Você está na página 1de 134

Eletromagnetismo

para o Curso de
Ciência da Computação

Andreas Kneip

17 de agosto de 2020
2
Sumário

I ELETRICIDADE E CIRCUITOS RESISTIVOS 7

1 Conceitos introdutórios 9
1.1 Carga elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.1.1 Histórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.1.2 Eletrização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.1.3 Força elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.1.4 Observações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.2 Campo elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.2.1 Lei de Gauss . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.3 Potencial elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.3.1 Energia potencial elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.3.2 Potencial elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.4 Corrente elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
1.5 Condutores e isolantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.6 Resistência elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.6.1 Resistividade e condutividade . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.6.2 Resistência elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.6.3 A lei de Ohm . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
1.7 Potência elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
1.8 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

3
4 SUMÁRIO

2 Circuitos elétricos 29
2.1 Conceitos fundamentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
2.1.1 Elementos de circuito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
2.2 Leis de Kirchhoff . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
2.2.1 Lei das malhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
2.2.2 Lei dos nós . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
2.3 Exemplo de uso das Leis de Kirchhoff . . . . . . . . . . . . . . . . 32
2.3.1 Resistência equivalente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
2.4 Instrumentos de medida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
2.4.1 Amperímetro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
2.4.2 Voltímetro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
2.4.3 Multímetros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
2.5 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

II CAPACITORES E INDUTORES 45

3 Capacitores 47
3.1 Capacitância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
3.1.1 Associação de capacitores . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
3.2 Circuitos RC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
3.2.1 Carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
3.2.2 Descarga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
3.2.3 A constante de tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
3.3 Armazenamento de energia em um capacitor . . . . . . . . . . . . 57
3.4 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

4 Indutores 63
4.1 O campo magnético . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
4.2 Determinação do campo magnético . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
SUMÁRIO 5

4.2.1 A lei de Biot-Savart . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67


4.2.2 A lei de Ampère . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
4.2.3 Solenoides e toroides . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
4.3 A lei de Faraday . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
4.4 Indutores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
4.4.1 Autoindução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
4.4.2 Associação de indutores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
4.5 Circuitos RL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
4.5.1 Aumento da corrente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
4.5.2 Diminuição da corrente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
4.6 Armazenamento de energia em um indutor . . . . . . . . . . . . . 79
4.7 Indução mútua . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
4.8 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

5 Circuitos de corrente alternada 87


5.1 Tensão eficaz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
5.2 Impedância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
5.2.1 Circuitos resistivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
5.2.2 Circuitos capacitivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
5.2.3 Circuitos indutivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
5.3 Circuito RLC em série . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
5.3.1 Frequência de ressonância . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
5.4 Potência em circuitos de corrente alternada . . . . . . . . . . . . . 95
5.5 Determinação da corrente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
5.6 Transformadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
5.7 Observações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
5.8 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
6 SUMÁRIO

III SEMICONDUTORES 107

6 Diodos 109
6.1 Semicondutores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
6.1.1 Polarização na junção pn . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
6.2 Diodo semicondutor de junção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
6.2.1 Modelagem matemática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
6.3 Outros tipos de diodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
6.3.1 Diodo zener . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
6.3.2 Diodo emissor de luz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
6.4 Análise de circuitos com diodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
6.4.1 Exemplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
6.5 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124

7 Transistores 125
7.1 Princípio de funcionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
7.1.1 Elemento de circuito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
7.2 Regiões de operação do transistor bipolar de junção NPN . . . . . 128
7.3 Transistor bipolar em operação na RAD . . . . . . . . . . . . . . . 129
7.3.1 Exemplo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
7.4 Transistor operando na região de saturação e corte . . . . . . . . 132
Parte I

ELETRICIDADE E CIRCUITOS
RESISTIVOS

7
Capítulo 1

Conceitos introdutórios

Aqui são os apresentados os conceitos fundamentais do Eletromagnetismo, como


o de carga elétrica e campo elétrico, que servirão de base para todo o desen-
volvimento posterior da disciplina. São introduzidos também os conceitos de
potencial, corrente e resistência elétricas.

1.1 Carga elétrica

1.1.1 Histórico

A primeira menção a fenômenos elétricos é devida ao grego Tales de Mileto, por


volta de 600 anos AC, que observou a atração de fragmentos de palha por um
pedaço de âmbar (sem tocá-los) que ele havia atritado no pelo de uma ovelha.
Sabemos, a partir das leis de Newton, que se um corpo está em repouso e
nenhuma força age sobre ele, o corpo deverá permanecer em repouso. Portanto,
se o fragmento de palha se moveu, significa que uma força agiu sobre ele. Essa
força foi estudada mais tarde, nos séculos XVIII e XIX, e a teoria eletromagnética
começou a tomar a forma que possui atualmente.
A força foi descrita em termos uma nova propriedade da natureza, chamada
por Benjamin Franklin, no século XVIII, de carga elétrica. Foi ele também que,

9
10 CAPÍTULO 1. CONCEITOS INTRODUTÓRIOS

ao verificar que essa propriedade poderia aparecer de duas formas diferentes,


as denominou como carga positiva e carga negativa. O dado experimental é que
cargas de mesmo tipo de repelem e cargas de tipo diferentes se atraem.
O corpos, na natureza, geralmente possuem a mesma quantidade de car-
gas positivas e negativas. Quando, por algum motivo, existe um desequilíbrio
de cargas, dizemos que o corpo está carregado. O corpo é neutro porque é
formado por átomos neutros. No final do século XIX, Thomson mostrou que a
carga negativa em um corpo era devida a uma partícula muito pequena e indivi-
sível, que havia sido prevista alguns anos antes, denominada elétron. Na mesma
época o físico Rutherford mostrou a existência de uma partícula positiva de carga
igual, em módulo, ao elétron. Mas tarde, já no século XX, foi proposto o modelo
de átomo consistindo em um núcleo carregado positivamente cercado por uma
nuvem de elétrons carregados negativamente. O núcleo é formado por cargas
positivas chamadas prótons e por cargas neutras chamadas de neutrons.
A unidade de carga elétrica no Sistema Internacional de Unidades é o cou-
lomb (símbolo C), definido como 1 C = 1 A · s, onde A é a unidade de corrente
elétrica ampère.

1.1.2 Eletrização

Em um sólido condutor, a estrutura molecular é tal que apenas as cargas ne-


gativas podem se mover (diferente de uma solução aquosa iônica, onde tanto
os ânions como os cátions podem se mover). Os elétrons mais externos dos
átomos podem se deslocar pelo material com relativa facilidade. Um corpo que
perde elétrons fica com excesso de cargas positivas, enquanto que aquele que
ganha elétrons fica com carga negativa. O processo de desequilibrar um corpo
eletricamente neutro é chamado de eletrização. Existem duas formas de obter
um corpo eletrificado:

Eletrização por contato Um condutor carregado eletricamente A é posto em


1.1. CARGA ELÉTRICA 11

contato com outro condutor inicialmente descarregado B. A carga do con-


dutor A se distribui entre os dois, e os dois condutores finalmente passam
a estar carregados. A carga final nos dois condutores é igual a soma da
carga total inicial nos dois condutores.

A B
+++++
+ +
+ +
+ +
++ ++
+

A B
+ +
+ + + +
+ ++ +
+ + + +
+ +

Eletrização por indução Um condutor carregado eletricamente A é colocado


próximo de um outro condutor inicialmente descarregado B. A carga do
condutor A induz uma separação de cargas no condutor B. Se o condutor
A estiver carregado positivamente irá atrair os elétrons do condutor B para
mais próximo a ele, e este deslocamento de cargas fará com que haja um
desequilíbrio de cargas. Se A estiver carregado negativamente vai ocorrer
o desequilíbrio contrário. Se o condutor A for afastado de B a situação
reverte ao que se tinha inicialmente.

A B
+++ - - -+
+ + +
+ + - +
+ + - +
+ + - +
++ ++ --
+ - ++

Se, no entanto, um fio for ligado da terra a uma das extremidades do con-
dutor B, por exemplo aquela que concentra as cargas negativas, cargas
12 CAPÍTULO 1. CONCEITOS INTRODUTÓRIOS

negativas fluirão pelo fio até a terra e o condutor B ficara carregado positi-
vamente. Se o fio terra for ligado na extremidade carregada positivamente,
cargas negativas fluirão da terra até B, neutralizando as cargas positivas e
B ficará carregado negativamente.

A B
+++ -
+ + - -
+ +
+ + - -
+ +
++ ++ - -
+ -

Se o fio terra for cortado antes dos condutores serem afastados, o resultado
serão dois condutores carregados, um positivamente, com a mesma carga
inicial, e o outro negativamente.

A B
+++ -
+ + - -
+ +
+ + - -
+ +
++ ++ - -
+ -

1.1.3 Força elétrica

Um experimento usando duas pequenas esferas carregadas, com cargas q1 e


q2 , e separadas por uma distância r12 , mostra que a força entre as duas esferas
carregadas é dada pela expressão

1 q1 q2
F~21 = 2
r̂21 . (1.1)
4π0 r12

Graficamente temos:
q1 q2 r̂21
+ + r
F~12 r12 F~21
1.1. CARGA ELÉTRICA 13

Lemos F~21 como a ‘força sobre q2 devido a q1 ’, e r̂21 é o vetor unitário na dire-
ção da linha que liga as duas cargas e que aponta de q1 para q2 . Essa expressão
é conhecida como lei de Coulomb. Note que o módulo da força é proporcional ao
produto das cargas e inversamente proporcional ao quadrado da distância entre
elas. Força é um vetor, e a direção da força elétrica é ao longo da linha que
passa pelo centro das duas cargas. O sentido da força depende do sinal das
cargas: se as cargas possuírem o mesmo sinal a força entre elas será repulsiva;
se possuírem sinais opostos, então a força será atrativa. A constante k vale (no
SI)
1
k= = 8,99 × 109 N.m2 /C2
4π0

e é chamada de constante dielétrica do vácuo. A constante 0 = 8,85×10−12 C2 /N.m2


(no SI) é chamada de permissividade elétrica do vácuo.

1.1.4 Observações

Princípio da superposição

Como a força é uma grandeza vetorial, vale o princípio da superposição

F~ = F~1 + F~2 + · · · + F~n

isto é, se várias cargas, q1 , q2 , . . . , qn estão na proximidade de um determinada


carga q, a força elétrica resultante sobre q é a soma das forças produzidas sobre
ela pelas outras cargas.

Quantização da carga

A experiência mostra que a menor carga livre disponível na natureza é igual, em


módulo, à carga do elétron. Qualquer corpo carregado, na natureza, deve ter
carga igual a ne onde n é um número inteiro e e = 1,6 × 10−19 C é o módulo da
14 CAPÍTULO 1. CONCEITOS INTRODUTÓRIOS

carga do elétron.

Conservação da carga

A carga elétrica total em um sistema fechado se mantém constante. Isso sig-


nifica que a carga elétrica não pode ser criada nem destruída individualmente.
Se observa apenas, em determinadas situações, a aniquilação de pares ou a
criação de pares, mas sempre aos pares, uma carga positiva e uma negativa, de
modo que carga total no sistema não se altera. A lei da conservação da carga
é mais uma das muitas leis de conservação, como a conservação da energia,
do momento linear, do momento angular etc., que formam a base para a nossa
compreensão dos fenômenos da natureza.

1.2 Campo elétrico

A força elétrica entre duas partículas está disposta sobre a linha que une as duas
cargas. Se movemos uma delas lateralmente, sem alterar a distância entre elas,
a direção da força sobre a segunda carga deve se alterar, assim como a força
de reação, da segunda sobre a primeira. Esse tipo de situação, que leva ao
questionamento de como uma carga ‘informa’ à outra que mudou de posição, é
chamado de problema da ação à distância, e pode ser resolvido se introduzimos
um campo para mediar a interação entre as cargas. A situação funciona da
seguinte maneira. Uma carga elétrica q1 produz ao seu redor uma alteração nas
~ 1 , de tal forma que, se
características do espaço, chamada de campo elétrico E
colocamos nessa região uma segunda partícula carregada com q2 , sobre esta
partícula age uma força elétrica F~21 .
~
Generalizando, uma carga q1 produz a uma distância r um campo elétrico E
cujo módulo é
1 q1
E(r) = (1.2)
4π0 r2
1.2. CAMPO ELÉTRICO 15

E a força que ela exerce sobre uma segunda partícula de carga q2 colocada a
uma distância r12 dela tem módulo

F (r) = q2 E (1.3)
1 q1 q 2
F (r) = 2
(1.4)
4π0 r12

o que concorda com a lei de Coulomb. A unidade SI para o campo elétrico é N/C.
Campo elétrico, como podemos ver pela definição, é um vetor. Sua direção é a
mesma direção que a força terá, a linha que une as duas cargas. Seu sentido
~ aponta para fora de q; se q for negativa,
depende do sinal de q: se q for positiva, E
~ aponta para dentro de q. Devido a sua definição temos que se em uma região
E
do espaço houver mais de uma carga, q1 , q2 , . . . , qn , o campo elétrico total será

~ =E
E ~1 + E
~2 + · · · + E
~n (1.5)

~ 1 é o campo elétrico produzido por q1 , E


onde E ~ 2 o produzido por q2 etc. Este é o

resultado esperado devido ao princípio da superposição.

Linhas de força

Podemos representar o campo elétrico produzido por uma distribuição de cargas


através das linhas de força (ou linhas de campo). As linhas de força representam
o campo da seguinte forma:

• densidade de linhas – as linhas estão mais próximas entre si onde o


campo é mais intenso;

• direção da força elétrica – a força elétrica é sempre tangente às linhas de


força; e

• sentido das linhas de força – as linhas de força apontam para fora de uma
carga positiva e para dentro de uma carga negativa. Exemplos:
16 CAPÍTULO 1. CONCEITOS INTRODUTÓRIOS

+ −

Carga positiva isolada Carga negativa isolada

Dipolo elétrico

1.2.1 Lei de Gauss

A lei de Gauss oferece uma maneira alternativa para a determinação da expres-


são do campo elétrico devido a uma distribuição de cargas. O resultado final é
idêntico ao obtido com a lei de Coulomb. Porém, para alguns casos em que a
simetria do problema é alta, o resultado é obtido com muito menos esforço. A
expressão da lei de Gauss é:

I
ΦE = E ~= q,
~ · dA (1.6)
0
~ · dA
~ é o fluxo do campo elétrico através de uma superfície
H
onde ΦE = E
fechada, e q é a carga líquida contida no interior da superfície (carga líquida
é a carga total, somando as positivas e subtraindo as negativas). A superfície
fechada é arbitrária e imaginária, e é chamada de superfície gaussiana. Em
geral, escolhemos uma superfície que torne fácil o cálculo do fluxo, e isso envolve
explorar a simetria do problema.
1.3. POTENCIAL ELÉTRICO 17

1.3 Potencial elétrico

1.3.1 Energia potencial elétrica

A força elétrica é conservativa, assim como a força peso. Então, da mesma forma
que para a força gravitacional, podemos definir a variação da energia potencial
elétrica como o negativo do trabalho realizado pela força elétrica para levar a
carga da posição ~ri até ~rf .

Z ~
rf
∆U = − F~ · d~r (1.7)
~
ri

Para duas cargas pontuais q1 e q2 , separadas por uma distância r12 , pode-
mos determinar a energia potencial elétrica para essa configuração de cargas
resolvendo a integral. Escolhemos como ponto de referência um ponto no ∞ e
definimos que U (∞) = 0. Então a solução da equação 1.7 resulta em

1 q1 q 2
U12 = (1.8)
4π0 r12

1.3.2 Potencial elétrico

Considere uma partícula de carga q e suponha que uma partícula de carga posi-
tiva q0 , chamada de carga de prova, muito pequena, seja colocada a uma distân-
cia r dela. Definimos a diferença de potencial como

∆U
∆V = (1.9)
q0

Tomando arbitrariamente como ponto de referência um ponto no ∞ e definindo


arbitrariamente que V (∞) = 0, a equação 1.9 resulta na definição de potencial
elétrico.
1 q
V (r) = (1.10)
4π0 r
18 CAPÍTULO 1. CONCEITOS INTRODUTÓRIOS

A unidade SI para a energia potencial elétrica é o Joule (J). A unidade para a


diferença de potencial (também chamada ddp) é o Joule/Coulomb. Essa unidade
recebeu o nome de Volt (símbolo V), onde 1 V = 1 J/C.

Superfícies equipotenciais

Um campo elétrico produzido por uma distribuuição de cargas também pode


ser representado por superfícies equipotenciais. Essas superfícies são defini-
das como a superfície onde podemos mover uma carga de prova sem que seja
realizado trabalho pela força elétrica sobre ela. Da definição de potencial elé-
trico, então, vemos que são as superfícies cujos pontos estão sempre no mesmo
potencial. Para uma carga isolada pontual positiva, temos

~
E

A superfícies equipotenciais estão mais próximas umas das outras nas regiões
do espaço onde ∆V é maior. É possível mostrar que o campo elétrico é mais
intenso nesses locais.

1.4 Corrente elétrica

Definimos a corrente elétrica como a taxa de variação da carga elétrica

dq
i= (1.11)
dt

A corrente elétrica é definida a partir da movimentação das cargas no condutor.


Em geral, os elétrons se deslocam dentro de um condutor em todas as direções.
1.5. CONDUTORES E ISOLANTES 19

Considerando esses movimentos, aleatórios, e que dependem da temperatura


do condutor, podemos concluir que se o condutor não estiver submetido a al-
guma diferença de potencial, a corrente elétrica que atravessa uma superfície
imaginária do condutor será nula. Isto é, a quantidade de carga que atravessa
a superfície da esquerda para a direita é igual à quantidade que atravessa em
sentido contrário. Se uma ddp for aplicada no condutor, então devemos esperar
um fluxo líquido de cargas em um determinado sentido. Definimos o sentido da
corrente como aquele que seria seguido pelas cargas positivas. A unidade SI
para a corrente é o Ampère (símbolo A), definido tal que 1 A = 1 C/s.

