Você está na página 1de 5

"

(') <.,!f:> Q..O?'--C:.v)


.• b·· . I
.,,'

..::.
.•_- •..
~..::.-_.....:..._---:-----:- Leitura complementa r espalhar-se so re as paginas re u- . Agitou de novo a mão. e a En-
zentes dos livros. Das filas de be- [ermeira-Cheie baixou uma segun-.
,
..
~f /}
Yd~~\
lI/i to.

. bês que se arrastavam. a quatro da alavanca. Os gritos das crian-


pés; elevaram-se gritinhos de ex- ças mudaram subitamente de tom.
No adÕürável mundo novo •.• • Em silêncio. elas obedeceram à'
citação. murmúrios e gorgolejos Havia algo de desesperado. de
ordem. Entre os \'asos de rosas, os
i/e prazer. quase demente, IIOS urros agudos
livros foram' devidamente dispos-
Berçários. Salas de Condiciona- . tos - uma fileira de in-quàrtos e espasmádicos que elas então sot-
O Diretor esfregou as mãos.
rnento Neopavloviano, indicava o . infantis. cada um aberto. de modo 'taram. Seus pequenos corpos 'con-'
painel de avisos. convidativo. em alguma gravura - Excelente! - comentou. - traiam-se e retesavam-se; seus
agradavelmente colorida. de ani- Até parece que foi feito de enco-
O Diretor abriu uma porta. membros agitavam-se em movi-
menda.
mal. peixe ou pássaro. mentos convulsivos, como puxa-
Entraram' numa vasta peça nua.
muito clara e ensolarada, pois . Os mais rápidos engatinhadores dos por fios invisíveis:
- Agora. tragam as crianças.
toda a parede do lado sul era cons- já haviam alcançado o alvo. Pe-
Elas saíram apressadamente da. - Nós podemos eletrificar ta-
tituída por uma única janela. Meia queninas mãos se estenderam in-
sala e voltaram ao cabo de um ou do aquele lado do assoalho .~
dúzia de enfermeiras. com as cal- certas. tocaram. pegaram. despe-
dois minutos. cada qual empur- berrou o Diretor a modo de expli-
ças e jaquetas do uniforme regu- ralando as rosas transíiguradas,
rando uma espécie de carrinho, cação. - Mas isso basta - con-
(iíiiãrfõialldo as páginas ilumina-
lamentar de linho branco de vis- onde. nas suas quatro prateleiras tinuou, [azendo um sinal à enjer- \
cose. os cabelos assepticamente das dos livros. O, Diretor esperou
de tela metúkca. vinham bebês de' meira.
cobertos por toucas brancas, esta- que todos estivessem alegremente
oito meses. todos exatamente
vam ocupadas em dispor sobre o . iguais (um Grupo Bokanovsky, entretidos. Depois disse: As explosões cessaram, as cam·
assoalho va\'Os com rosas numa painhas pararam de soar. o brami-
evidentemente) e todos (já que - Observem bem. - E. levan-
longa fila. de uma extremidade à • pertenciam ti casta Delta) »estidos . do da sirena foi baixando de tom
tando a mão. deu ~ sinal .
outra da peça. Grandes _~asos. em tom até silenciar. Os corpos
de cáqui. ...
apinhados de' flores.' Milhares de A Enlermeira-Cheíe, que. seen- rigidamente contraidos distende-
pétalas. amplamente desabrocha-o - Ponham as crianças no chão. ~omrava [unto a um quadro de ram-se, O que ames fora·o· soluço
das e de lIIHa'sedosa maciez. se- ligações 110 outra extremidade da' e o ganido de pequenos candida-
Os bebês foram descarregados.
melhantes às faces de inumeráveis sala. baixou u';la pequena ala- ias' ti loucura expandiu-se nova-
pequenos querubins, mas queru- - Agora, virem-nas de modo vanca. mente 110 berreiro normal do ter- \
bins que. naquela claridade. não que possam ver as flores e os ror comum.
Houve uma explosão violemo.
eram exclusivamente rôseos .e livros.
Aguda. cada vez mais aguda. uma - . Oiereçam-lhes de novo as
't:tiianos. mas tahtbém luminosa- Virados. os bebês calaram-se sirena CipitOll.· Campainhas de flores e os livros.
mente chineses. ta~bP.m mexica- imediatamente. depois começa- alarma tilintaram, enlouquecedo-
nos. também apopléticos de tanto As· enfermeiras obedeceram;
ram a engatinhar na direção' da- raso
soprarem as trombetas celestes. mas à aproximação das rosas. à
quelas massas de cores brilhantes.
também pálidos como a môrte. As crianças sobressaltaram-se. simples vista das imagens alegre-
daquelas' [ormas tão alegres. e tão' .
pálidos da brancura póstuma do berraram: suas fisionomias esta-: •mente coloridas do' gatinho. do
vivas nas páginas brancas. E!1-
mármore. vam contorcidos pelo terror. galo que faz cocorocó e do car-
quanto se aproximavam; o sol 1

