Você está na página 1de 21

FACULDADE DE MEDICINA DE PRESIDENTE

PRUDENTE (FAMEPP)
“DR. DOMINGOS LEONARDO CERÁVOLO”

NAYARA BUENO BRANDÃO


MARCOS ROBERTO RICCI SOARES SILVA

ANÁLISE DE SINTOMAS DEPRESSIVOS E FATORES DE


PERSONALIDADE EM IDOSOS USUÁRIOS DA ASSISTÊNCIA
BÁSICA NO INTERIOR PAULISTA

Presidente Prudente - SP
2020
MEDICINA

NAYARA BUENO BRANDÃO


MARCOS ROBERTO RICCI SOARES SILVA

ANÁLISE DE SINTOMAS DEPRESSIVOS E FATORES DE


PERSONALIDADE EM IDOSOS USUÁRIOS DA ASSISTÊNCIA
BÁSICA NO INTERIOR PAULISTA

Trabalho de Conclusão, apresentado a


Faculdade de Ciências da Saúde, Curso de
Medicina, Universidade do Oeste Paulista,
como parte dos requisitos para a sua
conclusão.

Orientadora:
Profa. Dra. Camelia Santina Murgo

Presidente Prudente - SP
2020
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO........................................................................................ 01
2 OBJETIVOS ...............................................................………………….. 03
2.1 OBJETIVO GERAL……………………………………………………………….. 03
2.2 OBJETIVO ESPECÍFICO………………………………………………………… 03
3 JUSTIFICATIVA……………………………………………………………... 04
4 MATERIAIS E MÉTODOS ………………………………………………… 05

REFERÊNCIAS...................................................................................... 10
APÊNDICE A - QUESTIONÁRIO SOCIODEMOGRÁFICO…………… 14
ANEXO 1- QUESTIONÁRIO BIG FIVE................................................ 16
ANEXO 2 – ESCALA DE DEPRESSÃO GERIÁTRICA ………………. 19
Resumo

A preocupação com a saúde mental da população idosa tem recebido notória


atenção tendo em vista o aumento de pessoas acima dos 60 anos. No idoso, a
caracterização da depressão leva em consideração aspectos clínicos diversos que
podem se relacionar com doenças gerais. Nesse quesito, aspectos da personalidade
do indivíduo associam-se diretamente com a possibilidade de desenvolvimento de
quadros depressivos. Nesse vasto campo, a personalidade pode ser compreendida
por cinco fatores centrais, sendo esses; neuroticismo, extroversão, amabilidade,
realização ou conscienciosidade, abertura. Diante disso, o objetivo desse trabalho
será analisar a incidência de sinais depressivos em indivíduos maiores de sessenta
anos, usuários dos serviços de saúde pública para correlacioná-los com cinco
fatores definidores da personalidade. Para tanto, será administrado um questionário
sociodemográfico, aliado ao Inventário de Personalidade no modelo Big Five
composto por 44 itens, além da versão brasileira da escala de depressão geriátrica
com 15 questões. Em um estudo com delineamento observacional e transversal,
quantitativo em idosos selecionados de maneira não probabilística em uma amostra
por conveniência. A coleta ocorrerá nas dependências das Estratégia Saúde da
Família (ESF) selecionadas. Serão geradas as estatísticas descritivas (frequências,
percentuais, escores médios e desvio padrão) a partir de cada um dos instrumentos,
outrossim, será utilizada a correlação de Pearson o SPSS (Statistical Package of
Social Sciences), Anova e Patch analise para a interpretar os dados. Espera-se que
este estudo, traga contribuições para a compreensão de aspectos vitais da saúde
mental de idosos que favoreçam a estruturação de propostas interventivas
promotoras de bem-estar nesta população.

Palavras-chave: Idosos; Personalidade; Depressão; Big Five.


1

1 INTRODUÇÃO

A população acima dos 60 anos está ganhando espaço significativo dentro das
discussões em saúde pública no Brasil (JAKOVLJEVIC et al., 2019). Hoje, essa
população ultrapassa os 32 milhões de idosos e a expectativa é que, até 2060, a
proporção de idosos seja 32% da população brasileira, ao passo que a população acima
de 80 anos crescerá de 2% para 8% nesse período(PEIXOTO VERAS; OLIVEIRA, 2018)
(LAUAR SANTOS; TURRA; NORONHA, 2019). No cenário da saúde pública, estima-se
que 75,3% dos idosos brasileiros dependem exclusivamente do Sistema Único de
Saúde(COSTA et al., 2018). Por consequência, os gastos com a população mais velha
devem ser considerados um investimento com retorno direto na qualidade de vida dessa
população(RELATÓRIO..., 2015). Dentre as várias morbidades que se relacionam com
essa população, destaca-se a saúde mental e, nesse quesito, a depressão.

