Você está na página 1de 11

Volume 1- no 1- Janeiro/Dezembro de 2010

Projeto Museu Virtual: Criação de Ambientes Virtuais com


Recursos e Técnicas de Realidade Virtual

Cristina Jasbinschek Haguenauer 1,2


Gerson Gomes Cunha 2
Francisco Cordeiro Filho 1
Marcos Coutinho Monnerat Araujo1,2
Leonardo de Santa Marinha Pastorino de Almeida 1, 2
Augusto de Freitas Lohmann 1
1
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação –
Escola de Comunicação – Universidade Federal do Rio de Janeiro –
WWW.latec.ufrj.br , e-mail:latec@ufrj.br

2
Grupo de Realidade Virtual aplicada – Laboratório de Métodos Computacionais em
Engenharia – GRVa/LAMCE/COPPE – Universidade federal do Rio de Janeiro –
grva@lamce.ufrj.br

Resumo
Este artigo apresenta um projeto de pesquisa, que vem sendo desenvolvido na Universidade
Federal do Rio e Janeiro, com o objetivo de desenvolver tecnologias e metodologias para a
digitalização do acervo de museus. Fruto de uma parceria entre diferentes grupos de
pesquisa, o “Projeto Museu Virtual” envolve áreas como Educação, Computação,
Engenharia, Comunicação, Museologia e Linguística Aplicada. São utilizados os recursos e
técnicas da Realidade Virtual e Tecnologias da Informação e da Comunicação na criação de
Ambientes Virtuais.
Palavras-chave: Realidade Virtual; Tecnologias Digitais; Games.

Abstract
This article presents a research project, being developed at the Federal University of Rio de
Janeiro, aiming to develop technologies and methodologies to virtualize the collection of
museums. Result of a partnership between different research groups, the "Virtual Museum
Project" involves areas such as Education, Computing, Engineering, Communication,
Museology and Applied Linguistics. Methodologies and tools of Virtual Reality and
Information and Communication Technologies are used in the creation of Virtual
Environments.

Universidade Federal do Rio de Janeiro Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da
Comunicação – LATEC/UFRJ, Grupo de Realidade Virtual Aplicada – GRVA/LAMCE/COPPE/UFRJ
Volume 1- no 1- Janeiro/Dezembro de 2010

Keywords: Virtual Reality, Digital Technologies; Games, Virtual Environments.

O Projeto Museu Virtual

O Projeto Museu Virtual tem como objetivo principal desenvolver tecnologias e


metodologias para a digitalização do acervo de museus e a criação de Ambientes
Virtuais imersivos e interativos capazes de promover a aprendizagem envolvendo o
acervo de Museus. Esse projeto envolve a integração das atividades de ensino,
pesquisa e extensão em diversas áreas da Universidade: Museologia, Computação,
Engenharia, Educação, Comunicação e Lingüística Aplicada. Envolve também,
alunos de graduação, mestrado e doutorado da UFRJ, no desenvolvimento de
aplicações multimídia, softwares e ambientes virtuais, paralelamente à realização de
pesquisas sobre o desenvolvimento de metodologias de ensino-aprendizagem,
softwares, ferramentas e aplicativos, com foco na percepção do público alvo no
potencial de aprendizagem dos ambientes virtuais.

O Projeto Museu Virtual surgiu com a parceria entre três grupos de pesquisa da
Universidade Federal do Rio de Janeiro: o Grupo de Realidade Virtual aplicada, do
Laboratório de Métodos Computacionais em Engenharia – LAMCE/COPPE/UFRJ, o
Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação da
Escola de Comunicação – LATEC/UFRJ e o Grupo de Ensino de Ciências e Meio
Ambiente da Faculdade de Educação – GEA/FE/UFRJ.

Uso de Realidade Virtual na Virtualização de Museus

No desenvolvimento do “Projeto Museu Virtual” são utilizadas diversas ferramentas e


técnicas da Realidade Virtual, como (a) VRML - (Virtual Reality Modelling
Language); (b) Realidade Aumentada; (c) Reconstrução Digital; e (d) Núcleos de
Games, descritas a seguir.


Universidade Federal do Rio de Janeiro Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da
Comunicação – LATEC/UFRJ, Grupo de Realidade Virtual Aplicada – GRVA/LAMCE/COPPE/UFRJ
Volume 1- no 1- Janeiro/Dezembro de 2010

Virtual Reality Modelling Language - VRML

O VRML (Virtual Reality Modelling Language) é o equivalente em 3 dimensões da


linguagem comumente utilizada para a criação de páginas na Internet, o HTML
(Hyprtext Markup Language). As figuras 1 e 2 mostram telas de um ambiente 3D
criado com a linguagem VRML (disponível em
www.latec.ufrj.br/http://www.latec.ufrj.br/realidadevirtual.htm).