1.5 Condutores e isolantes

Os elementos da Tabela Periódica formam, sozinhos ou combinados em molécu-


las, os materiais de que são compostos os corpos no universo. Dependendo de
como são distribuídos os elétrons nos diferentes níveis dos átomos, nas molécu-
las e nos cristais, os materiais podem apresentar maior ou menor possibilidade
de movimentação dos seus elétrons.
Aqueles que possuem 1, 2 ou 3 elétrons na última camada, que estão no
grupo dos metais, cedem com bastante facilidade eles, que se tornam elétrons
de condução. São cargas que podem se mover quase livremente no corpo, de-
pendendo apenas de receber uma pequena quantidade de energia para se ’sol-
tarem’ dos seus átomos. Devido a esta facilidade esses materiais são chamados
de condutores.
Materiais que não são capazes de ceder elétrons facilmente, isso é, com elé-
trons fortemente ligados aos seus núcleos são chamados de isolantes. São iso-
lantes, por exemplo, o vidro, o quartzo fundido, materiais orgânicos, como óleos,
plásticos, borracha etc. Existe uma classe de materiais que se colocam interme-
diariamente entre essas duas outra classes, que são formados majoritariamente
20 CAPÍTULO 1. CONCEITOS INTRODUTÓRIOS

por elementos que possuem 4 elétrons na última camada e que são chamados
de semicondutores. Na Parte III deste curso vamos ver que eles possuem outras
propriedades além dessa.
A capacidade de ceder mais facilmente ou não elétrons se reflete no compor-
tamento dos materiais frente a uma corrente elétrica. Materiais condutores per-
mitem a passagem de uma corrente elétrica, com uma certa facilidade, enquanto
que os materiais isolantes impedem, com uma certa dificuldade, a passagem
da corrente. O grau de facilidade ou dificuldade depende, é claro, do material,
mas depende também da intensidade do campo elétrico aplicado. Campos muito
intensos podem romper o isolamento elétrico.

1.6 Resistência elétrica

1.6.1 Resistividade e condutividade

A característica dos materiais condutores, que descrevem sua melhor ou pior ap-
tidão a permitir a passagem de uma corrente elétrica é chamada de resistividade
ρ (ou seu inverso, a condutividade σ). A tabela a seguir apresenta os valores
de resistividade para alguns materiais, onde α é o coeficiente de variação da
resistividade ρ com a temperatura.
Podemos ver que os isolantes possuem resistividade 1018 vezes maior, pelo
menos, que os condutores, e que os semicondutores estão situados ao meio
termo. O coeficiente α, de descreve como a resistividade varia com a tempe-
ratura, é positivo para os condutores, e negativo para os semicondutores. A
razão da variação positiva para os condutores é fácil de explicar: o aumento da
temperatura causa um aumento na vibração dos átomos na rede cristalina do
condutor e isso se reflete num aumento do choque entre os elétrons e estes áto-
mos, prejudicando a passagem da corrente. A razão de α ser negativa para os
1.6. RESISTÊNCIA ELÉTRICA 21

Tabela 1.1: Resistividade à Temperatura Ambiente (20o C)

Material ρ(Ω·m) α (K −1 )
Metais Típicos
Prata 1,62 × 10−8 4,1 × 10−3
Cobre 1,69 × 10−8 4,3 × 10−3
Ouro 2,35 × 10−8 4,0 × 10−3
Alumínio 2,75 × 10−8 4,4 × 10−3
Tungstênio 5,25 × 10−8 4,5 × 10−3
Ferro 9,68 × 10−8 6,5 × 10−3
Semicondutor
Silício puro 2,5 × 103 −70 × 10−3
Isolantes Típicos
Vidro 1010 – 1014
Quartzo fundido ∼ 1016

semicondutores será vista na parte III.

1.6.2 Resistência elétrica

A resistência elétrica é definida como a razão entre a corrente que passa pelo
resistor e a ddp aplicada ao seus terminais. A unidade SI para a resistência
elétrica é o Ohm (Ω), de tal forma que 1 Ω = 1 V /A.

V
R= (1.12)
I

A resistência elétrica R é a propriedade que um determinado elemento de


circuito, chamado resistor, possui relacionada a sua capacidade de permitir a
passagem de uma corrente elétrica. A resistência elétrica depende da geometria
do objeto, do sentido da corrente elétrica e do material de que ele é formado.
Por exemplo, para um resistor cilíndrico, de comprimento L, área da seção reta
A (supondo que a corrente seja dirigida ao longo do comprimento do resistor) e
feito de um material de resistividade ρ, a resistência será dada pela expressão
22 CAPÍTULO 1. CONCEITOS INTRODUTÓRIOS

i A i

L
R=ρ (1.13)
A

Podemos observar que, para o mesmo material, resistores mais compridos


ou com menor diâmetro terão maior resistência elétrica que aqueles mais curtos
ou com diâmetros maiores.

1.6.3 A lei de Ohm

Alguns resistores possuem a característica extra de permitirem a passagem de


uma corrente elétrica proporcional a ddp aplicada. Isto é, na equação 1.12 o
valor de R é constante, não depende de V . Esses condutores são chamados
de ôhmicos. Embora a equação 1.12 seja verdadeira para todos os resistores,
apenas aqueles que possuem R constante para diferentes ddp, e independente-
mente do sentido da corrente, são chamados de ôhmicos. Diodos, por exemplo,
possuem uma resistência que é definida por 1.12 mas como esta depende do
sentido da corrente que passa por ele, o diodo não é um resistor ôhmico.

Elemento de circuito

Em um circuito elétrico, o resistor ôhmico é representado por

R R
ou

Sistema de identificação por cores

No comércio, um resistor é identificado por um conjunto de quatro a seis faixas


coloridas. Na figura 1.1 está mostrado o modelo para o sistema de quatro fai-
1.6. RESISTÊNCIA ELÉTRICA 23

xas. As duas primeira assumem os valores numéricos mostrados, o que cria


uma gama de valores inteiros que vai de 1 a 99. A terceira faixa representa o
multiplicador, a potência de 10 que deve ser aplicada, que vai de 100 até 109 . A
quarta faixa indica a tolerância dos valores.

Figura 1.1: Sistema de 4 faixas

No exemplo da figura1.11 , então, a primeira faixa, vermelha, indica o número


2, e a segunda, violeta, o número 7. A terceira, laranja, indica 103 . O resistor,
portanto, tem valor nominal 27000 Ω. A quarta faixa é dourada e indica uma
tolerância de ±5%, o que faz com que este resistor possa ter de 25650 Ω até
28350 Ω. No sistema com cinco faixas a gama de valores inteiros, representados
nas primeiras três faixas, vai de 1 a 999, a quarta representa a potência de 10 e a
quinta a tolerância. No sistema com seis faixas, além das cinco faixas do código
de cinco faixas, existe uma sexta faixa que indica o coeficiente de variação da
resistência do resistor com a temperatura, dado em Partes Por Milhão (PPM).
1
Fonte: https://www.mundodaeletrica.com.br/codigo-de-cores-de-resistores/
24 CAPÍTULO 1. CONCEITOS INTRODUTÓRIOS

1.7 Potência elétrica

A potência é definida como a taxa de variação da energia. Da equação 1.9


temos que uma variação um acrécimo infinitesimal de carga causa um aumento
infinitesimal de energia elétrica

dU = dqV .

Como a corrente é definida pela equação 1.11, segue que

dU = idtV .

A potência elétrica, então, será

dU
P = = iV . (1.14)
dt

Em um resistor, a energia é dissipada na forma de calor. Como V = Ri,


segue que
P = Ri2 (1.15)

ou
V2
P = (1.16)
R

para um resistor. Deve ser observado que em circuitos elétricos a maior causa
de danos ocorre devido a exposição de componentes a uma potência superior
àquela definida pelo fabricante, de modo que deve se ter sempre um grande
cuidado na observação deste fator.
1.8. EXERCÍCIOS 25

1.8 Exercícios

1. Da carga Q que uma pequena esfera contém inicialmente, uma parte q é


transferida para uma segunda esfera situada nas proximidades. As duas
esferas podem ser consideradas cargas pontuais. Para que valor de q/Q a
força eletrostática entre as duas esferas é a maior possível?

2. Qual deve ser a distância entre a carga pontual q1 = 26,0 µC e a carga


pontual q2 = −47,0 µC para que a força eletrostática entre as duas cargas
tenha um módulo de 5,70 N?

3. Duas pequenas gotas d’água esféricas, com cargas iguais de −1,00 × 10−16
C, estão separadas por uma distância, entre os centros, de 1,00 cm. (a)
Qual é o valor do módulo da força eletrostática a que cada uma está sub-
metida? (b) Quantos elétrons em excesso possui cada gota?

4. Quantos elétrons é preciso remover de uma moeda para deixá-la com uma
carga de +1,0 × 10−7 C?

5. Elétrons e pósitrons são produzidos em reações nucleares envolvendo pró-


tons e nêutrons. Essas reações são conhecidas pelo nome genérico de
decaimento beta. (a) Se um próton se transforma em um nêutron, é produ-
zido um elétron ou um pósitron? (b) Se um nêutron se transforma em um
próton, é produzido um elétron ou um pósitron?

6. Qual é o valor absoluto de uma carga pontual cujo campo elétrico a 50 cm


de distância tem um módulo de 2,0 N/C?

7. Suponha que, em um relâmpago, a diferença de potencial entre uma nuvem


e a terra é 1,0 × 109 V e a carga transferida pelo relâmpago é 30 C. (a) Qual
é a variação da energia da carga transferida? (b) Se toda a energia liberada
26 CAPÍTULO 1. CONCEITOS INTRODUTÓRIOS

pelo relâmpago pudesse ser usada para acelerar um carro de 1000 kg, qual
seria a velocidade final do carro?

8. Quando um satélite espacial atravessa a ionosfera da Terra, formada por


gases rarefeitos e ionizados, o seu potencial varia de aproximadamente
−1,0 V a cada revolução. Supondo que o satélite é uma esfera com 1,0 m
de raio, estime a carga elétrica recolhida a cada revolução.

9. Uma esfera condutora tem 10 cm de raio. Um fio leva até a esfera uma cor-
rente de 1,0000020 0 A. Outro fio retira da esfera uma corrente de 1,0000000
A. Quanto tempo é necessário para que o potencial da esfera aumente de
1000 V?

10. Existe a possibilidade de usar cobre ou alumínio em uma linha de trans-


missão de alta tensão para transportar uma corrente de até 60,0 A. A re-
sistência por unidade de comprimento deve ser de 0,150 Ω/km. As massas
específicas do cobre e do alumínio são 8960 e 2600 kg/m2 , respectivamente.
Determine (a) o módulo J da densidade de corrente e (b) a massa por uni-
dade de comprimento λ no caso de um cabo de cobre e (c) J e (d) λ no
caso de um cabo de alumínio.

11. Um fio tem uma resistência R. Qual é a resistência de um segundo fio, feito
do mesmo material, com metade do comprimento e metade do diâmetro?

12. Dois condutores são feitos do mesmo material e têm o mesmo compri-
mento. O condutor A é um fio maciço de 1,0 mm de diâmetro; o condutor B
é um tubo oco com um diâmetro externo de 2,0 mm e um diâmetro interno
de 1,0 mm. Qual é a razão entre as resistências dos dois fios, RA /RB ? As
resistências são medidas entre as extremidades dos fios.

13. Uma diferença de potencial de 3,00 nV é estabelecida entre as extremida-


des de um fio de cobre com 2,00 cm de comprimento e um raio de 2,00 mm.
1.8. EXERCÍCIOS 27

Qual é a carga que passa por uma seção reta do fio em 3,00 ms?

14. Uma máquina de cachorro-quente funciona aplicando uma diferença de po-


tencial de 220 V às extremidades de uma salsicha e cozinhando-a com a
energia térmica produzida. A corrente é 5,0 A e a energia necessária para
cozinhar uma salsicha é 60,0 kJ. Se a potência dissipada não varia, quanto
tempo é é necessário para cozinhar três salsichas simultaneamente?

15. Quando um resistor de valor desconhecido é ligado aos terminais de uma


bateria de 3,00 V, a potência dissipada é 0,540 W. Quando o mesmo re-
sistor é ligado aos terminais de uma bateria de 1,50 V, qual é a potência
dissipada?

16. Quais são as cores de um resistor de 10 kΩ com 10% de tolerância?

17. Um resistor tem as cores amarelo, preto, marrom, amarelo, dourado. (a)
Qual o valor da sua resistência e (b) qual a tolerância nessa medida?
28 CAPÍTULO 1. CONCEITOS INTRODUTÓRIOS
Capítulo 2

Circuitos elétricos

Serão tratados os circuitos que incluem resistores e em que a corrente elétrica


não oscila.

2.1 Conceitos fundamentais

2.1.1 Elementos de circuito

Curto-circuito

Um curto-circuito é um circuito que não apresenta qualquer resistência expres-


siva, por exemplo, um fio ligando diretamente os terminais de uma bateria. Nesse
caso podemos considerar o curto-circuito como um circuito elétrico com resistên-
cia nula. Pela definição de resistência, então

V = Ri = 0i = 0

isto é, independentemente do valor da corrente, a ddp no circuito será nula.

29
30 CAPÍTULO 2. CIRCUITOS ELÉTRICOS

Circuito aberto

Um circuito aberto é aquele por onde não passa corrente, por exemplo, um con-
dutor rompido. Podemos interpretá-lo como um circuito com resistência infinita.
Assim, qualquer ddp aplicada a ele não vai produzir corrente.

Fonte de tensão

Uma fonte de tensão, ou fonte de força eletromotriz (fem), é o elemento de cir-


cuito que é responsável por fornecer energia ao circuito. Pode ser uma bateria,
um gerador ou qualquer outro meio de transformar energia em energia elétrica e
fornecê-la para o circuito. A fonte de fem pode fornecer uma tensão contínua ou
uma tensão que varia alternadamente no tempo.
A representação de uma fonte de fem no circuito vai depender do seu tipo.
Usamos a representação

E
−E +
ou

+

para fontes de tensão contínua. Dentro da fonte, as cargas positivas vão do


terminal mais curto para o mais comprido, o que está indicado na flecha que
acompanha a fonte. Para fontes de tensão alternada senoidal o elemento de
circuito é

Em qualquer um dos casos, a unidade da fonte de fem no SI é o Volt. Vamos


representar a ddp da fonte usando o símbolo E para não confundir com a ddp
nos elementos do circuito.
2.2. LEIS DE KIRCHHOFF 31

2.2 Leis de Kirchhoff

Para a determinação das propriedades dos circuitos, é necessário, para um dado


elemento do circuito, determinar a corrente que passa por ele e a ddp nos seus
terminais. As regras que permitem esta determinação são conhecidas como as
leis de Kirchhoff. São duas leis, a lei das malhas e a lei dos nós. Uma malha é
qualquer percurso fechado em um circuito, e um nó é qualquer ponto onde três
ou mais fios se encontram. Um ramo é qualquer trecho do circuito entre dois nós.
Para começar a aplicar as leis de Kirchhoff precisamos arbitrar um sentido
para a corrente que percorre cada ramo do circuito. Esse sentido escolhido é
arbitrário, se, por acaso, no final dos cálculos for obtida uma corrente negativa,
isso significa que foi arbitrado o sentido contrário ao sentido real.
O segundo passo é escolher um sentido para percorrer as malhas. Por esco-
lha pessoal sempre escolho o sentido horário, mas esta escolha é arbitrária.

2.2.1 Lei das malhas

A lei das malhas estabelece a maneira de contabilizar as diferenças de potencial


ao longo de um percurso no circuito. Ela é composta por duas regras, a regra da
fonte e a regra do resistor.

Regra da fonte

Considere a malha I no circuito da figura 2.1. O sentido do percurso é horário e


coincide com o sentido da fonte. Então a ddp nos terminais da fonte é positiva,
a fonte está aumentando o potencial elétrico das cargas que estão se movendo
pelo fio.
32 CAPÍTULO 2. CIRCUITOS ELÉTRICOS

Regra do resistor

O resistor diminui o potencial das cargas que passam por ele, porque uma parte
da energia das cargas é dissipada na forma de calor dentro do resistor. Portanto,
a ddp nos terminais do resistor é negativa se percorremos a malha no mesmo
sentido da corrente, e positiva se percorremos no sentido contrário.

2.2.2 Lei dos nós

A lei dos nós é uma consequência da lei de conservação da carga. Nenhuma


carga pode ser criada ou destruída em um nó, portanto, a soma das correntes
que entram em um nó deve ser igual à soma das que saem do nó.

2.3 Exemplo de uso das Leis de Kirchhoff

R1
a

i1 +
E
R2 −3
+
E1 I i2 II
− i3
+ R3
E2

b

Figura 2.1: Exemplo de circuito com duas malhas.

Na figura 2.1 podemos escrever três equações linearmente independentes,


duas considerando as malhas I e II e uma considerando o nó a (ou o nó b, são
equivalentes, como pode ser visto facilmente). Percorrendo a malha I desde o nó
b no sentido horário até retornar ao ponto b obtemos a equação (1). Fazendo o
mesmo na malha II obtemos a equação (2). O nó a fornece a equação (3):
2.3. EXEMPLO DE USO DAS LEIS DE KIRCHHOFF 33

(1) E1 − i1 R1 − i2 R2 − E2 = 0

(2) E2 + i2 R2 − E3 − i3 R3 = 0

(3) i1 = i2 + i3 .

Estas três equações permitem determinar três incógnitas do problema, que


podem ser as correntes, por exemplo. Se o circuito possuir mais ramos, a cor-
rente em cada ramo pode ser obtida estendendo este modelo, considerando as
demais malhas e os demais nós.

Resistência interna

Uma fonte de força eletromotriz real possui uma resistência interna devido ao fato
de ser obrigatoriamente construída com materiais condutores. Representamos
essa resistência interna usando a letra r minúscula. A consequência desse fato é
que a tensão da fonte nunca é a tensão real fornecida para o circuito. O exemplo
a seguir, na Fig. 2.2, mostra essa situação. Um resistor de resistência R está
ligado aos terminais de uma fonte de fem E com uma resistência interna r.

+ i +
E

R VR

r

Figura 2.2: resistência interna

Para encontrar a corrente o circuito, a aplicação da lei das malhas de Kirchhoff


34 CAPÍTULO 2. CIRCUITOS ELÉTRICOS

fornece

E − iR − ir = 0

E − i(R + r) = 0
E
i= ,
R+r

e ddp efetiva VR nos terminais de R será

R
VR = Ri = E. (2.1)
R+r

Como r é sempre positiva, o resusltado mostra que a ddp efetiva nos terminais
do resistor R será sempre menor que o valor nominal da fonte de fem.