A depressão é caracterizada por um transtorno mental que envolve diversos


fatores. Dentre esses, a tristeza persistente e a perda de interesse em atividades
prazerosas, o que influencia na capacidade diária de execução de tarefas(FERREIRA ;
BARHAM, 2018). A Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza a depressão como a
quarta maior causa específica de incapacitação social com possibilidade de ser a primeira
causa em países em desenvolvimento nos próximos anos(LIMA et al., 2016). Na
população idosa, a prevalência do quadro depressivo, no Brasil, pode chegar a 20%
enquanto na população em geral esse índice fique na casa dos 15%( GULLICH et al.,
2016). No idoso, a caracterização da depressão leva em consideração aspectos clínicos
diversos que podem se relacionar com doenças gerais e a anormalidades estruturais e
funcionais do cérebro(STELLA et al., 2002). Nesse quesito, aspectos da personalidade do
indivíduo relacionam-se diretamente com a possibilidade de desenvolver os quadros
depressivos ( ENĂTESCU et al., 2020).

A personalidade representa um processo dinâmico intrínseco ao indivíduo


refletindo em seus sentimentos, pensamentos e comportamentos(FARINA; LOPES;
ARGIMON, 2016). É considerada como um padrão de respostas recorrentes e
consistentes, constituindo um conjunto de característica duráveis que determina o
comportamento do indivíduo diante de várias ocasiões(CARVALHO et al., 2017). Assim,
as características da personalidade são capazes de moldar o indivíduo de forma única e
podem variar ao longo de seu ciclo vital como forma de adaptação. Nesse vasto campo, a
2

personalidade pode ser compreendida por cinco fatores centrais, sendo esses;
neuroticismo, extroversão, amabilidade, realização ou conscienciosidade,
abertura(FARINA; LOPES; ARGIMON, 2016).

Desta forma, denomina-se esses cinco grandes fatores, mais conhecidos como
“Big Five”, como facetas da personalidade, amplamente aceitas e mostrando-se
relativamente dependentes entre si(LINDEN et al., 2018). Isso facilita a compressão das
diferenças individuais como também das relações sociais consideradas
desejáveis(LINDEN et al., 2018). Por consequência, o “Big Five” apresenta uma estrutura
básica para a avaliação e estruturação da personalidade expondo aspectos relevantes do
caráter de uma pessoa(ZHANG et al., 2019). Para essa análise, preconiza-se a um
aspecto chave e a expressão ou não pelo indivíduo, assim como a graduação dessa
expressão.

Assim, os traços de personalidade, podem ser explicados a partir de conceitos


como a “Abertura”, em que pessoas com maior expressão deste fator, frequentemente,
são francos e imaginativos, por outro lado, a baixa expressão deste mesmo fator é
caracterizado por indivíduos superficiais e simples (ANDRADE, 2008). Outro fator
explorado é a ‘’Consiosidade’’ ou ‘’Vontade’’ em que pessoas que manifestam esse traço,
são capazes de controlar seus impulsos sendo cautelosos, organizados e responsáveis,
entretanto, ao não manifestar, são descuidados e desorganizados(ANDRADE, 2008). Não
obstante, outro item, a ‘’Extroversão’’, denota-se por indivíduos que são considerados
extrovertidos e, por isso, dominantes, sociáveis e eloquentes, ao contrário de indivíduos
introvertidos caracterizam-se por austeridade e por buscarem a solidão(ANDRADE,
2008). A ‘’Amabilidade’’ é mostrada como indivíduos que a expressam terem
características agradáveis e serem cooperativos, em contradição a baixa expressão
caracteriza indivíduos ditos indelicados. Por fim, o ‘’Neuroticismo’’ ou ‘’Instabilidade
emocional’’ abrange indivíduos neuróticos e nervosos, latamente sensíveis, tensos e
preocupados em contradição a essa manifestação ocorre indivíduos estáveis, calmos e
satisfeitos(ANDRADE, 2008).
3

2 OBJETIVO

2.1 OBJETIVO GERAL

Analisar a incidência de sintomas depressivos em indivíduos maiores de sessenta


anos, usuários dos serviços de saúde pública, e correlacioná-los com os cinco fatores
definidores da personalidade.

