Você está na página 1de 13

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO


JEQUITINHONHA E MUCURI
Rua Manoel Bandeira, 460 – Veredas – Janaúba – MG - Brasil

Disciplina: CTJ015 Professor: Paulo Alliprandini Filho


Página 1 de 13

4a LISTA DE EXERCÍCIOS – Potencial Elétrico


Disciplina: CTJ015 – Fenômenos Eletromagnéticos
Turmas: A e B
2o Semestre 2017
Professor: Dr. Paulo Alliprandini Filho

Questões para discussão

1. Um aluno perguntou: 'Uma vez que o potencial e1étrico é sempre proporcional à energia
potencial, por que então se preocupar com o conceito de potencial?' O que você responderia
para esse aluno?
2. O potencial (em relação a um ponto no infinito) sobre um ponto equidistante de duas cargas
iguais, mas de sinais contrários, é igual a zero. É possível trazer uma carga do infinito até esse
ponto de modo que o trabalho seja igual a zero em qualquer trecho da trajetória? Caso seja
possível, descreva como. Caso não seja, explique por quê.
3. É possível fazer um arranjo de duas cargas puntiformes, separadas por uma distância finita,
de modo que a energia potencial elétrica seja igual à energia potencial quando a distância
entre as cargas for infinita? Por quê? Qual seria sua resposta para o caso de três cargas?
Explique seu raciocínio.
4. Considerando-se que o potencial pode ter qualquer valor que você deseje, dependendo da
escolha do nível de referência do potencial zero, como um voltímetro sabe qual leitura fazer,
quando conectado entre dois pontos?
5. Se 𝐸⃗ é igual a zero em todos os pontos de uma trajetória que liga um ponto A com um ponto
B, qual é a diferença de potencial entre esses dois pontos? Isso significa que 𝐸⃗ é sempre zero
ao longo de qualquer trajetória que liga o ponto A com o ponto B? Explique seu raciocínio.
6. Se 𝐸⃗ for igual a zero em todos os pontos de uma região do espaço, o potencial será
necessariamente zero nessa região? Por quê? Caso sua resposta seja negativa, o que você pode
dizer sobre o potencial?
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO
JEQUITINHONHA E MUCURI
Rua Manoel Bandeira, 460 – Veredas – Janaúba – MG - Brasil

Disciplina: CTJ015 Professor: Paulo Alliprandini Filho


Página 2 de 13

7. Caso você faça a integral do campo elétrico ∫ 𝐸⃗ ∙ 𝑑𝑟 para uma trajetória fechada, como a
indicada na figura abaixo, a integral será sempre igual a zero, independentemente da forma
da trajetória e da maneira como as cargas estão distribuídas ao longo da trajetória. Explique o
motivo.

𝑑𝑟

8. A diferença de potencial entre os dois terminais de uma pilha AA (usada em lanternas e em


rádios portáteis) é igual a 1,5 V. Quando duas pilhas AA são ligadas em série, de modo que o
terminal positivo de uma das pilhas esteja em contato com o terminal negativo da outra, qual
é a diferença de potencial entre os dois terminais livres dessa combinação? Qual seria a
resposta se o terminal positivo de uma das pilhas estivesse em contato com o mesmo terminal
positivo da outra? Explique seu raciocínio.
9. É fácil produzir uma diferença de potencial de alguns milhares de volts atritando os sapatos
sobre um carpete de náilon. Ao tocar a maçaneta de uma porta, você recebe um choque muito
pequeno. Porém, se você tocasse uma linha de transmissão com uma voltagem comparável, o
choque seria fatal. Por que existe essa diferença?
10. O campo elétrico produzido por uma placa muito grande de carga independe da distância em
relação a essa placa, entretanto os campos produzidos pelas cargas puntiformes individuais
sobre a placa obedecem à regra do inverso do quadrado. Por que o campo da placa não
enfraquece quando as distâncias são maiores?
11. Frequentemente, afirmamos que, se o ponto A possui uma potência mais elevada do que o
ponto B, A possui potência positiva e B possui potência negativa. Disso, necessariamente,
decorre que um ponto com potencial positivo está positivamente carregado e que um ponto
com potencial negativo está negativamente carregado? Ilustre suas respostas com exemplos
claros e simples.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO
JEQUITINHONHA E MUCURI
Rua Manoel Bandeira, 460 – Veredas – Janaúba – MG - Brasil

