Você está na página 1de 1

Exposição virtual de divulgação científica na área de Ciências da

Natureza e suas Tecnologias

Alvaro Carlos Galdos-Riveros1, Alice Braga de Souza2, João Manoel de Avila


Lourenço2, Clarianna Martins Baicere Silva3, Lorenna Cardoso Rezende4
1
Professor (UNIFASIPE, Faculdade de Farmácia, câmpus Sinop)
2
Bolsista (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso)
3
Professora (Universidade Federal de Mato Grosso câmpus Sinop, Instituto de Ciências da Saúde,
Enfermagem)
4
Professora (Universidade Federal de Mato Grosso câmpus Sinop, Instituto de Ciências da Saúde,
Medicina Veterinária)
E-mail do(a) primeiro(a) autor(a): alvarogaldos@alumni.usp.br

Resumo: O site Guajupiá Ciência e Vida foi criado para ser um canal de divulgação científica e para apoiar
os professores do Ensino Básico no preparo do material de ensino na área de Ciências da Natureza e suas
Tecnologias. Guajupiá significa paraíso, jardim, é o céu para os índios Tupinambás, escolhemos este nome
como uma forma de homenagear a cultura indígena tão expressiva no estado do Mato Grosso, e se referir
aos elementos da natureza. Este site está hospedado no portal da Universidade Federal de Mato Grosso e
abriu, durante a 17ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, a exposição virtual “Os Detalhes da Vida
Selvagem”. O material expográfico foi criado para envolver o público e estimular reflexões sobre a forma
dos traços que constroem o corpo dos animais, levando a inferências de como funciona o arranjo articulado
das partes que formam o todo. Dentre os vários animais que vivem na nossa fauna, escolhemos alguns que
apresentam particularidades que chamam a atenção pelo seu arranjo estrutural. Além das inúmeras
possibilidades de explorar a temática, mas nos reservamos a apresentar espécies emblemáticas na
composição dos biomas Cerrado, Pantanal e Amazônico. Nossa equipe produziu material que levou em
conta os aspectos da cultura e da cidadania com linguagem adequada para promover o letramento científico
dos visitantes, envolvendo o público com conteúdo a ser explorado de maneira interdisciplinar, mediando
a interrelação do patrimônio com seus usuários. A proposta foi divulgar o conhecimento para a população
de forma simplificada e objetiva, mas com embasamento científico.

Palavras-chave: Letramento científico; mídia digital; fauna; divulgação científica; biologia.

Financiamento: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (FAPEMT)

Referências Bibliográficas:
DIAS, G. Educação ambiental: princípios e práticas. 9. ed. São Paulo: Gaia, 2004. 551 p.
LARROSA, J. Tecnologias do eu e educação. In: SILVA, T. T. O sujeito da educação. Petrópolis: vozes,
1994.
MODESTO, M. C.; RUBIO, J. A. S. A importância da ludicidade na construção do conhecimento.
Revista eletrônica Saberes da Educação., v. 5, n. 1, 2014.
OVIGLI, D. F. B. Prática de ensino de ciências: o museu como espaço formativo. Revista Ensaio., v. 13.
n.03, p.133-144, 2011.
PEGORARO, A.; SOARES, L. G.; RIZZON, M. Z.; MOLI, E. D.; FERNANDES, F. M.; LOVATO, L. B.;
CUNHA, G. F. A importância do ensino de evolução para o pensamento crítico e científico. Revista
Interdisciplinar de Ciência Aplicada., v. 2, n. 2, 2016
SASSERON, L. H. Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre
ciências da natureza e escola. Revista Ensaio., v.17, p. 49-67, 2015.