2.2 OBJETIVO ESPECÍFICO

 Verificar o perfil sociodemográfico dos participantes de modo que esses


dados sugiram bases para a compreensão dos demais dados coletados.
 Mensurar os aspectos concernentes à personalidade dos participantes, por
meio de cinco grandes domínios que se dividem em Abertura,
Conscienciosidade, Amabilidade, Extroversão e Neuroticismo.

 Analisar a incidência de depressão em idosos, por meio da EDG-15 (Escala


de Depressão Geriátrica).

 Relacionar, os dados coletados referentes à esfera sociodemográfica, assim


como dos cinco domínios da personalidade e da depressão.
4

3 JUSTIFICATIVA
Com base no exposto, esse trabalho possuirá o propósito de lançar bases para o
maior entendimento sobre os fatores que permeiam a depressão geriátrica. Isso se deve
ao fato dessa população possuir uma expectativa de crescimento de 160% nos próximos
40 anos e, além disso, ter a depressão como fator manifesto em cerca de 20% desses
indivíduos. Assim, serão por volta de 1,4 milhão de pessoas com manifestações
depressivas em 40 anos, possuindo menos interesse em várias atividades prazerosas
além de queda em atividades produtivas diárias e profissionais acarretando em não só
uma diminuição na qualidade de vida e saúde em geral, mas também um declínio em
tarefas produtivas o que não é esperado para essa população cada vez mais ativa e
produtiva. Não apenas isso, mas esse trabalho poderá correlacionar os sintomas
depressivos com fatores naturais à personalidade a fim de identificar possíveis padrões
comportamentais que atenuam ou agravam os quadros de depressão. Dessa forma,
aspectos relacionados ao neuroticismo, extroversão, amabilidade, realização ou
conscienciosidade poderão ser alvo de terapêuticas direcionadas que, oferecidas pelos
profissionais de saúde, principalmente da atenção básica, terão o objetivo de minimizar os
efeitos desse transtorno de humor que acomete os idosos do Brasil.
5

4 MATERIAIS E MÉTODOS

Desenho da Pesquisa
O estudo a ser desenvolvido seguirá um delineamento observacional e transversal,
analisando de forma quantitativa e representando uma classificação quanto aos aspectos
concernentes à personalidade e depressão em idosos que serão selecionados de maneira
não probabilística em uma amostra por conveniência.

Participantes

O estudo se baseará na população de idosos, como preconizado pela Organização


Mundia de Saúde (OMS), pessoas maiores de 60 anos de idade de ambos os sexos
(OPAS, 2018). Esses indivíduos pertencem à cobertura de duas unidades de Estratégia
Saúde da Família (ESF) de Presidente Prudente- SP, sendo usuários do serviço público
de saúde (SUS). A expectativa de adesão é de 250 idosos.

Instrumentos

Questionário sociodemográfico

Será usado um questionário sociodemográfico com o objetivo de coletar


informações referentes a sexo, idade, escolaridade, renda, moradia, estado civil e
profissão (Apêndice A).

Inventário dos Cinco Grandes Fatores (Big Five Inventory – BFI) - Trata-se de
um Instrumento que visa mensurar a personalidade tendo como suporte teórico o modelo
Big Five. Esse é composto por 44 itens, tratando-se de um instrumento que visa uma
medida rápida, válida e compreensiva dos cinco domínios da personalidade( ANDRADE,
2008) (Anexo 1). Esses domínios, por sua vez, se agrupam em cinco fatores como;
Abertura, Conscienciosidade, Amabilidade, Extroversão e Neuroticismo. Em relação ao
sistema de resposta, é utilizada uma escala Likert, variando entre 1 (discordo totalmente)
a 5 (concordo totalmente). ( ANDRADE, 2008).

Desse modo, cada um dos fatores, bem como diversos adjetivos relacionados aos
traços individuais, podem ser exemplificados de uma maneira simples. Pervin e John
(2004) apresentam uma descrição bastante didática que foi adaptada em forma de tabela
6

(tabela 1) com o significado de cada um dos fatores, que descrevem indivíduos com altos
e baixos escores em cada deles ( ANDRADE, 2008).