Disciplina: CTJ015 Professor: Paulo Alliprandini Filho


Página 3 de 13

12. Uma esfera condutora deve ser carregada colocando sobre ela em cada instante uma pequena
quantidade de carga até que a carga total seja igual a Q. Afirma-se que o trabalho total
realizado nesse processo é proporcional a Q2. Isso é correto? Por quê?
13. Três pares de placas metálicas paralelas (A, B e C) estão conectados como ilustra a Figura
23.29, e uma pilha mantém um potencial de 1,5 V entre os pontos a e b. O que você pode
afirmar sobre a diferença de potencial entre cada par de placas? Por quê?

14. Um condutor carregado com uma carga líquida Q possui uma cavidade vazia em seu interior.
O potencial varia de um ponto para outro ao longo da parte maciça do interior do condutor?
E no interior da cavidade? Como se compara o potencial no interior da cavidade ao potencial
nos pontos da parte maciça do interior do condutor?
15. Um cabo de transmissão de alta voltagem cai sobre um carro, de modo que a superfície inteira
do carro passa a ser uma superfície equipotencial com 10000 V em relação ao solo. O que
ocorre com um ocupante do carro quando (a) ele está sentado no interior do carro? (b) Quando
ele desce do carro? Explique seu raciocínio.
16. Quando uma tempestade está chegando, os marinheiros observam um fenômeno chamado de
'fogo de San Telmo', uma luz azulada que cintila no topo do mastro. Por que isso ocorre no
topo do mastro? Por que o efeito é mais pronunciado quando o mastro está úmido? (Sugestão:
A água do mar é boa condutora de eletricidade.)
17. Na eletrônica, costumamos dizer que o potencial da Terra (imaginada como um condutor
muito grande) é igual a zero. Isso é consistente com o fato de que a Terra possui uma carga
líquida que não é igual a zero?
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO
JEQUITINHONHA E MUCURI
Rua Manoel Bandeira, 460 – Veredas – Janaúba – MG - Brasil

Disciplina: CTJ015 Professor: Paulo Alliprandini Filho


Página 4 de 13

Exercícios

1. Em dias secos com pouca umidade, é comum ocorrer o choque elétrico ao tocar no carro
ou numa maçaneta de uma porta, ou mesmo ao se aproximar destes. Considere que você
aproxima sua mão de um carro a uma distância de 0,5cm, quando uma faísca ocorre entre
sua mão e o carro, considerando o campo elétrico constante e que a rigidez dielétrica do
ar seco é 3,0 × 106 𝑉 ⁄𝑚, qual tem que ser a mínima diferença de potencial entre sua mão
e o carro para que ocorra a faísca entre sua mão e o carro?

2. Uma casca esférica de raio R contém carga com densidade volumétrica  r    r , sendo
 uma constante e r a distância até o centro da esfera. Essa esfera é envolvida por uma
casca esférica metálica de carga constante de raio interno 4R e raio externo 6R,
concêntrica com a esfera e carregada com a mesma carga da esfera.

R
4R

6R

A) A esfera é condutora ou não? Justifique


B) Determine a carga total da esfera?
C) Determine a densidade de carga na superfície externa da casca esférica.
D) A intensidade do campo elétrico em todo o espaço
E) A d.d.p. entre um ponto da superfície da esfera e outro à distância r  3R .
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO
JEQUITINHONHA E MUCURI
Rua Manoel Bandeira, 460 – Veredas – Janaúba – MG - Brasil

Disciplina: CTJ015 Professor: Paulo Alliprandini Filho


Página 5 de 13

3. Considere um cilindro maciço, infinito, de raio a, possui uma densidade volumétrica de


K
carga   (onde K é uma constante positiva). Uma casca cilíndrica metálica, infinita
r
e espessa, de raio interno b (b > a) e de raio externo c (c > b), inicialmente neutra, é
colocada coaxialmente com o cilindro, conforme a figura abaixo.
A) O cilindro é condutor ou não? Justifique
B) Determine o campo elétrico em todo o espaço, isto é, para r  a ; a  r  b; b  r  c e r  c .

