Você está na página 1de 10

019-362 Código de Falha Inativo ou

Intermitente
Informações Gerais
Verificação Inicial
Passos Finais
Passos Finais

Informações Gerais

Este procedimento deve ser usado para


diagnosticar códigos de falhas
relacionados a circuitos elétricos
intermitentes e que estejam inativos. Este
procedimento também pode ser usado
para diagnosticar altas contagens inativas
de códigos de falha relacionados a
circuitos. SMALL | MEDIUM | LARGE

Se houver vários códigos de falha


presentes, use um diagrama elétrico para Próximo
verificar circuitos comuns de alimentação
e de massa que possam ser
compartilhados entre sensores, atuadores
e interruptores. Os sensores de pressão
podem compartilhar um circuito comum
de alimentação de 5 volts e de massa. Os
sensores de temperatura e os atuadores
podem compartilhar um circuito de massa
comum. Se um circuito de alimentação ou
de massa um sensor tiver uma conexão
intermitente, os códigos de falha
relacionados a todos os sensores podem
estar ativos ou ter altas contagens de
códigos de falha inativos.
Se existirem as condições para ativar um
código de falha e posteriormente tais
condições deixarem de existir, será
registrado um código de falha inativo.
Quando as condições são intermitentes,
pode haver várias contagens inativas de
um dado código de falha. Se houver mais
de 10 contagens inativas, o código de SMALL | MEDIUM | LARGE
falha deve ser diagnosticado como um
código de falha ativo. Deve ser dada
prioridade de diagnóstico para códigos de Anterior Próximo
falha associados aos componentes de
desempenho do motor como
turbocompressor, válvula EGR ou
qualquer código de falha associado aos
sistemas do motor.

Verificação Inicial

Fale com o operador e determine as


condições de operação do motor quando
a falha ocorre e quais os sintomas
quando a falha está ativa.

Determine se foram feitos recentemente


reparos ou serviços de manutenção que
possam estar relacionados à condição SMALL | MEDIUM | LARGE
intermitente.

Consulte a seção ”Dicas para a Oficina” Anterior Próximo


no diagrama de diagnóstico do código de
falha. A seção Dicas para a Oficina
fornece outras informações para o
diagnóstico de falhas e relaciona as
possíveis causas do código de falha.

Certifique-se de que a calibração do


módulo eletrônico de controle (ECM)
esteja correta. Verifique o histórico de
revisões de calibrações localizado no
QuickServe® Online para as correções
aplicáveis à calibração armazenada no
ECM. Se necessário, calibre o ECM
novamente. Consulte o Procedimento
019-032, Código de Calibração do ECM,
na Seção 19 do Manual de Diagnóstico
de Falhas e Reparos correspondente do
motor em questão.

Desconecte o sensor ou o atuador


relacionado à condição intermitente.

Inspecione o chicote e os conectores


quanto a:

 Conexões soltas (puxe


levemente os fios na parte SMALL | MEDIUM | LARGE
traseira dos conectores)
 Pinos corroídos
 Pinos tortos ou quebrados Anterior Próximo
 Pinos torcidos para trás ou
expandidos
 Umidade dentro ou sobre os
conectores
 Sujeira ou resíduos dentro ou
sobre os pinos dos conectores
 Vedações do conector
danificadas ou faltando
 Danos na blindagem dos fios
 Capa do conector quebrada
 Dano na guia de trava do
conector
 Desgaste nos pinos (inspeção
visual cuidadosa)
 Massas enferrujados, pintados,
corroídos ou soltos.

Inspecione cuidadosamente o chicote


entre o componente suspeito e a
conexão do ECM. Verifique se há folga
adequada na guia de alívio do chicote.