Tabela 1. Os cinco grandes fatores de traços e escalas ilustrativas

Características do
Características do
indivíduo que
Escala de traços indivíduo que apresenta
apresenta um resultado
um resultado baixo
alto

NEUROTICISMO (N)
Preocupado, nervoso,
emotivo, inseguro, Avalia ajustamento versus Calmo, descontraído, não
inadequado, instabilidade emocional. emotivo, forte, seguro, auto
Identifica indivíduos satisfeito.
hipocondríaco
propensos a perturbações

EXTROVERSÃO (E)

Sociável, ativo, falante, Avalia a quantidade e Reservado, sóbrio,


orientado para as intensidade de interações contraído, indiferente,
pessoas, otimista, interpessoais; nível de orientado para tarefas,
divertido, afetuoso. atividade; necessidade de desinteressado, quieto.
estimulação; e capacidade
de se alegrar.

ABERTURA (O)
Curioso, interesses Avalia a atividade proativa Convencional, sensato,
amplos, criativo, original, e a apreciação da interesses limitados, não
imaginativo, não- experiência por si só; artístico, não-analítico.
tradicional tolerância e exploração do
que não é familiar.

AMABILIDADE (A)

Avalia a qualidade da
Generoso, bondoso, orientação interpessoal do Cínico, rude, desconfiado,
confiante, prestativo, indivíduo ao longo de um não cooperador, vingativo,
clemente, crédulo, contínuo da compaixão ao inescrupuloso, irritável,
honesto. antagonismo em manipulador.
pensamentos, sentimentos
e ações.
7

CONSCIENCIOSIDADE
(C)

Organizado, confiável, Avalia o grau de


trabalhador, organização, persistência Sem objetivos, não
autodisciplinado, e motivação do indivíduo confiável, preguiçoso,
pontual, escrupuloso, no comportamento dirigido descuidado, negligente,
asseado, ambicioso, para os objetivos. relaxado, fraco, hedonístico
perseverante Compara pessoas
confiáveis e obstinadas
com aquelas que são
apáticas e descuidadas.

Fonte: Pervin e John (2004, p. 213)

Escala de Depressão Geriátrica (EDG-15) - Trata-se da versão brasileira da


escala de depressão geriátrica com 15 questões em respostas de “sim” ou “não” e seus
escores respectivos. Proposta por Almeida e Almeida (1999) com objetivo de
rastreamento dos transtornos do humor em ambientes não especializados em um curto
espaço de tempo (PARADELA, 2005). Os itens que compõem a escala, dispostos em
conjunto, mostraram boa acurácia diagnóstica, com sensibilidade, especificidade e
confiabilidade adequadas. A EDG-15 é um dos instrumentos mais utilizados para o
rastreamento de depressão em idosos (PARADELA, 2005). (Anexo 2)

Procedimentos de coleta de Dados

O projeto está em consonância com as normativas éticas de pesquisas que


envolvem seres humanos propostas pela Resolução 510/2016 (BRASIL, 2016). Portanto,
o projeto será encaminhado ao Comitê de Ética em Pesquisa para aprovação. A coleta de
informações será feita a partir da aplicação presencial dos instrumentos já expostos. O
contato inicial, com o público-alvo, ocorrerá nas dependências das Estratégia Saúde da
Família (ESF) selecionadas, durante os dias da semana, de segunda à sexta-feira, em
seus horários de funcionamento, das 07:00 às 17:00 horas. Não obstante, os participantes
serão usuários dessas unidades de saúde, provindos de consultas agendadas e/ou
demanda espontânea. A abordagem aos idosos seguida do convite para participação e
apresentação do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, ocorrerá na sala de
espera e a aplicação dos instrumentos em sala adequada para assegurar a privacidade e
sigilo. Apenas participarão do estudo os idosos que assinarem o TCLE.
8

Procedimento de Análise de Dados

Serão geradas as estatísticas descritivas (frequências, percentuais, escores


médios e desvio padrão) a partir de cada um dos instrumentos. A fim de atender os
objetivos, será utilizada a correlação de Pearson entre os escores dos instrumentos.
Adicionalmente, para as análises será utilizado o SPSS (Statistical Package of Social
Sciences) garantindo maior interpretação das variáveis geradas na coleta de dados. Além
disso, baseado na análise das variâncias amostrais, será utilizado a análise Anova
separando os grupos por idade e gênero. Por fim, a Patch análise será usada,
corroborando a análise de dados.