2.3.1 Resistência equivalente

Se mais de um resistor estiver presente no circuito podemos determinar a resis-


tência equivalente do conjunto. A resistência equivalente é aquela que poderia
substituir todas as outras no circuito.

Associação de resistores em série

Em uma associação em série os terminais de cada resistor está ligado ao termi-


nal do próximo e assim sucessivamente.
2.3. EXEMPLO DE USO DAS LEIS DE KIRCHHOFF 35

R3
i i

+ +
V R2 V Req
− −

R1

(a) Circuito original (b) Circuito equivalente

Figura 2.3: Associação em série de resistores

A corrente i que passa pelos resistores é sempre a mesma, porque se fossem


diferentes isto significaria que cargas foram criadas ou destruídas em um resistor,
o que é proibido pela lei da conservação da carga. Para cada resistor na Fig. 2.3a
a diferença de potencial nos seus terminais é: V1 = R1 i, V2 = R2 i e V3 = R3 i. A
soma de todas as ddp’s será

V = V1 + V2 + V3 = R1 i + R2 i + R3 i = (R1 + R2 + R3 )i,

e para o resistor na Fig. 2.3b a ddp é V = Req i. Comparando os resultados


podemos concluir que
Req = R1 + R2 + R3 .

Generalizando, se tivermos n resistores com resistência R1 , R2 , . . . Rn em


série, a resistência equivalente do conjunto será

n
X
Req = Ri . (2.2)
i=1

Associação de resistores em paralelo

Em uma associação de resistores em paralelo, todos eles estão ligados aos mes-
mos polos da fonte de fem.
36 CAPÍTULO 2. CIRCUITOS ELÉTRICOS

i1 i2 i3
+ +
V R1 R2 R3 V Req
− −
i i

(a) Circuito original (b) Circuito equivalente

Figura 2.4: Associação em paralelo de resistores

Como podemos ver na Fig. 2.4a cada resistor está em um ramo diferente,
portanto por cada resistor passa uma corrente diferente. Da lei das malhas temos

V V V
i1 = , i2 = , i3 = .
R1 R2 R3

A corrente total i, pela lei dos nós, deve ser igual à soma das correntes em cada
ramo:
 
V V V 1 1 1
i = i1 + i2 + i3 = + + =V + + .
R1 R2 R3 R1 R2 R3

No circuito equivalente, a corrente total é

V
i= ,
Req

então podemos concluir que

 
1 1 1 1
= + + .
Req R1 R2 R3

Generalizando, se tivermos n resistores com resistência R1 , R2 , . . . Rn em


paralelo, a resistência equivalente do conjunto será

n
1 X 1
= . (2.3)
Req i=1
R i
2.4. INSTRUMENTOS DE MEDIDA 37

2.4 Instrumentos de medida

2.4.1 Amperímetro

O amperímetro é o instrumento usado para medir correntes. Para medir a cor-


rente em um fio, introduzimos o amperímetro, em série, no circuito para que a
corrente passe pelo aparelho. Como a corrente que passa pelos elementos do
circuito dependem do valor da resistência desses elementos, a resistência do
amperímetro deve ser a menor possível, para não alterar a corrente no ramo que
se pretende medir. Assim, pela leis de Kirchhoff, é preciso que a resistência RA
do amperímetro seja muito menor que todas as outras resistências do circuito.

2.4.2 Voltímetro

O voltímetro é o instrumento usado para medir diferenças de potencial no circuito.


Para medir a diferença de potencial entre dois pontos de um circuito, ligamos os
terminais do voltímetro a esses pontos sem desligar nem cortar nenhum fio do
circuito. Para que a corrente que passa pelo voltímetro seja muito pequena, a
resistência RV do voltímetro deve ser muito maior que a resistência dos elemen-
tos do circuito que estão ligados entre os mesmos pontos do circuito. Se não for
assim, a simples presença do medidor mudará o valor da diferença de potencial
que se pretende medir.
38 CAPÍTULO 2. CIRCUITOS ELÉTRICOS


E
+
R1

R2
A

V
Figura 2.5: Medidores

2.4.3 Multímetros

São os medidores que, dependendo da posição de uma chave, podem ser usa-
dos como um amperímetro ou como um voltímetro. Em geral podem também
funcionar como um ohmímetro, que é o aparelho que mede a resistência do ele-
mento ligado entre seus terminais.

2.5 Exercícios

1. Na Fig.2.6, as fontes ideais têm forças eletromotrizes E1 = 12 V e E2 = 6,0


V e os resistores têm resistências R1 = 4,0 Ω e R2 = 8,0 Ω. Determine (a)
a corrente no circuito, (b) a potência dissipada no resistor 1, (c) a potência
dissipada no resistor 2, (d) a potência fornecida pela fonte 1 e (e) a potência
fornecida pela fonte 2. (f) A fonte 1 está fornecendo ou recebendo energia?
(g) A fonte 2 está fornecendo ou recebendo energia?
2.5. EXERCÍCIOS 39

R1


E1 R2
+

+ −
E2

Figura 2.6: Problema 1

2. Na Fig. 2.7, as fontes ideais têm forças eletromotrizes E1 = 15,0 V e E2 = 5,0


V e os resistores têm resistências R1 = 3,0 Ω e R2 = 2,0 Ω. Se o potencial
no ponto P é tomado como 10,0 V, qual é o potencial no ponto Q?

R1
Q

+ +
E1 E
− −2

P
R2

Figura 2.7: Problema 2

3. Na Fig. 2.8, qual deve ser o valor de R para que a corrente no circuito seja
1,0 mA? Sabe-se que E1 = 2,0 V, E2 = 3,0 V, r1 = r2 = 3,0 Ω. (b) Qual é a
potência dissipada em R?
40 CAPÍTULO 2. CIRCUITOS ELÉTRICOS

− −
E1 E
+ +2

r1 r2

Figura 2.8: Problema 3

4. A corrente em um circuito com uma única malha e uma resistência R é 5,0


A. Quando uma resistência de 2,0 Ω é ligada em série com R, a corrente
diminui para 4,0 A. Qual é o valor de R?

5. Uma célula solar produz uma diferença de potencial de 0,10 V quando um


resistor de 500 Ω é ligado a seus terminais, e uma diferença de potencial
de 0,15 V quando o valor do resistor é 1000 Ω. Determine (a) a resistência
interna e (b) a força eletromotriz da célula solar. (c) A área da célula é
5,0 cm2 e a potência luminosa recebida é 2,0 mW/cm2 . Qual é a eficiência
da célula ao converter energia luminosa em energia térmica fornecida ao
resistor de 1000 Ω?

6. A Fig. 2.9 mostra cinco resistores de 5,00 Ω. Determine a resistência equi-


valente (a) entre os pontos F e H e (b) entre os pontos F e G.
R
R

R
F H
R

Figura 2.9: Problema 6


2.5. EXERCÍCIOS 41

7. Na Fig. 2.10, R1 = 100 Ω, R2 = 50 Ω e as fontes ideais têm forças eletro-


motrizes E1 = 6,0 V, E2 = 5,0 V e E3 = 4,0 V. Determine (a) a corrente no
resistor 1, (b) a corrente no resistor 2 e (c) a diferença de potencial entre os
pontos a e b.

− +
E1
R2
E
− 2+
a b
− +
E3
R1

Figura 2.10: Problema 7

8. A fonte ideal da Fig. 2.11a tem uma força eletromotriz de 6,0 V. A curva 1 da
Fig. 2.11b mostra a diferença de potencial V entre os terminais do resistor
1 em função da corrente i no resistor. A escala do eixo vertical é definida
por Vs = 18,0 V, e a escala do eixo horizontal é definida por is = 3,00 mA.
As curvas 2 e 3 são gráficos semelhantes para os resistores 2 e 3. Qual é
a corrente no resistor 2?

Vs
1
R3
2


E R1 R2 3
+

(a) is

(b)

Figura 2.11: Problema 8


42 CAPÍTULO 2. CIRCUITOS ELÉTRICOS

9. Na Fig. 2.12, as forças eletromotrizes das fontes ideais são E1 = 5,0 V e


E2 = 12 V, as resistências são de 2,0 Ω e o potencial é tomado como zero
no ponto do circuito ligado à terra. Determine os potenciais (a) V1 e (b) V2
nos pontos indicados.

− −
E E
+1 +2
V2 V1

Figura 2.12: Problema 9

10. Na Fig. 2.13, R1 = 7,00 Ω, R2 = 12,0 Ω, R3 = 4,00 Ω e a força eletromotriz


da fonte ideal é E = 24,0 V. Determine para qual valor de R4 a potência
fornecida pela fonte aos resistores é igual (a) a 60,0 W, (b) ao maior valor
possível Pmáx e (c) ao menor valor possível Pmín . Determine (d) Pmáx e
(e) Pmín .

R1


4
R

E1 R2 R3
+

Figura 2.13: Problema 10

11. Na Fig. 2.14, um voltímetro de resistência RV = 300 Ω e um amperímetro


de resistência RA = 3,00 Ω estão sendo usados para medir uma resistência
R em um circuito que também contém uma resistência R0 = 100 Ω e uma
2.5. EXERCÍCIOS 43

fonte ideal de força eletromotriz E = 12,0 V. A resistência R é dada por


R = V /i, em que V é a diferença de potencial entre os terminais de R, e i
é a leitura do amperímetro. A leitura do voltímetro é V 0 , que é a soma de
V com a diferença de potencial entre os terminais do amperímetro. Assim,
a razão entre as leituras dos dois medidores não é R e sim a resistência
aparente R0 = V 0 /i. Se R = 85,0 Ω, determine (a) a leitura do amperímetro,
(b) a leitura do voltímetro e (c) o valor de R0 . (d) Se RA diminui, a diferença
entre R0 e R aumenta, diminui ou permanece a mesma?

A
R
V

−E + R0

Figura 2.14: Problema 11

12. Repita o problema 11 para a Fig. 2.15.

A
R
V

−E + R0

Figura 2.15: Problema 12


44 CAPÍTULO 2. CIRCUITOS ELÉTRICOS
Parte II

CAPACITORES E INDUTORES

45
Capítulo 3

Capacitores

Elementos de circuito podem ser ativos ou passivos. Uma fonte de fem, por
exemplo, é considerada um elemento ativo, uma vez que é capaz de fornecer
energia para o circuito, ou seja, pode realizar trabalho. Um elemento é conside-
rado passivo quando ele recebe a energia do circuito. Um resistor, por exemplo,
recebe energia elétrica e a transforma em calor.
Um outro tipo de elemento de circuito, também passivo por receber energia
da fonte de fem, pode armazenar esta energia e retorná-la ao circuito após um
certo tempo. O primeiro elemento, que transforma a energia potencial elétrica
em magnética é o indutor, que será visto no próximo capítulo. O segundo, que
devolve a energia potencial elétrica recebida após um certo tempo, é o capacitor.
Como esses elementos armazenam energia, e este processo demora um
certo tempo para ocorrer, a ddp nos seus terminais e a corrente que os atravessa
não são mais instantâneos como nos circuitos que possuem apenas fontes de
fem e resistores (o tempo não era importante neste caso, uma vez que as pro-
priedades destes circuitos são permanentes enquanto estão ligados). Assim, a
análise dos circuitos que incluem capacitores, indutores ou ambos demanda a
especificação das ddp’s e das correntes em função do tempo. Para a análise dos
circuitos que contenham estes elementos vamos fazer uso das lei de Kirchhoff.

47
48 CAPÍTULO 3. CAPACITORES

3.1 Capacitância

Um capacitor nada mais é que um conjunto de dois condutores, chamados de


placas, não ligados entre si. Quando as placas são conectadas a uma fonte
de fem com ddp ∆V são carregadas com cargas de mesmo módulo e sinais
~ O campo elétrico armazena a
contrários e surge entre elas um campo elétrico E.
energia recebida para fazer este acúmulo de cargas. A carga total no capacitor é
sempre zero. Em cada uma das placas do capacitor, quando carregado, a carga
tem módulo q (Fig. 3.1).

q
+++++
∆V ~
E
−q − − − − −

Figura 3.1: Capacitor

As placas do capacitor não podem se tocar, para não fazer um curto-circuito.


Um capacitor pode armazenar carga de acordo com suas características físicas,
como forma e se possui ou não algum material isolante entre as placas. A propri-
edade que um capacitor possui que determina a quantidade de carga que pode
armazenar em função a ddp aplicada nos seus terminais é a capacitância C:

q = CV (3.1)

A unidade SI para a capacitância é o farad (F), em homenagem ao físico


Michael Faraday, de tal forma que 1 F = 1C/V . É possível mostrar que a capa-
citância depende apenas das características físicas do capacitor. Por exemplo,
para um capacitor de placas planas paralelas, de área A, separadas por uma
3.1. CAPACITÂNCIA 49

distância d, a capacitância é dada pela expressão:

A
C = 0 . (3.2)
d

O elemento de circuito capacitor é representado por:

C C
+
ou

onde o símbolo da direita representa capacitores eletrolíticos.

3.1.1 Associação de capacitores

Quando mais de um capacitor estiver ligado no circuito, podemos obter a capa-


citância equivalente do circuito. Como no caso dos resistores, identificamos dois
tipos básicos de associação.

Associação em série

+
C3 V3

+ + + +
V C2 V2 V Ceq
− − − −
+
C1 V1 (b) Circuito equivalente

(a) Circuito original

Figura 3.2: Associação em série de capacitores

A diferença de potencial nas extremidades do capacitor de capacitância C1 é


V1 = q1 /C1 . Para os outros capacitores é V2 = q2 /C2 e V3 = q3 /C3 . Observe
que a carga total dentro retângulo tracejado vermelho na Fig. 3.2a é nula, uma
50 CAPÍTULO 3. CAPACITORES

vez que não está em contato com nenhum condutor. Portanto a carga em cada
capacitor é a mesma, q. A ddp total no circuito original é

 
q q q 1 1 1
V = V1 + V2 + V3 = + + =q + + .
C1 C2 C3 C1 C2 C3

Para o circuito equivalente


q
V =
Ceq

de onde concluímos que para o circuito em série

 
1 1 1 1
= + + .
Ceq C1 C2 C3

Generalizando, se tivermos n capacitores de capacitâncias C1 , C2 , . . . , Cn em


série, a capacitância equivalente do conjunto será

n
1 X 1
= (3.3)
Ceq i=1
Ci

Associação em paralelo

+ + + + + +
V C1 C2 C3 V Ceq
− − − − − −

(a) Circuito original (b) Circuito equivalente

Figura 3.3: Associação em paralelo de capacitores

A diferença de potencial para cada capacitor é sempre a mesma. A carga em


cada capacitor é q1 = C1 V , q2 = C2 V e q3 = C3 V . A carga total armazenada no
circuito será, então

q = q1 + q2 + q3 = C1 V + C2 V + C3 V = (C1 + C2 + C3 )V .
3.2. CIRCUITOS RC 51

Para o circuito equivalente, a carga total é

q = Ceq V

de onde concluímos que para o circuito em paralelo

Ceq = (C1 + C2 + C3 ).

Generalizando, se tivermos n capacitores de capacitâncias C1 , C2 , . . . , Cn em


paralelo, a capacitância equivalente do conjunto será

n
X
Ceq = Ci . (3.4)
i=1

3.2 Circuitos RC

Considere um circuito formado por um capacitor de capacitância C e uma fonte


de fem E. Como todo circuito real possui uma resistência, por simplicidade vamos
descrever toda a resistência do circuito como se estivesse concentrada em um
único resistor de resistência R. Considere o circuito da Fig. 3.4, A chave S pode
estar em duas posições, a ou b. Quando estiver em a, a fonte de fem estará
ligada ao circuito e o capacitor se carrega. Quando estiver em b, a fonte estará
desconectada do circuito e o capacitor se descarrega.

R
a S
b
+
E C

Figura 3.4: Circuito RC.


52 CAPÍTULO 3. CAPACITORES

3.2.1 Carga

Considere que a chave S foi posta na posição a no instante t = 0 s, como na Fig.


3.5.

R i

+
+
E C

Figura 3.5: Carregamento do capacitor.

Podemos aplicar as leis de Kirchhoff a este circuito, lembrando que pela Fig.
3.1 o potencial na placa ligada ao terminal positivo da fonte é maior que o po-
tencial na placa negativa. Pela definição de capacitância, a ddp nos terminais do
capacitor é V = q/C. Então:

q
E − iR − = 0.
C

Mas i = dq/dt. Rearranjando os termos e dividindo por R, temos:

dq q E
+ = .
dt RC R

Esta é uma equação diferencial ordinária de primeira ordem, não homogênea.


Considerando que o capacitor está descarregado quando a chave S é ligada,
podemos afirmar que q(0) = 0. Este tipo de problema é chamado de Problema
de Valor Inicial (PVI). A teoria das equações diferenciais garante que se existe
uma solução para o PVI, esta solução é única. A solução para este problema é

q(t) = CE 1 − e−t/τC

(3.5)
3.2. CIRCUITOS RC 53

onde τC = 1/(RC) é chamada de constante de tempo do circuito RC. Observe


que quando t = 0, e0 = 1 e q(0) = 0, como desejamos. Quando t → ∞ temos
que q → CE, que seria o capacitor plenamente carregado.
A corrente no circuito pode ser determinada obtendo a derivada da função
carga com relação ao tempo:

E −t/τC
i(t) = e . (3.6)
R

Figura 3.6: Processo de carregamento do capacitor, com as curvas para a carga


no capacitor e para a corrente no circuito.

Observe que a corrente é máxima quando t = 0 e tende a zero quando t tende


a infinito. A diferença de potencial nas extremidades do resistor se comporta de
54 CAPÍTULO 3. CAPACITORES

modo oposto àquela nos terminais do capacitor:

VR = Ee−t/τC , (3.7)

VC = E 1 − e−t/τC .

(3.8)

3.2.2 Descarga

Considere que a chave S foi posta agora na posição b, como na Fig. 3.7.

R i

+
C

Figura 3.7: Descarregamento do capacitor.