A presença de pó preto no interior do


conector pode ser um sinal de atrito
nos pinos. Limpe os contatos dos
pinos e reconecte o conector.
Desconecte do ECM o conector do
chicote elétrico. Inspecione o conector
do ECM quanto a:

 Conexões soltas (puxe


levemente os fios na parte
traseira dos conectores)
 Pinos corroídos SMALL | MEDIUM | LARGE
 Pinos tortos ou quebrados
 Pinos torcidos para trás ou
expandidos Anterior Próximo
 Umidade dentro ou sobre os
conectores
 Sujeira ou resíduos dentro ou
sobre os pinos dos conectores
 Vedações do conector
danificadas ou faltando
 Danos na blindagem dos fios
 Capa do conector quebrada
 Dano na guia de trava do
conector
 Desgaste nos pinos (inspeção
visual cuidadosa)
 Massas enferrujados, pintados,
corroídos ou soltos.

Limpe os conectores de componentes


suspeitos e apague o código de falha.

SMALL | MEDIUM | LARGE

Anterior Próximo
Conecte o INSITE™ e abra o recurso
Monitor/Registrador de Dados.
Monitore a voltagem de sinal do
sensor para o sensor apropriado.
Monitore também o valor real do
sensor ou do componente.

Começando com o componente em SMALL | MEDIUM | LARGE


questão e inspecionando o chicote até
o ECM, torça, torça, entorte e puxe
levemente cada conexão e a área Anterior Próximo
entre as conexões do chicote.

Durante o Teste de Flexibilidade do


Chicote, a voltagem de sinal do sensor
exibida no INSITE™ deve permanecer
constante. Uma leitura típica deve
variar entre 0,5 e 5,12 volts.

NOTA: Este procedimento também


pode ser usado para verificar se há
fios soltos ou danificados nos
interruptores. A condição dos
interruptores pode ser monitorada
com o INSITE™. Procure por
alterações nos interruptores
quando realizar o Teste de
Flexibilidade do Chicote.

Se o código de falha tornar-se ativo, se a


contagem de códigos inativos aumentar,
se houver variação na voltagem de sinal
do sensor, ou se o estado do interruptor
for alterado, existe uma conexão solta ou
um fio danificado nesse local específico.
Consulte o Procedimento 019-361,
Inspeção de Conectores e de Pinos de SMALL | MEDIUM | LARGE
Componentes, e inspecione os pinos dos
conectores em questão. Repare ou
substitua, conforme necessário. Anterior Próximo

NOTA: O ECM não muda a condição


dos interruptores e das falhas
instantaneamente. Cerca de 10 a 15
segundos devem ser utilizados para
torcer levemente o chicote e verificar
se há uma alteração na leitura do ECM.
A tentativa de monitorar um grande
número de parâmetros ao mesmo
tempo com o INSITE™ retardará a taxa
de atualização da tela. Mantenha o
número de parâmetros monitorados
com o INSITE™ a um mínimo para
aumentar a taxa de atualização.

Dê partida no motor.

Com o motor funcionando, conecte o


INSITE™ e abra o recurso
Monitor/Registrador de Dados.
Monitore a voltagem de sinal do
sensor para o sensor apropriado.
Monitore também o valor real do SMALL | MEDIUM | LARGE
sensor ou do componente.

Durante o Teste de Flexibilidade do Anterior Próximo


Chicote, a voltagem de sinal do sensor
exibida no INSITE™ deve permanecer
constante. Uma leitura típica deve
variar entre 0,5 e 5,12 volts.

Levemente entorte, torça e puxe as


conexões e as a área entre as
conexões do chicote enquanto
monitora a voltagem de sinal do
sensor.

Se a voltagem de sinal do sensor


oscilar durante o teste, existe uma
conexão solta ou um fio danificado
nesse local específico. Inspecione os
pinos dos conectores em questão.
Verifique se há massas inadequados na
bateria e no chassi. Puxe firmemente os
fios ou cabos de massa para verificar se
há conexões soltas. Verifique os
seguintes fios de massa, certificando-se
de que estejam firmes, limpos e
afastados de superfícies pintadas:
SMALL | MEDIUM | LARGE
 massas do bloco do motor
 massas do chassi
 Massas do ECM Anterior Próximo
 terminais negativos do alternador e
do motor de partida

Enquanto realizar este passo, verifique se


o código de falha torna-se ativo, ou se as
contagens de códigos inativos aumentam.
Se isto acontecer, existe uma conexão
solta ou um fio danificado nesse local.
Desconecte e limpe os cabos e as
superfícies de aterramento e então
reconecte-os. Repare ou substitua os
cabos ou fios de aterramento, se
necessário.