neiro que faz bé, bé, as crianças


ressurgiu de um eclipse, momentã- -E agorai-: gritouo·D.r.C.
As enfermeiras perfilaram-se ao recuaram horrorizadas; seus ber-
.entrar o D./.C. neo a/rãs de uma nuvem: As rosas "(pois o barulho era ensurdecedor}
.iulgiram como sob O efeito de
rosrecrudesceram subitamente e •

- agora vamos gravar mais pro-


- Coloquem os livros.--: disse' uma súbita paixão interna: uma /lIIUlm:lfme a lição por meio de .' .~ 'observem - disse o Diretor,
ele, secamente. ~. . energia 'nova e profunda pareceu um .ligeir.o. choque elétrico. triuniante. - Observem:
...
'

'1
27 28
r:

. ..•. ti ~,

TEORIA DO CONDICIONAMENTO

Como já vimos a Psicologia é uma ciência que estuda os comportamentos. As


explicações que compõem essa teoria tem características que lhe são peculiares.
A Psicologia que deu origem à teoria do condicionamento, considera que só
podemos observar o que é manifesto, ou seja, o que podemos ver.
A Psicologia Skinneriana tem por objetivo compreender o comportamento humano,
para prevê-Io e até controlá-lo.
Skinner, iniciou seu trabalho com animais em laboratório. Seu objetivo inicial,era
controlàr a quantidade de comida que cada organismo recebia. '.
Construiu na-década de 40, uma máquina que distribuía quantidades de alimentos
iguais e cada animal deveria procurar o seu próprio alimento.
Logo percebeu que a busca de alimento pelos animais era mais intensa próxima às
horas em que habitualmente eram alimentados.
Começou então a observar as respostas dos animais (ratos brancos), quando
seguidos de comida, tinham a tendência a aumentar o número. Quando porém, não era
seguida de comida tinham a tendência de diminuir.
Foi assim que chegou a formular a teoria do condicionamento operante, mais
conhecida entre nós, simplesmente como condicionamento.
Seus achados passaram a ser utilizados pelos cientistas, com o objetivo de controlar
o comportamento dos homens e animais.
Descobrindo qual o estímulo que altera uma resposta num organismo, nós podemos
obter a mesma resposta desse organismo, basta aplicar-lhe o estímulo que descobrimos.
A aprendizagem é o resultado do condicionamento quer dizer, se desejarmos que
uma pessoa aprenda um novo comportamento, devemos recompensá-Ia por este
comportamento.
Como conseguir isto?
Para melhor compreendemos esta teoria, é importante conhecermos primeiramente o
h
significado de sua terminologia. .:,'