Figura 1: Ambiente virtual desenvolvido com VRML.

Figura 2: Telas do Ambiente Virtual.


Universidade Federal do Rio de Janeiro Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da
Comunicação – LATEC/UFRJ, Grupo de Realidade Virtual Aplicada – GRVA/LAMCE/COPPE/UFRJ
Volume 1- no 1- Janeiro/Dezembro de 2010

Realidade Aumentada

Um ambiente de Realidade Aumentada consiste da inserção de objetos virtuais em


ambientes reais digitalizados em tempo real, onde as cenas formadas dão a
impressão de que os objetos virtuais pertencem ao mundo real. Suas aplicações
envolvem diversos campos de conhecimento, como por exemplo educação,
entretenimento e medicina entre outros. A figura 3 apresenta um esquema de um
sistema típico de Realidade Aumentada, onde uma Webcam filma uma planta e o
software acrescenta uma fada à cena, em tempo real.

Figura 3: Esquema de um sistema típico de RA.


Reconstrução Digital

No Projeto Museu Virtual são utilizadas também técnicas de reconstrução digital em


três dimensões por meio de fotografias, com o objetivo de recriar, no computador, os
objetos reais, para compor a modelagem do ambiente. Técnicas de modelagem e
renderização baseadas em imagem auxiliam na criação de modelos gráficos mais
realísticos com uma necessidade menor de trabalho e equipamentos em
comparação com métodos alternativos como a modelagem manual (em CAD ou em
software de modelagem 3D) ou a utilização de scanners a laser.


Universidade Federal do Rio de Janeiro Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da
Comunicação – LATEC/UFRJ, Grupo de Realidade Virtual Aplicada – GRVA/LAMCE/COPPE/UFRJ
Volume 1- no 1- Janeiro/Dezembro de 2010

O Programa 3D SOM (3D Software Object Modeller), desenvolvido pela Creative


Dimension Software Ltd, foi utilizado para auxiliar na reconstrução dos objetos a
serem inseridos no projeto. O programa utiliza a técnica de recorte das silhuetas de
imagens capturadas dos objetos. O processo consiste na captura de fotografias dos
objetos reais sobre um pedestal posicionado ao centro de um gabarito com um
padrão de marcadores, que será reconhecido pelo programa 3D SOM para
identificar o posicionamento da câmera fotográfica em relação ao objeto. Por fim, o
conjunto objeto-pedestal-gabarito é fotografado sobre um fundo monocromático de
forma a permitir que o programa reconheça a silhueta dos objetos fotografados.

A figura 3 mostra uma das 55 fotografias utilizadas para a reconstrução digital de um


objeto e a figura 4 mostra o resultado final da modelagem em 3 dimensões
utilizando-se o software 3D SOM. A figura 5 mostra detalhes da reconstrução digital
de um casco de tartaruga.

Figura 3: Objeto posicionado para ser fotografado.


Universidade Federal do Rio de Janeiro Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da
Comunicação – LATEC/UFRJ, Grupo de Realidade Virtual Aplicada – GRVA/LAMCE/COPPE/UFRJ
Volume 1- no 1- Janeiro/Dezembro de 2010

Figura 4: Objeto modelado e publicado na internet.

Figura 5: Detalhes da Reconstrução digital de um casco de tartaruga.

Utilização de Núcleos de Games



Universidade Federal do Rio de Janeiro Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da
Comunicação – LATEC/UFRJ, Grupo de Realidade Virtual Aplicada – GRVA/LAMCE/COPPE/UFRJ
Volume 1- no 1- Janeiro/Dezembro de 2010

Para a construção de cenários virtuais de museus, do projeto Museu Virtual, podem


ser utilizados núcleos de games. Neste caso, foi utilizado o Unreal Engine 2. O
Unreal Engine é uma ferramenta de criação de jogos (núcleo de game ou game
engine), largamente utilizada em pesquisas acadêmicas, desenvolvida pela Epic
Games. Tendo aparecido pela primeira vez no jogo de tiros em primeira pessoa
Unreal, de 1998, o Unreal Engine tem sido a base de muitos jogos, incluíndo Unreal
Tournament, Mass Effect, Tom Clancy's Rainbow Six 3: Raven Shield, Tom Clancy's
Rainbow Six: Vegas, Red Steel, Gears of War, BioShock, Tactical Ops e muitos
outros. (http://en.wikipedia.org/wiki/Unreal_Engine). Sua aplicação, no entanto, não
se limita a criação de jogos, pois possui recursos muito poderosos para o
desenvolvimento de cenários tridimensionais para simulações e aplicações de
Realidade Virtual. Uma das principais vantagens de se usar o Unreal Engine 2 para
a criação de ambientes virtuais é o fato de ser gratuito para fins não comerciais,
permitindo seu uso para pesquisas acadêmicas com economia de recursos.