.
9

REFERÊNCIAS

ANDRADE, Josemberg Moura de. Evidências de validade do inventário dos cinco


grandes fatores de personalidade para o Brasil. 2008. 85 f. Tese de doutorado
(Doutorado) - Universidade de Brasília, Brasília, 2008. Disponível em:
https://repositorio.unb.br/handle/10482/1751. Acesso em: 1 mar. 2020.

CARVALHO, Lucas de Francisco; PIANOWSKI, Giselle; REIS, Ana Maria; SILVA,


Rosiane Gonçalves Coelho. Personalidade: o panorama nacional sob o foco das
definições internacionais. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 23, ed. 1, p. 123-
146, 1 jan. 2017. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/per/v23n1/v23n1a08.pdf.
Acesso em: 5 mar. 2020.

ENĂTESCU, Ileana; CRAINA, Marius; CRAINA, Marius; GIURGI-ONCU, Cătălina;


HOGEA, Lavinia; NUSSBAUM, Laura Alexandra; BERNAD, Elena; SIMU, Mihaela;
COSMAN, Doina; IACOB, Daniela; MARINESCU, Ileana; ENĂTESCU, Virgil Radu. The
role of personality dimensions and trait anxiety in increasing the likelihood of suicide
ideation in women during the perinatal period. Journal of Psychosomatic Obstetrics &
Gynecology, Timisoara Romania, v. 21, 2 mar. 2020. DOI 10.1080 /
0167482X.2020.1734790. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/32116087. Acesso em: 5 mar. 2020.

FARINA, Marianne; LOPES, Regina Maria Fernandes; ARGIMON, Irani Iracema de Lima.
Perfil de idosos através do modelo dos cinco fatores de personalidade (Big Five): revisão
sistemática. Diversitas: Perspectivas en Psicología, [s. l.], v. 12, ed. 01, p. 97-108, 1
jan. 2016. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/679/67945904007.pdf. Acesso em:
5 mar. 2020.

FERREIRA , Heloísa Gonçalves; BARHAM, Elizabeth Joan. Relações entre Eventos


Agradáveis, Depressão, Funcionalidade e Variáveis Sociodemográficas em
Idosos. Paidéia : Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de
Ribeirão Preto, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 28, ed.
2815, 6 ago. 2018. DOI https://doi.org/10.1590/1982-4327e2815. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/paideia/v28/1982-4327-paideia-28-e2815.pdf. Acesso em: 5 mar.
2020.

GULLICH, Inês et al. Depressão entre idosos: um estudo de base populacional no Sul do
Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, Santa Catarina, v. 19, n. 4, p. 691-701, 30
set. 2016. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/rbepid/2016.v19n4/691-701/#.
Acesso em: 5 mar. 2020.

JAKOVLJEVIC , Mihajlo; TIMOFEYEV, Yuriy; EKKERT, Natalia V.; FEDOROVA, Julia V.;
SKVIRSKAYA, Galina; BOLEVICH, Sergey; RESHETNIKOV, Vladimir A. The impact of
10

health expenditures on public health in BRICS nations. Journal of Sport and Health


Science, [s. l.], v. 8, ed. 6, p. 516-519, 8 nov. 2019. DOI 10.1016 / j.jshs.2019.09.002.
Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6835015/pdf/main.pdf.
Acesso em: 5 mar. 2020.

LAUAR SANTOS, Samara; TURRA, Cássio M.; NORONHA, Kenya. Envelhecimento


populacional e gastos com saúde: uma análise das transferências intergeracionais e
intrageracionais na saúde suplementar brasileira. Revista Brasileira de Estudos de
População, São Paulo, v. 35, ed. 2, 25 fev. 2019. DOI https://doi.org/10.20947/s102-
3098a0062. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-
30982018000200155&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 5 mar. 2020.

LIMA, Ana Maraysa Peixoto; RAMOS, José Lucas Souza; BEZERRA, Italla Maria
Pinheiro; ROCHA, Regina Petrola Bastos; BATISTA, Hermes Melo Teixeira; PINHEIRO,
Woneska Rodrigues. Depressão em idosos: uma revisão sistemática da literatura.
Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, [s. l.], v. 6, ed. 2, p. 97-103, 4 abr.
2016. Disponível em:
https://pdfs.semanticscholar.org/bad9/3826244c85d7fcce2ac412a34c8f3b4dcffd.pdf.
Acesso em: 5 mar. 2020.