Por reforço, entende-se qualquer estímulo que aumenta a probabílidade de uma


resposta, e que subdivide-se em reforço positivo e ou negativo. O papel do reforço é tomar:~':;,/
uma resposta mais freqüente no comportamento do indivíduo, garantindo a manutenção
dessa resposta, ou seja evitar sua extinção. r:: ,
Reforçamento positivo: é um estímulo que incentiva o comportamento desejado que '6:..
quando apresentado, atua para fortalecer o comportamento que o precede. Ou. se]> I ~ ~~ \
'
R e fiorçamento negativo: , , I d limin
e o estímu o que-re uZ'Q:u,ta
'\ ~-
uma.Jespost~Y'J-\~C\.
Extinção: é a remoção de uma resposta do comportamento-dê um orgarnsmo.M:tc:(~.
ch 4
a.o D'J..a ~"""
Vnc

Se os organismo vivos tendem a repetir os comportam~t1to's'-satisfatórios e evitarem


os comportamentos que não lhes trazem satisfação, para que então 'ocorra o
condicionamento basta fazer com que o comportamento que queremos que a pessoa
aprenda, seja satisfatório para ela.
. O processo consiste então, em apresentar estímulos agradáveis, chamados reforços,
quando a pessoa manifestar o comportamento por nós desejado.
as reforços denominam-se adversos no sentido em que constituem aquilo de que os
organismos fogem (punições) ..
Este é o centro da posição de Skinner, ele propõe que o comportamento seja
compreendido,como condicionado por uma combinação de reforços positivos ou negativos,
sem a utilização de punições.
Sendo assim, entende-se condicionamento operante, como processo de modelar e
manter, por suas conseqüências, um (determinado) comportamento particular.
EXEMPLO

Em 1932, B.F.Skinner, da Universidade de Harvard, relatou uma de suas


observações sobre o comportamento de ratos brancos.
Para seus experimentos, Skinner inventou um aparelho que depois de passar por
modificações, é hoje muito conhecido e utilizado nos laboratórios de Psicologia,a Caixa de
'Skinner,
Trata-se de uma caixa retangular em que, numa dasparedes dessa caixa há um
orificio para fornecimento de água, uma pequena bandeja e uma barra horizontal. Do lado
de fora ligado à caixa, uma espécie de depósito de bolinhas de alimento, esse depósito deixa
cair na bandeja uma bolinha todas as vezes que a barra fôr pressionada para baixo. Existe
um mecanismo fora da caixa experimental que registra e anota cada vêz que a barra é
pressionada (aparece o alimento na bandeja).
Esse experimento foi realizado por Skinner e dividido em três etapas:
a) O experimentado r prende o rato na caixa experimental, onde há alimento e água,
aí deixa que ele se acostume com o local, chegando a se alimentar e se movimentar
livremente.
b) Colocar muitas vezes o rato na caixa onde o experimentado r o alimenta,
apresentando-lhe uma bolinha de comida de cada vêz na pequena bandeja, O animal se
acostuma com essa situação e com o ruído causado pela saída da bolinha (dique).
c) Experimento propriamente dito. O experimentador deixa o rato sem comer
durante 24 horas. Depois coloca-o na caixa experimental, onde a bandeja encontra-se sem
alimento. O rato já estava acostumado com o local por causa do treino feito antes.
Aproxima-se da bandeja, não encontra o alimento e, então começa a fazer movimentos
exploratórios.
Com esse comportamento de busca, tenta elevar-se pra cheirar a parede da caixa e se
apóia com uma das patas dianteiras ou ambas, na barra horizontal. Essa pressão faz abaixar
a barra e o depósito do alimento deixa cair uma bolinha na bandeja.
Imediatamente após o animal pressionar novamente a barra e, assim repete a ação
com grande rapidez até que esteja saciado.
Os ratos aprenderam rapidamente a pressionar a barra quando do ato resultou o
aparecimento do alimento.

