, chega-se ao conhecimento de Deus.
B) Somente pela razão somos capazes de compreender a existência de Deus.
C) Razão e fé são irreconciliáveis, pois a primeira é falha e a segunda é divina.
D) A fé ilumina a inteligência e a razão pode iluminar o conteúdo da fé.

Questão 14
No Livro XI das Confissões, Santo Agostinho reflete sobre a dimensão ontológica do tempo,
indicando-a como "distensão da alma". Qual das caracterizações abaixo melhor sintetiza esta
indicação do autor?
A) Mensuração subjetiva da durabilidade de minhas impressões.
B) Ilusão enganadora que falseia a eternidade de minha condição.
C) Passado do presente, presente do presente, futuro do presente.
D) Presente do passado, presente do presente, presente do futuro.

Questão 15
Parte da experiência sensível para concluir, através de cinco vias cosmológicas, a existência de
Deus:
A) Agostinho de Hipona.
B) Anselmo de Cantuária
C) Pedro Abelardo.
D) Tomás de Aquino.

Questão 16
"O universal está na forma das coisas e é abstraído pelo intelecto". Essa tese ontológica pode
ser atribuída à:
A) Agostinho de Hipona.
B) Pedro Abelardo.
C) Tomás de Aquino.
D) Guilherme de Ockham.

Questão 17
Qual formulação designa melhor a expressão "navalha de Ockham"?
A) O princípio de economia de pensamento: não multiplicar os seres sem necessidade.
B) A negação dos universais: eles são apenas abstrações das formas das coisas.
C) Separação entre a Igreja e o Estado: o poder temporal não compete à primeira.
D) Ceticismo em teologia natural: neste campo, a existência de Deus é apenas provável.

Questão 18
Podemos apontar como uma característica importante da ciência moderna:
A) a valorização da observação e do método experimental na determinação das causas finais na
natureza.
B) a formulação da noção de universo infinito possibilitada pela superação das idéias de espaço
e tempo absolutos.
C) o uso da matemática na investigação física por Galileu, proposta sob inspiração platônica e
pitagórica.
D) o mecanicismo que, por oposição ao dinamismo, não aceita o recurso a forças para a
explicação dos fenômenos naturais.

Questão 19
À qual escola filosófica da Antigüidade, Michel de Montaigne, pensador francês do século XVI,
pode ser associado?
A) Aos acadêmicos, por afirmar a superioridade da ciência sobre as opiniões.
B) Aos sofistas, por afirmar que o homem é a medida de todas as coisas.
C) Ao epicurismo, por crer no valor das paixões como guia da conduta.
D) Ao pirronismo, por considerar todo conhecimento como opinião.

Questão 20
Em sua obra Novum Organum, Francis Bacon analisa os tipos de noções falsas que, ao
ocuparem o intelecto humano, obstruem-no, dificultando o alcance da verdade, bem como
impedem a realização da ciência. Tais são os Ídolos da Tribo, os Ídolos da Caverna, os Ídolos do
Foro e os Ídolos do Teatro, os quais dizem respeito, respectivamente, a:
A) noções fundadas na própria natureza humana; noções do homem enquanto indivíduo; noções
provenientes do emprego e manejo das palavras de maneira imprópria; noções sustentadas
pelas doutrinas filosóficas.
B) noções do homem enquanto indivíduo; noções fundadas na própria natureza humana; noções
provenientes do emprego e manejo das palavras de maneira imprópria; noções sustentadas
pelas doutrinas filosóficas.
C) noções fundadas na própria natureza humana; noções provenientes do emprego e manejo
das palavras de maneira imprópria; noções do homem enquanto indivíduo; as noções
sustentadas pelas doutrinas filosóficas.
D) noções fundadas na própria natureza humana; noções provenientes do emprego e manejo
das palavras de maneira imprópria; as noções sustentadas pelas doutrinas filosóficas; noções do
homem enquanto indivíduo.

