Você está na página 1de 3

AULA 14-15 PORTUGUÊS

INTRODUÇÃO AO REALISMO
CONTEXTO HISTÓRICO-CULTURAL agrária, recém-saída do homem e do mundo;
escravagismo, fundada na produção
agrícola (café, açúcar, borracha) e
A Revolução Industrial – O • o Evolucionismo de Charles
governada por uma República
Materialismo – O Cientificismo Oligárquica, instável e Darwin e de Herbert Spencer,
submetendo o homem às leis da
frequentemente abalada por
conflitos de interesses no seio da Biologia e à evolução natural das
Da segunda metade do século espécies. O homem passa a ser
XIX ao início do século XX, o mundo própria classe dominante
(aristocracia decadente da cana de visto como um animal, submetido
ocidental assistiu ao triunfo da às mesmas leis que regem todos os
Revolução Industrial, à açúcar, aristocracia ascendente do
café, as oligarquias regionais e a animais. Daí a preferência pelos
consolidação e ao fortalecimento da aspectos biológicos, fisiológicos e
burguesia como classe dominante e aparição de novos atores na cena
política — os militares). Porém, instintivos que determinam as
à expansão do capitalismo industrial ações das personagens, superando
às antigas áreas coloniais da nossa elite pensava segundo os
modelos europeus e procurava a vontade e a razão. A realidade
América, da África e da Ásia, agora passa a ser interpretada como um
sob a denominação de capitalismo assimilar os costumes civilizados de
Paris e de Londres. todo orgânico em que o universo, a
avançado, alicerçando-se no avanço natureza e o homem estão
científico e tecnológico (locomotiva Opondo-se ao idealismo e ao intimamente associados e sujeitos,
a vapor, eletricidade, telégrafo sem espiritualismo românticos, os em igualdade de condições, aos
fio etc.). Surge a civilização realistas fazem da ciência e do mesmos princípios, leis e
industrial e acentuam-se os seus materialismo uma nova religião. finalidades;
desdobramentos: a explosão Nada que não pudesse ser visto, • o Determinismo de Hippolyte
urbana, as massas trabalhadoras, os apalpado, medido e examinado por Taine, o qual propõe que o
sindicatos, as reivindicações do meio dos sentidos deveria merecer comportamento humano seja
proletariado (socialismo utópico de atenção do cientista e do artista. determinado pelos fatores
Proudhon, o socialismo científico de Assim, as noções de alma, biológicos (instinto, raça,
Marx e Engels). Ciência, Progresso e de religião, de Deus, de hereditariedade), sociológicos e
Razão passam a ser as palavras de transcendência, tão caras aos ambientais (Ecologia, Geografia,
ordem da classe dominante, românticos, são abandonadas. meio ou classe social), além das
interessada na estabilização de suas Tornam-se comuns o circunstâncias históricas. Em
conquistas, substituindo o ímpeto anticlericalismo e a crítica ao síntese: determinismo de raça,
revolucionário, contestatório e cristianismo (Guerra Junqueiro, Eça meio e momento.
individualista da época romântica. A de Queirós, Inglês de Sousa, Aluísio
paixão e o impulso pessoal cedem Os antecedentes europeus
Azevedo, dentre outros, fizeram dos
lugar à reflexão, à observação, à padres os vilões de suas obras). Em sentido amplo, a atitude
análise e à disciplina. As ideias realista sempre existiu, em todos
Dentre as correntes científicas e
avançadas do cientificismo e do filosóficas em voga no Realismo e os tempos e em todas as escolas
materialismo europeu contaminam literárias, como um dos polos da
no Naturalismo, destacam-se
a elite brasileira, ainda que nossa criação artística, voltada para a
realidade social e econômica fosse • o Positivismo de Auguste Comte, tendência de reproduzir nas obras
diferente da situação europeia. propondo o primado da ciência os traços observados no mundo
Éramos ainda uma sociedade positiva no conhecimento do real, seja nas coisas, seja nas
AULA 14-15 PORTUGUÊS