IMPLICAÇÕES DA TEORIA DO CONDICIONAMENTO EM, EDUCAÇÃO

Na verdade dentre as teorias da aprendizagem, foi a comportamentista a que mais


ofereceu subsídios ao modelo tecnológico de educação.
Para ensinar uma criança a ler ou jogar bem umjogo, precisamos elaborar um
programa d reforços educacionais,no qual as respostas adequadas sejam "recompensadas"
sistematicamente.
O uso de reforço em educação, com a finalidade de modificar comportamentos,
fundamenta-se no trabalho de Skinner. Foi este mesmo princípio que deu origem à chamada
"Engenharia Comportamental" muito utilizada atualmente em psicologia.
Outra contribuição da teoria de Skinner é a criança no ritmo próprio, ou seja,
Skinner afirma que cada pessoa consegue aprender num tempo diferente da outra, levando-
a a propor que se deixe o indivíduo com o tempo que ele necessita para efetuar sua
aprendizagem.
Considera Skinner que a aprendizagem é um processo ativo, devendo o sujeito
realizar uma operação e depois verificar, ele próprio, de imediato, o resultado dessa
operação.
Com esses princípios, especialmente com o argumento de que a aprendizagem se faz
por peqúenas etapas, Skinner elaborou programas individuais de estudo, atualmente
chamados de "instrução programada". O método apresenta-se em forma de textos
especiais (livros e apostilas), o estudo é individual e o aluno progride. em sua própria
elocidade.
CONSIDERAÇÕES

Em síntese a teoria de Skinner, considera a criança como um organismo, passível de


modelagem e totalmente manipulável, podendo seus desajustes serem corrigidos através da
extinção ou punição ou ainda, da aplicação de reforçamentos positivos, à condutas
incompatíveis.
E a ênfase no ambiente desprezando os fatôres geneticamente determinados e
explicando o desenvolvimento do seu humano pelas aprendizagens que se consigam efetuar.
A abordagem comportamentista, constitui-se um sistema fechado de pensamento definindo
os fins adiantados, ela toma a situação de aprendizagem um busca de respostas certas, o
que desencoraja à inovação e esteriliza a criatividade, tomando a sala de aula um lugar
desinteressante.
O papel do professor reside na sua competência para manipular as condições do
ambiente do aluno, a fim de segurar sua aprendizagem.
O papel do aluno para a ser o receptor do conhecimento e dele se espera a aceitação
das metas preestabelecidas.
A avaliação é feita pela medida das respostas que são diretamente observáveis e
passíveis de serem medidas.
,

EXEMPLO DE INSTRUÇÃO PROGRAMADA

Tape a resposta, deixando à vista apenas o enunciado de cada questão.


Preencha a lápis a lacuna, e então confira.
Caso tenha errado confira imediatamente antes de prosseguir.

A) Se um comportamento teve consequências positivas, se portanto, foi bem suced:


do, provavelmente se manifestará .
(mais freqüentemente/menos freqüentemente) no futuro.

Mais fregüentemente

B) Empiricamente, entretanto, pode-se verificar apenas que aquelas formas de com


portamento que foram :;..
se manifestaram depois também com maior frequência.

Reforçadas

C) A natureza do tem também para Skinner uma


importância central.

Reforço

D) Skinner distingue duas espécies de reforço, um positivo e um reforço negativo.Os


estímulos que produzem um reforço, ele os denomina respectivamente,
..
a) Reforçador .
b) Reforçador .

a) positivo
b) negativo

E) O assunto dessa série era teoria do condícionamente, entretanto nossa técnica usa
da chama-se .

Instrm;,ill ~

BIBLIOGRAFIA

BOCK, Ana Maria et ali. PSICOLOGIAS. Uma introdução ao estudo de Psicologia;


5, Saraiva, S.Paulo, 1993,c.7.
ENDERLE, Cartnem. PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO. O processo evolu
<
_ 1
tivo da criança. Artes Médicas, Porto Alegre, 1985.
PILETTI, Nelson. PSICOLOGIA EDUCACIONAL. 1l~ Átlca, São Paulo, 1993. C IV