Para a construção do Ambiente Virtual em 3 dimensões, mostrado nas figura 6,


foram utilizadas, em sua grande maioria, as ferramentas de modelagem do próprio
editor do Unreal Engine. Apenas alguns modelos de objetos foram desenvolvidos no
software de modelagem 3D gratuito Blender, como grades, luminárias e bancos.

Para a geração das texturas foi utilizado o software de edição de imagens Adobe
Photoshop. Com ele, foram geradas as imagens de portas, janelas, pisos e paredes
a partir de fotografias do ambiente real.


Universidade Federal do Rio de Janeiro Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da
Comunicação – LATEC/UFRJ, Grupo de Realidade Virtual Aplicada – GRVA/LAMCE/COPPE/UFRJ
Volume 1- no 1- Janeiro/Dezembro de 2010

Figura 6: Ambiente Virtual criado com o núcleo do game Unreal.

Algumas formas de interação do usuário com o cenário, disponibilizadas pelo Unreal


Engine 2 foram inseridas para aumentar a possibilidade de imersão do usuário com
o sistema, melhorando a sua experiência de navegação.

A própria ferramenta possui um sistema de publicação para executar o cenário


virtual com muito realismo, mesmo em um computador pessoal de capacidade
média (LEPOURAS, 2005, p. 99). Além disso, o Unreal Engine tem suporte para o
uso de sistemas de realidade virtual imersivos como óculos 3D, displays estéreo,
CAVE etc. (LEPOURAS, 2005, p.100).

Considerações Finais

O Projeto Museu Virtual mostra exemplos de aplicações de técnicas e metodologias


baseadas em recursos de Realidade Virtual com o objetivo de ampliar o interesse do
público pelos acervos dos museus. Este projeto tem especial alcance junto ao
público jovem, devido ao seu interesse pelas novas linguagens digitais.


Universidade Federal do Rio de Janeiro Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da
Comunicação – LATEC/UFRJ, Grupo de Realidade Virtual Aplicada – GRVA/LAMCE/COPPE/UFRJ
Volume 1- no 1- Janeiro/Dezembro de 2010

Os materiais desenvolvidos no âmbito do Projeto Museu Virtual podem ser utilizados


como material didático para estudantes de nível fundamental, médio e de graduação
universitária, ampliando o acesso aos acervos de museus e, além disso, tornado o
estudo mais interessante e divertido.

O desenvolvimento de aplicações em Realidade Virtual para o Projeto Museu Virtual


utiliza técnicas plenamente acessíveis do ponto de vista de software, hardware e do
conhecimento técnico necessário para o desenvolvimento dos Ambientes Virtuais.

As técnicas de Realidade Virtual podem oferecer ao visitante de uma exposição


virtual, um nível de interação maior que o encontrado em uma exposição real, nos
moldes tradicionais.

Referências
LEPOURAS, G., KATIFORI, A., VASSILAKIS, C., CHARITOS, D., 2004, “Real Exhibitions in
a Virtual Museum”, Virtual Reality, n. 7, pp 120-128.
LEPOURAS, G., VASSILAKIS, C., 2005, “Virtual museums for all: employing game
technology for edutainment”, Virtual Reality, n. 8, pp 96-106.
The Official Army Game – Americas Army. http://www.americasarmy.com
BRAGA, Isis, F. Realidade Aumentada em Museus: AS Batalhas do Museu Nacional
de Belas Artes, RJ. Tese de Doutorado. COPPE/UFRJ. 2007.
MARINS, Vania N., HAGUENAUER, Cristina, J., CUNHA, Gerson, G. G., CORDEIRO
FILHO, Francisco. Aprendizagem em Museus com Uso de Tecnologias Digitais e Realidade
Virtual. Revista realidade Virtual Volume 1- no 1- Janeiro/Junho de 2008. Disponível em
http://www.latec.ufrj.br/revistarealidadevirtual/numeros.htm.