Podemos aplicar as leis de Kirchhoff também a este circuito. Então:

q
iR + = 0.
C

Como i = dq/dt rearranjamos os termos e dividimos por R:

dq q
+ = 0.
dt RC

A solução para este PVI, com q(0) = Q0 , é

q(t) = Q0 e−t/τC . (3.9)

A corrente no circuito pode ser obtida, derivando q(t), e vale

Q0 −t/τC
i(t) = − e . (3.10)
RC
3.2. CIRCUITOS RC 55

Figura 3.8: Processo de descarregamento do capacitor, com as curvas para a


carga no capacitor e para a corrente no circuito.

Observe que a carga no capacitor tende a zero quando o tempo tende a


infinito. A corrente é máxima quando t = 0 e tende a zero também quando
t → ∞. A corrente flui no sentido anti-horário, uma vez que a corrente simula o
comportamento que as cargas positivas teriam no circuito.

3.2.3 A constante de tempo

A constante de tempo capacitiva τC é uma característica do circuito, depende da


resistência R do resistor e da capacitância C do capacitor. No instante t = τC a
carga no capacitor corresponde a

q = CE(1 − e−1 ) = 0,63 · CE


56 CAPÍTULO 3. CAPACITORES

isto é, a carga no capacitor atinge aproximadamente 63% da carga total. Quando


t = 2τC , a carga no capacitor corresponde a, aproximadamente,

q = CE(1 − e−2 ) = 0,86 · CE

e quando t = 3τC , a carga no capacitor atinge 95% do valor máximo previsto:

q = CE(1 − e−3 ) = 0,95 · CE

Figura 3.9: Processo de carga em um capacitor no circuito RC.

A constante de tempo, portanto, determina a rapidez com que o capacitor


é carregado no circuito. Uma comparação entre dois circuitos está mostrada
na Fig. 3.10, onde a constante de tempo do circuito 2 é o dobro daquela do
circuito 1.
3.3. ARMAZENAMENTO DE ENERGIA EM UM CAPACITOR 57

Figura 3.10: Comparação entre dois circuitos RC com diferentes constantes de


tempo.

3.3 Armazenamento de energia em um capacitor

A energia potencial elétrica armazenada no campo elétrico que se estabelece


entre as placas de um capacitor carregado é igual ao trabalho realizado para
carregá-lo. Suponha que durante o processo de carga, tenha sido já transferida
uma carga q 0 . Neste momento, a diferença de potencial entre as placas é V 0 =
q 0 /C. O trabalho infinitesimal realizado pelo agente externo para levar uma carga
adicional dq 0 para o capacitor é, então

q0 0
dW = V 0 dq 0 = dq .
C
58 CAPÍTULO 3. CAPACITORES

Portanto, o trabalho realizado para carregar o capacitor é

q
q0 0 q2
Z Z
W = dW = dq = .
0 C 2C

A energia potencial elétrica é igual ao trabalho realizado pelo agente externo


para carregar o capacitor:
q2
UE = . (3.11)
2C

Ou, considerando que q = CV ,

UE = 12 CV 2 . (3.12)

Considerando um capacitor de placas planas paralelas, com volume entre as


placas v = A · d, onde A é a área das placas e d é a separação entre elas, e
considerando que o campo elétrico E entre as placas está relacionado com a
ddp V entre as placas por v = Ed, podemos determinar a densidade de energia
acumulada no campo elétrico no capacitor a partir da Eq. 3.12. Seja uE = UE /v
a densidade de energia elétrica acumulada no capacitor. Então

UE CV 2
uE = = .
v 2Ad

Para um capacitor de placas planas paralelas, a capacitância está relacionada


com a geometria do capacitor por

A
C = 0 .
d

Então
AV 2 V2
uE = 0 = 0 2 ,
2Ad2 2d
3.4. EXERCÍCIOS 59

portanto
E2
uE = 0 . (3.13)
2

3.4 Exercícios

1. Um capacitor de 100 pF é carregado com uma diferença de potencial de


50 V e a bateria usada para carregar o capacitor é desligada. Em seguida,
o capacitor é ligado em paralelo com um segundo capacitor, inicialmente
descarregado. Se a diferença de potencial entre as placas do primeiro
capacitor cai para 35 V, qual é a capacitância do segundo capacitor?

2. Os três capacitores da Fig. 3.11 estão inicialmente descarregados e têm


uma capacitância de 25,0 µF, 45,0 µF e 65,0 µF. Uma diferença de potencial
V = 4200 V entre as placas dos capacitores é estabelecida quando a chave
é fechada. Qual é a carga total que atravessa o medidor A?

C C C

Figura 3.11: Problema 2.

3. A chave S da Fig. 3.12 é fechada no instante t = 0, fazendo com que um


capacitor inicialmente descarregado, de capacitância C = 15,0 µF, comece
a se carregar através de um resistor de resistência R = 20,0 Ω. Em que
instante a diferença de potencial entre os terminais do capacitor é igual à
diferença de potencial entre os terminais do resistor?
60 CAPÍTULO 3. CAPACITORES

R
C

Figura 3.12: Problema 3.

4. No circuito da Fig. 3.13 a bateria tem uma diferença de potencial V =


10,0 V e os cinco capacitores têm uma capacitância de 10,0 µF cada um.
Determine a carga (a) do capacitor 1 e (b) do capacitor 2.

C1 C2

Figura 3.13: Problema 4.

5. Um capacitor com uma diferença de potencial inicial de 100 V começa a


ser descarregado por meio de um resistor quando uma chave é fechada no
instante t = 0. No instante t = 10,0 s, a diferença de potencial no capacitor
é 1,00 V. (a) Qual é a constante de tempo do circuito? (b) Qual é a diferença
de potencial no capacitor no instante t = 17,0 s?

6. Na Fig. 3.14 R1 = 6,0 MΩ, R2 = 3,0 MΩ, C1 = 3 µF C2 = 6 µF e E = 18,0 V.


Determine (a) a diferença de potencial entre a e b com a chave S desligada;
(b) a variação da carga em função de tempo para cada capacitor, com a
chave S ligada.
3.4. EXERCÍCIOS 61

R1 C2
S
E a b

C1 R2

Figura 3.14: Problema 6.

7. O capacitor da Fig. 3.15 está inicialmente descarregado. (a) Imediatamente


após a chave S ser fechada, qual a corrente em cada resistor? (b) Qual a
carga final no capacitor?

8,0 MΩ

S 3,0 MΩ

6,0 MΩ

42,0 V 4,0 µF

Figura 3.15: Problema 7.

8. Um capacitor de capacitância C é conectado em série a um resistor de


resistência R e a uma fonte de fem E. Determine, para o processo de
carga: (a) a energia total fornecida pela fonte; (b) A energia total dissipada
no resistor; (c) a energia final armazenada no capacitor.

9. Um capacitor com uma carga inicial q0 é descarregado através de um re-


sistor. Que múltiplo da constante de tempo τC é o tempo necessário para
que o capacitor descarregue (a) um terço da carga inicial e (b) dois terços
da carga inicial?
62 CAPÍTULO 3. CAPACITORES

10. A diferença de potencial entre as placas de um capacitor de 2,0 µF com


fuga (o que significa que há passagem de carga de uma placa para a ou-
tra) diminui para um quarto do valor inicial em 2,0 s. Qual é a resistência
equivalente entre as placas do capacitor?
Capítulo 4

Indutores

O indutor é um elemento de circuito que pode armazenar energia no campo


magnético que é criado quando uma corrente elétrica passa por ele.

4.1 O campo magnético

Desde a época da Grécia antiga se conhece a ocorrência de fenômenos magné-


ticos. Foi descrito o comportamento que surgia quando um pedaço de determi-
nada rocha era aproximado de fragmentos de ferro, causando a atração desses
fragmentos pela rocha. A unidade regional de Magnésia está localizada na re-
gião da Tessália, Grécia. Magnésia no grego antigo significa “lugar de pedras
mágicas” pois ali se encontram fontes naturais de magnetita que “magicamente”
se atraem.
Hoje sabemos que os fenômenos magnéticos são devidos às correntes elé-
tricas que existem nos materiais. O imã é um objeto que naturalmente exibe
comportamento magnético. Se observa que um imã possui sempre dois polos
(por convenção chamados de polo norte e polo sul), ou seja é um dipolo. Se
tentarmos dividir um imã para obter um objeto com apenas um polo, verificamos
que, ao contrário, ficamos com dois imãs. Repetindo o processo até o limite,

63
64 CAPÍTULO 4. INDUTORES

verificamos que o dipolo magnético fundamental é constituído pelas partículas


elementares, como os elétrons.
De modo semelhante à força elétrica, verificamos que para os dipolos magné-
ticos, polos iguais se repelem e polos distintos se atraem. Uma agulha imantada
se alinha com o campo magnético da Terra. Seu polo norte aponta para o sul
terrestre, enquanto que seu polo sul aponta para o norte terrestre. De onde con-
cluímos, como curiosidade, que o polo norte geográfico é o polo sul magnético,
e vice-versa.
Da mesma forma que o caso do campo elétrico, podemos representar o
campo magnético (ou densidade de fluxo magnético ou indução magnética) atra-
vés de linhas de campo. As linhas partem do polo norte e alcançam o polo sul,
são mais densas onde o campo é mais intenso, e o campo magnético é tangente
às linhas.

S N

Como não existem monopolos magnéticos, a forma de definir a força mag-


nética é um pouco diferente da forma utilizada para a força elétrica. Se observa
que uma partícula carregada eletricamente que se movimenta em uma região do
espaço onde existe um campo magnético sofre a ação da força

F~ = q~v × B.
~ (4.1)

Seja uma carga positiva que se desloca com velocidade ~v numa região onde
4.1. O CAMPO MAGNÉTICO 65

~ entrando na página, como na Fig. 4.1. A força


existe um campo magnético B,
magnética sobre a carga está mostrada na figura. A expressão matemática é
dada pela equação 4.1.

× × × × × × ×
~
B
× × × × × × ×
F~
× × × × × × ×

× × × × × × ×
+ ~v
× × × × × × ×

× × × × × × ×

× × × × × × ×

Figura 4.1: Força sobre uma partícula carregada devido a um campo magnético.

Esta equação mostra que a força magnética é perpendicular tanto à veloci-


dade da partícula carregada, quanto ao campo magnético por onde ela transita.
A direção e sentido da força são dadas pela regra da mão direita, como definido
para o produto vetorial.

× × × × × × ×
~
B
× × × × × × ×
F~
× × × × × × ×

× × × × × × ×
~
L
× × × × i× × ×

× × × × × × ×

× × × × × × ×

Figura 4.2: Força sobre um fio conduzindo uma corrente devido a um campo
magnético.
66 CAPÍTULO 4. INDUTORES

Observe que apenas cargas em movimento podem sofrer ação de uma força
magnética, assim, uma corrente elétrica i percorrendo um condutor de compri-
~ também pode experimentar uma força mag-
mento L em um campo magnético B
nética
F~ = iL
~ × B,
~ (4.2)

~ é um vetor que possui módulo igual ao comprimento do fio, direção coin-


onde L
cidindo com o fio e sentido igual ao da corrente i.
A unidade SI para o campo magnético é o Tesla (símbolo T), definido como

N.s N
1T = 1 =1 .
C.m A.m

Uma unidade bastante utilizada na prática, embora não seja do SI é o gauss


que vale 10 × 10−4 T. Este é o valor aproximado do campo magnético da Terra.
Podemos definir também o fluxo magnético. No SI a unidade para o fluxo é
o Weber (símbolo Wb), o weber pode ser definido como o fluxo que, ao atraves-
sar uma espira, produz nela uma força eletromotriz igual a 1 volt, se reduzido
uniformemente a zero em 1 segundo

1 Wb = 1 T·m2 .

4.2 Determinação do campo magnético

~ que é determinado a partir da


Diferentemente do cálculo do campo elétrico E
definição de força elétrica, o campo magnético é dado a priori, com base nele é
que definimos a força magnética. Existem dois métodos para a determinação de
~ pela lei de Biot-Savart, e pela lei de Ampère.
B,
4.2. DETERMINAÇÃO DO CAMPO MAGNÉTICO 67

4.2.1 A lei de Biot-Savart

~ pro-
A lei de Biot-Savart permite determinar o campo magnético infinitesimal dB
duzido pela corrente i que passa por um elemento infinitesimal do fio dl em um
ponto localizado pelo vetor ~r, a uma distância r do elemento do fio, conforme a
Fig. 4.3.

~ = µ0 id~l × ~r
dB . (4.3)
4π r3

O vetor d~l tem o comprimento do elemento infinitesimal de fio dl, a direção tan-
gente ao fio e o sentido igual ao da corrente. O produto vetorial, pela regra da
mão direita, resulta que neste exemplo o campo está entrando no papel.

Figura 4.3: Campo magnético infinitesimal.

A aplicação da lei de Biot-Savart a um caso emblemático, o campo produzido


em um ponto situado a uma distância r de um fio retilíneo percorrido por uma
corrente i, resulta em
µ0 i
B= . (4.4)
2πr

Na Fig. 4.4, um fio representado perpendicularmente à página é percorrido por


uma corrente i que entra na página. O campo magnético produzido pela corrente
possui simetria circular.
68 CAPÍTULO 4. INDUTORES

r ~
B
i
×

Figura 4.4: Linhas do campo magnético produzido por um fio retilíneo percorrido
por uma corrente i que entra na página.

A constante µ0 = 4π × 10−7 T.m/A no SI, é chamada de permeabilidade mag-


nética do vácuo.

4.2.2 A lei de Ampère

O cálculo do campo magnético produzido por uma corrente elétrica pode ser
muito complicado quando usamos a lei de Biot-Savart. Nos casos em que a
simetria do problema é alta, de modo semelhante àqueles casos em que é apli-
cada a lei de Gauss para determinar o campo elétrico, podemos usar a lei de
Ampère:
I
~ · d~s = µ0 i.
B (4.5)

Esta lei deve ser lida como

~ ao longo de um circuito imaginário fechado (cha-


A circulação de B
mado de espira amperiana) é igual ao produto da constante µ0 pela
corrente líquida que cruza a superfície gerada pela espira amperiana,
considerando como positivas aquelas correntes que, ao alinhar os de-
4.2. DETERMINAÇÃO DO CAMPO MAGNÉTICO 69

dos da mão direita com o circuito, estejam no sentido do polegar, e


como negativas aquelas no sentido oposto.

A aplicação da lei de Ampère ao caso do fio retilíneo percorrido por uma cor-
rente i fornece o mesmo resultado daquele obtido com a lei de Biot-Savart, com
muito menor esforço.

4.2.3 Solenoides e toroides

Uma aplicação fácil da lei de Ampère permite obter a expressão para o campo
magnético produzido por uma bobina condutora helicoidal, cujas espiras são
compactas, estão muito próximas umas das outras, chamada de solenoide. So-
lenoides são equipamentos de muita utilidade quando se deseja obter campos
magnéticos uniformes. O campo produzido no interior do solenoide com n es-
piras por unidade de comprimento, percorridas por uma corrente i e próximo ao
seu eixo central, é
B = µ0 ni. (4.6)

~ é uni-
Podemos ver que, próximo ao centro do solenoide o campo magnético B
forme, porque não depende da distância ao seu eixo.

~
B

Figura 4.5: Campo magnético produzido por um solenoide.

Se esta bobina for curvada até formar um toro, teremos um toroide. O campo
produzido por um toroide com N espiras, com uma distância do círculo central
ao centro do toro igual a R, é

µ0 iN
B= . (4.7)
2πR
70 CAPÍTULO 4. INDUTORES

~ não é uniforme, uma vez que depende da distância ao


Neste caso, o campo B
centro do toro.

4.3 A lei de Faraday

Já vimos como uma corrente elétrica produz um campo magnético, e como um


campo magnético altera o movimento de uma partícula carregada que se movi-
menta em relação a ele. Em 1831, Michael Faraday observou que um campo
magnético variável causava o aparecimento de uma corrente elétrica em um fio.
~ varia, e o campo
Essa corrente induzida surge no condutor quando o campo B
magnético produzido por ela tente a se opor à variação de campo que a causou
(este resultado é conhecido como lei de Lenz).
A lei de indução de Faraday estabelece uma relação entre o fluxo de um
campo magnético através de uma superfície (aberta, porque, como não existem
monopolos magnéticos, o fluxo do campo magnético através de uma superfície
fechada é sempre nulo, esta é a lei de Gauss para o magnetismo) e a ddp que
gera a corrente induzida. O fluxo do campo magnético através da superfície de
cada espira é:
Z
ΦB = ~ · dA.
B ~

A lei de Faraday afirma que


dΦB
E =− .
dt

Se houver N espiras na bobina, a lei de Faraday fica:

dΦB
E = −N . (4.8)
dt

Se uma bobina for colocada em uma região do espaço onde um campo magné-
tico varia, uma corrente elétrica surge na bobina. Por outro lado, se a corrente
na bobina varia, então surge no seu interior um campo magnético também variá-
4.4. INDUTORES 71

vel. Portanto, podemos induzir o aparecimento de uma corrente em uma bobina


fazendo variar a corrente em uma bobina próxima.

4.4 Indutores

Da mesma forma que um capacitor pode ser utilizado para armazenar energia no
campo elétrico entre as suas placas, um indutor é um elemento de circuito que
permite o armazenamento de energia em um campo magnético no seu interior.
O tipo mais comum de indutor é o solenoide, pelo menos na sua parte central,
para solenoides longos.