INTRODUÇÃO AO REALISMO
pessoas ou nítidas, precisas. Daí o predomínio
nos sentimentos. Essa atitude da descrição objetiva e minuciosa.
realista, universal no tempo e no Os detalhes são da maior Personagens esféricas
Opondo-se à linearidade das
espaço, opõe-se à atitude e importância: nada é desprovido de
romântica (também universal), interesse na reconstituição exata da personagens românticas (herói x
vilão), as personagens realistas são
caracterizada pela fantasia, pela realidade. Enquanto o romântico
tendência a inventar um mundo capta o mundo por meio do complexas, multiformes,
imprevisíveis, repelindo qualquer
novo, diferente e muitas vezes coração, do sentimento, o realista
oposto às leis do mundo real. Os é, sobretudo, sensorial. O amor simplificação. São também
dinâmicas, porque evoluem e têm
autores e as modas literárias perde a conotação espiritualizante,
oscilam incessantemente entre para privilegiar o aspecto físico. profundidade psicológica.
ambas as atitudes e é da sua Ocorre uma “sexualização” do Materialismo – Cientificismo
combinação, mais ou menos amor, e o sexo torna-se tema quase
variada, que se faz a Literatura. obrigatório. A realidade é de caráter
A ficção moderna constitui-se exclusivamente material. Oposição
justamente da tendência de se à metafísica e à religiosidade.
buscar, cada vez mais, comunicar ao Temas contemporâneos
leitor o sentimento da realidade, Só o presente interessa; desaparece Narrativa lenta
por meio da observação exata do o romance histórico. A ficção
mundo e dos seres. Nesse sentido, centra-se na crítica social (contra Ao se valorizarem as minúcias, a
o romance romântico esteve pleno a burguesia, contra o clero, contra o ação e o enredo perdem a
de capitalismo selvagem, contra o importância para a caracterização
realismo. Autores como Stendhal e obscurantismo) e na análise das personagens e dos ambientes.
Balzac, na França, Charles Dickens, psicológica, voltada para a
na Inglaterra, Gogol, na Rússia, investigação das causas profundas
todos da primeira metade do século Romance social, psicológico e de
das ações humanas.
XIX, ainda que frequentemente tese; poesia urbana e agreste
relacionados ao Romantismo, foram (Carvalho Júnior, Bernardino
os verdadeiros fundadores do Impassibilidade – Contenção Lopes, Cesário Verde); poesia
Realismo na ficção contemporânea. Emocional filosófico-científica (Sílvio Romero);
poesia social (Antero de Quental,
O autor ausenta-se da narrativa, Guerra Junqueiro e Teófilo Braga).
CARACTERÍSTICAS assumindo uma posição neutra,
imparcial, desinteressado pelo
destino das personagens, Preocupação formal
Objetivismo fotografadas “por dentro”
Preocupação com a verdade não Buscam-se a clareza, o equilíbrio, a
(Machado de Assis) e “por fora”
apenas verossímil, mas exata, harmonia da composição.
(Aluísio Azevedo). Busca-se uma
apoiada na observação e na análise. explicação lógica e cientificamente
aceitável para o comportamento e Correção gramatical
Predomínio das sensações
para as ações das personagens.
A realidade é captada e transcrita
por meio de impressões sensoriais
AULA 14-15 PORTUGUÊS

INTRODUÇÃO AO REALISMO
Purismo, vernaculidade, economia fazendo do romance uma espécie Focaliza, de preferência, as
vocabular, precisão lexical. de laboratório da vida, e encarando camadas sociais inferiores, o
o homem como um “caso” a ser proletariado e os marginalizados.
analisado. Daí decorre a visão mais Denuncia os aspectos degradantes,
mecanicista, mais determinista, e o com o propósito de tomada de
Predomínio da denotação enquadramento do homem como consciência, visando à redenção
produto das leis da Biologia; da moral e social do homem. Arte
A metáfora cede lugar à metonímia. hereditariedade, da Sociologia e da engajada, a serviço de ideais
Linguagem simples, direta. Ecologia, contra as quais a razão e a políticos e sociais. O Naturalismo
Preferência pela narração. Uma vontade humana nada podem. peca, quase sempre, pelo
contribuição importante do Apresenta preferência pelos temas reducionismo e pelo
Realismo foi a superação do tom escabrosos, pela patologia humana esquematismo, restringindo-se às
excessivamente declamatório e do e social (taras, vícios, sedução, explicações mecanicistas, à
verbalismo adjetival dos adultério, incesto, assassinato, exterioridade, aos
românticos. homossexualismo). A abordagem condicionamentos, incapazes de
dos aspectos degradantes da apreender o homem em toda a sua
condição humana implica certo complexidade.
O NATURALISMO
moralismo, não importando a
Surgiu na França, e seu criador e opinião sobre os atos, mas os atos
Nos textos que se seguem, a
principal teórico foi Émile Zola em si mesmos. É frequente a
zoomorfização, ou seja, a passagem de O Cortiço ilustra a
(Thérèse Raquin, Germinal). Foi Zola
típica descrição naturalista, e a de A
que cunhou a expressão romance aproximação, por meio de
símiles, entre o homem e o animal, Cidade e as Serras satiriza a atitude
experimental como designativa de
cientificista daquele tempo.
suas aproximações com as ciências. com propósito depreciativo em
Ainda no âmbito das propostas relação ao homem-larva, ao
realistas, o Naturalismo representa homem-besta, regido pelo instinto
uma exacerbação, uma cego e brutal:
radicalização do cientificismo, do
“Rita Baiana… uma cadela no cio
materialismo e do determinismo.
Buscou analisar o comportamento
humano à luz das teorias científicas O Cortiço… uma geração que
do fim do século XIX, ressaltando os parecia brotar espontânea… e
aspectos instintivos e biológicos do multiplicar-se como larvas no
homem, submetido ao peso dos esterco.
fatores que determinavam sua
conduta: a hereditariedade, a raça,
o meio ambiente e a sociedade. Leandra… a ‘Machona’, portuguesa
Inspirado no experimentalismo feroz, berradora, pulsos cabeludos e
científico de Claude Bernard (a grossos, anca de animal do
Medicina Experimental), o campo.”
Naturalismo assimilou a (A. Azevedo, O Cortiço)
objetividade das Ciências Naturais,