Você está na página 1de 7

O Ciclo de Oxalá, Pai de Todos os Orixás.

As Águas de Oxalá

Na quinta-feira à noite, antes de se iniciarem os preceitos das águas de Oxalá,


Oxalá, das dezenove
até às vinte e quatro horas, todos os filhos e filhas da casa são obrigados a fazer um bori
(obrig
(obrigaçã
açãoo que se faz com a fruta
fruta chamada
chamada obi e água)
água) para
para poderem
poderem carregar
carregar as águas.
águas.
Depois desse bori, vão se agasalhar, até que são despertados pela Iyalorixá  para
  para iniciarem o
preceito das águas. Os filhos do Axé, trajados de alvo, saem em silêncio do terreiro, em
procissão,
procissão, carregando potes e moringas, tendo à frente a Iyalorixá  tocando
 tocando o seu adjá .
No tempo de Mãe Senhora
Senhora, dirigia-se para uma fonte chamada Riacho, que fica ao lado da
Lagoa da Vovó, nessa roça de São Gonçalo do Retiro. Hoje, essa obrigação é feita dentro do
próprio
próprio terreiro.
terreiro. Meia hora depois, com suas vasilhas cheias
cheias d'água, aproxima-se
aproxima-se de um lugar
apropriado, todo cercado de palha, com uma oca indígena, chamado Balué , onde se colocou o
assento
assento do velho Oxalá.
Oxalá. Ali, todos apresentam aquelas águas à Iyalorixá , que as derrama por
cima do assento de Oxalá.
Oxalá. São feitas três viagens à fonte ou onde está a água, e, na terceira,
a água não é mais derramada, ficando todas as vasilhas cheias depositadas no Balué , sendo
colocada uma cortina branca na porta e uma esteira no chão.
Cada
Cada pessoa
pessoa que chega
chega ajoelh
ajoelha-s
a-see sob
sobre
re aquela
aquela esteir
esteiraa em sinal
sinal de reverê
reverênci
ncia.
a. Alguma
Algumass
pessoas,
pessoas, os que têm orixá masculino,
masculino, dão Dodobalé , deitam-se de fio ao comprido, tocando
a cabeça no chão. As demais dão o Iká otun iká osi, virando-se
osi, virando-se de um lado e do outro, tocando
o chão com a cabeça - são as que têm o orixá feminino.
feminino. Depois dessa cortesia, a Iyalorixá ,
 juntamente com todos os seus filhos e associados, começa a cantar uma saudação para
Oxalá.
Oxalá.
(Oriki):
Babá êpa ô 
Babá êpa ô 
 Ará mi fo adie 
Êpa ô Ará mi ko a xekê Axekê koma do dun ô 
Êpa Babá
Depo
Depoisis de cant
cantad
adaa essa
essa saud
saudaç
ação
ão,, todas
todas as pess
pessoa
oass pert
perten
ence
cent
ntes
es à Oxalá 
Oxalá  são por ele
manifestadas e vão até o Balué , que é, como já se viu, onde está o assento do orixá.
orixá. Fazem
ali determinadas reverências e cumprimentam a todos, agradecendo o sacrifício daquele dia e
rogando a Odudua para
Odudua para abençoar a todos.
(Do livro "História de um Terreiro Nagô" - Deoscóredes Maximiliano dos Santos-Mestre DIDI - Max Limonad-Joruês Cia
Editora)

O Ciclo de Oxalá, Pai de Todos os Orixás.


Os Três Domingos de Oxalá 
Primeiro Domingo
 As festas começam da mesma maneira que as demais, com uma diferença: todos os filhos do terreiro são
obrigados
obrigados a vestir
vestir roupa branca
branca e não podem comer absolutamente
absolutamente nada que contenha
contenha sal, sangue
sangue ou
dendê.
 No intervalo da festa destinada à troca de roupa dos orixás , os presentes são servidos de adié (galinha
cozida somente com cebola e ori - limo da costa), ebô (milho branco cozido com água sem sal), com o
acompanhamento
acompanhamento de aluá.
Depois
Dep dos orixás terem
ois dos terem trocado
trocado de roupa,
roupa, a Iyalor
Iyalorixá
ixá dá a ordem
ordem para os  Alabê  tirarem o cântico
apropriadoo à entrada de Oxalá, canto que serve também para os demais orixás , que já estão vestidos e
apropriad
esperam no barracão:

 Agô lonã morê ua ni xê


 Agô agô lona

 Aí entram três filhas manifestadas com o grande Oxalá, vestidas de alvo, trazendo em uma das mãos o
opaxorô, um cajado prateado com muitos enfeites.
 Na cabeça usam o adê (coroa), um prateado e os outros dois de pano todo bordado, com contas brancas.
Dançam ao som dos atabaques,
atabaques, agogôs e xequerés (cabaça revestida de contas) algumas cantigas:

 Ô fururu ló ô rê ô
 ô kenen en lejibô
 Ilê ifá motiuá babá
 Okêrêrê lejibô ô
 Eru ya eru ya ô
 Euá ô euá e xê

 Quando se canta essa cantiga, o orixá Oxalufã - Oxalá velho - dança curvado pelo peso de sua velhice.
Quando o Oxalá já dançou bastante, a Iyalorixá tira a seguinte cantiga:

 Babá uô ri uô
 Mele rin ô
 Babá uô ri uô

Os orixás se retiram do barracão, com várias filhas a ampará-los e segurar-lhes as vestes. Logo em
seguida a Iyalorixá também se retira, dando por encerrada a festa e convidando a todos para assistir à
festa do domingo próximo.

Segundo Domingo
 Nesse dia Oxalá recebe das mãos de todo terreiro, a oferenda de uma cabra, várias galinhas, patos e
 pombos brancos.
brancos.
À tarde, depois de ser feito o  Padê, o assento de Oxalá sai do  Balué em cima de uma charola muito
 bonita, toda ornada por angélicas, carregada pela  Iyalaxé, a  Iyamorô e outras duas pessoas da seita. A
charola é coberta com o  Alá, um pano grande, todo alvo, seguro por uma das mãos de cada um que ali se
encontra acompanhando
acompanhando a procissão. Daí segue em direção ao Cruzeiro, reverenciando a casa do  Ibó. Em
seguida, voltam para a Casa Grande, nome dado a uma casa branca muito comprida, onde algum orixá,
entre eles Iyá, orixá da nação
nação Grunci, têm assentados
assentados os
os seus peji... Chegando à casa,
casa, entram com o
andor,
ando r, recolhem depositam Oxalá no seu peji.
recolhem o alá e depositam peji. Depois
Depois fazem
fazem o oriki (saudaç ão) e os orixás
 (saudação)
começam a chegar menos o Oxalá, que já vinham acompanhando a procissão.
Em seguida, levam os orixás  para trocar de roupas. No intervalo, os visitantes são servidos das mesmas
iguarias do primeiro domingo - adié, ebô e aluá .
Os orixás, já de roupas trocadas, chegam ao barracão e dançam as cantigas tiradas então pela Iyalorixá.
 Neste domingo, além de Oxalá, chegam outros, como Nanã, Iemanjá, Ogun. Dançam uma porção de
cantigas, até mais ou menos 11 da noite, quando a Iyalorixá manda fazer a roda de costume. Uma das
cantigas que ela tira agora é essa, que convida os orixás a entr entrar
areem no barr
barraacão
cão
e dançarem:

 Durô dê uá loná
ê á um bó keuá jô
 Durô dê uá loná
ê a un bó keuá jô.

 Terceiro
 Terceiro Domingo
Domi ngo
 (Ojó Odô ou Dia do Pilão) - Às três da tarde, começam os preparativos para o início das obrigações. As
filhas da casa, em grande atividade, fazem o necessário para que, em uma hora, tudo esteja preparado na
sala da casa de Oxalá, a Casa Grande. Na procissão do Pilão, as filhas trazem bancos, mesas, panelas,
 balaios, tudo forrado por panos brancos e enfeitado com ojás e com um feixe de atori (varinhas).
Reunem-se então todas as filhas, e, depois, a mãe Iyalorixá tocando seu ajá, faz as reverências precisas e
com um dos atori toca os ombros das filhas de Oxalá, até que elas são manifestadas, iniciando-se assim
os festejos. Cada uma das filhas da casa vai apanhando um daqueles apetrechos, de acordo com sua
 posição e seu eledá (guia). Quando todos estão prontos, vão saindo em procissão para o barracão e
arriam todos os objetos em ordem, fazendo uma bonita arrumação, como num  peji.
Todo esse
esse precei
preceito
to é acomp
acompanh
anhado
ado por cântic
cânticos
os adequa dos,, até que por fim os Oxalás começam a
adequados
obriga
obrigaçã
çãoo dos atori. Prim
Primei ro Oxalá se senta e a Iyalorixá lhe entrega uma das varas. Em seguida,
eiro
entrega varinhas também às filhas mais velhas da casa. Tiram uma cantiga e as pessoas, que estão
munidas das varinhas, vão dançando em frente a Oxalá, que, batendo com a sua própria, faz como se
estivesse surrando seus filhos. Logo após, todos vão tocando com as varinhas uns nos outros, e depois em
todos os presentes, ao som da seguinte cantiga:

Uá mi xorô
 Uá xorô ni ilê
 Tanun apê ô
 Uá mi xorô
 Uá xorô ni ilê

 Terminada
 Terminada essa obrigação, tiram outra cantiga, que inicia a divisão das comidas:

 Ô fururu lo êre ô
 Ô keienen lejibó
 Ilê ifan motiuá babá
 Aji bô relê mojubá ô
 Oluá êruáô éuáô êuáêxê
 euá ô euá exê babá
euá ô euá exê

 Além das comidas de costume, é servido inhame pisado em forma de bola, que vem dentro de um pilão.
Depois com um novo cântico, são retirados todos aqueles apetrechos do barracão:

 Xên xên un bé lôkô


 Xên xên xên xên
 Nilê ô xên xên?
Os orixás começam então a dançar, como de costume. Oxalá, mais belo que nunca em suas roupas
maravilhosas, dança com aquele jeito calmo todo seu, sempre apoiado em seu opaxorô .
Por volta das onze horas, faz-se a roda para dar término à festa, fechando assim todo o ciclo das
obrigações de Oxalá.

Por que Oxalá usa Ekodide?


(transcrição do livro Porque Oxalá usa
Oxalá usa Ekodide  -
 - Deoscóredes M dos Santos-DIDI - Edição Cavaleiro da Lua - Fundação Cultural do Estado da
Bahia - foi mantida a ortografia original do manuscrito).

Muito
Muito tempo depois
depois que Oduduwa chegchegou
ou em Ilé Ifé  e
  e começaram a adorar o culto das
 Águas de Oxalá,
Oxalá, aconteceu que, logo no primeiro ano, quando estava perto das festas Oxalá
escolheu
escolheu uma senhora
senhora das mais velhas do terreiro,
terreiro, chamada Omon Oxum , para tomar conta
de todo,
todo, ou melh
melhor
or,, de toda
toda sua
sua roup
roupa,
a, ador
adorno
noss e apet
apetre
rech
chos,
os, depo
deposi
sita
tand
ndoo com
com toda
toda
benevolência nas mãos dela aquele direito especial para tomar conta de tudo que lhe
pertencesse, da coroa ao sapato.

Omon Oxum  por por nunca ter tido nenhum filho, criava uma menina. Dessa data em diante ela e
a menina ficaram sendo odiadas por algumas pessoas que faziam parte nesse terreiro e que
por inveja de Omon Oxum  começaram
  começaram a tramar novidades, procurando um meio qualquer
para fazer Oxalá se
Oxalá se zangar com ela e tomar o "achê" entregue por Oxalá. Oxalá. Fizeram coisas que
Deus duvi
duvida
da cont
contra
ra Omon Oxum , po poré
rém
m nada
nada surt
surtia
ia efei
efeito
to.. Cada
Cada vez
vez mais
mais Oxalá ia
aume
aumentntan
ando
do a amiza
mizade
de e dedidediccaçã
ação par
para Omon Oxum . Ela Ela era
era mui
muito devo
devota
tada
da ao
cumprimento das suas obrigações e não dava margem alguma para ser por ele repreendida.
Como dizem que a água dá na pedra até que fura, aconteceu que, na véspera do dia da festa,
as invejosas, já desiludidas por poderem fazer o que desejavam, de passagem pela casa de
Omon Oxum  se  se depararam com a coroa de Oxalá que
Oxalá que ela tinha areado e colocado no sol para
secar.
secar. Quando
Quando elas viram
viram a coroa de Oxalá muito
Oxalá muito bonita e mais reluzente do que nunca,
combinaram roubar a coroa e ir jogar no fundo do mar. E assim fizeram. Quando Omon Oxum 
foi apanhar a coroa para guardar, não encontrou. Ficou doida. Procura daqui procura dali,
remexeram com tudo procurando em todos os cantos da casa e nada da coroa aparecer. As
invejosas vendo a aflição que estava passando Omon Oxum  e  e sua filhinha, satisfeitas pelo mal
que tinham causado, riam as gaiofadas dizendo: agora sim quero ver como ela vai se ata com 
Oxalá  amanhã
 amanhã quando ele procurar a coroa e não encontrar.
 A essa altura Omon Oxum  completamente azurantada só pensava em se matar e já estava
resolvida a fazer isso para não passar vergonha
v ergonha perante Oxalá.
Oxalá. Foi quando a meninazinha, sua
filha de criação disse: - Mamãe, porque a senhora não vai à feira amanhã de manhã bem 
cedinho e não compra o peixe mais bonito que tiver lá? 