Elemento de circuito

Em um circuito elétrico, o indutor é representado por

L L
ou

Indutância

A propriedade relevante dos indutores é a indutância. A indutância para cada


espira do indutor é definida como a razão entre o fluxo do campo magnético
produzido pela corrente elétrica que percorre a espira e a corrente. Então, se o
indutor possuir N espiras, a indutância será:

N ΦB
L= . (4.9)
i

As espiras do solenoide ficam enlaçadas pelo fluxo magnético. O produto N ΦB


é chamado de enlaçamento de fluxo magnético. A indutância L é, portanto, uma
medida do enlaçamento do fluxo magnético produzido pelo indutor por unidade
de corrente.
72 CAPÍTULO 4. INDUTORES

A unidade de fluxo magnético do SI é o weber, então a unidade de indutância


no SI é o weber por ampère (Wb/A). Essa unidade é chamada de henry (H).
Assim, 1 H = 1 Wb/A.
É possível mostrar que a indutância depende apenas das características físi-
cas do indutor. Por exemplo, um indutor formado por um solenoide de compri-
mento l com n espiras por unidade de comprimento e área da seção reta A, tem
indutância
L
= µ0 n2 A. (4.10)
l

4.4.1 Autoindução

Quando ocorre uma variação na corrente que atravessa um indutor, ocorre tam-
bém uma variação no fluxo ΦB do campo magnético que atravessa suas espiras.
Por isso, de acordo com a lei de Faraday, vai surgir uma força eletromotriz indu-
zida no indutor. Esse processo é chamado de autoindução, e a força eletromotriz
associada recebe o nome de força eletromotriz autoinduzida. Esta fem autoindu-
zida pode ser determinada, usando as eq. 4.8 e 4.9. Como

N ΦB
L=
i

podemos rescrever então como Li = N ΦB . Derivando ambos os lados em rela-


ção ao tempo e usando a lei de Faraday:

di ΦB
L =N ,
dt dt

então
di
E = −L . (4.11)
dt
4.4. INDUTORES 73

4.4.2 Associação de indutores

Quando mais de um indutor estiver ligado no circuito, podemos obter a indutância


equivalente do circuito. Como no caso dos resistores e capacitores, identificamos
dois tipos básicos de associação.

Associação em série

Em uma associação em série o terminal de cada indutor está ligado ao terminal


do próximo e assim sucessivamente.
+
L3 V3
i i

+
+ +
V L2 V2 V Leq
− −

+
L1 V1

(a) Circuito original (b) Circuito equivalente

Figura 4.6: Associação em série de indutores

A corrente i que passa pelos indutores é sempre a mesma, porque se fossem


diferentes isto significaria que cargas foram criadas ou destruídas em um indutor,
o que é proibido pela lei da conservação da carga. Para cada indutor na Fig.
4.6a a diferença de potencial nos seus terminais é: V1 = L1 di/dt, V2 = L2 di/dt e
V3 = L3 di/dt. A soma de todas as ddp’s será

di di di di
V = V1 + V2 + V3 = L1 + L2 + L3 = (L1 + L2 + L3 ) ,
dt dt dt dt

e para o indutor na Fig. 4.6b a ddp é V = Leq di/dt. Comparando os resultados


podemos concluir que
Leq = L1 + L2 + L3 .
74 CAPÍTULO 4. INDUTORES

Generalizando, se tivermos n indutores com indutância L1 , L2 , . . . Ln em série,


a indutância equivalente do conjunto será

n
X
Leq = Li (4.12)
i=1

Associação de indutores em paralelo

Em uma associação de indutores em paralelo, todos eles estão ligados aos


mesmo polos da fonte de fem.

i1 i2 i3
+ +
V L1 L2 L3 V Leq
− −
i i

(a) Circuito original (b) Circuito equivalente

Figura 4.7: Associação em paralelo de indutores

Como podemos ver na Fig. 4.7a cada indutor está em um ramo diferente,
portanto por cada indutor passa uma corrente diferente. Da lei das malhas temos

di1 V di2 V di3 V


= , = , = .
dt L1 dt L2 dt L3

A variação total da corrente di/dt, pela lei dos nós, deve ser igual à soma da
variação das correntes em cada ramo:

 
di di1 di2 di3 V V V 1 1 1
= + + = + + =V + + .
dt dt dt dt L1 L2 L3 L1 L2 L3

No circuito equivalente, a variação da corrente total é

di V
= ,
dt Leq
4.5. CIRCUITOS RL 75

então podemos concluir que

 
1 1 1 1
= + + .
Leq L1 L2 L3

Generalizando, se tivermos n indutores com indutância L1 , L2 , . . . Ln em pa-


ralelo, a indutância equivalente do conjunto será

n
1 X 1
= . (4.13)
Leq i=1
L i

4.5 Circuitos RL

Considere um circuito formado por um indutor de indutância L e uma fonte de


fem E. Como todo circuito real possui uma resistência, por simplicidade vamos
descrever toda a resistência do circuito como se estivesse concentrada em um
único resistor de resistência R. Considere o circuito da Fig. 4.8, a chave S pode
estar em duas posições, a ou b. Quando estiver em a, a fonte de fem estará
ligada ao circuito e a corrente começa a aumentar quando passa pelo indutor.
Quando estiver em b, a fonte estará desconectada do circuito e a corrente no
indutor começa a diminuir.

R
a S
b
+
E L

Figura 4.8: Circuito RL.


76 CAPÍTULO 4. INDUTORES

4.5.1 Aumento da corrente

Colocando a chave S na posição a, no instante t = 0, a corrente no circuito da Fig.


4.9 começa a aumentar, a partir de i = 0. Conforme a corrente vai aumentando,
a variação na corrente que passa pelo indutor induz o aparecimento de uma fem
autoinduzida, que se opõe ao crescimento da corrente, portanto com um sentido
oposto ao da fonte de fem.

R i


E L
+

Figura 4.9: Aumento da corrente.

Aplicando as leis de Kirchhoff, e contabilizando as variações de ddp ao longo


do percurso, obtemos:
di
E − Ri − L = 0. (4.14)
dt

Dividindo a expressão por L e rearranjando os termos, temos:

di R E
+ i= ,
dt L L

uma equação diferencial. Sabendo que i(0) = 0, construímos um Problema de


Valor Inicial. A solução para este PVI é

E
1 − e−t/τL ,

i(t) = (4.15)
R

onde τL = L/R é a constante de tempo indutiva. Observe que quando t = 0, a


corrente é nula, como determinado pelo valor inicial da corrente. Quando t → ∞,
4.5. CIRCUITOS RL 77

E
a corrente tende ao valor , que é o valor para um circuito que possuísse apenas
R
o resistor. Isso mostra que quando a corrente atinge seu valor máximo, a fem
autoinduzida desaparece.

Figura 4.10: Processo de aumento da corrente, com as curvas para a corrente


no circuito e para a ddp no indutor.

A ddp nos terminais do resistor e do indutor podem ser estabelecidas:

VR = E 1 − e−t/τL


e
di
VL = L = Ee−t/τL .
dt

Então, no instante em que a chave S é fechada, a ddp nos terminais do resistor é


nula, uma vez que a corrente ainda é nula. Mas a variação na corrente é máxima,
portanto a ddp no indutor é máxima. Conforme o tempo passa, essa variação
tende a zero, assim como a ddp nos terminais do indutor. Portanto é como se o
78 CAPÍTULO 4. INDUTORES

indutor fosse encarado no circuito como mais um condutor.

4.5.2 Diminuição da corrente

Considere que a chave S foi posta agora na posição b, como na Fig. 4.11.

R i

Figura 4.11: Diminuição da corrente.

Podemos aplicar as leis de Kirchhoff também a este circuito. Então:

di
−iR − L = 0.
dt

Rearranjando os termos e dividindo por L:

di R
+ i = 0.
dt L

A solução para este PVI, com i(0) = I0 , é

i(t) = I0 e−t/τL . (4.16)

A ddp nos terminais do indutor pode ser obtida, derivando i(t), e vale

vL (t) = −I0 Re−t/τL . (4.17)

Observe que a ddp no indutor tende a zero quando o tempo tende a infinito.
A corrente é máxima quando t = 0 e tende a zero também quando t → ∞.
4.6. ARMAZENAMENTO DE ENERGIA EM UM INDUTOR 79

Figura 4.12: Processo de diminuição da corrente, com as curvas para a ddp no


indutor e para a corrente no resistor.

4.6 Armazenamento de energia em um indutor

Considere a equação 4.14. Multiplicando por i, e reescrevendo temos

di
Ei = Li + Ri2 .
dt

O lado esquerdo da equação é a potência fornecida pela fonte, e o último termo


do lado direito é a energia dissipada na forma de calor no resistor por unidade
de tempo. Pela lei de conservação da energia, o termo

di
PB = Li ,
dt
80 CAPÍTULO 4. INDUTORES

deve representar a energia por unidade de tempo armazenada no campo mag-


nético, no indutor. Então

Z Z i
UB = P dt = Li0 di0 ,
0

portanto
UB = 21 Li2 . (4.18)

Podemos determinar a densidade de energia armazenada no campo mag-


nético dentro de um solenoide. Para um indutor de área da seção reta A e
comprimento l, a densidade de energia magnética será:

UB Li2
uB = = ,
Al 2Al

mas pela Eq. 4.10, podemos substituir L/l por µ0 n2 A, então, lembrando que para
um solenoide o campo magnético no seu interior é B = µ0 in:

µ0 i2 n2 A
uB = ,
2A

então
B2
uB = . (4.19)
2µ0

4.7 Indução mútua

Se duas bobinas estiverem próximas uma da outra, a corrente elétrica que passa
por uma cria um campo magnético que enlaça a segunda. Se houver uma va-
riação de corrente na primeira, por exemplo, isso vai causar a variação do fluxo
do campo magnético na segunda, o que dará origem a uma fem. Seja i1 e i2 as
correntes nas duas bobinas e E1 e E2 as fem induzidas. Então é possível mostrar
4.8. EXERCÍCIOS 81

que:

di1
E2 = −M (4.20)
dt
di2
E1 = −M , (4.21)
dt

onde M é a indutância mútua. A determinação de M pode ser muito compli-


cada. Um caso simples é quando uma das bobinas é muito menor que a outra,
então o campo magnético que atravessa a bobina pequena devido à corrente
na bobina grande pode ser considerado praticamente uniforme. Nesse caso, a
determinação da indução mútua é facilitada:

πµ0 N1 N2 R22
M= , (4.22)
2R1

onde R1 e R2 são os raios das bobinas 1 e 2 (supondo que a bobina 2 é a pe-


quena), e N1 e N2 são o número de espiras na 1 e 2, respectivamente.

4.8 Exercícios

1. O circuito de indutores da Fig. 4.13, com L1 = 30,0 mH, L2 = 50,0 mH,


L3 = 20,0 mH e L4 = 15,0 mH, é ligado a uma fonte de corrente alternada.
Qual é a indutância equivalente do circuito?

L1
L2 L3
L4

Figura 4.13: Problema 1

2. A corrente em um circuito RL aumenta para um terço do valor final em


5,00 s. Determine a constante de tempo indutiva do circuito.
82 CAPÍTULO 4. INDUTORES

3. A chave da Fig. 4.8 é colocada na posição a no instante t = 0. Determine


a razão EL /E entre a força eletromotriz autoinduzida no indutor e a força
eletromotriz da fonte (a) logo após o instante t = 0 e (b) no instante t =
2,00τL . (c) Para qual múltiplo de τL temos EL /E = 0,500?

4. Na Fig. 4.14, E = 100 V, R1 = 10,0 Ω, R2 = 20,0 Ω, R3 = 30,0 Ω e L =


2,00 H. Determine os valores de (a) i1 e (b) i2 logo após o fechamento da
chave S. (Considere positivas as correntes nos sentidos indicados na figura
e negativas as correntes no sentido oposto.) Determine também os valores
de (c) i1 e (d) i2 muito tempo após o fechamento da chave. A chave é
aberta depois de ter permanecido fechada por muito tempo. Determine os
valores de (e) i1 e (f) i2 logo depois de a chave ter sido novamente aberta.
Determine também os valores de (g) i1 e (h) i2 muito tempo depois de a
chave ter sido novamente aberta.

S i1 R3

R1

E R2 L

i2

Figura 4.14: Problema 4

5. Uma bateria é ligada a um circuito RL série no instante t = 0. Para qual


múltiplo de τL a corrente atinge um valor 0,100% menor que o valor final?

6. Na Fig. 4.15a, o indutor tem 25 espiras e a fonte ideal tem uma força ele-
tromotriz de 16 V. A Fig. 4.15b mostra o fluxo magnético Φ nas espiras
do indutor em função da corrente i. A escala do eixo vertical é definida
por Φs = 4,0 × 10−4 T.m2 , e a escala do eixo horizontal é definida por
4.8. EXERCÍCIOS 83

is = 2,00 A. Se a chave S é fechada no instante t = 0, qual é a taxa de


variação da corrente, di/dt, no instante t = 1,5τL ?

Φs
S

E R

L 0 is

(a) (b)

Figura 4.15: Problema 6

7. Na Fig. 4.16, R = 15 Ω, L = 5,0 H, a força eletromotriz da fonte ideal é E =


10 V, e o fusível do ramo superior é um fusível ideal de 3,0 A. A resistência
do fusível é zero enquanto a corrente que o atravessa permanece abaixo de
3,0 A. Quando a corrente atinge o valor de 3,0 A, o fusível “queima” e passa
a apresentar uma resistência infinita. A chave S é fechada no instante t = 0.
Em que instante o fusível queima? (Sugestão: A Eq. 4.15 não se aplica;
use uma adaptação da Eq. 4.14, considerando R = 0.).

fusível

E R S

Figura 4.16: Problema 7


84 CAPÍTULO 4. INDUTORES

8. Uma bobina é ligada em série com um resistor de 10,0 kΩ. Uma fonte ideal
de 50,0 V é ligada aos terminais do conjunto e a corrente atinge um valor de
2,00 mA após 5,00 ms. (a) Determine a indutância da bobina. (b) Determine
a energia armazenada na bobina nesse instante.

9. Dois solenoides fazem parte do circuito de ignição de um automóvel. Quando


a corrente em um dos solenoides diminui de 6,0 A para zero em 2,5 ms, uma
força eletromotriz de 30 kV é induzida no outro solenoide. Qual é a indutân-
cia mútua M dos solenoides?

10. Uma bobina retangular com N espiras compactas é colocada nas proxi-
midades de um fio retilíneo, longo, como mostra a Fig. 4.17. Qual é a
indutância mútua M da combinação fio-bobina para N = 100, a = 1,0 cm, b
= 8,0 cm e l = 30 cm?

i
a N espiras
b

Figura 4.17: Problema 10

11. Na Fig. 4.18, a fonte é ideal, E = 10 V, R1 = 5,0 Ω, R2 = 10 Ω e L = 5,0 H. A


chave S é fechada no instante t = 0. Determine, logo após o fechamento da
chave, (a) i1 , (b) i2 , (c) a corrente iS na chave, (d) a diferença de potencial
V2 entre os terminais do resistor 2, (e) a diferença de potencial VL entre
os terminais do indutor e (f) a taxa de variação di2 /dt. Determine também,
muito tempo após o fechamento da chave, (g) i1 , (h) i2 , (i) iS , (j) V2 , (k) VL e
(l) di2 /dt.
4.8. EXERCÍCIOS 85

R2
i2
E R1

i L
i1

Figura 4.18: Problema 11

12. Na Fig. 4.15a, R = 4,0 kΩ, L = 8,0 µH, e a força eletromotriz da fonte ideal
é E = 20 V. Quanto tempo, após o fechamento da chave, a corrente atinge
o valor de 2,0 mA?
86 CAPÍTULO 4. INDUTORES
Capítulo 5

Circuitos de corrente alternada

Até agora foram tratados circuitos onde a fonte de fem era contínua, isto é, seu
valor não variava no tempo. A corrente nos circuitos que possuem capacitores
ou indutores não é constante no tempo mas como seu sinal não muda com o
tempo esses circuitos são chamados de circuitos de corrente contínua.
Os circuitos onde o valor da fem varia periodicamente ao longo do tempo, a
corrente também varia periodicamente, e são chamados de circuitos de corrente
alternada. A maioria dos circuitos eletrônicos são de corrente contínua, mas a
fem fornecida pela rede elétrica é alternada. A razão é a facilidade de produzir a
tensão alternada, e de, através de transformadores, alterar sua amplitude1 .
Como convenção, utilizamos letra maiúsculas para representar as grandezas
não periódicas e minúsculas para aquelas que depende do tempo.

5.1 Tensão eficaz

A tensão de um circuito pode variar ciclicamente. A tensão fornecida pela rede


varia de maneira senoidal, assim como a corrente. Uma combinação de ondas
senoidais com diferentes períodos e amplitudes pode produzir ondas com qual-
quer formato. Para alguns experimentos, por exemplo, é necessária uma tensão
1
Veja, por exemplo, a biografia de Nikola Tesla, na Wikipedia.

87
88 CAPÍTULO 5. CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA

na forma de serra. De qualquer modo, como a tensão varia ao longo do tempo,


precisamos de uma forma de referenciar. Seja uma fonte de tensão com ampli-
tude máxima (ou tensão de pico) V e frequência ν:

v(t) = V sen(2πνt) = V sen(ωt), (5.1)

onde ω = 2πν é chamada de frequência angular. A corrente no circuito também


varia com a mesma frequência, então:

i(t) = Isen(ωt − φ), (5.2)

onde φ é a fase, que corresponde a um atraso (ou a um adiantamento) da cor-


rente com relação à tensão da fonte.
Definimos a tensão eficaz de uma fonte de tensão como o valor correspon-
dente de tensão contínua que, aplicado a um resistor de resistência R por um
número inteiro de períodos, fornece a energia que seria fornecida por uma fonte
de fem alternada em igual intervalo de tempo. Das propriedades das funções tri-
gonométricas concluímos que a tensão eficaz equivale ao valor quadrático médio
Vrms da função da Eq. 5.1:
V
Vrms = √ . (5.3)
2

Podemos definir também um valor quadrático médio, da mesma forma, para a


corrente no circuito, em função da corrente máxima I:

I
Irms = √ . (5.4)
2

A corrente em um circuito de tensão alternada deve variar com a mesma


frequência da fonte. No entanto, para capacitores e indutores, essa oscilação
não acontece com a mesma fase da fonte, podendo estar adiantada ou atrasada,
como veremos a seguir.
5.2. IMPEDÂNCIA 89

5.2 Impedância

Quando ligamos diferentes elementos, como resistores, capacitores ou induto-


res, em um circuito, a corrente vai depender de como esses elementos se com-
portam. Vamos analisar três tipos diferentes de circuito antes de combinar todos
os elementos.

5.2.1 Circuitos resistivos

Considere o circuito da Fig. 5.1. A ddp nos terminais do resistor é vR e é uma


função do tempo, uma vez que a fonte é de tensão alternada. Pela lei das malhas

E − vR = 0.

Então, como E = Em sen(ωd t), a ddp vR pode ser escrita como

vR = Em sen(ωd t).