Questão 21
Considerando os trechos abaixo das Meditações Metafísicas, de Descartes, qual seqüência revela
a ordem das razões?
I. "(...) só concebemos os corpos pela faculdade de entender em nós existente e não pela
imaginação, nem pelos sentidos, e que não os conhecemos pelo fato de os ver ou de tocá-los,
mas somente por os conceber pelo pensamento, reconheço com evidência que nada há que me
seja mais fácil conhecer do que meu espírito".
II. "(...) nada sou, pois falando precisamente, senão uma coisa que pensa, isto é, um espírito,
um entendimento ou uma razão".
III. "Mas o que sou eu, portanto? Uma coisa que pensa. Que é coisa que pensa? É uma coisa
que duvida, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que imagina também e que sente".
IV. "(...) eu sou, eu existo, é necessariamente verdadeira todas as vezes que a anuncio ou que
a concebo em meu espírito".
A) IV, III, II, I.
B) IV, III, I, II.
C) IV, II, III, I.
D) III, I, IV, II.

Questão 22
Na Carta-Prefácio aos Princípios da Filosofia, Descartes compara seu projeto filosófico a uma
árvore, indicando quais conhecimentos corresponderiam a sua raiz, a seu tronco e a seus
galhos. Raiz, tronco e galhos dessa árvore da sabedoria de Descartes são, respectivamente:
A) Matemática (raiz); Lógica (tronco); Metodologia, Botânica e Moral Provisória (galhos).
B) Método (raiz); Matemática (tronco); Filosofia, Física e Astronomia (galhos).
C) Metafísica (raiz); Física (tronco); Medicina, Moral e Mecânica (galhos).
D) Metafísica (raiz); Matemática (tronco); Medicina, Moral e Física (galhos).

Questão 23
A noção de "realidade objetiva das idéias" é premissa da prova da existência de Deus
apresentada por Descartes na Meditação Terceira. Nesse caso, "realidade objetiva" significa:
A) que a idéia necessariamente tem que ter por origem um objeto real, ainda que supra-
sensível (como Deus).
B) a participação, por representação, em graus de ser ou de perfeição.
C) a referência necessária de uma idéia, seu sentido.
D) o complemento eidético à subjetividade do cogito.

Questão 24
Para Leibniz, as mônadas são:
A) os seres entendidos em sua própria singularidade.
B) as substâncias simples, inextensas e indivisíveis.
C) os atributos divinos em suas perfeições próprias.
D) os caracteres essenciais do melhor dos mundos possíveis.

Questão 25
Segundo Hume, em seu Investigação sobre o entendimento humano, os "objetos da razão ou
investigação humana podem ser divididos naturalmente em duas espécies", a saber:
A) relações de causa e efeito e entes de razão.
B) relações de idéias e questões de fato.
C) fenômenos e teorias.
D) hipóteses e dados empíricos.

Questão 26
Na Investigação sobre o entendimento humano, Hume observa que objetos vistos pela primeira
vez não revelam sua causa ou efeito que deles decorre, porque:
A) a conexão de um acontecimento com outro que lhe antecede ou sucede se apóia apenas na
regularidade, o que em última análise explica-se pelo hábito.
B) a associação de eventos ocorre por conceitos do entendimento e não por observação da
experiência.
C) a conexão de um acontecimento com outro que lhe antecede ou sucede não se apóia na
regularidade, mas antes nas operações do intelecto humano.
D) a associação de um acontecimento com outro se apóia no hábito e no intelecto humano.
Questão 27
Na Crítica da Razão Pura, Kant chama de "unidade sintética originária da apercepção" a seguinte
representação:
A) o espaço, pois ele unifica a síntese de nossas percepções originais dos fenômenos, por ser
uma forma pura da sensibilidade.
B) o eu penso, pois ele é a autoconsciência que deve poder acompanhar todas as demais
representações e é una e idêntica em toda consciência.
C) o tempo, pois ele é uma representação necessária que serve de fundamento a todas as
intuições e a possibilidade dos princípios apodíticos.
D) o juízo sintético a priori, pois ele serve de fundamento a todas as nossas experiências
possíveis, ligando no sujeito as representações de experiência.

Questão 28
Na concepção de Kant, o problema geral da razão pura é saber como são possíveis os "juízos
sintéticos a priori", os quais dizem respeito a:
A) uma incógnita "x" sobre a qual o entendimento se apóia e que viabiliza a metafísica como
uma possibilidade da experiência.
B) um juízo em que a sensibilidade e o entendimento se apóiam para relacionar um dado "A" a
um predicado "B" a posteriori.
C) uma incógnita "x" sobre a qual o entendimento se apóia ao crer descobrir fora do conceito de
"A" um predicado "B" estranho a esse conceito e não obstante conectado a ele.
D) uma relação entre um dado "A" e um conceito "B", cuja conexão encontra-se como intuição
pura do entendimento.

