Você está na página 1de 3

Proposta de resolução do teste de avaliação 3

2020-2021
Biologia e Geologia 10.º ano

Grupo I

1. Opção C. Segundo a definição de GPI, a acumulação de rochas dá-se num curto período geológico, pelo que
a extrusão de magma será rápida. Nos riftes ativos, esta é geralmente contínua.
2. Opção B. Atualmente, são utilizados métodos diretos e indiretos para o estudo do interior da Terra,
destacando-se a sismologia (geofísica).
3. Opção D. A litosfera, constituída pela crusta e parte do manto superior, apresenta materiais no estado
sólido rígido, que evidenciam movimentos sobre a astenosfera.
4. Opção A. De acordo com a tabela 1, na zona do rifte da Etiópia o atraso das ondas sísmicas apresenta dos
valores mais elevados dos locais assinalados, o que poderá relacionar-se com a presença de materiais
aquecidos, e por isso menos rígidos do que as rochas adjacentes.
5. Opção C. De acordo com o texto e os dados da figura 1, a diferença de temperatura relativamente ao valor
médio do manto atingiu valores máximos entre 10 Ma e 40 Ma na zona este-africana (170 °C).
6. Opção A. Segundo a figura 1, na PIAN (Província Ígnea do Atlântico Norte) verificou-se a temperatura mais
elevada no manto (cerca de 1650°C), logo, apresenta a maior diferença em relação ao valor médio.
7. Opção D. Segundo a tabela, para os 410 km de profundidade verifica-se um atraso na velocidade de
propagação das ondas sísmicas, para todas as estações. Assim, em todos estes locais haverá materiais a
elevadas temperaturas, responsáveis por esse atraso.
8. Opção D. A velocidade das ondas sísmicas aumenta com o aumento da rigidez dos materiais atravessados.
O núcleo externo é líquido e o interno é sólido, pelo que a velocidade das ondas aumenta nesta
descontinuidade.
9. B – D – C – A – E

Grupo II

1. Opção A. As ERO reagem com lípidos, pelo que poderão afetar a bicamada fosfolipídica da membrana
celular.
2. Opção B. Os antioxidantes reduzem a quantidade de ERO no organismo: uma vez que estas moléculas
podem provocar lesões muscular, a sua diminuição contribui para prevenir essas mesmas lesões.
3. Opção D. Segundo as informações do texto, a vitamina C pode inibir algumas adaptações ao treino.
4. Opção B. A celulose e a quitina entram na constituição, por exemplo, da parede celular de plantas e fungos,
respetivamente, enquanto que o amigo e o glicogénio são substâncias de reserva de plantas e animais,
respetivamente.
5. Opção D. As estruturas celulares comuns a células eucarióticas (animais e vegetais) e procarióticas
(bacterianas) são: membrana celular, citoplasma e ribossomas (organelos não-membranares).
6. Opção A. Procurou avaliar-se o efeito da dose de vitamina C/vitamina C+E e da duração da aplicação dos
suplementos (variáveis independentes experimentais) no desempenho desportivo. Assim, este último fator
será a variável dependente neste estudo.
7. Opção B. Não existe uma relação diretamente proporcional entre a duração da suplementação e a melhoria
do desempenho desportivo (I – F). Analisando os resultados, existe uma grande variação do desempenho
desportivo com a dose e a duração da suplementação (II – V). Por exemplo, entre a suplementação durante
uma semana e quatro semanas, ou durante quatro e oito semanas, o efeito nem sempre aumenta (III – F).

8.
- Referência aos resultados do estudo que não estabelecem uma relação direta entre um aumento da dose de
vitamina C e/ou da duração da suplementação com um aumento do desempenho desportivo.
- Referência à inibição das adaptações ao treino na presença de vitamina C.
- Relação entre a ingestão de vitamina C através da alimentação e a redução do stresse oxidativo, garantindo a
manutenção das adaptações ao treino.

9.
- Referência aos dados do estudo que falham em estabelecer uma relação entre a dose de vitamina C e a
duração da suplementação e melhorias no desempenho desportivo.
- Referência à possibilidade de, realizando mais estudos, serem determinados valores e durações ótimos para
suplementação no sentido de potenciar o desempenho desportivo em atletas.

Grupo III

1. Opção C. Os alces e castores são herbívoros, pelo que no PNY podem utilizar as árvores como fonte de
alimento.
2. Opção C. O lobo alimenta-se de alces, mas tem outras fontes de alimento: se a população de alces se
extinguir, o lobo poderá sobreviver alimentando-se de outros animais.
3. Opção D. Em todos os ecossistemas, estão presentes microrganismos, como bactérias e fungos, que
decompõem matéria orgânica em matéria inorgânica, que fica disponível para os produtores.
4. Opção B. Embora a população de lobos não tenha aumentado sempre de ano para ano, a tendência foi
para um crescimento da população, entre o início e o fim do período representado.
5. Opção A. Por vezes, organismos que são criados em parques zoológicos não demonstram capacidade
para sobreviver em meio selvagem (I – V). Com a introdução de lobos, será de esperar um aumento da
população de castores, pois os lobos contribuem para a diminuição da população de cervos, competidores dos
castores, (II – F). Os ecossistemas de Isle Royale e do PNY são diferentes, sendo o último considerado mais
complexo, pelo que a evolução das populações não deverá ser igual em ambos (III – F).
6. E – D – B – C – A
7.
- Referência ao papel dos organismos do primeiro nível trófico, como plantas de folha caduca e plantas
aquáticas, na síntese de matéria orgânica.
- Referência aos consumidores de primeira ordem/herbívoros, como alces e cervos, que ocupam o
segundo nível trófico, e consomem as plantas ou produtores.
- Referência aos consumidores de segunda e terceira ordem/carnívoros e necrófagos, que consomem
outros animais.
- Referência aos decompositores, que transformam a matéria orgânica em matéria inorgânica, fechando
o ciclo de nutrientes.

8. É previsível que as populações das presas do lobo-cinzento no PNY tenham estabilizado, isto é, variado
em torno de um valor médio: crescimento e diminuição sucessivos de presas e predadores.
Grupo IV

1. Opção D. Os diamantes podem fornecer informações sobre o interior da Terra, pois formam-se apenas
em condições de elevada termodinâmica e podem apresentar minerais incluídos, por exemplo, minerais
hidratados.
2. Opção A. O texto faz referência à menor abundância de diamantes ultra-profundos (5%), que deverão
formar-se entre os 410 km e os 660 km de profundidade; de acordo com a figura 2, a esta profundidade
encontra-se uma zona de transição entre manto superior e inferior.
3. Opção C. No mapa é possível observar algumas regiões em que são encontrados os três tipos de
diamantes, como, por exemplo, na África ocidental.
4. Opção A. As placas que subductam são fragmentos de litosfera, uma camada rígida que enquadra o
modelo físico do interior da Terra.
5. Opção B. As informações apresentadas, representadas na figura 3, estimam uma quantidade de água no
interior da Terra muito superior à atualmente aceite, baseando-se em especial nos minerais hidratados dos
diamantes.
6. Opção D. A figura 3 mostra que a maior percentagem de água poderá concentrar-se abaixo do manto
superior, portanto a profundidades superiores a 410 km.
7.
- Referência às percentagens de água encontradas em meteoritos e cometas, de 10% e 50% da sua massa,
respetivamente.
- Referência aos valores de água em cometas e meteoritos muito superiores aos 0,05% da massa da Terra,
valor atualmente aceite.
- Referência ao facto de os dados apoiarem indiretamente a proposta dos autores do estudo apresentado.

Você também pode gostar