 A coroa de Oxalá deve
Oxalá deve estar na barriga desse peixe. E assim a menina insistiu, insistiu tanto,
até que Omon Oxum  se
 se decidiu a aceitar o que a menina aconselhou, dizendo:
- Fique tranqüila minha filha, porque de madrugadasinha eu vou acordar para ir à feira 
ver se encontro com esse peixe que você imagina ter a coroa do nosso Rei Oxalá  na 
barriga.
 A menina foi dormir tranqüila. Omon Oxum  coitada,
 coitada, não pôde dormir toda a noite preocupada
que já amanhecesse o dia para ela ir a feira ver se conseguia encontrar o dito peixe que a
menina julgava ter a coroa na barriga. Quando o dia mal tinha clareado, Omon Oxum  pulou   pulou
da cama, se preparou e lá se foi. Quando ela chegou na feira foi diretamente no mercado de
peixe e não encontrou nenhuma escama. Ainda era muito cedo. Omon Oxum  deu   deu uma volta
pela feira e já bastante impaciente voltou ao mercado onde encontrou um senhor vendendo
um peixe, cujo peixe, era o único que se encontrava no mercado. Omon Oxum  comprou   comprou o
peixe e foi voando para casa a fim de destrinchá-lo. Queria ver se sua filha tinha aconselhado
bem, para ela poder obter a paz e tranqüilidade espiritual, encontrando a coroa de Oxalá. Oxalá.
 Assim que ela chegou em casa foi logo para a cozinha para abrir a barriga do peixe. Porém não
conseguiu. Quando ela estava aí se acabando de chorar e labutando para abrir a barriga do
peixe, a menina acordou e foi logo perguntando:
- Mamãe já comprou o peixe? A senhora deixa que eu abra a barriga dele? 
Omon Oxum bastante chorosa respondeu:
- Minha filha a barriga dele está muito dura. Eu não posso abrir quanto mais você. v ocê.
 A menina se levantou, chegou na cozinha, apanhou um cacumbú e puxou rasgando a barriga
do peixe, esta se abriu em bandas deixando aparecer a coroa de Oxalá aindaOxalá ainda mais bonita do
que era antes. Omon Oxum  se   se abraçou com a menina e de tanto contentamento não sabia o
que fazer
fazer com ela. Carrega
Carregava,
va, beijava
beijava,, dançav
dançava,
a, e por fim Omon Oxum   olhando para a
menina e em seguida voltando as vistas para o céu, disse:
- Olorun, Deus que lhe abençoe. Sua mãezinha está sendo perseguida, porém com a fé
que tem no seu Eledá, anjo da guarda, não ha de ser vencida.
Limparam muito bem limpo, a coroa, e guardaram, muito bem guardado, juntamente com o
resto das coisas pertencentes a Oxalá.
Oxalá.
 Em seguida Omon Oxum  cozinhou
 cozinhou o peixe, fez um grande almoço e convidou a todos da casa
para almoçar com ela dizendo que estava festejando o dia da festa do Pai Oxalá. Oxalá. Ao meio dia
Omon Oxum  juntamente
  juntamente com seu, quero dizer, sua filhinha serviram o almoço acompanhado
de Aluá 
de Aluá  ou Aruá 
 ou Aruá , a bebida predileta de Oxalá a
Oxalá a qual os Erê dão
Erê dão o nome de mijo do pai. Depois
do almoço todos foram descansar para na hora determinada dar começo a festa das  Águas de
Oxalá.
Oxalá. As invejosas quando viram todo aquele movimento, Omon Oxum  muito   muito alegre como
se nada tivesse acontecido a ponto de dar até um banquete em homenagem a Festa de
Oxalá,
Oxalá, ficaram malucas. Uma delas perguntou:
- Será que ela encontrou a coroa? 
Outra respondeu:
- Eu bem disse que queimasse.
E a outra mais danada ainda dizia:
- Eu disse a vocês que o melhor era cavar um buraco bem fundo e enterrar.
 A primeira procurando acalmar os ânimos, disse para a outra:
-  Vamos esperar até a hora que ela apresentar as roupas de Oxalá com todos os
armamentos. Se a coroa estiver no meio o jeito que temos é fazer um grande ebó  e
colocar na cadeira aonde ela vai se sentar ao lado de Oxalá.
Oxalá.
O ebó, sacrifício, pode ser empregado para o bem ou para o mal.
Quando estava perto da hora de começar a festa, Omon Oxum  apresentou   apresentou a Oxalá toda
Oxalá toda a
roupa com todos os armamentos deixando as invejosas mais danadas e com mais desejo de
vingança, a ponto de procurarem fazer o ebó  por   por elas idealizado e colocar na cadeira onde
Omon Oxum  era   era obrigada a sentar-se por ordem de Oxalá. Oxalá. Começou a festa com a maior
alegria
alegria possível.
possível. Oxalá chegou
Oxalá chegou acompanhado por Omon Oxum  e   e se sentou no trono. Omon 
Oxum  sem
 sem saber do que estava sendo feito contra ela, também se sentou na sua cadeira ao
lado
lado de Oxalá.
Oxalá. Quando começaram as cerimônias é que Oxalá precisou
Oxalá precisou colocar a sua coroa,
virou-se
virou-se para Omon Oxum  e  e pediu para ela ir apanhar a coroa. Omon Oxum  quis  quis levantar e