Questão 29
A ética de Spinoza considera que:
A) o reto exercício da razão é a forma de bem conduzir o direito ao livre-arbítrio.
B) o livre-arbítrio é a garantia da liberdade humana face o determinismo da natureza.
C) o controle das paixões pela razão é o caminho para garantir a liberdade.
D) o homem se torna livre pelo amor intelectual a Deus.

Questão 30
Para Rousseau, a liberdade pode ser definida como um princípio:
A) a ser limitado pelo hábito, já que a liberdade de cada um termina quando começa a do outro.

B) segundo o qual o que o homem pode fazer corresponde às forças que lhe dá a natureza.
C) que se deve alienar em favor do contrato social, regido por um poder soberano.
D) contrário à busca da autonomia, sendo esta a responsável direta pelos males da civilização.

Questão 31
O conceito de dever, na ética kantiana, significa:
A) a necessidade de realizar uma ação conforme a lei moral, relacionando-a com um objeto da
faculdade de desejar.
B) a ação objetivamente prática, isto é, a coincidência entre a intenção do agente e os efeitos da
ação.
C) a ação objetivamente prática, isto é, a coincidência entre a máxima que determina a vontade
e a lei moral.
D) a necessidade de realizar uma ação por respeito à lei moral, sem relação com a motivação da
vontade.

Questão 32
Pensador da política inspirado pelos valores Renascentistas, Maquiavel, na sua obra O Príncipe,
pretende indicar mudanças necessárias na arte de governar. Podemos dizer que política deveria
ser, segundo ele, definida como:
A) a arte de ceder à fortuna.
B) capacidade de manipular os homens, infundindo o ódio.
C) a capacidade de reverter a fortuna a favor do governo.
D) capacidade de governar com rigor, porém com justa medida.

Questão 33
As expressões "guerra de todos contra todos" e "insociável sociabilidade" originam-se
respectivamente destes filósofos e pretendem descrever os seguintes estados de coisas:
A) Rousseau, falando da situação dos homens em estado de natureza, e Hobbes, ao narrar a
vida dos seres humanos sem o Estado.
B) Hobbes, comentando sobre as relações entre seres humanos que vivem sem o Estado, e
Kant, qualificando as relações entre os indivíduos humanos obrigados a viver em sociedade.
C) Hobbes, comentando sobre as relações entre os seres humanos que vivem sem o Estado, e
Rousseau, classificando as relações entre os indivíduos humanos obrigados a viver em
sociedade.
D) Rousseau, falando da situação dos homens que vivem em sociedade, e Hegel, ao descrever a
dialética das relações sociais.

Questão 34
Alexander Baumgarten, no século XVIII, empregou pela primeira vez o termo "Estética"
referindo-se à disciplina filosófica que tem como foco de estudo:
A) a essência do belo.
B) a questão do corpo.
C) a análise das obras de arte.
D) a contemplação da natureza.

Questão 35
Para Immanuel Kant, o juízo de gosto é:
A) desinteressado e referido a um sentimento.
B) objetivo e desinteressado.
C) formalista e uma finalidade sem fim.
D) objetivo e formalista.

Questão 36
No começo da Ciência da Lógica, Hegel contrapõe "ser" e "nada", definindo-os como
indeterminados. Sendo assim, afirma que:
A) como absolutos, encontram-se separados, sem relação entre si.
B) são o mesmo.
C) o nada é o não-ser de alguma coisa.
D) são incompatíveis entre si, mas encontram-se em relação dialética.

Questão 37
Indique qual das alternativas a seguir NÃO é compatível com o pensamento de Hegel, tal como
exposto na Fenomenologia do Espírito.
A) O conteúdo concreto da certeza sensível faz com que ela apareça imediatamente como o
conhecimento mais rico, e mesmo como um conhecimento de infinita riqueza para o qual
nenhum limite pode ser encontrado.
B) A linguagem possui a natureza divina de inverter a opinião, de torná-la outra coisa e de
impedi-la de aceder à palavra.
C) Nesse Verdadeiro interior, como no Absoluto-Universal ? que expurgado da oposição entre
universal e singular veio-a-ser para o entendimento ?, agora, pela primeira vez, descerra-se
sobre o mundo sensível como o mundo aparente, um mundo supra-sensível como o verdadeiro.
D) A passagem para o estoicismo como figura da consciência só é possível porque a dialética
entre o senhor e o escravo faz triunfar a moral do senhor, restando assim à consciência servil a
fuga do mundo expressada na consciência estóica.

