Você está na página 1de 2

Marcos Pontes é Astronauta da ativa e aguarda a escalação para o

segundo vôo espacial.

Entre mais de 6.000.000.000 (6 bilhões) de pessoas na superfície da


Terra, apenas alguns, cerca de 400 representantes da humanidade,
conseguiram chegar ao espaço e puderam ver o nosso Planeta e o
firmamento em todo o seu esplendor.

Marcos Pontes está entre essas poucas pessoas. O Brasil, com seus
180 milhões de habitantes, possui apenas um astronauta.

Desde Junho de 1998, quando foi selecionado pela Agência Espacial


Brasileira (AEB) através de concurso público aberto a todos os
Brasileiros que tivessem os requisitos exigidos pelo edital, Marcos
Pontes permanece continuamente à disposição do Programa Espacial
Brasileiro, como Astronauta, para a realização de missões tripuladas
segundo as necessidades do nosso País.

Até 1998, Marcos Pontes era piloto militar da Força Aérea Brasileira
(FAB). Depois da seleção, ele teve que deixar de exercer as suas
funções militares para poder representar o Brasil exclusivamente nas
funções civis de Astronauta.

A função de Astronauta é civil e tem diversas atividades de relações


institucionais, administrativas e políticas que são conflitantes com a
atividade e o regulamento militar.

Portanto, conforme o que é feito normalmente por todos os países


desenvolvidos, em maio de 2006, e após oito anos de dedicação
exclusiva às funções civis, o Astronauta Marcos Pontes, que era
administrativamente subordinado à FAB e operacionalmente ligado à
AEB, foi efetivamente transferido pelo Comando da Aeronáutica para
a reserva militar para que pudesse continuar a servir o Brasil na
atividade civil de Astronauta, de forma mais completa e adequada,
após a realização da sua primeira missão espacial.

Assim, após a sua transferência para a reserva militar, Marcos


Pontes, além de continuar na sua função de Astronauta, também
pode assumir outras responsabilidades e funções de grande
importância para o País, entre elas: Diretor do Instituto Nacional para
o Desenvolvimento Espacial e Aeronáutico, Professor e Pesquisador
Convidado da USP, Consultor, Presidente de Fundação em prol da
Educação, Embaixador Mundial da Educação Profissional, etc. Todas
elas eram impedidas anteriormente pela sua situação de militar.

Na sua função primeira de Astronauta, atualmente ele aguarda com


ansiedade pelo acionamento para o seu segundo vôo espacial, e
poderá ser escalado pela AEB a qualquer momento, dependendo
exclusivamente da decisão do Governo Brasileiro para a definição da
missão.

Enquanto aguarda a definição sobre a sua escalação para a segunda


missão espacial do Brasil, o Astronauta Brasileiro permanece em
Houston, onde também está a disposição da AEB como representante
técnico junto à NASA e outras instituições ligadas ao Programa da
Estação Espacial Internacional (ISS).

No Brasil, o Astronauta Marcos Pontes também trabalha em prol do


Programa Espacial Brasileiro na assessoria estratégica, na motivação
de jovens para as carreiras de ciência e tecnologia, assim como na
formação de Recursos Humanos, desenvolvendo junto ao
Departamento de Engenharia Aeronáutica da Universidade de São
Paulo (USP) a estrutura e os requisitos para a criação de um curso
público de Engenharia Aeroespacial, visando suprir o Programa
Espacial de engenheiros especializados nas atividades críticas dos
nossos projetos.

O Astronauta Marcos Pontes, além de ser o Primeiro Astronauta


Brasileiro, também é o Primeiro Astronauta lusófono e o Primeiro
Astronauta Profissional com cidadania única de um País do Hemisfério
Sul do Planeta.

Para saber mais acesse:

http://www.marcospontes.net/

Você também pode gostar