Você está na página 1de 40

Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Centro de Tecnologia
Departamento de Engenharia Civil
Disciplina: Saneamento Ambiental

Aula 04 – Noções gerais sobre


qualidade das águas

Professora Giovana Medeiros

Natal, RN
2020
Qualidade da água

É resultante de:
- condições naturais

O impacto é dependente
do contato da água em
escoamento ou
infiltração com as
partículas, substâncias e
impurezas do solo.

2
Qualidade da água

É resultante de:
- interferência antrópica

A forma que o homem usa


e ocupa o solo tem
interferência direta na
qualidade da água.

3
Qualidade da água

Qualidade Condições naturais e do uso e

existente ocupação do solo na bacia


hidrográfica.

Qualidade Usos previstos para a água.


desejável

4
Usos da água
Implicam retirada da água Usos consuntivos

Abastecimento Abastecimento Dessedenta- Recreação e Criação de Geração de energia Diluição e transporte


Irrigação Navegação
doméstico industrial ção de animais lazer espécies elétrica de despejos

Um manancial pode ser destinado a


Tratamento prévio mais de um uso.

5
Usos da água

Abastecimento Abastecimento Dessedenta- Recreação e Criação de Geração de energia Diluição e transporte


Irrigação Navegação
doméstico industrial ção de animais lazer espécies elétrica de despejos

Relação direta entre o uso da água e a qualidade


requerida.
Mais Menos
nobre Usos múltiplos! nobre

6
Rotas do uso e disposição da água
Água Bruta

Água Tratada

Importância do
Água usada (esgoto bruto) Engenheiro no
planejamento,
projeto, execução e
Esgoto tratado
controle de obras
para manutenção da
Água pluvial qualidade da água.

Corpo receptor

Reúso

7
Por que avaliar a qualidade de uma água?

8
Como avaliar a qualidade de uma água?

Devo determinar os diversos


componentes presentes na água?

9
Parâmetros de Qualidade da Água

FÍSICOS QUÍMICOS BIOLÓGICOS


Parâmetros
indiretos • Sólidos • pH • Coliformes totais
• Cor • Alcalinidade • Coliformes
• Turbidez • Acidez termotolerantes
Potencial • Sabor e Odor • Dureza • Escherichia coli
poluidor • Temperatura • Ferro e Manganês
• Cloretos
• Nitrogênio
Características • Fósforo
das impurezas • OD
• Matéria Orgânica
• Micropoluentes

10
FÍSICOS

• Sólidos
• Cor
• Turbidez
• Sabor e Odor
• Temperatura

Parâmetros Físicos

11
SÓLIDOS
❖ Todos os contaminantes da água, exceto os gases dissolvidos, contribuem
para a carga de sólidos.
❖ Resíduo após evaporação (~100°C) e calcinação (~500° C) da amostra de
água.
❖ Análise gravimétrica (balança analítica ou de precisão).

12
SÓLIDOS
Distribuição
dos sólidos

Fonte: http://slideplayer.com.br/slide/10695283/
13
SÓLIDOS

❖Características físicas Problemas estéticos


❖ Sólidos em suspensão Adsorção de poluentes
Proteção de patógenos
❖ Sólidos coloidais
❖ Sólidos dissolvidos
A determinação das frações de sólidos é muito
❖Características químicas mais recomendada para águas fortemente
poluídas e esgotos do que para águas limpas!
❖ Sólidos voláteis (matéria orgânica)
❖ Sólidos fixos (matéria inorgânica)
Nas ETAs, parâmetros indiretos como a cor e a turbidez
devem ser preferivelmente usados, uma vez que a análise
gravimétrica apresenta baixa precisão para níveis
reduzidos de sólidos, além do tempo relativamente longo
necessário para a execução da mesma. 14
Matéria
inorgânica
Matéria
orgânica

Determinados
em laboratório
Calculados por ❖ Unidade: mg/L
diferença

Fonte: http://www.c2o.pro.br/analise_agua/a1833.html
15
SÓLIDOS - DETERMINAÇÃO

Sólidos Totais Sólidos Totais Fixos Sólidos Suspensos Sólidos Suspensos Fixos

16
SÓLIDOS SEDIMENTÁVEIS
❖ Volume de sólidos em suspensão que sedimenta em cone Imhoff no período
de uma hora, sob ação da gravidade.
❖ Unidade: mL/L
❖ Análise volumétrica
❖ Estima produção de lodo

17
COR

❖ Conceito: Grau de redução de intensidade que a


luz sofre ao atravessar a água, devido a sólidos
coloidais e dissolvidos.
❖ Origem Natural:
Decomposição da Matéria Orgânica Fonte: http://www.portaldoguaiamum.com/arquivo/4413
Ferro e Manganês
❖ Origem Antropogênica:
Resíduos Industriais
Esgotos domésticos

Fonte: http://www.solucoesindustriais.com.br

18
COR
❖ Importância:
Origem natural:
• Pode levar os consumidores buscarem águas de maior risco, por suspeitar da
confiabilidade da água.
• Se a cor for devido a decomposição da MO na água, a adição de cloro pode gerar
compostos cancerígenos (trihalometanos – ex: clorofórmio).