LINDEN, Dimitri van der; DUNKEL, Curtis S.; FIGUEREDO, Aurelio Jose; GURVEN,
Michael; RUEDEN, Christopher von; MENIE , Michael A. Woodley do. Quão universal é o
fator geral de personalidade? Uma análise dos cinco grandes em fazendeiros forrageiros
da Amazônia boliviana. Journal of Cross-Cultural Psychology, [s. l.], v. 49, ed. 7, p.
1081-1097, 1 ago. 2018. Disponível em:
https://journals.sagepub.com/doi/epub/10.1177/0022022118774925. Acesso em: 5 mar.
2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (Brasil). Plenário do Conselho Nacional de Saúde. 11 de julho


de 2006. RESOLUÇÃO Nº 510, DE 07 DE ABRIL DE 2016: 24 de maio de 2016, [S. l.], v.
seção 1, p. 44, 45, 46, 24 maio 2016. Disponível em:
https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf. Acesso em: 19 maio 2020

OPAS Brasil. In: Folha informativa - Envelhecimento e saúde: Folha informativa


atualizada em fevereiro de 2018. Brasília - DF, 2018. Disponível em:
https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5661:folha-
informativa-envelhecimento-e-saude&Itemid=820. Acesso em: 24 maio 2020.

PARADELA, Emylucy Martins Paiva; LOURENCO, Roberto Alves; VERAS, Renato


Peixoto. Validação da escala de depressão geriátrica em um ambulatório geral. Rev.
Saúde Pública,  São Paulo ,  v. 39, n. 6, p. 918-923,  Dec.  2005 .   Available from
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-
89102005000600008&lng=en&nrm=iso>. access on  24  May  2020. 
http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102005000600008.
11

PEIXOTO VERAS, Renato; OLIVEIRA, Martha. Envelhecer no Brasil: a construção de um


modelo de cuidado. Ciencia e saúde coletiva, [s. l.], v. 23, ed. 6, p. 1929-1936, 27 fev.
2018. DOI https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.04722018. Disponível em:
https://www.scielosp.org/article/csc/2018.v23n6/1929-1936/pt/. Acesso em: 5 mar. 2020.

RELATÓRIO Mundial sobre Envelhecimento e Saúde. Organização Mundial da Saúde,


Genebra, Suíça, 1 jan. 2015. Disponível em:
https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/186468/WHO_FWC_ALC_15.01_por.pdf;j
sessionid=F9532031A054A4843EE8C820016691A2?sequence=6. Acesso em: 5 mar.
2020.

SAÚDE - Estratégia Saúde Da Família - ESF. Presidente Prudente-SP, 2010. Disponível


em: http://www.presidenteprudente.sp.gov.br/site/unidades/sms_esf.xhtml. Acesso em: 24
maio 2020.

STELLA, Florindo et al. Depressão no Idoso: Diagnóstico, Tratamento e Benefícios da


Atividade Física. Motriz. Journal of Physical Education. UNESP, Rio Claro, ano 2002,
v. 8, n. 3, p. 91-98, 1 dez. 2002. Disponível em:
https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/6473. Acesso
em: 5 mar. 2020.

ZHANG, Xintong; WANG, Meng-Cheng; HE, Lingnan; JIE, Luo; DENG, Jiaxin. The
development and psychometric evaluation of the Chinese Big Five Personality Inventory.
Plos one, Germany, v. 14, ed. 8, 27 ago. 2019. DOI 10.1371 / journal.pone.0221621.
Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6771307/. Acesso em: 5
mar. 2020.
.
12

Apêndice A

Questionário Sociodemográfico

Reside no município de Presidente Prudente-SP

( )Sim ( ) Não

Gênero
( ) Masculino ( ) Feminino ( ) Outro ( ) Prefiro não comunicar
Data de nascimento: / /

Cor autodeclarada

( ) branca

( ) preta

( ) parda

( ) amarela

( ) outra:

Estado civil:

( ) casado (a)

( ) solteiro (a)

( ) divorciado (a)

( ) viúvo (a)

( ) união estável

Grau de escolaridade:

( ) ensino fundamental completo

( ) ensino fundamental incompleto

( ) ensino médio completo


13

( ) ensino médio incompleto

( ) ensino superior completo

( ) cursando a graduação

Reside em casa própria

( )Sim ( ) Não

Quantos moradores possuem na casa ?