Sobre os Autores:


Universidade Federal do Rio de Janeiro Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da
Comunicação – LATEC/UFRJ, Grupo de Realidade Virtual Aplicada – GRVA/LAMCE/COPPE/UFRJ
Volume 1- no 1- Janeiro/Dezembro de 2010

Cristina Jasbinschek Haguenauer


Graduada em Engenharia Civil pela UERJ (1985), Mestre em
Engenharia pela PUC-RJ (1988) e Doutora em Ciências e
Engenharia pela UFRJ (1997). Professora Associada da Escola de
Comunicação da UFRJ; atua em ensino, pesquisa e consultoria na
área de Tecnologias da Informação e da Comunicação, com foco
em Educação a Distância, Capacitação Profissional, Formação
Continuada, Hipermídia, Jogos Educativos, Ambientes Virtuais de
Aprendizagem, Portais de Informação e Realidade Virtual.
  Coordenadora do Laboratório de Pesquisas em Tecnologias da
Informação e da Comunicação - LATEC/UFRJ.

Gerson Gomes Cunha


Doutor e Mestre em Engenharia Civil pelo Programa de Engenharia
Civil da COPPE/UFRJ (2004 e 1991), graduado em Engenharia
Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1985).
Engenheiro/Pesquisador da Universidade Federal do Rio de
Janeiro, Pesquisador da Fundação COPPETEC. Coordenador do
Grupo de Realidade Virtual aplicada do Laboratório de Métodos
Computacionais em Engenharia (GRVa/LAMCE/COPPE/UFRJ).
Tem experiência na área de Ciência da Computação, com ênfase
em Metodologia e Técnicas da Computação. Atuando
principalmente nos seguintes temas: Realidade Virtual,
  Computação Gráfica, Plataformas Flutuantes, Exploração de
Petróleo.

Francisco Cordeiro Filho


Doutor em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Rio
de Janeiro (1992), Mestre em Educação pela Universidade Federal
do Rio de Janeiro (1983), Licenciado em Física pela Universidade
Federal do Rio de Janeiro (1967). Professor Associado da
Universidade Federal do Rio de Janeiro. Coordena o grupo de
Educação Ambiental e Ensino de Ciências (GEA/UFRJ); é vice
coordenador do Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da
Informação e da Comunicação (Latec/UFRJ). Desenvolve
pesquisas sobre Formação de Professores, Teorias e Práticas
Pedagógicas e Teorias e Métodos de Ensino de Ciências e
  Educação Ambiental.

Leonardo de Santa Marinha Pastorino de Almeida


Tecnólogo em Processamento de Dados pela Pontifícia
Universidade Católica do Rio de Janeiro (1997). Atualmente faz
parte da equipe de pesquisadores do Projeto Museu Virtual, que
está sendo desenvolvido pelo Grupo de Realidade Virtual Aplicada
do Laboratório de Métodos Computacionais em Engenharia
(LAMCE/COPPE/UFRJ) em Parceria com o Laboratório de
Pesquisas em Tecnologias da Informação e da Comunicação -
LATEC/UFRJ. Tem experiência na área de Processamento de
  Dados, com ênfase em Software Básico.

10 
Universidade Federal do Rio de Janeiro Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da
Comunicação – LATEC/UFRJ, Grupo de Realidade Virtual Aplicada – GRVA/LAMCE/COPPE/UFRJ
Volume 1- no 1- Janeiro/Dezembro de 2010

Marcos Coutinho Monnerat Araujo


Mestre em Sistemas Computacionais na Coppe/UFRJ, graduado
em Desenho Industrial pela Universidade Federal do Rio de Janeiro
(2003). Tem experiência na área de Desenho Industrial, com ênfase
em Comunicação Visual, Webdesign, Educação a Distância e
Realidade Virtual, atuando principalmente nos seguintes temas:
realidade virtual, reconstrução 3D, design e educação a distância.
 

Augusto de Freitas Lohmann


Formado em Comunicação Social, nas habilitações Radialismo
(2005) e Jornalismo (2009) pela Escola de Comunicação da UFRJ.
Desenvolve projetos de criação, desenvolvimento e manutenção de
sites para empresas de todas as áreas e segmentos, utilizando
linguagem html, php, asp ou actionscript (flash). Participa da equipe
do LATEC/UFRJ desenvolvendo pesquisas sobre Ambientes
Virtuais de Aprendizagem.
 

11 
Universidade Federal do Rio de Janeiro Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da
Comunicação – LATEC/UFRJ, Grupo de Realidade Virtual Aplicada – GRVA/LAMCE/COPPE/UFRJ

Você também pode gostar