Como a amplitude VR da ddp nos terminais do resistor é igual à amplitude de


tensão nos terminais da fonte, podemos fazer VR = Em . Usando a definição de
resistência (V = RI) podemos escrever

VR
iR = sen(ωd t). (5.5)
R

E R vR

Figura 5.1: Circuito resistivo


90 CAPÍTULO 5. CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA

Comparando a Eq. 5.5 com a Eq. 5.2 verificamos que a fase, no circuito
resistivo, é nula.

5.2.2 Circuitos capacitivos

Considere agora o circuito da Fig. 5.2. A ddp nos terminais do capacitor é vC .


Pela lei das malhas podemos escrever

vC = VC sen(ωd t),

onde VC é a amplitude da ddp nos terminais do capacitor. Usando a definição de


capacitância (q = CV ) podemos escrever

qC = CVC sen(ωd t).

E C vC

Figura 5.2: Circuito capacitivo

Mas a corrente é a derivada da carga em relação ao tempo, então:

dqC
iC = = ωd CVC cos(ωd t).
dt

Definimos a reatância capacitiva XC :

1
XC = , (5.6)
wd C

e, lembrando que cos(α) = sen(α + π/2), podemos escrever a equação da cor-


5.2. IMPEDÂNCIA 91

rente em um circuito capacitivo como

VC
iC = sen(ωd t + π/2) (5.7)
XC

Comparando a Eq. 5.7 com a Eq. 5.2 verificamos que a fase, no circuito capaci-
tivo, é −π/2 e que a amplitude de corrente IC pode ser escrita como

VC
IC = .
XC

5.2.3 Circuitos indutivos

Pela lei das malhas, no circuito da figura 5.3 temos:

vL = VL sen(ωd t).

E L vL

Figura 5.3: Circuito indutivo

Lembrando que
diL
vL = L
dt

podemos escrever
diL VL
= sen(ωd t).
dt L

Integrando esta expressão obtemos

VL
iL = − cos(ωd t).
ωd L
92 CAPÍTULO 5. CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA

Definindo a reatância indutiva XL como

XL = ωd L, (5.8)

e lembrando que − cos(α) = sen(α − π/2), podemos escrever a equação da cor-


rente no circuito indutivo como

VL
iL = sen(ωd t − π/2). (5.9)
XL

Comparando a Eq. 5.9 com a Eq. 5.2 verificamos que a fase, no circuito indutivo,
é π/2 e que a amplitude de corrente IL pode ser escrita como

VL
IL = .
XL

5.3 Circuito RLC em série

Considere o seguinte circuito:

a
b
S R

E L

Figura 5.4: Circuito RLC em série.

A aplicação das leis de Kirchhoff a este circuito é

E − vR − vL − vC = 0,
5.3. CIRCUITO RLC EM SÉRIE 93

quando a chave S está na posição b. Podemos reescrever esta equação na forma


de uma equação diferencial de segunda ordem com duas condições iniciais:

d2 q dq 1
L 2
+ R + q = 0.
dt dt C

A solução desta equação diferencial é:

q(t) = Qe−Rt/2L cos(ω 0 t + φ), (5.10)

onde as constantes Q e φ dependem das condições iniciais, e

p
ω0 = ω 2 − (R/2L)2

e

ω = 1/ LC

são grandezas que caracterizam o circuito. Essa equação descreve uma osci-
lação senoidal amortecida, devido ao termo exponencial, que tende a zero con-
forme o tempo cresce. Note que a frequência de oscilação é sempre menor que
a frequência se não houvesse o amortecimento. Se R for bem pequena, então
podemos substituir ω 0 por ω.
Essas oscilações tendem a zero. Para manter o circuito oscilando, devemos
introduzir uma fonte de fem periódica (chave S na posição a). A fonte de fem
fornece uma tensão
E = Em sen(ωd t).

A corrente no circuito é:
i = Isen(ωd t − φ).
94 CAPÍTULO 5. CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA

Definimos a impedância Z do circuito como

p
Z= R2 + (XL − XC )2

p
Z= R2 + (ωd L − 1/ωd C)2 , (5.11)

e a amplitude de corrente como

Em Em
I= =p . (5.12)
Z R2 + (ωd L − 1/ωd C)2

Observe que pela constante de tempo τC = RC ter dimensão de tempo, se-


gue que no SI a unidade de capacitância pode ser escrita como s/Ω. Para a
constante τL = L/R, segue que no SI a unidade de indutância pode ser escrita
como s·Ω. Como a dimensão da frequência angular ωd é s−1 , todos os elementos
de Z tem dimensão de resistência.
A fase no circuito pode ser obtida a partir de:

XL − XC
tan φ = . (5.13)
R

Observe que, se XL = XC , a fase é zero e a fem e a corrente no circuito variam


juntas. Nesse caso dizemos que o circuito está em ressonância.

5.3.1 Frequência de ressonância

A Eq. 5.12 mostra qual é a amplitude máxima da corrente. Ela ocorre quando

1
ωd L = ,
ωd C

portanto, quando
1
ω = ωd = √ . (5.14)
LC
5.4. POTÊNCIA EM CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA 95

Essa é chamada de frequência de ressonância. Quando a frequência ωd da fonte


for igual à frequência natural ω do circuito, a intensidade da corrente no circuito
é máxima. Como indicado na Eq. 5.12, essa intensidade depende da resistência
R do circuito, quanto menor a resistência, maior a corrente.

5.4 Potência em circuitos de corrente alternada

Em um circuito RLC, a fonte de fem E é a responsável por fornecer energia para


o circuito. Uma parte dessa energia é dissipada na forma de calor no resistor
R, e parte é acumulada como energia nos campos elétrico, no capacitor C, e
magnético, no indutor L. No momento em que é atingido o regime estacionário,
a soma da energia no capacitor e no indutor será constante, variando apenas o
dispositivo em que estará armazenada. A partir desse momento, toda a energia
da fonte será dissipada na forma de calor no resistor. Então, pela definição de
potência, no resistor, temos:

P = i2 R = (Isen(ωd t − φ))2 R = I 2 Rsen2 (ωd t − φ).

Em um ciclo completo, o valor médio da função sen2 α é 1/2. Então, a potência


média fornecida pela fonte é

2
I2

I
Pmed = R= √ R.
2 2


A grandeza I/ 2 é o valor médio quadrático da corrente:

I
Irms = √ .
2
96 CAPÍTULO 5. CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA

Então, podemos definir a potência média em termos do valor quadrático médio


da corrente:
2
Pmed = Irms R. (5.15)

É possível definir um valor médio quadrático tanto para a ddp nos terminais do
resistor como para a fonte de fem:

V E
Vrms = √ e Erms = √ .
2 2


O fator de proporcionalidade para todas estas grandezas é 1/ 2, portanto pode-
mos escrever
Erms Erms
Irms = =p .
Z R2 + (ωd L − 1/ωd C)2

A Eq. 5.15 pode ser reescrita como

R
Pmed = Irms Erms .
Z

Como R/Z = cos φ, podemos escrever:

Pmed = Irms Erms cos φ. (5.16)

O termo cos φ é chamado de fator de potência. Quanto mais próximo de 1, maior


a transferência de energia.

5.5 Determinação da corrente

Os circuitos eletrônicos são, em geral, operados com corrente contínua, de modo


que a determinação da corrente em circuitos de corrente alternada fica um pouco
fora do escopo desse texto. No entanto, alguns circuitos precisam oscilar, de
modo que vamos ver um caso simples de determinação da corrente. Para um
5.5. DETERMINAÇÃO DA CORRENTE 97

circuito de uma única malha, a corrente é determinada a partir do valor de E e


dos componentes R, L e C, e da frequência da fonte ωd , como mostra a Eq. 5.12.
Para um circuito com mais de uma malha, precisamos usar as leis de Kirchhoff,
agora adaptadas para circuitos em que as tensões e correntes variam no tempo.
A técnica é fazer a análise no domínio da frequência. Considere o exemplo
da FIG. 5.5: uma fonte de tensão nominal 220 V e frequência 60 Hz, em um
circuito de duas malhas contendo dois resistores R1 = 100 Ω e R2 = 50 Ω, dois
capacitores C1 = 47 µF e C2 = 18 µF, e um indutor L = 300 mH.

i1 C1 i2
R1 R2
a

− I II
E L C2
+
i3

Figura 5.5: Exemplo de determinação da corrente em circuitos de corrente alter-


nada.

Podemos representar as grandezas resistivas como fasores, isto é, vetores


que podem girar em torno da origem. As reatâncias capacitiva XC (Eq. 5.6,
com a ddp atrasada em π/2 com relação à fonte) e indutiva XL (Eq. 5.8, com a
ddp adiantada em π/2), são, no domínio da frequência, escritas como grandezas
98 CAPÍTULO 5. CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA

imaginárias, enquanto que a resistência R é uma grandeza real:

E = 311sen(120πt) V (5.17)

R1 = 100 Ω (5.18)

R2 = 50,0 Ω (5.19)

XL = 113j Ω (5.20)

XC1 = −56,4j Ω (5.21)

XC2 = −147j Ω (5.22)

A aplicação das leis de Kirchhoff às duas malhas I e II e ao nó a:

0 = E − I1 R1 − I1 XC1 − I3 XL

0 = E − I1 R1 − I1 XC1 − I2 R2 − I2 XC2

I1 = I2 + I3

Substituindo os valores, fazendo i3 = i1 − i2 e reagrupando os termos obtemos


duas equações:

E = (100 − 56,4j + 113j)I1 − (113j)I2 = (100 + 56,6j)I1 − (113j)I2

E = (100 − 56,4j)I1 + (50,0 − 147j)I2

Um fasor é como um vetor que pode girar em torno da origem que e possui uma
componente real e uma imaginária. O comprimento do fasor pode ser obtido do
teorema de Pitágoras. O ângulo que o fasor forma com o eixo real, que é a fase
do elemento representado, pode ser calculado a partir das suas componentes.
5.5. DETERMINAÇÃO DA CORRENTE 99

Escrevendo as equações acima na forma de um sistema matricial, temos:

     
 100 + 56,6j −113j   I1   1 
 ·  = E  .
100 − 56,4j 50,0 − 147j I2 1

Calculando o comprimento e a fase de cada fasor na matriz acima, temos:


 
 114,9(0,515) 113(−1,571) 
A= ,
114,8(−0,514) 155,3(−1,243)

onde cada elemento da matriz representa o comprimento e o ângulo, entre pa-


rênteses e em radianos, do fasor. O sistema pode ser resolvido por qualquer
técnica adequada de resolução de sistemas de equações lineares. Por exemplo,
por Cramer:

detA = 114,9 · 155,3(0,515 − 1,243) − 113 · 114,8(−1,571 − 0,514)

detA = 17,8 × 103 (−1,05) − 13,0 × 103 (−2,085)

detA = 13,3 × 103 − 11,9 × 103 j + 6,38 × 103 + 11,3 × 103 j

detA = 19,7 × 103 − 578j

detA = 19,7 × 103 (−0,0293)

Substituindo o vetor constante na primeira coluna da matriz A temos


 
 311(0) 113(−1,571) 
A1 =  ,
311(0) 155,3(−1,243)
100 CAPÍTULO 5. CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA

detA1 = 48,3 × 103 (−1,243) − 35,1 × 103 (−1,571)

detA1 = 15,5 × 103 − 45,7 × 103 j + 7,15 + 35,1 × 103 j

detA1 = 15,5 × 103 − 10,6 × 103 j

detA1 = 18,8 × 103 (−0,598)

Fazendo o mesmo para a segunda coluna da matriz A:

 
 114,9(0,515) 311(0) 
A2 =  ,
114,8(−0,514) 311(0)

detA2 = 35,7 × 103 (0,515) − 35,7 × 103 (−0,514)

detA2 = 31,1 × 103 + 17,6 × 103 j − 31,1 × 103 + 17,6 × 103 j

detA2 = 0 + 35,2 × 103 j

detA2 = 35,2 × 103 (1,571)

As correntes no circuito, então, são:

detA1 18,8 × 103 (−0,598)


I1 = = = 0,954(−0,569) A
detA 19,7 × 103 (−0,0293)
detA2 35,2 × 103 (1,571)
I2 = = = 1,784(1,600) A
detA 19,7 × 103 (−0,0293)
I3 = I1 − I2 = 0,752 − 2,297j = 2,417(−1,255) A

Como exemplo de aplicação, com o valor de I2 podemos calcular a ddp VC2 nos
terminais do capacitor C2 :

VC2 = XC2 I2 = −147j · 1,784(1,600) = 147(−1,571) · 1,784(1,600) = 262(0,029) V.


5.6. TRANSFORMADORES 101

No domínio do tempo, temos:

vC2 (t) = 262sen(120πt + 0,029) V.

5.6 Transformadores

O transformador é o elemento de circuito usado para alterar (transformar) os va-


lores de tensão ou de corrente no circuito. Pode ser usado também no processo
de adequação das impedâncias quando unimos em alguns tipos de circuito par-
tes com impedâncias diferentes. O objetivo é garantir a máxima transferência de
energia sem sobrecarregar o circuito. Este procedimento é chamado de casa-
mento de impedâncias.
Um transformador é formado por um núcleo de ferro com dois enrolamentos,
o primário, com Np espiras, e o enrolamento secundário, com Ns espiras.

VP , IP , Zeq VS , IS , Z

Figura 5.6: Transformador

Quando ligamos o enrolamento primário a um gerador de corrente alternada,


a relação entre as tensões eficazes do enrolamento primário e do enrolamento
secundário é dada por

Ns
Vs = Vp .
Np

A relação entre as correntes eficazes é

Np
Is = Ip .
Ns
102 CAPÍTULO 5. CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA

E a impedância equivalente do circuito primário é

 2
Np
Zeq = Z,
Ns

em que Z é a impedância do circuito secundário.

5.7 Observações

Os capacitores e os indutores são elementos de circuito que permitem o armaze-


namento de energia. Esta propriedade implica que possuem a capacidade de se
opor a que a tensão no circuito varie. Assim, por exemplo, capacitores são fun-
damentais na construção de circuitos de corrente contínua a partir de uma fonte
alternada. Os capacitores podem ser utilizados, também, para manter em funci-
onamento partes de um sistema, em caso de queda repentina na alimentação,
por alguns instantes, de modo a executar procedimentos de segurança.
Os capacitores e indutores podem ser utilizados na construção de filtros, e
devem ser utilizados na construção de osciladores, explorando a ocorrência da
frequência de ressonância, como no caso da emissão e recepção de sinais de
estações de rádio.
Os capacitores, em conjunto com os semicondutores, podem ser utilizados
na construção de circuitos eletrônicos temporizados, explorando a constante de
tempo de circuitos RC. Deve ser notado que todo par de condutores próximos
um do outro simula o comportamento de um capacitor. Para circuitos extensos
isso pode, em geral, ser ignorado, pela capacitância ser muito baixa. No caso
de circuitos que operam com uma frequência alta, isso pode ser um problema, já
que em conjunto com as resistências dos condutores formam circuitos RC, limi-
tando a rapidez dos circuitos. Atualmente, com a frequência de clock atingindo
valores de alguns GHz, e com a miniaturização dos microprocessadores, esse
5.8. EXERCÍCIOS 103

comportamento deve ser, particularmente, levado em consideração.


Já os indutores podem realizar quase todas as aplicações que são realizadas
por capacitores. Diferente do capacitores, indutores são formados por fios con-
dutores sobre um núcleo de ferro, portanto possuem um resistência, que é acres-
cida àquela do circuito. Esta resistência pode ser minimizada, utilizando melho-
res materiais e maior seção transversal, com evidente desvantagem quanto a
custo e quanto a dimensão do circuito. Os indutores geram campos magnéticos
que podem atuar de modo indesejado no circuito, o que implica, por sua vez,
na necessidade de se recorrer à blindagem magnéticas, de novo com reflexos
nos custos do circuito. Por isso, é rara a utilização de indutores em circuitos de
computador, seu uso sendo restrito aos casos em que é necessário a produção
de oscilações.
Mesmo não fazendo uso de indutores, vários componentes, como motores,
relés e outros elementos que possuem um enrolamento, são capazes de funci-
onar como indutores e, eventualmente, induzir o aparecimento de sobretensões
no circuito. A análise de circuitos deve, portanto, levar em consideração estes
efeitos nocivos para buscar minimizá-los.

5.8 Exercícios

1. (a) Em um circuito RLC, a amplitude da tensão do indutor pode ser maior


que a força eletromotriz do gerador? (b) Considere um circuito RLC com
Em = 10 V, R = 10 Ω, L = 1,0 H e C = 1,0 µF. Determine a amplitude da
tensão do indutor na frequência de ressonância.

2. Um circuito LC oscilante é formado por um indutor de 75,0 mH e um capa-


citor de 3,60 µF. Se a carga máxima do capacitor é 2,90 µC, determine (a) a
energia total presente no circuito e (b) a corrente máxima.
104 CAPÍTULO 5. CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA

3. A frequência de oscilação de um circuito LC é 200 kHz. No instante t = 0,


a placa A do capacitor está com a carga positiva máxima. Determine em
que instante t > 0 (a) a placa estará novamente, pela primeira vez, com a
carga positiva máxima, (b) a outra placa do capacitor estará pela primeira
vez com a carga positiva máxima e (c) o indutor estará pela primeira vez
com o campo magnético máximo.

4. Um capacitor variável, de 10 a 365 pF, e um indutor formam um circuito


LC de frequência variável usado para sintonizar um receptor de rádio. (a)
Qual é a razão entre a maior frequência e a menor frequência natural que
pode ser obtida usando este capacitor? Se o circuito deve ser usado para
obter frequências entre 0,54 MHz e 1,60 MHz, a razão calculada no item
(a) é grande demais. A faixa de frequências pode ser modificada ligando
um capacitor em paralelo com o capacitor variável. (b) Qual deve ser o
valor da capacitância adicional para que a faixa de frequências seja a faixa
desejada? (c) Qual deve ser a indutância do indutor do circuito?

5. Para montar um circuito LC oscilante, você dispõe de um indutor de 10 mH,


um capacitor de 5,0 µF e um capacitor de 2,0 µF. Determine (a) a menor
frequência, (b) a segunda menor frequência, (c) a segunda maior frequên-
cia e (d) a maior frequência de oscilação que pode ser conseguida combi-
nando esses componentes.