Recebe auxílio previdenciário

( )Sim ( ) Não

Profissão:

Anexo 1
14

Questionário do Inventário dos Cinco Grandes Fatores- Big Five

Itens 1 2 3 4 5

1 É conversador, comunicativo

2 Ás vezes é frio e distante

3 Tende a ser crítico com os outros

4 É minucioso, detalhista no trabalho

5 É assertivo, não teme expressar o que sente

6 Insiste até concluir a tarefa ou o trabalho

7 É depressivo, triste

8 Gosta de cooperar com os outros

9 É original, tem sempre novas ideias

10 É temperamental, muda de humor facilmente

11 É inventivo, criativo

12 É reservado

13 Valoriza o artístico, o estético

14 É emocionalmente estável, não se altera facilmente

15 É prestativo e ajuda os outros

16 Às vezes é tímido e inibido

17 Pode ser um tanto descuidado


15

18 É amável, tem consideração pelos outros

19 Tende a ser preguiçoso

20 Faz as coisas com eficiência

21 É relaxado, controla bem o estresse

22 É facilmente distraído

23 Mantém-se calmo nas situações tensas

24 Prefere trabalho rotineiro

25 É curioso sobre muitas coisas rotineiras

26 É sociável, extrovertido

27 Em geral, confia nas pessoas

28 Às vezes é rudo (grosseiro) com os outros

29 É cheio de energia

30 Começa discussões com os outros

31 É um trabalhador de confiança

32 Faz planos e segue à risca

33 Tem uma imaginação fértil

34 Fica tenso com frequência

35 É engenhoso, alguém que gosta de analisar profundamente as


coisas
36 Fica nervoso facilmente

37 Gera muito entusiasmo


16

38 Tende a ser desorganizado

39 Gosta de refletir, brincar com as ideias

40 Tem capacidade de perdoar, perdoa fácil

41 Preocupa-se muito com tudo

42 Tende a ser quieto, calado

43 Tem poucos interesses artísticos

44 É sofisticado em artes, música ou literatura

Use a legenda abaixo para assinalar o quanto cada afirmação descreve você. Quanto
maior o número assinalado, mais você concorda com o que está sendo dito, e vice-versa.

1 = Discordo totalmente.
2 = Discordo.
3 = Nem discordo nem concordo.
4 = Concordo.
5 = Concordo totalmente.

Anexo 2

Escala de Depressão Geriátrica (GDS)

D.1) Você está basicamente satisfeito com sua vida? ( 0 ) SIM ( 1 ) NÃO

D.2) Você deixou muitos de seus interesses e atividades? ( 1 ) SIM ( 0 ) NÃO

D.3. Você sente que sua vida está vazia? ( 1 ) SIM ( 0 ) NÃO

D.4) Você se aborrece com freqüência? ( 1 ) SIM ( 0 ) NÃO


17

D.5) Você se sente de bom humor a maior parte do tempo? ( 0 ) SIM ( 1 ) NÃO

D.6) Você tem medo que algum mal vá lhe acontecer? ( 1 ) SIM ( 0 ) NÃO

D.7) Você se sente feliz a maior parte do tempo? ( 0 ) SIM ( 1 ) NÃO

D.8) Você sente que sua situação não tem saída? ( 1 ) SIM ( 0 ) NÃO

D.9) Você prefere ficar em casa a sair e fazer coisas novas? ( 1 ) SIM ( 0 ) NÃO

D.10) Você se sente com mais problemas de memória do que a maioria? (1 ) SIM ( 0 )
NÃO

D.11) Você acha maravilhoso estar vivo? ( 0 ) SIM ( 1 ) NÃO

D.12) Você se sente um inútil nas atuais circunstâncias? ( 1 ) SIM ( 0 ) NÃO

D.13) Você se sente cheio de energia? ( 0 ) SIM ( 1 ) NÃO

D.14) Você acha que sua situação é sem esperanças? ( 1 ) SIM ( 0 ) NÃO

D.15) Você sente que a maioria das pessoas está melhor que você? ( 1 ) SIM ( 0 ) NÃO

Pontuação:
0 a 5 = Normal
6 a 10 = depressão leve
11 a 15 = depressão severa

Você também pode gostar