Questão 38
No contexto da discussão ontológica, as seguintes frases referem-se ao ser humano:
I) A existência precede a essência.
II) A essência reside em sua existência.
III) A essência precede a existência.
Essas frases podem ser relacionadas, respectivamente, ao pensamento de:
A) Sartre; Merleau-Ponty; Aristóteles.
B) Camus; Sartre; Descartes.
C) Sartre; Heidegger; Platão.
D) Merleau-Ponty; Heidegger; Aristóteles.

Questão 39
Na Introdução de Ser e Tempo, Heidegger afirma que, no tratamento dado pela metafísica à
questão do ser, têm raízes três "preconceitos" que "constante e renovadamente, plantam e
nutrem a desnecessidade de uma pergunta pelo ser". Estes preconceitos são:
A) 1º - "O "ser" é o conceito mais universal."; 2º - "O "ser" é o conceito compreensível por si
mesmo.";
3º - "O "ser" se diz de diversos modos.".
B) 1º - "O "ser" é o conceito mais universal."; 2º - "O conceito "ser" é indefinível."; 3º - "O "ser"

é o "imediato indeterminado"."
C) 1º - "O "ser" é o conceito mais universal."; 2º - "O conceito "ser" é indefinível."; 3º - "O
"ser" é o conceito compreensível por si mesmo."
D) 1º - "O "ser" é o conceito mais universal."; 2º - "O "ser" é o "imediato indeterminado"."; 3º -
"O "ser"
se diz de diversos modos.".

Questão 40
Marque a afirmação correta segundo Ser e tempo, obra de Heidegger (os termos entre
parênteses são do original em alemão).
A) A disposição (Befindlichkeit) é o existencial que mantém o mundo aberto numa estrutura
prévia.
B) O discurso (Rede) é necessariamente proposicional e articula os outros existenciais.
C) A interpretação (Auslegung) é um modo derivado da proposição (Aussage).
D) A angústia (Angst) é uma disposição privilegiada porque ela singulariza o ser-aí (Dasein,
também traduzido como "presença").

Questão 41
O que é correto afirmar sobre as diferentes teorias da linguagem elaboradas por Ludwig
Wittgenstein em suas obras Tratactus Logico-Philosophicus e Investigações Filosóficas?
A) No Tratactus, considera-se que a forma lógica da linguagem corresponde à sua forma
gramatical, mas na teoria dos jogos de linguagem não.
B) De acordo com a teoria figurativa do significado, as únicas proposições com sentido são as
proposições da ciência natural.
C) Nas Investigações Filosóficas, a filosofia é concebida como a atividade de elucidar a
linguagem, mas no Tratactus ela é uma teoria lógica.
D) A teoria figurativa do significado afirma a existência dos jogos de linguagem, enquanto a
abordagem pragmática refere-se apenas a atos performativos.

Questão 42
Segundo Hegel, a eticidade (Sittlichkeit), que se distingue da moralidade (Moralität), define-se
por:
A) ser a concordância de uma ação em relação à lei moral, considerando o móvel da ação.
B) ser a realização do bem em instituições históricas que o garantam.
C) ser a vontade subjetiva, que visa ao bem individual.
D) assumir, como móvel da ação, a idéia de dever.

Questão 43
Sobre o conceito de trabalho, em Marx, pode-se afirmar:
A) O valor de troca de uma mercadoria distingue-se de seu valor, pois este é a satisfação de
necessidades humanas imediatas proporcionada pelo trabalho útil.
B) O trabalho abstrato é o que distingue os homens dos animais, por consistir na capacidade de
elaborar mentalmente uma ação antes de realizá-la.
C) O trabalho criador de valor de uso é condição de existência do homem, independente das
formas de sociedade que se desenvolvem historicamente.
D) A força de trabalho e a tecnologia são as únicas mercadorias capazes de criar valor, sendo
pressupostos da apropriação de mais-valia.

Questão 44
O modo como Marx compreende as relações entre homem e sociedade permite afirmar que:
A) a essência humana é concebida como o conjunto das relações sociais, portanto, externa à
natureza.
B) as leis que regem a produção modificam-se com o desenvolvimento das diferentes formas
sociais, em um processo natural e histórico.
C) as leis que regem a produção nas diferentes sociedades não se alteram, enquanto não for
superada a sociedade de classes.
D) o conflito entre forças produtivas e relações de produção deve ser visto como uma forma de
conflito entre indivíduo e sociedade.