6. Um circuito de uma única malha é formado por um resistor de 7,20 Ω, um


indutor de 12,0 H e um capacitor de 3,20 µF. Inicialmente, o capacitor possui
uma carga de 6,20 µC e a corrente é zero. Calcule a carga do capacitor após
N ciclos completos (a) para N = 5, (b) para N = 10 e (c) para N = 100.

7. Uma bobina com 88 mH de indutância e resistência desconhecida e um


capacitor de 0,94 µF são ligados em série com um gerador cuja frequência
5.8. EXERCÍCIOS 105

é 930 Hz. Se a diferença de fase entre a tensão aplicada pelo gerador e a


corrente no circuito é 75°, qual é a resistência da bobina?

8. Um aparelho de ar condicionado ligado a uma tomada de 120 Vrms é equiva-


lente a uma resistência de 12,0 Ω e uma reatância indutiva de 1,30 Ω ligadas
em série. Determine (a) a impedância do aparelho e (b) a potência consu-
mida pelo aparelho.

9. Na Fig. 5.4, com a chave S na posição a, R = 15,0 Ω, C = 4,70 µF e


L = 25,0 mH. O gerador produz uma força eletromotriz com uma tensão
rms de 75,0 V e uma frequência de 550 Hz. (a) Qual é a corrente rms?
Determine a tensão rms (b) em R, (c) em C, (d) em L, (e) em C e L juntos e
(f) em R, C e L juntos. Determine a potência média dissipada (g) em R, (h)
em C e (i) em L.

10. Um transformador possui 500 espiras no primário e 10 espiras no secundá-


rio. (a) Se Vp = 120 V (rms), quanto é Vs , com o secundário em circuito
aberto? Se o secundário está ligado a uma carga resistiva de 15 Ω, deter-
mine (b) a corrente no primário e (c) a corrente no secundário.

11. Um circuito RLC série é excitado por um gerador com uma frequência de
2000 Hz e uma amplitude de 170 V. A indutância é 60,0 mH, a capacitân-
cia é 0,400 µF e a resistência é 200 Ω. (a) Qual é a constante de fase em
radianos? (b) Qual é a amplitude da corrente?

12. Um circuito série com a combinação resistor-indutor-capacitor R1 , L1 , C1


tem a mesma frequência de ressonância que um segundo circuito com uma
combinação diferente, R2 , L2 , C2 . As duas combinações são ligadas em
série. Mostre que a frequência de ressonância do novo circuito é a mesma
dos dois circuitos separados.
106 CAPÍTULO 5. CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA
Parte III

SEMICONDUTORES

107
Capítulo 6

Diodos

Inicialmente vamos descrever algumas das propriedade dos semicondutores.

6.1 Semicondutores

Os elementos da tabela periódica chamados de semicondutores são o boro (B),


silício (Si), germânio (Ge), arsênio (As), antimônio (Sb), telúrio (Te) e polônio
(Po), conhecidos como semi-metais. Atualmente, a distinção entre as proprie-
dades condutoras dos elementos tornou obsoleto o termo semi-metal, reconhe-
cendo apenas metais e ametais. O B, o Si, o As e o Te são considerados ametais
e o Ge, o Sb e o Po são considerados como metais. Suas propriedades mais im-
portantes vem da configuração eletrônica. Como exemplo, considere o silício.
Primeiro, um átomo de Si em um cristal deve fazer uma ligação covalente com
outro átomo de Si. Portanto, como possuem quatro elétrons na última camada,
forma ligações covalentes com quatro outros átomos de silício, de modo a exibir
oito elétrons na última camada e adquirir estabilidade.
A Física Quântica, para explicar a estabilidade dos átomos, propõe que seus
elétrons só possam ocupar níveis e subníveis específicos de energia. Cada sub-
nível pode receber dois elétrons, um com spin para baixo e outro com spin para

109
110 CAPÍTULO 6. DIODOS

cima. Os elétrons dos níveis mais internos estão fortemente ligados ao núcleo
atômico. Os elétrons das últimas camadas, estão mais soltos.
Quando é formado um cristal, esses níveis e subníveis de energia são com-
binados, de modo a formar bandas de energia. Lembre-se, um mol de qualquer
substância contém mais de 1023 átomos, o que mostra que em um cristal ma-
croscópico essas bandas são realmente largas. Em um condutor, por exemplo
o cobre (Cu), que possui um elétron na sua última camada, essa banda está
bem vazia, e qualquer energia extra, por exemplo, térmica, fornecida ao cristal
faz com que um elétron abandone o seu átomo e “circule” pelo cristal. Em um
material isolante, por outro lado, a banda correspondente aos últimos elétrons
está cheia, e a próxima, vazia, corresponde a uma energia muito maior do que
a energia térmica ambiente pode fornecer. Em um semicondutor, por exemplo
o Si, a situação é parecida, a última banda está completa, mas a próxima livre
não está tão distante (em termos de energia) assim. Um acréscimo de energia
pode ser suficiente para vencer o gap de energia e levar elétrons para a banda
vazia e fazer com que o material se comporte melhor como um condutor. Esse é
o motivo da constante térmica da resistividade, vista no Cap. 1, ser negativa no
caso dos semicondutores, significando que a resistividade diminui com a tempe-
ratura, e não aumenta, como no caso dos condutores. O grau de impurezas de
um semicondutor intrínseco é menor que uma parte em um milhão (ppm).
Se em um cristal de silício, por exemplo, alguns átomos forem substituídos
por fósforo (P) que possui cinco elétrons na última camada, o quinto elétron
estará livre para se mover no cristal, fazendo com que o material se comporte
como um condutor. Este processo, de substituir alguns átomos de silício por
um de fósforo é chamado de dopagem, e o cristal resultante é chamado de tipo
n. Se, pelo contrário, o átomo de silício for substituído por um de alumínio (Al),
que possui três elétrons na sua última camada, isso causa o aparecimento de um
ligação covalente ausente. Qualquer elétron nas imediações pode ser capturado,
6.1. SEMICONDUTORES 111

desfalcando outras ligações. Podemos dizer que essa ausência, chamada de


lacuna, se comporta como uma carga positiva, e ela pode se deslocar ao longo
do cristal. Nesse caso, o cristal é do tipo p. O semicondutor dopado é chamado
de extrínseco. A concentração de impurezas no semicondutor extrínseco é da
ordem de 100 a 1000 ppm.
Se juntarmos um semicondutor do tipo n com um do tipo p formamos uma
junção pn. Para que esta junção funcione na prática, é necessário que ela ocorra
no mesmo cristal, isso, as duas partes, p e n, devem crescer juntas, formando
um contínuo cristalino. O motivo é que em volta do cristal se forma uma película
de óxido, que funciona como um isolante na prática.
O efeito imediato ao fazer a junção é a formação de uma região especial pró-
xima da junção, chamada de zona de depleção. O aparecimento dessa região
se deve à movimentação de cargas. Elétrons do cristal tipo n são atraídos e
capturados pelas lacunas no lado p. O mesmo ocorre em sentido inverso, as
lacunas migram para o lado n. Quando os elétrons abandonam o lado n, os áto-
mos fica carregados positivamente, tendendo a impedir a migração das lacunas.
O mesmo ocorre no lado p, a chegada de elétrons ocupando as lacunas que fica-
ram, força o aparecimento de um átomo carregado negativamente, o que tende
a inibir a movimentação de mais elétrons. Como resultado, a região de depleção
funciona como um isolante, impedindo a migração de cargas de um lado para
outro da junção.

6.1.1 Polarização na junção pn

Ao ligar os terminais de um bateria de corrente contínua às extremidades de um


junção pn, estabelecemos uma diferença de potencial que causa o surgimento
de um campo elétrico no interior do semicondutor. Podemos identificar duas
situações, dependendo da polarização da conexão.
112 CAPÍTULO 6. DIODOS

Polarização direta

Ligando o terminal positivo da bateria ao lado p da junção e o terminal negativo


ao lado n, estabelecemos um campo elétrico no interior da junção que causa
uma diminuição na largura da zona de depleção: mais elétrons serão repostos
no lado n pela fonte e o polo positivo irá absorver elétrons da parte p, gerando
mais lacunas. Então os elétrons se movimentam do lado n para o p e as lacunas
do lado p para o n. O movimento de elétrons e de lacunas gera uma corrente
elétrica que flui na junção no sentido da parte p para a parte n. O resultado seria
aquele esperado para o comportamento aproximado de um condutor, isto é, uma
junção pn diretamente polarizada se comporta como um condutor, mantendo
uma corrente no circuito.

Polarização inversa

Se a ligação for do terminal positivo da bateria ao lado n e do terminal negativo ao


lado p, haverá um alargamento da zona de depleção: os elétrons livres do lado
n irão migrar para o polo positivo da bateria e as lacunas da parte p irão receber
elétrons do polo negativo. Os átomos do lado n que perderam elétrons estão
carregados positivamente e o do lado p que ganharam elétrons estão carrega-
dos negativamente. O processo continua até que o campo elétrico que surge na
junção atinja o mesmo módulo do campo elétrico produzido pela diferença de po-
tencial, e sentido contrário. Isso representa, na prática, um comportamento como
o de um capacitor completamente carregado, e a corrente cessa no circuito.

6.2 Diodo semicondutor de junção

Um diodo semicondutor de junção tem seu princípio de funcionamento baseado


na propriedade da junção pn. Sua ligação no circuito deve ser executada de
6.2. DIODO SEMICONDUTOR DE JUNÇÃO 113

acordo com o objetivo, do contrário não será obtido o efeito desejado. Isso é di-
ferente dos demais elementos de circuito já visto, onde a polaridade do elemento
não era importante. O elemento de circuito é representado por:

Onde a parte superior representa o lado n (catodo) e o inferior o p (anodo),


isso é, a corrente deve passar no sentido indicado. O componente real é vendido
no formato cilíndrico com uma faixa no lado do catodo, ou com a ‘perna’ do
catodo com comprimento menor que a do anodo, ou então com um chanfro do
lado do catodo.
A relação tensão-corrente no diodo é diferente da tensão no resistor ôhmico,
por exemplo1 .

Figura 6.1: Curvas tensão-corrente para um diodo e para um resistor.


1
Adaptado de Érick Luiz Wutke Ribeiro, also known as: Delemon, CC BY 3.0,
https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=2922449
114 CAPÍTULO 6. DIODOS

Na Fig. 6.1 a reta em azul representa a curva tensão-corrente para um re-


sistor ôhmico, e a curva vermelha para um diodo de junção pn típico. A curva
mostra que um diodo se comporta como um resistor quando recebe uma cor-
rente direta acima de V0 , e como um isolante em sentido contrário de corrente.
Essa curva será diferente para cada semicondutor, mas em geral possuem essa
forma. A zona de disruptura, na figura, mostra que, se a tensão reversa for menor
que Vz , o diodo será destruído. Para valores de tensão reversa entre 0 e Vz pode
ocorrer uma corrente, chamada de corrente de fuga, em geral muito menor que
a corrente para a tensão direta.

6.2.1 Modelagem matemática

Para a modelagem do diodo no circuito, consideramos que para tensão reversa


ele se comporta como um circuito aberto. Para tensão direta entre 0 e V0 , o diodo
se comporta como um curto circuito, e para tensão acima de V0 se comporta
como um resistor de resistência RD . Nessa modelagem não está sendo levado
em consideração a corrente de fuga, que é da ordem de 10−3 da corrente normal
do circuito. A tensão V0 é da ordem de 0,6 V para diodos de silício e de 0,2 V
para diodos de germânio. Se a resistência do circuito for muito grande, da ordem
de 103 Ω, então a resistência RD pode ser desprezada e o diodo considerado um
curto circuito a partir de V0 . A potência dissipada será

P = VD ID , (6.1)

onde VD e ID são a tensão e a corrente na polarização direta no diodo. Se o diodo


estiver inversamente polarizado, como ID = 0 segue que a potência dissipada é
zero também.
6.3. OUTROS TIPOS DE DIODOS 115

6.3 Outros tipos de diodos

Existem outros tipos de diodos, vamos tratar de alguns aqui.

6.3.1 Diodo zener

Um diodo zener é construído como um diodo semicondutor de junção, porém


possui a característica de não se danificar quando opera em polarização inversa.
Cada diodo zener permite a passagem de corrente a partir de uma tensão re-
versa específica, chamada de tensão zener. O gráfico tensão corrente para um
diodo zener que suporta tensão reversa de 17 V está mostrado na Fig. 6.22

Figura 6.2: Curva tensão-corrente para um diodo zener.

O diodo Zener pode funcionar tanto diretamente ou inversamente polarizado.


Na polarização direta funciona como outro diodo qualquer, isto é, não conduz
corrente elétrica enquanto a tensão aplicada aos seus terminais for inferior a
aproximadamente 0,6 V no caso do de silício ou 0,3 V no de germânio. A partir
desta tensão mínima começa a condução elétrica, que inicialmente é pequena
mas que aumenta rapidamente.
2
Filip Dominec, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=1440010
116 CAPÍTULO 6. DIODOS

A função principal de um diodo zener é funcionar como um regulador de ten-


são, isto é, em circuitos onde é necessária uma tensão constante. O componente
diodo zener é representado no circuito como

com o sentido da corrente direta igual ao do diodo comum.

Modelagem matemática

Para a modelagem matemática do diodo zener, precisamos considerar os dois


regimes. No caso de tensão direta, o diodo se comporta como um circuito aberto
até a tensão V0 (aproximadamente 0,6 V no silício e 0,3 V no germânio) e como
um curto circuito a partir dessa tensão. Para o regime inverso, até a tensão
definida em fábrica Vz o diodo se comporta como circuito aberto, e como curto-
circuito para V ≤ Vz . A potência dissipada no diodo, para cada caso em que
existe condução, é:

P = V0 Iz e P = Vz Iz ,

em polarização direta e inversa, respectivamente, e com Iz a corrente no diodo.


Um diodo zener deve operar, em polarização inversa, dentro de uma faixa de
correntes Imin < I < Imax . A corrente máxima Imax permitida é determinada pelo
fabricante, com a informação da potência máxima suportada. A corrente mínima
Imin garante que o diodo não opera na região não-linear da curva I × V . Essa
informação pode ser fornecida pelo fabricante, ou, se ausente, podemos assumir
10% de Imax . O modelo a ser usado, em geral, pode ser o da Fig. 6.3.
6.4. ANÁLISE DE CIRCUITOS COM DIODOS 117

Vz
V
V0
Imin
Imax

Figura 6.3: Modelo matemático para o diodo zener.

6.3.2 Diodo emissor de luz

O diodo emissor de luz (ou LED), é um diodo semicondutor, que na passagem


da corrente elétrica na forma direta, a dissipação de energia se faz na forma de
emissão de fótons e não na forma de calor. Nos diodos de silício ou germânio
a produção de luz é desprezível, mas o mesmo não ocorre, por exemplo, nos
diodos de arsenieto de gálio (GaAs). A luz produzida não é monocromática mas
possui um pico acentuado para determinados comprimentos de onda. Esse pico
depende do dopante utilizado. Para todos os efeitos, no circuito, o LED é um
diodo semicondutor de junção. O símbolo no circuito é

6.4 Análise de circuitos com diodos

Para a análise de um circuito contendo diodos, isto é, para a determinação da


corrente em cada ramo de uma malha, é preciso determinar cada possível estado
de operação do diodo. Como esse resultado só pode ser obtido como produto
final da análise, fazemos uma suposição inicial de estado e verificamos o sinal da
118 CAPÍTULO 6. DIODOS

corrente obtida, se for negativo, então a suposição inicial deveria ser a contrária,
e precisamos reiniciar o processo, agora supondo o estado oposto. Observe que
esse modo de agir é o contrário daquele para circuitos sem diodos, uma vez
que um resultado de corrente negativo não impõe um recálculo das correntes no
circuito.

6.4.1 Exemplos

Vamos ver alguns casos simples para a determinação da ddp nos terminais e a
corrente no diodo.

(i) Circuito com LED

Vamos considerar o circuito simples da Fig. 6.4. Uma fonte de fem E ligada em
série em um circuito com resistor de resistência R e um diodo D. Sejam VR e VD
as ddp’s nos terminais do resistor e do diodo, respectivamente, e i a corrente no
circuito. Queremos determinar a corrente I e a ddp nos terminais do diodo VD .

i
+
R vR
+ −
E
− +
vD D

Figura 6.4

Podemos resolver esse problema analiticamente ou graficamente. A equação


que relaciona i × v para o diodo é

I(v) = IS eqV/kT − 1 ,

(6.2)
6.4. ANÁLISE DE CIRCUITOS COM DIODOS 119

onde IS é a corrente de saturação no diodo (para um diodo de silício um valor


típico é 1 × 10−12 A), q = 1,6 × 10−19 C é a carga do elétron, k = 1,38 × 10−23
J·K-1 é a constante de Boltzmann, e T é a temperatura absoluta (em Kelvin).
Essa equação é não linear, e pode ser muito complicada de resolver, ou então
resolvida numericamente.
Graficamente, notamos na Fig. 6.1 que a partir de um certo valor V0 , o gráfico
I × V é aproximadamente uma reta vertical. Para um diodo de silício, V0 = 0,7 V,
aproximadamente.
Podemos obter uma equação linear para a ddp nos terminais do diodo e plotar
no mesmo gráfico da ig. 6.1. Onde as curvas se encontrarem será o resultado
buscado. Suponha que a fonte de fem seja E = 3,0 V, e que a resistência R =
330 Ω. A corrente no resistor (e portanto no diodo) é

VR
I= .
R

Como VR = E − VD segue que

E − VD
I=
R
3 0,7
I= −
330 330
I = 9,0 × 10−3 − 3,0 × 10−3 vD .

Essa é a equação de uma reta x = ax + b, com coeficiente angular a = −3,0


mA e intercepto b = 9,0 mA. Plotando os gráficos obtemos a Fig. 6.5, onde a
linha vertical azul é uma simplificação da curva de corrente versus tensão para
o diodo, a linha preta representa a reta obtida, e a linha vermelha mostra o valor
i ≈ 7 mA da corrente no ponto de interseção das curvas.
120 CAPÍTULO 6. DIODOS

Figura 6.5: Gráfico da curva I × V para o exemplo com diodo LED.