Origem industrial:
• Pode ou não apresentar toxicidade.

❖ Utilização mais frequente do parâmetro:


Caracterização de água de abastecimento bruta e tratada.
Fonte: https://super.abril.com.br/mundo-estranho/por-
que-pessoas-desmaiam-quando-cheiram-cloroformio/

19
COR - DETERMINAÇÃO

❖ Comparador visual
Cor Cor
◦ Unidade: mg Pt-Co/L ou aparente verdadeira
uH
Amostra é
Inclui
centrifugada
influência
para
de
❖ Espectrofotômetro remoção de
partículas
◦ Unidade: unidade de cor sólidos
suspensas
(uC) ou unidade Hazen (uH) suspensos

20
COR - DETERMINAÇÃO

21
COR – ANÁLISE DE RESULTADOS
❖ Dependendo dos valores a forma de tratamento de água para potabilização é
diferenciada:
o > 15 uC: percepção visual
o < 5 uC: dispensam coagulação química
o > 25 uC: requerem coagulação química seguida por filtração

Padrão de potabilidade: = 15 uC

22
TURBIDEZ

❖ Conceito: Alteração da penetração da luz pelos


sólidos em suspensão, que provocam a sua difusão e
absorção.
❖ Origem Natural:
Partículas de rochas, argila e silte;
Fonte: http://blogedenevaldoalves.com.br
Algas e outros microrganismos.
❖ Origem Antropogênica:
Despejos domésticos e industriais;
Microrganismos;
Erosão
Fonte: http://www.em.com.br

23
TURBIDEZ

❖ Importância
Origem natural:
• Esteticamente desagradável, os sólidos em suspensão podem servir de abrigo para
microrganismos patogênicos.

Origem industrial:
• Pode estar associado a compostos tóxicos e microrganismos patogênicos.
• Em corpos d’água: pode reduzir a penetração da luz prejudicando a fotossíntese.

❖ Utilização mais frequente do parâmetro:


• Caracterização de água de abastecimento bruta e tratada;
• Controle de operação de ETA.

Fonte: https://www.tratamentodeagua.com.br/artigo/determinacao-da-turbidez/
24
TURBIDEZ - DETERMINAÇÃO

❖ Turbidímetro de vela
◦ Unidade: Unidade Jackson
de Turbidez (UJT)

Fonte:
http://www.insmart.com.br/produto/laboratorio/turbidimetros/478
-turbidimetro-digital-de-bancada-tb-1000
❖ Nefelômetro
◦ Unidade: Unidade
Nefelométrica de Turbidez
(UNT)

Fonte: https://www.hexis.com.br/produto/turbidimetro-portatil-2100q

25
TURBIDEZ - DETERMINAÇÃO

26
TURBIDEZ – ANÁLISE DE RESULTADOS

❖ Dependendo dos valores a forma de tratamento é diferenciada:


o = 10 uT: ligeira nebulosidade
o = 500 uT: opaca
o < 20 uT: dispensa coagulação química, apenas com processo de filtração
o > 50 uT: requerem coagulação química ou pré-filtro grosseiro antes da filtração

Padrão de potabilidade: = 5 uT

27
COR X TURBIDEZ

Qual a diferença
entre cor e
turbidez?

Cor Turbidez

Substâncias Partículas em
dissolvidas suspensão

Grau de
Aspecto turvo
coloração

28
SABOR E ODOR
❖ Conceito: Sabor é a interação entre o gosto (salgado, doce, azedo e amargo)
e o odor (sensibilidade olfativa);
❖ Origem Natural:
Matéria orgânica em decomposição;
Algas (algas cianofíceas) e outros microrganismos;
Gases dissolvidos (gás sulfídrico - H2S);
Presença de fenóis (reação com cloro).
❖ Origem Antropogênica:
Despejos domésticos e industriais;
Gases dissolvidos (H2S).
❖ Importância: Não representa risco à saúde, mas consumidores podem
questionar sua confiabilidade e buscar água de maior risco.
29
SABOR E ODOR

30
SABOR E ODOR - DETERMINAÇÃO
Padrões de “cheiro” para treinar e capacitar os avaliadores:
•Cheiro medicinal (preparado com 2,6 – ciclorofenol)
•Cheiro terroso e a peixe (solução de geosmina 2 g/L)
•Cheiro de mofo (2-metilsoborneol)
•Cheiro de ovos podres (sulfeto de hidrogênio)
•Cheiro a cloro (1 mg/L)

