Você está na página 1de 3

Cientistas descobrem como os

egípcios moveram pedras


gigantes para formar as
pirâmides
Por: Andrew Tarantola
1 de maio de 2014 às 11:38
633840

Uma civilização antiga, sem a ajuda de tecnologia moderna, conseguiu mover


pedras de 2,5 toneladas para compor suas famosas pirâmides. Mas como? A
pergunta aflige egiptólogos e engenheiros mecânicos há séculos. Mas agora, uma
equipe da Universidade de Amsterdã acredita ter descoberto o segredo – e a solução
estava na nossa cara o tempo todo.
Tudo se resume ao atrito. Os antigos egípcios transportavam sua carga rochosa
através das areias do deserto: dezenas de escravos colocavam as pedras em grandes
“trenós”, e as transportavam até o local de construção. Na verdade, os trenós eram
basicamente grandes superfícies planas com bordas viradas para cima.

Quando você tenta puxar um trenó desses com uma carga de 2,5 toneladas, ele
tende a afundar na areia à frente dele, criando uma elevação que precisa ser
removida regularmente antes que possa se tornar um obstáculo ainda maior.
A areia molhada, no entanto, não faz isso. Em areia com a quantidade certa de
umidade, formam-se pontes capilares – microgotas de água que fazem os grãos de
areia se ligarem uns aos outros -, o que dobra a rigidez relativa do material. Isso
impede que a areia forme elevações na frente do trenó, e reduz pela metade a força
necessária para arrastar o trenó.

Ou seja, o truque é molhar a areia à frente do trenó. Como explica o comunicado à


imprensada Universidade de Amsterdã:
Os físicos colocaram, em uma bandeja de areia, uma versão de laboratório do trenó egípcio.
Eles determinaram tanto a força de tração necessária e a rigidez da areia como uma função
da quantidade de água na areia. Para determinar a rigidez, eles usaram um reômetro, que
mostra quanta força é necessária para deformar um certo volume de areia.
Os experimentos revelaram que a força de tração exigida diminui proporcionalmente com a
rigidez da areia… Um trenó desliza muito mais facilmente sobre a areia firme [e úmida] do
deserto, simplesmente porque a areia não se acumula na frente do trenó, como faz no caso
da areia seca.
Estas experiências servem para confirmar o que os egípcios claramente já sabiam, e
o que nós provavelmente já deveríamos saber. Imagens dentro do túmulo de
Djehutihotep, descoberto na Era Vitoriana, descrevem uma cena de escravos
transportando uma estátua colossal do governante do Império Médio; e nela, há um
homem na frente do trenó derramando líquido na areia. Você pode vê-lo na
imagem acima, à direita do pé da estátua.

Agora podemos finalmente declarar o fim desta caçada científica. O estudo foi
publicado naPhysical Review Letters. [Universidade de
Amsterdã via Phys.org via Gizmodo en Español]
Imagens por wmedien/Shutterstock; Al-Ahram Weekly, 5-11 de agosto de 2004, edição
702; Universidade de Amsterdã

Você também pode gostar