(ii) Circuito com diodo zener

Considere o circuito da Fig. 6.6. Uma fonte de fem Vi ligada em série a um


resistor de resistência R e a um diodo zener Dz . Um circuito com resistência RL
está ligado aos terminais do diodo zener. A tensão de trabalho na polarização
inversa do zener é Vz e a potência máxima dissipada pelo diodo é Pmax .

+ +

+
Vi Vz Dz VL RL

− −

Figura 6.6
6.4. ANÁLISE DE CIRCUITOS COM DIODOS 121

Observe que nesse circuito o diodo está na posição de polarização inversa,


o que faz com que o circuito funcione com uma tensão constante, desde que a
corrente no zener fique dentro da faixa de valores aceitável.
Como um exemplo, determine o valor de Vi que mantém o diodo ligado,
quando R = 150 Ω, RL = 3,3 kΩ e que o diodo zener seja o 1N753 (com uma
tensão nominal Vz = 6,2 V e Pmax = 500 mW). Para resolver esse problema, ob-
serve que a tensão da fonte Vin deve ser tal que o diodo está ligado. Seja Vz a
tensão no zener e VL a tensão de saída do circuito. O diodo zener está ativado
quando VL ≥ Vz e desligado se VL < Vz (se não houver o zener, em ambos os
casos). Como sem o diodo zener temos apenas dois resistores em série

RL
VL = Vi ,
RL + R

segue que a tensão mínima da fonte Vimin deve ser (fazendo VL = Vz )

RL + R
Vimin = Vz
RL
3300 + 150
Vimin = 6,2
3300
Vimin = 6,5 V

Para a tensão máxima da fonte, observamos que a potência dissipada no diodo


deve ser menor que 500 mW. Pela lei dos nós, no circuito temos que Iz = IR − IL ,
então a corrente máxima no circuito deve ser

IRmax = Izmax + IL . (6.3)

Mas a tensão máxima da fonte está relacionada com a corrente máxima

Vimax = VRmax + Vz = IRmax R + Vz .


122 CAPÍTULO 6. DIODOS

Então, substituindo o valor de IRmax (Eq. 6.3) e lembrando que Izmax = Pmax /Vz ,
temos

Vimax = (Izmax + IL ) R + Vz
 
Pmax VL
Vimax = + R + Vz
Vz RL
 
Pmax Vz
Vimax = + R + Vz
Vz RL
 
0,500 6,2
Vimax = + 150 + 6,2 = 18,5 V.
6,2 3300

Portanto, a fonte deve operar entre 6,5 e 18,5 V.

(iii) Ponte retificadora

Um circuito retificador serve para transformar uma tensão de uma fonte alter-
nada vi = Vi sen(ωd t) em uma tensão contínua. Esse tipo de circuito faz uso das
propriedades de um diodo, de permitir a passagem de corrente em apenas um
sentido. Existem várias formas de cumprir essa função. Uma das possibilidades
é através da ponte retificadora. Um ponte retificadora faz uso de quatro diodos
retificadores. Existem duas fases de funcionamento:

1. Quando a tensão de entrada está no semiciclo positivo, isto é vi > 0, os


diodos D1 e D4 estão conduzindo enquanto que D2 e D3 estão em tensão
reversa, não conduzindo. A tensão na carga é igual à tensão na entrada.

2. Quando a tensão de entrada está no semiciclo negativo, vi < 0, os diodos


D2 e D3 estão conduzindo e os diodos D1 e D4 estão sem conduzir. A
tensão continua sendo positiva, ou seja, a corrente na carga circula no
mesmo sentido que na etapa anterior.

O resultado é que a tensão nos terminais da carga RL tem o mesmo sinal


o tempo todo, uma das características da corrente contínua. A tensão ainda
6.4. ANÁLISE DE CIRCUITOS COM DIODOS 123

varia, embora sem variar o sinal. Uma forma de estabilizar o valor da tensão
é ligar um capacitor em paralelo com a carga. Quando a tensão atinge o valor
máximo e o capacitor está carregado, a diminuição da tensão faz com que o
capacitor comece a se descarregar, suprindo a tensão declinante da fonte. O
resultado é que variação senoidal da tensão é muito aliviada. Dependendo do
valor do capacitor, o ripple pode ser muito reduzido. O fator de ripple é dado em
porcentagem da variação aceitável de tensão na carga.
D3
1
D

C Dz RL

vi
D2

4
D

Figura 6.7: Ponte retificadora com capacitor e zener.

Observe que os diodos fazem o papel de retificar a tensão. Os valores de


tensão e corrente na carga não dependem dos diodos. Assim, uma preocupação
ao montar a ponte retificadora é escolher o valor dos diodos de modo a que
resistam à potencia dissipada na carga. Essa potência depende, claro, do valor
da tensão de entrada Vi e da resistência da carga RL . Como exemplo, suponha
que a fonte tenha uma tensão eficaz de 12 V e que a carga tenha resistência
RL = 5 Ω. Determine a potência máxima dissipada na carga.
A potência dissipada na carga é obtida a partir da fonte e é, por definição,

V2
P = .
R

A potência máxima ocorre quando a tensão no resistor for máxima. A tensão


124 CAPÍTULO 6. DIODOS

eficaz e a tensão máxima na fonte estão relacionadas pela Eq. 5.3:

Vmax √
Vrms = √ =⇒ Vmax = 2Vrms ,
2

portanto

2
Vmax
Pmax =
RL
2
2Vrms
Pmax =
RL
2 · 122
Pmax =
5
Pmax =57,6 W.

A potência eficaz é calculada da mesma maneira, só que utilizando a tensão


eficaz. Para esse circuito a potência eficaz, então , é Prms = 57,6 W.

6.5 Exercícios

1. No exemplo 6.4.1(i) com o diodo LED, queremos usar um resistor de resis-


tência R = 47 Ω. Qual o valor da corrente no diodo? Esse é um valor que é
mais adequado para a operação de um LED com brilho mais forte.

2. No exemplo 6.4.1(ii) com o diodo zener, se a fonte tem tensão 15 V, qual o


valor mínimo da resistência RL para que a tensão esteja regulada?

3. No circuito da Fig. 6.6, considere Vi = 25 V, Vz = 12 V, R = 920 Ω e RL =


2,4 kΩ. Determine a corrente na carga, no zener e na fonte.

4. Qual a função do zener no circuito da Fig. 6.7? Qual o efeito sobre o zener
se for retirado o capacitor?
Capítulo 7

Transistores

Um transistor é um elemento de circuito que funciona permitindo ou não a pas-


sagem de uma corrente por ele. De certa forma, um transistor se comporta como
uma chave. Um transistor bipolar de junção é construído utilizando três semicon-
dutores dopados de tipo N e de tipo P. A combinação pode ser do tipo NPN ou
PNP.

7.1 Princípio de funcionamento

emissor (E)

base (B) P

coletor (C)

Figura 7.1

Considere o primeiro caso, tipo NPN (o outro, PNP, é equivalente). Um semicon-


dutor do tipo P é unido, em ambos os lados, a um semicondutor do tipo N, como

125
126 CAPÍTULO 7. TRANSISTORES

na Fig. 7.1. Cada uma das junções se comportam como aquelas vistas no caso
do diodo, isto é, permitem a passagem de corrente se polarizadas diretamente e
impedem se polarizadas inversamente. Como cada parte do transistor está co-
nectada a uma fonte, é possível que uma junção esteja conectada diretamente e
a outra inversamente. Vamos considerar primeiramente o caso em que a junção
base-emissor está polarizada diretamente e a junção base-coletor inversamente.

emissor base coletor

N P N

R
IB

IE − + − + IC

Figura 7.2: Transistor na região ativa direta.

O comportamento dos elétrons na junção emissor-base é o que se espera


de uma polarização direta: os elétrons fluem do emissor e tendem a entrar na
base. Como a junção está polarizada diretamente, diminui a zona de carga es-
pacial e ocorre condução na junção. Para os elétrons que entram na base vindos
do emissor, a tendência é que ultrapassem a zona de carga espacial da jun-
ção base-coletor, sendo atraídos pelo polo positivo da fonte. Quanto maior for a
corrente nos terminais da junção emissor-base, maior a aceleração dos elétrons
e maior a corrente na junção base-coletor. Dessa maneira a corrente na junção
emissor-base funciona como um mecanismo de controle da corrente entre a base
e o coletor. Um transistor pode operar em quatro regiões: região de corte, onde a
corrente no coletor é bloqueada completamente, quando as duas junções estão
polarizadas inversamente; região de saturação, a corrente na base não interfere
na corrente no coletor, que ocorre quando as duas junções estão polarizadas
diretamente; a região ativa direta (RAD), a corrente no coletor é controlada pela
7.1. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO 127

corrente na base, quando a junção coletor emissor-base está diretamente pola-


rizada e a coletor-base inversamente (Fig. 7.2), amplificando a corrente na base;
e a região ativa reversa (RAR), quando a junção emissor-base está polarizada
inversamente e a base-coletor diretamente, e que corresponde a um amplificador
com ganho menor do que um.

7.1.1 Elemento de circuito

O elemento de circuito transistor é representado por

C C

B B

E E
(a) Transistor NPN. (b) Transistor PNP.

Figura 7.3: Transistores bipolares de junção.

Para as aplicações de um transistor ao circuito, ele deve ser conectado como


um elemento quadripolar, a tensão aplicada de entrada controlando a tensão de
saída. A conexão de um transistor, que possui três terminais, ao circuito, como a
fonte possui dois polos, supõe uma ligação em comum. Essas três configurações
são chamadas, considerando quais terminais são comuns à entrada e à saída,
base comum, emissor comum e coletor comum.

(a) Coletor comum. (c) Emissor comum.


(b) Base comum.

Figura 7.4: Conexões possíveis para um transistor NPN.

Na primeira configuração (Fig. 7.4a), a ddp é aplicada entre os terminais da


base e do coletor e a saída é obtida entre o emissor e o coletor. Na segunda,
128 CAPÍTULO 7. TRANSISTORES

(Fig. 7.4b), a entrada é aplicada à base e ao emissor e a saída é obtida entre


a base e o coletor. Na terceira, (Fig. 7.4c), a ddp de entrada é aplicada entre a
base e o emissor, e a saída é obtida entre o emissor e o coletor, novamente. A
configuração mais utilizada é a emissor comum, porque permite um maior ganho
de potência.

7.2 Regiões de operação do transistor bipolar de

junção NPN

O transistor, como é formado por duas junções, pode operar em quatro regiões
distintas, considerando as polarizações na junção base-emissor e base-coletor.

Região ativa direta (RAD) O transistor opera nessa região quando a junção
base-emissor está polarizada diretamente e a junção base-coletor está po-
larizada inversamente. Nesta situação o transistor apresenta um proporci-
onalidade na relação das correntes IB e IC , e funciona como um amplifica-
dor, com ganho maior do que um.

Região ativa reversa (RAR) Aqui a junção base-emissor está polarizada inver-
samente, e a junção base-coletor diretamente. O efeito ainda é de amplifi-
cação, mas com ganho de potência menor do que um.

Região de saturação Quando as duas junções estão polarizadas diretamente.


Neste caso, a situação ideal prevê que o transistor não afeta a passagem
da corrente, correspondendo a uma chave fechada (curto-circuito).

Região de corte Se as duas junções se apresentam polarizadas inversamente,


então não devemos esperar passagem de corrente, com o transistor se
comportando como uma chave aberta (circuito aberto).
7.3. TRANSISTOR BIPOLAR EM OPERAÇÃO NA RAD 129

As duas últimas regiões correspondem ao uso em circuitos digitais, por que


nesse tipo de circuito estamos interessados em apenas dois estados, o alto e
o baixo, que podem ser representados pela presença/ausência de corrente no
circuito.

7.3 Transistor bipolar em operação na RAD

Considere um transistor bipolar NPN, operando na configuração emissor comum,


na região ativa direta (RAD). Nessa região, como vimos, a junção base-emissor
está polarizada diretamente e a junção base-coletor, inversamente. Operando
nessa região, o transistor funciona como um amplificador. É muito utilizada em
circuitos analógicos.
Chamaremos as variáveis do transistor de:

• IB , corrente na base, sempre maior que zero na RAD;

• IC , corrente no coletor, sempre maior que zero na RAD;

• IE , corrente no emissor, IE = IC + IB ;

• VCE tensão entre o coletor e o emissor, sempre maior que zero na RAD;

• VBE tensão entre a base e o emissor, VBE = 0,6 V na RAD;

• VCB tensão entre o coletor e a base.

Na RAD, as correntes IC e IB são proporcionais, e a constante de proporcio-


nalidade, β, representa o ganho de corrente. Quando a corrente IB é nula, devido
a deriva a corrente IC não é nula. Vamos chamar essa corrente que acontece do
emissor para o coletor, de ICE0 . A corrente no coletor, então é

IC = βIB + ICE0 . (7.1)


130 CAPÍTULO 7. TRANSISTORES

O ganho β não é um valor constante, depende da tensão VCE entre o coletor


e o emissor. Um resultado típico obtido em laboratório é mostrado na Fig. 7.31 :

Figura 7.5: Curvas características do transistor bipolar de junção NPN em RAD.

Baseado nessas considerações, podemos construir um modelo matemático


para o transistor bipolar de junção NPN no RAD:

1. Existe uma ddp de 0,6 V entre a base e o emissor, como foi visto para
diodos diretamente polarizados;

2. A corrente ICE0 será considerada nula, uma vez que é da ordem de nano-
ampères;

3. Se considerarmos IC pequena podemos estimar o galho β constante;

4. Então, consideramos IC = βIB , com β constante.


1
<http://macao.communications.museum/por/Exhibition/secondfloor/moreinfo/2_10_3_
HowTransistorWorks.html>
7.3. TRANSISTOR BIPOLAR EM OPERAÇÃO NA RAD 131

7.3.1 Exemplo

Considere o circuito da Fig. 7.6.

R2 IC
R1
β
IB E2
E1

Figura 7.6: Exemplo de circuito com transistor em RAD.

Devido ao fato que o transistor está operando na RAD, sabemos que a cor-
rente na malha esquerda é IB e percorre a resistor R1 no sentido horário. Na
malha esquerda, a corrente que percorre R2 é IC , no sentido anti-horário. A cor-
rente no emissor é, obviamente, IE = IC + IB . Suponha a fonte E1 = 5,0 V, a
fonte E2 = 12 V, os resistores sejam R1 = 56 kΩ e R2 = 1 kΩ. Suponha que o
ganho seja β = 100. Na prática, o circuito pode ser representado por

R2 IC

+
VCE
V
R1 IB + D− − +
II E
−2
+
E I
−1

onde o transistor foi substituído por uma fonte de tensão, equivalente a um diodo
de junção, com ddp VD , e por uma fonte de corrente, com ddp VCE . A aplicação
132 CAPÍTULO 7. TRANSISTORES

das leis de Kirchhoff fornece:

(I) E1 − R1 IB − VD = 0

(II) E2 − R2 IC − VCE = 0.

Substituindo os valores temos:

(I) 5,0 − 56 × 103 IB − 0,6 = 0

(II) 12 − 1 × 103 IC − VCE = 0.

Da equação (I) obtemos

5,0 − 0,6
IB = × 10−3 = 0,0786 × 10−3 = 78, 6 µA.
56

Como IC = βIB , temos que

IC = 100IB = 7,86 mA.

Então, da equação (II) podemos obter o valor de VCE :

VCE = 12 − 7,86 × 10−3 × 103 = 4,14 V.

7.4 Transistor operando na região de saturação e

corte

Vamos considerar um transistor de junção bipolar do tipo NPN na configura-


ção de emissor comum. Adaptando o exemplo anterior, considere o circuito da
Fig. 7.7. O transitor está em RAD e a única diferença com o exemplo anterior
foi o acreścimo de um resistor ligado ao terminal do emissor RE . Aplicando as
7.4. TRANSISTOR OPERANDO NA REGIÃO DE SATURAÇÃO E CORTE 133

leis de Kirchhoff, considerando o transistor em RAD como formado por um diodo


de junção e uma fonte de tensão, temos para a malha esquerda, percorrida no
sentido horário (lembrando que IC = βIB )

0 = E1 − RB IB − VD − RE IE

0 = E1 − RB IB − VD − RE (IB + IC )

0 = E1 − RB IB − VD − RE (IB + βIB )
E1 − VD
IB = .
RB + RE (1 + β)

A corrente IB depende da ddp E1 , se esta for menor que VD , então a corrente IB


será nula, por que na prática a junção base emissor estará polarizada inversa-
mente também, o que caracteriza a região de corte (IC nunca será nula, devido
à corrente de deriva, mas será muito pequena).

RC IC
RB
β
IB
E2
E1
RE

IE

Figura 7.7

Para a malha da direita, percorrida no sentido anti-horário (e considerando


que IE ≈ IC , uma vez que a corrente IB é muito menor que IC ), temos:

0 = E2 − RC IC − VCE − RE IC

E2 = VCE + (RC + RE )IC


134 CAPÍTULO 7. TRANSISTORES

que é a equação de uma reta, com IC em função de VCE . Como E2 é constante,


a última equação mostra que a corrente IC e a ddp VCE variam inversamente,
isto é, se uma aumenta a outra diminui. Observamos também que a tensão
VCE não pode ser menor do que zero, uma vez isto implicaria na corrente IC
E2
ultrapassando o valor , o que é fisicamente impossível. VCE também
RE + RC
não pode ser maior que E2 . Por outro lado, a corrente IC não pode ser menor do
que zero, por que o transistor neste caso não estaria em RAD. Plotando a função
em um gráfico, com estes valores limites, temos:

IC
E2
RE + RC

E2 VCE

Se a corrente IC (lembre-se, ela é controlada por IB ) alcança seu valor limite


E2
RE +RC
, de modo que VCE = 0, como vemos na curva de carga, o transistor vai
operar na região de saturação. Nesta região, tanto a junção emissor-base como
a coletor-base estão polarizadas diretamente, e o fluxo de elétrons através das
junções em direção à base não encontra obstáculos. A corrente IC vai depender
apenas das resistências presentes na malha direita.
Se IC = 0, então VCE = E2 e o transistor opera em corte. Como visto antes,
esta situação corresponde às duas junções operando inversamente polarizadas.