C) A diferença de potencial VB  V A , para os pontos A e B da figura, distantes a 2 e 2 C ,


respectivamente, do eixo do cilindro.

a b
c

A B

eixo do
cilindro
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO
JEQUITINHONHA E MUCURI
Rua Manoel Bandeira, 460 – Veredas – Janaúba – MG - Brasil

Disciplina: CTJ015 Professor: Paulo Alliprandini Filho


Página 6 de 13

4. Uma região esférica de raio R possui em seu interior um campo elétrico da forma

E  a r rˆ (para r  R) , sendo a uma constante dimensional positiva e r a distância até o
centro da região esférica. Pedem-se:
a) a unidade da constante a no S.I.
b) a carga total contida neste região esférica.
c) O vetor campo elétrico fora da região esférica ( r  R )
d) A diferença de potencial entre dois pontos A e B VB  VA  , que distam, respectivamente,

2 R e R 2 do centro da região da esfera.


e) O trabalho realizado pelo campo elétrico sobre uma partícula positiva com carga q se ela se
desloca desde 2 R até R 2

5. Dois anéis circulares de raios 4a e a são carregados com densidades de carga linear
constante  e fixados, de tal forma que seus eixos são coincidentes e seus centros
separados pela distância 3a. No centro do
anel de raio menor (ponto P) fixa-se uma
carga puntiforme q conforme a figura ao
lado.

Determine:
a) A força resultante sobre a carga q;
b) O potencial (em relação ao infinito) produzido
pelos anéis no ponto P.
c) O trabalho realizado para levar a carga q desde o
infinito até o ponto P.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO
JEQUITINHONHA E MUCURI
Rua Manoel Bandeira, 460 – Veredas – Janaúba – MG - Brasil

Disciplina: CTJ015 Professor: Paulo Alliprandini Filho


Página 7 de 13

6. Calcule o potencial elétrico num ponto P no eixo de um anel de raio r e a uma distância x
do centro do anel.

7. Mostre que o potencial num ponto P do eixo de um disco, de raio R, uniformemente


carregado, é dado por:

V 

2 o
 
R2  x2  x

onde x é a distância do ponto P ao centro do disco. Mostre, partindo da expressão acima, que o
valor de E nos mesmos pontos, vale:
  x 

E 1 
2  o  R x 
2 2 

Verifique o que ocorre com o valor de E para r  R e para r  R .

r
x
P
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO
JEQUITINHONHA E MUCURI
Rua Manoel Bandeira, 460 – Veredas – Janaúba – MG - Brasil

Disciplina: CTJ015 Professor: Paulo Alliprandini Filho


Página 8 de 13

8. Considere um anel de raio interno r e raio externo R carregado com uma carga total Q,
como mostra a figura abaixo.

R
r

a. Calcule o potencial elétrico em um ponto sobre seu eixo de simetria


b. Estude o limite 𝑟 → 0 e compare com o exercício anterior (exercício 6).

9. Seja  a carga por unidade de comprimento distribuída uniformemente ao longo de um


segmento de reta de comprimento L. P
A) Determinar o potencial eletrostático (escolhido como sendo igual a zero no
y
infinito) num ponto P afastado a uma distância y de uma das extremidades do
segmento carregado, e situado sobre o seu prolongamento, veja a figura
abaixo.
B) Usar o resultado do item A para calcular a componente da intensidade do
L 
campo elétrico no ponto P na direção do eixo dos y (ao longo do segmento
de reta).
C) Determinar a componente da intensidade do campo elétrico em P numa
direção perpendicular ao segmento de reta.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO
JEQUITINHONHA E MUCURI
Rua Manoel Bandeira, 460 – Veredas – Janaúba – MG - Brasil

Disciplina: CTJ015 Professor: Paulo Alliprandini Filho


Página 9 de 13

10. Considere o sistema da figura abaixo onde um dipolo elétrico de momento 𝑝 = 2𝑎𝑞 é
imerso em uma região de campo elétrico constante 𝐸⃗ = 𝐸𝑖̂

a. Qual é a força resultante sofrida pelo dipolo?