Meça a resistência entre o terminal


negativo (-) da bateria e:

 A carcaça do ECM (superfície


limpa, não pintada)
 O bloco do motor (superfície
limpa, não pintada)
 O terminal (-) do motor de SMALL | MEDIUM | LARGE
partida
 O terminal (-) do alternador
 O terminal de aterramento do Anterior Próximo
firewall
 O massa da cabine
(interruptores do painel, massa
comum)
 Chassi do veículo.
Todos os valores de resistência devem
indicar menos de 1 ohm. Se os valores
de resistência excederem 1 ohm, limpe
os cabos e as superfícies de
aterramento e então reconecte-os.
Repare ou substitua os cabos ou fios
de aterramento, se necessário.
SMALL | MEDIUM | LARGE
NOTA: Consulte o Procedimento
019-359, Utilização Geral do
Multímetro, para instruções sobre o Anterior Próximo
uso correto de um multímetro.

Passos Finais

Verificação da Queda de Voltagem

Este teste deve ser feito com o


atuador conectado no chicote.

Com o sensor ou atuador


SMALL | MEDIUM | LARGE
desconectado do chicote, meça a
voltagem no conector do chicote do
motor do componente. Anterior Próximo

Conecte o sensor ou o atuador no


chicote e meça a voltagem com todos
os componentes conectados. Use um
cabo de corte ou instale as pontas de
prova do multímetro na parte traseira
do conector quando realizar esta
verificação.

A voltagem fornecida para o


componente deve estar na faixa de 0,5
volt em relação à voltagem original
medida. Se a queda de voltagem for
maior que 0,5 volt, verifique se há
conexões intermitentes, fios cortados
ou conexões corroídas de relés entre o
atuador e o ECM.
Passos Finais

Valores Padrão do Sensor

Quando um circuito do sensor está em


curto com uma fonte de voltagem alta ou
baixa, o valor do sensor será mantido em
um valor padrão quando o código de
falha for ativado. O valor padrão será, em
geral, definido como um valor dentro da SMALL | MEDIUM | LARGE
faixa padrão de operação do sensor.
Durante o monitoramento dos valores do
sensor com uma ferramenta de serviço, Anterior Próximo
parecerá que o sensor está lendo um
valor correto mesmo quando o código de
falha está ativo. Alguns típicos valores
padrão globais de sensores são:

 Temperatura do líquido de
arrefecimento do motor = 104,4°C
[219,9°F]
 Temperatura no coletor de
admissão = 21,3°C [70,3°F]
 Pressão no coletor de admissão =
2,4 kPa [0,7 pol-Hg]
 Temperatura da EGR = 37,8°C
[100°F]
 Pressão do óleo do motor = 73,1
kPa [10,6 psi]

Quando fizer o diagnóstico de códigos de


falha de circuito intermitente, observe que
o valor mostrado no monitor da
ferramenta de serviço pode ser uma
leitura padrão do sensor. Use sempre a
medição da voltagem de sinal do sensor
quando fizer o diagnóstico de códigos de
falha de circuitos intermitentes.
Se for necessária uma investigação mais
detalhada, utilize o recurso
Monitor/Registrador de Dados do
INSITE™ para monitorar as entradas e as
saídas de um motor em funcionamento e
para incluir esses dados em um arquivo
de registro. O recurso Registrador do
INSITE™ permite coletar as informações SMALL | MEDIUM | LARGE
durante o evento intermitente e as
mesmas podem ser visualizadas
posteriormente. Anterior

Última Modificação: 02-DEZEMBRO-2009


Copyright © 2000-2010 Cummins Inc. Todos os direitos reservados.