não pôde. Fez força para um lado, para o outro, e nada de poder levantar-se, até quando ela
decidiu levantar-se de qualquer maneira. Devido a grande dor que sentiu, olhou para a cadeira
e viu que estava toda suja de sangue. Alucinada de dor, e horrorizada por saber que Oxalá de
Oxalá de
form
formaa nenh
nenhum
umaa pod
podia
ia ter
ter nada
nada de verm
vermel
elho
ho pert
pertoo dele
dele po
porq
rque
ue era
era ewó , proibição, saiu
esbaforida pela porta afora, indo se esbarrar na casa de Exu. Exu. Quando Exu abriu
Exu abriu a porta que
viu Omon Oxum  toda
 toda suja de vermelho, disse:
- Você vindo desse jeito da casa de meu pai? Infringiu o regulamento e eu não posso lhe 
abrigar, -
abrigar, - e fechou a porta.
Daí ela foi para a casa de Ogun,
Ogun, Oxossi,
Oxossi, de todos Orixás e
Orixás e sempre diziam a mesma coisa
que disse Exu.
Exu. Só restava a casa de Oxum.
Oxum. Quando Omon Oxum  chegou chegou à casa de Oxum,
Oxum,
esta
esta já tinha sabido
sabido do que estava
estava aconte
acontecen
cendo
do e estava
estava a sua espera.
espera. Omon
mon Oxum  se
 jogando nos pés dela disse:
- Minha mãe me valha, estou perdida. Oxalá  não  não vai me querer mais em sua casa.
Oxum disse
Oxum disse para ela que não se preocupasse, que um dia Oxalá ia Oxalá ia buscar ela de volta.
Depois Oxum,
Oxum, usando de sua magia, fez com que, do lugar onde sangrava em Omon Oxum 
saísse Ekodide , pena vermelha de papagaio da costa, até quando sare a ferida. Oxum, Oxum, depois
de colocar todo aquele Ekodide  numa
  numa grande igbá , cuia, reuniu todo seu pessoal e todas as
noites faziam um xirê , festa, cantando assim:
BI O TA LADÊ 
BI O TA LADÊ IRÚ MALÉ 
IYA OMIN TA LADÊ OTO RU ÉFAN KOBÁJA
OBIRIN IYA OMIN TA LADÊ
E assim Oxum ricamente
Oxum ricamente vestida, sentada no seu trono, com Omon Oxum  ao  ao seu lado, a cuia
de Ekodidés  e
 e a vasilha para colocarem dinheiro em frente a elas, recebia as visitas de todos os
Orixás que
Orixás que iam até lá para ver e saber porque Oxum estava
Oxum estava fazendo aquela festa todas as
noites. Todos que lá chegavam e se inteiraram do acontecimento, si era homem dava
dodobalé , se estirava de peito no chão para Oxum,
Oxum, depois apanhava um Ekodide  e   e colocava
uma certa quantia na vasilha que estava ao lado para ser colocado o dinheiro, e se era mulher
dava iká , quer dizer, se deitava no chão de um lado e do outro para Oxum e
Oxum e em seguida
apanhava um Ekodide  e  e colocava também o dinheiro na referida vasilha.
Tudo aquilo que estava acontecendo no palácio de Oxum,
Oxum, ficou sendo muito propalado e as
invejosas faziam todo possível para que Oxalá não
Oxalá não soubesse. Um dia, elas, sem observarem
que Oxalá estava
Oxalá estava por perto, começaram a comentar o caso, onde uma delas disse:
- Com ela não tem quem possa, depois de tudo o que nós fizemos, depois de ter
acontecido o que aconteceu aqui no palácio de Oxalá e
Oxalá e de ter sido enjeitada por todos
Orixás,
Orixás, vocês não estão vendo que Oxum abrigou
Oxum abrigou ela? Curou, conseguindo que do
lugar que sangrava saísse Ekodide , fazendo uma grande fortuna e aumentando a sua
riqueza.
 Agora só nos resta é fazer com que o velho não saiba do que está acontecendo no palácio de
Oxum,
Oxum, se não é bem capaz de querer ir até lá. Nisso o velho Oxalá pigarreou dando a
entender que tinha ouvido toda a conversação. Ordenou a elas que procurassem saber a hora
que começava o xirê no palácio de Oxum e que elas iam servir de companhia para ele poder ir
apreciar o xirê e tomar conhecimento do que estava acontecendo. Quando elas ouviram Oxalá
falar desta maneira bem pertinho delas a terra lhe faltaram nos pés e o remorso montou nos
seus cangotes fazendo com que elas fugissem para nunca mais voltar ao palácio de Oxalá. A
noite,
noite, depois
depois do jantar,
jantar, Oxalá cansado
cansado de esperar
esperar pelas três invejosas
invejosas e não vendo nenhuma
delas aparecer, disse:- Fugiram com medo de que eu castigasse pela grande injustiça que
cometeram, não sabendo de que o castigo será dado pelas mesmas. Assim Oxalá se dirigiu
para o palácio de Oxum a fim de assistir o xirê e saber qual a causa do mesmo.
Quan
Quando
do Oxalá chegou
Oxalá chegou no palácio de Oxum mandou anunciar a sua chegada. Oxum mais
bonita do que nunca, coberta de ouro e muitas jóias dos pés a cabeça, sentada no seu rico
trono, mandou que Oxalá entrasse, e continuou o xirê cantando:

BI O TA LADÊ, BI O TA LADÊ, IRÚ MALÊ, IYA OMIN TA LADÊ.


Quando Oxalá entrou ficou abismado de ver tanta riqueza e quando reparou bem para Oxum,
que viu a seu lado Omon Oxum, a pessoa que cuidava dele e de todas suas coisas, a quem ele
 julgava ter perdido devido o que tinha acontecido, não se conteve, se jogou também no chão
dando dodobalé  para
 para Oxum,
Oxum, apanhando um Ekodide  e  e colocando bastante dinheiro na vasilha.
Oxum quando viu o velho dar dodóbálé para ela, se levantou cantando:
DÓDÓ FIN DODÓBÁLÉ KÓ BINRIN IYA OMIN TA LADÊ 
E foi ajudar a Oxalá se
Oxalá se levantar do chão. Depois que Oxalá se
Oxalá se levantou Oxum pegou
Oxum pegou Omon 
Oxum  pela
 pela mão e entregou à Oxalá dizendo:
Oxalá dizendo:
-  Aqui está a vossa zeladora, sã e salva de todo mal que desejaram e fizeram para ela
para que ela ficasse odiada por vós.
Oxalá agradecendo
Oxalá agradecendo a Oxum disse:
- Oxum,
Oxum, em agradecimento a tudo o que fizestes de bem e para amenizar os sofrimentos de
Omon Oxum  eu,  eu, Oxalá,
Oxalá, prometo levar ela de volta para o meu palácio e de hoje em diante
nunca hei de me separar desta pena vermelha que é o Ekodide  e   e que será o único sinal desta
cor que carregarei sobre o meu corpo.

Você também pode gostar