b. Qual é o torque sofrido pelo dipolo?
c. Escreva o vetor do momento de dipolo em termos do ângulo  e mostre que:
𝜏 = 𝑝 × 𝐸⃗
d. Qual o efeito desse torque sobre o dipolo?
e. Determine a energia potencial desse dipolo, adotando como energia potencial igual
a zero quando o momento de dipolo é perpendicular ao campo elétrico
f. Mostre que ela pode ser escrita como:
𝑈 = −𝑝 ∙ 𝐸⃗
11. Um contador Geiger-Muller é um detector de radiação que consiste basicamente de um
cilindro oco (o catodo) de raio 𝑟𝑎 e um fio cilíndrico coaxial (o anodo) de raio 𝑟𝑏 . A carga
por unidade de comprimento no anodo é λ, enquanto que a carga por unidade de
comprimento no catodo é –λ.

a. mostre que o módulo da diferença de potencial entre o fio e o cilindro é:


𝜆 𝑟𝑎
∆𝑉 = ln ( )
2𝜋𝜀𝑜 𝑟𝑏
b. mostre que o módulo do campo elétrico nesta região é dado por:
∆𝑉 1
𝐸=
ln(𝑟𝑎 ⁄𝑟𝑏 ) 𝑟
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO
JEQUITINHONHA E MUCURI
Rua Manoel Bandeira, 460 – Veredas – Janaúba – MG - Brasil

Disciplina: CTJ015 Professor: Paulo Alliprandini Filho


Página 10 de 13

12. Um disco de raio R tem uma densidade superficial de carga não uniforme, 𝜎 = 𝜎0 𝑟 2 ⁄𝑅 2,
onde 𝜎0 e r é a distância deum ponto do disco até seu centro.

a. determine a carga total no disco;


b. por integração direta, ache o potencial V(x) no eixo do disco a uma distância x de
seu centro.
c. Qual e a velocidade de escape de um elétron inicialmente em repouso na superfície
de uma esfera com 1,0 𝑐𝑚 de raio e uma carga uniformemente distribuída
de 1,6 × 10−15 𝐶? Em outras palavras, qual deve ser a velocidade inicial de um
elétron para chegar a uma distância infinita da esfera com energia cinética zero?
13. O sistema de cargas mostrado na figura ao lado é conhecido como um quadrupolo elétrico
linear.

𝑄𝑎2
a. mostre que o potencial em um ponto do eixo x para 𝑥 > 𝑎 é 𝑉 = 2𝜋𝜀 3 2
0 (𝑥 −𝑥𝑎 )

𝑄𝑎2
b. mostre que para 𝑥 ≫ 𝑎 a expressão obtida em a) se reduz 𝑉 = 2𝜋𝜀 3
0𝑥

c. use o resultado do item a) para achar o campo elétrico em qualquer ponto 𝑥 > 𝑎
do eixo do quadrupolo.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO
JEQUITINHONHA E MUCURI
Rua Manoel Bandeira, 460 – Veredas – Janaúba – MG - Brasil

Disciplina: CTJ015 Professor: Paulo Alliprandini Filho


Página 11 de 13

14. Uma distribuição esférica de carga tem uma densidade de carga volumétrica que é função
apenas de r, a distância desde o centro da distribuição. Em outras palavras, 𝜌 = 𝜌(𝑟). Se
𝜌(𝑟) for assim, determine o campo elétrico como função de r. Integre o resultado para
obter uma expressão para o potencial eletrostático 𝜙(𝑟), sujeito à restrição 𝜙(∞) = 0,
para os seguintes casos:
a. 𝜌 = 𝐴/𝑟 sendo A uma constante para 0 ≤ 𝑟 ≤ 𝑅 e 𝜌 = 0 para 𝑟 > 𝑅.

b. 𝜌 = 𝜌0 (ou seja, constante) para 0 ≤ 𝑟 ≤ 𝑅 e 𝜌 = 0 para 𝑟 > 𝑅.