Questão 45
A partir da contraposição entre moral nobre e moral escrava, feita por Nietzsche na obra
Genealogia da Moral, pode-se afirmar que:
A) o homem do ressentimento considera o inimigo como mau, enquanto o nobre vê o inimigo
como desprezível.
B) a modernidade é o momento de afirmação do indivíduo nobre, criador, a partir de seus
talentos e virtudes.
C) o amor aos inimigos é um disfarce do ressentimento, mas ocorre de modo autêntico no
espírito nobre.
D) a moral nobre é criadora e gera valores, ao contrário do ressentimento, que apenas inverte
as valorações nobres.
Questão 46
De acordo com a discussão que Nietzsche realiza sobre a origem dos valores morais, pode-se
afirmar que:
A) na avaliação reativa, os fracos primeiro avaliam a si mesmos como bons e daí decorre a
avaliação do outro, o forte, como mau.
B) os gestos úteis foram inicialmente valorados como bons, tendo se tornado hábito passar a
considerá-los como bons em si.
C) a moral escrava tem sua origem no cristianismo, religião na qual a oposição entre bem e mal
foi primeiramente constituída.
D) a filologia mostra que as palavras usadas para designar a nobreza social adquiriram
progressivamente o sentido de nobreza de espírito.

Questão 47
Michel Foucault, ao tematizar a questão do poder, em sua análise da soberania, afirma como
prioritário:
A) saber como se forma essa alma do corpo político unificado que é a soberania.
B) investigar como se constituem os sujeitos pelos efeitos do poder.
C) compreender as motivações histórico-políticas que levaram à soberania.
D) avaliar a multiplicidade de subdivisões de poder que antecederam à soberania.

Questão 48
Através dos princípios de justiça, como concebidos por John Rawls, deve ser:
A) efetivada a distribuição eqüitativa de bens básicos para todas as pessoas,
independentemente dos projetos pessoais de vida e suas concepções de bem.
B) enfatizado o conjunto dos bens primários, que consistem exclusivamente em: liberdade
básica, renda, educação e saúde.
C) reconhecida uma distribuição não eqüitativa de bens básicos para todas as pessoas, mas
apenas dos bens primários que são o auto-respeito e a auto-estima.
D) implementada a distribuição eqüitativa de bens básicos para todas as pessoas, os quais
dependem dos projetos pessoais de vida, mas não das concepções de bem.

Questão 49
Já na primeira obra de Nietzsche, O Nascimento da Tragédia, é possível identificar a discussão
sobre a ciência, a arte e a moral. Com relação a essa discussão, pode-se afirmar que:
A) Nietzsche tenta pela primeira vez ver a arte com a ótica da ciência, e a ciência com a ótica da
vida.
B) a arte e a moral, diferentemente da ciência, seriam as duas atividades propriamente
metafísicas do homem.
C) o socratismo estético, segundo o qual "tudo deve ser inteligível para ser belo", foi causa de
decadência da tragédia grega.
D) a tragédia foi inicialmente uma manifestação do pessimismo, superado pela adesão de
Eurípedes a um otimismo racional.

Questão 50
Segundo a análise da indústria cultural realizada por Adorno e Horkheimer, pode-se afirmar
que:
A) a abolição do privilégio educacional pela venda de produtos culturais promove uma formação
ampla, porém incompleta.
B) a promessa de felicidade da arte autônoma não pode se realizar por sua incapacidade de
conquistar o mercado.
C) a arte séria deve ser transformada em seus fundamentos concretos para tornar-se arte
revolucionária.
D) a indústria cultural dissolve a oposição tradicional entre alta cultura e cultura popular e cria
uma barbárie estilizada.

GABARITO:
01)D 26)A
02)A 27)B
03)A 28)C
04)ANULADA 29)D
05)A 30)B
06)D 31)C
07)D 32)C
08)A 33)B
09)A 34)A
10)B 35)ANULADA
11)B 36)B
12)C 37)D
13)D 38)C
14)D 39)C
15)D 40)D
16)C 41)B
17)A 42)B
18)C 43)C
19)D 44)B
20)A 45)ANULADA
21)ANULADA 46)D
22)C 47)B
23)B 48)A
24)B 49)C
25)B 50)D