Padrões para sabor:


•Sabor sal ( 1g/L de cloreto de sódio)
•Sabor doce (10 g/L de sacarose)
•Sabor amargo (1 /L de cafeína)
•Sabor ácido (1 ml/L de ácido cítrico)
•Sabor de mofo (2-metil isoborneol)
•Sabor de terra e peixe (geosmina)
•Sabor medicinal (2-6 diclorofenol)

31
TEMPERATURA
❖ Conceito: medição da intensidade do calor;
❖ Origem Natural:
Transferência de calor por radiação, condução e convecção (atmosfera e
solo);
❖ Origem Antropogênica:
Despejos industriais;
Águas de torres de resfriamento.
❖ Importância:
- Afeta taxas com que ocorrem as reações químicas e bioquímicas:
organismos possuem faixas ótimas para sua reprodução;
- Aumento da temperatura diminui solubilidade de gases (O2) e outras
substâncias na água.
32
QUÍMICOS

• pH
• Alcalinidade
• Acidez
• Dureza
• Ferro e Manganês
• Cloretos
• Nitrogênio
• Fósforo
• OD

Parâmetros Químicos • Matéria Orgânica


• Micropoluentes

33
pH
❖ Conceito: representa a concentração de íons hidrogênio H+ (em escala antilogarítmica),
dando uma indicação sobre a condição de acidez, neutralidade ou alcalinidade da água.
❖ Forma do constituinte responsável: sólidos dissolvidos, gases dissolvidos.
❖ Importância:
- Tratamento e distribuição de água para abastecimento (coagulação, desinfecção,
correção da dureza, corrosividade)
- pH baixo: corrosividade e agressividade nas tubulações de águas de
abastecimento;
- pH elevado: possibilidade de incrustações em redes de água de abastecimento.
- Valores afastados na neutralidade podem afetar a vida aquática e os
microrganismos responsáveis pelo tratamento biológico dos esgotos.

34
ALCALINIDADE
❖ Conceito: medida da capacidade de neutralizar ácidos ou a capacidade de
minimizar variações significativas de pH.
❖ Presença de bicarbonatos, carbonatos e hidróxidos.
❖ Forma do constituinte responsável: sólidos dissolvidos.
❖ Origem Natural: dissolução de rochas, reação do CO2 na água.
❖ Origem Antropogênica: Despejos domésticos e industriais;
❖ Importância:
- Sem significado sanitário (gosto amargo em altas concentrações);
- Tratamento de água (evita a redução muito significativa do pH na
coagulação, formação de película que ajuda na prevenção da corrosão em
tubulações).

35
ACIDEZ
❖ Conceito: medida da capacidade da água de resistir às mudanças de pH
provocadas por bases. Deve-se principalmente à presença de CO2 livre (pH
entre 4,5 e 8,2).
❖ Forma do constituinte responsável: sólidos dissolvidos e gases dissolvidos
(CO2 e H2S).
❖ Origem Natural: dissolução de rochas, reação do CO2 na água.
❖ Origem Antropogênica: Despejos domésticos e industriais;
❖ Importância:
- Sem significado sanitário (sabor desagradável em altas concentrações);
- Responsável pela corrosão em tubulações e materiais.

36
DUREZA
❖ Conceito: soma das concentrações de cálcio e magnésio, em mg/L de CaCO3,
se expressa pela resistência à reação de saponificação.
❖ Forma do constituinte responsável: sólidos dissolvidos.
❖ Origem Natural: dissolução de rochas calcárias.
❖ Origem Antropogênica: Despejos industriais, fertilizantes.
❖ Importância:
- Sem significado sanitário (maior dureza -> menor incidência de doenças
cardíacas);
- Sabor desagradável e possíveis efeitos laxativos;
- Reduz a formação de espuma -> maior consumo de sabões;
- Causa incrustações em caldeiras, aquecedores (maior precipitação do
carbonato em temperaturas elevadas).
37
Dúvidas?
38
BIBLIOGRAFIA DA AULA
Água: Métodos e tecnologia de tratamento. Carlos A. Richter. São Paulo: Editora Blucher, 2009.
–Abastecimento de água para consumo humano. Organizadores: Léo Heller e Valter Lúcio de
Paula. Volumes 1 e 2, 2ª ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010. (ou outras edições)
–Fundamentos de qualidade e tratamento de água. Marcelo Libânio. Campinas: Editora Átomo,
2005.
–Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Marcos Von Sperling, Volume
1, 3ª ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005. (ou outras edições)
- Fascículos 5 e 6 do Curso "Qualidade das águas e poluição: aspectos físicos-químicos" do autor
Roque Passos Piveli.

44
Até a próxima aula!
Profª Giovana Medeiros
giovanacsm@yahoo.com.br

45