15. Um fio de comprimento L, com uma densidade linear de carga 𝜆(𝑥) = 𝐴𝑥, onde 𝐴 > 0 é
uma constante, está colocado ao longo do eixo x conforme a figura

Determine:
a. O potencial 𝑉(𝑥) para um ponto P do eixo x com coordenada 𝑥 > 𝐿. Adote 𝑉 = 0
no infinito.
b. Uma carga 𝑞 > 0 com massa m, em uma região muito afastada do fio, é lançada
sobre o eixo x com velocidade −𝑣𝑖̂. Qual é a velocidade 𝑣 para que a carga se
aproxime de uma distância L da ponta direita do fio antes de retornar.
c. Sabendo-se que a carga total do fio é igual a Q, determine a constante A que
aparece em 𝜆(𝑥).
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO
JEQUITINHONHA E MUCURI
Rua Manoel Bandeira, 460 – Veredas – Janaúba – MG - Brasil

Disciplina: CTJ015 Professor: Paulo Alliprandini Filho


Página 12 de 13

RESPOSTAS DOS EXERCÍCIOS


1. 15000𝑉
 R2   r2
2. b) Q    R 4 ; c)  ext  ; d) E  rˆ para r  R ;
72 4 o
  R4 
E rˆ para R  r  4 R ; E  0 para 4 R  r  6 R
4 o r 2
  R4
E rˆ para r  6 R
2 o r 2
 R3
e) Vr  V R  
6 o

 K  KR   KR
3. b) E  rˆ para r  a ; E  rˆ para a  r  b ; E  0 para b  r  c ; E  rˆ para
o o r o r
rc
K a K R   b  
c) V B  V A     ln    ln 2 
 o o   a  

 a R3 7 a R2 7 a q R2
4. a) a 
N
, b) q  4  o a R ; c) E 
3
r ; d) VB  V A 
ˆ ; e) W  ;
Cm r2 8 8

 6 q 9 9
5. a) F  ; b) V  ; c) W  q
125  o 10  o 10  o

1 𝑄
6. 𝑉 = 4𝜋𝜀 2 2
0 √𝑥 +𝑟

7. Demonstração
𝜎
8. a) 𝑉 = [√𝑅 2 + 𝑥 2 − √𝑟 2 + 𝑥 2 ]
2𝜀0
 L y  L
9. a) V  ln   ; b) E y  ; c) zero
4  o  y  4   o y L  y 

10. a) zero; b) 𝜏 = −2𝑎𝑞 sen 𝜃 𝑘̂; c) demonstração; d) discussão; e) 𝑈 = −𝑝𝐸 cos 𝜃 f)


demonstração

11. Demonstração
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO
JEQUITINHONHA E MUCURI
Rua Manoel Bandeira, 460 – Veredas – Janaúba – MG - Brasil

Disciplina: CTJ015 Professor: Paulo Alliprandini Filho


Página 13 de 13

1 𝜎
12. a) 𝑄 = 2 𝜋𝜎0 𝑅 2; b) 𝑉 = 6𝜀 𝑜𝑅2 [(𝑅2 − 2𝑥 2 )√𝑥 2 + 𝑅 2 + 2𝑥 3 ]
𝑜

𝑄 1 1 2
13. a e b demonstração c) 𝐸⃗ = 4𝜋𝜀 [(𝑥−𝑎)2 + (𝑥+𝑎)2 − 𝑥 2 ] 𝑖̂
0

14. a)
𝐴 𝐴𝑟
Para 0 ≤ 𝑟 ≤ 𝑅: 𝐸 = 2𝜀 e 𝑉 = 2𝜀
0 0

𝐴𝑅 2 𝐴𝑅
Para 𝑟 > 𝑅: 𝐸 = 2𝜀 e 𝑉 = 2𝜀
0 𝑟2 0𝑟

b)
𝜌0 𝑟 𝜌0 𝑟 2
Para 0 ≤ 𝑟 ≤ 𝑅: 𝐸 = e 𝑉=
3𝜀0 3𝜀0

𝜌 𝑅3 𝜌0 𝑅 3
Para 𝑟 > 𝑅: 𝐸 = 3𝜀0 𝑟 2 e 𝑉 =
0 6𝜀0 𝑟
𝐴 𝑥−𝐿
15. a) 𝑉 = − 4𝜋𝜀 [𝐿 + 𝑥 log ( )]
0 𝑥

𝑞𝐴𝐿
b) 𝑣 = √2𝜋𝜀 (2 log 2 − 1)
𝑜𝑚

2𝑄
c) 𝐴 = 𝐿2

Você também pode gostar